Você está na página 1de 11

#MANEJO MEDICAMENTOSO HIPERTENSÃO ARTERIAL - CM

GABRIELA C. MUNIZ PEREIRA

A hipertensão arterial constitui um problema de saúde pública atualmente no Brasil,


atingindo aproximadamente, 32,5% dos indivíduos adultos brasileiros. O tratamento
adequado desta patologia constitui a principal forma de prevenção das complicações
decorrentes da progressão descontrolada da doença. Sendo assim, é essencial aos
profissionais de saúde conhecerem o manejo correto da hipertensão.

O manejo farmacológico da hipertensão arterial pode ser dividido didaticamente em 4


etapas: Diagnóstico, Classificação, Estratificação e tratamento.

● DIAGNÓSTICO

O diagnóstico da HAS baseia-se na medida correta da Pressão arterial e a constatação de


seus níveis elevados de forma persistente. Para o adequado diagnóstico da patologia,
podem ser utilizados 3 métodos, sendo eles: Aferição da pressão arterial no consultório,
MAPA, e MRPA. Os valores de corte do diagnóstico, são os apresentados no quadro a
seguir:

As indicações das aferições de pressão pelos métodos fora do consultório, visam confirmar
o diagnóstico, desconsiderando o fenômeno do jaleco branco e hipertensão mascarada.

● CLASSIFICAÇÃO

Uma vez diagnosticada a hipertensão arterial, é necessário classificar o estágio da patologia


para então planejar o tratamento adequado, bem como o melhor manejo farmacológico. A 7
diretriz brasileira de hipertensão arterial classifica a hipertensão de acordo com os níveis
pressóricos aferidos da seguinte maneira:
● ESTRATIFICAÇÃO

Após o diagnóstico, e classificação da hipertensão, é necessário estratificar o risco


cardiovascular do paciente para considerar a melhor conduta levando em consideração as
possíveis comorbidades e os fatores de risco do paciente. A diretriz brasileira de
hipertensão sugere utilizar mais de um critério de estratificação para avaliar corretamente
em risco baixo, moderado e alto. Os principais fatores de risco a serem considerados são:
Idade, tabagismo, dislipidemia, resistência à insulina e obesidade. Considerando tais
fatores, a diretriz brasileira sugere tal estratificação

● TRATAMENTO

Considerando os fatores descritos acima, o tratamento deve ser otimizado e individualizado.


Atualmente existem 10 classes de anti-hipertensivos, os quais possuem mecanismos de
ação diferentes e que dependendo do caso podem ser utilizados em associação ou em
monoterapia.
As classes de anti-hipertensivos disponíveis são as seguintes:

→ DIURÉTICOS
Dividem- se em diuréticos Tiazídicos, de alça e poupadores de potássio.
Seu mecanismo de ação baseia-se na redução do volume extra celular com
posterior redução da resistência vascular periférica.

No caso de monoterapia, com escolha por diuréticos, é indicado iniciar com um


tiazídico (Hidroclorotiazida 12,5-25mg 1x/dia, Clortalidona 12,5-25mg 1x/dia,
Indapamida 2,5-5mg 1x/dia ou Indapamida SR 1,5-5mg 1x/dia).
Os de alça (Furosemida 40-x mg 1-2x/dia, Bumetanida 0,5 1-2x/dia) reservam-se
para os casos com comorbidades tais como insuficiência cardíaca (retenção de
volume) e insuficiência renal (Clcr < 30ml/min).
Os poupadores de potássio (espironolactona – 50-200 mg 1-2x/dia ou amilorida 2,5-
10mg 1x/dia) devem ser SEMPRE utilizados de forma associada.

O principal efeito adverso relacionado a esses medicamentos são os distúrbios


hidroeletrolíticos.

→ IECA
O mecanismo de ação desses medicamentos baseia-se na redução da
conversão de angiotensina I em angiotensina II com consequente diminuição da
reabsorção de sódio. Retardam o declínio da função renal em nefropatas.

Captopril 25-150mg 2-3x/dia


Enalapril 5-40mg 1-2x/dia

Seu principal efeito adverso é a tosse seca, seguida de angioedema, alteração do


paladar, erupção cutânea.
Não usar na gravidez. Usar com cautela em idade fértil.

→ BRA
Tais medicamentos funcionam a partir do bloqueio dos receptores ATI da
aldosterona, atuando assim no sistema renina, angiotensina, aldosterona,
culminando com a menor reabsorção renal de sódio.

Efeito benéfico na ICC e nefroprotetor em paciente diabético.

Losartana 25-100mg 1-2x/dia


Valsartana 80-320mg 1x/dia
Candesartan 8-16mg 1-2x/dia

Seus principais efeitos adversos são tontura e rash cutâneo.

