Você está na página 1de 5

DESFRUTANDO DAS BÊNÇÃO DE DEUS EM CRISTO

EFÉSIOS 1:7-14

INTRODUÇÃO:
Nós estamos fazendo uma série de exposição na carta de Paulo aos Efésios, e nessa
noite continuando. Mas só lembrando que domingo passado, nós falamos sob sobre “as
bênçãos de Deus em Cristo, nos versos 1 a 6, e nesse domingo nós falaremos sobre
“desfrutando das bênçãos de Deus em Cristo, nos versos 7 a 14.
Para nossa melhor compreensão do texto podemos dividi-lo em quatro partes
principais: 1) JESUS NOS REDIME DO PECADO (vv.7-8); 2) JESUS NOS
MOSTRA A VONTADE DE DEUS (vv.9-10); 3) JESUS NOS FEZ HERANÇA
(vv.11-12); 4) ESPIRITO SANTO NOS DAR GARANTIA (vv.13-14):
1. JESUS NOS REDIME DO PECADO – vv.7-8
(7) no qual temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a
riqueza da sua graça, (8) que Deus derramou abundantemente sobre nós em toda a
sabedoria e prudência,
a. (7) no qual temos a redenção,
Em primeiro lugar, O Redentor – O pecado é um mestre terrível
e proprietário de escravos, e exige um alto preço por sua
libertação, e somente Deus em Cristo pode pagar esse alto preço
por nosso resgate.
(i) A morte era o preço que deveria ser pago pela
redenção do homem do pecado.
(ii) A redenção bíblica, portanto, se refere ao ato de
Deus em pagar como resgate o preço do pecado por
meio de Cristo Jesus.
(iii) A redenção é “libertar mediante o pagamento de
resgate”, ou seja, os remidos são libertados da culpa e
do poder do pecado desde agora e para sempre.
 “... no qual temos a redenção, a remissão dos
pecados” (Cl 1:14).

 “... o qual a si mesmo se deu por nós, a fim de


remir-nos de toda iniquidade e purificar, para
si mesmo, um povo exclusivamente seu, zeloso
de boas obras” (Tt 2:14).

1
 “... sabendo que não foi mediante coisas
corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes
resgatados do vosso fútil procedimento que
vossos pais vos legaram” (1Pe 1:18).
b. (7) “...pelo seu sangue, a remissão dos pecados,”
Em segundo lugar, O Preço do Resgate – O preço da redenção
custou o sangue do Filho de Deus para comprar os homens do
mercado de escravos do pecado (Lv 17.11; Hb 9.22).
(i) O castigo que todos nós merecíamos, por causa dos
nossos pecados, Ele, o Salvador amado, embora Ele não
merecesse, tomou sobre Si as nossas dores e pecados e
sofreu em nosso lugar (Is 53).
(ii) O sangue de animais sacrificados era continuamente
oferecido nos altares do Tabernáculo e depois no
Templo, mas o sangue nunca foi capaz limpar os
ofertantes do pecado.
(iii) A palavra “perdoar, ou “redimir” significa
literalmente “mandar embora”, ou seja, o pecado é um
fardo terrível que é mandado embora quando um
pecador se volta para Cristo.
 “... Levando ele mesmo em seu corpo os nossos
pecados sobre o madeiro, para que, mortos para
os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e
pelas suas feridas fostes sarados” (1Pe 2:24).
c. (8) que Deus derramou abundantemente sobre nós em toda a sabedoria
e prudência,
Em terceiro lugar, Resultados da Redenção – Note que Deus não
apenas recebe e perdoa àqueles que ele reconciliou consigo mesmo
como filhos; ele também os ilumina com a compreensão do seu
propósito. O resultado da redenção para o crente é receber
sabedoria e discernimento.
(i) A palavra, “sabedoria”, é o conhecimento que olha
para o coração das coisas, que as conhece tal como
realmente são, e, “prudência”, é a compreensão que leva
a agir corretamente.
(ii) Quando Deus nos liberta do pecado, Ele não nos
deixa em um vácuo espiritual, moral e mental, ao
contrário, Ele nos concede sabedoria e discernimento
2
segundo a riqueza da sua graça, assim como Ele derrama
sobre nós o perdão de acordo com essas riquezas.
2. JESUS NOS MOSTRA A VONTADE DE DEUS – vv.9-10
(9) desvendando-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito que
propusera em Cristo, (10) de fazer convergir nele, na dispensação da plenitude dos
tempos, todas as coisas, tanto as do céu, como as da terra;
a. (9) desvendando-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu
beneplácito que propusera em Cristo,
Em primeiro lugar, desvendando – Observe que o mistério não se
refere a um segredo bem guardado, e nem se refere a algo vago,
nebuloso, e por tempo indeterminado, mas pelo contrário, significa
algo que antes era desconhecido, mas agora foi revelado.
(i) Deus graciosamente nos revelou o que nunca
poderíamos ter descoberto por nós mesmos, ou seja, sua
soberana vontade para resumir tudo em Cristo.
b. (10) de fazer convergir nele, na dispensação da plenitude dos tempos,
todas as coisas, tanto as do céu, como as da terra;
Em segundo lugar, convergindo – Note que a expressão “fazer
convergir”, era usada no sentido de juntar várias coisas e
apresentá-las como uma só.
(i) O plano de Deus para a plenitude dos tempos, quando
o tempo voltar a fundir-se na eternidade, é fazer
convergir nele (em Cristo) todas as coisas, tanto as do
céu como as da terra.
3. JESUS NOS FEZ HERANÇA – vv.11-12
(11) nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o
propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade, (12)
a fim de sermos para louvor da sua glória, nós, os que de antemão esperamos em
Cristo;
a. (11) nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados
segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho
da sua vontade,
Em primeiro lugar, o fundamento da herança – Note que em
Cristo, temos uma herança e também somos uma herança, ou seja,
aqueles que são porção de Deus têm sua herança nele, e são a
herança dele.

