Você está na página 1de 26

HISTÓRIA DA LÍNGUA PORTUGUESA

Por volta do quinto milénio antes de Cristo, os povos Indo-


Europeus ou Arianos espalharam-se pela Europa e parte da Ásia,
levando consigo as suas tradições e a sua língua: o Indo-Europeu.
O afastamento dos grupos, em busca de terras férteis, e o contacto
com outros povos, deu origem aos grupos de línguas, representados
na imagem abaixo:
Um povo de camponeses e pastores do grupo itálico (Indo-Europeu)
fixou-se no Lácio, centro da Itália, por volta do ano 753 a. C., dando
origem aos Romanos e à sua língua: o Latim.
Enquanto se foi desenvolvendo a civilização romana, na Península
Ibérica fixaram-se outros povos:
Povos que habitavam a Península Ibérica antes da
Romanização:

 Os Ligúricos – Já habitavam a Península Ibérica em tempos pré-indo-europeus e


viviam no litoral mediterrânico.

 Os Iberos – Vindos do Norte de África, fixaram-se no Sul da Península Ibérica,


entre 350 e 250 a. C.

 Os Celtas – Provenientes do centro da Europa (Sul da Germânia), fixaram-se no


Litoral Noroeste da Península Ibérica por volta do século IV a. C.

 Os Lusitanos – Este povo resulta da fusão entre os Celtas e os Iberos e fixa-se na


faixa central da Península Ibérica, entre os rios Douro e Tejo.
Povos que habitavam a Península Ibérica antes da
Romanização:

 Os Coinos – A sua origem estará num grupo celta que se deslocou para
Sul, tendo-se fixado na zona onde é hoje o Algarve.

 Os Gregos – Terão chegado à Península Ibérica no século VII a. C.,


tendo-se fixado na costa mediterrânica.

 Os Cartagineses – No século III a. C., fixaram-se no Sul e Sudoeste


da Península Ibérica.
Povos que habitavam a Península Ibérica antes da
Romanização:
 Os Fenícios – Povo de navegadores, terá chegado à Península Ibérica
 por volta do século IX a. C. O alfabeto fenício está na
 origem da escrita latina.
 Algumas línguas usadas na Península Ibérica antes da
Romanização:
 Substratos Linguísticos:

Durante a Romanização, os antigos povos da Península Ibérica


assimilaram o Latim, mas à sua maneira, “contaminando-o” com
algumas palavras suas. A esse resíduo linguístico chama-se Substrato.

Exemplos de Substratos Linguísticos


de origem Ligúrica de origem Ibera de origem Céltica

. Atribui-se aos Ligúricos os . Atribui-se à influência . De origem céltica são os


seguintes sufixos, presentes linguística dos Iberos a prótese Topónimos terminados em
nos Topónimos: do “a” antes de consoante “-briga”, ou iniciados com
- asco; -antia; -entia; -ace; inicial de palavra: “pen- ou sen-”:
- ice; -ece; -ce:
“alimpar; alevantar; amandar; “Conímbriga; Penafiel;
“Vasco; Carrasco; Arganza; abaixar; aquando; aleijão…” Peniche; Segadães…”
Queiraz; Moniz…”
ROMANIZAÇÃO

 Nos fins do século


III, em 218 a. C.,
os Romanos
desembarcam na
costa do
Mediterrâneo e
avançam pela
Península Ibérica.

Mas não foi fácil o


domínio, a
pacificação e a
romanização dos
povos que aí viviam.
 No século 19 a. C., época do imperador Augusto, elimina-se o
último foco de resistência à ocupação da Península Ibérica e a
Hispânia passa a ser considerada uma “província pacata”.
 A comunicação geográfica e linguística foi a maior herança
deixada pela fixação dos Romanos na Península Ibérica:

Via romana: Marco de pedra com inscrições em


Latim:
 Estrato – o Latim é a língua-mãe do Português
Mas que latim levaram os Romanos para a Península Ibérica?

