Você está na página 1de 22

Pires do Rio, _____ de _________ de 2017.

Escola Municipalizada Sarah Skaf


Segunda-feira

Desenvolvimento
● Acolhida
● Oração
● Música:
● Chamada
● Roda de conversa

Durante a semana será trabalhado a sequência didática do livro


“A casa sonolenta”
LEITURA DELEITE:
 Sinopse: Esse livro conta sobre uma casa onde todos viviam
dormindo, um de cada vez vai se aconchegando em cima do
outro, até que a pulga que foi a última a se aconchegar acorda um,
e esse acorda o outro... e dá uma confusão danada.

Um livro ótimo para quem esta iniciando no mundo literário,


com lindas gravuras e um texto leve e de fácil entendimento.
●Apresentar o livro e questionar os alunos oralmente antes da
leitura:
-O que vemos nesta capa?
-Qual é o nome deste livro?
-Quem são os autores?
-Quantas palavras formam o nome deste livro?
-Que editora a compilou?
-Há ilustrações?
-Quem são estes que estão em cima da cama?
-Será que nesta casa não há cama para todos que nela vivem?
-Em algum momento é possível notar desconforto da vovó?
-Do que será que o livro se trata?
-Será que eles ficarão dormindo para sempre?

● Aguçado a curiosidade fazer a leitura do livro.


