Você está na página 1de 45

VITICULTURA

REGULADORES VEGETAIS

Engº Agrº Erasmo José Paioli Pires


ejppires@iac.sp.gov.br
(19) 3241-9910

Instituto Agronômico
(IAC)
BIO REGULADORES

A palavra hormônio é originária do termo grego “horman”, que significa


excitar.

A definição clássica de hormônio vegetal é a de que são compostos


orgânicos sintetizados numa parte da planta e translocados a outra, onde em
reduzidas concentrações é constado efeito fisiológico (Salisbury e Ross, 1992).
Esta definição, entretanto, é, até certo grau, restritiva ao etileno que tem sua
ação no mesmo tecido e na mesma célula onde foi produzido (Chang e
Stadler, 2001).
Reguladores vegetais são substâncias sintéticas com efeitos
semelhantes aos dos hormônios biossintetizados pelas plantas, e que também,
em reduzidas concentrações, podem controlar o crescimento e o
desenvolvimento vegetais (Taiz e Zeiger, 2004).
Os hormônios vegetais conhecidos atualmente são classificados em
cinco grupos, sendo três auxinas naturais, algumas citocininas, mais de 100
giberelinas, ácido abscíssico e etileno.
De acordo com Taiz e Zieger (2004), entretanto, há evidências sobre a
existência de hormônios vegetais esteróides, os brassinoesteróides, com os
quais são produzidos vários efeitos morfológicos no desenvolvimento vegetal;
ademais, outras moléculas sinalizadoras, participantes nos processos de
resistência e defesa contra patógenos e herbívoros têm sido identificadas,
incluindo-se o ácido jasmônico, o ácido salicílico e a sistemina

A utilização de reguladores vegetais em viticultura iniciou-se na década de 50,


com trabalhos de Weaver e Williams nos EUA e de Coombe na Austrália (Winkler,
1965). Após tais estudos iniciais os reguladores vegetais passaram a fazer parte das
práticas culturais habituais em viticultura para diversas finalidades, como é o caso do
uso da cianamida hidrogenada para a regularização da brotação e do ácido giberélico
para aumento do tamanho de bagos (Pires, 1998). Ainda não empregados em larga
escala em cultivos comerciais, os reguladores vegetais podem ser utilizados, em
viticultura, para controle do crescimento vegetativo, aumento da fertilidade das gemas,
incremento da fixação de frutos, desbaste de cachos, supressão de sementes,
aceleração ou retardo da maturação dos frutos, controle do enrugamento dos bagos,
enraizamento de estacas e na micropropagação (Pires e Botelho, 2001).
Cabe ressaltar que, de acordo com Fregoni (1987), o crescimento da uva
é representado por uma curva “dupla sigmóide”, na qual se evidenciam três
estádios: 1) fase herbácea; 2) fase de crescimento reduzido - fase translúcida ou
de mudança de cor; 3) fase de maturidade. O período herbáceo compreende
desde a frutificação até o amolecimento das bagas. Durante esse período o peso e
o volume da baga é aumentado, e o crescimento ocorre devido às divisões
celulares. A atividade fotossintética contribui para suprir a exigências em foto
assimilados e energia para o crescimento. Os estímulos hormonais dessa fase são
devidos às auxinas, giberelinas, e citocininas. O máximo de atividade das auxinas
ocorre juntamente com o desenvolvimento intenso do nucelo e do endosperma,
que são os principais centros da síntese do hormônio. Também para as giberelinas
foi caracterizada a máxima atividade em bagas imaturas; a sua ação é
determinante para os fenômenos da expansão celular. O conteúdo hormonal está
correlacionado à presença de sementes nas bagas; portanto, conclui-se que, em
bagas com maior número de sementes o teor hormonal é mais elevado, resultando
em bagos maiores do que as apirenas. Os tecidos embrionários em
desenvolvimento nas sementes constituem locais importantes de síntese
hormonal, portanto bagas apirenas são menores que as pirenas. O número de
células formadas é dependente das características genéticas da variedade e de
fatores externos, como nutrição mineral, disponibilidade de água e temperatura. Ao
final da fase herbácea tem-se grande parte do desenvolvimento definitivo das
bagas, e sementes com o máximo de seu peso.
MATURAÇÃO

