Você está na página 1de 96

Nº 528 | Ano XVIII | 17/9/2018

China
Nova potência mundial
Contradições e lógicas que
vêm transformando o país

Martin Jacques
Gabriele Battaglia
Elias Jabbour
Andrea Fumagalli
Júlio César Rodriguez
José Eustáquio
Valéria Lopes Ribeiro
Michael Kelly
Francesco Sisci
Guilherme Wisnik
Irene Chan
Eugenio Menegon
Andrés Malamud

Leia também
■ Dossiê Antonio Candido
Luís Augusto Fischer
Walnice Galvão
Ian Alexander
■ Anselmo Otavio
EDITORIAL

China, nova potência mundial


Contradições e lógicas que vêm
transformando o país

C
ompreender a China e sua ascensão no atu- frear essa expansão da influência chinesa pelo
al cenário internacional é o desafio de inú- mundo. Francesco Sisci, especialista na civili-
meros analistas internacionais. Cada vez zação e história chinesas, concorda que a China
é mais evidente que as categorias ocidentais não cada vez mais se volta para o Ocidente, mas des-
servem para análises de uma realidade que, de tão taca que ainda há muitas lacunas. Guilherme
múltipla e complexa, chega a parecer contraditória. Wisnik, professor na Faculdade de Arquitetura e
Na presente edição da revista IHU On-Line, Urbanismo da USP, analisa a hiperurbanização de
professores e professoras, pesquisadores e pesqui- um país que vem transformando aldeias de pesca-
sadoras aceitaram debater a China como um ator dores em cidades gigantescas, afetando a cultura
importante no século XXI. local e a saúde do planeta.
Martin Jacques, jornalista e analista político Irene Chan analisa como a China soube se
britânico, passou a viver na China e compreendeu: aproveitar de situações geradas a partir da crise
“A razão pela qual o Ocidente vem tendo tanta financeira dos anos 2000. O professor da Univer-
dificuldade em entender a China é que a menta- sidade de Boston Eugenio Menegon afirma que
lidade ocidental é a de pensar o mundo em seus o Partido Comunista, que capitaneia o crescimento
próprios termos, tentar encaixar as coisas neles. A do país, teme discussão e discórdia, bem como o
China não se encaixa aí”. exercício da escolha democrática dos cidadãos. E o
2 professor Andrés Malamud analisa as relações
Gabriele Battaglia, também jornalista, fez um comerciais entre China e países da América Latina.
movimento similar e trocou a Europa por Pequim.
Para ele, a China é uma “civilização introvertida”, No ano em que se celebra o centenário de Anto-
mas que não se fecha em si mesma e busca na co- nio Candido, os professores Luís Augusto Fis-
nexão com o mundo as possibilidades de atualizar cher, Walnice Galvão e Ian Alexander ana-
e constituir de forma muito particular seu império. lisam o legado do sociólogo e crítico literário que
marcou o pensamento brasileiro.
O professor Elias Marco Khalil Jabbour, da
UERJ, observa justamente as particularidades do Também pode ser lido o artigo Cheetahs, Hi-
“império Chinês” que, por mais contraditório que ppos, Mugabe e as eleições gerais de 2018
possa ser, se impõe sem ser imperialista. Para An- no Zimbábue, de Anselmo Otavio, professor de
drea Fumagalli, professor da Università di Pa- Relações Internacionais da Unisinos e pesquisa-
via, Itália, divisões do momento da Guerra Fria já dor do Centro Brasileiro de Estudos Africanos -
podem estar superadas. Agora, capitaneado pela CEBRAFRICA/UFRGS.
China, o mundo pode se dividir na disputa entre A todas e a todos uma boa leitura e uma excelen-
Norte e Sul. O professor no curso de Relações te semana.
Internacionais da UFSM Júlio César Cossio
Rodriguez também observa mudança no cená-
rio internacional, pois vê na ascensão chinesa um
processo de redistribuição do poder.
José Eustáquio Diniz Alves, professor da Es-
cola Nacional de Ciências Estatísticas - Ence/IBGE,
chama atenção para o fato de que a ascensão chinesa
nesse novo cenário geopolítico leva o país a ampliar
seus territórios. Valéria Lopes Ribeiro, professo-
ra no curso de Relações Internacionais da Universi-
dade Federal do ABC, ao analisar o crescimento da
China sobre países da África, identifica outra lógica
do que a imposta no passado por nações europeias.
Capa: Muralha da
Michael Kelly, jesuíta australiano que vive na China | Foto: Dennis
Jarvis – Flickr
Tailândia, chama atenção para fatores que podem

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

Sumário
4 ■ Temas em destaque
6 ■ Agenda
8 ■ Dossiê Antonio Candido | Luís Augusto Fischer: Antonio Candido foi o intelectual mais de-
stacado de sua geração
18 ■ Dossiê Antonio Candido | Walnice Nogueira Galvão: Constituição da literatura brasileira foi
tema central para Candido
22 ■ Dossiê Antonio Candido | Ian Alexander: Candido e Bloom procuram entender a tradição
literária no Novo Mundo
28 ■ Tema de capa | Martin Jacques: Com as lentes do Ocidente, a China é invisível
35 ■ Tema de capa | Gabriele Battaglia: Ver em camadas o cruzamento dos mundos
38 ■ Tema de capa | Elias Jabbour: Da união do privado com o Estado, uma outra ideia de império
41 ■ Tema de capa | Andrea Fumagalli: Uma nova configuração geopolítica que supera a divisão
Oriente X Ocidente
46 ■ Tema de capa | Júlio César Rodriguez: O protagonismo chinês e o processo de redistribuição
do poder
50 ■ Tema de capa | José Eustáquio: A ascensão da China, a disputa pela Eurásia e a Armadilha de
Tucídides
60 ■ Tema de capa | Valéria Ribeiro: O avanço chinês sobre nações periféricas subverte lógica do
imperialismo neoliberal
65 ■ Tema de capa | Michael Kelly: As ameaças que podem impedir a ascensão chinesa
70 ■ Tema de capa | Francesco Sisci: Catolicismo: uma ponte para ligar a China ao mundo
74 ■ Tema de capa | Guilherme Wisnik: Da vila de Mr. Sun à hiperurbanização chinesa 3
80 ■ Tema de capa | Irene Chan: China pode ultrapassar economia dos EUA nesta década
83 ■ Tema de capa | Eugenio Menegon: China é um Estado capitalista autoritário e paternalista
com características socialistas
88 ■ Tema de capa | Andrés Malamud: Brasil entra em colapso econômico sem o mercado chinês
90 ■ Crítica internacional | Anselmo Otavio: Cheetahs, Hippos, Mugabe e as eleições gerais de 2018
no Zimbábue
93 ■ Publicações | Paulo Suess: A Teologia da Missão à luz da Exortação Apostólica Evangelii gaudium
94 ■ Publicações | José Roque Junges: O Modelo atual de Capitalismo e suas formas de Captura
da Subjetividade e de Exploração Social
95 ■ Outras edições

Diretor de Redação Fachin, Cristina Guerini, Evlyn Zilch,


Inácio Neutzling Anielle Silva, Victor Thiesen, William
(inacio@unisinos.br) Gonçalves, Stefany de Jesus Rocha,
Wagner Fernandes de Azevedo e Lidiane
Coordenador de Comunicação - IHU Menezes.
Ricardo Machado – MTB 15.598/RS
(ricardom@unisinos.br)
Jornalistas
João Vitor Santos – MTB 13.051/RS
(joaovs@unisinos.br)
ISSN 1981-8769 (impresso)
Patricia Fachin – MTB 13.062/RS
ISSN 1981-8793 (on-line) (prfachin@unisinos.br)
Vitor Necchi – MTB 7.466/RS
(vnecchi@unisinos.br)
A IHU On-Line é a revista do Institu-
to Humanitas Unisinos - IHU. Esta Revisão Instituto Humanitas Unisinos - IHU
publicação pode ser acessada às segun- Carla Bigliardi
das-feiras no sítio www.ihu.unisinos.br e Av. Unisinos, 950 | São Leopoldo / RS
no endereço www.ihuonline.unisinos.br. Projeto Gráfico CEP: 93022-000
Ricardo Machado Telefone: 51 3591 1122 | Ramal 4128
e-mail: humanitas@unisinos.br
Editoração
A versão impressa circula às terças-fei- Gustavo Guedes Weber
ras, a partir das 8 horas, na Unisinos. O Diretor: Inácio Neutzling
conteúdo da IHU On-Line é copyleft. Atualização diária do sítio Gerente Administrativo: Jacinto Schneider
Inácio Neutzling, César Sanson, Patrícia (jacintos@unisinos.br)

EDIÇÃO 528
TEMAS EM DESTAQUE

Entrevistas completas em www.ihu.unisinos.br/maisnoticias/noticias


Confira algumas entrevistas publicadas no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU na última semana.

Crise econômica e modelo de desenvolvimen-


to associados ao desmatamento no Xingu
“O asfaltamento da BR 163 provocou uma expansão do desmatamento por-
que ampliou o raio de ação da soja, ou seja, compensa cultivar soja em locais
cada vez mais distantes porque o transporte é cada vez mais barato.”
Juan Doblas é graduado em engenharia geológica pela Universidad Politécnica de Madrid e mes-
tre em geofísica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Aualmente é analista senior
de geoprocessamento no ISA. Disponível em https://bit.ly/2NMhfWF.

Enfrentamento da segurança pública precisa


superar a lógica dos programas de governo
“A incapacidade das forças de segurança do Estado, seja pelo sucatea-
mento de sua estrutura, seja pela promiscuidade entre elementos das cor-
porações policiais com atividades ilícitas, torna a segurança pública um
projeto inalcançável.”
Mário Pires Simão é geógrafo, graduado, mestre e doutor pela Universidade Federal Fluminense – UFF,
e colaborador do Observatório de Favelas do Rio de Janeiro. Disponível em https://bit.ly/2D6IUxn.

