Você está na página 1de 9

Teste de avaliação Ano letivo 2017 - 2018

Biologia e Geologia – 10.º ano


______________________________________________________________________________

Grupo I

Há cerca de 252 milhões de anos (M.a.), no limite entre o Pérmico e o Triásico, ocorreu a maior
extinção em massa de que há registo, com o desaparecimento de cerca de 90% das espécies
marinhas e 70% das espécies terrestres.
Existem várias hipóteses explicativas para a extinção em massa no final do Pérmico,
destacando-se o vulcanismo intenso, registado em extensos mantos de lava na atual Sibéria. Este
fenómeno vulcânico decorreu ao longo de centenas de milhares de anos, com libertação de
elevadas quantidades de dióxido de carbono (CO2). A existência de depósitos de carvão rico em
metano na região afetada pela erupção levou à libertação de metano, um gás com forte efeito de
estufa.
A combinação de elevadas temperaturas, chuvas ácidas e aumento da meteorização das
rochas levou a um incremento do transporte de nutrientes para os oceanos. Apesar do acréscimo
momentâneo e local da produtividade dos ecossistemas aquáticos, gerou-se um amplo consumo
de oxigénio por parte dos decompositores, em especial nas águas mais profundas. Deste
fenómeno resultou o aparecimento de zonas nos oceanos com reduzidos teores de oxigénio
(OMZ, do inglês – oxygen minimum zone). Estas condições intensificaram-se ao longo de 2 M.a.,
afetando os ecossistemas marinhos e terrestres.

Figura 1.
Baseado em http://homepages.uc.edu/~algeot/PTB.htm (consultado em outubro de 2017).

1
Nos itens de 1. a 5., selecione a letra da opção correta.

1. A extinção em massa que ocorreu no final do Pérmico


(A) afetou mais os ambientes terrestres.
(B) foi causada por um arrefecimento global.
(C) não está relacionada com as interações entre os subsistemas.
(D) afetou mais os ecossistemas aquáticos.

2. A formação de chuvas ácidas pela reação entre o vapor de água e o dióxido de enxofre
de origem vulcânica é um exemplo de interação entre
(A) geosfera e biosfera.
(B) atmosfera e hidrosfera.
(C) geosfera e atmosfera.
(D) hidrosfera e biosfera.

3. A libertação de metano
(A) ocorreu de forma direta a partir do magma.
(B) não causou variações na temperatura global.
(C) pode ter sido responsável pelo aumento da temperatura global dos oceanos.
(D) só afetou os ecossistemas de forma local.

4. A extinção das espécies resulta


(A) do aumento das taxas de reprodução.
(B) da dificuldade em se adaptarem a alterações climáticas.
(C) da colonização de novas áreas terrestres.
(D) da maior capacidade das espécies se adaptarem a alterações climáticas.

5. Relativamente aos dados da figura 1, é possível afirmar que


(A) a extinção foi agravada pelo facto de o vulcanismo ter afetado rochas ricas em metano.
(B) não ocorreu recuperação das comunidades biológicas ao longo do Triásico.
(C) a extinção do Pérmico resultou da ação conjunta do vulcanismo e do impacto meteorítico.
(D) o transporte de sedimentos foi reduzido no final do Pérmico.

6. Ordene as letras de A a E, de modo a reconstituir a sequência cronológica dos acontecimentos


relacionados com a formação de regiões sem oxigénio nos oceanos, no final do Pérmico.
A. Transporte de nutrientes dissolvidos para os oceanos.
B. Intensa meteorização das rochas continentais.
C. Crescimento rápido dos seres vivos produtores numa fase inicial.
D. Os seres vivos decompositores consomem o oxigénio presente nas águas mais profundas.
E. Os restos dos seres vivos depositam-se nos fundos oceânicos.

7. Durante o Pérmico, os continentes estavam juntos, formando a Pangeia. As grandes


dimensões deste supercontinente causaram alterações climáticas, em que as regiões mais
internas eram secas e frias, e as regiões costeiras eram mais quentes e húmidas.
Explique em que medida os movimentos tectónicos podem ser responsáveis pelas extinções
em massa.

