Você está na página 1de 24

Terça-feira, 14 de Abril de 2015 I SÉRIE —

­ Número 29

BOLETIM DA REPÚBLICA
   PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

2.º SUPLEMENTO
IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE, E.P. 2. Neste sentido, o Programa do Governo tem como enfoque
central o aumento do emprego, da produtividade e competitividade
para a melhoria das condições de vida dos moçambicanos, no
AVISO campo e na cidade, em ambiente de paz, harmonia e tranquilidade,
A matéria a publicar no «Boletim da República» deve ser remetida consolidando a democracia e a governação participativa
em cópia devidamente autenticada, uma por cada assunto, donde e inclusiva.
conste, além das indicações necessárias para esse efeito, o averbamento 3. Baseado no Manifesto Eleitoral sufragado nas Eleições
seguinte, assinado e autenticado: Para publicação no «Boletim da Gerais de 15 de Outubro de 2014 e no Compromisso do
República».
Candidato, o presente Programa do Governo traça as grandes
prioridades e acções estratégicas para a governação ao longo do
presente quinquénio, onde a promoção do emprego e o incremento
da produtividade e da competitividade assumem o lugar de
SUMÁRIO destaque como alicerce e pilar orientador de toda a estratégia
de desenvolvimento nacional.
Assembleia da República:
4. À luz do presente Programa, a acção fundamental
Resolução n.º 12/2015: do Governo estará direccionada para cinco Prioridades,
designadamente: i) Consolidação da unidade nacional, da paz e
Aprova o Programa Quinquenal do Governo para 2015 – 2019.
da soberania; ii) Desenvolvimento do capital humano e social;
iii) Promoção do emprego, da produtividade e competitividade;
iv) Desenvolvimento de infra-estruturas económicas e sociais,
e v) Gestão sustentável e transparente dos recursos naturais
ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA e do ambiente.
Resolução n.º 12/2015 5. A materialização da acção do Governo em cada uma das
cinco prioridades será sustentada por três Pilares de suporte
de 14 de Abril como sejam: i) a garantia do Estado de direito democrático e de
justiça social, boa governação e descentralização, ii) a promoção
Ao abrigo do disposto na alínea j) do n.º 2 do artigo 179
do ambiente macroeconómico equilibrado e sustentável e iii) o
da Constituição, a Assembleia da República determina: reforço da cooperação internacional.
Artigo 1. É aprovado o Programa Quinquenal do Governo para 6. Com efeito, o Governo continuará a envidar esforços para
2015 – 2019, em anexo, o qual faz parte integrante da presente a expansão da provisão e melhoria da qualidade dos serviços
Resolução. básicos; a promoção de um ambiente de negócios favorável para
Art. 2. A presente Resolução entra em vigor na data da sua o investimento nacional e estrangeiro; o estímulo ao empresariado
publicação. nacional e o reforço da formação técnico-profissional tendo como
Aprovada pela Assembleia da República, aos de 14 finalidade o crescimento económico sustentado e inclusivo, a
de Abril de 2015. criação de mais postos de trabalho e o aumento da produtividade
e da renda das famílias rurais e urbanas.
Publique-se. 7. Neste novo ciclo de Governação, especial atenção será
A Presidente da Assembleia da República, Verónica Nataniel dedicada aos assuntos da juventude, mulher, combatentes,
Macamo Dlhovo. habitação e emprego pelo seu papel e relevância para a manutenção
da estabilidade social e à agricultura e industrialização, como
vectores essenciais para a modernização e diversificação
I. Introdução da economia nacional.
1. O presente Programa Quinquenal do Governo 2015 – 2019 8. No âmbito da Administração Pública, o Governo
apresenta as prioridades do desenvolvimento económico e social prosseguirá e dará novo ímpeto ao processo de consolidação
do País nas diversas áreas de acção Governativa. O Programa da Administração Local, tornando-a cada vez mais próxima,
constitui o compromisso do Governo em focalizar a sua acção eficaz e célere e que aumente os níveis de prestação de contas,
na busca de soluções aos desafios e obstáculos que entravam providencie serviços de melhor qualidade e esteja centrada no
o desenvolvimento económico e social do País. cidadão. Outrossim, o Governo continuará a incentivar a auto-
178 — (4) I SÉRIE — NÚMERO 29

organização das comunidades locais e a reforçar a participação das competitividade, criando riqueza e gerando um desenvolvimento
comunidades e suas lideranças nos processos de governação e na equilibrado e inclusivo, num ambiente de paz, segurança,
identificação de soluções aos problemas que minam os esforços harmonia, solidariedade, justiça e coesão entre os Moçambicanos.
de desenvolvimento local. 15. A prossecução do Objectivo Central do Governo será
9. O Programa do Governo apresenta uma inovação alcançada com a focalização e incidência da acção Governativa
na abordagem da acção governativa em torno de quatro e do investimento público e privado nas áreas prioritárias
elementos chaves: o primeiro elemento é o seu enfoque integrado e determinantes para a transformação da estrutura social
e intersectorial, quer das Prioridades quer dos Pilares de suporte, e económica do País.
procurando evitar uma abordagem de governação sectorizada 16. Neste sentido, ao longo do Quinquénio, a acção do Governo
e verticalizada; o segundo elemento é o foco prioritário no incidirá sobre cinco Prioridades, designadamente:
desenvolvimento económico e social inclusivo; o terceiro a) Consolidar a Unidade Nacional, a Paz e a Soberania;
elemento é a integração dos assuntos transversais em cada b) Desenvolver o Capital Humano e Social;
Prioridade e Pilar de suporte, deixando assim de existir um c) Promover o Emprego, a Produtividade e a Compe-
capítulo específico dedicado aos assuntos transversais; e o quarto titividade;
elemento é a elevação da gestão sustentável e transparente dos d) Desenvolver Infra-estruturas Económicas e Sociais;
recursos naturais e do ambiente para o estatuto de componente e) Assegurar a Gestão Sustentável e Transparente
estratégica e prioritária e base material para o País acelerar os dos Recursos Naturais e do Ambiente.
esforços de desenvolvimento económico e progressivamente
melhorar a qualidade de vida dos moçambicanos, rompendo deste Pilares de Suporte
modo o tratamento da gestão dos recursos naturais e do ambiente 17. A materialização do Objectivo central e dos objectivos
na perspectiva de assunto transversal. estratégicos de cada Prioridade será sustentada pela implementação
10. O presente Programa do Governo assenta em Prioridades e reforço do quadro legal e de políticas nas diversas áreas de
materializáveis a médio e longo prazos através de medidas desenvolvimento visando aumentar a confiança dos cidadãos
e acções de política anuais tangíveis e mensuráveis. Estas nos sistemas de Administração Pública e da Justiça; continuar
medidas e acções de política constituem a base para prossecução a incentivar o empresariado nacional e a atrair os investidores
da visão e dos objectivos plasmados nos instrumentos nacionais estrangeiros para aumentarem o seu investimento dentro do
de planeamento de médio e longo prazo, onde se destacam território nacional, tendo como base um ambiente de negócios
a nova Agenda 2025, o Programa Integrado de Investimentos, mais atractivo, um quadro macroeconómico mais robusto e uma
o Plano Estratégico de Promoção do Investimento Privado em cooperação internacional que reforce e estimule a integração
Moçambique, bem como nos programas de âmbito regional, económica.
continental e internacional, onde pontificam o Plano Regional 18. Nesta perspectiva, para garantir o alcance dos objectivos
de Desenvolvimento Estratégico e Integrado da SADC, central e estratégicos do presente Programa do Governo, as
a Nova Parceria para o Desenvolvimento de África (NEPAD), intervenções em cada Prioridade serão alicerçadas nos resultados
o Mecanismo Africano de Revisão de Pares (MARP), a Agenda da acção de três Pilares de suporte, a saber:
2063 da União Africana, os Objectivos de Desenvolvimento do a) Consolidar o Estado de Direito Democrático, Boa
Milénio (ODM) e a Visão da Agenda Global de Desenvolvimento Governação e Descentralização;
Pós – 2015. b) Promover um Ambiente Macro-Económico
11. A implementação e monitoria do Programa do Governo Equilibrado e Sustentável;
realizar-se-ão no quadro do sistema de planificação e orçamentação c) Reforçar a Cooperação Internacional.
vigente, designadamente, através do Plano Económico e Social
(PES) e do Orçamento do Estado (OE) para programação e gestão 19. A implementação do presente Programa do Governo
anual da acção governativa. Os relatórios sub-anuais e anuais de culminará com a elevação da consciência patriótica, de cidadania
balanço do PES e da Execução Orçamental servirão de base para dos moçambicanos, e do seu bem - estar económico e social,
a monitoria do Programa do Governo. como resultado da consolidação da Unidade Nacional, da Paz
12. Para o efeito, o Governo irá garantir a harmonização e da Democracia; do aumento do emprego, da produtividade e
dos instrumentos de planificação, a todos os níveis, central, competitividade; da expansão e melhoria do acesso e qualidade
provincial e distrital bem como a sua implementação e monitoria dos serviços públicos; do reforço do investimento público no
atempada, de modo a viabilizar o cumprimento integral do desenvolvimento de infra-estruturas socio-económicas; da
Programa Quinquenal do Governo e promover campanhas melhoria do ambiente de negócios e atracção do investimento;
de disseminação das realizações do Governo junto das populações, fortalecimento do empresariado nacional; maior desempenho
a todos os níveis, antes, durante e após a implementação. e transparência da Administração Pública e da Justiça; e no
13. Em termos de estrutura, além do capítulo da Introdução fortalecimento da capacidade do Estado de financiar a despesa
dedicado à contextualização e enquadramento geral, o Programa pública.
do Governo apresenta no segundo capítulo o Objectivo Central III. Prioridades
e as Prioridades do Governo para o quinquénio, os quais definem
os marcos estruturantes e de referência da acção Governativa; o 3.1 Prioridade I: Consolidar a Unidade Nacional, a Paz
terceiro capítulo faz o desdobramento de cada uma das Prioridades e a Soberania
de governação incorporando os objectivos estratégicos e acções 20. A Unidade Nacional constitui o fundamento, o vector
prioritárias; o capítulo quatro apresenta os Pilares de suporte central e o elemento aglutinador de todos os Moçambicanos.
que servem de alicerce e fio condutor para a materialização A Unidade Nacional é o ponto de partida para construção
dos objectivos vertidos em cada uma das cinco Prioridades e consolidação dos ideiais nacionais de promoção e defesa da
de governação. moçambicanidade e para o cultivo, manutenção e elevação
dos valores de auto-estima, do espírito patriótico, da amizade,
II. Objectivo Central e Prioridades
de solidariedade, da inclusão, de respeito mútuo, da tolerância e
14. O Programa Quinquenal do Governo 2015 – 2019 define convivência pacífica, e de valorização contínua da diversidade
como Objectivo Central melhorar as condições de vida do Povo cultural e ideológica como base para a consolidação da construção
Moçambicano, aumentando o emprego, a produtividade e a de uma Nação Moçambicana cada vez mais forte e coesa.
14 DE ABRIL DE 2015 178 — (5)

21. A Paz e a Estabilidade política, económica, social e cultural f) promover a governação aberta, participativa e inclusiva
são complementos valiosos, necessários e indispensávéis para como um importante mecanismo de interacção directa
assegurar um desenvolvimento multifacetado, ininterrupto e com o povo, de estímulo do sentido de pertença e de
irreversível do País. Deste modo, exige-se de todos e de cada inclusão no processo de decisão da gestão pública;
Moçambicano uma atitude e compromisso renovados para a g) reforçar a participação da sociedade civil no desen-
preservação e manutenção da paz, como veículo para manter volvimento local, com especial atenção para
viva a Unidade Nacional, prosseguir a consolidação do Estado a consolidação do envolvimento dos conselhos
de Direito e Democrático e potenciar o esforço nacional de consultivos locais;
h) incentivar medidas educativas que veiculem os valores
mobilização e atracção de investimentos para o desenvolvimento
da tolerância, solidariedade, altruísmo e respeito pela
em benefício das actuais e futuras gerações. diversidade, como o alicerce seguro para a construção
22. A Soberania, consubstanciada na defesa da independência da paz e o futuro das novas gerações;
nacional, da ordem, segurança e tranquilidade públicas, da i) promover a auto-estima, a amizade e solidariedade entre
integridade territorial, das fronteiras marítimas e continentais os moçambicanos;
e dos mais altos interesses do Estado Moçambicano, é um j) incentivar a promoção de estudos e actividades que
imperativo para a manutenção da Paz, do desenvolvimento contribuam para o reforço do conhecimento dos
económico e social, bem como da Unidade Nacional. elementos e factores que caracterizam a identidade
nacional;
Objectivos Estratégicos k) valorizar o indivíduo e incentivar a elevação e a promoção
23. Para consolidar a Unidade nacional, assegurar das suas virtudes e qualidades;
a manutenção da Paz e da Estabilidade e a defesa da Soberania, l) reforçar a colaboração com as diferentes instituições
a acção do Governo gravitará em torno dos seguintes objectivos e confissões religiosas, no interesse da disseminação dos
estratégicos: valores da irmandade fundados no amor ao próximo, na
(i) defender e consolidar a Unidade Nacional e a cultura dedicação pela causa da pátria, desenvolvimento, bem-
de paz, democracia e estabilidade política, económica, estar, valorização do tecido ético-moral e consolidação
social e cultural; da harmonia na família moçambicana;
(ii) defender a soberania, a reafirmação das fronteiras m) promover exposições, feiras e festivais que priorizem
marítimas e continentais e consolidar as missões a divulgação da diversidade cultural ao nível local
perenes e de interesse público. e nacional;
n) divulgar a rica culinária no País e além-fronteira como
Acções Prioritárias Por Objectivo Estratégico forte divisa da nossa identidade;
Objectivo Estratégico (i): Defender e consolidar a unidade o) promover o turismo doméstico como elemento de coesão
nacional e a cultura de paz, democracia e estabilidade política, social;
económica, social e cultural. p) valorizar e promover o património artístico cultural
ao nível nacional e internacional;
24. O cultivo e defesa do espírito de tolerância, humanismo,
q) promover a massificação desportiva e o incremento
inclusão, diálogo, reconciliação, harmonia, respeito pelos valores
de intercâmbios culturais como veículo para elevar
da cidadania e da diversidade cultural, dos nossos heróis, dos
símbolos e línguas nacionais devem ser reforçados como vectores a auto-estima, desenvolver o espírito de equipa e de
para o fortalecimento da unidade e coesão dos Moçambicanos solidariedade entre os Moçambicanos;
e para a garantia da unicidade do Estado. r) promover parcerias com as organizações da sociedade
25. O reforço da colaboração e diálogo permanente civil para o fortalecimento da educação da cidadania;
e estruturado entre o Estado e as organizações da sociedade civil, s) promover investimentos públicos e privados,
partidos políticos, confissões religiosas, comunidade e instituições principalmente, para as infra-estruturas de suporte ao
académicas deve servir de alicerce para a construção contínua desenvolvimento equilibrado, integrado e harmonioso
de uma sociedade Moçambicana unida, justa, democrática e de do País;
maior tolerância. t) estabelecer sistemas de informação acessíveis sobre
26. Para o alcance destes objectivos o Governo realizará as oportunidades nas áreas de investimento, emprego,
as seguintes acções: serviços, educação e outros ao nível local e nacional;
u) promover a expansão dos meios de comunicação social
a) promover a consolidação da unidade nacional, paz,
de modo a tornarem-se mais eficazes, eficientes
soberania, tolerância e perdão ao nível da família, do
e educativos para contribuírem para a consolidação
local de trabalho e das comunidades locais;
da unidade nacional, a promoção de valores culturais,
b) promover o respeito e o amor pelos símbolos nacionais; o aprofundamento e defesa da democracia, bem como
c) combater todas as manifestações de discriminação o desenvolvimento sócio-económico do País.
e exclusão com base nas diferenças de cultura, Objectivo Estratégico (ii): Defender a soberania,
origem étnica, género, raça, religião, região de origem a reafirmação das fronteiras marítimas e continentais
e filiação político-partidária; e consolidar as missões perenes e de interesse público
d) intensificar a convivência pacífica entre os Moçambicanos,
27. A defesa da Pátria, da Independência Nacional e da
promovendo a cultura de paz, de diálogo, tolerância, integridade territorial e a participação em missões de carácter
humanismo e reconciliação em todas as esferas humanitário, de protecção civil e do meio ambiente e de apoio
da vida política, económica, social, cultural e religiosa; à manutenção da paz, são um dever patriótico e devem servir
e) promover o diálogo e consulta permanentes com todos de escola para a forja da cidadania e condição para assegurar a
actores dentro e além-fronteiras para identificar unidade nacional e o desenvolvimento equilibrado do País como
e explorar factores que favoreçam a construção de Nação una e indivisível. A colaboração e cooperação com todos
consensos e pontes de entendimento e concórdia os actores da sociedade moçambicana, a comunidade académica,
visando a consolidação da paz, da unidade nacional instituições de defesa e segurança ao nível nacional, regional
e soberania; e internacional deverá ser reforçada.
178 — (6) I SÉRIE — NÚMERO 29