- Nos finais de semana Felipe vai para a casa da vovó. É uma delícia!
Vovó sabe fazer bolo de chocolate, brigadeiro, bala de coco, pão de queijo...
Enfim, sabe fazer tudo que Felipe gosta. E lá não tem esse negócio de “hora de
comer isso, hora de comer aquilo... hora de brincar, hora de dormir...”
Vovó sabe contar histórias como ninguém.
- Conta mais uma vovó. Só mais uma!
Vovó coloca os óculos bem na ponta do nariz, faz uma cara engraçada e
fala bem fininho e fraquinho, imitando a voz da Chapeuzinho Vermelho, e bem
grosso e forte, imitando a voz do lobo mau. Ah! Quem é que não gosta de uma
vovozinha assim?
Um dia, quando Felipe chegou à casa da vovó, encontrou uma porção
de pedaços de tecidos espalhados pelo chão, perto da máquina de costura
onde ela estava trabalhando.
- O que é isso, vovó?
- São retalhos, Felipe. Fui juntando os pedaços de pano que sobravam
das minhas costuras e, agora, já dá para fazer uma colcha de retalhos. Vou
começar a emendá-los hoje mesmo.
- Posso ajudar vovó?
- Está bem. Então vá separando os retalhos para mim. Primeiro só os de
bolinha, depois os de listrinhas...
Felipe esparramou tudo pelo chão e foi separando-os um a um. Tinha
pano de florzinha, de lua e estrela, de bolinha grande e bolinha pequena,
listrado, xadrez...
- Olha esse pano listrado, é daquele pijama que você fez para mim
quando a gente passou aqueles dias no sítio, lembra?
- É mesmo Felipe, estou me lembrando. Que férias gostosas! Andamos
a cavalo, chupamos jabuticaba... As jabuticabeiras estavam carregadinhas!
- E olhe esse pano xadrez, que bonito vovó!
- É daquela camisa que eu fiz para você dar ao seu pai, no dia do
aniversário dele. Sua mãe fez um jantar gostoso e convidou todo mundo.
- Ah! Eu me lembro! Veio o tio Paulo, o tio João, a tia Josefina, veio a
Cecília e até o Rex, para brincar com o meu cachorro, Apolo. Parece que um
deles fez xixi na cozinha e o outro fez cocô no quintal, né?
- Seu pai ficou tão bonito! E assoprou as velinhas, todo vaidoso, de
camisa nova.
- É mesmo! Mas ficou bravo com os cachorros.
- Olha, Felipe esse retalho aqui. Não é daquele vestido que eu fiz para a
sua mãe ir a uma festa de casamento? Sabe, quando a sua mãe era pequena
eu fazia uma porção de vestidos para ela. E gostava também de bordá-los.
Uma vez fiz um vestido cor-de-rosa, inteirinho bordado com a branca de neve e
os sete anões. Quando o vestido ficou pronto, ela falou assim:
- Ué, mamãe, está faltando a bruxa!
- Vovó, esse pano azul-marinho está com a cara da Vó Maria.
- Era dela mesmo!
- Vovó Maria mora lá no céu, né? Junto com o vovô Luiz e o meu
cachorrinho Apolo... Ué, vovó, você está chorando? O que aconteceu?
- Não, - disse a vovó fungando e limpando o nariz com o lenço – não
estou chorando, não.
- Ah! Vovó! Vice não disse que nós somos amigos? Então, me conta o
que está acontecendo. Você está triste?
- É saudade, Felipe! É a saudade...
- Saudade dói, vovó?
- às vezes dói. Quando a saudade é de alguém que já foi embora para
nunca mais voltar...
- Ah!
- Mas existem outras saudades: de um passeio gostoso, de uma viagem,
de uma festa, de um amigo, de uma amiga, de um parente que mora longe...
-Vovó, acho que eu ainda não entendo nada de saudade.
- Eu sei. A gente só entende bem das coisas que já experimentou.
Talvez ainda seja muito cedo para você entender dessas coisas...Felipe, me
ajuda aqui. Vamos ver como é que está ficando a nossa colcha de retalhos!
- Que bonita vovó! Um dia você faz uma para mim também?
Depois de algum tempo, Felipe nem se lembrava mais da colcha de
retalhos. Um dia, ao voltar da escola...
- Felipe! A vovó mandou uma surpresa para você!
- Uma surpresa para mim? Onde?
- Está lá em cima da sua cama.
Felipe entrou no quarto correndo. A colcha estava sobre a sua cama.
Que linda! Mas não era uma colcha como essas que se vende, nas lojas. Cada
retalhinho tinha uma história.
Ali, deitado sobre a colcha, Felipe passou algum tempo lembrando-se de
uma porção de histórias. Observou um retalho de brim azul...
- Foi quando o papai e a mamãe viajaram de férias e eu fiquei lá na casa
da vovó. Um dia, fui subir na jabuticabeira e levei o maior tombo. Ralei o joelho,
fiquei com o bumbum dolorido e o short rasgado... que vergonha! Vovó veio
correndo lá de dentro. Me pegou no colo com carinho e, depois, nesse mesmo
dia, resolveu fazer um short novo para mim. E fez um short deste pano aqui,
de brim azul.
De repente, Felipe começou a sentir uma coisa estranha dentro do peito.
E aquilo foi aumentando, aumentando... Felipe foi atrás de sua mãe :
- Me leva na casa da vovó?
Não demorou nada e os dois estavam chegando lá na casa da vovó.
Tocaram a campainha e ela veio lá de dentro.
- Parece que eu estava adivinhando que você vinha. Fiz um bolo de
chocolate, do jeito que você gosta!
- Vovó, vem aqui pertinho. Agora me dá um abraço bem gosto
- Sabe, vovó... – cochichou Felipe, bem baixinho, no seu ouvido –
preciso te contar um segredo: eu acho que já entendi... agora já sei o que é
saudade!

● Continuar explorando oralmente a história:


- Qual o nome do autor do livro?
- Quem ilustrou?
- Quem são os personagens principais da história?
-Qual o assunto principal do livro?
- O que você aprendeu para a vida com a leitura da saudade? (a
partir da resposta desta pergunta, fazer o questionamento...).
- O que é SAUDADES?
♣ Levá-los a entender que são memória, recordações,
sentimentos, de pessoas ou coisa que vivemos que às vezes
passamos tempo sem ver, ou que talvez jamais tenhamos de novo
a chance de ver novamente, oque nos deixa um gostinho de querer
rever e reviver.

