Você está na página 1de 25

OnlineFirst Métodos de pesquisa organizacional, publicado em 26 de julho de 2010 como doi:10.

1177 / 1094428110373658

Elaboração de Pesquisa Qualitativa: Morgan e Smircich 30 anos


depois

Ann L. Cunliffe1

Métodos de pesquisa organizacional 000(00) 1-27


ªO autor (es) 2010
Reimpressões e permissão: sagepub.com/journalsPermissions.nav DOI: 10.1177/1094428110373658
http://ORM.sagepub.com

Resumo
A finalidade de esta artigo é revisão da tipologia de Morgan e Smircich, levando em consideração a
mudanças na teoria da organização e gestão ao longo dos 30 anos. Desenvolvimentos em perspectivas metatheoretical,
teoria da organização, pesquisa métodos e maneiras de teorizar significa nossa escolhas sobre qualitativa pesquisa ter
tornar-se mais complexo. Em adição, o 1980 tipologia foi com base na um agora contestado sujeito-objeto distinção . eu
substituir este continuum com três problemáticas — intersubjectivism, subjetivismo e Objetivismo — e examinar o
ontológico, epistemológica, e metodológicas pressupostos de cada. eu oferecem exemplos e recursos para pesquisadores
qualitativos, argumentando que considerar nosso posicionamento metatheoretical fornece um base para edifício
trabalhada, persuasivo, consistente, e credível pesquisa contas.

Palavras-chave
Métodos de pesquisa qualitativa, paradigmas, interpretativismo, subjetivismo, objetivismo, intersubjectivism

Em 1980, o Academia de gestão revisão publicado Gareth Morgan e Linda Smircich influenza-Verifique artigo '
o caso para qualitativa pesquisa. ' o cerne de sua argumento foi que colocação método como a dirigindo force em
empírica trabalho ignora o ' mais ampla e mais profundo contexto ' (p. 491) de conhecimento e reduz a investigação
social a uma técnica. Eles ofereceram um quadro para entender-ing ' debates sobre rival métodos em social ciência ' (p.
491), situar qualitativa métodos dentro mais ampla filosófica pressupostos sobre o natureza de realidade e conhecimento.
o artigo é ainda usadas hoje como um significa de ajudando qualitativa pesquisadores situar seu trabalho em um mais
informado maneira. Desde 1980, desenvolvimentos em organização e gestão de teoria (OMT), em termos de o tópicos
nós estudar e a gama de perspectivas e qualitativa pesquisa métodos, ter resultou em um mais rica e mais complexo
disciplina. o interesses de organizacional teóricos em o de 1970 e 1980 principalmente concentrado na estrutura,
sistemas, gestão, grupo, e liderança processos, estudou muitas vezes usando ' científico baseado em ' métodos e com o
funcionalistas apontar de aumentando eficiência organizacional e eficácia. Sobre o que se seguiu anos, OMT tem
expandido para tampa um gama de tópicos incluindo o desenvolvimento de nova formas organizacional (por exemplo,
rede e feminista formulários);
1 Anderson School of Management, Universidade de novo México, Albuquerque, Estados Unidos da América

Autor correspondente:
Ann L Cunliffe, MSC05 3090, Albuquerque, NM 87131, EUA E-mail: cunliffe@mgt.unm.edu
Reconceptualizing cultura organizacional (como estético, estratificada, ou simulacros); criticando normalizado e
ideológica formas de gestão organizações; análise processos de organizando, construção de identidade, narrando, e
resistindo; e com foco na questões tão como sustentabilidade, violência, o corpo, gênero e raça. OMT também espelhou
desenvolvimentos na teoria social, abraçando interpreti-vist, pós-estrutural, e criticamente informado formas de
teorização, e pesquisa que incorpora uma cornucópia de métodos qualitativos que variam em toda narrativa, discursiva,
psicanalítica, e desconstrutiva métodos. Este pluralização de o campo tem abriu se possibilidades para nova formas
de estudar e teorização o complexidade de organizacional vida mas também significava que o terreno tem tornar-
se múltiplos e contestada, levantando perguntas sobre o pode ser contados como ' bom ' conhecimento, métodos
legítimos e teorias válidas. Os investigadores agora enfrentam escolhas sobre seu trabalho em termos da miríade de
opções metodológicas e metatheoretical (fabianlindo & Coghlan, 2007).
Se não formos cuidadosos, podemos responder a essa complexidade fazendo exatamente o que Morgan e Smircich
advertem - reduzindo nosso trabalho a uma escolha sobre o método, que então obscurece diferenças entre perspectivas e
orientações para a pesquisa. Embora alguns estudiosos tenham abordado a questão do método (por exemplo, Buchanan &
Bryman, 2007; Edmondson & McManus, 2007), parece que a tipologia original não foi atualizada. Este é o propósito do
artigo - a "revisão" da tipologia de Morgan e Smircich, de modo que, como pesquisadores qualitativos, podemos chegar a
um acordo com a crescente pluralidade do campo,
Estamos contentes com as escolhas que fazemos e situamos nosso trabalho de maneira cuidadosa e informada. Até
mesmo explorar novas formas de pesquisar e teorizar a vida organizacional. A revisão:
1. Retrata a distinção original entre sujeito e objeto como três "problemáticas do conhecimento" para refletir a
natureza mais complexa dos pressupostos metateóricos subjacentes às ciências sociais.
2. Incorpora mais recentes ontológica, epistemológica, debates e desenvolvimentos metodológicos para destacar as
possibilidades mais amplas da pesquisa qualitativa.
3. Posiciona a pesquisa qualitativa como um ofício, e não como um empreendimento científico.

A revisão é importante porque em figurando para fora que e como nós quero para contribuir para OMT,
precisamos entender o leque de possibilidades que emergem as várias maneiras de estudar e o - orizing nossa mundo.
Em adição, para fazer este nós precisa para entender como nossa filosófica compromissos influenciam a lógica por trás
de nossos métodos de pesquisa e nossas reivindicações de conhecimento e como podemos usar os para ofício nossa
pesquisa. eu oferecem o revisão como um atualizado ' mapa de o campo, ' um base para discussão e debate, prefiro que
um completa tipologia, que que exigem um livro para explicar.

O campo por volta de 1980: Quatro paradigmas e uma tipologia

Morgan e do Smircich papel (1980) constrói no livro memorável de Gibson Burrell e Gareth Morgan, Sociologia
paradigmas e organizacional análise (1979), que dirigida o relacionamento entre conhecimento, teoria e pesquisa e
desafiou-na interrogar nosso acadêmico prac-tices. Burrell e Morgan alegaram que o conhecimento é paradigmático,
englobando uma cosmovisão distinta e racionalidade que regem os métodos e estratégias de investigação. Eles
identificaram quatro pará-digms para localizar estudos de sociedade e organizações — funcionalista, interpretativa,
radical estruturalista e humanista radical — cada paradigma baseado em um conjunto de metatheoretical suposições
sobre a natureza da realidade, conhecimento e comportamento humano. Controversamente argumentaram que, porque
cada paradigma foi radicalmente diferentes e incomensuráveis com os outros, que a mudança de paradigmas era raro —
semelhante a uma conversão religiosa. Correndo o risco de simplificar o cerne de seu argumento, não há nenhum critério
universal com que permitem avaliar o conhecimento ' bom ' ; Prefiro critérios baseiam-se os pressupostos que sustentam
o trabalho dentro de um determinado paradigma. Importante, o livro atraiu atten-ção para a precisa para mais
filosoficamente informado e diversas formas de teorização organizações que reflectir a evolução mais ampla dentro social

ciência.
Ao longo dos anos que se seguiram, a noção do que constitui um paradigma, a natureza do conhecimento
paradigmático dentro OMT, e se os paradigmas são incomensuráveis ou comensuráveis foi contestada e debatido em
várias frentes (Alvesson, 1987; Clegg, 1982; Scherer & Steinmann, 1999). Tão tem o edição de se OMT deve ser
unificado dentro um paradigma ( Pfeffer, 1993, 1995) ou ser mais pluralista (Van Maanen, 1995a, 1995b). Os quatro
paradigmas tem sido criticados (Donaldson, 1985; Willmott, 1993), defendeu (Jackson & Carter, 1991), estendido em
termos de teoria de construção dentro e entre paradigmas (Gioia & Pitre, 1990), retrabalhada como quatro discursos
(Deetz, 1996) e como uma taxonomia de ' campos ' dos produtores e consumidores (Hassard & Kelemen, 2002). Vários
estudiosos têm oferecido maneiras de lidar com as consequências dos paradigmas de investigação, incluindo a interação
de paradigma (Schultz & Hatch 1996), metatriangulation (Lewis & Grimes, 1999) e pesquisa multiparadigm ou o
politeísmo (Clegg, 2005; Hassard, 1991; Kirkwood & Campbell-Hunt, 2007; Morgan, 1997; Storberg-Walker, 2006).
Nós ter também sido pediu para trabalhar fora o limites de paradigmas (Connell & Nord, 1996; Davis & Marquês, 2005;
Mir & Mir, 2002; Rhodes, 2000).
Minha intenção aqui é reconhecer o debate sobre o paradigma e explorar as implicações para a pesquisa e teorização
qualitativa contemporânea. Mesmo assim, como Willmott pergunta, "com que frequência conjuntos de suposições
paradigmáticas são articuladas na análise organizacional de uma forma tão pura?" (1993, p. 685), é importante entender
essas suposições e seu impacto na metodologia para fazer escolhas teoricamente informadas e elaborar cuidadosamente o
nosso trabalho. Começarei oferecendo uma breve visão geral da tipologia de Morgan e Smircich seguida de uma crítica e
revisão para incluir questões, métodos e formas de teorização mais contemporâneas.

Tipologia de Morgan e do Smircich


Morgan e Smircich construíram sobre ideias de Burrell e Morgan, argumentando que os investigadores precisam
descobrir seu pressupostos sobre o natureza de social realidade e que - significa de ser humana (ontologia) e o natureza e
finalidade de conhecimento (epistemologia) antes decidir que pesquisa métodos pode ser apropriado. Eles fornecido um
' bruto tipologia para pensamento sobre o vários vistas que diferentes cientistas sociais têm sobre os seres humanos e
suas mundo ' (1980, p. 492) com base em uma subjetivista – objetivista continuum para destacar diferentes formas de
conhecimento e teoria de construção.
Como pode ser vi de tabela 1, subjetivistas pressupostos vista realidade como imaginou em e , portanto, um
produto da mente humana; Acredito que os seres humanos são autônomos, dar significados a seus arredors, e são criativo;
que conhecimento é pessoais e experiencial; e , portanto, pesquisa métodos precisa para explorar entendimentos
individuais e experiências subjetivas do mundo. Objetivista suposições segurar que realidade é uma concreto dadas, algo
que é externo , impor se , e nem dissuadir-mineração individual comportamento, e que conhecimento é similarmente ' real
' em o senso de ter regularidades observáveis e mensuráveis, as leis, e padrões. Quando visto como um qualquer ou
oposição binária, pesquisadores fazer escolhas sobre a possibilidade de adoptar uma abordagem objetivista com foco
em estruturas, ações, comportamentos, sistemas, e/ou por se, ou um subjetivistas abordagem focando na como peo-ple
dar significado para, interagir com e construir o seu mundo. Tais escolhas influenciam se um leva um quantitativos ou
qualitativa, positivista ou interpretativa, estrutura ou Agência foco.
Se tomarmos o estudo da cultura da organização como um exemplo, no final da tipologia objetivista
pesquisadores estão interessados em observar o comportamento, estruturas físicas e símbolos para identificar os rituais,
tradições, normas e valores que constituem uma cultura da organização, com o objectivo de mineração dissuadir o
impacto da cultura sobre o desempenho organizacional e objetivos. Métodos incluem frequentemente empregado
inquéritos, observação, questionários, codificado entrevistas, ou instrumentos medindo dimensões culturais (por
exemplo, Al-Yahya, 2009; Cesar Pinto & Jehn, 1994; Gardner, Reithel, Foley, Cogliser, & Walumbwa, 2009).
Tabela 1. Rede de pressupostos básicos VER ORIGINAL

