Você está na página 1de 11

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMIÁRIDO

CURSO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA E AMBIENTAL

BIANCA CAROLINA BERNARDIN CATTANI


CARLOS ALBERTO DUARTE GOMES
CARLOS NEWTON FRANCO DE MEDEIROS
FRANTCHESCO ALVES DA SILVA
JOÃO KENEDY ANDRÉ DE OLIVEIRA

RELATÓRIO DA DISCIPLINA LABORATÓRIO DE QUÍMICA GERAL


CALORIMETRIA

MOSSORÓ
2018
BIANCA CAROLINA BERNARDIN CATTANI
CARLOS ALBERTO DUARTE GOMES
CARLOS NEWTON FRANCO DE MEDEIROS
FRANTCHESCO ALVES DA SILVA
JOÃO KENEDY ANDRÉ DE OLIVEIRA

RELATÓRIO DA DISCIPLINA LABORATÓRIO DE QUÍMICA GERAL


CALORIMETRIA

Relatório Técnico parcial apresentado


como requisito de avaliação da
disciplina Laboratório de Química
Geral, Turma 2018.1, do curso de
Engenharia Agrícola e Ambiental da
Universidade Federal Rural do
Semiárido (Ufersa)
Professora: Izabelly Larissa Lucena

MOSSORÓ
2018
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO
2 CALORIMETRIA
3 MATERIAIS E EQUIPAMENTOS
4 PROCEDIMENTOS
4.1 Determinação da capacidade calorífica do calorímetro
4.2 Determinação do calor específico de um metal
4.3 Determinação do calor de neutralização
5 EXERCÍCIOS
CONSIDERAÇÕES FINAIS
BIBLIOGRAFIA
RESUMO
A mensuração de calorimetria para a medida do calor liberado ou absorvido em uma
transformação é de extrema valia para a caracterização, identificação e aplicação de
substâncias e materiais. São inúmeras as suas utilidades, nos mais variados segmentos
de processos químicos e industriais. O objetivo do presente estudo é o ensinamento
prático, no ambiente do Laboratório de Química Geral, dado aos alunos ingressantes do
curso de graduação em Engenharia Agrícola e Ambiental. O método utilizado foi a
manipulação dos processos, tomando-se por base o aprendizado em sala de aula,
exposições e relatos dos materiais, equipamentos e assessórios envolvidos, bem como o
referencial teórico indicado. O resultado de fixação de conteúdo foi positivo para
melhor compreensão e capacitação dos discentes.
Palavras-chaves: Calorimetria, Calorímetro e Lei da Termodinâmica

ABSTRACT
The measurement of calorimetry for the measurement of the heat released or absorbed
in a transformation is of extreme value for the characterization, identification and
application of substances and materials. There are countless utilities in the most varied
segments of chemical and industrial processes. The objective of the present study is the
practical teaching, in the environment of the General Chemistry Laboratory, given to the
incoming students of the undergraduate course in Agricultural and Environmental
Engineering. The method used was the manipulation of the processes, taking as a base
the classroom learning, expositions and reports of the materials, equipment and
assessments involved, as well as the theoretical referential indicated. The result of
content fixation was positive for a better understanding and training of the students.

Keywords: Calorimetry, Calorimeter and Law of Thermodynamics


Objetivos

O presente estudo é relativo a aula experimental extraído da aula de laboratório que tem
por objetivo a determinação da capacidade calorífica de um calorímetro, o calor
específico de um determinado metal e o calor de formação referente a um mol de água.

1. Introdução

Os ensaios foram realizados no Laboratório de Química da Universidade Federal


(UFERSA), campus Central de Mossoró, no dia 14 de junho de 2018, em aula prática
dirigida aos alunos ingressantes do curso de graduação de Engenharia Agrícola e
Ambiental, turma 2018.1, sob a orientação da professora Izabelly Larissa Lucena – que
dividiu a turma em diversos grupos com cinco componentes.
A metodologia aplicada consiste na compilação e descrição de dados e procedimentos
de determinações e manipulações, colhidos durante os experimentos, com base na
fundamentação teórica referenciada no contexto deste relatório e conteúdos dados em
salas de aulas.

2. Calorimetria

O conceito de calor é basicamente a transferência de energia térmica entre corpos com


temperaturas diferentes, logo calorimetria é a ciência que estuda esse dado calor.

Grande parte das reações químicas ocorre estabelecendo variações de energia, que
comumente se manifestam na forma de trabalho ou de calor. A energia térmica,
relacionada à transferência de calor, de uma substância depende do movimento de seus
átomos e suas moléculas. O estudo quantitativo das variações térmicas que
acompanham as reações químicas é feito pela termoquímica.

