Você está na página 1de 40

Tradição + Inovação

Conciliando tradição e reconhecimento, o IOB Concursos traz


uma metodologia simples e interativa.
Presente em 100% do território nacional, conseguimos levar
nossa tecnologia de ensino a todas as cidades, colaborando para a
democratização do ensino no Brasil.
As videoaulas e o material didático são as ferramentas de
aprendizagem. Os livros que compõem os cursos preparatórios
foram desenvolvidos com o objetivo de sintetizar os principais
pontos destacados nas videoaulas. Tudo desenvolvido para
atender às necessidades de diferentes perfis de alunos.
Com pesquisas e avaliações constantes junto aos alunos,
nosso objetivo é garantir a satisfação e a excelência.
www.iobconcursos.com

Atualidades
Obra organizada pelo Instituto IOB – São Paulo: Editora IOB, 2015. ISBN 978-85-8079-114-3

Informamos que é de inteira responsabilidade do autor a emissão dos conceitos.


Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida por qualquer meio ou forma sem a
prévia autorização do Instituto IOB. A violação dos direitos autorais é crime estabelecido na
Lei nº 9.610/1998 e punido pelo art. 184 do Código Penal.
Sumário
Capítulo 1. Organismos Internacionais, 5
1. FMI – BIRD – Crise Econômica Mundial – Separação da
Escócia, 5
2. ONU e suas Funções – Assembleia Geral – Síria –
UNESCO, 6
3. UNODC – Uruguai Libera Maconha – Colorado-EUA –
Conselho de Segurança da ONU, 7
4. ONU – Instrumentos Jurídicos: Corte Internacional de
Justiça, 8
5. OMC – Roberto Azevedo – Rodada de Doha –
Subsídios Comerciais – Acordos Comerciais, 8
6. BRICS – Proposta de Criação de um Banco de
Desenvolvimento – Davos – OEA, 9
7. Direitos Humanos – Rússia – Sochi – Geórgia – OTAN
– G-20 São Petersburgo – Edward Snowden, 10
8. Espionagem – Caças Brasileiros – Questão Nuclear:
Coreia do Norte e Japão – Orgias, Drogas e Corrupção, 11
Resumo do Capítulo, 13

Capítulo 2. Tratado de Assunção e Aliança do Pacífico, 14


1. Tratado de Assunção – Venezuela – União Europeia –
Ucrânia, 14
2. Aliança do Pacífico – Nelson Mandela – ASIAN –
Tailândia, 14
Resumo do Capítulo, 16

Capítulo 3. Cenários e Tendências Mundiais 2014, 17


1. Cuba – Médicos Cubanos, 17
2. Colômbia e Venezuela, 17
3. Oriente Médio – Israel e Palestina – Ariel Sharon –
Iraque, 18
4. China – Japão x China e suas Ilhas, 19
5. Primavera Árabe – Síria – Cúpula Genebra II, 19
6. Separatismos. Cúpula do Clima, 20
7. Geopolítica Internacional, 21
8. Revolta na China. Eleições 2014 no Brasil, 22
9. Brics. Otan. Ebola, 22
Resumo do Capítulo, 24

Capítulo 4. Atualidades 2015 II, 25


1. Crise na Europa, 25
2 Jihadismo, 26
3. Episódio Charlie Hedbo e outros temas, 26
4. Direitos humanos, 28
5. Violência de gênero e violência racial. Otan, 28
6. Cuba X EUA, 29
Resumo do Capítulo, 30

Capítulo 5. Atualidades 2015 II, 32


1. Política Internacional, 32
2 Terceirização. Geopolítica internacional, 33
3. Separatismos no mundo, 34
4. Estatuto da família, 34
5. Massacre dos armênios, 35
6. Massacre dos armênios II. Operação lava jato, 36
7. Operação laja jato 36,
8. Temas internacionais, 37
Resumo do Capítulo, 30
5

Capítulo 1.
Organismos Internacionais

1. FMI – BIRD – Crise Econômica


Mundial – Separação da Escócia

A
Conferência de Bretton Woods (1944), ocorrida no final da Segunda
Guerra Mundial, deu origem ao FMI e ao BIRD (Banco Internacional
de Reconstrução e Desenvolvimento, também conhecido como Banco
Mundial). É importante citar estes organismos porque se relacionam com a crise
econômica mundial.
Esta crise iniciou-se no mercado financeiro dos Estados Unidos, na questão
dos empréstimos de alto risco que foram transformados em títulos e revendidos
para instituições financeiras, causando a quebra de vários bancos, inclusive do
terceiro maior banco americano (Lehman Brothers). Mas é importante saber os
efeitos da crise, notadamente na Europa, tendo em vista que ela se tornou uma
crise eminentemente europeia. Os países mais atingidos foram Portugal, Itália,
Irlanda, Grécia e Espanha (sigla: PIIGS), adicionando-se o Chipre.
O Chipre teve ajuda da Troica, que decidiu pelo confisco das contas correntes,
a solução mais drástica em termos de economia. Troica é um termo que se refere
ao FMI, Banco Central Europeu e Comissão Europeia. Esta tríade, juntamente
com a Alemanha, atualmente, “dá as regras do jogo” na Europa.
O presidente da França, François Holland (que recentemente teve descoberta
sua vida bígama) é o mais impopular da história, por ter prometido uma saída
socialista miraculosa da crise, mas não conseguiu realizar esta solução. Hoje em
dia, o custo França é muito alto, o que comprova a crise.
Um efeito importante é a questão do separatismo: vários países da
Europa sofrem pressões separatistas atualmente. A Catalunha, região
bastante rica da Espanha, que perdeu a autonomia em 1714, neste
ano tenta um referendo para se separar. Também importante saber sobre o caso
da Escócia que, em setembro deste ano, realizará um referendo acerca da sua
separação do Reino Unido.
Lembra-se que Reino Unido abrange Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlan-
da do Norte. O primeiro ministro Britânico é contra a separação.
6

Outros efeitos são o racista e o islamofobia, que assolam a Europa atualmen-


Atualidades

te.

2. ONU e suas Funções –


Assembleia Geral – Síria –
UNESCO

A
finalidade primeira da ONU é zelar pela paz internacional, reunindo
os países do mundo, e tentando alcançar assim questões como saúde
mundial.

Assembleia Geral é a reunião constante dos representantes de


cada país, na ONU, e uma vez por ano (em setembro) acontece
um encontro dos chefes de governo de cada Estado.

Três foram os principais temas discutidos na última Assembleia Geral


(set/2013). O primeiro é o caso da Síria. Importante saber que está ocorrendo
uma reunião chamada Genebra 2, que tenta encontrar soluções para os confli-
tos que vêm ocorrendo na Síria. Outro assunto que repercutiu foi o Irã, que vive
uma crise econômica muito grande. Negociou com as grandes potências, como
tentativa de sair dessa crise, um acordo sobre seu programa nuclear. Por último,
o tema tratado na Assembleia foi a espionagem, levada para a ONU pelo Brasil.
O cargo máximo da ONU é o de Secretário-Geral. O mandato é de 5 anos,
renovável por mais 5 anos. O atual Secretário-Geral da ONU é o sul-coreano Ban
Ki-moon, que substituiu Kofi Annan. O Brasil nunca teve um Secretário-Geral
da ONU.
Anualmente, por pressões das agências da ONU, define dois temas para se-
rem tratados naquele ano. Os temas anuais deste ano são a Agricultura Familiar
(tema definido pela FAO) e a cristalografia, ou seja, o estudo dos cristais (tema
definido pela UNESCO). No ano passado (2013), foram a quinoa e a cooperação
pelas águas.
A FAO é hoje dirigida pelo brasileiro José Graziano, que foi o criado do pro-
grama Fome Zero. Ricupero também já foi dirigente de uma agência da ONU,
chamada Untag.
Roberto Azevêdo também é um brasileiro bastante importante no cenário
internacional, porque dirige a OMC.
7

Atualidades
3. UNODC – Uruguai Libera
Maconha – Colorado-EUA –
Conselho de Segurança da ONU

