Você está na página 1de 25

O Nome de YHWH 1

O Nome de YHWH
Por Sha’ul Bentsion

I - Introdução

!!!!!!!!O principal Nome utilizado no Tanakh para se referir ao Elohim de Israel é o


chamado Tetragrama, cuja grafia é: ‫יהוה‬, da esquerda para a direita, Yud-Hê-Waw-Hê,
que são essencialmente quatro consoantes. No português, frequentemente representadas
pelas letras YHWH.
!
! Originalmente, o hebraico era escrito apenas com consoantes, possivelmente devido
à fluidez dos sons vocálicos. Como o Tetragrama não costuma ser pronunciado pelo povo
judeu, sua forma original é considerada como perdida.

! Este material se propõe a explorar não apenas essa questão, como também as
tentativas modernas de reconstrução da pronúncia do Tetragrama, avaliando seus pontos
fortes e pontos fracos.
!
! Em alguns momentos, o texto dará algumas explicações técnicas do hebraico, sem
entrar em grande profundidade, apenas para justificar algumas observações e
conclusões. O leitor que não estiver ainda familiarizado com o hebraico poderá também
acompanhá-las, a título de curiosidade, sem que isso o impeça de compreender os
pontos principais do texto.

II - O Uso

! ! Nos tempos bíblicos, era comum que as pessoas utilizassem o Nome de


YHWH de forma até bem corriqueira, como visto no exemplo abaixo:

“Naquele momento, Bo’az estava chegando de Bet-Lechem e disse aos segadores: ‘Que
YHWH esteja convosco!’, e eles responderam-lhe: ‘Que YHWH te abençoe!’” (Rut 2:4)

! Observa-se por essa passagem que Bo’az, muito casualmente, cumprimenta os


seus trabalhadores utilizando o Nome de YHWH.

! Esse tipo de uso casual é comum em todo o Tanakh. Observe mais um exemplo:

“Agora, pois, meu senhor, vive YHWH, e vive a tua alma, que YHWH te impediu de vires
com sangue, e de que a tua mão te salvasse; e, agora, tais quais Naval sejam os teus
inimigos e os que procuram mal contra o meu senhor.” (Sh’muel Alef/1 Samuel 25:26)

!!!!!!!!!!!Uma forma de juramento muito utilizada era dizer ‫“( חַי–יהוה‬chai YHWH”), isto é,
“Vive YHWH”. Ou seja, era afirmar que tão certo quanto o Eterno é vivo, aquela frase era
verdadeira.

! Isso demonstra mais um uso corriqueiro do Nome de YHWH.

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 2

! Como conciliar isso, o leitor provavelmente está indagando, com a mitswah


(mandamento) referente ao uso do Nome? Vejamos o que diz o texto:

“Não pronunciarás em falso [lashawe - ‫ ]לַּׁשוְא‬o nome de YHWH teu Elohim, pois YHWH
não deixará impune aquele que pronunciar em falso [lashawe - ‫ ]לַּׁשוְא‬o seu nome... Não
apresentarás um falso [shawe - ‫ ]ּׁשוְא‬testemunho contra o teu próximo.”
(Devarim/Deuteronômio 5:11,20)

! Observe que a linguagem na Torah é a mesma. A mitswah (mandamento) se refere a


não pronunciar o Nome de YHWH em situação de falsidade. Como, por exemplo, para
mentir, ou fazendo um juramento que não se pretende cumprir.

! Isso é perfeitamente compreensível numa sociedade onde frequentemente se


invocava o Nome de YHWH como forma de juramento.

! Claro, isso não significa que não devemos ter cuidado ao usar o Nome de YHWH.
Mas, esse cuidado não é diferente de qualquer cuidado que devemos ter com tudo o que
se refere a Ele, a Torah inclusive.

! A questão portanto é: Em que momento passou a ser proibido pronunciar o Nome de


YHWH?

III - A Origem do Banimento

! Pouco se sabe de fato sobre a origem desta prática, mas possivelmente ela foi
implementada aos poucos.

! Nehemia Gordon, um exegeta judeu, afirma o seguinte:

“Podemos ver que a proibição do uso do nome de YHWH começou como um


decreto anti-Torah realizado pelo tirano selêucida grego Antíoco IV Epifânio, em 168 AC.
Isso era parte da política de Antíoco IV de helenizar os judeus, isto é, transformá-los em
gregos. O mesmo decreto incluia um banimento na circuncisão e no Shabat e um
requerimento de que todo judeu participasse de sacrifícios de porcos a Zeus e a Apolo.”
(The Ban on the Divine Name)

! A passagem a quê Gordon se refere aparece no Talmud Bavli, em Rosh HaShanah


18b.

! É questionável, contudo, se essa prática de fato iniciou a proibição ao nome, ou se


simplesmente foi mais uma etapa que contribuiu nessa direção. O autor deste material
discorda de Gordon em estabelecer esta como a origem da prática, por razões que
ficarão evidentes mais adiante no texto. Mas, deixa a cargo do leitor formular sua própria
opinião quanto a isso.

! Fato é que a proibição à declaração do nome é muito antiga. Certamente data, pelo
menos, do século II AC, ao período da dinastia dos Chashmonaim (Hasmoneus).

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 3

! A razão que nos leva a sabermos que essa proibição - tal qual a conhecemos -
deriva, no mínimo, dessa época é por seu aparecimento em dois grupos: na comunidade
de Qumran, e entre os samaritanos.

“Qualquer que falar em voz alta o M[ais] Sagrado Nome do Eterno [seja em…]
maldição ou abruptamente em um tempo de tribulação, ou enquanto lê um livro ou reza,
ele deve ser expulso, e nunca mais deverá retornar à sociedade da Yahad.”
(1QS 6:72b-7:2a)

“[Um homem não deve] jurar por Alef e Lamed (Elohim) ou por Alef e Dalet (Adonai),
mas sim pelo voto daqueles que entram nos votos da aliança. Ele não deve mencionar a
Torah de Moshe, porque o Nome do Eterno está escrito por extenso nela, e se ele jurar
por ela, então ele comete um pecado; ele terá profanado o Nome.” (4Q270 9:15)

! Benyamim Sedaka, do A. B. Institute of Samaritan Studies, afirma acerca da prática


samaritana:

“Os Samaritanos nunca pronunciaram Yod-Hey-Vav-Hey como uma palavra


completa mas sim as leras uma após a outra: Yoot-Eay-Baa-Eey ou o apelido Shehmaa
[=o Nome]” (How The Israelite Samaritans Pronounce the Name of God)

!
! A última ocasião em que a prática judaica poderia ter influenciado a samaritana foi
no período da dinastia dos hasmoneus, por força política. Sobre isso, o professor E Bruce
Brooks relata:

“O rei hasmoneu Yochanan Hirkanus, tendo se tornado independente após a morte


do governante selêucida Antíoco VII em 128 (AC), assaltou Samaria, capturou Shechem, e
queimou o templo no monte Guerizim; as ruínas ainda estão visíveis.”
(Studies in Philology)

! Em sendo assim, há duas hipóteses: Ou a prática samaritana se desenvolveu em


paralelo à judaica ou, caso tenha ocorrido influência de uma sobre a outra, ela certamente
não pode ser posterior ao século II AC, mesma época em que se constata a prática
também na comunidade de Qum’ran.

III - Teorias sobre o Nome

! É muito curioso, pois lendo sobre as diferentes teorias acerca do Nome de YHWH,
uma coisa se observa em comum a todas elas: Todas contestam que a pronúncia do
Nome tenha efetivamente sido perdida, e todas afirmam que na realidade é muito fácil,
uma vez que se atenta para os detalhes.

! As diferentes teorias existentes se apoiam nas mais variadas fontes e evidências.


Aqui, apresentaremos um resumo das principais delas. Tais formas, contudo, não são
suficientes para esgotar em absoluto as possibilidades.

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 4

III.1) Yahweh

! Talvez nenhuma teoria seja tão famosa quanto a de que o Tetragrama se pronuncie
Yahweh.

! Esse teoria foi popularizada por Gesenio, linguista do século XIX, e é até hoje a
teoria mais aceita no meio acadêmico.

