Você está na página 1de 5

BOLETIM DE TENDÊNCIAS

NOVEMBRO - DEZEMBRO/2017

ALIMENTOS

PET FOOD
Mercado em ascensão
Os animais de estimação estão despertando cada vez mais a atenção das
pessoas e, consequentemente, o interesse de empresários e empreende-
dores que enxergam neles um nicho de mercado potencial. Para investir
nessa área, é preciso compreender o mercado e traçar estratégias de dife-
renciação. Diante disso, este boletim de tendência apresenta dados e in-
formações relevantes que podem servir como insight para negócios nessa
área, principalmente aqueles com foco em pet food.

O que é pet food?


É o segmento que compreende toda a alimentação destinada aos animais de
estimação, produzida de maneira industrial ou não. Outros segmentos que com-
põem esse mercado são: pet serv, de serviços, pet vet, de medicamentos veterinários,
e pet care, de equipamentos, acessórios e produtos de higiene e beleza animal.

O mercado pet em 2016

ƒƒ Faturamento anual de R$ 18,9 bilhões (4,9% a ƒƒ Os cães são os animais que custam mais, por
mais que o ano anterior). mês. Consumidores das classes B/C chegam a
gastar R$ 302 mensais com eles.
ƒƒ O Brasil é o terceiro país que mais fatura nesse
mercado. ƒƒ Pet food é o segmento mais representativo do
mercado pet:
ƒƒ Existem cerca de 132 milhões de animais de es-
timação no País, e os cães são os que represen-
tam o maior número:

39% cães 67,3% pet food

29% aves 16,8% pet serv

17% gatos 8,1% pet care

13% peixes 7,8% pet vet

2% outros

Fontes: No Brasil, gastos com animais de estimação variam de 24% a menos que 1% da renda familiar, Abinpet (2016); Faturamento 2016 do setor pet aumenta
4,9% e fecha em R$ 18,9 bilhões, revela Abinpet, Abinpet (2017); Manual Pet Food Brasil, MFlip (2017).

1
PET FOOD
E suas vertentes

Para apostar neste mercado, é importante compreender os tipos de


alimentação adequados para cada animal. Além disso, é interessante
compreender as tendências deste segmento e avaliar se elas são inte-
ressantes para o perfil de consumidor que seu negócio deseja atrair.

Um material considerado referência no assunto é o Manual Pet Food Brasil,


da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação
(Abinpet). Ele contém informações relevantes, como padrões técnicos, quali-
dade de matérias-primas, metodologias analíticas possíveis de serem analisadas,
condições ideais para produção do alimento, parâmetros nutricionais, entre outros.

Entenda que existem profissionais especializados em nutrição de cães e gatos (veterinários e zootecnistas),
responsáveis por formular as receitas com segurança.

Alimentação para cães e gatos

Tecnicamente, os alimentos destinados para esses animais são segmentados da seguinte maneira:

Alimento completo: atende integralmente às exigências nutricionais e pode ter


propriedades específicas ou funcionais.

Alimento coadjuvante: destinado aos animais com distúrbios fisiológicos ou


metabólicos.

Alimento específico: alimentação oferecida para premiar, agradar ou ser-


vir como recompensa ao animal.

Produto mastigável: elaborado com subprodutos de origem animal e


pode conter elementos de origem vegetal também. Possui baixo valor
nutricional e também é oferecido como agrado ou diversão.

Suplemento: mistura oferecida aos animais para equilibrar o balanço nu-


tricional.

Aditivo: serve para melhorar o desempenho de animais saudáveis, a partir de


substâncias que aprimoram as características dos produtos alimentares.

Além dessa classificação, a Abinpet também diferencia os tipos de alimentos para cães e gatos da seguinte
maneira: alimento natural, industrializado, completo, coadjuvante, específico e caseiro. Saiba mais aqui.

A maioria dos animais (63% dos cães e 55% dos gatos) consome rações secas. No entanto, ape-
sar de ainda não ter grande representatividade (1% do faturamento de pet food), o mercado
de alimentação natural está se posicionando como forte tendência no setor.

2
A alimentação natural pode ser uma escolha interessante para os pets. Em alguns casos,
inclusive, o veterinário opta por esse tipo de alimentação, que costuma oferecer bons resul-
tados. No entanto, o grande desafio deste segmento é que ele não cresce em grande escala
e, para reverter esse quadro, é necessário um investimento mais estruturado e conheci-
mentos específicos.

Nos Estados Unidos, houve um crescimento expressivo em produtos naturais e orgânicos


para alimentação de cães e gatos: hoje este mercado detém 67% do market share (dados GKK
CONSUMER TREND). Ressaltamos ainda que de dez produtos novos lançados, oito já seguem
esta linha.

Alimentação para aves

Os alimentos disponíveis para aves costumam seguir a seguinte classifica-


ção: farelados, misturas de sementes, paletizados e extrusados.

Os alimentos que passam pelo processo de extrusão permitem uma excelente


digestão dos nutrientes e um prazo de validade maior, por conta da eliminação
de fungos e bactérias, que podem existir em sementes vendidas a granel.

Observação
É possível perceber que a variação dos tipos de alimentos para aves é menor e, inclusive, nota-se que exis-
tem poucas empresas que focam neste tipo de alimentação no mercado. No entanto, é importante ter esse
conhecimento porque a sua empresa pode ampliar o público-alvo ao oferecer essa alimentação como uma
linha complementar, caso já tenha como foco a alimentação para cães e gatos.

Churrerias
Pontos de atenção!

Conheça a quantidade ideal que deve ser oferecida para cada tipo de animal. Dessa forma, é possível co-
mercializar as refeições na porção correta.

