Você está na página 1de 6

FACULDADE DOM LUIZ DE ORLEANS E BRAGANÇA

BACHARELADO DE ENFERMAGEM

CORRELAÇÕES CLÍNICAS

RIBEIRA DO POMBAL – BA
2018
DANILO SILVA DE SOUZA

DEMILLI HOSANA SANTOS SOUZA

JOSEFA GRAZIELE DA SILVA XAVIER

LAVÍNIA RAFAELA ANUNCIAÇÃO SANTOS

LARISSA GAMA MESSIAS

MATHEUS CARVALHO DA SILVA

CORRELAÇÕES CLÍNICAS

Trabalho apresentado á Faculdade Dom


Luiz de Orleans e Bragança como parte
das exigências para a avaliação parcial
do curso Bacharelado em Enfermagem,
solicitado pelo professor Max Nunes
Barreto docente da disciplina de
Histobiologia, como requisito parcial do
semestre 2018.2

RIBEIRA DO POMBAL – BA

2018
1. Correlação Clínica do tecido epitelial – Metaplasia epitelial
Todo epitélio do corpo humano apresenta suas características, localização e
morfologia celular próprias, todas relacionadas a função do epitélio. Em estabelecidas
condições anormais, a população celular de um epitélio pode sofrer metaplasia, a qual é uma
alteração que ocorre quando uma célula adulta epitelial é substituída por outro tipo de célula
epitelial.
O epitélio pseudoestratificado cilíndrico ciliado dos brônquios de fumantes podem
sofrer o que se chama de metaplasia escamosa, transformando-o em um epitélio estratificado
pavimentoso. Essa alteração prejudica a função, mas o processo pode ser revertido quando a
agressão patológica (o hábito de fumar) é removida.
Tumores que têm origem em células epiteliais podem ser benignos ou malignos. Os
tumores malignos que se origina em epitélios são denominados de carcinomas: aqueles que se
originam em células epiteliais glandulares são denominados de adenocarcinomas.

2. Correlação clínica – Discinesia ciliar primária (síndrome dos cílios


imóveis)
A discinesia ciliar primaria é uma doença hereditária caracterizada por anormalidades
nas estruturas ciliares que compromete a atividade ciliar normalmente, os cromossomos
6,7,19 podem está envolvidas em sua patogênese, porem sua condição é geneticamente
heterogênea, sendo assim outras mutações podem ser responsáveis por esse fenótipo. A DCP
tem por base fisiopatológica normal estruturas ou função ciliar que se origina em um
batimento normal dificultando a depuração mucociliar, posteriormente os defeitos na ultra-
estruturas ciliares foram relacionados aos defeitos na estrutura da cauda dos espermatozóides
de homens inférteis com doenças pulmonares levando o termo de síndrome dos cílios
imóveis.

A ultra-estrutura ciliar é o que reveste o trato respiratório desde o terço posterior das
fossas nasais até os brônquios incluindo seios paranasais e ouvidos médio. Os movimentos
ciliares atuam na estabilidade do conjunto e é reforçado pelo pé basal. Uma estrutura tubular
localizada na base aos cílios que também é responsável pela orientação ciliar. O movimento
ciliar resulta na interação dos braços de deneina como microtúbulo adjacente e é dividida em
uma primeira fase de “batida” e uma segunda fase de “recuo”.

Os cílios são classificados em móveis e não móveis:


 Cílios móveis:
 Os cílios móveis têm função na motilidade celular e na movimentação de
fluidos extracelulares;
 Durante o desenvolvimento embriológico (na fase de gástrula do embrião
humano), existem células localizadas no pólo ou nodo ventral do embrião com um único cílio
móvel por célula;
 Seu movimento rotatório determina o desenvolvimento da lateralidade visceral
na embriogênese;
 Os cílios móveis com padrão microtubular 9+2 são os cílios das células ciliadas
epiteliais das vias aéreas, da tuba uterina, do epêndima e da cauda dos espermatozóides.
 Cílios não móveis:
 Têm função de percepção de sinais físicos e bioquímicos extracelulares;
 Os cílios não móveis com padrão microtubular 9+0 são os cílios das células
epiteliais dos túbulos renais (monocílio) e dos ductos biliar e pancreático;
 São também os cílios dos condrócitos e osteócitos, bem como os cílios
conectores das células fotorreceptoras da retina;
 Os cílios não móveis com padrão microtubular 9+2 são os cílios da orelha
interna (quinocílios e estereocílios).