VIRAGEM
ESTAGNAÇÃO PERÍODOS
EM QUE OS
COMPOSTOS
SE
ACUMULAM

COMPOSTOS AROMÁTICOS

div cel
pericarpo

frutificação

FRUTIFICAÇÃO
Diagrama: Jordan Koutroumanidis
O estádio de crescimento reduzido é coincidente com o período
estacionário da curva dupla sigmóide e mais precisamente com a diminuição
do teor clorofila e do aparecimento de um aspecto translúcido da baga, sendo
finalizado com a mudança ou viragem de sua cor, para a coloração típica da
cultivar. Nessa fase a fotossíntese é nula na baga e inicia-se a síntese de
compostos do metabolismo secundário responsáveis pelo aroma, etc. A
duração dessa fase pode ser de 4 a 30, dias de acordo com a precocidade da
variedade, e ocorre uma desaceleração ou uma supressão no desenvolvimento
da baga; isto ocorre porque se tem o desenvolvimento definitivo das sementes,
onde é reduzida a síntese dos hormônios estimulantes do crescimento das
bagas.

A fase de maturação é iniciada com a mudança de cor e prossegue até a


maturidade total das bagas e tem a duração de 20 a 50 dias conforme a
variedade. Com a coloração final da baga é retomado o aumento em volume,
desta vez por expansão celular, com grandes modificações em sua
composição química. O crescimento é devido principalmente ao acúmulo de
substâncias nutritivas, em particular o açúcar e a água, direcionadas à baga
pela elevada pressão osmótica dos glicídios e, em parte, dos ácidos.
Importantes e substanciais são as modificações constatadas na
atividade hormonal durante a maturação. Enquanto na primeira fase da curva
sigmóide, em que se tem o desenvolvimento das bagas, há controle dos
hormônios promotores do crescimento como auxina, giberelina e citocinina,
isto é, quando a baga é um órgão jovem em intensa divisão celular, a terceira
fase da curva de crescimento é, ao contrário, influenciada pela presença de
ácido, inibidor do processo mitótico, em que a baga é transformado em um
órgão maduro e de acúmulo.

A síntese de hormônios promotores do crescimento e da pequena quantidade


de AAB durante a fase herbácea ocorre nas sementes, a partir de onde os
hormônios são difundidos para a baga depois da mudança de cor, em
contraste, o elevado conteúdo de AAB é devido ao transporte ativo das folhas
para as bagas. A maturação é caracterizado pelo acúmulo progressivo de
glicídios e de ácido abscíssico na baga.
A casca tem uma função importante no controle endógeno do
desenvolvimento e maturação das bagas, pois durante a maturação, há
acúmulo mais rápido do AAB na casca do que na polpa. A presença de AAB
impede a redistribuição dos açúcares acumulados na baga para outras partes
da planta, pela ativação da enzima invertase a qual é responsável pela
hidrólise da sacarose no pedicelo e pelo transporte ativo de açúcares. A
atividade do AAB também influencia positivamente a síntese de antocianina na
casca, provável sede da síntese do ácido abscíssico.

O crescimento das bagas ocorre por expansão celular devido ao


aumento do conteúdo de água; a pressão osmótica que a água é atraída para
o bago é aumentada consideravelmente porque a concentração de glicídios
fica muito elevada. As sementes desidratam-se reduzindo seu peso em 15-
20% quando atingem a maturidade.
A consistência das bagas está associada à presença de pectato de Ca
e Mg nas paredes celulares e na lamela média; durante a maturação, verifica-
se a hidrólise enzimática do pectato pela enzima pectina metil-esterase, com
liberação do ácido péctico e de íons Ca e Mg.
Alteração da Maturação de Frutos
Etileno
 Hormônio Vegetal do amadurecimento
Ethephon (Ethrel®
Ethrel®) – liberador de etileno
Época de aplicaç
aplicação: 15% de coloraç
coloração
Efeitos principais:
 Acentua e antecipa a coloraç
coloração dos bagos
 Não altera Brix e acidez
 Aumenta a abscisão de frutos
Doses: 100 a 1000mg.L-1
 cv. Redglobe – 200mg.L-1 – Petrolina-
Petrolina-PE
BOA (á
(ácido 2-
2-benzotiazol 2-oxiacé
oxiacético)
tico)
 Atraso na maturaç
maturação – em até
até 3 semanas
Dose: 5 a 50 mg.L-1 ( >dose; >atraso)
Época: 4 a 5 semanas apóapós a frutificaç
frutificação