! A origem dessa teoria está em uma afirmação da parte de Teodoreto, bispo cristão
do século V, que afirma:

“Os samaritanos o chamam de IABE enquanto os Judeus AIA”


(Quaestiones in Exodum cap. XV)

!!!!!!!!!Por essa teoria, a prática samaritana de pronunciar o waw (‫ )ו‬como baa explicaria
porque Teodoreto teria ouvido Iabe, no lugar de Yahweh. A forma seria portanto
reconstruída como Yahweh.

! Há três problemas, todavia, para essa teoria, a saber:

1) Seria muito difícil vocalizar o Tetragrama a partir do grego. Se admitirmos que o Yud
pode receber kamats (som de /ɔ/ - que será explicado mais adiante) ou patach (som
de /a/), e que o waw pode receber um tsere (som de /e/) ou um segol (som de /ɛ/). Para
alguns, hê recebe um kubuts, formando na realidade a forma Yahuweh. Assim temos
nada menos do que OITO possíveis vocalizações distintas, a saber:

Yahweh - /yah.wɛ/ - ‫יַהְוֶה‬


Yahweh - /yah.we/ - ‫יַהְוֵה‬
Yahweh - /yɔh.wɛ/ - ‫יָהְוֶה‬
Yahweh - /yɔh.we/ - ‫יָהְוֵה‬
Yahuweh - /ya.hu.wɛ/ - ‫יַהֻוֶה‬
Yahuweh - /ya.hu.we/ - ‫יָהֻוֵה‬
Yahuweh - /yɔ.hu.wɛ/ - ‫יָהֻוֶה‬
Yahuweh - /yɔ.hu.we/ - ‫יָהֻוֵה‬

A opção por qualquer uma delas seria absolutamente arbitrária, especialmente


considerando que essa vocalização não deriva de qualquer forma gramatical.

Além disso, pelo menos três dos fonemas acima indicados geralmente não são
pronunciados de forma adequada por brasileiros, a saber: /y/, /w/ e /ɔ/, por se tratar de
fonemas que não existem no português do Brasil, além de ignorar completamente o
hê.

Em sendo assim, por exemplo, a maioria dos brasileiros pronunciaria a forma Yahweh
como /ia.uɛ/, ou seja, bem diferente de qualquer possibilidade acima.

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 5

2) Pela própria frase de Teodoreto de que os judeus pronunciavam o nome como AIA
indica que ou Teodoreto não estava muito certo acerca do que ouviu, ou a tarefa da
transcrição do hebraico para o grego não é exatamente muito precisa.

3) Conforme visto anteriormente, os samaritanos também adotaram a prática de não


pronunciar o Nome de YHWH.

4) É possível que Teodoreto tenha ouvido algum nome substituto. Gordon, por exemplo,
teoriza que Teodoreto tenha ouvido “Yafet” (Belo), que seria um possível eufemismo
para o Nome.

! Além disso, há diversas tentativas antigas de transliteração do grego para o


hebraico. Por exemplo, a Enciclopédia Judaica afirma:

“Foi em conexão com magia que o Tetragrama foi introduzido em papiros mágicos e, em
toda probabilidade, os textos dos Pais da Igreja, estas duas fontes contendo as seguintes
formas, escritas em letras gregas: (1) “Iaoouee,” “Iaoue”, “Iabe,”; (2) “Iao,” “Iaho,” “Iae”;
(3) “Aia”; (4) “Ia.”” (Tetragrammaton, Jewish Encyclopedia)
!
! Além disso, temos ainda as formas “Io” e “Ia” dos nomes teofóricos na Septuaginta,
conforme visto abaixo:

ιωναθαν - iōnathan (hebr. Yehonatan)


ησαιαν - ēsaian (hebr. Yeshayahu)
νεεμια - neemia (hebr. Nechemiyah)

! Como se pode perceber, há várias formas distintas no grego, e cada uma poderia
individualmente sugerir um caminho a ser percorrido no que diz respeito à pronúncia.

III.2) Yehovah/Yehowah

!!!!!!!! A segunda forma mais comum é a forma Yehovah/Yehowah. A variação dependendo


de como se pronuncia o waw (‫)ו‬, seja como /v/ ou como /w/.

! Essa forma é basicamente a principal maneira como o Tetragrama é escrito no Texto


Massorético, que é o texto oficial judaico, com vocalização.

! O principal argumento favorável a essa


forma está no fato de que o Texto
Massorético foi produzido por escribas
caraítas. Shlomo Ben Buya’a e Aaron Ben
Asher, os principais escribas envolvidos, eram
caraítas proeminentes.

! Ao lado, uma imagem de um trecho do


Códice de Aleppo, a cópia judaica mais
importante do Tanakh.

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 6

! O argumento de diversos acadêmicos, e mesmo de sábios na comunidade caraíta,


seria o de que os Ben Asher e os demais escribas caraítas não teriam concordado com o
banimento rabínico ao Nome de YHWH, e que portanto teriam produzido documentos que
continham a forma adequada de pronúncia ao Nome.

! Porém, o Códice de Aleppo é do século X. Mas, mesmo antes disso, no século VIII,
Daniel Al-Qumisi já escrevia o seguinte:

“Não pronuncie o nome de YHWH conforme suas letras, além de “Adonai”, pois aquele
que o fizer é passível de pena de morte, como está escrito: E aquele que proferir o nome
de YHWH, ele será certamente morte… quando pronunciar o Nome (Lv. 24:16), proferir
significando “pronunciar o nome da pessoa””
(Epístola à Diáspora - Pronúncia do Tetragrama)

! Na realidade, o texto de Lv. 24:16 fala acerca de blasfemar o Nome de YHWH, e


não de proferí-lo. No entanto, a questão é outra. Fato é que mesmo no século VIII, já
havia aqueles entre os judeus caraítas que não pronunciavam o Nome de YHWH.

! Isso não é surpresa, pois um banimento tão antigo certamente afetou a população
judaica o suficiente para que permeasse todos os segmentos, conforme já demonstrado.

! Embora houvesse judeus caraítas que pronunciavam o Nome de YHWH, não


garantia alguma de que esse fosse o caso dos escribas massoretas.

! A ideia de que o Nome tenha sido preservada no Texto Massorético é tentadora, e


por isso é defendida por muitos. No entanto, além do problema histórico, há também um
problema interno.

! A forma YHWH não aparece com grafia única no Texto Massorético. Na realidade,
ela é escrita de seis maneiras diferentes:

Yehowah (/yᵊ.ho.wɔ/) - ‫!!!!יְהֹוָה‬


Yehwah (/yᵊh.wɔ/) - ‫!!!!!!!!יְהוָה‬
Yehowi (/yɛ.ho.wi/) - ‫!!!!!!!יֱהֹוִה‬
Yehwi (/yɛh.wi/) - ‫!!!!!!!!!!!! יֱהוִה‬
Yehowi (/yᵊ.ho.wi/) - ‫!!!!!יְהֹוִה‬
Yehwi (/yᵊh.wi/) - ‫!!!!!!!!!!!יְהוִה‬

! Como se pode observar, existem pelo menos SEIS formas diferentes de grafia no
Texto Massorético.

!!!!!!!!!!!Contrariamente ao que é mais adotado popularmente, a letra waw (‫)ו‬


originalmente, e em especial no hebraico tiberiano do Texto Massorético, nunca teve o
som de /v/.

! Além disso, existe como complicador o fato de que o fonema /ɔ/ é incomum nos
países de língua latina. Trata-se de um som intermediário entre o som do “á” e do “ó”.

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 7

! Esse fonema também não é preservado no hebraico moderno, que é basicamente


uma adaptação do hebraico sefaradi, embora ainda seja preservado no hebraico mizrahi
e no ashkenazi.

! Outro fator que complica está no fato de que o português do Brasil,


especificamente, não possui o mesmo conceito de vogais fracas, que ocorre em outros
idiomas. Embora o conceito exista no português de Portugal.

! Dessa forma, a vogal /ᵊ/ acaba se transformando na vogal /e/ para a maioria das
pessoas. A vogal /e/ é basicamente o som de “ê”.

