Você está na página 1de 6

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ –

CAMPUS​ ITABIRA
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA
DISCENTES:
1- Gabriel Pereira Rosa - 2017016242 - T14
2- Tainan Duro Agostini - 2017018828 - T14
3- Thaís Sant’ Ana Cunha Lima- 31025 - T14
DISCIPLINA: FISI03 - Laboratório de Física A
PROFESSORA: Edelma Eleto da Silva
LOCAL: Laboratório de Física 2
ASSUNTO DA AULA PRÁTICA DATA DA AULA
Força de Atrito 04/09/2018

1 INTRODUÇÃO

Atrito é a força de contato que atua entre dois corpos, quando estes entram em contato
e há uma tendência ao movimento , ela pode ser estática se o corpo estiver em repouso ou
dinâmica se o corpo estiver em movimento.

Algumas das características do atrito é que ele se opõe ao movimento; depende da


natureza e rugosidade da superfície; é proporcional a força normal de cada corpo; transforma
a energia cinética do corpo em outro tipo de energia que é liberada.

A força de atrito estático atua sobre um objeto em repouso e impossibilita ou dificulta


que este se movimente. Já a força de atrito cinético ou dinâmico, é a força que surge em
oposição ao movimento de objetos que estão se movendo.

1
2 OBJETIVOS

● Determinar o coeficiente de atrito estático entre duas superfícies.


● Verificar a dependência do coeficiente de atrito com a massa do objeto, com sua área
superficial.

3 MATERIAIS E MÉTODOS

Os materiais e métodos utilizados no experimento foram:

3.1 Materiais

● 01 Conjunto de plano inclinado com base de sustentação e rampa de inclinação


ajustável.
● 01 Corpo de prova de carpete-madeira.
● 01 corpo de prova de EVA-madeira
● 01 Dinamômetro com precisão de 0,02N (0,05 N) e escala máxima de 2N (5N).
● 01 escala acoplada no plano inclinado.
● Software ​Open Office Calc

3.2 Métodos

O experimento tinha como objetivo medir o coeficiente de atrito entre os seguintes


materiais: carpete - tinta, madeira - tinta, e EVA - tinta. Para isso, a prática foi dividida em
duas partes, primeiro foi realizado a obtenção do coeficiente de atrito pelo ângulo de um
plano inclinado, foram colocados os blocos em repouso em relação a rampa inicialmente na
horizontal, após um momento esta rampa foi inclinada lentamente até que o bloco estivesse
prestes a se mover, e a partir disso, foi anotado o valor do ângulo de inclinação. e assim
determinando o coeficiente de atrito entre as superfícies por meio da equação 3.2.1, tais
medições foram realizadas 3 vezes para que se obtivesse o valor médio do procedimento.

2
Em um segundo momento, foi obtido o coeficiente de atrito pela aplicação da força,
com a utilização da base da rampa, os blocos foram colocados na rampa em posição
horizontal, após com a utilização do dinamômetro paralelo a superfície, foi aplicada uma
força inicialmente de 0,02N e aumentada a intensidade até que o bloco começasse a se mover.
O valor dessa força é utilizada na equação 3.2.3, que é dividida pela força peso do corpo.

Para a determinação da determinação das incertezas das medidas indiretas foi utilizado
a equação 3.2.2

Todos os cálculos foram feitos no software ​Open Office Calc que é um editor de
planilhas de uso livre e disponível nos computadores do laboratório.

As fórmulas utilizadas durante o experimento podem ser vistas abaixo:

● Coeficiente de Atrito

(Equação 3.2.1)

● Equação geral da propagação da incerteza

(Equação 3.2.2)

● Coeficiente de Atrito

(Equação 3.2.3)

3
4 RESULTADOS E ANÁLISE DOS DADOS

Os dados obtidos durante a prática foram colocados nas tabelas abaixo:

Tabela 4.1 - Determinação do Coeficiente de Atrito em um Plano Inclinado

Ângulo (Rad) ±
Material Coeficiente de Atrito σ
0,0087
Madeira – tinta 0,3665 0,3839 0,0100
Carpete – tinta 0,3840 0,4040 0,0101
EVA -tinta 0,7505 0,9325 0,0163
Fonte: Autoria própria

Com os dados da tabela 4.1 é possível constatar que o coeficiente de atrito depende do
material dos corpos que estão em contato. Nesse experimento é possível observar que o erro
do coeficiente de atrito é relativamente pequeno, o que aumenta o grau de confiança em
relação ao valor que ela apresenta, entretanto, durante a prática é possível analisar que esse
método de determinação do coeficiente não pode ser feito com materiais que tenham uma
grande resistência de movimento entre si, já que o equipamento utilizado no laboratório mede
no máximo até 45º ou 0,785 radianos.

Tabela 4.2 - Determinação do coeficiente de atrito em uma superfície plana

Material Força(N) ± 0,05 Peso ± 0,05 Coeficiente de Atrito σ


Madeira – tinta 0,50 1,30 0,3846 0,1657
Carpete – tinta 0,55 1,30 0,4030 0,1449
EVA -tinta 1,50 1,30 1,1538 0,0494
Fonte: Autoria própria

Os dados do coeficiente de atrito da tabela 4.2 ficaram próximos aos dados da tabela
4.1, o que mostra que ambos os métodos são confiáveis para determinação da constante de
atrito. Contudo, o primeiro método é mais preciso por causa que as incertezas das medidas
são menores que a do segundo método.

4
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Com esse experimento é possível concluir que o coeficiente de atrito pode ser obtido
com o conhecimento ou não da massa do objeto, já que no primeiro experimento é utilizado
apenas o ângulo de iminência do movimento do corpo.
Também é possível afirmar que quanto mais uniforme e liso forem as superfícies que
estão em contato, menor será a força de atrito entre elas.

5
6 REFERÊNCIAS

- RIBEIRO, Thyago.​ Força de Atrito​. Disponivel em:


<https://www.infoescola.com/mecanica/forcas-de-atrito/>. Acessado em: 08/09/2018.

- ​Wikipédia, a enciclopédia livre. ​Atrito​. Disponível em:


<https://pt.wikipedia.org/wiki/Atrito>. Acessado em: 08/09/2018.

- ​Força de Atrito​. Disponivel em:


<https://www.sofisica.com.br/conteudos/Mecanica/Dinamica/fa.php>. Acessado em:
08/09/2018.

- ​Força de Atrito​. Disponivel em:


<https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/fisica/forca-atrito.htm>. Acessado em: 08/09/2018.