Você está na página 1de 13

CLASSICISMO

ORIGEM DA PALAVRA:Classicismo - Clássico


– escritores antigos mais importantes –
clássico – escritor exemplar - imitado
ERA CLÁSSICA:
CLASSICISMO
BARROCO
ARCADISMO
O conceito do modelo ideal
para o ser humano inspirou
Leonardo Da Vinci que em 1490,
com base na descrição de Vitruvius,
fez o famoso desenho. Nele, Da
Vinci representou as proporções
ideais do corpo humano masculino.
As proporções são perfeitas e
expressam o ideal clássico da
beleza. As posições dos braços e
pernas expressam quatro posturas
diferentes, inseridas num círculo e
num quadrado, ao mesmo tempo.
Expressa o conceito da “Divina
Proporção” que se fundamenta
numa das leis que regem o
equilíbrio dos corpos, a harmonia
das formas e dos movimentos. E
esse conceito pode ser estendido ao
Universo como um todo. Isso pode
ser observado no mundo que nos
cerca.

CONTEXTO HISTÓRICO:
 Renascimento
 Ascensão econômica da
burguesia
 Fortalecimento das cidades
 Desenvolvimento das
ciências
 Grandes navegações
MARCO DO CLASSICISMO EM
PORTUGAL:
O poeta Sá de Miranda retorna da
Itália divulgando novas formas
poéticas.

Soneto - 2 quartetos e 2 tercetos e


a medida nova poema com 10, 11
ou 12 sílabas poéticas.
Música – Monte Castelo – Legião
urbana

Amor é fogo que arde sem se ver,


é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;


é um andar solitário entre a gente;
é nunca contentar-se de contente;
é um cuidar que ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;


é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor


nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?

LUÍS VAZ DE CAMÕES

POETA MAIS IMPORTANTE DO


CLASSICISMO PORTUGUÊS.

Escreveu poesias líricas e poemas


épicos

SUA GRANDE OBRA: OS LUSÍADAS.


EIXO PRINCIPAL: VIAGEM DE
VASCO DA GAMA ÀS ÍNDIAS.

IMPORTANTE: NA EPOPEIA DE
CAMÕES NÃO HÁ APENAS UM
HEROI, MAS SIM UMA
COLETIVIDADE – O POVO
PORTUGUÊS. (POEMA DE
CARÁTER NACIONAL).
Estrutura narrativa:
 Uma narrativa central sobre a
viagem da armada de Vasco da
Gama;
 Vasco da Gama narra, ao rei de
Melinde, a história de Portugal até
o dia de sua viagem, incluindo os
feitos de Dom Nuno Álvares
Pereira; o caso trágico de Inês de
Castro; e o dia de sua própria
partida, com o premonitório
discurso do “Velho do Restelo” e o
episódio do “Gigante Adamastor”;
 Relatos do marinheiro Veloso,
incluindo o episódio dos “Doze da
Inglaterra”;
 Relato de Paulo da Gama, irmão de
Vasco, já nas Índias, sobre outros
feitos dos portugueses.
Estrutura
Proposição: Intenção do poema:
celebrar os feitos lusitanos, navegações
e conquistas.
Invocação: o poeta invoca o auxílio das
ninfas do rio Tejo (as Tágides) para que
dêem inspiração.
Dedicatória: ao rei D. Sebastião, visto
como a esperança de propagação da fé
católica e aumento do império
português.
Narração: Concílio dos deuses sobre a
ousada decisão dos portugueses:
devem favorecê-los ou impedi-los?
Júpiter é favorável; Baco,
ferrenhamente contrário; também são
a favor Marte e Vênus, Baco, derrotado
na assembléia divina, põe em ação a
sua hostilidade contra os lusos,
procurando impedir que cheguem à sua
Índia, e para isto se valendo da gente
africana, que lhes arma ciladas.
Epílogo: grande lamento do poeta, que
reclama o fato de sua “voz rouca” não
ser ouvida com mais atenção.

Episódio importante
A morte de Inês de Castro

O assassinato de Inês de Castro, em


1935, tornou-se tema célebre na
literatura portuguesa e foi tratado por
vários autores, inclusive por Camões.
D. Pedro casado com Constança,
apaixonou-se pela dama castelhana
Inês de Castro. Com ela, teve filhos e
viveu um romance de vários anos. A
corte temia essa ligação e
aproveitando-se de uma ausência do
príncipe, os nobres pressionaram o rei
D. Afonso IV e fizeram com que
autorizasse o assassinato de Inês.

Conteúdo da prova
Auto da Barca do Inferno –Gil Vicente
Capítulo 5 do livro e questões do
caderno
Capítulo 6
Capítulo 7 – ler informações sobre
Camões e sobre Os Lusíadas.

Página 128 – exercícios de 1 , 2 e 3.


GABARITO DOS EXERCÍCIOS ACIMA

1- O texto 2 e 4
 O texto 2 fala do amor e o 4 da
instabilidade
2- O texto 1
a) A mulher do povo que não tem
notícias do seu “amigo” –
drama sentimental, as amigas.
b) Não tem refrão
c) Mais conhecimento, a
imprensa a burguesia, fez com
que a palavra escrita ganhasse
força.

3- Amor é fogo que arde sem se ver


É ferida que dói e não se sente
É um contentamento descontente

a) Sentimento universal
b) O desejo de compreender o
ser humano, o amor é
contraditório, questiona a
sua natureza.