Siga qualquer legislação vigente relacionada ao mercado, tanto para fabricação quanto para comerciali-
zação.

Estude o mercado antes de qualquer empreitada, visite o site da Associação Brasileira da Indústria de Pro-
dutos para Animais de Estimação (Abinpet).

Tenha criatividade e ofereça produtos e/ou serviços diferenciados, como cervejas para cães, petiscos pre-
mium, refeições com alimentos orgânicos, avaliação nutricional, entre outros.

Avalie a possibilidade de oferecer atendimento personalizado, isso tende a fidelizar os clientes.

Invista em uma marca e crie ações de divulgação. Realizar parcerias com empresas que prestam serviços
para pets, como hotéis, petshops, clínicas veterinárias, entre outros, pode ser uma excelente estratégia.

Fontes: CAZES, L., Por dentro das novidades do mercado pet, Invetcare (2015); MELO, L. Como o brasileiro cuida e quanto gasta com seus pets, Exame (2016);
WEY, N., Comida feita em casa ganha espaço no mercado pet, Pequenas Empresas & Grandes Negócios (2016); Manual Pet Food Brasil 9ª edição, Abinpet (2017).

3
CASOS DE SUCESSO
O mercado pet food é, na sua grande maioria, direcionado para cães e gatos. Isso provavelmente acontece porque
as aves, que se posicionam no segundo lugar entre os principais animais de estimação, possuem uma alimentação
mais direcionada e, possivelmente, não aceitam muita variação. Por conta disso, as empresas mais inovadoras
nessa área focam na alimentação de cães e gatos. Confira alguns exemplos e se inspire!

PetChef

A PetChef se diferencia por oferecer alimentação caseira e balanceada para cães, por meio de um sistema
de assinatura que entrega pacotes semanais com sete refeições. O modelo de comercialização oferece mais
conforto ao dono do animal que, muitas vezes, não tem tempo necessário para se dedicar na preparação de
comidas saudáveis para o pet. Escondidinho de inhame, sabores da granja e achadinho de batata doce são
algumas das refeições que fazem parte do cardápio.

Pensar em nomes comerciais e divertidos para os produtos desperta a atenção do cliente!

Pet Delícia

Pet Delícia é uma empresa que oferece alimentação saudável e balanceada para cães e gatos. A elaboração
das refeições conta com o auxílio de nutricionistas e especialistas na área, e, além disso, antes de serem libe-
radas para a comercialização, as receitas são testadas. A Universidade Estadual de São Paulo (Unesp) contri-
buiu na análise e orientação dos alimentos que seriam mais benéficos aos animais.

Envolva profissionais capacitados na preparação dos alimentos, isso transmite confiança


e seriedade na marca.

Dog Beer

A Dog Beer é uma empresa especializada em petiscos líquidos para


cães. Seus produtos chamam a atenção pela diferenciação e inovação
no mercado pet food. A empresa tem apenas dois produtos: Dog Beer,
semelhante a cerveja de verdade, mas sem fermentação, e Dog Wine,
bebida engarrafada nos mesmos moldes de um vinho normal, mas
com sabor de carne, sem adição de uva e álcool.

Em alguns casos, uma linha de produto reduzida é mais vantajosa que uma muito ampla.
Avalie qual delas é a melhor opção para o seu modelo de negócio.

Fontes: Por que PetChef?, PetChef (2017); Nossa história, Pet Delícia (2017); Dog Beer, Dog Beer (2017).

4
RECOMENDADAS

Conte com o apoio do Sebrae/RJ para identificar melhorias e oportunidades de mercado que
possam impulsionar o seu negócio. Ligue para 0800 570 0800 e agende atendimento na uni-
dade mais próxima;

Além do pet food, também é interessante acompanhar os outros segmentos do mercado pet.
Confira alguns boletins e relatórios publicados no portal Sebrae Inteligência Setorial:
• Pets em bares e restaurantes.
• Hotéis pet friendly.

Confira outros conteúdos disponibilizados pelo Sebrae:


• Como montar uma loja de animais ou petshop.
• Pet: o segmento que mais cresce no mercado.
• O valioso mercado de animais de estimação.

Acesse o portal da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação


(Abinpet) para se manter informado sobre o mercado.

SEBRAETEC: Por meio desse programa, promove-se o acesso de pequenos negócios a soluções
de inovação através de serviços especializados e customizados em uma das seguintes áreas de
conhecimento:

Design | Produtividade | Propriedade intelectual | Qualidade | Inovação | Sustentabilidade | Serviços digitais

Como ter acesso?

Para mais informações sobre esses programas, ligue para 0800 570 0800 e agende atendimento na unidade mais pró-
xima e durante o atendimento do Sebrae de sua região, com identidade e número do CNPJ de sua empresa, você deve
explicar a situação do negócio e indicar em que ponto há necessidade de inovar.

Dessa forma, o Sebrae pode acionar um dos prestadores de serviços tecnológicos cadastrados para viabilizar a inovação
no seu empreendimento.

Gerência de Conhecimento e Competitividade


Gerente: Cezar Kirszenblatt

ALIMENTOS Gestor do Programa Sebrae Inteligência Setorial: Marcelo Aguiar


Analista de Inteligência Setorial e Temática: Mara Godoy
Articulação e Disseminação Empresarial: Poliana Valente
BOLETIM DE TENDÊNCIA Conteudista: Renata Magalhães
Especialista: Letícia Cazes
NOVEMBRO-DEZEMBRO/2017
Entre em contato com o Sebrae: 0800 570 0800
Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte, constitui violação dos direitos autorais (Lei nº 9.610). Fotos: Banco de imagens.

www.sebraeinteligenciasetorial.com.br