Você está na página 1de 20

Setembro Amarelo

Prevenção ao suicídio e valorização da vida


Professora Helena Flávia de Mello Pistune
O que é o setembro amarelo?
• Conscientização sobre a prevenção ao suicídio.
• Objetivo: alertar a população do Brasil e do Mundo.
• Ocorre desde 2015.
• Identificação de locais públicos (monumentos, prédios históricos) e
privados com a cor amarela, eventos especiais.
• Maior divulgação de informações.
• 10 de setembro: Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio.
• No Brasil: CVV (Centro de Valorização da Vida), CFM (Conselho
Federal de Medicina) e ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria).
Por que falar sobre o suicídio?
• No Brasil, as mortes por suicídio superam as mortes em consequência
do vírus da AIDS e da maioria dos tipos de câncer.
• Por medo ou desconhecimento, pessoas evitam falar no assunto
(medo de estimular o suicídio, preconceito, etc).
• Sinais de que uma pessoa próxima está com vontade de morrer
passam despercebidos.
• Segundo a OMS, 9 em cada 10 casos poderiam ser prevenidos.
• Como eu posso pedir ajuda?
• Como ajudar um familiar, amigo ou conhecido?
Reconhecendo fatores de risco
• Tentativas anteriores.
• Transtornos mentais: 90% dos suicidas (depressão, transtorno bipolar,
esquizofrenia, transtornos de ansiedade, dependência química).
• Doenças graves ou condições clínicas incapacitantes (pessoas não
conseguem mais trabalhar, passear, cuidar da casa, namorar, ter uma
vida independente – maior causa entre idosos).
• Perda recente de uma pessoa muito amada ou de um emprego.
• Algumas épocas do ano: Inverno, Natal, Ano Novo.
Grupos de risco
• Jovens entre 15 e 29 anos.
• Idosos acima de 75 anos.
• Pessoas solitárias.
• Profissionais da área da saúde.
• Pessoas com doenças graves.
• Desempregados.
• Personalidade impulsiva/agressiva/instável.
• Mulheres realizam mais tentativas, mas homens morrem mais –
escolhem métodos mais letais.
Identificando sinais
• Nem sempre a pessoa diz diretamente que quer morrer/se matar,
mas fala de forma indireta ou dá sinais.
Frases comuns:
• Não aguento mais.
• Queria fugir/sumir.
• Preferia estar morto.
• Não consigo fazer nada (direito).
• Sou um peso para os outros.
• Eles vão ficar bem melhor sem mim.
Identificando sinais