28. Para a materialização destes objectivos, o Governo realizará (iii) aumentar a provisão e acesso aos serviços de abaste-
as seguintes acções: cimento de água, de saneamento, transportes,
a) promover a paz e segurança internacionais; comunicações e habitação;
b) garantir a implementação da política de Defesa Nacional; (iv) promover a participação da juventude nas actividades
c) contribuir nos debates bilaterais e multilaterais sobre sócio-culturais, desportivas e económicas como
a defesa da paz e segurança internacionais; mecanismo para massificar a prática regular da
d) consolidar a educação patriótica alicerçada no respeito actividade física e desportiva e melhorar a qualidade
e na valorização da diversidade e no conhecimento da de vida, saúde e bem-estar da população;
história de Moçambique; (v) promover a igualdade e equidade de género nas diversas
e) concluir o processo de reafirmação das fronteiras marítimas esferas do desenvolvimento económico, social, político
e continentais dentro dos prazos estabelecidos pela e cultural, assegurar a protecção e desenvolvimento
União Africana; integral da criança e garantir a assistência social
f) reforçar a implantação das instituições públicas e infra- aos combatentes e às pessoas em situação de pobreza
estruturas económicas e sociais nas zonas fronteiriças; e de vulnerabilidade.
g) garantir a preservação dos interesses nacionais e a
defesa dos recursos naturais do solo, do subsolo, da Acções Prioritárias por Objectivo Estratégico
plataforma continental e aquáticos marinhos, fluviais Objectivo Estratégico (i): Promover um Sistema Educativo
e lacustres sob jurisdição nacional; inclusivo, eficaz e eficiente que garanta a aquisição das
h) reforçar as relações de cooperação visando elevar a competências requeridas ao nível de conhecimentos,
confiança com os diferentes países e defender os habilidades, gestão e atitudes que respondam às necessidades
interesses nacionais nos fora de defesa da Comunidade de desenvolvimento humano.
de Desenvolvimento da África Austral (SADC),
Comunidade dos Países da Língua Portuguesa (CPLP), 33. Para o alcance deste objectivo estratégico, serão
União Africana (UA), Organização das Nações Unidas desenvolvidas as seguintes acções prioritárias:
(ONU) e outros organismos internacionais; a) potenciar a aquisição de habilidades e de competências
i) participar nas acções de combate à proliferação essenciais de leitura, escrita, cálculo no Ensino
de armas ligeiras e de pequeno porte, minas antipessoal Primário;
e munições de fragmentação; b) assegurar oportunidades educativas para crianças com
j) harmonizar a localização das infra-estruturas militares Necessidades Educativas Especiais;
com a estratégia de defesa e segurança do País; c) fortalecer a formação, valorização e motivação dos
k) assegurar o cumprimento das missões perenes e de inte- professores no sistema de educação;
resse público. d) reforçar a formação de professores para o ensino
inclusivo de alunos com necessidades especiais;
3.2 Prioridade II: Desenvolver o Capital Humano e Social
e) aumentar o número de professores primários e secundários
29. O capital humano e social é um conjunto de capacidades, com formação psico-pedagógica especializada para
conhecimentos, competências e atributos de personalidade cada nível de ensino;
individual e colectiva que favorecem a realização de actividades f) garantir a estabilidade dos currícula do Sistema Nacional
sociais e económicas necessárias para o desenvolvimento socio- de Educação;
económico sustentável e integrado do País. g) melhorar as condições de trabalho no sector da educação
30. A prestação de serviços sociais básicos de qualidade para elevar a dignidade da profissão de professor;
e acesso equitativo à educação, cuidados de saúde, água,
h) promover o uso das Línguas Moçambicanas no processo
saneamento e habitação concorrem para a criação de capacidades
de ensino-aprendizagem;
fundamentais do capital humano e social e para a melhoria
de bem-estar social e económico. i) conceber e oferecer programas diversificados
31. A protecção e empoderamento da mulher, da criança, da de Alfabetização e Educação Não-Formal para jovens
pessoa idosa e dos grupos vulneráveis merecerão atenção especial fora da escola e adultos, com enfoque na aquisição
de modo a assegurar o desenvolvimento das capacidades básicas de habilidades para a vida;
das gerações futuras. Igualmente, será assegurada a assistência j) fortalecer a capacidade de planificação e gestão de escolas
social do combatente e garantida a participação dos jovens e implementar padrões de qualidade no nível local;
no processo de desenvolvimento social e económico do País. k) aumentar o número de escolas primárias e secundárias
Outrossim, o Governo promoverá a cultura e o desporto como para garantir o acesso a educação pelas comunidades;
elementos essenciais que contribuam para o desenvolvimento do l) assegurar maiores oportunidades educativas no Ensino
capital humano e social. Secundário e Técnico - Profissional Presencial, Semi -
Presencial e à Distância relevante e sustentável visando
Objectivos Estratégicos
obter maior eficiência;
32. Para garantir o desenvolvimento do Capital Humano m) assegurar uma Educação Profissional (técnica
e Social o Governo estabelece os seguintes objectivos estratégicos: e vocacional) de qualidade e relevante, assente
(i) promover um Sistema Educativo inclusivo, eficaz em padrões de competências e que responda às
e eficiente que garanta a aquisição das competências necessidades e especificidades do mercado laboral;
requeridas ao nível de conhecimentos, habilidades, n) implementar cursos de formação vocacional visando
gestão e atitudes que respondam às necessidades a qualificação do capital humano, em função das
de desenvolvimento humano; necessidades do mercado de trabalho;
(ii) expandir o acesso e melhorar a qualidade dos serviços o) modernizar e explandir os centros de emprego e opera-
de saúde, reduzir a mortalidade materna, a morbi- cionalizar os serviços de informação e orientação
mortalidade por desnutrição crónica, malária, profissional;
tuberculose, HIV, doenças não transmissíveis p) promover o acesso ao ensino superior e técnico-
e doenças preveníveis; -profissional de qualidade;
14 DE ABRIL DE 2015 178 — (7)

q) estabelecer programas e sinergias com as instituições f) introduzir novas vacinas, nomeadamente de PCV (Vacina
de ensino superior, técnico profissional, de investigação Pneumococo), Rotavírus e HPV (Human Papiloma
e de base tecnológica que contribuam para estimular a Vírus Vaccine);
inovação e empreendedorismo; g) expandir os serviços de prevenção, diagnóstico,
r) garantir o acesso à formação de pós - graduação para tratamento e combate à malária em todo o País;
o fortalecimento da capacidade de investigação h) reforçar a capacidade de aprovisionamento de medi-
no País; camentos e melhorar a dieta alimentar nas unidades
s) garantir o funcionamento e expansão das bibliotecas sanitárias;
provinciais e distritais; i) expandir os serviços de prevenção e diagnóstico e trata-
t) prosseguir a electrificação de escolas em zonas rurais mento da Tuberculose, incluindo a Multiresistente
através de sistemas solares, assegurando a melhoria (MDR) e a extremamente resistentes (XDR);
da qualidade dos serviços de educação para o cidadão; j) expandir os serviços de prevenção e diagnóstico do HIV;
u) implementar programas e acções de formação profissional k) aumentar o número de unidades sanitárias que oferecem
alinhadas às necessidades do sector produtivo, TARV e massificar o seu acesso;
estimulando a participação massiva dos jovens; l) aumentar o número de unidades sanitárias que ofereçam
v) promover a reconversão e aperfeiçoamento profissionais; atendimento especializado e prioritário a mulheres
w) reforçar os mecanismos de formação profissional com e crianças vítimas de violência doméstica e sexual;
envolvimento do sector privado; m) elevar os serviços dos Hospitais Provinciais de Lichinga
x) desenvolver um programa de bolsas de estudo e Inhambane para o nível dos serviços prestados pelos
e de formação orientado para as áreas de maior carência hospitais provínciais;
de mão-de-obra especializada; n) introduzir o serviço de radioterapia no Hospital Central
y) adquirir novas unidades móveis para incrementar o acesso de Maputo;
à formação profissional nas zonas rurais; o) introduzir o serviço de imagiologia e tomografia
z) promover o interesse dos alunos pelo estudo das ciências axial computarizada (TAC) no Hospital Central
naturais; de Quelimane, no Hospital Provincial de Tete
aa) promover programas de educação em matérias e no Hospital Geral de Mavalane;
de cidadania e direitos humanos nas escolas primárias p) aumentar o número de profissionais de saúde formados
e secundárias; anualmente e colocados ao serviço do Sistema
bb) consolidar a implementação de programas de promoção Nacional de Saúde;
das ciências básicas e iniciação científica; q) fortalecer e expandir o Sistema de Vigilância, monitoria
cc) realizar mostras e feiras de transferência de conhecimentos e avaliação para as doenças não transmissíveis;
e de tecnologias; r) alargar os serviços de Medicina Legal.
dd) promover a equidade de género, a prática de actividades Objectivo Estratégico (iii): Aumentar a provisão e acesso
de férias e extra-curriculares que concorram para aos serviços de abastecimento de água, de saneamento,
a aquisição de conhecimentos e hábitos saudáveis, transportes, comunicações e habitação.
incluindo o uso sustentável de recursos naturais 35. Para o alcance deste objectivo serão desenvolvidas
e a defesa do meio ambiente; as seguintes acções prioritárias:
ee) promover e expandir o uso e acessibilidade
a) prosseguir com o estabelecimento de novas ligações
de Tecnologias de Informação e Comunicação
domiciliárias de água canalizada (torneira no quintal
no sistema de educação e em áreas essenciais para
ou dentro de casa) nas zonas urbanas;
o desenvolvimento sócio-económico;
b) prosseguir a implementação de medidas visando
ff) consolidar e expandir Centros Multimédia Comunitários
a redução de perdas nos sistemas de abastecimento
(CMCs) de modo a aumentar o acesso às Tecnologias
da água;
de Informação e Comunicação;
c) expandir o acesso aos serviços básicos de saneamento
gg) promover programas de educação e mudança
como meio de garantir a qualidade de vida das popu-
de comportamento nutricional dirigidos a utilização
lações e eliminação de doenças;
de culturas e alimentos fortificados com micronutrientes.
d) garantir a higiene e abastecimento de água nas escolas;
Objectivo Estratégico (ii): Expandir o acesso e melhorar e) construir e reabilitar fontes de água nas zonas rurais;
a qualidade dos serviços de saúde, reduzir a mortalidade f) construir sistemas de abastecimento de água na zonas
materna, a morbi-mortalidade por desnutrição crónica, rurais;
malária, tuberculose, HIV, doenças não transmissíveis g) construir e expandir a rede de fontanários públicos
e doenças preveníveis. nas zonas urbanas;
34. Neste âmbito, serão realizadas as seguintes acções h) reabilitar e expandir os sistemas de abastecimento
prioritárias: de água nas cidades e vilas, priorizando os municípios
a) expandir a cobertura dos serviços de saúde materna para com destaque para a Área do Grande Maputo, Beira,
aumentar os partos institucionais; Nacala, Cuamba, Chibuto e as vilas de Massangena,
b) expandir o número de Unidades Sanitárias que oferecem Chigubo e Chicualacuala (Gaza); Mabote Sede,
cuidados de saúde ao recém-nascido (RN); Jangamo, Homoíne e Morrumbene (Inhambane);
c) reforçar o tratamento da desnutrição aguda nas crianças Guro Sede, Espungabera e Machaze Sede (Manica);
menores de cinco anos, nos adolescentes e nos adultos; Nhamayabué, Ulónguè e Fingoé (Tete); Maganja da
d) introduzir programas de educação alimentar e nutricional Costa, Alto Molocué, Milange (Zambézia); Mussoril
e de saúde ocupacional; (Nampula); e Chiúre e Sistemas do Planalto de Mueda
e) promover programas de educação e mudança de compor- e Pemba (Cabo Delgado);
tamento nutricional dirigidos a utilização de culturas i) prosseguir com a instalação de sistemas solares e eólicos
e alimentos fortificados com micronutrientes; para bombeamento de água potável nas comunidades;
178 — (8) I SÉRIE — NÚMERO 29