A temperatura é a propriedade da matéria que determina se a energia térmica pode ser


transferida de um corpo a outro e qual o sentido dessa transferência. Enquanto, o calor é
a energia transferida de um objeto mais quente para um objeto mais frio, fazendo com
que quando dois corpos com temperaturas diferentes são postos em contato ocorre uma
transferência de calor até que os dois atinjam a mesma temperatura, ou seja, atinjam o
equilíbrio térmico.

O calor liberado ou absorvido por um sistema que sofre uma reação química é
determinado por aparelhos chamados calorímetros, sendo que o mesmo é constituído de
um recipiente com paredes adiabáticas provido de um agitador e de um termômetro que
mede a variação de temperatura ocorrida durante a reação.
O calor liberado ou absorvido em uma reação é determinado a partir da expressão: q =
m.c.∆t

q é a quantidade de calor liberado ou absorvido pela reação, expresso em calorias (cal)


ou em joules (J);

m é a massa em gramas;

c é o calor específico do liquido presente no calorímetro;

∆t é a variação de temperatura sofrida devido à ocorrência da reação;

O calor de reação pode ser medido a um volume constante ou à pressão constante, sendo
que a variação de energia a volume constante é chamada variação de energia interna,
representada por ∆E, e variação de energia determinada à pressão constante é chamada
de variação de entalpia, representada por ∆H.

A determinação da capacidade calorífica é necessária pois o calorímetro troca calor com


o sistema no qual está inserido, um processo denominado de calibração, a qual é
realizada pela mistura, que é feita no interior do calorímetro, com quantidades
conhecidas de água fria e quente.

A capacidade calorifica é a grandeza física que irá determinar o calor que é necessário
fornecer a um corpo. É medida pela variação de energia interna que é necessária para
aumentar em um grau a temperatura de um material. A unidade de medida do mesmo é
kelvin (K).

A Primeira Lei da Termodinâmica, ou Lei da Conservação da Energia, consiste na ideia


de que a energia não é nem criada e nem destruída, mas sim transformada ou
transferida. Neste caso, a energia da massa de água quente é transferida para massa de
água fria e para o calorímetro. Dessa forma, a soma do calor cedido e do calor recebido
deve ser igual à zero.

3. Materiais e equipamentos

Na metodologia utilizada durante os ensaios, foram utilizados os seguintes materiais:


um calorímetro de alumínio e outro de vidro, termômetro, chapa aquecedora e agitador,
Becker de 250 mL, amostra de metal, pisseta, proveta de 100 mL, e os reagentes
necessário como solução de HCl com 0,5 mol/L e solução de NaOH com 0,5 mol/L.

4. Procedimentos

4.1 Determinação da capacidade calorífica do calorímetro

Para isso foi necessário o uso de uma proveta para poder realizar a medição de 100 mL
de água. A água foi colocada em um calorímetro de alumínio à temperatura ambiente e
esperou-se atingir o equilíbrio térmico. Foi medido a temperatura inicial da mesma e a
sua massa. Após isso, a proveta foi novamente utilizada para se medir 100mL de água
para poder ser aquecida com o auxílio de um Becker com cerca de 50ºC. Depois que a
água foi aquecida, ela foi colocada no calorímetro e o mesmo foi tampado. Com o
termômetro foi medido a temperatura final.

As temperaturas analisadas foram: T(água fria)= 25,7ºC ; T(água quente)= 63,8ºC;


T(equilíbrio)= 42,9ºC

4.2 Determinação do calor específico de um metal

Foram colocado 100 mL de água no calorímetro de alumínio e medido a temperatura da


mesma. Os valores da temperatura e a massa da água foram anotados. Em uma balança
foi determinada a massa do metal e colocada, presa por um fio, em um becker com água
para se aquecer até atingir a temperatura de ebulição. A temperatura foi anotada e a peça
foi colocada no calorímetro. Com o termômetro resfriado, foi adicionado no calorímetro
e a temperatura da água foi anotada, quando a mesma atingiu o equilíbrio térmico.

As temperaturas e massas analisadas foram: m(metal)= 79,1259g; T(água)= 25,9ºC ;


T(metal)= 100ºC; T(equilíbrio)= 30,5ºC

4.3 Determinação do calor e neutralização

Foi medido 80 mL de solução de NaOH 0,5M com o auxílio de uma proveta e


transferido para um calorímetro de vidro. A temperatura foi anotada. A mesma operação
foi feita com o HCl 0,5 M. Após isso as duas soluções foram misturadas e verificada a
temperatura.

As temperaturas analisadas foram: T(NaOH)= 26ºC; T(HCl)= 26ºC; T(equilíbrio)=


29,5ºC

5. Exercícios

1) Defina: calor, trabalho, sistema, vizinhança, energia interna, entalpia, calor


específico e capacidade calorífica.

Calor: é a transferência de energia térmica de um sistema a outro ou entre partes de um


mesmo sistema em virtude da diferença de temperaturas entre eles.

Sistema: também chamado como substância de trabalho, é definido como a parte


do universo que está sob consideração. Qualquer ente ou conjunto de entes sob enfoque
define um sistema.

