Você está na página 1de 12

Eletrônica Analógica

Atividade Prática no 2: Amplificadores transistorizados

1. OBJETIVO

Projetar e testar uma etapa de um amplificador transistorizado e verificar a


resposta em frequência do sistema.

2. MATERIAL UTILIZADO

Componentes
Número da Código
Quantidade Material Utilizado Kit
Caixa Uninter
Transistor BC337
1 Boole 9 0205102
NPN
Capacitores de
2 Edison 5 0105047
10µF
0110025 a
4 Resistores Edison 5
011034
Equipamentos / Ferramentas
Número da Código
Quantidade Descrição Kit
Caixa Uninter
Osciloscópio /
1 Boole 7 0201071
Analisador Lógico
1 Multímetro Edison 1 0101001
1 Adaptador AC Edison 3 0101003
1 Fonte Ajustável Edison 3 0101004
1 Protoboard Edison 2 0101002
Adaptação de
1 Boole 11 0201124
Áudio
1 Transformador Boole 10 0201123

EaD-Lab2EA 1 Prof. Viviana R. Zurro


Eletrônica Analógica

Termo de responsabilidade (Disclaimer):

São de total responsabilidade do aluno os danos que os equipamentos e os


componentes possam vir a sofrer devido a uso inadequado dos mesmos. Todos os
materiais disponibilizados tais como manuais, vídeos e apostilas com as
explicações acerca do uso dos dispositivos deverão ser vistos e estudados na sua
totalidade antes de ligar os mesmos para evitar danos aos equipamentos e aos
usuários.

Fonte Ajustável Gerador de sinais


Alimentação: Transformador Alimentação: Adaptador AC
Fonte: Fonte Ajustável Gerador: Kit TDA 2050

Montagem: Arquivo: Fonte Montagem: Arquivo: Amplificador do


variável.pdf gerador.pdf

Diagrama de pinos do transistor

EaD-Lab2EA 2 Prof. Viviana R. Zurro


Eletrônica Analógica

3. INTRODUÇÃO

O amplificador é um circuito utilizado para aumentar a potência de sinais


analógicos aumentando a tensão e fornecendo corrente na saída do mesmo. O
amplificador transistorizado, como o próprio nome diz, é um sistema que usa
transistores junto com outros dispositivos não ativos para amplificar o sinal de
entrada. Chama-se transistorizado porque usa dispositivos discretos (transistores),
mas na realidade todos os amplificadores mesmo integrados (amplificadores
operacionais) são compostos internamente por muitos transistores que configuram
os circuitos internos de amplificação.

O amplificador é considerado linear quando não modifica a forma de onda do


sinal de entrada e a relação entre sinal de saída e sinal de entrada é determinada
por uma constante (ganho). O amplificador pode ter ganho de tensão, ganho de
corrente ou ambos.

É necessário que praticamente todos os sinais analógicos sejam amplificados


antes de serem processados por sistemas tanto analógicos quanto digitais, e a
unidade básica de amplificação é o transistor.

4. PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS

Calibrar as pontas do osciloscópio como indicado no documento anexo


Calibração pontas.pdf.

Incluir fotos de todos os circuitos montados.

EXPERIÊNCIA 1: Polarização do transistor

Dados do transistor e Fórmulas:

𝛽 = 250 e VBE = 0,7V


𝑉𝐶𝐶 𝑣𝑜 𝑅𝐶
𝑉𝐶𝐸 = 𝐼𝐶 = 𝛽𝐼𝐵 𝐼𝐸 = 𝐼𝐶 + 𝐼𝐵 𝐴𝑉 = =−
2 𝑣𝑖 𝑅𝐸

Considerando a alimentação Vcc = 15V, projetar a etapa de entrada para ter


um ganho AV = - 4o número do seu RU. Se o quarto número for 0 ou 1 adotar Av =
-2. Adotar os resistores necessários e calcular os outros em função deles. Para os
resistores calculados adotar o resistor de valor comercial mais próximo, exemplo:
se o resistor calculado foi de 30kΩ, adotar 27kΩ ou 33kΩ (não tem problema em
adotar um ou o outro). Calcular o restante dos resistores usando estes valores
comerciais. Preencher a Tabela 1 com os valores de corrente e tensão calculados.

Sugestão adotar Re = 1KΩ, e R2 = 10KΩ.

EaD-Lab2EA 3 Prof. Viviana R. Zurro


Eletrônica Analógica

Circuito de polarização:

IC

VCE
IB
-
IE

Figura 1: Circuito de polarização de um transistor NPN.