Pesquisadores subjetivistas explorar a variedade e camadas de significados culturais cre-ated e promulgada por
organização Membros através de língua , símbolos, interações, e para , o' teias de significado ' (Geertz, 1973) dentro da
organização. É difícil encontrar um estudo puramente fenomenológico que usaria uma conta autoethnographic para
concentrar-se na experiência do indivíduo de cultura (ver Behar, 1993; Chin, 2006; Kondo, 1990; Yanow, em 1998, para
exceções); a maioria caem em cultura como socialmente construído, onde interpretativa e métodos etnográficos são
usado incluindo entrevistas não-estruturadas, observação participante e análise narrativa (por exemplo, MacLean, 2008;
Miller, 2002; Watson, 2001).
Assim, nossas suposições metatheoretical tem consequências muito práticas para a maneira que fazemos
investigação em termos de nosso tópico, foco do estudo, o que vemos como ' dados ', como podemos coletar e analisar
que dados, como nós teorizar, e como nós escrever se nossa pesquisa contas.
Morgan e Smircich enfatizaram a necessidade de fazer o discurso - para diferenciar e substanciar (no sentido de
dar boas razões) nossa abordagem à pesquisa. Sugiro que isso mude a pesquisa qualitativa do método e técnica puramente
científicos para um ofício. A elaboração de pesquisas significa ter cuidado com a forma como percebemos, trazemos a
atenção e moldamos o conhecimento sobre a vida organizacional. Uma revisão da tipologia de Morgan e Smircich pode
nos ajudar a nos colocar no debate, descobrir um conjunto de metateórico e metodológico, e possibilidades a partir das
quais podemos elaborar nosso trabalho e explorar novas maneiras de contribuir para o OMT.

30 anos: expandindo e enriquecendo o campo


Dado que a OMT é agora um mais pluralista, contestada e metodologicamente variadas disciplina, a tipologia tem
um número de limitações. Morgan e Smircich se reconhecer eles só con-sider os paradigmas funcionalistas e
interpretativos (1980, p. 492) — e tem havido uma subsequente crescimento baseado em linguística, crítica e trabalho
pós-estruturalistas. Além disso, a distinção entre subjetivismo e Objetivismo — que está no cerne da tipologia original
— foi contestada, principalmente em o campos de antropologia e Sociologia e de um limitada medida em OMT (por
exemplo, Bourdieu, 1994; Clifford & Marcus, 1986; Deetz, 1996). Perguntas também surgiram como para se linear mapa-
pings de metodologias de pesquisa baseiam em conhecimento de posições dualistas extremos como arrumado mapa de
distintas recursos prefiro que um campo de complexidade e tensão (por exemplo, espuma, 2006). Espuma pediu nos pensar
em vez em termos de conhecimento problemáticas, ' um sentido interdisciplinar de onde nossas perguntas vêm, o que é
pensável e não pensável em nome do social inquérito em conjunção histórica particular ' (2006, p. 46). Visam abordar
estas limitações por revisioning a tipologia com base em três problemáticas de conhecimento e vai justificar essa alteração,
examinando por que o binário subjetivista – objetivista é claro.

Por que não existe uma clara distinção sujeito-objeto


É importante começar por fazer uma distinção entre subjetivismo – Objetivismo e sujeito-objeto, porque estes
termos são muitas vezes confuso — estudando ' assuntos ' não significa necessariamente que tomamos uma abordagem
subjetivista para pesquisa. Como veremos mais tarde na discussão da tipologia Hortencio-Jaro, enquanto o
subjetivismo/subjetivista e objetivista/Objetivismo incorporaram o con-cepts de sujeito e objeto, o ' Ismo ' e ' ist '
representam um conjunto mais amplo de suposições sobre a realidade, conhecimento e metodologia — como podemos
Visualizar e decretar a relação entre sujeito / objeto é crucial.
A ' assunto ' é geralmente concebido de como um reflexivo individual, um autor de significa ou um ator e é muitas
vezes confundida com a Agência humana. O ' objeto ' é o que é percebido e pensado, um artefato material, símbolo, texto,
uma verdade universal, lei ou princípio. Objetos são considerados geralmente existem independentemente da percepção.
A distinção sujeito-objeto é uma reminiscência do dualismo cartesiano essa pessoa – mundo, interior público privado –
exterior, mente-corpo, indivíduo-sociedade, e para na são separado. Assuntos (humana agentes) perceber objetos em o
mundo (incluindo fenômenos como estruturas, instituições e artefatos) através de um ato de saber. Como diz Husserl, ' lo
é evidente que a intuição e o intuído, percepção e a coisa percebida, embora essen-tially relacionados uns aos outros, são
em princípio e de necessidade não realmente essencialmente um e Unidos ' (1931, p. 130). Definições convencionais da
relação sujeito-objeto em torno da premissa de que enquanto percepções humanas podem ser diferentes, objetos
permanecem inalterados, são desafiados pela Agência – estrutura e determinismo – free serão debates — se nós nascemos
em um já sociedade existente, determinando nosso comportamento ou construímos ativamente a nossa sociedade e
estruturas sociais.
Esses debates foram alimentados à medida que os pesquisadores organizacionais adotaram metodologias de
pesquisa pós-estruturais, críticas, etnometodológicas, hermenêuticas e outras, juntamente com metodologias de pesquisa
desconstrutivas, discursivas, narrativas e reflexivas, que obscureceram a distinção porque não são claramente subjetivistas.
ou objetivista. Eu ofereço um número de razões possíveis (não exaustivas) pelas quais o antônimo / subjetivismo e objeto
/ objetivismo foi corroído:
1. Sujeito e objeto estão de alguma forma mutuamente implicados. Um número de eruditos (por exemplo,
Bourdieu, 1990; Giddens, 1979) argumentam que o dualismo é errôneo porque sujeito (Agência) e objeto (estrutura e
sociedade) são entrelaçados. Giddens (1984) para exemplo, argumenta que enquanto tema e objeto são separadas
entidades, cada um produz permitindo e restringindo condições que influenciam o outro na prática social. Isto resultou
em pesquisadores estudando ações cotidianas como e instituições, reproduzem e alterar uns aos outros através da lente do
institucional, a promulgação e teorias de estruturação. Os teóricos institucionais postulam organizações como social
relativamente durável objetos sujeitos enformação e restritivos (Powell e DiMaggio, 1991) e promulgação teóricos
argumentam que é regularizadas ações, interações, e relações dos sujeitos que produzem estruturas objetivadas (Weick,
2001). Embora teorias institucionais favorecem a parte da estrutura da relação e teorias de promulgação posicionam os
atores como a força organizadora, teóricos da estruturação nenhum privilegiem mas a tentativa de conciliar os dois através
de um processo iterativo (por exemplo, cevada & Tolbert, 1997; Orlikowski, 2000).
2. Não temas, mas subjetividades. Em contraste com a visão humanista de temas como refletindo, autoatualizando
os seres humanos, poststructuralists posicionar temas como 'subjetividades, ' sites e produtos de vários discursos (sistemas
de linguagem, maneiras de pensar e falar) de poder e controle que categorizar nos e são inscrito na nossa corpos e nossa
ações. Este é uma antihumanist paradoxalmente ver porque o foco do estudo encontra-se não sobre a pessoa em si mas na
publicamente por - formado identidades, discursos ou corpos (como objetos) — simultaneamente socializado e alienado,
coerente e fragmentado e conformação e resistência à (ver Ashcraft & Mumby, 2004; Collinson, 1992; Sveningsson &
Alvesson, 2003).
3. Ambos os sujeitos e objetos têm agência. Convencionalmente, a distinção sujeito-objeto atribui a agência
(volição pessoal) somente aos sujeitos. No entanto, os desenvolvimentos dentro da sociologia, particularmente em relação
à teoria da rede de atores e teorias da materialidade, ultrapassam as fronteiras paradigmáticas ao imbuir tanto sujeitos
quanto objetos com igual poder (Latour, 2005; Law, 2004). Objetos (organizações) e sujeitos são ambos textos mediados
nos quais "agência, a base da organização, é totalmente explicável, nem em termos puramente subjetivos, nem puramente
objetivos, mas é, em essência, um híbrido". . . nem humano nem não-humano, mas sim uma fusão dos dois ”(Cooren &
Taylor, 1997, p. 222). Nessa perspectiva, nem sujeito nem objeto é privilegiado - em vez disso, é dada distinção à
materialidade e às relações de rede.
4. Sujeito se torna objeto. Isso ocorre quando objetivamos os seres humanos como um conjunto de traços,
identidades generalizadas, papéis ou estudamos a consciência individual como um esquema ou um processo ou modelo
cognitivo (por exemplo, Sonenshein, 2007): uma representação epistemológica de um sujeito ontológico. Desta forma,
interpretar sujeitos incorporados torna-se objetos categorizados interpretados.
Assim, a ideia que pesquisadores assumir uma subjetiva ou uma postura objetiva, já não detém: ' temas ' agora Commented [UdW1]: Importante, talvez frase
pode referir-se a indivíduos conscientes, discursiva ' sites ', de interpretações subjetivas, ou traços objetivos e assim por
diante, e ' objetos ' como materialidades e entidades agentes. Isto enfatiza a necessidade de atualizar a tipologia para
incorporar os debates em curso no âmbito das ciências sociais, para estender as definições de subjetivismo e Objetivismo
e adicionar a intersubjetividade na mistura. Nem Burrell e Morgan nem Morgan e Smircich oferecem uma adequada
conceituação de intersubjetividade, nem abordam a sua importância para o estudo e teorização organizações. Com efeito,
Morgan e Smircich (de acordo com a maioria das conceituações de OMT da época) viram o sujeito primariamente como
um ser intencional separado do mundo e com "status intersubjetivo duvidoso" (1980, p. 494). Ainda pelo menos 40 anos,
antropólogos, sociólogos e certamente, nomeadamente Garfinkel (1967), Geertz (1973), Merleau-Ponty (1962), Ricoeur
(1992) e Schutz (1970) têm argumentado em várias formas para a necessidade de considerar a experiência social como
intersubjetiva em vez da subjetiva. Vou seguir em frente para resolver esses problemas.

