Você está na página 1de 56

EIXO TEMÁTICO:

MARXISMO, MATERIALISMO HISTÓRICO DIALÉTICO, LUTAS DE CLASSES, REVOLUÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1

VIII EBEM, 2018 Encontro Brasileiro de Educação e Marxismo Cascavel Paraná Eixo Temático: Marxismo, Materialismo Histórico Dialético, Lutas de Classes, Revolução e Emancipação Humana ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 01

A formatação dos textos é de responsabilidade de seus autores.

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL COMO INSTRUMENTO DE EMANCIPAÇÃO DA CLASSE TRABALHADORA Karla Rodrigues Mota Cláudia Helena dos

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL COMO INSTRUMENTO DE EMANCIPAÇÃO DA CLASSE TRABALHADORA

Karla Rodrigues Mota Cláudia Helena dos Santos Araújo Bruno Gonçalves dos Santos

1. Introdução

A Educação Profissional apresenta estreita relação com o mundo do trabalho e

com a concepção de sociedade que se almeja construir. Contudo a forma como o trabalho

e, consequentemente, a profissão são apresentados ao indivíduo depende de “quem”

detém o poder hegemônico da sociedade.

Isto posto, cabe, primeiramente, compreender o caráter dual da educação

profissional que tanto pode atuar como um aparelho ideológico a serviço do capital,

“encarcerando” o homem ao desempenho de uma função, quanto pode se configurar como

um instrumento de desvelamento da realidade, o qual pode permitir a conscientização e

emancipação da classe trabalhadora.

Todavia, para atuar como elemento liberador, torna-se necessário ensinar ao

proletário, não somente a técnica que permite produzir a existência humana moderna,

muito menos se restringir aos discursos exclusivamente teóricos que não fazem relação

com a realidade concreta. Trata-se, portanto, de evidenciar ao trabalhador que o seu

trabalho é composto, simultaneamente, de uma dimensão intelectual e de uma dimensão

material, refletindo um “[

processo em que o homem, por sua própria ação, media,

regula e controla seu metabolismo com a Natureza” (MARX, 1996, p. 297).

]

2. Educação como veículo de mudança ou educação como veículo de manutenção?

O homem em sua gênese constitui-se de um ser que trabalha, educa e é educado,

qualidade que o diferencia e o afasta dos demais animais (SAVIANI, 2007). Dentre tais

características, é o trabalho o elemento que particulariza o ser humano, pois através dessa

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

1

intervenção intencional sobre a natureza o homem consegue produzir sua existência e, principalmente, porque “ao

intervenção intencional sobre a natureza o homem consegue produzir sua existência e, principalmente, porque “ao atuar, por meio desse movimento, sobre a Natureza externa a ele e ao modificá-la, ele modifica, ao mesmo tempo, sua própria natureza” (MARX, 1996, p. 297). Esse processo de modificar a natureza externa e interna não é nato, não é instintivo, mas sim um processo ensinado e aprendido. Portanto, ontologicamente, trabalhar é, também, um processo educativo. Segundo Mészáros (2008), a institucionalização da educação cumpre, desde a sua origem, uma dupla função, pois garante o repasse de conhecimentos à mão-de-obra que irá operar e manter a máquina produtiva e, principalmente, perpetua os valores que asseguram e inculcam em todos os indivíduos a necessidade de aceitar e reconhecer como seus os interesses dos grupos dominantes. Sob este prisma, a escola constitui-se de um aparelho ideológico, que dissemina as ideias e valores do grupo que detém os meios de produção, impossibilitando que a classe trabalhadora se reconheça como força produtiva. A educação, neste momento, deixa de ser um processo de tornar-se homem, para tornar-se instrumento de alienação, permitindo que o grupo dominante detenha não somente a produção material, mas também a produção intelectual da sociedade. Trata-se de um esforço para assegurar um movimento já anunciado por Marx e Engels (1998) em A Ideologia Alemã: que o pensamento da “massa privada de propriedade” encontre-se submetido à classe dominante. Logo, as determinações reprodutivas em mutação do sistema do capital interferem de forma contundente na escola, visto que tal instituição só pode funcionar adequadamente se estiver em sintonia com as “determinações gerais da sociedade” (MÉSZÁROS, 2006). Isto posto, compreende-se a ineficácia das utopias educacionais que buscam transformar a educação sem fazer relação com a sociedade na qual os indivíduos estão inseridos. Tais “mudanças”, por serem desencontradas da realidade, não

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

2

são (e não serão) capazes de, por si só, romperem com o modo de produção

são (e não serão) capazes de, por si só, romperem com o modo de produção capitalista e, consequentemente, com os processos alienantes (idem, 2008). Esta realidade contraditória castra a essência ontocriativa humana, impedindo que o indivíduo, naturalmente e espontaneamente, crie e recrie, como era em sua gênese. Segundo Freire (2014), a superação desta situação se iniciará no momento em que os oprimidos 1 compreendam a histórica desumanização que lhe impuseram bem como a sua condição de seres injustiçados e roubados, “roubados na sua palavra, por isto no seu trabalho comprado, que significa sua pessoa vendida” (idem, ibidem, p. 50). Tais indivíduos, ao reconhecerem esta realidade como opressora, convertem essas contradições em motor de transformação e libertação tanto sua quanto dos demais. Segundo Mészáros (2008), “a aprendizagem é a nossa própria vida”, ocorrendo em todos os momentos que o homem interage com os outros homens e com a natureza que o cerca. Assim, o êxito desse processo depende, também, de tornar o indivíduo consciente da forma como se dá a aprendizagem, ou seja, dependerá de evidenciar que ele é educado na e pela própria realidade. O homem não pode ser compreendido como um ser externo ao mundo, mas sim como parte dele. Ao contrário de uma adaptação ou um ajustamento ao desumanizante modo de produção capitalista, educar deve se constituir de um ato de integrar o homem ao seu contexto, à sua realidade, tornando-o sujeito. Educar é integrar, e integrar é enraizar o homem no mundo (FREIRE, 1983). Ainda nessa perspectiva de uma proposta educativa que promova a emancipação, torna-se necessário defender a educação em sua dimensão ontológica, estritamente

1 Neste escrito usaremos a expressão oprimido(s) e dominado(s) como sinônimos de classe trabalhadora. Ao partirmos de uma perspectiva materialista histórico-dialética, compreendemos que os sujeitos que compõe a massa de trabalhadores por estarem inseridos de forma não autônoma dentro do sociometabolismo do capital encontram-se também na condição de dominados e oprimidos pelos grupos detentores dos meios de produção, ou seja, pelos grupos dominantes/opressores.

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

3

articulada com o movimento dialético da produção da existência humana. Uma proposição também defendida por

articulada com o movimento dialético da produção da existência humana. Uma proposição também defendida por Mészáros (2008), o qual afirma que

A transformação social emancipadora radical requerida é inconcebível sem uma concreta e ativa contribuição da educação no seu sentido

a educação não pode funcionar suspensa no ar. Ela pode e

deve ser articulada adequadamente e redefinida constantemente no seu

inter-relacionamento dialético com as condições cambiantes e as necessidades da transformação social emancipadora e progressiva em curso” (idem, ibidem, p. 76-77).

Uma educação que aponte para a mudança deve primar pela libertação e humanização da classe trabalhadora. Somente depois de conscientizados sobre a opressão desumanizante que foram historicamente submetidos é que os oprimidos conseguirão lutar por sua emancipação. Ou seja, a libertação não se dá ao acaso, e muito menos por

uma concessão dos grupos dominantes, a libertação se dá “[

pelo conhecimento e reconhecimento da necessidade de lutar por ela” (FREIRE, 2014, p. 43, grifo nosso). Educar para a mudança da ordem social vigente, ao contrário de “sectarizar”, deve ser um movimento de reintegração do homem às suas dimensões ontológicas. Para tanto, a escola deve se opor ao processo de inculcação ideológica e de difusão dos valores dominantes, desvelando ao sujeito as contradições inerentes ao modo de produção capitalista. Somente assim, apresentando e evidenciando ao oprimido que “a história de todas as sociedades até agora tem sido a história da luta de classes” (MARX; ENGELS, 2008, p. 8), é que a educação pode fazer da desumanização o instrumento para humanizar os homens, permitindo-os serem livres pra criar.

amplo [

]

]

pela práxis de sua busca;

3. Emancipação por meio da Educação Profissional A forma como o homem produz sua existência, além de uma relação natural, constitui-se de uma relação social, visto que os vários indivíduos organizam coletivamente suas ações visando produzir a sua existência, deste modo, tanto as

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

4

representações quanto o pensamento dos homens se configuram como uma “a emanação direta dos seu

representações quanto o pensamento dos homens se configuram como uma “a emanação direta dos seu comportamento material” (MARX; ENGELS, 1998, p. 18). A produção intelectual e a educação, nesta perspectiva, se configuram como um mecanismo de conformação social intimamente associado ao metabolismo social vigente. De acordo com Saviani (2007), com o surgimento do modo de produção capitalista a ciência é apropriada como um meio de produção, essa passa a ser incorporada no processo de produção de mercadorias bem como no âmbito social. Neste momento, para a viabilização do desenvolvimento industrial torna-se imprescindível “fabricar” mais indivíduos que dominassem as linguagens e códigos, sendo necessário, então, a instrução da massa privada de propriedade. Todavia, a transferência do conhecimento historicamente produzido não foi (e ainda não é) feita na sua integralidade, mas sim, em ‘doses puramente homeopáticas’, ou seja, aos proletários repassa-se apenas uma porção de conhecimento, aquela estritamente necessária para o desempenho de sua função. Deste modo, a educação profissional se configurou como mais um instrumento de manutenção da sociedade de mercadorias, objetivando, tão somente, adestrar o trabalhador, moldá-lo, treiná-lo e adequá-lo à máquina. A classe trabalhadora e suas

diversas funções dentro da indústria são reificadas. O desenvolvimento industrial, por ter sido encabeçado somente por uma parte da sociedade, a classe dominante, torna o empregado-oprimido apenas mais uma peça dentro da indústria, ao passo que permite aos

detentores dos meios de produção irem “[

se apropriando, cada vez mais, da ciência

também, como instrumento para as suas finalidades. Da tecnologia, que usam como força indiscutível de manutenção da ‘ordem’ opressora, com a qual manipulam e esmagam” (FREIRE, 2014, p. 65). A escola que emerge do sociometabolismo do capital é uma escola fragmentada, “é uma escola dividida em duas (e não mais do que duas) grandes redes, as quais correspondem à divisão da sociedade capitalista em duas classes fundamentais: a

]

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

5

burguesia e o proletariado” (SAVIANI, 2001, p. 25), a qual atribui qualidades distintas ao trabalho

burguesia e o proletariado” (SAVIANI, 2001, p. 25), a qual atribui qualidades distintas ao trabalho manual e ao trabalho intelectual. A preparação da classe trabalhadora para o desempenho de uma atividade dentro da indústria restringe-se ao desenvolvimento de habilidades técnicas (manuais) específicas, ao passo que para a pequena elite é repassado todo o conhecimento historicamente produzido, permitindo o desenvolvimento máximo de suas faculdades mentais, em outras palavras, “ensino profissional é destinado àqueles que devem executar, ao passo que o ensino científico-intelectual é destinado àqueles que devem conceber e controlar o processo” (SAVIANI, 2003, p. 138). Segundo Mészáros (2008), esta sociedade mercantilizada, fundamentalmente marcada pela meritocracia, tecnologia e empreendedorismo, difunde a necessidade dos indivíduos encararem os problemas em si mesmos, apresentando soluções pontuais, ao passo que desestimula e omite a possibilidade de compreender o problema como um todo. Em ambos os casos, tanto a formação intelectual das elites quanto a formação manual dos trabalhadores, a educação produz um homem cindido, pois não conseguem conceber o trabalho humano como práxis, como o emprego das potências humanas ontologicamente indissociáveis: a potência material e a potência intelectual. Contudo, essa dualidade afeta de forma contundente os grupos oprimidos, impedindo que esses indivíduos compreendam o processo produtivo como um todo e, por consequência, as relações desumanizantes que sustentam o modo de produção vigente. Para Mészáros (2008), essa alienação do trabalho é o alicerce de todas as outras formas de alienação existentes, sendo o elemento que permite difundir as contradições mistificadoras da realidade como algo insuperável. Segundo Freire (2014), os oprimidos somente conseguirão desenvolver uma consciência crítica frente a opressão no movimento “concreto” de busca por essa conscientização, somente “através da práxis autêntica que, não sendo ‘blá-blá-blá’, nem ativismo, mas ação e reflexão, é possível fazê-lo” (idem, ibidem, p. 52). A práxis aqui

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

6

deve ser compreendida como uma estreita conexão entre ação e reflexão dos indivíduos sobre a

deve ser compreendida como uma estreita conexão entre ação e reflexão dos indivíduos sobre a realidade, sem a qual é inimaginável sonhar com a mudança. Isto posto, compreende-se que a conscientização dos trabalhadores e a sua consequente emancipação somente será possível por meio da união entre teoria e prática, matéria e intelecto, trabalho manual e trabalho intelectual, sendo necessário, portanto, um “novo” modelo de educação profissional. Diante desta perspectiva, Saviani (2003), propõe que a educação profissional da classe trabalhadora seja politécnica. Não se trata, como o sentido literal da palavra poderia sugerir, do domínio das mais variadas técnicas, mas sim de uma proposição educativa onde a politecnia

diz respeito ao domínio dos fundamentos científicos das diferentes

técnicas que caracterizam o processo de trabalho produtivo moderno. Está relacionada aos fundamentos das diferentes modalidades de trabalho e tem como base determinados princípios, determinados fundamentos, que devem ser garantidos pela formação politécnica. Por quê? Supõe-se que, dominando esses fundamentos, esses princípios, o trabalhador está em condições de desenvolver as diferentes modalidades de trabalho, com a compreensão do seu caráter, da sua essência. Não se trata de um trabalhador adestrado para executar com perfeição determinada tarefa e que se encaixe no mercado de trabalho para desenvolver aquele tipo de habilidade. Diferentemente, trata-se de propiciar-lhe um desenvolvimento multilateral, um desenvolvimento que abarca todos os ângulos da prática produtiva na medida em que ele domina aqueles princípios que estão na base da organização da produção moderna (SAVIANI, 2003, p. 140).