Métodos

Antes de iniciar os testes seguintes, ler o Termo de Responsabilidade


disponível na página 2.

1. Separe os seguintes materiais:


a. 1 Protoboard
b. 1 Transformador
c. 1 Osciloscópio
d. 1 Transistor BC337
e. Resistores calculados no projeto
f. 1 Fonte ajustável
2. Ajuste a fonte de alimentação variável (Fonte Ajustável) para 15V para
alimentar o circuito. Monte o circuito da Figura 1 com os resistores calculados.
3. Verifique com o multímetro os seguintes parâmetros:
a. VCE: Para medir a tensão de coletor emissor coloque o multímetro no
modo tensão, escala de 20V. Coloque as pontas como indicado na
Figura 2 e preencha a Tabela 1.

EaD-Lab2EA 4 Prof. Viviana R. Zurro


Eletrônica Analógica

Figura 2: Medição da tensão de coletor emissor VCE.

b. VBE: Para medir a tensão de base emissor coloque o multímetro no modo


tensão, escala de 2V. Coloque as pontas como indicado na Figura 3 e
preencha a Tabela 1.

Figura 3: Medição da tensão de base emissor VBE.

c. IC: Para medir a corrente de coletor abra o circuito de coletor


(desconecte o resistor Rc do coletor do transistor). Coloque o multímetro

EaD-Lab2EA 5 Prof. Viviana R. Zurro


Eletrônica Analógica

no modo corrente, escala de 20mA. Coloque as pontas como indicado


na Figura 4 e preencha a Tabela 1.

Figura 4: Medição da corrente de coletor IC.

d. IE: Para medir a corrente de emissor abra o circuito de emissor


(desconecte o resistor Re do emissor do transistor). Coloque o
multímetro no modo corrente, escala de 20mA. Coloque as pontas como
indicado na Figura 5 e preencha a Tabela 1.

EaD-Lab2EA 6 Prof. Viviana R. Zurro


Eletrônica Analógica

Figura 5: Medição da corrente de emissor IE.

e. IB: Para medir a corrente da base abra o circuito da base (desconecte a


base do transistor). Coloque o multímetro no modo corrente, escala de
200µA. Coloque as pontas como indicado na Figura 6 e preencha a
Tabela 1.

Figura 6: Medição da corrente da base IB.

Tabela 1: Ponto de operação do transistor.

Calculado Medido
𝑽𝑪𝑬 [𝑽]

𝑽𝑩𝑬 [𝑽]

𝑰𝑪 [𝒎𝑨]

𝑰𝑬 [𝒎𝑨]

𝑰𝑩 [µ𝑨]

f. Compare os valores medidos com os calculados. Eles podem ser


diferentes, explique porque.

EaD-Lab2EA 7 Prof. Viviana R. Zurro


Eletrônica Analógica

EXPERIÊNCIA 2: O transistor como amplificador

1. Coloque os capacitores de bloqueio de continua (filtros) C1 e C2 na entrada e


na saída do amplificador. O capacitor C1 é necessário para que o sinal de
contínua de polarização da etapa anterior não tire o amplificador do seu ponto
de operação. O capacitor C2 na saída serve para que o sinal de contínua de
polarização desta etapa não apareça na etapa posterior. Os dois capacitores
bloqueiam a tensão contínua, mas deixam passar o sinal a ser amplificado
(Figura 7).
2. Ajuste o Gerador de sinais para fornecer um sinal senoidal de 1V de tensão
de pico a pico (aproximado), com uma frequência aproximada de 1kHz
(aproximada).
3. Coloque este sinal na entrada do amplificador transistorizado como mostra a
Figura 7 e verifique no osciloscópio os sinais de entrada e saída. Canal 1 sinal
de entrada e Canal 2 sinal de saída.

Figura 7: Montagem do circuito para teste do transistor como


amplificador.

a. A ponta de prova do Canal 1 do osciloscópio deverá ser colocada como


indica o conector amarelo e a ponta de prova do Canal 2 como indica o
conector azul. Os terminais terra das duas pontas deverão ser colocados
no terra do circuito.
b. Mostre num gráfico os sinais de entrada e saída. De preferência coloque
um print da tela do osciloscópio. Os sinais deverão ficar parecidos com
os mostrados na Figura 8.