 No Império Romano, o latim vulgar, falado pelo povo, tinha um


vocabulário e uma sintaxe diferentes do latim clássico, usado pelos
escritores e pela aristocracia.
Latim Vulgar Latim Clássico

bucca os
caballus equus
casa domum
 Mas o Império Romano não durará para sempre. Além de
apresentar fragilidades internas, a parte ocidental do império
cairá sob o domínio dos Povos Bárbaros, vindos do Norte e Leste
da Europa, entre os séculos IV e VII.
 “Povos Bárbaros” foi a designação dada pelos Romanos a todos
aqueles que não falavam Latim. Não significa que não possuíssem
cultura própria ou organização social sofisticada.

Na Península Ibérica fixaram-se, sobretudo, os povos indicados


abaixo:
 O Reino Visigótico:
Os Visigodos chegaram à Península Ibérica
em 416 e aí se fixaram. No ano 476, dominam uma grande área
geográfica:
 As Invasões Muçulmanas:

No século VIII (cerca do ano 713), a expansão do Império


Muçulmano faz chegar à Península Ibérica um grande número de
guerreiros comandados por Tarique, que vencem o rei visigodo,
Rodrigo, na batalha de Guadalete. Nos anos seguintes, os
muçulmanos dominam quase toda a península.
A RECONQUISTA
Após a invasão muçulmana, alguns nobres visigodos cristianizados,
que se tinham refugiado nas Astúrias, iniciam um movimento de
Reconquista do território peninsular, comandados por Pelágio.

Progressos da Reconquista (até ao


Início da Reconquista (séc. X): séc. XV):
 Superstratos Linguísticos:

Embora o latim não deixasse de ser usado, em resultado das Invasões


Bárbaras e Muçulmanas, entraram novas palavras nesta língua. A essas
influências linguísticas pós-romanas, dá-se o nome de Superstratos:

Exemplos de Superstratos Linguísticos:


de origem visigótica de origem árabe

. Atribui-se aos Visigodos a entrada de palavras . A presença Árabe deixou inúmeras marcas nas
relacionadas com as áreas do Direito, Guerra e Artes, nas Ciências, na Agricultura, na
Títulos de Nobreza: Arquitetura e nas Técnicas de Navegação.
São de origem árabe as seguintes palavras, entre
“guerra; arreio; dardo; bandeira; feudo; outras:

escaramuça; marechal; marchar; orgulho; saia;


“açorda; alambique; álcool; açúcar; xarope;
trepar; raça; baluarte; barriga…”
oxalá; álgebra; garrafa; mesquinho; azul…”
 Durante a Reconquista Cristã da Península Ibérica, nasce
Portugal, a partir da expansão do Condado Portucalense:
 O GALAICO-PORTUGUÊS:

É a língua de origem latina que começou a ser usada no século VI, no


Noroeste da Península Ibérica, em resultado da fragmentação do Latim
nas línguas medievais. Até 1350, torna-se língua literária de toda a
península.
 O Apocalipse
do Lorvão,
manuscrito
iluminado de
1180, é um
dos textos
mais antigos,
em galaico-
português.
 Em Galaico-Português está também escrita a Poesia Trovadoresca,
como podemos observar nestas Cantigas de Amigo, de Martim Codax:
 A LÍNGUA PORTUGUESA:

Com a reconquista do Sul da Península Ibérica aos mouros, já no


reinado de Afonso III, o Português diferencia-se do Galego, por
influência do Moçárabe.
Nasce, assim, o Português Arcaico.

Exemplo de um códice quinhentista


escrito em Português Arcaico: a Crónica
de D. Pedro I, de Fernão Lopes.
BIBLIOGRAFIA

Livros:

 Azeredo, M.ª Olga, M.ª Isabel Pinto e M.ª Carmo Lopes, Gramática Prática de Português, Raiz editora, Lisboa, 2014.
 Barbosa, Maria José, Origem e Evolução da Língua Portuguesa, Edições Sebenta,Mem Martins,1987.

Doc. Em formato digital:


 https://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_da_l%C3%ADngua_portuguesa
 http://filologiaromanica.tumblr.com/
 http://www.infoescola.com/linguistica/portugues-arcaico/
 https://www.youtube.com/
 https://www.google.tl/

Todas as fontes digitais foram consultadas entre 27 e 28/09/2015.

Helena Barrinha