] [

Esta concepção de formação humana aproxima-se da proposta de educação para além do capital de Mészáros (2008), a qual visa acompanhar e fomentar o sujeito no processo de autogestão do processo produtivo. Não se trata de um ensino vocacional e muito menos geral, se configurando como elemento constituinte da autogestão, visto que diante desta “nova” formação, o indivíduo pode controlar as bases materiais, técnicas, científicas e sociais da produção moderna.

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

7

A educação politécnica aponta para a formação omnilateral do indivíduo, ou seja, aponta para um

A educação politécnica aponta para a formação omnilateral do indivíduo, ou seja, aponta para um processo educativo o qual permite que o homem desenvolva ao máximo todas as suas potencialidades, sejam elas de caráter manual, intelectual, cultural, científico e social (SAVIANI, 2003). De posse dessa formação, o homem compreende o trabalho, não mais como um processo desumanizante, mas como uma inteira manifestação de si, como elemento indispensável para garantir a sua existência e a dos demais, assim como era em sua origem. De acordo com Marx e Engels (1998, p. 19), “são os homens que, desenvolvendo sua produção material e suas relações materiais, transformam, com a realidade que lhes é própria, seu pensamento e também os produtos de seu pensamento”, assim ao modificar a forma como os indivíduos enxergam o trabalho, bem como a forma que imprimem suas potencias manuais e intelectuais sobre a natureza, é possível apontar para um horizonte onde a classe trabalhadora se emancipe do trabalho escravizador e trabalhe de forma livre em prol do bem comum.

4. Considerações finais Em suma, percebe-se que a Educação Profissional, de acordo com seus fundamentos ideológicos, tem a capacidade de formar homens distintos. Quando se pauta na sociedade de mercadorias se constitui de um forte instrumento alienante, um aparelho ideológico, o qual inculca no indivíduo a ideologia burguesa fazendo-o acreditar e aceitar como natural a sua realidade de exploração e opressão. Ao passo que se o primado dessa educação for o sujeito, a educação profissional, pode-se configurar como uma atividade criadora, formando um homem omnilateral, o capacitando para o mundo do trabalho, para uma vida digna e para a liberdade A violência da realidade opressora faz com que os oprimidos sejam impedidos de serem ontologicamente homens (FREIRE, 2014). Para tanto torna-se imprescindível

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

8

alicerçar as bases da educação profissional nos pilares da desalienação, por meio da qual ensine

alicerçar as bases da educação profissional nos pilares da desalienação, por meio da qual

ensine à classe trabalhadora substituir a falsa consciência que a sociedade burguesa

desumanizadora lhes inculcou por “ensinamentos correspondentes à essência do homem”

(MARX; ENGELS, 1998, p. 3).

5. Referências Bibliográficas

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 14.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

Pedagogia do oprimido. 56.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

MARX, Karl. O Capital: Crítica da Economia Política. Livro primeiro, tomo 1. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. Tradução Luiz Cláudio de Castro Costa. São Paulo: Editora Martins Fontes, 1998.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do partido comunista. 1.ed. São Paulo:

Expressão Popular, 2008.

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. Tradução Isa Tavares. 2.ed. São Paulo: Editora Boitempo, 2008.

A teoria da alienação em Marx. Tradução Isa Tavares. São Paulo: Editora Boitempo, 2006.

SAVIANI, Dermeval. O choque teórico da politecnia. Trabalho, educação e saúde, v.

1, n. 1, mar.

2003, p. 131-152.

Escola e democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre a educação política. 34.ed. Campinas: Editora Autores Associados, 2001.

Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação, v. 12, n. 34, jan./abr. 2007, p. 152-180. Disponível em:

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

9

Autor/as: Karla Rodrigues Mota Mestranda em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) pelo Instituto Federal de

Autor/as:

Karla Rodrigues Mota Mestranda em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás câmpus Anápolis. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas Panecástica. Membro do Grupo de Pesquisa KADJÓT. Docente da rede privada de ensino de Anápolis-GO (e-mail: karla_mota@msn.com). Cláudia Helena dos Santos Araújo Doutora em Educação. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas Panecástica. Membro do grupo de pesquisa KADJÓT. Docente e pesquisadora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional e Tecnológica (e-mail: helena.claudia@gmail.com). Bruno Gonçalves dos Santos Mestre em Ciências Sociais e Humanidades (TECCER). Docente da rede privada de ensino de Anápolis-GO (e-mail: brunodrops@hotmail.com).

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

10

O CONCEITO GRAMSCIANO DE HEGEMONIA: INTERLOCUÇÕES COM O PENSAMENTO DE ERNESTO LACLAU E CHANTAL MOUFFE

O CONCEITO GRAMSCIANO DE HEGEMONIA:

INTERLOCUÇÕES COM O PENSAMENTO DE ERNESTO LACLAU E CHANTAL MOUFFE

Adriele Andreia Inacio Adair Angelo Dalarosa

Introdução

O texto foi escrito como exercício inicial de uma pesquisa que objetiva analisar o

alcance e as divergências do conceito de hegemonia na atualidade. Tem como

problemática central a análise do conceito de hegemonia utilizado pelo filósofo Antonio

Gramsci e das considerações feitas pelos autores Ernesto Laclau e Chantal Mouffe em

seu livro hegemonia e estratégia socialista: por uma política democrática radical.

Importante salientar que o texto apresenta uma análise breve, resultado de estudo

em andamento e que, ao finalizá-lo, terá nova redação.

Falar do conceito de Hegemonia presente na obra de Antonio Gramsci não é algo

fácil. Gramsci utiliza inúmeros conceitos no desenvolvimento de sua teoria sendo que

nenhum deles pode ser explicado ou interpretado isoladamente. Todos os conceitos se

articulam,por assim dizer, por um fio condutor que é a política. Gramsci utiliza o conceito

de Hegemonia relacionado ao conceito de Estado, de revolução, de articulação política, e

assim relaciona com o papel dos intelectuais, com a educação, etc.

Quando Gramsci analisa o Estado, busca atribuir-lhe uma função diferente

daquela tradicionalmente dada pelos liberais e o faz vinculando essa nova forma de

organização do Estado relacionada ao conceito de hegemonia.

Gramsci, assim, sinaliza a passagem de uma concepção de Estado- nacional-popular, capaz de reapropriar-se do poder separado, imposto e esvaziado pelos grupos supra e sub-nacionais, Um poder em condições de dar substancia democrática, de levar as classes trabalhadoras a tomar posse de seu território, das suas riquezas, dos

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

11

meios de produção e do conhecimento de modo a elaborar seus próprios desenhos políticos. Neste

meios de produção e do conhecimento de modo a elaborar seus próprios desenhos políticos. Neste sentido, considerando o sentido que Gramsci deu a hegemonia, toda verdadeira organização política popular não deve visar a sua perpetuação no poder porque ‘não se confunde com o governo, mas é instrumento para a passagem da sociedade civil-política à ‘sociedade regulada’, pelo fato de absorver em si as duas, para superá- las, não para perpetuar a contradição’. (SEMERARO, 2006, p. 169)

Decorre do modo como Gramsci pensa a política ser impossível desvincular a ideia de Estado, sociedade, democracia e hegemonia. A política constitui o fio condutor e o elo entre os diferentes aspectos. A rigor, considerando uma sociedade de classes, não se pode falar em democracia sem pensar a hegemonia. O Estado burguês é antes de tudo um Estado de classes, e assim é a representatividade política neste Estado. A classe que é representada no poder do Estado é a classe hegemônica que, pode inclusive não exercer uma hegemonia total, mas exerce a hegemonia política e o poder. É possível que determinado grupo ou fração de classe detenha a hegemonia do poder econômico, mas não obtenha ao mesmo tempo a hegemonia política, ideológica, cultural. Daí a necessidade de explicitar as tramas, as contradições no seio de determinada sociedade para poder explicitar em que bases se assenta a direção política, a hegemonia de determinado grupo.

Podemos concluir que uma das maiores novidades que Gramsci traz para a ciência política é o fato de ter vislumbrado a criação de um Estado, nunca imaginado até então, que pudesse existir sem tornar-se um Aparelho separado, sem ser imposto sem recorrer a violência e ao sortilégio. É esta a chave para entender o verdadeiro sentido da hegemonia. (SEMERARO, 2006, p. 171)

Feitas as primeiras considerações sobre a vida, obra e o conceito de hegemonia de Antonio Gramsci passamos a uma breve análise de seu uso histórico, de seus limites no interior das interpretações marxistas até as considerações do próprio Gramsci.

Breve Retrospectiva Histórica do Uso do Conceito de Hegemonia.

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

12

A análise marxista da realidade busca explicitar a mesma partindo da materialidade e do movimento

A análise marxista da realidade busca explicitar a mesma partindo da materialidade e do movimento dialético como princípio. A dialética da materialidade e sua complexidade no âmbito de uma totalidade social nos coloca diante do problema de como explicar e superar esta mesma realidade. Historicamente o marxismo tem explicado a dinâmica da sociedade capitalista pela lógica da sociedade de classes tendo a luta pelo poder econômico como motor e como base para a política, a cultura, a ética, a subjetividade. Diferentes leituras do movimento do real foram feitas por autores que tomaram a teoria marxiana como base. Esse conjunto de explicações da teoria Marxiana tem sido denominado de marxismo. Decorre desta primeira “cisão” a necessidade de distinguir os limites e a crítica de determinada análise sobre o pensamento de Marx e Engels, significa dizer, a necessidade de explicitar se a insuficiência, o limite é da própria teoria marxiana ou das interpretações desta: o marxismo. É no contexto das diferentes interpretações marxistas da realidade que surge o conceito de hegemonia para, no dizer de Laclau e Mouffe, indicar uma “ausência”. Desse modo,

Conceito de hegemonia não surgiu para definir um novo tipo de relação em sua identidade específica, mas para preencher um hiato que havia sido aberto na cadeia da necessidade histórica. “Hegemonia” fará alusão a uma totalidade ausente, e às diversas tentativas de recomposição e rearticulação que, ao superar essa ausência original, permitiram que se desse um sentido `as lutas e se dotasse as forças históricas de plena positividade. (LACLAU, E.; MOUFFE, C., 2015, p.

57).

Referindo-se a social democracia russa e as dinâmicas da sociedade capitalista e de suas interpretações pelos marxistas, entre eles Lênin, os autores citados afirmam que finalmente com Gramsci, o termo adquire um novo tipo de centralidade, que transcende seu uso tático ou estratégico: Hegemonia se torna o conceito-chave na compreensão da

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

13

própria unidade do existente numa formação social concreta ” . (LACLAU, E.; MOUFFE, C., 2015,

própria unidade do existente numa formação social concreta. (LACLAU, E.; MOUFFE, C., 2015, p. 58). Em meio ao dilema da unidade da classe trabalhadora ou de como a consciência do indivíduo se relaciona com a questão relativa a classe social, Laclau e Mouffe afirmam que

O conceito de “Hegemonia”emergirá precisamente num contexto dominado pela experiência de fragmentação e pela indeterminação das articulações entre diferentes lutas e posições do sujeito. Ele dará uma resposta socialista num universo político-discursivo que testemunhou uma batida em retirada da categoria de “necessidade” do horizonte do social. Frente as tentativas de resolver a crise de um monismo essencialista através de uma profusão de dualismos livre arbítrio/determinismo; ciência/ética; individuo/coletividade; causalidade/teleologia-, a teoria da hegemonia fundamentará sua resposta num deslocamento do terreno que possibilitou a alternativa monista/dualista. (LACLAU, E.; MOUFFE, C., 2015, p. 65).