j) mobilizar recursos financeiros para construção ou expansão g) promover o desporto escolar;


de sistemas de abastecimento de água com destaque h) promover iniciativas de preservação de espaços de prática
para Lichinga, Sanga e Marrupa (Niassa), Montepuez da actividade desportiva nas zonas urbanas e rurais;
(Cabo Delgado), Monapo, Cidade de Nampula, i) fortalecer as Federações e associações para o desen-
Nametil (Nampula), Mocuba e Gurué (Zambézia), volvimento das modalidades desportivas;
Chitima, Moatize e Doa (Tete), Espungabera, Macossa j) estabelecer Centros de Formação Desportiva (Lar
e Tambara Sede (Manica), Búzi, Cheringoma,
do Atleta) regionais na cidade de Lichinga e nas vilas
Marínguè, Chemba e Nhamatanda (Sofala), Govuro,
Massinga, Mabote, Zavala e Homoine (Inhambane) de Gondola (Manica) e Namaacha (Maputo Província);
e Namaacha (Maputo Província); k) estabelecer o Instituto Médio de Formação Desportiva;
k) promover os serviços de Transportes Públicos Urbanos; l) conceber e implementar o sistema de profissionalização
l) reforçar o sistema de transportes urbanos das grandes do desporto nacional;
cidades em parceria com o sector privado, numa m) consolidar o ensino artístico através do alargamento das
perspectiva intermodal; instituições de formação cultural e artística de nível
m) promover transporte seguro rodoviário, interprovincial básico, médio e superior.
e interdistrital de passageiros e carga;
Objectivo Estratégico (v): Promover a igualdade e equi-
n) alargar a prestação do Serviço de Controlo de Tráfego
dade de género nas diversas esferas do desenvolvimento
Aéreo a todas as rotas aéreas nacionais;
o) promover a construção de habitação social e acesso económico, social, político e cultural, assegurar a protecção
à terra infraestruturada; e desenvolvimento integral da criança e garantir a assistência
p) promover a revitalização dos serviços de cabotagem social aos combatentes e às pessoas em situação da pobreza
marítima; e de vulnerabilidade.
q) fomentar e desenvolver parcerias público-privadas para 37. Para o alcance do objectivo estratégico, serão desenvolvidas
a construção de habitação e empreendimentos juvenis as seguintes acções prioritárias:
e desportivos;
r) promover a auto-construção de habitação através a) garantir a integração da perspectiva de género nas polí-
da atribuição de talhões infra-estruturados, concepção ticas e estratégias do desenvolvimento do País;
e distribuição de projectos-tipo de habitação, com b) promover a capacitação das mulheres e homens
enfoque nas zonas rurais e assistência técnica sobre em matérias de equidade e igualdade de género;
o uso de novas tecnologias e de materiais de construção c) promover medidas que reforcem a igualdade de género,
mais baratos e localmente disponíveis. os direitos das crianças e das pessoas em situação
Objectivo Estratégico (iv): Promover a participação de pobreza;
da juventude nas actividades sócio-culturais, desportivas d) promover o empoderamento das mulheres empresárias
e económicas como mecanismo para massificar a prática do sector formal e informal;
regular da actividade física e desportiva e melhorar a qua- e) promover programas de desenvolvimento integral para
lidade de vida, saúde e bem-estar da população. crianças na idade pré-escolar;
36. Para a concretização deste objectivo estratégico, o Governo f) prevenir e combater a violência contra a criança, incluindo
priorizará as seguintes acções: o abuso sexual, uniões forçadas, raptos, tráfico
a) estimular a iniciativa juvenil e/ou empreendedora para e exploração do trabalho infantil;
o auto-emprego e geração de rendimentos nas áreas g) desenvolver medidas visando o combate e redução
da agricultura, comércio, pesca, transporte, tecnologias da prática de casamentos prematuros;
de informação; h) prevenir e combater as práticas sociais nocivas incluindo
b) formar e capacitar técnica e profissionalmente os jovens a violência contra a pessoa idosa e pessoa com
nas áreas de gestão associativa, agricultura, turismo, deficiência e a baseada no género;
indústria, pesca, recursos minerais e Tecnologias de i) assegurar a assistência e integração social das pessoas
Informação e Comunicação que estimulem a criação em situação de pobreza e de vulnerabilidade;
de micro e médias empresas detidas por jovens; j) promover a divulgação dos direitos da mulher, criança,
c) promover Fora multi-geracionais de diálogo que
pessoa idosa e pessoa com deficiência;
estimulem a participação e integração dos Jovens;
k) assegurar o uso de Língua de Sinais e da escrita
d) reforçar os mecanismos de diálogo e participação
da juventude na identificação de prioridades e soluções em Braille nos diferentes programas informativos
para o desenvovimento; e eventos públicos;
e) garantir a prática regular da actividade física e desportiva l) garantir a fixação e a melhoria de pensões dos combatentes;
em todos os subsistemas desportivos; m) garantir a assistência social dos combatentes e seus
f) promover a massificação da prática desportiva dependentes;
nas diferentes modalidades, incluindo a formação n) promover a inserção de combatentes em actividades
dos agentes desportivos; produtivas.
14 DE ABRIL DE 2015 178 — (9)

Quadro 1 – Indicadores: Desenvolvimento do Capital Humano e Social

Desenvolvimento do Capital Humano e Social


Objectivo Estratégico Indicadores Base 2014 Meta 2019
N.º de crianças e jovens com
deficiência no ensino inclusivo 100,000 125,000
especial.
Taxa líquida de escolarização aos
81 86
6 anos na 1.ª classe (%).
Taxa bruta de conclusão do EP2
82.30 92
(%).
N.º de efectivos escolares no
42,000 65,000
Ensino Técnico-Profissional.
Nº de professores primários
Promover um Sistema 32,500 35,000
formados.
Educativo inclusivo, eficaz e
eficiente que garanta a aquisição N.º de carteiras escolares
200,000 700,000
das competências requeridas distribuídas.
ao nível de conhecimentos, N.º de salas de aula construídas. 3500 4500
habilidades, gestão e atitudes
N.º de professores contratados. = 42,500
que respondam às necessidades
de desenvolvimento humano. Rácio alunos por professor. 62 57
% de alunos da 3ª classe que
atingem as competências básicas
6.3 ≥ 12
de leitura e cálculo do 1.º ciclo do
Ensino Primário.
N.° de Investigadores e Docentes
1,600 (1,200 Mestres e 400 3,300 (2,500 Mestres e 800
moçambicanos formados nos
Doutores) Doutores)
níveis de mestrado e doutoramento.
N.° e % de docentes do ensino
superior com formação psico- 3,294 (46%) 5,878 (70%)
pedagógica.
Taxa de Cobertura de partos
71 75
institucionais (%).
Taxa de cobertura de crianças
82 94
completamente Vacinadas (%).
Taxa de cura de desnutrição aguda
em crianças menores de 5 anos 60 80
(%).
Prevalência da desnutrição
crónica em crianças menores de 43 35
5 anos (%).
Expandir o acesso e melhorar
a qualidade dos serviços de Taxa de Mortalidade Infanto-
97 90
saúde, reduzir a mortalidade Juvenil.
materna, a morbi-mortalidade Taxa de cobertura de TARV
por desnutrição crónica, 45/64 80/80
Pediátrico/Adulto (%).
malária, tuberculose, HIV,
Taxa de cobertura de TARV
doenças não transmissíveis e
de mulheres grávidas seropositivas 86 90
doenças preveníveis.
(%).
Rácio profissionais de saúde por
94 113.3
100.000 habitantes.
Nº de Distritos com Hospitais
44 60
Distritais.
Taxa de cobertura de rastreio
de cancro de colo de útero em
mulheres entre 30-55 anos 1 15
nas consultas de Planeamento
Familiar (%).
178 — (10) I SÉRIE — NÚMERO 29

Desenvolvimento do Capital Humano e Social


Objectivo Estratégico Indicadores Base 2014 Meta 2019
% da população vivendo nas zonas
52 75
rurais, com fonte de água segura.
% da população vivendo nas
zonas urbanas com fonte de água 85 90
segura.

Aumentar a provisão e acesso % da população, vivendo nas


aos serviços de abastecimento zonas rurais, que usa serviços de 15 50
de água, de saneamento, saneamento adequadas.
transportes, comunicações e % da população, vivendo nas
habitação. zonas urbanas, que usa serviços 50 80
de saneamento adequadas.
N° de talhões demarcados, infra-
313,665 200,500
estruturados e espaços de lazer.
N.° de casas construídas. 1,922 35,000
Penetração telefónica. 70 100

Promover a participação da Total da população escolar que


juventude nas actividades participa em actividades artístico- 2,300,000 6,000,000
sócio-culturais, desportivas e cultural.
económicas como mecanismo N.˚ de Jovens beneficiários dos
2,200 3,900
para massificar a prática regular Projectos de iniciativa juvenil.
da actividade física e desportiva N.º de Medalhas conquistadas
e melhorar a qualidade de vida, nas competições Regionais 256 600
saúde e bem-estar da população. Internacionais e Mundiais.
N.º de crianças em situação difícil
255,101 350,000
Promover a igualdade e beneficiárias de apoio multiforme.
equidade de género nas diversas % de agregados familiares
esferas do desenvolvimento cobertos pelos programas de
económico, social, político e segurança social básica (acção 15.76 25
cultural, assegurar a protecção social directa e acção social
e desenvolvimento integral da produtiva).
criança e garantir a assistência
social aos combatentes e às N.º de pensões das combatentes
4,672 15,000
pessoas em situação da pobreza fixadas.
e de vulnerabilidade. N.º de combatentes e seus
8,496 45,000
dependentes assistidos.

3.3 Prioridade III: Promover o Emprego e Melhorar Acções Prioritárias por Objectivo Estratégico
e Produtividade e a Competitividade Objectivo Estratégico (i): Aumentar a produção e produ-
38. No quadro do aumento do emprego e da produção bem tividade em todos os sectores com ênfase na agricultura,
como da melhoria da competitividade da economia nacional produção animal e pescas.
e das empresas, impulsionada pela agricultura orientada para 39. A promoção de um crescimento económico sustentável
o mercado, com forte envolvimento do sector familiar e privado e inclusivo tem como alicerces o investimento combinado e
visando a geração de emprego e da renda, a garantia da segurança sincronizado no desenvolvimento e expansão de infra-estruturas
de suporte à produção e ao aumento da produtividade, bem como
alimentar e nutricional, a provisão de matéria-prima para
da produção dos sectores que são motores da economia, com
a indústria nacional e geração de excedentes para a exportação, destaque para a agricultura, produção animal e pescas.
o Governo persegue os seguintes objectivos estratégicos: 40. Para melhorar a produtividade e a qualidade dos produtos
(i) aumentar a produção e produtividade em todos bem como aumentar a produção, o Governo prioriza as seguintes
os sectores com ênfase na agricultura; acções:
(ii) promover a industrialização orientada para a moder- a) promover o aumento da produtividade do sector familiar
nização da economia e para o aumento das exportações; agrário com vista à sua maior inserção no mercado;
b) criar facilidades de financiamento aos produtores
(iii) promover o emprego, a legalidade laboral e a segurança
agrários, em especial os do sector familiar;
social; c) incrementar os níveis de produção e de produtividade
(iv) promover a cadeia de valor dos produtos primários nas culturas alimentares básicas com vista a alcançar
nacionais assegurando a integração do conteúdo local. a auto-suficiência alimentar;
14 DE ABRIL DE 2015 178 — (11)

d) promover e garantir a abordagem integrada e intersectorial w) promover o financiamento de projectos de investigação


