Você está na página 1de 69

HISTÓRIA DO CEARA – AIRTON DE FARIAS (Mestre em História

Social pela UFC, Licenciado em História pela UECE, Bacharel em Direito pela UFC e
autor de História do Ceará, História da Sociedade Cearense e Além das Armas).

UNIDADE 1
A CONQUISTA DO LITORAL CEARENSE

O povoamento humano do atual território do Ceará começou há milhares de


anos, conforme indicam as pesquisas arqueológicas. Há fósseis também no estado,
alguns de dinossauros, anteriores à presença dos homens, evidenciando a evolução das
espécies e as diferença de clima e vegetação do passado em relação ao presente.
Existem igualmente restos de mamíferos gigantes que chegaram a conviver com
humanos.

1.1. O Quase Abandono do Siará

No século XVI, o Siará ficou praticamente esquecido por Portugal, devido,


sobretudo, à falta de grandes atrativos econômicos – não tinha ouro, prata, especiarias,
etc., e suas riquezas (como sal, âmbar-gris, macacos, papagaios, etc.), não eram lá muito
lucrativas. Prova do abandono cearense é que o primeiro donatário da capitania,
Antônio Cardoso de Barros, nunca veio colonizar suas posses.
A presença do espanhol Vicente Pinzón, em janeiro de 1500, para alguns
autores, teria feito do Ceará o “verdadeiro” local do “descobrimento” do Brasil. Há
muita controvérsia sobre isso.
Foi apenas no século XVII que Portugal decidiu colonizar o litoral cearense,
por razões estratégico-militares: defender a faixa litorânea setentrional do Brasil contra
estrangeiros (em particular, os franceses, que chegaram a fundar uma colônia no
Maranhão – A “França Equinocial”) e criar no Ceará uma base de apoio logístico que
facilitasse a conquista da região norte da colônia (daí a História do Ceará inicialmente
girar em torno de “fortes”).

1.2. As Tentativas de Conquista

A primeira tentativa oficial de colonizar do Ceará deu-se em 1603, com Pero


Coelho. Na condição de capitão-mor, esse açoriano organizou uma expedição, cujo
objetivo era explorar estas terras, combater piratas, fazer a paz com os índios e tentar
encontrar metais preciosos.
Após combater franceses e índios na Ibiapaba, Pero e seus homens
instalaram-se nas margens do rio Ceará, onde foi erguido o Forte de São Tiago (a região
foi batizada de Nova Lusitânia). Não encontrando riquezas na região, Pero passou a
escravizar os índios. Como estes reagiram, Pero recuou e ergueu o Forte de São
Lourenço nas ribeiras do rio Jaguaribe. Mas, como as “hostilidades” indígenas
continuavam, sofrendo os pesados efeitos da seca de 1605-07, Pero Coelho viu-se
obrigado a deixar o Ceará, indo para o Rio Grande do Norte.
A segunda tentativa de conquistar a terra cearense deu-se com os padres
jesuítas Francisco Pinto e Luis Filgueira, em 1607. A catequização e colonização
andavam juntas no Brasil – aumentava-se o número de cristãos e garantia-se a posse da
terra. Os dois religiosos fizeram praticamente o mesmo percurso de Pero Coelho, indo
parar na Ibiapaba. Ali procuraram cristianizar os nativos. Mas os índios lembravam
ainda dos maus tratos impostos por Pero Coelho. Assim, os nativos Tocariju atacaram
os jesuítas e mataram Francisco Pinto. Luis Filgueira conseguiu escapar, indo para o
Rio Grande do Norte.

1.3. Martim Soares Moreno

Outra tentativa de conquista do Ceará deu-se com Martim Soares Moreno.


A primeira vez que Moreno esteve no Ceará foi com a fracassada bandeira de
Pero Coelho em 1603. Seis anos depois, em 1609, na condição de tenente do forte dos
Reis Magos, já dava combate a traficantes franceses no litoral cearense.
Em 1611, com a ajuda de índios da região, chefiados por Jacaúna, Moreno
fundou às margens do rio Ceará o Forte de S. Sebastião. No ano seguinte, apesar de suas
pretensões colonizadoras, foi convocado para combater os franceses que haviam
fundado a França Equinocial no Maranhão.
Moreno só retornou ao Ceará em 1621, no cargo de capitão-mor. Encontrando
o Forte de S. Sebastião praticamente destruído, reconstruiu o possível, também
incentivando, sem muito êxito, a pecuária e a cana-de-açúcar.
A falta de recursos e da atenção de Portugal fizeram com que Moreno se
retirasse do Ceará em 1631, dirigindo para Pernambuco, onde foi combater os
holandeses que então invadiam o Brasil. Anos depois, regressou às terras portuguesas,
não vindo mais ao Ceará. Na visão tradicional, tem-se Moreno como “fundador” do
Ceará – tanto que é homenageado pelo escritor José de Alencar no livro Iracema.

1.4. Tempos Flamengos

No ano de 1630, os holandeses invadem Pernambuco na pretensão de


dominar a região açucareira e de encontrar outras riquezas. Assim, em 1637, tropas
flamengas conquistam o forte cearense de São Sebastião. De início, contaram os
holandeses com o apoio dos índios. Depois, contudo, a “aliança” se desfez, pois o
holandês não se diferenciava do português no mau trato do índio. Revoltados, em 1644,
os nativos atacaram e destruíram o fortim, trucidando os holandeses.

Os flamengos retornam em 1649, sob o mando do capitão Matias Beck, em


busca de minas de prata. Erguem no monte Marajaitiba, nas margens do riacho Pajeú, o
forte de Schoonemborch, em torno do qual, depois, iria espontaneamente surgir a atual
cidade de Fortaleza.
Os holandeses ficam no Ceará até 1654, quando retiram-se em virtude de sua
derrota em Pernambuco e expulsão do Brasil. Sob a liderança do capitão-mor Álvaro de
Azevedo, os portugueses retomam a colonização e mudam o nome do forte para
Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção.
Bom atentar que por esse período o “Siará” esteve submisso a outras
entidades administrativas. Entre 1621 e 1656, foi gerenciado pelo Maranhão. De 1656 a
1799, esteve submetido a Pernambuco. Isso atrapalhou o crescimento material da
capitania.
Por anos, o “Siará” dos invasores europeus estava restrito ao litoral. Isso,
contudo, mudaria a partir da segunda metade do séc. XVII com a conquista dos sertões
em função da pecuária.

UNIDADE 2
A CONQUISTA DOS SERTÕES CEARENSES
– A PECUÁRIA –

A partir da segunda metade do século XVII, deu-se a conquista dos sertões


cearenses, em função da pecuária, atividade inicialmente restrita ao litoral de
Pernambuco e Bahia (Zona da Mata).
Foram razões que possibilitaram a colonização do interior do “Siará” e do
Nordeste: o crescimento populacional da região açucareira (onde inexistia terra para
todos os habitantes), o aumento do número de rebanhos bovinos, dificultando ou dando
prejuízos para o plantio da cana-de-açúcar (o gado era atividade complementar da cana
– fornecia alimentos, força de tração, etc.) e o próprio incentivo do governo português
com a Carta Régia de 1701, que proibia a criação de gado a menos de 10 léguas da costa
(para que no litoral de Pernambuco e Bahia apenas se cultivasse cana).
A penetração e conquista dos sertões aconteceram por duas rotas: sertão-de-
fora, dominada por pernambucanos, vindos pelo litoral, e sertão-de-dentro, dominada
por baianos. Tais rotas se confluíram no Ceará, com os colonos ocupando o litoral
inicialmente e daí as ribeiras dos rios Jaguaribe e Acaraú.
A terra era obtida através da requisição às autoridades de cartas de sesmarias,
o que deu margem a formação dos latifúndios cearenses.
Nesse processo de conquista, a grande vítima foi o índio – exterminado ou
expulso para dar espaço aos currais de gado. Outras vezes, os índios eram jogados em
aldeamentos, áreas onde eram construídas aldeias artificiais nas quais padres jesuítas os
“catequizavam”, “civilizando-os”. O aldeamento também possuía uma função militar –
dali, o índio “manso” era levado a combater os índios “selvagens”. Depois, muitas
cidades se formaram em torno desses aldeamentos, como Caucaia (antigo aldeamento
de N. S. de Caucaia, depois Soure), Pacajus (aldeamento de Paiacu, em seguida
chamado monte-mor-velho, Guarani), Messejana (Paupina), Baturité (Monte Mor
Novo), Iguatu (Telha), Crato (Miranda), Parangaba (Arronches), etc.
Óbvio que os índios lutaram contra os invasores, como na “Guerra dos
Bárbaros”, quando os nativos Janduim, Baiacu, Icó, Anacé, Quixelô, Já-
guaribara, Acriú, Canindé, Tremembé, Cariri e outros lutaram por quase 50 anos contra
os conquistadores (final do século XVII e início do seguinte). Acabaram derrotados,
massacrados ou escravizados. Os remanescentes indígenas que possui hoje o Ceará é o
retrato do genocídio e do etnocídio dos quais foram vítimas.
O grande símbolo associado aos sertões (ainda hoje) foi o vaqueiro – mestiço,
branco pobre, negro livre ou escravo, índio submetido. Conhecedor da fauna e da flora,
cuidava da fazenda quando da ausência do senhor. Não recebia salário – era pago no
sistema de “quarteação”.
Na quarteação, o vaqueiro, após trabalhar certo tempo na fazenda (geralmente
4 ou 5 anos), recebia uma cria de cada quatro nascidas anualmente. Assim, com o
tempo, poderia o vaqueiro fundar uma fazenda por conta própria (daí por que a
condição de vaqueiro era uma situação que muitos desejavam).
Pouco usou-se o negro escravo na pecuária cearense, devido sobretudo ao o
alto preço dos africanos (o Ceará sempre foi um local pobre) e à grande oferta de mão-
de-obra sertaneja livre, barata e ociosa (as fazendas absorviam poucos braços e existia
uma massa populacional “vagabundeando” pelo interior). Usado em pequena escala no
pastoreio, o negro foi empregado mais nas atividades domésticas e artesanais.
As fazendas tinham um caráter autônomo e auto-suficiente – eram mundos à
parte, onde imperava a vontade dos senhores proprietários, os “nossos primeiros
coronéis”. A baixa rentabilidade da pecuária ensejava o uso do couro para a fabricação
de utensílios do dia-a-dia sertanejo – chapéus, roupas, bainhas de faca, botas, etc. Era a
chamada “civilização do couro”.
Os rebanhos bovinos cearenses eram conduzidos pelos tangerinos para a
venda em Pernambuco, Bahia e, posteriormente, nas Minas Gerais. Percorriam rudes
veredas, chamadas de “estradas sertanejas”. Nos cruzamentos de muitas destas,
surgiram cidades, como Icó, Quixeramobim e Sobral.
Em pouco tempo, os sertões cearenses estavam conquistados pelos invasores.
Para a expansão pastoril, contribuíram: a demanda dos mercados consumidores do
litoral açucareiro e da região mineradora, a facilidade na obtenção de sesmarias e de
novas terras, o crescimento vegetativo (mas não qualitativo) dos rebanhos, as pastagens
abundantes (na época das chuvas), as vastas áreas sertanejas, o caráter salino do solo, a
exigência de pouco capital e mão-de-obra na montagem da fazenda e o próprio fato do
gado se auto-transportar.
Mas a venda de gado para outras capitanias não era tão lucrativa assim – o
gado emagrecia, perdia-se, morria por ataque de feras, era assaltado. Havia ainda o peso
dos impostos. Assim, os criadores do gado do litoral passaram, no século XVIII, a
vender seus rebanhos na forma de charque (carne seca salgada ao sol), produzido nas
oficinas ou charqueadas. O charque, além de seu papel dentro da própria colônia,
apresentou destaque também no trafico de escravos entre o Brasil e os centros
comerciais de negros em África, especialmente Angola.

UNIDADE 3

OUTRAS ATIVIDADES ECONÔMICAS COLONIAIS

3.1. Charque

Para o desenvolvimento das charqueadas no litoral cearense, contribuíram os


ventos constantes e a baixa umidade relativa do ar, a abundância de sal, as barras dos
rios acessíveis à navegação de cabotagem da época, o grande rebanho cearense e o
próprio fato da técnica salineira não exigir muitos conhecimentos e nem muito
investimento.
As oficinas situavam-se na porção litorânea, próximas aos rios, de onde
levava-se a carne seca em sumacas a Recife, Salvador e até o Rio de Janeiro – ali seria
alimento para pobres e escravos. Assim, destacaram-se como centros charqueadores:
Aracati (na foz do rio Jaguaribe), Acaraú, Sobral (rio Acaraú), Granja e Camocim (rio
Coreaú).
Em tais oficinas, além de trabalhadores livres não absorvidos pela pecuária,
empregou-se mão-de-obra escrava, índia e negra, embora em escala pequena.
O charque traz mudanças socioeconômicas para o Ceará. Verificou-se uma
divisão de trabalho na capitania (áreas para criar gado e áreas para charquear), uma
maior integração política, cultural e comercial entre sertão e litoral, um crescimento do
pequeníssimo mercado interno local, o enriquecimento de um grupo de latifundiários e
comerciantes, o crescimento de centros urbanos, como Aracati (o principal núcleo
charqueador e mais importante cidade do Ceará até pelo menos a metade do séc. XIX)
e uma diversificação de produção (comercialização e até exportação de couro).
Não se sabe quando instalaram-se as primeiras charqueadas cearenses, mas o
certo é que essa atividade dominou o comércio cearense por todo o séc. XVIII.
Contudo, no final do citado século XVIII, o charque local entrou em
decadência, devido às calamitosas secas do período (que dizimavam os rebanhos), a
concorrência com Rio Grande do Sul, e a atenção que os cearenses passaram a dar ao
algodão (que então alcançava bons preços no mercado externo).

3.2. Cotonicultura

O algodão já era cultivado pelos nossos índios antes da invasão portuguesa.


Com a colonização, passou a ser cultivado como atividade de subsistência nas fazendas
de criar.
Foi a partir do final do século XVIII que se desenvolveu a cotonicultura no
Brasil e no Ceará. Isso devido aos bons preços do algodão no mercado internacional e à
demanda da Inglaterra, que usava a fibra em suas fábricas têxteis, típicas da primeira
fase da Revolução Industrial. Os preços também subiram devido a desorganização da
produção dos EUA, que viviam sua Guerra de Independência (década de 1770).
Pela primeira vez o Ceará tinha um produto voltado diretamente para o
mercado internacional.
Fatores que favoreceram a cotonicultura no Ceará: o clima quente e a
regularidade das chuvas (no sentido de que há uma época certa para o inverno e outra
para o verão), a fertilidade dos solos (praticamente virgens), o curto ciclo vegetativo do
algodão, a não exigência de muitos investimentos na lavoura (facilidade de cultivo,
colheita, beneficiamento, etc.). Com isso, não só latifundiários dedicaram-se à atividade,
mas também pequenos proprietários, agregados, moradores e arrendatários.
As principais regiões produtoras, inicialmente, eram os distritos de Fortaleza
e Aracati, além das serras de Baturité, Uruburetama, Meruoca, Pereiro e Aratanha.
No algodão cearense, também pouco empregou-se o negro escravo – o curto
ciclo vegetativo da fibra tornava desvantajoso o emprego de muitos africanos. Era mais
barato usar mulheres e crianças ou a mão-de-obra livre não absorvida no pastoreio.
A cotonicultura e a pecuária acomodaram-se uma à outra, dando origem ao
chamado binômio gado-algodão. A rama do algodoeiro servia de alimento ao boi na
época da estiagem e o animal adubava os solos com esterco.
A expansão da cotonicultura seria fundamental para separar o Ceará de
Pernambuco de 1799; até então, o comércio externo cearense era feito via porto do
Recife, o que encarecia o algodão local. Daí a por pressão de autoridades, comerciantes
e produtores para a separação cearense (embora continuasse a influência
pernambucana).
O comércio de algodão também favoreceu Fortaleza, que passou a crescer a
passos largos, superando Aracati (abalada com a crise do charque) e assumindo a
condição de principal núcleo urbano cearense na segunda metade do século XIX. Com a
separação de Pernambuco, Fortaleza começou a ser dotada de uma infra-estrutura
administrativa (porto, estrada, alfândega, etc.), que possibilitou tornar-lhe o grande
centro coletor e exportador de algodão do Ceará.
No final do período colonial, devido à recuperação da cotonicultura dos EUA,
o algodão e, por conseqüência, o próprio Ceará entraram em crise, o que contribuiu para
o envolvimento de cearenses na “Revolução” Pernambucana de 1817 e na Confederação
do Equador.
O auge do algodão cearense dar-se-ia na segunda metade do século XIX,
beneficiado com a desorganização da produção americana em virtude da Guerra da
Secessão (1861-65).
UNIDADE 4

CRIAÇÃO DE VILAS

Em 1699, Portugal autorizou a instalação da primeira vila do Ceará, chamada


de São José de Ribamar. Com isso, a metrópole desejava evitar os excessos dos
capitães-governadores e ter um maior controle sobre a elite latifundiária, envolvida em
lutas por terras e em grandes embates com índios, militares do Forte e religiosos.
Acontece que não houve especificação quanto ao local onde seria erguido o
pelourinho (coluna que simbolizava a elevação de uma localidade à condição de vila).
Isso deu margem a uma série de atritos entre o capitão-mor governador, padres e os
“homens bons” (os latifundiários, que exerciam os cargos de vereadores na Câmara
municipal da vila).
Tais disputas pela vila não passavam de uma maneira dos envolvidos
tentarem aumentar seus poderes e influência. Assim, por anos, o pelourinho foi
deslocado entre o Forte de N. S. da Assunção (no qual residiam militares e religiosos), a
Barra do Ceará (a Vila Velha, habitada por mestiços e índios catequizados) e Aquiraz
(onde moravam os “homens bons”).
Em 1713, por fim, o pelourinho foi definitivamente instalado em Aquiraz –
daí o porquê de muitos historiadores afirmarem que Aquiraz foi a primeira capital do
Ceará (mas outros negam esse argumento, lembrando que o poder decisório quase
sempre esteve no forte).
No mesmo ano de 1713, contudo, Aquiraz foi atacada pelos índios na “Guerra
dos Bárbaros”, quando morreram e saíram feridos muitos dos habitantes. A vila
esvaziou, pois quase todos foram procurar a segurança dos canhões da Fortaleza.
Em conseqüência, Fortaleza ganhou status de capital e, em 13 de abril de
1726, foi elevada finalmente à condição de vila. Mas sua importância econômica era
muito pequena. Aquele era o período da expansão da pecuária nos sertões. Daí surgirem
vilas interioranas em função do pastoreio, como Icó (1738), Aracati (1748), Sobral
(1773), Granja (1773) e Quixeramobim (1789). A criação de vila era também uma
forma de estimular a produção e de controle sobre a população sertaneja.
Com a expulsão dos padres jesuítas do Brasil, em 1759, os aldeamentos
foram transformados em vilas, como foram os casos de Viçosa do Ceará, Caucaia,
Parangaba (ainda em 1759), Messejana (1760), Baturité e Crato (1764). Curioso que os
“diretores” administradores das vilas indígenas passaram a explorar ou expulsar os
nativos, apossando-se das terras destes. Essa espoliação foi oficializada na segunda
metade do século XIX, quando o governo provincial passou a declar que “não havia
mais índios no Siará”. Dessa forma, os remanescentes indígenas cada vez mais
perderam suas terras e até o “direito de existir”.

UNIDADE 5

O CEARÁ NAS REVOLTAS DO SÉCULO XIX

5.1. O Ceará na “Revolução” Pernambucana de 1817

A influência de Pernambuco sobre o Ceará era muito forte. Mesmo com a


autonomia político-administrativa obtida em 1799, a capitania cearense continuou
ligada econômica, social e politicamente às terras pernambucanas. Some-se a isso, os
efeitos da crise econômica e política (seca, decadência do algodão), que também
faziam-se presente no Ceará. Assim, a adesão dos cearenses à “revolução”
pernambucana de 1817 parecia certa.
Essa “revolução” era influenciada pelas idéias iluministas européias, visando
a independência da colônia ante a exploração portuguesa. Teve uma grande participação
de religiosos. Os rebeldes conseguiram apoio da Paraíba e do Rio Grande do Norte, mas
foram brutalmente derrotados.
A participação cearense na “revolução” foi pequena – a crise do algodão não
atingira intensamente ainda a capitania. A elite praticamente não aderiu e as massas não
se mobilizaram. Além disso, o governador do Ceará, Inácio de Sampaio, estava pronto
para reprimir qualquer movimento contra os interesses da coroa portuguesa.
Somente a família Alencar, na região do Cariri, aderiu ao movimento.
Os Alencar, sob a chefia de Dona Bárbara de Alencar, apoiaram a revolta,
obtendo, de início, a neutralidade do capitão do Crato, José Pereira Filgueiras.
José Martiniano de Alencar (jovem seminarista enviado por Pernambuco para
“revolucionar” o Ceará), no dia 3 de abril de 1817, em frente à igreja do Crato,
proclamou a República. Dali, marchou para o prédio da Câmara Municipal, onde,
apoiado por alguns “cabras”, depôs às autoridades monárquicas, soltou os presos e içou
uma bandeira branca.
Os rebeldes tomaram ainda a vila de Jardim. Mas, o movimento era frágil,
não “sensibilizou” a população. Assim, sem apoio, os rebeldes ficaram isolados.
O movimento foi sufocado 8 dias após o início – 11 de abril de 1817.
Os membros da família Alencar e outros líderes foram presos e enviados para
Fortaleza e, depois, Salvador (BA). Em 1821, acabaram anistiados.
O movimento fora sufocado, mas suas causas não. O descontentamento da
elite continuaria, o que futuramente provocaria, em 1824, a mais importante
mobilização rebelde da região, a Confederação do Equador.