3
(i) O valor do cristão está em Cristo, ou seja, o preço que
Deus pagou pelos cristãos para que fosse herança dele,
foi muito alto, por isso ele deve viver em Cristo, e estar
em Cristo.
(ii) O cristão é o dom do amor de Deus para o Filho, eles
são a herança de Deus, o corpo de Cristo, o seu edifício,
a sua noiva, a menina dos olhos de Deus, a delícia de
Deus.
b. (12) a fim de sermos para louvor da sua glória, nós, os que de antemão
esperamos em Cristo;
Em segundo lugar, o propósito da herança – O apóstolo diz que
o objetivo deste plano para com os salvos era de que eles deveriam
servir para louvor da Sua glória.
(i) Não foi com outro propósito que Deus escolheu
Abraão, e operou Seu desígnio na história de Israel,
senão o de que eles manifestassem ao mundo a Sua
glória.
(ii) Quando o cristão decide ter uma vida louvor a Deus
inclui a totalidade da vida do cristão, devendo servir de
forma cabal para louvar a graça divina.
4. ESPIRITO SANTO NOS DAR GARANTIA – vv.13-14
(13) Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o
evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o
Espírito Santo da promessa. (14) O qual é o penhor da nossa herança, para redenção
da possessão adquirida, para louvor da sua glória.
a. (13) em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o
evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com
o Santo Espírito da promessa;
Em primeiro lugar, garantia através do selo – Note que o Espirito
Santo nos selou. Mas o que representa o selo do Espírito? O selo
tinha três funções: garantir o caráter autêntico de um documento,
marcar uma propriedade e proteger contra violação e danos.
(i) O selo que Paulo se refere é uma marca oficial de
identificação que era colocada em uma carta, contrato
ou documento importante.

4
(ii) O selo geralmente era feito de cera quente, que era
colocado sobre o documento e, em seguida, pressionado
com um anel de sinete.
(iii) O selo era então um documento oficialmente
identificado com e sob a autoridade da pessoa a quem o
selo pertencia.
b. (14) o qual é o penhor da nossa herança, ao resgate da sua propriedade,
em louvor da sua glória.
Em segundo lugar, garantia através do penhor – Note Paulo
usou a palavra “penhor” para falar de garantia, e essa uma palavra
fascinante! Pois no tempo de Paulo, ela significava "uma entrada
paga para garantir a compra final de um bem ou propriedade".
(i) O Espírito Santo é a "primeira prestação" e garantia
de Deus a seus filhos de que ele terminará sua obra e, no
devido tempo, os conduzirá à glória, pois quando ele
promete ele cumpre, pois não pode mentir.
(ii) O termo traduzido por penhor também significa uma
"aliança de noivado", ou seja, Cristo é o noivo e a Igreja
é a noiva, e sabemos que ele voltará para tomar sua
noiva para si, pois ele nos fez essa promessa e nos deu o
Espírito como "aliança de noivado".