Tipologia de Morgan e de Smircich 30 anos: de um Continuum para Três problemas de


conhecimento
Uma forma de revisar o continuum é como três problemáticas do conhecimento - intersubjetivismo, subjetivismo e
objetivismo - que chamam a atenção para o que é pensável e não pensável em relação a como chegamos a conhecer Commented [UdW2]: Problemas do conhecimento
e explicar a experiência (Lather, 2006). explicando as características ontológicas e epistemológicas de cada
problema, antes de discutir as implicações metodológicas. De acordo com a intenção de Morgan e Smircich, o mapa
não é uma representação apodítica finalizada, nem uma afirmação de que uma abordagem é melhor do que qualquer
outra, é um recurso reflexivo para entender a relação entre nossa visão de mundo e nossos modos de pesquisar e
teorizar— um que eu conheço está aberto a contestação.
Figura 1 mapas o três problemática e seu relação para a teórica e desenvolvimentos metodológicos que ter tornar-
se mais proeminente em OMT. eu começar por oferecendo expandido e definições atualizadas de subjetivismo e
Objetivismo intersubjectivism, baseiam em seis questões de urbanidade, durabilidade, localização de significados,
historicidade, mediação e formas associadas de conhecimento — questões abatidos a partir da literatura que sugiro são
definidas e promulgadas de forma diferente por cada um problemático e um pouco consistente dentro de cada
problemática. Eu descrevo a problemática como nuvens para enfatizar sua natureza mutante e fluida - como uma
multiplicidade de idéias e abordagens conectadas com fronteiras permeáveis e transitórias através das quais existem
sobreposições, tensões e incomensurabilidades. Por esta razão, a linha entre cada explicação também é desfocada

Suposições Metatheoretical: Ontologia e epistemologia


O Objetivismo problemático.
Nos últimos 30 anos, Objetivismo tem sido interpretado de forma mais matizada. O que já foi denominado realismo
ingênuo (Guba & Lincoln, 1994) refere-se à extremidade objetivista de Morgan e do Smircich continuum, onde a realidade
é vista para existir independentemente das nossas interações como uma entidade ou fenômeno e pesquisadores estudo o
relacionamento entre entidades, eventos e estruturas de concreto, ou entre os mecanismos e elementos de rede. Tal phe-
nomena e objetos ter durabilidade em que existe através de tempo e pode ser estudou para de contexto para criar
conhecimento generalizado sobre sistemas, mecanismos, processos, padrões de comportamento e processos. Significados,
normas, estruturas e conhecimento também transcendem o tempo, e o progresso é visto como linear, de construção na
passado realizações. Conhecimento é sintagmáticas, com pesquisadores teorização o que realidade é — o que -
compreende, como - é estruturado, que seu características são — e também como funciona, o que significa identificar
causal mecanismos, variáveis, regras ou leis, determinando sua estru-ture e operação, com um ênfase na precisão,
explicação, e previsão. Conhecimento pode

Objetivismo subjetivismo intersubjectivism

Urbanidade — a Inter-relações emergentes & relações contextualizadas entre pessoas e relacionamentos entre as entidades em um pre-
natureza das deslocando-se em um dialético interplay seus arredors. As pessoas são sociedade reflexivamente existente, entre os mecanismos
relações. de rede & entre nós, outros & nosso incorporado em seu mundo social, influenciado pelo sistema/informações processos,
cognitivos e arredores. Experientes e influenciando discursiva práticas, elementos comportamentais. Relações entre ou de forma
diferente por diferentes pessoas. interpretativo procedimentos discursos etc. (quando tratado como objetos).
Intersubjetividade. Interações. Inter-network/objetos/discursos .
Intertext – uality
Experiência social e significados, realidades sociais, significados, discursos, suportando as estruturas sociais (por exemplo, classe),
Durabilidade — de como efêmera, fugaz momentos. conhecimento são contextuais: construído institucionalizado ainda regras, normas, práticas,
sociedade, adequadas, embora alguns comum 'sentir' experimentado como objetivo e relativamente estável. comportamentos e características,
significados, etc. Discursos e redes sociais & linguística práticas percebido, interpretado & promulgada em semelhantes têm estabilidade
conhecimento etc., relativa, mas estão sujeitos a resistência jogar nosso interações. maneiras, mas aberto para mudar. e mudar.
ao longo do tempo
&
espaço.

Significados — e Indeterminado. Nem totalmente em significados compartilhados imanentes ao o ' ardiloso significado comum situado em
& onde palavras, estruturas, nem totalmente de nossa controle. práticas do cotidiano ', para discursos e papéis, palavras, comportamentos.
significado situa-Transcendem o tempo e espaço. Língua é metafórico & textos. Negociação & específico para tempo & lugar. Língua é literal.
se. imaginativas. Significados no momento entre as
pessoas.
Nós somos inerentemente incorporado & tempo & lugar são subjetivamente experientes. Tempo experimentado sequencialmente
Historicidade — & universalmente. consubstanciado na histórica, cultural e progredir como uma realização humana situada — progresso é linear,
conceito de tempo recursiva, ou emergentes ao longo do tempo. linguística comunidades. Tempo potencialmente iterativo, ruptura ou hegemônica.
& progresso. experimentado no presente — em conversas de
viver com os outros.
Reflexivo hermenêutica. Pesquisa dupla hermenêutica . Pesquisador incorporado em único hermenêutica . Conhecimento &
Mediação — o pesquisador são como uma dialética interação entre o mundo, moldada por & formas experiências & separado do mundo. Pesquisa
lugar do er observa, os participantes da pesquisa. Focos contas, Medeia significados de atores. descobre fatos & desenvolve teorias preditivas.
pesquisador na experiências entre as pessoas. Experiência no mundo. Pesquisador como outsider experiência do mundo.
pesquisa. Encarnada & incorporado ou informação privilegiada. Pesquisador individual, às vezes crítico. pesquisador.

Saber pragmático : in situ, pragmática ou sintagmáticas: comum sentido sintagmáticas: interdependentes ou dependentes sabendo-
Forma de de-dentro. Conhecimento transitório — naturalmente ocorrendo ações, relacionamentos entre entendimentos estruturais ou
conhecimento linguísticos e interações, conversas. Enquanto ac mundano. elementos. Sequências. Replicável ou compartilhável 'withness'
— epistemologia. pensamento (Shotter, conhecimento não-replicável, situado validade. conhecimento levando ao acúmulo de 2008). Micro nível foco.
Macro e micro nível foco. conhecimento & progresso social ou emancipação. Pesquisa como incorporado e principalmente o foco
macro.
encarnada.

Pressupostos Social realidade socialmente construída realidade como simbólico discursivo realidades realidade como processo: realidade como
ontológicos de concreto parente às realidades, emergentes, & linguístico construído interligados por ações, estruturas e interações entre
núcleo de objetivado, & significados & discursiva & Não-elementos, estruturas, padrões comportamentais, as pessoas em momentos às vezes
metodologias contestado interpretações. discursiva práticas e sistemas. sujeitos a regras & do tempo & espaço. no rotinas & contextualizado em
de um & sistemas. Generalizável ou leis. Estruturais relacionalmente improvisações social local. Contestada & contexto-dependente.
investigação (A integração ou
natureza da incorporado. Sociais pessoas. Contexto está fragmentada. desintegração. Ingênuo
realidade Comunidade. humano ação & discursivamente realismo. interpretação. contextual.
social) Pesquisa como embarcações de pesquisa como ciência

Os seres humanos como seres humanos como atores, intérpretes, os seres humanos como seres humanos como um humanos
Pressupostos determinado intersubjetiva, intencional & sensemakers. subjetividades, elemento em o por seu ambiente, consubstanciado,
sobre humanos relacional, reflexivo assuntos, escolhendo linguísticos produtos do processo, adaptação ao socializado em
natureza & reflexivamente construtores & recursos, gerenciamento de discurso, contestaram & por vezes existentes social & incorporado.
(Como nos enactors de sociais impressões. & em conflito Gerenciando elementos. institucional práticas
relacionamos com realidades dentro discursiva sites. Informações e requisitos. processadores de linguísticos & caracterizadas por
nosso mundo) convenções ou traços de rede etc.
rotinas. Contadores de histórias. coordenadores.
Fenomenolog Fenomenolog Etnometodologi Teorias de Positivismo,
Abordagens de ia hermenêutica, ia existencial, a, estética, pós-modernismo, empirismo,
pesquisa construtivismo etnográfica, interacionismo pós-estruturalismo, funcionalismo, ciência
(Philosophical/the relacional, dialogismo. hermenêutica. simbólico, processos e sistemas. nomotética, conexões
o- exatamente Construcionismo Hermenêutica, pós-colonialismo. estruturais ou estatísticas.
fundamentos) e Construtivismo. sintagmáticas ou Crítica realismo. A - temporais leis &
Dialógico. pragmático. Sintagmáticas critérios de validade.
Indutivo. Investigador . Teoria crítica. Modelos de
envolvido ou desanexado. Pesquisador escolha racional.
Indutivo. independente. Abordagens dedutivas.
Procedimentos Institucional teorias,
interpretativos. A crítica
postura. Estruturação
teorias,
teorias de rede do
ator.

Interpretativismo Postpositivist/positivista

Etnografia de Análise Dramaturgia, Semiótica, Pesquisas,


Métodos de narrativa, folguedos narrativa & discurso, história análise, análise textual rede & análise observação,
pesquisa reflexivo, pesquisa- história, teoria de discurso & conversa, de sistemas, análise entrevistas
(Exemplos de ação dialógica, poética fundamentada, análise de análise simbólica, teoria crítica, o discurso estruturadas/codificad
métodos social, análise conteúdo, poesia, fundamentada, análise histórico análise, o, estudos de caso,
utilizados) dialógica, poesia. inquérito participativo, de conteúdo, pesquisa- análise, grupos de foco, teoria,
autobiografia. ação. Semiótica. desconstrução pesquisa-ação de
material. semiótica, castigo.
limite
análise do
objeto, crítica de
ideologia.
Dialógica Monologic

Alguns linguística Betweeness, Narrativas, Scripts de Discursos, Categorias,


características de vida conversas, conversar, texto, parcelas, performances, materialidade, objetos, normas, funções,
pesquisa. significados possíveis, la metáfora, cultura, temas, papéis, palco, máscara. marginalização, propriedades,
(Palavras típicas parole (discurso múltiplos significados, Significado mecanismos, potência, variáveis, esquema,
utilizados na incorporado e sentido fazer, la parole/la simbólico, artefatos. resistência, poder, regras, estruturas,
investigação relacionamentos), langue (Saussure, 1959). Gerenciamento de controle, 'o sistema', causalidade, padrões,
contas) interpretativa ideias. impressões. Ator, ações dominação, ' o eficiência,
e conversa. La langue. processo de 'organização', medição.
Práticas sociais. colonização, Progresso.
dos mecanismos,
supressã
o, emancipação.
subjetividade,
corpo.
Figura 1. Morgan e Smircich Revisionado: três problemáticas de conhecimento. VER ORIGINAL

