Você está na página 1de 65

Cálculo (Volume 2)

Conteúdo

1 Capa 1

2 Prefácio 2

3 Prefácio 3

4 Cônicas 4

5 As cônicas 5
5.1 Parábola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
5.1.1 Exemplo 1 - Parâmetros da parábola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
5.1.2 Exemplo 2 - Equação da parábola . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
5.2 Elipse . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
5.2.1 Exemplo 1 - Parâmetros da elipse . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
5.2.2 Exemplo 2 - Equação da elipse I . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
5.2.3 Exemplo 3 - Equação da elipse II . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7
5.3 Hipérbole . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
5.3.1 Exemplo 1 - Encontrando os parâmetros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
5.3.2 Exemplo 2 - Encontrando a equação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

6 Formas paramétricas 11
6.1 Formas paramétricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
6.1.1 O parâmetro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
6.1.2 Interpretando valores e gráficos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
6.1.3 Funções paramétricas diversas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
6.1.4 Derivadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
6.1.5 Integrais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

7 Formas polares 19
7.1 Formas polares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
7.1.1 As coordenadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
7.1.2 Funções polares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
7.1.3 Derivadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
7.1.4 Plotando gráficos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
7.1.5 Plotando gráficos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22

i
ii CONTEÚDO

7.1.6 Integrais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
7.1.7 Áreas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
7.1.8 Comprimento de curvas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24

8 Geometria tridimensional 25
8.1 Coordenadas tridimensionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
8.2 Vetores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
8.3 Retas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
8.3.1 Equações da reta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
8.3.2 Relacionando duas retas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
8.4 Planos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
8.4.1 Equação do plano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
8.4.2 Pontos no plano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
8.4.3 Interseção entre planos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
8.4.4 Distância entre ponto e plano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
8.5 Superfícies simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
8.5.1 Superfícies cilíndricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
8.5.2 Superfícies quadrátricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

9 Sistemas de coordenadas 32
9.1 Coordenadas retangulares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
9.1.1 Localização de pontos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
9.1.2 Planos primários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
9.1.3 Distância entre pontos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
9.1.4 A esfera . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
9.2 Coordenadas cilíndricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
9.3 Coordenadas esféricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34

10 Vetores no espaço 35
10.0.1 Definição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
10.0.2 Adição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
10.0.3 Subtração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
10.0.4 Multiplicação por escalares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
10.0.5 Propriedades do produto por escalares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37

11 Vetores e produtos 38
11.1 Produtos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
11.1.1 Produto escalar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
11.1.2 Produto vetorial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
11.1.3 Produto misto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

12 Funções vetoriais 42
12.1 Funções e curvas vetoriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
CONTEÚDO iii

12.1.1 Exemplo 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
12.2 Limites . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
12.2.1 Exemplo 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
12.3 Continuidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
12.4 Derivadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
12.4.1 Exemplo 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
12.5 T48 - Ortogonalidade entre função e derivada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
12.6 Integrais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
12.6.1 Integral definida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
12.6.2 Integral indefinida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
12.6.3 Teorema fundamental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
12.6.4 Exemplo 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

13 Aplicações de funções vetoriais 45


13.1 Arcos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
13.1.1 Reparametrização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
13.1.2 Exemplo 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
13.1.3 Exemplo 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
13.2 Curvaturas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
13.2.1 T49 - Curvatura da função vetorial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
13.2.2 Exemplo 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
13.3 Curvatura em duas dimensões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
13.3.1 T50 - Curvatura de uma função no plano (x,y) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
13.4 Normais e binormais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
13.4.1 Exemplo 5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
13.5 Mecânica no espaço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
13.5.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
13.5.2 Acelerações tangentes e normais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
13.5.3 Exemplo 6 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50

14 Funções de várias variáveis 52

15 Funções 53
15.1 Funções de duas variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
15.1.1 Definições . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
15.1.2 Representação gráfica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
15.1.3 Curvas de nível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
15.2 Funções de mais de duas variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54

16 Derivadas parciais 55

17 Integrais múltiplas 56
17.1 Integrais Duplas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
iv CONTEÚDO

17.1.1 Integrais duplas sobre retângulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56

18 Integrais de linha 57
18.1 Fontes, contribuidores e licenças de texto e imagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
18.1.1 Texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
18.1.2 Imagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
18.1.3 Licença . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
Capítulo 1

Capa

1
Capítulo 2

Prefácio

2
Capítulo 3

Prefácio

Este livro inicia o estudo do Cálculo para várias variáveis


e análises mais complexas, ao contrário do que muitos
possam pensar este não é um livro voltado para a dis-
ciplina Cálculo II, presente em vários cursos universi-
tários, principalmente porque a base curricular de todos
os países lusófonos não é a mesma, na verdade a divisão
deste estudo foi feita pensando na acomodação do con-
teúdo em três livros distintos, de forma a comportar todo
o conteúdo da disciplina, embora que mantendo a ordem
programática do conteúdo de forma didática.
O Cálculo de várias variáveis inicia-se por novos concei-
tos de representação gráfica das funções, o que é impres-
cindível para que tenhamos meios de analisar funções que
desenvolvem seus valores sob formas multidimensionais.
Em seguida, com um estudo da geometria tridimensional
nos aprofundamos no uso da análise de funções no es-
paço, o que nos possibilita verificar as grandezas no nosso
dia a dia com exemplos práticos. Depois teremos um es-
tudo do Cálculo vetorial, uma ferramenta extremamente
poderosa e largamente utilizada nos diversos cursos da
área de ciências exatas, seguindo temos uma introdução
a equações diferenciais, que devido a sua complexidade
deverá ser melhor explorada no volume III e finalmente
uma introdução a séries, também mais bem explorada no
próximo livro.
A abrangência deste tema nos leva a uma maior apro-
ximação das análises práticas mais complexas dentro do
universo, a compreensão destes conceitos faz a distinção
dentro dos que dominam técnicas de análise simples e
renomados estudiosos de nossos tempos. Por isso, convi-
damos a todos os apaixonados pela análise matemática a
vislumbrar mais este desafiante conteúdo, que nos revela
novas possibilidades, como todas as novas ferramentas
que aprendemos a usar e com as quais nos fascinamos.

3
Capítulo 4

Cônicas

Wikiversidade - Disciplina: Cálculo III

4
Capítulo 5

As cônicas

Conjuntos de pontos definidos em um gráfico podem ser parábola é resultante de uma equação puramente quadrá-
analisados de acordo com suas características simétricas, tica. Resta-nos saber quais as relações desta equação com
como por exemplo, aquelas que definem uma equivalên- a definição de foco e diretriz.
cia de valores, ou uma correspondência dos mesmos em
Observemos o gráfico a seguir:
relação a pontos específicos no gráfico. Certos pontos
que podem ser considerados como referência de valores Logo abaixo do foco, o ponto A é conhecido como vér-
simétricos em relação aos pontos de uma curva são, ge- tice, que se estabelece como o ponto mínimo absoluto no
ralmente, referenciados como os focos. De forma geral gráfico da parábola.
os focos de um sistema podem ser conseguidos quando o A distância entre o foco e o vértice é a mesma do vértice
conjunto de pontos analisado assume contornos de estru- para a diretriz, os pontos na parábola mantém a mesma
turas cônicas cortadas por planos inclinados. distância do foco e da diretriz.
O efeito do secionamento de cones por planos geram estas A simetria nos sugere que podemos encontrar uma rela-
estruturas que são chamadas de cônicas, ou seções côni- ção simples para uma parábola cujo vértice está no ponto
cas, como muitas vezes são referenciadas em alguns tex- (0, 0) e que possui foco no ponto (0, fy ) . Fazendo a re-
tos de geometria. lação de simetria temos:
Muitas vezes devemos adicionar um eixo de referência P = (x, y) ;
para que as características de simetria sejam observadas.
Esta reta chamamos de diretriz. F = (0, fy ) ;
Q = (x, −fy ) .
O que nos permite fazer:
5.1 Parábola
PF = PQ
√ √
x2 + (y − fy )2 = 0 + (y + fy )2
x2 + (y − fy )2 = (y + fy )2
x2 + y 2 − 2yfy + fy2 = y 2 + 2yfy + fy2
x2 − 2yfy = 2yfy
x2 = 4yfy
x2
y= 4fy

E eis nossa equação quadrática para esta parábola primá-


ria estabelecida nos eixos.
Esta relação é meramente funcional para o foco no eixo
das ordenadas, se quisermos fazer uma equivalência de
variáveis e estabelece-la para as abscissas teremos:
y2
x= 4fx
Generalizando para o plano cartesiano xy , temos a equa-
ção acima como um conjunto particular da equação mais
geral, onde podemos observar fx e fy como a distância
A parábola é a cônica mais simples, ela representa o con- entre foco e vértice, considerando-o como parâmetro in-
junto de pontos em torno de um único foco, o qual es- dependente da posição, neste caso podemos escrever:
tabelece uma relação de simetria com uma diretriz. A

5
6 CAPÍTULO 5. AS CÔNICAS

y= x2
4p
5.2 Elipse
ou,
y2
x= 4p
Para cada um dos casos acima, identificando p como dis-
tância foco-vértice. Esta denominação nos faz pensar em
uma equação independente de posição. Tomando como
base o vértice, podemos dizer que, se o mesmo tem co-
ordenada (xv , yv ) temos:
(x−xv )2
y= 4p + yv
ou,
(y−yv )2
x= 4p + xv

5.1.1 Exemplo 1 - Parâmetros da parábola

Encontrar os parâmetros da parábola:


y = x2 − 2x + 4 .
Façamos a adaptação da equação para o formato que nos A elipse é uma cônica largamente utilizada, principal-
permita analisar os valores: mente em áreas de tecnologia e Física. As característi-
y = x2 − 2x + 1 − 1 + 4 . cas fundamentais do seu formato estão relacionadas di-
retamente com a natureza das teorias de espaços curvos,
y = (x − 1)2 + 3 . que são estudadas atualmente pelos físicos teóricos. Nas
y−3= 4 1 (x−1)2 áreas de tecnologia, as características de hiperbolicidade
(4) no comportamento de certas grandezas físicas, desta-
Como podemos verificar o vértice da parábola está no cando as eletromagnéticas, são aplicáveis em vários equi-
ponto (1, 3) . Uma vez que a equação representa uma pamentos onde observam-se conceitos elétromagnéticos
função onde a variável das abscissas tem grau 2, o foco e e ópticos, os mesmos possuem comportamentos elípticos
o vértice da parábola estão no mesmo valor de x e como devido a estas características.
o parâmetro p = 14 , temos o valor do foco: Define-se a elipse como o conjunto de pontos em torno
( )
f0 = 1, 13 4
de dois focos, onde a soma das distâncias entre um ponto
e cada foco é uma constante. Vejamos o gráfico abaixo:
E a diretriz é:
A equação da elipse pode ser encontrada, como no caso
y = 114 anterior da parábola, explorando a propriedade de sime-
tria dos diversos pontos, os quais mantém a soma das duas
distâncias para os focos sempre igual para todos os pontos
5.1.2 Exemplo 2 - Equação da parábola da curva. Podemos fazer:
F1 P + F2 P = K
Encontrar a equação da parábola cujo vértice está na coo-Sendo P , um ponto qualquer e K a constante. Conforme
denada (2, −3) e está distante da sua diretriz 3 unidades,
observamos no gráfico, temos dois lados simétricos onde
sabendo que a concavidade da mesma está voltada para a distância ao foco de cada lado é e , a altura é b e uma
cima. distância entre o foco e o ponto b que é a , o que nos leva
Como a concavidade da parábola está voltada para cima, a dizer que K = 2a , portanto:
temos o foco e o vértice para o mesmo valor de x que tem F P + F P = 2a
1 2
grau 2:
2
Sendo a elipse centrada nos eixos, temos os pontos:
y + 3 = (x−2)
12 F1 = (e, 0)
y = x −4x+4
2

12 − 3 F = (−e, 0)
2
x2 −4x−32
y= 12 P = (x, y)
A equação é: O que nos leva a:
x2
√ √
y= 12 − x
3 − 8
3 (x − e)2 + y 2 + (x + e)2 + y 2 = 2a
5.2. ELIPSE 7

√ √
(x + e)2 + y 2 = 2a − (x − e)2 + y 2 Portanto,
Elevando os dois termos da equação ao quadrado:
√ • O centro da elipse está na coordenada (1, 2) ;
(x+e)2 +y 2 = 4a2 −4a (x − e)2 + y 2 +(x−e)2 +y 2
Fazendo a simplificação algébrica, teremos: • O raio maior mede 4 unidades e é paralelo às orde-
√ nadas;
ex = a2 − a (x − e)2 + y 2
√ • O raio menor mede 3 unidades e é paralelo às abs-
a2 − ex = a (x − e)2 + y 2
cissas.
Elevamos os dois membros ao quadrado novamente:
• Os vértices são: (1, 6) ; (1, −2)
(a2 − ex)2 = a2 [(x − e)2 + y 2 ]
Depois das simplificações algébricas teremos:
Para calcular as coordenadas dos focos fazemos:
(a2 − e2 )x2 + a2 y 2 = a2 (a2 − e2 ) √
e = ± a2 − b2
Porém, observando o gráfico, podemos concluir que: √
e = ± 42 − 32
(a2 − e2 ) = b2 √
e=± 7
e a equação pode ser:
( √ )
b2 x2 + a2 y 2 = a2 b2 • Os focos são: 1, 2 ± 7 .
O que nos leva a equação da elipse:
x2
a2 + y2
b2 =1 5.2.2 Exemplo 2 - Equação da elipse I
Podemos verificar que quando x = 0 temos: y = ±b e Encontrar a equação da elipse cujos focos tem como co-
quando y = 0 temos: x = ±a , sendo estes valores o ordenadas: (3, 1) ; (3, −5) e raio menor igual a 2 unida-
menor e o maior raio para a cônica, respectivamente. des.
Quando substituimos as variáveis ou as constantes, uma Podemos verificar que os focos estão sobre um mesmo
pela outra, temos uma elípse cujo maior raio sustenta- valor de abscissa, enquanto que as ordenadas são 1 e −5
se no eixo das ordenadas, pois a correlação de valores é , o que nos dá um valor de e = 3 , logo temos:
intuitivamente perceptível no gráfico. De maneira geral, √
se a > b teremos uma elipse com o raio maior sobre as a = e − b
2 2

abscissas e se b > a a teremos com o raio maior sobre a = 32 − 22
ordenadas. √
a= 5
O centro da elipse serve de referência quando a mesma
não está centrada na orígem do sistema de eixos. Para O centro da elipse está no ponto médio entre os dois fo-
converter valores a forma correta para uma elipse fora cos, ou seja: (3, −2)
da orígem do sistema de eixos, usamos a referência das A equação da elipse é, portanto:
coordenadas absolutas do ponto onde o centro da elipse se (x−3)2 2

encontra, para encontrar a equação correta para a mesma: 4 + (y+2)


5 =1
(x−x0 )2 (y−y0 )2
a2 + b2 =1
5.2.3 Exemplo 3 - Equação da elipse II
Encontrar a equação da elipse, cujos focos são( expressos
)
5.2.1 Exemplo 1 - Parâmetros da elipse por f = (±4, 0) e que passa pelo ponto p = 3, 12 5 .
Em primeiro lugar:
Encontrar o eixo maior, o eixo menor, os vértices e os
focos da elipse representada pela equação: 16x − 32x + a2 − b2 = 16
2

9y 2 − 36y − 92 = 0 . e
Primeiro, reduzimos a equação a forma padrão para ana- 9 + 144 = 1
2 25b2
lisar os valores das constantes, para isso formamos qua- a
drados perfeitos com as partes de cada variável: 225b + 144a2 = 25a2 b2
2

16(x2 − 2x + 1 − 1) + 9(y 2 − 4y + 4 − 4) − 92 = 0 Que nos dá o sistema:


{
16(x − 1)2 − 16 + 9(y − 2)2 − 36 − 92 = 0 a2 − b2 = 16
144a2 + 225b2 = 25a2 b2
16(x − 1)2 + 9(y − 2)2 = 144
Podemos resolvê-lo por substituição, da segunda equação
(x−1)2 (y−2)2
9 + 16 =1 temos:
8 CAPÍTULO 5. AS CÔNICAS

225b2
a2 = 25b2 −144
aos dois pontos, podemos verificar que:
Que substituimos na primeira equação: |F2 P | − |F1 P | = ±K
2
225b
25b2 −144 + b2 = 16 Note que, ao definirmos as ditâncias como referência,
devemos assegurar que oa seus valores sejam absolutos
225b2 − 25b4 + 144b2 = 400b2 − 2304 e depois estabelecer o sinal correto para a constante em
25b4 + 31b2 − 2304 = 0 cada caso.
Considerando que b2 deve ser positivo, a raiz possível da Quando estabelecemos os valores das constantes pode-
equação é: mos fazer com que:
b2 = 9 e2 = a 2 + b 2
Então, substituimo-la em: Esta relação pode ser facilmente visualizada observando-
225b2 se o gráfico abaixo:
a2 = 25b2 −144
225·9
Adaptando a equação anterior, como no caso da elipse,
a2 = 25·9−144 teremos:
a2 = 25 |F2 P | − |F1 P | = ±2a
√ √
Portanto, a equação da elipse é: (x + e)2 + y 2 − (x − e)2 + y 2 = ±2a
x2 y2 √ √
25 + 9 =1 (x + e)2 + y 2 = (x − e)2 + y 2 ± 2a
Elevamos os dois lados da equação ao quadrado e simpli-
ficamos:
5.3 Hipérbole √
(x+e)2 +y 2 = (x−e)2 +y 2 ±4a (x − e)2 + y 2 +4a2

ex = a2 ± a (x − e)2 + y 2

ex − a2 = ±a (x − e)2 + y 2
Elevamos novamente ao quadrado os dois lados da equa-
ção:
e2 x2 − 2exa2 + a4 = a2 x2 − 2exa2 + e2 a2 + a2 y 2
e2 x2 + a4 = a2 x2 + e2 a2 + a2 y 2
(e2 − a2 )x2 = a2 (e2 − a2 ) + y 2 a2
Como b2 = e2 − a2 , podemos fazer:
b2 x2 = a2 b2 + y 2 a2
b2 x2 − y 2 a2 = a2 b2
O que nos revela a equação da hipérbole:
x2 y2
a2 − b2 =1
De forma análoga ao caso da elipse, podemos verificar
que quando y = 0 temos x = ±a , porém para o caso
em que x = 0 o valor está indefinido, visto que a função
O uso desta cônica no estudo das teorias de geometrias não existe no intervalo entre os dois vértices.
não euclidianas é fundamental, a hipérbole é especial-
mente explorada nas novas teorias da Física devido as Note que o sinal das partes variáveis determina a direção
características das superfícies hiperbólicas presentes nos do gráfico, no caso2 acima, onde a2 expressão mostra a sub-
modelos do universo. tração da parte xa2 pela parte yb2 , temos uma hipérbole
com focos na horizontal, no caso contrário temos uma
A hipérbole é definida como o conjunto de pontos em um
hipérbole com focos na vertical.
gráfico, cuja diferença das distâncias entre qualquer des-
tes pontos e os seus dois focos é igual a uma constante. Para os casos onde a hipérbole tem focos na vertical a
Não acidentalmente, o modelo de relação de simetria pre- equação é definida como:
sente na hipérbole é muito parecido com o da elipse, na y2 2
− xb2 = 1
verdade, podemos fazer a mesma análise da distância en- a2
tre pontos e focos, que fizemos com a elipse, para encon- O que define os coeficientes a12 e − b12 comuns às duas
trar a equação da hipérbole. formas de hipérboles, definindo a posição das variáveis
como determinante da direção onde a cônica irá ser apre-
Considerando a relação de simetria dos pontos em relação
5.3. HIPÉRBOLE 9

sentada no gráfico. Agora podemos avaliar a equação e verificar que:


No gráfico podemos verificar duas retas diagonais que
se interceptam na orígem, estas retas são as assíntotas • O centro da hipérbole está no ponto: c = (1, 1)
das hipérboles, a sua inclinação é característicamente ex-
• Os vértices estão nos pontos: v1 = (3, 1) , v2 =
pressa por:
(−1, 1)
dy
= ± ab
dx
• Podemos calcular os focos, calculando a distância
Podemos demonstrar isto implicitamente a partir da focal:
equação da hipérbole; vejamos:

x2 y2
− = 1 (eq.1) e= 9+4
a2 b2

logo: e = 13
2xdx
a2 − 2ydy
b2 =0 √
• • Os
√ focos são: f1 = (1 + 13, 1) , f2 = (1 −
xdx ydy
a2 = b2 13, 1)
dy xb2
= ya2
dx
• Calculamos as assíntotas:
Eliminemos a variável dependente a partir da equação
original: O coeficiente angular é m = 32

y = ± a x − a → Retirada da equação da hipérbole Que nos fornece as assíntotas:
b 2 2

(eq.1).
Substituimos na derivada logo acima, obtendo: • 1. y = 1 + 3x
2
dy
dx = ± a√xxb
2 −a2 2. y = 1 − 3x
2
Uma vez que estas assintotas, são tangentes da curva da
hipérbole quando seu valor tende a infinito, devemos en- 5.3.2 Exemplo 2 - Encontrando a equação
contrar o limite deste valor no infinito:
dy
dx = limx→∞ ± a√xxb
2 −a2
Encontrar uma equação para representar a hipérbole cu-
jos
( focos √ ) −7) ; (1, 3) , que contém o ponto
são (1,
dy
= limx→∞ ± √b
dx a2
a 1− x 2
2, −2 + 4 153

Ou seja: Mais uma vez, devemos encontrar o centro da cônica,


dy
= ± ab que fica no ponto médio do eixo onde os valores variam...
dx
Como podemos observar, devemos fazer a média do eixo
O que nos permite verificar que a equação das assintotas, y , o que nos dá o ponto:
tomando a orígem como ponto inicial, define-se como:
y = ± ab x • c = (1, −2)

Como centro da cônica. Depois podemos encontrar a dis-


5.3.1 Exemplo 1 - Encontrando os parâme- tância focal, subtraindo os valores de y nos pontos dos
focos pelos do centro:
tros
• e=5
Encontrar os parâmetros da hipérbole 9x2 −4y 2 −18x+
8y − 31 = 0 .
Da definição, temos que:
O processo é basicamente o mesmo no caso da elipse, (y−y )2 2

façamos a adaptação da equação para que torne-se seme- a2


c
− (x−xb2
c)
=1
lhante a da definição: Logo:
(√ )2
9x2 − 18x − 4y 2 + 8y − 31 = 0 153

− b12 = 1
4

9(x2 − 2x + 1 − 1) − 4(y 2 − 2y + 1 − 1) − 31 = 0 a2

16a2 − b2 = 1
153 1
9(x − 1)2 − 9 − 4(y − 1)2 + 4 − 31 = 0
153b2 − 16a2 = 16a2 b2
9(x − 1)2 − 4(y − 1)2 − 36 = 0
Como e2 = a2 + b2 , temos o sistema:
9(x − 1)2 − 4(y − 1)2 = 36 {
153b2 − 16a2 = 16a2 b2
(x−1)2 (y−1)2
4 − 9 =1 2
a +b 2
= 25
10 CAPÍTULO 5. AS CÔNICAS