5.2. O Ceará na Confederação do Equador (1824)

Em 1824, estourou em Pernambuco, propagando-se para outras províncias do


que hoje é chamado de Nordeste, a Confederação do Equador, um movimento liberal
(influenciado pelo Iluminismo, Revolução Francesa e independência dos EUA),
separatista (tinha o propósito de separar a região do restante do Brasil) e republicano
(desejava proclamar uma República) contra o autoritarismo e centralismo do governo de
D. Pedro I (1822-31).
O Ceará, tendo à frente os liberais (chefiado pela família Alencar) aderiu ao
movimento devido à influência pernambucana sobre os cearenses, ao descontentamento
geral com a crise econômica da região e ao temor dos “patriotas” (liberais) em perder o
comando do Ceará para os “corcundas” (conservadores, aliados de D. Pedro I).
A dissolução da Assembleia Constituinte de 1823 e a outorga da Constituição
de 1824 por D. Pedro I provocou protestos no Ceará. Em abril de 1824, os liberais,
tendo à frente Pereira Filgueiras e Tristão Gonçalves, depuseram o recém-nomeado
presidente da província (e aliado de D. Pedro I) Costa Barros.
Em agosto de 1824 escolheu-se como presidente definitivo da província
Tristão Gonçalves, deliberando-se pela anexação do Ceará à Confederação.
A revolta, entretanto, fracassaria – o Ceará foi a última província a se render.
Tristão Gonçalves morre em combate. Pereira Filgueiras se rendeu e faleceu em Minas
Gerais. Pe. Mororó, Pessoa Anta, Francisco Ibiapina, Feliciano Carapinima e Azevedo
Bolão foram julgados, condenados e fuzilados no Campo da Pólvora (Praça dos
Mártires/Passeio Público). José Martiniano de Alencar foi perdoado por D. Pedro I e
tornou-se aliado da monarquia daí em diante.

5.3. A Sedição de Pinto Madeira

Em 1831, D. Pedro I abdicou ao trono do Brasil, em consequência da


oposição movida, sobretudo, pela elite latifundiária. Como o herdeiro, Pedro de
Alcântara, tinha apenas 5 anos, até a maioridade deste, o País seria governado por
regentes. A fase regencial (1831-40) foi conturbada, com muitas revoltas.
Com a queda de D. Pedro, os liberais moderados, ligados à família Alencar,
chegaram ao governo cearense e passam a perseguir um grande desafeto: Pinto Madeira.
Joaquim Pinto Madeira era um coronel de milícias da vila de Jardim,
autoritário, absolutista e aliado de D. Pedro I. Perseguido pelos liberais, para escapar às
perseguições dos inimigos, Madeira articulou uma revolta, sob o pretexto que pretendia
o regresso de D. Pedro ao trono.
A causa principal da revolta, porém, era local e estava nas disputas entre os
coronéis de Crato, de tendência liberal, e de Jardim, de tendência absolutista, pelo
domínio político do Cariri cearense.
Exércitos formados por sertanejos humildes de Crato e Jardim travaram
sangrentos combates, num dos quais faleceria o liberal José Pinto Cidade. O governo
provincial cearense, entregue ao presidente José Mariano de Albuquerque, bem como o
governo regencial, com o mercenário francês Pedro Labatut, intervieram no confronto
contra Pinto Madeira.
Em outubro de 1832, Pinto Madeira rendeu-se. Após vários adiamentos, foi
julgado e considerado culpado pelo assassinato do citado José Pinto Cidade – isso por
pressão de seu inimigo José Martiniano de Alencar, que então ocupava o governo
cearense.
A Pinto Madeira não foi sequer dado o direito de recorrer da decisão, sendo
fuzilado no Crato em 1834.

UNIDADE 6

O CEARÁ NA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX

6.1. Abolicionismo no Ceará


Tradicionalmente considera-se o Ceará como a primeira província do Brasil a
abolir a escravidão em 1884. Desde o início da colonização, se verificava a escravidão
negra no Ceará. Inexistia tráfico negreiro direto da África para o Ceará. Sempre houve
resistência negra contra a escravidão, o que não descartava “negociações de cotidiano”.
Quatro anos antes da Lei Áurea, em 1884, a província “acabou” com o
sistema escravista, virando, para os bairristas, “terra da luz”, “berço da liberdade”, etc.
Mas a abolição não veio por “bondade” dos cearenses. Há explicações para
essa “precocidade”. Em primeiro lugar, citaríamos o pequeno número de cativos e sua
menor influência na economia local – como vimos, a economia cearense, baseada no
binômio gado-algodão, não absolvia muita mão-de-obra escrava negra (assim, a
abolição não traria muitos abalos para a economia local).
Em segundo, poderíamos falar da pressão da campanha abolicionista. Como
no resto do Brasil, ocorreu uma influência marcante da cultura européia sobre os
cearenses na segunda metade do século XIX. As ideias de “civilização”, “progresso” e
“modernização” do Iluminismo, do positivismo e outros sistemas filosóficos chocavam-
se com uma instituição tão brutal como o sistema escravista. Por isso, segmentos das
elites e das classes médias fundaram entidades abolicionistas (como a “Sociedade
Cearense Libertadora” e o “Centro Abolicionista”), visando o fim do regime servil. Essa
campanha abolicionista, contudo, não visava uma ruptura radical, mas ao fim da
escravidão de forma “ordeira”, priorizando a compra de cartas de alforria.
Em terceiro, citaríamos o tráfico interprovincial (a venda de escravos do
Nordeste para os cafezais do Sudeste), que diminuía ainda mais o número – e o peso
econômico – dos escravos locais. Também deve-se mencionar a questão das secas (era
inviável um grande número de negros numa área sujeita a secas e, por conseguinte, à
fome, à sede, à doenças, etc.) e a atuação dos setores populares que aderiram à ideia
abolicionista – o maior exemplo foi Francisco José do Nascimento, o “Dragão do Mar”,
que liderou o jangadeiros em vitoriosas greves em 1881, objetivando impedir o
embarque de escravos no porto de Fortaleza.
Assim, em janeiro de 1883, Acarape (atual Redenção) passou para a história
nacional como o primeiro núcleo urbano a libertar seus negros. Fortaleza deu liberdade
a seus cativos em 24 de maio de 1883. Finalmente, a 25 de março de 1884, promulgou-
se lei inviabilizando a escravidão na província – embora existam registros de cativos no
Ceará em datas posteriores.

6.2. Economia

Na segunda metade do século XIX, o Ceará reproduziu, em escala menor, a


expansão da economia brasileira.
O algodão cearense, cultivado comercialmente desde o final do século XVIII,
conheceu o apogeu na segunda metade do século XIX, na década de 1860 precisamente
– isso porque os preços da fibra atingiram um alto patamar, em virtude da
desorganização da produção dos Estados Unidos (principais fornecedores das fábricas
inglesas), mergulhados na brutal Guerra da Secessão (1861-65). Essa vultosa produção
algodoeira tinha em Fortaleza seu grande centro coletor e exportador.
Houve igualmente a ampliação das atividades tradicionais (como a pecuária)
e a diversificação da pauta de exportação, a exemplo da borracha, açúcar e, com
destaque, o café, produto que chegou algumas vezes a superar as exportações de
algodão, sendo cultivado em serras como Baturité, Maranguape, Meruoca, Aratanha,
Grande, Uruburetama e Araripe.
Ampliam-se os serviços urbanos e de transportes (em 1870, inicia-se a
construção da EFB) e o comércio (com a instalação, inclusive, de negocistas
estrangeiros). Apesar dessa “modernização”, não se alterou a estrutura sócio-econômica
do Ceará, que terminou o século XIX em grave crise desse modelo agro- exportador e
comercial.
6.3 A Hegemonia de Fortaleza

A capital cearense assume na segunda metade do século XIX, a condição de


principal núcleo econômico, político e social da província, superando Aracati. Para
tanto contribuíram: a) os capitais acumulados com o comércio algodoeiro e de outros
produtos; b) a centralização política da monarquia brasileira, que concorria para
concentrar nas capitais das províncias todo o poder decisório, beneficiando-as com
obras – assim, a condição de capital de Fortaleza transformo-a em ponto destacado na
recepção de obras e recursos; a) a construção e melhorias de estradas e ferrovias, como
a Estrada de Ferro Fortaleza-Baturité (EFB), inaugurada em 1873; d) e a intensa
migração rural-urbana, principalmente na época das secas.
O crescimento de Fortaleza se evidencia em seu “aformoseamento”, ofertas
de serviços urbanos e adoção de uma infra-estrutura razoável. Passa a ter transporte
coletivo por bondes de tração animal, calçamento nas ruas centrais, linhas de telégrafo e
de vapor para a Europa e Rio de Janeiro, iluminação à gás carbônico, telefonia,
biblioteca pública, bons educandários (como o Liceu e o Colégio Imaculada
Conceição), seminário (da Prainha), jornais, etc.
É a chamada Belle Époque. A elite inspirava-se nos valores “civilizados” da
Europa – luvas, chapéus, casacos, nomes franceses, idéias do velho mundo. O Passeio
Público era local de encontros e paqueras. Os intelectuais reuniam-se nos famosos
“cafés” (quiosques) da Praça do Ferreira. Num desses cafés, o Java, em 1892, formaria-
se a mais irônica e crítica associação de letrados cearenses, a Padaria Espiritual. Em sua
publicação, O Pão, homens como Adolfo Caminha, Antônio Sales, Lopes Filhos, entre
outros, criticavam os valores da época, defendiam a cultura popular e, de certo modo,
antecipavam a preocupação nacionalista da Semana de Arte Moderna paulista de 1922.
Em 1875, o engenheiro pernambucano Adolfo Herbster elabora um plano
urbanístico, objetivando disciplinar a expansão da cidade através do alinhamento de
suas ruas e da abertura de novas avenidas.
Os lucros do algodão, no entanto, reduzir-se-iam com a recuperação da
cotonicultura norte-americana na década de 1870. Com isso, o Ceará entrou no século
XX em difícil situação econômica. Curiosamente, foi o algodão encalhado e os capitais
acumulados do comércio que possibilitaram a instalação das pequenas primeiras
fábricas têxteis cearenses.
Mas se Fortaleza conhecia algum progresso material, o mesmo não se podia
dizer dos sertões, onde imperava ainda a violência, a arbitrariedade e a exploração da
massa pelos coronéis latifundiários. Os camponeses sofriam os males da concentração
da terra. Grupos de jagunços a serviço de coronéis lutavam por terra e influência
política, massacrando inocentes. Imperava a impunidade.
As secas, como a de 1877-80, dizimavam de fome e sede milhares de
cearenses, outros muitos morriam nos surtos de varíola. O povo migrava sobretudo para
a Amazônia, onde ia explorar os seringais.
Mas os oprimidos reagiram. Um dos meios foi através dos movimentos
messiânicos, em que o povo seguia um líder religioso em busca de dignidade, condições
de vida melhores e assistência espiritual. Foram líderes messiânicos nordestinos: padre
Ibiapina, padre Cícero, beato Zé Lourenço e o líder de Canudos (BA), Antônio
Conselheiro.
Outros nordestinos, no entanto, partiam para a violência como meio de
escapar da miséria. Formavam grupos de cangaceiros, saqueando, assaltando e
amedrontando e todos. O mais famoso líder do cangaço dos sertões foi Virgulino
Ferreira, o Lampião, morto apenas em 1938, em Sergipe.

UNIDADE 7

A OLIGARQUIA ACCIOLINA

Por oligarquia acciolina, entendemos o grupo político liderado pelo


comendador Nogueira Accioly, que dominou de forma autoritária, nepótica, despótica,
corrupta e monolítica o Estado do Ceará, entre 1896 e 1912. Para tanto, foi fundamental
a adesão à política dos governadores (um mecanismo de apoio mútuo entre o presidente
da república e os governadores dos Estados, levando à formação de oligarquias), o
apoio dos coronéis latifundiários, à aliança com fortes grupos econômicos locais, a
prática de nepotismo, corrupção eleitoral e repressão às oposições.
No primeiro mandato de Accioly (1896-1900), destacaram-se a corrupção em
larga escala e o “caso da vacina”, quando a oligarquia atritou-se com o farmacêutico
Rodolfo Teófilo, que criticava o descaso do governo ante um surto da doença.
O governo de Pedro Borges (1900-04), eleito para desmascarar Accioly,
acabou sendo uma continuidade da oligarquia. Accioly foi ainda reeleito para dois
mandatos, em 1904 e 1908, respectivamente. Isso intensificou as ações dos
oposicionistas, integrados por oligarcas dissidentes do esquema governista, por
burgueses, pela classe média, por populares e até por coronéis.
Em 1910, chegava à Presidência da República o gaúcho Hermes da Fonseca.
Em seu período, verificou-se a ocorrência da chamada “política das salvações”, pela
qual militares e classe média promoveram pelo País levantes armados na pretensão de
derrubar as oligarquias estaduais e enfraquecer o senador Pinheiro Machado, o homem
forte da república. Uma das oligarquias “derrubadas” foi a de Accioly no Ceará.
Assim, para as eleições estaduais de 1912, as oposições cearenses lançaram,
dentro da “política das salvações”, a candidatura do tenente-coronel Marcos Franco
Rabelo para o governo, enquanto Accioly apontava como seu candidato o manipulável
Domingos Carneiro. A campanha foi bastante agitada e violenta, tendo como clímax a
repressão do governo à “passeata das crianças”, uma manifestação dos rabelistas, na
qual morreram e saíram feridas diversas crianças.
Em conseqüência, a cidade de Fortaleza rebelou-se, mergulhando numa
verdadeira guerra civil (21 a 24 de janeiro de 1912). Para não perder a vida, Accioly
aceitou renunciar ao governo cearense. Em seguida, Franco Rabelo foi eleito para
governar o Ceará, sendo, porém, deposto dois anos depois, em 1914, na Sedição de
Juazeiro.

UNIDADE 8

PADRE CÍCERO

A trajetória de Padre Cícero Romão Batista foi de polêmicas. Praticante de


um catolicismo popular, acabou entrando em atrito com a romanização promovida pela
alta cúpula da Igreja Católica, isto é, com a política de valorização dos dogmas e da
hierarquia católica promovida a partir do final do século XIX pelo Vaticano. Cícero
nasceu no Craro-CE, em 1844 e instalou-se em Juazeiro no ano de 1872, ganhando o
respeito da comunidade por seu trabalho religioso. Em 1889, obteve destaque por ter
realizado um “milagre”, transformando em sangue uma hóstia na boca da beata Maria
de Araújo. Tal milagre não foi aceito pela cúpula católica, e Cícero acabou perseguido.
Ao contrário de Antônio Conselheiro em Canudos, Pe. Cícero aliou-se aos políticos e
oligarcas visando preservar Juazeiro dos inimigos. Para os críticos, ao envolver-se com
políticos, virou um “coronel de batinas”. Juazeiro prosperou bastante em função do
“milagre”. A atuação política do Padre aumentou com a chegada de Floro Bartolomeu,
seu “alter ego”. Cícero e Floro participariam da Sedição de Juazeiro, em 1914,
contribuindo para a queda do governador cearense Franco Rabelo. A morte de Floro em
1926 e a Revolução de 30 marcaram a decadência de Cícero. Nos últimos anos de vida,
tentou inutilmente recuperar os plenos poderes do sacerdócio. Faleceu em 1934.

UNIDADE 9
A SEDIÇÃO DE JUAZEIRO (1913-14)

Tal fato liga-se ao fracasso nacional da “política das salvações” – o presidente


Hermes da Fonseca, Pinheiro Machado e as oligarquias articularam revoltas armadas
nos estados, visando derrubar os governos “salvacionistas” no poder. Assim caiu Franco
Rabelo, o “salvador” cearense, eleito em 1912, após o fim da oligarquia acciolina.
Rabelo, inábil, em poucos meses perdeu o apoio de muitos dos políticos que o
tinham ajudado a chegar ao poder – daí porque a Assembléia Legislativa tentou, sem
êxito, votar o “impeachment” do “salvacionista”.
O governador das “salvações”, contudo, possuía o apoio dos fortalezenses,
temerosos da volta de Accioly e da fúria vingativa deste. Diversas vezes, o povo da
capital cearense frustrou as pretensões golpistas dos opositores de Franco Rabelo.
Logo, os opositores concluíram que a única forma de acabar com o
“salvador” seria com uma revolta vinda do interior para capital. Dessa maneira, com
apoio de Hermes da Fonseca, Pinheiro Machado, Nogueira Accioly, João Brígido e
outros oligarcas, arquitetaram um plano golpista nos sertões, onde tinham o apoio do
deputado Floro Bartolomeu e do padre Cícero Romão Batista, de Juazeiro.
Floro e Cícero haviam sido aliados da oligarquia acciolina, e se constituíram
nas figuras centrais da Sedição de Juazeiro. Os oposicionistas convocaram
extraordinariamente a Assembléia Legislativa em Juazeiro e cassaram o mandato de
Rabelo. Este, de Fortaleza, enviou tropas para aquela cidade caririense, na pretensão de
derrotar os golpistas. O povo sertanejo, pensando ser uma agressão ao santo “Padim
Ciço”, dirigiu-se a Juazeiro, para lutar numa “guerra santa”.
Os homens de Rabelo cercaram Juazeiro, mas, após alguns meses de
combate, acabaram derrotados pelos seguidores de padre Cícero. Os golpistas, então,
marcharam sobre Fortaleza e obrigaram Rabelo a renunciar ao governo cearense (antes,
o presidente Hermes da Fonseca já havia decretado a intervenção no Estado).
Após a Sedição de Juazeiro, houve um relativo equilíbrio entre as oligarquias
cearenses – nenhuma delas dominou sozinha o Estado, sendo o povo reprimido em suas
manifestações. Tal quadro se manteria até 1930, quando, com a “Revolução de 30”,
houve um reajuste das forças políticas locais.

UNIDADE 10

O CEARÁ NOS ANOS TRINTA

10.1. As Interventorias

Em 1930, Getúlio Vargas chegava à Presidência da República através duma


“revolução”. Iniciava-se uma nova era para o País: leis trabalhistas, industrialização de
base, centralismo político, etc.
Vitoriosa a “Revolução” de 30, passaram os Estados a serem governados por
interventores – indicados por Getúlio e escolhidos entre os tenentes e civis que haviam
apoiado o golpe varguista. Queria-se, assim, afastar dos governos estaduais as
oligarquias da República Velha e se colocar em prática as medidas centralizadoras da
Era Vargas.
No Ceará, após o afastamento das oligarquais da primeira república, foi
nomeado interventor o médico Fernandes Távora (1931), que governou por pouco
tempo, pois continuou com as práticas políticas do período histórico anterior. Távora, na
realidade, era um dissidente das oligarquias “caídas” em 30.
O segundo interventor cearense foi Roberto Carneiro de Mendonça (1931-
34), que procurou conciliar os “revolucionários” de 1930 com os oligarcas da Velha
República. Em seu período, no ano de 1932, ante fortíssima seca, os cearenses foram
enviados para combater a Revolução Constitucionalista de São Paulo. Nessa seca,
ergueram-se campos de contração para controlar os flagelados da estiagem.
Em 1933, convocaram-se eleições para uma Assembléia Constituinte, o que
ensejou a reorganização dos partidos locais. Os tenentes e liberais apoiadores da
“Revolução” de 30 fundaram o Partido Social-Democrático (PSD), enquanto as
tradicionais oligarquias, junto com segmentos conservadores da Igreja, reuniram-se na
Liga Eleitoral Católica (LEC).
A LEC, por seus vínculos religiosos e apoio dos latifundiários interioranos,
obteve enorme penetração no eleitorado cearense. Dessa maneira, essa sigla religiosa
elegeu a maioria dos deputados constituintes em 1933. A LEC também apoiava os
segmentos fascistas que organizaram por essa época a AIB (Ação Integralista
Brasileira) no Ceará.
O terceiro interventor foi Felipe Moreira Lima (1934-35), que realizou uma
gestão agitada. Aliado ao PSD, não conseguiu evitar que a LEC vencesse as eleições
para deputado estadual de 1934 e elegesse, indiretamente, no ano posterior, o novo
governador do estado, Menezes Pimentel. Dessa forma, as antigas oligarquias cearenses
da primeira república retomavam o poder.
Menezes Pimentel administrou o Ceará por 10 anos, entre 1935 e 1937, como
governador legal, e entre 1937 e 1945, como interventor do Estado Novo. Foi um
movimento de muita violência e autoritarismo.

