Você está na página 1de 55

Imperfeições Cristalinas

Profa. Marjorie Benegra


O que é um Defeito
É uma imperfeição ou um "erro" no arranjo
periódico regular dos átomos em um cristal.

Podem envolver uma irregularidade


 na posição dos átomos
 no tipo de átomos

O tipo e o número de defeitos dependem do


material, do meio ambiente, e das
circunstâncias sob as quais o cristal é
processado.
2
Imperfeições Cristalinas
Os cristais reais apresentam inúmeros defeitos, que
são classificados por sua dimensão.

Defeitos Pontuais - Vacâncias


(dimensão zero) - Impurezas intersticiais e substitucionais

Defeitos Lineares Discordâncias (dislocations)


(dimensão um)

Defeitos Planares Interfaces e fronteiras de grão


(dimensão dois)

Defeitos Volumétricos Vazios, fraturas, inclusões e outras fases


(dimensão três)
Importância dos Defeitos
Pontuais
➢Influem principalmente as propriedades
ópticas e elétricas dos materiais.
➢Influem em processos como difusão,
transformação de fases, fluência, TT, etc.
➢Contribuem para aumento de resistência
mecânica (átomos intersticiais e
substitucionais).
4
Vacâncias ou Lacunas

 Envolve a falta de um
átomo

 São formados durante a


solidificação do cristal ou
como resultado das
vibrações atômicas (os
átomos deslocam-se de
suas posições normais)

5
Vacâncias ou lacunas
O número de vacâncias aumenta
exponencialmente com a temperatura

Nv= N exp (-Qv/KT)

Nv= número de vacâncias


N= número total de sítios atômicos
Qv= energia requerida para formação de vacâncias
K= constante de Boltzman = 1,38x1023J/at.K ou
8,62x10-5 eV/ at.K
6
Átomos Substucionais
Impureza substitucional - átomo diferente ocupando
uma vacância

Átomo substitucional Átomo substitucional


grande pequeno
Átomos Intersticiais

 Envolve um átomo extra no


interstício (do próprio cristal)

 Produz uma distorção no


reticulado, já que o átomo
geralmente é maior que o espaço
do interstício

8
Auto Intersticial

Átomo do próprio material Implica grandes


ocupando um interstício deformações na rede
Defeito de Frenkel

 Ocorre em sólidos
iônicos

 Ocorre quando um íon


sai de sua posição
normal e vai para um
interstício

10
Defeito de Schottky

 Ocorre em sólidos
iônicos

 Envolve a falta de um
ânion e/ou um cátion

11
Impurezas nos sólidos

Um metal considerado puro sempre tem


impurezas (átomos estranhos) presentes

99,9999% = 1022-1023 impurezas por cm3

A presença de impurezas promove a


formação de defeitos pontuais

12
Impurezas nos Sólidos
– Ligas Metálicas
As impurezas (chamadas elementos de liga)
são adicionadas intencionalmente com a
finalidade:

- aumentar a resistência mecânica


- aumentar a resistência à corrosão
- Aumentar a condutividade elétrica
- Etc.
13
Impurezas nos Sólidos
Átomos substitucionais Efeito da dimensão dos átomos
sobre a rede cristalina
Impurezas nos sólidos
– Ligas metálicas
Podemos controlar a quantidade de impurezas
para formar:
Soluções sólidas < limite de
solubilidade
Segunda fase > limite de
solubilidade
A solubilidade depende :
Temperatura
Tipo de impureza
 Concentração da impureza

15
Impurezas nos sólidos
– Ligas metálicas

Elemento de liga ou Impureza


soluto (< quantidade)

Matriz ou Hospedeiro
Solvente (>quantidade)

16
Soluções Sólidas
Nas soluções sólidas as impurezas podem ser:

- Intersticial
- Substitucional

17
Soluções Sólidas Intersticiais
 Osátomos de impurezas ou os elementos de liga
ocupam os espaços dos interstícios

 Ocorre
quando a impureza apresenta raio
atômico bem menor que o hospedeiro

 Como os materiais metálicos tem geralmente


fator de empacotamento alto as posições
intersticiais são relativamente pequenas
Geralmente, no máximo 10% de impurezas
são incorporadas nos interstícios
18
Soluções Sólidas Intersticiais
Fe + C
A solubilidade máxima do C no Fe é 2,1% a 910
C (Fe CFC)

