Você está na página 1de 26

Visagismo

Material Teórico
Pilares de Aplicação do Visagismo

Responsável pelo Conteúdo:


Prof.ª Esp. Ionice Silva Melo

Revisão Textual:
Prof.ª Me. Luciene Oliveira da Costa Granadeiro
Pilares de Aplicação do Visagismo

• Introdução;
• Linhas e Seus Significados.

OBJETIVO DE APRENDIZADO
• Conhecer os pilares fundamentais do visagismo: linhas, formas e cores. Estará apto a
reconhecer diferentes estilos visagistas por meio de análise de imagens e total look.
Orientações de estudo
Para que o conteúdo desta Disciplina seja bem
aproveitado e haja maior aplicabilidade na sua
formação acadêmica e atuação profissional, siga
algumas recomendações básicas:
Conserve seu
material e local de
estudos sempre
organizados.
Aproveite as
Procure manter indicações
contato com seus de Material
colegas e tutores Complementar.
para trocar ideias!
Determine um Isso amplia a
horário fixo aprendizagem.
para estudar.

Mantenha o foco!
Evite se distrair com
as redes sociais.

Seja original!
Nunca plagie
trabalhos.

Não se esqueça
de se alimentar
Assim: e de se manter
Organize seus estudos de maneira que passem a fazer parte hidratado.
da sua rotina. Por exemplo, você poderá determinar um dia e
horário fixos como seu “momento do estudo”;

Procure se alimentar e se hidratar quando for estudar; lembre-se de que uma


alimentação saudável pode proporcionar melhor aproveitamento do estudo;

No material de cada Unidade, há leituras indicadas e, entre elas, artigos científicos, livros, vídeos
e sites para aprofundar os conhecimentos adquiridos ao longo da Unidade. Além disso, você
também encontrará sugestões de conteúdo extra no item Material Complementar, que ampliarão
sua interpretação e auxiliarão no pleno entendimento dos temas abordados;

Após o contato com o conteúdo proposto, participe dos debates mediados em fóruns de discus-
são, pois irão auxiliar a verificar o quanto você absorveu de conhecimento, além de propiciar o
contato com seus colegas e tutores, o que se apresenta como rico espaço de troca de ideias e
de aprendizagem.
UNIDADE Pilares de Aplicação do Visagismo

Introdução
Porque Estudar Linhas, Formas e Cores?

Observe a Figura 1… Na sua opinião...


• Qual é a sensação ao olhar esta imagem?
• Calor?
• Frio?

Observe a Figura 2… Na sua opinião...


• Qual é a expressão desta imagem?
• Sólida?
• Dinâmica?

Figura 1 Figura 2
Fonte: iStock/Getty Images Fonte: iStock/Getty Images

Observe as três cadeiras da Figura 3… Na sua opinião...


• Qual cadeira é a mais aconchegante, em qual você se sentirá bem confortável?
• Qual cadeira é a mais dinâmica, aquela que parece estar em movimento?
• Qual cadeira parece mais sólida e firme, e transmite impressão de ser segura, forte?

Figura 3
Fonte: iStock/Getty Images

8
As imagens transmitem ideias, conceitos, emoções e sensações. Elas são com-
postas por linhas, formas e cores; quando juntas, expressam e definem o que a
imagem representa. Como as linhas e formas são símbolos arquetípicos*, conse-
guem passar impressões que não são conscientes, mas percebidas.

O cérebro tem uma área chamada tálamo, que identifica os símbolos arquetípi-
cos, reconhece-os e transmite para o sistema responsável pelas sensações. Tudo
isso antes que o córtex possa processar a imagem racionalmente.

Arquétipo: na psicologia analítica, significa a forma imaterial a qual os fenômenos psíqui-


Explor

cos tendem a se moldar. C. G. Jung usou o termo para se referir a estruturas inatas que
servem de matriz para a expressão e desenvolvimento da psique.

CÉREBRO ESQUERDO

CRIATIVO
LÓGICO
ARTE
ANÁLISES
EMOÇÃO
RAZÃO

Figura 4 Figura 5
Fonte: Adaptado de iStock/Getty Images Fonte: iStock/Getty Images

Com essas ilustrações, queremos chamar sua atenção para referência de que
o visagismo estuda impressões e imagens, com fundamentos fisiológicos do ser
humano. Como visagistas, é muito importante que desenvolvamos os dois lados
do cérebro, equilibrando, assim, a visualização e a análise dos procedimentos a
serem executados.