10.2. A Legião Cearense do Trabalho (LCT)

A Legião Cearense do Trabalho (LCT) foi uma organização operária


conservadora, nacionalista, cristã, paternalista, autoritária, corporativista, anticomunista
e antiliberal, existente no Ceará entre 1931 e 1937, sendo fundada e liderada pelo
tenente Severino Sombra.
Sombra conseguiu muito sucesso com a LCT devido ao baixo grau de
organização e politização dos trabalhadores, à política de conciliação do interventor
cearense Carneiro de Mendonça e ao apoio da Igreja e da LEC.
O pensamento da LCT e de Sombra estava no livro “Ideal Legionário”.
Visava criar um estado centralizado, intervencionista, harmonioso e corporativista,
“protegendo” os trabalhadores. Também se destacou na entidade o padre Hélder Câmara
(depois, um dos mais importantes líderes da ala progressista da Igreja, falecido em
1999).
Sombra pensava em estender a legião para todo o Brasil. Mas, por apoiar a
Revolução Constitucionalista de 1932, foi preso e exilado em Portugal. Depois, a LCT
acabou filiando-se à AIB (Ação Integralista Brasileira) de Plínio Salgado, que se tornou
rival de Sombra.
Em 1933, Sombra retornou do exílio e, não conseguindo obter a chefia da
AIB, abandonou a LCT e fundou no Ceará uma entidade semelhante, a Campanha
Legionária. Mas não obteve sucesso devido ao apoio agora prestado pela Igreja aos
integralistas, ao surgimento de entidades operárias de esquerda, às disputas com a
própria LCT e à lei de sindicalização de Vargas. A Campanha Legionária, a LCT e AIB
foram fechadas em 1937, com a implantação da ditadura do Estado Novo.

10.3. O Caldeirão
O Caldeirão foi uma comunidade religiosa e coletiva surgida no Crato sob a
liderança do beato Zé Lourenço e destruída em 1936 pelo governo de Menezes
Pimentel, com o apoio da Igreja e dos latifundiários.
José Lourenço, paraibano, negro e analfabeto, chegou a Juazeiro por volta de
1890, sendo aconselhado pelo padre Cícero (de quem era seguidor) a se estabelecer na
região e a trabalhar com algumas das famílias de romeiros. Arrendou, então, um lote de
terra no sítio Baixa D’anta e passou a desenvolver um fenomenal trabalho coletivo,
dividindo entre os trabalhadores o produzido. O sítio rapidamente prosperou e começou
a chamar a atenção.
Na década de 1920, adversários políticos de padre Cícero e Floro Bartolomeu,
na pretensão de atingir estes, espalharam o boato de que as pessoas de Baixa D’anta
estavam cultuando a um boi como se fosse santo. Lourenço foi preso, sendo o boi
morto. Pouco depois, o novo dono do sítio Baixa D’anta exigiu que o beato e os
camponeses deixassem a terra.
Talvez por volta de 1926, padre Cícero acomodou Lourenço e os seguidores
deste no sítio Caldeirão, de sua propriedade. O Caldeirão tornou-se um Canudos em
dimensões menores. Em busca de uma vida digna e de conforto espiritual, muitos
nordestinos foram para lá. Lourenço recebia a todos, e o sítio prosperava num sistema
igualitário e coletivo.
O progresso do Caldeirão incomodou as elites, visto que os latifundiários
perdiam a mão-de-obra barata que exploravam. Além disso, a Igreja condenava a
religião popular praticada na comunidade. Para complicar, o País vivia um clima de
histeria anticomunista – Lourenço foi acusado de ser um agente bolchevique!
Como o sítio, após a morte de padre Cícero em 1934, ficou por herança para
os padres salesianos, as classes dominantes passaram a difamar ainda mais a
comunidade de Lourenço. Em setembro de 1936, a comunidade foi dispersa e o sítio,
incendiado numa ação da polícia.
Lourenço e sua gente instalaram-se, então, no alto da Serra do Araripe e
reorganizaram uma nova comunidade. Alguns moradores, liderados por Severino
Tavares, queriam vingança e, realizando uma emboscada, mataram alguns policiais.
Enviou-se em seguida, em maio de 1937, um grande contingente policial para
a Serra do Araripe, massacrando os camponeses (os dados são imprecisos, mas
especula-se entre 300 e 1000 mortos).
José Lourenço conseguiu escapar, retornando mesmo depois ao Caldeirão –
as autoridades convenceram-se de que ele não participara da emboscada aos policiais.
Mas, no final de 1939, retirou-se da terra por nova pressão dos salesianos. Comprou um
pequeno sítio, o “União”, em Exu (PE), vivendo em paz até 1946, quando veio a falecer.
Seu corpo está enterrado em Juazeiro.

UNIDADE 11

O CEARÁ NA REPÚBLICA POPULISTA (1945-64)

11.1. A “Redemocratização” de 1945

Durante o Estado Novo (1937-45), foi o Ceará administrado pelo interventor


Menezes Pimentel (que governava já desde 1935), nomeado por Vargas. Nessa fase de
autoritarismo, censura, torturas e repressão, as atividades políticas cearenses
praticamente inexistiram.
Com o envolvimento do Brasil na II Guerra Mundial (1939-45), montou-se
uma base norte-americana em Fortaleza, mudando os hábitos locais e empolgando a
população, que realizou diversos atos, manifestos e passeatas contra o nazismo. Ao
mesmo tempo, uma intensa propaganda governamental influenciava os sertanejos a
migrar para a Amazônia e explorar látex nos seringais da região num “esforço de
guerra”. Milhares de cearenses foram para o norte em busca de “tempos novos” – a
maioria só encontrou miséria e até mesmo a morte na floresta. Era a “Batalha da
Borracha”.
No Ceará, como no restante do Brasil, as manifestações contra o nazismo
passaram a criticar igualmente a ditadura getulista. E o Estado Novo caiu como um
castelo de areia. O País se “redemocratizava”, marcando-se eleições e formando-se
partidos nacionais.
Assim, os opositores ao interventor Menezes Pimentel organizaram a secção
local da União Democrática Nacional (UDN), enquanto o interventor fundava o Partido
Social Democrático (PSD). Eram agremiações conservadoras, elitistas, sem muito
conteúdo ideológico. Também surgiu uma secção do Partido Comunista do Brasil
(PCB) – apesar de toda a campanha anticomunista movida pela classe dominante e pela
igreja Católica, então chefiada pelo bispo Dom Almeida Lustosa.
Da mesma forma, organizou-se o Partido Social Progressista (PSP), chefiado
por Olavo Oliveira, que pelo menos na década de 50, atuaria como “fiel da balança” nas
disputas eleitorais cearenses.
A demissão de Menezes Pimentel da interventoria local e a coligação entre
PSP e UDN deram aos udenistas a vitória nas eleições de 1947, elegendo o governador
Faustino Albuquerque.

11.2. A Fragilidade das Elites

A novidade no pós-45 foi a existência de partidos nacionais (até então os


partidos eram estaduais), o que, porém, não evitou especificidades políticas locais. No
Ceará, havia outro complicador do jogo político: a histórica fragilidade estrutural das
elites cearenses, em virtude da econômica precária (baseada na exportação agrícola e no
comércio), em virtude do estado ser uma região pobre, de solos ruins e castigada por
secas periódicas, além da própria divisão interna das camadas dominantes.
Essa fragilidade fica clara quando se percebe que no período 1945-64, nas
eleições, o governador não conseguia eleger seu sucessor. Quem ganhava era a oposição
(exceção dá-se em 1962, como adiante veremos).
Os dois principais partidos do período, UDN e PSD, alternam-se no poder.
Não eram agremiações de forte conteúdo ideológico. Ao contrário, havia dentro desses
partidos alas brigando entre si. O que lhes dava um pouco de unidade era o clientelismo,
a capacidade de estar no poder, garantir cargos, verbas públicas, privilégios
econômicos, etc.
Na UDN tinham-se duas facções: uma do sul do Ceará, liderada por
Fernandes Távora, e outra, no norte, chefiada por José Sabóia de Albuquerque, de
Sobral.
O PSD, surgido da burocracia do Estado Novo, possuía como maiores líderes
Menezes Pimentel, José Martins Rodrigues e Expedito Machado. Um grupo chefiado
por Olavo Oliveira deixaria o PSD e formaria o PSP (Partido Social Progressista).
Dependendo de quem lhe ofertasse mais vantagens, o “olavismo” ora apoiava a UDN,
ora o PSD. Era o “fiel da balança”, capaz de decidir as eleições.
Havia ainda, tendo como maior reduto a capital, o pequeno Partido
Republicano (PR), chefiado pelo ex-interventor e prefeito de Fortaleza entre 1947-51
Acrísio Moreira da Rocha, figura carismática, o qual, junto com os irmãos Péricles
e Crisanto, representava genuinamente no Ceará o populismo reinante no Brasil. Após a
cassação do registro do PCB, em l947, muitos comunistas foram “abrigar-se” no PR.
A partir de mais ou menos 1954, um novo partido iria superar o “olavismo”
como “fiel da balança”, o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), sobre a chefia do rico
comerciante Carlos Jereissati – elemento vinculado nacionalmente ao getulismo e a
João Goulart.
Foram governadores do Ceará nesse período: Faustino Albuquerque (UDN
1947-51), Raul Barbosa (PSD 1951-54), Paulo Sarasate (UDN 1955-58), Parsifal
Barroso (PSB, PTB 1959-63) e Virgílio Távora (UDN- PSD/“União Pelo Ceará” 1963-
66).
O único momento em que um governo elegeu seu sucessor foi em 1962,
quando, sob as bênçãos do governador Parsifal Barroso, UDN e PSD se coligaram e se
formou a chamada “União Pelo Ceará” – coligação de direita das elites, que tinha como
candidato Virgílio Távora.
A “União pelo Ceará” foi esmagadoramente triunfante nessas eleições, só
perdendo um cargo importante: uma vaga no Senado. O eleito foi exatamente seu
adversário maior, Carlos Jereissati (PTB).
Com Távora no governo, teve-se o incremento da “modernização
conservadora” cearense, baseada na industrialização (influência direta do “nacional-
desenvolvimentismo”). Daí Virgílio ter se esforçado para trazer para o Ceará a energia
de Paulo Afonso, atrair indústrias do Sudeste, conseguir recursos da SUDENE, BNB e
Governo Federal, criar o Banco do Estado do Ceará (BEC) para facilitar financiamentos
e instalar o Primeiro Pólo Industrial, em Maracanaú. Com o golpe de 1964, ocorrem
várias prisões de militantes de esquerda e cassações de parlamentares.

UNIDADE 12

O CICLO DOS CORONÉIS

O golpe de 1964 ocorreu exatamente um ano após a posse de Virgílio Távora.


O coronel ficou então dividido, pois, apesar de criticar as “Reformas de Base” de João
Goulart, era seu amigo pessoal e fora dele ministro. Essa aproximação de Távora com
Jango fez até com que alguns militares “linha dura” pedissem a cassação do governador.
Távora escapou da deposição por sua amizade com Castelo Branco e influência do tio,
Juarez Távora, junto aos golpistas. A longo prazo, a Ditadura acabou beneficiando
Távora, pois, contando com a amizade do presidente (cearense) Castelo Branco, obteve,
além de prestígio político, muitos recursos para seus projetos industrialistas.
As esquerdas buscaram se reorganizar após o Golpe de 64, tendo grande
influência junto ao movimento estudantil através do PORT (Partido Operário
Revolucionário Trotskista), AP (Ação Popular) e PCdoB. O Partido Comunista do
Brasil liderou o movimento estudantil universitário e instalou campos de treinamentos
de guerrilheiros visando apoiar a futura guerrilha do Araguaia. ALN (Ação Libertadora
Nacional) e PCBR (Partido Comunista Brasileiro Revolucionário) fizeram ações
armadas no Ceará.
Na sucessão, contudo, Távora não conseguiu indicar um nome de seu
agrado. O quadro político mudara com a instalação do bipartidarismo no país (no Ceará,
a ARENA reuniu a maior parte dos políticos da UDN, do PSD e do PSP, enquanto no
MDB ingressaram políticos do PTB, das esquerdas e uma ala do PSD, chefiada por José
Martins Rodrigues) e com a determinação de eleições indiretas para governador (seria
este escolhido pelos deputados estaduais, embora, na prática, apenas se referendasse o
nome indicado pelos militares). Paulo Sarasate, amigo de Castelo Branco e ardoroso
defensor da “Revolução” de 1964, conseguiu que fosse eleito, para surpresa geral, o
obscuro deputado Plácido Aderaldo Castelo, que governa o Estado entre 1966-71.
Em 1971, com as bênçãos do presidente da República, Médici, e a pressão
dos militares do Recife, foi indicado para governar o Ceará um tecnocrata, o coronel e
engenheiro César Cals de Oliveira, o que não agradou muito Vírgílio Távora, que
contava em voltar ao poder. Concomitantemente, dentro da ARENA fortalecia-se o
grupo do coronel Adauto Bezerra, figura vinda de uma poderosa família de Juazeiro,
ligada ao cultivo de algodão e ao ramo bancário.
Surgiam assim os famosos três “coronéis do Ceará”, todos militares de
carreira, Vírgílio Távora, Adauto Bezerra e César Cals, que, nos anos de 1970 e início
da década de 1980, dominaram politicamente o Estado. Tinham entre si um acordo
(“Acordo dos Coronéis”) que os mantinha na “cúpula” do Estado e “dividia” as bases
entre eles, não deixando espaços para o MDB local.
Após a administração de César Cals (1971-75), foi a vez de Adauto Bezerra
assumir o poder local, governando entre 1975-78.
No ano de 1979, Virgílio Távora, com o apoio de Geisel, regressou ao
governo cearense e consolidou a transição para a “modernidade conservadora”, com
obras estruturais e de cunho industrialista, como o sistema Pacoti-Riachão, a
energização rural e o término do Distrito Industrial.
Com a “distensão política” e a “abertura democrática” ocorridas no País no
final da década de 1970 (a ARENA virou PDS e o MDB, PMDB), o acordo dos
coronéis passa a se desestruturar. Em 1982, os três coronéis disputavam acirradamente
nos bastidores a indicação de quem seria o novo governador do estado. Ante o impasse,
a questão sucessória foi levada ao presidente Figueiredo, que firmou o “Pacto de
Brasília”, pelo qual os coronéis dividiriam o Estado entre si, na base dos 33% dos
cargos públicos de lo e 2o escalões, além dos cargos executivos. Gonzaga Mota, “um
homem neutro” (na prática, ligado a Virgílio Távora), seria o governador, cabendo a
Adauto o cargo de vice, a Virgílio, uma vaga no Senado e a César Cals, a prefeitura de
Fortaleza. Assim ocorreu nas eleições de 1982.
Mas foi ilusória a vitória dos coronéis. Estes haviam preparado a
“modernidade” do estado, mas suas práticas autoritárias e clientelistas ironicamente os
enfraqueceriam. Abria-se espaço para novas forças políticas: em 1985, Maria Luiza
Fontenelle, do PT, era eleita prefeita de Fortaleza. Em 1986, um grupo de “jovens
empresários”, um deles Tasso Jereissati, passaria a governar o Ceará. Eram tempos de
“mudanças”.

UNIDADE 13

A GERAÇÃO CAMBEBA

Em 1986, Tasso Jereissati era eleito governador do Ceará, derrotando os três


famosos coronéis do Ceará, Adauto, Vírgílio e César, e inaugurando uma nova etapa
política no estado.
Mas tal fato não foi ocasional. Na realidade, enquadra-se dentro de um
projeto político burguês-capitalista, com origens no ano de 1978, quando “jovens
empresários” assumiram o controle do Centro Industrial Cearense (CIC). Até aquela
data, a chefia do CIC era ocupada pelo presidente da Federação das Indústrias do Estado
do Ceará (FlEC).
Esses “jovens empresários”, como Beni Veras, Tasso Jereissati, Amarílio
Macedo, Sérgio Machado e Assis Machado Neto, tornam o CIC um centro de debates e
gestam uma candidatura ao governo. Embora tenha o CIC de início mantido boas
relações com os coronéis (por exemplo, apoiaram a candidatura de Gonzaga Mota ao
governo em 1982), criticavam duramente o excessivo intervencionismo do Estado na
economia, a corrupção, o clientelismo e outros problemas da máquina pública, pregando
uma gestão “moderna”, (neo) liberal no Ceará e empresarial para “acabar com a
miséria”.
A oportunidade para os “jovens empresários” assumirem o governo dar-se-ia
em 1986. O então governador Gonzaga Mota (PMDB), já rompido com seus “padrinhos
políticos” (os coronéis), resolveu apoiar um nome do CIC para concorrer a sua
sucessão: Tasso Jereissati. Este, valendo-se do sucesso nacional do Plano Cruzado, da
crise e decadência das “velhas” elites chefiadas pelos coronéis e contando com o apoio e
simpatia de amplos segmentos sociais (até das esquerdas), derrota o candidato do PFL
(dissidente do PDS, atual DEM), coronel Adauto Bezerra.
Encontrando o Estado em lastimável situação financeira, Tasso, sob o lema
“Governo das Mudanças”, busca moralizar a máquina pública, diminuindo o nepotismo
e o empreguismo – embora achate o salário dos servidores públicos e tenha com estes
uma relação de atritos.
Visando dar ao governo uma “gestão técnica”, o “Governo das Mudanças”
elimina a intermediação de “políticos profissionais”, sobretudo na primeira gestão
(1987-91), o que lhe traz um certo isolamento da sociedade civil e a tacha de autoritário.
Em pouco tempo, ganhou forte oposição, mesmo daqueles que o haviam apoiado na
eleição (daí o grupo tassista ter deixado o PMDB e entrado no PSDB). O Cambeba
(Palácio do Governo e sinônimo dos partidários de Tasso) procurou descredenciar essa
oposição chamando-a genericamente de “forças do atraso”, elementos “corporativistas”,
pessoas de “interesses contrariados”.
A geração Cambeba procurou a “modernização” da máquina administrativa
cearense, ou seja, a promoção de uma “gestão técnica” e pró-capitalismo do Estado, de
modo que se buscasse o equilíbrio orçamentário (o que aconteceu principalmente no
primeiro mandato de Tasso e na gestão de Ciro Gomes, com a austeridade nos gastos
públicos, aumento da arrecadação de tributos, corte de gratificações, eliminação de
cargos públicos, achatamento de salários dos servidores, etc.), a eficiência da máquina
estatal (por exemplo, com a informatização da burocracia e a qualificação dos
servidores públicos), a probidade no trato com a coisa pública (sem privilégios a
particulares), o investimento em obras de infra-estruturas (sobretudo a partir do
segundo mandato de Tasso, com verbas e empréstimos do governo federal e de órgãos
internacionais de desenvolvimento) e os estímulos à indústria e atividade conexas.
Utilizando também muito “marketing” (um dos estados que mais investe em
propaganda no Brasil é o Ceará), a geração Cambeba ganhou a hegemonia política do
Estado e projeção nacional, embora as “mudanças” tão propaladas, como a
industrialização cearense, venha de décadas, desde os anos 1960, a partir da criação do
Banco do Nordeste (1952), da SUDENE (1959) e das administrações do coronel
Virgílio Távora (1963-66/1979-82).
O domínio cambebista garantiu a eleição em 1990 de Ciro Gomes ao governo
pelo PSDB. Depois, Ciro iria para o PPS, mantendo-se, porém, “fiel” a Tasso. Em 1994,
há o retorno de Jereissati ao Executivo cearense. Tasso seria reeleito ainda em 1998.
Um dos maiores núcleos de oposição ao Cambeba encontrava-se em Fortaleza, onde nos
anos 90 e início do século XXI dominou o grupo político conservador do então prefeito
Juraci Magalhães. Na capital também são fortes as esquerdas, tanto que em 2004 o PT
conseguiu eleger Luizianne Lins como gestora da cidade.
Apesar das “mudanças” realizadas pelo Cambeba na política e economia do
Estado – o PIB cearense cresceu nos últimos anos em média mais que o do restante do
Brasil – não houve empenho suficiente para acabar com a pobreza absoluta que impera
no Ceará. Ao contrário, o projeto burguês-capitalista do “Governo das Mudanças” não
alterou substancialmente a concentração de renda no estado, também uma das maiores
do País. O modelo capitalista, neoliberal, urbano e industrialista abandonou quase por
completo a agricultura interiorana, salvo as grandes agroindústrias, incrementando a
miséria e o êxodo rural.
Esse caos social ajuda a entender a dificuldade tida pelo Cambeba para eleger
Lúcio Alcântara governador em 2002, numa dramática e apertada vitória sobre o petista
José Airton Cirilo e, por fim, perder o comando cearense em 2006, quando foi eleito
Cid Gomes, irmão de Ciro Gomes, para o executivo local.
O grupo dos Ferreira Gomes conseguiu formar um governo coligando vários
agrupamentos político, quase não contanto com oposição institucional. Manteve
praticamente o mesmo modelo econômico e administrativo da Geração Cambeba.