O C tem raio atômico bastante pequeno


se comparado com o Fe

raio atômico do C= 0,071 nm= 0,71 A


raio atômico do Fe= 0,124 nm= 1,24 A

19
As regras de Hume-Rothery

Para que haja total miscibilidade entre dois metais, é


preciso que eles satisfaçam as seguintes condições

➢ Seus raios atômicos não difiram de mais de 15%


➢ Tenham a mesma estrutura cristalina
➢ Tenham eletronegatividades similares
➢ Tenham a mesma valência
Exemplos de Solução Sólida
Substitucional
Cu + Nisão solúveis em todas as
proporções
Cu Ni

Raio atômico 0,128nm=1,28 A 0,125 nm=1,25A

Estrutura CFC CFC

Eletronegatividade 1,9 1,8

Valência +1 (as vezes +2) +2

21
Interação entre
Imperfeições Pontuais
Devido à presença de vacâncias e interstícios, é
Difusão possível haver movimento de átomos de um
material dentro de outro material.

Movimentação dos átomos: interação átomo/lacuna


Interação entre
Imperfeições Pontuais

Energia de difusão
Interação entre
Imperfeições Pontuais
Difusão substitucional: átomos trocam de lugares com as lacunas
Taxa de difusão depende: n. de lacunas energia de ativação para a troca
Interação entre
Imperfeições Pontuais

Difusão intersticial-mais rápida do que a difusão das lacunas


(mais interstícios e os átomos são menores)
Interação entre
Imperfeições Pontuais
Interdifusão: os átomos tem tendência a migrar das regiões de maior
concentração para as de menor concentração
Importância dos Defeitos
de Linha- Discordâncias

➢ Deformação mecânica.

➢ São responsáveis pelo fato de que os metais são cerca


de 10 vezes mais “moles” do que deveriam.

➢ São responsáveis pelo encruamento.


Discordância em Linha ou
em Cunha
VETOR DE BURGER (b)
➢Dá a magnitude e a direção de distorção
da rede

➢Corresponde à distância de deslocamento


dos átomos ao redor da discordância

29
Discordância em linha
ou em Cunha

O circuito não se fecha. O vetor necessário para


O circuito se fecha. fechar o circuito é o vetor de Burgers, b, que
caracteriza a discordância.
Neste caso b é perpendicular a discordância
Discordância em Hélice

Neste caso o vetor de


Burgers é paralelo a
discordância.
Uma boa analogia para o
efeito deste tipo de
discordância é
“rasgar a lista telefônica”
Discordância Mista

O vetor de Burgers mantém


uma direção fixa no espaço.
Na extremidade inferior
esquerda, onde
a discordância é pura hélice,
b paralelo a discordância.
Na extremidade superior
direita, onde discordância é
pura linha, b perpendicular
a discordância.
Discordâncias no TEM

33
Discordâncias e Deformação
Mecânica
Uma das maneiras de representar o que acontece quando um material se
deforma é imaginar o deslizamento de um plano atômico em relação a
outro plano adjacente.
Interação entre Imperfeições
Pontuais e de Linha

Átomos de soluto ocupam lugares da rede cristalina de um dado


metal; Estes átomos provocam distorção na rede; para minimizar
a energia do material procuram lugares onde se acomodam mais
facilmente => junto a discordâncias....

Dificuldade em movimentar Aumento da resistência


as discordâncias do material
Interação entre Imperfeições
Pontuais e de Linha
Interação do átomo de soluto
Solução sólida com as discordâncias
Interação entre Imperfeições
Pontuais e de Linha
Considerações Gerais

 A quantidade e o movimento das discordâncias podem ser controlados


pelo grau de deformação (conformação mecânica) e/ou por tratamentos
térmicos

 Com o aumento da temperatura há um aumento na velocidade de


deslocamento das discordâncias favorecendo o aniquilamento mútuo
das mesmas e formação de discordâncias únicas

 Impurezas tendem a difundir-se e concentrar-se em torno das


discordâncias formando uma atmosfera de impurezas

38
Considerações Gerais
 O cisalhamento se dá mais facilmente nos planos de maior
densidade atômica, por isso a densidade das mesmas
depende da orientação cristalográfica

 As discordâncias geram vacâncias

 As discordâncias influem nos processos de difusão

 As discordâncias contribuem para a deformação plástica

39
Defeitos Planos ou Interfaciais

Envolvem fronteiras (defeitos em duas dimensões) e


normalmente separam regiões dos materiais de
diferentes estruturas cristalinas ou orientações
cristalográficas