Laclau e Mouffe analisam o que, para eles, seria uma crise do marxismo ou então, a insuficiência das interpretações marxistas diante do avanço do capitalismo. A insuficiência do marxismo na análise da realidade seria motivada pelo mecanicismo e

pelo economicismo como categorias de análise da realidade. Referindo-se a Kautski e sua interpretação do marxismo afirmam que “em todas as áreas da sociedade tinha lugar uma automização de esferas, que implicava que em qualquer tipo de unidade só pudesse ser

atingido através de formas instáveis e complexas da realidade [

teoria e programa era de total implicação, a crise política foi reduplicada como crise teórica. Em 1898, Thomas Masaryk cunhou a expressão que logo se tornou popular: a “crise do marxismo”. (LACLAU, E.; MOUFFE, C., 2015, p. 70). Segue-se a isso que

Essa crise, que serviu de pano de fundo a todos os debates das complexidades e resistências de um capitalismo crescentemente organizado, e a fragmentação das diferentes posições dos agentes sociais que, de acordo com marxistas da vida do século XIX para o XX até ã guerra, parece ter sido dominada por dois momentos básicos a

E como a relação entre

].

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

14

nova consciência da capacidade do social, o paradigma clássico, deveriam ter se unido. (LACLAU, E.;

nova consciência da capacidade do social, o paradigma clássico, deveriam ter se unido. (LACLAU, E.; MOUFFE, C., 2015, p. 70).

as Luxemburgo, Sorel, Labríola entre outros.

Os

autores

citados

analisam

várias

respostas

a

crise

dadas

por

Rosa

O ponto decisivo e é isto que faz de Sorel o mais profundo e original pensador da segunda internacional - é que a própria identidade dos agentes sociais se torna indeterminada e que toda fixação “mítica”que se faça dela dependa de alguma luta. O conceito de “Hegemonia” que emergiu na social-democracia russa que, como veremos, também supunha uma lógica da contingência era deste ponto de vista muito menos radical. (LACLAU, E.; MOUFFE, C., 2015, p. 99).

Sobre as diferentes leituras que se possa fazer da obra de Gramsci, entre elas a de um teórico revolucionário ou reformista, Laclau e Mouffe afirmam que:

De fato, a inovação teórica de Gramsci se localizou num nível mais geral, de modo que ambas as leituras são possíveis e parcialmente válidas. Mais do que qualquer outro teórico de seu tempo, Gramsci ampliou o terreno da recomposição política e da hegemonia, ao mesmo tempo em que ofereceuuma teorização do vínculo hegemônico que ia claramente além da categoria leninista de “aliança de classes”. (LACLAU, E.; MOUFFE, C., 2015, p. 130).

Segue a análise sobre o conceito de hegemonia, seu alcance e limites afirmando

que:

O campo geral de emergência da hegemonia é o das práticas articulatórias, isto é, um campo onde os “elementos” não se cristalizam em “momentos”. Num sistema fechado de identidades relacionais, no qual o significado de cada momento é absolutamente fixo, não há qualquer lugar para uma prática hegemônica. Um sistema de diferenças plenamente bem sucedido, que excluísse todo significante flutuante, não possibilitaria qualquer articulação; o princípio da repetição dominaria toda prática no interior deste sistema e não haveria nada a hegemonizar. (LACLAU, E.; MOUFFE, C., 2015, p. 213).

Após densa explanação no seu livro Hegemonia e estratégia socialista: por uma política democrática radical, Laclau e Mouffe concluem:

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

15

Este livro foi construído em torno das vicissitudes do conceito de Hegemonia, da nova lógica

Este livro foi construído em torno das vicissitudes do conceito de Hegemonia, da nova lógica do social nele implícita, e ods “obstáculos epistemológicos” que, de Lênin a Gramsci, impediram uma compreensão de seu potencial político e teórico radical. Só quando o caráter aberto, não-suturado do social é totalmente aceito, quando o essencialismo da totalidade e dos elementos é rejeitado, é que este potencial torna-se claramente visível e a “hegemonia” pode vir a constituir-se numa ferramenta fundamental de análise política de esquerda. (LACLAU, E.; MOUFFE, C., 2015, p. 283).

As breves considerações feitas sobre os autores e o uso do conceito de hegemonia serviram para situar o estudo sobre a categoria de Hegemonia no pensamento de Antonio Gramsci. Embora breve, a análise nos auxilia a ampliar o entendimento do conceito e do alcance da teoria do filosofo italiano. No próximo item faremos uma breve analise do conceito de hegemonia na obra de Antonio Gramsci.

O conceito de Hegemonia na Obra de Antonio Gramsci. Na obra de Gramsci o conceito de hegemonia aparece inúmeras vezes. Como dissemos no início do texto, Gramsci articula os diversos conceitos de sua teoria com a política tendo em vista que as ações humanas estão sempre ligadas a luta pela direção política. Nas sociedades de classes essa luta implica em exercer a direção política sobre as classes contrarias. Assim se dá a luta por hegemonia política. Segundo o dicionário do Pensamento Gramsciano,

A primeira recorrência do termo “hegemonia” está no Q 1, 44, 41, no qual encontramos a expressão “hegemonia política”, expressão introduzida por G. entre aspas,para indicar a sua particular Valencia em relação ã genérica acepção de “preeminência”, “supremacia”, que se encontra em sequência no mesmo apontamento, constituindo um aspectro extremamente amplo de significados em um âmbito de contextos que vai da economia até a literatura, da religião até a antropologia, da psicologia até a lingüística. (LIGUORI, G.; VOZA, P. 2017, P. 365).

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

16

Sobre a filosofia da práxis em contraponto as demais formas de interpretar a realidade –

Sobre a filosofia da práxis em contraponto as demais formas de interpretar a realidade e sempre com a preocupação política - Gramsci também se refere ao conceito de hegemonia no item “Tradutibilidade das linguagens cientificas”, ao dizer

As notas escritas nesta rubrica devem ser recolhidas precisamente na rubrica geral sobre as relações das filosofias especulativas com a filosofia da práxis e da relação delas a esta como momento político que a filosofia da práxis explica “políticamente”. Redução a política, a momento da vida histórico-política, de todas as filosofias especulativas; a filosofia da práxis concebe a realidade das relações humanas de conhecimento como elemento de “hegemonia”política. (GRAMSCI, 1999, p. 315).

Exercer a direção política implica também articular uma interpretação da vida e das relações sociais de acordo com a visão de mundo daqueles que exercem o comando político da sociedade. Assim, exercer a hegemonia política também implica na permanente articulação entre os interesses da classe dirigente e da organização da cultura. A esse aspecto Gramsci diz que:

Sempre que aflora, de um modo ou de outro, a questão da língua, isto significa que uma série de outros problemas está se impondo: a formação e a ampliação da classe dirigente, a necessidade de estabelecer relações mais íntimas e seguras entre os grupos dirigentes e a massa popular-nacional, isto é, de reorganizar a hegemonia cultural. (GRAMSCI, 2002, p. 146).

Sobre a função dos partidos políticos Gramsci analisa a relação destes com a questão da hegemonia. A crise de hegemonia significa então a perda da capacidade dirigente de um ou mais partidos políticos. “Ela ocorre quando em um certo ponto de sua vida histórica, os grupos sociais se separam de seus partidos tradicionais, isto é, os partidos tradicionais naquela dada forma organizativa, como aqueles determinados homens que os constituem, representam e dirigem, não são mais reconhecidos como sua expressão por sua classe ou fração de classe” (GRAMSCI, 2000, p. 60). Conclui

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

17

afirmando que “o processo é diferente em cada país, embora o conteúdo seja o mesmo.

afirmando que “o processo é diferente em cada país, embora o conteúdo seja o mesmo. E

o conteúdo é a crise de hegemonia da classe dirigente” (

).(GRAMSCI, 2000, p. 60).

Ao analisar a função do Estado Gramsci afirma que,

Se é verdade que nenhum tipo de estado pode deixar de atravessar uma fase de primitivismo econômico-corporativa, disso se deduz que o conteúdo da hegemonia política do novo grupo social que fundou o novo tipo de Estado deve ser deve ser predominantemente de ordem econômica: trata-se de reorganizar a estrutura e as relações reais entre os homens e o mundo econômico ou da produção. GRAMSCI, 2000, p.

286).

Ainda sobre a função do Estado, referindo-se ao “Estado-gendarme-guarda noturno”, Gramsci afirma:

Estamos sempre no terreno da identificação de Estado e Governo, identificação que é, precisamente, uma representação da forma corporativo-econômica, isto é, da confusão entre sociedade civil e sociedade política, uma vez que se deve notar que na noção geral de estado entram elementos que devem ser remetidos à noção de sociedade civil(no sentido, seria possível dizer, de que Estado = sociedade política + sociedade civil, isto é, hegemonia couraçada de coerção). GRAMSCI, 2000, p. 286).

Referindo a sociedade civil, Gramsci alerta para o fato de não ser ela algo externo, oposto, ao Estado. Para Gramsci, Estado e Sociedade Civil se inter relacionam dialeticamente e tem direta vinculação com a questão da hegemonia.

É preciso distinguir a sociedade civil tal como é entendida por Hegel e no sentido que é, muitas vezes usada nestas notas (isto é, no sentido de hegemoniapolítica e cultural de um grupo social sobre toda a sociedade, como conteúdo ético do Estado) do sentido que lhe dão os católicos, para os quais a sociedade civil, ao contrário, é a sociedade política ou o estado, em oposição a sociedade familiar e à igreja. (GRAMSCI, 2000, p. 225).

Embora não seja objeto de análise deste texto, podemos afirmar que essa distinção é sempre necessária e que ao interpretar momentos históricos da política brasileira

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

18

também se cometeu tal engano. É o caso de relações feitas a teoria de Gramsci

também se cometeu tal engano. É o caso de relações feitas a teoria de Gramsci para distinguir o Estado autoritário do período militar com a necessidade de retorno a política elegendo novamente governantes civis. A oposição Estado/sociedade civil ocupou o papel de opor estado Militar a estado não militar. Em toda obra de Gramsci o conceito de hegemonia aparece muitas vezes. Poderíamos citar muitas outras passagens onde Gramsci se refere ao mesmo. Contudo, os limites aos quais o texto se insere dificulta tal empreendimento.

Considerações Finais Ao finalizar este texto podemos afirmar que sua elaboração foi de grande importância pelo fato de possibilitar um contato mais próximo com a obra de Antonio Gramsci e de intelectuais que analisam seu pensamento. Pudemos constatar que a categoria da hegemonia foi utilizada com diferentes alcances por autores que analisaram o movimento da política na sociedade de classes e que, embora com diferentes perspectivas de analise, os autores sempre utilizaram este conceito para indicar o movimento de permanência/superação de determinado contexto histórico. Ao utilizar o conceito de hegemonia, em especial em Antonio Gramsci, constata-se continuamente a referência a necessidade de dar uma direção política a um determinado período histórico. Em tese, a hegemonia é o exercício de formar o consenso em torno de determinado projeto político e societário. Como anunciamos na introdução, o texto constitui um exercício de leitura e aprendizado da teoria e do conceito de hegemonia de Antonio Gramsci. Na continuidade do estudo teremos que necessariamente reescrevê-lo para dar-lhe consistência e profundidade necessárias a um texto acadêmico/cientifico.

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

19

Cientes das limitações deste texto e de seu caráter introdutório,esperamos poder contribuir para a difusão

Cientes das limitações deste texto e de seu caráter introdutório,esperamos poder

contribuir para a difusão do pensamento crítico sempre necessário a superação do modelo

social vigente.

Bibliografia

FIORI, Giuseppe. Antonio Gramsci. Vita attraverso Le lettere. Torino: Einaudi, 1994.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. V. 1. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. V. 2. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. V. 3. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. V. 4. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. V. 5. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. V. 6. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

GRAMSCI, A. Cartas do cárcere. V. 1. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

GRAMSCI, Antonio. Epistolário V. 2 gennaio-novembre 1923. Roma:Instituto Della Enciclopédia Italiana, 2011.

LACLAU, E. MOUFFE, C. Hegemonia e estratégia socialista: por uma política democrática radical. São Paulo: Intermeios; Brasília: CNPq, 215 (coleção contrassensos).

LIGUORI, Guido; VOZA, Pasquale (orgs.). Dicionário Gramsciano 91926-1937). São Paulo: Boitempo Editorial, 2017.