Utilizemos a substituição:
16a2
b2 = 153−16a2
Na segunda equação:
16a2
25 = a2 + 153−16a2

3825 − 400a2 = 153a2 − 16a4 + 16a2


16a4 − 569a2 + 3825 = 0

9 10
Para a qual temos as raízes: a2 = 9 e a2 = 32
Para a raiz mais simples, temos:
16(9)
b2 = 153−16(9)

b2 = 16
Portanto, a equação é:
(y+2)2 (x−1)2
9 − 16 =1
Capítulo 6

Formas paramétricas

Wikiversidade - Disciplina: Cálculo III 6.1.2 Interpretando valores e gráficos

A princípio, todos os novos conceitos a respeito de for-


mas de representação podem nos trazer uma certa dificul-
dade inicial, uma vez que temos uma certa inércia à novos
conceitos, o que nos exige um esforço inicial para que
possamos assimilar novos métodos, um certo esforço é
6.1 Formas paramétricas necessário para que tenhamos meios mais eficientes para
analisar certas formas gráficas.
Agora iremos introduzir conceitos que mudam a forma A variável parâmetro, geralmente representada por t ,
de análise gráfica de funções, no estudo clássico de aná- é muitas vezes associada ao tempo em algumas análi-
lise cartesiana estamos acostumados a tomar uma variá- ses na Física, porém aqui temos que generalizar o seu
vel como independente e outra como dependente, porém uso, englobando-a em diversas situações, mais apropria-
isto nos traz uma grave limitação: não podemos repre- damente, podemos representar diversos conjuntos de va-
sentar formas que apresentem mais de um valor para a lores sob a forma paramétrica, mas o melhor meio de fa-
variável dependente, obviamente, gráficos de formas que zer as análises e torná-las compreensíveis é fazer a re-
apresentam mais de um valor da variável dependente para presentação gráfica das mesmas. Introduziremos agora
cada valor da variável independente não são funções, po- alguns conceitos para facilitar a análise de evoluções de
rém se fizermos a representação dos valores de forma que funções segundo a representação gráfica bidimensional
tenhamos uma lei que determine as duas variáveis de um com o par (x, y) .
gráfico bidimensional, poderíamos encontrar um meio de
representar tais formas, isto é feito com um artifício cha- Lembre-se que o parâmetro é a variável independente,
mado: parametrização. na próxima seção iremos intro- o que nos dá a possibilidade de arbitrar os valores para
duzir este conceito, que é muito útil na representação de a mesma, portanto a primeira regra é estabelecer uma
duas ou mais variáveis em um gráfico. seqüência de evolução de valores para t , o que nos per-
mite estabelecer um meio de representá-los no gráfico,
geralmente usamos uma seta sobre a linha do traçado da
curva para indicar o sentido convencional de evolução dos
valores do parâmetro, ou seja, definimos que a seta aponta
para valores de t maiores em relação aos anteriores, co-
6.1.1 O parâmetro
locando setas sobre o traçado da curva de forma a prover
um caminho de evolução do parâmetro.
O processo para se obter um conjunto de pontos com
Analisemos a evolução de valores de uma função muito
variáveis cartesianas de forma a não estipular uma rela-
conhecida: a circunferência, os valores que desenvolvem
ção obrigatória entre as mesmas é conseguido com uma
o traçado da mesma podem ser determinados pelas equa-
variável a parte, que define os valores das coordenadas,
ções paramétricas:
mas não é usada diretamente no gráfico, esta variável é
chamada de parâmetro. Teremos que nos habituar a esta
nova maneira de analisar os valores de uma função, veja- • x = cos(t)
mos como criar uma função simples usando o parâmetro:
• y = sen(t)
Seja a equação x = y 2 , podemos observar que a mesma
não pode ser representação de uma função se tomarmos
x como abscissa, visto que teremos mais de um valor pos- Para isto devemos estabelecer uma faixa de valores para
sível a y , o que fazemos neste caso é dizer que y = t e t , que neste caso deve ser: 0 ≤ t ≤ 2π , verificando os
x = t2 . Ou seja: valores em seqüência crescente temos:

11
12 CAPÍTULO 6. FORMAS PARAMÉTRICAS

O que observamos é uma distribuição de valores que nos


permite avaliar certas características do formato gráfico a
ser apresentado quando plotamos os resultados das equa-
ções paramétricas acima. Em primeiro lugar notamos
que os pontos se mostram equidistantes da orígem dos
eixos (0, 0) , o que nos indica que temos uma circunfe-
rência de raio unitário. Obviamente, este resultado já era
esperado, visto que as equações paramétricas acima nada
mais são que as equações de definição do seno e do cos-
seno. Apesar desta contatação ser um tanto simples de
constatar, podemos utilizá-la para que possamos delinear
certos direcionamentos para análise de formas mais com-
plexas.
Inicialmente, faça uma relação entre parâmetro e valores
das outras variáveis, assim como fazemos em (x → y)
, com as relações que já fizemos em gráficos de relação
direta entre duas variáveis em Cálculo I.
Separando as variáveis e analisando a evolução das mes-
mas em relação ao parâmetro poderemos verificar a evo-
lução dos valores frente à evolução do parâmetro, isto
deve ser feito para que tenhamos a noção de como os va- Temos uma circunferência.
lores do gráfico evoluem, uma característica muito útil Isto confirma que a função paramétrica que gera os pontos
deste tipo de análise é que podemos observar o “cami- [cos(t), sen(t)] representa uma circunferência.
nho” descrito pelos pontos a medida que os valores do pa-
Da mesma forma isto nos fornece uma visualização do
râmetro aumentam. Se pensarmos mais detalhadamente
que acontece quando analisamos um gráfico de forma
poderemos ver que:
parcial, ou seja, temos uma função [cos(t), t] , outra
[t, sen(t)] e, finalmente, [cos(t), sen(t)] , se acompa-
nharmos o desenvolvimento das funções simples que for-
mam os valores para cada ponto, temos uma idéia do que
acontece com a função paramétrica composta pelas mes-
1. A evolução dos valores de x determinam uma traje- mas. Como deve estar explícito, fizemos com que a fun-
tória ao longo das abscissas; ção que determina os valores de y varie ao longo do eixo
x e que a função que determina os valores de x varie ao
longo do eixo y , o artifício aqui usado permite que use-
mos os eixos como base temporária para o parâmetro t
, ou seja ao analisar a função de y devemos considerar
2. A evolução dos valores de y determinam uma traje- x = t , fazendo o oposto com a função que determina x .
tória ao longo das ordenadas;

6.1.3 Funções paramétricas diversas

Algumas funções paramétricas são comumente usadas ou


citadas devido a sua excentricidade e sua história... As
Em coseqüência disto, a interligação de pontos orientados
análises abaixo nos ajudarão a compreender melhor estas
por setas nos mostra a evolução dos valores do gráfico,
funções, além de nos dar uma visão mais detalhada de
vinculando-os aos valores do parâmetro, o que possibilita-
como esboçar e prever seu comportamento.
nos avaliar a seqüência de pontos que é criada a medida
que o parâmetro varia.
De forma a observar a evolução dos valores podemos es- Reta
boçar as curvas de x , y e em relação ao parâmetro e assim
teremos uma idéia de como o gráfico será desenvolvido, As equações paramétricas que definem a reta estão re-
poderemos então esboçar (x, y) , veja abaixo: lacionadas diretamente à inclinação de um segmento em
6.1. FORMAS PARAMÉTRICAS 13

particular, estas aão:


f (t) definida como:

t , (−∞, ∞)
x = x0 + (x1 − x0 ) t

y = y0 + (y1 − y0 ) t
Onde (x0 , y0 ) e (x1 , y1 ) , são os pontos que definem a
reta.
Observe que temos uma progressão linear dos valores de
das variáveis da reta a medida que atribuimos valores ao
parâmetro, isto nos permite verificar que as relações in-
dependentes para cada variável contibuem para uma con-
cordância com a equação da reta que todos já conhece-
mos, podemos verificar isto aplicando a eliminação do
parâmetro nas equações acima, façamos:
x−x0
t= x1 −x0

y = y0 + (y1 − y0 ) x−x0
x1 −x0
y1 −y0
y = y0 + (x − x0 ) x1 −x0
• x está representada em vermelho;
Uma vez que:
y1 −y0 • y está representada em azul
m= x1 −x0
onde m é o coeficiente angular para dois pontos. • Duas referências dos valores das funções para t = 2
estão representadas em violeta.
Temos:
y = y0 + m (x − x0 ) Veja que os valores das funções se combinam perfeita-
Que é a clássica equação da reta, que todos conhecemos. mente, determinando o ponto exato do encontro dos dois
valores que o definem. O recurso do uso de eixos virtuais
sobrepostos aos eixos do gráfico para representar as fun-
Ciclo parabólico ções isoladamente, permite que tenhamos uma noção de
como estes valores se desenvolvem em relação ao parâ-
Um ciclo parabólico pode ser conseguido usando-se fun- metro, facilitando o esboço da função paramétrica.
ções trigonométricas quadráticas, vejamos como fazê-lo:
Quando traçamos as linhas de referência:
Seja a função:
f (t) definida como: • x = cos2 (2) ≈ 0, 173

 t , (−∞, ∞) • y = cos(2) ≈ −0, 416
x = cos2 (t)

y = cos(t)
Os valores de x jamais serão menores que zero e a fun-
ou ção refletirá indefinidamente os valores quadráticos entre
[ 2 ]
cos (t), cos(t) −∞<t<∞ 0 e 1 , da mesma forma podemos ver que os valores de
y jamais sairão da faixa: [−1, 1] . Se acompanharmos os
Em termos gerais nos atemos ao fato de que a variável pa-
valores das funções dos eixos e seu reflexo na função pa-
râmetro t deve ser usada como referência de nossas aná-
ramétrica perceberemos que teremos sobre a mesma um
lises, diante disto desenvolvemos gráficos auxiliares que
ponto que se desloca sobre a parábola, indo de 1 a −1 e
nos permitam esboçar o comportamento da função para-
depois voltando.
métrica. Traçando o gráfico de x em função de t usamos
o eixo y como eixo da variável independente, quando tra-
çamos a função y usamos o eixo x para isto. O que temos Ciclóide
agora é um panorama geral do comportamento das variá-
veis que nos permite visualizar a tendência dos valores da O ciclóide é uma forma paramétrica conseguida através
função paramétrica. das coordenadas de um ponto fixado em uma circunfe-
Observemos o gráfico: rência, que se desloca sobre um eixo.

Nesta representação: As equações paramétricas que definem a função do ci-


lóide podem ser generalizadas da seguinte forma:
• f (t) está representada em verde; f (t) onde:
14 CAPÍTULO 6. FORMAS PARAMÉTRICAS


t , (−∞, ∞)
x = c [t − sen(t)]

y = c [1 − cos(t)]
Adotamos um valor c para cada função ciclóide. Esta
constante está ligada a amplitude do raio do ciclóide. A
ilustração abaixo representa um ciclóide com c = 2 :

O ciclóide é formado pelos pontos que seguem o con-


torno da curva formada pelo movimento do disco sobre
a superfície, de forma que o ponto (P) esteja fixado a um
ponto da circunferência do disco, neste gráfico conside-
ramos o raio unitário. Porém, se o raio é uma constante
(c), e observamos o triângulo inscrito no disco, no qual
podemos notar a distância do ponto (P) à superfície, que
corresponde ao subsegmento da circunferência, veremos
Nesta representação: que esta é: θc , onde c corresponde ao raio constante, o
que nos dá:
θc − x = c sen(θ)
x = θc − c sen(θ)
• f (t) está representada em verde;
x = c (θ − sen(θ))
Por outro lado, se observarmos que:
y = c − c cos(θ)
• x está representada em vermelho; y = c (1 − cos(θ))
Bastanos verificar que θ é o único parâmetro comum às
duas equações e nos possibilita fazer a sua substituição
por (t) , depois disso teremos as equações do ciclóide
como definido acima.
• y está representada em azul

Conchóides
Note que temos um desenvolvimento dos valores das abs-
cissas de forma ascendente, ou seja temos sempre valores Em homenagem ao estudioso grego Nicomedes, este
positivos para a tendência de crescimento em (t, x) , para grupo de funções paramétricas foram chamadas de con-
as ordenadas temos valores sempre positivos do cosseno chóides de Nicomedes, pois este as chamou de conchói-
sobre um valor fixo e uma característica cíclica para os des após estudá-las, ele resolveu nomeá-las desta forma
valores, na representação paramétrica temos, como con- devido a sua semelhança com conchas.
seqüência, uma forma cíclica semicircular. De maneira geral os conchóides são definidos pelas equa-
Para verificar como conseguimos as equações paramétri- ções paramétricas:
cas acima observemos o seguinte gráfico: f (t) onde:
6.1. FORMAS PARAMÉTRICAS 15


t , (−∞, ∞) y ′ (t) = lim∆t→0 ∆y
∆t
x = c + cos(t)
 e
y = c · tg(t) − sen(t)
′ ∆x
Sendo c uma constante que é fundamental para as carac- x (t) = lim∆t→0 ∆t
terísticas das curvas. Vejamos algumas das curvas que temos:
podemos obter com estas equações: y ′ (t)
x ′ (t) = lim∆t→0 ∆t · lim∆t→0
∆y ∆t
∆x

uma vez que x depende de t :


6.1.4 Derivadas y ′ (t) ∆y
x ′ (t) = lim∆x→0 ∆x
Tratemos agora das derivadas para funções paramétricas, Ou seja:
uma vez que temos duas variáveis dependentes, temos que y ′ (t)
dy
ter certos cuidados no tratamento diferencial para estas x ′ (t) = dx
funções, um trabalho adicional é necessário, uma vez que
temos mais variáveis envolvidas na análise.
Derivadas segundas
Seja a função fxy (t) na qual, os valores formam pares de
forma que tenhamos: [x(t), y(t)] , desta forma podemos
As derivadas de segunda órdem são conseguidas de forma
expressar as diferenciais como:
um pouco mais trabalhosa, uma vez que queremos obter:
d2 y
• dx
dt
f ′′ (x) = dx2

• dy Temos que difernciar a derivada primeira em relação a t


dt
e depois dividí-la pela derivada de x em relação a t . Pois:
• dy
dx y ′′
(t)
∆y
∆( ∆x )
x ′ (t)·x ′ (t) = lim∆x→0 ∆x

No plano cartesiano bidimensional: (x, y) a derivada que Que é:


estamos acostumados a usar permanece, porém temos ′′

∆y
( ∆x )
mais duas derivadas das funções que definem x e y em x ′ y(t)·x(t)′ (t) = lim∆x→0 ∆t
∆x
∆t
relação ao parâmetro t . Considerando as seguintes con-
dições: Ou seja:
dy
d(
dx )
′′
• Cada variável é dependente do parâmetro; y (x) = dx dt
dt

• Assumimos que o parâmetro varia linearmente e de Como já explicamos, definimos a derivada primeira de-
forma crescente; pois calculamos a derivada desta em relação a t dividindo-
a em seguida pela derivada de x em relação a t
• As funções x(t) e y(t) são contínuas.

Então as derivadas das funções que definem cada variável Esboço de gráficos
representam taxas de variação de referência, o que nos
permite verificar as seguintes condições: A aplicação direta dos conceitos de derivadas de funções
paramétricas pode ser usado de forma prática para o es-
1. Se dx = 0 em algum ponto da curva, a reta tangente boço de gráficos como veremos neste tópico. As propri-
dt
a este ponto é vertical, ou seja, paralela ao eixo y edades de análise de curvatura são especialmente úteis
para encontrar tendências de crescimento e análises de
2. Se dy
dt = 0 em algum ponto da curva, a reta tangente concavidades, uma vez que temos mais derivadas temos
a este ponto é horizontal, ou seja, paralela ao eixo mais dados sobre as curvas.
x
Sabendo que as derivadas em relação ao parâmetro nos
informam os pontos onde temos tangentes verticais ou
Derivadas primeiras horizontais, como já verificamos, devemos ter em conta
que a derivada em relação a x nos informa os pontos onde
Considerando que temos uma função composta por duas há mudança de declividade da curva em relação a este
variáveis dependentes, como poderemos encontrar a de- eixo, da mesma forma que a derivada segunda em rela-
rivada de uma em relação à outra, visto que temos duas ção a x nos fornece a concavidade da curva em relação
equações que a definem? A resposta vem da seguinte re- ao mesmo eixo.
lação: Entretanto, devido a caracterísica independente das va-
Se x(t) e y(t) , são funções que definem uma forma pa- riáveis paramétricas, é comum encontrarmos equações
ramétrica, sendo que: paramétricas que nos fornecem valores inválidos durante
16 CAPÍTULO 6. FORMAS PARAMÉTRICAS

a análise quando tomamos diferenciais de y em função equações das derivadas, depois que tivermos conheci-
de x . mento dos pontos onde as mudanças de sinais ocorrem
Observando as diferenciais em relação ao parâmetro te- para cada equação teremos uma idéia do esboço a ser
mos um conjunto de informações que são muito úteis, feito, façamos:
( )
vejamos: x = t t2 − 2 = 0
Onde, neste caso, temos:
• Quando dx
dt é negativa a função desloca-se para a t=0
esquerda;
ou
(2 )
• Quando dx
dt é positiva a função desloca-se para a t −2 =0
direita; √
t=± 2
• Quando dy
dt é negativa a função desloca-se para Os pontos, para os quais teremos estes valores para o pa-
baixo; râmetro são:

• Quando dy
é positiva a função desloca-se para • (0, −2)
dt
cima; • (0, 2)

• Se dxdt = 0 a função tem uma tangente vertical Nas ordenadas:


neste ponto; ( )
y = 2 t2 − 1 = 0

• Se dy t = ±1
dt = 0 a função tem uma tangente horizontal
neste ponto; Os pontos, para os quais teremos estes valores para o pa-
râmetro são:
A este conjunto de dados podemos adicionar as raízes
e pontos de inflexão, os últimos podem ser consequidos • (1, 0)
pela análise de transição na declividade junto a pontos
• (−1, 0)
onde as derivadas não existem.
Analisemos os valores que estas derivadas nos fornecem Analisando as derivadas temos:
no exemplo abaixo:
Para as abscissas:
Consideremos a função paramétrica definida pelas equa- dx
dt = 3t − 2 = 0
2
ções: √
( ) t=± 2
3
• x=t t −2 2

( ) t=± 3
6

• y = 2 t2 − 1
O que nos dá dois pontos com tangentes verticais:

As derivadas das equações em relação ao parâmetro são: ( √ )


• 4 6
9 , − 2
3 ≈ (1, 089; 0, 667)
• Para as abscissas: ( √ )
• − 4 9 6 , − 32 ≈ (−1, 089; 0, 667)
dx
dt = t(2t) + (t2 − 2)
Para as ordenadas:
dx
dt = 3t2 − 2
dy
dt = 4t = 0
• Para as ordenadas: t=0
O que nos dá o ponto com tangente horizontal:
dy
dt = 2(2t)
dy
= 4t • (0, −2)
dt
O que nos dá a possibilidade de fazer algumas das nossas Estes valores nos fornecem informações suficientes para
análises iniciais. prever a aparência da curva, façamos uma tabela com os
Antes de tudo devemos encontrar as raízes destas equa- valores numéricos aproximados para termos uma idéia de
ções, tanto para as equações das variáveis como para as como poderemos esboçar o gráfico:
6.1. FORMAS PARAMÉTRICAS 17

√( )2
6.1.5 Integrais ∫β dy
( dx )2
C = α dt + dt dt
Agora considere a função paramétrica definida por um
conjunto de pontos tais que: A medida da circunferência
f (t) = {x(t), y(t)}
Temos agora a possibilidade de fazer o cálculo de uma
da mesma forma que: medida bem conhecida, para que tenhamos uma compro-

 x = g(t); vação prática do instrumento algébrico que conseguimos
y = h(t); através da análise acima, calcularemos a medida da cir-
 cunferência utilizando os conceitos abordados.
f (t) = {g(t), h(t)}
Então, a integral F (x) , pode ser encontrada da seguinte Seja uma circunferência definida pelas equações paramé-
forma: tricas:

F (x) = y dx
• x = r cos(t)
Se:
• y = r sen(t)
x = g(t)
dx
dt = g ′ (t) Onde r é o raio da circunferência.
dx = g ′ (t)dt Usando a fórmula do comprimento da curva acima, te-
temos: mos:
∫ √
F (x) = y g ′ (t)dt ∫ 2π ( d[r cos(t)] )2 ( d[r sen(t)] )2
C = 0 dt + dt dt
Inevitavelmente, em alguns casos não poderemos encon-
trar uma integral de y em relação ao eixo x se os seus va- ∫ 2π √ 2 2
C = 0 (r [−sen(t)]) + (r [cos(t)]) dt
lores absolutos forem iguais e seus valores reais sejam de ∫ 2π √
sinais diferentes, o que nos fará encontrar um valor nulo, C = 0 r2 [sen2 (t) + cos2 (t)] dt
porém poderemos encontrá-lo ao fazer o cálculo em re- ∫ 2π √
lação ao parâmetro, comprovaremos isso na seção sobre C = 0 r2 dt
áreas, logo abaixo. ∫ 2π
C = 0 r dt
C = r t]2π
0

Comprimentos de arcos Ou seja:


C = 2πr
De forma geral a equação que define o comprimento de
arcos de funções, como foi vista no livro Cálculo (Volume
1) pode ser expressa pela equação que relaciona a integral Áreas
das diferencias em relação a x , desta forma:
√ ( )2 O cálculo de áreas em funções paramétricas traz a possi-
∫b dy bilidade de encontrar a área de formas criadas por curvas
C = a 1 + dx dx
fechadas, basicamente o processo é o mesmo que o des-
Portanto, para obter a equação paramétrica correspon- crito para as funções definidas num plano cartesiano com
dente, podemos substituir as diferenciais por suas corres- dependência nas abscissas, com a diferença que devemos
pondentes paramétricas: fazer a adaptação do cálculo da integral para que tenha-
√ ( ) mos uma função com diferenciais bem definidas como
∫b dy 2
C = a 1 + dx dt
dx vimos nos tópicos acima.
dt
√( )2 Neste exemplo iremos encontrar a área do círculo, cujo
∫b ( dx )2
C = dy
+ dt valor já é bem conhecido, o que nos possibilitará verificar
a dt dt dx dx
a eficácia do método.