Ácido abscíssico
INIBIDORES: Os inibidores naturais, AAB, promovem retardamento no
crescimento apical. Este efeito retarda o alongamento do caule e das raízes,
inibindo ainda a germinação das sementes e o desenvolvimento das gemas. A
finalidade é proteger a planta ou suas partes contra condições desfavoráveis do
meio ambiente como baixas temperaturas ou deficiência hídrica.
Doses crescentes de etefom: T, 500, 1.000, 1.500, 2.000 g.l-1
Local: Jales, SP.
Ácido Abscíssico (AAB)
• Tópicos incluem:
– Sensibilidade de variedades
– Influencia do clima
– Doses
– Momentos de aplicação
– Volumes de aplicação
– Métodos de aplicação
– Número de aplicações
– Influencia de adjuvantes
– Efeitos em combinação com etefom
Planta Órgão Quantidade Referência
Maçã Fruta 200 e 60 ppb Rock & Zeevaart,
desenvolvendo e 1990
madura (polpa)
Uva Película fruta Até 3000 ppb Kondo & Kawai,
madura 1998
Cereja Fruta madura Até 3000 ppb Kondo & Tomiyama,
1998

Trigo Semente em 3250 y 600 ppb Walker-Simmons &


desenvolvimento Sessig, 1990
e madura
Tomate Folhas Até 410 ppb Rasmussen, 1976

Abacate Fruta madura Até 10000 ppb Milborrow, 1984


Vinho de uvas
Cabernet
Sauvignon
colhidas na
California.
Tratamentos
sem e com
aplicação de
AAB

Esquerda:
Testemunha
Direita: com AAB
Australia
Crimson Seedless

Com AAB
Crimson Seedless
2007
Aspecto dos Tratamentos

Testemunha

AAB+etefom
• Todos os tratamentos que incluen AAB mostraram-se
efetivos para induzir coloração. Combinações de AAB
com etefom em doses mais baixas que as aplicadas pelos
viticultores, são efetivas para incrementar e adiantar o
desenvolvimento da coloração. Não determinaram efeitos
negativos do AAB na qualidade da fruta em Crimson.
2- AUXINAS
A palavra auxina origina-se do grego “auxanein”, e significa distender,
aumentar.
As auxinas naturais são: ácido indol-3-acético (AIA), ácido indol-3-butírico
(AIB) e ácido 4-cloroindol-3-acético (4-Cl-AIA) (Taiz e Zieger, 2004).
As auxinas são produzidas a partir do triptofano em órgãos com crescimento
ativo, como meristemas apicais, folhas jovens; e frutos e sementes em
desenvolvimento. O transporte da auxina na planta é polar, unidirecional por difusão de
célula a célula.
Com as auxinas é aumentada a extensibilidade da parede celular,
promovida a divisão celular, o crescimento das folhas, da raiz, e regulado o
desenvolvimento dos frutos. Para que ocorra a expansão celular é necessária
a entrada de água na célula e redução da rigidez da parede celular. O
crescimento promovido pela auxina pode ser explicado pela teoria do
crescimento ácido. Supõe-se que com a auxina seja promovida a síntese de
novas ATPases ou a ativação de ATPases existentes na membrana
plasmática. As ATPases funcionam como bombas de prótons, que promovem
a saída de H+ do citoplasma para a parede celular, resultando em acidificação.
A participação dos prótons no afrouxamento da parede celular é mediada por
proteínas denominadas expansinas. Em valores de pH ácido, as paredes
celulares são afrouxadas pela ação das expansinas devido a ruptura de
ligações de hidrogênio entre os polissacarídeos da parede. A reconstrução da
parede promovida pela auxina é devida à síntese e deposição de
polissacarídeos, sendo retomada a característica rígida da parede celular
(Valio, 1985; Taiz e Zeiger, 2004).