É com esses pilares fundamentais do visagismo que os profissionais traduzem a


linguagem visual.

Linhas e Seus Significados


Quando olhamos para algo, seja um objeto, uma paisagem, ou até mesmo uma
pessoa, os nossos olhos percorrem inconscientemente essas imagens e nos trazem
uma sensação. Isso é determinado pelas 4 linhas básicas que têm características
inatas que podemos encontrar nessas imagens.

E quais são essas 4 linhas básicas, e quais sensações representam cada uma delas?

9
9
UNIDADE Pilares de Aplicação do Visagismo

• Linhas retas verticais: força, controle e estrutura, linhas masculinas, associa-


das à retidão e à liderança, intelectualidade e conservadorismo.
• Linhas retas horizontais: linhas imóveis, poder e segurança, barreiras (inti-
midação e negação), linhas frias e masculinas, proporcionam conforto, segu-
rança e estabilidade.

Figura 6 Figura 7
Fonte: iStock/Getty Images Fonte: iStock/Getty Images

• Linhas arredondadas: em geral, são emotivas, sendo longas e onduladas,


transmitem paz, calma, sensualidade, romantismo, são linhas femininas. Quan-
do são linhas arredondadas e fechadas, transmitem desorganização, são lúdicas
e infantis.
• Linhas diagonais: extroversão, motivação irregularidade, desorganização e, quando
se deseja incentivar alguém para fazer algo, movimentos diagonais são empregados.

Figura 8 Figura 9
Fonte: iStock/Getty Images Fonte: iStock/Getty Images

Formas e Seus Significados


As formas são construídas com os quatro tipos de linhas citados acima, sendo
elas: linhas verticais, linhas horizontais, linhas inclinadas e linhas curvas.

Essas linhas formam figuras geométricas, como o quadrado, o triângulo, o círcu-


lo e a lemniscata, e todas as outras são formadas através delas.

10
A visualização das formas é muito importante para quem trabalha criativamente
com a imagem pessoal. No visagismo, isso se faz na criação de penteados, maquia-
gem e cortes de cabelo, por exemplo. É necessário poder projetar a forma antes de
criá-la. Também é importante identificar essas formas na figura humana. Observe o
rosto, a cabeça, o pescoço e os ombros e identifique as diferentes formas geomé-
tricas que são encontradas nelas.

Algumas formas são:


• esfera ovóide (cabeça)
• oval (rosto)
• cilindro (pescoço)
• esfera e círculo (olho)
• retângulo (testa)
• pirâmide (nariz)
• triângulo (parte central do rosto)
• triângulo (boca)
Figura 10
• triângulo (ombros) Fonte: iStock/Getty Images

Cores, Texturas e Seus Significados


Como as cores nos fazem sentir?

Uma maneira de entender e conceituar a linguagem da cor é compará-la com a


maneira como compreendemos outras línguas. Todas as teorias da cor são teorias
da linguagem, e o modo como “falamos”, “ouvimos”, ou “lemos” as cores nos
revela muito sobre a maneira pela qual entendemos o mundo.

Figura 11 Figura 12
Fonte: iStock/Getty Images Fonte: iStock/Getty Images

11
11
UNIDADE Pilares de Aplicação do Visagismo

Figura 13 Figura 14
Fonte: iStock/Getty Images Fonte: iStock/Getty Images

Sabemos que elas podem afetar nossas emoções, mas a questão é se isso acon-
tece puramente como resultado de significados comunicados por meio de signos,
ou se há um vínculo mais profundo entre as cores e os estados mentais.

Signos: na interpretação da semiótica, é todo código que aparece, ou se manifesta ao ser


Explor

humano, sendo captado por meio dos seus sentidos, produzindo sensações e podendo ser
considerados pensamentos, ou ideias.

Reflita sobre esta citação. Você concorda com o autor?


“Uma cor, ou uma composição colorida, pode significar algo diferente
para cada pessoa que olha para ela. Poderíamos dizer que a cor não se
forma apenas no olho, mas também no Eu.”