2
Grupo II

O conhecimento sobre da evolução da atmosfera terrestre está registado nas rochas


distribuídas pelo planeta.
As formações de ferro bandado são depósitos sedimentares caracterizados pela alternância de
minerais ricos em ferro (por exemplo, hematite) com camadas ricas em sílica (por exemplo,
quartzo). Estas formações rochosas depositaram-se entre os 3000 e 1800 M.a. atrás, originando
depósitos que cobriam parte dos oceanos primitivos e com dezenas a centenas de metros de
espessura.
Os investigadores acreditam que o ferro era abundante nos mares primitivos, onde se
encontrava dissolvido, tendo reagido com o oxigénio libertado pelos primeiros seres vivos
fotossintéticos. Da reação formou-se um óxido de ferro, insolúvel, que precipitou nos mares
primitivos. Após o ferro dissolvido ter sido consumido, o oxigénio começou a acumular-se na
atmosfera.

Nos itens de 1. a 5., selecione a letra da opção correta.

1. As formações de ferro bandado _____ a acumulação do oxigénio produzido pelos primeiros


seres vivos fotossintéticos, tendo-se formado em ambientes _____.
(A) facilitaram … aquáticos
(B) facilitaram … terrestres
(C) impediram … aquáticos
(D) impediram … terrestres

2. Relativamente às formações de ferro bandado, é possível afirmar que


(A) o fim da deposição das mesmas marca o fim da acumulação de oxigénio na atmosfera.
(B) as reações de oxidação na sua base atrasaram a formação da camada de ozono.
(C) as reações de oxidação na sua base facilitaram a formação da camada de ozono.
(D) as reações de oxidação na sua base não estão relacionadas com a formação da camada
de ozono.

3. Alguns dos depósitos de ferro bandado sofreram metamorfismo, mas como os minerais que os
compõem são estáveis, mantêm a sua aparência bandada. Este processo de metamorfismo
(A) não afeta as rochas.
(B) depende da diminuição da pressão e da temperatura.
(C) implica a ocorrência de fusão dos materiais.
(D) implica arranjos texturais no estado sólido.

4. Na atualidade, os depósitos de ferro bandado encontram-se em pequenas secções dispersas


pelo planeta. Este facto pode ser explicado com base no ciclo das rochas, uma vez que
(A) a maioria das rochas sedimentares sofre fusão.
(B) as rochas sedimentares eram as mais abundantes durante o Pré-Câmbrico.
(C) as rochas sedimentares tendem a ser recicladas.
(D) as rochas sedimentares não podem sofrer metamorfismo.

3
5. As formações de ferro bandado acumulam-se em estratos, que
(A) correspondem a camadas de sedimentos que se podem individualizar das restantes pelas
suas características litológicas, paleontológica e idade de formação.
(B) contêm sempre fósseis.
(C) só são formadas por sedimentos de origem biológica.
(D) não possuem continuidade lateral.

6. Faça corresponder cada uma das descrições relativas a rochas, expressas na coluna A,
à respetiva designação, na coluna B.

COLUNA A COLUNA B

(a) Rocha formada pela acumulação de restos de matéria (1) Rocha sedimentar
orgânica vegetal. quimiogénica
(b) Forma-se por precipitação de óxido de ferro no fundo (2) Rocha sedimentar
oceânico. biogénica
(c) Ocorre alinhamento de cristais em função de pressões (3) Rocha plutónica
na crusta terrestre, gerando rearranjos texturais. (4) Rocha vulcânica
(d) Formada a partir da consolidação de um magma em (5) Rocha metamórfica
profundidade.

7. Para determinar as condições em que ocorre a precipitação do ferro, um aluno utilizou uma
solução de água do mar, sem oxigénio e com ferro dissolvido. De seguida, distribuiu a solução
por diversos tubos de ensaio e adicionou diferentes concentrações de oxigénio através de
tubos mergulhados nas soluções, durante um determinado período de tempo.

Considere as seguintes afirmações, referentes à experiência.


I. Ao tubo de controlo não foi adicionado oxigénio.
II. A variável dependente é o teor de oxigénio em cada tubo.
III. A variável independente é a quantidade de ferro precipitado sob a forma de óxido.

(A) I é verdadeira; II e III são falsas.


(B) II é verdadeira; I e III são falsas.
(C) II e III são verdadeiras; I é falsa.
(D) I e III são verdadeiras; II é falsa.