U
NODC é uma agência que cuida de drogas e crimes que, durante mui-
to tempo, teve uma postura conservadora. Esta posição tem se altera-
do: existe um debate intenso sobre a proibição ou criminalização das
drogas.
No Brasil, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, juntamente com os
ex-presidentes da Colômbia e do México, vêm liberando esse debate, ao criar
uma Comissão Interamericana que debate a descriminalização da maconha, es-
pecificamente, levando a questão do usuário para a área da saúde.
A Europa é vanguardista neste tema. A Holanda legaliza o consumo e a venda
em pequenas quantidades da maconha, mas não permite a produção e a venda
em grandes quantidades. Neste sentido, o Uruguai é mais liberal porque liberou
todo o processo: desde o plantio até o consumo. Ademais, o Uruguai também
é mais moderno em questões como casamento gay, o aborto, a imigração, etc.
Portugal também já descriminalizou o consumo de qualquer droga. Nos EUA,
dois estados já liberaram a maconha para fins recreativos (outros estados já há
algum tempo tinham liberado o uso sob prescrição médica), o que demonstrou
uma mudança de postura deste país, que sempre foi bastante conservador. A
própria eleição e reeleição do Obama demonstram essa postura.
Do lado oposto, temos a Suécia, país altamente conservador e rígido, que
criminaliza o consumo de todas as drogas e bem assim a prostituição.
Ainda sobre ONU, vale lembrar que o Conselho de Segurança é o
órgão executivo, que decide intervenções militares, missões de paz,
etc. É formado por 15 países, sendo 10 membros eleitos e 5 membros
permanentes (EUA, Reino Unido, França, China e Rússia). Esses têm poder de
veto.
Os membros eleitos têm mandato de 2 anos. Japão, Brasil, Índia e Alemanha
formam o chamado G4: estes países querem aumentar o número de membros
permanentes e eleitos do Conselho de Segurança.
Pela primeira vez, este ano, a Arábia Saudita foi escolhida para participar do
Conselho de Segurança, mas recusou a escolha, porque não concorda com a
aproximação mundial com o Irã. Quem ocupou o lugar da Arábia Saudita foi a
Jordânia.
8
Atualidades

4. ONU – Instrumentos Jurídicos:


Corte Internacional de Justiça

A
Corte Internacional de Justiça (CIJ), localizada em Haia, é um instru-
mento jurídico da ONU que julga as querelas políticas entre países. São
exemplos recentes:
Honduras denunciou o Brasil pela queda do presidente, que foi expulso do
país. Foi enviado para a Costa Rica e, depois, sem ninguém saber como, voltou
para Honduras e se abrigou na embaixada brasileira, onde ficou mais de 3 meses.
O Brasil abrigou o ex-presidente e não reconheceu o governo da época. Por isso,
Honduras fez esta denúncia contra o Brasil. Atualmente, as relações entre Ho
duras e Brasil já foram pacificadas.
Outro episódio envolvendo o Brasil foi o caso do Cesare Battisti, não extradi-
tado pelo Brasil. Itália e Brasil têm, entre si, tratado de extradição que determina
apenas a não extradição de nacionais, mas, mesmo assim, o Brasil não fez a
extradição.
Neste caso específico, a Itália ameaçou, mas não chegou a representar contra
o Brasil na CIJ. Importante salientar que a Itália, que vive uma crise econômica,
está, atualmente, sem governo, pois o primeiro ministro, Enrico Letta, renunciou.
O prefeito de Florença é o mais cotado para assumir o cargo de chefe de Estado.
Recentemente, Peru e Chile estiveram em disputa na CIJ, por conta de um
território marítimo. O território, que era do Chile, é importante pela pesca de
anchovas e, na CIJ, o Peru ganhou a contenda.
Atualmente, o Chile é governado pelo presidente Sebastian Piñera, e será
substituído por Michele Bachelet.

5. OMC – Roberto Azevedo –


Rodada de Doha –Subsídios
Comerciais – Acordos Comerciais

A
OMC (Organização Mundial do Comércio) surgiu nos anos 40, com
o nome de GATT, e tem hoje 159 países-membros, e o último grande
país a entrar foi a Rússia (2011). A função deste organismo é criar
regra para o comércio de seus associados.
É dirigida, desde setembro de 2013, pelo brasileiro Roberto Azevêdo. A estreia
9

de Roberto Azevêdo foi no encontro de Bali, em dezembro de 2013, caracteriza-

Atualidades
da como encontro histórico. A OMC vinha sendo taxada como uma organização
em descrédito, especialmente, porque não tinha conseguido finalizar uma rodada
comercial (Rodada de Doha), de 2001, que visa a liberalização do comércio mun-
dial com redução das barreiras alfandegárias.
Em 2013, neste encontro em Bali, esta negociação teve grande avanço: tra-
tou- se da redução da burocracia alfandegária, da agricultura e de medidas para
que países pobres possam exportar mais. E a liderança do brasileiro nestas nego-
ciações foi muito elogiada.
Outro tema ligado à OMC são as guerras comerciais. As principais guerras
comerciais são entre Brasil e EUA. Hoje, o grande problema entre estes países é o
algodão: os produtores brasileiros reclamam dos subsídios dados aos produtores
americanos, que tornam o produto deles mais barato e, consequentemente, mais
competitivo internacionalmente. O Brasil pediu a abertura de um painel junto à
OMC, que foi favorável ao Brasil. Os EUA decidiram, então, dar os mesmos sub-
sídios para o Brasil. Mas o subsídio venceu, e não foi renovado. Assim, o Brasil
voltou à OMC com o mesmo tema.
Importante mencionar também os acordos internacionais. Acordo
transatlântico é o acordo de livre-comércio entre Estados Unidos e Eu-
ropa. Este acordo seria o maior acordo já existente, e é prejudicial ao
Brasil, porque os EUA são, ainda, o maior concorrente, e este acordo torna o
mercado ainda mais fechado para o nosso país.
Lembrar também que o Mercosul é um acordo extremamente em crise, tendo
em vista que, desde que criado, assinou acordos com apenas 3 países.

6. BRICS – Proposta de Criação de


um Banco de Desenvolvimento –
Davos – OEA

O
BRICS surgiu em 2001 como BRIC, acrônimo criado por Jim O’Neill.
É necessário lembrar que em 2009 tal organização se instituciona-
lizou e,em 2011, houve a entrada da África do Sul.
A última cúpula dos BRICS, em 2013, ocorreu em uma cidade da África do
Sul e neste encontro a proposta foi a criação de um Banco de Desenvolvimento.
No entanto, cumpre ressaltar que a situação atual dos BRICS não é das melhores.
Ainda, no encontro da Celac, ocorrido em Havana, o chileno dirigente da
OEA esteve presente, demonstrando descongelamento das relações entre a OEA
10

e Cuba. Outro ponto a ser observado é a prisão da brasileira Ana Paula Maciel,
Atualidades

ocorrida na Rússia. Ana Paula foi presa por lutar contra a exploração do gás e do
Petróleo no Ártico.

Em economia, BRICS é um acrônimo que se refere aos países


membros fundadores (o grupo BRICS: Brasil, Rússia, Índia,
China e África do Sul), que juntos formam um grupo político de
cooperação. Em 14 de abril de 20112 , o “S” foi oficialmente
adicionado à sigla BRIC para formar o BRICS, após a admissão
da África do Sul (em inglês: South Africa) ao grupo.3 4 5 Os
membros fundadores e a África do Sul estão todos em um estágio
similar de mercado emergente, devido ao seu desenvolvimento
econômico. É geralmente traduzido como “os BRICS” ou “países
BRICS” ou, alternativamente, como os “Cinco Grandes”.