(FRASER; BANKS, 2012)

Como leitura adicional, sugerimos o filósofo francês Maurice Merleau-Ponty (1908-1961).


Explor

Ele defendia uma dinâmica de ver/visto na qual o ver é um duplo fenômeno: um encontro
com o mundo e um encontro consigo mesmo.

Na história da arte ocidental, o simbolismo cristão teve influência primordial na


utilização da cor. A igreja tem suas próprias tradições no uso de cores para repre-
sentar aspectos da fé. Você sabia que, por volta do ano 1200, o papa Inocêncio
III organizou um calendário em uma paleta de preto, branco, vermelho, verde e
violeta. Essas mesmas cores são utilizadas até hoje, designadas oficialmente pelos
seus nomes latinos.
• O branco é usado para celebrações como o Natal e a Páscoa e em dias santos.
• O vermelho, que simboliza o sangue, é utilizado e exibido em dias de celebra-
ção associados ao martírio.
• O verde representa a vida e é empregado para ocasiões cotidianas.

12
• O violeta é usado durante o Advento e a Quaresma, indicando um período de
reflexão e penitência.
• O preto é reservado para certas missas fúnebres, em memória dos mortos e na
sexta-feira santa, o dia em que cristo foi crucificado.

O Simbolismo é um movimento literário da poesia e das outras artes que surgiu na França,
Explor

no final do século XIX, como oposição ao Realismo, ao Naturalismo e ao Positivismo da


época. Leia mais sobre o assunto no link a seguir: https://goo.gl/kzZU8f

Na tradição islâmica, as cores são concebidas em um nível metafísico, derivando


da ideia de que luz e escuridão são duas possibilidades eternas que atravessam o
universo. Vinculam uma significação específica ao número sete, que determina a
construção da paleta de cores islâmica convencional. Ela é composta de três níveis,
contendo dois arranjos das sete cores básicas e um conjunto adicional de vinte e oito.

Metafísico: trata-se de problemas centrais da filosofia teórica – são tentativas de descrever os


Explor

fundamentos, as condições, as leis, a estrutura básica, as causas, ou os princípios, bem como o


sentido e a finalidade da realidade como um todo, ou dos seres em geral.

No primeiro nível, as cores são reunidas em um grupo de três e um grupo de


quatro. O grupo de três compreende o branco, o preto e o sândalo:
• O branco é descrito como a luz do sol, que permite que as cores fluam para
o mundo.
• O preto carrega o conceito de ocultação, que deriva de uma noção de Deus
ocultando-se em seu próprio brilho.
• O sândalo pode ser visto como uma base neutra para todas as cores da natureza.

O grupo de quatro compreende o verde, o amarelo, o azul


e o vermelho. Cada um é associado a um elemento:
• o verde é a água;
• o amarelo é o ar;
• o azul é a terra;
• o vermelho é o fogo.

Já deu para entender por que estudar as cores é muito


importante?

As cores causam grande impacto na forma em que so-


mos percebidos pelos outros, isso inclui a nossa imagem
pessoal e profissional. Figura 15
Fonte: iStock/Getty Images

13
13
UNIDADE Pilares de Aplicação do Visagismo

Vamos entender essa influência no decorrer desta unidade.

Grandes filósofos tiveram muita influência na interpretação dessa ferramenta


que é muito importante para nosso estudo. Uma grande contribuição veio por
Wilhelm Ostwald, químico e filósofo alemão. Dentre suas obras, destacam-se a
Filosofia Natural (1902) e Ciência da Cor (1923).

Fundador da físico-química, ele criou um conjunto de métodos e princípios


teóricos responsáveis pelo surgimento desse novo ramo, das ciências experimen-
tais. Trabalhou para a vida pública, estava interessado em reformas educacionais
e em monismo.

Monismo: é o nome dado às teorias filosóficas que defendem a unidade da realidade como
Explor

um todo, ou a identidade entre mente e corpo à afirmação de realidades separadas.