da Agricultura em toda a sua cadeia de valor; e inovação para o desenvolvimento sócio-económico;
e) promover a expansão dos programas de fomento x) promover a transferência de tecnologias aquícolas
das culturas estratégicas, tradicionais e emergentes e de pesca;
orientadas para o mercado; y) promover a capacitação de pescadores, processadores,
f) assegurar a afectação de mais extencionistas para comerciantes e aquacultores de pequena escala
assistirem aos camponeses; em técnicas de manuseamento e processamento
g) promover a geração de tecnologias produtivas resilientes e conservação de pescado;
ao clima e estimular o seu uso e adopção para z) promover o desenvolvimento da frota nacional
o aumento da produtividade e melhoria do consumo de empresas moçambicanas de pesca;
ao nível familiar; aa) introduzir medidas que contribuam para o aumento
h) promover a agricultura comercial e aumentar a dispo- da utilização dos portos nacionais pela frota estrangeira
nibilidade de alimentos para garantir a segurança de pesca;
alimentar e nutricional; bb) garantir a navegabilidade marítima ao longo do Canal
i) promover a mecanização agrícola através do investimento de Moçambique.
na criação de centros de serviços e equipamentos Objectivo Estratégico (ii): Promover a industrialização
agrícolas acessíveis aos produtores, sobretudo orientada para a modernização da economia e o aumento
do sector familiar; das exportações.
j) promover a construção e reabilitação de infra-estruturas
41. A indústria é um factor determinante para a transformação
de apoio à produção animal e assistência veterinária
estrutural e aumento da competitividade da economia nacional,
para relançar a indústria de carne e lacticínios;
k) promover o estabelecimento de incentivos, através bem como para a sua inserção no mercado mundial.
de facilidades de financiamento para a reabilitação, 42. No quadro da modernização da economia e da indus-
exploração de lojas rurais, a par da potenciação dos trialização orientada para a exportação, o Governo prioriza
seus proprietários para envolvimento no processo de as seguintes acções:
comercialização agrícola e insumos agrícolas; a) promover as exportações de Moçambique para permitir
l) promover a comercialização agrícola orientada para que os operadores económicos tirem vantagens das
o mercado interno e externo, com incidência nos oportunidades de mercados criados pelo sistema
cereais, privilegiando a potenciação dos intervenientes comercial multilateral;
da comercialização ligados à rede de armazenagem b) diversificar a base de exportação e destino das expor-
para a promoção do agro-processamento e melhoria tações abrindo novos mercados através da promoção,
da balança de pagamentos; realização e participação em feiras comerciais
m) promover o reflorestamento e processamento de produtos e turísticas no País e no exterior;
florestais; c) fortalecer a capacitação de micro, pequenas e médias
n) expandir os centros de formação, investigação empresas exportadoras que sejam promotoras do
e de transferência de tecnologias para capacitação emprego, elevando a competitividade das empresas
de produtores locais;
moçambicanas no mercado externo;
o) consolidar e expandir os pólos de investigação
d) promover a construção de infra-estruturas para feiras,
e disseminação de tecnologias e inovação para
exposições e outros eventos comerciais;
as comunidades;
p) prosseguir o financiamento da actividade produtiva e) aperfeiçoar o sistema de normalização e certificação
e de geração de emprego nos distritos e autarquias; de qualidade dos produtos destinados aos mercados
q) aprimorar a legislação do sector agrário; nacional e internacional;
r) aprofundar o conhecimento da potencialidade f) implementar os instrumentos da SADC para consolidação
e aptidão da terra do nosso País iniciado no âmbito da Zona do Comércio Livre;
de zoneamento agroecológico que vai permitir g) estimular o desenvolvimento da indústria transformadora
direccionar os investimentos e desenvolvimento para para o aumento do valor acrescentado de modo
os diferentes fins como agricultura e agro-indústria, a reduzir os desequilíbrios da balança comercial;
indústria extractiva, turismo, fazendas de bravio e áreas h) incentivar a adição de valor na exportação de recursos
de conservação; naturais nacionais;
s) melhorar a planificação agrária privilegiando a produção i) promover o estabelecimento de bases logísticas para
de alimentos, com vista à garantir a segurança alimentar facilitação de exportações;
e nutricional, com base numa análise profunda sobre os j) definir políticas de empoderamento do empresariado
hábitos alimentares e causas da acentuada desnutrição
moçambicano;
em algumas zonas;
k) estabelecer medidas de protecção à indústria nacional;
t) promover linhas de financiamento especiais orientadas
para o desenvolvimento das actividades económicas l) incentivar a consolidação dos sistemas de propriedade
nos vários dominios em condições vantajosas; industrial e qualidade de modo a contribuir para
u) promover linhas de financiamento orientadas para o desenvolvimento e competitividade da indústria
o desenvolvimento das actividades de comercialização nacional;
e agro-processamento em condições vantajosas a par m) promover o estabelecimento de zonas francas industriais
da capacitação de micro, pequenas e médias empresas; e zonas económicas especiais dedicadas a ramos
v) incrementar e expandir a disponibilidade de energia para de actividade específicos;
irrigação e outras actividades produtivas e de geração n) consolidar e expandir o Programa Nacional de Parques
de rendimentos; de Ciência e Tecnologia.
178 — (12) I SÉRIE — NÚMERO 29

Objectivo Estratégico (iii): Promover o Emprego, t) promover acções de recrutamento, colocação e assistência
Legalidade Laboral e a Segurança Social. ao trabalhador moçambicano no exterior;
43. O emprego é um dos mecanismos de partilha dos ganhos u) promover o desenvolvimento de programas visando
do crescimento económico. Neste sentido, o Governo irá a reinserção sócio-económica dos ex-trabalhadores
promover acções visando a criação de mais oportunidades de das minas da República da África do Sul e seus
emprego e melhoria da empregabilidade da mão-de-obra levando dependentes;
a cabo as seguintes acções estratégicas: v) melhorar a formação e enquadramento de profissionais
marítimos, de pesca e aquacultura;
a) impulsionar e consolidar o diálogo social e a cultura
w) incrementar o apoio as micro, pequenas e médias
de trabalho;
empresas como forma de alargar as oportunidades de
b) promover o emprego nos diversos sectores das acti-
vidades económicas e sociais, incentivando e apoiando emprego e do auto-emprego dos moçambicanos com
iniciativas geradoras de emprego e auto-emprego; orientação para a juventude.
c) integrar a criação de emprego como um dos critérios Objectivo Estratégico (iv): Promover a cadeia de valor
de avaliação do impacto do investimento público; dos produtos primários nacionais assegurando a integração
d) integrar nas estratégias e políticas sectoriais medidas do conteúdo local.
que contribuam para a maximização de oportunidades 44. O País possui uma grande diversidade de recursos naturais,
de emprego; destacando-se os agrários, minerais, energéticos e pesqueiros
e) aumentar a eficácia e eficiência dos centros públicos suficientes para sustentar a promoção de um desenvolvimento
de intermediação da procura e oferta de emprego económico e social abrangente através da maximização da cadeia
e estimular a participação do sector privado de valor e integração do conteúdo local nos produtos primários e
na provisão destes serviços, através da simplificação na prestação de serviços.
de procedimentos;
45. Para a materialização deste objectivo, o Governo prioriza
f) promover os estágios Pré-Profissionais como mecanismo
as seguintes acções:
para elevar o nível de empregabilidade e inculcar
a cultura do trabalho nos jovens; a) assegurar o desenvolvimento de um programa de indus-
g) estabelecer um protocolo entre o sistema educacional trialização orientada para agregar valor através do uso
público e o sector privado para a operacionalização de recursos nacionais, aumentando a oferta de bens de
dos estágios pré-profissionais; consumo nacional na vida das populações substituindo
h) implementar programas e acções de formação profissional deste modo as importações;
alinhadas às necessidades do sector produtivo, b) fortalecer a integração e crescimento das indústrias
estimulando a participação massiva de jovens, bem nacionais na cadeia de valor dos mega-projectos,
como promover a reconversão e aperfeiçoamento privilegiando as pequenas e medias empresas
profissionais; moçambicanas;
i) modernizar e expandir os centros de emprego e opera- c) dinamizar a implantação de parques industriais,
cionalizar os serviços de informação e orientação aquaparques, centros zonais de produção de alevinos
profissional; e outras facilidades de apoio ao desenvolvimento
j) adquirir novas unidades móveis para incrementar o acesso do sector produtivo;
à formação profissional nas zonas rurais e implementar d) promover a incubação de empresas do ramo tecnológico
programas e acções de formação profissional para e concursos de ideias de negócios para o desen-
jovens; volvimento de novos produtos e serviços;
k) reforçar os mecanismos de formação profissional com e) promover e incentivar a integração dos pequenos
envolvimento do sector privado e desenvolver um produtores na cadeia de valor de bens e serviços;
programa de bolsas de estudo e de formação orientado f) estabelecer zonas para a produção de culturas específicas
a suprir as áreas com elevada carência de mão-de-obra por médios produtores nos distritos;
especializada; g) estabelecer centros de excelência e laboratórios
l) prosseguir e assegurar a certificação internacional de pesquisa para responder à demanda decorrente da
de centros de formação profissional para garantir descoberta de recursos minerais e hidrocarbonetos;
a competitividade da mão-de-obra nacional; h) promover e incentivar o estabelecimento de unidades de
m) reforçar o controlo da legalidade laboral e promover transformação de produtos primários nacionais e a sua
o trabalho digno; integração no mercado;
n) modernizar o Sistema de Informação do Mercado i) consolidar a rede comercial retalhista e gradualmente
de Trabalho; converter o comércio informal numa rede estruturada;
o) assegurar o livre exercício do direito sindical e zelar que j) proceder à formalização progressiva de actividades
as relações profissionais favoreçam a melhoria das informais acompanhada por programas de sensi-
condições de trabalho e da vida profissional; bilização e educação;
p) promover e consolidar os mecanismos extra-judiciais k) consolidar e expandir mercados grossistas e retalhistas
de prevenção e resolução de conflitos laborais; dos produtos primários nacionais;
q) fortalecer o quadro legal laboral visando proteger l) expandir a rede de laboratórios de Inspecção de Pescado;
os interesses legítimos dos empregadores e m) estabelecer mecanismos de certificação da produção
trabalhadores, contribuindo na promoção da estabili- aquícola;
dade laboral; n) criar incentivos nas zonas agro-ecológicas com vantagens
r) alargar a cobertura do sistema de segurança social comparativas para atrair investimentos privados
obrigatória e garantir a sua sustentabilidade financeira; nacionais e estrangeiros, privilegiando o fomento do
s) aperfeiçoar os mecanismos de transferência de habi- jovem empresário agrário;
lidades e experiência da mão-de-obra estrangeira para o) desenvolver o turismo baseado nas comunidades rurais
a nacional; e urbanas como forma de valorizar as iniciativas
14 DE ABRIL DE 2015 178 — (13)

comunitárias e criar oportunidades de negócio, q) promover, a nível regional, continental e internacional,


emprego e auto-emprego; uma estratégia de divulgação e marketing da boa
p) promover o desenvolvimento integrado das áreas com imagem de Moçambique como um destino turístico
potencial turístico para atrair investimento nacional de classe mundial;
e estrangeiro com vista a alargar a rede de alojamento r) fiscalizar as unidades turísticas e hoteleiras para assegurar
e restauração com qualidade; a prestação de serviços de qualidade a todos os clientes.

Quadro 2 – Indicadores: Promover o Emprego e Melhorar a Produtividade e a Competitividade

Promover o Emprego e Melhorar a Produtividade e a Competitividade


Objectivo Estratégico Indicadores Base 2014 Meta 2019
N.º de projectos de Investigação,
Inovação e Transferência e 281 450
Tecnologias implementados.
Volume de produção pesqueira
254,342 402,340
em Toneladas.
N.º de PMES assistidas em
matérias de desenvolvimento 1,500 13,200
de negócios.
Aumentar a produtividade e a
produção em todos os sectores Capacidade de armazenagem
com ênfase na agricultura. em silos operacionais (em 16,000 56,000
toneladas).
% de agregados familiares com
66.5 75
consumo adequado.
% de agregados familiares em
24 16
insegurança crónica.
Área de regadios construídos e
9,158 16,000
ou reabilitados (hectares).
Promover a industrialização % da contribuição da indústria
orientada para a modernização transformadora no PIB.
11 21
da economia e o aumento das
exportações.
N.° de novos empregos criados
1,366,738 1,483,562
pelo sector público e privado.
N.º de estágios pré-profissionais. 11,169 14,850
N.° de beneficiários de for-
462,723 694,085
mação profissional.
N.° de empresas inscritas no
sistema de segurança social 24,522 57,335
Promover o Emprego,
obrigatório.
legalidade laboral e a segurança
social. N.° de trabalhadores por conta
de outrem inscritos no sistema 429,412 688,166
de segurança social obrigatório.
N.° de trabalhadores por conta
própria inscritos no sistema de 0 12,000
segurança social obrigatório.
N.º de estabelecimentos
35,787 38,000
inspeccionados.
Mercados grossistas de pro-
Promover a cadeia de valor dos dutos frescos construídos e - 3
produtos primários nacionais operacionais.
assegurando a integração do
conteúdo local. Mercados de Peixe construídos
11 43
e em funcionamento.
178 — (14) I SÉRIE — NÚMERO 29

