Você está na página 1de 42

J.

Marcos Alonso
Universidad de Oviedo, Espanha
Campus de Viesques, Edificio 3, Sala 3.2.20
33204 – Gijón, Asturias
Email: marcos@uniovi.es
 Introdução
 Revisão Tecnologia LED:
 Características
 Problemas Térmicos
 Produção de Cores e Luz Branca

 Drivers para LEDs de Potência:


 Drivers para Iluminação de Emergência
 Drivers para Aplicações Retrofit
 Drivers para Aplicações desde Rede Eléctrica com Alto Fator
de potência
 Drivers para Aplicações Iluminação Pública

2
Fogo Vela Quinque Incandescente Descarga

Atualidade: Lâmpada de Estado Sólido (LED)

3
• Junção P-N polarizada diretamente
• As cargas libres (elétrons e buracos) circulam para a junção
• Só algumas das recombinações e-/h+ geram radiação visível
(luz).
4
 Tipos de recombinação e-/h+:

vibração

e- e-
red
Fóton cristalina Fônon

h+ h+

Recombinação Radiante Recombinação Não Radiante


• Não desejada
• É devido aos defeitos na rede cristalina
(deslocamentos, impurezas, etc.)

5
 Elevada vida útil: 40,000 – 100,000 horas
 Tamanho reduzido
 Robustas frente à vibrações e choques
 Re-ignição instantânea
 Funcionamento em baixa tensão
 Fonte de luz pontual. Permite otimizar o sistema óptico.
 Possibilidade de geração de diferentes cores

6
Luzes de Retro-iluminação em
sinalização em TV, Computador, etc.
automóveis

Sinais Viárias

Aplicações
Arquitetônicas

Iluminação viária, portátil,


escritório, etc.

7
Eficacia (lm/W)
LED Branco (0.1W)
Na A.P. (400W)
Halog. Metal. (35W)
Fluorescente (40W)
CFL (6W)
Inc. Halogena (100W)
Incandesc. (40W)

8
 Os LEDs não emitem energia IR/UV
 Todas as perdas são transformadas em calor
 A refrigeração converte-se num dos principais problemas

9
Eficacia
(lm/W)
 A temperatura tem uma grande
influencia na eficácia luminosa do
LED
 Deve limitar-se a temperatura na
junção(Tj) para conseguir um
determinado fluxo

Temperatura na junção (Tj)


10
TJ
RJC Componente
TC
RCR Interfase
TR
RRA Radiador
TA

TJ TC TR TA

RJC RCR RRA Determinação da temperatura na


P
(W)
TA junção:

11
12
 Quando aumentar a corrente direita a eficácia diminui
 Fenómeno ainda em estudo

Fluxo
 As correntes altas
aumentam a geração de
fônones.
Eficiência
 A eficácia diminui
 Tem-se variação de fluxo
no lineal com a corrente
direita.

 Atualmente pesquisa-se para deslizar o máximo da eficiência para


níveis de corrente mais altos
13
 Diferentes misturas de semicondutores geram diferentes cores
 Materiais empregados: In, Ga, N, Al, P, As, etc.

¿ Como gerar luz branca ?

14
A mistura de Vermelho (R),
Vermelho Verde Azul
Azul (B) e Verde (G) gera
G luz branca

Luz Branca
B
Conversão em Chip
Azul Amarela
Camada de fósforo na superfície
do Chip
Frio

 A luz azul estimula a


emissão de luz amarela Cálido
por parte do fósforo

16
Lâmpada Convencional Lâmpada LED
Perdas devidas à baixa reflexão

No há perdas por reflexão


A luz emite-se somente para
a metade do espaço
Fugas do
Perdas devidas à refletor
obstrução Melhora da eficiência óptica:
Da própria lâmpada Perdas pela
~ 30%
absorção

17
Limitação de corrente typ min max
empregando resistência
RLIM ILED

Corrente LED
+

VBAT LED VLED


-

ILED = ( VBAT -VLED )/ RLIM

Tensão LED
 Muito simples. Baixo custo. Não gera EMI
 Ineficiente. Baixo rendimento.
 Regulação de corrente pobre. Variação com tensão na entrada, tensão LED,
temperatura, etc.
 Não adequado para correntes altas 18
Fonte de Corrente Linear PWM Linear Fonte de Corrente Comutada

 Regulação de
 Controle de potência  Baixas perdas. Alta
corrente eficiência
 Variação de fluxo
 Simples. Poucos
luminoso  Maior número de
componentes componentes
 Empregado para
 Baixa eficiência
evitar cambio na Tª  Maior custo
 Não há geração de de color  Regulação de
EMI
 Corrente de pico corrente
controlada  Geração de EMI
 Possibilidade de
incorporação de
outras funções

19
 Corrente ajustável hasta 500 mA (± 5%). Regulação PWM.
 Tensão na entrada até 42V
 Baixa caída de tensão.
 Proteções: circuito aberto, curto-circuito, térmica e polaridade inversa.
 Amplo rango de temperatura: -40 ºC – 150 ºC
20
Buck
Função de transferência
Tensão de Saída – Ciclo de Operação