consequentemente ser replicado e aplicada de volta ao mundo para melhorá-lo (o single hermenêutica). Pesquisa de
objetivista também tende a ter uma perspectiva macro, estudando as organizações a nível estrutural, estratégica e social e
ambiental e desenho generalizações sobre o comportamento individual e de grupo.
Mais processual, crítico e fragmentada de ontologias objetivista agora existirem, aceitando a existência de uma
realidade concreta, mas com características muito diferentes, como cada um emergente (abordagens de processo),
impugnada (crítico/discursiva), ou linguisticamente conduzido (discursiva/simbólica). Em direção a direito lado de o
objetivista problemático, processo teóricos, crítica teóricos, e crítica rea-listas acreditam que há um mundo real que não
pode ser geralmente compreendido nem totalmente compreendido porque é percebido a partir de perspectivas parciais e
posicionadas. Esses realistas contemporâneas estão particularmente interessadas em processos de dominação e de
resistência existentes, as relações de poder e desigualdades em real social e estruturas — com o apontar de emancipação
(Raelin, 2008).
Os teóricos do processo desenhar em uma ontologia objetivista emergente, mas são menos interessados em
características estruturais em fenômenos sociais que emergem no ' sequência de eventos individuais ou coletivos, ações e
atividades desdobramento sobre tempo ' (Pettigrew, 1997, p. 338). Diferem de realistas de ingênuo em que eles estão
interessados em organizações como estruturas quase estáveis sujeita a um processo de se tornar (Tsoukas & Chia, 2002).
2 por exemplo, os teóricos institucionais empregam graus de objectivo-vism e determinismo para explorar a legitimating
estratégias e mecanismos de instituições e atores institucionais na relação contínua entre as organizações e seus ambiente
(por exemplo, bola & Craig, 2010); os teóricos críticos identificam a formação histórica e impacto dos mecanismos de
poder e resistência; e teóricos da rede de ator (ANT) estudar como organização de rede ocorre. Embora sistemas teóricos
e um número de institucional teóricos tomar um essencialista perspectiva assumindo que sistemas de e instituições ter fixo
e durável propriedades que pode ser identificado, ANT abordagens são anti-essentialist em que objetos e redes são fluidas
e só tem a ganhar significado em relação ao outro. Pesquisadores de formiga adotam uma semiótica da materialidade (lei,
1999) estudando a relação entre objetos ou actants, que são atores humanos e não-humanos, por exemplo, funcionários,
organizações, tecnologia, doenças (ver Silva, evaldo silva, & Sidova, 2006; Suchman, 2000).
Mais para a esquerda de o problemático, poststructuralists trabalho de subjacente pressupostos de dis-junctured,
fragmentado e discursivamente construídas realidades e subjetividades. Tais discursos, realidades e subjetividades são
tratadas como objetos e de produtos ao invés de subjetiva humana accom-plishments, mas também como impugnada,
mutáveis e contextualizada — situado a macro discursos históricos, sociais e institucionais ( Deetz, 1992). Então enquanto
pesquisadores objetivista podem concentrar-se na sociabilidade, identidade humana, comportamento e discurso, eles são
disembedded da experiência vivida e tratados como objetos ou fenômenos a ser estudado. Ontologias de concretas,
processos e discursivas estão ligadas para positivista e postpositivist epistemologias (ver Scherer & Palazzo, 2007, para
um comparação de positivista e postpositivist pesquisa em relação para corporativa social responsabilidade).
o subjetivismo problemática. Sobre o na 40 anos, mais pensativo e substantiva interpreta-ções de subjetivismo
surgiram como historicamente, socialmente, e/ou tranforme em linguisticamente situado-ence; como culturalmente
situado entendimentos em relação a contextos particulares, vezes, lugares, pessoas e/ou grupos de pessoas (urbanidade e
durabilidade); onde há ' verdades ' ao invés de uma verdade; e onde significados, sensemaking e conhecimento são relativos
a tempo, lugar e maneira em que eles são construídos — nas interações cotidianas das pessoas (conhecimento pragmático
com-monsense). Pesquisadores, portanto, precisam perguntar os participantes da pesquisa como eles ence-tranforme em
tempo, lugar e progresso (historicidade), porque estas são experiências humanas realizadas em práticas, interações ou
discursos em uma variedade de maneiras (recursivo, rompido, ou hegemônica). Esta visão mais ampla do subjetivismo
desafia o absolutismo e favorece o pluralismo, incorpora conhecimento e significados em contextos particulares, e porque
as pessoas têm uma relação reflexiva com o mundo ao seu redor os (i.e., Eles ambos constituem e são constituída por seu
arredores) enfatiza situado formas de conhecimento e validade. Nossa pesquisa contas são também subjetivamente situado:
relativo para nosso próprios e organizacionais Membros incorporado de experiências, que influenciam as nossas
observações, inter-pretations e contas de pesquisa (a dupla hermenêutica). Contas de pesquisa também são parciais,
porque não vemos todas as histórias se desenrolando em uma organização a qualquer momento (Boje, 1995).
Consequentemente, realidades sociais e conhecimento não são bens no sentido de ser replicável, gen-eralizable, e
preditiva mas, em vez disso, oferecem contextualizado entendimentos.
Porque dentro o subjetivismo problemática lá é sem independente realidade para estudar, pesquisadores
construções de realidades sociais e organizacionais em um determinado contexto e tempo de explorar e/ou como nós
humanamente forma, manter, e interpretar social realidades através de linguagem, símbolos, e textos. Embora uma
subjetivista problemática engloba pesquisa social construcionista, pesquisadores diferem em sua postura ontológica. Em
direção à direita dos pesquisadores problemáticos, baseado no discurso e sym - bolic interacionistas consideram realidade
social social construído mas ' Objetificado ' (com o grau de semelhança e estabilidade) em rotinas situadas, interações, e
práticas linguísticas — rotinas e discursos que pessoas pode resistir e mudar. Assim, realidade consiste em de social ' fatos
' e comumente entendido significados que são interpretados e usados pelos atores em situações específicas — uma posição
Searle (1995) chama ontologicamente subjetivo e epistemologicamente objetiva. 3 para a esquerda, sub-jectivist
ontologias são normalmente associadas com abordagens interpretativas de construtivismo social, onde vários realidades
são experiente, construído, e interpretado em muitos maneiras.
Subjetivistas pesquisadores abraçam etnográfico, etnometodológica, dialógica, Hermenêutica, con - structivist,4 e
fenomenológica se aproxima para pesquisa e pode se concentrar em microinterações (por exemplo, reuniões de equipe de
estratégia de gerência sênior, interações de trabalho) ou mais nível macro organiza-cional e discursos da sociedade e seu
impacto (por exemplo, na organizacional identidades/subjetividades).
No limite entre subjetivismo e objetivismo, discursivo fluido (por exemplo, Phillips, Sewell, & Jaynes, 2008),
simbólico (por exemplo, Burnier, 2005), e alguns social orientado a construção pesquisadores (por exemplo, Rosenthal
& Pecci, 2006) estudar como construir pessoas, são construídos por e experiência social realidade como real e factual.
Etnometodologistas também estudar percebida objetivo ' regras ' (papéis, normas, status, etc.) que são subjetivamente
interpretado e promulgada através de Sei bom senso-borda. Também é importante notar que um pesquisador subjetivista
pode estudar os mesmos temas e usar os mesmos métodos como pesquisador objetivista, mas de maneiras muito
diferentes. Por exemplo, ethnogra-phers pode funcionar de um subjetivista ou objetivista problemática, dependendo de
como eles vão fazer seu trabalho etnográfico. Etnografia é sobre imergindo-se oneself no site de pesquisa sobre um
período de tempo como um significa de estudar cultura e outros organizacional processos e questões. Enquanto etnografias
subjetivistas explorar como participantes experimentam, dar significado para, interpretar e dar sentido a suas vidas de
várias maneiras e são escritas do ponto de vista de um ' sala de com uma Vista ' (Cunliffe 2010), etnografias
objetivista/realista são contas factuais desapaixonadas de características, processo, valores e normas e assim por diante.
Conta de Van Maanen (1991) ordem social é mantida através do processo de socialização, gestão emocional, supervisão
e gerenciamento de estágio na Disney é explicitamente objetivista, em que ele relata ' fatos ' com base na sua observações,
Considerando que o conto (1995) de Watson de retórica e sensemaking é subjetivista, em que ele entrelaça-se como um
ator social no processo de sensemaking. Etnógrafos organizacionais, portanto, precisa para considerar como seu
ontológico e epistemológica pressupostos vai jogar através de seu projeto de pesquisa e prática.
o intersubjectivism problemática. Dentro desta problemática mentira várias posições a partir da noção de
Habermassian (1984) esse acordo intersubjetiva é a maneira de construirmos conjuntamente um senso de comunidade
(Geiger, 2009) para a noção de Ricoeurian (1992) que estamos sempre eus-em-relação-para-outros. Dois início estudiosos
conhecido para sua trabalho em este área, Schutz (1970) e Garfinkel (1967), enquadrar a intersubjetividade como um
mundo comumente experiente e compreendido de significados compartilhados, interpretações e cultura: um
conhecimento de senso comum promulgada na prática social e estudados através de ' interpretativa procedimentos ' tão
como transformar tendo ou um reciprocidade de perspectivas (ver Schegloff 1992, e Gephart, 1993, para exemplos). eu
sugerem este forma de intersubjetividade encontra-se no o limites de subjetivismo e intersubjectivism porque o foco
encontra-se muitas vezes sobre assunto interpretações teorizadas por pesquisadores usando ' fora ' acadêmico constrói.
Alfred Schutz (1970) foi essencial para colmatar o fosso entre subjetivismo e intersubjectivism, argumentando
que, enquanto nós experimentar e interpretar o mundo de dentro de nossa própria biografia como atores livre, nós também
compartilhar nosso mundo com outros em um mútua relação, ' isso presente, comum para nós dois, é o puro esfera do
'Nós'. . . . o que eu aparece somente após a viragem reflexiva ' (p. 167). Em outras palavras, é somente após o momento
da experiência — que é sempre uma experiência compartilhada — que nos separamos para fora como um ' i ' para Schutz,
' em a última análise que cada ator permanece biographi-camente exclusivo ' (herança, 1984, p. 59). Da mesma forma, do
Garfinkel (1967) problema de relevância é uma indi-deiras edição de significado, ' ou seja, como o membro de sociedade
decidir o significado de um regra e sua aplicabilidade? ' (Leiter, 1980, p. 31). Enquanto Schutz e Garfinkel deram
etnometodologia sua razão em termos de o inter-relacionadas natureza de nossa individual biografias, o mundo é ainda um
phenom-enon socialmente construídos por fatos intersubjetivas, observou e teorizou de fora para dentro termos de
esquemas, procedimentos de sensemaking, histórias, categorias e regras. Intersubjetividade é interpretado como
cognitivos (bom senso entendimentos), interação (práticas sociais e/ou conversa), e teorizou como um processo de
sensemaking em um individual ou Comunidade nível.
Interpretações mais contemporâneas de hermenêutica e dialógicas (por exemplo, Bakhtin, 1981, 1986; Shotter,
2008) interpretar a intersubjetividade como ontologia — uma forma de estar no mundo — onde nós são sempre
incorporados em um fluxo intrincado de complexamente entrelaçados relacionalmente responsivos actividades em que '
a barreira entre nós e os outros é impalpável ' (Merleau-Ponty, 1964, p. 174). Assim, estamos sempre eus-em-relação-
para-outros. Para Ricoeur (1991, 1992) coexistem e são copresent com outros pessoas prefiro que com social fenômenos,
e nossa identidades e compartilhada entendimentos de nossa social mundo são em forma de entre nos (intencionalmente
e caso contrário) em nossa todos os dias interações e experientes de forma diferente (urbanidade). Nesta perspectiva,
intersubjetividade não só enfatizar o ' nós ' mas também incorporado e encarnado inter-relacionadas experiências e em situ
significados (Cunliffe, 2003, 2008), que mudança enquanto avançamos através de conversas sobre o tempo e as pessoas
(durabilidade e significados).
Ricoeur (1992) argumenta que nós vivemos e construir narrativas dos outros — narrativas que ter ambos
temporalidade (no sentido de ser contínuo, jogando através de nossos modos de falar e agir) — mas também sempre
novos porque ' um enunciado nunca é só um reflexo ou uma expressão de algo já existente e fora dela que é determinado
e final. Ele sempre cria algo que nunca existiu antes, algo absolutamente novo e irrepetível. .. . O que é dado é
completamente transformado no que é criado ' (Bakhtin, 1986, pp. 119-120; durabilidade e historicidade). Assim, a
conversa viva e relações entre as pessoas são importantes arenas de estudo: não em termos de identificação procedimentos
ou mecanismos mas percepções em como nos referem-se com outros. o diferencia intersubjectivism de subjetivismo é nós-
ness, nossos relacionamentos complexamente entrelaçados, ativamente responsivos, que estão totalmente dentro, nem
fora de nosso controle, como pesquisadores ou membros organizacionais. Podemos criar algum tipo de sentido entre nós
no fluido, relacional, responsivo, incorporado e interações corporais (Cunliffe, 2008; Gergen, 2009) e então significados
são múltiplos, deslocamento e sempre incorporados em um tempo, lugar e em relação aos outros. Pesquisadores trabalham
com pesquisa partici-calças de dentro conversas para explorar como interpretamos ongoingly, entender e relacionar com
outros e nossa ambiente (um reflexivo hermenêutica). Este é não com o apontar de desenvolvendo teorias ou modelos por
aplicação acadêmico procedimentos ou constrói, ou análise o mecânica de conversação ou linguagem mas explorando
insights interpretativos com membros organizacionais em como podemos ver nos diferentemente e alterar o forma nós se
envolver em organização vida (pragmática saber em situ). Shotter (2008) chama este pensamento ' withness ' porque nossa
pesquisa ' deve começam em um maneira diferente: nós deve estudar como, por intercalando nossa falar em com nossa
outros ações e atividades, nós pode primeiro desenvolver e manter entre nós, diferentes, particulares maneiras de nós
mesmos relativas a cada outros. ' (p.100)—that é, de dentro nossas atividades e conversas.
Pesquisadores intersubjetivas desenhar na fenomenologia hermenêutica, Construcionismo social relacionalmente
responsivo, e do Bakhtin noção de dialogismo, que é, viver declarações e o em dois sentidos move-mento do diálogo entre
as pessoas em momentos específicos e configurações específicas, na qual significado surge na interação e luta de volta-
e-vem, conversa entre pessoas (Bakhtin, 1986, p. 92). Eles se concentram em conversas de nível micro, relações e
percepções sobre questões específicas, e suas contas de pesquisa são entendimentos transitórios em forma dialeticamente
entre todas as pesquisas participantes, particular para um momento mas que pode oferecem interpretativo percepções
para outros.
Para resumir, a questão ontológica e epistemológica chave "se os seres humanos podem ou não alcançar qualquer
forma de conhecimento que seja independente de sua própria construção subjetiva, uma vez que eles são os agentes
através dos quais o conhecimento é percebido ou experimentado" (Morgan e Smircich, 1980, p.493) dependerá,
evidentemente, da nossa problemática.
Os Objetivistas respondem "sim", os pesquisadores podem ser destacados e os especialistas neutros podem usar
os métodos científicos do positivismo para representar com precisão as leis subjacentes, os mecanismos geradores, os
discursos, os sistemas de poder, as estruturas e os comportamentos. Eles podem, em última instância, prever o que vai
acontecer e aplicar o conhecimento à prática, porque a ontologia e a epistemologia são distintas (hermenêutica única).
Os subjetivistas respondem que "não", tanto o conhecimento do pesquisador quanto do ator é contextual, situado
na prática e muitas vezes tácito - baseado em nossas percepções e interpretações enquanto agimos e entendemos o que
está acontecendo ao nosso redor. Assim, ontologia e epistemologia estão relacionados em ações e construções de senso
comum (Leiter, 1980) e refletem uma dupla hermenêutica.
Intersubjetivistas também respondem '' não '' - o saber é in situ, usado simultaneamente e criado intuitiva e
deliberadamente entre nós enquanto vivemos nossas vidas: um saber-de-dentro que é simultaneamente retrospectivo /
contemporâneo / prospectivo (Cunliffe, Luhman, & Boje, 2004) em que ontologia e epistemologia são inseparáveis (uma
hermenêutica reflexiva).