SEMERARO, Giovanni. Gramsci e os novos embates da filosofia da práxis. Aparecida, SP: Ideias e Letras, 2006.

Autor/a:

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

20

Adriele Andreia Inacio Assistente Social. Mestre em Ciências Sociais – UEL Doutoranda em Serviço Social

Adriele Andreia Inacio Assistente Social. Mestre em Ciências Sociais UEL Doutoranda em Serviço Social UFSC Adair Angelo Dalarosa Professor Associado UNICENTRO. Doutor em Educação Unicamp

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

21

A RELAÇÃO INSTRUMENTO-CORPO HUMANO COMO MOMENTO NECESSÁRIO DA ATIVIDADE TRABALHO Guilherme Ferreira Ribeiro Mário

A RELAÇÃO INSTRUMENTO-CORPO HUMANO COMO MOMENTO NECESSÁRIO DA ATIVIDADE TRABALHO

Guilherme Ferreira Ribeiro

Mário Lopes Amorim

Introdução:

Partimos do pressuposto que o gênero humano, através da sua atividade do trabalho, é promotor das suas próprias relações sociais, em distintos momentos históricos e econômicos. O trabalho, uma relação em qual o ser humano mantém com a Natureza, segue formas específicas a cada momento histórico vigente. No entanto, a definição universal de transformação da natureza é geral, que pode acontecer tanto na ação direta de um indivíduo objetivando seu trabalho sobre um objeto ou matéria prima do trabalho, quanto de um conjunto de indivíduos executando parcialmente operações sobre um objeto ou matéria-prima do trabalho, um trabalhador coletivo. Desta forma, na atividade do trabalho, que é teleologicamente orientada a uma finalidade pré-definida e planejada de forma individual ou coletiva, há um instrumento ou tecnologia (por exemplo: máquina-ferramenta) tanto de ordem física quanto de ordem teórica, mas ambas objetivas e com força material. A ferramenta ou tecnologia é uma técnica humana de atuação sobre a natureza externa e tem como finalidade suprir uma carência ou necessidade com qualidades humanas. No entanto, ao passo que o ser humano transforma a natureza externa ele também transforma sua natureza interna quando desenvolve novas necessidades e também novos instrumentos ou tecnologias. E é justamente essa relação entre a transformação do corpo/corporeidade humano genérico e o instrumento, que iremos investigar na revisão bibliográfica.

Fundamentação Teórica:

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

22

Partimos da premissa que toda relação humana é social, é objetiva, é histórica, é produto

Partimos da premissa que toda relação humana é social, é objetiva, é histórica, é produto da própria relação humana em sua atividade fundante, o trabalho. A atividade do trabalho é uma relação essencialmente mediada por instrumentos técnicos físicos e signos teleológicos que são, em si mesmos, produtos da própria ação humana.

O trabalho é, antes de tudo, um processo entre o homem e a natureza, processo este em que o homem, por sua própria ação, medeia, regula e controla seu metabolismo com a natureza. Ele se confronta com a matéria natural como uma potência natural. A fim de se apropriar da matéria natural de uma forma útil para sua própria vida, ele põe em movimento as forças naturais pertencentes a sua corporeidade: seus braços e pernas, cabeça e mãos. Agindo sobre a natureza externa e modificando-a por meio desse movimento, ele modifica, ao mesmo tempo, sua própria natureza. Ele desenvolve as potências que nela jazem latentes e submete o jogo de suas forças e seu próprio domínio. Não se trata, aqui, das primeiras formas instintivas, animalescas, do trabalho (MARX, 2013, p. 5).

Desta forma, um elemento necessário para atividade de trabalho é a utilização de instrumentos/tecnologias mediadores, que se interpõem entre o sujeito e objeto na objetivação do trabalho. Os instrumentos de trabalho são, portanto, mediadores da efetivação da própria atividade humana como tal. Porém, para pôr em movimento os instrumentos de trabalho, é necessário que os próprios seres sociais desenvolvam essa capacidade e os coloquem em movimento como uma atividade objetivada de forma intencional. Desta forma, as próprias conformações do corpo humano genérico e singular são manifestações genuínas dos fenômenos da atividade intencional humana, e os momentos simples do processo de trabalho são: 1° a atividade orientada a um fim (o trabalho) propriamente dito; 2° o seu objeto e, 3° seus meios (MARX, 2013). No entanto, os instrumentos, em sua forma de ser, não são produtos sociais neutros e lineares, isso porque um instrumento serve de mediação social para o surgimento de outros instrumentos, o que dá um caráter de não neutralidade do

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

23

instrumento, pois ele é incorporado e manifesta intencionalidades, finalidades, interesses e objetivos sociais de

instrumento, pois ele é incorporado e manifesta intencionalidades, finalidades, interesses

e objetivos sociais de classes. O trabalho, segundo Leontiev (2013), é a principal atividade humana, e essa decorre do ser humano se apropriar da natureza exterior, produzir ferramentas e criar novas transformações objetivas que se cristalizam no mundo, como fenômenos sociais. Por outro lado, esses fenômenos sociais objetivos exteriores e suas ferramentas materiais ou ideológicas modificam a objetividade do próprio corpo genérico humano. A priori, o ser humano não é uma vida que se desenvolve fora da natureza, mas

é a partir da natureza que se dá o salto ontológico da espécie humana ao gênero humano. Isso porque, segundo Ferreira (2014), por um lado o organismo humano é formado em sua totalidade por elementos naturais inorgânicos, que são componentes basilares da vida orgânica, mas por outro lado o ser humano não é restrito à natureza humana. O desenvolvimento humano resulta de suas bases biológicas, mas sua diferenciação dos animais se deu devido fato de o ser humano não se adaptar ao meio ambiente, mas alterá- lo.

Mas caberia perguntar: por que o ser humano não é restrito às determinações da natureza? Segundo o próprio Marx:

] [

portanto, de toda a história, a saber, o pressuposto de que os homens

têm de estar em condições de viver para poder “fazer história”. Mas, para viver, precisa-se, antes de tudo, de comida, bebida, moradia,

vestimenta e algumas coisas mais. O primeiro ato histórico é, pois, a produção dos meios para a satisfação dessas necessidades, a produção da própria vida material, e este é, sem dúvida, um ato histórico, uma condição fundamental de toda a história, que ainda hoje, assim como há milênios, tem de ser cumprida diariamente, a cada hora, simplesmente

para manter os homens vivos. [

O segundo ponto é que a satisfação

dessa primeira necessidade, a ação de satisfazê-la e o instrumento de

o primeiro pressuposto de toda a existência humana e também,

]

satisfação já adquirido conduzem a novas necessidades e essa produção de novas necessidades constitui o primeiro ato histórico (MARX, 2007, p. 32-3).

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

24

Portanto, o primeiro pressuposto para a existência humana é a sua condição de vida. Para

Portanto, o primeiro pressuposto para a existência humana é a sua condição de vida. Para satisfazer suas necessidades de sobrevivência a espécie humana se apropria de objetos naturais como instrumentos adquiridos e assim potencializa suas parcas e frágeis capacidades puramente corpóreas. Neste momento, a espécie humana inicia as suas próprias relações de produção de vida, ao suprir essa primeira necessidade de sobrevivência com a utilização de instrumentos que potencializam seu corpo genérico. Essa primeira necessidade conduz ao desenvolvimento de novas necessidades, objetivadas pelas próprias relações humanas. O instrumento de trabalho físico é parte constitutiva do ser social, é ele que se coloca como parte mediadora da atividade humana frente ao seu objeto de trabalho na natureza e/ou na própria natureza humana. Isso porque, a partir do momento que o ser humano utilizou a primeira vara ou pedra, ou ainda outro material natural, como extensão intencional de sua manifestação corporal, é dado o salto primário para as primeiras formas instintivas, muito animalescas ainda, do trabalho, que segundo Lukács (2010) todo salto implica uma mudança qualitativa e estrutural do ser, de forma não simples e retilínea, mas a fase inicial contém em si determinadas premissas e possibilidades das fases sucessivas e superiores. Portanto, a premissa do trabalho estava dada, pois uma necessidade objetivará outras necessidades. A atividade objetivada, mesmo extremamente ligada às formas instintivas, é continuamente ampliada a partir da própria ação humana, na necessidade de produzir e reproduzir os instrumentos para a atuação sobre a natureza. Nestas formas elementares, o próprio órgão humano torna-se um instrumento de trabalho. Para Engels (2004) a posição ereta é decorrente da divisão entre as atividades executadas pela mão e pelos pés e passa de uma norma para uma necessidade. A mão servia para colher alimentos e manipular alguns instrumentos, e os pés para locomoção, sendo que a mão começa a adquirir novas destrezas e habilidades e a corporeidade

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

25

adquiriu maior flexibilidade, e a mão não é o órgão e produto do trabalho. No

adquiriu maior flexibilidade, e a mão não é o órgão e produto do trabalho. No entanto, não é apenas a mão que é beneficiada pela atividade adquirida, mas todo o complexo orgânico corpóreo humano, em sua relação de unidade, é também beneficiado e complexado. O instrumento potencializa a ação humana, e assim a corpo do humano é frágil para garantir a sua existência para além do nível instintivo, a história humana é iniciada quando o homem supera esses limites biológicos pela cooperação simples na produção de instrumentos e assim potencializaram suas parcas propriedades (KLEIN; LUCCHESI; DA MATA, 2011). O instrumento é, portanto, uma manifestação da própria atividade social. O desenvolvimento biológico do homem e para Leontiev (2013) o desenvolvimento biológico do homem se realiza pela influência da produção, por isso é desde o início um processo de produção social e que tem suas próprias leis objetivas sociohistóricas. Essa relação da atividade do trabalho, desde os seus primórdios, é uma relação mediada do ser humano com a natureza, em uma atividade mediada pela própria relação de cooperação social. Assim se criam novas capacidades e novas propriedades na natureza humana. A produção de instrumentos é uma ação efetivamente social e é constituída por elementos da própria finalidade humana, em atividade conjunta da corporeidade psicofísica humana com seus instrumentos produzidos como extensão de sua própria corporeidade. Os próprios sentidos humanos não são pré-estabelecidos a partir de relações evolutivas, mas são apreendidos e conformados a partir das atividades humanas.

O homem se apropria da sua essência omnilateral de uma maneira omnilateral, portanto como um homem total. Cada uma das suas

relações humanas com o mundo, ver, ouvir, cheirar, degustar, sentir, pensar, intuir, perceber, querer, ser ativo, amar, enfim todos os órgãos da sua individualidade, assim como os órgãos que são imediatamente

seu

comportamento objetivo ou no seu comportamento para com o objeto

a apropriação do mesmo, a apropriação da efetividade humana; seu

em sua forma como órgãos comunitários, [

]

são

no

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

26

comportamento para com o objeto é o acionamento da efetividade humana (por isso ela é

comportamento para com o objeto é o acionamento da efetividade humana (por isso ela é precisamente tão multíplice quanto multíplices são as determinações essenciais e atividades humanas) eficiência humana e sofrimento humano, pois o sofrimento, humanamente apreendido, é uma autofruição do ser humano” (MARX, 2010, p. 108).

A humanização é mediada pelo sentido social e cooperado de vários indivíduos,

em um determinado modo de produção e desta relação emanam também a consciência e a linguagem como objeto social. É o modo de produção que determina a finalidade

hegemônica da circulação da vida humana. Os seres humanos não são confrontados pela sociedade, mas são parte da sociedade, mesmo essa sociedade sendo estranhada, o que acarreta que o indivíduo também seja estranhado.

A consciência tem: 1° momento, o gregário; e o 2° momento é sua emancipação

das relações sociais, uma abstração, em construções teleológicas de diferentes teorias, que podem estar ligadas a condições materiais de uma determinada perspectiva de

sociedade, ou seja, de divisão ou supressão da propriedade privada dos meios de produção, dado que a própria consciência é um instrumento humano que tem origem na

própria atividade produtiva humana. No entanto, não é apenas a consciência que sofre novas conformações sociais, mas a partir das próprias relações humanas que sua corporeidade é afetada pela própria atividade objetivada, o trabalho.