 Superfície externa
 Contorno de grão
 Fronteiras entre fases
 Maclas ou Twins
 Defeitos de empilhamento
40
Superfícies Externas
 É o mais óbvio

 Na superfície os átomos não estão completamente


ligados

 Então o estado energia dos átomos na superfície é maior


que no interior do cristal

 Os materiais tendem a minimizar esta energia

 A energia superficial é expressa em erg/cm2 ou J/m2)


41
Contorno de Grão

 Corresponde à região que separa dois ou mais


cristais de orientação diferente
um cristal = um grão
 No interior de cada grão todos os átomos estão
arranjados segundo um único modelo e única
orientação, caracterizada pela célula unitária
42
Formação dos Grãos
A forma do grão é
controlada:
 pela presença dos
grãos circunvizinhos

O tamanho de grão é
controlado
 Composição
 Taxa de cristalização
ou solidificação

São criados durante a solidificação do material ou durante processos


de deformação e recristalização
43
Imperfeições de Superfície
O contornode grão separa duas regiões de orientações
cristalográficas diferentes no material.

Os contornos de grão. O contorno de grão é uma região de alta energia,


devido à sua alta densidade de defeitos cristalinos.
Considerações gerais
contorno grãos
 Há um empacotamento ATÔMICO menos
eficiente
 Há uma energia mais elevada
 Favorece a nucleação de novas fases
(segregação)
 Favorece a difusão
 O contorno de grão ancora o movimento
das discordâncias

45
Monocristal e Policristal

Monocristal: Material com apenas uma


orientação cristalina, ou seja, que contém
apenas um grão

Policristal: Material com mais de uma


orientação cristalina, ou seja, que contém
vários grãos

46
Lingote de Alumínio
Policristalino

47
Imperfeições de Superfície
Macla (Twin)
Fronteira de alta simetria onde
Macla (twin)
um grão é o espelho do outro.

Formadas pela
aplicação de
tensão mecânica
ou em tratamentos
térmicos de
recozimento
(annealing)
Imperfeições de Superfície
Maclas (Twins)
➢ É um tipo especial de
contorno de grão
➢ Os átomos de um lado do
contorno são imagens
especulares dos átomos
do outro lado do contorno
➢ A macla ocorre num
plano definido e numa
direção específica,
dependendo da estrutura
cristalina

49
Imperfeições de Superfície

➢ O seu aparecimento
está geralmente
associado com A
PRESENÇA DE:
- tensões térmicas e
mecânicas
- impurezas
- Etc.

50
Imperfeições Volumétricas
➢ São introduzidas no processamento do material e/ou na
fabricação do componente

Inclusões
Precipitados
Fases
Porosidade

51
Imperfeições Volumétricas
Inclusões

INCLUSÕES DE ÓXIDO DE COBRE (Cu2O) EM


COBRE DE ALTA PUREZA (99,26%) SULFETOS DE MANGANÊS
LAMINADO A FRIO E RECOZIDO A 800o C. (MnS) EM AÇO RÁPIDO
52
Imperfeições Volumétricas –
Porosidade

As figuras abaixo apresentam a superfície de ferro puro durante o seu processamento


por metalurgia do pó. Nota-se que, embora a sinterização tenha diminuído a quantidade
de poros bem como melhorado sua forma (os poros estão mais arredondados), ainda
permanece uma porosidade residual.

COMPACTADO DE PÓ DE FERRO
COMPACTADO DE PÓ DE
APÓS SINTERIZAÇÃO
FERRO,COMPACTAÇÃO
A 1150oC, POR 120min EM
UNIAXIAL EM MATRIZ DE
DUPLO EFEITO, A 550 MPa ATMOSFERA DE HIDROGÊNIO 53
Imperfeições Volumétricas
Segunda Fase

A MICROESTRUTURA É COMPOSTA POR VEIOS DE GRAFITA SOBRE UMA MATRIZ PERLÍTICA.


CADA GRÃO DE PERLITA, POR SUA VEZ, É CONSTITUÍDO POR LAMELAS ALTERNADAS DE
DUAS FASES: FERRITA (OU FERRO-A) E CEMENTITA (OU CARBONETO DE FERRO).
54
Imperfeições Volumétricas
Precipitados

microestrutura da liga Al-Si-Cu + Mg mostrando diversas fases


precipitadas

55