Até o fim de sua vida, as cores e formas foram estudadas, no esforço de en-
contrar uma padronização científica para cores. Seus principais trabalhos nesse
campo são Die Farbenfibel (A cartilha coulour), Die Farbenlehre (Teoria da cor),
Die Harmonie der Farben (Harmonia das cores). He also published a periodical
Die Farbe (Colour).

Desenvolveu o cone duplo de cores, que permite uma classificação com maior
precisão. Hoje em dia, seu sistema é usado como um atlas de identificação de co-
res que é muito útil, particularmente para quem se interessa pelo aspecto estético
da cor. Sua elaboração permite utilizar certas normas para a harmonia das cores,
que apresentam resultados mais aceitáveis para o homem comum. Seu sistema se
baseia em cores principais e suas combinações.
Explor

Cone duplo de cores, disponível em: https://goo.gl/1NoYco

Johannes Itten é um nome importante na história da cor. Foi professor de es-


cola primária, e teve formação de pintor, desenvolveu o disco de cores, que ainda
hoje permite descobrir combinações harmoniosas de cores. Observou que as cores
pessoais dos alunos eram, consistentemente, as complementares para os seus tons
de pele, cabelo e olhos, tanto em tonalidades, como em intensidade.

Importante! Importante!

Ele descobriu que havia uma relação entre as cores que seus alunos usavam e a cor da pele.

Cada aluno pintava com uma determinada cor mais do que com outra e que
essa cor se assemelhava à cor da sua pele. Por exemplo, quem pintava com cores
quentes, tinha um tom de pele quente.

14
A descoberta do ritmo e depois da composição
harmoniosa, era um dos frequentes temas das suas
aulas, divididas em áreas principais: estudos de ob-
jetos naturais e materiais.
A nova roda de cores de Itten revolucionou a
maneira em que criamos as cores, influenciando
os artistas.
A roda de cores de Itten tinha em conta a sen-
sação subjetiva que se associa com a cor objetiva e
os valores psíquicos e emocionais das cores. Itten
assegurava que existem determinadas característi-
cas inerentes às cores particulares que influencia-
Figura 16
ram a maneira em que se sente o observador. Fonte: Wikimedia Commons
É assim, por exemplo, que “o azul é frio”. As
teorias desenvolvidas por Itten tinham por objetivo o “Eu”: os estudantes deviam
procurar o seu próprio ritmo e desenvolver uma personalidade harmoniosa. Em
1928, publicou um livro sobre cor, no qual mostrou que havia uma relação entre a
cor da pele e a personalidade.
Nos anos de 1980, consultoras de moda e imagem norte-americanas e europeias
– entre elas, Carole Jackson – adaptaram os estudos do Sistema Sazonal de Cores, de-
senvolvido por Itten, para a moda, aprimorando as cartelas de cores pessoais de guarda-
-roupa, acessórios, maquiagem e coloração de cabelos para cada tipo cromático.
Então, o que é cor?
Fisicamente definido, cor é um efeito de luz, do reflexo da luz. Sem luz, não
somos capazes de perceber qualquer cor, ou distinguir sombras. E, claro, isso está
ligado à nossa visão, à nossa capacidade de detectar ondas eletromagnéticas de
uma extensão particular.

Como o olho Córtex


visual
funciona

Olho Nervo Núcleo geniculado


Músculo reto óptico lateral
superior
Lente Retina
Esclera Fovea
Disco óptico
Nervo óptico
Córnea Veia e artéria
Pupila central da retina
Corpo ciliar Músculo reto inferior

Figura 17
Fonte: Adaptado de iStock/Getty Images

15
15
UNIDADE Pilares de Aplicação do Visagismo

Cor é visão e luz, refração e reflexão. Cor é a percepção da frequência, ou do


comprimento de onda da luz e pode ser comparada à nota musical, que é a percep-
ção da frequência, ou do comprimento de onda do som. Para ver, são necessárias
três coisas: uma fonte de luz, um detector (o olho) e um objeto.

Importante! Importante!

A nossa capacidade de perceber cores é quase limitada: um olho treinado e altamente


sensível é capaz de distinguir até 3 milhões de tons de cores. Em comparação, o sistema
de cores Pantone* (veremos nas próximas unidades), uma proeminente ferramenta de
comunicação de cores da indústria da moda e do design, especifica cerca de 2 mil cores.