- Feita a exploração propor a seguinte atividade registar no


caderno

DITADO (Português): Lista de comidas preferidas e ilustração.

Em sala

Felipe quando vai para a casa da vovó, come um monte de comida


gostosa. Agora é a sua vez de pensar em 8 tipos de comida que
você mais gosta! Ilustre cada uma.

MATEMÁTICA: Dinâmica dos pares.


●Serão distribuídos papéis em forma de quadrados, como se fosse
os retalhos da colcha, onde haverá escrito a estampa que os alunos
deverão estampar (florais, listrados, bolinhas...);
● Feito isso pedir que cada um encontre o seu par. Haverá alguns
que não terão par.
● Fazer a exploração oral:
- Qual o total de alunos que achou seu par?
Esse número então é par ou ímpar?
- Qual o número de alunos que ficaram sem par?
Esse número é par ou ímpar?

♣ (Interdisciplinar) Partindo desta dinâmica, trabalhar a questão


das diferenças.
ENSINO RELIGIOSO: Diferença e autoconhecimento (oral)
- Quem conseguiu achar seu par? As flores ou listras que vocês
desenharam foram às mesmas?
♣ Abrir uma discursão que cada pessoa é um ser único que possui
algumas semelhanças, mas inúmeras diferenças sejam na cor, no
jeitinho, nos gostos,... E que devem ser respeitadas. E que mesmo
em meio a essa diversidade construímos relações que serviram
para o nosso crescimento pessoal. Assim como a colcha de
retalhos, foi uma “teia” de história e pessoas, mas que no final foi
compartilhado, assim também é na vida. Todos pensam
diferentes, sentem diferentes, agem diferentes. Aí está a riqueza
da diversidade, das identidades, dos valores. Todos podem ser
diferentes e construir algo com o mesmo objetivo. Nós somos
aquilo que vivemos. Somos um pouquinho da vida de nossos pais
e avós, das pessoas que estão à nossa volta.
A cultura, o modo de ser das pessoas influencia o nosso modo de
ser e de ver as coisas.
Buscar a nossa própria história nos proporciona o
autoconhecimento e o conhecimento de todos e tudo que nos
rodeia.

Agenda:
Pires do Rio, ____ de _________ de 2017.
Escola Municipalizada Sarah Skaf
Terça-feira

Desenvolvimento
● Acolhida
● Oração
● Música:
● Chamada
● Roda de conversa

♣ Retomando a aula anterior, relembrando a história “A colcha de


retalhos”, pedir que eles relatem o que às vezes, mas gostam de
fazer na casa da avó que em sua casa não faz...

PORTUGUÊS: Trabalhando poema: leitura, número de letras,


versos, sinais de pontuação, sílabas...
Em sala

Leia com atenção:

1- Quantos versos têm o poema?


R-

2- Quantas estrofes?
R-

3- Qual o título?
R-

4- Quem escreveu?
R-

5- Quantas palavras há no terceiro verso?


R-
06-Qual possui 3 sílabas?
R-

07-Circule os pontos de exclamação de amarelo.

08-Pescaria! Pescador leia com atenção as palavras abaixo e


descubra novas palavras:

CASA=

CHOCOLATE=

REFRESCO=

BOMBOM=

MATEMÁTICA: Trabalhando medida de comprimento.

● Contextualizando: vovó é uma costureira, e para que a


colcha de retalhos fique perfeita é necessário medir os tecidos,
assim como quando vamos fazer alguma roupa e tiram nossas
medidas.
- Como é que vovó mediu os tecidos? Qual o nome do
instrumento?