! O mesmo problema, no português, existe para a semi-vogal /y/. A maioria dos


brasileiros também tem dificuldade de pronunciá-la, devido à sua quase inexistência na
língua portuguesa. É comum, portanto, que ela se torne em /i/.

! Isso significa que a maioria dos brasileiros leria o nome como /ie.ho.va/ ao invés
de /yᵊ.ho.wɔ/. Observe que isso significa que duas, das três sílabas do nome, ou quatro
dos seis fonemas, seriam pronunciadas(os) incorretamente!

! Além disso, os proponentes dessa forma ignoram a clara transposição das vogais
de Adonai e de Elohim para o Tetragrama.

! Via de regra, a palavra utilizada no Texto Massorético para a substituição de


YHWH é a palavra Adonai.

! Quando o texto bíblico traz YHWH Elohim, a leitura do Texto Massorético se faz
como “Adonai Elohim”, substituindo “YHWH” por “Adonai”. Quando o texto bíblico traz
Adonai YHWH, a leitura também se faz “Adonai Elohim”, substituindo desta vez “YHWH”
por “Elohim”. Claro, para evitar dizer “Adonai Adonai”.

! Observe abaixo uma comparação entre as formas:

Adonai: ‫אֲֹדנָי‬
Yehowah: ‫יְהֹוָה‬
Elohim: ‫אֱֹלהִים‬
Yehowih: ‫יְהֹוִה‬
! Os proponentes da forma Yehowah afirmam que o não há transposição das
nekudot (vocalização), baseado no fato de Adonai começar com um chataf-patach,
enquanto Yehowah começa apenas com um schwa.

! Contudo, quando se observa em conjunto as formas Yehowah e Yehowih fica claro


que a transposição ocorre, pois a forma Yehowi, que ninguém duvida ser derivada de

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 8

Elohim, sofre também o mesmo fenômeno. Fica, portanto, mais difícil de sustentar a ideia
de uma não-transposição.

!!!!!!!!!!!Acontece apenas que como o Yud (‫ )י‬e o Alef (‫ )א‬têm comportamentos diferentes,
a vogal ao ser transposta para o yud passa de chataf para um simples schwa.

! Ou, alternativamente, pode-se explicar a ausência do patach da mesma forma que


se explica a ausência do cholam em algumas formas, isto é, simplesmente porque é uma
indicação, sem necessidade de ser completa.

! A abundância de diferentes formas de grafia mostra que os massoretas estavam


muito pouco preocupados com a vocalização do Tetragrama, o que serve de indício de
que, de fato, o objetivo era unicamente fazer alusão às formas substitutas.

! Além disso, a escolha de “Yehowah” parece pouco criteriosa, uma vez que ela não
é a forma mais frequentemente utilizada.

! Muito mais sentido seria supor a forma “Yehwah” como a original, por esse critério,
visto que ela é a mais abundante. Mesmo as formas “Yehowi” e “Yehwi” aparecem com
mais frequência do que a forma “Yehowah”.
! Em suma, não se pode afirmar com 100% de certeza que essa seja a forma
original. As controvérsias quanto a isso são muitas, e a quantidade de evidências
contrárias que precisariam ser ignoradas não é nada desprezível.

III.3) Yihweh e Yeheweh

! Aparentemente, a forma Yihweh foi defendida pelos judeus caraítas da Criméia nos
séculos XIII e XIV.

! Essa forma também era adotada pelo famoso Hakham e anti-missionário


Mordechai Alfandari, pelo mesmo motivo:

“Há aqueles que argumentam que a pronúncia do nome singular não é conhecida
e portanto não somos capazes de dizê-lo. Para refutar este argumento olhemos para o
livro de Êxodo, capítulo 3, versos 13-15: “Então disse Moisés a Elohim: Eis que quando
eu for aos filhos de Israel, e lhes disser: O Elohim de vossos pais me enviou a vós; e eles
me disserem: Qual é o seu nome? Que lhes direi? E disse o Eterno a Moisés: ‫אהיה אׁשר‬
‫( אהיה‬Ehyeh Asher Eheyh - isto é, ‘Eu sou o que sou’)! Disse mais…: Assim dirás aos
filhos de Israel,‫ יהוה‬, o Elohim de vossos pais, o Elohim de Abraão, o Elohim de Isaque, e
o Elohim de Jacó, me enviou a vós; este é meu nome eternamente, e este é meu
memorial de geração em geração.”

Assim o Criador chama ao Seu nome , a primeira conjugação imperfeita, primeira


pessoa do verbo ‫( היה‬HaYoH) e a sua vocalização é ‫(אֶהְיֶה‬EHYeH). Elohim ordenou a
Moisés a usar a terceira pessoa do mesmo verbo, i.e., ‫יִהְיֶה‬/‫( יִהְוֶה‬YiHYeH/YiHWeH). O
texto aplica a forma “‫ ”יהוה‬ao invés da forma comum “‫ ”יהיה‬para dar uma marca

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 9

identificatória para o nome singular, ao contrário da forma ordinária do verbo! Portanto o


nome do Elohim de Israel é ‫( יִהְוֶה‬YiHWeH) e não há segredo ou mistério.”
(This is My Name Forever)

! A ideia acima indicada, portanto, se baseia na gramática do hebraico, e parece


bem interessante.

! Contanto, ela esbarra em dois problemas:

1) A forma é uma conclusão baseada unicamente numa observação gramatical. Ela não é
confirmada por nenhuma evidência histórica ou arqueológica.

2) Essa forma gramatical é fortemente contestada, e não condiz com a opinião dos
principais hebraistas sobre o assunto.

! Isso nos traz à forma gramaticalmente mais aceita, que é abaixo indicada por
Jacob Metz:

“Baseado no sentido dado ao Tetragrama por Elohim em Êxodo 3:14, o Tetragrama


é um verbo. Conhecendo a raíz do Tetragrama, é claro observar que não existe diferença
no sentido ou função de HaYaH. Ambos são verbos de estado na conjugação imperfeita.
Reconhecendo isso, a conjugação de HaWaH na 3a. pessoa imperfeita seria naturalmente
válida. Quando uma [consoante] gutural se fecha em uma sílaba átona, a vogal anterior
seria um segol, no lugar de um hiriq, e a vogal após a [consoante] gutural tomaria um
chataf no lugar onde uma [consoante] não-gutural tomaria um schwa. Uma vez que a
vogal precedendo a [consoante] gutural seria um segol, no lugar de um hiriq, então o chaf
deve ser um chataf segol. Assim, teríamos YeHeWeH ‫ יֶהֱוֶה‬ao invés de YiHWeH ‫…יִהְוֶה‬

Há também a palavra de Gesenio, que influenciou a tantos com a sua proposta de


YaHWeH. Ele escreve em seu léxico, sob a entrada para o hebraico ‫הָוָה‬, assim como a do
aramaico/caldeu HaWaH ‫הֲוָה‬, que a forma imperfeita seria YeHeWeH ‫( יֶהֱוֶה‬Gesenio,
1846, pg. 219). Ainda assim, ele rejeita as regras adequadas de gramática, em favor de
uma pronúncia que nunca foi atestada em nenhuma das línguas semitas, na qual HaWaH
é empregado e onde YHWH não é tomado como o Tetragrama divino (Beitzel, 1980, pg.
18).” (The Pronunciation of the Tetragrammaton in Light of Ezra and Daniel)

! De fato, é irônico que Gesenio afirme que a forma gramatical seja Yeheweh, ao
passo que defende a forma Yahweh baseado no testemunho incerto de teólogos cristãos
da antiguidade, sobre uma suposta forma defendida pelos samaritanos.

! Curiosamente, o acadêmico samaritano Benyamim Sedaka também afirma que a


forma gramatical seria Yeheveh, e que os samaritanos jamais pronunciam o Tetragrama,
preferindo a forma substituta Sheehma, equivalente à forma judaica HaShem.