4 O controle cibernético como arma de defesa


e a disputa pela soberania da internet
“Mesmo que os EUA tenham milhões de ogivas nucleares, nunca serão
capazes de evitar que um vírus possa atacar seus sistemas e colocar em
colapso uma série de infraestruturas críticas do seu Estado.”
Danielle Jacon Ayres Pinto é bacharel e mestre em Relações Internacionais, doutora em Ciência
Política e professora da UFSC. Disponível em https://bit.ly/2O87jn8.

A velha e nova polarização entre esquerda e


direita
“É inegável que nessas duas décadas a democracia sofreu um golpe: civil-
militar em 1964 e parlamentar em 2016.”
Maria Cláudia Moraes Leite é graduada, mestra e doutoranda em História. Disponível em https://
bit.ly/2N7Qaxt.

Três projetos de país em disputa e as


incertezas da governabilidade
“A eleição aparece como sendo uma solução normal para uma disputa
política — e não é assim.”
Guilherme Delgado é doutor em Economia. Trabalhou durante 31 anos no Instituto de Pesquisa
Econômica Aplicada - Ipea. Disponível em https://bit.ly/2NzDIWM.

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

Textos na íntegra em www.ihu.unisinos.br/maisnoticias/noticias


Confira algumas notícias públicas recentemente no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU

O trabalho e a Invertendo o Irlanda. Papa pede à


inteligência artificial. curso: clericalismo, Igreja que indenize por
Entre o temor e o centralização e fossa comum
otimismo reforma da Igreja

O desenvolvimento da in- Mudar o curso da Igreja O Papa Francisco exortou


teligência artificial supõe em relação à centralização e a Igreja irlandesa a pagar
desafios para o mundo do ao clericalismo exigirá uma indenizações por sua parti-
trabalho. As visões otimis- mudança no coração e na cipação no escândalo de um
tas e as fatalistas imaginam cultura dos católicos. orfanato católico no qual se
futuros antagônicos. O certo A opinião é do historiador italiano descobriu uma fossa comum
é que a inteligência artificial Massimo Faggioli, professor da Villa- com os restos de centenas de
destruirá empregos atual- nova University, nos Estados Unidos, crianças.
em artigo publicado por La Croix
mente existentes e gerará International, em 10-09, disponível em A reportagem é publicada por 20 mi-
outros de maior qualifica- http://bit.ly/2D59hn9. nutos, em 13-09, disponível em http://
ção. Existe alguma forma de bit.ly/2NlBLOg.
governar esse futuro?
Análise é de Daniel Blinder, publicada
por Nueva Sociedad e reproduzida
por CPAL Social em 10-09, disponível
em http://bit.ly/2xiLT0i

Mais da metade dos “Tempestade perfeita” Reforma trabalhista:


brasileiros não tem ameaça saúde no país, 78,4% dos postos criados
diploma do ensino médio, alerta sanitarista são intermitentes
aponta OCDE ou parciais

O Brasil é um dos países Aumento da mortalidade Desde a entrada em vigor


com o maior número de pes- infantil, redução da cobertu- da reforma, houve redução
soas sem diploma do ensino ra vacinal, epidemias varia- da ocupação em geral, mas
médio: mais da metade dos das, violência maior, retro- em especial dos empregos
adultos (52%) com idade en- cessos no combate à Aids, às com carteira assinada. Ve-
tre 25 e 64 anos não atingi- doenças mentais, nas políti- rifica-se a substituição dos
ram esse nível de formação. cas sobre drogas. Cortes nos contratos formais por ou-
Informação publicada por BBC Brasil orçamentos, nos programas tros atípicos, com o conse-
em 11-9, disponível em https://bit. sociais, desemprego enorme, quente aumento na desi-
ly/2OaSwbu. achatamento nos salários, gualdade de renda.
pesquisas paradas. Artigo publicado pelo Brasil Debate,
Reportagem produzida pelo portal reproduzido nas Notícias do Dia do
Tutaméia, reproduzida nas Notícias do IHU em 14-9-2018, disponível em
Dia do IHU em 14-9-2018, disponível http://bit.ly/2Nbza9z.
em http://bit.ly/2Ojy7B6.

EDIÇÃO 528
AGENDA

Programação completa em ihu.unisinos.br/eventos

Crítica da razão negra. A “iconomização” Oficina de Plantas


Apresentação da obra da vida e a Medicinais – Parte II
de Achille Mbembe mudança no projeto
desenvolvimentista

17/set 18/set 19/set


Horário Horário Horário
19h30 às 22h 19h30 às 22h 12h30
Conferencista Conferencista Ministrante
Prof. Dr. Deivison Moacir Prof. Dr. Gilson Schwartz Profa. MS Denise Schnorr
Cezar de Campos – ULBRA – USP – Unisinos
Local Local Local
Sala Ignacio Ellacuría e Sala Ignacio Ellacuría e Sala Ignacio Ellacuría e
Companheiros – IHU Companheiros – IHU Companheiros – IHU
Campus Unisinos Campus Unisinos Campus Unisinos
São Leopoldo São Leopoldo São Leopoldo

6
A Nova Razão Comum: ensaio sobre Crise do
do Mundo. Do a revolução no século neoliberalismo
neoliberalismo XXI. Apresentação da e a emergência
ao comum obra de Christian Laval de movimentos
e Pierre Dardot emancipatórios

24/set 24/set 24/set


Horário Horário Horário
14h30 às 16h 17h30 às 18h30 19h30 às 22h
Conferencista Conferencista Conferencista
Prof. Dr. Christian Laval – Prof. Dr. Christian Laval – Prof. Dr. Christian Laval –
Université Paris Nanterre Université Paris Nanterre Université Paris Nanterre
– França – França – França
Local Local Local
Corredor em frente ao Sala Ignacio Ellacuría e Sala Ignacio Ellacuría e
Instituto Humanitas Companheiros – IHU Companheiros – IHU
Unisinos – IHU Campus Unisinos Campus Unisinos
Unisinos Campus São Leopoldo São Leopoldo
São Leopoldo

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

EDIÇÃO 528
DOSSIÊ ANTONIO CANDIDO

Antonio Candido foi o intelectual mais


destacado de sua geração
Para Luís Augusto Fischer, as obras do crítico nascido há
cem anos permanecem legíveis, abrem muitos caminhos
e mostram a virtude da formação múltipla
Vitor Necchi

N
o campo da Literatura, Antonio A obra mais famosa de Candido é For-
Candido é o intelectual mais mação da literatura brasileira que,
destacado de sua geração. “De “em lugar de ser lido como um livro de
fato ele é o primeiro grande estudioso história da literatura e das ideias crí-
universitário de literatura a permanecer ticas que trazia sobre autores, o livro
com obra imediatamente relevante, até passou a figurar como talvez a primei-
aqui”, avalia o professor Luís Augusto ra tentativa de fato moderna e aguda
Fischer. Em entrevista concedida por de pensar sobre o objeto a que se de-
e-mail à IHU On-Line, afirma que a dicou, buscando formulação conceitual
“obra de Candido é lida em toda a univer- nova”. Trata-se de um livro com “uma
sidade brasileira, no campo das Letras”. ousadia conceitual impressionante, no
Candido era uma figura singular por- contexto: em lugar de escrever uma his-
que tinha uma “dupla militância – lite- tória meramente linear e com a ilusão
8 ratura na imprensa e sociologia na uni- de conter tudo, Candido abre o livro
versidade”. Conforme Fischer, ele “tinha postulando um conceito estritamente
uma mente acadêmica, no bom sentido, sociológico – ele propõe a ideia de que
quer dizer, tinha conceitos, sabia dos uma literatura não nasce em determi-
protocolos e manejava os métodos na nado momento [...], mas se forma, quer
área de Humanidades, mas tinha o fee- dizer, depende de um processo longo no
ling e a abordagem do crítico ‘impressio- tempo e no espaço, em que atuam for-
nista’, e escrevia muito bem, muito lim- ças sociais, como a leitura, a circulação
po, sem frescuras, com profundidade”. de obras e a criação de uma tradição in-
terna, que revele uma espécie de inde-
O teórico, cujo centenário de nas-
pendência do pensamento nacional, cá
cimento ocorreu no dia 24 de julho,
no Brasil, parte deste novo mundo que
“soube produzir grandes ensaios e al-
é a América”.
guns livros de forte importância, como
a Formação da literatura brasileira, Luís Augusto Fischer é doutor,
livros que permanecem legíveis, abrem mestre e graduado em Letras pela Uni-
muitos caminhos e mostram a virtu- versidade Federal do Rio Grande do
de da formação múltipla e da visada Sul - UFRGS, onde leciona. É autor de
abrangente do crítico”. Além disso, vários livros, entre eles Dicionário de
Candido “teve papel essencial na orien- porto-alegrês (Porto Alegre: L&PM
tação de várias gerações de novos críti- Editores), Literatura gaúcha – His-
cos, professores, pesquisadores na USP tória, formação e atualidade (Porto
e depois na Unicamp”. Alegre: Leitura XXI) e Inteligência
Ao defini-lo, Fischer afirma que “ele com dor – Nelson Rodrigues ensaísta
foi inteligente, cosmopolita, bem apa- (Porto Alegre: Arquipélago Editorial).
relhado, com história social muito fa- Fez a edição anotada de Contos gau-
vorável, tanto em sua família de origem chescos e Lendas do Sul (Porto Ale-
quanto na família que constituiu (casou gre: L&PM Editores), de Simões Lopes
com uma sobrinha de Mário de Andra- Neto, e de Antônio Chimango (Caxias
de, figura tutelar da cultura moderna do Sul: Editora Belas Letras), de Ama-
de São Paulo), e dispôs das melhores ro Juvenal.
estradas sociais para se manifestar”. Confira a entrevista.