3. Correlação clínica – Complexos juncionais como alvos de agentes


patogênicos
Complexos juncionais tem como função proteger as camadas epiteliais dos agentes
patogênicos formando junto com os epitélios uma barreira física que possibilita ao corpo
manter a homeostasia interna. Para que os agentes patogênicos possam comprometer as
funções protetoras da camada epitelial eles precisam consistir em destruir os complexos
juncionais, através de moléculas produzidas ou expressas por esses agentes patogênicos.
BACTÉRIAS
Clostridium perfringens é uma bactéria que causa intoxicação alimentar, atacando a
junção da zônula de oclusão, os sintomas caracterizam-se por dor abdominal intensa e diarréia
com inicio de 8 a 22 horas após a ingestão de alimentos contaminados por essa bactéria e no
geral os sintomas melhoram em 24 horas.
Como a bactéria Helicobacter pylori pode aumentar o risco de câncer de estômago. A
infecção ocorre principalmente pela água e alimentos contaminados, pela falta de higiene e
pelo contato com vômito ou fezes de pessoas que têm a bactéria. Dentro do organismo, ela se
instala no estômago e pode causar gastrite e úlceras.
VÍRUS
Um grupo especifico de vírus de RNA responsável pela enterite do lactente
(inflamação do intestino) usa via de sinalização JAM intracelular. A fixação endocitose de
reovirus é iniciada pela interação de sua proteína ligante viral com uma molécula de JAM.
As proteínas associadas a zônula de oclusão que contem a sequência expressa da
PDZ são alvos de adenovírus e papilomavírus oncogênicos. O oncogênico dessas interações é
atribuído, em parte, ao sequestro e à degradação da zônula de oclusão e as proteínas
supressoras associadas ao vírus.
PARASITOS
Dermatophagoides Pteronyssinus Trouessart é uma espécie de ácaros da família
Pyroglyphidae, presente na poeira intradomiciliar em todo o mundo. A espécie é apontada
como uma das principais causas de alergia respiratória em humanos, também destrói a junção
da zônula de oclusão. A perda da barreira epitelial protetora no pulmão expõe esse órgão aos
alergênicos inalados e inicia uma resposta imune que pode levar a graves crises de asma.
Complexos juncionais tem como função proteger as camadas epiteliais dos agentes
patogênicos formando junto com os epitélios uma barreira física que possibilita ao corpo
manter a homeostasia interna. Para que os agentes patogênicos possam comprometer as
funções protetoras da camada epitelial eles precisam consistir em destruir os complexos
juncionais, através de moléculas produzidas ou expressas por esses agentes patogênicos.

4. Referências bibliográficas
GARTNER, Leslie. Tratado de Histologia. 4° Edição. Rio de Janeiro: Elsevier
Editora, 2017.
GARTNER, L. P. & Hiatt, J. L. Tratado de Histologia em Cores. 2° Edição. Rio de
Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.
ROSS, Michael H; PAWLINA, Wojciech. Histologia Texto e Atlas. 6° Edição. Rio
de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012.
OLM, Mary Anne Kowal; Et Al. Diagnóstico de discinesia ciliar primária. Disponível
em: http://www.jornaldepneumologia.com.br/detalhe_artigo.asp?id=2409. Acesso em: 06 out
2018.
SANTOS, José Wellington Alves Dos; Et Al. Discinesia ciliar primária. Disponível
em: http://www.scielo.br/pdf/jpneu/v27n5/a06v27n5.pdf. Acesso em: 06 out 2018.