7. Direitos Humanos – Rússia –


Sochi – Geórgia – OTAN – G-20
São Petersburgo – Edward
Snowden

A
Rússia está organizando a Olimpíada de Inverno de Sochi; a olimpíada
mais cara de toda a História.
A OTAN é uma organização chamada Organização do Tratado do
Atlântico Norte. Surgiu em 1949, em um contexto de Guerra Fria.
É preciso entender que a OTAN ainda é motivo de atritos com a Rússia, até
porque nos últimos anos houve uma expansão da OTAN para o leste europeu.
Neste sentido, países que faziam parte do Pacto de Varsóvia começaram a entrar
para a OTAN, o que começou a irritar a Rússia.
Outro ponto a ser estudado é que a última reunião do G-20 ocorreu na Rússia,
em São Petersburgo, e o grande tema foi a Síria. Naquele encontro, os Estados
Unidos demonstraram vontade em proceder ao ataque, no entanto, a postura da
Rússia impediu a guerra.
Ainda, em 30 de dezembro de 2013, a Rússia foi atacada em uma cidade cha-
mada Volgogrado. Assim, observa-se que a Rússia vive hoje em estado de alerta,
11

atenção máxima em relação ao terrorismo.

Atualidades
É necessário esclarecer que o homem mais procurado hoje na Rús-
sia é Doku Umarov.
Outro assunto diz respeito ao esquema de espionagem da NSA,
que foi denominado Prisma (Prism em inglês). Tal esquema tinha como principais
objetivos captar grampos telefônicos e internet.

8. Espionagem – Caças Brasileiros


– Questão Nuclear: Coreia do
Norte e Japão – Orgias, Drogas e
Corrupção

U
m tema muito importante e que deve ser estudado é a questão nu-
clear.
Sobre a energia nuclear, há uma autoridade internacional denomi-
nada Agência Internacional e Energia Atômica (Aiea), com sede em Viena, Áus-
tria.
Diversos países do mundo utilizam energia nuclear. Na França, por exemplo,
75 % da energia é energia nuclear. Já o Brasil possui duas usinas nucleares.
A Alemanha, em 2012, votou um plebiscito em que decidiu que não mais
usará energia nuclear. Assim, até 2022, todas as usinas serão fechadas.
Em relação à bomba, somente quem pode ter são os países do Conselho de
Segurança. Existe um Tratado Internacional chamado Tratado de Não Proliferação
de Armas Nucleares (TNP), que impede que países que não sejam do Conselho de
Segurança tenham a bomba.

Hoje os cinco países do Conselho têm a bomba, bem como


outros quatro países “rebeldes” também possuem.

É necessário lembrar que o mais novo país que entrou no rol dos países que
possuem a bomba é a Coreia do Norte.
Outro importante tema é o acordo feito pelo Irã com as chamadas seis potên-
cias mundiais. Neste sentido, o Irã foi obrigado a se adequar aos acordos que as
potências impuseram e em troca terá acesso a US$ 1,5 bilhão, além de suspensão
de algumas sanções.
12

Por fim, o Prêmio Nobel da Paz foi dado recentemente para Opaq, uma or-
Atualidades

ganização para proibição de armas químicas. O prêmio de física foi dado aos
cientistas que desenvolveram a experiência do Bóson de Higgs.
13

Resumo do Capítulo

→ “O Brasil crescerá menos de um quarto do que a América Latina e


Caribe neste ano, e sua recuperação não será das melhores em 2016, infor-
mou o Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta terça-feira.”
Portal Terra, 20.01.2015

→ “Crianças constituem um terço dos combates no Iêmen, alerta


ONU. Representante da Unicef no pais diz que jovens são usados tanto na
linha de frente do conflito quanto em postos de controle”
Estadão, 10.04.2015

→ “Negociações da Rodada Doha avançam na OMC Os 160 países


membros se deram até julho como prazo para definições. A OMC tenta há
15 anos concluir negociações para liberalizar o comércio.”
G1, 23.03.2015

→ “Talvez a Índia seja o único país do BRIC que continua de pé.”


Exame.com, 09.02.2015

→ “Atentado talibã contra a Otan mata cinco pessoas no Afeganis-


tãoUm porta-voz da aliança ocidental confirmou o ataque feito com um
carro-bomba. Há ao menos doze pessoas feridas, entre eles civis e um me-
nino de 13 anos”
Veja OnLine, 10.04.2015
14

Capítulo 2.
Tratado de Assunção e
Aliança do Pacífico

1. Tratado de Assunção –
Venezuela – União Europeia –
Ucrânia

D
ois blocos econômicos devem ser estudados, quais sejam, a União Eu-
ropeia e o Mercosul.
Em relação ao Mercosul, é preciso estudar os Tratados que criaram
os blocos. Dois Tratados criaram o Mercosul, o Tratado de Assunção (1991) e o
Protocolo de Ouro Preto (1994). É preciso lembrar que a partir do Protocolo de
Ouro Preto se iniciou o Mercosul.
É necessário observar que hoje o Mercosul possui um novo país, a Venezuela.
Quando o referido país se candidatou a entrar, em 2006, a Argentina e o Uruguai
aceitaram. Já o Brasil só acatou em 2009 e quem não aceitou foi o Paraguai, me-
diante alegação de que a Venezuela não seria um país democrático.
A União Europeia surgiu em 1957 com o Tratado de Roma, com seis países
somente. Hoje, conta com 28 países e o 28º país que entrou foi a Croácia.
Atualmente, a Ucrânia quer entrar para a União Europeia, mas conta com o
empecilho de seu presidente, Viktor Yanukovich. O presidente entende que o
melhor para o país é uma relação próxima com a Rússia e o motivo de o povo
estar revoltado nas ruas é justamente a queda de Viktor Yanukovich. É necessário
lembrar que o líder da oposição na Ucrânia é o boxeador Vitali Klitschko.
Cumpre observar que a Ucrânia é um país dependente da Rússia, dependen-
do inclusive do gás deste país.

2. Aliança do Pacífico – Nelson


Mandela – ASIAN – Tailândia

A
Aliança do Pacífico é um bloco novo que surgiu em 2012, reunindo
México, Peru, Colômbia e Chile.
Outro bloco que deve ser estudado encontra-se na África, um
15

grupo denominado Southern African Development Community (SADC).

Atualidades
5. destaque: o primeiro é Angola, um país que vem cres-
Dois países merecem
cendo; o segundo é a África do Sul, que tem como grande notícia a morte de
Nelson Mandela, pessoa que entrou para a história por lutar contra o regime
do apartheid.
Mandela fundou o CNA (Congresso Nacional Africano) e a partir daí come-
çou a militar contra o apartheid.
Faz-se necessário lembrar que Nelson Mandela saiu da prisão em 1994 e foi
presidente da África do Sul entre 1995 e 1999.
Existe outro grupo, que reúne os países da Ásia, denominado Asean. Tal
grupo é composto pela Tailândia, Vietnã, Camboja, dentre outros.
Cumpre observar que na Tailândia o povo encontra-se em estado de revol-
ta, querendo derrubar Yingluck Shinawatra, irmã de Thaksin Shinawatra que,
por sua vez, governou a Tailândia nos anos 2000 e foi deposto depois que o
povo tomou as ruas.
16

Resumo do Capítulo

→ O Tratado de Assunção foi um tratado assinado em 26 de março


de 1991, entre a Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, com o intuito de
criar um mercado comum entre os países acordados formando então, o
que popularmente foi chamado de Mercosul.

→ Em 1994, o Protocolo de Ouro Preto foi assinado como um com-


plemento do Tratado, estabelecendo que o Tratado de Assunção fosse re-
conhecido juridicamente e internacionalmente como uma organização.

→ A Aliança do Pacífico (em espanhol: Alianza del Pacífico) é um blo-


co comercial latino-americano criado formalmente em 6 de junho de 2012
no Chile, mais especificamente no Observatório Paranal em Antofagasta,
durante a 4ª Cúpula da organização.

→ Os membros-fundadores foram Chile, Colômbia, México e Peru. A


Costa Rica incorporou-se ao grupo em 2013.
17

Capítulo 3.
Cenários e Tendências
Mundiais - 2014

1. Cuba – Médicos Cubanos

P
rimeiramente, informa-se que Cuba é um país que conseguiu sua inde-
pendência no final do Século XIX.
Desde que Fidel Castro renunciou o poder em 2008, tem chamado a
atenção as reformas que o governo de Raul Castro vem realizando. São reformas
de cunho liberalizante, capitalista, reformas de abertura.
Insta ressaltar que as reformas que vêm acontecendo na ilha também estão
acontecendo na política e um exemplo disso é o fato de a blogueira Yoani Sán-
chez ter visitado o Brasil.
Houve em Cuba o fim do visto de saída, autorização que o governo dava para
qualquer cubano que quisesse sair do país.
A presidente do Brasil Dilma Rousseff esteve na cúpula da Celac e lá inaugu-
rou sua maior obra: o porto de Mariel (em Cuba).
O governo cubano vem fazendo algumas reformas, como a flexibilização das
regras de migração e viagens; a facilitação de empréstimos a pequenos negócios;
a unificação da moeda; a eliminação de restrições para a compra de carros; e a
privatização de salões de beleza, lanchonetes e restaurantes.
Nas relações com o Brasil, além do porto de Mariel, é preciso lem-
brar-se do programa Mais Médicos.