8. Há cerca de 700 M.a., surgiram depósitos de ferro bandado nos fundos oceânicos. A
ocorrência de uma glaciação muito forte formou calotes glaciares que cobriram os oceanos e
dificultaram as trocas gasosas com a atmosfera. No final da glaciação, constata-se a
ocorrência de formações bandadas.
Explique a ocorrência das formações bandadas no final da glaciação há 700 M.a., tendo em
conta as interações entre os subsistemas terrestres.

4
Grupo III

O Grand Canyon é um desfiladeiro profundo (pode atingir 1,6 km de profundidade) e largo,


localizado numa região deserta dos EUA. É formado por muitas camadas de rochas de diferentes
tipos, cujo estudo permite analisar cerca de 2000 M.a. da História da Terra.
O desfiladeiro foi erodido pela ação do rio Colorado e dos seus afluentes, ao longo de milhões
de anos. A figura 2 corresponde a uma representação simplificada da geologia da região.

Figura 2.

1. Mencione o princípio estratigráfico usado na datação relativa das séries estratigráficas


identificadas pelas letras d e g.

Nos itens de 2. a 8., selecione a letra da opção correta.

2. Relativamente à datação dos estratos e das estruturas representadas na figura, é possível


afirmar que
(A) a série estratigráfica identificada pela letra b é a mais antiga.
(B) o dique é mais antigo que a série estratigráfica representada pela letra g.
(C) os granitos são as rochas mais antigas.
(D) a série estratigráfica identificada pela letra e é a mais recente.

5
3. A temperatura atmosférica diária na região do Grand Canyon pode variar entre valores
negativos, durante a noite, e valores diurnos superiores a 40 C. Neste processo, a água
presente nas fendas provoca, essencialmente
(A) a dissolução dos minerais.
(B) a reação química com os minerais.
(C) a meteorização física.
(D) reações que originam a formação de argilas.

4. Em diversos estratos do Grand Canyon existem vestígios de fósseis de seres vivos marinhos que
(A) evidenciam a ocorrência de uma transgressão marinha na atualidade.
(B) podem ser usados como fósseis de ambiente.
(C) permitem datar de forma absoluta os estratos.
(D) indicam que os estratos se encontram atualmente num ambiente semelhante àquele em
que se formaram.

5. Existem registos de rochas magmáticas intrusivas e extrusivas no Grand Canyon. A datação


relativa de uma intrusão magmática pode ser determinada
(A) pelo princípio da horizontalidade original.
(B) pelo princípio da sobreposição.
(C) pelo princípio da interseção.
(D) pela ocorrência de descontinuidades no registo estratigráfico.

6. Na datação _____ das rochas vulcânicas formadas entre 1,8 M.a. e 0,5 M.a. atrás, é
expectável uma relação isótopo-pai/isótopo-filho _____ do que nas rochas vulcânicas formadas
mais recentemente.
(A) absoluta … menor
(B) absoluta … maior
(C) relativa … menor
(D) relativa … maior

7. Para se realizar a datação absoluta de rochas, é essencial


(A) que a taxa de decaimento radioativo varie no tempo e no espaço.
(B) ter uma mistura de isótopos pai e isótopos-filhos no tempo inicial.
(C) escolher um par de isótopos cujo tempo de semivida seja variável no tempo.
(D) que a taxa de decaimento radioativo seja constante no tempo e no espaço.

8. As divisões da escala geológica estão marcadas


(A) apenas por extinções em massa.
(B) apenas pela ocorrência de catástrofes.
(C) pela extinção e pelo aparecimento de novas espécies.
(D) pela abundante formação de estratos.

9. Existem, pelo menos, 14 descontinuidades no registo sedimentar do Grand Canyon. Relacione


a formação destas descontinuidades com as modificações nos paleoambientes.