! Em uma consulta informal realizada pelo autor deste material, Sedaka afirmou:

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 10

“Apenas diga: Yoot-Eey-Baa-Eey Shehmaa = = ‫ה השם‬-‫ו‬-‫ה‬-‫ י‬- Esta é a razão pela qual se
pronuncia cada caracter [hebraico] uma vez em cada oração, ou se fala movendo a palma
da mão direita em sua face desde a testa até o queixo: Ehyyee-Eshaar-Ehyyee = ‫אהיה‬
‫ אשר אהיה‬- o outro Nome, que é a [forma] completa [de] ‫יהוה‬. Eu serei o que serei - a
todo tempo: Passado = ‫ הוה‬Presente =‫ הווה‬Futuro =‫ יהוה‬- Haavaa-Hoveh-Yeheveh”

! Ambas as formas gramaticais propostas não podem estar corretas, por razões
óbvias.

! Mas, mesmo a forma Yeheweh também carece de algum tipo de confirmação por
meio de testemunho histórico.

! Até o momento da escrita deste material, nem Yihweh nem Yeheweh têm tal
confirmação.

III.4) Derivados de Nomes Teofóricos

! Muita gente supõe que seja possível reconstruir a pronúncia do Nome de YHWH a
partir da análise de nomes teofóricos. Isto é, de nomes próprios que contêm uma forma
abreviada do Tetragrama, como por exemplo “Eliyahu” (Elias) ou “Yehonatan” (Jonatan).

! Um exemplo disso é a forma Yahuwah, que é um derivativo de a forma -yahu, que


aparece no final de alguns nomes teofóricos.

! Via de regra, tais formas são sugeridas por causa de uma falta de compreensão da
dinâmica do hebraico. E esse é justamente o primeiro problema.

! Existe uma razão pela qual as vogais no hebraico não eram escritas originalmente,
e isso ocorre pela fluidez das vogais, que podem sofrer grandes mudanças de acordo
com vários fatores: conjugação verbal, posição na frase, preposições e prefixos
recebidos, posição do radical na palavra, entre outros.

! Observe como exemplo a seguinte frase de Bereshit (Gênesis) 1:6

.‫ בֵּין מַיִם לָמָיִם‬,‫ וִיהִי מַבְִדּיל‬,‫ יְהִי ָרִקיעַ בְּתֹוְ הַמָּיִם‬,‫וַיֹּאמֶר אֱֹלהִים‬ 
E disse Elohim: Haja uma expansão no meio das águas, e haja separação entre águas e
águas.

! A palavra “águas” é repetida no final do texto. Porém, a vocalização das duas


formas é diferente.

! Na primeira, diz-se /ma.yim/. Na segunda, diz-se /lɔ/ para a preposição, e /mɔ.yim/


para o restante da palavra.

!!!!!!!!!!!Tome também como exemplo a palavra “lev” (‫ )לֵב‬/lev/, que significa coração.
Quando se diz “meu coração”, utiliza-se a expressão “libi” (‫)לִבִּי‬, que se pronuncia /li.biː/

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 11

!!!!!!!!!!!Ou seja, a simples adição do sufixo yud (‫)י‬, que indica o pronome possessivo,
transforma completamente a palavra. Ela se torna dissílaba ao invés de monossílaba, a
vogal tsere dá lugar ao chiriq. A letra bet passa a ser africativa, o que faz com que seu
som mude de /v/ para /b/. Um segundo chiriq, prolongado pela presença do yud, é
também adicionado a ela.
!
! O objetivo aqui não é entediar a você, caro leitor, com regras sobre pronúncia, mas
sim demonstrar como é complexa a vocalização do hebraico.

! Em suma, a posição das letras, como elas se estruturam, etc. mudará sua
vocalização. Não é porque alguns nomes teofóricos terminam em -yahu que isso significa
que o Tetragrama se escreve dessa maneira.

! O segundo problema está no fato de que os proponentes de tais teorias fazem uma
opção pela forma -yahu por afirmarem que os escribas massoretas utilizaram yeho- no
início das palavras como forma de ocultarem o Tetragrama.
! Estranhamanete, não lhes passa pela mente que se os escribas massoretas teriam
utilizado yeho- no início de um nome, também faria igual sentido utilizarem do mesmo
artifício de mudança de vogais no final de um nome, para ocultarem o Tetragrama. Ora,
isso não faz nenhum sentido!

! O terceiro problema é que não existe um padrão único e definido para os nomes
teofóricos. Observe alguns usos comuns:

Hebraico Transliteração Fonética Referência

‫יְהֹונָתָן‬ Yehonatan /yᵊ.ho.nɔ.θɔn/ 1 Sm. 14:6

‫אֶלְיְהֹועֵינַי‬ Elyeho’enay /ɛl.yᵊ.ho.ʕeː.nay/ 1 Cr. 26:3

‫אֵלִיָּהּו‬ Eliyahu /e.li.yɔ.hu/ 1 Rs. 17:1

‫מִיכָיְהּו‬ Mikhayehu /miː.xa.yᵊ.hu/ Jz. 17:1

‫יֵהּוא‬ Yehu(*) /ye.huʔ/ 1 Rs. 16:1

(*) Mesmo a transliteração sendo semelhante, observe que, na realidade, o “Ye” de Yehu
e de Yehonatan recebem vogais diferentes.

! Para efeito de simplificar a análise, este artigo não levará em conta as formas
abreviadas derivativas, como por exemplo Yonatan, e Eliyah, apesar delas aparecerem
abundantemente no Tanakh.

! Observe que temos aqui quatro formas diferentes de pronúncia da forma inicial do
Tetragrama!

! Alguns tentam apresentar a justificativa de que yeho- teria tido suas vogais
mudadas porque aparece no início do nome. No final do nome, supostamente não haveria

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 12

necessidade porque não haveria risco de pronúncia do Nome de YHWH. Vale ressaltar,
de imediato, que isso é pura especulação.

! Mas, basta olharmos para a forma Elyeho’enay que essa teoria cai por terra, pois
vemos o uso de -yeho- não no começo, mas sim no meio de um nome! Pela teoria
exposta, o nome deveria ser Elyahu’enay, mas não é!

! Além disso, a maioria das pessoas que propõe tais formas ignora completamente a
forma yehu, que também aparece ao final de um nome. Por que não seria esse um bom
candidato?

! E o que dizer de Yehu, que traz ainda uma vogal completamente diferente? Essa
forma é absolutamente ignorada.

III.5) Adendo: A Forma Yah

! Para tornar as coisas ainda mais complicadas, observe como é a forma reduzida
do Tetragrama no texto abaixo, de Tehilim (Salmos) 148:1

‫יָּה‬-‫הַלְלּו‬
Louvai a Yah

!!!!!!!!!!!A forma ‫ יָּה‬é pronunciada pela maioria das pessoas como /ia/. Porém, essa
pronúncia também não é a forma indicada.

!!!!!!!!! !Inicialmente, temos que ָ‫ י‬não tem som de /ia/ no hebraico massorético, mas sim
recebe dois fonemas que não existem no português brasileiro, a saber, /yɔ/.

!!!!!!!!!!!Além disso, existe ainda o fato de que a letra hê recebe um mapiq, sendo escrita
como ‫ּה‬.

! Via de regra, o hê no final de uma palavra no hebraico é mudo e indica o


encerramento da palavra. Porém, quando há um mapiq, isso indica que o hê tem um som
consonantal.

! Logo, a forma fonética correta é /yɔh/ - vale ressaltar que /h/ é um fonema e não
uma letra muda. O som seria semelhante ao da primeira letra da palavra him (ele), no
inglês.

!!!!!!!!!!!Ou seja, dos três fonemas existentes na palavra ‫יָּה‬, um brasileiro via de regra
pronunciaria apenas dois. E os dois provavelmente seriam pronunciados de forma
equivocada.

! Em suma, é literalmente impossível reconstruir o Tetragrama a partir de nomes


teofóricos. Só na primeira sílaba, temos !três formas vogais possíveis e usadas
consistentemente ao longo do Tanakh, formando os fonemas /yᵊ/, /ye/, e /yɔ/.

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 13

!!!!!!!!!!!As formas /yo/, /yi/, /yɛ/, e /yu/ não aparecem no Tanakh. É irônico, pois um grande
número de pessoas utiliza a forma /ya/ - embora pronunciada equivocadamente como /ia/,
o que requereria, pelo hebraico massorético, a grafia ַ‫ י‬- e essa grafia não tem qualquer
testemunho interno no Tanakh.