2. Colômbia e Venezuela

O
grande tema relacionado à Colômbia hoje é a negociação de paz em
relação às Farc.
A Colômbia é um país que vem enfrentando uma longa guerra
civil, desde os anos 1960.
É necessário observar que as Farc lutam ao lado de outros grupos por uma
Colômbia socialista, mais igualitária.
18

Ainda, em Havana, vem acontecendo uma reunião para tentar chegar ao


Atualidades

acordo de paz acima referido.


6.
É inegável que as Farc, bem como as guerrilhas em geral, estão totalmente
decadentes.
As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, também conhecidas
pelo acrônimo FARC ou FARC-EP, são uma organização de inspiração
comunista, autoproclamada guerrilha revolucionária marxista-leninista,
que opera mediante táticas de guerrilha. Lutam pela implantação do
socialismo na Colômbia8 e defende o direito dos presos colombianos.9
Hoje, existe uma intensa cooperação entre a ELN e as FARC

São seis os pontos em negociação entre a Colômbia e as Farc: desenvolvi-


mento agrário, participação política, fim do conflito, drogas ilícitas, vítimas (que
as Farc formalmente peçam desculpas às vítimas da guerra civil) e implantação a
partir de um referendo.
Outro país que também está nos noticiários é a Venezuela, país governado
por Nicolás Maduro, sucessor de Chavez.
Insta ressaltar que a Venezuela sempre esteve dividida, durante o período
chavista.
Ocorre que o país vive uma crise sem precedentes, momento em que há muita
violência. O assassinato da miss Mónica Spear e de seu marido mostra a grave
crise enfrentada pela Venezuela.

3. Oriente Médio – Israel e


Palestina – Ariel Sharon – Iraque

A
briga entre Israel e Palestina se dá porque um estado foi criado e outro
não.
A região da Palestina historicamente chama-se Palestina. Durante
muito tempo, judeus e árabes reivindicavam o território. Em 1947, a ONU pro-
pôs a criação de dois países, um estado árabe (Palestina) e outro judeu (Israel).
Os árabes não aceitaram a proposta, por ser esta desvantajosa, mas os judeus
aceitaram.
Assim, em razão deste fato começaram os desentendimentos e historicamen-
te pode-se dizer que houve três grandes conflitos.
Faz-se necessário entender que o grande problema hoje é o território da
Cisjordânia.
19

Israel assinou acordos com a Palestina que previam que Israel passaria para a

Atualidades
Palestina dois territórios: a Faixa de Gaza e a Cisjordânia. Ocorre que Israel não
abre mão da Cisjordânia, ainda que o acordo tenha sido assinado.
Um dos pontos de negociação hoje do acordo de paz é definir quais as fron-
teiras entre ambos. Outros pontos são a segurança e a questão do assentamento.
Por fim, é necessário entender que, além da briga entre Israel e Palestina, é
preciso estudar a política externa americana.
O Iraque enfrenta hoje uma complicada guerra civil, em que três grupos dis-
putam o poder: xiitas, sunitas e curdos.

4. China – Japão x China e suas


Ilhas

O
presidente na China hoje é Xi Jinping e a China é um país que cai
muito em prova por causa das questões econômicas e políticas.
Trata-se de um país que vem realizando uma abertura econômica
desde os anos 1970. No entanto, é necessário lembrar que a China é um país
comunista, ou seja, do ponto de vista político, mantém o centralismo, o autori-
tarismo.
Um dos desafios atuais é como a China pode crescer menos e como se ade-
quar a esse crescimento menor. Outro desafio para a China é como fazer o povo
consumir, já que os chineses poupam mais do que consomem. Ainda, pode ser
citado como desafio atual da China o combate à corrupção. Também pode ser
mencionado como objetivo no país aqui estudado o controle da insatisfação.
É preciso observar que a China tenta usar a imagem da atleta Li Na como
símbolo do sucesso do país, porém, a tenista não concorda com isso.
Por fim, é necessário ressaltar que China e Japão vêm se estranhando por
conta de ilhas.

5. Primavera Árabe – Síria – Cúpula


Genebra II

A
Primavera Árabe aconteceu por enquanto em cinco países. O primeiro
caso ocorreu na Tunísia, onde foi derrubado o ditador Zine El Abidine
Ben Ali, que estava no poder desde 1987 e caiu em 2011.
20

O segundo país em que ocorreu a Primavera Árabe foi o Egito, com a saída de
Atualidades

Hosni Mubarak em 2011. Assim, o Egito fez uma eleição, a primeira na história
7.
do país, e foi eleito Mohamed Morsi. Morsi durou somente um ano no poder, pois
em 2013 foi deposto.
Hoje, o Egito é administrado por um governo interino civil controlado pelos
militares (quem comanda hoje o Egito é o General Al-Sisi).
O terceiro caso ocorreu na Líbia, com a derrubada de Muamar Kadafi.
O quarto caso foi do Iêmen, com a queda de Ali Abdullah Saleh, que gover-
nava desde 1978.
Agora o fato está ocorrendo na Síria, na tentativa de derrubar
Bashar al-Assad.
Ainda, em relação à Síria, estão tentando chegar a um acordo na
cidade de Montreux, onde acontece a cúpula chamada Genebra II.
A melhor explicação para o que ocorre na Síria é que havia uma insatisfação,
uma manifestação econômica contra os rumos econômicos e políticos do país,
todavia, sem que isso representasse uma guerra sectária.
Ocorre que, neste momento, diante da guerra civil, estas divisões afloraram e
a guerra se torna sectária.

6. Separatismos. Cúpula do Clima

A
Europa tem vivido uma crise econômica desde 2008, que se iniciou, na
verdade, com a crise norte-americana. Um assunto que marcou o ano
de 2014, acerca deste tema, foi a consulta popular a respeito da inde-
pendência da Escócia. Ganhou o “não”: a população decidiu pela permanência
da Escócia dentro do Reino Unido, que é o conjunto formado por 4 territórios (In-
glaterra, Países de Gales, Escócia e Irlanda do Norte, sendo que os três primeiros
estão numa ilha chamada Grã Bretanha), e o poder emana da Inglaterra.
Ainda sobre os separatismos, outra região que está tentando fazer a consulta
é a Catalunha, que hoje pertence à Espanha. Trata-se de uma região que uma

Curiosidade: a bandeira do Reino Unido mistura as cores das bandeiras


da Escócia, da Inglaterra e da Irlanda, de modo que a separação da
Escócia acarretaria na necessidade da troca da bandeira.

especificidade própria e que há muito tenta a independência, mas a Espanha não


admite tal separação.
Além destas, existem várias outras regiões tentam seu separatismo, como é
o caso do País Basco (Espanha), Veneto (Itália), Quebec (Canadá) e Flandres (Bél-
21

gica).

Atualidades
Ainda dentro do tema, existe uma proposta de desmembramento da Cali-
fórnia, que se transforme em 6 Estados. Não se trata, contudo, de separatismo.

T
ema de extrema relevante para as provas é a sustentabilidade.
Importa destacar a Cúpula do Clima, que ocorreu em setembro de
2014, em Nova York, para discutir principalmente o problema do des-
matamento. Foi, inclusive, um documento que defende a redução do desmata-
mento no mundo. Tendo em vista que o Brasil trabalha muito neste sentido, não
assinou tal documento, alegando exatamente que não é necessário um docu-
mento formal para assegurar algo que já realiza.
O ator Leonardo Di Caprio fez um discursos, nesta cúpula, conclamando os
líderes mundiais para que tomem conhecimento do tema, e atuem neste sentido.
Importa lembrar que em 2014 ocorrerá a chamada Cop 20, que serve de
preparativo para a grande conferência que vai acontecer em Paris, e a expectativa
é a criação do novo Protocolo de Kyoto, mais abrangente, com números mais
agressivos, e que tenha a participação de inúmeros países (inclusive países que
não assinaram o Protocolo original).
As Cops (Conferências das Partes sobre Mudanças Climáticas) ocorrem desde
1995.