Para além das definições físicas, as cores se desenvolveram em uma linguagem


muito sofisticada para simbolizar coisas concretas, bem como para expressar sen-
timentos, emoções e conectar os campos material e intelectual.

Vamos então refletir e sentir a expressão das cores:


• Azul - Calma, frieza, serenidade, introspecção, sabedoria, solidão, espaço,
verdade, beleza, gelidez;
• Vermelho - Paixão, perigo, raiva, sexo, poder, sentimentos fortes, simbologia
do fogo, controle, sangue;
• Amarelo - Chamativo, alegre, criativo, ouro, otimismo, jovialidade, ostensivo;
• Roxo - Teologia, magia, feminismo, sobriedade, esoterismo.

Trocando ideias...Importante!
Lembre-se de que cores, formas, ângulos, linha e texturas na construção de imagem
são elementos comuns.

A textura é uma forma de expressão. Então significa ato de tecer e, dessa for-
ma, podemos observar texturas em todos os ambientes e materiais diversos. Esses
elementos estão presentes no mundo todo, em várias outras realidades. Na área da
moda, especificamente, esses elementos têm a ver com humor, costumes, cultura,
e podem influenciar o bem-estar.
Explor

Aprenda mais sobre Texturas no link a seuir: https://goo.gl/Ngvk9Z

Por vezes, utilizamos as texturas sem a compreensão de seus símbolos ou ex-


pressão. Podemos citar o preto e branco, que são clássicos também cheios de
significado. O primeiro é resultado da ausência de cor, que funciona como escudo,
transmite sobriedade, elegância e mistério. Como toda cor escura, tende a diminuir

16
a superfície, a cor preta dá ideia de emagrecimento. Enquanto o branco é o soma-
tório de todas as cores e nos transmite pureza, paz e tranquilidade.

E, agora, nosso assunto é estampa.

Quem não gosta de estampas?!

Muitos de nós vamos dizer que sim, outros dirão que não.

É importante entender sobre a escolha dos tecidos. Porém, as estampas têm seu
apelo, desenhos de flores e estampas étnicas que, combinados com as cores claras,
possuem efeito calmante, além de traduzirem feminilidade, harmonia, comunhão, equi-
líbrio, ternura, fragilidade e conforto. Já os desenhos geométricos remetem à moder-
nidade. Dos tecidos, além do caimento, é preciso entender a informação que cada
material vai transmitir. Podemos citar a seda, de toque suave e macio, traduz delicadeza,
romantismo e feminilidade. Enquanto o couro, que é um tecido pesado, mas, se combi-
nado com cores suaves e o toque suave da camurça, pode ficar romântico e moderno.

Observe estas imagens e comece a exercitar reconhecimentos das linhas, formas, cores,
Explor

texturas… Este é só o início !

Figura 18 Figura 19
Fonte: iStock/Getty Images Fonte: iStock/Getty Images

Linguagem Gestual
A linguagem gestual é objetiva, sendo que cada gesto tem um significado pró-
prio, que foi estabelecido por convenção. Na linguagem corporal, determinadas postu-
ras ou gestos são mais subjetivos, podendo ou não revelar uma atitude mental ou física.

Encontre aqui significados, conceitos e definições sobre os mais variados assuntos, em:
Explor

https://goo.gl/HXX8pT

Também vamos conceituar: linguagem verbal, onde a comunicação é estabele-


cida através de linguagem escrita, ou falada, e a linguagem não verbal, constituída
por gestos, imagens, movimentos, cores, texturas, linhas e formas.

17
17
UNIDADE Pilares de Aplicação do Visagismo

No visagismo, o recurso de linguagem visual junto com o conjunto de técni-


cas e procedimentos é o que faz o indivíduo refletir e definir qual é a sua nova
intenção de imagem e estilo, é um processo que ajuda o cliente a se conhecer e
se expressar melhor.
• Linhas verticais: são linhas imóveis, e nos trazem uma sensação de seriedade;
percebemos isso claramente nos gestos, quando uma pessoa quer ser enfática
e decidida usa os gestos verticais.
• Linhas horizontais: também são linhas inatas e nos trazem sensação de serie-
dade; quando uma pessoa não quer que haja discussão, e quer encerrar algum
assunto usa gestos horizontais.
• Linhas curvas: românticas, delicada, sensual; quando usamos gestos ondula-
dos, há uma sensação de calma, lirismo e sensualidade.