∫ b ( dy )2 ( dx )2 Seja o círculo cuja circunferência que o delimita é descrita
C = a dt + dt dt
tal que:
Considerando que a e b são valores de x , devemos
adaptá-los a nova equação, consideremos, portanto, que: • x = r cos(t)
a = x(α)
• y = r sen(t)
b = x(β)
portanto: Onde r é o raio do círculo.
18 CAPÍTULO 6. FORMAS PARAMÉTRICAS

Então, sua área pode ser calculada se fizermos com que o


parâmetro t varie de 0 até 2π , calculando a integral:
∫ 2π
A = 0 f (t)dt
Considerando que:
dx = −r sen(t)dt
dx = r sen(−t)dt
temos:
∫ 2π
A = 0 r sen(t) r sen(−t) dt
∫ 2π 2
A = 0 r2 [1 + cos(2t)] dt
[∫ ∫ 2π ]
2 2π
A = r2 0 dt + 0 cos(2t) dt
2
]2π 2 2π
A = r2 t + r4 [sen(2t)]0
0
r 2 2π
A= 2 +0
O que nos dá:
A = π r2

Superfícies

Outra aplicação interessante para o cálculo de integrais


paramétricas é o cálculo de áreas de superfície, podere-
mos usar a fórmula de rotação para efetuar o cálculo de
superfícies criadas pela rotação de uma curva paramé-
trica da mesma forma que fizemos antes para o cálculo
de diversas funções mais simples.
Capítulo 7

Formas polares

Wikiversidade - Disciplina: Cálculo III • Para rotação no sentido horário temos ângulos ne-
gativos;
• Para rotação no sentido anti-horário temos ângu-
los positivos.
7.1 Formas polares
Devido a estas características angulares, um sistema polar
Outro interessante método para representar valores em pode representar o mesmo valor para diferentes coorde-
um gráfico é a chamada representação polar, da mesma nadas, a natureza cíclica dos valores é claramente notá-
forma que na forma paramétrica temos casos em que fun- vel devido a mesma característica cíclica que os ângulos
ções podem ser expressas de uma maneira mais apropri- detêm, portanto pontos de coincidência de valores para
ada, tornando-as mais simples para que possam ser ana- funções sem limites superiores são comuns, valores ex-
lisadas. A forma polar é especialmente importante no pressos desta forma podem ser encontrados em intervalos
estudo de variáveis e funções complexas, seu estudo é com tendências infinitas tais quais:
bastante simples, porém recomenda-se sempre uma certa
cautela quando conceitos novos são apresentados, como • (−∞, ∞)
já dissemos anteriormente.
• (0, ∞)
• (−∞, 0)
7.1.1 As coordenadas
Portanto, para a análise de tais funções, devemos ter o
A representação dos valores em um gráfico polar é feita cuidado de observar a ocorrência de valores coinciden-
com base em um sistema de referência obtido a partir de tes, da mesma forma que o fazemos quando analisamos
um ponto e uma semi-reta horizontal a partir deste (eixo funções trigonométricas.
polar), este ponto é chamado de orígem (polo de refe- Observemos um gráfico polar de uma circunferência de
rência). Quando colocamos outro ponto qualquer no sis- raio igual a quatro:
tema, podemos traçar um segmento de reta da orígem ao
referido ponto, o comprimento do segmento de reta en- As coordenadas polares podem ser definidas como pares
tre os dois pontos representa o valor numérico que dese- de valores de raio e ângulo:
jamos expressar e o ângulo formado entre este segmento (r, θ)
de reta e o eixo polar indica o sentido da progressão do va-
O que nos permite estabelecer uma relação de valores a
lor da orígem ao ponto. Desta forma estabelecemos uma
relação entre dois "polos", portanto, um sistema "polar". serem representadas em um gráfico através de uma tabela
com estas coordenadas.
Quando expressamos valores em torno do sistema polar,
na maioria das vezes, criamos uma representação de um Contornos do polo podem representar valores em rela-
ou mais contornos para o polo, a circunferência é um ção a grandezas geometricamente variáveis em relação a
exemplo simples de representação polar, onde o centro ângulos de forma semelhante a relação de valores num
é o polo e o raio é uma constante, devido a esta proprie- gráfico cartesiano formal, a forma de análise de tais va-
dade, podemos traçar circunferências para vários valores lores torna-se diferente devido ao fato de termos que nos
de raio a partir do polo, estabelecendo uma estrutura de habituar a observar as distâncias entre os pontos e a orí-
referência de valores para uma melhor leitura dos gráfi- gem. Podemos estabelecer uma regra para relacionar os
cos. valores polares e cartesianos da seguinte maneira:
x
Com relação ao ângulo, devemos observar a seguintes cos(θ) = r
convenções: x = r cos(θ)

19
20 CAPÍTULO 7. FORMAS POLARES

y
sen(θ) = r em módulo, pois os valores do eixo são sempre crescen-
y = r sen(θ) tes. Observe que quando nos deslocamos para θ = − π2
os valores tendem a diminuir até zero e depois tornam-se
Desta forma podemos calcular as coordenadas cartesianas positivos quando ultrapassam este ângulo, comparando
para pontos em coordenadas polares. Se tivermos valores os valores nos dois gráficos notamos que no gráfico po-
relacionados em coordenadas cartesianas e tivermos que lar os raios aumentam a partir deste ângulo passando a
transformá-los em coodenadas polares podemos usar as traçar a curva no lado oposto ao eixo x , ao chegar ao ân-
seguintes equações para encontrá-las: gulo zero o valor volta a ser unitário, passando a diminuir
novamente. Da mesma forma o ciclo se repete para va-
• r2 = x2 + y 2 lores de ângulos positivos fechando a curva como vemos
no gráfico.
(y)
• θ = arctg x
Convertendo funções cartesianas
É importante notar que os valores para θ devem ser ana-
Agora façamos a conversão de uma função cartesiana
lisados cuidadosamente, pois temos dois valores possí-
para polar... O exemplo será uma simples reta, para que
veis para o ângulo que nos fornece o valor da equação
tenhamos noção de como funciona a conversão que vimos
acima, sempre que tivermos que verificar um ângulo para
na seção anterior.
os valores de coordenadas cartesianas devemos observar
em que quadrante o valor está expresso. De forma geral, Seja a reta: y = x + 5 .
coordenadas cartesianas de pontos no primero e terceiro Calculemos a forma polar para a mesma, conforme as
quadrantes informam o mesmo valor positivo para a tan- equações de conversão apresentadas anteriormente:
gente, já com pontos do segundo e quarto quadrante, o
y
mesmo valor absoluto ocorre, porém com tangentes ne- tg(θ) =x
gativas. tg(θ) = x+5
x
5
x = tg(θ)−1
7.1.2 Funções polares Por outro lado:
2 2 2
Tendo um sistema que nos permite localizar pontos em r = x + y
um gráfico, podemos agora entender o comportamento Onde substituimos os valores das variáveis cartesianas:
das funções que devemos analisar neste sistema. Pode- 2 [ 5 ]2 [ 5 ]2
mos definir a função polar como: r = tg(θ)−1 + tg(θ)−1 + 5
2
r = f (θ) 25 25tg (θ)
r2 = [ tg(θ)−1] 2 + [ tg(θ)−1]2

Onde θ é limitada ao intervalo angular do ciclo fechado, 25[1+tg 2 (θ)]


ou seja: r2 = [ tg(θ)−1]2

[0, 2π] 25
r2 = [ tg(θ)−1] 2 cos2 (θ)

Uma função polar é expressa no gráfico polar da mesma 2 25


r = sen(θ)−cos(θ)
forma que uma função algébrica é expressa num gráfico [ cos(θ)
]2 cos2 (θ)
cartesiano, a única diferença é que no gráfico polar os va- 2 25
r = [ sen(θ)−cos(θ)]
lores contornam o seu centro, os pontos relatam na dis- 2

tância ao centro o valor da função para cada ângulo. O que resulta em:
5
r = sen(θ)−cos(θ)
Plotando gráficos de funções
7.1.3 Derivadas
Analisemos um gráfico cartesiano e seu correspondente
polar para verificar como plotar os valores no novo for- Basicamente, o processo para derivação de funções po-
mato: lares é o mesmo usado para funções com representação
Vejamos como fazer uma correspondência entre os gráfi- cartesiana, a derivada primeira é obtida através da dife-
cos: renciação de r em relação a θ , o que representa apenas
Iniciando por valores de ângulos negativos, observe que uma mudança na nomenclatura das variáveis. porém po-
para θ = −π temos r = −1 de forma que o valor é ex- demos estender os dados a serem obtidos com a análise
presso do lado oposto ao eixo y coincidindo com o valor destes valores fazendo a derivação da função parametri-
unitário positivo, esta é mais uma característica da repre- zada.
sentação polar, os valores de r são sempre representados Considerando que a representação de valores polares são
7.1. FORMAS POLARES 21

mais apropriados de serem analisados em uma perspec- O que define as equações da seção anterior para que pos-
tiva paramétrica, podemos definir as derivadas a partir samos encontrar estes valores, por outro lado também te-
das equações paramétricas da curva polar: mos outros dados que facilitam o cálculo de tangentes
x = r cos(θ) verticais e horizontais:
Quando temos,
dx
dθ = dr
dθ cos(θ) − r sen(θ)
dy
para y temos: dx =0

y = r sen(θ) isto é o mesmo que:


dy
dy dr dy
= sen(θ) + r cos(θ) dx = dθ
dx =0
dθ dθ dθ

Uma vez que queremos a derivada da função para as co- Que só é válida se:
ordenada cartesianas temos: dy
dθ = 0 ∧ dx dθ ̸= 0
dθ sen(θ)+r cos(θ)
dr
dy
dx = dθdr
cos(θ)−r sen(θ) Que nos revela a tangente horizontal.
Com estas derivadas podemos extrair mais informações e ainda, quando temos,
das funções polares e obter mais recursos para analisá-las, dy
podemos, por exemplo, encontrar as tangentes verticais: dx = ∞
dx
= cos(θ) − r sen(θ) = 0
dr isto é o mesmo que:
dθ dθ
dy

= r sen =∞
dy
dr (θ)
dx = dθ
dx
dθ cos(θ) dθ

dr
= r tg(θ) Que só é válida se:

Portanto, se quisermos encontrar os pontos da curva onde
dy
dθ ̸= 0 ∧ dx
dθ → 0
existem tangentes verticais devemos encontrar a derivada Que nos revela a tangente vertical.
da função polar em relação ao ângulo e depois substituí-
Portanto, para um esboço do gráfico de uma função com
la junto com a própria função, que define r , na equação
representação polar podemos encontrar a derivada:
acima, obtendo o ângulo no gráfico onde a tangente ver-
tical estará definida. f ′ (x) = dy
dx
Procedimento semelhante fazemos para o caso das tan- Encontrando os pontos onde a derivada tende a valores
gentes horizontais, usando a equação que define a deri- infinitos ou nulos para encontrar as tangentes verticais
vada de y em relação ao ângulo: e horizontais, depois identificamos os intervalos onde a
dy dr função é ascendente ou descendente juntamente com a
dθ = dθ sen(θ) + r cos(θ) = 0 análise da seqüência dos valores dos ângulos para cada
cos(θ)
dr
dθ = −r sen(θ) ponto.
dr
= −r co tg(θ)
dθ Exemplo
O que define o mesmo procedimento anterior para ob-
tenção dos dados e a equação acima em substituição da Agora iremos fazer um esboço de um gráfico, para que
anterior para a obtenção das tangentes horizontais. tenhamos noção dos conceitos apresentados nesta seção.
Esboçaremos o gráfico polar da função seno:
7.1.4 Plotando gráficos r = sen(θ)

Podemos utilizar os dados obtidos com as derivadas para Para isso encontremos a derivada para identificar os ãn-
facilitar o esboço de gráficos da mesma forma que fize- gulos onde há tangentes verticais e horizontais, calcu-
mos no caso das funções paramétricas, as regras são as lando os valores da função e identificando as tendências,
mesmas, ou seja: para que possamos ter uma estimativa do comportamento
dos valores que delineiam o gráfico:
Consideremos o ângulo como parâmetro, teremos as se-
guintes equações:
• Procedimento:

• Tangentes horizontais Calculemos as tangentes verticais e horizontais:


• dy
= 0 dy dθ sen(θ)+r cos(θ)
dr

dx = dθ
dθ dr
cos(θ)−r sen(θ)

dy cos(θ) sen(θ)+ sen(θ) cos(θ)


• Tangentes verticais dx = cos2 (θ)− sen2 (θ)
dy 2 sen(θ)
• dx
dθ = 0 dx = cos2 (θ)−1+cos2 (θ)
22 CAPÍTULO 7. FORMAS POLARES

dy 2 sen(θ)
dx = 2 cos2 (θ)−1
e ainda, quando temos,
dy
dx =∞
• dy
= sen(2 θ)
dx 2 cos2 (θ)−1 isto é o mesmo que:
dy
dy
dx = dθ
dx =∞
Para as tangentes horizontais: dθ

sen(2 θ) = 0 Que só é válida se:

Para este caso temos os ângulos:


dy
dθ ̸= 0 ∧ dx
dθ → 0
{ } Que nos revela a tangente vertical.
θ = 0, π, π2 , 32π
Que nos fornece os valores para a função: Portanto, para um esboço do gráfico de uma função com
representação polar podemos encontrar a derivada:
r = {0, 0, 1, −1}
f ′ (x) = dy
dx
Para as tangentes veticais:
Encontrando os pontos onde a derivada tende a valores
2 cos2 (θ) − 1 = 0 infinitos ou nulos para encontrar as tangentes verticais
cos2 (θ) = 12 e horizontais, depois identificamos os intervalos onde a
√ função é ascendente ou descendente juntamente com a
cos(θ) = 12 análise da seqüência dos valores dos ângulos para cada
√ ponto.
cos(θ) = √1 √2
2 2
√ Exemplo
cos(θ) = ± 22
{π 3π 5π 7π
}
Para este caso temos os ângulos: θ = 4, 4 , 4 , 4 Agora iremos fazer um esboço de um gráfico, para que
tenhamos noção dos conceitos apresentados nesta seção.

7.1.5 Plotando gráficos Esboçaremos o gráfico polar da função seno:


r = sen(θ)
Podemos utilizar os dados obtidos com as derivadas para
Para isso encontremos a derivada para identificar os ãn-
facilitar o esboço de gráficos da mesma forma que fize-
gulos onde há tangentes verticais e horizontais, calcu-
mos no caso das funções paramétricas, as regras são as
lando os valores da função e identificando as tendências,
mesmas, ou seja:
para que possamos ter uma estimativa do comportamento
Consideremos o ângulo como parâmetro, teremos as se- dos valores que delineiam o gráfico:
guintes equações:
• Procedimento:
• Tangentes horizontais
Calculemos as tangentes verticais e horizontais:
• dy
dθ = 0
dθ sen(θ)+r cos(θ)
dr
dy
dx = dθ
dr
cos(θ)−r sen(θ)
• Tangentes verticais dy cos(θ) sen(θ)+ sen(θ) cos(θ)
dx = cos2 (θ)− sen2 (θ)
• dx
= 0
dθ dy
dx = 2 sen(θ) cos(θ)
cos2 (θ)−1+cos2 (θ)

O que define as equações da seção anterior para que pos- dy


= 2 sen(θ) cos(θ)
dx 2 cos2 (θ)−1
samos encontrar estes valores, por outro lado também te-
mos outros dados que facilitam o cálculo de tangentes sen(2 θ)
verticais e horizontais: • dy
dx = 2 cos2 (θ)−1

Quando temos,
Para as tangentes horizontais:
dy
=0
dx sen(2 θ) = 0
isto é o mesmo que: { }
Para este caso temos os ângulos: θ = 0, π, π2 , 32π
dy
dy
dx = dθ
dx =0 Que nos fornece os valores para a função:

Que só é válida se: r = {0, 0, 1, −1}


dy
dθ = 0 ∧ dx
dθ ̸= 0 Para as tangentes veticais:
Que nos revela a tangente horizontal. 2 cos2 (θ) − 1 = 0
7.1. FORMAS POLARES 23

cos2 (θ) = 12 7.1.7 Áreas



cos(θ) = 12 As funções polares são, basicamente, criadas sob a óp-
√ tica de um sistema circular, ou seja, como os valores se
cos(θ) = √1 √2
2 2 expandem de forma radial temos valores expressos em

raios variáveis, o que nos inspira a imaginar que deve-
cos(θ) = ± 2 2
mos fazer o cálculo de suas áreas com base no estudo da
Para este caso temos os ângulos: integração de setores circulares infinitesimais.
{ }
θ = π4 , 34π , 54π , 74π A medida de áreas em setores circulares é proporcional
Que nos fornece os valores para a função: ao ângulo, em setores de raio unitário corresponde ao pró-
{√ √ √ √ } prio ângulo. Para calcular a medida da área em setores
r = 22 , 22 , − 22 , − 22 circulares temos:
A = 21 r2 θ
• Resultado: Em uma curva polar, se tivermos que calcular a área den-
tro dos limites estabelecidos por ângulos, podemos se-
Consequentemente, obtemos o seguinte grá- cionar a curva em diversos setores circulares infinitesi-
fico: mais e fazer a sua somatória, o que nos dá o valor da área
para aquele intervalo de ângulos no gráfico polar, consi-
derando que:
7.1.6 Integrais r = f (θ)
A integração de funções polares é feita da mesma forma Podemos admitir que cada setor seja:
que a de funções cartesianas, porém algumas considera- ∆A = 12 r2 θ
ções acerca do comportamento dos valores e sua interpre-
tação são necessárias para uma melhor compreesão dos Sendo a área total aproximadamente:
∑n
efeitos do processo de integração formal. A ≈ 21 n=1 [f (θ)]2 ∆θ
Considerando que temos basicamente uma categoria de Admitindo valores de setores circulares cada vez meno-
funções: r(θ) , sendo que o cálculo da integral da mesma res:
parece simples, a princípio, visto que basta fazer a subs- ∑n
A = 12 limn→∞ n=1 [f (θ)]2 ∆θ
tituição das variáveis e depois adaptar os valores, porém
devemos ter em mente que a integral de uma função com Uma vez que podemos admitir uma partição e fazer:
representação polar não nos dá o valor da área da curva ∆θ = ∆
n
polar sob o eixo x , na verdade temos:

limn→∞ ∆θ = limn→∞ n
• x = r(θ) cos(θ) é o mesmo que:

• y = r(θ) sen(θ) lim∆θ→0 ∆θ = limn→∞ n
logo:
De fato, se tivermos que considerar o valor da integral da limn→∞ ∆
n = dθ
função polar e de sua correspondente paramétrica tere-
Ou seja:
mos valores discordantes o que nos chama a atenção para ∫b
que não usemos a integral simples sobre r(θ) para avalia- A = 12 a [f (θ)]2 dθ
ções sobre a curva, visto que os valores não são coerentes
Onde a e b são os ângulos que delimitam o setor da curva
para os casos onde temos valores que alternam entre po-
onde queremos encontrar a área.
sitivos e negativos. Com a análise algébrica de sinais é
possível notar que os valores das funções polares, onde
Exemplo
temos sinais negativos, anulam parte das áreas onde o si-
nal da função é positivo, descaracterizando a avaliação da
Dada a função polar:
integral destas funções nestes casos.
r = cos(θ)
Para o cálculo de áreas, comprimento de curvas e avali-
ações numéricas devemos adotar uma forma de cálculo Calcular a área da curva compreendida entre os ângulos
próprio para funções polares, que viabilize uma avalia- 0 e π4 .
ção correta dos valores, sem que as características circu-
lares interfiram no resultado final, na verdade, devemos Cálculo
levar em conta estas caracteísticas para efetuar o cálculo ∫ π
1
de forma correta. A= 2 0
4
[cos(θ)]2 dθ
24 CAPÍTULO 7. FORMAS POLARES

[1 ]π
A= 1
2 2θ − 1
4 sen(2θ) 04
[π ]
A= 1
2 8 − 1
4
A ≈ 0, 071 unidades quadradas.