7. Geopolítica Internacional

O
ano de 2014 foi marcado por vários episódios importantes na geopo-
lítica mundial.
Tema importante é o boom do jihadismo e do terrorismo interna-
cional, em especial do grupo Estado Islâmico. Trata-se de um grupo recente, que
se tornou conhecido em 2014. É originário da própria Al Qaeda.

Estado Islâmico do Iraque e do Levante é uma organização jihadista no


Oriente Médio. Um califado foi proclamado em 29 de junho de 2014, Abu
Bakr al-Baghdadi foi nomeado como seu califa e o grupo passou a se chamar
Estado Islâmico mas não foi reconhecido pela comunidade internacional.O
EIIL afirma autoridade religiosa sobre todos os muçulmanos do mundo e
aspira tomar o controle de muitas outras regiões de maioria islâmica.

É bastante violento, rico e organizado, já tendo tomado cidades importantes


da Síria e do Iraque, e o grupo ganhou força pelo caos estabelecido nestes paí-
22

ses. A fronteira entre esses dois países desapareceu, e, concomitante a isto, foi
Atualidades

formada uma coalisão internacional, mais uma vez capitaneada pelos EUA, para
combater o Estado Islâmico.

8. China. Eleições no Brasil

C
hina
A Revolta dos Guarda Chuvas, que vem ocorrendo em Hong Kong
China, é o movimento em que os jovens saíram às ruas clamando por
democracia.
Hong Kong é um território que pertence à China, com certa autonomia, espe-
cialmente econômica, ou seja, a China controla Hong Kong, mas são dois siste-
mas diferentes, pois a china é socialista e Hong Kong é capitalista.
Ocorre que a liberdade política não é tão grande neste território. A China ti-
nha prometido que em 2017 haveria liberdade total para a escolha dos dirigentes
políticos da região. Ocorre que o partido comunista chinês resolveu que a escolha
seria entre os candidatos por ele pré-escolhidos. Por isso a revolta populacional.

Eleições 2014
Outro tema importantes são as eleições de 2014 no Brasil, que é a 7ª eleição
após a Ditadura Militar. O grande fenômeno dessas eleições foi a politização das
redes sociais e a questão das regiões do Brasil. Importa lembrar que o Norte e o
Nordeste sempre foram regiões governistas.
Em 1989, que teve 24 candidatos, venceu o Collor contra o Lula.
Em 1994, tivemos FHC no primeiro turno, e em 1998 também.
Em 2002, Lulla vence contra Serra, e em 2006 venceu contra Alckimin.
Em 2010, tivemos a vitória da Dilma contra Serra, e esse ano venceu nova-
mente contra Aécio Neves.

9. Brics. Otan. Ebola

C
úpula dos Brics
Brics é a forma como se têm chamado os países emergentes do Brasil,
Rússia, Índia e China. Este grupo foi institucionalizado, e em 2009
houve a primeira cúpula deste grupo, que tem se repetido anualmente, e desde
2011 conta com a participação da África do Sul.
Em 2014, a 6ª cúpula foi no Brasil e duas importantes decisões foram toma-
das:
23

a) Criação do NBD (Novo Banco de Desenvolvimento), com sede em Xangai

Atualidades
e seu primeiro presidente será em 2016, que terá mandato de 5 anos sem reelei-
ção. O próximo presidente será brasileiro.
b) Criação de um fundo de reserva para os países em crise.
Houve a proposta de incluir a Argentina no Brics, mas o Brasil barrou.

OTAN
Também houve, recentemente, uma reunião da OTAN. O encontro foi no País de
Gales e discutiu a crise da Rússia com a Ucrânia.
A OTAN é uma aliança militar, e hoje está no Afeganistão, policiando o mar da
África, por conta dos casos de pirataria, e no Kosovo.
24

Resumo do Capítulo

→ “Mais Médicos tem 92% de profissionais brasileiro e abre vagas.


Balanço da 3º chamada do programa foi apresentado por ministro”.
Estadão, 09.04.2015

→ “Farc culpam governo por retomada da violência na Colômbia


Presidente cancelou suspensão de bombardeio às Farc. Governo e grupo
rebelde voltaram a negociar em Cuba.”
G1, 16.04.2015

→ “O mediador da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, anunciou


que iniciará nesta terça-feira [05.05.2015] uma série de consultas com os
protagonistas do conflito sírio para tentar reiniciar as negociações de paz
no país, devastado pela guerra.”.
Exame, 05.05.2015

→ “Grupo denuncia atraso e falhas na gestão da OMS contra crise do


ebola. Relatório diz que agência da ONU não está preparada para conter
crises.”.
G1, 11.05.2015
25

Capítulo 4.
Atualidades - 2015 - I

1. Crise na Europa

A
crise na Europa acabou produzindo um acrônimo pejorativa que seria
Piigs, referindo-se a 5 países mais abalados por esta crise (Portugal,
Itália, Irlanda, Grã-Bretanha e Espanha). Recentemente, o mercado fi-
nanceiro criou um novo acrônimo: Fish (França, Itália, Espanha e Holanda)
Na Grécia, o partido denominado Syriza, de extrema esquerda, conseguiu ele-
ger seu líder Alexis Tsipras. Este partido é novo e nunca tinha alcançado o poder.
Conseguiu tal façanha defendendo outra saída para a crise que não a manuten-
ção aos ajustes fiscais.
Em 2010, a Grécia recorreu à Troica (FMI, Banco Central Europeu e Comissão
Europeia) para se levantar da crise, e a partir de então adotou um rigor fiscal mui-
to grande (alteração de direitos trabalhista, privatização de estatais, etc.). Estas
medidas são, por si, bastante impopulares, e, pregando a negação à esta politica
o partido Syriza chegou ao poder (em aliança com um outro país de extrema
direita).
O Syriza tem influenciado outros partidos, como o Podemus, partido espa-
nhol, que surgiu em 2014 e já é o partido com mais filiados na Espanha, liderando
a projeção das próximas eleições.
Na Itália, tivemos a renúncia do presidente Giorgio Napolitano (89 anos), que
havia sido reeleito em 2013.
Na Alemanha, a crise econômica e a cultura islâmica têm provocado uma
onda anti-islâmica. Uma marcha em Dresden reuniu 15 mil pessoas e deu origem
a um movimento chamado Pegida (patriotas europeus contra a islamização do
ocidente).
A Alemanha, em verdade, tem se dividido em manifestações contra e a favor
do islã. E o líder do movimento islamofóbico Pegida está sendo investigado por
recentemente aparecer imitando Hitler.
Bom lembrar, ainda, que em janeiro de 2015 completam 70 anos da liberta-
ção do campo de concentração de Auchwitz.
26
Atualidades

2. Jihadismo

O
termo Jihad significa Guerra Santa.
Grande parte dos grupos Jihadistas que existem atualmente são
provenientes da Al Qaeda, como é o caso do Estado Islâmico (antes
conhecido como Ísis). Este grupo atualmente concorre com a Al Qaeda, inclusive
na barbaridade de seus atos, como a execução do piloto da Jordânia numa jaula
incendiada pelos terroristas.
É evidente que o mundo foi marcado pelo ataque às Torres Gêmeas e ao
Pentágono, pela Al-Qaeda, pois a partir deste episódio a abordagem acerca do
terrorismo mudou. Gerou, inclusive, a edição, nos Estados Unidos, da Lei Patriota
(Patriot Act).
Após o 11 de setembro, o mundo vivenciou mais alguns ataques
no Ocidente (exemplos.: Madrid e Londres), mas, posteriormente, a
situação se agravou em dois continentes (África e Ásia), quando vários
outros grupos foram surgindo.
Importante lembrar que a Nigéria é, atualmente, a maior economia africana,
especialmente por conta da exploração do Petróleo.
O grupo Estado Islâmico fez desaparecer a fronteira entre a Síria e o Iraque,
e o seu objetivo é implantar um estado religioso. O grupo, atualmente, controla
uma série de cidades importantes, nesses países que estão vivendo uma guerra
civil, por vezes muito violentas (vide ataques químicos ocorridos recentemente na
Síria), em que praticamente não há instituições estabelecidas.
No Iraque, o combate ao Estado Islâmico é feito pelas forças militares de um
outro grupo chamado de Kurdos.
Em dezembro de 2014, o Talibã realizou um ataque a uma escola frequentada
por filhos de militares no Paquistão. Quase 200 crianças foram mortas depois de
9 horas de presença desses terroristas neste local.
Um fenômeno que tem ocorrido é a ida de jovens ocidentais para os loais
onde se reúnem tais grupos jihadistas. Estes jovens recebem treinamento e são
influenciados por este grupo. após um tempo, retornam a seus países de origem
agindo sozinhos (os chamados Lobos Solitários), exatamente o que ocorreu no
episódio do jornal satírico Charlie Hebdo (França).