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

“Essa dupla militância – literatura


na imprensa e sociologia
na universidade – é que faz
dele uma figura singular”

IHU On-Line – Qual a impor- viver em função da literatura e qui- nais, parlamento, tribunais e escolas
tância de Antonio Candido para sesse cursar alguma coisa univer- em número apreciável –, despontam
os estudos literários no Brasil? sitária estudava Direito. Desde que alguns críticos, como Sílvio Rome-
há curso superior no Brasil (bem ro4 e José Veríssimo5, ambos pro-
Luís Augusto Fischer – Anto-
pouco tempo, porque a colonização fessores de Língua e Literatura na
nio Candido1 tem papel destacado,
que tivemos foi ágrafa e anticrítica, escola média, mas com atuação em
o mais destacado de sua geração.
De fato ele é o primeiro grande es- impediu imprensa, edição de livros jornal e livro. Depois disso, vem logo
tudioso universitário de literatura a e cursos superiores), quer dizer, de- a geração modernista – Mário de
permanecer com obra imediatamen- pois da Independência, os letrados Andrade6 e Oswald7, em São Paulo,
te relevante, até aqui. Fazendo uma eram padres, como o cônego Janu-
conta rápida: os cursos regulares ário Barbosa2, autor de uma das pri- 4 Sílvio Romero (1851-1914): advogado, jornalista, crítico
literário, ensaísta, poeta, historiador, filósofo, cientista po-
de Literatura no Brasil nascem com meiras antologias para uso escolar, lítico, sociólogo, escritor, professor e político nascido em
ou eram formados em Direito, como Sergipe. Foi um dos intelectuais que fundaram a Academia
os cursos superiores de Letras, que Brasileira de Letras - ABL, em 1897. Polemista, contribuiu 9
são da década de 1930 em diante, foi o caso dos jovens que iam até São de modo significativo para que a Escola do Recife – de-
nominação que lhe deve ser atribuída – viesse a ser co-
apenas. Antes disso, quem queria Paulo ou até Recife para frequen- nhecida em todo o País. Autor de Introdução à história da
tar os dois únicos espaços possíveis literatura brasileira (1882), atualmente em edição de cinco
volumes. Com o livro Últimos harpejos (1883), sua carreira
1 Antonio Candido de Mello e Souza (1918-2017): nas- para isso, ou simplesmente eram de poeta se encerra. Como resultado de pesquisas sobre o
cido no Rio de Janeiro, na infância sua família mudou-se folclore brasileiro, escreveu O elemento popular na litera-
para Poços de Caldas, em Minas Gerais. Escritor, ensaísta, autodidatas, sem formação superior tura do Brasil e Cantos populares do Brasil, tendo realizado
sociólogo e professor universitário, era expoente da crítica ou mesmo sem qualquer formação para este, em 1883, uma viagem a Lisboa a fim de publicá
literária brasileira e um dos maiores intelectuais da história -lo. Em 1888, foi publicado História da Literatura Brasileira
do Brasil. Professor emérito da Universidade de São Paulo escolar regular, como foi o caso do em dois volumes. (Nota da IHU On-Line)
- USP e da Universidade Estadual Paulista - Unesp. Lecio- 5 José Veríssimo Dias de Matos (1857-1916): nascido
nou na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Machado de Assis3. em Óbidos, no Pará, foi um escritor, educador, jornalista e
- FFLCH da USP por 50 anos (1942 a 1992). Candido foi estudioso da literatura brasileira, membro e principal ide-
um dos principais pensadores ligados aos estudos sobre a No final do século 19, na época do alizador da Academia Brasileira de Letras. Ao lado de Síl-
formação do Brasil, inaugurados nos anos 1930 e 1940 por vio Romero e Araripe Júnior, seus contemporâneos, foi um
Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Holanda e Caio Prado Machado de Assis maduro, quando dos primeiros historiadores da literatura brasileira. Em sua
Júnior. Ingressou na Faculdade de Direito e na Faculdade obra História da Literatura Brasileira (1916), há uma cons-
de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP em 1939, se estabiliza um debate crítico rele- tante preocupação em se definir um caráter tipicamente
tendo abandonado a primeira no quinto ano e se formado vante e existe o que se pode já cha- nacional dos escritores do país. (Nota da IHU On-Line)
em Ciências Sociais em 1942. Em 1945, obteve o título de 6 Mário de Andrade (1893-1945): nascido em São Paulo,
livre-docente com a tese Introdução ao Método Crítico de mar de opinião pública – com jor- poeta, romancista, musicólogo, historiador, crítico de arte
Sílvio Romero e, em 1954, o grau de doutor em Ciências e fotógrafo brasileiro. Um dos fundadores do modernis-
Sociais com a tese Parceiros do Rio Bonito. Na Universida- mo brasileiro, praticamente criou a poesia moderna bra-
de Estadual de Campinas - Unicamp, recebeu o título de 2 Januário da Cunha Barbosa (1780-1846): nascido no sileira com a publicação de seu livro Paulicéia desvairada,
doutor honoris causa. Aposentou-se na USP em 1978, mas Rio de Janeiro, foi um orador sacro, historiador, jornalista, em 1922. Foi a força motriz por trás da Semana de Arte
manteve-se como professor do curso de pós-graduação poeta, biógrafo e político de muita importância no Primei- Moderna, evento ocorrido em 1922 que reformulou a lite-
até 1992, ano em que orientou a última tese. Foi crítico da ro Reinado do Brasil. Além de ter sido um dos filósofos ratura e as artes visuais no Brasil. Exerceu uma influência
revista Clima (1941-4), juntamente com intelectuais como mais considerados de sua época, dedicou-se à maçonaria enorme na literatura moderna brasileira e, como ensaísta
o crítico de cinema Paulo Emílio Salles Gomes, a ensaísta no Brasil imperial e à luta nacional pela Independência. Foi e estudioso (foi um pioneiro do campo da etnomusicolo-
Gilda de Mello e Souza e o neurocientista Antonio Branco nomeado por D. Pedro I orador sacro e cônego da Capela gia), sua notoriedade transcendeu as fronteiras do Brasil.
Lefévre. Acadêmica, a revista estabeleceu novos caminhos Real em 1808, ano da chegada da corte portuguesa ao Andrade foi a figura central do movimento de vanguarda
para a crítica paulistana. Candido também trabalhou como Brasil. Em 1821, fundou, ao lado de Joaquim Gonçalves de São Paulo por vinte anos. Seu romance Macunaíma foi
crítico dos jornais Folha da Manhã (1943-5) e Diário de São Ledo, o Revérbero Constitucional Fluminense, periódico publicado em 1928. (Nota da IHU On-Line)
Paulo (1945-7). Em 1956, idealizou o Suplemento Literário, com intuito de defender a causa da independência do 7 Oswald de Andrade (1890-1954): poeta, romancista e
caderno de crítica que circulava no jornal O Estado de S. Brasil. Foi nomeado, pelo decreto de 5 de setembro de dramaturgo. Nasceu em São Paulo e estudou na Faculda-
Paulo até 1966. Na vida política, participou da luta contra 1844, diretor da Biblioteca Nacional. Exerceu tais funções de de Direito do Largo São Francisco. Oswald, Mário de
a ditadura do Estado Novo no grupo clandestino Frente até a sua morte. (Nota da IHU On-Line) Andrade, Tarsila do Amaral e Raul Bopp foram os idea-
de Resistência. Em 1980, participou da fundação do Parti- 3 Machado de Assis [Joaquim Maria Machado de Assis] lizadores do Modernismo no Brasil, na década de 1920,
do dos Trabalhadores - PT. Em 1959, lançou sua obra mais (1839-1908): escritor brasileiro, considerado o pai do re- uma visão da país radicalmente vanguardista que rompia,
influente, Formação da Literatura Brasileira. Outros títulos alismo no Brasil, escreveu obras importantes como Me- pela primeira vez em termos culturais, com o colonialis-
importantes que lançou são Literatura e sociedade (1965), mórias póstumas de Brás Cubas, Dom Casmurro, Quincas mo cultural vigente à época. É autor de uma vasta obra,
Educação pela noite e outros ensaios (1987) e O roman- Borba e vários livros de contos. Também escreveu poesia e passando por críticas literárias, autoria de peças teatrais,
tismo no Brasil (2002). Sobre Candido, conferir as entre- foi um ativo crítico literário, além de ser um dos criadores romances e textos teóricos. Dentre sua obra, vale destacar
vistas “A literatura é um direito do cidadão, um usufruto da crônica no país. Fundador da Academia Brasileira de o Manifesto da Poesia Pau-Brasil, Manifesto Antropófago e
peculiar”, concedida por Flávio Aguiar à IHU On-Line nº Letras. Sobre o escritor, há duas edições da IHU On-Li- Crise da Filosofia Messiânica, textos importantes no que
278, de 20-10-2008, disponível em https://goo.gl/qa95Jy, ne: 262, de 16-6-2008, intitulada Machado de Assis: um concerne à originalidade do pensamento nativo brasileiro
e “Antonio Candido e a crítica cultural contemporânea”, conhecedor da alma humana, disponível em http://bit.ly/ e que se colocam na crítica profunda à razão ocidental
concedida por Célia Pedrosa à IHU On-Line nº 283, de ihuon262, e 275, de 29-9-2008, intitulada Machado de As- hegemonizada. Após a virada antropológica, em 1979, o
24-11-2008, disponível em https://goo.gl/92rizw. (Nota da sis e Guimarães Rosa: intérpretes do Brasil, disponível em autor passou a ocupar um papel de destaque na Antropo-
IHU On-Line) https://bit.ly/2oHHiQt. (Nota da IHU On-Line) logia brasileira. (Nota da IHU On-Line)