♣ Levá-los a perceber que além da fita métrica, existem outros


objetos que podemos utilizar para medir, como por exemplo a
régua( quando quero saber o tamanho do lápis), a trena (
quando quero medir a sala de aula)... todos esses objetos
servem para medir o comprimento e tamanho das coisas em
nossa volta. Que na régua a unidade usada é o centímetro
(cm), e depois aparece o metro (m).
- 100 cm = 1 m

Obs: professor ter todos o intrumentos em mãos de maneira


concreta, para que o aluno possa manusear e assim asssimilar
o conhecimento.

- Registrar atividade no caderno.


Em sala

Felipe possui um monte de lápis, cada um de um tamanho. Utilize


a régua para medir.

1- Qual o lápis maior? Quantos centímetros?


R-

2- Quantos centímetros o lápis 2 tem a mais que o 4?


R-

3- Quantos centímetros tem ao todo o lápis 2, 3 e 4, juntos?


R-
CIÊNCIAS: Onde moramos e tratamento da água
- Contextualizando:
Nós vivemos no planeta Terra. Que também é conhecido como
planeta azul pela grande quantidade de água de cobre maior parte
da superfície. (obs.: professor utilizar o globo terrestre)
Há muito tempo atrás as pessoas, no tempo de nossos bisavós,
para conseguir água tinha que ir aos córregos e rios, com baldes e
levar até suas casas. Não é como nos dias de hoje que ela chega
encanada em nossas casas. Mas antes disso ela passa pelas
Estações de Tratamento, onde são retiradas todas as impurezas,
para que assim possa ser consumida.
Obs.: professor use o livro didático página 96.

Agenda:
Pires do Rio, _____de _________de 2017.
Escola Municipalizada Sarah Skaf
Quarta - feira

Desenvolvimento
● Acolhida
● Oração
● Música:
● Chamada
● Roda de conversa

♣ Retomando a aula anterior, a avó de Felipe, do livro “A colcha


de retalhos”, adora cozinhar, por isso vive registrando receitas.

LEITURA DELEITE: Receita (Papel pardo, letra bastão)

Pão de queijo
Ingredientes
 2 ½ xícaras de polvilho doce
 ½ xícara de polvilho azedo
 1 xícara de leite
 1 xícara de óleo
 1 xícara de queijo parmesão ou minas
 3 ovos inteiros
 1 colher de chá de sal

Modo de preparo
 Bata tudo no liquidificador, menos o queijo;
 Despeje tudo em uma vasilha e misture com o queijo já ralado;
 Leve ao forno em forminhas de empada untada por 20 minutos.

● Leitura individual e coletiva;


● E explorar oralmente:
-O texto ensina a fazer o que?
- Quantas partes são divididas?
- Se eu fosse fazer 3 receitas, quantos ovos eu iria gastar?

PRODUÇÃO DE TEXTO (Português)


- Como vimos à história A colcha de retalhos, cada pedaço
lembrava alguma coisa especial, e todos nós temos algo que
somos apegados: brinquedo, animal de estimação, um cobertor...
Escolha o seu objeto preferido e crie um texto sobre ele, e depois
faça um bonito desenho.
- Registrar atividade no caderno de produção;
- Percorrer a sala e ajudar no que for preciso: acentuação,
pontuação, concordância...

MATEMÁTICA: Trabalhando noções de dobro.


Em sala

Agora copie e desenhe a quantidade dos ingredientes que irei


gastar para fazer 2 bolos.

INGLÊS: Nature ( natureza)


Em sala
Ilustre com um desenho os itens que pertencem a natureza

Sky = céu
Sun = Sol

Rain = chuva

Rainbow = Arco – íris

Agenda:
Pires do Rio, ___ de _______ de 2017.
Escola Municipalizada Sarah Skaf
Quinta -feira

Desenvolvimento
● Acolhida
● Oração
● Música:
● Chamada
● Roda de conversa

♣ Retomando a aula anterior, no livro A colcha de retalho pode


percebe que Felipe não sabia o que era um sentimento, que todos
nós possuímos que é a SAUDADE...