Boost

Buck-Boost

SEPIC

21
Controlador por Histereses para LEDs de Alta potência

Buck
P MOSFET

Sensor

 Controle por histereses (6% precisão)


Aplicações:
 Tensão de entrada: 4.5V – 35V
Driver para LED
 Frequência de comutação até 1.5 MHz
Carregador de Baterias
 Limite de corrente programável
 Dimming analógico ou PWM
22
1990 1990-2005 2005 
Incandescente Fluorescente LED

 Alto desgaste
 Menor desgaste  Alta eficiência
 Baixa eficiência
 Maior eficiência  Maior vida da
 Volumem de baterias lâmpada
alto  Menor volumem de
baterias  Maior fiabilidade
 Baterias Chumbo-
Acido  Baterias Ni-Cd  Alimentação simples

 Risco de fugas de  Mayor seguridade  Facilidade de


líquidos nocivos fabricação em série
 Suporta vibrações
23
 Bateria para armazenamento de energia
 Carregador de bateria Aplicação ideal
 Circuito de alimentação em modo permanente para iluminação
 Circuito de alimentação desde bateria LED
 Circuitos adicionais: detecção de falha de rede, etc.
24
Primeira Etapa de Alimentação: Fonte de Alimentação desde Rede

Tensão Carregador
Entrada de Baterias
Universal e Fonte
85V – 256V LEDs

TNY 254G

 Baseada em conversor flyback em modo DCM


 Tensão de saída: 6.5V
 Circuito de controle específico: TNY254G
 Regulação isolada da tensão de saída por opto-acoplador
 Tamanho reduzido, no emprega transformador de baixa frequência
 Alta eficiência
25
Conversor Elevador (Boost)
Controle Modo Corrente Toff - Imax
Formas de Onda

Baixo
Custo

LM393 LM393

Frequência de Funcionamento: 25 – 30 kHz


26
Ensaio em Fotómetro Ulbritch Detalhe

27
Halógena
50W LED 12W

800 lm

Bridgelux BXRA-W802

28
Conversor
Buck-Boost

Controle
Malha Fechada

Protótipo de Laboratório

29
Tensão e Corrente no LED Tensão e Corrente na Rede

Conteúdo Harmónico

Resultados Variação na Rede

30
Objetivos:
• Lâmpada LED (potência nominal 60W)
• Correção de Fator de Potência (IEC61000-3-2)
• Entrada Universal (90-260V)
• Funcionamento em malha fechada: regulação de corrente
Golden Dragon (Osram)
x8

350 mA, 7.2 W, 150 lm


31
Buck (CFP) Flyback (Regulação)

Técnica
de Integração
LB D4

D1 LF CO
CB

C1 D3 RS
Vg VS
D2 Interruptor
M1
VGATE Único com
Referência de
terra 32
Medida da
Corrente
Filtro
PWM
Compensador

Limitação
Duty

Conteúdo
Tensão y
Harmônico
Corrente na
(IEC61000-3-2)
Rede

33
Frequência dimming:100 Hz

DDIMMING=20% DDIMMING=80%
IPK=350mA IPK=350mA

34
Conversor de fDim
Lâmpada
Potência LED
com Dinâmica
Lenta

IO (A) A malha fechada mantem a corrente media constante


Dim = 0.5

Dim = 0.75

IDC

t (µs) 35
Permite manter a corrente de pico constante durante o processo de dimming

Nova referencia
de corrente media

Regulador O multip. realiza a


operação:
+

Referencia de
Dimming
Referencia da
Corrente
de Pico
Obtenção do valor de Dimming 36
Sensor da Corrente Restador Compensador

Gerador
PWM

Sensor Dimming
Gerador
Referencia

Gerador Optoacoplador e
Dimming Driver da Chave
fConm = fDim = 100 kHz

37
100% 70%
Corrente LED
Corrente LED

Sinal Dimming
Sinal Dimming

50% 10%
Corrente LED Corrente LED

Sinal Dimming Sinal Dimming

38
100% 70%
Tensão e
Corrente na
Rede

50% 10%

Mantem-se um elevado fator de potência e baixa distorção


39
Pesquisa em sistemas de iluminação pública de alta eficiência, com capacidade de geração e
armazenamento de energia, funcionamento autónomo e injeção de energia à rede de distribuição

Painel Solar

Alumbrado
Gerador Eólico Autónomo.
Iluminação
com geração. Sem Conexão à
Conectado à Rede
Rede

Luminária Luminária

REDE ELÉTRICA

40
Aplicação em Sistemas de Iluminação Pública
Array Bridgelux – 2x50W – Total: 100 W/10 Conversor Integrado Buck-Boost-Buck
klm

Sustitue a
HPS 150W

Tensão e Corrente LEDs Tensão e Corrente REDE

41
Obrigado pela atenção!
Perguntas?

Campus de Viesques, Gijón, Asturias.


Espanha

Asturias

Gijón