EDIÇÃO 528
DOSSIÊ ANTONIO CANDIDO

Alceu Amoroso Lima8, no Rio, Sér- sobre a poesia árcade para o concur- de Ciência da Literatura, com esse
gio Buarque de Holanda9 entre Rio e so que fez para dar aulas de Literatu- nome. Foi dele a iniciativa de qua-
São Paulo, Nelson Werneck Sodré10 ra na nascente USP, mas foi repro- lificar, sistemática e pejorativamen-
também no Rio, Guilhermino César11 vado…), mas ainda não se pode falar te, a crítica não-universitária como
saindo de Minas para o Rio Grande de críticos universitários, para o bem “impressionista”, o que reforçava
do Sul, Augusto Meyer12 saindo de e para o mal. Alguns são ainda legí- sua autoimagem de cientista.
Porto Alegre para o Rio –, que ain- veis, como Meyer, mas grande parte Aqui entra Candido. Crítico de jor-
da não dispõe de cursos regulares de do que escreveram tem papel, agora, nal e revista, estudou Direito, sem se
Letras: trata-se de gente interessada apenas como depoimento histórico. formar, e se aventurou num curso
em literatura que vai fazer outras novíssimo no Brasil, que começou a
Depois vem a geração de Candido,
coisas, especialmente Direito, ou se existir precisamente em sua geração,
que é também a de outra figura que
arranja de algum modo, como foi o na USP – Ciências Sociais; assim que
caso de Mário, que era professor de com ele disputou espaço, mas que
hoje é uma sombra apenas, Afrâ- se formou, começou a dar aulas ali
Música, ou não completa formação e virou pesquisador, com doutorado
alguma, como Meyer. Todas essas nio Coutinho13. Este era um médico
baiano que, contratado pela revis- na área. Essa dupla militância – li-
figuras até aqui citadas tiveram pa- teratura na imprensa e sociologia na
pel interessante, escrevendo histó- ta Seleções do Reader’s Digest, foi
para os Estados Unidos aprimorar universidade – é que faz dele uma fi-
rias da literatura, produzindo crítica gura singular: tinha uma mente aca-
para jornais e revistas, até mesmo suas técnicas de texto, e aí aprovei-
tou para estudar academicamente dêmica, no bom sentido, quer dizer,
formulando alguma coisa mais so- tinha conceitos, sabia dos protocolos
fisticada (Oswald escreveu uma tese algo de teoria literária, que então se
e manejava os métodos na área de
definia em termos novos, com o que
Humanidades, mas tinha o feeling e
8 Alceu Amoroso Lima (1893-1983): nascido no Rio de se chamou, no mundo anglo-saxão,
Janeiro, crítico literário, professor, pensador, escritor e lí- a abordagem do crítico “impressio-
de Nova Crítica. Afrânio, voltando
der católico. Adotou o pseudônimo de Tristão de Ataíde. nista”, e escrevia muito bem, muito
(Nota da IHU On-Line) de lá, passou de crítico avulso de
9 Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982): historiador, limpo, sem frescuras, com profun-
crítico literário e jornalista nascido em São Paulo - SP. En- jornal a professor titular de Litera-
tre outros livros, escreveu Raízes do Brasil (1936). Obteve didade. Por outro lado, era filho das
tura na nascente Universidade Fe-
10 notoriedade por meio do conceito de “homem cordial”, elites letradas brasileiras, com mãe
examinado nessa obra. A professora Eliane Fleck apresen- deral do Rio de Janeiro, e ali passou leitora e culta, e pai médico que fez
tou, no evento IHU Ideias, de 22-8-2002, o tema O homem
cordial: Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda, a jogar de mão. Visto de hoje, é mui- uma especialização na França, o que
e no dia 8-5-2003, a professora apresentou essa mesma
obra no Ciclo de Estudos sobre o Brasil, concedendo, nessa
to problemático, fraco e até irrele- levou o menino Antonio Candido
oportunidade, uma entrevista à IHU On-Line, publicada vante, entre outros motivos, porque a viver por lá e aprender o francês,
na edição nº 58, de 5-5-2003, disponível em http://bit.
ly/152MP1v. Sobre Sérgio Buarque de Holanda, confi- se concebia como nada menos que o inglês e até algo de alemão antes
ra, ainda, a edição 205 da IHU On-Line, de 20-11-2006,
intitulada Raízes do Brasil, disponível em https://goo.gl/ o primeiro a fazer ciência literária de ingressar na USP, uma vantagem
RN3W57, e a edição 498, de 28-11-2016, Raízes do Bra- no Brasil – em função disso, ainda intelectual rara. (Ele conta que em
sil – 80 anos. Perguntas sobre a nossa sanidade e saúde
democráticas, disponível em http://bit.ly/2nDmdFE. (Nota hoje a UFRJ tem um departamento casa havia duas bibliotecas, uma da
da IHU On-Line)
10 Nelson Werneck Sodré (1912-1999): historiador, crí- mãe e outra do pai. Isso dá uma me-
tico literário, memorialista e general do Exército, foi um 13 Afrânio Coutinho (1911-2000): professor, crítico li-
dos mais profundos estudiosos da sociedade brasileira. terário e ensaísta brasileiro. Ocupou a Cadeira nº 33 da dida da sofisticação intelectual de
Influenciou gerações com seus livros e centros de análise, Academia Brasileira de Letras. Formou-se em medicina, seu entorno familiar.)
como o Instituto Superior de Estudos Brasileiros - ISEB. em 1931, mas preferiu seguir a carreira de professor de
(Nota do IHU On-Line). literatura e história no curso secundário. Foi bibliotecário
11 Guilhermino César (1908-1993); escritor, jornalista, da Faculdade de Medicina e professor da Faculdade de E teve ainda a vantagem histórica
professor e historiador nascido em Minas Gerais. Aos 19 Filosofia da Bahia. Em 1942, foi para os Estados Unidos e, de dispor de uma certeza essencial
anos, em Cataguases, foi um dos fundadores da Revista durante cinco anos, frequentou cursos na Universidade
Verde, de caráter modernista. Mudou-se para o Rio Gran- de Columbia e em outras universidades norte-america- para sua carreira: amigo dos moder-
de do Sul, onde tornou-se cronista e crítico literário do nas, aperfeiçoando-se em crítica e história literária. Re-
Correio do Povo. Foi chefe do gabinete do governo de gressou ao Brasil em 1947 e foi morar no Rio de Janeiro. nistas, embora mais jovem (ele nas-
Ernesto Dorneles, professor da UFRGS, ministro do Tribu-
nal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul e secretário
No ano seguinte, inaugurou, no Suplemento Literário
do Diário de Notícias, a seção “Correntes Cruzadas”,
ceu em 1918), Candido fez sua vida
da Fazenda. Foi também presidente do Instituto Histórico que manteve até 1961, debatendo problemas de crítica como crítico na militância em favor
e Geográfico do Rio Grande do Sul. Atuou na dramatur- e teoria literária. Na Faculdade de Filosofia do Instituto
gia como diretor de algumas peças de teatro na década Lafayette, criou, em 1951, a disciplina de Teoria e Técnica das teses modernistas, discutindo
de 1940. Foi escolhido patrono da Feira do Livro de Porto Literária, primeira iniciativa do gênero no Brasil. Em 1965, as coisas que apareciam, os livros e
Alegre em 1990. (Nota da IHU On-Line) criou a Faculdade de Letras da Universidade Federal do
12 Augusto Meyer (1902-1970): jornalista, ensaísta, po- Rio de Janeiro. Em 1968, foi nomeado diretor dessa fa- os autores, segundo a régua arejada
eta, memorialista e folclorista. Foi membro da Academia culdade, permanecendo no cargo até aposentar-se, em
Brasileira de Letras e da Academia Brasileira de Filologia. 1981. Foi ele quem criou a Biblioteca da Faculdade de
dos modernistas. Numa entrevista
Colaborou com vários jornais do Rio Grande do Sul, entre Letras, reconhecida como uma das melhores do gênero que fiz com ele em 1993, ele contou
eles Diário de Notícias e Correio do Povo. Seu primeiro no Rio de Janeiro. Nas décadas de 1960 e 1970, realizou
livro publicado foi A ilusão querida, de poemas, em 1920. inúmeras viagens para o exterior, como professor visitan- que, assim que começou a escrever
Outas obras que escreveu: Coração verde, Giraluz e Po- te em universidades dos Estados Unidos, da Alemanha
emas de Bilu. Dirigiu a Biblioteca Pública do Estado, em e da França. Foi empossado em 20 de julho de 1962 na
crítica na imprensa e a dar aulas de
Porto Alegre. Mudou-se para o Rio de Janeiro em 1937 cadeira 33 da Academia Brasileira de Letras. Durante a literatura – ele permaneceu profes-
para, a convite de Getúlio Vargas, organizar o Instituto sua vida, construiu uma vasta biblioteca particular, que
Nacional do Livro. Esteve à frente da instituição durante se tornou a base para a criação, em 1979, da Oficina Li- sor de sociologia até 1958, quando
cerca de 30 anos. Meyer integrou o modernismo gaúcho, terária Afrânio Coutinho - OLAC, destinada a promover
introduzindo uma feição regionalista à poesia. Estudou a estudos na área da literatura, ministrar cursos e confe-
migrou para a condição de professor
literatura e o folclore do Rio Grande do Sul nos livros Guia rências, e receber escritores nacionais e estrangeiros. de Literatura, na mesma USP –, teve
do folclore gaúcho, Cancioneiro gaúcho e Seleta em prosa Hoje a Biblioteca pertence à Faculdade de Letras da
e verso. Recebeu o Prêmio Filipe de Oliveira na categoria UFRJ. Coordenou a elaboração da Enciclopédia de Lite- em mente a necessidade de validar o
Memórias e o Prêmio Machado de Assis da Academia Bra-
sileira de Letras pelo conjunto da obra literária. (Nota da
ratura Brasileira (obra em dois volumes), publicada em
1990. Sua última obra foi Do Barroco – ensaios (1994).
Modernismo, e portanto sabia quem
IHU On-Line) (Nota da IHU On-Line) atacar, quer dizer, todo mundo que