Recomendações Bibliográficas

FARIAS, Airton de. História do Ceará – da Pré-história ao Governo Cid


Gomes. Fortaleza: Livro Técnico, 2007.
SOUSA, Simone (organizadora). Uma Nova História do Ceará. Fortaleza:
Edições Demócrito Rocha, 2007.
QUESTÕES
01. (UECE) Sobre o processo de ocupação da costa cearense durante o século XVII,
pode-se afirmar corretamente:
a) Os portugueses aliaram-se aos indígenas que habitavam essas terras e construíram
fortes apenas para defender o centro do comércio do pau-brasil.
b) A presença portuguesa no Ceará tem a ver com a ocupação de Pernambuco pêlos
franceses e do Maranhão pelos holandeses.
c) O litoral foi intensamente disputado por índios e forças militares de várias potências
européias, e várias fortificações foram construídas por portugueses e holandeses.
d) A conquista do litoral cearense foi empenhada por motivos econômicos, já que o
cultivo de cana-de-açúcar estava bastante desenvolvido e o açúcar necessitava ser
transportado diretamente para Portugal.

02. Sobre os primeiros tempos da história do Ceará, marque (V) para as afirmações
verdadeiras e (F) para as falsas:
a) ( ) O donatário da capitania do Ceará, Antônio Cardoso de Barres, não chegou sequer
a tomar posse de sua doação, somente vindo ao Brasil como provedor da fazenda no
governo de Tomé de Souza em 1549.
b) ( ) A primeira tentativa de conquista foi efetuada em 1603, pela bandeira dirigida por
Pero Coelho de Sousa, por isso ele é considerado o fundador do Ceará.
c) ( ) Não existe relação entre a conquista do Ceará e a luta pela expulsão dos franceses
do Maranhão.
d) ( ) Numa visão tradicional, Martim Soares Moreno é considerado o fundador oficial
do Ceará.
e) ( ) A base da fundação de Fortaleza foi criada pelos holandeses, na figura de Matias
Beck, que, chegando ao Ceará, construiu o forte de Schoonenborck, ficando este, após a
expulsão dos flamengos, sob a direção governamental do capitão-mor Álvaro de
Azevedo Barreto.
e) ( ) Os missionários da Companhia de Jesus Francisco Pinto e Luís Filgueira, com
"objetivos catequéticos", chegaram às terras do Siará Grande em 1607, mas não foram
bem-sucedidos.

03. (UECE) - “A incorporação do Ceará ao Projeto Colonial Português deu-se de modo


tardio, quando comparado à conquista do litoral pernambucano, iniciada ainda na
primeira metade do século XVI. As primeiras tentativas de conquista do Ceará só
ocorreram no início do século XVII com Pero Coelho de Souza, em 1603. Depois com
Martim Soares Moreno e por fim, com holandeses, a mais duradoura. No entanto, as
tentativas de conquista ocorridas entre 1603 e 1654 não deixaram marcas importantes”.
Fonte: PINHEIRO, Francisco José. Os Povos Nativos do Ceará (uma síntese possível)
in: Ceará de Corpo e Alma – um olhar contemporâneo de 53 autores sobre a Terra da
Luz – Rio de Janeiro: Relume/Dumará – Fortaleza: Instituto do Ceará (Histórico,
Geográfico e Antropológico), 2002, págs. 21/22.
No que concerne ao processo de ocupação do território cearense é correto afirmar:
I.O processo de anexação e ocupação efetiva da Capitania do Ceará ao Projeto Colonial
Português só se efetuou no final do século XVII e início do século XVIII
II.A Capitania do Ceará despertou imediato interesse dos colonizadores portugueses
III.A resistência armada dos povos nativos do território cearense aos colonizadores
estendeu-se até o final do século XIX. Marque a opção verdadeira:
A)II e III são falsas
B)II e III são verdadeiras
C)I e II são verdadeiras
D)I e III são falsas
04. As principais atividades econômicas que modificaram a paisagem do sertão cearense
ao longo de sua história foram:
A) o cultivo de arroz e a exploração da carnaúba;
B) o cultivo de cana-de-açúcar e de feijão;
C) o cultivo de café e de banana;
D) a pecuária e o cultivo de algodão;
E) a criação de lagosta e o cultivo de milho.

05. (UFC- adaptada) "O couro era o boi. O avanço coloniza dor ganhava terreno
financiando currais onde antes somente pisava o índio bravio. E cada curral iria ser uma
fazenda, que se garantia juridicamente com a obtenção da sesmaria ou data". (Fonte:
GIRÃO, Raimundo. Pequena História cio Ceará. 4" edição. Fortaleza: UFC, 1984, p.
85-86).
Sobre o texto acima, relativo ao período colonial do Ceará, marque (V) se as afirmativas
forem verdadeiras e (F) se forem falsas.
a) ( ) O desenvolvimento do Ceará colonial foi propiciado pela expansão das fazendas
de gado.
b) ( ) O Ceará:foi conquistado pêlos donos de frotas que expulsaram os indígenas da
região.
c) ( ) O colono português radicado no Ceará dedicou-se, unicamente, às tarefas
relacionadas com as charqueadas.
d) ( ) A única função desempenhada pelos escravos nos engenhos cearenses foi a de
vaqueiro.
e) ( ) O povoamento e a colonização do Ceará relacionam-se, diretamente, com a.
atividade pastoril.
f) ( ) O ciclo do couro foi responsável não só pela ocupação dos sertões cearenses, mas
também de toda a faixa litorânea do Nordeste.

06. (UFC- adaptada) Sobre o processo de ocupação do território do atual estado do


Ceará:
a) As áreas centrais foram ocupadas economicamente antes do litoral.
b) Os rios Jaguaribe e Acaraú foram os principais caminhos naturais de penetração.
c) A pecuária desenvolveu-se, sobretudo, nas regiões serranas.
d) Os colonizadores no Ceará respeitaram as terras indígenas, evitando exterminar os
índios.
e) Os historiadores do Ceará, sem exceção, afirmam que a ocupação do Cariri deu-se
como resultado da expansão da Casa da Torre.

07. (UFC) Leia com atenção o texto abaixo e depois responda ao que se pede:
"As secas de 1777-78 e 1790-93 são apresentadas (...) como causa única dos primeiros
impasses desenvolvimentistas do criatório do Ceará e pela falência das charqueadas (...).
Não deve ser esquecido, porém, que naquele período o Ceará não apenas perdeu parte
do rebanho e ganhou um competidor no comércio de carne seca, um outro fato foi
acrescido à economia cearense, a partir daí (...)". (Fonte: GIRÃO, Valdelice Carneiro.
As oficinas ou charqueadas no Ceará. Fortaleza: Secretaria de Cultura e Desportes,
1984, p. 127).
a) Explique o que eram as charqueadas.
b) Analise o outro elemento responsável pela falência das charqueadas, considerando o
contexto histórico.

08. No século XIX, o plantio de algodão no Ceará resultou da:


a) necessidade de abastecer as indústrias têxteis paulistas.
b) demanda gerada pela Revolução Industrial inglesa.
c) necessidade de abastecer as indústrias têxteis nordestinas.
d) necessidade de aproveitar o grande contingente de escravos na agricultura.

09. (UFC) A indústria têxtil inglesa demandou, no século XIX, quantidades crescentes
de algodão. Provedores tradicionais dessa matéria-prima, como a Índia e o Egito, foram
substituídos pelos Estados Unidos; mas, na década de 1860, os conflitos entre o norte e
o sul desse país interromperam o fornecimento. Nessa década, o algodão se converteu
no principal produto das exportações cearenses.
Em relação ao cultivo de algodão no Ceará, em 1860, é correto afirmar que:
A) Realizou-se com a utilização, de forma generalizada, da mão-de-obra escrava.
B) foram trazidos trabalhadores das áreas de seringais decadentes, criando-se o
SEMTA, Serviço Especial de Mobilização de Trabalhadores do Amazonas.
C) Foi realizado com parceiros, escravos e trabalhadores livres.
D) Realizou-se a abolição prematura da escravidão, e se ofereceram salários atraentes
para os ex-escravos.
E) foi introduzido por imigrantes norte-americanos, provenientes das áreas algodoeiras.
10. (UNIFOR) A economia cearense foi marcada por dois grandes ciclos econômicos: o Ciclo
do Gado (séculos XVIII e XIX) e o Ciclo do Algodão (séculos XIX e XX). Marque a alterativa
correta

quanto à história econômica do Ceará:

a) O algodão ocupou um papel secundário na economia cearense, muito mais vin-culada à

pecuária. Neste sentido, as conseqüências econômicas do comércio algodoeiro foram quase

imperceptíveis, principalmente em Fortaleza.

b) Com a riqueza do algodão, a cidade de Aracati, com seu porto natural na foz do rio

Jaguaribe, tornou-se a principal cidade cearense.

c) A pecuária extensiva foi a responsável pela ocupação dos sertões do Ceará, principalmente ao

longo dos grandes rios e dos vales úmidos.

d) A cidade de Fortaleza foi o centro da produção pecuarista cearense, tornando-se a “capital do

couro”.

e) A pecuária extensiva cearense localizava-se no litoral, às margens das praias, já que o interior

era muito seco e impróprio para o gado.

11. (UFC) O contato dos indígenas "cearenses" com os invasores europeus contribuiu
para:
a) o fortalecimento da identidade étnico-cultural dos indígenas diante da superioridade
da cultura européia.
b) a coesão social entre as diversas tribos indígenas através dos aldeamentos.
c) o fortalecimento da cultura indígena dos aldeamentos jesuíticos.
d) o processo de perda da identidade cultural dos indígenas.
e) que os missionários católicos evitassem o genocídio e o etnocídio dos indígenas no
Ceará.

12. (UECE) Leia o texto a seguir.


“Animados pelo exemplo e fortalecidos pela certeza de mútua assistência, entraram na
luta os Baiacus seguidos, mais tarde, pelos Cratiús e Icós cearenses”. “Não obstante
batidos e dizimados, os nativos continuaram a resistir corajosamente aos portugueses,
fazendo prolongar a campanha de 1713 pelos subseqüentes anos de 1714 e 1715”.
(Carlos Studart Filho. Páginas de História e Pré-História. Fortaleza: Editora do Instituto
do Ceará, 1966, pp. 63 e 133).
Assinale a alternativa que apresenta corretamente o conflito ao qual o autor do texto
acima se refere.
A) A Guerra pela Terra, que envolveu os conquistadores portugueses contra nativos
cristãos.
B) A Guerra dos Bárbaros, que envolveu portugueses e seus aliados contra nativos não
cristianizados.
C) A Guerra do Sertão, que envolveu portugueses e nativos católicos contra holandeses
e nativos protestantes.
D) A Guerra entre portugueses e franceses, sendo que os segundos foram auxiliados por
nativos que
eram seus aliados.
E) A Guerra entre as potências mercantilistas, Portugal e Holanda, sendo que os nativos
foram
insuflados pelos holandeses.

13. (UFC – Adaptada) “... Os aldeamentos funcionaram frequentemente como


acampamentos militares [...] Parangaba. Paupina (atualmente Messejana), Soure
(atualmente Caucaia)...
(Fonte: HOORNAERT, Eduardo. Catequese e aldeamentos na história do Ceará.
Universidade Aberta. O POVO, 1984). Marque V ou F:
A partir do texto acima, pode-se deduzir que os aldeamentos indígenas no Ceará,
tiveram outros objetivos, além da específica evangelização, uma vez que:
a) ( ). tornava-se necessário aos colonizadores controlar os nativos.
b) ( ). utilizavam-se dos indígenas pacificado, para combater os considerados indóceis.
c) ( ). planejava-se o emprego da mão-de-obra indígena em prol da economia pecuária.
d) ( ). idealizava-se educar os índios nos moldes europeus para elevar o nível cultural
da região.

14. (UECE) As três vilas mais importantes do Ceará no Período da Pecuária (1720-
1790) eram:
A)Aracati, Sobral e Icó
B)Sobral, Icó e Fortaleza
C)Aquiraz, Fortaleza e Icó
D)Icó, Aracati e Fortaleza

15. "Na manhã do dia 11, Pereira Filgueiras, após reunir seus soldados e cercar as
principais estradas do Grato, invade a vila, restabelecendo a antiga ordem. Homens
armados, cavalos correndo, poeira, ansiedade, medo. Era a repressão. O Capitão-Mor dá
vivas a Monarquia e ao Rei, no que é correspondido pêlos cratenses, alguns dos quais há
poucos dias "ferozes" republicanos (...) José Martiniano de Alencar é o único que se
dispõe a resistir, pateticamente, com uma faca. Inútil. Logo é detido. Oito dias após seu
início, a revolução pernambucana e liberal de 1817 no Ceará está derrotada." (FARIAS,
Airton de. Senador Alencar. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha. 2000. p, 34).
Sobre a participação cearense na "Revolução" pernambucana de 1817, marque a opção
errada.
a) O movimento de cunho liberal e influenciado pela Revolução Francesa e
independência dos EUA propunha a independência do Brasil.
b) Para garantir a adesão cearense, foi enviado de Pernambuco o jovem seminarista José
Martiniano de Alencar.
c) A participação cearense foi muito pequena, ficando restrita ao Cariri e à família
Alencar, chefiada por D. Bárbara de Alencar.
d) Os rebeldes cearenses, da mesma forma que os pernambucanos, acabaram fuzilados;
em praça pública.

16. (UFC) “Em 26 de agosto foi constituída a República do Ceará, em um Grande


Conselho de 405 eleitores formado pelas pessoas economicamente mais expressivas da
província com a presença das Câmaras de Fortaleza, Aquiraz e Messejana e
representantes das demais comarcas".
(Maria do Carmo R. Araújo. "A participação do Ceará na Confederação do
Equador".In: Simone Souza (coord.). HISTÓRIA DO CEARÁ. 2• ed. Fortaleza.
Fundação Demócrito Rocha. 1994, p.152.).
O texto acima fala de um momento simbólico importante, quando da participação do
Ceará na Confederação do Equador. Sobre isto:
a) Responda o que foi a Confederação do Equador.
b) Indique dois aspectos que influenciaram na adesão do Ceará à Confederação do
Equador.
17. (UECE) Sobre a Confederação do Equador, é correto afirmar que:
A) como a Balaiada e a Farroupilha, ocorreu no período regencial;
B) foi uma revolta de escravos na Bahia;
C) foi uma revolta ocorrida no sul do Brasil, que acabou com a criação de um novo
país: o Uruguai;
D) teve início em Pernambuco e proclamou a independência de várias províncias do
Nordeste;
E) foi a maior revolta ocorrida nos primeiros anos da República.

18. (UFC) Leia o texto a seguir.


Ofício da Villa do Crato. Temos presente o Ofício de V. Excelências do primeiro do corrente a
que acompanharam os Decretos da dissolução da Assembléia Constituinte e Legislativa do
Brasil
plenamente congregada no Rio de Janeiro [...] e apesar do laconismo que se observa em dito
Ofício, ele
veio pôr-nos em perplexidade pelo modo decisivo com que V. Excelências, supremas
Autoridades desta
Província, mandam sem mais reflexão (...)
Jornal Diário do Governo do Ceará, 1º de abril de 1824.
A citação acima se refere à dissolução da Assembléia Constituinte, em 1823, fato que se
relaciona com a eclosão da Confederação do Equador. Sobre a participação do Ceará nesse
movimento revoltoso, assinale a alternativa correta.
A) O Ceará participou da Confederação do Equador porque pretendia romper com a
dependência econômica e política em relação a Pernambuco.
B) A província do Ceará almejava se isolar das demais províncias do atual Nordeste: Paraíba,
Pernambuco, Rio Grande do Norte, Piauí e Alagoas.
C) O crescimento da exportação de algodão fez com que os proprietários e comerciantes
cearenses lutassem pelos interesses do grupo “corcunda”, aliado de D. Pedro I.
D) O grupo “patriota”, composto por membros da família Alencar, defendia idéias monarquistas
para garantir os direitos do Ceará junto ao imperador.
E) A maior parte das elites cearenses aderiu ao movimento levada pelo receio de perder sua
autonomia,em decorrência do centralismo político imposto pela Constituição de 1824.

19. (UECE) Os cearenses tomaram parte ativa em importantes acontecimentos da


História do Brasil, como a Confederação do Equador ocorrida em 1824, que teve, entre
suas causas:
a) as frustrações liberais diante da dissolução da Constituinte, a imposição da
Constituição de 1824, agravada pela nomeação de Paes Barreto à Presidência de
Pernambuco.
b) a organização do Ministério dos Marqueses, integrado por amigos pessoais do
imperador.
c) a questão sucessória do trono português, que provocou violenta reação na população,
que temia nossa recolonizarão.
d) o incentivo dado pelo imperador ao Partido Brasileiro, contrariando o interesse da
burguesia e militares portugueses.
e) a proclamação da Independência da Cisplatina, descontentando a opinião pública pela
perda territorial.

20. Sobre os movimentos insurrecionais em que o Ceará participou no século XIX é


falso:
a) A revolução de 1817 tinha caráter emancipacionista e republicano, sendo comandado
pela família Alencar, lideres da facção liberal local.
b) Os insurretos de 1817 acabaram fuzilados na Praça dos Mártires por terem
participado de uma revolta contra El Rei de Portugal
c) A confederação do Equador visava criar uma república liberal no Nordeste, longe do
centralismo de D. Pedro I e das ameaças recolonizadoras de Portugal
d) A influencia pernambucana e o descontentamento dos liberais cearenses com D.
Pedro I explicam a adesão da província à Confederação do Equador
e) A sedição de Pinto Madeira não passou de uma disputa entre os coronéis de Crato e
Jardim pelo controle do Cariri no contexto da abdicação de Pedro I

21. Sobre a História do Ceará, podemos dizer que:


a) a ocupação holandesa não se refletiu no Ceará.
b) o Ceará participou ativamente das revoluções de 1817 e da Confederação do
Equador.
c) o Ceará não participou de nenhum movimento revolucionário liderado por
Pernambuco.
d) a ação catequética dos padres jesuítas não se estendeu ao Ceará.

22. (UFC) "A chamada revolução de 1832, liderada por Joaquim Pinto Madeira, coronel
que ocupava o posto de comandante de armas do Cariri cearense, melhor seria
caracterizada corno revolta, pois não traria mudanças profundas ou substanciais na
região em que se produziu" - João Alfredo Montenegro. A respeito do movimento que o
texto se refere, analise as seguintes afirmativas e marque a opção correta:
I. Reunia forças políticas em torno do movimento a favor da restauração de Pedro I.
II. Caracterizava-se por sua feição liberal à semelhança dos movimentos de 1817 e
1824.
III. Pretendia tão somente alterar a fase política do país com a proclamação da
República.
IV. Concorreu para sua eclosão a rivalidade política entre os coronéis do Crato e Jardim
que disputavam o domínio político do Cariri.
a) I e IV estão corretas.
b) II e III estão corretas.
c) I e III estão corretas.
d) II e IV estão corretas.
e) III e IV estão corretas.

23. (UFC) Considerando-se a economia do Ceará, na segunda metade do século XIX,


podemos afirmar, corretamente:
a) Apesar de o Ceará contar com uma diversidade de produtos do setor primário, estes
não figuravam nas exportações.
b) A principal fonte de receita da Província era a exportação de artesanato,
principalmente objetos de couro e madeira.
c) O consumo interno de algodão, sobretudo na produção de tecidos grossos para
escravos, impossibilita qualquer excedente para exportação.
d) O charque, produzido inicialmente em Pelotas (RS), logo após sua técnica de
produção chegar ao Ceará, passou a figurar na pauta de exportação.
e) Dentre os produtos de exportação da Província do Ceará figurava o café, que tinha,
como principal região produtora a Serra de Baturité.

24. (UFC adaptada). Marque V ou F. A consolidação de Fortaleza como centro político,


econômico e administrativo, a partir da segunda metade do século passado, verificou-se
por (pelo):
a) ( ) sua condição de centro coletor e exportador de algodão.
b) ( ) sediar os principais serviços da administração pública.
c) ( ) ser a capital da Província e cidade portuária.
d) ( ) ter sido a primeira vila estabelecida no Ceará.
e) ( ) desenvolvimento do comércio exportador.

25. (UFC) A partir do século XVIII, contribuíram para consolidar Fortaleza como
principal centro urbano do Ceará. Marque (V) para verdadeiro ou (F) para falso.
a) ( ) A emancipação do Ceará da jurisdição de Pernambuco.
b) ( ) A fundação do Forte Schoonenborch pelos holandeses.
c) ( ) O declínio das "oficinas" de salga e exportação de carne no Aracati.
d) ( ) A ação do boticário António Rodrigues Ferreira, presidente da Câmara Municipal,
em prol da urbanização.
e) ( ) O traçado urbano da capital pelo arquiteto Adolfo Herbster.
f) ( ) O aumento da exportação algodoeira em virtude da Guerra de Secessão.