! Claro, isso não elimina a hipótese da pronúncia original do Tetragrama ser


composta por /ya/ na primeira sílaba. O problema é que tais pessoas afirmam extrair tal
pronúncia a partir do próprio Texto Massorético, e como se pode ver, essa pronúncia não
existe em lugar algum no texto supracitado!

III.6) Yehua, Yahu e outras Formas Históricas?

! Duas formas ganharam notoriedade por terem sido encontradas em em meio a


evidências arqueológicas antigas.

! A primeira é uma inscrição no Templo de Amun, no Sudão, que data do século XIV.
Nele, há uma referência à “terra dos beduínos de Yehua” - que se supõe ser uma
referência aos hebreus.

! Gerard Gertoux, acadêmico da Association Biblique de Recherche d'Anciens


Manuscrits, transcreve o texto da seguinte forma:

ta sha-su-w y-eh-ua-w (conventional vocalization)


!
! A vocalização seria feita da seguinte maneira, conforme indicado em imagem
extraída do site divinename.no:

! Por um lado, essa seria supostamente a vocalização mais antiga do Tetragrama de


que se tem notícia. Em sendo assim, seria uma forte candidata a ser a pronúncia
verdadeira.
!
! Por outro, essa pronúncia também traria alguns problemas.

! O primeiro é que a frase é enigmática. Não se tem certeza se a referência


realmente é a Israel ou ao Tetragrama.

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 14

! O segundo e principal deles é que a Mater Lectionis usada para grafar tais
palavras é uma construção moderna. Não há garantias de que as vogais sejam realmente
essas. O que significa que, mesmo que esse seja o Tetragrama, continuaríamos sem
saber quais as suas vogais exatas.

! O terceiro e último é que a forma Yehua jamais seria uma grafia possível para o
Tetragrama.

!!!!!!!!!!!Se ignorarmos completamente as leis gramaticais expostas anteriormente para a


vocalização da raíz ‫הוה‬, poderíamos admitir as seguintes possibilidades de grafia.
1) O yud poderia receber schwa /ᵊ/, tsere /e/, ou segol /ɛ/

2) O hê poderia receber ou não um qubuts /u/.

3) O waw pode receber kamats /ɔ/, ou patach /a/.

! Ou seja, somando todas as possíveis variantes, temos DOZE formas de pronúncia


diferentes, baseadas na vocalização de Gertroux, que já é, em si, uma hipótese!

! E, curiosamente, a forma /ye.hu.a/ não seria uma delas. Isso porque tal forma
exigiria que o waw recebesse um shuruq /u/.

! Porém, se o waw recebesse um shuruq, ele não poderia receber nem kamats, nem
patach. Ou seja, essa forma provavelmente exigiria uma outra consoante para abrigar
essa vogal, o que alteraria a grafia do Tetragrama.

! Ou seja, essa grafia também não oferece nenhuma segurança. Tudo, desde a
origem até os sons, passa por pura especulação.

! Curiosamente, se fôssemos fazer uma referência cruzada entre a conclusão de


Gertroux e o Texto Massorético, a forma favorecida seria Yehwah, e não Yehowah.

As Cartas de Lachish

! A segunda forma a ganhar também notoriedade é a forma Yahu, que supostamente


encontraria evidências arqueológicas nas chamadas cartas de Lachish.

! As cartas de Lachish datam do século VI AC, e contêm diversos nomes teofóricos,


tais como Gehmaryahu, Hissilyahu, Matanyahu, Hoshayahu, Neryahu, etc.

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 15

! Ao lado, uma foto de um dos fragmentos das cartas


de Lachish, em exposição no Museu Britânico. Abaixo, uma
réplica de outro fragmento, que permite melhor visualização.

! Qualquer pessoa que tenha um mínimo de


familiaridade com o hebraico antigo (Ketav Ivri) perceberá
imediatamente que as cartas de Lachish não contêm
nenhuma vocalização, e são escritas unicamente utilizando
consoantes.

!
! Ou seja, na realidade, a vocalização dos nomes
com -yahu no final é uma construção especulativa, feita a partir da vocalização do Texto
Massorético.

! Em outras palavras, elas não poderiam esclarecer a pronúncia do Tetragrama.

III.7) Outras Supostas Evidências

! Há inúmeras outras supostas evidências a partir de outros achados arqueológicos,


sejam eles tábuas de argila, estelas, hieroglifos ou papiros antigos. Geralmente em
egípcio antigo, ou em alguma língua semita.

! O problema é que não há nenhum dado que tenha sido deixado que possa
esclarecer com 100% de certeza qual a pronúncia para tais línguas. Algumas formas de
Mater Lectionis egípcias até se aproximam, mas não podem ser tidas como certas.

! Os demais achados em proto-sinaítico, hebraico antigo (Ketav Ivri) ou moderno


(Ketav Ashuri), aramaico antigo, etc. todos sofrem do mesmo problema: São escritos sem
as vogais. E mesmo que fossem escritos com um sistema de vogais, ninguém conheceria
suficientemente esse sistema hoje para afirmar que a pronúncia se verifica desta ou
daquela maneira.

III.8) Admissão

! É muito comum que as pessoas que defendam uma forma específica de pronúncia
tenham bastante confiança naquilo que defendem.

! Mas, se indagadas se é possível ter 100% de certeza, a maioria - pelo menos,


dentre aqueles que conhecem pelo menos o básico do hebraico - responde que aquela
forma é a melhor alternativa, mas admitem que não é possível ter certeza.

! Fato é, como já visto anteriormente, que estamos vivendo ainda a punição do


exílio, e que ainda vivemos numa época em que não temos nem kohen hagadol (sumo
sacerdote), nem navi (profeta), para que possamos indagar a YHWH acerca do seu
Nome:

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 16

“Porque os filhos de Israel ficarão por muitos dias sem rei, e sem príncipe, e sem
sacrifício, e sem estátua, e sem éfode ou terafim.” (Hoshea/Oséias 3:4)

“Eis que vêm dias, diz Adonai YHWH, em que enviarei fome sobre a terra; não fome de
pão, nem sede de água, mas de ouvir as palavras de YHWH. E irão errantes de um mar
até outro mar, e do norte até ao oriente; correrão por toda a parte, buscando a palavra de
Adonai, mas não a acharão.” (Amos 8:11-12)

! Fato é que, até findar o exílio de forma definitiva, não teremos como ter a
confirmação acerca do Nome de YHWH.

! O que precisa ficar claro é que existe uma diferença entre reconhecer um problema
e ser capaz de saná-lo.

! Por exemplo, o maior problema para nós que vivemos no exílio, até o momento, é
a ausência do Beit HaMikdash (Templo), que deveria estar de pé em Yerushalayim
(Jerusalém). Mas, infelizmente, esse é um problema que nós como indivíduos não
podemos resolver, principalmente no exílio.

! Até que ponto nos é possível resolver a questão da pronúncia do Nome de YHWH
sem termos nevi’im (profetas) e kohanim (sacerdotes) oficiando efetivamente para o povo
de Israel? O autor deste material é da opinião de que isto não é possível.

! Isso não quer dizer que seja ruim que alguém opte por seguir uma das pronúncias
acima, talvez por se sentir mais confiante que essa forma seja adequada. Também não é
ruim que alguém entenda que deve escolher a forma mais próxima, até que se tenha a
revelação exata. Mesmo que o autor deste material discorde que devamos fazer tal busca
- por razões que ainda ficarão ainda mais explícitas - o autor reconhece que não significa
que seja errado fazê-lo.

III.9) Conclusão sobre Pronúncias

Como se pode perceber, aqui apresentamos pelo menos 25 formas diferentes de se


vocalizar o Tetragrama. E nem sequer esgotamos todas as possibilidades daquilo que é
afirmado por aí. E só de considerarmos o waw como /v/ quando este não recebe shuruq,
tal qual afirmam alguns grupos, esse número passa das quarenta alternativas!

Se formos considerar ainda outras teorias encontradas na Internet, tais como


Yehaweh, Yeveh, Yehoweh, Yehu, etc. o número cresceria ainda mais.