Diversas auxinas foram sintetizadas artificialmente como são as


substâncias indólicas, os derivados do ácido benzóico, e os tiocarbamatos
(Taiz & Zieger, 2004).
DESENVOLVIMENTO DOS FRUTOS
Várias evidências sugerem que a auxina está envolvida na regulação do
desenvolvimento dos frutos;
A auxina é produzida no pólen, no endosperma e no embrião de sementes em
desenvolvimento e o estímulo inicial para o crescimento do fruto pode
resultar da polinização.
Em termos práticos, para a melhoria das características morfológicas
das bagas de uva, o composto químico com potencial para tal efeito é o
Quinmerac (ácido 7-cloro-3-metilquinolina-8-carboxílico).
Seu modo de ação é semelhante ao de auxinas naturais, promovendo
a elongação celular, incrementado o volume celular, particularmente em bulbos
e frutos, e auxiliando a divisão celular. Como a auxina, com o uso desse
produto o transporte de assimilados no interior da planta é facilitado, tendo
como resultado frutos maiores e mais pesados (Pires e Botelho, 2002).
Em estudos realizados por Vieira (2004) com Quinmerac 26mg.L-1
concluiu-se que o aumento em massa dos cachos de uva “Niagara” foi
conseqüência da maior fixação de bagas nos cachos e não do incremento no
peso das bagas. Com aplicações de Quinmerac, foram aumentados o pH e a
acidez titulável, mas não se constataram efeitos nos teores de sólidos solúveis
e na razão sólidos solúveis/acidez titulável. Após a aplicação do Quinmerac em
plena floração e repetida após 14 dias, foi aumentado número, mas diminuído
o tamanho das células. O oposto ocorreu quando se efetuou apenas uma
aplicação, aos 14 dias após o pleno florescimento (Vieira, 2004).
Outra utilização de auxina em viticultura é a aplicação direcionada aos
cachos de “Niagara Rosada” com o ácido α naftaleno acético (ANA) na dose
de 150 mg L-1 um dia antes da colheita. Com este procedimento são
reduzidas, de modo vantajoso, a degrana e a incidência de podridões em
cachos de uvas quando armazenadas sob condição ambiente a 25°C/70% de
umidade relativa por 5 dias, e sob refrigeração a 1°C/85% de umidade relativa
por 21 dias, seguido por transferência para condição ambiente por mais 5 dias
(Tecchio et al., 2009).
ENRAIZAMENTO
ENRAIZAMENTO
V. vinifera x M. rotundifolia
VR043-43 e VR039-16.
Enraizamento difícil.
Machado e col., 2005. Doses de
AIB 0; 1.000; 2.000 e 3.000 mg
L-1. Base das estacas semi-
lenhosas imersas/10’’. Após
Foto: Enio Schuck

trat/o _ 40 dias em câmara de


nebulização. Concluíram que o
AIB não é necessário para o
enraizamento de estacas semi-
lenhosas do porta-enxerto
“VR043-43”.
3- CITOCININAS
A palavra citocinina tem origem na palavra grega kinesis e significa
movimento.
As citocininas naturais são definidas como moléculas derivadas da
adenina, com uma cadeia lateral unida ao grupo 6-amino do anel purínico
(Azcon-Bieto e Talon, 1996). A primeira citocinina descoberta foi a cinetina,
embora sem ocorrência natural pois é produto da degradação do ADN do
esperma do arenque. A citocinina natural mais importante é a zeatina, e a mais
ativa é a trans- zeatina (Taiz e Zeiger, 2004).
As citocininas são sintetizadas nas raízes, brotos, folhas, frutos e
sementes, entretanto o local de produção em maior quantidade é a raiz. A
tranlocação da citocinina pode ser pelo xilema e pelo floema (Azcon-Bieto e
Talon, 1996)
As citocininas têm participação na regulação de vários processos nos
vegetais, tais como a divisão celular, a morfogênese da parte aérea e das
raízes, a maturação de cloroplastos, o alongamento e a senescência celular.
Tanto com a citocinina quanto com a auxina, estão envolvidos na regulação do
ciclo celular vegetal, sendo necessárias à divisão celular. Além da divisão
celular, a razão entre a auxina e a citocinina é determinante da diferenciação
em raiz ou brotações de tecidos vegetais cultivados in vitro: quando em taxas
elevadas é promovida a formação de raízes e, quando em taxas reduzidas a
formação de brotações. As citocininas também estão envolvidas na liberação
das gemas axilares da dominância apical (Taiz e Zeiger, 2004).