3.4 Prioridade IV: Desenvolvimento de Infra-Estruturas d) promover os projectos de construção das Linhas de
Económicas e Sociais. Transporte de Energia Eléctrica resilientes à mudança
46. O Governo prioriza a expansão sustentável e a melhoria e variabilidade climática de Tete-Maputo (AC 400
da qualidade das infra-estruturas socioe-conómicas essenciais e kV e DC 500 kV); Lindela-Massinga (110 kV) em
vitais para a promoção da actividade produtiva do sector privado Inhambane; Ressano Garcia-Macia (275 kV) ligando
e associativo e para o incremento da capacidade do sector público as províncias de Maputo e Gaza; Chibabava-Vilankulos
de prover os serviços sociais básicos à população. (110 kV) ligando as províncias de Inhambane e Sofala;
47. O Governo prioriza a realização de estudos, a construção, Caia-Nacala (400 kV), ligando as províncias de Sofala
reabilitação e manutenção de infra-estruturas de grande impacto e Nampula;
social e económico, sobretudo hidro-agrícolas, de abastecimento e) promover o projecto da construção da Linha
de água urbana e rural, barragens, estradas e pontes, bem como de Interligação Moçambique-Malawi (400 kV);
a implantação de unidades de saúde, de educação e a abertura de f) prosseguir a electrificação rural através da Rede Eléctrica
furos de água, nas zonas fronteiriças. Nacional e de sistemas solares, com prioridade para
48. O Governo irá assegurar a fiscalização das obras do Estado, as Sedes dos novos Distritos, Postos Administrativos
com vista a melhorar a sua qualidade, com maior enfoque para e Localidades;
estradas, pontes, escolas e centros de saúde. g) prosseguir a electrificação de unidades sanitárias
49. O Governo irá garantir uma planificação coordenada através de sistemas solares, assegurando a melhoria
e integrada entre as instituições que intervêm na construção das da qualidade dos serviços de saúde para o cidadão;
infra-estruturas económicas e sociais. h) promover a electrificação das comunidades ligadas
50. Com vista a garantir a sustentabilidade desta prioridade, aos centros de pesca;
o Governo define os seguintes objectivos estratégicos: i) prosseguir a construção de centrais mini-hídricas
de Rotanda, Chiurairue, Sembezeia, Muoha, Mavonde
i) aumentar o acesso com qualidade e disponibilidade de e Berua (Manica), Nintulo (Zambézia), Meponda,
energia eléctrica, combustíveis líquidos e gás natural N’timbe, Luanga, Luaice e Zize (Niassa);
para o desenvolvimento das actividades socio- j) aumentar a capacidade de armazenagem de combustíveis,
económicas, o consumo doméstico e a exportação; através da construção do terminal de recepção e
ii) melhorar e expandir a rede das estradas e pontes vitais armazenagem de Gás de Petróleo Liquífeito (GPL)
para o desenvolvimento socio-económico; na cidade da Beira;
iii) construir e expandir a capacidade das infra-estruturas k) expandir a rede de distribuição de gás natural canalizado
de armazenamento de água e irrigação; para o uso doméstico e industrial;
iv) construir e expandir infra-estruturas de saneamento, l) prosseguir a construção e expansão da infra-estruturas
incluíndo aterros sanitários; de abastecimento de Gás Natural Veicular (GNV);
v) garantir a gestão integrada de recursos hídricos; m) expandir a construção de postos de abastecimento
vi) garantir a gestão integrada de bacias hidrográficas de combustíveis líquidos no âmbito do incentivo
internacionais; geográfico;
vii) expandir a rede de infraestruturas sociais, da Administração n) assegurar a implementação dos projectos de pesquisa,
Pública e Justiça, e de formação profissional; desenvolvimento e produção do gás natural na Bacia
viii) expandir e modernizar as infra-estruturas ferro- do Rovuma e na Bacia de Moçambique.
portuárias, pesqueiras, de comunicações e de logística.
Objectivo Estratégico (ii): Melhorar e expandir a rede
Acções Prioritárias por Objectivo Estratégico das estradas e pontes vitais para o desenvolvimento sócio-
conómico.
Objectivo Estratégico (i): Aumentar o acesso e disponi- 52. Para o alcance deste objectivo o Governo prioriza
bilidade de energia eléctrica, combustíveis líquidos e gás as seguintes acções:
natural para o desenvolvimento das actividades socio-
a) concluir as obras de reabilitação de 454 Km, asfaltagem
conómicas, o consumo doméstico e a exportação, recorrendo
de 877 Km de estradas e de reabilitação de 3
às Parcerias Público Privadas.
e construção de 32 pontes, resilientes aos efeitos
51. Para o alcance deste objectivo o Governo estabelece como
da mudança e variabilidade climática;
prioritárias as seguintes acções:
b) iniciar a reabilitação de 1.320Km, asfaltagem de 970 Km
a) garantir a segurança do fornecimento de energia de estradas e construção de 14 pontes;
eléctrica à escala nacional através da diversificação c) garantir a manutenção das estradas e pontes com
da localização das fontes de geração; o envolvimento do sector privado e utentes;
b) promover os projectos de construção das centrais d) pavimentar 250 Km e reabilitar 1.000 Km de estradas
de produção de energia eléctrica resilientes à rurais com uso de materiais localmente disponíveis e
mudança e variabilidade climática, nomeadamente, tecnologias para estradas de baixo volume de tráfego;
Hidroeléctrica de Mphanda Nkuwa, Fase I (1.500 MW); e) garantir a manutenção de Rotina anual de 20.000 Km,
Hidroeléctrica de Cahora Bassa Norte (1.245 MW); manutenção Periódica de 5.000 Km da rede de
Hidroeléctrica de Lupata (600 MW); Hidroeléctrica estradas, bem como de 08 pontes;
de Boroma (200 MW), ao longo do Rio Zambeze, em f) prestar assistência técnica e financeira às autarquias
Tete; Hidroeléctrica de Alto Malema (60 MW), ao na reabilitação das redes viárias urbanas das cidades
longo do Rio Lúrio, em Nampula; Termoeléctrica a e vilas municipais;
Carvão de Moatize (300 MW), em Tete; g) promover as Parcerias Públicas Privadas (PPPs)
c) promover a construção de centrais a gás natural nos destinadas à implementação de grandes Projectos
locais de exploração ou nas suas proximidades, aeroportuários, ferroportuários, rodoviários, com
nomeadamente: Termoeléctrica a Gás Natural de ciclo portagens, barragens hidroeléctricas, sistemas de
combinado de Maputo (100 MW); Termoeléctrica a abastecimento de água, entre outros, com potencial
Gás Natural da Gigawatt (100 MW); Termoeléctrica para atrair investimento privado, por via do seu
a Gás Natural de Kuvaninga (40 MW); concessionamento ao sector privado;
14 DE ABRIL DE 2015 178 — (15)

h) realizar estudos para o descongestionamento de acessos b) elaborar planos estratégicos de desenvolvimento


às principais cidades; de recursos hídricos do mar e das águas interiores;
i) realizar estudos para a reabilitação e asfaltagem c) realizar estudos hidro-geológicos nos principais
de 2.835 Km de estradas; aquíferos, priorizando aos aquíferos que servem
j) realizar estudos para a construção de 3 pontes. de fonte de água para os sistemas de abastecimento
Objectivo Estratégico (iii): Construir e expandir a capa- de água a população;
cidade das infra-estruturas de armazenamento de água d) definir a rede hidroclimatológica estratégica, priorizando
e de irrigação. as bacias vulneráveis a cheias e inundações;
e) construir estações hidroclimatológicas priorizando
53. Para a prossecução deste objectivo são prioritárias as
as bacias vulneráveis a cheias e secas.
seguintes acções:
a) mobilizar financiamento para a elaboração de estudos Objectivo Estratégico (vi): Garantir a gestão integrada
para a construção e reabilitação de obras hidráulicas: de bacias hidrográficas internacionais.
Corumana (Maputo), Nhacangara (Manica), Locómuè 56. Para o alcance destes objectivos serão implementadas
(Niassa), Nicanda (Cabo Delgado), e descarregador as seguintes acções estratégicas:
auxiliar da barragem dos Pequenos Libombos a) estabelecer as comissões de bacia dos cursos de água
(Maputo) e Mapai (Gaza); compartilhados do Incomáti e Maputo, Save, Búzi
b) mobilizar financiamento para a construção das barragens e Púnguè;
de Metuchira (Sofala), Gorongosa (Sofala) e Moamba b) elaborar a estratégia de monitoramento dos acordos dos
Major (Maputo); cursos de água compartilhados;
c) mobilizar financiamento para a reabilitação das barragens c) estabelecer e actualizar acordos internacionais seguindo
de Chipembe (Cabo Delegado) e descargas de fundo as orientações do protocolo da SADC;
da barragem de Massingir (Gaza); reabilitação d) elaborar a estratégia conjunta de desenvolvimento
parcial (terraço, muro e equipamento hidromecânico)
dos recursos hídricos da bacia de Limpopo.
da barragem de Macarretane (Gaza); instalação
das comportas da barragem de Corumana (Maputo) Objectivo Estratégico (vii): Expandir a rede de infra-
e Locómuè (Niassa); -estruturas sociais, da Administração Pública e Justiça
d) mobilizar financiamento para a reabilitação de diques e de formação profissional.
e construção de plataformas de refúgios nas bacias 57. Para o alcance deste objectivo o Governo define como
hidrográficas dos rios Maputo e Incomáti (Maputo), estratégicas as seguintes acções:
Limpopo (Gaza), Save (Inhambane e Sofala); Búzi a) prosseguir a construção acelerada de escolas e salas
e Púnguè (Sofala), Zambeze (Marromeu e Chemba, de aulas elevando a sua qualidade, diversificando
em Sofala; Tambara, em Manica) e Licungo (Nante,
as abordagens de construção;
em Maganja da Costa, na Zambézia);
b) construir e apetrechar estabelecimentos de ensino a todos
e) promover a construção das barragens de Mapai (Gaza);
Revúbuè e Luia (Tete), Mugeba e Mutala (Zambézia); os níveis com prioridade para o Ensino Primário;
Lúrio, Mutelele e Sanhute (Nampula); Megaruma c) construir e reabilitar centros de saúde e hospitais, dando
(Cabo Delgado); Luatize e Mussengue (Niassa) e prioridade ao seguinte:
promover a reabilitação do Regadio de Nguri (Cabo • Conclusão do Hospital Central de Quelimane.
Delgado); • Construção de 16 hospitais distritais em Mocímboa
f) construir e reabilitar infra-estruturas hidro-agrícolas para da Praia, Montepuez e Macomia (Cabo
irrigação e abeberamento de gado. Delgado), Cuamba (Niassa), Gilé, Pebane e
Objectivo Estratégico (iv): Construir e expandir infra- Mopeia (Zambézia), Dondo (Sofala), Machaze
estruturas de saneamento, incluíndo aterros sanitários. e Guro (Manica), Fíngoè (Tete), Massinga
54. Na prossecução deste objectivo constituem acções (Inhambane), Mapai e Macia (Gaza), Manhiça
prioritárias as seguintes: (Maputo Provincia) e Mavalane (Maputo Cidade).
a) construir e reabilitar infra-estruturas de saneamento • Construção de Hospitais Gerais nas Cidades da Beira
e de drenagem de águas pluviais e promover a sua (Sofala) e Nampula (Nampula).
gestão sustentável, com destaque para as cidades • Apetrechar em equipamento médico-hospitalar
da Beira, Maputo, Matola, Tete, Quelimane, Gúruè, o Hospital de Namapa (Nampula).
Mocuba, Nampula e Pemba;
d) construir e reabilitar centros de atendimento à mulher,
b) promover a construção de sistemas de saneamento
e drenagem nas cidades de Maputo e Matola (áreas de criança, pessoa idosa e pessoas com deficiência;
expansão), Xai-Xai, Chókwè, Tete (área de expansão) e) construir e reabilitar infra-estruturas para o funcionamento
e Nacala; adequado dos órgãos locais;
c) promover a construção de infra-estruturas de gestão f) construir e reabilitar infra-estruturas da área da justiça;
de resíduos sólidos. g) construir e reabilitar infra-estruturas penitenciárias;
h) construir e reabilitar infra-estruturas policiais;
Objectivo Estratégico (v): Garantir a gestão integrada i) construir e reabilitar infra-estruturas do serviço
de recursos hídricos. de salvação pública e de migração;
55.Para o alcance deste objectivo serão implementadas j) construir e apetrechar novos centros de formação
as seguintes acções estratégicas: profissional que permitam o desenvolvimento
a) elaborar planos estratégicos de desenvolvimento de competências relevantes que respondam às
de recursos hídricos e gestão de cheias nas bacias necessidades do mercado de emprego;
hidrográficas dos rios Limpopo, Zambeze, Licungo, k) priorizar a manutenção das infra-estruturas públicas como
Lúrio, Messalo e Meluli; forma de garantir a sua sustentabilidade e durabilidade;
178 — (16) I SÉRIE — NÚMERO 29

l) melhorar a fiscalização do processo de construção d) implantar um sistema de centros logísticos agro-


de infra-estruturas públicas de modo a garantir maior alimentares nos três principais corredores de
qualidade; desenvolvimento (Maputo, Beira e Nampula)
m) conceber e fiscalizar rigorosamente as obras compostos por redes de frio para assegurar a
de construção e/ou reabilitação de infra-estruturas conservação de hortícolas, frutas, vegetais e outros
públicas para garantir a boa qualidade, segurança produtos nacionais de origem pecuária;
e durabilidade. e) reabilitar, expandir e construir portos em Nampula
Objectivo Estratégico (viii): Expandir e modernizar as (Nacala-Porto), Cabo Delgado (Pemba) e Zambézia
infra-estruturas pesqueiras, ferro-portuárias, aeroportuárias, (Macuse), respectivamente;
de comunicações e de logística. f) iniciar a construção da linha férrea Tete-Macuse;
58. Para garantir o sucesso deste objectivo preconizam-se g) reabilitar as linhas férreas de Cuamba-Lichinga (Niassa),
as seguintes acções estratégicas: Machipanda (Sofala e Manica) e Ressano Gárcia
a) construir e reabilitar infra-estruturas de apoio à pesca (Maputo);
e aquacultura; h) construir infra-estruturas de acostagem em Tete e Niassa;
b) construir e reabilitar infra-estruturas estratégicas i) desenvolver infra-estruturas aeroportuárias através de
de acostagem da pesca; parcerias público-privadas nas províncias de Maputo,
c) melhorar e expandir a capacidade e condições Gaza e Inhambane;
de armazenagem de produtos agrícolas de modo j) expandir a infra-estrutura de transmissão de banda larga
a estimular a comercialização para fazer face às incluindo a instalação de Anéis de Fibra Óptica nas
reservas físicas de cereais para a segurança alimentar capitais provinciais;
e a estabilização de preços; k) reabilitar a rede postal urbana e rural.