Isso, claro, sem levar em conta as formas absolutamente insanas e que ignoram
totalmente qualquer evidência linguística, gramatical ou histórica, e que se baseiam em
teorias conspiratórias, tais como Yaohu, entre outras.

É humanamente impossível ser capaz de discernir, sem sombra de dúvida, nesse


mar de alternativas, e a decisão acaba envolvendo muito mais um fator pessoal do que
uma evidência concreta.

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 17

Inevitavelmente, alguns leitores considerarão alguns argumentos mais sólidos,


outros menos, e farão sua opção, ou pelo menos terão uma opinião sobre a hipótese
mais provável.

IV - Razões para Pronunciar o Nome

! Mas, uma reflexão é importante: Que razão haveria para tentar pronunciar o Nome,
sem que se saiba a pronúncia? Existem bons e maus motivos, e é preciso estar atento.

! É preciso separar um pouco entre aqueles que buscam de forma sincera e salutar
daqueles que o fazem de forma doentia.

! Não é difícil de fazer tal distinção, pois ela se baseia no objetivo de cada pessoa.
Há alguns sinais de alerta, que devem ser atentados.

1) Obsessão

! Para o autor deste material, foi exatamente isso que acendeu a luz amarela acerca
da questão da busca pela verdade do Tetragrama.

! Após passar inúmeras noites em claro, ao longo de vários anos, pesquisando a


respeito do tema, ou mesmo lendo livros com centenas de páginas, encontrava-me
absolutamente angustiado porque queria encontrar a verdade.

! Entenda o leitor que meu desejo de encontrar a verdade era absolutamente


sincero. E eu estava disposto a, se necessário, me retratar publicamente sobre qualquer
forma utilizada anteriormente se apenas descobrisse a verdade.

! Então, uma pergunta começou a ecoar em minha mente: Pra quê desejo saber
isso?

! A pergunta não questionava a utilidade do conhecimento, mas sim qual o meu


objetivo pessoal em minha jornada. Percebi então que os motivos eram puramente
egoístas. Não era para agradar o Eterno, mas sim para ter a certeza de estar certo. Essa
pergunta fez toda a diferença a partir daquele ponto.

! Como não poderia deixar de ser, procuro sempre transmitir aquilo que aprendo
com minhas próprias experiências pessoais, especialmente com falhas e tropeços. Quero
então deixar esse alerta. Cuidado com a obsessão por acertar. Isso pode ser perigoso.

! Kohelet (Eclesiastes) afirma algo que cai como uma luva para tais situações:

“Não sejas demasiadamente justo, nem demasiadamente sábio; por que te destruirias a ti
mesmo?” (Kohelet/Eclesiastes 7:16)

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 18

! A obsessão com acertar pode desviar o foco de uma vida de submissão à vontade
do Criador, e levar à ruína.

2) Poder Especial

! Outro perigo é quando se atribui algum tipo de poder especial ao Nome do Criador.

! Uma das histórias que mais gosto de relatar é a da nehushtan, a serpente de


bronze. Observe:

“Ele tirou os altos, quebrou as estátuas, deitou abaixo os bosques, e fez em pedaços a
serpente de metal que Moshe fizera; porquanto até àquele dia os filhos de Israel lhe
queimavam incenso, e lhe chamaram Nechushtan.” (Melakhim Beit/2 Reis 18:4)

! Chizkiyahu (Ezequias) foi um dos reis mais justos de Yehudah (Judá). E um de


seus atos foi justamente fazer em pedaços a serpente de bronze que YHWH ordenara a
Moshe.
! Por que ele fez isso?

! Porque o povo a estava utilizando por motivos errados. Não a viam como um
memorial de uma ação do Criador, mas sim como um objeto com propriedades mágias,
um deus em si mesmo, por assim dizer, e com isso caíam em idolatria.

! É extremamente comum que pessoas que avidamente propõem uma determinada


forma de pronúncia para o Nome de YHWH atribuam a isso experiências místicas, e até
mesmo poder de decidir o destino final.
!
! Felizmente, isso não se refere a todos. Mas, se ocorrer, pode ser uma forma sutil
de idolatria, que se instala sem que a pessoa se dê conta.

! Entendo que conhecer o Tetragrama é conhecer mais sobre YHWH. E todo saber
sobre Ele contribui para maior intimidade em nosso relacionamento com Ele. E se Ele
revelou este Nome, não foi para que fosse ocultado. Mas, isso é muito diferente de
atribuir ao Nome poderes mágicos.

! Tais pessoas utilizam equivocadamente passagens como a abaixo:

“E há de ser que todo aquele que invocar o Nome de YHWH será salvo; porque no monte
Tsiyon e em Yerushalayim haverá livramento, assim como disse YHWH, e entre os
sobreviventes, aqueles que YHWH chamar.” (Yo’el/Joel 2:32)

“Louvai a YHWH, e invocai o Seu Nome; fazei conhecidas as suas obras entre os
povos.” (Tehilim/Salmos 105:1)

! Pense o leitor: Será que o Eterno só trará livramento para quem souber pronunciar
as sílabas mágicas, como se fosse uma senha de uma sociedade secreta?

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 19

! Será que um pai deixaria de socorrer um filho que clama por ele, porque o filho o
chama de “pai” e não pelo seu nome próprio?

! Fato é que o Eterno se revela no próprio Tanakh por vários nomes diferentes. Isso
ficará mais claro mais adiante.

!!!!!!!!!!!Assim como no português, o termo shem (‫ )שם‬é uma maneira de se referir à fama,
à importância ou à própria pessoa. Muitas seitas se aproveitam da pouca capacidade de
leitura e interpretação de texto de seus seguidores para desenvolverem teorias
mirabolantes.

! Observe o exemplo abaixo:

“Engrandecei a YHWH comigo; e juntos exaltemos o seu nome.” (Tehilim/Salmos 34:4)

! Ora, será que o exaltar o Nome de YHWH é exaltar as letras ou sílabas que
compõem o Tetragrama? Ou é exaltar a sua fama, a sua importância, a saber, o próprio
YHWH?

“Fala a Aharon, e a seus filhos dizendo: Assim abençoareis os filhos de Israel, dizendo-
lhes: YHWH te abençoe e te guarde; YHWH faça resplandecer o seu rosto sobre ti, e
tenha misericórdia de ti; YHWH sobre ti levante o seu rosto e te dê a paz. Assim porão o
Meu Nome sobre os filhos de Israel, e eu os abençoarei.” (Bamidbar/Números 6:23-27)

! Embora a ideia de que é necessário pronunciar o Tetragrama para encontrar a


chave da bênção sobre os filhos de Israel seja ótima para vender best-sellers, ela é uma
distorção do sentido do texto da Torah.

! Infelizmente, tais coisas unem dois dos elementos que os seres humanos mais
gostam: o suposto desvendar de mistérios, e conhecimentos especiais capazes de trazer
bênçãos.

! Fato é que colocar o Nome de YHWH sobre os filhos de Israel não significa
imprimir-lhes misticamente quatro letras sagradas, mas sim que a autoridade estava
sendo concedida aos kohanim (sacerdotes) para agirem em nome de YHWH e assim
abençoarem o povo.

“E herdá-la-á a semente de seus servos, e os que amam o seu nome habitarão


nela.” (Tehilim/Salmos 69:37)

! Será que os que habitarão na terra serão os que amam as letras e sílabas do
Tetragrama, ou o nome aqui é uma referência ao próprio YHWH?

! Creio que a resposta às perguntas acima sejam relativamente óbvias para


qualquer pessoa com um mínimo de capacidade interpretativa.

! Semelhantemente, será que invocar o Nome de YHWH se refere ao uso das


sílabas, ou a chamar por Ele?

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 20

! Isso me lembra uma prática muito comum. Hoje em dia, com o misticismo
ecumênico em alta, há várias pessoas que têm o hábito de colar gráficos com o
Tetragrama impresso, em diversos lugares.

! Tais gráficos supostamente “afastam as más energias”. Ora, acaso isso é invocar o
Nome de YHWH? Será que não é usar o Seu Nome como amuleto, de forma idólatra?

! É importante ter isso em mente.

3) Raiva e Acusações

! Surpreendentemente, há quem tenha também raiva daqueles que preferem se


abster de pronunciar algo desconhecido, e entendem tal abstinência como pretexto.