7.1.8 Comprimento de curvas


Calcular o comprimento de uma curva descrita por uma
função em forma polar não é algo tão difícil, uma vez
que devemos vê-la como uma função que pode ser facil-
mente transformada para a forma paramétrica, devemos
utilizar a equação do cálculo do comprimento de curva
que deduzimos no capítulo anterior:

∫ b ( dx )2 ( dy )2
C= a dθ + dθ dθ

Do cálculo das derivadas temos que:


dx
dθ = dr
dθ cos(θ) − r sen(θ)
e
dy dr
dθ = dθ sen(θ) + r cos(θ)
Dos quais, devemos obter os quadrados:
Logo podemos dizer que a fórmula do comprimento de
arco da curva é:
∫b√ ( dr )2
C = a r2 + dθ dθ

Exemplo

Calculemos o comprimento da curva do cosseno na re-


presentação polar entre os ângulos π2 e 3π
4 :
Temos:
r = cos(θ)
e
dr
dθ = − sen(θ)
O que nos dá:
∫ 3π √
2
C= π 4
cos2 (θ) + (− sen(θ)) dθ
2
∫ 3π √
C = π4 cos2 (θ) + sen2 (θ)dθ
2
∫ 3π
C= π
4

2

C= θ π4
2

C= 3π
4 − π
2
π
C= 4
Logo:
C ≈ 0, 785 unidades de comprimento.
Capítulo 8

Geometria tridimensional

Wikiversidade - Disciplina: Cálculo III de muitos problemas sob a perspectiva vetorial simplifica
muito as análises de problemas no espaço.
Para uma melhor compreesão subdividimos o estudo em
dois tópicos:
8.1 Coordenadas tridimensionais
Iniciando o nosso estudo de cálculo em três dimensões
iremos nos concentrar nos sistemas de coordenadas car-
tesianas em três dimensões que é o estudo da geometria
do nosso cotidiano. Este estudo inicia com conceitos bá- 1. Vetores no espaço
sicos e depois se aprofunda em conceitos introdutórios
sobre algebra linear, porém com uma ênfase maior à ge-
ometria ao invés da abstração comum no curso de álgebra
linear.
Introduziremos agora os conceitos de localização de pon-
tos nos sistemas tridimensionais: 2. Vetores e produtos

Sistemas de coordenadas

8.2 Vetores
No esforço em representar quantidades, o homem criou
os números, porém lhes falta algo fundamental: a pro- 8.3 Retas
priedade de indicar evolução, tendência e forma, quando
dizemos que temos 5 objetos, para uma noção de volume
e quantidade isto é o bastante, porém quando dizemos
que a velocidade de um veículo é 70 km/h, isto é apenas Neste momento temos como desenvolver um conceito de
suficiente para uma análise quantitativa e não nos fornece reta diferente do que estávamos habituados, a noção de
meios de avaliar o comportamento do veículo em sua tra- forma paramétrica em conjunção com a definição vetorial
jetória. nos dá a possibilidade de descrever uma reta em termos
vetoriais paramétricos. Uma definição da reta, concebida
A evolução da noção de representação matemática de em termos vetoriais, é feita a partir dos dois vetores que
eventos no espaço trouxe a necessidade de expressá-los determinam os pontos no espaço por onde a reta passa.
de uma forma que fornecesse uma noção mais ampla do
que a de quantidade, para isto foi criado um novo ente
matemático chamado vetor. Um vetor é a representa-
ção das características espaciais e evolutivas de um ele-
mento, com ele podemos avaliar mais que a quantidade
de elementos, podemos analisar o comportamento destes
elementos.
Introduziremos, agora, uma noção multidimensional de 8.3.1 Equações da reta
vetores, mais dedicada a vetores no espaço em três di-
mensões, este estudo é fundamentalmente importante
para análises mais complexas do cálculo. A abordagem Observemos o gráfico:

25
26 CAPÍTULO 8. GEOMETRIA TRIDIMENSIONAL

⟨qx , qy , qz ⟩ = ⟨px + tvx , py + tvy , pz + tvz ⟩


De onde temos as equações paramétricas:

1. qx = px + tvx
2. qy = py + tvy
3. qz = pz + tvz

Do mesmo modo ao eliminarmos o parâmetro encontra-


mos a relação fundamental entre todos os eixos, o que
pode ser bastante útil em certos cálculos onde precisamos
estabelecer uma relação entre variáveis sem considerar o
parâmetro:
qx −px qy −py qz −pz
vx = vy = vz

8.3.2 Relacionando duas retas


Uma vez que definimos as equações da reta: vetorial, pa-
ramétrica e simétrica... Podemos agora encontrar rela-
ções entre duas retas no espaço. De modo geral, temos
três condições nas quais podemos relacionar duas retas
no espaço, estas podem ser paralelas, reversas ou concor-
rentes.
O vetor é, simplesmente, a representação de um seg-
mento de reta cujo ponto inicial é a orígem do sistema • Paralelas:
de coordenadas, se somarmos um segundo vetor ao que
temos, isto resultará em um segmento de reta cujo ponto São duas ou mais retas que mantém uma dis-
inicial é o segundo vetor que tomamos. Partindo deste tância constante entre seus pontos, ou seja, as
pricípio, se temos dois pontos temos dois vetores, ao sub- mesmas estão na mesma direção;
trairmos os dois vetores teremos um vetor na orígem, pa-
ralelo ao segmento de reta por onde passam os dois pon- • Reversas:
tos. Uma vez que o primeiro ponto é um vetor, teremos
a representação deste segmento de reta se somarmos o São duas ou mais retas que não estão na mesma
primeiro vetor ao vetor paralelo à reta. Algebricamente direção, porém não se encontram em nenhum
temos: ponto do espaço;
Se p, q são dois pontos e ⃗v é o vetor que se origina dos • Concorrentes:
dois pontos...
q = p + ⃗v São duas ou mais retas que se encontram em
algum ponto do espaço.
Por outro lado, se fizermos com que o lado da equação
onde está o vetor ⃗v aumente ou diminua de valor, de
acordo com a variação de um parâmetro, teremos um va-
lor variável de q dentro da mesma reta: 8.4 Planos
q = p + t⃗v
A definição de um plano no espaço pode ser obtida atra-
Então, teremos a equação da referida reta. Como os pon- vés de um conceito vetorial da mesma forma que o fize-
tos podem ser representados sob a forma de vetores, po- mos quando vimos a reta. Para isto devemos estabele-
demos definir a reta tal que: cer o que é necessário para que um plano seja perfeita-
⃗q = p⃗ + t⃗v mente definido. Se imaginarmos uma reta no espaço po-
demos perceber que diversos planos passam pela mesma,
Três equações paramétricas espaciais podem ser obtidas na verdade, todas as direções perpendiculares à da reta
desta equação vetorial, é notável que cada eixo deverá ter fornecem um plano possível, nos resta escolher uma des-
uma definição de sua variável para cada valor do parâme- tas direções para estabelecer o plano. Pensando em um
tro, logo façamos a dedução destas equações: vetor direção que nos forneça as características necessá-
⟨qx , qy , qz ⟩ = ⟨px , py , pz ⟩ + t⟨vx , vy , vz ⟩ rias para representar a reta, temos que ter em mente um
segundo vetor que defina qual dos planos que passam pela
⟨qx , qy , qz ⟩ = ⟨px , py , pz ⟩ + ⟨tvx , tvy , tvz ⟩ reta será escolhido.
8.4. PLANOS 27

8.4.1 Equação do plano de no mínimo três pontos para determinar dois vetores
no espaço, precisamos de três pontos para determinar um
A equação do plano deve refletir a seguinte verdade: plano. Agora imaginemos que temos mais de três pontos,
como saberemos se todos pertencem ao mesmo plano?
Dados dois vetores w,⃗ ⃗n em R , sendo os dois perpendi-
3
Simplesmente agrupamos três e calculamos o plano, e
culares entre sí, então:
depois usamos a equação do plano para verificar se os
⃗ · ⃗n = 0
w demais petencem ao mesmo plano.
O que nos leva a definir um dos vetores como a diferença
entre dois vetores posição, originados no sistema de eixos:
⃗ = ⃗v − ⃗u
w
logo,
(⃗v − ⃗u) · ⃗n = 0
Sendo:

• ⃗v = ⟨vx , vy , vz ⟩ ;

• ⃗u = ⟨ux , uy , uz ⟩

temos, Tomemos os pontos A, D, F como base do plano, o que


(⟨vx , vy , vz ⟩ − ⟨ux , uy , uz ⟩) · ⟨nx , ny , nz ⟩ = 0 nos faz definir os vetores:
(⟨vx − ux , vy − uy , vz − uz ⟩) · ⟨nx , ny , nz ⟩ = 0
• ⃗v = AD = d
(vx − ux )nx + (vy − uy )ny + (vz − uz )nz = 0
Consideremos ⃗u vetor referência, visto que é o vetor do • ⃗u = AF = f
ponto de origem do vetor que projetamos no plano, da
mesma forma que ⃗n é referência visto que define a direção O que define um vetor normal:
do plano, ambos podem ser constantes, logo teremos:
⃗n = ⃗v × ⃗u
vx nx + vy ny + vz nz − (ux nx + uy ny + uz nz ) = 0
Uma vez que o ponto E está em outro segmento de reta,
Onde podemos definir: diferente dos demais pontos no diagrama, precisamos de-
s = −(ux nx + uy ny + uz nz ) terminar se o mesmo pertence ao plano formado pelos
vetores que definimos anteriormente, para isto encontre-
Portanto a equação algébrica de um plano no espaço pode mos o vetor para o segmento de reta onde o mesmo está
ser definida como: localizado:
v x nx + v y ny + v z nz + s = 0 w⃗ = AE = e
Onde o vetor ⃗v é o vetor variável, correspondente a po- E depois, poderemos substituir os vetores na equação do
sição do ponto sobre o plano, enquanto que ⃗n e s são plano:
constantes que definem o plano. Para esta notação cha-
mamos ⃗n de normal do plano, pois representa um seg- ⃗ · (⃗v × ⃗u) = 0
w
mento de reta perpendicular a direção do plano, enquanto Donde podemos verificar se é verdadeira para os valores
que s chamamos de escalar de referência, uma vez que o correntes dos vetores em qualquer situação... O método,
mesmo determina o referencial para o plano no sistema em geral, faz o cálculo do produto misto, visando encon-
dos eixos ordenados. tar vetores que o anulam.

8.4.2 Pontos no plano Exemplo - plano dos pontos

Suponhamos que temos um conjunto de pontos no espaço Sejam os pontos (1, 2, 2); (−1, 1, −3); (0, −2, 1) , deter-
e desejemos encontrar o plano ao qual estes pertencem, minemos o plano determinado pelos pontos...
que critérios teremos que usar para determinar uma regra Escolhemos um ponto como orígem, encontrando os ve-
de inclusão dos mesmos em um plano? A resposta está tores relacionados aos outros dois pontos:
no critério de coplanaridade, para determinar este deve-
mos saber qual o número mínimo de pontos para definir Suponha (1, 2, 2) como orígem, temos os vetores:
um plano no espaço. Para determinar a normal precisa-
mos de dois vetores no espaço, uma vez que precisamos • ⃗v = ⟨−2, −1, −5⟩
28 CAPÍTULO 8. GEOMETRIA TRIDIMENSIONAL

(d2 −d1 )+(b2 −b1 )y


• ⃗u = ⟨−1, −4, −1⟩ z= (c1 −c2 )

o que nos dá um plano em yz . A reta intercepta o plano


Com os vetores encontramos a normal do plano através em: ⟨ ⟩
do produto vetorial dos mesmos: p = 0, y, (d2 −d1 )+(b2 −b1 )y
0 (c1 −c2 )
⃗i ⃗j ⃗k
Definamos agora o valor de y ,
⃗n = ⃗v × ⃗u = −2 −1 −5
−1 −4 −1 b1 (c1 −c2 )y+c1 (d2 − d1 + (b2 − b1 )y)+d1 (c1 −c2 ) =
0
⃗n = ⃗i + 5⃗j + 8⃗k − 20⃗i − 2⃗j − ⃗k
b1 c1 y − b1 c2 y + c1 d2 − c1 d1 + c1 b2 y − c1 b1 y + d1 c1 −
⃗n = −19⃗i + 3⃗j + 7⃗k d1 c2 = 0
O plano é definido pela equação: c1 b2 y − b1 c2 y + c1 d2 − d1 c2 = 0
p⃗ · ⃗n = p⃗0 · ⃗n y= c1 d2 −d1 c2
b1 c2 −c1 b2
A parte que depende do ponto origem (1, 2, 2) , é: Simplificando z , temos:
p⃗0 · ⃗n = −19(1) + 3(2) + 7(2) z= (d2 −d1 )(b1 c2 −c1 b2 )+(b2 −b1 )(c1 d2 −d1 c2 )
(c1 −c2 )(b1 c2 −c1 b2 )
p⃗0 · ⃗n = 1 d2 b1 c2 −d1 b1 c2 −c1 b2 d2 +c1 b2 d1 +b2 c1 d2 −b1 c1 d2 −d1 c2 b2 +d1 c2 b1
z= (c1 −c2 )(b1 c2 −c1 b2 )
que resulta em:
(c1 −c2 )(d1 b2 −d2 b1 )
z=
−19x + 3y + 7z = 1 (c1 −c2 )(b1 c2 −c1 b2 )
d1 b2 −d2 b1
z= b1 c2 −c1 b2
e o ponto é:
8.4.3 Interseção entre planos ⟨ ⟩
p0 = 0, cb11dc22 −d 1 c2 d1 b2 −d2 b1
,
−c1 b2 b1 c2 −c1 b2
Sejam os planos:
Bastando-nos aplicá-lo à equação vetorial da reta para
a1 x1 + b1 y1 + c1 z1 + d1 = 0 e encontrá-la:
a2 x2 + b2 y2 + c2 z2 + d2 = 0 , p = p0 + tw

Onde definimos os vetores posição:
v⃗1 = ⟨x1 , y1 , z1 ⟩, v⃗2 = ⟨x2 , y2 , z2 ⟩ Exemplo - Reta em dois planos
e os vetores normais: Sejam os planos x − 2y + z = 2 e x − y + 3z = 6
n⃗1 = ⟨a1 , b1 , c1 ⟩, n⃗2 = ⟨a2 , b2 , c2 ⟩ , devemos encontrar a reta resultante da interseção dos
dois planos.
Analisando a simetria, podemos concluir que o resul-
tado da interseção entre dois planos é uma reta, sendo a Primeiro, extraímos os vetores normais dos planos:
mesma, perpendicular aos vetores normais dos dois pla-
nos simultaneamente. Considerando a característica de • n⃗1 = ⟨1, −2, 1⟩ ;
perpendicularidade do produto vetorial, podemos fazer:
• n⃗2 = ⟨1, −1, 3⟩ ;
⃗ = n⃗1 × n⃗2
w
Donde obtemos: Com estes vetores podemos encontrar o vetor diretor da
reta, que é perpendicular à normal de ambos:
⃗ = ⟨wx , wy , wz ⟩
w
⃗i ⃗j ⃗k
Devemos encontrar um ponto da reta, para que possa-
⃗v = 1 −2 1
mos definir a mesma em termos paramétricos e simétri- 1 −1 3
cos, usualmente podemos definir a variável x e encontrar
o ponto: ⃗v = −6⃗i + ⃗j − ⃗k + ⃗i − 3⃗j + 2⃗k
Se x = 0 , teremos: ⃗v = −5⃗i − 2⃗j + ⃗k
b1 y + c 1 z + d1 = 0 e Agora, devemos encontrar um ponto da reta:
b2 y + c 2 z + d2 = 0 , Supomos x = 0 em ambos os planos,
{
Observe que usamos variáveis sem índice, visto que os −2y + z = 2
pontos são os mesmos, quando se define a reta. −y + 3z = 6
O que nos fornece: 5z = 10
(b2 − b1 )y + (c2 − c1 )z + (d2 − d1 ) = 0 , z=2
8.5. SUPERFÍCIES SIMPLES 29

|x0 x+y0 y+z0 z+s|


e Dp = √ 2 2 2
x0 +y0 +z0
−2y + 2 = 2 Podemos adotar uma nomenclatura mais conveniente se
y=0 usarmos o vetor normal do plano definido como: ⃗n =
⟨xn , yn , zn ⟩ :
sendo o ponto:
|xn x+yn y+zn z+s|
Dp = √ 2 2 2
p0 = (0, 2, 0) xn +yn +zn

Substituimos os valores na equação da reta, O que define a distância entre o plano e o ponto.
p = p0 + t⃗v
p = (0, 2, 0) + t⟨−5, −2, 1⟩ Exemplo - Distância entre dois planos
ou
Sejam dois planos paralelos: x+2y+z = 4 e x+2y+z =
p = (−5t, 2 − 2t, t) 7 , encontremos a distância entre os dois planos:
Como os dois planos são paralelos podemos encontrar um
ponto em um dos planos, depois utilizar a equação ante-
rior para encontrar a distância entre os dois planos:
8.4.4 Distância entre ponto e plano
Definamos x = 0, y = 0 e temos o ponto em um dos
Suponhamos que um ponto qualquer no espaço: p = planos:
(xp , yp , zp ) esteja localizado a uma certa distância de um p = (0, 0, 4) ,
plano, cuja equação que o define é: x0 x+y0 y+z0 z+s =
para o primeiro plano apresentado.
0 , cujo vetor normal é: ⃗n = ⟨x0 , y0 , z0 ⟩ . Como já é de
nosso conhecimento, o plano impõe uma distância para o Agora, basta-nos substituir os valores na equação:
ponto que varia de acordo com a distância da coordenada
Dp = |xn√ x+yn y+zn z+s|
usada como referência para a medida, portanto, não faz x2n +yn
2 +z 2
n

sentido definirmos a distância entre o plano e um ponto se temos:


não definirmos este ponto como o mais próximo do plano,
⃗n = ⟨1, 2, 1⟩
o que implica no cálculo da projeção do vetor distância
do ponto sobre o vetor normal do plano. e
|1·0+2·0+4·1−7|
Definimos a distäncia entre o plano e um ponto ar- Dp = √
12 +22 +12
bitrário como a menor distância entre este e o plano, |−3|
Dp = √
denominando-a de Dp . Pelo produto escalar obtemos: 6

Dp = |⃗
n·⃗p| A distância é:
|⃗
n| √
6
Ou seja, Dp = 2

|⟨x0 ,y0 ,z0 ⟩·⟨xp ,yp ,zp ⟩|


Dp = |⟨x0 ,y0 ,z0 ⟩|

Que nos dá a equação: 8.5 Superfícies simples


|x0 xp +y0 yp +z0 zp |
Dp = √
x20 +y02 +z02
Superfícies são conjuntos de pontos no espaço cujo com-
Porém, para o vetor p⃗ definimos a distância entre o ponto portamento e aparência se assemelham aos planos. Uma
no plano e o seu par, que é reflexo do ponto p nos eixos: superfície tem a aparência de uma folha de material flexí-
p⃗ = ⟨xp , yp , zp ⟩ = ⟨x − x1 , y − y1 , z − z1 ⟩ vel que assume curvas de acordo com a função que a re-
presenta, embora a mesma não seja flexível e mantenha a
Onde p1 = (x1 , y1 , z1 ) é um ponto qualquer no plano. sua forma no espaço aparentemente rígida. De fato, uma
Ou seja, superfície é como uma lâmina que mantém a sua forma
depois que é moldada.
xp = x − x1 , yp = y − y1 , zp = z − z1
Com o estudo de superfícies simples teremos melhores
Que substituimos na equação da distância entre plano e condições de analisar estruturas de superfícies mais com-
ponto acima: plexas.
Dp = |x0 (x−x1 )+y √ 02(y−y
2
1 )+z0 (z−z1 )|
2
x0 +y0 +z0

Dp = |x0 x+y0 y+z0 z−(x0 x1 +y0 y1 +z0 z1 )|


√ 2 2 2 8.5.1 Superfícies cilíndricas
x0 +y0 +z0

Temos o escalar s = −(x0 x1 + y0 y1 + z0 z1 ) semelhante Cilindro, não é a definição de um elemento de base cir-
a equação do plano, o que nos dá cular e altura definida, na verdade a noção de cilindro é
30 CAPÍTULO 8. GEOMETRIA TRIDIMENSIONAL

algo mais universal... Qualquer elemento formado por • Ax2s + Bys2 + Czs2 + J = 0
retas paralelas delimitando uma certa região no espaço
pode ser chamado de cilindro. Uma superfície cilíndrica • Ax2s + Bys2 + Izs + J = 0
é uma membrana formada por infinitas retas paralelas em
torno de uma região do espaço, estas retas são chamadas
Traços
de geratrizes.
Um cilindro circular convencional pode ser algebrica- Como vimos na seção sobre superfícies cilíndricas, logo
mente concebido sob a forma: acima, quando uma das variáveis é eliminada podemos
2
x +y =r 2 2 analisar a equação resultante e definir a curva que será
projetada sobre o plano formado pelas duas variáveis res-
Onde x, y são as variáveis e r é uma constante que define tantes na equação. Quando analisamos uma equação qua-
o raio da base do cilindro. Você deve achar estranho que drática, as formas se modificam para cada plano que to-
isto se pareça com a equação de uma circunferência, po- mamos, por isto devemos adotar os planos dos eixos para
rém, de fato, esta é uma circunferência em um gráfico de verificar qual a forma que a equação determina sobre os
duas dimensões e um cilindro circular em outro de três mesmos. Podemos fazer z = 0 e teremos um plano xy
dimensões. , por exemplo; ou seja, podemos eliminar cada uma das
Em um sistema de três dimensões definimos três varia- variáveis da equação e analisar a equação apenas com as
veis, visto que a variável z não está definida na equação restantes. A imagem da projeção da equação em apenas
acima, temos que admitir que qualquer ponto do eixo z um plano em particular é chamada de traço da curva para
pertence ao gráfico definido pela equação acima, ou seja, o plano.
para cada ponto definido no plano (x, y) existe um con- Observemos o gráfico abaixo:
junto de pontos paralelo ao eixo z , o que define uma de
reta paralela ao eixo z e, imediatamente, um conjunto de Os traços podem ser usados para formação das perspec-
retas paralelas a este eixo, uma para cada ponto do plano tivas das superfícies para valores relevantes da equação,
(x, y) . de forma a nos fornecer um esboço de sua aparência...
Façamos a análise da equação do hiperbolóide:
Por estes motivos, o gráfico gerado pela equação acima é: 2 2 2
− xa2 − yb2 + zc2 = 1
Este também pode ser considerado um cilindro elíptico,
uma vez que podemos tomar dois valores de eixos para a Podemos verificar qual o traço do plano xy fazendo: z =
abertura do mesmo. 0 , o que nos dá a equação:
2 2
Outro exemplo de cilindro, segundo este conceito é o pa- − xa2 − b2 = 1
y

rabólico: Considerando que temos resultados possíveis quando:


E, finalmente podemos apresentar um cilindro hiperbó- x2 y2
2 + b2 = 1
lico: a
O artifício não se mostra eficaz para a análise...
2
Podemos substituir a parte zc2 na equação inicial por uma
8.5.2 Superfícies quadrátricas variável que nos permita analisar em quais condições é
possível encontrar raízes para a equação do traço, para
Uma superfície quadrática é um conjuntos de pontos no isto fazemos:
espaço gerados por uma equação puramente quadrática, k = z2
c2
de modo geral uma equação deste tipo é escrita da se-
guinte forma: Neste caso, teremos que verificar quando:
Ax2 + By 2 + Cz 2 + Dxy + Eyz + F xz + Gx + Hy + k − 1 > 0
z2
c2 − 1 > 0
Iz + J = 0
Onde A, B, C, ...J são constantes, e pelo menos um de z 2 > c2
A,B,C,D,E e F não é nulo.
|z| > |c|
As quadráticas são representações tridimensionais das
cônicas, a evolução do modelo quadrático para o universo O que nos fornece a constatação algébrica sobre o que
tridimensional é representada sob a forma de novas cur- já é possível observar no gráfico, ou seja, que existe um
vas resultantes da fusão de duas ou mais cônicas. espaço no eixo z onde não existem elipses, o que se deve
aos pontos de indefinição existentes na hipérbole.
De forma geral, podemos estabelecer um modelo simpli-
ficado quando levamos em conta os parâmetros de vérti- As áreas onde as raízes existem nos revelam circunferên-
ces e centro das cônicas, desta forma podemos substituir cias se a = b , ou elipses no caso contrário, isto é o que
a equação acima, através de translações e rotações, pelas aparece no traço horizontal da equação.
formas: Agora, ao verificar qual o traço do plano xz fazendo: y =
8.5. SUPERFÍCIES SIMPLES 31

0 , temos a equação:
2
z2
− xa2 + c2 =1
O que é uma hipérbole.

