Você está na página 1de 1

Engenharia Social

Em 1776 Adam Smith escreve o livro A riqueza das Nações” com a teoria das mãos invisíveis que regulam tudo no planeta.
Mas, Adam Smith não se tornou com isso, apenas o pai da economia moderna com o surgimento do darwinismo social
onde nessa tal “mão invisível que regula tudo” a regulagem era para que os pobres, negros, mulheres justificassem de
alguma forma a sua ‘falta de adaptação ao meio social, a tal da lei da evolução onde as espécies mais hábeis conseguem
sobreviver. Adam Smith influenciou vários setores da sociedade, recentemente percebi que os livros que tanto eu lia na
adolescência sobre auto ajuda tem uma parte muito significativa dessa teoria. Depois no fim da vida parece que quis ou
percebeu as “brechas” de seu até então célebre livro “A riqueza das Nações” e escreveu a “Teoria dos sentimentos Morais”
mas parece que não teve a mesma repercussão do primeiro já que esse satisfaz bem mais as expectativas do status quo
da elite social. Hoje depois de várias teorias econômicas onde até personagens da igreja católica como Tomás de Aquino
tem uma cadeira cativa com sua teoria do “preço justo” e suas críticas ao sistema de oferta e procura foi de forma mais
madura abordado por John Locke centenas de anos depois. Agora depois da milênios de teorias econômicas e grandes
gênios com suas célebres frases, temos o mesmo cenário econômico onde os privilegiados são cada vez mais privilegiados
e os explorados cada vez mais alienados para permanecerem explorados. E o contraste ainda aumenta quando vemos
gênios da economia moderna como John Forbes Nash, que inclusive é premio Nobel de economia em 1994, estar sendo
simplesmente ignorado por páginas de pesquisas acadêmicas como o Wikipédia. John Nash é autor da teoria dos Jogos
e do “O Equilíbrio de Nash” que representa uma situação em que, em um jogo envolvendo dois ou mais jogadores, nenhum
jogador tem a ganhar mudando sua estratégia unilateralmente. Para melhor compreender esta definição, suponha que há
um jogo com n participantes. No decorrer deste jogo, cada um dos n participantes seleciona sua estratégia ótima, ou seja,
aquela que lhe traz o maior benefício. Então, se cada jogador chegar à conclusão que ele não tem como melhorar sua
estratégia dadas as estratégias escolhidas pelos seus n-1 adversários (estratégias dos adversários não podem ser
alteradas), então as estratégias escolhidas pelos participantes deste jogo definem um “equilíbrio de Nash”. Ou seja numa
interação com duas ou mais pessoas o que vai garantir o melhor resultado é quando todos no grupo fazem não só o que
é melhor para si, mas também para os outros. John Nash diz mais, “o calculo com a mesma variável oferece soluções
diversas para o mesmo problema”, só que isso tem mais probabilidade de acontecer a partir do momento que todos em
duas ou mais situações de interação social estejam realmente dispostos a colaborar e não sabotar tudo como acontece
quando um membro por questões pessoais ou não, se sente em desvantagem na situação, ou quer todas as vantagens
somente para si.