É importante salientar a relação dialética e contraditória na própria conformação

do corpo humano, em seu sentido genérico e individual, que poderá se apresentar com conformações qualitativamente diferentes. Isso porque quando os seres humanos produzirem novas necessidades, e a partir delas produzirem novas técnicas, novos instrumentos para satisfazê-las, ao mesmo tempo produzem-se novas capacidades psicofísicas, que estão em consonância com o seu próprio momento histórico. Ademais, em um determinado momento histórico podem conviver e se relacionar, de forma

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

27

contraditória, mas necessária, diferentes formas de conformação da corporeidade humana, na atividade do trabalho. Em

contraditória, mas necessária, diferentes formas de conformação da corporeidade humana, na atividade do trabalho. Em linhas gerais, quando se produzem novas atividades entre a corporeidade humana e um novo instrumento mediador, simultaneamente advém o fenômeno contraditório de afirmação e negação entre diferentes formas de conformações psicofísicas. Isso porque as novas potencialidades conformadas, de forma hegemônica, no corpo genérico humano, para se afirmar, enquanto nova forma hegemônica, deverão negar as potencialidades já desenvolvidas e pré-estabelecidas como hegemônicas, na conformação do corpo humano genérico. Como exemplo, a relação corpo-instrumento de trabalho, na atividade laboral do artesão da Idade Média, é completamente diferente da relação corpo-instrumento de trabalho, na atividade laboral do operário fabril. Ou seja, a partir das capacidades desenvolvidas pelo trabalho dos artesãos, foi possível a produção de máquinas que produziram máquinas. Neste momento, as capacidades dos artesãos foram produtoras da sua própria negação. Com o desenvolvimento da máquina-ferramenta surge uma nova relação entre corpo humano e instrumento de trabalho, daí decorre a produção social de novas capacidades conformadas na corporeidade psicofísica do gênero humano para o exercício das atividades fabris, as quais se tornaram hegemônicas. Portanto, a capacidade conformada nos trabalhadores na ação de operarem as máquinas é complemente diferente das capacidades conformadas na atividade artesanal. Essas variações estão intimamente relacionadas com os meios de trabalho em que os trabalhadores estão inseridos. Ademais, nesta relação humana é necessário apreender o fenômeno social da técnica como mediação entre o instrumento e o corpo humano. Assim, para Mueller (2010), técnica é um instrumento que expressa o ser humano em sua condição social, e a técnica nova surge apenas a partir de condições sociais objetivas que dão base para que essa nova potencialidade emane e seja efetivamente aceita. Sendo que:

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

28

Toda práxis visa a realizar o ser do homem, isto é, com o domínio cada

Toda práxis visa a realizar o ser do homem, isto é, com o domínio cada

vez mais ativo do mundo onde se acha [

mostra um aspecto regular, metódico, consciente, representa a execução das possibilidades existenciais do homem em cada momento do desenvolvimento histórico de suas forças produtivas, sob forma de invenção e fabricação de máquinas e utensílios. O homem é um ser vivo compelido biologicamente a criar para si o acúmulo onde se instala. [ ] O homem, porém, escapa ao acorrentamento às variações hereditárias porque se converte em animal “prático”. Cada indivíduo humano constitui-se em autônomo porque interioriza, mediante o desenvolvimento de um particular tipo de reflexo condicionado, os motivos do comportamento, e assim o pode variar de acordo com as finalidades propostas a si mesmo. Em sentido primordial, “tecnologia” significa a teoria deste fato biológico. Se quisermos considerá-la ciência particular, deveria ter por objetivo a investigação do processo geral de hominização pela prática social da ação produtiva, desde os primeiros indícios da antropomorfização anatômica e psíquica até o estado atual da evolução hominídea no segmento cultural (PINTO, 2008, p. 246).

A práxis, da qual a técnica

].

Ademais, no conjunto geral de atividades produtivas, os meios pode se apresentar com diferentes formas, características e finalidades. Porém, em cada momento histórico, contraditoriamente, se apresentam por conjuntos de processos mediadores produtivos técnicos, nos quais uma forma técnica se torna predominante, mas não única.

Os homens, em sua atividade, não se conformam com adaptar-se à natureza. Transformam esta em função de suas necessidades em evolução. Inventam objetos capazes de satisfazê-los, e criam meios para produzir esses objetos; ferramentas e as máquinas muito complexas. Constroem casas, tecem vestimentas, produzem outros valores materiais. A cultura espiritual dos homens se desenvolve com o progresso da produção de bens materiais; seus conhecimentos sobre o mundo circundante e sobre si mesmo aumentam, e a ciência e a arte adquirem vigor. No curso dessa atividade, suas atitudes, seus conhecimentos e sua habilidade se cristalizam, por assim dizer, em produtos materiais e espirituais. Por isso todo o progresso no aperfeiçoamento das ferramentas (LEONTIEV, 2013, p. 6, tradução livre).

A relação humana, portanto, pode ser compreendida em uma dupla mediação objetiva, concreta e historicamente acumulada.

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

29

Acima de tudo é preciso fixar mais uma vez ‘sociedade’ como abstração ao indivíduo. O

Acima de tudo é preciso fixar mais uma vez ‘sociedade’ como abstração ao indivíduo. O indivíduo é o ser social. Sua manifestação de vida mesmo que ela também não apareça na forma imediata de uma manifestação comunitária de vida, realizada simultaneamente com outro é, por isso, uma externação e confirmação da vida social. A vida individual e a vida genérica do homem não são diversas, por mais que também e isto necessariamente o modo de existência da vida individual seja um modo mais particular ou mais universal da vida genérica, ou quanto mais a vida genérica seja uma vida individual mais particular ou universal (MARX, 2010, p.107).

Podemos sintetizar essa dupla mediação objetiva e histórica em uma formula geral, que igualmente está em inter-relação. Em outras palavras, o processo geral do trabalho e o processo singular de uma atividade de trabalho concreta são de via dupla: a) relações objetivas atividades de trabalho/instrumentos mediadores - ser genérico individual ↔ b) ser genérico individual – atividade de trabalho/instrumentos e meios mediadores relações objetivas.

Considerações Finais Podemos concluir, portanto, que há uma dupla manifestação do movimento contraditório entre objetividade geral e singular na relação sujeito e sociedade, e assim é possível apreender que ambas apresentam a necessidade social de utilização de instrumentos/meios mediadores da ação humana, seja ela material ou teleológica, para a operação de uma dada atividade ou de um conjunto de atividades produtivas entre o sujeito e a natureza, ou entre o sujeito e os demais sujeitos, ou ainda entre o conjunto dos sujeitos e o indivíduo. Desta forma, se geram novas necessidades e novas conformações na corporeidade psicofísica no gênero humano e no indivíduo, pois o instrumento do trabalho

é tanto meio de transformação da natureza externa quanto interna, um produto social. O indivíduo

é humanizado ao mesmo tempo em que exerce sua atividade sobre o meio concreto e histórico,

podendo o indivíduo expressar, em seu ser genérico psicofísico, maior ou menor capacidade de

estranhamento ou de emancipação, compatíveis com seu próprio momento histórico.

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

30

Referências: ENGELS, F. Sobre o papel do trabalho na transformação do macaco em homem. In:

Referências:

ENGELS, F. Sobre o papel do trabalho na transformação do macaco em homem. In:

ANTUNES, R. (Org). A dialética do trabalho: escritos de Marx e Engels. São Paulo:

Expressão Popular, 2004.

ENGELS, Friedrich. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. São Paulo: Ed. Boitempo, 2010.

ENGELS, Friedrich. Dialectica de la naturaleza. México: Ed. Grijalbo, 1961.

FERREIRA, Guilherme Ribeiro. Instrumento mediado e potencialização do corpo na Educação Física. Curitiba: UFPR, 2014.

KLEIN, Lígia; LUCCHESI Graziela; DA MATA Vilson Aparecido. Alienação ou Exclusão: refletindo o processo de “inclusão” na educação de Jovens e adultos. In FACCI, M.; MEIRA, M.; TULESKI, S. A exclusão dos “incluídos”: uma crítica da psicologia da educação à patologização e medicalização dos processos educativos. Maringá: Ed. UEM, 2011, p. 229-257.LEONTIEV, Alexei Nikolaevich. Atividade e consciência. 1997. Disponível em: //www.marxists.org/. Acesso em: < https://www.marxists.org/portugues/leontiev/1972/mes/atividade.htm>, 2018.

LUKÁCS, G. Ontologia do ser social: Livro II. SP: Boitempo, 2010. MARX, Karl. Grundrisse. São Paulo: Boitempo, 2011.

Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2010.

Miséria da filosofia: Resposta à Filosofia da Miséria, do Sr. Proudhon. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

O Capital: Livro I. São Paulo: Boitempo, 2013.

O Capital: Livro II. São Paulo: Boitempo, 2017.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

31

MUELLER, Rafael Rodrigo. Racionalidade para racionalização : a gestão da produção e da força de

MUELLER, Rafael Rodrigo. Racionalidade para racionalização: a gestão da produção e da força de trabalho enquanto tecnologia capitalista. Florianópolis, Editora Ufsc, 2010.

Autores:

Guilherme Ferreira Ribeiro Mestre em Tecnologia e Sociedade - UTFPR Mário Lopes Amorim Prof. do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia e Sociedade - UTFPR

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

32

DA ECONOMIA POLÍTICA À EDUCAÇÃO: A ESCOLHA DO MÉTODO COMO POSIÇÃO POLÍTICA-IDEOLÓGICA NA PESQUISA EM

DA ECONOMIA POLÍTICA À EDUCAÇÃO: A ESCOLHA DO MÉTODO COMO POSIÇÃO POLÍTICA-IDEOLÓGICA NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO

Fernanda de Aragão Mikolaiczyk Dayane Santos Silva Dalmaz Ribamar Nogueira da Silva

Introdução:

O ano de 2018, em que se comemora o bicentenário do nascimento de Karl Marx,

suscita para a pesquisa em educação uma urgência metodológica não-reformista, mas sim,

revolucionária: o Risorgimento do Método.

Os avanços do capital, do centro para a periferia, e sobre os direitos sociais, têm

provocado um encolhimento do espaço público, na medida em que o seu contrário, a

expansão da esfera privada ganha força. As reformas têm sido a tônica das ações estatais

em diversos países, incluindo nesse rol o Brasil, que sob o Governo de Michel Temer

(PMDB) herdeiro do Golpe que depôs Dilma Rousseff (PT) tenta consolidar uma

agenda econômica e política de vertente neoliberal com duras consequências à classe

trabalhadora. Anunciam-se as reformas da Previdência Social, da legislação trabalhista,

da política tributária e do sistema político, com tom modernizante que promete

apocalipticamente o fim da crise econômica. Na educação, esse encolhimento se traduz

por meio de um ajuste fiscal consolidado em 2016 pela PEC do Teto dos Gastos Públicos,

que sob a alegação de reequilibrar as contas públicas e auxiliar o país a sair da crise

econômica, prevê o contingenciamento dos gastos públicos dos três Poderes durante duas

décadas, atingindo todos os níveis e modalidades de ensino e corroborando para a

expansão da esfera privada de ensino. A era da educação como “bem mercadejável”

materializa-se no Brasil financeirizado.

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

33

No Ensino Superior, em específico na Pós-Gradução, os cortes de investimentos públicos impactam a pesquisa

No Ensino Superior, em específico na Pós-Gradução, os cortes de investimentos públicos impactam a pesquisa em educação. O acirrado ataque às instituições de fomento, como a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), compromete a viabilidade da pesquisa em educação por meio da ameaça constante do corte de bolsas concedidas aos pesquisadores, bem como o contingenciamento de novas bolsas (JUNTA, 2017). Nessa conjuntura, defendemos que a pesquisa em educação necessita, como nos lembra Antonio Gramsci, “tomar partido”, e a escolha do método parece ser o ponto decisivo que circunscreve a pesquisa na luta de classes do atual estágio de desenvolvimento da sociedade capitalista. Nesse sentido, acreditamos que o método desenvolvido por Karl Marx garante a direção política-ideológica capaz de contribuir para desvelar a essência dos atuais processos educativos em curso. Advertimos o leitor mais desavisado, no entanto, que não se têm na obra de Marx um receituário étape par étape do método e sua aplicação para o estudo de um determinado objeto. O que está à disposição do pesquisador é uma obra cujas análises permitem compreender um modo de pensar a realidade a partir da própria concretude. Estudiosos marxistas têm elaborado ao longo de dois séculos, análises que permitem desvelar os principais elementos constituintes do método marxiano, auxiliando os pesquisadores a compreender as nuances do mesmo e a ultrapassar a instrumentação científica, pois a compreensão social que o próprio método suscita, coloca-o num patamar de instrumento político e social, com viés ideológico orientado para a superação da sociedade capitalista, tendo como horizonte da luta a emancipação humana. Nesse sentido, pensamos ser pertinente elucidar ao longo deste trabalho alguns elementos considerados fundamentais para a compreensão do método de Marx e a sua utilização como subsídio teórico-metodológico na pesquisa em educação, em específico, com a pesquisa documental. No entanto, sabemos da limitação textual em relação ao que

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

34

nos propormos fazer, dado a complexidade da tarefa que é construir uma exposição sobre o

nos propormos fazer, dado a complexidade da tarefa que é construir uma exposição sobre

o método de Marx em poucas páginas e com muito estudo ainda por realizar.