3. Episódio Charlie Hebdo

E
ste episódio tem grande importância não especificamente pelo número
de mortos (levando-se em consideração que outros atentados o número
de vítimas, em geral, é bem maior), mas sim porque representou um
27

atentado ao modo de pensar e de agir dos ocidentais.

Atualidades
Charlie Hebdo é um jornal francês, pequeno mas bem conhecido,
caracterizado por sátiras pesadas contra religiões, políticos etc. Ao
utilizar de imagens do profeta Maomé, o jornal acabou gerando um ódio
nos muçulmanos (que consideram proibidos, inclusive, a reprodução
da imagem do profeta).

Em 07.01.2015 a sede da revista foi atacada causando a morte de 12 pessoas,


dentre elas um policial, e, nesta mesma data, também houve um ataque a um
mercado que vendia comida judaica, sendo que este último foi assumido pela Al-
Qaeda da Península Arábica (que é um concorrente do Estado Islâmico).
Após os ataque, surgiu, nas redes sociais, a campanha internacional Je Suis
Charlie que demonstrou o alcance desses atentados.
Os terroristas que atacaram a revista já tinham tido treinamento do Iêmen.
Tanto estes quanto o que atacou o mercado foram caçados e executados pela
polícia francesa
Uma grande manifestação ocorreu no dia do atentado, que reuniu quase 4
milhões de pessoas, num ato político e emocionante em torno desta causa. In-
teressante o fato de que os Estados Unidos não enviou nenhum representante
nesta ocasião.

Tribunal Penal Internacional x Brasil


O TPI, com sede em Haia. foi criado em 2000 para julgar crimes de guerra, inspi-
rado no Tribunal de Nuremberg (que foi criado para julgar os nazistas).
O Brasil foi recentemente suspenso do Tribunal Penal Internacional, por não
pagar uma dívida de R$ 6 milhões.

Direitos Humanos
O tema dos Direitos Humanos, especialmente no que tange à pena de morte, está
em pauta por conta da execução do brasileiro condenado por tráfico de drogas
na Indonésia.
Mas importante lembrar, em Direitos Humanos, das críticas que a anistia In-
ternacional fez aos Estados Unidos, pela manutenção da prisão de Guantânamo.
Guantânamo é uma base militar que os EUA mantém em Cuba, onde foram
construídos presídios. Recentemente, teve-se a notícia de que alguns prisioneiros
desta localidade para prisões no Uruguai.
28
Atualidades

4. Direitos Humanos

C
omo visto, retoma a discussão o tema da pena de morte.
Vários países do mundo ainda têm, institucionalizada, a pena de
morte, como Japão, China, Estados Unidos (que adotava, até pouco
tempo, a cadeira elétrica).
Interessante mencionar o caso de Uganda, que aprovou a pena de morte para
gays, e, posteriormente, revendo sua decisão, alterou a penalidade para prisão
perpétua, e o caso de Bangladesh, que aprovou a pena de morte para ateus.
O brasileiro Marco Archer foi executado em janeiro de 2015, com um único
tiro no peito. Nas execuções na Indonésia, 15 policiais se posicionam, sendo que
12 das armas são munidas com balas de festim, e apenas duas com munição real.
Todos atiram ao mesmo tempo, de modo que não se pode saber qual foi o policial
“responsável” pela morte.
Outro brasileiro, Rodrigo Gularte, ainda está no corredor da morte, na Indo-
nésia, condenado pelo mesmo crime (tráfico de drogas) e a família está alegando
esquizofrenia na tentativa de livrá-lo da morte.
Rodrigo Gularte foi executado na Indonésia, no dia
28.04.2015 na prisão de Nusakambangan, e enterrado em
Curitiba.

Outro tema importante é a questão da homofobia.


Existe um projeto de lei que criminaliza a homofobia tramitando há 8 anos no
Congresso, onde encontra barreiras porque existe uma forte bancada religiosa
Por outro lado, diversos países do mundo vem aprovando o casamento gay,
sendo que recentemente a Flórida, um dos estados mais conservadores dos Esta-
dos Unidos, aderiu a esta aprovação.
A este propósito, o Supremo dos EUA decidirá sobre o tema, tendo em vista
que as leis sobre o casamento gay são estaduais. Isto porque havia uma lei naque-
le país que determinada que o casamento era entre homem e mulher. Esta lei foi
derrubada, mas não foi publicada outra que a supra.
Na América do Sul, recentemente o Chile reconheceu, pela primeira vez, a
união de homossexuais

5. Violência de Gênero e Violência


29

Atualidades
Racial - OTAN

E
m 2014, aconteceu, em Londres, um Fórum pedindo o fim da violência
Contra as Mulheres.
Trata-se de um problema generalizado, que ocorre em todo o mun-
do, em especial em países em guerra e países que apresentam uma cultura
machista Mas importante lembrar que nem só nestes países ocorre a violência.
Cabe lembrar que as mulheres estão começando a sair do estado de passivi-
dade, como tem ocorrido na Índia e na Arábia Saudita.
Quanto ao tema da violência racial, importante lembrar dois episódios ocorri-
dos nos Estados Unidos: a morte de Michael Brown, no Missouri e de Eric Garner,
de Nova York.
Na mesma época, dois policiais foram mortos por um negro que a família ale-
ga ser esquizofrênico, e que não tinha nenhuma relação com a morte dos negros.
Contudo, o prefeito de Nova York posicionou-se a favor de Eric Garner, e contra
o agente policial assassinado, e, por isso, no funeral os policiais viraram de costa
para um telão que mostrava o prefeito, em sinal de desaprovação.

Outro tema internacional importante é a OTAN.


Atualmente, a grande preocupação da OTAN prestar apoio á Ucrânia, tendo
em vista a crise que está acontecendo entre este país e a Rússia. A Rússia vem
financiando e apoiando os rebeldes que querem separar uma parte da Ucrânia
unindo-a à Rússia, situação que já aconteceu na península da Crimeia. O risco da
Ucrânia é se fragmentar territorialmente.
O início deste impasse se deu quando a população saiu às ruas para se mani-
festar contra o presidente.
A OTAN recentemente escolheu um novo Secretário-Geral e no final do ano
passado finalizou a sua presença no Afeganistão, marcando o final da guerra, que
tinha se iniciado em 2001.

6. Cuba x EUA

T
emas que devem ser estudados:
- crise hídrica;
- crise energética;
- COP 21;
- acordo firmado pelos EUA e China para redução de gases.
30
Atualidades

Desde 1961, EUA e Cuba tinham relações rompidas, e agora reataram essas
relaçõs, na figura dos presidentes Raus Castro e Barack Obama. Ainda há a dis-
cussão sobre o embargo econômico que continua existindo, porque depende de
uma derrubada pelo Congresso americano.
Cuba já vinha fazendo reformas econômicas e políticas (como flexibilzação
das regras de viagens, facilitação para pequenos negócios etc.), mas o grande
personagem desta reaproximação foi o Papa Francisco.