6
Grupo IV

Foi descoberto, recentemente, um novo continente, designado Zealândia. Localiza-se no


Pacífico e está maioritariamente submerso, exceto na região da Nova Zelândia. Para identificar o
novo continente, os investigadores realizaram seis furos a mais de 860 metros de profundidade,
tendo obtido informações sobre a composição das rochas, o conteúdo fossilífero e os movimentos
tectónicos.
A descoberta de conchas de seres vivos microscópicos que habitaram mares pouco profundos,
de esporos e de pólen de plantas terrestres indicaram que a geografia e o clima deste continente
sofreram modificações profundas no passado. A crusta do novo continente tem uma espessura
média de 30 a 46 km de profundidade e é formada, essencialmente, por uma mistura de rochas
magmáticas, sedimentares e metamórficas.
O novo continente, do tamanho da Índia, deverá ter-se separado da Austrália e da Antártida,
enquanto parte da Gondwana, há cerca de 80 M.a. As rochas mais antigas correspondem a
calcários do Câmbrico e a granitos com 490 a 505 M.a., que correspondem a idades superiores à
média de idade das rochas da crusta oceânica.
A figura 3 representa a distribuição das placas tectónicas na atualidade, com a identificação do
novo continente, que inclui a Nova Zelândia.

Figura 3.

Baseado em Mortimer et al. (2017) Zealandia: Earth’s


Hidden Continent. GSA Today Article, pp. 27–35.

7
1. Estabeleça a correspondência entre as afirmações da coluna A e as informações da coluna B.

Coluna A Coluna B

(a) O novo continente, que inclui a Nova Zelândia, não sofreu (1) Afirmação apoiada
movimentos desde a sua formação. pelos dados.
(b) A fragmentação da Gondwana foi essencial para (2) Afirmação contrariada
a formação do novo continente. pelos dados.
(c) O continente descrito possui uma composição semelhante (3) Afirmação sem relação
à crusta oceânica. com os dados.
(d) A crusta oceânica é menos espessa que o novo
continente.
(e) A crusta e parte do manto superior formam a litosfera.
(f) Os fósseis descobertos nas rochas perfuradas indicam
que ocorreu uma regressão marinha no passado.
(g) As correntes de convecção são o motor da tectónica
de placas.
(h) A maioria da massa continental encontra-se imersa
na atualidade.

Nos itens de 2. a 7., selecione a letra da opção correta.

2. A Zealândia contém vestígios de um limite convergente do Mesozoico. Relativamente


a estes limites, é possível afirmar que
(A) ocorre sempre subducção.
(B) ocorre a criação de nova crusta.
(C) podem ser classificados como conservativos.
(D) podem resultar do choque de uma placa continental contra outra continental.

3. A formação de nova placa ocorre _____, implicando a existência de _____.


(A) nos riftes … magma
(B) nas zonas de subducção … magma
(C) nos riftes … rochas metamórficas
(D) nas zonas de subducção … rochas metamórficas

4. O movimento das placas litosféricas pode ser enquadrado


(A) no catastrofismo.
(B) no imobilismo.
(C) no princípio do uniformitarismo.
(D) no princípio da sobreposição.

5. De acordo com a hipótese da expansão dos fundos oceânicos,


(A) apenas existe a formação de nova placa oceânica.
(B) nos riftes ocorre a formação de nova placa oceânica, que é reciclada para o manto
nas zonas de subducção.
(C) a crusta oceânica tem toda a mesma idade.
(D) a destruição da placa oceânica ocorre nos riftes.

8
6. A reduzida idade média das rochas da crusta oceânica, quando comparada com a crusta
continental, pode ser explicada pela
(A) intensa atividade vulcânica na zona de rifte.
(B) intensa atividade sísmica na zona de rifte.
(C) reciclagem permanente da crusta oceânica nos limites convergentes.
(D) existência de basaltos na crusta oceânica.

7. A teoria da tectónica de placas defende que a litosfera se apresenta _____ e que está dividida
em placas que flutuam sobre a astenosfera, que apresenta um comportamento _____.
(A) fundida … plástico
(B) sólida … rígido
(C) fundida … rígido
(D) sólida … plástico

8. Existem diversas formações geológicas compostas por rochas metamórficas, do Cretácico, que
foram identificadas na região oeste da Antártida e no novo continente. Explique em que medida
esta evidência apoia a classificação da massa descoberta como um novo continente.
Na resposta, identifique o tipo de argumento usado pelos investigadores.

COTAÇÕES

Item
Grupo
Cotação (pontos)
1 2 3 4 5 6 7
I
5 5 5 5 5 5 10 40
1 2 3 4 5 6 7 8
II
5 5 5 5 5 5 5 15 50
1 2 3 4 5 6 7 8 9
III
5 5 5 5 5 5 5 5 10 50
1 2 3 4 5 6 7 8
IV
15 5 5 5 5 5 5 15 60
TOTAL 200