Formas comuns

As formas quadráticas mais comuns estão representadas


na tabela abaixo, os seis tipos básicos podem ser classi-
ficados pela semelhança de suas formas com as cônicas,
que já abordamos anteriormente. Dizemos que um sólido
obtido pela evolução de uma cônica no espaço recebe o
nome da mesma mais o sufixo "óide” para indicar que há
parentesco entre estas, facilitando a identificação da fa-
mília de curvas à qual esta pertence.
Capítulo 9

Sistemas de coordenadas

Wikiversidade - Disciplina: Cálculo III e que também marca uma distinção angular entre os ei-
xos, fazendo com que cada um seja reto em relação aos
vizinhos. Nos sentidos positivos coloca-se uma seta para
indicar a progressão crescente dos valores. Num sistema
como este cada eixo recebe o nome associado a variável
9.1 Coordenadas retangulares que é expressa, ou seja, (x, y, z) , que representam as três
direções do sistema.
Um sistema de referência consiste em um ponto de orí-
gem, direção e sentido, isto pode ser obtido de diversas
formas, como já tivemos oportunidade de estudar anteri-
ormente, porém, o sistema de coordenadas cartesianas é
o mais próximo do mundo real, ele nos permite observar
as formas da maneira mais aproximada possível do nosso
modo de ver o universo.
Com base nestes princípios, imaginemos que o nosso uni-
verso é uma linha, ou seja, imagine se não pudéssemos
enxergar mais que uma direção e dois sentidos, então
nessa linha teríamos um ponto de partida, ao qual cha-
mamos de orígem, ao passo que temos dois lados para ir,
adotamos a convenção em que o sinal nos informa o sen-
tido em que caminhamos, para a direita -> +, para a es-
querda -> -, cada ponto sobre a reta tem uma distância da
orígem, à qual chamamos amplitude, ou módulo... desta
forma, temos o nosso sistema bem caracterizado. Um
sistema de referência como tal é chamado de sistema em
uma dimensão, porém não é algo muito útil, no entanto
se adicionarmos mais uma reta na orígem, formando um
ângulo reto com a reta anterior, poderemos referenciar
uma segunda direção, agora temos um sistema em duas
dimensões, que nos permite localizar um ponto acima
e abaixo, além da direita ou esquerda... Se fizermos a
mesma analogia e colocarmos uma terceira reta sobre a
orígem do sistema anterior, fazendo um ângulo reto com
ambas as retas anteriores, poderemos localizar um objeto
para frente ou para trás, além de acima ou abaixo e além
da direita e esquerda, então teremos um sistema em três
dimensões.
A convenção mais usada nos sistemas de referência, es-
tabelece que os sentidos: Para frente, para a direita e
para cima são positivos e os seus opostos são negati-
vos.
Um sistema de coordenadas tridimensionais pode ser ob-
tido através desta estrutura de três eixos que se intercep-
tam em um único ponto, ao qual chamamos de orígem

32
9.1. COORDENADAS RETANGULARES 33

9.1.1 Localização de pontos um único ponto no sistema, o qual é encontrado através


do reflexo dos valores nos eixos, da seguinte forma:
Se desejarmos encontrar o ponto (3, 0, 5) localizamos o
valor 3 no eixo x , depois o zero no eixo y , estes dois
valores determinam uma linha sobre o eixo x , depois
localizamos o valor 5 no eixo z e traçamos uma subreta
paralela à linha que encontramos anteriormente, nesta al-
tura, no lado oposto ao eixo z na direção da subreta está
o ponto.
Por outro lado se desejarmos encontrar o ponto
(−5, −5, 7) localizamos o valor −5 no eixo x , depois
o −5 no eixo y , estes dois valores determinam um plano
sobre os eixos x e y , depois localizamos o valor 7 no
eixo z e traçamos um subplano paralelo ao plano anteri-
ormente encontrado, nesta altura, no lado oposto ao eixo
z , na direção do encontro das duas subretas que definem
o plano, está o ponto.

9.1.2 Planos primários


Definimos planos primários como o conjunto de pontos
sobre o gráfico que estão eqüidistantes dos planos forma-
dos por qualquer combinação de dois eixos.
Suponha que definimos um dos valores da tripla orde-
nada, por exemplo:

• (a, y, z) ou,

• (x, a, z) ou,

• (x, y, a) .

Onde a é uma constante.


Temos, em cada caso, um plano definido como paralelo
ao plano dos dois eixos restantes, pois qualquer valor que
seja dado às demais variáveis da tripla ordenada será pro-
jetado sobre o plano que foi definido.

9.1.3 Distância entre pontos


Em um sistema bidimensional temos a distância entre
dois pontos definida como:

D2ab = (xb − xa )2 + (yb − ya )2
Para um sistema tridimensional a analogia segue o mesmo
Agora observe o sistema acima, nele podemos observar a raciocínio, o que nos revela a seguinte fórmula:
distribuição das variáveis em seus eixos, note que o eixo √
vertical correspondente à altura é convencionado como D3ab = (xb − xa )2 + (yb − ya )2 + (zb − za )2
eixo z , o horizontal, correspondente à largura é conven- Comprovação:
cionalmente chamado de eixo x , enquanto que o último, No plano xy a distância entre os dois pontos do subplano
na diagonal, correspondente à profundidade, é chamado (x, y, 0) é D2ab , para obter a distância no espaço, preci-
de eixo y , cada segmento de eixo partindo da orígem samos encontrar a distância xy → z ., mais precisamente
gera um octante, visto que o sistema tem oito subplanos a distância do ponto extremo, resultante do encontro dos
partindo da origem. valores de x e y , com o valor em z . Esta distância xy
A tripla ordenada no formato (x, y, z) , corresponde a corresponde a D2ab , logo:
34 CAPÍTULO 9. SISTEMAS DE COORDENADAS


D3ab =
2
(D2ab ) + (zb − za )2 • x = ρ cos(ϕ)

O que define o seu valor após a substituição de D2ab , • y = ρ sen(ϕ)


resultando na fórmula definida anteriormente.
• z=z

9.1.4 A esfera
9.3 Coordenadas esféricas
Por definição, a esfera é o conjunto de todos os pontos
no espaço que estão equidistantes de um ponto especí- Mais uma versão adaptada do modelo de coordenadas po-
fico, ao qual denominamos centro. Considerando que as lares, definido em termos mais globais como a medida de
coordenadas de qualquer ponto são (x, y, z) e que po- um raio de uma esfera e dos ângulos internos deste raio
demos especificar um ponto de coordenadas (h, k, l) , a em relação aos eixos. As coordenadas são compostas pela
distância entre os pontos é: tripla ordenada (r, θ, φ)

D3ab = (x − h)2 + (y − k)2 + (z − l)2 O espaço pode ser visto como um conjunto de esferas
Definimos D3ab = R , que é o raio da esfera, conseqüen- concêntricas, onde o raio serve como delimitador má-
temente: ximo da superfície de cada esfera e os ângulos determi-
nam a localização exata dos pontos sobre a superfície.
R = (x − h) + (y − k) + (z − l)
2 2 2 2

A regra de transformação de coordenadas esféricas em


Quaisquer conjuntos de pontos que constituem uma es-
retangulares pode ser descrita desta forma:
fera também são delimitadores de um espaço no interior
da mesma que gera um volume, o qual pode ser calcu-
lado pelo cálculo de volumes com a técnica de seciona- • x = r sen(φ) cos(θ)
mento por lâminas paralelas que vimos no livro Cálculo
• y = r sen(φ) sen(θ)
(Volume 1).
• z = r cos(φ)

9.2 Coordenadas cilíndricas Para encontrar as coordenadas esféricas a partir das suas
correspondentes retangulares usamos as seguintes fórmu-
O sistema de coordenadas cilíndricas será importantes las:
nos estudos adiante, ele pode ser usado para simplificar √
os nossos estudos sobre integração múltipla. Este sistema • r = x2 + y 2 + z 2
foi concebido a partir da definição das coordenadas po- ( )
lares, em segunda instância, pode-se pensar nele como • θ = arctg xy
uma evolução do modelo polar adaptado para o espaço (√ )
x2 +y 2
tridimensional. • φ = arctg z
Basicamente o sistema é composto por um subsistema po-
lar na base de um cilindro circular, as coordenada são:
(ρ, ϕ, z)
Definimos um ponto no espaço através da relação polar
da base do cilindro, o que nos fornece as duas primei-
ras ordenadas, depois adicionamos a altura do ponto em
relação a base que é a terceira ordenada. O sentido de
rotação do ângulo na base é o mesmo usado para coorde-
nadas polares, o que determina o sinal do ângulo.
Podemos fazer a transformação de uma coordenada re-
tangular em cilindrica através das relações:

• ρ2 = x2 + y 2
• ϕ = tan−1 y
x

• z=z

Da mesma forma, podemos definir as relações inversas,


que nos dão os parâmetros de uma coordenada retangular
a partir de uma coordenada cilíndrica:
Capítulo 10

Vetores no espaço

Wikiversidade - Disciplina: Cálculo III nos sejam úteis, um deles é a norma. Se queremos fazer
uso do valor numérico associado à magnitude da gran-
deza expressa pelo vetor podemos calcular a norma ou
módulo, que constitui um valor absoluto desta grandeza,
10.0.1 Definição para isto usamos a relação quadrática:

Seja an um representante do conjunto de números re- |⃗v | = vx + vy + vz


2 2 2 2

ais enumerados de forma a identificar um dos valores em


uma das dimensões do espaço, chamamos cada um destes O versor
elementos de componente.
Cada vetor tem sua propriedade fundamental de informa-
Definimos o vetor como o conjunto de componen-
ção sobre direção e sentido como algo particular, por isso
tes que definem um ponto em um sistema de coorde-
se quisermos obter um vetor que contenha apenas a infor-
nadas cartesianas tais que sejam identificados por <
mação sobre estas duas propriedades devemos calcular o
a1 , a2 , a3 , ..., an > , até n dimensões que possam ser ex-
versor do vetor.
pressas.
O versor é um vetor unitário que contém a informação
relativa espacial das propriedades de direção e sentido,
Representação ele pode ser calculado da seguinte forma:
Apresentação de valores Se ⃗u é o versor de ⃗v , então:

v
⃗u = |⃗
v|
Dados dois pontos no espaço, A e B , representados por
(xa , ya , za ) e (xb , yb , zb ) podemos representá-los sob a Isto se evidencia por:

forma de um vetor efetuando a seguinte operação:
|⃗u| = |⃗⃗vv|
⃗vab = ⟨xb − xa , yb − ya , zb − za ⟩ √( )
2 ( )2 ( )2
vy
|⃗u| = vx
|⃗
v| + |⃗
v|
vz
+ |⃗
v|
Conceituação
√ 2 2 2
vx +vy +vz
Considerando que o ponto A seja um vetor com relação |⃗u| = |⃗
v |2
à origem e o ponto B esteja δ unidades distantes do ante- √
2 2 2
rior, podemos dizer que os componenetes dos vetores são |⃗u| = vx2 +vy2 +vz2
vx +vy +vz
uA = xa , ya , za e os de B são uB = xb , yb , zb , temos
que: |⃗u| = 1
uB = uA + uδ
Versores primários
e
uδ = uB − uA Os versores são úteis para diversas operações que vere-
Sendo uA e uB vetores, uδ também é a representação de mos mais adiante, alguns versores específicos têm um pa-
um vetor, resultante da operação dos dois primeiros. pel fundamental para o sistema de coordenadas e para a
representação de vetores no espaço. Os versores primá-
Norma rios são três vetores especificamente alocados nos eixos,
o que nos permite uma forma particular de referenciar
O vetor se apresenta como um conjunto de coordenadas vetores num sistema tridimensional, são eles:
que definem-se nos eixos como triângulos retângulos, po-
dendo ser operados de forma a encontrar parâmetros que • ⃗i = ⟨1, 0, 0⟩

35
36 CAPÍTULO 10. VETORES NO ESPAÇO

• ⃗j = ⟨0, 1, 0⟩ Logo temos que, dados dois vetores:


⃗v , ⃗u
• ⃗k = ⟨0, 0, 1⟩
a sua subtração resulta em:
Operando os vetores de forma a separar cada compo- w ⃗ = ⟨vx − ux , vy − uy ⟩
nente, podemos dizer que o vetor ⃗v = ⟨vx , vy , vz ⟩ , pode Expandindo para a forma tridimensional temos:
ser referenciado e operado na forma:
⃗ = ⟨vx − ux , vy − uy , vz − uz ⟩
w
⃗v = vx⃗i + vy⃗j + vz⃗k
O que poderemos constatar futuramente que é muito con-
veniente para certas operações algébricas.
10.0.4 Multiplicação por escalares

10.0.2 Adição Definimos que se c ∈ R expressando apenas valor numé-


rico, então o denominamos escalar.
O produto de um escalar por um vetor é encontrado pela
notação:
w
⃗ = c ⃗a
que operamos:
⃗ = ⟨c ax , c ay , c az ⟩
w
onde:

• w
⃗ é o vetor resultante;
Acima apresentamos uma síntese do que já conhecemos
acerca da adição de dois vetores, o que nos resta é provar
• ⃗a é o vetor parâmetro original;
que isto é verdadeiro... A decomposição dos vetores em
seus componentes horizontais e verticais, nos revela com-
ponentes de triângulos retângulos, nos quais podemos ob- • c é o escalar.
servar claramente a propriedade da adição dos vetores.
Observemos o gráfico:
Esta operação pode ser observada graficamente como
Logo temos que, dados dois vetores: abaixo podemos observar abaixo:
⃗v , ⃗u
a sua adição resulta em:
⃗ = ⟨vx + ux , vy + uy ⟩
w
Expandindo para a forma tridimensional temos:
⃗ = ⟨vx + ux , vy + uy , vz + uz ⟩
w

10.0.3 Subtração

Da mesma forma que no caso anterior temos a subtração Note que todos os vetores gerados pela multiplicação por
como já aprendemos, também podemos demonstrar esta escalares são paralelos ao original, quando multiplicamos
propriedade usando a decomposição em triângulos retân- um vetor por (−1) temos uma inversão de sentido e qual-
gulos: quer valor de escalar diferente de 1 altera a magnitude do
Observemos o gráfico: vetor.
37

10.0.5 Propriedades do produto por esca-


lares
⃗ vetores em R3
Nas operações abaixo notamos: ⃗u, ⃗v , w
além de c, k escalares.
Capítulo 11

Vetores e produtos

Wikiversidade - Disciplina: Cálculo III

11.1 Produtos

11.1.1 Produto escalar

O produto escalar, também denominado produto interno,


é o produto de dois vetores que resulta em um escalar, a
operação que define o seu valor definimos abaixo.
Consideremos dois vetores ⃗v , ⃗u , cujos componentes são
notados por vd e ud respectivamente, sendo d uma das
dimensões: {x, y, z} , então o produto escalar é definido
como:
⃗v · ⃗u = vx ux + vy uy + vz uz

Demonstração

Propriedades do produto escalar


Observemos o gráfico abaixo:

As propriedades do produto escalar são facilmente de- Considerando os vetores na ilustração acima, podemos
monstráveis e estão na tabela abaixo, na mesma conven- fazer o cálculo do módulo de sua diferença, utilizando a
cionamos que: conhecida relação da lei dos cossenos para o triângulo:
|⃗v − ⃗u|2 = |⃗v |2 + |⃗u|2 − 2|⃗v ||⃗u| cos(θ)

• ⃗v , ⃗u, w
⃗ são vetores em R3 ; (⃗v − ⃗u) · (⃗v − ⃗u) = |⃗v |2 + |⃗u|2 − 2|⃗v ||⃗u| cos(θ)
⃗v · ⃗v − 2⃗v · ⃗u + ⃗u · ⃗u = |⃗v |2 + |⃗u|2 − 2|⃗v ||⃗u| cos(θ)
• c é um escalar. |⃗v |2 + |⃗u|2 − 2⃗v · ⃗u = |⃗v |2 + |⃗u|2 − 2|⃗v ||⃗u| cos(θ)
−2⃗v · ⃗u = −2|⃗v ||⃗u| cos(θ)

A demonstração das propriedades acima fica como exer- Portanto:


cício, uma vez que todas são intuitivas, não será difícil ⃗v · ⃗u = |⃗v ||⃗u| cos(θ)
conseguir demonstrar cada uma delas, para isto basta efe-
tuar a operação do produto escalar e utilizar regras bási-
cas de operações algébricas. Interpretação do produto escalar

O significado gráfico do produto escalar é fundamental


para nos dar horizontes de utilização dos conceitos nos
T45 - Ângulo entre dois vetores cálculos que podemos desenvolver. Observemos alguns
fatos algébricos para que possamos visualizar conceitos
Observemos o gráfico: úteis.

38
11.1. PRODUTOS 39

Como já sabemos, os vetores ⃗v , ⃗u que mantêm um ângulo Também temos outra forma de referenciar o vetor,
θ entre eles são relacionados desta forma: usando os cossenos diretores:
⃗v · ⃗u = |⃗v ||⃗u| cos(θ) ⃗v = ⟨|⃗v | cos(α), |⃗v | cos(β), |⃗v | cos(γ)⟩
Considere a seguinte separação: Que será útil em determinadas análises, inclusive quando
⃗v · ⃗u = |⃗v | |⃗u| cos(θ) parâmetros polares forem considerados.
| {z }
⃗v · ⃗u = |⃗v | · γ Projeções sobre vetores
Se o fator γ é um cosseno, significa que o mesmo é uma
fração do módulo do vetor |⃗u| , deste modo, o produto es- O produto escalar nos dá a possibilidade de encontrar a
calar é a multiplicação do módulo da projeção deste ve- projeção de um vetor sobre o outro sem a necessidade
tor sobre o eixo de orientação do vetor ⃗v pelo módulo do de sabermos qual o ângulo entre os dois, isto é possível
mesmo. Para melhor entendimento observemos os gráfi- devido à equivalência algébrica do produto escalar com
cos abaixo: o cosseno do ângulo entre os dois vetores como vimos
anteriormente.
Ou seja, o produto escalar é, sinteticamente, a multipli-
cação de dois segmentos de reta. Sejam os vetores ⃗v = ⟨vx , vy , vz ⟩, ⃗u = ⟨ux , uy , uz ⟩ , o
produto escalar dos mesmos é:

Ângulos diretores ⃗v · ⃗u = |⃗v ||⃗u| cos(θ)


de onde concluimos que:
A relação entre produto escalar e cosseno do ângulo en- 1
v| ⃗
|⃗ v · ⃗u = |⃗u| cos(θ)
tre os vetores nos fornece uma outra possibilidade de
( )
referenciar os vetores aos eixos do sistema cartesiano,
v| · ⃗u = |⃗u| cos(θ)

v
uma vez que temos versores primários para os eixos, po- |⃗

demos verificar qual o resultado do produto escalar en- Observando o lado direito da equação observamos que
tre estes e um vetor qualquer no espaço. Seja o vetor a expressão corresponde à projeção do vetor ⃗u sobre o
⃗v = ⟨vx , vy , vz ⟩ , calculemos o produto escalar entre ele vetor ⃗v , porém sob a forma escalar, ou seja, o valor cor-
e os vetores relacionados aos eixos: i, j, k : responde ao comprimento (norma) da projeção, não con-
⃗v · i = |⃗v ||i| cos(θ) tendo a informação acerca da direção e do sentido. Defi-
nimos, então, a projeção escalar do vetor ⃗u sobre o vetor
vx = |⃗v | cos(θ) ⃗v , como:
vx ( )
|⃗
v| = cos(θ) Prj⃗v ⃗u = |⃗⃗vv| · ⃗u
Para este caso inicialmente façamos uma breve reflexão:
Observemos ainda outro fato esclarecedor: a projeção es-
Se para cada vetor de módulo unitário for feita a mesma calar de um vetor sobre o outro é o produto escalar do
operação acima, teremos três ângulos para θ , os quais versor do vetor sobre o qual será projetado e o outro ve-
são os ângulos do vetor no espaço em relação aos eixos, tor. Intuitivamente, percebemos que o versor que contém
por esta razão convencionou-se chamá-los de nomes es- a informação sobre a direção e sentido do vetor onde será
peciais, que são α, β, γ respectivamente, para os vetores projetado o valor e portanto, determina-o, visto que é no
i, j, k . Observemos, também, que a operação será sem- mesmo onde temos a informação sobre a inclinação.
pre a mesma para cada eixo e o resultado será o valor da
Seguindo este mesmo raciocínio, se multiplicarmos esta
componente do vetor para o eixo dividido pela norma do
projeção, que é um valor escalar, pelo vetor unitário (ver-
mesmo, o que nos fornece três cossenos:
sor), que usamos no cálculo anterior, teremos um vetor
projeção criado como “imagem” do outro. Fazendo isto
• vx
|⃗
v| = cos(α) teremos:
( )
vy v ·⃗
• |⃗
v| = cos(β) V Prj⃗v ⃗u = |⃗⃗ u
v |2 ⃗ v

• vz
|⃗
v| = cos(γ)
T46 - A desigualdade de Cauchy-Schwarz
Os quais chamamos de cossenos diretores, pois direci-
onam o vetor no espaço sob a referência dos eixos. Em
consequência disto, também chamamos os ângulos de ân-
gulos diretores. Comprovação
Em conseqüência do que já vimos nas seções anteriores,
temos a seguinte equação: Analisemos o produto escalar ⃗v · ⃗u separadamente:
cos2 (α) + cos2 (β) + cos2 (γ) = 1 ⃗v · ⃗u = |⃗v ||⃗u| cos(θ)
40 CAPÍTULO 11. VETORES E PRODUTOS

Se quisermos o módulo do produto escalar teremos: de maneira idêntica a um determinante, onde todas as
|⃗v · ⃗u| = |⃗v ||⃗u|| cos(θ)| propriedades são iguais às apresentadas pelos mesmos.

porém,
Propriedades do produto vetorial
0 ≤ | cos(θ)| ≤ 1
então: O produto vetorial é basicamente uma operação em
0≤ |⃗
v ·⃗u|
≤1 forma de determinante, a tabela abaixo introduz as pro-
|⃗v ||⃗
u|
priedades do mesmo, muitas das quais já conhecemos sob
0 ≤ |⃗v · ⃗u| ≤ |⃗v ||⃗u| a forma de teoremas de determinantes, porém são intro-
Como o lado esquerdo da inequação faz parte do módulo, duzidas sob a forma de operações vetoriais:
podemos simplificar para:
• ⃗v , ⃗u, w
⃗ são vetores em R3 ;
|⃗v · ⃗u| ≤ |⃗v ||⃗u|
• c é um escalar.