26. (UECE) O Crescimento urbano da cidade de Fortaleza no final do século XIX se


deveu, principalmente, à (ao).
a) êxodo rural provocado pela seca de 1877, evitando o perigo das mortes, das invasões
e da miséria da população que encontra abrigo confortável na cidade.
b) crescimento das indústrias têxteis a absorver mão-de-obra, infra-estrutura e serviços
urbanos.
c) expansão da cultura algodoeira de exportação, concentrando na capital do comércio
importador e exportador, além das atividades de serviços, administração e recolhimento
de impostos.
d) concentração das atividades portuárias com a transferência do comércio exportador
açucareiro de Recife para Fortaleza, devido ã epidemia de cólera na capital
pernambucana.

27. (UECE) "Os associados adotavam um criptônimo ou nome de guerra e eram


denominados padeiros. O jornal do grupo tinha o título de O Pão. O presidente era o
padeiro-mor. Os secretários receberam a alcunha de forneiros e o tesoureiro o de gaveta.
Padeiros livres eram os sócios correspondentes. As sessões eram as fornadas."
(GIRÃO, Raimundo. Pequena História do Ceará. 4a ed. Fortaleza: UFC, 1984, p, 229)
O texto traz aspectos da organização interna da Padaria Espiritual que foi:
a) Associação benemérita de fundo religioso em Fortaleza.
b) Clube dos caixeiros viajantes cearenses.
c) Sindicato dos padeiros de Fortaleza.
d) Agremiação literária fortalezense.

28. (UECE). Reportando-se ao banditismo e cangaceirismo no Ceará, podendo afirmar


que:
a) os setores dominantes locais sempre combateram a formação de bandos armados.
b) o aperfeiçoamento dos mecanismos do controle do Estado contribuiu para a expansão
de bandos armados.
c) o “Pacto dos Coronéis”, sob a égide de Padre Cícero, objetivava combater o
fanatismo e o misticismo no Ceará.
d) a estrutura fundiária, o mandonismo e o clientelismo favoreceram a sua formação.

29.(UFC – adaptada). “(...) A EFB (Estrada de Ferro Baturité) surge quando o Ceará
vai-se incorporando ao mercado internacional através de seus produtos (...), ora sofre as
influências do mercado externo, ora as conseqüências da política nacional e ora
interferência de fatores internos quer históricos, quer naturais”.
(Fonte FERREIRA, Benedito Genésio. A estrada de ferro de Baturité: 1870-1930.
Fortaleza: UFC/Stylus, 1989,p. 194).
Tendo como base o texto acima e os conhecimentos de História do Ceará, podemos
afirmar (marque V ou F):
a) ( ) a FFB procurava atender a demanda de transporte para o café e o algodão,
produzidos no Ceará.
b) ( ) na construção da EFB explorava-se a mão-de-obra de flagelados das secas que se
abatiam sobre o Ceará.
c) ( ) como “o sertanejo é antes de tudo um forte", nos períodos de seca, a
produtividade do seu trabalho aumentava.
d) ( ) a inserção do Ceará no mercado internacional se fazia com a produção e
comercialização de produtos primários.
e) ( ) a construção da EFB excluía o Ceará do quadro da divisão internacional do
trabalho.

30. (UECE) As grandes secas de 1877-1879 não somente secaram os reservatórios de


água de Fortaleza; trouxeram graves efeitos para a cidade. Neste sentido, aponte a única
alternativa FALSA:
a)Nos três anos que perdurou a estiagem, mais de 100 mil sertanejos migraram para a
capital cearense, transformando a cidade num grande formigueiro humano.
b) A maior parte desses retirantes famintos ficava abrigada nos chamados “campos de
concentração” ou “abarracamentos” localizados nos arredores da cidade sem qualquer
condição de higiene.
c)A grande seca de 1877 – 1879 agravou o estado sanitário de Fortaleza. Em 1877 uma
epidemia de varíola vitimou milhares de retirantes nos arrabaldes da cidade.
d)A partir de 1879 algumas chuvas caíram, o que contribuiu para nova onda da
epidemia de varíola. A lista de mortos duplicou assim como o número de vítimas da
doença a mendigar pela cidade.
31. (UECE) Sobre a abolição dos escravos no Ceará, podemos afirmar corretamente
que:
a) foi unicamente decorrente da força do movimento abolicionista local, enfrentando
proprietários de escravos e governo.
b) o aumento do tráfico interprovincial em direção ao Sul do país, a seca de 1877-1880
e o movimento abolicionista, que favorecia as fugas, fizeram com que, em 1884, poucos
escravos ainda existissem no Ceará.
c) com a abolição, a economia cearense se viu inteiramente desestruturada, já que
dependia
totalmente da mão-de-obra escrava.
d) foi com a decisiva participação do jangadeiro Dragão do Mar que a abolição no
Ceará se tornou possível, libertando milhares de negros através da compra de suas cartas
de alforria.

32. “Dos ferros que acorrentaram


o negro na penitência
a ciência de nobre afro
fez um agogô para tocar
loas de maracatu
cantigas de liberdade
hoje eu sou Dragão do Mar”

“Dragão do Mar”— Calé Alencar

Sobre a abolição da escravidão no Ceará é correto afirmar:


a)Deu-se em virtude da ação revolucionária das entidades abolicionistas, que incitavam
os escravos a fugir.
b)O Ceará foi pioneiro na abolição da escravidão, libertando-os oficialmente em 1884
devido, sobretudo, ao peso menor da escravatura em sua economia.
c)Ocorreu pela união entre Francisco José do Nascimento, o Dragão do mar, e os
proprietários de escravos.
d)O pioneirismo cearense na abolição mostra o espírito libertador das elites cearenses.
e)Com a abolição a economia cearense se viu inteiramente desestruturada, já que
dependia totalmente da mão-de-obra escrava

33.(UFC) Leia o texto a seguir:


“A Abolição dos escravos no Ceará foi um ato de amor ao próximo, foi um ato de fé!”.
(THEOPHILO, Tácito (general). “Abolição – um ato de fé!” Revista do Instituto do
Ceará. Fortaleza/CE: Secretaria de Cultura e Desporto do Ceará. Tomo Especial nº. 7.
Comemorativo do Centenário da Abolição dos Escravos no Ceará, 1984, p. 27).
A partir da leitura desse texto e de seus conhecimentos, responda às questões propostas.
A) Indique dois fatores determinantes para que a abolição da escravatura tenha ocorrido,
no Ceará, antes da Lei Áurea e, em seguida, justifique sua resposta.
B) Como ficou a condição social dos ex-escravos, no Ceará, após a Abolição da
Escravatura, em 1884?

34. (UFC) ESCRAVOS


Vende uma pessoa chegada há pouco do Norte bonitos e moços, entre elles notão-se um
official de ourives, uma bonita crioula, uma parda de 18 a 20 annos com habilidades,
um preto padeiro e torneiro, um bonito pardo de 17 annos, optimo para pagem e mais
pretos moleques; na rua da Alfândega n. 278. (Fonte: Jornal do Commércio, 1854 apud
NOVAIS, Fernando. A História da Vida Privada ao Brasil, v.2. São Paulo: Companhia
das Letras, 1997, p. 251.)
O anúncio acima, publicado num jornal do Rio de Janeiro, indica que os referidos
escravos eram oriundos de uma província do Norte, classificação onde se inseria o
Ceará, que participou do comércio negreiro interprovincial, em virtude:
a) da promulgação da Lei do Ventre Livre, que proibia a permanência da mão-de-obra
escrava nas atividades agrárias algodoeiras.
b) da qualificação dos escravos, garantida através da educação ministrada pela Igreja e
apoiada pelos abolicionistas locais.
c) do fracasso da campanha desenvolvida por Francisco Nascimento, o Dragão do Mar,
contra o comércio de escravos.
d) da proibição do tráfico negreiro internacional e da ausência de atividade produtiva
que dependesse sobretudo do trabalho escravo.
e) do declínio da Sociedade Cearense Libertadora, considerada prejudicial aos interesses
do intenso tráfico negreiro existente.
35. (UECE) "O binômio gado-algodão vai ter em Fortaleza seu grande centro, assim
como a cana-de-açúcar teve o Crato e a carne-de-sol teve Aracati". (SILVA, José B. da.
Os incomodados não se retiram: uma análise dos movimentos sociais em Fortaleza.
Fortaleza- Multigraf, 1992, p. 22)
A produção do algodão, no século XIX, foi de grande importância para a economia do
Ceará e para o crescimento de sua capital. Assinale a alternativa que expressa
corretamente o momento em que esta produção atinge o seu apogeu.
a) Durante o bloqueio continental imposto aos ingleses por Napoleão.
b) Durante a Guerra de Secessão nos EUA (1861-1865).
c) Logo após a transferência da família real portuguesa para o Brasil em 1808.
d) Com a abolição da escravatura no Ceará em 1883.

36. (UFC) Sobre a economia cearense entre os períodos colonial e imperial, marque a
opção certa.
a) O trabalho de vaqueiro no Ceará colonial era ocupado por homens livres que
recebiam salários.
b) A cultura algodoeira foi responsável pelo povoamento da terra cearense a partir do
século XVI.
c) As oficinas de charque e a comercialização da carne seca fizeram do Cariri a
principal região econômica do Ceará colonial.
d) A predominância da exportação do algodão pelo porto de Fortaleza contribuiu para
consolidar a capital como principal centro urbano do Ceará no século XIX.
e) O café no Ceará só foi cultivado nas regiões de Sobral e Camocim, e não teve
nenhuma expressividade na economia exportadora cearense do século passado.

37. “Santo, milagreiro, visionário. Charlatão, herege, coronel de batinas.Talvez não haja
em nossa história uma figura mais controvertida que Pe Cícero Romão Batista.Entre os
últimos anos do século XIX e as primeiras décadas do século passado, o patriarca de
Juazeiro envolveu-se em uma série de embates políticos e religiosos que ainda hoje
suscitam apaixonados debates.Não é ousado dizer que foi o cearense mais conhecido de
todos os tempos - sua popularidade espalhou-se por todo o país, movimentou romarias
durante décadas inteiras, foi alvo de discussões no parlamento, na imprensa e nos meios
intelectualizados, colocou a cúpula da Igreja Católica em situação delicada, acirrou
discórdias e lutas entre facções políticas.Um homem polêmico.” (Farias, Airton de.
História da sociedade cearense. Fortaleza. Livro Técnico. 2003.)
Sobre Pe. Cícero é falso afirmar:
A) A questão religiosa de juazeiro é resultado das divergências entre a postura
romanizadora da alta hierarquia da Igreja e a prática cotidiana próxima do misticismo
popular dos padres do Sertão.
B) Enquanto a devoção ao Pe. Cícero contou com apoio do coronelismo e da oligarquia
acciolyna no Ceará, Canudos sofreu repressão dos latifundiários e do estado.
C) Sua atuação política fê-lo prefeito de Juazeiro, vice-governador e deputado, o que em
boa parte era articulado por Floro Bartolomeu
D) O encontro de Lampião com Pe.Cícero provocou muita repercussão, aumentando o
preconceito contra os fiéis de Juazeiro
E) A igreja Católica, após alguma indecisão, acabou reconhecendo o milagre de
Juazeiro e a santidade de Pe. Cícero.

38. (UECE) "A Questão Religiosa de Juazeiro, embora aparentemente se tenha


apresentado como um problema de existência ou não de Sangue de Cristo nas hóstias
em transformação, na realidade foi uma luta dentro da Igreja." (BARROS, Luitgarde
Oliveira Cavalcanti. O. movimento religioso de Juazeiro do Norte. Padre Cícero e
fenômeno do Caldeirão. Apud: SOUZA, Simone - coord. História do Ceará. Fortaleza:
UPC/FDR/Stylus. 1989, p, 257).
Sobre esta luta a que a autora se refere, pode-se afirmar que:
a) representava as divergências entre os adeptos políticos de Padre Cícero e Floro
Bartolomeu contra os chamados "rabelistas", que apoiavam o presidente da província,
Flanco Rabelo.
b) é resultado da divergência entre a orientação romanizadora e elitista da hierarquia da
Igreja e a prática cotidiana próxima do misticismo popular dos padres do sertão
cearense, especialmente Padre Cícero.
c) esta cisão no interior da Igreja já era resultado da ação desagregadora da Teologia da
Libertação, praticada nas Comunidades Eclesiais de base, especialmente em Juazeiro,
sob a orientação do Padre Cícero.
d) significava a diferença de orientação pastoral entre Padre Cícero e o beato José
Lourenço, de Canudos.

39. (UFC) Confrontando os movimentos religiosos políticos de Juazeiro com o Padre


Cícero, e de Canudos com António Conselheiro, podemos afirmar:
a) Padre Cícero e António Conselheiro se tomaram líderes religiosos porque, além de
realizarem milagres, conseguiram terra e trabalho para seus seguidores.
b) Tanto Padre Cícero como António Conselheiro não sofreram censuras da Igreja
Católica Romana.
c) Esses movimentos se explicam, fundamentalmente, pelo fanatismo religioso dos seus
seguidores, marcados pelo analfabetismo e pela superstição.
d) Enquanto a devoção ao Padre Cícero contou com a simpatia do coronelisrno e da
oligarquia acciolyna no Ceará, Canudos sofreu repressão dos latifundiários e do Estado.
e) Ambos tinham em comum a crítica ao regime republicano que separou a Igreja do
Estado e proibiu o direito de voto a padres e analfabetos.

40. (UECE) A questão religiosa no Ceará, envolvendo o Padre Cícero e a Igreja


Católica, propiciou:
a) o fortalecimento das práticas do catolicismo popular, das beatas e dos penitentes.
b) o fortalecimento do processo de "romanização" no Ceará.
c) o enfraquecimento de Juazeiro do Norte, enquanto núcleo do catolicismo popular.
d) o incentivo à ação dos leigos junto às massas populares.

41 (UNIFOR) O Ceará foi palco de importantes eventos de caráter sócio-religioso, entre os


quais ressalta o

fenômeno de Juazeiro do Padre Cícero. A respeito disso, identifique a opção correta:

a) Tais eventos demonstram que o catolicismo oficial sempre reconheceu os movimentos

religiosos de caráter popular.

b) Em nenhuma circunstância houve aproveitamento político do sentimento de religiosidade de

seus seguidores.

c) Os movimentos religiosos foram resultado de uma forte e bem articulada conversão das

pessoas ao catolicismo oficial, sendo, desta maneira, exemplos da ortodoxia católica.

d) A liderança religiosa que exerceu o Padre Cícero sobre seus seguidores capacitou-o a manter

sobre eles uma liderança política, coisa que fez até o final de sua vida.

e) As condições econômicas, sociais e culturais do povo cearense em nada se relacionam com

os eventos de ordem religiosa e messiânica.

42. (UECE) Sobre a política cearense, no alvorecer do século XX, é correto afirmar que:
A) caracterizou-se pelo exercício da ampla participação popular.
B) era polarizada pela disputa entre os partidos Comunista e Conservador.
C) os governadores do Estado eram nomeados pelo Imperador.
D) ao contrário dos demais Estados, aqui já havia o voto feminino.
E) foi dominada pelo grupo oligárquico de Nogueira Accioly.

43. (UECE) "O Ceará é uma terra condenada mais pela tirania dos governos do que pela
inclemência da natureza." (Fonte; TEÓFILO, Rodolfo. A seca de 1915. Fortaleza UFC,
1980. p. 31)
Esta frase, escrita em 1916, expressa uma revolta com aquilo que o autor via acontecer
no governo deste período. Marque a alternativa que indica corretamente algumas
características da política cearense na Primeira República:
a) A crítica do conservador Rodolfo Teófilo se dirigia às iniciativas democráticas e
socializantes que o governo de Franco Rabelo vinha implementando desde a queda de
Accioly em 1912.
b) O controle político era assegurado pelo domínio oligárquico e coronelista, em que se
sobressai a presença de Nogueira Accioly como principal oligarca do Estado.
c) Apesar do rígido controle oligárquico sobre o governo, havia um clima de liberdade
de expressão, em que os jornalistas e críticos do governo podiam manifestar-se sem
medo de repressão.
d) As oligarquias que se sucediam no poder tinham que enfrentar freqüentes revoltas
urbanas, como a Sedição de Juazeiro, em 1914.

44. (UFC – adaptada)


“Presidente do Estado: Nogueira Acioli.
Secretário do Interior; José Acioli.
Diretor de Secção: Lindolfo Pinho, Sobrinho do presidente.
ACADEMIA DE DIREITO
Diretor: Nogueira Acioli
Vice-Diretor: Tomaz Pompeu (cunhado de Acioli).
LICEU
Professores; Tomaz Acioli, Jorge de Sousa (genro de Acioli)
ESCOLA NORMAL
Tomaz Acioli, José Acioli, e mais sobrinho, sobrinha e irmão do presidente.
CÂMARA MUNICIPAL
Secretário; Jovino Pinto (sobrinho de Acioli)
Procurador Fiscal; António Acioli
BATALHÃO DO EXERCITO
Comandante: Capitão Borges (genro de Acioli)
SENADORES: Tomaz Acioli e Francisco Sá (filho e genro de Acioli)
DEPUTADOS FEDERAIS: João Lopes (primo de Acioli), Gonçalo Souto (tio de uma
nora de Acioli)."
(Fonte: JANOTTI, Mª de Lourdes M. O Coronelismo: uma política de compromisso.
São Paulo, Brasiliense, p. 65-66).
Considerando a estrutura de poder no Ceará, durante a primeira República sugerida no
quadro acima, podemos concluir que:
a) ( ) não podemos afirmar que no Ceará chegou a se constatar uma oligarquia aciolina.
b) ( ) no sistema oligárquico, o "público" se confunde com o "privado".
c) ( ) a solidariedade política entre os membros da oligarquia sedimenta-se na
solidariedade familiar.
d) ( ) a estrutura de poder oligárquico se estabelece sem vinculação com a estrutura de
"classe".
e) ( ) no Ceará, estado-membro de uma "República Liberal", observava-se a
democratização das funções públicas.

45. (UECE) "Fortaleza era pura agitação. As acusações, os manifestos, as passeatas, os


comícios e as provocações de parte a parte tornavam o ambiente explosivo. O povo
estava entusiasmado com a possibilidade real de depor Accioly. De fato, esse sonho
estava na iminência de concretizar-se, não pelo voto, mas pelas armas, em uma revolta
popular, cujo estopim foi a passeata das crianças."
(FARIAS, Airton de. História do Ceará: dos índios à geração Cambeba. Fortaleza:
Tropical, 1997 p. 130)
Sobre a deposição do Comendador Nogueira Accioly da Presidência do Estado do
Ceará, em 1912, comentada no texto acima citado, é conoto afirmar que:
a) a expectativa popular foi frustrada pelos acordos políticos entre Accioly e o candidato
da oposição, Franco Rabelo, garantindo uma transição pacífica.
b) a queda de Accioly está ligada à "Política das Salvações" do Presidente Hermes da
Fonseca e à revolta popular diante dos desmandos do oligarca.
c) a revolta popular não só garantiu a deposição de Accioly como instalou um governo
revolucionário de caráter socialista que durou apenas duas semanas.
d) a derrota eleitoral de Accioly foi comemorada com entusiasmo pela população que,
apesar de tudo, manteve a ordem na cidade.

46. (UFC) Sobre a Sedição de Juazeiro, é carreto afirmar que:


a) o conflito pôs em confronto, de um lado, os grupos conservadores urbanos, liderados
pela Igreja Católica, e os proletários de Fortaleza e, de outro, os camponeses e
produtores rurais, ligados ao setor de exportação.
b) foi a reação contra uma intervenção militar que visava transformai o Ceará num pólo
de produção cerealífera, mediante a expansão dos polígonos irrigados.
c) originou-se no confronto dos interesses, vinculados à indústria de exportação, com os
interesses dos produtores de bens duráveis, vinculados à expansão do mercado interno.
d) era liderada pelo alto clero da Igreja Católica que, da cidade de Juazeiro, tentava
depor o Padre Cícero, que tinha criado uma cisão no catolicismo.
e) opôs a classe média e os comerciantes, apoiados por fazendeiros: contrários a
Accioly, aos interesses agrários tradicionais, apoiados por Padre Cícero.

47. (UECE). Em 1914, exércitos de sertanejos armados chegaram até as portas de


Fortaleza exigindo a renúncia do governo estadual: era a chamada Sedição de Juazeiro.
Como elementos deste conflito que abalou a sociedade cearense, podemos assinalar
corretamente:
a) significou o retorno de Nogueira Accioly ao poder, com o apoio do Padre Cícero e do
governo federal.
b) a formação de exércitos de sertanejos representou um dado de instabilidade que levou
o governo federal a reprimir violentamente a Sedição, recolocando Franco Rabelo no
poder.
c) foi provocada pelas dissidências oligárquicas entre rabelistas e aciolistas, que
disputavam o apoio do governo federal.
d) representou uma manifestação do poder do Padre Cícero., que se sentiu ameaço pelo
governo liberal e democrático de Franco Rabelo.