EaD-Lab2EA 8 Prof. Viviana R. Zurro


Eletrônica Analógica

Figura 8: Sinais de entrada e saída de um amplificador transistorizado


na configuração emissor comum polarizado em Classe A. O sinal de
saída está invertido porque o amplificador é inversor e tem ganho
negativo.

c. Varie o formato, amplitude, forma de onda e frequência do sinal de


entrada e verifique o sinal de saída. A resposta do sistema é linear?
Porque? Pesquise.
d. Aumente a amplitude do sinal de entrada para 10V pico a pico. O que
acontece com o sinal de saída se o sinal de entrada é grande? Porque?
Pesquise.
e. Usando os valores de pico a pico dos sinais de entrada e saída calcule
𝑣
o ganho de tensão 𝐴𝑉 = 𝑣𝑜 e preencha a Tabela 2.
𝑖
f. Compare o ganho medido com o ganho calculado e explique o resultado.
Pode ser ligeiramente diferente, explique porque.

Tabela 2: Ganho de tensão de um amplificador transistorizado na


configuração emissor comum polarizado em Classe A.

AVcalculado AVmedido
𝑹𝒄 𝒗𝒐
− 𝒗𝒊
𝑹𝒆

EaD-Lab2EA 9 Prof. Viviana R. Zurro


Eletrônica Analógica

EXPERIÊNCIA 3: Resposta em frequência

O teste de resposta em frequência é de fundamental importância para todos


os sistemas que trabalham qualquer tipo de sinal. Neste teste será possível
constatar a faixa de frequências na qual o circuito responde corretamente. Desta
forma é possível saber que tipo de sinal o amplificador vai poder amplificar (áudio,
vídeo, sinais biológicos, temperatura, pressão, etc.). Este teste serve para verificar
o desempenho de circuitos, equipamentos, sistemas e componentes eletrônicos e
elétricos em relação a sinais compostos por harmônicos de várias frequências.

Abaixo e acima de determinadas frequências chamadas frequências de corte


a potência do sinal de saída cai abaixo da metade da potência que o mesmo tem
entre as duas frequências (banda passante). Todo sinal cuja frequência seja inferior
à frequência de corte inferior fL (L de Low) será rejeitado, e todo cuja frequência
seja superior à frequência de corte superior fH (H de High) será rejeitado também.

No teste de resposta em frequência, as frequências de corte são aquelas para


as quais o ganho (neste caso ganho de tensão) é igual a 70% do ganho na banda
passante, ou tem 3dB a menos se estivermos considerando a escala decibel para
o ganho, como apresentado na Figura 9.

Figura 9: Resposta em frequência de um amplificador.

1. Ajuste o gerador de sinais para fornecer um sinal senoidal de 1V de tensão


de pico a pico (aproximado). Para o teste a frequência do sinal deverá variar
entre 1Hz e 20kHz. Para cada valor de frequência a Tabela 3 deverá ser
preenchida. Não será possível verificar a frequência de corte superior devido
a limitações do gerador.

EaD-Lab2EA 10 Prof. Viviana R. Zurro


Eletrônica Analógica

Figura 10: Montagem do circuito para medição da resposta em


frequência.

a. A ponta de prova do Canal 1 do osciloscópio deverá ser colocada como


indica o conector amarelo e a ponta de prova do Canal 2 como indica o
conector azul. Os terminais terra das duas pontas deverão ser colocados
no terra do circuito.
b. De 1 a 10Hz: tirar várias medições (nesta faixa está a frequência de corte
inferior).
c. Entre 50Hz e 20kHz tirar algumas medições.
2. Identifique a frequência de corte inferior considerando que nessa frequência
o valor da amplitude (ganho) é 70% da amplitude máxima.
3. Monte um gráfico de AV em função da frequência e verifique a resposta do
amplificador. Identifique a banda passante do amplificador (ganho máximo).
O eixo da frequência deverá estar em escala logarítmica.

Tabela 3: Resposta em frequência do amplificador.


𝒗𝒐
𝒇[𝑯𝒛] 𝒗𝒊 [𝑽] 𝒗𝒐 [𝑽] |𝑨𝑽 = |
𝒗𝒊
1

10

EaD-Lab2EA 11 Prof. Viviana R. Zurro


Eletrônica Analógica

15

20

40

60

100

300

500

1k

3k

6k

10k

15k

20k

Nota: Os valores de frequência da Tabela 3 são valores sugeridos. O aluno poderá escolher
outros valores. O passo a passo para a construção do gráfico em Excel será disponibilizado e
arquivo anexo.

EaD-Lab2EA 12 Prof. Viviana R. Zurro