Outro episódios recente importante é o caso do México, que está entregue à


violência dos cartéis. Em 2014, 43 jovens estudantes foram sequestrados e exe-
cutados pelo cartel, a pedido do prefeito da cidade do Guakla, demonstrando ao
poder que os carteis têm.

Por fim, vale lembrar o caso da Argentina, onde apareceu morto o promotor
Alberto Nisman, que ia apresentar uma acusação contra a presidente. Ele investi-
gava a participação ou conivência da presidente em um atentado que ocorreu em
1994 contra o centro judaico AMIA.
31

Resumo do Capítulo

→ “Uma investigação da BBC descobriu que mais de 5 mil pessoas em


todo o mundo morreram no mês de novembro como resultado da violên-
cia causada pela Al-Qaeda, suas ramificações e grupos que compartilham
da mesma ideologia, comumente chamada de “jihadismo”.
BBC Brasil, 14.12.2014

→ “Revista Charlie Hebdo emociona em sua volta às bancas. Nesta


edição, periódico publica mensagem de agradecimento ao apoio que re-
cebeu após ataque”
Zero Hora, 25.02.2015

→ “Talibãs anunciam data para início de ofensiva de primavera no


Afeganistão. Informação é de agências internacionais de notícias. Ataques
devem começar em 24 de abril”.
G1, 24.04.2015

→ “Travessia de balsa entre Estados Unidos e Cuba será retomada.


Governo americano autorizou a travessia de balsa para a ilha. Por en-
quanto, só poderá embarcar quem tiver autorização especial”.
G1, 06.05.2015
32

Capítulo 4.
Atualidades - 2015 - II

1. Política Internacional

A
7ª Cúpula das Américas aconteceu no Panamá, e pela 1ª vez contou
com os 35 países do continente Americano, inclusive a Cuba, que, até
então, não participava do evento.
A Cúpula das Américas é uma reunião de cúpula entre os chefes de Estado
do continente americano criada pela Organização dos Estados Americanos com
o objetivo de alcançar um nível maior de cooperação entre os países da zona
econômica americana.
O encontro dos governantes dos EUA e de Cuba ocorreu “casualmente” du-
rante a chegada dos líderes à cerimônia de abertura da Cúpula. A “interação”
entre Barack Obama e Raúl Castro entra para a história como a reconciliação mais
esperada do continente.

Apenas a título histórico, com a Revolução Cubana as relações


entre Cuba e EUA ficaram difíceis, porque as medidas adotadas por
Cuba passaram a ser hostis à exploração americana naquele país.

Recentemente, us EUA retiraram Cuba da lista de países que apoia o terroris-


mo, mas a reabertura das embaixadas ainda não aconteceu. O foco de tensão,
atualmente, é a Venezuela, porque cuba defende o regime de Nicolas Maduro, e
os EUA têm toral rivalidade com tal governo.
O presidente Obama também se encontrou com a presidente Dilma Roussef,
apaziguando as relações entre os dois países
Desde a denúncia da NSA, o governo Obama prometeu que não espionaria
países amigos. Dilma disse que levaria isso em consideração.
Por fim, importa saber que foi atualmente o ex-chanceler uruguaio Luis Alma-
gro foi eleito secretário-geral da OEA, recebendo 33 dos 34 votos possíveis
33

Atualidades
2. Terceirização. Geopolítica
internacional

O
tema do momento na política nacional é a Lei da Terceirização. Esta
lei foi aprovada pela Câmara, mas ainda está em discussão. Esta lei
regulamenta a terceirização de funcionários das empresas em relação
ás atividades-fim.
Atualmente, é possível a terceirização das atividades-meio.
Na terceirização uma empresa prestadora de serviços é contratada por outra
empresa para realizar serviços determinados e específicos. A prestadora de servi-
ços emprega e remunera o trabalho realizado por seus funcionários, ou subcon-
trata outra empresa para realização desses serviços. Não há vínculo empregatício
entre a empresa contratante e os trabalhadores ou sócios das prestadoras de
serviços.
Atualmente, é a Súmula 331 do Tribunal Superior do Trabalho (TST)
que determina que a terceirização no Brasil só deve ser dirigida a ativi-
dades-meio. Essa súmula, que serve de base para decisões de juízes da
área trabalhista, menciona os serviços de vigilância, conservação e limpeza, bem
como “serviços especializados ligados à atividade-meio do tomador”, “desde que
inexistente a pessoalidade e a subordinação direta” do funcionário terceirizado
com a empresa contratante.
Um dos pontos polêmicos do projeto é a liberação de terceirizados para exe-
cutar atividades-fim da empresa – ou seja, a função principal da companhia. Até
então, as empresas só podiam terceirizar atividades-meio. Por exemplo: uma em-
presa que produz móveis podia até então terceirizar a limpeza e o serviço de
alimentação de seus funcionários, mas não o de montagem da mobília.

No que tange à Geopolítica Internacional, importa retomarmos o tema do


separatismo.
Vem ganhando força o desejo separatista da Catalunha (Barcelona). em 2014,
a Catalunha realizou uma consulta informal, e 84% dos catalães votaram pela
separação.
A Escócia realizou a consulta popular, sendo vencedor o ‘NÃO’, ou seja, os
habitantes não desejam de tornar um país independente dos Reino Unido.
34
Atualidades

3. Separatismos no Mundo

A
Catalunha, como vimos, é uma região que sempre teve uma tendência
ao separatismo, e o aguçamento desse sentimento agora liga-se com
a crise econômica. Esta região contribui com 20% do PIB espanhol, e
acredita que, sozinha, vai ser mais próspera economicamente falando.
Com relação ao Canadá, temos a região de Quebec que também busca a
separação há algum tempo. Contudo, o Canadá aprovou uma legislação que deu
mais autonomia a esta região, de modo que os ânimos ficaram acalmados.
O país que mais recentemente se tornou independente foi o Sudão do Sul.
Ponto importante a ser abordado é a recente eleição que ocorreu
em Israel, tendo sido reeleito o primeiro ministro Benjamin Netanyahu.
Esta reeleição não é boa para a Palestina, que há tempos tenta se se-
parar de Israel.
Outra região separatista é a Ucrânia, sendo certo que há, de fundo, um apoio
da Rússia, que têm grande interesse em anexar essas regiões da Ucrânia que
pretendem se separar (a região leste da Ucrânia é justamente a região mais rica
do país).
Com relação à China, a região denominada Tuquestão Oriental é habitada por
uma outra etnia de chineses (muçulmanos) também tenta a separação.
O Curdistão é uma região que está prestes a conseguir a separação. Os curdos
são a maior minoria do mundo sem Estado. Habitam, principalmente, a Turquia e
a Síria, e como hoje a Síria e o Iraque estão vivendo um caos pelas guerras civis,
os curdos estão “se aproveitando” e tentando a separação.
Por fim, na Africa existe um movimento que busca a separação de uma região
do Marrocos chamada Saara Ocidental. Muito países já reconhecem esta região
como independente, mas o Marrocos, não aceita esta separação e exatamente
por isso não integra a chamada União Africana.

4. Estatuto da família

O
projeto de Lei do Estatuto da Família tenta definir o que é a família.
família seria aquela formada por um homem e e uma mulher, excluin-
do assim do conceito de família os casais homossexuais e os pais/mães
solteiros.
Trata-se de tema polêmico.
.
35

Atualidades
De acordo com o texto, que apresenta diretrizes de políticas públicas
voltadas para a entidade familiar e obriga o poder público a garantir
as condições mínimas para a “sobrevivência” desse núcleo, família é
formada a partir da união entre homem e mulher.

O deputado argumenta que “a família vem sofrendo com as rápidas


mudanças ocorridas em sociedade”. E que, apesar de a Constituição
prever que o Estado deva proteger esse núcleo, “o fato é que não há
políticas públicas efetivas voltadas para a valorização da família e ao
enfrentamento de questões complexas no mundo contemporâneo”.

Fonte: Portal da Câmara

Este assunto reascende o debate sobre outras formas de união, que não o
“casamento” em sua forma conservadora, como a causa homossexual .