A relação entre epistemologia, método e linguagem


Tendo examinado a relação entre ontologia e epistemologia dentro de cada problemática, deixe-nos agora endereço
o restantes pergunta de que pesquisa métodos e contas olha como dentro cada problemática. Como pode ser visto da Figura
1, isto é onde a natureza cada vez mais pluralista da OMT significa que abordagens e métodos abrangem o limites de cada
problemática: o crucial diferença mentiras em como nossa metatheoretical pressupostos influenciar nossa método, uma
teoria e a escrever.
- é importante para começar por diferenciando entre epistemologia e metodologia. o termos são frequentemente
confundida, mas eles são diferentes: epistemologia considera mais ampla, mais filosóficos questões relacionadas com a
natureza do conhecimento, enquanto metodologia está preocupada com o método de dados col-lectora e a forma de análise
que usamos para gerar conhecimento. Grande parte da discussão anterior sobre paradigmas, tipologias e perspectivas de
investigação é epistemológico, preocupado com se nós trabalho de positivista, postpositivist, interpretivist, e para ,
epistemologias. eu agora passar a metodologia.
A gama de pesquisa métodos são disponível, e enquanto algumas são específico para um particular perspectiva por
causa de suas suposições subjacentes, outras podem ser usadas em toda a problemática. Entrevistar é uma boa exemplo
(ver Dundan & Ryan, 2009). Em um objetivista ontologia e positivista epistemol-maria olinda oliveira, estruturada
entrevistas são usadas para descobrir ' fatos '; dados são codificados, muitas vezes, Categorizado e ana-analisou
estatisticamente. Dentro de uma epistemologia subjetivista de ontologia e interpretivist, entrevistas semi-estruturadas e
não estruturadas são usadas para explorar diferentes significados, percepções, e interpretações dos membros
organizacionais. Intersubjetiva ' entrevistas ' são as conversas em que os participantes em conjunto reflectem sobre
questões em discutir ideias (ver Boje, 1991; Cunliffe, 2002; Ibarra, 1999, para usos de con-trasting do entrevistas).
Da mesma forma, Locke (2001, PP. 12-13) notas que apesar de de castigo teoria é historicamente situado no
objetivismo, - é também usado por subjetivistas pesquisadores (ver Charmaz, 2006, para um social abordagem de
construção-ist; Gagnon, 2008, para uma abordagem discursiva; Grandy & Wicks, 2008, para uma abordagem da teoria
institucional e Fendt & Sachs, 2008, para um levantamento e crítica). Estudos de caso são usados também em o objetivista
problemática e o subjetivistas problemático mas escritos em muito diferentes maneiras como factual contas, contestado
sites, ou histórias e narrativas de organizacional dos membros experiências (consulte Faems, Janssens, Maran, & Van
Looy, 2008, para um positivista, Ezzamel & Willmott, 2008, e Maria & Hardy 2009, para um postpositivist, e Patriotta,
2003, para um interpretativo abordagem). 5
Se usando entrevistas, de castigo teoria, ou caso estudos, objetivista pesquisadores são preocupados com a
descoberta fatos empiricamente verificáveis — pesquisadores subjetivistas ' com a compreensão dos significados locais e
mundos simbólicos todos os dias ' (Prasad & Prasad, 2002, p. 7). Além disso, enquanto alguns estudos subjetivista e a
maioria dos estudos intersubjetiva enfocam micropractices, interações cotidianas dentro de um contexto (por exemplo,
Fletcher, 2007), outros estudos subjetivistas tomam uma perspectiva macro (por exemplo, Shenkar, Luo, & Yeheskel,
2009).
Linguagem é importante na elaboração cuidadosos e coerentes as contas, por exemplo, falando 'organização ', '
identidade ' e ' normas ' como existente e factual é mais consistente com uma objetivista que um subjetivista ou
intersubjectivist problemático, onde é mais apropriado escrever de forma hesitante sobre possíveis significados e
interpretações de fluidos potencialmente compartilhadas entre as pessoas.
Abaixo vou dar exemplos ilustrativos estudos específicos para uma determinada problemática e postura episte-
mological. Eu selecionei os estudos determinados por uma série de razões:
(a) porque eles exibem uma ou mais das questões ontológicas da urbanidade, durabilidade e assim por diante, bem
como diferenças na epistemologia;
(b) os autores afirmam explicitamente seus subjacente pressupostos, teórico posicionamento e/ou o raciocínio por
trás da escolha do método;
(c) eles cobrem uma gama de OMT tópicos e métodos de investigação (como fazer o citações em toda este artigo);
e
(d) eles exemplificam o língua e estilo da escrita típico de a problemático. Leitores deve consultar o total artigo para
mais elucidação.
O trechos não devem ser tomados como único exemplares, porque como já vimos, cada problemática detém um
cluster de diferentes posições e métodos. No entanto, são útil em desenho atenção para a link entre ontologia,
epistemologia, linguagem e método e em algumas das diferenças em problemáticas de embandeiramento realçado em
figura 1. Em o seguinte seção, eu vai identificar um número de personagem-cultuadas de cada exemplo; mais
características pode ser observou através de comparação com figura 1.