11.1.2 Produto vetorial


T47 - Ângulo entre dois vetores
As operações com vetores podem, muitas vezes, parecer
estranhas a princípio, porém depois que entendemos a sua
finalidade e o conceito do fundamento que está por trás
de seu comportamento nos habituamos, podendo aprovei- Comprovação
tar dos recursos que estas operações podem nos oferecer.
Um dos cálculos mais intrigantes dentro do universo dos Façamos a operação conforme indicado na definição para
vetores é o chamado produto vetorial, que é definido verificar a evolução:
pela seguinte operação:
⃗v × ⃗u = ⟨vy uz − uy vz , vx uz − ux vz , vx uy − ux vy ⟩
Sejam os vetores ⃗v = ⟨vx , vy , vz ⟩, ⃗u = ⟨ux , uy , uz ⟩ , o
De onde calculamos o seu módulo:
produto vetorial dos mesmos é:
|⃗v ×⃗u|2 = (vy uz − uy vz )2 + (vx uz − ux vz )2 + (vx uy −
⃗v × ⃗u = ⟨vy uz − uy vz , vx uz − ux vz , vx uy − ux vy ⟩
ux vy )2
A razão desta definição está na operação geométrica entre
|⃗v × ⃗u|2 = vy2 u2z − 2vy uz uy vz + u2y vz2 + vx2 u2z −
dois vetores, que neste caso, objetiva-se em encontrar um
2vx uz ux vz + u2x vz2 + vx2 u2y − 2vx uy ux vy + u2x vy2
vetor que seja, ao mesmo tempo, perpendicular aos dois
vetores operados. Como a operação resulta em um novo |⃗v × ⃗u| = (vx + vy + vz )(ux + uy + uz ) − (vx ux +
2 2 2 2 2 2 2
2
vetor, ela é denominada de produto vetorial. vy uy + vz uz )
A operação resume-se em encontrar coordenadas em Como já sabemos, podemos aplicar as propriedades já
cada eixo que sejam perpendiculares entre elas e de mó- estudadas para os vetores:
dulo igual a área formada pelo paralelogramo criado pela |⃗v × ⃗u|2 = |⃗v |2 |⃗u|2 − (⃗v · ⃗v )2
imagem dos dois vetores em cada um dos planos primá-
rios. |⃗v × ⃗u|2 = |⃗v |2 |⃗u|2 − |⃗v |2 |⃗u|2 cos2 (θ)
[ ]
Podemos observar que cada componente é igual à resul- |⃗v × ⃗u| = |⃗v | |⃗u| 1 − cos (θ)
2 2 2 2

tante de um determinante, o que nos habilita representá- |⃗v × ⃗u|2 = |⃗v |2 |⃗u|2 sen2 (θ)
los da seguinte forma:
⟨ ⟩ Lembremos que, se:
vy vz vx vz vx vy
⃗v × ⃗u = , , a2 = sen2 (θ) ,
uy uz ux uz ux uy
Como temos um vetor tridimensional, podemos adotar a a = sen(θ)
notação: Quando 0 ≤ θ ≤ π

v vz ⃗ vx vz ⃗ vx vy ⃗ logo:
⃗v × ⃗u = y i+ j+ k
uy uz ux uz ux uy
|⃗v × ⃗u| = |⃗v ||⃗u| sen(θ)
Que pode ser simplificada ainda mais se adotarmos a no-
tação de determinante com três variáveis:
Interpretação do produto vetorial
⃗i ⃗j ⃗k

⃗v × ⃗u = vx vy vz
ux uy uz O vetor resultante do produto vetorial apresenta módulo
igual à área do paralelogramo delimitado pelos dois veto-
Em decorrência disto temos um produto que se comporta res que lhe deram origem, observemos o gráfico abaixo:
11.1. PRODUTOS 41

por outro nos fornece um escalar, que representa o pro-


duto misto. Observando estas operações mais detalha-
damente, quando operamos o produto vetorial temos um
vetor definido com os versores primários, sendo ⃗v ×⃗u = p⃗
, temos:
p⃗ · w
⃗ = (px i + py j + pz k) · (wx i + wy j + wz k)
p⃗ · w
⃗ = (px wx )|i|2 + (py wy )|j|2 + (pz wz )|k|2
p⃗ · w
⃗ = (px wx ) + (py wy ) + (pz wz )
logo:

1 1 1

⃗ = vx
Como já sabemos, os vetores ⃗v , ⃗u que mantêm um ângulo p⃗ · w vy vz (wx + wy + wz )
θ entre eles, quando multiplicados, podem ser expressos ux uy uz
desta forma:
Que nos dá:
|⃗v × ⃗u| = |⃗v ||⃗u| sen(θ)
wx wy wz

Considere a seguinte separação: ⃗ = vx
(⃗v × ⃗u) · w vy vz
ux uy uz
|⃗v × ⃗u| = |⃗v | |⃗u| sen(θ)
| {z }
|⃗v × ⃗u| = |⃗v | · h Propriedades do produto misto
Muito convenientemente, podemos verificar que h é a al-
tura do paralelogramo, que multiplicado pela norma do As propriedades do produto misto são análogas às dos
vetor ⃗v nos dá a área do paralelogramo. Da mesma forma determinantes em geral, apenas uma operação algébrica
verifiquemos que o produto vetorial nos fornece um ve- entre produtos devemos destacar:
tor perpendicular aos dois que lhe deram origem... Faça-
Comutativa entre produto escalar e produto vetorial
mos:
em um produto misto
⃗i ⃗j ⃗k

(⃗v × ⃗u) · ⃗u = vx vy vz · ⟨vx , vy , vz ⟩
ux uy uz ⃗ em R3 , podemos comutar os
Dados três vetores: ⃗v , ⃗u, w
vetores e produtos tais que:
Pelas propriedades dos determinantes e do produto esca-
lar temos: ⃗v · (⃗u × w)
⃗ = (⃗v × ⃗u) · w


⃗ivx ⃗jvy ⃗kvz No que se refere à operação em determinantes, a opera-

(⃗v × ⃗u) · ⃗u = vx vy vz ção:
ux uy uz
vx vy vz

Sendo o determinante acima nulo, uma vez que uma das ⃗v · (⃗u × w) ⃗ = ux uy uz
suas linhas é múltipla de outra: wx wy wz

(⃗v × ⃗u) · ⃗u = 0 enquanto que:



wx wy wz
Também teremos o mesmo resultado para o segundo ve-
tor, visto que o mesmo também é uma das linhas do de- (⃗v × ⃗u) · w ⃗ = vx vy vz
ux uy uz
terminante, portanto o produto vetorial fornece um vetor
perpendicular aos dois que lhe deram origem, visto que Para fazer com que o primeiro determinante se torne o
o cosseno do ângulo θ é nulo, ou seja, o ângulo é π2 . segundo basta permutar a mesma linha duas vezes dentro
do determinante, ou seja, inverter o sinal do mesmo duas
vezes, o que faz com que este retorne ao valor original.
11.1.3 Produto misto Algebricamente, os dois determinates definem o mesmo
valor quando operados. Isto define a operação como vá-
⃗ em R3 , sobre estes definimos o lida.
Sejam os vetores ⃗v , ⃗u, w
produto misto como:

wx wy wz
Interpretação do produto misto
⃗ = vx vy vz
(⃗v × ⃗u) · w
ux uy uz O produto misto pode ser interpretado facilmente utili-
Em síntese, a operação do produto vetorial nos fornece zando os conceitos dos produtos vetorial e escalar, visto
um novo vetor perpendicular aos dois que lhe deram que ele nada mais é do que a conjunção destes dois pro-
orígem, por outro lado, o produto escalar deste vetor dutos. Observemos a ilustração abaixo:
Capítulo 12

Funções vetoriais

Wikiversidade - Disciplina: Cálculo III Uma vez que as funções vetoriais são representadas pa-
rametricamente, seus gráficos podem ser analisados da
mesma forma que vimos para as funções paramétricas,
funções paramétricas assumem formas diversas e são li-
12.1 Funções e curvas vetoriais vremente dispostas sem a necessidade de obedecer o cri-
tério de independência para uma das variáveis; o único
Definição termo independente de uma função vetorial é o parâme-
tro, que não é representado no gráfico. Uma vez que de-
vemos analisar o comportamento da função e sua relação
Sejam a variável escalar t e a função f (t) . Dizemos que
com a evolução dos valores do parâmetro, podemos ado-
a mesma é uma função vetorial se as operações repre-
tar a notação das setas para indicar o sentido em que o
sentadas por esta submetem a variável escalar a procedi-
parametro evolui, observemos o gráfico:
mentos que conduzem à reprodução de um vetor.
O vetor posição alocado no ponto p evolui de acordo com
De fato, se f (t) representa um vetor, podemos decompô-
o comportamento da função vetorial. Observe que o grá-
la em f (t) = ⟨x(t), y(t), z(t)⟩ quando a mesma repre-
fico é convenientemente semelhante a um sistema polar.
senta um vetor no espaço. Da mesma forma, podemos
dizer que f (t) = x(t)⃗i + y(t) ⃗j + z(t) ⃗k Definimos como curva vetorial, o conjunto de pontos
contínuo estabelecido a partir de uma função vetorial. A
Em outras palavras, uma função vetorial é representada
continuidade é um requisito fundamental para que haja
pela forma paramétrica, o que nos habilita a fazer todas as
uma curva vetorial, visto que eventuais rupturas de valo-
análises que já conhecemos sobre as mesmas do mesmo
res em uma função presumem comportamentos inprevi-
modo que fizemos para as formas paramétricas. O prin-
síveis na trajetória da mesma.
cípio da interdependência entre as funções membro deve
ser considerado todas as vezes que a função precise ser
avaliada como existente ou inexistente em um domínio.
Todas as funções membro deverão existir no domínio 12.2 Limites
para que a função vetorial exista.
O limite de uma função vetorial para um determi-
nado valor " a " é definido como: limt→a f (t) =
12.1.1 Exemplo 1
⟨limt→a x(t), limt→a y(t), limt→a z(t)⟩
Seja a função: f (t) = ⃗v Uma vez que o limite da função depende dos limites indi-
⟨ ⟩ viduais das funções membro, este só existe caso todos os
1
onde ⃗v = t2 , sen(t), 1−t anteriores existam. Procede-se a análise individual para
Então, são funções membro de f (t) : verificação da condição de existência em todas as fun-
ções membro, no referido domínio, antes de definir sua
existência ou não.
• x(t) = t2
• y(t) = sen(t)
12.2.1 Exemplo 2
• z(t) = 1
1−t
⟨ 3

Seja a função vetorial: f (t) = t2 , 8−t , ln t , encontre
Uma vez que, quando t = 1 ⇒ z(t) ̸ ∃ , a função vetorial 4−t2

não existe para este valor do domínio. o limite da função quando t → 2 .


O limite da função vetorial é conseguido fazendo-se o li-
Gráficos mite de cada função membro:

42
12.5. T48 - ORTOGONALIDADE ENTRE FUNÇÃO E DERIVADA 43

⟨ ⟩
8−t3 vetorial, observemos o gráfico abaixo:
limt→2 f (t) = limt→2 t2 , limt→2 4−t2 , limt→2 ln(t)
Imediatamente, temos os limites: Um vetor componente em uma curva vetorial é a re-
presentação puntual da mesma, a derivada desta função
limt→2 x(t) = 4 neste ponto é a representação da tendência de evolução
limt→2 z(t) = ln(2) da curva em relação ao parâmetro neste ponto. Podemos
verificar quais as regras básicas para operar estas funções
Porém, temos uma indefinição no limite:
vetoras na tabela logo abaixo: Sejam as funções vetoriais
limt→2 y(t) = limt→2 8−t3
4−t2
f⃗ e ⃗g , considerando o escalar k e a função real h ,
Que tende a forma indeterminada 0
. Devemos aplicar a Estas regras são facilmente verificadas se observarmos
0
regra de L'Hôpital: que são conseqüentes das propriedades das derivadas e
dos vetores, as quais já conhecemos, fica como exercício
8−t3 −3t2
limt→2 4−t2 = limt→2 −2t a prova das mesmas.
8−t3 3t
limt→2 4−t2 = limt→2 2
O versor puntual
8−t3
limt→2 4−t2 =3
Portanto, o limite é: É comum termos que referenciar um ponto da curva e
verificar a tendência de evolução da curva a partir daquele
limt→2 f (t) = ⟨4, 3, ln(2)⟩
ponto com base na evolução dos valores do parâmetro.
Para isto podemos utilizar o versor tangente ao ponto,
sendo f⃗(t) = ⃗v :
12.3 Continuidade d⃗
v
dt
T (t) =
| d⃗
dt |
v

A condição de contiuidade da função vetorial é aplicada Ou, mais resumidamente, se:


segundo o mesmo princípio que utilizamos na defini- d⃗v
⃗′
ção do limite, ou seja, a função vetorial é contínua se dt = f (t) , podemos fazer:
as suas funções membro forem contínuas, mais precisa- ⃗′
T (t) = ff⃗ ′ (t)
mente, analisamos os valores do limite e da função em | (t)|
cada membro e definimos se a função vetorial resultante
é contínua.
12.4.1 Exemplo 3
Segundo o critério de continuidade de uma função, a fun-
ção será contínua caso o limite e a função no ponto em Calcular a reta tangente e o seu versor para a curva f⃗(t) =
questão existam e sejam iguais. ⟨t3 , t2 , t⟩ no ponto P = (1, 1, 1) :
Para tal devemos definir o valor do parâmetro para este
ponto, que é 1 , depois devemos encontrar a derivada da
12.4 Derivadas função vetorial:
df (t) ⃗
dt = ⟨3t , 2t, 1⟩
2
A clássica definição de derivada de uma função também
se aplica a funções vetorais, verifiquemos as razões para Que nos revela o vetor tangente:
que o modelo de análise de uma função escalar também ⃗v = ⟨3, 2, 1⟩
pode ser usada em funções de valor vetorial:
como vetor diretor da reta.
Observemos o gráfico abaixo:
E, finalmente, basta substituir os valores na equação para-
Este é um gráfico de uma curva bidimensional, como já métrica da reta, visto que temos o ponto e o vetor diretor:
vimos antes. Nossa meta é definir uma relação equiva- 
lente para curvas vetoriais, neste caso adotemos f⃗(t) , x = 1 + 3t
uma função vetorial que define a curva, então teremos: y = 1 + 2t

z =1+t
d f⃗(t) f⃗(t+h)−f⃗(t)
dt = limh→0 h
Sendo:
12.5 T48 - Ortogonalidade entre
f⃗(t) = ⟨x(t), y(t), z(t)⟩
d f⃗(t)
⟨ função
⟩ e derivada
dt = limh→0 x(t+h)−x(t)
h , limh→0 y(t+h)−y(t)
h , limh→0 z(t+h)−z(t)
h

Quando fazemos a análise sob uma óptica vetorial deve-


mos observar o efeito desta sobre as curvas que são repre-
sentadas pelas funções componentes que temos na curva Demonstração
44 CAPÍTULO 12. FUNÇÕES VETORIAIS

Admitamos |f⃗(t)| = c como sugere o teorema, para este lim∆t→0 ∆t = limn→∞ ∆ n


caso temos: ∫b ∑n ∑n

f (t)dt = ⟨limn→∞ i=0 x(ti )∆ti , limn→∞ i=0 y(ti )∆ti , limn→∞
a
|f⃗(t)| = c
2 2
e teremos a equação coforme a definimos anteriormente.
Por outro lado,
d|f⃗(t)|2
=0
dt 12.6.2 Integral indefinida
d[f⃗(t)·f⃗(t)]
dt =0
Sob o mesmo raciocínio, não é difícil chegar a conclusão
d[f⃗(t)] d[f⃗(t)]
f⃗(t) · dt + f⃗(t) · dt =0 de como calculamos a integral indefinida, certamente a
mesma é a antidiferencial de cada função componente,
d[f⃗(t)]
2f⃗(t) · dt =0 como fazemos para uma função real.
O que comprova o teorema. Para a mesma função que definimos anteriormente, a sua
integral indefinida será:
∫ ⟨∫ ∫ ∫ ⟩
f⃗(t)dt = x(t)dt, y(t)dt, z(t)dt
12.6 Integrais
Vale lembrar que o processo de simples antidiferenciação
não nos fornece a constante C para cada função membro,
Obviamente, observadas as semelhanças entre funções o que nos obrigará a fazer o estudo das condições iniciais
vetoriais e reais quanto a forma de calcular a derivada, dos eventos que deram orígem à equação para que tenha-
não será difícil deduzir a forma de operarmos a integral mos condições de avaliar o seu valor.
das mesmas. Uma vez que a derivada da função veto-
rial é um vetor cujos componentes são as derivadas das
funções que definem as variáveis parametricamente, a in- 12.6.3 Teorema fundamental
tegral obedece a mesma regra de tratamento individual
das funções componentes, substituindo a operação pela Finalmente, podemos utilizaro o T35 - Teorema funda-
inversa da diferenciação. mental do cálculo para cada função componente e calcu-
lar a integral definida da função vetorial a partir de suas
antidiferenciais.
12.6.1 Integral definida
Seja f⃗(t) = ⟨x(t), y(t), z(t)⟩ e sua antidiferencial
Para uma função vetorial tal que: F⃗ (t) = ⟨X(t), Y (t), Z(t)⟩ , podemos aplicar o teorema
fundamental de forma a encontrar a integral definida no
f⃗(t) = ⟨x(t), y(t), z(t)⟩
intervalo (a, b) do parâmetro, tal que:
A integral definida de uma curva, para o intervalo do pa- ∫ ⃗
f (t) dt = F⃗ (t)
râmetro (a, b) é:
∫b ⟨∫ ∫b ∫b ⟩ e
⃗(t)dt = b
a
f a
x(t)dt, a
y(t)dt, a
z(t)dt ∫b
f⃗(t) dt = F⃗ (b) − F⃗ (a)
a

Embasamento Esta forma expande-se facilmente para as funções com-


ponentes, o que resulta em:
Consideremos que a função vetorial f (t) seja subdividida ∫ b f⃗(t) dt = ⟨X(b)−X(a), Y (b)−Y (a), Z(b)−Z(a)⟩

a
em subintervalos em relação ao parâmetro, então pode-
mos dizer que, por analogia a funções reais mais simples,
podemos fazer o cálculo da integral somando todos as 12.6.4 Exemplo 4
partes f⃗(ti )∆ti , sendo i um contador de índice. Podere-
mos fazer o cálculo aproximado da integral desta forma: Calcular a integral definida da curva f⃗(t) = ⟨ 1 , t2 , t⟩ no
∑n ⃗ intervalo do parâmetro: (1, 2)
t
F (t) = f (ti )∆ti
i=0
Quando n aumenta e a precisão de F (t) aumenta temos Apenas aplicação direta do teorema fundamental:
∫ ⟨ ⟩
uma convergência dos valores para o valor da integral, o 3 2
f⃗(t)dt = ln(t), t3 , t2
que nos permite dizer que a integral é convergente. Desta
forma podemos fazer o cálculo da convergência, segundo Substituimos os valores:
o critério que já conhecemos: ∫2 ⟨ ⟩
∑n ⃗ 1
f⃗(t)dt = ln(2) − 0, 83 − 13 , 2 − 12
F (t) = limn→∞ f (ti )∆ti
i=0 E temos o resultado:
Agora, podemos invocar a conversão de valores da rela- ∫ 2 f⃗(t)dt = ⟨ln 2, 7 , 3 ⟩
1 3 2
ção entre largura e número de fatias:
∆=b−a
Capítulo 13

Aplicações de funções vetoriais

Wikiversidade - Disciplina: Cálculo III nição da função que resulta na curva. Este artifício pos-
sibilita que façamos o estudo das características de uma
curva sem que nos preocupemos com o sistema de eixos
na qual a mesma foi definida.
13.1 Arcos A definição de uma curva em termos de seu comprimento
de arco baseia-se na parametrização da mesma, onde o
Costumeiramente, desenvolvemos um método para cal- parâmetro é o comprimento da curva. Fazemos uso da
cular o comprimento de arco de curvas, nesta seção vere- fórmula:

mos um método que visa generalizar as disposições ante- C(t) = t ⃗v (u)du
a
riores unificando-as em uma fórmula comum. Conforme
já vimos anteriormente, uma função paramétrica em um Para definir uma função comprimento de curva; a mesma
plano tem como comprimento de arco, a resultante da se- é composta da integral definida de ⃗v (u) , que aqui com-
guinte fórmula: paramos com a equação anterior e podemos deduzir ser
√ igual a |f⃗ ′ (t)| quando substituimos os parâmetros. De-
∫ b ( dx )2 ( dy )2 vemos considerar a curva f contínua no intervalo [a, b]
Cab = a + dt dt
dt cuja variável independente passa a ser u , donde temos:
⃗ ∫t ′
Coincidentemente, a função ⟩ f (t) = ⟨x, y⟩ , terá C(t) = a |f (u)|du
⟨ vetorial:
derivada igual a: f⃗ ′ (t) = dx dy
dt , dt , que representa um Como comprimento de arco da mesma entre os pontos
vetor de módulo igual a: onde o parâmetro está definido em: a ≤ u ≤ t
√ ( )
( dx )2 2 Podemos encontrar uma função g , tal que:
|f⃗ ′ (t)| = dt + dy dt
g = C(t)
Ocorre que, da mesma forma observada no caso anterior,
depois encontrar a inversa da fução que define o compri-
uma curva no espaço tem o seu comprimento de arco de-
mento:
finido pela equação que também já conhecemos:
√ g = C(t) − C(a)
∫ b ( dx )2 ( dy )2 ( dz )2
Cab = a dt + dt + dt dt t = C −1 [g + C(a)]
Que nos revela uma característica comum para todas as De fato, agora t é função do comprimento da curva, por-
famílias de curvas, aparentemente, em todas as dimen- tanto temos:
sões, de apresentarem o comprimento de arco, no caso t = t(g)
das mesmas serem contínuas, igual à integral do módulo
da derivada da função vetorial que as define em relação Se ⃗v é uma curva definida em termos de t , podemos subs-
ao parâmetro: tituir o parâmetro pelo comprimento de curva, tal que te-
∫b nhamos:
Cab = a |f⃗ ′ (t)|dt
⃗v = f [t(g)]

13.1.1 Reparametrização
13.1.2 Exemplo 1
Não é raro o uso do comprimento de arco de uma curva
para defini-la segundo um parâmetro independente do Calcular o comprimento de arco da curva f⃗(t) =
sistema de coordenadas, isto é possível porque quando ⟨3 sen(t), 4t, 3 cos(t)⟩ entre os pontos P1 = (0, 0, 3) e
nos referenciamos ao comprimento de arco da curva, P2 = (0, 4π, −3) .
qualquer sistema de coordenadas será excluído da defi- Primeiro encontremos a derivada da função:

45
46 CAPÍTULO 13. APLICAÇÕES DE FUNÇÕES VETORIAIS


f⃗ ′ (t) = ⟨3 cos(t), 4, −3 sen(t)⟩
k = dTdC(t)
Cujo módulo é:

⃗ ′ √ A medida da curvatura é um valor independente do sis-
f (t) = 9 cos2 (t) + 16 + 9 sen2 (t) tema de coordenadas que define a curva, visto que o
mesmo é calculado com base no comprimento de arco
⃗ ′
f (t) = 5 da mesma, porém seu cálculo, como definido acima, traz
Ainda, devemos verificar os valores do parâmetro para os diversos inconvenientes quando temos que definir o com-
pontos dados: primento de arco da curva para ter condições de calculá-
la.
• Para P1 , t = 0
• Para P2 , t = π 13.2.1 T49 - Curvatura da função vetorial
Logo, o comprimento de arco é: Este teorema simplifica o cálculo da curvatura de uma
∫π função vetorial.
C = 0 5 dt
C = 5t]π0
C = 5π
Demonstração:

13.1.3 Exemplo 2 Temos, pela definição:


⟨ ⟩ Que para qualquer curva que tenha seu versor tangente:
2
Definir a curva f (t) = t 2
em função de seu T e seu comprimento de curva: C a curvatura será:
, t2 , t2
dT
comprimento de arco, para o domínio do parâmetro a k = dC
partir de zero com crescimento de valores positivos.
onde T = T⃗ (t)
Encontremos o comprimento de arco da curva em relação
ao parâmetro: Por outro lado, se:

A derivada da função é, C = |f⃗′ (t)|dt

f ′ (t) = ⟨2t, 2t, t⟩ Então:


⃗′
Da qual substituimos a variável e calculamos o compri- dt = |f (t)|
dC

mento de arco: Também temos:


f⃗′ (t)
f ′ (u) = ⟨2u, 2u, u⟩ T = |f⃗′ (t)|
∫t√
C(t) = 0 4u2 + 4u2 + u2 du Notemos que:
∫t
C(t) = 0 3|u| du f⃗′ (t) = T |f⃗′ (t)|
t
C(t) = 23 u2 0 f⃗′ (t) = T dC
dt

C(t) = 32 t2 ou

Logo, a sua inversa é: f⃗′ (t) = T C ′


√ Derivando a função mais uma vez, temos:
t = ± 23 C(t)
f⃗′′ (t) = T C ′′ + T ′ C ′
O que nos fornece a função vetorial com relação ao com-
primento de arco: Façamos o produto vetorial:
⟨2 ⟩ f⃗′ (t) × f⃗′′ (t) = T C ′ × (T C ′′ + T ′ C ′ )
f (C(t)) = 3 C(t), 23 C(t), 13 C(t)
f⃗′ (t) × f⃗′′ (t) = T C ′ × T C ′′ + T C ′ × T ′ C ′
Este resultado parcial admite duas simplificações:
13.2 Curvaturas
1. A primeira parte da equação é nula, uma vez que
Consideremos a curva f⃗(t) contínua em todo o seu domí- T ×T =0;
nio, cujas variações podem ser percebidas com mudan-
ças dos valores de seu versor tangente T (t) . Dizemos 2. O módulo de T é unitário e os teoremas T47 e T48
que a medida da variação da direção da curva em relação estabelecem que |T × T ′ | = |T ||T ′ | .
ao comprimento de arco da mesma é chamada de curva-
tura, a qual podemos representar por: Implicando em:
13.3. CURVATURA EM DUAS DIMENSÕES 47

1. f⃗′ (t) × f⃗′′ (t) = T ′ C ′ × T C ′ e, depois, 13.3.1 T50 - Curvatura de uma função no
plano (x,y)
2. |f⃗′ (t) × f⃗′′ (t)| = |T ′ × T |(C ′ )2 ⇒ |f⃗′ (t) ×
f⃗′′ (t)| = |T ′ ||T |(C ′ )2 .