Pesquisa em Educação: do concreto ao concreto pensado. Primeiramente, consideramos imprescindível definir o que entendemos por educação, para depois situarmos a atividade de pesquisa nessa área e as contribuições do método de Marx. Como categoria universal, Saviani (2013, p. 421-422), define a

educação e/ou o trabalho educativo como o “[

intencionalmente, em cada indivíduo singular, a humanidade que é produzida histórica e coletivamente pelo conjunto dos homens”, ou seja, um processo que tem como objetivo

a emancipação humana. Com a complexificação da sociedade e das instituições sociais,

o trabalho educativo, no Século XIX, vai sendo institucionalizado, normatizado e generalizado, adquirindo um caráter negativo no modelo de sociabilidade capitalista, na medida em que produz em cada indivíduo, de forma coletiva, a reificação da subjetividade humana, por meio de um ato educativo diferenciado e classista (MARX, 2013; MÉSZÁROS, 2008; SAVIANI, 1994). Esse processo de reificação está ligado diretamente ao caráter fetichista da mercadoria na sociedade capitalista, pois todos os processos de objetivação humana adquirem um caráter de coisificação, mercantilizando as relações sociais entre os produtores e entre o produtor e seu produto, assim como, exaltando-se o produto em relação ao produtor. Nesse processo de sociabilidade capitalista, reificador e fetichista, o trabalho em seu sentido ontológico adquire uma expressão negativa, na medida em que o trabalho (trabalho produtivo) se torna “força produtiva do capital”, “essência subjetiva da propriedade privada” e “potência estranha” ao trabalhador. O caráter contraditório do trabalho, portanto, apresenta-se, ora como potência universal de riqueza, ora como

ato de produzir, direta e

]

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

35

potência universal de miséria (MANACORDA, 2010; MARX, 2011; MARX, 2013; TUMOLO, 2005). Nesse ponto histórico

potência universal de miséria (MANACORDA, 2010; MARX, 2011; MARX, 2013; TUMOLO, 2005). Nesse ponto histórico da evolução humana, todo processo de humanização ou ato educativo é socialmente mercantilizado pelas relações capitalistas e a educação formal cumpre sua “função de internalizadora”, assegurando que cada indivíduo internalize sua posição na hierarquia social do capital, garantindo assim, sua reprodução sócio- metabólica (MÉSZÁROS, 2008). E é nesse ponto histórico, tendo essa compreensão sobre a educação no início do Século XXI, que queremos discutir a pesquisa em educação. Sinalizamos ao leitor de que este trabalho assume posição política-ideológica comprometido com a classe trabalhadora, em especial, aos trabalhadores da educação: os professores. Partindo dessa posição, assumiremos que a pesquisa em educação é um ato político, que tem como tarefa reproduzir idealmente o movimento real do objeto pesquisado. Sendo assim, compreendemos que

A pesquisa em educação parte do pressuposto da construção de conhecimentos de realidades concretas e a discussão, portanto, deve girar em torno das formas de apropriação, pelo pensamento, de tais realidades, que são objetos de nossos estudos. Refletir a relação da subjetividade do investigador, e da própria possibilidade que o ser humano tem de conhecer a realidade, e a própria realidade, é determinante para a pesquisa acadêmica (MELO, 2014, p. 1, grifo nosso).

Partido dessa compreensão, defendemos que é a partir do método desenvolvido por Karl Marx que a realidade educacional do nosso país pode ser apreendida e discutida,

uma vez que a realidade se apresenta diante de nós como um “[

e engano” (KOSIK, 2002, p. 15) e que sua unidade dialética, aparência e essência,

necessita ser mediatizada por meio de uma metodologia, que segundo Ciavatta (2001, p.

claro-escuro de verdade

]

129), “[

]

é a capacidade organizada de pensar a realidade no seu momento histórico”.

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

36

O Materialismo Histórico Dialético (MHD) é um método de interpretação da realidade desenvolvido por Karl

O Materialismo Histórico Dialético (MHD) é um método de interpretação da realidade desenvolvido por Karl Marx, por isso, também chamado de método marxiano

e/ou marxista. É materialista porque tem na realidade objetiva seu objeto de investigação e procura compreender a relação sujeito-objeto, ou seja, como os homens organizam-se em sociedade para a produção e a reprodução da vida. É histórico porque considera na interpretação da realidade a produção do ser social em sociedade, no decorrer dos processos de hominização e humanização, por isso, possibilita a análise diacrônica e sincrônica a partir de uma categoria ontológica: o trabalho, que segundo Pires (1997, p.

90-91), é “A forma histórica de produzir a humanidade [

por incorporação a lógica formal (é ou não é) da interpretação da realidade, admitindo a

contradição como categoria fundante (é e não é ao mesmo tempo) e por isso, dizemos que a interpretação da realidade a partir do Método de Marx segue sempre um “desvio”, uma “viragem” na análise (CIAVATTA, 2001; KOSIK, 2002; MARX, 2011; MARX, 2013; NETTO, 2011; OLIVEIRA, 2001; PIRES, 1997; TUMOLO, 2005). Assumindo esta perspectiva na pesquisa em educação, compreendemos o conhecimento teórico enquanto um construto social, uma representação mental do

concreto de uma parcela da realidade exterior ao pensamento, ou seja, “[

conhecimento teórico é o conhecimento do objeto - de sua estrutura e dinâmica - tal como ele é em si mesmo, na sua existência real e efetiva, independentemente dos desejos, das aspirações e das representações do pesquisador” (NETTO, 2011, p. 20, grifo do autor). Sendo assim, a partir do MHD, compreendemos que na pesquisa em educação o nosso ponto de partida (concreto real) coincide com o nosso ponto de chegada (concreto pensado), ainda que seja de suma importância distingui-los para o leitor. Primeiramente, as concepções acerca de um determinado objeto de pesquisa são compreendidas em sua singularidade, em seus aspectos fenomênicos, em suas manifestações imediatas e empíricas. Este é o momento inicial da construção do conhecimento, onde partimos de

o

É dialético porque supera

]”.

]

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

37

perguntas sobre o objeto a ser pesquisado. Aqui, enquanto pesquisadores, fazemos a inquirição, que segundo

perguntas sobre o objeto a ser pesquisado. Aqui, enquanto pesquisadores, fazemos a

inquirição, que segundo Evangelista e Shiroma (2017, p. 12), “[

fundamentais de teorização no processo de investigação”. Logo, a partir da problemática essencial da pesquisa (nosso problema ou nossa hipótese), elaboramos outras perguntas para orientar nosso processo investigativo, indagações que vão sendo sanadas ou que vão sendo transmutadas ao longo do processo investigativo. Resumindo, vamos construindo objetivos específicos ao longo da pesquisa para dar conta do nosso objetivo geral (EVANGELISTA, 2012; EVANGELISTA; SHIROMA, 2017). A partir desse momento inicial de inquirição, buscamos respostas para os questionamentos da pesquisa em fontes primárias. Chamamos a atenção do leitor para o fato de que, como pesquisadores da área de políticas educacionais, consideramos para exemplo metodológico deste trabalho, que os documentos de política educacional constituem nossa base documental, assumidas, portanto, como fonte primária principal de todo o processo investigativo, ou seja, a nossa base empírica. Logo, salientamos que é necessário selecionar, de acordo com as nossas intencionalidades de pesquisa, aqueles documentos que determinam historicamente as ações do objeto pesquisado (EVANGELISTA, 2012; EVANGELISTA; SHIROMA, 2017). Assumido como fonte primária da pesquisa, o corpus documental é o registro histórico de relações concretas e compõem nossa base empírica, no entanto, como nos adverte Evangelista (2012, p. 8), os “Documentos derivam de determinações históricas que devem ser apreendidas no movimento da pesquisa, posto que não estão imediatamente dadas na documentação” e essa tarefa (do pesquisador) é mediatizada pelas fontes secundárias. Estas são as referências teóricas as abstrações mais gerais e universais do conhecimento utilizadas para elucidar as especificidades históricas das categorias que emergem da análise documental, ou seja, elas viabilizam a produção do conhecimento a partir dos dados coletados no momento da investigação e auxiliam o

é um dos momentos

]

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

38

pesquisador a responder as problemáticas da pesquisa no momento da exposição (CIAVATTA, 2001; EVANGELISTA, 2012).

pesquisador a responder as problemáticas da pesquisa no momento da exposição (CIAVATTA, 2001; EVANGELISTA, 2012). Segundo Evangelista e Shiroma (2017, p. 14), “Um pesquisador atento preocupar-se-á com a produção de um corpus documental rico e cuidará para que suas fontes secundárias colaborem para viabilizar a produção de conhecimento e não substituam seu trabalho de intelecção”. A partir da compreensão do método, tratamos como dados de pesquisa as categorias extraídas dos documentos investigados, salientando ao leitor, que neste trabalho fazemos uma distinção teórico-ideológica entre categorias e conceitos, e optamos, por não trabalhar exclusivamente com estes últimos, uma vez que os conceitos se caracterizam por sua generalidade definitiva, circunscrita no movimento diacrônico e sincrônico da realidade. No entanto, advertimos o leitor que não estamos aqui excluindo os conceitos e suas contribuições para a análise da realidade, apenas optamos por utilizar as categorias, compreendidas no movimento dialético da superação por incorporação. O conceito, segundo o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa (HOUAISS;

representação mental de um objeto

VILLAR; FRANCO, 2009, p. 510), é uma “[

abstrato ou concreto, que se mostra como um instrumento fundamental do pensamento

em sua tarefa de identificar, descrever e classificar os diferentes elementos e aspectos da

realidade [

Ele é, portanto, uma abstração, com certo grau de generalidade (porque

não dizer, neutralidade?) perante as especificidades históricas. Podemos dizer que o conceito, isolado das especificidades históricas, reside no campo da universalidade e atua

na singularidade do objeto de pesquisa sem a intervenção da particularidade, este, campo das mediações. Ciavatta explicita sobre a distinção entre conceito e categoria da seguinte forma:

Se a generalidade é a primeira especificação das categorias simples, das

abstrações mais gerais, a historicidade é, certamente, a que lhe segue. É

a historicidade do particular, campo de mediações concretas,

ontológicas que assegura validade à generalidade do conceito

]

]”.

(CIAVATTA, 2001, p. 138, grifo nosso).

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

39

Por isso, compreendemos que a análise da realidade a partir do conceito isolado fica circunscrita

Por isso, compreendemos que a análise da realidade a partir do conceito isolado fica circunscrita a lógica formal da construção do conhecimento. O que não se propõe realizar em uma pesquisa de orientação marxiana. Ao contrário, o método de Marx exige trabalhar com a lógica dialética e as categorias, por sua vez, incorporam os conceitos, superando-os por meio da particularidade 2 . Superação por incorporação! Nesse sentido, precisamos conhecer as categorias que constituem o corpus discursivo do nosso objeto de pesquisa, partindo das categorias mais simples às categorias mais concretas e, nesse movimento, fazer análise a partir dessas últimas, partindo da premissa marxiana de que “A anatomia do ser humano é uma chave para a anatomia do macaco” (MARX, 2011, p. 58), e não o seu contrário. Ou seja, como pesquisador, devemos encontrar as categorias que apresentam a relação mais determinante e mais concreta em torno do objeto pesquisado.

Considerações Finais:

Neste trabalho procuramos desenvolver uma exposição que, a partir do método desenvolvido por Karl Marx, contribua para inserir a pesquisa em educação nas discussões acerca da luta de classes do atual estágio de desenvolvimento da sociedade capitalista. Procuramos apresentar, ainda que sucintamente, algumas categorias marxianas que auxiliam o pesquisador a “pensar por contradição”, superando a lógica formal de se fazer pesquisa.

Referências:

2 As categorias não são puras abstrações ou simples classificações, isto é, não são noções despojadas dos aspectos diversificados do real na sua concretude histórica. As categorias são concretos de pensamento gerados sobre a realidade objetiva e diversificada, são mediações ontológicas da totalidade social, construídas na sua particularidade histórica(CIAVATTA, 2001, p. 138).

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

40

CIAVATTA, Maria. O conhecimento histórico e o problema teórico-metodológico das mediações. In: FRIGOTTO, Gaudêncio;

CIAVATTA, Maria. O conhecimento histórico e o problema teórico-metodológico das mediações. In: FRIGOTTO, Gaudêncio; CIAVATTA, Maria (Orgs.). Teoria e educação no labirinto do capital. Rio de Janeiro: Vozes, 2001, p. 121-144.

EVANGELISTA, Olinda. Apontamentos para o trabalho com documentos de política educacional. In: ARAÚJO, Ronaldo M. L.; RODRIGUES, Doriedson S. (Org.). A pesquisa em trabalho, educação e políticas educacionais. Campinas, SP: Alínea, 2012, v. 1, p. 52-71.