A objetivista problemática
Realidade como concreto — positivista epistemologias. Naive realistas adotar um positivista epistemologia usando
métodos científicos e naturalistas de precisão de descrever e prever o comportamento dos fenômenos. Acreditando que
podemos diretamente observar e medir a realidade, usaram métodos de recolha de dados como inquéritos, entrevistas
semi-estruturadas, grupos focais e observação para que os fatos podem ser descobertos e dados Categorizado ou
codificados para formar a base para a generalização e Previsão. Eles muitas vezes usam métodos mul tiple, triangulação
e possivelmente Membros verificando para garantir a exactidão dos dados conclusões. Teoria edifício leva lugar através
de o testes de hipóteses e proposições. Em o dois exemplos abaixo, nós encontrar a pesquisa contas são monologic —
escrito em o terceiro pessoa, em língua que é abstrato/acadêmico e definitivo. Os humanos são tratados como objetos ('
papel modelos, ' ' externo par - laços, ' ' empregados '), em o segundo exemplo determinado por o troca processo.
Conhecimento é syn-tagmaticas, fornecendo um teórico, causar a explicação do efeito da relação entre comportamentos,
construções teóricas e variáveis. O primeiro estudo propõe um modelo de adaptação de identidade con-struction e
transição com fatores antecedentes e resultados possíveis e o segundo estudo testa um número de hipóteses:
Prototipagem de papel consiste em discernir o que constitui um desempenho de papel credível. Como as aspas
em tabela 3 ilustrar, pessoas direct sua atenção para exemplares . . . . Por observando sucesso-ful papel modelos, os
participantes aprendeu tácito exibir regras e formas de sinalização importante traços de profs-produtor. (Ibarra, 1999,
p. 774. Dados categorizados através de entrevistas, castigo teoria)
Estas achados pode ser explicou por elementos de JCT e social troca teoria. Como esperado, quando ambos
LMX qualidade e capacitação foram baixo o mais negativo resultados resultou, e em geral, quando ambos variáveis
foram alta o mais positiva resultados resultou. Mais interesse-afir, nossos resultados mostraram que quando os
funcionários faltam motivação em seus postos de trabalho (baixa capacitar-mento), o LMX relação torna-se mais
importante. (Harris, Wheeler, & Kacmar, 2009, p. 379. Pesquisas, análise fatorial, análise de regressão)
O autores vista o relação entre comportamentos, partes, e ações como sequencial (historicidade) , em último caso
qualidade LMX (teoria da troca líder-membro) levando a resultados negativos. Ambos os estudos exemplificam o single
hermenêutica com o pesquisador como observador independente, o-orizer e preditor do comportamento — ainda como
ausente no texto. Observe também a diferença entre o instantâneo foto oferecido com o ênfase na surgimento e ação em
trechos 1 e 3 abaixo.
Realidade como processo — rede e postpositivist epistemologias. Como nós ter visto, processo, rede, e criticamente
baseado epistemologias cobrir uma variedade de preocupações, com estudos de positivista, tendo uma perspectiva de uma
função-lista e postpositivist uma postura crítica. A linha comum encontra-se em ver a realidade como uma rede de
elementos e um processo de se tornar. Métodos como a etnografia, observação, entrevistas, de castigo teoria, e caso
estudos são comum para cada, mas o foco de atenção difere: estudos de sistema abordam a eficácia e a funcionalidade dos
sistemas organizacionais e/ou o rela-mostrar com o ambiente, Considerando que ANT estudos usar limite objeto análise
para estudar como arti-fatos e/ou objetos pode ser usado forma diferente e vem juntos para criar um rede ou macro ator.
Crítica realistas muitas vezes trabalho de o marxista perspectiva de histórico materialismo, usando um retroductive
estratégia de investigação com base em construções analíticas abstratas e o comportamento observável empiricamente
(Reed, 2005). Eles usam textos e dados secundários, entrevistas, estudos de caso, e assim por diante para identificar os
mecanismos que influenciam o desenvolvimento dos fenômenos sócio-econômicos e políticos (por exemplo, Burgoyne,
2009; Leca & Naccache, 2006). Estudos críticos e baseados no ANT usam epistemologias postpositivist, ' segurando que
a realidade pode ser conhecida somente probabilisticamente, e, portanto, a verificação não é possível ' (Gephart, 2004, p.
456). Crítica teóricos pode usar crítica etnografia para expor a natureza ideológica dos processos de produção e consumo
(por exemplo, Korczynski, 2005). O primeiro exemplo assume uma perspectiva institucional (macro) para desenvolver
uma estrutura para analisar as estratégias de envi-ambiental de empresas:
Verificou-se também que a conformidade com boas práticas ambientais decorre a dinâmica de rede ambos entre
MNCs e governamentais agências e entre MNCs si. The MNCs ativamente gerar isomorfismo através de o relacional
quadros eles desfrutar de com insti-tutional corpos. Eles normalmente fornecem o conhecimentos técnicos relevantes
para novos regulamentos e são frequentemente membros de comités consultivos ou grupos de trabalho. (Filho & Tsai,
2005, p. 116. Institucional teoria. Caso estudos, codificado semi-estruturada entrevistas)
Configuração do sub que constitui uma força de trabalho com a tendência para resistir ao controlo, co - existe
simultaneamente com a configuração secundário que constitui uma equipe com a tendência para afirmar o controle. O
resultado, no entanto, depende da força relativa das tendências. Aviso, , que - é o generativa ensemble como um
totalidade, e não qualquer de seu componentes de indi-deiras que gera os poderes e, portanto, as tendências, o
ensemble generativo tem. (Hesketh & Fleetwood, 2006, p. 689. Itálico no original. Entrevistas realismo crítico.)
Então o que fizeram os empreendedores institucionais na verdade? Eles recrutados, matriculados, traduziu os
interesses e estabilizadas as conexões, quanto actants e atores construindo um ator de macro. (Czarniawska, 2009, p.
438. Teoria de rede de ator . Análise de narrativa histórica)
Você pode notar que todos os autores acima estudem as questão/questões a partir de uma perspectiva de fora (single
hermenêutica); examinar a relação entre objetos de rede, configurações de sub e actants (atores não-humanos e humanos);
e assumir um grau de durabilidade de estruturas, sub configurações e ações que surgem ao longo do tempo. Os dois
primeiros trechos tomar uma perspectiva macro, focando a relação entre organização e seu ambiente e entre HR (humana
recursos) prac-tices e organizacional desempenho; ambos usar entrevistas mas analisar o dados em diferentes maneiras:
contra retrodiction de bacalhau-ing. Czarniawska realiza uma análise narrativa histórica de um único caso, o London
escola de economia, usando o processo de Tradução como um teórica quadro. Cada leva um tagmaticas perspectiva de syn
- mas teoriza diferentemente: criança & Tsai desenvolvem um quadro preditivo, Hesketh & Fleetwood robusto explicações
ou tencionais previsões, e Czarniawska constrói um ' tentativa o - ory de o fenômeno de institucional Empreendedorismo ' (p.
423) dentro um metáfora de instituições como formigueiros. Todos três trechos imbuir objetos (sub configurações,
generativa ensemble, o macro ator) com subjetividade ou agência, por exemplo, ' o MNCs [objeto] geram ativamente
[Agência] . . . '.
Realidades discursivas — epistemologias críticas e poststructural. Podem tomar discursivamente baseado em
estudos poststructural, pós-moderna ou pós-colonial perspectivas para expor como fragmentadas e impugnadas
realidades, culturas, subjetividades e processos de produção e de consumo são moldadas pelo discurso de ' d' ' (falar com
e texto) no o micro nível e ' D ' discurso (língua sistemas) no o macro nível (Alvesson & Karreman, 2000). Pesquisadores
analisar ou desconstruir (expondo o binário, e-tional, natureza contraditória e efêmera do idioma) D/discurso sob a forma
de entrevista com-mentos, e-mails, declarações do CEO, conteúdo do site de uma organização, declarações políticas,
media representações e assim por diante. Embora a análise textual centra-se na linguagem (por exemplo, Livesey,
Hartman, Stafford, & Shearer, 2009), análise semiótica está preocupado com o impacto de artefatos, sinais, símbolos e
imagens visuais na cultura organizacional, empregados, consumidores e assim por diante ( por exemplo, Hancock, 2005).
Nos três exemplos abaixo, observe que a ontologia é ainda objetivista: ' o corpo, ' ' texto ' influenciado por um '
discursiva luta ' (um pouco do que um lutar entre empregados e gestão), e um ' simbólico ideal ' de vitalidade, e o assunto
é interpretado como um corpo ciborgue (um objeto inscrito). Os dois primeiros exemplos examinar a relação entre os
sistemas do corpo e texto/social ação, com o objetivo de controle teorizar e estratégias de resistência e os processos de
legitimação (conhecimento sintagmáticas). No trecho 3, o autor está preocupado com uma conta ' plausível ' da rela-
mostrar entre artefatos e a realidade do papel das organizações submetendo a oferecer. É interessante nota o alterar de o
mais objetivo língua de o primeira dois exemplos para a poética língua do terceiro, uma forma de escrita, consistente com
o tema da estética ou sensorial experiências (Strati, 2009). o terceiro exemplo também ilustra o tensão mentindo no o
limite de o objetivista – subjetivistas problemáticas, onde a ontologia é objetivista, em que o artefato pode mobilizar ação
(típica de análise semiótica), mas a epistemologia é o autor interpretação subjetiva do simbolismo e significado da
brochura.
Controle estratégias, , portanto, endereço não a existência de um ciborgue identidade por se , mas o taxas de
fluxo de informações, e código entre o corpo e a sistema, e a escrever de código que inscreve e recrafts o ciborgue corpo.
Politicizing resistência para corpo-vigilância implica dis-rupting fluxos de de informações e código, recodifying,
reescrever e resignifying categorizações de carne-feita-informações no locais rizomas (bola, 2005, p. 102. Pós-
estruturalismo, revisão de literatura).
Este Notícias relatório é uma típico exemplo de de um discursiva luta sobre desligamentos. o gênero de o texto
focal é notícia de negócio, mas o texto é também um comentário de aprovação nas informações ' oficial ' dada por Wum
¨rtsilum̈do corporativa comunicações. o texto assim representa um gênero híbrido, típico dos meios de comunicação
contemporâneos (Fairclough, 1995; van Dijk, 1990). Em geral, o discurso capitalista glo-bal é o discurso dominante
usado . . . . (Váárias & Tienari, 2008, p. 989. Análise crítica do discurso de texto).
. . . Esta imagem da capa de um folheto de recrutamento PricewaterhouseCoopers ' beauti - totalmente '
representa um simbólico e problematizavam ideal de o vitalidade de modernos vida. Energia, evi-dente na paisagem
natural, o sol brilhando e o dinamismo da tecnologia humana que ambos domina seu ambiente ainda, no o mesmo
tempo, aparece integral [to] , ressalta isto imagem em todas as nível. (Hancock, 2006, p. 629. Semiotic análise de
documentos).
Lá é ainda um senso de durabilidade em termos de um ciborgue identidade e o dominância de global discurso
capitalista mas no trecho 3 significado é contextualizado com o artefato. Em termos de historicidade, tempo e progresso
são contestada, hegemônica, e teorizou como ruptura em cada estudar — muito diferentes para os exemplos de Ibarra e
Harris na primeira seção.