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

rezasse por cartilha diferente, antiga dele para detectar os melhores em na Sociologia, e por combinação
etc. Para completar esse quadro, é cada momento (ele logo percebeu, entre o mestre e o aluno, Roberto
preciso levar em conta que ele foi um por exemplo, que poeta importante migrou para a área da Literatura,
dos fundadores do antigo PSB, um mesmo, nos anos 1940, era João Ca- onde viria a se tornar um sujeito de
partido de esquerda não-ortodoxa bral14, assim como sacou a qualidade primeiro plano. E considere que, ao
(antistalinista), logo após a Segunda rara de Clarice Lispector15 logo na contrário do que ocorreu na univer-
Guerra Mundial, condição que tam- primeira publicação). sidade cá no Rio Grande do Sul, lá na
bém explica sua grande abertura de USP a Sociologia foi concebida como
Dois, ele teve destacada impor-
consciência para os movimentos am- uma carreira de central importância,
tância política mesmo, no campo
plos da vida ocidental, da economia bastando ver o caso de Fernando
intelectual, primeiro no PSB e na
à literatura. Henrique Cardoso18, um aluno e de-
luta pelo fim da ditadura do Estado
pois professor exatamente dessa dis-
No conjunto, com esses condicio- Novo16, e depois foi um dos funda-
ciplina, lá na universidade paulista.
nantes claramente especiais, ele sou- dores do PT, num momento em que
be produzir grandes ensaios e alguns este novo partido era referência for- Para encerrar, haveria um quar-
livros de forte importância, como a te para todo o campo da oposição ao to termo, mas em campo mais ou
Formação da literatura brasilei- regime militar. menos literário: Candido se ocupou
ra, livros que permanecem legíveis, bastante de relações com o ensino
Três, não menos, ele foi professor básico, e nesse sentido particular es-
abrem muitos caminhos e mostram de Sociologia na USP por uns 15
a virtude da formação múltipla e creveu alguns textos que são de forte
anos, até migrar para a área de Li- intervenção pública, para além do
da visada abrangente do crítico. Ao teratura. Orientou pesquisa, ajudou
lado disso, igualmente teve papel mundo das letras.
várias carreiras – para dar um exem-
essencial na orientação de várias plo, Roberto Schwarz17 foi aluno dele
gerações de novos críticos, professo- IHU On-Line – Quais são as
res, pesquisadores na USP e depois 14 João Cabral de Melo Neto (1920-1999): poeta e di-
obras fundamentais de Candi-
plomata brasileiro. Sua obra poética, caracterizada pelo
na Unicamp, cujo curso de Letras ele rigor estético, com poemas avessos a confessionalismos do e por quê?
ajudou a organizar, por sinal. e marcados pelo uso de rimas toantes, inaugurou uma
nova forma de fazer poesia no Brasil. Membro da Acade-
Quer dizer, ele foi inteligente, cos- mia Pernambucana de Letras e da Academia Brasileira de
Luís Augusto Fischer – O livro 11
Letras, foi agraciado com vários prêmios literários. Confira mais famoso, que não é propriamen-
mopolita, bem aparelhado, com his- a edição 310 da revista IHU On-Line, de 5-10-2009, intitu-
te o mais lido, é o já citado Forma-
lada A secura do sertão nos versos de João Cabral de Melo
tória social muito favorável, tanto Neto, disponível para download em https://bit.ly/2oHHiQt.
ção da literatura brasileira, uma es-
Na edição 499 da revista IHU On-Line foi publicado um
em sua família de origem quanto na dossiê sobre a obra de João Cabral de Melo Neto, dispo- pécie de história crítica da literatura
família que constituiu (casou com nível em http://bit.ly/2wZeOUd. (Nota da IHU On-Line)
no Brasil, que acabou se tornando
15 Clarice Lispector (1920-1977): escritora nascida na
uma sobrinha de Mário de Andrade, Ucrânia. De família judaica, emigrou para o Brasil quando referência por motivos inesperados.
tinha apenas dois meses de idade. Em 1944, publicou seu
figura tutelar da cultura moderna de primeiro romance, Perto do coração selvagem. A literatura Em lugar de ser lido como um livro
São Paulo), e dispôs das melhores brasileira era nesta altura dominada por uma tendência
de história da literatura e das ideias
essencialmente regionalista, com personagens contando a
estradas sociais para se manifestar difícil realidade social do país na época. Lispector surpre- críticas que trazia sobre autores, o
endeu a crítica com seu romance, quer pela problemática
– para dizer de modo um pouco irre- de caráter existencial, completamente inovadora, quer livro passou a figurar como talvez a
verente, ele pegou a maré montante, pelo estilo solto, elíptico e fragmentário, reminiscente de
James Joyce e Virginia Woolf. Seu romance mais famoso
amplamente favorável, nascida no é A hora da estrela, o último publicado antes de sua mor- (Université Sorbonne Nouvelle III) sob orientação de Ray-
te. Neste livro, a vida de Macabéa, uma nordestina criada mond Cantel em 1976. Sua tese, intitulada Ao vencedor
processo de consolidação da USP e no estado Alagoas que vai morar em uma pensão no Rio as batatas, trata da obra de Machado de Assis. Quando
do estado paulista como forças he- de Janeiro, tendo sua vida descrita por um escritor fictício retornou ao Brasil, em 1978, começou a lecionar literatura
chamado Rodrigo S.M. Sobre a autora, confira a edição e teoria literária na Universidade Estadual de Campinas –
gemônicas no campo intelectual (e 228 da IHU On-Line, de 16-7-2008, intitulada Clarice Lis- Unicamp, onde aposentou em 1992. Nesse período, sua
pector. Uma pomba na busca eterna pelo ninho, disponível atuação intelectual foi marcada por algumas polêmicas
industrial e financeiro) do Brasil. em https://bit.ly/2PEIJKS. (Nota da IHU On-Line) importantes, como a que travou com Augusto de Campos
16 Estado Novo: período autoritário da história do Brasil, sobre o legado da poesia concreta. Alguns de seus mais
que durou de 1937 a 1945. Foi instaurado por um golpe significativos ensaios são publicados em língua inglesa em
de Estado que garantiu a continuidade de Getúlio Vargas à forma de livro e em importantes periódicos, como a New
IHU On-Line – E para além frente do governo central, recebendo apoio de importan- Left Review. Um dos últimos ensaios do crítico se ocupa,
tes lideranças políticas e militares. (Nota da IHU On-Line) aliás, da repercussão internacional mais recente de Ma-
do campo literário, qual a im- 17 Roberto Schwarz (1938): nascido em Viena, na Áus- chado de Assis. Schwarz é uma das vozes mais incisivas
tria. Crítico de literatura e cultura, poeta e dramaturgo. do ensaísmo brasileiro. É autor de dois livros clássicos so-
portância do pensamento de Mudou-se para o Brasil com a família, de origem judaica, bre Machado de Assis: Ao vencedor as batatas (São Paulo:
Candido? no início de 1939, quando a Áustria foi anexada pela Ale- Duas Cidades, 1977) e Um mestre na periferia do capita-
manha. Nos anos 1950, convive com o também emigrado lismo (São Paulo: Duas Cidades, 1990). Publicou também
Anatol Rosenfeld (1912-1973), que foi seu mentor literário Pássaro na gaveta (São Paulo: Massao Ohno, 1959), A lata
Luís Augusto Fischer – Há e filosófico. Formou-se em Ciências Sociais pela Universi- de lixo da história (São Paulo: Paz e Terra, 1977; São Paulo:
três aspectos, pelo menos: um, sua dade de São Paulo - USP em 1960. Em 1958-1959, parti-
cipou do Seminário Marx, que se organizou para estudar
Companhia das Letras, 2014), Os pobres na literatura bra-
sileira (São Paulo: Brasiliense, 1983), A sereia e o descon-
militância na imprensa paulistana O Capital; o grupo era formado por José Arthur Giannotti, fiado (São Paulo: Paz e Terra, 1965), Sequências brasileiras
Fernando Novais, Paul Singer, Octavio Ianni, Ruth Cardo- (São Paulo: Companhia das Letras, 1999) e Duas meninas
foi muito forte – foi dele o projeto so, Fernando Henrique Cardoso, Bento Prado Jr., Francisco (São Paulo: Companhia das Letras, 1997). (Nota da IHU
inicial do “Suplemento Literário” Weffort, Michael Löwy e Gabriel Bolaffi. Nos Estados Uni-
dos, pós-graduou-se na Universidade de Yale sob a orien-
On-Line)
18 Fernando Henrique Cardoso (1931): sociólogo, cien-
do jornal O Estado de S. Paulo, por tação de René Wellek, concluindo o mestrado em 1963, tista político, professor universitário e político brasileiro.
ano em que retornou ao Brasil, tornando-se assistente de Foi o 34º presidente do Brasil, por dois mandatos conse-
exemplo. Ele fez parte do grupo que Antonio Candido no Departamento de Teoria Literária da cutivos, entre 1995 e 2003. Conhecido como FHC, ganhou
criou a revista Clima etc. –, coisa USP. Exilando-se em Paris em 1969, quando a repressão
política aumentou após o golpe de 1964, doutorou-se em
notoriedade como ministo da Fazenda (1993-1994) com a
instauração do Plano Real para combate à inflação. (Nota
que se soma ao ótimo faro crítico Estudos Latino-Americanos pela Universidade de Paris III da IHU On-Line)