Um grande número de citocininas sintéticas foi produzido em


laboratório, pela modificação na cadeia lateral na posição N-6 da base
adenina. Uma das citocininas sintéticas mais ativas é a PBA [(6-benzilamino)-
9-(2-tetraidropiramil)-9H-purina]. Há também compostos com atividade
semelhante à das citocininas que não são derivados de purinas e, portanto,
não estão relacionados à adenina. Os mais comuns são derivados da fenil
uréia e destes, mais de duzentos têm atividade biológica como a N, N’-
difeniluréia, isolada do leite de côco (Metiver, 1985).
Dentre os produtos comerciais derivados da difenil uréia com função
de citocinina relacionam-se o CPPU (N-(2-cloro-piridil)-N-feniluréia), também
denominado forclorofenurão; e o tidiazurão (N-fenil-N-1,2,3-tidiazol-5-tiuréia).
As citocininas começaram a ser utilizadas em viticultura em
substituição à giberelina pois quando esta é aspergida na planta inteira pode
haver diminuição na fertilidade das gemas em algumas cultivares, como no
caso de “Sultanina”.

É improvável, entretanto, que haja substituição do ácido giberélico pelo


CPPU para tratamento-padrão de aumento em tamanho de fruto em uvas sem
sementes com baga de forma elipsoidal e cilíndrica, como os de “Sultanina” ou
“Crimson” pois, com o CPPU é estimulada uma divisão celular periclinal na
baga, que se torna arredondada ou oval, em comparação ao ácido giberélico
(AG3) utilizado isoladamente. Outro problema ocorre com o desenvolvimento
da cor em variedades apirenas vermelhas e negras quando o produto é
utilizado em doses elevadas; além de alterações nas qualidades gustativas.
Por tais razões, recomenda-se sua utilização sempre conjuntamente com o
AG3. Entretanto pode ser aplicado exclusivamente em variedades com
sementes, sensíveis ao AG3 como a “Redglobe” (Dokoozlian, 2001).
Na prática, para a “Niagara” cultivada em regiões tropicais, como o
noroeste e oeste do Estado de São Paulo, para melhoria da aderência ao
pedicelo e aumento do tamanho da baga, pode ser utilizada a mistura de
tidiazurão 10 mg.L-1 com ácido giberélico 35 mg.L-1 pulverizado sobre os
cachos, aos 14 e 28 dias após o florescimento (Botelho et al., 2004). A
aplicação do tidiazurão mais o ácido giberélico, conforme indicação acima,
aumenta a massa das bagas em 1 a 2 gramas, o que resulta em um aumento
de, no mínimo, 25% na massa dos cachos.
4. GIBERELINAS
A palavra giberelina é originária do termo latino gibber, e significa
giboso, encurvado, abobadado. Tal denominação advém dos peritécios
globosos ou convexos do fungo Gibberella saccardo (Ulloa e Herrera, 1994).
Estão relacionadas mais de 125 giberelinas e, como foram sendo descobertas
a partir de fungos e plantas, foram sendo denominadas como giberelina Ax
(GAx), em que x é um número representativo da ordem de sua descoberta
(Taiz e Zeiger, 2004).