Os subjetivistas problemático
Realidade como simbolicamente construído — etnometodológica e dramatúrgica epistemologias. Situado em o
trabalho de Garfinkel (1967), Goffman (1959) e sacos (1963), que foram cada um preocupado com ' humano seres assistir
para cada outros e ostensivamente 'lá fora' inanimados objetos em sutil, matizada e fine-grained formas . . . [tematizar] língua
usar e dos membros métodos ' (Sarmento-Fredericks & Bargiela-Chiappini, 2008, p. 656), esta forma de estudar
organizacional vida explora como pessoas inter- Pret, fazer sentido de, ou gerenciar funções, expectativas e impressões
em suas interações sociais. Pesquisadores estudar naturalmente ocorrendo práticas, eventos, e falar com em reuniões usando
Observação, áudio e audiovisual gravações, e às vezes entrevistas, analisados usando ethnomethods tais como raciocínio
mundano análise, conversa análise, e dramaturgia (por exemplo, Marcon & Gopal, 2008).
Hindmarsh e Pilnick (abaixo) realizam uma microanálise de anestesistas e operando partem-mento assistentes no
trabalho, usando entrevistas e interações em vídeo para estudar o verbal e embo - morreu aspectos do trabalho em equipe.
Sua conta inclui fotografias, análise de conversação e uma descrição dos movimentos físicos da equipe consistente com
seu tópico e suas problemática. Embora não vi aqui, Moeran oferece uma história parcialmente pessoal/parcialmente
acadêmica da pro-dução simbólica de publicidade autenticidade e criatividade, onde a voz do pesquisador é claramente
na pesquisa (mediação). Isso é típico de muitos estudos interpretativos onde o pesquisador se posiciona como outro ator
sabendo interpretação ao invés de observador objetivo (dupla hermenêutica). Ambos os estudos oferecem o grossas
interpretações e descrições associadas com o foco de subjetivistas na contras - textuais e construídos significados e
subjetivamente experimentado tempo e lugar (historicidade): a relação entre ação, analyz-ing linguagem e a mecânica da
conversa (por exemplo, transformar a tomar) para determinar como organizacional Membros criar compartilhada
construções de realidade.
Fornece o conhecimento prático da anatomia, laringoscópios e da obra incorporada de intubação -lo [a
anestesista] com o recursos para sugerem que o aluno é procurando também longe em direção o volta de o garganta —
no o esófago prefiro que o traqueia. , Portanto, ele não pode apenas reconhecer que o aluno está tendo dificuldades,
mas também dar um sentido de onde essas dif-ficuldades pode mentir — que ele é procurando no o mal buraco. o do
anestesista conhecimentos é em mak-ing sentido da conduta incorporada do aluno a fim de disponibilizar o
aparentemente ' escondido '- e subjetivo perspectiva do aluno. (Hindmarsh & Pilnick, 2007, pp. 1411-1412. Análise de
conversação, entrevistas, vídeos.)
Isso me leva a uma discussão sobre o desempenho de credibilidade das relações Agência-cliente. Em alguns
aspectos, a própria estrutura de uma corporação pode ser vista em como ele organiza performances do tipo discutido
aqui. Como um indivíduo, uma corporação pode ser vista como um artista — ' um atormentado fabricator de impressões
envolvido em o todo-demasiado-humano tarefa de estadiamento um desempenho ' (Goffman, 1959, p. 244). (Moeran,
2005, p. 917. Dramaturgia, estudo de caso, observação participante)
Ambos os estudos estão preocupados com o processo de sensemaking de atores humanos reflexivos — a perfor-
mance de interpretar e percebendo atores que em exemplo 1 são pessoas e em exemplo 2 ambos indi-singulares e
organizações (urbanidade). A forma de conhecimento gerado é ambos pragmática em termos de todos os dias práticas e
sintagmáticas em termos de uma teoria o desempenho de atores.
Realidades socialmente construídas — epistemologias etnográficas, fenomenológicas e hermenêutica.
Pesquisadores trabalhando numa perspectiva construcionista social exploram como as pessoas usam linguagem,
rotineiramente e criativamente, para moldar e decretar a realidades sociais, identidades e ações em suas conversas
cotidianas e ações (Watson, 2001). Seus métodos incluem a Etnografia (observando, partici-Pires, ouvindo, fazendo
perguntas); autobiografia; entrevistas não estruturadas; análise narrativa de conversa, mídia e textos; e gravação de
conversas e assim por diante.
A principal diferença entre esta e a epistemologia anterior é que o pesquisador é inter-ested em dos participantes
vários interpretações e reflexões. Assim, relacionalidade encontra-se em pessoas ao invés de língua per se e contas são
escritos para incluir as perspectivas dos participantes — histórias incor-porating sentimentos e reações, semelhanças e
diferenças ao invés de variáveis ou mecanismos porque os significados são contextuais, evocativa e negociada. Em ambos
os exemplos, os autores interpretar as atividades de construção de significado de indivíduos, implicitamente, usando uma
abordagem abdutivo onde eles se movem entre teoria (neutralizante, reframing, dialética) e prática (contas de
participante), cada um informando o outros. Indeed, Watson usa ' a técnica de o précis, um conceito de o ' mestre tropo '
. . . o implantação de um metáfora . . . ' (p. 434) — que ele compara o para literário crítica — não para theo-rize,
mas para oferecer insights sobre identidade trabalho que pode conectar-se com experiências de leitor (conhecimento
pragmático). Isto está em contraste com a abordagem dedutiva e teste de teoria do positivismo. O microa-nálise adotado
em ambos exemplos é consistente com social construtivista abordagens, com foco na sub-jectively experimentado eventos
(historicidade), oferecendo insights sobre processos de construção social e sensemaking em contextos específicos
(durabilidade, significados):
Todos tentaram assimilar e adaptar-se a esta retórica, neutralizando, reformulando ou minimizando fatos balcão
a narrativa oficial, ou a sua compreensão e interpretação do mesmo. . . . Bruno aparece para ser um adoptante natural
do discurso oficial e se sentir à vontade reproduzi-lo . . . Takashi, por sua vez, aparece a experiência maior problemas
e busca de uma síntese de seus valores pessoais e profissionais, por um lado e do novo discurso sobre o outro. (Steuer
& madeira, 2008, p. 583. Narrativa e Storytelling, em profundidade entrevistas.)
Esta história e a reflexão sobre ela, é o mais recente dos escritos do Leonard Hill. -Illus-trates como um '
narrando a auto ' (ocasionada por uma decisão de escrever um documento de reflexão de vida para os outros) dos
eventos do passado podem desempenhar o seu papel em parte integrante do trabalho de identidade. Não era uma
questão da história que vem à mente o primeiro e o seguinte trabalho interpretativo, Leonard explicou em uma
entrevista. A história ' veio até a superfície ' no processo de ' escrevendo minhas reflexões de vida. ' Vemos aqui um
exemplo da relação dialética entre o aspecto de face interna/para dentro do trabalho de identidade e o aspecto
externo/virados . . . . (Watson, 2009, p. 463. Narrativa e autobiografia)
Em ambos os exemplos, os autores falam sobre a experiência subjetiva dos indivíduos, suas percepções contextua-
utilizados, ações e histórias (urbanidade, historicidade). Embora no primeiro exemplo, o investigador é intérprete fora das
ações do participantes, no segundo exemplo tanto Watson e Leonard são implicitamente conhecedor e reflexivamente
incorporado no texto através 'reflexivo e criativo escrito ' do Leonard (p . 444), um trecho de sua conversa e Watson
trazendo a leitor em por o usar de frases tão como ' nós são ver aqui . . . ' (duplo hermenêutica). Watson é uma mediadora
de significados entre Leonard e o leitor (acadêmico). É uma forma muito diferente da conta de pesquisa para os exemplos
anteriores, onde a voz do pesquisador é ambos ausente (sem uso de ' I ' ou ' nós ') ainda poderosamente presentes através
de neutro, perito observações. De Watson conta é con-obrigato com o limites de o subjetivistas e intersubjetiva
problemática.

A intersubjetiva problemático
Realidades relacionais — relacionais e reflexivas epistemologias. Intersubjectivism desenha em um relacional
ontologia de para explorar o relacional, encarnado, e intersubjetiva natureza de humana experiência. Sei-borda ' é um
encarnado e intersubjetiva saber, que pode ser entendido através de radicalmente reflexivo prática ' (Cunliffe, 2008, p. 129,
meu itálico). O objetivo da pesquisa relacional é insight — ver seu (e nossa) situação diferente (McNamee & Gergen,
1998) — emergindo de um diálogo significativo entre participantes (urbanidade). o pesquisador é uma integral parte de
significado fazer ambos em e depois o momento, e , portanto, reconhece seu ou la papel em o processo ( reflexivo
hermenêutica). Métodos utilizados incluem análise relacional (Cunliffe e Eriksen, 2010); Situado a pesquisa-ação
dialógica (Shotter, 2009); social poética (Cunliffe, 2002); e um dialógica interpretação/análise de a intersubjetividade de
outros (por exemplo, faia, 2008) . Nota em o exemplo abaixo, o pesquisador (como Consultor) é intimamente
envolvido em o relacional e situado momentos de fazer sentido (mediação). Este é uma mais trecho que outros para ilustrar
o relacionalmente responsivo natureza de diálogo e a muito pragmática e reflexivo natureza de esta forma de pesquisa
consistindo de reflexivo diálogo dentro uma situação:
Este exemplo oferece um ilustração de como um alterar em um pessoa relação para la ou seu sur-
arredondamentos podem ocorrer, e como um excepcionalmente novo, entendimento compartilhado pode ser criado em
conjunto em um momento sensível, dialógico entre pesquisa participantes:
Tony (refletindo sobre seus primeiros 15 dias no COMP, uma grande empresa global): não somos pro-fissional
aqui da forma que fazemos coisas, então existe uma oportunidade real de fazer a diferença.
Consultor: que tem foi notável você que simboliza onde o questões e o são oportunidades?
Tony: Hoje, dia 15, eu encontrei isso. Estamos a tentar entregar a economia de custos para o CEO e VP-lo.
Dissemos que vamos reduzir a quantidade de dinheiro que gastamos nele. E eles disse, ' sobre nossa morto corpo! Você
não fazer que para nós. Nós precisa este tecnologia para conhecer nosso negócio planos para somos vai para passar que
nos disse nós são vai para passar e você caras nos pode dizer nada diferentes. ' E isso é interessante, porque isso não
aconteceria na maioria das outra empresas. Naturalmente os segmentos têm o poder, mas geralmente eles consultaria
o func-ção, e nós que dizer de curso nós não dizer você que você
Consultor: tão como fazer você mover coisas em? Pode você dizem, ' o que nós são procurando para é uma hon-
est, frank conta realmente do que se trata Vou para levar. Isto é como nós vamos achar isso difícil. Este é que - parece
como quando - começa a para mover. Como - começa para mover este é que somos início para colher? ' Não
generalizações mas real histórias, real vinhetas, quando pessoas em sala de vai . . .
Tony:... JÁ ENTENDI! (Shotter, 2010, pp. 272-273. Situado a pesquisa-ação dialógica, o ation convers).
Este exemplo ilustra como toda pesquisa participantes fazem significado entre nós na vida conversa-ção no
momento (significados): onde o pesquisador faz perguntas ' o que é impressionante você? ' Acha que Tony através de que
ele vê como a questões, e a pesquisador oferece sugestões que Tony ' Obtém ' e seguir adiante (urbanidade, mediação).
Intersubjectivism é notavelmente diferente de objetivista e sub-jectivist problemática em termos de forma de saber in situ
onde todos os participantes são implicitamente conhecedor e, portanto, trabalharem juntos na conversa de viver de forma
significados, insights e um forma de mover na (reflexiva hermenêutica). Todos pesquisa participantes, incluindo o
pesquisador, são incorporados os insiders (Cunliffe, 2003), e leitores podem levar insights de que a conversa é sobre como
bem como como percepções ocorrer.
Cada de o trechos acima oferece um específico exemplo de de o preocupações, métodos, e língua que pesquisa
contas levar dentro de cada problemática. Deve-se notar que não é apenas o foco ou con-cern de cada peça, mas o que é
interpretado como ' dados ', como os dados são analisados e ' teoria ', o lan-guage usado e o estilo de escrita. Dentro a
objetivista problemática, o foco é sobre o conhecimento (o ' o que '); em o intersubjetiva problemático, o foco é na o
processo de criação significado e percepções (' como '); enquanto no subjetivo problemático, o foco poderia ser tanto
dependendo do interesse do pesquisador e posicionamento. É, talvez, a diferença mais distintas entre o primeiro e o último
— o Ibarra e Shotter trechos — um diferença que destaques o importância de elaborar nossa investigação em consonância
com o nosso intelectual compromissos.
Conclusão
Ao atualizar a tipologia influente de Morgan e Smircich, substituí o continuum do objeto original com três
problemáticas do conhecimento, argumentando que elas refletem melhor a gama de pressupostos metateóricos e os
gêneros obscuros que sustentam a pesquisa e a teorização contemporâneas. As três problemáticas destacam o longo
legado da pesquisa qualitativa em ciências sociais e explicam o impacto dos debates contemporâneos sobre a natureza
da experiência social nos modos como estudamos as organizações. Como a OMT se baseia nessa herança, precisamos
ser capazes de situar e legitimar nosso trabalho dentro do campo mais amplo da erudição, e a problemática do
conhecimento pode ajudar os pesquisadores qualitativos a se "situarem nas tensões que caracterizam as áreas do
conhecimento". . . marcado por multiplicidade e discursos concorrentes que não se organizam perfeitamente uns
sobre os outros ”(Lather, 2006, p. 47). A chave é não perguntar "essas categorias certas ou que se encaixam em cada
uma delas? Mas: são essas diferenças que fazem diferença? ’(Deetz, 1996, p. 191). Em outras palavras, entender
como as interações e as tensões dentro e entre as diferentes problemáticas e metodologias informam, diferenciam e
tornam nosso trabalho significativo.
Mas a revisão não é apenas uma tarefa intelectual, é também política. O debate paradigmático ainda se enfurece
nas práticas institucionais de nossa disciplina: os pesquisadores têm compromissos profundos com perspectivas
particulares que impulsionam seu trabalho - compromissos influenciados pelas tradições de pesquisa nas quais fomos
treinados, a comunidade de pesquisa da qual fazemos parte, preferência pessoal e interesse, e também as escolhas
políticas que enfrentamos na publicação, promoção e estabilidade. Depois de 30 anos, o dualismo sujeito-objeto ainda
é inerentemente ideológico com conseqüências políticas e performativas (Deetz, 1996): O objetivismo é privilegiado
como mais metodologicamente rigoroso e científico, subjetivismo como pejorativamente "vale tudo", onde "não
existe tal coisa como verdade; tudo é uma questão de retórica e poder; todos os pontos de vista são relativos; falar de
"fatos" ou "objetividade" é meramente uma fachada especiosa para a promoção de interesses específicos "(Eagleton,
1991, p. 165). Embora desafiados por Prasad e Prasad (2002), que sugerem que houve uma maioridade para formas
de pesquisa mais subjetivistas e interpretativas, pesquisadores qualitativos trabalhando a partir de perspectivas
subjetivistas ainda se encontram tendo que justificar sua metodologia e se adequar às normas de periódicos de
trabalho qualitativo aceitável (muitas vezes sintagmático, positivista / neopositivista).
Um dos propósitos do meu mapa revisado é oferecer um recurso de compensação para essas forças
institucionais, para mostrar como o entendimento de cada problema pode nos ajudar a reconhecer e a engajar com
sua contribuição exclusiva para a OMT. Eu sou pelo pluralismo - não há ninguém melhor problemático; cada um tem
algo diferente para oferecer e, juntos, eles podem fornecer uma compreensão mais completa das complexidades das
organizações e da vida organizacional. Os insights de pesquisas baseadas em objetivistas e subjetivistas, métodos
estatísticos e narrativos podem ajudar a criar uma compreensão mais completa das práticas organizacionais (veja a
edição de outubro de 2008 do ORM para exemplos relacionados à estratégia).
O mapa revisado também fornece aos pesquisadores uma "lógica" ontológica, epistemológica e metodológica
para explorar abordagens e métodos diferentes e incomuns em sua disciplina, como o uso da auto-etnografia em seu
estudo de gestão internacional por Karra e Phillips (2008). . Por esse motivo, ofereço exemplos que abrangem uma
gama mais ampla de disciplinas de OMT (incluindo contabilidade, comportamento organizacional, sistemas de
informação, empreendedorismo, marketing, estratégia e gerenciamento de recursos humanos), tópicos (por exemplo,
cultura, identidade e tecnologia) e métodos do que a tipologia de 1980.
Finalmente, argumentei que um mapa revisado baseado em problemática pode fornecer uma base para elaborar
nossa pesquisa de maneira consistente, cuidadosa, ponderada e informada. Mas o que isso significa? Em um mundo
onde os modelos de pesquisa problemáticos e científicos objetivistas ainda prevalecem, muitos dos pesquisadores
estão interessados em desenvolver novas formas de estudar organizações e novas formas de conhecimento. Morgan
e Smircich nos pediram para fazer justiça à natureza da pesquisa social adotando diferentes abordagens e métodos, e
Daft (1983) nos incitou a ir além de técnicas científicas para experimentar e aprender o ofício da pesquisa. A diferença
entre técnica e o artesanato é crucial. Os métodos são técnicas sistemáticas, maneiras eficientes, mensuráveis e válidas
de coletar e analisar dados. Se formos guiados pelo método, poderemos acabar moldando nossa pesquisa em torno
de obrigações metodológicas e a necessidade de ajustar "dados" aos requisitos técnicos, em vez de sermos sensíveis
ao que está acontecendo ao nosso redor. O artesanato é interpretado como as expressões mais exploratórias de formas
de conhecimento embutidas e estéticas típicas de problemáticas subjetivistas (algumas) e intersubjetivistas:
O ofício é um ponto de partida, um conjunto de possibilidades.
Evita absolutos, certezas, definições super robustas, consolo.
Oferece lugares, interstícios, onde objetos e pessoas se encontram.
É instável, contingente.
É sobre a experiência. É sobre o desejo.
Pode ser lindo. (de Waal6)
É claro que normalmente não pensamos em nossa pesquisa como uma necessidade de sermos bonitos -
pensamos na necessidade de rigor, legitimidade e validade. No entanto, um não necessariamente nega o outro. O
rigor científico é sobre "o controle experimental, o planejamento e a antecipação e remoção de incertezas que
poderiam perturbar o plano de pesquisa" (Daft, 1983, p. 540), em que a beleza está em um estudo perfeitamente
adequado, sem variáveis estranhas. De uma perspectiva interpretativa, rigor e beleza dizem respeito a histórias
autênticas e plausíveis (Golden-Biddle & Locke, 1993) que são elegantes e podem até ser poéticas.7
Eu sugiro que beleza e rigor estejam na elaboração de nossa pesquisa com cuidado e persuasão, sendo abertos
e responsivos às possibilidades de experiência, pessoas, idéias, materiais e processos, e compreendendo e
estabelecendo a relação entre nossa posição metateórica, nossos métodos, nossa teorização e suas conseqüências
práticas. O mapa revisado fornece uma maneira de compreender as várias possibilidades filosóficas e metodológicas
que nos são abertas como pesquisadores qualitativos.