EDIÇÃO 528
DOSSIÊ ANTONIO CANDIDO

primeira tentativa de fato moderna sa, mas com método científico, no mento de Candido. Por que e
e aguda de pensar sobre o objeto a mesmo momento em que aqueles qual a sua atualidade?
que se dedicou, buscando formula- jovens daqui criaram o primeiro
Luís Augusto Fischer – Maté-
ção conceitual nova. Como história, CTG, que é também uma forma de
ria ampla a dessa pergunta. Candido
ele é bem restrito, porque, publicado estudar o passado dos caboclos lo-
foi um dos mais agudos pensado-
no fim dos anos 1950, ele tem como cais, os gaúchos. No Rio Grande do
res sobre o conceito de “formação”,
assunto apenas a literatura do Arca- Sul, houve também estudos, como
que vem de antes dele (de Sérgio
dismo e a do Romantismo; o livro os de Barbosa Lessa20 e de Paixão
Buarque, Caio Prado22, até mesmo
encerra antes de falar do Machado Côrtes21, na linha do folclore, com
de Gilberto Freyre23 e do gaúcho
de Assis maduro! Curiosamente, o vistas a preservar o que era anti-
Vianna Moog24, e antes ainda vem
livro nasceu do convite de um editor go (e para depois servir de mode-
de Machado de Assis em seus textos
paulistano para Candido escrever lo para a vida dos CTGs), ao passo
críticos), todos eles diferentes entre
um livro paradidático, para uso em que em São Paulo, embora também
si, mas todos ocupados em pensar
escolas… houvesse folcloristas, Candido e a
sobre o Brasil como um processo
USP estudavam essas formas anti-
De todo modo, o livro de fato tem histórico, como uma formação, quer
gas, mas sem a ilusão de preservar
uma ousadia conceitual impressio- dizer, como um percurso que vai da
o que quer que fosse, e sim para
nante, no contexto: em lugar de es- condição de colônia até a condição
melhor integrá-las à modernidade.
crever uma história meramente li- de país autônomo, quando conse-
Sei que o tema é mais complexo do
near e com a ilusão de conter tudo, guia internalizar os mecanismos de
que essa simples comparação, mas
Candido abre o livro postulando um autodefinição. Na geração de Candi-
o paralelo é sintomático – com o
conceito estritamente sociológico do, ao menos dois outros pensadores
detalhe de que no Rio Grande do
– ele propõe a ideia de que uma li- entram na conta, Raimundo Faoro25
Sul só fomos ter curso superior de
teratura não nasce em determinado
Ciências Sociais a partir de 1958,
momento (com a Carta de Caminha, 22 Caio Prado Júnior (1907-1990): pensador e político
na UFRGS! brasileiro. Em 1942, publica sua obra mais importante, A
ou com a obra de Bento Teixeira19, formação do Brasil contemporâneo, sofrendo perseguições
devido ao seu alinhamento político com a orientação co-
ou com o primeiro livro publicado Fora esses dois livros, me parece munista, tendo seu mandato cassado dois anos depois da

12 após a Independência), mas se for- que as obras fundamentais de Candi- publicação do livro. Sua obra criou, porém, uma tradição
historiográfica no Brasil, identificada sobretudo com o
ma, quer dizer, depende de um pro- do são artigos e estudos específicos, marxismo, buscando uma explicação diferenciada da so-
ciedade colonial. A obra foi apresentada no I Ciclo de Estu-
cesso longo no tempo e no espaço, como o famosíssimo “Dialética da dos sobre o Brasil, promovido pelo IHU em 14-8-2003, e é
em que atuam forças sociais, como malandragem”, sobre o romance Me- tema de entrevista com a professora Marcia Eckert Miran-
da, publicada na IHU On-Line número 70, de 11-8-2003,
a leitura, a circulação de obras e a mórias de um sargento de milícias, disponível http://bit.ly/1irilO8. (Nota da IHU On-Line)
criação de uma tradição interna, que ou os estudos que fez sobre O cortiço, 23 Gilberto Freyre (1900-1987): escritor, professor, confe-
rencista e deputado federal. Colaborou em revistas e jor-
revele uma espécie de independên- ou uma hipótese de leitura de âmbito nais brasileiros. Foi professor convidado da Universidade
de Stanford (EUA). Recebeu vários prêmios por sua obra,
cia do pensamento nacional, cá no latino-americano como “Literatura e entre os quais, em 1967, o prêmio Aspen, do Instituto As-
Brasil, parte deste novo mundo que subdesenvolvimento”, entre outros. pen de Estudos Humanísticos (EUA), e o Prêmio Interna-
cional La Madoninna, em 1969. Entre seus livros, destaca-
é a América. se Casa grande & Senzala e Sobrados e Mocambos. Sobre
Freyre, confira o Cadernos IHU nº 6, de 2004, intitulado
Outro livro relativamente famo- Gilberto Freyre: da Casa-Grande ao Sobrado. Gênese e
IHU On-Line – O conceito de Dissolução do Patriarcalismo Escravista no Brasil. Algumas
so é seu doutorado em Sociologia, formação é central no pensa- Considerações, disponível em http://bit.ly/cadihu06. (Nota
da IHU On-Line)
Parceiros do rio Bonito, que tem 24 Clodomir Vianna Moog (1906-1988): advogado, jor-
lá suas limitações metodológicas, 20 Barbosa Lessa (1929-2002): folclorista, escritor, músi-
nalista, romancista e ensaísta nascido em São Leopoldo
(RS). Queria seguir a carreira militar, por isso foi para o Rio
mas revela, em sua geração, uma co, advogado e historiador brasileiro, Luiz Carlos Barbosa de Janeiro a fim de prestar exame na Escola Militar do Re-
Lessa escreveu cerca de 61 obras, entre contos, músicas e alengo. Como naquele ano não houve provas vestibulares,
forte originalidade e uma grande romances. É um dos principais inspiradores do tradicio- voltou para Porto Alegre, onde trabalhou algum tempo no
importância – considere que Can- nalismo gaúcho. Em 1948, ele e um grupo de colegas do comércio e, em 1925, matriculou-se na Faculdade de Di-
Colégio Júlio de Castilhos, de Porto Alegre, fundaram o reito. Foi nomeado, no mesmo ano, guarda-fiscal interino
dido estuda uma comunidade cai- primeiro Centro de Tradições Gaúchas - CTG, chamado de da Repressão ao Contrabando na Fronteira e designado
35. Entre os seus livros mais importantes estão Rodeio dos para a Delegacia Fiscal de Porto Alegre. Em 1926 pres-
pira, seus hábitos, sua socialidade, ventos, Os guaxos, O sentido e o valor do tradicionalismo e tou concurso para agente fiscal de imposto de consumo
num momento em que essas co- Nativismo, um fenômeno social gaúcho. Com Paixão Côr- e serviu dois anos na cidade de Santa Cruz do Sul e um
tes, entre 1950 e 1952 pesquisou o conhecimento rema- ano na cidade de Rio Grande. Viana Moog formou-se em
munidades caipiras estão sendo al- nescente das danças regionais do Rio Grande do Sul, tra- em 1930 e, no mesmo ano, participou da Aliança Libe-
balho que embasou a recriação de danças tradicionalistas, ral. Contrário à ditadura de Getúlio Vargas, participou da
cançadas pela energia elétrica, pela originando o livro didático Manual de Danças Gaúchas e Revolução de 1932, tendo sido preso e removido para o
mercadoria industrial, pelo rádio, o disco Danças Gaúchas, com interpretações da cantora Amazonas. Anistiado, retornou ao Rio Grande do Sul em
paulista Inezita Barroso. (Nota da IHU On-Line) 1934. Foi no período de exílio que começou propriamen-
até pela escola. Para nós, gaúchos, 21 Paixão Côrtes (1927-2018): João Carlos D’Ávila Paixão te a sua atividade literária. No Amazonas, escreveu dois
uma comparação eloquente é esta: Côrtes foi folclorista, compositor, radialista e pesquisador livros: Heróis da decadência, com estudos sobre Petrônio,
gaúcho. Trata-se de um dos personagens mais impor- Cervantes e Machado, e O ciclo do ouro negro, ensaio de
Candido estudou os caboclos de tantes da cultura gaúcha e, em particular, do movimento interpretação da realidade amazônica. Voltando a Porto
tradicionalista. Era um dos alunos do Colégio Júlio de Cas- Alegre, dirigiu o vespertino Folha da Tarde. Dessa fase
seu estado, com atenção afetuo- tilhos, em Porto Alegre, que fundaram o primeiro centro breve, resultou Novas cartas persas, sátira em torno da
de tradições gaúchas (CTG), chamado de 35, em 1953. Em situação político-social. Consagrou-se mais intensamente
1954, serviu de modelo para o escultor Caringi criar a es- à literatura com o golpe de 1937. Publicou, em 1938, o
19 Bento Teixeira (1561-1600): poeta luso-brasileiro, cuja tátua Laçador, fixada em uma das entradas de Porto Ale- ensaio Eça de Queirós e o século XIX e o romance Um rio
única obra, o poema épico Prosopopeia, é referida como o gre. Formou-se em Agronomia, na UFRGS, e trabalhou na imita o Reno, pelo qual ganhou em 1939 o Prêmio Graça
marco inicial do barroco na literatura brasileira. De biogra- Secretaria da Agricultura. Dizia que o fato de ser folclorista Aranha. Foi representante do governo brasileiro na Orga-
fia nebulosa, poucos fatos podem ser atestados sobre sua e “falar a mesma língua do homem do campo” facilitou a nização dos Estados Americanos - OEA e na Organização
vida e obra. Chegou-se a lhe atribuir duas outras obras, comunicação e a implantação de novas tecnologias. (Nota das Nações Unidas - ONU. (Nota da IHU On-Line)
mais tarde de autoria revisada. (Nota da IHU On-Line) da IHU On-Line) 25 Raymundo Faoro ou Raimundo Faoro (1925-2003):