EVANGELISTA, Olinda; SHIROMA, Eneida Oto. Subsídios teórico-metodológicos para o trabalho com documentos de política educacional: contribuições do marxismo. Florianópolis: UFSC, 2017. Mimeografado.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles; FRANCO, Francisco Manoel de Mello. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

JUNTA, Cristiano. CNPq paga 45% menos bolsas de mestrado e doutorado em 2017 comparado com 2015. Associação Nacional de Pós-Graduandos. 2017. Disponível em:

KOSIK, Karel. Dialética do concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

MANACORDA, Mario Alighiero. O que é trabalho. In:

Moderna. 2 ed. São Paulo: Editora Alínea, 2010, p. 61-81.

Marx e a Pedagogia

MARX, Karl. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858: esboços da crítica da economia política. São Paulo: Boitempo; Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2011. . O Capital: crítica da economia política: Livro I: o processo de produção do

capital. São Paulo: Boitempo, 2013.

MELO, Alessandro. A construção do conhecimento. Guarapuava: UNICENTRO, 2014. Mimeografado.

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. 2 ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

NETTO, José Paulo. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

41

OLIVEIRA, Betty Antunes de. A dialética do singular-particular-universal. In: V Encontro de Psicologia Social

OLIVEIRA, Betty Antunes de. A dialética do singular-particular-universal. In: V Encontro de Psicologia Social Comunitária sobre o tema O método materialista histórico-dialético promovido pela Abrapso-Nucleo Bauru, Neppem e o Departamento de Psicologia da Faculdade de Ciências/Unesp-Bauru, nos dias 16 a 18/08/2001.

PIRES, Marília Freitas de Campos. O materialismo histórico-dialético e a educação. In:

Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v. 1, n. 1, agosto 1997, p. 83-94.

SAVIANI, Dermeval. O trabalho como princípio educativo frentes as novas tecnologias. In: FERRETI, Celso João et al (Org.). Novas tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. Rio de Janeiro: Vozes, 1994.

. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4 ed. Campinas: Autores

Associados, 2013.

TUMOLO, Paulo Sergio. O trabalho na forma social do capital e o trabalho como princípio educativo: uma articulação possível? Educ. Soc., Campinas, vol. 26, n. 90, p. 239-265, Jan./Abr. 2005.

Autores:

Fernanda de Aragão Mikolaiczyk Doutoranda em educação na linha de pesquisa Trabalho e Educação, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Dayane Santos Silva Dalmaz Doutoranda em educação na linha de pesquisa Políticas e Gestão da Educação, da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Ribamar Nogueira da Silva Doutorando em educação na linha de pesquisa Filosofia e História da Educação, da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

42

CONHECENDO MARX DA IDEOLOGIA ALEMÃ: CONSIDERAÇÕES A PARTIR DESTA OBRA Viviana Patricia Kozlowski Lucyk Marta

CONHECENDO MARX DA IDEOLOGIA ALEMÃ:

CONSIDERAÇÕES A PARTIR DESTA OBRA

Viviana Patricia Kozlowski Lucyk Marta Regina Coppe Francielly Cristina Wisnievski Trelha Leite

Introdução:

Nos limites deste texto procuramos apresentar um breve panorama sobre o

contexto em que viveu Marx e sua trajetória de vida. Buscando dessa forma compreender

quem foi o jovem Marx que escreveu a obra “A Ideologia Alemã”, bem como, identificar

suas ideias mais relevantes e os pontos centrais da obra “A Ideologia Alemã”.

Contexto e caminhos percorridos por Marx.

Na cidade alemã de Treves nasce Karl Heinrich Marx em 1818, no início do

século XIX. Neste século ocorreram diversas mudanças no mundo devido a Revolução

Industrial e ao processo de independência dos Estados Unidos, também considerado o

auge do liberalismo. Neste momento histórico o liberalismo garantia o mínimo de

liberdade individual. Porém os direitos sociais como educação e saúde não estavam

inclusos. Nesta época também se destaca o fato de que o indivíduo passa a poder escolher

onde quer trabalhar, antes da Revolução Industrial isso não era possível, se a pessoa era

filho de servo iria ser servo também, dentro desta concepção o indivíduo era predestinado

a ser servo. Nesta perspectiva o pensamento marxista se destaca por buscar uma

superação, pois o que acontece é a liberdade do indivíduo perante a lei, mas não uma

igualdade social (BIRNBAUS, 1994).

Marx viveu numa época em que a Europa era um cenário de diversos conflitos,

tanto no campo das ideias como no das instituições. Já na universidade as doutrinas

socialistas e anarquistas se encontravam no centro das discussões dos grupos que Marx

frequentava. Notadamente Naves (2000) destaca que em 1848 surgiram em vários países

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

43

da Europa, revoluções democrático-burguesas contra as forças aristocráticas onde os trabalhadores desenvolveram

da Europa, revoluções democrático-burguesas contra as forças aristocráticas onde os trabalhadores desenvolveram grande atividade revolucionária. Estas revoluções sempre foram acompanhadas pelo jovem Marx. Acontece no ano de 1871 em Paris a primeira revolução operária da história e os trabalhadores chegam ao poder. A Comuna de Paris é considerada segundo Birnbaus (1994) um marco histórico na luta anticapitalista, identificada como a primeira revolução especificamente proletária da história, que inspirou outros movimentos revolucionários e foi associada positivamente ao conceito de ditadura do proletariado, como sua primeira manifestação. Foi também à primeira tentativa da história de criação e implantação de um governo socialista. Teve início com a revolução proletária na capital francesa e durou três meses. Esses dois momentos da história europeia foram vividos por Marx intensamente e tiveram importantes reflexos em suas obras. Considerando a trajetória de vida de Marx podemos identificar algumas datas relevantes iniciando pelo ano de 1835 no qual aos dezessete anos ingressa na faculdade de direito da Universidade de Bonn. No ano seguinte prossegue seus estudos em Berlim e começa a frequentar o círculo dos jovens hegelianos. Neste mesmo ano fica noivo de Jenny Von Westphalen, uma jovem de alta posição social. Ambas as famílias eram contra esta união e seu pai exige que Marx termine seus estudos antes de se casar. Mesmo contrariando a vontade das famílias o casamento ocorre oito anos mais tarde (NAVES,

2000).

Depois disso Marx abandona o direito e volta seus estudos para a filosofia se tornando doutor em filosofia no ano de 1841 pela Universidade de Iena, onde tenta conquistar uma cátedra, porém não consegue alcançar seu objetivo e acaba se tornando escritor na Gazeta Renana, na qual publica alguns textos. Mas foi na revista Anais Franco- Alemães que publica seus mais importantes trabalhos da juventude (NAVES, 2000). Acho que é a mesma situação da outra citação, mas posso estar enganada

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

44

No ano de 1845 Marx conhece Friedrich Engels e se tornam grandes amigos, e juntos

No ano de 1845 Marx conhece Friedrich Engels e se tornam grandes amigos, e juntos desenvolvem ampla atividade política-ideológica atuando em vários comitês e movimentos operários de propaganda comunista. E juntos redigem os livros “A ideologia Alemã” e “Manifesto do Partido Comunista”. Neste período também participou da fundação da Associação Internacional dos Trabalhadores em Londres atuando como um dos principais dirigentes do movimento operário e das lutas de massas na Europa. Marx e sua família passaram por muitas dificuldades financeiras e privações, pois Marx não aceitava empregos que não estivesse conforme seus interesses intelectuais. Vivia da venda de artigos para revistas e recebia constantemente auxílio financeiro de seu amigo Engels. No tocante as principais ideias, podemos destacar a preocupação de Marx principalmente com a questão da desigualdade social. Porém seu problema central de pesquisa era desvendar a ordem burguesa. Marx partia da compreensão de que a sociedade é uma estrutura social onde os homens estão, historicamente, divididos em classe. Assim afirma que

A história de toda a sociedade até aqui ** é a história de lutas de classes.

Homem livre e escravo, patrício e plebeu, barão e servo [Leibeigener], burgueses de corporação [Zunftbürger] *** e oficial, em suma, opressores e oprimidos, estiveram em constante oposição uns aos

outros, travaram uma luta ininterrupta, ora oculta ora aberta, uma luta que de cada vez acabou por uma reconfiguração revolucionária de toda

a sociedade ou pelo declínio comum das classes em luta. (MARX & ENGELS, 1997, p.7)

A obra Ideologia Alemã e a produção da consciência: as bases materiais da revolução real. Esta obra foi escrita entre 1845 e 1846 e publicado apenas em 1932. Ou seja, demorou 86 anos para ser publicada. Ela divide-se em dois volumes: no primeiro contém

Ludwig

a crítica da filosofia pós-hegeliana onde faz uma análise do pensamento

filosofia pós-hegeliana onde faz uma análise do pensamento de ISBN: 978-85-7392-161-5 – Volume 1 VIII Encontro
de
de

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

45

Feuerbach, Bruno Bauer e Marx Stirner, já no segundo faz uma análise "socialismo verdadeiro ”.

Feuerbach, Bruno Bauer e Marx Stirner, já no segundo faz uma análise

"socialismo verdadeiro

”.

crítica do
crítica do

Na primeira parte encontramos o conceito de ideologia que aparece em Marx segundo Bottomore (2013), como consciência falsa, equivocada, da realidade, e das relações sociais, é ver as coisas ao contrário do que elas são: que a realidade se reproduz a si mesma, a riqueza produz riqueza, ou seja, a naturalização das coisas. Neste sentido os homens, por força de seu limitado modo material de atividade, são incapazes de resolver as contradições sociais na prática, tendem a projetá-las nas formas ideológicas de consciência, isto é, em soluções puramente espirituais ou discursivas que ocultam efetivamente, ou disfarçam, a existência e o caráter dessas contradições. Ocultando-as, a distorção ideológica contribui para a sua reprodução e, portanto, serve aos interesses da classe dominante. Assim a ideologia tem funções como a de preservar a dominação de classes apresentando uma explicação apaziguadora para as diferenças sociais. Neste livro Marx e Engels elaboram o esboço do materialismo histórico rompendo com as teorias filosóficas da época. Marx abandona o terreno ideológico que herdara de Hegel e parte para a análise do concreto explicando que as ideias provêm de uma base material. Utilizando para esta explicação a metodologia dialética (tese, antítese e síntese). Aplicando também esta metodologia as relações de produção. O ponto central da obra é que os conflitos de ideias não se resolvem por denúncia nem contradição dos autores, eles remetem sempre a bases reais de resolução, não são as ideias que são os agentes da história, mas sim os interesses concretos contraditórios das classes sociais que elaboram ideias e soluções. Marx faz deste modo a desmistificação das ideias e procura abandonar o terreno ideológico comum e inaugurar uma nova teoria em que utiliza como base a dialética de Hegel, a visão de movimento e contradição integrando ao materialismo de Feuerbach, reelaborando e assim inaugurando um novo campo teórico.

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

46

Realizam também uma análise do pensamento de Feuerbach, Bauer e Stirner. Abordando que é necessário

Realizam também uma análise do pensamento de Feuerbach, Bauer e Stirner. Abordando que é necessário ir além do campo da ideologia filosófica herdada de Hegel, pois “toda a crítica filosófica, de Strauss a Stirner, limita-se à crítica das representações religiosas” (MARX & ENGELS, 2002, p. 08). E continua explicando que:

acharam a expressão exata para qualificar sua

atividade, ao afirmarem que lutam unicamente contra uma “fraseologia”. Esquecem, no entanto, que eles próprios opõem a essa fraseologia nada mais que outra fraseologia e que não lutam de maneira alguma contra o mundo que existe realmente ao combaterem unicamente a fraseologia desse mundo (MARX & ENGELS, 2002, p.

os jovens hegelianos [

]

09).

Marx e Engels se posicionavam contrários a teoria de Hegel, pois este tinha visão idealista do mundo. Marx questiona a alienação religiosa e parte para análise do concreto, e diz que tem que se analisar qual a realidade concreta o sofrimento completo das pessoas, que faz com que elas necessitem da religião. Para ele a religião é uma compensação do sofrimento. Uma das ideias centrais na obra “A Ideologia Alemã” se refere a concepção de Marx sobre o materialismo. Ao explicar a respeito o materialismo Marx defende que “as premissas de que partimos não são bases arbitrárias, dogmas; são bases reais que só podemos abstrair na imaginação.” Assim o material para Marx “São os indivíduos reais, sua ação e suas condições materiais de existência, tanto as que eles já encontraram prontas, como aquelas engendradas de sua própria ação.” (MARX & ENGELS, 2002, p.

10).

Sobre o posicionamento de Marx com relação a idealismo e materialismo recorremos as palavras de Lessa e Tonet (2008, p. 35) onde explicam que “o idealismo afirma a prioridade da ideia sobre a matéria e o materialismo, ao inverso, a prioridade da matéria sobre a ideia.