Sendo T um versor:
Demonstração:
|f⃗′ (t) × f⃗′′ (t)| = |T ′ |(C ′ )2
Temos a função y = f (x) podemos adotar x como pa-
|f⃗′ (t) × f⃗′′ (t)| = |T ′ ||f⃗′ (t)|2 râmetro e fazer y = ⟨x, f (x), 0⟩ , então teremos duas
|f⃗′ (t)×f⃗′′ (t)| derivadas, como segue:
|T ′ | = |f⃗′ (t)|2
y ′ = ⟨1, f ′ (x), 0⟩
Retomando a aplicação da definição, temos:
y ′′ = ⟨0, f ′′ (x), 0⟩
|T ′ | |f⃗′ (t)×f⃗′′ (t)|
|f⃗′ (t)|
= |f⃗′ (t)|3 O que nos possibilita fazer:
|f⃗′ (t)×f⃗′′ (t)| y ′ ×⃗
|⃗ y ′′ |
k= k= |⃗y ′ |3
|f⃗′ (t)|3

O que comprova o teorema. ⃗i ⃗j ⃗k

⃗y ′ × ⃗y ′′ = yx′ yy′ yz′
y ′′ y ′′ y ′′
x y z
13.2.2 Exemplo 3
⃗i ⃗j ⃗k
⟨ ⟩
′ ′′ ′
Calcule a curvatura da função vetorial f⃗(t) = t3 , t2 , t ⃗y × ⃗y = 1 f (x) 0
0 f ′′ (x) 0
.
Encontremos as derivadas da curva: ⃗y ′ × ⃗y ′′ = f ′′ (x)k
⟨ ⟩
f⃗′ (t) = 3t2 , 2t, 1 |⃗y ′ × ⃗y ′′ | = |f ′′ (x)|
Da mesma forma:
f⃗′′ (t) = ⟨6t, 2, 0⟩ √
|⃗y ′ | = 1 + |f ′ (x)|2
Encontremos o produto:
Substituindo os valores na definição:
⃗i ⃗j ⃗k

f⃗′ (t) × f⃗′′ (t) = fx′ fy′ fz′ k= |f ′′ (x)|
3
f ′′ f ′′ f ′′ |1+[f ′ (x)]2 | 2
x y z
O que comprova o teorema.
⃗i ⃗j ⃗k

f⃗′ (t) × f⃗′′ (t) = 3t2 2t 1
6t 2 0
Exemplo 4
⃗′ ⃗′′
f (t) × f (t) = −2⃗i + 6t⃗j − 6t k 2⃗
√ Seja a função quadrática no plano xy , definida por y =
|f⃗′ (t) × f⃗′′ (t)| = 2 9t4 + 9t2 + 1 x2 −3x+2 , qual a sua curvatura no ponto onde a abscissa
Enquanto que o módulo da derivada primeira é: é4?

|f⃗′ (t)| = 9t4 + 4t2 + 1
Resposta
Lancemos os valores na fórmula:

2 9t4 +9t2 +1
k=
(9t4 +4t2 +1) 2
3
Encontremos as derivadas:
y ′ = 2x − 3
13.3 Curvatura em duas dimen- e
sões y ′′ = 2
Temos:
Também podemos definir a curvatura de funções de duas k= 2
3
variáveis, neste caso em particular, não parametrizadas. [1+(2x−3)2 ] 2
O princípio é o mesmo que usamos para o cálculo de fun- k= 2
3
ções parametrizadas no espaço, em suma, o cálculo da (4x2 −12x+10) 2
curvatura de funções reais com uma variável dependente k= 1
3
é o resultado da anulação de um eixo no sistema de coor- (2x2 −6x+5) 2

denadas, o que define um plano onde a função é expressa. k = 0, 021334


48 CAPÍTULO 13. APLICAÇÕES DE FUNÇÕES VETORIAIS

13.4 Normais e binormais Da função f⃗(t) = ⟨t3 , t2 , t⟩ calculamos o versor tan-


gente, como segue:
Nada mais natural que determinar uma normal de um f⃗ ′ (t)
T (t) = |f⃗ ′ (t)|
ponto, já que determinamos a sua tangente, o processo
se baseia no teorema T48, uma vez que o versor tangente Encontremos a derivada da função com relação ao parâ-
T tem norma constante, podemos admitir que a derivada metro:
do mesmo é normal ao ponto, pois é perpendicular a sua f⃗ ′ (t) = ⟨3t2 , 2t, 1⟩
tangente. Devemos, por outro lado, nos ater ao fato que o
vetor resultante da derivação do versor não é, necessaria- O que nos fornece, para o parâmetro dado:
mente, sempre unitário; devemos portanto, estabelecer o f⃗ ′ (t) = ⟨3(2)2 , 2(2), 1⟩
versor normal como:
T ′ (t)
f⃗ ′ (t) = ⟨12, 4, 1⟩
N (t) = |T ′ (t)|
Logo:
A tangente e a normal de um ponto estabelecem um plano ⟨ ⟩
T (2) = √12 , √ 4 , √ 1
sob o qual o ponto está inserido, este mesmo plano tam- 161 161 161
bém possui uma normal, uma vez que já estabelecemos Para a normal, temos:
uma normal ao ponto e que todos os vetores partindo
T ′ (t)
do ponto, que são perpendiculares a sua tangente, são N (t) = |T ′ (t)|
normais do ponto, estabelecemos a sua binormal, cal- Para isto calculamos a derivada novamente:
culando desta forma:
f⃗ ′′ (t) = ⟨6t, 2, 0⟩
B(t) = N (t) × T (t)
sendo:
Diferente do caso da normal, o vetor binormal é unitário,
⃗ ′′
visto que resulta da operação acima, que basicamente é a f (2) = ⟨12, 2, 0⟩
multiplicação de dois escalares (os inversos dos módulos O que nos dá uma normal:
dos vetores) pelo vetor resultante do produto vetorial dos ⟨ ⟩
12 √4 , 0
mesmos. N (2) = 2√ ,
37 2 37
⟨ ⟩
De fato, se:
N (2) = √637 , √237 , 0
N (t) = k1⃗n(t)
Para a binormal fazemos:
e
⃗i ⃗j ⃗k

T (t) = k2⃗t(t) B(t) = f⃗′ × f⃗′′ = fx′ fy′ fz′
f ′′ f ′′ f ′′
sendo, x y z
[ ]
N (t) × T (t) = k1 k2 ⃗n(t) × ⃗t(t) ⃗i ⃗j ⃗k

B(2) = 12 4 1
Desta forma, verificamos que os vetores que originam a 12 2 0
binormal são multiplicados por fatores que os reduzem
a unidade, são operados no produto vetorial e podemos B(2) = 0⃗i + 12⃗j + 24⃗k − (2⃗i + 0⃗j + 48⃗k)
concluir que a binormal representa um versor perpendi-
Portanto:
cular ao plano dos versores tangente e normal da função
dada. Ainda podemos verificar, pela fórmula do produto B(2) = −2⃗i + 12⃗j − 24⃗k = ⟨−2, 12, −24⟩
vetorial com referência ao ângulo, que o módulo é uni-
tário, pois o ângulo entre os versores é reto, o que nos
informa que:
( ) 13.5 Mecânica no espaço
|B(t)| = |N (t)||T (t)|sen π2
|B(t)| = 1 Considerando que pontos no espaço podem ser expressos
sob a forma de vetores é natural que tenhamos uma forma
de analisar a evolução do movimento de um corpo sob a
óptica vetorial.
13.4.1 Exemplo 5

Considerando a função vetorial do exemplo 3, calcule as 13.5.1 Introdução


componentes tangente, normal e binormal no ponto onde
o parâmetro é igual a 2 . De fato, vejamos alguns conceitos aplicáveis da Física
para o estudo vetorial do movimento, como sabemos:
Desenvolvendo F = ma
13.5. MECÂNICA NO ESPAÇO 49

Onde F é força, m é massa e a é aceleração. Comprovação


Sob análise inicial, temos que:

v
Temos: T = |⃗
v|
• A força é proporcional a aceleração;
Podemos obter a aceleração derivando ⃗v :
• A relação linear entre as grandezas nos possibilita ⃗a = |⃗v |T ′ + |⃗v |′ T
operá-las livremente;
Por outro lado, a normal é definida como:
• Tanto força quanto aceleração são grandezas direci- ′
N = |TT ′ |
onais.
logo:
Por isso podemos estabelecer que as grandezas podem ser T ′ = |T ′ |N
expressas sob a forma de vetores no espaço:
Trazendo para a equação anterior:
F⃗ = m⃗a
⃗a = |⃗v ||T ′ |N + |⃗v |′ T
Ainda podemos observar que, a aceleração neste caso é
Isto nos mostra que temos dois escalares e dois versores
a derivada segunda do deslocamento de uma partícula no
componentes, associamos os escalares à notação da tan-
espaço, como também já sabemos do estudo de física.
gente e da normal e teremos an e aT respectivamente, ou
De fato, sendo ⃗s(t) o deslocamento de uma partícula no
seja:
espaço:
⃗a = aN N + aT T
⃗v (t) = limh→0 ⃗s(t+h)−⃗
h
s(h)
= ⃗s ′ (t)
O que comprova o teorema.
Analíticamente, temos um vetor para cada ponto da curva
descrita pela partícula, cujo módulo é o deslocamento da
mesma por unidade de tempo, diminuindo a distância h
obtemos vetores cada vez mais próximos, o que nos for- T50 - Teorema da aceleração normal
nece a velocidade intantânea da partícula quando estabe-
lecido o limite.
Sendo esta velocidade apresentada na forma vetorial, es-
tabelecemos o valor de seu módulo como expressão da
Comprovação
sua magnitude e o chamamos de rapidez, portanto a ra-
pidez de uma partícula que se move no espaço é:
v = |⃗v | = |s ′ (t)| Como sabemos, a curvatura da função vetorial é definida
por:
Da mesma forma podemos verificar que a taxa de varia-

ção da velocidade da partícula em relação ao tempo pode k = |⃗s|T′ (t)|
|

ser conseguida pela derivada segunda da função vetorial


que define a posição da mesma, tomando um referecial donde temos:
qualquer. Desta forma temos que: |T ′ | = k|⃗s ′ (t)|
⃗a(t) = ⃗s ′′ (t) Da demonstração anterior, temos:
aN = |⃗v ||T ′ |N
13.5.2 Acelerações tangentes e normais aN = |⃗s ′ (t)||T ′ |N
Substituamos o módulo do vetor T ′ pelo correspondente
Dada uma partícula no espaço, desenvolvendo um movi- anterior:
mento variável sob qualquer trajetória, esta poderá man-
ter um comportamento que lhe confira uma trajetória aN = |⃗s ′ (t)| k |⃗s ′ (t)|N
curva, isto nos sugere que sobre este movimento temos aN = k |⃗s ′ (t)|2 N
componentes fundamentais que o regem. Considerando
que temos as componentes fundamentais normal e tan- Como é nossa intenção deixar toda a fórmula em termos
gencial para as curvas vetoriais, nada mais plausível de se de derivadas do comprimento substituimos a curvatura
pensar do que usá-los para descrever os componentes do por sua equivalente nestes termos:
movimento da partícula que segue este trajeto. s ′ (t)×⃗
|⃗ s ′′ (t)|
aN = s ′ (t)|3
|⃗ |⃗s ′ (t)|2 N
E temos, por redução, a fórmula resultante:
T49 - Componentes da aceleração s ′ (t)×⃗
|⃗ s ′′ (t)|
aN = s ′ (t)|
|⃗
O que comprova o teorema.
50 CAPÍTULO 13. APLICAÇÕES DE FUNÇÕES VETORIAIS

T51 - Teorema da aceleração tangente ⃗n = ⃗u × w



façamos:
⃗u = ⃗a|⃗u| cos(ωt)
Comprovação w ⃗ ⃗b
⃗ = |w|
⃗ = ⃗n
N |⃗
n|
Da demonstração acima sobre componentes da acelera-
ção, temos: ou seja,
aT = |⃗v |′ ⃗ ⃗b
⃗n = ⃗a|⃗u| cos(ωt) × |w|
Podemos escrever: Poderemos, então, encontrar o versor ⃗a fazendo:

|⃗v | = ⃗v · ⃗v ⃗a = ⃗b × N

Logo, sua derivada será: Temos um vetor ⃗a perpendicular a ⃗n e ⃗b .


|⃗v |′ = √1 (⃗
v ·⃗
2 ⃗ v
v · ⃗v ′ + ⃗v ′ · ⃗v ) Podemos criar uma circunferência de tal forma que te-
nhamos:
v′
v ·⃗
|⃗v |′ = 2⃗

2 ⃗ v ·⃗
v ⃗ + r ⃗a cos(ωt) + r ⃗b sen(ωt)
⃗s(t) = w
Resume-se a: Calculemos as derivadas:
v′
v ·⃗
|⃗v |′ = ⃗
|⃗v| ⃗s ′ (t) = −rω ⃗a sen(ωt) + rω ⃗b cos(ωt)
Em termos de ⃗s(t) temos: ⃗s ′ (t) = rω (−⃗a sen(ωt) + ⃗b cos(ωt))
′ s ′ (t)·⃗
⃗ s ′′ (t)
aT = |⃗v | = s ′ (t)|
|⃗ Também temos:
O que comprova o teorema. ⃗s ′′ (t) = −rω 2 ⃗a cos(ωt) − rω 2⃗b sen(ωt)
⃗s ′′ (t) = −rω 2 ( ⃗a cos(ωt) + ⃗b sen(ωt))
13.5.3 Exemplo 6 Agora, podemos usar as fórmulas de tangente e normal
para calcular os valores:
Uma partícula puntiforme se desloca no espaço em órbita
s ′ (t)×⃗
|⃗ s ′′ (t)|
circular de raio r = 4 no plano definido pelos vetores aN = s ′ (t)|
|⃗
⃗u = ⟨2, 2, 4⟩, w⃗ = ⟨3, 2, 2⟩ , sendo este último o cen- |rω (−⃗ a sen(ωt)+ ⃗b cos(ωt))×[−rω 2 ( ⃗ a cos(ωt)+⃗b sen(ωt))]|
tro da trajetória, com velocidade escalar igual a 2 m/s. aN = |rω (−⃗ a sen(ωt)+ ⃗b cos(ωt))|
Decomponha as acelerações associadas ao movimento.
aN = rω 2 |(−⃗a sen(ωt)+|(−⃗ a cos(ωt)+⃗b sen(ωt))]|
⃗b cos(ωt))×[−( ⃗
a sen(ωt)+ ⃗b cos(ωt))|
Desenvolvendo a×⃗b sen2 (ωt)−⃗b×⃗
|⃗ a cos2 (ωt)|
aN = rω 2 a sen(ωt)+ b cos(ωt))|
|(−⃗ ⃗

Trabalhemos inicialmente na forma algébrica... De a = rω 2 a×⃗b sen2 (ωt)+⃗


|⃗ a×⃗b cos2 (ωt)|
N a sen(ωt)+ ⃗b cos(ωt))|
|(−⃗
acordo com o que já conhecemos, podemos estabelecer
que a representação do movimento sob a forma vetorial a = rω 2 a×⃗b|
|⃗
N a sen(ωt)+ ⃗b cos(ωt))|
|(−⃗
é semelhante à da forma paramétrica do movimento cir-
cular uniforme, ou seja: aN = rω 2 1
a sen(ωt)+ ⃗b cos(ωt))|
|(−⃗
⃗s(t) = ⟨r sen(ωt), r cos(ωt)⟩ Temos definida, na forma literal, a aceleração normal que
Onde r é o raio, ω é a velocidade angular e t é o tempo. corresponde à aceleração centrípeta. Façamos a mesma
dedução para a aceleração tangencial:
Porém, isto representa apenas um movimento bidimensi-
s ′ (t)·⃗
|⃗ s ′′ (t)|
onal. Se tivermos que analisar um evento no espaço te- aT = s ′ (t)|
|⃗
mos que representar o movimento através de uma tripla
a sen(ωt)+ ⃗b cos(ωt))·[−( ⃗
|(−⃗ a cos(ωt)+⃗b sen(ωt))]|
ordenada, ou seja, um vetor espacial, para isto devemos aT = rω 2 |(−⃗a sen(ωt)+ ⃗b cos(ωt))|
observar que a circunferência traçada pela partícula está
a|2 sen(ωt) cos(ωt)−|⃗b|2 sen(ωt) cos(ωt)|
||⃗
apoiada sobre dois eixos no plano onde a mesma se en- aT = rω 2 a sen(ωt)+ ⃗b cos(ωt))|
|(−⃗
contra, o que nos permite chamar os seus versores de ⃗a e
⃗b , respectivamente horizontal e vertical. O vetor w
⃗ pode aT = 0
ser tomado como referênca do eixo vertical de nossa re- Como era de se esperar.
ferênca uma vez que define o centro da trajetória. Temos
Agora, podemos encontrar os valores substituindo os da-
dois eixos mutuamente perpendiculares ao plano definido
dos que temos nas fórmulas que acabamos de deduzir:
pelos vetores, por isso devemos encontrar a normal do
plano: O vetor ⃗b é o versor do vetor w
⃗ , portanto:
13.5. MECÂNICA NO ESPAÇO 51

⃗b = w

|w|

⟨ ⟩
⃗b = √3 , √2 , √2
17 17 17

Calculemos o vetor normal ao plano que contém a partí-


cula em movimento:

⃗i ⃗j ⃗k

⃗u × w⃗ = 2 2 4
3 2 2

⃗ = −4⃗i + 8⃗j − 2⃗k


⃗u × w
Cujo versor é:
⃗ = − ⃗i + 2⃗j ⃗
N 21 21 − k
42
Podemos encontrar o versor ⃗a :
⃗a = ⃗b × N ⃗

⃗i ⃗j ⃗k
3
⃗a = √17 √217 √217
− 1 2
− 421
21 21
( )
⃗a = 21√ 1
−5 ⃗i − 1⃗j + 8⃗k
17 2
v
Sendo ω = r , temos:
2
ω= 4
1
ω= 2 rad/s
E temos definidos todos os componentes.
Capítulo 14

Funções de várias variáveis

Wikiversidade - Disciplina: Cálculo III

Este capítulo trata de um tema que deve ser explorado


com certo detalhamento para que as noções sejam bem
entendidas, os tópicos serão explorados de maneira indi-
vidual e progressiva. Por isso dividimos as subseções de
forma a adequar o cronograma seqüencialmente ao es-
tudo.

1. Funções

2. Limites e continuidade
3. Derivadas parciais

4. Derivadas direcionais
5. Valores extremos

6. Multiplicadores de Lagrange

52
Capítulo 15

Funções

Wikiversidade - Disciplina: Cálculo III Exemplo 1

Seja a função:
4
z= x2 +y 2

15.1 Funções de duas variáveis cujo domínio é D = {(x, y)|(x, y) ̸= (0, 0)} , cal-
cule os valores da imagem para os pares de domínio:
[(2, 1), (3, 2), (1, 4)] .
Funções de duas variáveis são muito comuns em nosso
cotidiano, em termos gerais os sistemas físicos reais ra- Façamos:
ramente dependem de uma só variável, na verdade nós f (2, 1) = 4
22 +12
tendemos a simplificar nossas análises para o universo
4
limitado de nossos conhecimentos. Veremos neste sub- f (2, 1) = 5
capítulo as diversas formas de representação de funções f (3, 2) = 4
32 +22
que usam duas ou mais variáveis e um estudo completo
4
destas formas. f (3, 2) = 13
4
f (1, 4) = 12 +42
4
f (1, 4) = 17

15.1.1 Definições

Uma função de duas variáveis é a representação de um


valor resultante de operações sobre estas variáveis, basi-
camente representa-se por:
z = f (x, y) 15.1.2 Representação gráfica
Em termos gerais uma função de duas variáveis é o resul-
tado de um conjunto de regras que operam dois valores Existem diversas maneiras de representar funções com
independentes o qual resulta na imagem representada por mais de uma variável independente sob a forma de gráfi-
uma variável dependente. Da mesma forma que temos cos, Para o nosso entendimento inicial veremos os gráfi-
em funções de uma variável independente, estas funções
cos cartesianos, que trazem uma representação bastante
possuem um conjunto de valores admitidos como váli- apropriada para a maioria dos estudos que precisamos fa-
dos para que suas variáveis independentes não induzam a
zer.
mesma a produzir valores inválidos, definimos o domínio
como um conjunto de valores cujo produto cartesiano é Uma função de duas variáveis pode ser traçada sob um
expresso como: gráfico tridimensional, tal que os eixos x e y sejam re-
presentações das variáveis independentes e o eixo z seja
D = {(x, y) ∈ R2 } representação dos valores da função. Sob a óptica co-
Se D é o domínio de f podemos admitir que os valores mum, este tipo de representação forma um conjunto de
que resultam das operações da função sobre este domínio pontos que se assemelham a uma película que cobre o
produzem uma imagem I , a qual é representação do con- plano xy a uma certa distância média. Como já vimos
junto de todos os valores que resultam da função sobre os anteriormente, podemos chamar este tipo de representa-
pares em D ção de superfície.
I = {f (x, y)|(x, y) ∈ D} Observemos o gráfico abaixo:

53
54 CAPÍTULO 15. FUNÇÕES

vel de água teremos uma altura, podemos dizer que ao


traçarmos os valores para várias circunferências concên-
tricas estaremos desenhando curvas correspondentes aos
níveis de água.
É como descrito acima que podemos ver o que são as
curvas de nível, quando imaginamos que em um gráfico
tridimensional podemos ter diversos objetos, como vimos
anteriormente, os “contornos” destes objetos por valores
definidos no eixo da função, nos trazem linhas que passam
pelos valores das variáveis independentes que definiram
estes.