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

e Celso Furtado26, e depois deles avaliar a enorme presença de figu- vido alguma espinafrada de algum
mais gente produz ensaios “formati- ras paulistas, saídas da USP ou nela direitista ou reacionário, mas por
vos”, consolidando uma linhagem de lapidadas, no comando do Brasil, há certo isso não chegou a ser grande
importância central para as ciências décadas. Por mais que fosse de es- problema para ele – mas também
sociais, as letras e artes entre nós. querda, Candido foi amigo de FHC não devemos negligenciar seu papel
até o fim, assim como ele era interlo- de figura referente na oposição ao
Quanto a sua atualidade, depende
cutor de Lula27 ou ao menos de gente regime militar, à censura, às cassa-
do ângulo de quem lê a coisa. Se tu
do “inner circle” petista, como Paul ções, período em que Candido foi
perguntares a um pós-moderno, um
Singer28. Claro que ele deve ter ou- nada menos que exemplar.
desconstrucionista, um pós-estru-
turalista etc., ele provavelmente vai No campo literário, ele teve amplo
27 Luiz Inácio Lula da Silva (1945): trigésimo quinto pre-
dizer que o conceito de formação é sidente do Brasil, cargo que exerceu de 2003 a 1º de janei- apoio e se tornou figura de referên-
ro de 2011. É cofundador e presidente de honra do Partido
velho e ultrapassado, tendo em vista dos Trabalhadores - PT. Em 1990, foi um dos fundadores e
cia até para quem não gostava de
a internacionalização, dos mercados organizadores do Foro de São Paulo, que congrega parte relacionar literatura e sociedade ou
dos movimentos políticos de esquerda da América Latina
e das ideias. Do meu ângulo, o con- e do Caribe. Foi candidato a presidente cinco vezes: em não gostava de misturar as excel-
1989 (perdeu para Fernando Collor de Mello), em 1994
ceito continua tendo muito sentido, (perdeu para Fernando Henrique Cardoso) e em 1998
sas letras com a vida real brasileira.
em particular para pensar sobre o (novamente perdeu para Fernando Henrique Cardoso) e Veja que ele foi homenageado como
ganhou as eleições de 2002 (derrotando José Serra) e de
passado e para projetar algum futu- 2006 (derrotando Geraldo Alckmin). Lula bateu um recor- figura tutelar da Abralic, Associação
ro que seja minimamente fruto de de histórico de popularidade durante seu mandato, con- Brasileira de Literatura Comparada,
forme medido pelo Datafolha. Programas sociais como o
projeto nacional. E restrinjo mais Bolsa Família e Fome Zero são marcas de seu governo, que no começo, anos 1970 e 80, ti-
programa este que teve seu reconhecimento por parte
claramente a coisa: não se trata de da Organização das Nações Unidas como um país que nha entre seus mais destacados di-
um projeto nacionalista ou isola- saiu do mapa da fome. Lula teve um papel de destaque
na evolução recente das relações internacionais, incluin-
rigentes professores e críticos que
cionista, que não preste atenção à do o programa nuclear do Irã e do aquecimento global. abominavam as posições esquer-
É investigado na operação Lava Jato e foi denunciado
evidente marcha de integração dos em setembro de 2016 pelo Ministério Público Federal - distas do Candido, mas não podiam
mercados (muito embora essa in- MPF, apontado como recebedor de vantagens pagas pela deixar de homenageá-lo como um
empreiteira OAS em um tríplex do Guarujá. No dia 12 de
tegração seja basicamente entre os julho de 2017, Lula foi condenado pelo juiz federal Sérgio grande intelectual e como formador
Moro, em primeira instância, a nove anos e seis meses de
de cima, entre os donos do capital, prisão em regime fechado por crimes de corrupção pas-
de gerações.
e não entre os de baixo, os do mundo siva e lavagem de dinheiro. No dia 24 de janeiro de 2018,
13
por unanimidade, os três desembargadores da 8ª Turma Um inimigo que teve, curiosamen-
do trabalho), mas de um projeto de do Tribunal Regional Federal da 4ª Região confirmaram
a condenação de Lula, elevando a pena para 12 anos e te, foi o grupo concretista, de São
nação que leve em conta o conjunto um mês de prisão. No dia 7 de abril de 2018 Lula, após Paulo. Candido foi o orientador do
do país, que pense em acabar com a mandado de prisão expedido pelo judiciário, entregou-se
à Polícia Federal, onde se mantém sob custódia na Supe- doutorado de Haroldo de Campos29,
miséria e constituir um país digno rintendência do órgão em Curitiba. (Nota da IHU On-Line)
28 Paul Singer (1932-2018): nascido em Viena, foi econo-
que nessa época o elogiou muito,
para todos. mista e professor. Veio morar no Brasil em 1940, quando mas depois Haroldo e Augusto30 ba-
sua família migrou para escapar da perseguição nazista.
Em 1951, Singer formou-se em eletrotécnica no ensino
médio da Escola Técnica Getúlio Vargas de São Paulo,
IHU On-Line – O engajamento exercendo a profissão entre 1952 e 1956. Nesse período, 2003, no âmbito do Ministério do Trabalho e Emprego.
filiou-se ao Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, mili- (Nota da IHU On-Line)
político, até mesmo partidário, tando no movimento sindical. Como trabalhador metalúr- 29 Haroldo de Campos (1929-2003): poeta e tradutor
de Candido criou algum tipo de gico, liderou a histórica greve dos 300 mil, que paralisou nascido em São Paulo. Fez seus estudos secundários no
a indústria paulistana por mais de um mês, em 1953. Ob- Colégio São Bento, onde aprendeu os primeiros idiomas
oposição ou crítica contra ele? teve a nacionalidade brasileira em 1954. Graduou-se em estrangeiros, como latim, inglês, espanhol e francês. In-
Economia na Universidade de São Paulo - USP, ao mesmo gressou na Faculdade de Direito da Universidade de São
Luís Augusto Fischer – Creio tempo em que desenvolvia atividade político-partidária, Paulo, no final da década de 1940, lançando seu primeiro
no PSB. Em 1959, participou da fundação da Polop, orga- livro, O Auto do Possesso, em 1949, quando participava
que não, não houve muita coisa re- nização política constituída por membros da ala esquer- do Clube de Poesia, ao lado de Décio Pignatari. Em 1952,
da do PSB. Em 1960, começa a lecionar na USP. Em 1966, Décio, Haroldo e seu irmão Augusto de Campos rompem
levante nesse sentido de ele ter en- obteve o grau de doutor em Sociologia com um estudo com o Clube, por divergirem quanto ao conservadorismo
frentado problemas por ser quem sobre desenvolvimento econômico e seus desdobramen- predominante entre os poetas, conhecidos como Geração
tos territoriais, abordando cinco cidades brasileiras – São de 45. Fundam, então, o grupo Noigandres, passando a
era e ter as convicções que tinha, Paulo, Belo Horizonte, Blumenau, Porto Alegre e Recife. publicar poemas na revista do grupo, de mesmo título.
A tese deu origem ao livro Desenvolvimento Econômico e Nos anos seguintes, defendeu as teses que levariam os
salvo naturalmente a posição tru- Evolução Urbana, sob orientação de Florestan Fernandes. três a inaugurar, em 1956, o movimento concretista, ao
culenta da direita burra, das elites Entre 1966 e 1967, estudou demografia na Universidade qual se manteve fiel até o ano de 1963, quando inaugura
Princeton, nos Estados Unidos. Em 1968 apresentou sua um trajeto particular, centrando suas atenções no projeto
iletradas. Uma forma de ver isso é tese de livre-docência, Dinâmica populacional e Desen- do livro-poema Galáxias. Fez o doutorado na Faculda-
volvimento. Nesse mesmo ano, retomou suas atividades de de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, sob
como professor da USP até ter seus direitos políticos cas- orientação de Antonio Candido, tendo sido professor da
jurista, sociólogo, historiador e cientista político brasileiro. sados pelo AI-5 e ser aposentado compulsoriamente, em PUC-SP, bem como na Universidade do Texas, em Austin.
Suas obras se propõem a fazer uma análise da sociedade, razão de suas atividades políticas, em 1969. Nesse mesmo Haroldo dirigiu até o final de sua vida a coleção Signos,
da política e do Estado brasileiro. Em seu livro mais clássi- ano, com vários outros pesquisadores e professores ex- da Editora Perspectiva. “Transcriou” em português poe-
co, Os Donos do Poder (Porto Alegre: Editora Globo, 1958), pulsos da universidade ou simplesmente discordantes do mas de autores como Homero, Dante, Mallarmé, Goethe,
abordou conceitos de patrimonialismo brasileiro, onde regime, participou da fundação do Cebrap - Centro Brasi- Mayakovski, além de textos bíblicos, como o Gênesis e o
o contextualizava a partir da colonização portuguesa. leiro de Análise e Planejamento, importante núcleo da in- Eclesiastes. Publicou, ainda, numerosos ensaios de teoria
Raymundo foi membro da Academia Brasileira de Letras telligentsia brasileira de oposição à ditadura militar. Atuou literária, entre eles A Arte no Horizonte do Provável (1969).
e presidente da Ordem dos Advogados do Brasil - OAB. no Cebrap até 1988, antes de ser nomeado secretário Mu- No teatro, suas obras foram interpretadas, com exclusivi-
(Nota da IHU On-Line) nicipal de Planejamento de São Paulo. Em 1980, ajudou dade, por três atores: Giulia Gam (1989, Cena da Origem,
26 Celso Furtado (1920-2004): economista brasileiro, a fundar o Partido dos Trabalhadores, ao lado de outros direção de Bia Lessa), Bete Coelho (1997, Graal: Retrato
membro do corpo permanente de economistas da ONU. intelectuais historicamente ligados à esquerda. Seus úl- de um Fausto Quando Jovem, de Gerald Thomas) e Luiz
Foi diretor do Banco Nacional de Desenvolvimento Eco- timos estudos foram a respeito de Economia Solidária e Päetow (2015, Puzzle, de Felipe Hirsch). Pouco antes de
nômico e da Superintendência do Desenvolvimento do projetos voltados ao desenvolvimento local. Ajudou a criar falecer, publicou sua transcriação em português da Ilíada,
Nordeste e membro da Academia Brasileira de Letras. Al- a Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da de Homero. (Nota da IHU On-Line)
gumas de suas obras são A economia brasileira (1954) e USP em 1998, quando foi convidado pela Cecae a assumir 30 Augusto de Campos (1931): tradutor, ensaísta, crítico
Formação econômica do Brasil (1959). Confira a edição 155 o cargo de coordenador acadêmico da incubadora. A par- de literatura e música nascido em São Paulo. Publicou em
da IHU On-Line que aborda a obra de Furtado, disponível tir de junho de 2003, foi secretário Nacional de Economia 1951 seu primeiro livro de poemas, O rei menos o reino.
em https://bit.ly/2MTgqeL. (Nota da IHU On-Line) Solidária - Senaes, que implementou, a partir de junho de Em 1952, com seu irmão Haroldo de Campos e Décio Pig-