! Geralmente, utilizam passagens como as abaixo indicadas:

“Até quando sucederá isso no coração dos profetas que profetizam mentiras, e que só
profetizam do engano do seu coração? Os quais cuidam fazer com que o meu povo se
esqueça do meu nome pelos seus sonhos que cada um conta ao seu próximo, assim
como seus pais se esqueceram do meu nome por causa de Ba’al.”
(Yirmiyahu/Jeremias 23:26-28)

! O autor deste material obviamente não acha positivo que a pronúncia do Nome de
YHWH tenha sido perdida. Todavia, isso não significa que a passagem acima esteja
falando disso.

! Passagens nos profetas que falam acerca do povo de Israel esquecer no Nome de
YHWH não se referem ao esquecimento da pronúncia, que foi algo ocorrido muito tempo
depois, mas sim ao esquecimento do próprio YHWH.

! Esquecer o Nome é maneira de se referir ao esquecimento do próprio YHWH. Tal


como se disséssemos que o nome Senna jamais será esquecido, estamos nos referindo
ao piloto, e não às sílabas que compõem o seu nome.

! Fato é que ninguém pode ser culpado por não ser capaz de resgatar conhecimento
que está perdido há séculos, e que só poderá ser recuperado quando do fim do exílio.

4) A Razão Salutar

! Qual poderia ser uma razão salutar para pronunciar a o nome? O autor deste
material consegue observar duas: A primeira é por entender que utilizar o Nome traz um
certo grau de pessoalidade para o relacionamento com o Eterno. Por exemplo:

“Portanto o meu povo saberá o Meu Nome; pois, naquele dia, saberá que sou eu mesmo
o que falo: Eis-me aqui.” (Yeshayahu/Isaías 52:6)

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 21

! O outro é porque alguns entendem que existe uma mitswah (mandamento) de se


fazer juramentos no Nome de YHWH.

! Observe:

“YHWH teu Elohim temerás e a Ele servirás, e pelo Seu Nome jurarás.”
(Devarim/Deuteronômio 6:13)

! Há duas maneiras de se entender esse mandamento. Uma delas é entender que o


Tetragrama seja essencial para fazer um juramento.

! A outra é entender que, na realidade, o Nome seja apenas uma referência à


pessoa do Eterno. Nesse caso, não faria diferença jurar pelo Tetragrama ou jurar pelo
“Elohim de Israel”, visto que em ambos os casos se jura pelo mesmo, e único, Criador. O
autor deste estudo entende a mitswah (mandamento) dessa segunda forma.

! Assim como entende que tornar o Nome conhecido é semelhante a dizer, na


prática, que o Brasil irá conhecer o nome de uma determinada celebridade. Não é
conhecer a grafia do nome ou suas letras, mas sim se refere à conhecer a pessoa e sua
fama.

V - O Exemplo das Escrituras

! A questão que também devemos responder é se o Eterno se importa de ser


chamado por um título, tai como Adonai ou Elohim, ou se importa com a maneira exata da
pronúncia de Seu Nome.

! Um dos exemplos mais interessantes das Escrituras está na dualidade dos salmos
14 e 83, que são praticamente idênticos. Na realidade, o salmo 83 é uma revisão do
salmo 14, com o nome YHWH substituído por Elohim.

! Observe os dois salmos, no hebraico, em paralelo abaixo:

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 22

:‫ לְָדוִד‬,ַ‫לַמְנַּצֵח‬ .‫ מַשְׂכִּיל לְָדוִד‬,‫מָחֲלַת‬-‫לַמְנַצֵּחַ עַל‬


lamnatseach, ledawid: lamnatseach ‘al-machalat, maskil ledawid.

;‫ אֵין אֱֹלהִים‬,‫אָמַר נָבָל ּבְלִּבֹו‬ ;‫אָמַר נָבָל בְּלִּבֹו אֵין אֱֹלהִים‬


amar naval belibo, ên elohim; amar naval belibo ên elohim;

.‫טֹוב‬-‫ אֵין עֹׂשֵה‬--‫ הִתְעִיבּו עֲלִילָה‬,‫הִׁשְחִיתּו‬ .‫טֹוב‬-‫ אֵין עֹשֵׂה‬--‫ וְהִתְעִיבּו עָוֶל‬,‫הִשְׁחִיתּו‬
hishchitu hit’ivu ‘alilah— ên ‘osseh tov. hishchitu, wehit’ivu ‘awel— ên ‘osseh-tov.

:‫אָָדם‬-‫ּבְנֵי‬-‫ הִׁשְִקיף עַל‬,‫ מִּׁשָמַיִם‬--‫יְהוָה‬ :‫אָָדם‬-‫בְּנֵי‬-‫ הִשְִׁקיף עַל‬,‫ מִשָּׁמַיִם‬--‫אֱֹלהִים‬


YHWH mishamayim, hishqif ‘al-benê- Elohim mishamayim, hishqif ‘al-benê-
adam: adam:

.‫אֱֹלהִים‬-‫ אֶת‬,‫ ּדֵֹרׁש‬--‫ הֲיֵׁש מַׂשְּכִיל‬,‫לְִראֹות‬ .‫אֱֹלהִים‬-‫ אֶת‬,‫ ֹדֵּרׁש‬--‫ הֲיֵׁש מַשְׂכִּיל‬,‫לְִראֹות‬
lirot hayesh maskil— doresh, et-elohim. lirot hayesh maskil— doresh et-elohim.

,‫אֵין‬--‫טֹוב‬-‫ אֵין עֹׂשֵה‬:‫ יַחְּדָו נֶאֱלָחּו‬,‫הַּכֹל סָר‬ ,‫טֹוב; אֵין‬-‫ אֵין עֹשֵׂה‬:‫ יַחְָדּו נֶאֱלָחּו‬,‫כֻּּלֹו סָג‬
.‫אֶחָד‬-‫ּגַם‬ .‫אֶחָד‬-‫גַּם‬
hakol sar, yachdaw neelachu: ên osseh- culo sag, yachdaw neelachu: ên ‘osseh-
tov—ên, gam-echad. tov; ên, gam-echad.

‫ אָכְלּו‬,‫ אֹכְלֵי עַּמִי‬:‫אָוֶן‬-‫ּפֹעֲלֵי‬-‫ ּכָל‬,‫הֲֹלא יְָדעּו‬ ;‫ אָכְלּו לֶחֶם‬,‫אֹכְלֵי עַמִּי‬


:‫אָוֶן‬-‫ פֹּעֲלֵי‬,‫הֲֹלא יְָדעּו‬
.‫ ֹלא ָקָראּו‬,‫לֶחֶם; יְהוָה‬ .‫ ֹלא ָקָראּו‬,‫אֱֹלהִים‬
halo yad’u, kol-po’alê-awen; ochlê ‘ami, halo yad’u po’alê-awen; ochlê ‘ami achlu;
achlu lechem; YHWH, lo qarau. Elohim, lo qarau.

.‫ ּבְדֹור צַּדִיק‬,‫אֱֹלהִים‬-‫ ּכִי‬:‫ ּפָחֲדּו פָחַד‬,‫ׁשָם‬ :‫פָחַד‬-‫הָיָה‬-‫ ֹלא‬--‫ פָּחֲדּו פַחַד‬,‫שָׁם‬


sham, pachadu fachad: ki-elohim, bedor sham, pachadu pachad— lo-hayah-
tsadiq. fachad:

.‫ ּכִי יְהוָה מַחְסֵהּו‬:‫עָנִי תָבִיׁשּו‬-‫עֲצַת‬ ,‫ עַצְמֹות חֹנְָ; הֱבִשֹׁתָה‬,‫פִּזַּר‬--‫אֱֹלהִים‬-‫כִּי‬


‘atsat-‘ani tavishu: ki YHWH machsehu. .‫אֱֹלהִים מְאָסָם‬-‫כִּי‬
ki-Elohim—pizar, ‘atsmot chonakh
:‫ יְׁשּועַת יִׂשְָראֵל‬,‫מִי יִּתֵן מִּצִּיֹון‬
mi yiten mitsiyon, yeshu’at yisrael: :‫ יְשֻׁעֹות יִשְָׂראֵל‬,‫מִי יִתֵּן מִצִּּיֹון‬
mi yiten mitsiyon yeshu’ot yisrael.
‫ יִׂשְמַח‬,‫ ׁשְבּות עַּמֹו; יָגֵל יַעֲֹקב‬,‫ּבְׁשּוב יְהוָה‬
.‫יִׂשְָראֵל‬ ‫ יִשְׂמַח‬,‫בְּׁשּוב אֱֹלהִים שְׁבּות עַּמֹו; יָגֵל יַעֲֹקב‬
beshuv YHWH, shevut ‘amo; yaguel .‫יִשְָׂראֵל‬
ya’aqov, yismach yisrael. beshuv Elohim shevut ‘amo; yaguel
ya’aqov, yismach yisrael.