Quadro 3 – Indicadores: Desenvolvimento de Infra-Estruturas Económicas e Sociais

Desenvolvimento de Infra-Estruturas Económicas e Sociais


Objectivo Estratégico Indicadores Base 2014 Meta 2019
Aumentar o acesso com
qualidade e disponibilidade de
energia eléctrica, combustíveis
líquidos e gás natural para % da população com acesso à
45 55
o d e s e n v o l v i m e n t o d a s energia eléctrica.
actividades socio-económicas,
o consumo doméstico e a
exportação.
% de estradas nacionais
e regionais em condições boas 68 75
e razoáveis.
km de estradas Nacionais
283 2,774
e Regionais reabilitadas.
Melhorar e expandir a rede km de estradas Nacionais
das estradas e pontes vitais e Regionais Asfaltadas. 602 2,097
para o desenvolvimento sócio-
económico km de estradas mantidos –
19,480 20,000
Rotina.
km de estradas mantidos –
299 5,000
Periodica.
Número de pontes construidas,
11 57
reabilitadas e mantidas.
C o n s t r u i r e e x p a n d i r a Capacidade de armazenamento
capacidade das infra-estruturas da água (Milhões de m3 ).
58 82
de armazenamento de água e
irrigação.
Expandir e modernizar as infra- Volume de carga manuseada
estruturas ferro-portuárias, nos portos (milhões de ton
30 50
pesqueiras, de comunicações e métricas).
de logística.
14 DE ABRIL DE 2015 178 — (17)

3.5 Prioridade V: Assegurar a Gestão Sustentável Acções Prioritárias por Objectivo Estratégico
e Transparente dos Recursos Naturais e do Ambiente Objectivo Estratégico (i): Aprimorar o planeamento
59. A gestão criteriosa e económica dos recursos naturais e ordenamento territorial e fortalecer a monitoria, fiscalização
e do ambiente é um factor determinante para o alcance do e responsabilização na elaboração e implementação dos
desenvolvimento sustentável e inclusivo e base sólida para planos.
garantir a satisfação das necessidades actuais, mantendo sempre 66. Para garantir uma convivência harmoniosa entre o Homem
a preservação dos recursos naturais para a satisfação das e a Natureza, no âmbito do planeamento e ordenamento territorial
necessidades de desenvolvimento das futuras gerações. o Governo prioriza as seguintes acções:
60. A emancipação económica individual, familiar a) elaborar, implementar, fiscalizar e monitorar os planos de
e comunitária assenta no acesso, gestão correcta e uso adequado ordenamento territorial a escala nacional, provincial,
distrital e municipal;
dos recursos naturais disponíveis, facto que exige do Governo o b) melhorar o planeamento e ordenamento territorial das
estabelecimento de normas que garantam uma melhor articulação cidades e vilas;
e maior transparência no acesso ee exploração dos recursos c) prestar assistência técnica às autarquias para efectuarem
naturais entre os indivíduos, comunidades, as pequenas, médias o planeamento e implantação de talhões infra-
empresas e grandes projectos de desenvolvimento. estruturados nas cidades e vilas municipais;
61. A protecção dos direitos das comunidades residentes d) efectuar o planeamento e implantação de talhões infra-
em áreas detentoras de recursos naturais será salvaguardada estruturados nas vilas não municipalizadas e outros
assentamentos nas zonas rurais;
garantindo a reversão a seu favor de parte dos benefícios
e) impulsionar o surgimento de novas cidades e vilas;
provenientes da exploração dos recursos localmente disponíveis. f) prosseguir o mapeamento e zoneamento agrário, turístico,
62. No quadro do actual contexto de desenvolvimento geológico e dos recursos faunísticos e pesqueiros;
económico e social do País, é imperativo fortalecer a acção g) efectuar o zoneamento a escala de maior precisão nos
de planeamento e ordenamento territorial e assegurar corredores de desenvolvimento agrário de Maputo,
a adopção de tecnologias apropriadas para garantir que as Limpopo, Beira, Vale do Zambeze, Nacala e Pemba-
actividades produtivas, incluindo a exploração dos recursos Lichinga;
h) efectuar o mapeamento e inventários florestais operativos
naturais minimizem o impacto negativo sobre o ambiente
à escala de 1:250.000 e realizar a cartografia de base
e as comunidades. à escala de 1:50.000 e 1:25.000;
63. O Governo desenvolverá um plano de acções para fazer i) desenvolver o cadastro nacional de terras;
face a um problema que já é recorrente das cheias e enxurradas j) assegurar a demarcação prévia de terrenos;
que todos os anos assolam várias regiões do nosso País devido k) regularizar a ocupação da terra de boa-fé;
às mudanças climáticas, incluindo a construção de diques l) delimitar e certificar as terras comunitárias;
e barragens. m) reforçar a capacidade de gestão do uso da terra, com
64. Igualmente, apostará no mapeamento das zonas críticas prioridade para a fiscalização e controlo do Direito do
Uso e Aproveitamento da Terra (DUAT);
e no investimento em sistemas de drenagem nas capitais n) assegurar que os projectos de desenvolvimento que
provinciais e estradas principais de modo a evitar a degradação impliquem a concessão da terra não resultem na
urbana, a erosão e a contribuir para o melhoramento do sanea- expropriação injusta das terras dos camponeses, mas
mento do meio e de um ambiente mais saudável. se traduzam em maiores benefícios na melhoria das
condições de vida das populações afectadas;
Objectivos Estratégicos o) ordenar e gerir os espaços marítimos, fluviais e lacustres
65. Para garantir a gestão e uso sustentável dos recursos do ar, e de domínio público da zona costeira e definir os fins
da terra, da água e do subsolo, a manutenção da biodiversidade para a sua utilização;
p) produzir cartografia actualizada do País;
em harmonia com as necessidades de desenvolvimento nacional,
q) elaborar e divulgar os relatórios sobre a situação
o Governo estabelece os seguintes objectivos estratégicos: do ordenamento do território e do ambiente;
(i) aprimorar o planeamento e ordenamento territorial r) impulsionar a elaboração e implementação dos planos
e fortalecer a monitoria, fiscalização e responsabilização de desenvolvimento integrado da zona costeira;
na elaboração e implementação dos planos; s) fortalecer a capacitação dos Governos distritais
e autarquias na integração de prioridades ambientais,
(ii) garantir a integração da Economia Verde-Azul e da mudanças climáticas e gestão de desastres no processo
agenda de crescimento verde nas prioridades nacionais de planificação;
de desenvolvimento, assegurando a conservação t) prestar assistência técnica aos distritos no processo
de ecossistemas, a biodiversidade e o uso sustentável de reassentamento da população induzido pelas
dos recursos naturais; calamidades naturais;
(iii) reforçar a capacidade de avaliação e monitoria u) fortalecer a fiscalização marítima, fluvial, lacustre e aérea
e o combate à poluição.
da qualidade ambiental, em especial nas áreas de
implementação de projectos de desenvolvimento; Objectivo Estratégico (ii): Garantir a integração
da Economia Verde-Azul e da agenda de crescimento verde
(iv) promover estudos e investigação visando a redução
nas prioridades nacionais de desenvolvimento, assegurando
do risco de calamidades e adaptação às mudanças a conservação de ecossistemas, a biodiversidade e o uso
climáticas; sustentável dos recursos naturais.
(v) reduzir a vulnerabilidade das comunidades, da economia 67. A utilização e gestão correcta e transparente dos recursos
e infra-estruturas aos riscos climáticos e às calamidades naturais e do ambiente têm em vista assegurar o seu acesso e
naturais e antropogénicas. aproveitamento económico, sustentável e inclusivo por todos os
178 — (18) I SÉRIE — NÚMERO 29

Moçambicanos em harmonia com os objectivos e prioridades b) melhorar a gestão e condução da Avaliação de Impacto
de desenvolvimento nacional, regional, local e comunitário. Ambiental e respectivo licenciamento;
Assim, é imperativo promover a integração das abordagens c) fortalecer a fiscalização dos planos de gestão ambiental
de sustentabilidade ambiental, da economia Verde e Azul nas e o cumprimento da legislação ambiental pelos
políticas e estratégias nacionais, sectoriais e locais directamente projectos de desenvolvimento;
ligadas à gestão e exploração dos recursos naturais.
68. Para o alcance deste objectivo, o Governo considera d) assegurar a implementação de medidas de mitigação
prioritárias as seguintes acções: dos impactos negativos causados pela implementação
de projectos de desenvolvimento;
a) promover o acesso e utilização de boas práticas
ambientais e tecnologias apropriadas à produção nas e) introduzir o controlo de resíduos de drogas veterinárias,
áreas agrária, turística, mineira, florestal, faunística e contaminantes ambientais e sanidade dos organismos
pesqueira; aquáticos;
b) massificar a educação ambiental através de programas f) reforçar a capacidade de fiscalização e controlo
de educação, comunicação e divulgação ambiental; da exploração de recursos naturais;
c) prosseguir a promoção da educação ambiental junto às g) assegurar a Monitoria, Controlo e Vigilância (MCS)
comunidades; da actividade pesqueira ao nível nacional e regional;
d) promover a expansão de espaços verdes, jardins e parques h) reforçar a fiscalização da actividade pesqueira nas águas
nas cidades e vilas;
e) impulsionar a transformação económica e tecnológica territoriais e na Zona Económica Exclusiva (ZEE);
nos sectores chaves da economia para acomodar as i) promover pesquisa aplicada para assegurar a prevenção,
perspectivas e objectivos ambientais para a Economia controlo, e mitigação de problemas ambientais;
Verde e Azul; j) promover a pesquisa sobre o ambiente aquático, recursos
f) promover o acesso e disseminação de técnicas pesqueiros e aquícolas;
e tecnologias de extracção e processamento sustentável k) implementar medidas de gestão das pescarias;
dos recursos minerais, florestais, faunísticos e pes- l) melhorar a gestão de resíduos sólidos e químicos nocivos,
queiros dentro do País; incluindo o planeamento e construção das respectivas
g) efectuar a avaliação, mapeamento e monitoria do Capital
infraestruturas.
Natural à escala nacional;
h) aumentar a consciência pública sobre os princípios, Objectivo Estratégico (iv): Promover estudos e investigação
responsabilidades e benefícios e económicos e sociais visando a redução do risco de calamidades e adaptação às
decorrentes da economia Verde e Azul; mudanças climáticas.
i) reforçar a capacidade nacional para o planeamento, gestão
70. Para assegurar a redução da exposição das comunidades
e conservação da Biodiversidade;
j) prosseguir a reabilitação das áreas de conservação locais, da economia e infraestruturas aos desastres naturais e riscos
e incentivar o envolvimento das comunidades locais climáticos e ao mesmo tempo criar capacidade de resiliência ao
na sua gestão, em parceria com o sector privado; nível nacional, sectorial e local de resiliência, o Governo dará
k) garantir a sustentabilidade ecológica e financeira prioridade às seguintes acções:
das Áreas de Conservação; a) prosseguir o mapeamento das zonas de risco de cala-
l) reforçar o combate do conflito Homem-Fauna Bravia; midades à escala adequada;
m) estimular a protecção, aproveitamento e maneio b) fomentar a pesquisa aplicada orientada para identificação,
sustentável das águas dos rios de regime permanente avaliação e análise de risco climáticos e de calamidades
e periódico, com o envolvimento das comunidades a diversas escalas nos sectores prioritários ao
locais; desenvolvimento;
n) promover a sensibilização aos mineradores artesanais
c) promover pesquisa sobre opções de adaptação
e de pequena escala sobre a exploração sustentável
dos recursos minerais; às mudanças climáticas e redução de risco de cala-
o) prosseguir a implementação da estratégia de gestão midades nos diversos sectores e escalas;
do conflito Homem -Fauna Bravia e da estratégia d) desenvolver directrizes para a integração da gestão
nacional de prevenção e combate às queimadas do risco de calamidades e da adaptação às mudanças
descontroladas; climáticas nos planos nacionais, sectoriais e locais de
p) reforçar as medidas de combate à caça furtiva e o tráfico desenvolvimento;
ilegal de flora e fauna bravia; e) reforçar a capacidade nacional de investigação sobre
q) garantir a aplicação das convenções e tratados desastres naturais e mudanças climáticas;
internacionais relevantes em particular a Declaração f) operacionalizar o Centro de Gestão de Conhecimento
de Princípios de Monitoria da Governação de sobre Mudanças Climáticas e Redução do Risco
Recursos Naturais da SADC (2013), Visão Africana de de Desastres;
Mineração (African Mining Vision) 2003, a Convenção g) operacionalizar a Rede de Mudanças Climáticas.
Sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna
e Flora Selvagem Ameaçadas de Extinção (CITES). Objectivo Estratégico (v): Reduzir a vulnerabilidade das
Objectivo Estratégico (iii): Reforçar a capacidade comunidades, da economia e infra-estruturas aos riscos
de avaliação e monitoria da qualidade ambiental, em especial climáticos e às calamidades naturais e antropogénicas.
nas áreas de implementação de projectos de desenvolvimento. 71. A redução da vulnerabilidade das comunidades,
69. Para assegurar o reforço da capacidade institucional para da economia e infraestruturas aos desastres naturais e à varia-
monitorar regularmente o estado do ambiente em todo o território bilidade e mudança climáticas exige o reforço das medidas de
nacional, o Governo prioriza as seguintes acções: preparação e prontidão das pessoas e instituições para responder
a) garantir a realização da Avaliação Ambiental e Social de forma eficaz e atempada às ameaças, combinadas com o reforço
Estratégica nos grandes projectos e planos de desen- das medidas de prevenção e mitigação visando reduzir o grau de
volvimento; exposição das pessoas e bens aos riscos conhecidos e potenciais.
14 DE ABRIL DE 2015 178 — (19)

72. Para o alcance deste objectivo o Governo considera h) criar a capacidade para a prontidão e resposta as
prioritárias as seguintes acções: calamidades ao nível dos Governos locais e municípios,
a) prosseguir a sensibilização das comunidades, sector priorizado aquele localizado em áreas de maior risco;
privado, organizações da sociedade civil localizadas i) expandir a cobertura dos Sistemas de Aviso Prévio
em áreas de elevado risco climático e de desastres de fenómenos naturais e antropogénicos para as
naturais; comunidades de maior risco;
b) expandir a cobertura territorial dos Comités Locais j) melhorar a capacidade nacional de modelação, previsão
de Gestão de Risco de Calamidades; e apresentação de informação de aviso prévio
c) promover a realização de simulações de ocorrência de tempo, cheias, secas e sismos;
de calamidades; k) expandir a cobertura e alcance dos sistemas de gestão de
d) promover o empoderamento das comunidades vulneráveis informação e comunicação sobre calamidades naturais;
e lideranças locais sobre as medidas de adaptação l) prosseguir as reformas sectoriais visando integrar
à seca, cheias, ciclones e sismos;
medidas de resiliência ao clima e desastres nos sectores
e) fortalecer a coordenação multissectorial para a implan-
tação a todos os níveis das medidas adequadas para económicos, infra-estruturas e nas comunidades;
prevenção e mitigação de calamidades naturais; m) melhorar o planeamento da localização das infraestruturas
f) fortalecer a Unidade Nacional de Protecção Civil para económicas e sociais críticas;
a realização eficaz, célere e atempada das operações de n) estabelecer e monitorar o uso de padrões para
busca e salvamento nas áreas afectadas por desastres; a construção de infraestruturas económicas e sociais;
g) assegurar a coordenação das actividades marítimas, o) incentivar o uso do seguro contra desastres e riscos
fluviais e lacustres de busca e salvamento; climáticos para a protecção dos investimentos.