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

47

Marx parte das condições reais de existência ligados ao processo de vida material. A partir

Marx parte das condições reais de existência ligados ao processo de vida material. A partir desta compreensão de materialidade, destacamos uma das passagens mais citadas entre os autores marxistas quando se referem a materialidade,

ao contrário da filosofia alemã, que desce do céu para a terra, aqui é da terra que se sobe ao céu. Em outras palavras, não partimos do que os homens dizem, imaginam e representam, tampouco do que eles são nas palavras, no pensamento, na imaginação e na representação dos outros, para depois se chegar aos homens de carne e osso; mas partimos dos homens em sua atividade real.” (MARX & ENGELS, 2002, p. 19).

Outra ideia central na obra é a definição de consciência, segundo Marx

não é consciência que determina a vida, mas sim a vida que determina

a consciência. Na primeira forma de considerar as coisas, partimos da

consciência como sendo o indivíduo vivo; na segunda, que corresponde à vida real, partimos dos próprios indivíduos reais e vivos, e consideramos a consciência unicamente como a sua consciência. (MARX & ENGELS, 2002, p. 20).

Na obra “Manuscritos Econômicos e Filosóficos” Marx, esclarece que sua

definição sobre a consciência “[

seu ser, mas, ao inverso, é o seu ser social que determina a sua consciência” (MARX apud FROM, 1964, p. 197). Em uma versão simplificada, isso quer dizer que é a sociedade que determina o indivíduo e não o contrário. A consciência é individual com base na realidade que a pessoa vive, assim a consciência do trabalhador rural é uma, do operário é outra, pela prática social em que a pessoa está vivendo. Desta forma o elemento decisivo da análise marxista é o modo como os homens produzem essa vida material.

não é a consciência do ser humano que determina o

]

Para os alemães despojados de qualquer pressuposto, somos obrigados

a começar pela constatação de um primeiro pressuposto de toda a

existência humana, [

para poder “fazer a história”. Mas para viver, é preciso antes de tudo beber, comer, morar, vestir-se e algumas coisas mais. O primeiro fato histórico é, portanto, a produção dos meios que permitem satisfazer

todos os homens devem ter condições de viver

]

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

48

essas necessidades, a produção da própria vida material (MARX & ENGELS, 2002, p. 21). Em

essas necessidades, a produção da própria vida material (MARX & ENGELS, 2002, p. 21).

Em síntese, a consciência tem de refletir a realidade e assim ser capaz de produzir um conhecimento apropriado. Por essa razão, ao pesquisar a realidade, é relevante que a consciência possa construir uma ideia que reflita o real do modo mais autêntico possível. Neste sentido Lessa e Tonet (2008, p. 51) contribuem ressaltando o fator histórico,

por outro lado, o real é um processo histórico. Uma realidade e uma consciência, ambas em movimento, não podem jamais resultar em um conhecimento absoluto, fixo, imutável. Por isso a reflexão da realidade pela consciência é um constante processo de aproximação das ideias em relação à realidade em permanente evolução.

Para Marx a transformação de uma ideia, não depende de outra ideia, mas sim da transformação das relações sociais de que elas provêm. “A verdadeira solução dessa fraseologia, a eliminação dessas representações na consciência dos homens, só será realizada, por meio de uma transformação das circunstâncias existentes, e não por deduções teóricas” (MARX & ENGELS, 2002, p. 39-40). A ideia dominante de uma sociedade, junto com sua estrutura social, gera certas ideias que são reproduzidas pelo estado, pelas leis. A partir desta distinção da ideia dominante observamos a identificação de classe. Desta forma Marx relata que:

os pensamentos da classe dominante são também, em todas as épocas, os pensamentos dominantes; em outras palavras, a classe que é o poder material dominante numa determinada sociedade é também o poder espiritual dominante. A classe que dispõem dos meios da produção material dispõe também dos meios da produção intelectual, de tal modo que os pensamentos daqueles aos quais são negados os meios de produção intelectual está submetido também à classe dominante; [ ]

suas ideias são, portanto, as ideias dominantes de sua época [

forma as ideias dominantes tornam-se universais em cada época histórica, visto que a classe dominante apresenta os seus interesses

como sendo interesses comuns de toda a sociedade. (MARX & ENGELS, 2002, p. 48-49).

]. Desta

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

49

De acordo com Marx (2002) a divisão em classes nós remete a divisão do trabalho

De acordo com Marx (2002) a divisão em classes nós remete a divisão do trabalho assim estabelecida, de um lado o trabalho intelectual e de outro o trabalho material. A uns cabe a tarefa de pensadores dessa classe aos outros detentores de atitudes passivas aceitarão essas ilusões, fato este explicado por Marx & Engels (2002, p. 49) “[ ] porque eles são na verdade os membros ativos dessa classe e têm menos tempo para alimentar ilusões e ideias sobre suas próprias pessoas”. Para tanto, Manacorda também tem demonstrado o quanto essa lógica de organização social tem produzido uma divisão entre o pensar e o fazer. Desta divisão surge a escola dualista: uma escola do pensar, do estudo dos clássicos, da ciência, da política, para os filhos da classe dominante e uma escola do fazer, profissionalizante, técnica, para os filhos da classe trabalhadora que chegam à escola,

Encontraremos antes de tudo a separação dos processos educativos segundo as classes sociais, porém menos rígida e com um evidente desenvolvimento para formas de democracia educativa. Para as classes governantes uma escola, isto é, um processo de educação separado, visando preparar para as tarefas do poder, que são o “pensar” ou o “falar” (isto é, a política) e o “fazer” a esta inerente (isto é, as armas); para os produtores governados nenhuma escola inicialmente, mas só um treinamento no trabalho, cujas modalidades, que foram mostradas por Platão, são destinadas a permanecer imutáveis durante milênios:

observar e imitar as atividades dos adultos no trabalho, vivendo com eles. Para as classes excluídas e oprimidas, sem arte e nem parte, nenhuma escola e nenhum treinamento, mas, em modo e em graus diferentes, a mesma aculturação que descende do alto para as classes subalternas (MANACORDA, 2010, p. 58) (GRIFOS DO AUTOR).

Deste modo, é pertinente ressaltar a definição de Estado para complementar a

compreensão dos conceitos abordados na obra. Assim Marx & Engels (2002, p. 74) dizem

que “[

dominante fazem valer seus interesses comuns e na qual se resume toda a sociedade civil

sendo o Estado, portanto, a forma pela qual os indivíduos de uma classe

]

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

50

de uma época ”. O Estado tem uma natureza de classe profunda, ele é um

de uma época”. O Estado tem uma natureza de classe profunda, ele é um instrumento fundamental da reprodução do capital. A principal razão da existência do Estado é manter a separação dos proprietários dos meios de produção, da força de trabalho sem propriedade. Diante desta definição no capitalismo todos somos iguais perante a lei, visto que a relação de exploração não é explícita como na época do feudalismo. No capitalismo a mais valia, não aparece abertamente, o dono da empresa não comunica ao funcionário quanto lucrou com seu trabalho.

Com base neste solo histórico Marx (2002) compreende a divisão do trabalho como a causa da alienação. A partir da qual explica que a divisão do trabalho, faz com que a produção do homem se torne uma força estranha situada fora deles, cuja origem e destino ignora e não pode mais dominar. Desta maneira o processo de alienação é o processo da separação entre as forças produtivas e o homem, forças produtivas que se destacam, tornando-se forças não mais desses mesmos homens, mas da propriedade privada. Assim os trabalhadores vendem sua força de trabalho aos donos do capital, e ao realizarem esta venda se tornam mercadorias onde recebem um preço, que é o salário, desta forma os trabalhadores não percebem que foram desumanizados. Os conceitos e ideias apresentadas até o momento apresentam como resultados:

1. No desenvolvimento das forças produtivas, [

formada pela maioria dos membros da sociedade e da qual surge a consciência da necessidade de uma revolução radical, consciência que

é a consciência comunista [

contra o modo de atividade anterior, ela suprime o trabalho e extingue

a dominação de toda as classes abolindo as próprias classes, porque ela

é efetuada pela classe que não é mais considerada como uma classe na

sociedade, que não é mais reconhecida como tal, e que já é a expressão

da dissolução de todas as classes, de todas as nacionalidades etc. no quadro da sociedade atual. 4. Uma ampla transformação dos homens se faz necessária para a criação em massa dessa consciência comunista (MARX & ENGELS, 2002, p. 85-86).

revolução comunista, é dirigida

]

]

nasce uma classe [

].

3. [

]a

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

51

A revolução comunista citada por Marx consistiria então na desalienação onde os homens deveriam se

A revolução comunista citada por Marx consistiria então na desalienação onde os homens deveriam se reapropriar dos meios de produção, e se (re)apropriar do seu destino e construir o mundo que ele desejar. Deste modo,

se quiserem afirmar-se enquanto pessoa, devem abolir sua própria condição de existência anterior, que é, ao mesmo tempo, a de toda a sociedade até hoje, quer dizer abolir o trabalho. Eles se colocam com isso em oposição direta à forma pela qual os indivíduos da sociedade até agora escolheram como expressão de conjunto, isto é, em oposição ao Estado, sendo-lhes preciso derrubar esse Estado para realizarem sua personalidade (MARX & ENGELS, 2002, p. 96-97).

O comunismo para Marx seria a etapa final dos sistemas econômicos de produção, porque no comunismo não haveria a diferença de classes sociais, e a superação deste modelo só seria possível através de uma revolução. Marx (2002) indica que inicialmente é necessário que o proletário tome consciência de classe de que por mais que ganhe ele sempre vai ser dominado, sempre vai ser explorado, que sendo trabalhador assalariado ele sempre estará produzindo mais do que ganha. Desta forma Marx (2002) propõe “A Ditadura do Proletariado” que consiste na tomada do poder político pelos proletários isso aconteceria através do uso da força física. Essa ditadura seria por um período temporário onde o proletariado iria realizar a expropriação dos meios de produção, em que estes sairiam das mãos da burguesia e o Estado passaria ser o dono dos meios de produção, Período socialista, ao final desta etapa entrariam no sistema comunista que consiste na ausência de divisões econômicas em classes sociais. Considerações Finais:

A leitura atenta da obra “A Ideologia Alemã” permite entender o lugar do homem no mundo, a relação de objetividade e subjetividade, contradição desmistificação do destino das coisas. É a compreensão e a expectativa e possibilidade de transformação.

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

52

A teoria marxista é aplicável na situação atual, considerando-se o conceito de mais valia, dominação

A teoria marxista é aplicável na situação atual, considerando-se o conceito de

mais valia, dominação e alienação. A desigualdade econômica ainda existe e continua

aumentado e o sistema capitalista não dá conta de solucionar este problema. Desigualdade

econômica gera desigualdade jurídica e política, desigualdade jurídica e política reforça

a desigualdade econômica, ou seja, mantém as coisas como estão.

Referências:

BIRNBAUM, Norman. Interpretações conflitantes sobre a gênese do capitalismo:

Marx e Weber. In: GERTS, René E. (org). Max Weber e Karl Marx. São Paulo: Hucitec, 1994. Capítulo IV, p. 99-119.

BOTTOMORE, Tom. Dicionário do pensamento marxista. Trad. Dutra, W. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2013.

FROMM, Eric. Conceito marxista do homem com uma tradução dos manuscritos econômicos e filosóficos de Karl Marx. Rio de Janeiro: Zahar, 1964.

LESSA, S; TONET, I. Introdução à filosofia de Marx. São Paulo: Expressão Popular,

2008.

MANACORDA, M. A. História da Educação: da antiguidade aos nossos dias. Trad. Gaetano Lo Monaco. 13 ed. São Paulo: Cortez, 2010.

MARX, Karl; Engels Friedrich. A Ideologia Alemã. Trad. Castro e Costa, L.C. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política: livro I (O processo de produção do capital), vol. I e II. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

NAVES, Márcio B. Marx: ciência e revolução. Campinas: Moderna, 2000.

Autores:

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

53

Viviana Patricia Kozlowski Lucyk Mestranda em Educação pela Universidade Estadual do Centro-Oeste UNICENTRO

Viviana Patricia Kozlowski Lucyk Mestranda em Educação pela Universidade Estadual do Centro-Oeste UNICENTRO

Marta Regina Coppe Mestranda em Educação pela Universidade Estadual do Centro-Oeste UNICENTRO martacoppe@hotmail.com Francielly Cristina Wisnievski Trelha Leite Mestranda em Educação pela Universidade Estadual do Centro-Oeste UNICENTRO franciellycristinaleite@hotmail.com

ISBN: 978-85-7392-161-5 Volume 1 VIII Encontro Brasileiro de Educadores Marxistas, 3 a 5 de maio de 2018 UNIOESTE Cascavel/PR: ABEM, 2018 Eixo Temático: Marxismo, materialismo histórico dialético, lutas de classes, revolução e emancipação humana

54