Como hormônio vegetal as giberelinas são compostos baseados na


estrutura ent-giberelano. Enquanto a substância mais amplamente disponível é
o AG3 ou ácido giberélico, que é um produto sintetizado por fungos, a principal
giberelina em plantas é provavelmente o AG1, uma das responsáveis pelo
crescimento de ramos. Muitas das outras formas de giberelinas são
precursoras das giberelinas promotoras de crescimento tais como AG1 e AG20
O crescimento de órgãos vegetais promovido por giberelinas deve-se
principalmente a um aumento do tamanho de células já existentes ou
recentemente divididas. Este crescimento das células, porém, pode ser
acompanhado por um incremento do número de células e, portanto, a ação da
giberelina poderia também estar associada a um aumento da divisão celular
(Métraux, 1987).
Em relação à expansão celular, há evidências do envolvimento da
enzima xiloglucano endo trans glicosilase na extensão da parede. Devido à
ação dessa enzima, é facilitada a entrada de expansinas na parede celular,
promovendo, o rompimento das ligações de hidrogênio entre os
polissacarídeos e aumentando a elasticidade da parede celular, não permitindo
a formação de pressão de parede, o que possibilitaria a entrada de água e
promoveria o alongamento celular (Taiz e Zeiger, 2004).

As giberelinas são produzidas em tecidos jovens do sistema caulinar e


sementes em desenvolvimento. É incerto se sua síntese também ocorra nas
raízes. Após a síntese, as giberelinas são, provavelmente, transportadas pelo
xilema e floema.
A giberelina, também denominado ácido giberélico, é um dos
reguladores vegetais mais utilizados em viticultura, principalmente em uvas
sem sementes para aumento do tamanho e da massa das bagas, e,
conseqüêntemente, para obtenção de padrão comercial da infrutescência.
Em uvas sem sementes, quando o ácido giberélico é aplicado antes do
florescimento tem-se o alongamento da ráquis; em pleno florescimento tem-se
o desbaste do cacho do cultivar Sultanina por menor fixação de flores no
engaço, e, após o florescimento, o tamanho e peso das bagas são
aumentados, e a ráquis e os pedicelos são engrossados.
Com a aplicação do ácido giberélico em uvas com sementes, após o
florescimento, é melhorada a rigidez da película da baga, que se torna mais
“crocante”.
Em termos práticos, para ò cultivar Niagara Rosada, cultivado em
condições de clima tropical, como nas regiões oeste e noroeste do Estado de
São Paulo, devido à redução do ciclo da planta, a fase herbácea torna-se mais
curta, sendo necessária a aplicação de giberelina. Como mencionado
anteriormente deve-se aplicar uma mistura de ácido giberélico e citocinina da
seguinte forma: solução aquosa com ácido giberélico 35 mg.L-1 e tidiazurão 10
mg.L-1, pulverizada sobre os cachos aos 14 e 28 dias após o florescimento
(Botelho et al., 2004).
Desbaste de Bagos
Giberelinas
 Causam danos aos óvulos, ou polinicidas
 Promovem o alongamento de ráquis e
pedicelos
 cv. Sultanina – AG3 – 10mg.L-1
1a aplicação – 40% florescimento
2a aplicação – 90% florescimento
Aumento do Tamanho de Bagos
Giberelinas
 Expansão celular
 Incoveniente: Reduz fertilidade de gemas
Época de aplicação:- bagos com 3 a 5 mm de diâmetro
- 15 dias após pleno florescimento
 cv. Sultanina - AG3 a 40mg.L-1 – 2X
 cv. Vênus - AG3 a 20mg.L-1
 cv. Centennial Seedless – AG3 a 20mg.L-1
 cv. Itália, Benitaka, Rubi – AG3 10-30mg.L-1 a 20 a 30 DAPF
Citocininas
 Divisão celular
 Atrasa a maturação – aproximadamente 1 semana
Época de aplicação: idêntica ao ácido giberélico
Produtos: CPPU (Sitofex®) e thidiazuron (Dropp®)
Dose: 5 a 15mg.L-1
Variedades:
 Centennial Seedless: TDZ 10mg.L-1
 Vênus: TDZ 5mg.L-1 + AG 40mg.L-1
 Niagara Rosada (2 aplic/): 10g.L-1 + AG3 30g.L-1 {14 dias e 28 dias pós
flor/}
Supressão de Sementes