Vizinhança: define-se como sendo toda a parte, região, que rodeia um sistema, por
exemplo, sistema separa-se da sua vizinhança por uma fronteira. Um sistema
juntamente com a sua vizinhança constitui o universo.
Energia interna: é a energia necessária para criar o sistema.

Entalpia: é uma grandeza física que mede a máxima energia em um sistema


termodinâmico em forma de calor.

Calor específico: é a quantidade de calor necessária para que cada grama de uma
substância sofra uma variação de temperatura correspondente a 1°C. Essa grandeza é
uma característica de cada tipo de substância e indica o comportamento do material
quando exposto a uma fonte de calor.

Capacidade calorifica: é a grandeza física que determina a relação entre a quantidade de


calor fornecida a um corpo e a variação de temperatura observada neste. A
capacidade térmica caracteriza o corpo, e não a substância que o constitui.

2. Em que se baseia a primeira lei da termodinâmica?

O princípio da conservação de energia aplicada à termodinâmica, o que torna possível


prever o comportamento de um sistema gasoso ao sofrer uma transformação
termodinâmica.

3. O que é um calorímetro?

O calorímetro é um aparelho isolado termicamente do meio ambiente usado para fazer


estudos sobre a quantidade de calor trocado entre dois corpos de temperaturas
diferentes.

4. Comparando o calor específico do metal com o da água, o metal se aquece ou se


resfria mais ou menos rapidamente que a água? Por quê?

O metal se aquece mais rapidamente que a água, pois possui menor calor específico. O
calor específico da água é de 1 cal/g°C e do ferro é de 0,11 cal/g°C. Como o calor
necessário para elevar em 1°C, 1 g de ferro é menor que o de água, tem-se que a água se
aquece mais devagar que o ferro, ou seja, para uma mesma fonte de calor o ferro se
aquece mais que a água.

5. Suponha que se tenham duas peças metálicas, uma de ferro e a outra de


alumínio, de mesma massa, em água em ebulição. Ambas são colocadas em
recipientes iguais com água a 25°C. Em qual caso a temperatura final da água será
mais elevada? Justifique.

Alumínio: 0,22 cal/g.ºC; Ferro: 0,11 cal/g.ºC

O alumínio possui maior calor específico em relação ao ferro, o que indica que ele
absorverá menos calor no tempo que ficará dentro da água. Logo, a água que irá conter
o ferro apresentará uma maior temperatura.
6. Calcule a capacidade calorífica do calorímetro de alumínio.

C= - [0,09827 . 4,18(315,9 – 336.8) + 0,09971 . 4,18(315,9 -298,7)]/(315,9 – 298,7)

C= -0,63

7. Calcule o calor específico do metal utilizado e compare com o valor da tabela

Cmetal= - [(0,096+100,3*4,18)*(4,6)] / 79*1*(-69.5)

Cmetal= 0,351.

8. Qual o desvio percentual do valor experimental do calor específico do metal?


Explique as possíveis fontes de erro.

O valor foi muito mais elevado se comparado a tabela apresentada mais pode ser
explicado pelo mau isolamento e perda do calor para o exterior e de o experimento não
ter sido realizado nos padrões das condições normais de temperatura e pressão da
CNTP.

9. Calcule o calor molar de neutralização da reação ocorrida no item 3.3.

Qcedido reação= - (157,7*4,18+161,3)*(29,5-26)

Qcedido reação= - (820,1)*(3,5)

Qcedido reação= -2,87

Qcedido reação= 2,87/1= 2,87.

10. Compare o calor molar de neutralização da reação com o valor teórico do calor
molar de neutralização da reação ocorrida no item 3.3 e comente as possíveis
fontes de erros.

Falta de homogeneidade da temperatura no meio constituído por água e material, devido


à lentidão da troca de calor da água para o material, etc.; mau isolamento e perda de
calor para o exterior.

CONSIDERAÇÕES FINAIS
Este relatório discorre de modo sucinto os passos dos ensaios, objetivo deste estudo,
realizado pela turma de alunos ingressantes (nominados neste grupo), em que revela a
absorção positiva do aprendizado, concernente ao conteúdo prático-teórico exigido.
Assim sendo, avalia-se como preponderante os resultados obtidos para a capacitação, o
conhecimento e o saber, voltados à preparação de base na formação defuturos
engenheiros agrícolas e ambientais.
BIBLIOGRAFIA

Atkins, P. e Jones, L. Princípios de Química: questionando a vida moderna e o meio


ambiente, Porto Alegre: Bookman, 2001, p.39-40.
Soares P.A.T., Ferraro, N.G., Santos, J.I.C Aulas de Física. 5ª ed., São Paulo: Atual
Editora, v.3, 1993, p.16-19
SANTOS, F. Apostila de Laboratório de Química Geral