→ Bloqueadores dos Canais de Cálcio


O mecanismo de ação desses fármacos baseia-se no bloqueio dos canais de cálcio
das células musculares vasculares, diminuindo assim a vasoconstrição e a
resistência vascular periférica.
Seus principais efeitos adversos são cefaléia e rubor facial, tontura, edema de
extremidades, hipertrofia gengival e obstipação intestinal. Verapamil e diltiazem
podem provocar depressão miocárdica e BAV

Verapamil 120-240mg 1-2x/dia


Diltiazem 180-240mg 1-2x/dia
Anlodipino 2,5-10mg 1-2x/dia

→ INIBIDORES ADRENÉRGICOS
Dividem- se em medicamentos de ação central, os quais agem diminuindo o tônus
adrenérgico. Apresentando como principal efeito adverso a hipotensão postural no
início do tto e disfunção sexual;
Melhora discreta no metabolismo lipídico e dos pacientes com HPB (hiperplasia
prost. Benigna)
Efeito discreto em monoterapia
Alfametildopa 500-1500 mg 2-3x/dia (contra-ind em insuf hepática. Uso em
grávidas. Galactorreia)
Clonidina 0,2-0,6mg 2-3x/dia (efeito rebote da hipertensão)
Reserpina 12,5-25mg 1-2x/dia

Beta Bloqueadores, os quais agem diminuindo o débito cardíaco, a secreção de


renina e promovendo a readaptação dos baroreceptores, seu principal efeito adverso
é a broncoconstrição, bradicardia, insônia, pesadelos, disfunção sexual, intolerância
a glicose, hipertrigliceridemia, aumento do LDL e redução do HDL;
Propranolol 40-240mg 2-3x/dia
Atenolol 25-100mg 2-3x/dia
Metoprolol 50-200mg 1-2x/dia
Contraindicados em asma brônquica, DPOC, BAV de segundo e terceiro graus

por fim os alfa bloqueadores que devem ser utilizados sempre em associação.
Doxasozina 1-16mg 1x/dia
Prazosina 1-20mg 2-3x/dia

Alfabetabloq
Carvedilol 12,5-50mg 2x/dia
Causam diminuição do DC e da secreção da renina, readaptação dos
barorreceptores e diminuição das catecolaminas nas sinapses nervosas.
Melhora do perfil lipídico e dos sintomas de HPB.
Causam broncoespasmo, bradi, vasoconstrição perif, insônia, disfunção sexual,
intolerância a glicose, hipertrigliceridemia...

→ VASODILATADORES DIRETOS
Esses fármacos atuam na parede vascular, promovendo o seu relaxamento,
diminuindo portanto a resistência vascular periférica.
Seu principal efeito adverso consiste na retenção hídrica.
Minoxidil 2,5-80mg 2-3x/dia
Hidralazina 50-200mg 2-3x/dia

→ INIBIDORES DIRETOS DE RENINA


Atuam no sistema renina, angiotensina, aldosterona promovendo a inibição direta da
Renina.
Alisquireno 150-300mg 1x/dia

Como principal efeito adverso tem- se a diarréia e o rash cutâneo.


● ESCOLHA TERAPÊUTICA

A escolha terapêutica da Hipertensão baseia-se na estágio da hipertensão do paciente e no


seu risco cardiovascular.

→ Estágio 1 risco cardiovascular moderado/ alto


Deve-se iniciar monoterapia com um dos seguintes medicamentos: DIU, IECA, BRA,
BCC ou BB( casos específicos de arritmias supra ventriculares, enxaqueca e
coronariopatias).
Após o tempo de resposta do medicamento, deve-se reavaliar o paciente, caso não
tenha havido resposta satisfatória pode-se aumentar a dose, associar outro medicamento,
ou trocar a escolha medicamentosa.

→ Estágio 1 risco alto/ Estágios 2 e 3


Deve-se iniciar o tratamento com terapia combinada de 2 dos mesmos
medicamentos citados para monoterapia em doses baixas.
Após o tempo de resposta dos medicamentos, o paciente deve ser reavaliado, no
caso de resposta inadequada, pode-se aumentar doses, associar o terceiro medicamento
ou trocar o esquema terapêutico.
#Associações fixas
Espironolactona 50
Diurético
+ Hidroclorotiazida
+diurético
50

Furosemida 20 +
espironolactona
100

Diurético + inibidor Alfametildopa 250


adrenérgico de + Hidroclorotiazida
ação central 15

Reserpina 25 +
Clortalidona 50
Propranolol (40,80
Diurético + Metoprolol 100 +
ou 80) + HCTZ
Betabloqueador HCTZ 12,5
(25.12,5.25)

Atenolol
Bisoprolol
(25.50.100) +
(2,5.5.10)+ HCTZ
Clortalidona
6,25
(12,5.12,5.25)

Captopril 50 +
Diurético + IECA
HCTZ 25

Enalapril
(10.20.50) + HCTZ
(25.12,5.25)
Losartana (50.50.100)
Diurético + BRA
+ HCTZ (12,5.25.25)

Valsartana
(80.160.160.320.320)
+ HCTZ
(12,5.12,5.25.12,5.25)

Alisquireno
Inibidor direto da (150.150.300.300)
renina + DIU + HCTZ
(12,5.25.12,5.25)
Nifedipino
BCC + Betabloq (10.20) +
Atenolol (25.50)

Anlodipino (5.5)
+ Atenolol
(25.50)

Anlodipino
BCC + IECA (2,5.5.5) + Enalapril
(10.10.20)
Anlodipino
(2,5.5.5) +
BCC + BRA
Losartana
(50.50.100)

Anlodipino (5.5.10.10)
+ Valsartana
BCC + BRA + DIU
(160.160.160.160) +
HCTZ (12,5.25.12,5.25)