Notas
1. o mesa e discussão são com base na um muito expandido versão de um ideia proposta originalmente no do Cunliffe (2010).
2. Em contraste para a original tipologia de Morgan e Smircich, eu ter caiu realidade como processo (centrando-se no sistema) e realidade
como campos contextuais (enfocando o sistema—relações de meio ambiente) em sistemas e epistemologias baseada em processo,
sugerindo que, apesar das diferenças, os tópicos comuns são ' pro - cess, ' ' Alterar ' e ' relacionamentos ' entre entidades e objetos.
3. Para exemplos e mais explicações consulte a 2008 edição especial de Estudos de organização e faria & Putnam, 2004.
4. Construtivistas veem a construção como um processo cognitivo individual, influenciado por relações sociais. Eles exploram como
indivíduos dar sentido a suas situações sociais e geram explicações teóricas de seus empírica trabalho.
5. Ver o argumento para um polyvocal abordagem para caso estudos por Buchanan e Dawson (2007).
6. http://www.vam.AC.uk/Collections/Contemporary/Crafts/what_is_craft/ (Acessado em 4 de maio, 2009).
7. Ver Lee & Hubona (2009) para uma alternativa perspectiva.

Bio
Ann L. Cunliffe é ASM Alumni dotadão Professor no o Universidade de nova México e visitando professor na Universidade de Leeds,
Universidade de Hull e Universidade de Strathclyde. Ela obteve seus graus de mestrado e doutorado pela Universidade de Lancaster.
Seus interesses de pesquisa estão examinando a relação entre linguagem e partir-tiva, responsivas e éticas maneiras de liderar e gerir
organizações e em estender o alcance da inter-pretive métodos de pesquisa. Atualmente é editor-chefe de Gestão de aprendizagem,
organizador da qualitativa pesquisa em gestão e organização conferência, e Divisão cadeira de o crítica Manage-ment divisão de estudos
da Academia de Management.
Títullo Qualificação da Pesquisa Qualitativa: Morgan e Smircich 30 Anos Autor (es) Cunliffe, Anne
Source

Resumo Resuma o conteúdo principal. Extraia os principais temas desta peça em termos de conteúdo,
métodos, teorias, etc. Enumerar ou apresentar sob a forma de "balas".
Facilite a compreensão e a compreensão.

Artigo analisa o estado da pesquisa qualitativa nos campos de organização e gestão desde a publicação
de “O caso da pesquisa qualitativa”, de Gareth Morgan e Linda Smircich,

Conclusão chave de Morgan e Smircich (1980): “A preocupação com métodos por conta própria
obscurece a ligação entre os pressupostos que o pesquisador detém e o esforço geral de pesquisa, dando a ilusão
de que são os próprios métodos, e não as orientações de o pesquisador humano, que gera formas particulares de
conhecimento. O desenvolvimento da teoria organizacional, assim como outras disciplinas das ciências sociais,
seria mais bem servido se os pesquisadores fossem mais explícitos sobre a natureza das crenças que eles trazem
para seu assunto de estudo ”(p. 499).

Veja a tabela principal (em anexo) da Morgan & Smircich

Embora Cunliffe diga isso sobre pesquisa em organização / administração, a declaração se aplica
igualmente para marketing / CB: “Esta pluralização do campo abriu possibilidades para novas formas de estudar
e teorizar a complexidade da vida organizacional, mas também significou que o terreno se tornou multifacetado
e contestado, levantando questões sobre o que pode ser contado como '' bom ''. “conhecimento, métodos
legítimos e teorias válidas. Pesquisadores agora enfrentam escolhas sobre seu trabalho em termos da miríade de
opções metateóricas e etológicas ... ”(p. 648). Naturalmente, no marketing / CB, a “pluarlização” e a “abertura”
ainda ficam muito atrás em comparação com o OB / Mgmt.

Cunliffe oferece revisão / resumo de Morgan & Smircich.

O continuum sujeito / objeto (subjetivo / objetivo) mudou ao longo de 30 anos: (a) sujeitos, objetos
interagem e entrelaçam, (b) “subjetividades” pós-estruturais (discursos de poder e controle moldam corpos /
ações - veja Mikkonen), (c) objetos também têm agências (veja Zwick / Dholakia), (d) sujeitos são
“objetivados”.
Cunliffe oferece uma visão muito mais refinada e elaborada (altamente diferenciada) de distinções e
diferenças subjetivas-objetivas sob condições contemporâneas. Ela extrai da teoria OMT (org. Mgt.), Mas
também fortemente da filosofia e da teoria cultural.

Conclusão principal de Cunliffe (20xx): “Em um mundo onde a problemática objetivista e os modelos
científicos de pesquisa ainda prevalecem, muitos pesquisadores estão interessados em desenvolver novas formas
de estudar organizações e novas formas de conhecimento. Morgan e Smircich nos pediram para fazer justiça à
natureza da pesquisa social adotando diferentes abordagens e métodos, e Daft (1983) nos incitou a ir além de
técnicas científicas para experimentar e aprender o ofício da pesquisa. A diferença entre técnica e habilidade é
crucial. Os métodos são técnicas sistemáticas, maneiras eficientes, mensuráveis e válidas de coletar e analisar
dados. Se formos guiados pelo método, poderemos acabar moldando nossa pesquisa em torno de obrigações
metodológicas e a necessidade de ajustar "dados" aos requisitos técnicos, em vez de sermos sensíveis ao que
está acontecendo ao nosso redor. O artesanato é interpretado como as expressões mais exploratórias de formas
de conhecimento embutidas e estéticas típicas de problemáticas subjetivistas (algumas) e intersubjetivistas ...
Eu sugiro que beleza e rigor estejam na elaboração de nossa pesquisa com cuidado e persuasão, sendo
abertos e responsivos às possibilidades de experiência, pessoas, idéias, materiais e processos, e compreendendo
e estabelecendo a relação entre nossa posição metateórica, nossos métodos, nossa teorização e suas
conseqüências práticas. O mapa revisado fornece uma maneira de compreender as várias possibilidades
filosóficas e metodológicas que nos são abertas como pesquisadores qualitativos. ”(Pp. 666 -667). Crítica
Indique o que você gostou ou o que não gostou nessa peça e por quê. Discuta também o que o (s) autor (es)
poderia ter feito para melhorar essa peça.
Enumerar ou apresentar na forma de "balas".
Grande revisão e extensão da obra Morgan & Smircich
Algumas boas percepções sobre como melhorar os aspectos “craft” do QualRes
Uma ideia principal é "criar" métodos ou conjuntos de métodos para resolver o problema de interesse e
não "encaixar o problema no método".
VanHá uma super-elaboração de subjetividade - o espectro da subjetividade, mas não o suficiente sobre
como ser um bom artesão. Extensões e Aplicações Indique que trabalho adicional ou relacionado pode ser feito
nesta área. Enumerar ou apresentar na forma de "balas".
Pense em aplicativos em negócios, consumidores, organizações, comunicações e outros campos. Pense

em novas oportunidades de publicação nessa área de pesquisa. Seria ótimo entrar em detalhes de "como criar

bem"