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 23

! Como pode ser percebido, ambos os salmos na realidade são duas versões
ligeiramente diferentes de um mesmo cântico, que provavelmente foi preservado em duas
tradições.

! Observe como em um deles, na versão mais antiga, o Tetragrama aparece


grafado. Já na versão um pouco mais recente, o Tetragrama é substituído por Elohim.

! Muito se especula sobre as razões para isso. Alguns afirmam que o banimento do
Nome teria ocorrido mais cedo do que se pensa, e que possa ser atribuído já a essa
época. Outros afirmam apenas que não se trata de um banimento, mas sim do fato de
que por zelo a segunda tradição acabou por omitir o Tetragrama.

! Fato é que o Sefer Tehilim, isto é, o livro de salmos, é uma coletânea que foi
estabelecida pelos kohanim (sacerdotes) para o serviço a YHWH. Isso significa que
houve um consenso quanto a trazer a segunda versão, numa época em que o povo tinha
tanto kehunah (sacerdócio) como meios de consultar a YHWH.

! Se o Eterno fosse contrário a que o Nome dEle fosse substituído por Elohim, não
faria sentido que Ele inspirasse tal autoria. No entanto, ela existe. E também não é a
única.

! Além disso, o próprio Eterno apresenta o Nome dEle em três diferentes versões.
Observe:

“Então disse Moshe a Elohim: Eis que quando eu for aos filhos de Israel, e lhes disser: O
Deus de vossos pais me enviou a vós; e eles me disserem: Qual é o seu nome? Que lhes
direi? E disse Elohim a Moshe: Ehyeh Asher Ehyeh [‫]אֶהְיֶה אֲשֶׁר אֶהְיֶה‬. Disse mais: Assim
dirás aos filhos de Israel: Ehyeh [‫ ]אֶהְיֶה‬me enviou a vós.” (Shemot/Êxodo 3:13-15)

! Repare que a primeiríssima resposta do Eterno a Moshe (Moisés), quando este


Lhe indaga o Seu Nome, não é YHWH, e sim Ehyeh! Ou, na forma mais longa: Ehyeh
Asher Ehyeh.

! É somente no verso seguinte que o Eterno utiliza para com Moshe (Moisés) a
forma do Tetragrama:

“E Elohim disse mais a Moshe: Assim dirás aos filhos de Israel: YHWH Elohim de vossos
pais, o Elohim de Abraão, o Elohim de Isaque, e o Elohim de Ya’akov, me enviou a vós;
este é meu nome eternamente, e este é meu memorial de geração em
geração.” (Shemot/Êxodo 3:15)

! É interessante, pois se fôssemos pensar em santidade, haveria mais razões para


considerar a forma “Ehyeh Asher Ehyeh” mais sagrada, visto que ela só é utilizada neste
momento, quando YHWH se revela a Moshe.

! A própria equivalência linguística entre Ehyeh (Eu sou/serei) e YHWH (Ele é) na


realidade é um indicativo de que muito mais importante do que as sílabas do Nome é
aquilo que Ele representa: A singularidade de YHWH.

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 24

“Cantai a Elohim, cantai louvores ao seu nome; louvai aquele que vai montado sobre os
céus, pois o seu nome é Yah [beyah shemo - ‫]בְּיָּה שְׁמֹו‬, e exultai diante dele.”
(Tehilim/Salmos 68:4)

! No salmo acima, é dito que o Nome do Eterno é Yah que, como se sabe, é uma
forma abreviada do Tetragrama.

! Isso, claro, sem contar nos títulos que aparecem nas Escrituras, tais como Elohim,
El Shadai, El Elyon, etc.

! Mesmo quando observamos unicamente nomes próprios, temos nada menos do


que quatro formas apresentadas pelo Tanakh, a saber: YHWH, Yah, Ehyeh Asher Eyeh e
Ehyeh.

! Todos esses com uma coisa em comum: Indicam que Ele é, e que não há o que o
defina.

! Outro ponto fundamental a se observar é o que o salmista diz acerca dos Nomes
(plural) do Eterno:

“Me prostrarei perante Teu santo Templo. Celebrarei Teu Nome, por Teu amor e verdade,
pois Tu elevaste a Tua palavra acima de todos os Teus Nomes [ְָ‫ׁשִמ‬-‫ּכָל‬-‫הִגְּדַלְּתָ עַל‬-‫ּכִי‬
ֶָ‫אִמְָרת‬. – ki higdalta al kol-shimecha imratecha].” (Tehilim/Salmos 138:2)

! Acima de qualquer nome/título que se dê ao Criador, está a Sua palavra.

! Não existe nenhuma promessa no Tanach (Bíblia Hebraica) de que o pronunciar


sílabas de forma foneticamente adequada tenha qualquer serventia em nosso
relacionamento para com o Criador. Todavia, existem centenas de passagens que nos
asseguram que aquele que vive a Sua Torah é quem habita em Sua presença.
!
! O autor deste material não duvida da importância do Tetragrama. Aliás, não duvida
que o Nome seja muito importante, como tudo que se refere ao Eterno.

! Porém, o autor suspeita fortemente que possivelmente o Eterno dê a essa questão


muito menos importância do que aqueles que acreditam que insistem em sua pronúncia.
Visto que chamá-Lo por um título ou por outros Nomes que Ele próprio revelou não muda
quem estamos chamando.

VI - Conclusão

! O autor deste material até tem uma opinião sobre a forma mais provável, dentre as
apresentadas, porém entende que enquanto não houver uma maneira de se ter 100% de
certeza, é melhor optar pela forma Adonai.

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia


O Nome de YHWH 25

! Às vezes, reconhecer o problema também passa por reconhecer nossa


incapacidade de resolvê-lo. Não poder sacrificar o Pessach é um problema, mas nem por
isso somos capazes de solucioná-lo.

! Existe uma boa razão para o uso da forma “Adonai”, visto que o Tetragrama
frequentemente ocorre acompanhado de “Elohim”. Ficaria estranho pronunciar “Elohim”
duas vezes, embora seja também costume judaico dizer “Elohim” quando a forma
encontrada é “Adonai YHWH”, para não dizer Elohim duas vezes.

! Ao mesmo tempo, o autor também não vê problema caso alguém prefira optar por
pronunciar o Nome da forma que achar mais adequada, desde que o faça com zelo,
reverência e respeito.

! Semelhantemente, também não vê problema se alguém opta por usar a forma


reduzida Yah, ou outra semelhante. Embora, no caso da forma Yah, encoraje que a
pessoa aprenda a pronunciá-lo à maneira do hebraico antigo.

! Por fim, o autor não concorda que as Escrituras exijam a pronúncia


especificamente do Tetragrama, mas entende que tais referências que enaltecem o
Tetragrama sejam nada mais do que uma exaltação ao próprio Eterno. A forma como nos
referimos a Ele, dentre as diversas existentes nas Escrituras, não mudam Aquele a quem
nos dirigimos.

! O autor não vê diferença, por exemplo, entre jurar “em Nome de YHWH” e jurar
“em Nome do Elohim de Israel”.

! Mal comparando, seria como alguém prometer algo em nome da Dilma, em nome
da Sra. Rousseff, ou em nome da atual presidente do Brasil. Não importa a forma
utilizada, a pessoa é a mesma.

© 2013 Kol haTorah - http://www.kol-hatorah.org - Proibida Reprodução sem Autorização Prévia