LEITURA DELEITE:

Eu tenho saudade de mil coisas


e todas essas mil coisas sempre caem
na mesma única coisa de que eu tenho tanta saudade.
Eu tenho saudade de tudo.
Não é um sentimento egoísta e muito menos possessivo.
É apenas uma saudadezinha.
Gostosa, tranqüila, bonita, saudável, de longe.
Tati Bernardi
PRODUÇÃO DE TEXTO: (Português) Acróstico/ Versos
● Contextualizando: Felipe descobriu o que cada retalho da
colcha produzia no coração de sua avó, que é a saudade. Saudade
como diz o poema lido, podemos sentir de várias coisas, pessoas,
animais e até mesmo momentos felizes que passamos!
● Vamos agora fazer todos juntos, um acróstico/versos com a
palavra SAUDADE, sobre o tema proposto. Solte a imaginação.
- Entregar os cadernos para registro;
- Professor escriba irá orientar na produção do texto

Em sala

S_____________________

A____________________

U_____________________

D____________________

A____________________

D_____________________

E_____________________
HISTÓRIA: Histórias de famílias (Exploração oralmente)
● Contextualizando: Felipe e sua avó pertencem a uma mesma
família. Você tem uma família.
- Quantas pessoas formam a sua família?
- Quem são essas pessoas?
♣ Abrir uma roda de conversa de maneira que eles percebam que
cada família tem uma história que reúne muita gente, pois cada
pai e cada mãe têm seu pai e sua mãe, filhos, irmão, tios e primos.
Em meio a essas histórias, vão sendo formados laços de amor e
respeito, e formando assim uma família, que há diferenças
composições familiares.
- Feito isso propor uma entrevista com a vovó, para descobrir suas
histórias;

Para casa
Entrevista com a vovó:
- Nome completo?
- Onde você nasceu?
- Em que ano?
- Como era a vida das crianças na sua época?
- O que brincavam?
- Como estudavam?
- Com quantos anos você se casou?
- Quantos filhos você tem?
- Quantos netos você tem?
- Qual sua música preferida?

MATEMÁTICA: Hoje estaremos fazendo uso do Tapetinho


PNAIC.
Iremos colocar os alunos em duplas em seguida pedir que
representem os números no tapetinho utilizando canudos e palitos
de picolé. Estaremos utilizando também números impressos para
que possam colocar nas ordens (unidade, dezena).
Obs. A professora irá dizer o número, o alunos irão fazer o agrupamento das
quantidades, explicar o valor posicional do número que soltos representam as unidades e
grupos representam as dezenas.
Pires do Rio, ____ de _______de 2017.
Escola Municipalizada Sarah Skaf
Sexta - feira

Desenvolvimento
● Acolhida
● Oração
● Música:
● Chamada
● Roda de conversa

♣ Retomando a aula anterior, ouvir a entrevista que cada um fez


com a vovó. Depois pedir que os alunos recontem oralmente a
história trabalhada durante a semana, A colcha de retalhos...
Questionar o que ele, mas gostaram? O que aprenderam?

PORTUGUÊS: Exploração oral

- Qual o título da história?

- Quantas palavras têm o título?

- Quantas letras?
- Quantas vogais?

- Os meninos criem uma frase coma a palavra “colcha”. As


meninas com a palavra “retalho”. Registre no quadro, e explore
sílabas, quantidade de palavras nas frases...

ARTES: Construção da Colcha de lembranças


- Separar a sala em grupos, e distribuir uma folha para cada um.
- Depois será entregue frases que eles terão que representar
através de um desenho:

● A pessoa mais importante para você.


● Lembre-se da melhor viagem que você fez.
● O vestido ou roupa que você mais gosta ou gostou.
●O brinquedo que mais marcou a sua infância.
● O que é mais importante para você.

- Após a confecção será colado em um pano como uma colcha


mesmo de retalhos, e exposto em sala de aula.

Interesses relacionados