5. Massacre dos Armênios

O
massacre dos armênios é como é chamada a matança e deportação
forçada de centenas de milhares ou até mais de um milhão de pessoas
de origem armênia que viviam no Império Otomano, com a intenção
de exterminar sua presença cultural, sua vida econômica e seu ambiente familiar,
durante o governo dos chamados Jovens Turcos, de 1915 a 1917.4
Caracterizou-se pela sua brutalidade nos massacres e pela utilização de mar-
chas forçadas com deportações, que geralmente levava a morte a muitos dos
deportados. Outros grupos étnicos também foram massacrados pelo Império
Otomano durante esse período, entre eles os assírios e os gregos de Ponto. Al-
guns historiadores consideram que esses atos são parte da mesma política de
extermínio.5
Está firmemente estabelecido que foi um genocídio, e há evidências do plano
organizado e intentado de eliminar sistematicamente os armênios. É o segundo
mais estudado evento desse tipo, depois do Holocausto dos judeus na Segunda
Guerra Mundial.
Adota-se a data de 24 de abril de 1915 como início do massacre, por ter sido
o dia em que dezenas de lideranças armênias foram presas e massacradas em
Istambul.
O tema veio à tona porque este ano faz 100 anos do ocorrido e porque re-
36

centemente o Papa fez um apelo para que a Turquia reconheça a ocorrência do


Atualidades

massacre.

6. Genocídios do Século XX.


Operação Lava Jato

P
odemos elencar os seguintes fatos ligados ao genocídio:
- 1948: ONU classifica o genocídio como crime;
- no Holocausto, pelo menos 6 milhões de pessoas foram extermi-
nadas;
- 1994: Ruanda (quase 1 milhão de mortos em 3 meses);
- 1995: Yugoslavia (8 mil corpos);
- 2003: Sudão (350 mil mortos).

O
peração lava jato é um esquema de corrupção bilionário (fala-se em
10 bilhões de reais desviados dos cofres públicos) onde contratos de
empreiteiras com a Petrobrás foram superfaturados para que o di-
nheiro sobrasse para os agentes corruptos (políticos, empreiteiros, funcionários
públicos, doleiros, etc.)

Doleiro é o indivíduo que compra e vende dólares no mercado


paralelo. Ao caracterizar alguém como doleiro a Polícia Federal já
imputa a ele ao menos um crime, o de evasão de divisas. Dessa
forma, entende-se que o doleiro é quem converte moedas de
um país sem autorização ou além dos limites permitidos das leis
vigentes.
A operação é movida por uma chamada força tarefa, que envolve o Ministério
Público Federal e a Polícia Federal, e as investigações têm sido lideradas pelo juiz
Sérgio Moro.

7. Operação Lava Jato

P
aulo roberto Costa, ex diretor de abastecimento da Petrobrás, pode ser
considerado o pivô da operação, integrante da quadrilha que superfatu-
rava as obras em diversos lugares, está sendo beneficiado pela delação
premiada: ao passo em que aponta nomes e colabora com as investigações, tem
sua pena atenuada.
37

As investigações na Petrobrás acabaram abrindo o leque para as investiga-

Atualidades
ções, e outros esquemas de corrupção estão sendo descobertos. Também já se
descobriu que muito desse dinheiro ilegal proveniente do esquema serviu não
apenas para financiamento de campanha, mas também para enriquecimento de
um sem número de pessoas envolvidas.
Por hora, a Lava Jato pode ser considerada o maior esquema de corrupção no
Brasil, que envolve especialmente três partidos, quais sejam, o PMDB, o PT e o
PP, mas já há indícios que outros partidos também foram favorecidos, até mesmo
partidos da oposição.
Entre os delitos cometidos pelos supostos “clientes” do esquema
estão tráfico internacional de drogas, corrupção de agentes públicos,
sonegação fiscal, evasão de divisas, extração e contrabando de pedras
preciosas e desvios de recursos públicos. De se ver que a operação é bem comple-
xa, e o patrimônio de muitos envolvidos está sob investigação.
Ainda não há provas concretas envolvendo a ex presidente da Petrobrás, Gra-
ça Foster, mas existe uma lista de políticos envolvidos já divulgada pela imprensa,
estando entre eles, inclusive Renan Calheiros, Eduardo Cunha, Fernando Collor,
Lindberg, Gleisi Hoffman.
Renato Duque, também presidente na Petrobrás, era o nome ligado ao PT.
Está preso, juntamente com João Vaccari (contador do PT).

8. Temas Internacionais

E
leição no Reino Unido:
Cerca de 30 milhões de cidadãos britânicos votaram (66% de par-
ticipação). David Cameron acabou sendo reeleito para um mandato de
mais cinco anos após seu partido conquistar maioria absoluta no Parlamento.

E
leição em Israel:
Partido do primeiro-ministro Netanyahu vence eleições em Israel
Autoridade Palestina disse que agora não vê chance para acordo ne-
nhum. O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu virou o jogo na última hora e
agora comemora a vitória contundente. O partido dele, o Likud, conquistou 30
cadeiras de um total de 120 no parlamento de Israel.

I
êmen:
Hadi é eleito presidente do Iêmen e acaba com a ditadura A Comissão
Suprema Eleitoral iemenita anunciou nesta sexta-feira que 99,8% dos elei-
38

tores votaram a favor da nomeação de Abdo Rabbo Mansour Hadi como presi-
Atualidades

dente do país na eleição realizada na última terça-feira.


O Iêmen vem vivendo uma guerra civil. Este país fez parte da Primavera Árabe,
quando o então presidente foi derrubado, mas o novo presidente já foi derrubado
também por grupos terroristas. O território virou palco de disputa por duas gran-
des potências: Arábia Saudita (sunita) e Irã (xiita) - pois esses dois países disputam
a maior influência no continente. Hoje o Iêmen está entregue à grupos terroris-
tas como a Al Qaeda da Península Arábica, grupo responsável pelo atentato do
Charlie Hebdo.
39

Resumo do Capítulo

→ Destaques da Cúpula das Américas: participação de todos os paí-


ses da américa, pela primeira vez desde que o evento começou a ser reali-
zado e encontro entre Barack Obama e Raul Castro.

→ “A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH)


realiza na quinta-feira (14.05.2015) audiência pública para debater o pro-
jeto de lei da Câmara que regulamenta e expande os contratos de tercei-
rização no país. ”
Site do Senado Federal

→ “Israel conheceu o partido vencedor da eleição pro parlamento - o


congresso nacional deles. E foi uma surpresa. O primeiro-ministro Benja-
min Netanyahu virou o jogo na última hora e agora comemora a vitória
contundente. O partido dele, o Likud, conquistou 30 cadeiras de um total
de 120 no parlamento de Israel.”
G1, 18.03.2015

→ “Art. 2º Para os fins desta Lei, define-se entidade familiar como o


núcleo social formado a partir da união entre um homem e uma mulher,
por meio de casamento ou união estável, ou ainda por comunidade for-
mada por qualquer dos pais e seus descendentes.”.
Projeto de Lei 6583/13 - Estatuto da Família

→ Mundo lembra massacre de 1,5 milhão de armênios na 1ª Guerra


Mundial. Armênios voltam a protestar, pedindo que o massacre seja con-
siderado um genocídio. Turquia nega, dizendo que mortes foram conse-
40

quência da guerra”.
Atualidades

G1, 24.04.2015

→ “Dono da empreiteira UTC assina acordo de delação premiada. Ri-


cardo Pessoa, que cumpre prisão domiciliar em SP, viajou para Brasília. Ele
citou políticos envolvidos em irregularidades investigadas na Lava Jato”.
G1, 13.05.2015

→ “Petrobras recebe de volta R$ 157 milhões que haviam sido des-


viados. Dinheiro fez parte de esquema de corrupção descoberto na empre-
sa. Pedro Barusco desviou a quantia ao longo de mais de 10 anos.”.
G1, 12.05.2015

→ “Coalizão lança novos ataques no Iêmen horas antes de tréguaA


suspensão dos combates por cinco dias para a ajuda humanitária aos ci-
vis está prevista para começar às 17h00 (de Brasília) desta terça-feira
(13.05.2015)”.
Veja OnLine, 12.05.2015