48. (UECE) “Nem a construção do teatro, nem as tentativas de instalar o abastecimento


de água e esgoto, ou mesmo o embelezamento da cidade promovido pela Intendência
Municipal impediram o crescente descontentamento da população contra o governo de
Nogueira Accioly.”
(PONTE, Sebastião R. Fortaleza belle evoque. Fortaleza: FDR/Multigraf, 1993, p. 48).
Com relação ao governo de Nogueira Accioly, presidente do Estado do Ceará até 1912,
podemos assinalar corretamente que:
a) apesar de impopular, Accioly consegue manter-se estável no poder estadual até a
descoberta de fraudes e outras irregularidades administrativas, o que provocou a
intervenção do governo federal.
b) durante a campanha eleitoral de 1912, passeatas de oposição duramente reprimidas
pela polícia são o estopim para uma grande insurreição popular que cerca o palácio e
obriga Accioly a renunciar.
c) após uma intensa campanha de desgaste político, o movimento oposicionista
consegue eleger pacificamente seu candidato ao governo do Estado, Franco Rabelo,
empossado respeitosamente por Accioly.
d) diante das manifestações populares exigindo a sua renúncia, Accioly se retira do
governo para retornar mais forte do que nunca em 1914, com a Sedição de Juazeiro.

49. (CEFET) A Sedição de Juazeiro caracterizou-se por ser um movimento político que:
a) promoveu a manutenção da oligarquia de Accioly no poder, com o mesmo como
Presidente do Estado do Ceará.
b) derrubou o governo de Matos Peixoto e inaugurou a Revolução Tenentista no Ceará.
c) provocou a derrubada de Franco Rabelo, e as oligarquias conservadoras voltaram a
mandar no Ceará, mas sem a liderança de Nogueira Accioly.
d) defendeu os direitos sociais das camadas mais humildes e sertanejas, gerando uma
sociedade alternativa, mais justa e humana, sob a liderança de José Lourenço.
e) ratificou a Política das Salvações no estado cearense, colocando, no controle estadual,
o democrata Liberato Barroso e pondo fim ao nepotismo da oligarquia Paula Rodrigues.

50. (UFC) "Povo cearense, começa hoje o regime de ginecocracia: às treze horas
empossar-se-á o governador eleito pelo voto das beatas inconscientes e dos padres
politiqueiros. Guardai, neste instante, um minuto de silêncio em homenagem aos mortos
da Revolução."
(SOUZA, Sirnone, As interventorias no Ceará - 1930-1935, Apud. SOUZA. Simone-
coord. História do Ceará. Fortaleza. UFC/Fundação Demócrito Rocha/Stylus
Comunicação, 1989, p, 331).
O texto acima se refere ao contexto histórico do pós-30 cearense, no qual as seguintes
forças políticas polarizaram a disputa eleitoral:
a) LEC (Liga Eleitoral Católica) e LCT (Legião Cearense do Trabalho).
b) Integralistas e Liga Eleitoral Católica.
c) Oligarquias mais tradicionais e os integralistas.
d) Círculos Operários Católicos e Legião Cearense do Trabalho.
e) Setores Liberais e Liga Eleitoral Católica.
51. (UECE) "Esta preocupação em conter a politização e emancipação do operariado
por parte do governo getulista concorre para explicar o surgimento e expansão de
movimentos políticos como a LCT (Legião Cearense do Trabalho), no contexto de 30”.
(FONTE, Sebastião R. A Legião Cearenses do Trabalho. Apud, SOUZA, Simone-
coord. História do Ceará. Fortaleza: UFC/FDR/Styllus, 1989. p. 360.)
Com relação ao avanço destes movimentos no Ceará, podemos afirmar que:
a) a força e a organização do movimento operário no Ceará, sob a liderança doa
comunistas, impediram que a influência do movimento legionário se expandisse.
b) o objetivo da LCT era harmonizar as relações entre capital e trabalho, eliminando a
influência de grupos comunistas e anarquistas sobre o operariado.
c) o trabalho dos legionários foi decisivo para a propaganda anti-getulista no Ceará,
através de greves, comícios e outras ações de massa.
d) a LCT, corno os Círculos Operários Católicos (COC), realizou um amplo papel de
conscientização dos operários sobre seus direitos e sobre a situação de exploração em
que viviam.

52. (UFC) Em 07 de maio de 1933, o jornal O Legionário, porta-voz da Legião


Cearense do Trabalho, defendia a instauração de “uma nova ordem social, repelindo
a oligarquia burguesa e a oligarquia proletária, repudiando o liberalismo grotesco e
o socialismo anárquico”.
(Citado por Raimundo Barroso Cordeiro Júnior. “A Legião Cearense do Trabalho” in
Simone de
Souza (org.) Uma nova história do Ceará. Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2000, p.
329).
A partir desse trecho e de seus conhecimentos, assinale a alternativa correta sobre a
Legião Cearense do Trabalho e suas idéias políticas.
a) Abraçou plenamente os princípios do liberalismo, propondo uma sociedade com a
mínima intervenção do Estado.
b) Surgiu no contexto da implantação do Estado Novo e foi uma cópia fiel da
Ação Integralista Brasileira, fundada por Plínio Salgado.
c) Tinha lideranças provenientes dos círculos operários e de outras organizações
católicas e estava ligada ao projeto de recristianização da sociedade moderna.
d) Baseando-se em temas como a família e a tradição, ela trouxe para as suas fileiras
a elite e a classe média, mas não conseguiu atingir seu alvo principal, os trabalhadores.
e) Reuniu os vários setores profissionais organizados do Ceará, encontrando por
isso a simpatia tanto do trabalhismo varguista quanto de grupos ligados ao Partido
Comunista.
53. Sobre o Caldeirão marque (V) para as afirmações verdadeiras e (F) para as falsas:
a) ( ) Foi um movimento messiânico chefiado pelo beato José Lourenço, paraibano,
negro, analfabeto, seguidor do Pé. Cícero.
b) ( ) A princípio, Lourenço e seus seguidores estabeleceram-se no sítio Baixa Danta,
no Crato, onde surgiu a lenda "Mansinho", o boi santo.
c) ( ) Expulsos do Baixa Danta, Lourenço estabeleceu-se no sítio Caldeirão, pertencente
a Pe. Cícero.
d) ( ) No Caldeirão imperava uma comunidade coletiva, na qual todos trabalhavam,
dividiam o produzido e seguiam orientação espiritual de Pe. Cícero e José Lourenço.
e) ( ) O crescimento do Caldeirão nos anos 30 começou a desagradar os latifundiários e
a Igreja Católica, que pedem para que as autoridades acabem com aquele antro de
"comunistas" e "fanáticos".
f) ( ) O governador cearense Menezes Pimentel, eleito pela LEC (Liga Eleitoral
Católica), foi contra a destruição do Caldeirão.
g) ( ) O Caldeirão acabou destruído pela polícia em 1936. Um seguidor de Lourenço,
Severino Tavares, depois, numa emboscada, mata alguns policiais em vingança. A
polícia, em seguida, promove um massacre aos remanescentes da comunidade (1937).
h) ( ) A destruição do Caldeirão se inseriu no contexto da perseguição aos comunistas
na Era Vargas e centralização do poder.

54. (CEFET) “Ao chegar na nova localidade, o beato José Lourenço só encontrou ‘mato
e pedra’, nada que lembrasse produção. (...) Ergueram-se pequenas casas, cercas,
barragens, armazéns (...). Passaram a cultivar cereais e frutos, e a criar diversos animais
domésticos. (...) Criou-se uma sociedade igualitária, de sistema econômico coletivo, que
impunha aos seus membros a cooperação para assegurar a existência e o
desenvolvimento, tendo como base de tudo a religião.” (Farias, Airton de. História da
sociedade cearense. Fortaleza. Livro Técnico. 2003).
O texto acima refere-se a um movimento ocorrido no Ceará:
A) Confederação do Equador
B) Sedição de Juazeiro
C) Caldeirão
D) Sedição de Pinto Madeira.
E) Batalha da borracha

55. (UECE) Na década de 40 deste século, uma grande migração de cearenses para a
Amazônia foi amplamente incentivada pelo governo federal. Assinale a alternativa que
identifica corretamente os objetivos desta migração:
a) fornecer empregos aos flagelados cearenses da seca de 1930, através da criação de
núcleos coloniais, com distribuição de terras e crédito aos colonos.
b) ocupar as áreas amazônicas ameaçadas pelo capital internacional, a Marcha para o
Oeste, e fornecer mão-de-obra para as indústrias de Manaus.
c) realizar a reforma agrária na região amazônica.
d) aliviar as pressões demográficas decorrentes do acentuado êxodo rural no Ceará e
fornecer mão-de-obra para a produção de borracha destinada aos países aliados durante
a II Guerra Mundial.

56. No final do mês de março, grandes levas

de retirantes já enchiam de tristeza e

fome as estradas do Sertão. Das mais

longínquas paragens saíam homens e

mulheres arrastando filhos e alguns

pertences a caminho da cidade. “Muitos

se juntavam, formando enormes bandos

de flagelados.”

Fonte: RIOS, Kênia Sousa. Campos de

Concentração no Ceará: isolamento e

poder na seca de 1932. Fortaleza, Museu

do Ceará/Secretaria de Cultura do Estado do

Ceará, 2006. p 10.

O fragmento narra um pouco da saga dos

retirantes do Sertão do Ceará, durante a seca

de 1932. Sobre o tema, analise atentamente

as afirmações a seguir, classificando-as como

verdadeiras (V) ou falsas (F).

I. Os retirantes, na luta para manterem-se

vivos, enquanto realizavam longas

caminhadas em direção à Fortaleza,


matavam e comiam algumas reses que

ainda resistiam nos pátios das grandes

fazendas. Nos jornais de Fortaleza, eram

comuns notícias de roubos de bois e vacas.

II. Os flagelados caminhavam longos trechos à

procura das estações ferroviárias, de onde

saiam em grandes levas em direção à

capital do Estado. A partir de 1932, os trens

que saíam em direção à Fortaleza, oriundos

do interior, levavam um grande número de

retirantes.

III. Os Campos de Concentração do Sertão

foram construídos em lugares onde havia,

nas proximidades, uma estação ferroviária.

Com essa medida, os poderes constituídos

procuravam diluir as tensões que se

formavam nos “pontos de trens” e ao

mesmo tempo, tentavam evitar a migração

para a capital.

É correto o que se afirma

A) apenas em I e III.

B) apenas em II e III.

C) em I, II e III.

D) apenas em I e II.

57. (UFC – adaptada) A redemocratização de 1945, no Ceará, representou:


a) ( ) a ruptura com os setores tradicionais da política cearense;
b) ( ) a oportunidade de manifestação política dos setores de esquerda;
c) ( ) a liberdade de expressão dos meios de comunicação de massa;
d) ( ) a reorganização do movimento operário sindical com plena autonomia;
e) ( ) a busca de espaços políticos pela Igreja Católica a fim de neutralizar a ação,
exclusivamente, dos movimentos de direita.

58. (UECE) As eleições para governador do Estado do Ceará, no período democrático


entre a queda do Estado Novo e a ditadura empresarial-militar de 1964, tiveram a
seguinte característica:
a) a oligarquia política, formada no regime ditatorial do Estado Novo, alojada no
Partido Social Democrático (PSD), ganhou todas as eleições para governador.
b) a União Democrática Nacional (UDN), partido político formado pelos opositores a
Getúlio Vargas, ganhou todas as eleições para governador.
c) os políticos populistas do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), partidários de Getúlio
Vargas, ganharam todas as eleições para governador.
d) a única vez que a situação fez o sucessor foi nas eleições de 1962, com a vitória do
candidato da aliança do PSD com a UDN, na chamada União pelo Ceará.

59. Marque (V) para verdadeiro ou (F) para falso:


a) ( ) No período 1945-64 evidenciou-se a fragilidade estrutural das elites cearenses, as
quais se revezavam no governo através de UDN e PSD.
b) ( ) A "União pelo Ceará", coligação da UDN com o PSD em 1962, foi
esmagadoramente triunfante nas eleições, perdendo apenas uma vaga no senado para
Carlos Jereissati (PTB).
c) ( ) O "fiel da balança", nas eleições cearenses, deixou de ser, na década de 1950, o
PSP de Olavo Oliveira, passando a condição para o PTB de Carlos Jereissati.
d) ( ) O governos de Virgílio Távora (1963-66) foi importante para a "modernização
conservadora" do Ceará, a partir do incentivo à industrialização.
e) ( ) A "Geração Cambeba" incrementou a "modernização conservadora" do Estado,
mas não acabou com os alarmantes níveis de miséria e de concentração de renda.

60. (UFC) O "Governo dos Coronéis", que dominou a política cearense na década de 80
e nos primeiros anos da década de 1980, caracteriza-se:
a) por ser um governo que representou a continuidade das práticas efetivadas pelas
velhas-oligarquias cearenses no poder.
b) pelas práticas populares que marcaram a administração dos coronéis que estiveram
no poder durante o regime militar.
c) por ser uma administração entregue a governantes de formação militar, afirmando a
força do governo central, marcada pela tecnocracia.
d) pelo controle da política local por um segmento empresarial ligado à indústria e ao
capital financeiro.
e) pela expansão do clientelismo, mas com a introdução de uma nova forma de fazer
política, estimulando o pluripartidarismo.

61. “Essa visão pacífica e de concórdia sobre o Ceará, sem atritos, conflitos, lutas e
movimentos sociais, obviamente que não se sustenta quando se analisa amiúde a
história local (...) Em meio ao caldeirão político e cultural dos anos 60, vários cearenses
tiveram a ousadia de empunhar armas num sonho audacioso visando derrubar o sistema
capitalista vigente e possibilitar a criação de uma sociedade diferente, mais justa, digna
com os mais pobres e excluídos, e que fosse uma etapa para a implantação do
socialismo no Brasil. Os militantes desses grupos realizaram treinamentos militares,
praticaram assaltos (melhor dizendo, “ações de expropriação da burguesia” ou “ações de
resgate da riqueza que a burguesia explorava do povo”), travaram combates contra as
forças do Estado, cometeram erros e assassínios, sonharam, viveram perigosamente,
foram derrotados, torturados, mortos, achincalhado e por fim, esquecidos pelas
correntes historiográficas mais conservadoras”. In: FARIAS, Airton de. Além das
Armas: Guerrilheiros de Esquerda no Ceará Durante a Ditadura Militar. Fortaleza: Livro
Técnico, 2007.
- Sobre a Ditadura Militar no Ceará, marque a opção verdadeira:
A) Com o Golpe Militar de 1964, o governador cearense Virgílio Távora, por suas
ligações com as esquerdas e com o presidente da República João Goulart, acabou
deposto, sendo substituído por Paulo Sarasate.
B) Apesar do Golpe de 1964, a mobilização popular continuou bastante ativa no Ceará
nos anos seguintes, destacando-se o Pacto Sindical, o PCB e os estudantes, que
realizaram grandes manifestações de rua, tendo como ponto de concentração o CÉU
(Clube do Estudante Universitário).
C) As principais organizações armadas a agirem no Ceará foram Ação Libertadora
Nacional (ALN) e Partido Comunista Brasileiro Revolucionário (PCBR), responsáveis
por várias ações revolucionárias, como o assalto do Banco Mercantil, da Coca-cola, do
“carro pagador” do London Bank e Banco do Brasil de Maranguape, e que acabaram
desbaratadas pela repressão.
D) Ao contrário do que se pensa comumente, a repressão da Ditadura Militar no Ceará
foi branda, contando o governo com apoio de amplos setores da imprensa e sociedade
no combate à “subversão”.

62. (UECE) “A 15 de março de 1987 o estreante na política e empresário Tasso


Jereissati tomava posse no comando do executivo (...) conseguira derrotar os famosos
coronéis do Ceará e inaugurar uma nova etapa na história política do Estado.” Fonte:
BRUNO, Artur. FARIAS, Airton de. ANDRADE, Demétrio. Os Pecados Capitais do
Cambeba. Fortaleza: Expressão Gráfica Editora, 2002, p. 17/18.
No que concerne à ascensão de Tasso Jereissati e seu grupo de sustentação política e à
citada nova etapa da história política do Ceará, é correto afirmar que:
a) a vitória de Tasso constituiu um duro golpe nas tradicionais oligarquias locais,
significando o fim da dominação das elites sobre o povo cearense.
b) O grupo político liderado por Tasso formou-se principalmente a partir de um grupo
de jovens empresários comprometidos com os interesses da embrionária juventude
operária cearense.
c) A ascensão de Tasso e seu grupo no comando dos quadros políticos do Estado foi o
coroamento de um projeto cujas origens estão no CIC (Centro Industrial do Ceará)
d) Uma das características fundamentais de Tasso e do grupo de empresários que
representa é a consistência ideológica e principalmente partidária, presentes na
condução do estado do Ceará.

63. Sobre a História do Ceará no século XX é correto afirmar:


a) Nos anos 30 a política cearense foi disputada entre LEC e LCT.
b) A presença de uma base americana em Fortaleza durante a II Guerra Mundial não
alterou a hegemonia cultural francesa.
c) O período compreendido entre 1945-64 caracterizou-se, de modo geral, pela
alternância no poder entre PSD e UDN, sendo a disputa decidida por um fiel da balança
(PSP e PTB) – a única exceção ocorreu em 1962, quando da União Pelo Ceará,
coligação entre PSD e UDN.
d) Na Ditadura Militar os coronéis perderam o comando político do estado, só o
recuperando com a democratização do país nos anos 80.
e) A geração Cambeba centrando sua política na modernização da máquina pública e na
industrialização do Estado, diminuiu sensivelmente o nível de concentração de renda
cearense.

64. Sobre o Ceará na segunda metade do século XIX, marque a opção falsa:
a) Nesse momento Fortaleza se consolida como principal centro urbano cearense, o que se
deveu, sobretudo, ao comércio exportador, ao êxodo rural e à política centralizadora do
Império.
b) Há uma profunda valorização da cultura e do pensamento local, opondo-se ao modelo
da Belle Époque, tido então como fruto da ação imperialista européia sobre o Ocidente.
c) Teve-se a abolição da escravatura negra, em 1884, fato dos mais exaltados na
historiografia local, apesar de o Ceará apresentar poucos cativos e estes terem um peso
pequeno na economia cearense.
d) A seca de 1877-79 assola o Ceará, aumentando a tensão social – diante disso, os setores
dominantes criaram abarracamentos, utilizaram mão-de-obra dos flagelados em
construções públicas e chegaram a pagar passagens retirando populares da província.
e) Após uma euforia inicial, quando era grande o número de voluntários para a Guerra do
Paraguai, o governo imperial passou a recrutar à força sertanejos para “defender a
Pátria”, o que gerou inúmeros conflitos e perseguições.

65. (UECE) O desenvolvimento das primeiras vilas e cidades


no Ceara foi um processo relativamente lento.
Estas por sua vez tinham dentre os seus objetivos
a implantacao e implementacao de atividades
administrativas, militares e religiososas. Sobre
esse processo evolutivo de construcao do espaco
cearense considere as seguintes proposicoes
I – Muitos povoados foram originados a partir de
fazendas de criacao de gado bovino, que deram
origem as vilas e depois as cidades. Ate o final do
seculo XVIII o Ceara so possuia 12 vilas
instaladas, dentre as quais Aquiraz, Fortaleza,
Aracati e Crato.

II – A principal cidade do sertao cearense ate o


seculo XIX era a vila de Ico, por ser esta um lugar
de passagem dos principais fluxos comerciais com
os estados de Pernambuco, Bahia e Piaui e onde
era franco o comercio de gado, couro, algodao e
sal.
III – As condicoes ambientais e principalmente
hidroclimaticas predominantes no territorio
cearense foram consideradas para o surgimento
das primeiras vilas que se localizavam proximo as
margens dos rios para facilitar o abastecimento
d’agua aproveitar os solos mais facilmente. As
ocupacoes nos vales dos rios Jaguaribe e Acarau
sao exemplos.
Esta correto o que se afirma
A) apenas em I
B) apenas em I e II
C) em I, II e III
D) apenas em I e III

66. (UECE) “As ações efetivas no sentido de modernizar


as elites políticas nordestinas tem seu ponto
alto na década de 1950 com a criação de
instituições responsáveis por uma política de
modernização conservadora na região”.
Fonte: PARENTE, Josênio. O Ceará e a
Modernidade. In PARENTE, Josênio e
ARRUDA, José Maria. A Era Jereissati:
Modernidade e Mito. Fortaleza: Edições
Demócrito Rocha, 2002, p 125
Podem estar relacionadas com a modernizacao de
que fala o texto, as seguintes instituicoes:
I. Banco do Nordeste (BNB).
II.Superintendencia do Desenvolvimento
Economico do Nordeste (SUDENE).
III. Departamento Nacional de Obras Contra as
Secas (DNOCS).
E correto o que se afirma
A) Apenas em I e II.
B) Apenas em II e III.
C) Em I, II e III.
D) Apenas em III.