15.2 Funções de mais de duas va-


riáveis
Tipicamente, quando temos que representar valores no
espaço temos que referenciar um valor para cada eixo do
espaço cartesiano. Esta necessidade nos faz pensar em
funções que dependam de três variáveis, como por exem-
plo a função de temperatura em um espaço fechado. Da
mesma forma, podemos pensar em outras situações onde
o tempo deva ser levado em conta também, o que nos
fará pensar em funções de quatro variáveis, portanto po-
demos pensar que a desconsideração do número de variá-
veis pode servir de base para a generalização da expressão
O comprimento e a largura representam valores indepen-
que define uma função.
dentes das duas variáveis fornecidas à função represen-
tada no eixo vertical, uma vez que temos um par de valo- Imaginemos que temos uma função f (x, y, z, . . . ) , na
res possíveis para os diversos pontos na base cada valor qual não limitamos o número de variáveis. Se criarmos
correspondente ao resultado da função, quando introdu- procedimentos que sirvam para a análise e manipulação
zidos os valores na mesma, são apresentados sob a forma de funções qualquer quantidade de variáveis poderemos
de “alturas”. generalizá-los. Esta consideração cabe a funções defini-
das por variáveis independentes não parametrizadas. De
Esta forma de representação nos mostra claramente como
forma que podemos definir que os valores de tais variáveis
os valores são expressos, nos dando a noção de como os
podem assumir valores diversos e aleatoriamente distri-
pares de valores no plano de variáveis independente pro-
buídos.
duzem um só valor de função para cada ponto projetado
neste, desta forma o critério da unicidade de valor para a
função não é violado.

15.1.3 Curvas de nível

Quando precisamos de uma visão geral a cerca dos va-


lores que um gráfico pode nos fornecer podemos fazer
uma espécie de compressão de valores em uma estrutura
bidimensional, ou seja, imagine que temos que verificar
em quais circunstâncias de valores das variáveis indepen-
dentes que a função assume um determinado valor, para
estes casos podemos marcar sobre um plano os valores
dos pares que fornecem o valor que procuramos. Este
procedimento é facilmente observado se tomarmos um
cone com a base para baixo, se fizermos com que uma
certa quantidade de água preencha um recipiente onde o
mesmo está inserido, veremos uma circunferência ao ob-
servarmos o cone por cima, delimitado pela superfície da
água que contorna o cone. Uma vez que para cada ní-
Capítulo 16

Derivadas parciais

Em geral, se f é uma função de duas variáveis x e y, su-


ponha que deixamos x variar deixando y fixo, y = b e b
sendo um valor constante. Então, o que realmente temos
é uma função de uma única variável x, que podemos cha-
mar de g(x) = f(x,b). Se g possui derivada em um ponto
a, então nós podemos denominar como a derivada parcial
de f em relação a x em um ponto (a,b) e representar por
fx (a,b).

55
Capítulo 17

Integrais múltiplas

Existem várias situções em que não é possível ou não é


fácil utilizar uma integral simples. Assim, surge o apare-
cimento das chamadas integrais múltiplas que “varrem”
o domínio de integração com a ajuda de duas ou três va-
riáveis.
Os integrais múltiplos podem ser:
Integral
∫∫ dupla
R
f (x, y)dA
Integral
∫∫∫ triplo
D
f (x, y, z)dV

17.1 Integrais Duplas


Integrais duplas são integrais definidas de funções de duas
variáveis f (x, y) sobre uma região limitada no plano xy
. Denotamos por:
∫∫
R
f (x, y)dA
Esboço de uma região retangular particionada em subretângulos.
a integral dupla de f (x, y) sobre a região de integração
R.
com o limite sendo tomado sobre todas as partições retan-
gulares possíveis, fazendo a área dos subretângulos ten-
17.1.1 Integrais duplas sobre retângulos der a zero. Quando este limite existe, dizemos que f é
integrável. É condição suficiente para a existência deste
Aqui, vamos considerar o caso de uma região de integra- limite f ser contínua.
ção retangular, i.e., R = {(x, y) ∈ R2 ; a ≤ x ≤ b, c ≤
y ≤ d} .

Somas de Riemann

Como para integrais simples, integrais duplas são defi-


nidas como o limite de somas de Riemann. Para tanto,
particionamos a região retangular R em n subretângu-
los e denotamos a área do k -ésimo subretângulo por
∆Ak = ∆xk ∆yk , onde ∆xk e ∆yk são os comprimen-
tos dos lados deste subretângulo. Uma soma de Riemann
é dada por:
∑n ∑n
k=1 f (xk , yk )∆Ak = k=1 f (xk , yk )∆xk ∆yk

onde (xk , yk ) é um ponto qualquer pertencente ao k -


ésimo subretângulo.
A integral dupla sobre R é definida por:
∫∫ ∑n
R
f (x, y)dA = lim∆A→0 k=1 f (xk , yk )∆Ak

56
Capítulo 18

Integrais de linha

Dado uma curva r em Rn diferenciável e parametrizável


no intervalo [a, b] e uma função f : Rn → Rn definimos
∫b
a integral de linha de f ao longo de r como a f (r(t)) ·
a′ (t) dt .

57
58 CAPÍTULO 18. INTEGRAIS DE LINHA

18.1 Fontes, contribuidores e licenças de texto e imagem


18.1.1 Texto
• Cálculo (Volume 2)/Capa Fonte: https://pt.wikibooks.org/wiki/C%C3%A1lculo_(Volume_2)/Capa?oldid=260639 Contribuidores: Mar-
cos Antônio Nunes de Moura, He7d3r, Thiago Marcel e Anónimo: 1
• Cálculo (Volume 2)/Prefácio Fonte: https://pt.wikibooks.org/wiki/C%C3%A1lculo_(Volume_2)/Pref%C3%A1cio?oldid=212646 Con-
tribuidores: Marcos Antônio Nunes de Moura, Jorge Morais, He7d3r e He7d3r.bot
• Cálculo (Volume 2)/Cônicas Fonte: https://pt.wikibooks.org/wiki/C%C3%A1lculo_(Volume_2)/C%C3%B4nicas?oldid=266269 Con-
tribuidores: Marcos Antônio Nunes de Moura, He7d3r, He7d3r.bot, Abacaxi e Anónimo: 5
• Cálculo (Volume 2)/Formas paramétricas Fonte: https://pt.wikibooks.org/wiki/C%C3%A1lculo_(Volume_2)/Formas_param%C3%
A9tricas?oldid=288942 Contribuidores: Marcos Antônio Nunes de Moura, Jorge Morais, He7d3r, MGFE Júnior, He7d3r.bot, Genius68 e
Anónimo: 4
• Cálculo (Volume 2)/Formas polares Fonte: https://pt.wikibooks.org/wiki/C%C3%A1lculo_(Volume_2)/Formas_polares?oldid=231433
Contribuidores: Marcos Antônio Nunes de Moura, He7d3r, He7d3r.bot, Alexandre Chacon e Anónimo: 3
• Cálculo (Volume 2)/Geometria tridimensional Fonte: https://pt.wikibooks.org/wiki/C%C3%A1lculo_(Volume_2)/Geometria_
tridimensional?oldid=281489 Contribuidores: Marcos Antônio Nunes de Moura, Jorge Morais, Edudobay, Albmont, CommonsDelinker,
He7d3r, He7d3r.bot, Defender, T.seppelt e Anónimo: 8
• Cálculo (Volume 2)/Geometria tridimensional/Sistemas de coordenadas Fonte: https://pt.wikibooks.org/wiki/C%C3%A1lculo_
(Volume_2)/Geometria_tridimensional/Sistemas_de_coordenadas?oldid=266268 Contribuidores: Marcos Antônio Nunes de Moura, Jorge
Morais, He7d3r, MGFE Júnior, Abacaxi e Anónimo: 5
• Cálculo (Volume 2)/Geometria tridimensional/Vetores no espaço Fonte: https://pt.wikibooks.org/wiki/C%C3%A1lculo_(Volume_
2)/Geometria_tridimensional/Vetores_no_espa%C3%A7o?oldid=212664 Contribuidores: Marcos Antônio Nunes de Moura, He7d3r,
He7d3r.bot e Anónimo: 2
• Cálculo (Volume 2)/Geometria tridimensional/Vetores e produtos Fonte: https://pt.wikibooks.org/wiki/C%C3%A1lculo_(Volume_
2)/Geometria_tridimensional/Vetores_e_produtos?oldid=268358 Contribuidores: Marcos Antônio Nunes de Moura, Edudobay, Voz da
Verdade, He7d3r, He7d3r.bot, Abacaxi e Anónimo: 2
• Cálculo (Volume 2)/Funções vetoriais Fonte: https://pt.wikibooks.org/wiki/C%C3%A1lculo_(Volume_2)/Fun%C3%A7%C3%B5es_
vetoriais?oldid=275813 Contribuidores: Marcos Antônio Nunes de Moura, Edudobay, Albmont, He7d3r, He7d3r.bot e Anónimo: 7
• Cálculo (Volume 2)/Aplicações de funções vetoriais Fonte: https://pt.wikibooks.org/wiki/C%C3%A1lculo_(Volume_2)/Aplica%
C3%A7%C3%B5es_de_fun%C3%A7%C3%B5es_vetoriais?oldid=228390 Contribuidores: Marcos Antônio Nunes de Moura, He7d3r,
He7d3r.bot e Anónimo: 3
• Cálculo (Volume 2)/Funções de várias variáveis Fonte: https://pt.wikibooks.org/wiki/C%C3%A1lculo_(Volume_2)/Fun%C3%A7%
C3%B5es_de_v%C3%A1rias_vari%C3%A1veis?oldid=212679 Contribuidores: Marcos Antônio Nunes de Moura, He7d3r, PatiBot e
He7d3r.bot
• Cálculo (Volume 2)/Funções de várias variáveis/Funções Fonte: https://pt.wikibooks.org/wiki/C%C3%A1lculo_(Volume_2)/Fun%
C3%A7%C3%B5es_de_v%C3%A1rias_vari%C3%A1veis/Fun%C3%A7%C3%B5es?oldid=271826 Contribuidores: Marcos Antônio
Nunes de Moura, He7d3r, He7d3r.bot e Anónimo: 3
• Cálculo (Volume 2)/Funções de várias variáveis/Derivadas parciais Fonte: https://pt.wikibooks.org/wiki/C%C3%A1lculo_(Volume_
2)/Fun%C3%A7%C3%B5es_de_v%C3%A1rias_vari%C3%A1veis/Derivadas_parciais?oldid=117956 Contribuidores: Uder e Jorge Mo-
rais
• Cálculo (Volume 2)/Integrais múltiplas Fonte: https://pt.wikibooks.org/wiki/C%C3%A1lculo_(Volume_2)/Integrais_m%C3%
BAltiplas?oldid=272144 Contribuidores: He7d3r, Abacaxi, Picknick e Anónimo: 1
• Cálculo (Volume 2)/Integrais de linha Fonte: https://pt.wikibooks.org/wiki/C%C3%A1lculo_(Volume_2)/Integrais_de_linha?oldid=
265832 Contribuidores: Raniere Silva e Torneira

18.1.2 Imagens
• Ficheiro:0de8.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/8/88/0de8.svg Licença: Public domain Contribuidores: Obra
do próprio Artista original: Marcos Antônio Nunes de Moura, Helder
• Ficheiro:1de8.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/bb/1de8.svg Licença: Public domain Contribuidores: Obra
do próprio Artista original: Marcos Antônio Nunes de Moura, Helder
• Ficheiro:Angle_between_two_vectors.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/58/Angle_between_two_
vectors.svg Licença: Public domain Contribuidores: Obra do próprio Artista original: Andreas 06
• Ficheiro:Angulo_vetores.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikibooks/pt/8/88/Angulo_vetores.png Licença: ? Contribuidores:
Trabalho próprio Artista original: Marcos A. N. de Moura
• Ficheiro:Cartesian_coordinates_3D.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/15/Cartesian_coordinates_3D.svg
Licença: CC-BY-SA-3.0 Contribuidores: ? Artista original: ?
• Ficheiro:Ciclo_quad.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikibooks/pt/b/bc/Ciclo_quad.png Licença: ? Contribuidores: Trabalho
próprio Artista original: Marcos A. N. de Moura
• Ficheiro:Cicloide.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikibooks/pt/0/0a/Cicloide.png Licença: ? Contribuidores: Trabalho próprio
Artista original: Marcos A. N. de Moura
18.1. FONTES, CONTRIBUIDORES E LICENÇAS DE TEXTO E IMAGEM 59

• Ficheiro:Cicloide_contr.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikibooks/pt/4/4e/Cicloide_contr.jpg Licença: ? Contribuidores: Tra-


balho próprio Artista original: Marcos A. N. de Moura
• Ficheiro:Circ_param.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikibooks/pt/7/74/Circ_param.png Licença: ? Contribuidores: Trabalho
próprio Artista original: Marcos A. N. de Moura
• Ficheiro:Conchoides-direita.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikibooks/pt/0/0c/Conchoides-direita.png Licença: ? Contribui-
dores: Trabalho próprio Artista original: Marcos A. N. de Moura
• Ficheiro:Conchoides-esquerda.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikibooks/pt/1/14/Conchoides-esquerda.png Licença: ? Con-
tribuidores: Trabalho próprio Artista original: Marcos A. N. de Moura
• Ficheiro:Conicas1.PNG Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/12/Conicas1.PNG Licença: CC-BY-SA-3.0 Contri-
buidores: pt.wikipedia Artista original: Marcelo Reis
• Ficheiro:Conicas2.PNG Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/f1/Conicas2.PNG Licença: CC-BY-SA-3.0 Contri-
buidores: pt.wikipedia Artista original: Marcelo Reis
• Ficheiro:Conicas3.PNG Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/7/7f/Conicas3.PNG Licença: CC-BY-SA-3.0 Contri-
buidores: pt.wikipedia Artista original: Marcelo Reis
• Ficheiro:Cosseno.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikibooks/pt/6/6b/Cosseno.png Licença: ? Contribuidores: Trabalho próprio
Artista original: Marcos A. N. de Moura
• Ficheiro:Cosseno_polar.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikibooks/pt/6/6e/Cosseno_polar.png Licença: ? Contribuidores: Tra-
balho próprio Artista original: Marcos A. N. de Moura
• Ficheiro:Cylindre_ell.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/6/6e/Cylindre_ell.png Licença: Public domain Con-
tribuidores: Self-made (with Maple 9) Artista original: Xzapro4
• Ficheiro:Cylindre_hyp.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/18/Cylindre_hyp.jpg Licença: Public domain
Contribuidores: ? Artista original: Xzapro4
• Ficheiro:Cylindre_parabolique.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/ed/Cylindre_parabolique.jpg Licença:
Public domain Contribuidores: ? Artista original: Xzapro4
• Ficheiro:Cylindrical_coordinates.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/a/a6/Cylindrical_coordinates.png Li-
cença: Public domain Contribuidores: ? Artista original: ?
• Ficheiro:DandelinSpheres.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/5e/DandelinSpheres.png Licença: GPL
Contribuidores: ? Artista original: ?
• Ficheiro:DoubleCone.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/7/72/DoubleCone.png Licença: Public domain
Contribuidores: Obra do próprio Artista original: Lars H. Rohwedder (User:RokerHRO)
• Ficheiro:Drini-conjugatehyperbolas.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/7/74/Drini-conjugatehyperbolas.
png Licença: CC BY-SA 2.0 Contribuidores: ? Artista original: ?
• Ficheiro:Ellipse_parameters.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/9b/Ellipse_parameters.png Licença: CC-
BY-SA-3.0 Contribuidores: Obra do próprio Artista original: User:Haui
• Ficheiro:Ellipsoide.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/b4/Ellipsoide.png Licença: Public domain Contri-
buidores: Obra do próprio Artista original: User:Anarkman
• Ficheiro:Hiperbole_param.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikibooks/pt/9/9c/Hiperbole_param.png Licença: ? Contribuido-
res: Trabalho próprio Artista original: Marcos A. N. de Moura
• Ficheiro:Hiperboloide_dos_hojas_sección.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/7/7b/Hiperboloide_dos_
hojas_secci%C3%B3n.png Licença: CC-BY-SA-3.0 Contribuidores: Enciclopedia Libre Artista original: M.Romero Schmidtke
• Ficheiro:Hyperb1N.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/50/Hyperb1N.png Licença: Public domain Contri-
buidores: Obra do próprio Artista original: User:Anarkman
• Ficheiro:HyperbolicParaboloid.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/4/4a/HyperbolicParaboloid.png Li-
cença: CC-BY-SA-3.0 Contribuidores: ? Artista original: ?
• Ficheiro:HyperboloidOfTwoSheets.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/91/HyperboloidOfTwoSheets.
png Licença: CC-BY-SA-3.0 Contribuidores: ? Artista original: ?
• Ficheiro:Integração_Dupla_-_Região_Retangular.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/bc/Integra%C3%
A7%C3%A3o_Dupla_-_Regi%C3%A3o_Retangular.jpg Licença: CC BY-SA 4.0 Contribuidores: Obra do próprio Artista original:
Picknick
• Ficheiro:Laco_parametrico.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikibooks/pt/a/a8/Laco_parametrico.png Licença: ? Contribuido-
res: Trabalho próprio Artista original: Marcos A. N. de Moura
• Ficheiro:Level_grad.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/2/23/Level_grad.png Licença: Public domain Con-
tribuidores: ? Artista original: ?
• Ficheiro:Nuvola_apps_edu_mathematics-p.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/c/c2/Nuvola_apps_edu_
mathematics-p.svg Licença: GPL Contribuidores: Derivative of Image:Nuvola apps edu mathematics.png created by self Artista original:
David Vignoni (original icon); Flamurai (SVG convertion)
• Ficheiro:OrderedLineSegment.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/9e/OrderedLineSegment.png Licença:
Public domain Contribuidores: ? Artista original: ?
• Ficheiro:Parabel.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/7/71/Parabel.png Licença: CC-BY-SA-3.0 Contribuido-
res: ? Artista original: ?
• Ficheiro:Paraboloid.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/58/Paraboloid.png Licença: Public domain Contri-
buidores: german wikipedia Artista original: Lars Rohwedder (RokerHRO)
60 CAPÍTULO 18. INTEGRAIS DE LINHA

• Ficheiro:Polar.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikibooks/pt/2/23/Polar.png Licença: ? Contribuidores: Trabalho próprio Artista


original: Marcos A. N. de Moura
• Ficheiro:ProdScal1.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/7/7f/ProdScal1.png Licença: CC-BY-SA-3.0 Contri-
buidores: No machine-readable source provided. Own work assumed (based on copyright claims). Artista original: No machine-readable
author provided. HB assumed (based on copyright claims).
• Ficheiro:ProdScal2.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/e5/ProdScal2.png Licença: CC-BY-SA-3.0 Contri-
buidores: No machine-readable source provided. Own work assumed (based on copyright claims). Artista original: No machine-readable
author provided. HB assumed (based on copyright claims).
• Ficheiro:Prod_misto.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikibooks/pt/4/4e/Prod_misto.png Licença: ? Contribuidores: Trabalho
próprio Artista original: Marcos A. N. de Moura
• Ficheiro:Prod_vetorial.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikibooks/pt/a/a2/Prod_vetorial.png Licença: ? Contribuidores: Tra-
balho próprio Artista original: Marcos A. N. de Moura
• Ficheiro:Riemann_sqrt.jpg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/b5/Riemann_sqrt.jpg Licença: CC-BY-SA-3.0
Contribuidores: Transferido de en.wikipedia para o Commons. Artista original: Elb2000 em Wikipédia em inglês
• Ficheiro:Ripple_Surface.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/0/0e/Ripple_Surface.png Licença: Public do-
main Contribuidores: Self-made, using Mathematica 5.1. Artista original: Inductiveload
• Ficheiro:Scalar_multiplication_of_vectors.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/d8/Scalar_multiplication_
of_vectors.png Licença: Public domain Contribuidores: Created by bdesham using OmniGraffle; post-processed with GraphicConverter.
Artista original: Benjamin D. Esham (bdesham)
• Ficheiro:Secant-calculus.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/9a/Secant-calculus.png Licença: CC-BY-SA-
3.0 Contribuidores: ? Artista original: ?
• Ficheiro:Seno_polar.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikibooks/pt/7/7f/Seno_polar.png Licença: ? Contribuidores: Trabalho
próprio Artista original: Marcos A. N. de Moura
• Ficheiro:Septpoints.PNG Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/fe/Septpoints.PNG Licença: Public domain Con-
tribuidores: ? Artista original: ?
• Ficheiro:Spherical-coordinates.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/e4/Spherical-coordinates.png Licença:
Public domain Contribuidores: Obra do próprio Artista original: Vassia Atanassova - Spiritia
• Ficheiro:Vector_addition.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/ef/Vector_addition.png Licença: Public do-
main Contribuidores: Created by bdesham using OmniGraffle. Artista original: Benjamin D. Esham (bdesham)
• Ficheiro:Vector_subtraction.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/5b/Vector_subtraction.png Licença: Pu-
blic domain Contribuidores: Created by bdesham using OmniGraffle. Artista original: Benjamin D. Esham (bdesham)
• Ficheiro:Vetor_curva.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/d6/Vetor_curva.png Licença: Public domain
Contribuidores: No machine-readable source provided. Own work assumed (based on copyright claims). Artista original: No machine-
readable author provided. Marcos Antônio Nunes de Moura assumed (based on copyright claims).
• Ficheiro:Vetor_reta.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikibooks/pt/e/e1/Vetor_reta.png Licença: ? Contribuidores: Trabalho
próprio Artista original: Marcos A. N. de Moura
• Ficheiro:Vetor_soma.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikibooks/pt/3/3b/Vetor_soma.png Licença: ? Contribuidores: Trabalho
próprio Artista original: Marcos A. N. de Moura
• Ficheiro:Vetor_subtrac.png Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikibooks/pt/7/73/Vetor_subtrac.png Licença: ? Contribuidores: Tra-
balho próprio Artista original: Marcos A. N. de Moura
• Ficheiro:Windingexplain.svg Fonte: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/0/0e/Windingexplain.svg Licença: CC-BY-SA-
3.0 Contribuidores: ? Artista original: ?

18.1.3 Licença
• Creative Commons Attribution-Share Alike 3.0