Você está na página 1de 2

PEDIATRIA

DISPNEIA criança

QP: “tosse”
HDA: Mãe refere que paciente iniciou quadro de tosse seca associada a hiporexia há 4 dias. Evoluiu há 3 dias
com febre de 39°C com padrão intermitente ao uso de paracetamol. Há 2 dias apresentou dispneia leve e piora
da febre chegando a 42°C (sic). Apresentou há 1 dia episódio único de fezes líquidas sem muco, sangue ou
pus. piora da dispneia com persistência da febre.
BEG, corada, acianótica, anictérica, afebril ao toque, hidratada, ativa e reativa, taquidispneica, dormindo. Pele sem
alterações. Oroscopia sem alterações.
ACV: RCR 2T, BNF, sem sopros, FC: 128 bpm.
AR: MV reduzido em base E, com sibilos difusos. FR: 60 ipm. SATO2 96%.
ABD: Plano, RHA +, flácido, indolor, sem visceromegalias, timpanismo predominante.
EXT: bem perfundidas, sem edema.

HIPERTROFIA DE AMIGDALAS

QP: Ronco há 3 anos


Pais relatam ronco alto, audível em outro cômodo, semelhante ao ronco de um adulto, 5x/semana, sem progressão,
sem relação como o decúbito e que piora em episódios de IVAS ou de obstrução nasal. A criança apresenta um sono
agitado, deitando em várias posições bizarras. Nos últimos três meses, os pais observaram episódios de parada
respiratória, seguida de ronco alto.
PNEUMONIA
QP: Tosse e febre
Mãe refere que criança iniciou há 10 dias quadro gripal com coriza hialina e espirros, que evoluíram com tosse produtiva e
febre. Procurou assistência médica sendo diagnosticado infecção respiratória e prescrito apenas sintomáticos. Mãe relata
que a criança fez uso regular da medicação, porém não apresentou melhora do quadro.

FEBRE REUMÁTICA
QP: Febre há 7 dias + Dor articular
Mãe relata febre diária 39°C há 7 dias com melhora parcial após paracetamol 750 mg associada a mialgia, astenia e
palidez. Procurou atendimento médico por duas vezes no período, sendo prescrito amoxicilina-clavulanato, usando a
medicação há 3 dias, sem melhora. Associado refere dor articular, migratória (joelho D → Tornozelo E → joelho E →
pé D), assimétrica (mais intensa à D), que piora durante deambulação e sem sinais flogísticos. Nega outras queixas .
Refere amigdalite de repetição, mas nega amigdalite recente (última há 2 meses).
BEG, afebril, eupneico, hipocorado (2+/4+), hidratado, acianótico, anictérico.
Amígdalas hipertrofiadas.
AC: RCR em 2T com BNF sem sopros. FC: 80bpm.
AR: MVF sem RA. FR: 20irpm.
ABD: normotenso, RHA +, sem VMG.
Extremidades: discreto edema em joelhos e dificuldade em flexão dos joelhos, sem eritema local.
SN: sem sinais meníngeos.

FEBRE SEM FOCO EM CRIANÇAS 1 A 3 MESES

Um bebê de 10 semanas é levado ao serviço de emergência (SE) pela mãe e está com febre há 1 dia. A
mãe relata que teve o filho por parto normal, após uma gestação a termo e sem complicações. Ela checa
o bebê regularmente e notou que ele está ganhando peso adequadamente. Ele tem atingido as metas
de referência de crescimento e está em dia com as vacinações. O bebê não teve nenhuma doença até
agora. De manhã, ao tocar o filho, ela percebeu que ele estava quente e, ao medir a temperatura, viu
que estava em 38,3°C. Não há outros sinais nem sintomas de infecção, como nariz escorrendo, tosse,
dificuldades para respirar, erupção, rigidez nucal, atividade convulsiva, distensão abdominal, vômitos ou
diarreia. A mãe afirma que seu filho está mamando menos do que o normal, mas, de uma forma geral,
tem molhado um número normal de fraldas. Ela está bastante preocupada, pois é o seu primeiro bebê,
e ele nunca teve febre antes.

Ao exame, a criança apresenta uma frequência cardíaca de 180 bpm, pressão arterial de 90/50 mmHg
e frequência respiratória de 40 mpm, além de uma saturação de oxigênio de 99% ao ar ambiente e
temperatura retal de 39,3°C. O estado geral do bebê parece ser bom, e seu exame físico não forneceu
achados significativos. Embora o bebê tenha chorado durante a realização do exame, sua mãe conseguiu
acalmá-lo com facilidade.

CONVULSÃO

QP: Tremores de braços e pernas há cerca de 01 hora.

Mãe refere que criança apresentou, há aproximadamente uma hora, tremor e enrijecimento em MMSS E MMII
durante o sono, por cerca de 15 minutos; concomitante teve cianose perioral.Permaneceu todo o tempo
consciente, comunicante, sem desvio de olhar, sem liberação de esfíncter.Nega fatores precipitantes.Nega
náuseas, cefaléia, dor durante ou após o episódio. Não foi aferida temperatura durante ou antes do episódio.
Nega febre. Apresentando há 3 dias coriza hialina e tosse seca.Nega alterações de peso, alterações do apetite
ou estado geral comprometido.Nega alterações gastrointestinais, respiratórias, urinárias.Nega outras queixas
neurológicas.

Relata 5 episódios de convulsão febril, com perda da consciência e necessidade de internação.Não sabe
precisar períodos das convulsões. Último episódio há 3 meses (quadro de pneumonia na ocasião).Relata um
episódio de sibilância há 1 ano, não necessitando de internação.Nega cirurgias prévias, traumas, transfusões,
alergia.

EXAME FISICO CRIANÇA

Paciente em BEG, corado, hidratado, afebril, anictérico, acianótico, ativo e reativo.Orofaringe: leve hiperemia,
sem placas purulentas ou petéquias em palato.Mucosas normocoradas e hidratadas.Sem linfonodos
palpáveis.Sem sinais meníngeos. AR: MVF +, sem ruídos adventícios. Sem esforço respiratório.ACV: RCR, 2T,
BNF, sem sopros.Abdome: Globoso, RHA presente, flácido, sem massas palpáveis, sem dor a
palpação.Extremidades: bem perfundidas, sem edema, TEC=2s.