Quadro 4 – Indicadores: Assegurar a Gestão Sustentável dos Recursos Naturais e do Ambiente

Assegurar a Gestão Sustentável dos Recursos Naturais e do Ambiente


Objectivo Estratégico Indicadores Base 2014 Meta 2019
Melhorar o planeamento e N.º de Planos de Estrutura urbana
30 53
ordenamento territorial elaborados e implementados.
e fortalecer a monitoria, N.º de planos provinciais de
fiscalização e responsabilização ordenamento territorial elaborados
na elaboração e implementação 4 10
e implementados.
dos planos.
Garantir a integração da N.º de empreendimentos
3 7
Economia Verde-Azul e da comunitários de ecoturismo.
agenda de crescimento verde Número de efectivos de fauna
nas prioridades nacionais de 20,000 22,000
bravia (elefantes).
desenvolvimento, assegurando
a conservação de ecossistemas, N.º de tecnologias de extracção
a biodiversidade e o uso e processamento mineiro - 30
sustentável dos recursos ambientalmente seguro.
naturais. N.º de associações ou cooperativas
de mineradores artesanais e de - 10
pequena escala constituídos.
Área reflorestada (em hectares). 20,000 70,000
% de comunidades com
Reduzir a vulnerabilidade das conhecimento sobre acções de 16% 100%
comunidades, da economia redução do risco de calamidades.
e infra-estruturas aos riscos % de famílias em áreas de risco
33% 50%
climáticos e às calamidades reassentadas em zonas seguras.
naturais e antropogénicas. N.º de Distritos e Municípios com
0 5
Planos locais de Adaptação.

IV. Pilares de Suporte 74. Nesta perspectiva, o Governo prosseguirá de entre outros,
4.1 Pilar I: Consolidar o Estado de Direito Democrático, com os esforços visando assegurar que a prestação de serviços
Boa Governação e Descentralização. públicos tenha melhor qualidade, esteja orientada para resultados
e voltada para o cidadão. Esforços adicionais serão empreendidos
73. A construção de um Estado de Direito e Democrático, no sentido de garantir a ordem pública, a segurança de pessoas e
aberto, íntegro, dialogante e descentralizado que respeite e valorize
bens, o aprimoramento do Sistema da Administração da Justiça
as diferenças é condição fundamental para a implementação de
políticas públicas que impulsionam o desenvolvimento sócio- e promoção do acesso à comunicação e informação para todos
económico sólido e com confiança que assegurem a Ordem, os cidadãos.
Segurança e Tranquilidade Públicas, bem como o exercício da 75. O Governo vai assegurar a melhoria das condições no sector
Liberdade de Imprensa e demais Direitos e liberdades individuais da Administração da Justiça, através de maior desconcentração
consagrados na Constituição da República. na afectação de recursos.
178 — (20) I SÉRIE — NÚMERO 29

Objectivos Estratégicos l) expandir a cobertura da rede do Governo Electrónico para


76. Para garantir a consolidação do Estado de Direito todos os distritos.
Democrático, Boa Governação e Descentralização, o Governo Objectivo Estratégico (ii): Melhorar o ambiente
prioriza os seguintes objectivos estratégicos: de negócios:
(i) melhorar a prestação de serviços públicos e reforçar 79. Para a melhoria do ambiente de negócios, dentre outras
a integridade da Administração Pública; acções, o Governo priorizará as seguintes acções:
(ii) melhorar o ambiente de negócios; a) prosseguir a simplificação de procedimentos e melhoria
(iii) prosseguir a reforma e capacitação dos órgãos locais do da competitividade, para tornar o ambiente de negócios
Estado, autarquias locais e Assembleias provinciais; mais atractivo para investimentos que permitam que
(iv) assegurar uma Justiça ao alcance de todos, mais próxima Moçambique assuma uma posição de referência no
e mais justa, com enfoque na efectividade dos direitos, ranking regional e mundial;
deveres e liberdades fundamentais dos cidadãos; b) eliminar as barreiras à entrada de novos operadores
(v) prosseguir o combate à corrupção, o reforço no mercado e a geração de condições para a atracção
da prevenção e combate a todo tipo de crimes, de novos investimentos, o incremento do emprego
emissão de documentos de identificação, controlo do e a diversificação da economia;
c) assegurar a redução do tempo de atribuição do Direito de
movimento migratório e salvação pública;
Uso e Aproveitamento da Terra (DUAT);
(vi) assegurar serviços de comunicação social e informação
d) implantar a plataforma integrada electrónica dos
de qualidade. Balcões de Atendimento Único (e-BAU) nas capitais
Objectivo Estratégico (i): Melhorar a prestação de serviços provinciais;
públicos e reforçar a integridade da Administração Pública. e) fortalecer e melhorar os mecanismos de diálogo
77. No quadro do prosseguimento e reforço da implementação e articulação entre o Governo e sector privado,
priorizando o empoderamento do empresariado
das reformas em curso visando melhorar a prestação de serviços
moçambicano.
públicos e conferir a necessária integridade aos serviços da
Administração Pública, o Governo continuará a privilegiar Objectivo Estratégico (iii): Prosseguir a Reforma
a profissionalização da Administração Pública dotando-a de e Capacitação dos Órgãos locais do Estado, Autarquias Locais
quadros profissionalmente qualificados, imbuídos do espírito e Assembleias Provinciais
de bem servir e assente numa cultura baseada nos princípios de 80. O Governo defende uma governação participativa
transparência, ética, disciplina e integridade. e inclusiva em que as lideranças, comunidades e actores locais
78. Neste âmbito, o Governo destaca como prioritárias as devem assumir liderança activa e maior responsabilidade no
seguintes acções: processo de desenvolvimento local.
81. Neste sentido, o Governo prosseguirá com o processo
a) consolidar o quadro legal no âmbito da implementação de descentralização e desconcentração, por constituir a via certa
das políticas sectoriais; para assegurar a organização da participação dos cidadãos na
b) formar funcionários do Estado e reforçar as competências solução dos problemas das respectivas comunidades, promover o
de liderança e de gestão dos dirigentes através da desenvolvimento local e contribuir para a melhoria da prestação
formação e capacitação em Administração Pública; de serviços.
c) melhorar a gestão estratégica de recursos humanos ao 82. Para o alcance destes objectivos, o Governo considera
nível local garantindo a colocação e retenção de mais prioritário realizar as seguintes acções:
técnicos qualificados nos Distritos; a) desenvolver e capacitar os órgãos locais do Estado
d) imprimir maior celeridade nos processos de prestação e órgãos autárquicos para uma melhor prestação
de serviços públicos, através da simplificação dos de serviços ao cidadão;
procedimentos administrativos; b) prosseguir a transferência de competências, funções
e) diversificar os mecanismos do registo à nascença; e recursos do Estado para os órgãos de poder local;
f) promover cursos de formação e capacitação aos c) assegurar o aprofundamento da participação dos
profissionais da Justiça em matéria de competência cidadãos nos processos de tomada de decisão sobre o
específica do seu local de trabalho; desenvolvimento ao nível dos distritos e das autarquias
g) reforçar a fiscalização da legalidade dos actos locais;
administrativos na Administração Pública; d) melhorar a prestação de serviços e as condições
h) promover a cultura de ética e disciplina na Administração de habitação nos municípios;
Pública através do cumprimento rigoroso das normas e) capacitar os Conselhos Consultivos locais, as autoridades
e procedimentos na prestação de serviços; comunitárias e comités locais para participação activa
na decisão sobre projectos e iniciativas comunitárias
i) implementar acções que visam preservar a memória
de desenvolvimento local;
institucional na Administração Pública e assegurar
f) capacitar os membros das Assembleias Provinciais;
o acesso célere a informação;
g) consolidar os mecanismos de articulação das Assembleias
j) actualizar a Lei do Estatuto Geral dos Funcionários Provinciais com outros órgãos ao nível local, os
e Agentes do Estado (EGFAE) e respectivo cidadãos e as comunidades locais;
Regulamento (REGFAE) visando a consolidação das h) prosseguir a actualização e ajustamento da organização
relações laborais no Aparelho do Estado; territorial e toponímia do País;
k) promover o uso de Tecnologias de Informação i) aperfeiçoar os mecanismos de articulação entre os
e Comunicação para a Boa Governação e Prestação órgãos do Estado, as autarquias locais e as autoridades
de Serviços; comunitárias.
14 DE ABRIL DE 2015 178 — (21)

Objectivo Estratégico (iv): Assegurar uma Justiça ao Objectivo Estratégico (v): Prosseguir o combate
alcance de todos, mais próxima e mais justa, com enfoque na a corrupção, reforço da prevenção e combate à todo tipo
efectividade dos direitos, deveres e liberdades fundamentais de crimes, emissão de documentos de identificação, controlo
dos cidadãos. do movimento migratório e salvação pública.
83. A actuação integrada do Sistema da Administração 85. No âmbito dos esforços para a redução dos índices
da Justiça é essencial para a manutenção da harmonia social de criminalidade, de violência urbana, o número de cidadãos sem
através da efectivação de uma justiça célere, justa e acessível bilhete de identidade, da melhoria do controlo do movimento
para os cidadãos e pessoas colectivas, ao oferecer garantias para migratório, da segurança rodoviária, e do atendimento das vítimas
de acidentes de viação e de calamidades, o Governo privilegiará
observância dos Direitos, Deveres e Liberdades Fundamentais,
as seguintes acções:
constitucionalmente consagrados.
84. Para a materialização deste desiderato, o Governo a) implementar medidas de prevenção e repressão de actos
de corrupção;
prosseguirá com a reforma legal, priorizando as seguintes acções:
b) apetrechar os serviços de Ordem e Segurança Pública;
a) consolidar a independência dos Tribunais e a autonomia c) prevenir e combater a criminalidade;
do Ministério Público; d) reforçar o controlo do processo de atribuição
b) expandir a cobertura da rede da Justiça; da nacionalidade moçambicana;
c) criar condições para o pleno funcionamento dos Tribunais e) capacitar e apetrechar o Serviço Nacional de Salvação
Superiores de Recurso; Pública;
d) consolidar a implantação dos Tribunais Superiores f) fortalecer a ligação Polícia-Comunidade;
de Recurso, Sub-Procuradorias Gerais e Tribunais g) controlar o fluxo migratório no território nacional;
h) informatizar os Postos fronteiriços;
Administrativos de nível provincial;
i) incrementar a emissão de Bilhetes de Identidade para
e) reforçar as inspecções judicial e do Ministério Público; os cidadãos nacionais;
f) consolidar a implantação da secção de Família e Menores j) prevenir e combater os acidentes de viação por
nos Tribunais Judiciais; via da realização de acções policiais ostensivas
g) aumentar a eficiência e celeridade na dedução e de educação rodoviária;
da acusação e redução da pendência processual; k) implementar um sistema integrado e eficiente
h) reforçar o uso das tecnologias de informação de fiscalização do tráfego nas vias públicas.
e comunicação no funcionamento das instituições Objectivo Estratégico (vi): Assegurar serviços de comu-
da Administração da Justiça; nicação social e informação de qualidade.
i) reforçar o sistema de segurança e conservação de arquivo 86. No quadro da consolidação da Unidade nacional e da
de registo de pessoas e bens; construção do Estado de Direito Democrático, o Governo
j) implementar penas alternativas à prisão; prosseguirá a promoção da liberdade de expressão, da liberdade
k) melhorar as condições de internamento nos de imprensa e acesso à comunicação e informação de qualidade
Estabelecimentos e Centros Penitenciários com e com isenção para todos os cidadãos.
destaque para a dieta alimentar e assistência sanitária; 87. Neste domínio, o Governo privilegiará as seguintes acções:
l) implantar um Sistema Integrado de Gestão e Monitoria a) impulsionar e expandir o Sector da Comunicação Social;
do Sistema de Administração da Justiça; b) regulamentar a actividade do Sector da Comunicação
m) consolidar o papel dos Tribunais Comunitários na Social;
pacificação e resolução de conflitos nas comunidades; c) promover a expansão e modernização da rede das rádios
n) promover a divulgação da legislação como forma e televisões comunitárias nas zonas rurais;
d) reforçar a abrangência das emissões de rádio e televisão
de elevar a cultura jurídica do cidadão; em línguas nacionais, com conteúdos de interesse
o) prestar assistência jurídica e judiciária à população nacional;
economicamente desfavorecida; e) instalar laboratórios fixos e móveis de manutenção da
p) promover o maior acesso dos cidadãos à Justiça rede de emissores e antenas ao nível nacional;
e ao Direito; f) expandir o sinal da rádio e televisão pública, visando
q) fortalecer a articulação entre o Estado e as organizações aumentar a cobertura territorial;
da sociedade civil; g) acelerar o processo de migração da Rádio e Televisão do
sistema analógico para o sistema digital;
r) promover a conformidade das actividades das confissões
h) promover a emissão de programas que contribuam para o
religiosas com a Constituição da República e demais fortalecimento da auto-estima e da moçambicanidade;
leis. i) promover a emissão de programas de educação cívica e
s) promover projectos de investigação sobre matéria consciencialização da população com vista à adopção
da justiça. de melhores práticas de cidadania.

Quadro 5 – Indicadores: Garantir o Estado de Direito Democrático, Boa Governação e Descentralização

Garantir o Estado de Direito Democrático, Boa Governação e Descentralização


Objectivo Estratégico Indicadores Base 2014 Meta 2019
N.º de dias para o licenciamento
10 6
M e l h o r a r o a m b i e n t e d e empresarial.
negócios . Nº de procedimentos para
9 5
abertura de empresas.
178 — (22) I SÉRIE — NÚMERO 29

Garantir o Estado de Direito Democrático, Boa Governação e Descentralização


Objectivo Estratégico Indicadores Base 2014 Meta 2019
% de Órgãos Locais do Estado 90
80 (Distritos)
(OLEs) que funcionam em (Distritos)
60 (Postos Administrativos) e
instalações apropriadas . 80 (Postos Administrativos) e
Prosseguir a Reforma e 30 (Localidades)
60 (Localidades)
Capacitação dos Órgãos locais
% de Municípios que funcionam
do Estado, Autarquias Locais e 60 79
em edifícios próprios.
Assembleias Provinciais.
% de Autarquias Locais com
instrumento de ordenamento 56.6 100
Territorial em implementação.
Assegurar uma Justiça % de casos julgados por ano. 95 95
ao alcance de todos, mais
próxima e mais justa, com
enfoque na efectividade dos % de crianças registadas por
25 50
direitos, deveres e liberdades total de nascimentos por ano.
fundamentais dos cidadãos.
% de casos criminais
esclarecidos em relação aos 84 85
P r o s s e g u i r o c o m b a t e a registados.
corrupção, reforço da prevenção % de população que possui o BI
e combate à todo tipo de crimes, biométrico. 17.29 52.90
emissão de documentos de
identificação, controlo do % de casos de corrupção
m o v i m e n t o m i g r a t ó r i o e acusados por total de casos 35 45
salvação pública. entrados.
N.º de vistos de fronteira
N/A 712,000
emitidos.