Estilos Sob a Leitura Visagista


O que você diria da foto a seguir?

Figura 20
Fonte: iStock/Getty Images

Importante! Importante!

O visagismo, quando aplicado, permite criar um estilo pessoal para cada indivíduo, ou
seja, personalizar uma imagem.

Ao pesquisarmos sobre tendências, as duas maiores são a customização e des-


padronização. O visagismo, por sua vez, foge dos padrões ditados pela moda, pois
o trabalho do visagista é personalizar um serviço, criar um estilo pessoal por meio
de conceitos ferramentas e técnicas.

18
Um Pouco da História
Antigamente, no ocidente, ter estilo era privilégio apenas de algumas pessoas
da classe aristocrática, que refletia valores da nobreza, assim as demais pessoas
não tinham senso de estilo em suas roupas, imagens e utensílios. O padrão de
estilo foi criado pelos gregos da antiguidade, quando a nobreza refletia fineza,
respeito, harmonia.

Durante o século XVII, os valores foram alterados, primeiro pela decadência


da nobreza e depois com a alta da burguesia, que ocorreu no período da revo-
lução industrial, o estilo passou então a ser uma manifestação de poder, sem
princípios. Já no século XIX e XX, os burgueses foram compondo as classes
dominantes e, no mesmo período, formava-se também a classe média e o prole-
tariado, em que a educação e poder econômico lhes davam também direito a um
estilo. Porém, era um estilo diferente, com pensamentos e valores opostos aos da
classe dominante e conservadora. A imagem pessoal começou a ser usada para
manifestação de valores.

Existe uma pergunta que todo profissional visagista faz ao seu cliente:

Qual imagem você deseja passar?

Para as autoras do livro “Vista quem você é: descubra e aperfeiçoe seu estilo
pessoal”, estilo pessoal é a soma das preferências, estilo de vida e da personalida-
de, que define identidade visual. Elas ainda ressaltam que o estilo pessoal é algo
que sofre mudança de acordo com o momento, a necessidade, é adaptável, porém,
quase sempre possui uma essência.

Vamos entender melhor.

A imagem pessoal de um indivíduo define quem ele é e quem pode ser no meio
em que vive, pois sabemos que a primeira coisa que fala por nós é a nossa ima-
gem. Philip nos ensina que, quando criamos uma harmonia entre a personalidade
e a imagem de uma pessoa, podemos trazer diversos benefícios, um deles é uma
melhora na autoestima e bem-estar no geral.

O estilo pessoal é uma grande ferramenta para o visagista e cliente, pois, por
meio, dele você irá oferecer opções de praticidade e elegância, ou melhorias para
disfarce em algo em seu corpo por exemplo. Assim, é muito relevante que seu es-
tudo seja feito de forma atenciosa e detalhada.

Agora vamos começar entendendo os principais estilos e suas características:

Clássico
Na Figura 21, podemos observar linhas retas, postura sólida, textura pesada,
predominância de cores neutras, um corte de cabelo reto, seriedade, comprome-
timento. Observe também que na composição da imagem existe um tom amarelo
que dinamiza o look clássico, transformando a imagem num moderno.

19
19
UNIDADE Pilares de Aplicação do Visagismo

Natural
Quanto conforto? Em um look natural, livre e solto, cabelos e barba naturalmen-
te por fazer, camisa sem finalização de costura, cores neutras (Figura 22).

Figura 21 Figura 22
Fonte: iStock/Getty Images Fonte: iStock/Getty Images

Romântico
Delicadeza pura? Sim, o romantismo está no ar, babados e renda, cor em tom
rosa bebê, penteado delicado, com acessórios minimalistas, maquiagem caracteri-
zada, flores compõem a imagem (Figura 23).

Dramático
Como se destaca? Ousadia, dinamismo, cores vibrantes, linhas diagonais, ma-
quiagem e acessório ousados. Observe as linhas inclinadas, a composição total das
cores nos transmite ousadia (Figura 24).

