Você está na página 1de 36

DIMENSIONAMENTO DAS

FERRAMENTAS DE CORTE
DUC
2016
PARÂMETROS PARA
DIMENSIONAMENTO
• Ciclo de operações
• Utilização racional da chapa
• Rendimento
• Folga Punção x Matriz
• Força de Corte
• Posicionamento da Espiga
• Flambagem
• Capacidade da Prensa
CUSTO DO PRODUTO

Ferramenta Produto
• Projeto • Qualidade do material
• Fabricação • Peso do material
• Desperdícios
CICLO DE OPERAÇÕES
DISPOSIÇÃO
PROGRESSIVA
DE FUROS E
CORTES
UTILIZAÇÃO RACIONAL DA CHAPA

Mesmo punção – Mesmo lado


DISPOSIÇÃO IMBRICADA

Mesmo punção – lado invertido


FORMATO/DIMENSÕES DA PEÇA
CÁLCULO E UTILIZAÇÃO DE
RETALHOS
Boa economia de material se obtém usando:
• as tiras mais estreitas possíveis e
• espaçamentos, passos e avanços mínimos
SEPARAÇÃO DO PRODUTO E
SOBRA LATERAL

Para que a tira de


sobra seja rígida
 PROVENZA, Francesco.
Estampos. São Paulo: F.
Provenza, 1993. v.II
exemplo
exemplo
1 – Disposição 2 – Disposição 3 – Disposição
Reta Longitudinal: Reta Transversal: Inclinada:
1014 pc/chapa 999 pç/chapa 1258 pç/chapa
exemplo
4 – Disposição Imbricada 4 – Disposição Imbricada
(1º solução): 1554 pc/chapa (2º solução): 1674 pc/chapa
exemplo
5 – Disposição Imbricada Oblíqua: 1850 pç/chapa

Solução de melhor rendimento – Ferramenta mais cara


FOLGA PUNÇÃO x MATRIZ

* A folga (F)
adequada depende
da espessura do
material que varia
em uma faixa de 2%
a 7%.
FOLGA PUNÇÃO x MATRIZ
FOLGA PUNÇÃO x MATRIZ
dimensões externas  matrizes

• Exemplo: Deseja-se cortar discos de diâmetro 50mm


com uma chapa de espessura 3,0mm e tensão de
cisalhamento de 25kg/mm², sem extrator. Qual seria o
diâmetro do punção e matriz?

• Diâmetro do punção = 50 –0,1 = 49,9 mm


• Diâmetro da matriz ficará com o nominal de 50mm.

• De acordo com o gráfico a folga parcial é de 0,05mm,


portanto a folga entre punção e matriz é de 2 x 0,05mm
= 0,1mm
• * Neste caso, a folga retirada do punção é utilizado para aproveitar
a peça interna não havendo preocupação com o furo da chapa.
FOLGA PUNÇÃO x MATRIZ
dimensões dos furos  punções

• Exemplo: Deseja-se furar discos de diâmetro 50mm


com uma chapa de espessura 3,0mm e tensão de
cisalhamento de 25kg/mm², sem extrator. Qual seria o
diâmetro do punção e matriz?

• Diâmetro da matriz = 50 + 0,1 = 50,1 mm.


• Diâmetro do punção ficará com o nominal de 50mm

• De acordo com o gráfico a folga parcial é de 0,05mm,


portanto a folga entre punção e matriz é de 2 x 0,05mm
= 0,1mm
• * Neste caso, a folga é acrescida na matriz quando esta é utilizada
para aproveitar o furo cortado.
FORÇA DE CORTE
FC = σC (tensão de cisalhamento)x AC (área de corte)

AC = p (perímetro de corte ) x e (espessura da chapa)

• A tensão de cisalhamento é uma propriedade


mecânica que depende do material.
• Para levar em conta o efeito do atrito sugere-se
aumentar o valor de FC de 10 a 20%.
Para materiais
desconhecidos temos
que:
sc = (0,75 a 0,8) x sr

sr (ruptura)

 Adaptado de PROVENZA,
Francesco. Estampos. São
Paulo: F. Provenza, 1993. v.II
FORÇA DE CORTE
• Posicionamento da espiga
• Dimensionamento dos punções (flambagem)
• Capacidade da prensa
POSICIONAMENTO DA ESPIGA
• No CENTRO DE GRAVIDADE (CG) ou
BARICENTRO do conjunto de forças de corte
desenvolvido pela ferramenta.
• Desequilíbrios
– rápido desgaste
– inutilização prematura da ferramenta
CENTRO DE GRAVIDADE
• Deve ser calculado considerando os
perímetros de corte – os perímetros dos
punções e não as áreas dos punções ou da
peça.
POSICIONAMENTO DA ESPIGA
• Determinar os perímetros total e parciais de
corte
• Arbitrar dois eixos coordenados 0X e 0Y na
disposição mais racional
• Determinar os CG’s de cada perímetro de corte
• XG = S(Pi x Xi) / S Pi
• YG = S(Pi x Yi) / S Pi
POSICIONAMENTO DA
ESPIGA
POSICIONAMENTO DA
ESPIGA
Não é válido calcular o CG em relação à área para figuras irregulares. Nestes
casos calculamos o CG em relação ao perímetro que é onde haverá corte.
POSICIONAMENTO DA ESPIGA
• Perfil de corte simétrico  o CG e a posição da
espiga no eixo de simetria
• O centro de forças  com o centro da mesa da
prensa
PUNÇÕES DE CORTE
1. A tensão de trabalho do punção não deve
ultrapassar a tensão admissível do material
com que é confeccionado. Logo:
PUNÇÕES DE CORTE
2. Sendo o punção carregado axialmente, o
mesmo pode flambar.
Para evitar este inconveniente, limita-se seu
comprimento (fórmula de Euler):
l (comprimento real)
l0 (comprimento de flambagem)
Jmin (momento de inércia mínimo)
E (módulo de elasticidade normal).
CAPACIDADE DA PRENSA
• Somatório das forças de corte de TODOS os
punções mais a faca de avanço
• Coeficiente de segurança ( + 10 a 20%)
ESPESSURA DAS PLACAS
ESPESSURA DAS PLACAS
• BASE SUPERIOR >= 20 mm
• BASE INFERIOR >= 25 mm

FORÇA DE Espessura das bases (pol)  PROVENZA,


CORTE inferior superior Francesco.
20-30 t 1 ½’’ 1’’ Estampos. São
Paulo: F.
30-50 t 2’’ 1 ½’’
Provenza,
50-80 t 2 ½’’ – 3’’ 2’’ 1993. v.I
ESPESSURA DAS PLACAS
• PLACA DE CHOQUE: <= 5 mm
• PORTA PUNÇÃO: >=1,2 x E
• GUIA DOS PUNÇÕES: >=1,2 x E
SELEÇÃO DA PRENSA
Deve-se selecionar uma prensa comercial:
• Capacidade nominal X calculada
• Velocidades X produção
• Área de fixação
• Curso
SUGESTÕES
PROVENZA, Francesco. Estampos. São
Paulo: F. Provenza, 1993. 3v.

BRITO, Osmar de. Estampos de Corte. São


Paulo: Hemus, 1981.

YOSHIDA, Américo. Ferramenteiro (corte –


dobra – repuxo).São Paulo: L. Oren: 1979.