Giberelinas
Danos causados aos óvulos
Interferência na germinação do pólen
Crescimento do tubo polínico
Ausência de sementes não é total em todas as variedades

cv. Delaware – AG3 100mg.L-1


14 dias antes do florescimento

Associado a Estreptomicina > eficiência


Inibição da formação do edosperma
400mg.L-1 - 6 a 8 dias antes do florescimento

cv. Rubi AG3 30mg.L-1- 100% s/sementes


12 dias após pleno florescimento
Cv. Redglobe –AG3 15mg.L-1 – 91,0% s/sementes
Quadro 1. Recomendações de uso do AG3 - cultivares de videira no Chile

Cultivar Propósito Época Dose (ppm)


Sultanina Elongação ráquis Racemos c/ 5-10cm 10
Black Seedless Raleio do racemo Caliptra partida 10 a 15
Raleio do racemo 30% floração 10-15
Raleio do racemo 60% floração 10-15
Crescimento bagos Bagos c/ 4 a 6mm ∅ 30-40
Crescimento bagos 5 a 7 dias após anterior 30-40
Crescimento bagos 5 a 7 dias após anterior 30-40

Flame Seedless Elongação/raleio 30-40% floração 5a9


Crescimento bagos Bagos c/ 7 a 9mm ∅ 30-40
Crescimento bagos 5 a 7 dias após anterior 30-40
Crescimento bagos 5 a 7 dias após anterior 30-40

Red Seedless Raleio do racemo 70-80% floração 3a5


Crescimento bagos Bagos c/ 7 a 9mm ∅ 20-25
Quadro 1. Recomendações de uso do AG3 - cultivares de videira no Chile

Cultivar Propósito Época Dose


Ruby Seedless Raleio do racemo Plena floração 1 a 1,5

Perlette Elongação ráquis Racemos 7-12cm 10-15


Crescimento bagos Bagos c/ 4 a 5mm ∅ 30-40
Crescimento bagos 5 a 7 dias após anterior 40-50

Moscatel Rosada Crescimento bagos 80% floração 30-35


Crescimento bagos Bagos c/ 2 a 3mm ∅ 30

Crescimento bagos Bagos c/ 12 a 15mm ∅ 20


Emperor

Redglobe Crescimento bagos Bagos c/ 10 a 15mm ∅ 10-20

Itália Crescimento bagos Bagos c/ 9 - 10mm ∅ 10-20


Quadro 1. Recomendações de uso do AG3 - cultivares de videira
no Chile

Cultivar Propósito Época Dose


Crimson Raleio do racemo 40-70% floração 1,5 a
Seedless Crescimento Bagos c/ 2 a 3mm ∅ 20
bagos
Vale do São Francisco - Ácido giberélico
Sultanina
1ª- 1ppm- brotinho com 3 folhas
2ª- 10ppm- quando está começando a ver o engaço
3ª a 6ª - 15ppm- no florescimento – 4 vezes
7ª- 45ppm- bagos com 4 a 5mm que equivale a 8/10
dias após o florescimento. Dirigido somente ao cacho.
8ª 35ppm- 5 dias após a anterior
Festival ou Superior
1ª- 1,5ppm- cacho com 1,5 a 3cm
2ª- 15/20ppm- bagos com 10mm. Em
cachos pequenos 1 vez. Em cachos grandes
2 vezes p/ engrossar o pedicelo. 2ª aplicação
é 5 dias após a 1ª
Crimson
1ª- 1,5ppm- cacho com 1 a 1,5cm
10ppm- no cacho 10/15 dias após o
florescimento ou 8ppm se for com
trator na planta toda
Christmas Rose
20ppm- bagos com 8/10mm
Redglobe
20ppm- meio bago – para engrossar
Grato pela atenção!!!

Por Erasmo José Paioli-Pires


INSTITUTO AGRONÔMICO
(IAC)
TRADIÇÃO NÃO SE MUDA.
SE CULTIVA!!!