67 Prova da PM Com relação à historia do ceará, julgue os itens seguintes:


A) ( ) Ao longo do século XVIII, a principal atividade econômica do cearense foi a
pecuária, por meio da qual se desenvolveu o comercio do charque.

B) ( ) No Ceará, o predomínio das oligarquias na política loca teve fim com a revolução
de 1930.

C) ( )A introdução de bondes de tração animal, do telegrafo e da telefonia, bem como o


calçamento e a canalização da água são ações que caracterizaram a modernização de
fortaleza no século XIX.

D) ( )A cidade de Fortaleza foi fundada no século XVIII, para conter a ação de piratas
ingleses no litoral cearense.

68 A Ordem Régia de 22 de Julho de 1766 tratava da necessidade de formação de vilas no


interior do Ceará. Sobre o processo de territorialização e ocupação do Ceará, assinale a
alternativa correta.
A) A criação de vilas no Ceará contemplava os interesses da Coroa Portuguesa, dos criadores de
gado e de Pernambuco, no que se refere à arrecadação tributária, ao controle social e a expansão
da pecuária.
B) As vilas do Ceará, por exigência dos proprietários de terras locais, não construiriam igreja
matriz, nem Casa de Câmara.
C) As várias secas que ocorreram no Ceará no século XVIII foram responsáveis pela
inexistência de vilas no sertão cearense.
D) A catequese e o aldeamento dos povos indígenas por jesuítas foram ações vigentes na
consolidação de vilas no sertão do Ceará, até final do século XVIII.
E) A função da vila de Icó e Aracati, destacadas pela expansão econômica da pecuária, era
prover o abastecimento do mercado interno e fundar novas vilas.

69 Sobre a revolta liderada por Joaquim Pinto Madeira, no Ceará, em 1831, e a relação com o
contexto político do período regencial no Brasil, assinale a alternativa correta.
A) Exigiu o retorno do imperador D. Pedro I, estando alinhado aos ideais restauradores.
B) Defendeu os interesses políticos dos proprietários de terras das Vilas do Crato e Jardim.
C) Liderou e teve apoio em 1831 dos liberais envolvidos nos movimentos de 1817 e 1824.
D) Atuou em defesa da projeção política nacional do Presidente de Província do Ceará.
E) Debelou no Cariri os conflitos adversos à instauração da Regência Trina Provisória.

70 Acerca dos aspectos socioeconômicos que contribuíram para o declínio da escravidão no


Ceará, final do século XIX, assinale a alternativa correta.
A) As fugas constantes de escravos das propriedades rurais para os centros urbanos dirimiu a
necessidade de mão-de-obra escrava para os trabalhos na lavoura e na pecuária.
B) A Sociedade Cearense Libertadora, através de denúncias no jornal O Libertador, interveio
contra os senhores de escravos devido aos excessos de castigos aplicados.
C) A manumissão, fundo de emancipação pago ao senhor de escravo, foi uma das formas de
alforriamento que corroboraram para o fim do escravismo no Ceará.
D) Os debates abolicionistas no Ceará, fins do século XIX, estabeleceram fortes conflitos com
os escravagistas cearenses acerca das condições de vida do cativo.
E) As consequências sociais e econômicas da seca de 1877 no Ceará, como a escassez de mão-
de-obra, fizeram com que o escravo servisse como trabalhador livre.

71 (UECE) Atente para o que se diz sobre o Forte Schoonenborch, fundado pelos
holandeses em 1649, naquela que seria a capital cearense:
I- Foi a primeira construção que irradiou o núcleo urbano de Fortaleza. Ele foi,
naquele contexto, um espaço centralizador de atividades.
II- Além de sua importância estratégico-militar, uma das suas funções era vigiar os
nativos rebeldes.
III- Depois da expulsão dos Holandeses, a Coroa Portuguesa conquistou o Forte e
rebatizou-o de Fortaleza de Nossa Senhora da Conceição.

Está correto o que se afirma em


A) I, II e III.
B) I e III apenas.
C) II e III apenas.
D) I e II apenas.

72 A ocupação do território cearense se deu fundamentalmente sob a égide da pecuária.


Analise as seguintes afirmações a esse respeito:
I.A atividade da
pecuária atraiu certo
interesse da Coroa
Portuguesa sobre a
capitania do Ceará e,
a partir dessa
atividade, ocorreu
um aumento
significativo de uma
população não
indígena neste
território.
II. A partir da
expansão pecuarista,
o solo do Ceará foi
esquadrinhado
através de doações
de sesmarias,
tornando-se palco de
sangrentas batalhas
entre os fazendeiros
criadores de gado e
os nativos.

73 “Desta forma, em 1924, com base no Relatório do então Diretor de Higiene Pública
do Ceará, Dr. Clóvis Barbosa de Moura, percebia-se o funcionamento de uma máquina
de controle médico na capital e no interior.”
PONTE, Sebastião Rogério. Fortaleza Belle Epoque: Reforma Urbana e Controle
Social (1860-1930). Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2001. p. 15-122.
Atente para o que se diz acerca da criação de uma rede de controle médico no estado do
Ceará, no início da década de 1920, referida no excerto acima.
I. Análises e discursos desse porte são indicativos de que, no período em questão,
instaurava-se um movimento médico-higienista, no sentido de operar
transformações na saúde pública da capital e do interior do Ceará.
II. É plausível considerar que no Ceará, no período citado, foi difícil a aceitação da
chamada medicina científica entre a maioria da população, habituada que
estava a uma medicina, digamos, popular e mais acessível.

Sobre as afirmações acima, é correto dizer-se que


A) I é falsa e II é verdadeira.
B) I é verdadeira e II é falsa.
C) ambas são verdadeiras.
D) ambas são falsas.

74 (UNIFOR) A X Bienal Internacional do Livro do Ceará


(nov/2012) homenageou um importante
movimento ocorrido no Ceará, no século XIX,
conhecido como “Padaria Espiritual”. A respeito
desse movimento, podemos afirmar que
I. Foi a primeira manifestação explícita de
adeptos da doutrina espírita no estado
do Ceará, tendo como objetivo principal a
divulgação da obra de Allan Kardec, recémlançada
na França.
II. Consistiu numa agremiação cultural,
fundada em 1892, formada por escritores,
pintores, desenhistas e músicos, que teve
como idealizador e um de seus fundadores
o escritor Antonio Sales.
III. Foi um movimento formado por jovens
intelectuais, que tinha como principal
objetivo criticar e protestar, especialmente
por meio das letras, a sociedade burguesa,
o clero e tudo o que fosse tradicional.
IV. Foi um movimento de natureza católica,
nascido no seio da burguesia e apoiado
pelo 1º bispo do Ceará, D. Luis Antonio dos
Santos, com o propósito de fortalecer os
valores cristãos na sociedade cearense.
V. Durou cerca de 6 anos, publicou
periodicamente um jornal chamado “O Pão”,
no qual os “padeiros” tratavam de assuntos
diversos da vida literária do Ceará e do
Brasil, além de publicarem seus próprios
textos.
Assinale a opção CORRETA.
(A) São verdadeiros somente I e III.
(B) São verdadeiros somente II, III e V.
(C) São verdadeiros somente I, II e V.
(D) São verdadeiros somente II, IV e V.
(E) São verdadeiros somente II e IV.

GABARITO- HISTÓRIA DO CEARÁ – AIRTON DE FARIAS

1-C

2 - VVFVVV

3–A

4–D

5 – VVFFVF

6–B

7–

8-B

9–C

10 – C

11 – D

12 – B

13 – VVVF
14 – A

15 – D

16 –

17 – D

18 – E

19 – A

20 – B

21 – B

22 – A

23 – E

24 – VVVFV

25 – VFVFFV

26 – C

27 – D

28 – D

29 – VVFVF

30 – D

31 – B

32 – B

33 –

34 – D

35 – B

36 – D

37 – E

38 – B

39 – D

40 – A

41 – D

42 – E

43 – B
44 - FVVFF

34 – B

46 – E

47 – C

48 – B

49 – C

50 – E

51 – B

52 – C

53 – VVVVVFVV

54 – C

55 – D

56 – C

57 – B/C

58 – D

59 – VVVV

60 – C

61 – C

62 – C

63 – C

64 – B

65- C

66 - A

67 – A-V B-F C-C D-F

68 - A

69 –A

70 - C

71 – D

72 – D

73 – C
74 B

A pecuária, entre o século XVII e início do século XIX, foi uma das atividades econômicas decisivas
para o processo de ocupação do Ceará. Acerca da ocupação da capitania do Ceará é correto afirmar que:
A)
Houve distribuição em partes iguais das sesmarias na capitania do Ceará.
B)
Territórios e culturas indígenas foram beneficiadas com a criação do gado.
C)
Habitantes de outras capitanias eram os principais donos de terras no Ceará.
D)
Foi marcada por conflitos entre os povos indígenas, europeus e fazendeiros.
E)
Com apoio de Pernambuco, o Capitão-mor do Ceará, age contra o extermínio indígen
Sobre as transformações urbanas e sociais ocorridas em Fortaleza na segunda metade do século XIX, é
correto afirmar que:
A)
As intervenções para ampliação dos logradouros facilitaram a ocorrência de manifestações políticas e
partidárias em locais públicos.
B)
O planejamento urbano da cidade de Fortaleza, o plano em xadrez para as ruas, ocorreu devido às
ações políticas de comerciantes.
C)
As plantas do engenheiro Adolfo Herbster, de 1875 e 1888, não tinham como perspectivas de
ampliação as áreas despovoadas da cidade.
D)
A abertura das avenidas Dom Manuel (denominada
Boulevard
da Conceição), do Imperador e Duque
de Caxias são símbolos das disputas entre o saber médico e o poder público.
E)
Os projetos arquitetônicos de Adolfo Herbster visavam o alinhamento de ruas e casas, e a abertura de
avenidas para o ordenamento do espaço urbano e o controle socia

Sobre a história e as práticas culturais dos povos indígenas no Ceará é correto afirmar que:
A)
A criação das vilas de índios no Siará Grande, após a expulsão dos jesuítas (1759), unificou a cultura
indígena.
B)
A regularização das suas terras e o reconhecimento da identidade cultural dos índios ocorreu no século
XIX.
C)
Os aldeamentos missionários no Siará Grande, século XVIII, extinguiram os costumes dos indígenas.
D)
Os índios Jenipapo-Kanindé (Aquiraz) produzem o mocororó, uma bebida sagrada feita do caju, para
o ritual do Toré.
E)
Os empreendimentos industriais, portuários e imobiliários nas terras indígenas beneficiam sua
economia e seus hábitos culturais.

“I- Fica organizada, nesta cidade de Fortaleza, capital da Terra da Luz, antigo Siará Grande, uma
sociedade de rapazes de Lettras e Artes denominada – Padaria Espiritual, cujo fim é fornecer pão de
espírito aos socios em particular e aos povos em geral. (...) XXVIII- Será punido com expulsão
immediata e sem apello o Padeiro que recitar ao piano. (...)”.
O Pão...da Padaria Espiritual
(1892; 1895-1896). Edição Fac-similar.
Fortaleza: Edições UFC; Academia Cearense de Letras, 1982, p. V-VI.
Os artigos I e XXVIII, dentre outros, do Programa de Instalação da Padaria Espiritual (1892), refletem os
propósitos literários e sociais da Padaria Espiritual, dos seus sócios, os Padeiros, para a capital cearense.
Sobre a atuação desse grupo literário é correto afirmar que:
A)
A publicação do jornal
O Pão
, em 1892, propagou as ideias irreverentes dos Padeiros.
B)
Os sócios da Padaria Espiritual manifestavam ideias contrárias à cultura popular.
C)
Os Padeiros dentre eles, Antônio Sales, representavam a burguesia cearense.
D)
A Padaria Espiritual exaltava o regime monárquico em suas publicações.
E)
Os Padeiros divulgavam e eram influenciados pela língua estrangeira

Os Tremembé estão entre os grupos indígenas que ‘reaparecem’ no cenário cearense, desde a década
de
80, após mais de cem anos da propaganda de ‘extinção’ oficial dos índios no Ceará. Quem fala em
Tremembé, geralmente se refere à população indígena que mora em Almofala, local de um aldeamento
do século XVIII e que hoje é distrito do município de Itarema, situado a 270 km de Fortaleza. (...)”.
RATTS, Alex.
Traços étnicos
: espacialidades e culturas negras e indígenas. Fortaleza: Museu do Ceará; Secult, 2009, p.25.
Sobre os Tremembé de Almofala e a luta pela terra, entre as décadas de 1980 e 2000, é correto afirmar
que:
A)
Os Tremembé de Almofala não são reconhecidos oficialmente, pela FUNAI, como índios.
B)
A população indígena Tremembé, em Almofala, nega sua identidade territorial e indígena.
C)
A luta dos índios Tremembé pela terra tem como referência a área do antigo aldeamento.
D)
A dança do Torém dos índios Tremembé foi extinta pelos posseiros da região após conflitos territoriais
E)
A mobilização pela demarcação de terras dos Tremembé de Almofala acontece entre os índios mais
velhos

A história política do Ceará nas primeiras décadas do período Republicano é assinalada pelo governo
oligárquico de Antonio Pinto Nogueira Accioly. Marque o item que caracteriza corretamente as práticas
políticas da oligarquia Aciolina no Ceará, nesse período.
A)
Accioly foi eleito três vezes presidente do Ceará através de processos eleitorais populares e
democráticos.
B)
A iluminação pública e o saneamento da capital cearense foram umas das estratégias políticas e
administrativas de Accioly.
C)
Após Accioly ter perdido o governo do Ceará, o grupo político de Franco Rabelo enfrentou os
apoiadores do ex-presidente.
D)
O dois últimos mandatos governamentais sucessivos de Accioly, 1904-1908 e 1908-1912, ocorreram
amparados na Constituição Federal.
E)
Padre Cícero e Floro Bartolomeu, em Juazeiro do Norte no Ceará, eram a favor do fortalecimento de
Franco Rabelo, após a queda de Accioly.
No período colonial, o Ceará se destacou como importante produtor de carne seca. Sobre esta produção, é
correto afirmar:
A)
Aracati exportava carne seca para os EUA.
B)
a cidade de Aracati era a principal produtora de carne seca.
C)
Fortaleza, como capital, promovia a festa das charqueadas.
D)
Fortaleza se torna capital por causa da sua produção de carne seca.
E)
em Fortaleza, as charqueadas se relacionam com a produção de algodão e carne seca

“Esse tipo de sociabilidade de elite, fundada sobre pequenos círculos, grêmios ou associações, voltada
para a discussão e o lazer em torno de temas importante para aqueles contemporâneos, marcou
definitivamente a produção intelectual cearense (...). [Esses] círculos [constituíam] espaço privilegiado
para a discussão filosófica, literária, política e, inclusive, para o lazer.”
(AMARAL, Eduardo Lúcio Guilherme.
Barão de Studart
– memória da distinção. Fortaleza: Museu do Ceará, 2002. p. 10-11.)
A partir da leitura do texto acima sobre as elites letradas de Fortaleza no final do século XIX,
compreende-se corretamente que o saber e o conhecimento:
A)
existiam somente na universidade.
B)
estavam dissociados da vida política.
C)
constituíam símbolos de distinção social.
D)
eram vistos como irrelevantes para a sociedade.
E)
eram secundários em relação à diversão e às festas.

“Tempo, espaço, memória imbricam-se no Centro. Parte expressiva de nossas referências identitárias
está
contida em suas ruas, casarões, edifícios, paisagens, pregões, cheiros e ruídos. [...] Sem ele a história
de Fortaleza apresenta um vácuo, uma enorme lacuna temporal. Não existe uma cidade nova. O que há,
na verdade, é uma cidade que migra, orientando, fortemente, novos investimentos para outras direções.
Neste processo, vai consumindo paisagens, construindo e destruindo patrimônios naturais e edificados,
engolindo novos espaços, criando outros. Em seu rastro, a sensação de abandono. A busca do novo, do
inusitado, não implica a ausência de requalificação e refuncionalidade do Centro Histórico”. (
Nas
trilhas da cidade.
2. ed. Fortaleza: Museu do Ceará, 2005, p. 39-40).
Partindo desse texto do geógrafo José Borzacchiello da Silva, conclui-se que:
A)
as migrações de contingentes do interior do estado para Fortaleza provocaram o declínio do centro
urbano.
B)
o patrimônio cultural e os marcos de memória situados no centro têm relação apenas com o passado
da cidade.
C)
a degradação da região central é uma conseqüência irreversível da modernização de Fortaleza nas
últimas décadas.
D)
a transformação do espaço urbano precisa voltar-se, de preferência, para o investimento maciço em
novas áreas, sem vínculo com o centro.
E)
o centro deve ser preservado e valorizado, pois constitui um espaço de importância simbólica e
socioeconômica para os habitantes de Fortaleza.

O tombamento e a restauração do Passeio Público, cuja construção data do final do século XIX,
justifica-se:
A)
pela preservação da memória do Exército que ocupa essa área desde o período colonial.
B)
por sua história, pois constituiu um espaço de resistência dos negros que ali organizaram um
quilombo.
C)
por constituir patrimônio cultural edificado da cidade que guarda marcas da ocupação do espaço urbano.
D)
pelo apelo do setor imobiliário, já que essa área vem se valorizando a partir da construção de
residências modernas em seu entorno.
E)
pela importância simbólica que tem para a população de Fortaleza, pois tem servido como palco para
manifestações políticas desde a República Velha

“Quando tornarei a respirar tuas auras


impregnadas de perfumes agrestes, nas quais o
homem comunga a seiva dessa natureza possante?
De dia em dia aquelas remotas regiões vão
perdendo a primitiva rudeza, que tamanho encanto
lhes infundia. A civilização que penetra pelo interior
corta os campos de estradas e semeia pelo
vastíssimo deserto as casas e mais tarde as
povoações.”
ALENCAR, José de. O Sertanejo. São Paulo. Editora Ática,
1987. p.11.
O excerto remonta o cenário do início da produção
espacial e da ocupação do sertão cearense. Sobre
este processo, analise as afirmações a seguir.
I. O processo de povoamento do Ceará é
considerado tardio em relação aos demais
estados nordestinos.
II. Os primeiros núcleos de povoamento
surgiram do litoral para o sertão, ao longo
dos principais rios. Cidades como Aracati,
Limoeiro do Norte e Jaguaribe são
exemplos deste processo.
III. As regiões correspondentes aos vales dos
rios Acaraú e Jaguaribe também foram
colonizadas em função das fazendas de
gado.
Está correto o que se afirma em
A) I e II apenas.
B) II e III apenas.
C) I e III apenas.
D) I, II e III.

A seca, um fenômeno climático que nunca foi


raro no Ceará, durante os anos de 1877, 1878 e
1879, ocasionou uma migração, nunca vista, de
vários pontos do Estado para Fortaleza. Observe o
que se diz a respeito dessa migração exacerbada.
I. As ruas da capital do Estado ficaram
apinhadas de flagelados, famintos e
esfarrapados, solicitando socorro aos
moradores para minorar sua fome e sede.
II. A utilização da mão de obra dos retirantes da
seca foi fundamental para a construção da
estrada de ferro de Baturité, chamada por
alguns de ferrovia da seca.
III. Um grande número de pessoas vivendo em
condições insalubres agravou o quadro
sanitário da Província, com o surgimento de
casos de varíola.
É correto o que se afirma em
A) I e III apenas.
B) I, II e III.
C) I e II apenas.
D) II e III apenas.

“Os comerciantes ingleses consideravam o


algodão brasileiro de ótima qualidade e parte do
produto saía para a Inglaterra através dos portos
do Maranhão, do Recife e do Ceará.”
BESSA, Telma e ARAÚJO, Alana. Sobral: outros
olhares, outras memórias, outras histórias.
Sobral-Ce, Instituto ECOA: 2012. p. 62-63.
Acerca da produção algodoeira cearense e de seus
desdobramentos, assinale a afirmação
INCORRETA.
A) Sua expansão se deu quando os Estados
Unidos, então o grande produtor de algodão,
envolvido com a guerra pela sua independência
(1774-1783), não mais exportou o produto
para a Inglaterra.
B) O crescimento da lavoura algodoeira excluiu a
atividade pecuarista. Afinal, a economia
brasileira e, consequentemente, a cearense
sobreviviam dos ciclos econômicos ditados
pelos interesses econômicos externos.
C) A produção de tecidos no Ceará funcionou
inicialmente com teares primitivos feitos de
madeira, onde se teciam panos grossos e
fortes para vestimenta de escravos e pessoas
simples.
D) A mão de obra usada na cotonicultura foi
basicamente a mesma antes usada na
pecuária, sendo pouco empregado o escravo
africano, devido à facilidade de colheita do
produto, que possibilitava a utilização de
mulheres e, até mesmo, crianças.