• Despedidas: o suicida costuma procurar amigos que não vê há muito


tempo com o intuito de se despedir.
• Organização financeira: colocam dívidas em dia para evitar que a
família tenha que lidar com isso.
• Desapego: desfaz-se de suas posses, inclusive objetos de valor
afetivo, como se estivesse fazendo um testamento em vida.
• Nostalgia e falta de planos: sentem saudade do passado, falam muito
nele e não sonham mais/não fazem planos para o futuro.
• Melhora aparente: quando a pessoa decide como e quando cometerá
suicídio, ela aparenta uma melhora.
Suicídio na infância e na adolescência - causas
• Maus tratos e/ou negligência da família (surras excessivas, falta de
diálogo e de cuidado com os filhos).
• Abuso sexual (muitas vezes no próprio ambiente familiar).
• É muito comum em países que estão em guerra ou onde os pais
trabalham mais de 8 horas por dia.
• O adolescente se sente sozinho, desorientado, inseguro.
• Não consegue lidar com as emoções: tristeza, raiva, ansiedade, medo,
questões de sexualidade, frustrações.
Identificando sinais nos adolescentes
• Automutilação: quando o adolescente não consegue falar sobre o que
sente, é comum que acabe se cortando para extravasar seus
sentimentos.
• Bullying: sofrer ou praticar.
• Isolamento social: não quer mais sair com a família e nem com os
amigos, só fica no quarto, não quer mais ir à escola.
• Retraimento social: a pessoa não fica à vontade em situações sociais.
• Não costuma acontecer de uma hora pra outra.
O que fazer se eu identificar os sinais em
algum amigo/familiar?
• Converse.
• Não julgue.
• Tente identificar se a ideia apenas passou pela cabeça ou se a pessoa está
com tudo planejado.
• Com delicadeza, ofereça companhia e ajuda. Ofereça-se para passear com
a pessoa, para ajuda-la com tarefas domésticas, com trabalhos de escola,
para ir com ela a igreja (caso ela frequente uma).
• Sugira - com muita delicadeza - que a pessoa procure um psiquiatra (ela
pode estar com depressão, ansiedade, etc).
• Seja um bom ouvinte. Ouça o que a pessoa tem a dizer, sem interromper.
O que não fazer?
• Interromper a conversa.
• Mostrar-se surpreso/chocado.
• Inferiorizar a pessoa ou o sofrimento dela (tem um monte de criança
morrendo de fome na África e você fica aí de mimimi).
• Fazer comentários invasivos.
• Deixar de dar importância ao que foi dito.
• Fazer campeonato de sofrimento com a pessoa.
• Dizer que é falta de Deus no coração.
Sou eu quem precisa de ajuda! O que faço?
• Procure uma pessoa de confiança - de preferência mais velha – para
conversar.
• Mantenha o diálogo em casa.
• Evite se isolar.
• Não deixar de fazer atividades prazerosas que fazia antes.
• Procurar ajuda de um profissional. As pedagogas da escola podem te
ajudar a encontrar um assistente social, psicólogo ou psiquiatra,
dependendo do estágio em que você se encontra.
• SEJA GENTIL CONSIGO MESMO!
Não penso em me matar, mas não me sinto
bem...
• Sentir-se triste na maior parte do tempo, ter dificuldade pra dormir ou
dormir demais, ter muitos pensamentos negativos, não sentir prazer em
coisas que sentia antes, não ter vontade de fazer nada (nem de pentear
cabelo ou tomar banho) e ter dores no corpo sem motivo podem ser sinais
de depressão.
• Estar sempre preocupado, ter problemas para dormir, muitos medos, tensão
nos músculos e comportamentos compulsivos podem ser sinais de
ansiedade.
• Ouvir vozes e ver coisas que não estão ali podem ser sinais de esquizofrenia.
• Em todos os casos, é necessário buscar ajuda de um psiquiatra para dar o
diagnóstico.
Fatores protetores
• Autoestima elevada (amar a si mesmo).
• Bom suporte familiar e laços sociais bem estabelecidos.
• Religiosidade ou espiritualidade.
• Ausência de doença mental.
• Ter um emprego.
• Ter crianças em casa.
• Sentir-se responsável pelos familiares.
• Ter acesso aos serviços de saúde mental.
Mitos e verdades
Mitos e verdades
Mitos e verdades
Onde encontrar ajuda na internet
• CVV: Centro de Valorização da Vida.
https://www.cvv.org.br
• ABAEPS: Associação Brasileira de Estudos e Prevenção ao Suicídio.
http://www.abeps.org.br
• Setembro Amarelo.
http://www.setembroamarelo.org.br/
Para finalizar
• Cada um de vocês é importante, único e especial!
• Por mais terríveis que seus dias estejam, isso vai passar. Pode não
parecer, mas vai passar.
• Não tenha vergonha de pedir socorro!
• Todos cometem erros, errar não faz de você um fracasso...
• Respire fundo, conte até dez, recomece...
• Pelo menos 7% da população mundial sofre com o luto por causa de
um ente querido que se suicidou. Em média, 60 pessoas são
impactadas pelo suicídio de apenas uma. Pense em quem te ama antes
de tomar uma atitude tão drástica, que não tem volta.