4.2 Pilar II: Promover um Ambiente Macro-Económico Objectivos Estratégicos


Equilibrado e Sustentável. 92. Para a materialização deste desiderato, o Governo
88. A manutenção de um ambiente macro-económico robusto é prosseguirá os seguintes objectivos estratégicos:
condição necessária para a promoção do crescimento económico (i) aumentar a arrecadação das receitas do Estado, assegurar
e desenvolvimento sustentável e harmonioso na medida em que a afectação criteriosa dos recursos, reduzir o défice
garante estabilidade da economia através de uma interacção orçamental e adequar a gestão da previdência social
entre as variáveis das políticas fiscal e monetária alicerçadas em dos funcionários e agentes do Estado;
instituições fortes, coordenadas e integradas. (ii) formular políticas e estratégias nacionais, sectoriais
e territoriais integradas;
89. Assim, o Governo continuará a assegurar a estabilidade
(iii) aperfeiçoar a coordenação da gestão das Políticas
macro-económica através da gestão prudente das finanças Fiscal, Monetária e Cambial convista a assegurar
públicas, políticas monetária e cambial, implementação de os objectivos do crescimento económico e controle
políticas e estratégias integradas, consolidação do sistema da inflação;
financeiro, do mercado de seguros e contínua melhoria do mercado (iv) assegurar um sistema financeiro robusto, moderno,
bolsita que contribuam para criação de um ambiente de negócios abrangente e inclusivo;
favorável ao investimento, a promoção do emprego, aumento (v) promover o crescimento sólido e estável do mercado
da produtividade e competitividade, promoção do investimento de seguros e da Bolsa de Valores.
público, o desenvolvimento de infra-estruturas económicas e Acções Prioritários Por Objectivo Estratégico
sociais, e o desenvolvimento do capital humano e social.
Objectivo estratégico (i): Aumentar a arrecadação
90. O Governo irá articular com os Bancos de Desenvolvimento
de receitas do Estado e assegurar a afectação criteriosa
e de Investimento, de modo a assegurarem o financiamento dos recursos, reduzir o défice orçamental e adequar a gestão
das pequenas e medias empresas, como parte de estratégia de da previdência social dos funcionários e agentes do Estado.
desenvolvimento da classe media nacional e factor de equilíbrio
93. Para a materialização deste objectivo, o Governo irá
e harmonia e ainda promover programas de capacitação que prosseguir as seguintes acções prioritárias:
habilitem o empresariado nacional a participar nos concursos
a) aproximar a administração fiscal aos cidadãos
nacionais cujos fundos são concedidos pelas instituições e simplificar o processo de tributação através da
financeiras internacionais. construção de novos postos fiscais e da implementação
91. O Governo prosseguirá com acções de manuntenção da das Tecnologias de Informação e Comunicação
inflação a um dígito, da aceleração do crescimento da economia, (e-Tributação, Janela Única Eletrónica);
da melhoria da posição externa do País e da sustentabilidade da b) garantir que a alocação dos recursos tenha em
dívida pública. consideração as prioridades do desenvolvimento;
14 DE ABRIL DE 2015 178 — (23)

c) garantir que a afectação de recursos nos sectores b) dinamizar os mercados primário e secundário,
económicos e sociais tenha em conta os compromissos diversificando os instrumentos neles transaccionados;
internacionais assumidos pelo Governo; c) garantir que as variações da taxa de câmbio real
d) incrementar a alocação de recursos para investimentos favoreçam a competitividade das exportações do País
públicos e assegurar a sua execução; e a diversificação da economia;
e) melhorar a transparência fiscal; d) alargar as fontes de captação de divisas com o objectivo
f) prosseguir com a descentraliazação financeira; de fortalecer o fundo cambial e torná-lo adequado
g) monitorar e avaliar a evolução dos níveis de défice à dinâmica da economia nacional;
orçamental; e) aperfeiçoar a gestão das reservas externas do País
h) aprimorar os critérios de selecção de investimentos minimizando os riscos e promovendo a diversificação
públicos garantindo a interligação entre as diferentes da carteira de investimentos;
iniciativas; f) privilegiar e incentivar os pagamentos em moeda
i) promover as Parcerias Público Privadas para a provisão nacional, incluindo a promoção de transparência no
de infraestruturas e serviços públicos; preçário das transacções bancárias em moeda nacional;
j) incentivar a instalação de instituições financeiras nas g) privilegiar o uso de instrumentos do mercado monetário
zonas fronteiriças; para a regulação da liquidez, melhorando a eficácia do
k) manter a dívida pública a um nível sustentável; controlo monetário;
l) implantar o Instituto Nacional de Previdência Social a h) intervir no mercado cambial com vista a assegurar
a estabilidade cambial e desincentivar o uso de moedas
nível central e provincial, introduzindo processos de
estrangeiras nas transacções entre residentes;
gestão informatizados e capacitação dos funcionários;
i) perfeiçoar a monitoria da aplicação dos normativos sobre
m) dotar o sistema de previdência social de meios financeiros
a concessão de crédito em moeda estrangeira.
que assegurem a sua sustentabilidade;
n) garantir a implementação do Imposto sobre o Valor Objectivo Estratégico (iv): Assegurar um sistema financeiro
Acrescentado Líquido de modo a tornar o processo robusto, moderno, abrangente e inclusivo.
do reembolso mais célere e eficiente. 96. No quadro do fortalecimento do sistema financeiro,
o Governo privilegiará a implementação das seguintes acções:
Objectivo Estratégico (ii): Formular políticas e estratégias
nacionais, sectoriais e territoriais integradas. a) introduzir a supervisão comportamental para assegurar
a defesa do consumidor bancário, propiciando uma
94. No âmbito do aperfeiçoamento da formulação de políticas melhor relação entre as instituições de crédito e seus
públicas, o Governo privilegiará as seguintes acções: clientes bem como, garantir transparência na fixação de
a) estabelecer e operacionalizar o Sistema de Planificação preços de transacção dos diversos produtos financeiros;
e de Administração Financeira do Estado; b) fortalecer o papel da supervisão bancária em todo o
b) monitorar as políticas e estratégias nacionais e programas território nacional de modo a minimizar o efeito-
de investimentos conducentes ao crescimento contágio das crises financeiras internacionais no
económico; sistema financeiro moçambicano;
c) realizar a Monitoria e Avaliação dos instrumentos de c) manter os incentivos visando promover a bancarização
Gestão da acção governativa de curto, médio e longo e alargamento dos serviços financeiros às zonas rurais
prazos em coordenação com os sectores a todos os e peri-urbanas;
níveis; d) aumentar e massificar o uso de meios alternativos
d) formular políticas de desenvolvimento económico, social de pagamentos;
e territorial sustentável; e) promover maior abrangência, diversificação e compe-
e) desenvolver estudos orientados para informar a imple- titividade na prestação dos serviços financeiros.
mentação de políticas e estratégias de desenvolvimento;
Objectivo estratégico (v): Promover o crescimento sólido
f) realizar o Censo Geral da População e Habitação e outros
e estável do mercado de seguros e da Bolsa de Valores.
inquéritos;
g) promover a incorporação do conteúdo local nos projectos 97. No quadro do Mercado de Seguros e da Bolsa de Valores,
e programas de desenvolvimento. o Governo priorizará as seguintes acções:
Objectivo estratégico (iii): Aperfeiçoar a coordenação a) avaliar a situação financeira e a solvência globais das
seguradoras e entidades gestoras de fundos de pensões;
da gestão das Políticas Fiscal, Monetária e Cambial convista
b) promover o desenvolvimento de seguros;
a assegurar os objectivos do crescimento económico e controle
c) captar Empresas para o Mercado das Cotações Oficiais;
da inflação.
d) promover a adesão de Pequenas e Médias Empresas
95. Para a materialização deste objectivo, o Governo priorizará
no segundo mercado;
as seguintes acções: e) dinamizar o mercado secundário;
a) ajustar a Política Monetária em função do estágio e ciclo f) registar Instituições Financeiras e Outras Emitentes
de desenvolvimento económico e financeiro do País; na Central de Valores Mobiliários.
178 — (24) I SÉRIE — NÚMERO 29

Quadro 6 – Indicadores: Promover um Ambiente Macroeconómico Equilibrado e Sustentável

Promover um Ambiente Macroeconomico Equilibrado e Sustentável


Objectivo Estratégico Indicadores Base 2014 Meta 2019
Aumentar a arrecadação das Receita do Estado em % do PIB. 27.5 32.5
receitas do Estado, assegurar Défice orçamental antes
a afectação criteriosa dos de donativos em percentagem 22.7 <22
recursos, reduzir o défice do PIB.
orçamental e adequar a gestão
da previdência social dos Va l o r P r e s e n t e d o S t o c k
funcionários e agentes do 37 <40
da dívida em % do PIB.
Estado.
Aperfeiçoar a coordenação Taxa de Crescimento do PIB
7 7a8
da gestão da política fiscal, (%).
monetária e cambial, com Inflação média anual (%).
vista assegurar os objectivos
do crescimento económico e 2.56 <10
controlo de inflação.
Promover o crescimento sólido Taxa de penetração de segu-
1.44 2.10
e estável do mercado de seguros radoras (%).
e da Bolsa de Valores. Capitalização bolsista em %
6 8
do PIB.
N.º cumulativo de empresas
cotadas na Bolsa de Valores no 4 10
segmento accionista.

4.3 Pilar III: Reforçar a Cooperação Internacional c) capitalizar as oportunidades de parcerias económicas
com os países da região da Euro-Ásia;
98. A Política Externa e a Política de Cooperação Internacional
d) promover a Cooperação Sul-Sul e Triangular com os
da República de Moçambique e sua Estratégia de Implementação Países de economias da América do Sul e da Ásia;
desempenham um papel fundamental na promoção, e) promover as relações económicas e comerciais através
estabelecimento e fortalecimento das relações de amizade, de da diplomacia económica;
solidariedade e de cooperação com os Países, Estados, Governos, f) fortalecer a cooperação com os países da região da
e organizações internacionais e na mobilização de recursos para Comunidade para o Desenvolvimento da África
a implementação da agenda de desenvolvimento nacional. Austral (SADC).
99. Neste contexto, o Governo continuará a apostar na Objectivo Estratégico (ii): Impulsionar a Integração
diplomacia bilateral e multilateral dando primazia à manutenção Regional e Continental.
da paz e segurança e a diplomacia económica para mobilização 102. No âmbito da Integração Regional e Continental
de financiamentos e promoção de investimentos para o desenvol- o Governo privilegiará as seguintes acções:
vimento nacional.
a) promover o estabelecimento e consolidação
Objectivos Estratégicos de parcerias intra-africanas mutuamente vantajosas,
100. O Governo irá perseguir os seguintes objectivos particularmente no âmbito do Plano Director de infra-
estratégicos na área da Cooperação internacional: -estrutura da Comunidade para o Desenvolvimento da
África Austral (SADC);
(i) consolidar, aprofundar e expandir a Cooperação Bilateral; b) contribuir para a concretização do processo de integração
(ii) impulsionar a Integração Regional e Continental; tripartida na região Austral e Oriental do continente;
(iii) reforçar a Cooperação Multilateral; c) promover a implementação dos Acordos de Supressão de
(iv) estimular a contribuição dos moçambicanos Vistos com os países da SADC e outros Países.
na diáspora no desenvolvimento nacional e fortalecer
o apoio às comunidades moçambicanas no exterior, Objectivo Estratégico (iii): Reforçar a Cooperação
aos refugiados e requerentes de asilo no País. Multilateral.
103. No quadro do reforço da Cooperação o Governo
Acções Prioritárias Por Objectivo Estratégico implementará as seguintes acções prioritárias:
Objectivo Estratégico (i): Consolidar, aprofundar a) promover e defender os interesses nacionais nas
e expandir a Cooperação Bilateral. organizações internacionais;
101. Para a prossecução deste objectivo, o Governo priorizará b) capitalizar as oportunidades de cooperação nas
organizações internacionais e fora plurilaterais;
as seguintes acções:
c) consolidar a parceria com agências especializadas,
a) consolidar, aprofundar e expandir as relações de amizade fundos e programas da Organização das Nações
e de cooperação com outros Estados, através, de Unidas (ONU);
entre outros, da abertura de Missões Diplomáticas d) mobilizar a Comunidade de Países de Língua Portuguesa
e Consulares, realização de Múltipla Acreditação (CPLP), Organização da Cooperação Islâmica (OCI),
e nomeação de Cônsules Honorários; Commonwealth e Associação dos Países da Orla do
b) abertura de Missões Diplomáticas e Consulares Oceano Índico (IORA) na implementação da agenda
em regiões de maior interesse estratégico; de desenvolvimento nacional;
14 DE ABRIL DE 2015 178 — (25)

e) promover a integração de cidadãos moçambicanos nas b) incentivar a integração da mão-de-obra moçambicana


organizações internacionais de que o País é membro; especializada na diáspora no mercado de trabalho
f) defender as posições do País na definição das agendas nacional;
globais de desenvolvimento;
c) proteger e defender os interesses e direitos dos moçam-
g) defender os interesses económicos nacionais nos fora
internacionais; bicanos na diáspora;
h) mobilizar recursos para a implementação da agenda d) aprimorar a assistência às Comunidades Moçambicanas
de desenvolvimento nacional, no quadro dos fora no Exterior;
multilaterias e plurilaterais. e) aperfeiçoar a coordenação com os Estados e Organizações
Objectivo Estratégico (iv): Estimular a contribuição Internacionais a recepção, acolhimento e repatriamento
dos moçambicanos na diáspora no desenvolvimento de moçambicanos;
nacional e fortalecer o apoio às comunidades moçambicanas f) promover campanhas de sensibilização sobre os riscos
no exterior, aos refugiados e requerentes de asilo no País. e consequências da emigração ilegal;
104. Para a materialização deste objectivo o Governo g) aprimorar a assistência aos refugiados e requerentes
privilegiará as seguintes acções:
de asilo no País.
a) encorajar a comunidade moçambicana no exterior
a contribuir para o desenvolvimento do País; Maputo, 14 Abril de 2015.
Preço — 42,00 MT

IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE, E.P.