15
UNIFOR – Processo Seletivo 2013.2 – 1ª Fase
UNIFOR
Questão 32
Questão 33
Quadro de Raimundo Cela, retratando a abolição no Ceará.
Em 25 de março de 1884, o presidente da
província do Ceará declarou a abolição da
escravatura em todo o seu território. O Estado
entrou para a história por ter sido o primeiro a
acabar, ao menos oficialmente, com o trabalho
escravo no País. Analise as afirmativas abaixo, a
respeito desse assunto.
I.
Nos anos que antecederam a abolição
no Ceará, várias entidades de apoio ao
movimento foram criadas no estado, dentre
elas a Sociedade Cearense Libertadora.
II.
A antecipação da libertação dos escravos no
Ceará deveu-se ao fato de ser o segundo
estado nordestino com maior quantidade de
negros escravos.
III.
O jangadeiro Francisco José do Nascimento,
conhecido como Dragão do Mar, notabilizou-
se por traficar escravos fugitivos para o sul
do País.
IV.
Embora o estado do Ceará tenha abolido
a escravatura quatro anos antes da Lei
Áurea, o município de Acarape já havia se
antecipado e libertado seus escravos.
V.
O movimento abolicionista no Ceará foi
impulsionado pelo alto preço dos escravos
nas províncias cafeeiras do Sul do país,
para onde o estado exportava escravos.
Acerca dessas afirmativas, assinale o item
CORRETO:
(A)
São verdadeiras apenas I, IV e V.
(B)
São verdadeiras apenas II, III e IV.
(C)
São verdadeiras apenas I, II e III
(D)
São verdadeiras apenas I, II e IV.
(E)
São verdadeiras apenas III, IV e V.


Atribuir a funda
ção do Ceará/Fortaleza a Martim Soares Moreno/Matias Beck é incorrer num
anacronismo, ou seja, é um erro em cronologia, expresso na falta de alinhamento temporal. (...)
Dizer
que Moreno ou Beck são os fundadores destas terras é algo totalmente artificial,
simplesmente porque,
no século XVI, lusitanos e holandeses não estiveram aqui para fundar cidades, mas com a
intenção
clara de explorar a terra.

Por esse fragmento e pelos dados da tabela
d
ap
ágina anterior
, podemos deduzir corretamente que:
A)
a
s tentativas de con
quista foram em vão, uma vez que não se sabe quem, realmente, fundou
Fortaleza.
B)
o
conceito de fundação de uma cidade deve ser preciso, porque não pode haver muitas
interpretações da História.
C)
p
elas datas, quem fundou Fortaleza foi Pero Coelho, porque
ergueu o forte
São Tiago,
à
s margens
do rio Ceará (atual Barra do Ceará).
D)
F
ortaleza surgiu espontaneamente, aos poucos, não sendo fruto da ação intencional de uma
única
pessoa em determinada data.
E)
a
data oficial da fundação é 1654, porque o forte Sc
hoonenborch foi renomeado “Fortaleza de
Nossa Senhora da Assunção”, nome oficial de Fortalez

Muitos historiadores pesquisam, por meio de documentação, as origens dos lugares. Muitos
ficcionistas
utilizam
-
se de tais dados, para reinventarem e recriare
m os lugares, como foi o caso de José de
Alencar, no romance
Iracema
. Para caracterizar a gênese do povo cearense, Alencar levou em
consideração os seguintes dados históricos:
A)
1603

Pero Coelho e os índios.
B)
1649

Matias Beck e os holandeses.
C)
165
4

O
s portugueses e os potiguare
s.
D)
1611

Martim Soares Moreno e os tabajaras.
E)
1644

O
s indígenas de Acaracu e de Porangaba

“Atribuir a fundação do Ceará/Fortaleza a Martim Soares Moreno/Matias Beck é incorrer num


anacronismo, ou seja, é um erro em cronologia, expresso na falta de alinhamento temporal. (...) Dizer que
Moreno ou Beck são os fundadores destas terras é algo totalmente artificial, simplesmente porque, no
século XVI, lusitanos e holandeses não estiveram aqui para fundar cidades, mas com a intenção clara de
explorar a terra.”
Por esse fragmento e pelos dados da tabela da página anterior, podemos deduzir corretamente que:
A) as tentativas de conquista foram em vão, uma vez que não se sabe quem, realmente, fundou Fortaleza.
B) o conceito de fundação de uma cidade deve ser preciso, porque não pode haver muitas interpretações
da História.
C) pelas datas, quem fundou Fortaleza foi Pero Coelho, porque ergueu o forte São Tiago, às margens do
rio Ceará (atual Barra do Ceará).
D) Fortaleza surgiu espontaneamente, aos poucos, não sendo fruto da ação intencional de uma única
pessoa em determinada data.
E) a data oficial da fundação é 1654, porque o forte Schoonenborch foi renomeado “Fortaleza de Nossa
Senhora da Assunção”, nome oficial de Fortaleza.

Muitos historiadores pesquisam, por meio de documentação, as origens dos lugares. Muitos ficcionistas
utilizam-se de tais dados, para reinventarem e recriarem os lugares, como foi o caso de José de Alencar,
no romance Iracema. Para caracterizar a gênese do povo cearense, Alencar levou em consideração os
seguintes dados históricos:
A) 1603 – Pero Coelho e os índios.
B) 1649 – Matias Beck e os holandeses.
C) 1654 – Os portugueses e os potiguares.
D) 1611 – Martim Soares Moreno e os tabajaras.
E) 1644 – Os indígenas de Acaracu e de Porangaba.

“A Coroa Portuguesa também desejava fazer do Ceará/Fortaleza uma base de apoio logístico,
objetivando a expulsão dos franceses do Maranhão e a conquista do norte brasileiro, ainda não ocupado
de forma produtiva – o Ceará seria um ponto estratégico ligando o litoral leste (de Pernambuco a Bahia)
ao atual Norte do Brasil. Não é por acaso que o começo da história oficial cearense girou em torno de
fortes, os quais se situavam, na maioria das vezes, na porção média (no meio) do litoral, evidenciando o
papel logístico-defensivo (basta perceber a localização de Fortaleza, que divide o litoral do Ceará em
dois).”

Pela leitura do texto, podemos inferir que o povoamento onde hoje é Fortaleza:
A) dividiu o território brasileiro em dois.
B) foi uma questão de honra para os portugueses.
C) deveu-se a uma cláusula do Tratado de Tordesilhas.
D) evidenciou o papel de destaque na formação do Brasil.
E) foi estrategicamente delineado pela centralidade de seu território.

“A fortaleza, de onde a Vila recebe a denominação, fica sobre uma colina de areia, próxima às moradas e
consiste num baluarte de areia ou terra, do lado do mar, e uma paliçada, enterrada no solo, para o lado da
Vila, contém quatro peças de canhão, de vários calibres, apontadas para muitas direções. Notei que a peça
de maior força estava voltada para a Vila.”
SILVA E FILHO, Antonio Luiz Macêdo e. Fortaleza: imagens da cidade. Fortaleza: Museu do Ceará, 2004. p. 32.
Primeira planta da Villa Nova da Fortaleza de Nossa Senhora da Assumpssão da
Capitania do Siará Grande, atribuída ao capitão-mor Manuel Francês. 1726.
Pela descrição do viajante anglo-português Henry Koster (ele visitou a Vila em 1811), podemos deduzir
que:
A) a preocupação maior era com as ameaças vindas do mar: os estrangeiros que também queriam as
riquezas que a terra poderia oferecer.
B) o artefato bélico expressava um modo amigável, apesar da representação da força do canhão, de tratar
com os nativos da região: os indígenas.
C) reprimir, para manter a ordem social, e intimidar o possível surgimento de rebeliões e de
descontentamento popular não faziam parte da administração do povoado, já que havia poucas pessoas na
Vila.
D) pela posição do canhão mais potente, fica evidente que a preocupação com as ameaças vinha da terra.
Isso também revela um temor contínuo da agressividade indígena.
E) a própria posição do forte era vulnerável, pois era construído de estacas, por um lado; e, pelo outro
lado, havia o mar, local de ancoradouro dos invasores.

Na cidade de Fortaleza, no final do século XIX e início do século XX, observamos um processo de
reformas urbanas com o intuito de disciplinar o seu crescimento. Nesse período, o poder público local
identificou uma gama de problemas sociais enfrentados pela cidade. Sobre as ações de disciplinamento do
espaço urbano, desenvolvidas pelos poderes instituídos, no período citado, podemos afirmar que:
A) provocaram uma diminuição do crescimento populacional de Fortaleza.
B) não evidenciaram preocupação com a remodelação de praças e avenidas citadinas.
C) negavam o padrão de modernização urbana capitalista da Europa Ocidental.
D) os valores culturais da sociedade colonial serviam de base para o processo de urbanização local.
E) buscavam controlar e combater a prostituição e mendicância existentes em Fortaleza.

“A cidade de Fortaleza, em princípios da década de 1940, distanciava-se, consideravelmente, da Fortaleza


do começo do século, tanto em aspecto físico, quanto material.”
SOUZA, Simone de; NEVES, Frederico de Castro (organizadores); SILVA, Jane D. Semeão e.
Comportamento feminino em Fortaleza. Entre o tradicional e o moderno durante a
2ª Guerra Mundial (1939-1945). Fortaleza: Edições Demócrito Rocha, 2002. p. 17.
Os anos de 1940, em Fortaleza, são notórios de uma cidade marcada pelo(a):
A) menosprezo da tecnologia capitalista e diminuição do crescimento comercial.
B) processo de modernização urbana e influência da cultura americana no cotidiano da cidade.
C) impedimento, por parte do poder público, da difusão de hábitos e costumes norte-americanos, nos
espaços citadinos de lazer.
D) modelo de organização do espaço urbano propagado pelo regime monárquico no Brasil.
E) perda da hegemonia da capital, na perspectiva de centro comercial do Estado do Ceará.

O Brasil, durante os anos 1980 do século XX, vivia sob os auspícios da Ditadura Militar, num momento
em que a população reivindicava eleições diretas para Presidente do Brasil. Na cidade de Fortaleza, no
ano de 1985, a respeito da disputa da eleição municipal para a Prefeitura da cidade, podemos identificar
mudanças relevantes no cenário político e partidário local. Com relação ao referido período, é correto
afirmar que:
A) Tasso Jereissati, candidato do PMDB, venceu as eleições municipais e assumiu a Prefeitura de
Fortaleza.
B) o Regime Militar anulou a eleição municipal e nomeou um interventor, para dirigir a cidade de
Fortaleza.
C) Maria Luíza Fontenele, candidata do Partido dos Trabalhadores, venceu a eleição municipal e tornou-
se a primeira mulher a assumir a Prefeitura de uma capital no Brasil.
D) o resultado da eleição de 1985 consagrou a força da Ditadura Militar, no âmbito da gestão municipal
de Fortaleza.
E) a eleição municipal de 1985 propiciou um enfraquecimento do Partido dos Trabalhadores no cenário
político local.

A capital cearense é hoje uma cidade grande e moderna, com muitas empresas, uma vida cultural agitada
e uma arquitetura arrojada. As grandes mudanças ocorridas na cidade, entre 1964 e 1985, podem ser
atribuídas, principalmente:
A) à eleição de Virgílio Távora, em 1963, para governar o estado do Ceará.
B) à integração das cidades de Maracanaú e Messejana à região metropolitana da cidade.
C) à criação do Distrito Industrial de Fortaleza (DIF I).
D) à elevação da cidade à segunda maior capital do Nordeste do Brasil.
E) ao aumento desenfreado da população da cidade.

Em 25 de março de 1884, o presidente da


província do Ceará declarou a abolição da
escravatura em todo o seu território. O Estado
entrou para a história por ter sido o primeiro a
acabar, ao menos oficialmente, com o trabalho
escravo no País. Analise as afirmativas abaixo, a
respeito desse assunto.
I.Nos anos que antecederam a abolição
no Ceará, várias entidades de apoio ao
movimento foram criadas no estado, dentre
elas a Sociedade Cearense Libertadora.
II.A antecipação da libertação dos escravos no
Ceará deveu-se ao fato de ser o segundo
estado nordestino com maior quantidade de
negros escravos.
III.O jangadeiro Francisco José do Nascimento,
conhecido como Dragão do Mar, notabilizou-
se por traficar escravos fugitivos para o sul
do País.
IV.Embora o estado do Ceará tenha abolido
a escravatura quatro anos antes da Lei
Áurea, o município de Acarape já havia se
antecipado e libertado seus escravos.
V.O movimento abolicionista no Ceará foi
impulsionado pelo alto preço dos escravos
nas províncias cafeeiras do Sul do país,
para onde o estado exportava escravos.
Acerca dessas afirmativas, assinale o item
CORRETO:
(A) São verdadeiras apenas I, IV e V.
(B)
São verdadeiras apenas II, III e IV.
(C)
São verdadeiras apenas I, II e III
(D)
São verdadeiras apenas I, II e IV.
(E)
São verdadeiras apenas III, IV e V.

Marque V ou F
A ( ) Na Ditadura Civil-Militar (1964-85), A autonomia municipal foi mais uma vez
garantida, ante a descentralização do poder que marcou o período. Os prefeitos das
capitais e das “cidades de segurança nacional” deixaram de ser eleitos pelo voto
popular, passando a ser indicados pelos chefes do executivo estadual.
B ( ) Durante a Ditadura Militar brasileira (1964-85), diante do estrondoso déficit
habitacional e pressões populares, foram construídos conjuntos habitacionais na
capital cearense para as camadas médias baixas e mesmo populares (caso do
Conjunto José Walter, de 1970, e Conjunto Ceará, de 1977).
C ( ) O centralismo da Ditadura Civil-Militar de 64 foi terrível para os municípios.
Nem sempre as ações das gestões municipais eram o mais desejado pelos cidadãos,
em virtude da falta de canais de comunicação e da baixa representatividade dos
governantes, sem contar os casos e decisões inusitadas/clientelistas que atendiam a
interesses privados ou localizados em detrimento de propostas globais que levassem
em conta as necessidades mais grassantes da capital.

D ( ) Em 1985, foi eleita prefeita Maria Luiza Fontenelle, a primeira mulher a assumir
o executivo da cidade, no que foi apontada como uma “grande surpresa”, pois ela
derrotou os dois candidatos favoritos e contrariou até pesquisas eleitorais de opinião,
Paes de Andrade e Lúcio Alcântara.

4 Marque V ou F, sobre Fortaleza na segunda metade do século XX


A ( ) O processo de expansão de Fortaleza e do aumento de sua população
intensificou-se de forma impressionante a partir da segunda metade do século XX. em
1950, Fortaleza apresentava 270 mil habitantes; em 1960, passou a ter 518 mil (um
aumento de 90%); em 1970, 857 mil (aumento de 63%). Em 1973, foi criada
oficialmente a Região Metropolitana de Fortaleza)
B ( ) Abandonado pelas camadas de alta renda e esvaziado no que se refere às
atividades de lazer, cultura e administração, o Centro histórico de Fortaleza foi
apropriado pelas camadas populares.
C ( ) Ocorre uma valorização de sua fachada marítima. Teve-se a construção em
1963 da Avenida Beira Mar, sua urbanização entre 1979-82, a constituição do bairro
do Meireles (contíguo à Aldeota e situado junto à orla), a instalação de vários clubes
sociais no litoral leste de Fortaleza nos anos 50 e 60 (antes, tais clubes localizavam-
se no centro fortalezense) e a construção dos calçadões da Praia de Iracema, do
Futuro e da Leste-Oeste nos anos 80.
D ( ) Fortaleza nos anos 90 e começo do século XXI esteve sob o comando do grupo
político de Juraci Magalhães, que centrou sua atuação na construção de grandes obras,
a exemplo do aterro da Praia de Iracema, reforma da Praça do Ferreira, urbanização da
Praia do Futuro, criação do Sistema Integrado de ônibus, asfaltamento, abertura,
alargamento de vias (a exemplo da Domingos Olimpio, Leste-Oeste e Via-Expressa
Mucuripe-Parangaba), construção da ponte sobre o rio Ceará (favorecendo a
comunicação com as praias do litoral oeste cearense) e novo Mercado Central, etc.

A importância da demarcação de territórios indígenas, caso exemplificado pelas reivindicações


dos
Tremembés e Kariri, justifica-se pelo (a):
A) manutenção da propriedade familiar.
B) aumento populacional dessas comunidades.
C) geração de renda voltada para o sustento desses grupos.
D) papel desempenhado pela terra em sua cultura e existência.
E) inserção dos índios na produção agrícola voltada para o mercado.
58. Uma análise da Sedição de Juazeiro (1914) foi um acontecimento político que deve ser
entendido na
conjuntura:
A) dos conflitos religiosos.
B) da política dos coronéis.
C) de oposição ao republicanismo.
D) de crise da economia algodoeira.
E) da emancipação administrativa de vilas e distritos.
59. “Art. 14 – É proibido o uso de palavras estranhas à língua vernácula (...)
Art. 21 – Será julgada indigna de publicidade qualquer peça literária em que se falar de animais
ou
plantas estranhas à Fauna e à Flora brasileiras, como: cotovia, olmeiro, rouxinol, carvalho, etc.”
(MOTA, Leonardo. A Padaria Espiritual. Fortaleza: Casa de José de Alencar/UFC, 1995).
Os dois artigos retirados do “Programa de Instalação” da Padaria Espiritual, agremiação
literária fundada
em Fortaleza em 1892, expressam:
A) descrença na importância da cultura.
B) distanciamento da cultura popular.
C) valorização dos modos urbanos.
D) aversão aos estrangeirismos.
E) apoio ao regime monárquico.
60. O surgimento da povoação chamada Caiçara, no século XVIII, que daria origem à cidade de
Sobral está
relacionada à história:
A) das charqueadas.
B) da economia portuária.
C) dos conflitos religiosos.
D) da economia algodoeira.

E) das lutas entre indígenas.


Casas

Acerca da retomada da colonização no Ceará pelos portugueses


após a expulsão dos holandeses, assinale a opção correta.
A O direito do indígena habitante de território do Ceará à terra
foi reconhecido pelo governo português por meio da
distribuição de sesmarias nessa região.
B A criação de gado foi uma atividade central no processo de
ocupação do interior do Ceará.
C Os principais responsáveis pela ocupação do interior do Ceará
foram os bandeirantes originários da cidade de São Paulo.
D A ocupação do sertão do Ceará foi pacífica, com a integração
do índio à sociedade colonial portuguesa por meio das missões
jesuíticas.
E Ao contrário do que ocorreu nas demais regiões em que se
plantava cana-de-açúcar, nas quais se adotou o modelo de
concentração fundiária, na colonização do Ceará empregou-se
o modelo da pequena propriedade.

A Guerra dos Bárbaros, também cunhada como Guerra da


Confederação dos Cariris, foi
A o primeiro conflito pela autonomia política do Ceará e pela
separação de Pernambuco e ocorreu no século XVIII.
B uma revolta regional do período regencial cujo conflito ocorreu
no Ceará.
C a insurreição de bandeirantes paulistas contra o governo da
Capitania do Ceará que os havia contratado.
D a revolta jesuítica ocorrida no Ceará, similar à ocorrida na
região das Missões no século XVIII.
E um grande foco de resistência indígena no Nordeste brasileiro
durante o período colonial e perdurou por quase
cinquenta anos.

A respeito da escravidão no Ceará, assinale a opção correta.


A As condições climáticas do Ceará impediram a utilização de
escravos em atividades agrícolas.
B A exportação de escravos do Sul do Brasil para o Ceará
mobilizou a imprensa local contra a escravidão, em razão da
chegada de mão de obra imigrante.
C O pequeno número de cativos é um dos motivos pelo qual a
escravidão foi abolida anteriormente no Ceará em relação ao
restante do país.
D Não houve casos de resistência à escravidão no Ceará, dada a
pequena quantidade de escravos nessa região.
E Devido ao pequeno número de escravos, o fim da escravidão
no Ceará não ocorreu mediante um movimento abolicionista

A peculiaridade da pecuaria sertaneja no


Brasil do seculo XVIII esteve ligada principalmente
as relacoes de trabalho nela estabelecidas. Acerca
dessas relacoes, e correto afirmar-se que
A) predominava o trabalho escravo em larga
escala, semelhante ao sistema aplicado nos
grandes engenhos de acucar.
B) havia predominancia do trabalho de negros
libertos, mesticos livres, brancos pobres e, em
pequena escala, escravos africanos.
C) a mao de obra negra e escrava na pecuaria era
maioria em relacao a outros trabalhadores,
mas diferenciava-se pelo fato de o trabalho ser
mais brando.
D) nas fazendas de gado, o percentual de livres e
escravos era em torno de cinquenta por cento
para cada categoria, uma vez que era um
trabalho que exigia um grande numero de
trabalhadores.