Figura 23 Figura 24
Fonte: iStock/Getty Images Fonte: iStock/Getty Images

O visagismo apresenta conceitos e ferramentas para criar um estilo a partir da composição


Explor

das linhas, cores e formas. Portanto, para personalizar um estilo, precisamos fazer a junção
desses aspectos mediante intenção de cada pessoa.

20
Introdução da Aplicação do Visagismo em
Maquiagem, Cabelo, Vestuário e Acessórios
O visagismo orienta a perceber alguns gestos e interpretar características do
indivíduo. As formas dos objetos, onde vamos conceituar linhas retas, ou curvas,
linhas verticais, horizontais, ou inclinadas, cores e texturas.

Importante! Importante!

Todos esses conceitos devem ser observados nas maquiagens, cabelos, vestuário e acessórios.

Vale lembrar que a maquiagem é utilizada desde a história antiga. Nossos an-
cestrais a utilizavam para identificar classe social e poder. No Egito, a maquiagem
destacava a nobreza (ECO, 2004). Podemos afirmar que a maquiagem sensibiliza
o olhar do outro e promove emoções.
O estilo de cabelo, as roupas e os acessórios, masculinos, ou femininos, vão
identificar características:

Figura 25 Figura 26 Figura 27


Fonte: iStock/Getty Images Fonte: iStock/Getty Images Fonte: iStock/Getty Images

Trocando ideias...Importante!
Vamos juntos observar as imagens... Em comum, todos estão sorrindo e descontraídos, MAS,
ao observar as LINHAS dos óculos, gola das camisetas e camisa, dos óculos, braços cruzados e
braços em aparente movimento, vamos reconhecer signos e transformá-los em informação.

Que linhas identificamos?

Em Síntese Importante!

Podemos dizer que é uma pessoa descontraída e emotiva ao observar as linhas do ócu-
los, linha de contorno da barba, da textura confortável de sua roupa e formato dos olhos
e cabelo. Mas a linha predominante de seu rosto é uma linha reta, envolvendo-o com
atitudes de força, liderança e controle. Podemos sugerir que ele trabalha bem em equi-
pe, pode ser um líder de ótimo relacionamento interpessoal.

21
21
UNIDADE Pilares de Aplicação do Visagismo

Trocando ideias...Importante!
Pense em situações suas – se for uma aluna, ou se for um aluno –, e relembre algumas
situações e frases: “vou a uma festa e quero uma maquiagem mais forte” ; “para esta
ocasião, vou fazer uma maquiagem bem leve”.

Figura 28
Fonte: iStock/Getty Images

A partir dos conceitos de LINHAS, FORMAS e CORES, vamos exercitar perce-


ber essas referências em nossas fotos pessoais.

Qual é seu estilo?

Quais linhas se destacam em sua expressão e suas vestimentas habituais?

22
Material Complementar
Indicações para saber mais sobre os assuntos abordados nesta Unidade:

Leitura
Evolução de estilo: veja famosas que mudaram radicalmente o visual
Evolução de estilo: veja famosas que mudaram radicalmente o visual. Observe o
impacto das imagens, em qual momento elas estão, a composição das linhas, cortes
de cabelo, look total, maquiagem, postura para fotos.
https://goo.gl/kchRTQ
As articulações entre o corpo e a maquiagem corporal de Craig Tracy
https://goo.gl/dxgCeu
Entenda por que a rainha Elizabeth II só usa cores vibrantes
Convidamos você para ler e analisar a matéria da revista exame mencionando o real
motivo pelo qual a rainha Elizabeth II sempre usa cores vibrantes em sua composição
de look para eventos oficiais.
https://goo.gl/tt3X2w
Kim Kardashian mostra frasco de perfume feito ao molde de seu corpo: ‘como estátua’
https://goo.gl/ij5Cqm

23
23
UNIDADE Pilares de Aplicação do Visagismo

Referências
FRASER, T.; BANKS, A. O essencial da cor no designer. São Paulo: Senac, 2012.

OSTWALD Wilhelm. In: Wikipédia, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Fou-


ndation, 2017. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Wi-
lhelm_Ostwald&oldid=50630657>.

Sites Visitados
https://pt.wikipedia.org/wiki/Textura#Texturas_naturais

24