EDIÇÃO 528
DOSSIÊ ANTONIO CANDIDO

teram forte em Candido e, mais ain- muitas páginas para responder tempo e sua circunstância. Que
da, em Schwarz, que em vários sen- adequadamente. Em brevíssimas restrições são essas?
tidos é herdeiro direto de Candido, e insuficientes palavras, a visão
Luís Augusto Fischer – Candi-
na crítica e na universidade. Os ir- política e social de Candido se har-
do é genial, mas não está fora das
mãos Campos gostavam de lembrar moniza com sua visão do literário e
constrições do tempo, claro – e ainda
que Candido tinha sido chamado de do sociológico. Por exemplo: inte-
bem. Eu escrevi três estudos sobre a
“chato-boy” por Oswald de Andra- ressado no destino das populações
obra do Candido, com a intenção de
de, em certo momento, por ser um que migravam para a megalópo-
estudar e analisar a dependência de
intelectual acadêmico, que sempre le paulistana nos anos 1940 e 50,
sua obra em relação a certas inter-
tendia a discutir as coisas com con- Candido, sofisticado intelectual
pretações do Brasil que hoje preci-
ceitos e tal, ao contrário de Oswald, poliglota e cosmopolita que podia
sam ser reavaliadas.
que posava de gênio espontâneo, ir- ficar lá nas alturas acadêmicas e
reverente, ao menos em algumas fa- quem sabe migrar para outra uni- Menciono duas: a primeira é que
ses de sua vida. versidade nos Estados Unidos ou Candido naturaliza a visada mo-
na Europa, vai lá e estuda o cai- dernista paulistana sobre o con-
Atualmente, Candido encontrou
pira, com vistas a pensar nas ma- junto da literatura brasileira. Isso o
nova oposição na figura de um in-
neiras de melhor acolher e educar leva a avaliar as coisas de um modo
teligente professor português, Abel
esse pessoal. Da mesma forma, in- que obriga tudo a ser tributário
Barros Baptista31 (que conta com
teressado no sofrimento das mas- daquele pessoal, de sua visão das
aliados na universidade brasilei-
sas pobres, estuda casos de litera- coisas. Dizendo em poucas pala-
ra), que considera que Candido
tura diretamente envolvidos com o vras, aqui temos um caso que, com
e seu discípulo Schwarz “seques-
mundo dos de baixo, tanto no Bra- o tempo, eu creio que vai ficar mais
tram” (sic – ele usa este verbo) a
sil, como é o caso dos estudos que claro ainda, especialmente na me-
obra de Machado de Assis, porque
citei acima (sobre as Memórias de dida em que nosso debate literário
obrigam, diz ele, a ler Machado ex-
um sargento de milícias, ou sobre enfrente criticamente a verdadeira
clusivamente segundo a pauta bra-
O cortiço) ou como o ensaio mag- modernistolatria em que vivemos
sileira, o que impediria que o gran-
nífico que tem sobre um romance até agora, que considera ingenua-
14 de romancista e contista carioca
italiano chamado Os Malavoglia, mente que tudo que é modernista é
circulasse mais amplamente e pu-
de Giovanni Verga32, que foca uma bom e o que não é modernista não
desse enfim ser reconhecido como
comunidade pobre de pescadores merece atenção. Um exemplo local
par da primeira turma da literatura
na Itália. Mas é importante logo é Simões Lopes Neto34 (que Candi-
ocidental. Não concordo, é claro,
avisar que não se trata de Candi- do por sinal elogia, destacando sua
mas enfim é uma das oposições que
do apenas elogiar o livro por tratar obra do conjunto dos contistas de
Candido enfrenta.
dos pobres: o que ele fazia era es- tema rural daquele momento), que
tudar os modos de representação pela lente modernista é classificado
IHU On-Line – Qual o impac- dos pobres, para melhor entender como um “pré-modernista”, sen-
to do pensamento humanista as obras. Se fosse, aliás, para fa- do portanto tratado como um au-
e democrático de Candido em lar de preferências, curiosamente tor menor, na medida em que não
sua produção teórica? Candido tinha como autor do co- chegou a ser modernista, que seria
ração o aristocrático e melancólico uma mera figura preliminar, que
Luís Augusto Fischer – Ex- Proust33, de quem tinha uma vasta no máximo anunciou algo que o
celente questão, que requereria biblioteca, mas sobre quem quase Modernismo viria enfim a realizar
nada escreveu. de modo pleno. Estou aqui escre-
natari, iniciou o movimento da poesia concreta no Brasil, vendo a coisa muito resumidamen-
lançou a revista literária Noigandres, origem do grupo
Noigandres. Em 1955, no segundo número da revista, pu- te, mas enfim, este é um ponto: o
blicou uma série de poemas em cores, Poetamenos, con- IHU On-Line – O senhor es-
siderados os primeiros exemplos consistentes de poesia
concreta no Brasil. Em 1956, participou da organização da creveu que as ideias de Candido 34 João Simões Lopes Neto (1865-1916): escritor nas-
Primeira Exposição Nacional de Arte Concreta (Artes Plás-
ticas e Poesia), no Museu de Arte Moderna de São Paulo.
carregam as restrições de seu cido em Pelotas (RS). A ele a revista IHU On-Line dedi-
cou a edição 73, chamada João Simões Lopes Neto: força
Sua obra veio a ser incluída, posteriormente, em muitas da literatura brasileira e latino-americana, disponível em
mostras, bem como em antologias internacionais. A maio- https://bit.ly/2MU2Zv2. O oitavo número dos Cadernos
ria dos seus poemas acha-se reunida em Viva Vaia ( 1979), 32 Giovanni Verga (1840-1922): novelista, escritor de IHU ideias é intitulado Simões Lopes Neto e a Invenção
Despoesia (1994) e Não (2003). Outras obras importantes estórias curtas e dramaturgo, o mais importante Realista do Gaúcho, de autoria da professora Márcia Lopes Du-
são Poemóbiles (1974) e Caixa Preta (1975), coleções de italiano da escola de novelistas. Sua reputação se desen- arte, disponível em https://goo.gl/STCqYG, tem como
poemas-objetos em colaboração com o artista plástico e volveu lentamente, porém críticos modernos o julgam base a apresentação da professora no IHU Ideias de 4 de
designer Julio Plaza. Seu livro Não poemas (2003) recebeu como um dos melhores de todos os novelistas italianos. setembro de 2003. Entre as principais obras do escritor,
o prêmio de Livro do Ano, concedido pela Fundação Bi- Sua influência foi particularmente marcante após a Se- destaca-se Cancioneiro Guasca (1910), Contos Gauchescos
blioteca Nacional. (Nota da IHU On-Line) gunda Guerra Mundial em gerações de autores italianos. (1912), Lendas do Sul (1913). A editora da UFRGS lançou
31 Abel Barros Baptista: professor da Universidade Nova Um filme marcante do Movimento Neorealista no cinema em 2017 o livro Simões Lopes Neto para o Mundo: tradu-
de Lisboa, onde obtete o título de doutor em Estudos de Luchino Visconti, A terra treme (1948), foi baseado na ção de contos gauchescos para dez línguas, organizado por
Porgueses e mestre em Estudos Literários Comparados. É novela de Verga I Malavoglia (Os Malavoglia). (Nota da Luís Augusto Fischer, Rosalia Neumann Garcia e Karina
autor, entre outros, de De Espécie Complicada. Ensaios de IHU On-Line) de Castilhos. Fischer também publicou a edição anotada
Crítica Literária (2010), O Livro Agreste. Ensaio de Curso de 33 Marcel Proust [Valentin Louis Georges Eugène Marcel dos Contos gauchescos e das Lendas do sul (L&PM, 2012)
Literatura Brasileira (2005), Ensaios Facetos (2004), Auto- Proust] (1871-1922): escritor francês célebre por sua obra e a primeira edição de dois manuscritos de Simões Lopes
bibliografias (Lisboa, 1998; São Paulo, 2003), Coligação de À la recherche du temps perdu (Em busca do tempo perdi- Neto, o Terra gaúcha - Histórias de infância e a Artinha
Avulsos. Ensaios de Crítica Literária (2003) e A Infelicidade do), publicada em sete volumes entre 1913 e 1927. (Nota de leitura, obras escritas na primeira década do século 20.
pela Bibliografia (2001). (Nota da IHU On-Line) da IHU On-Line) (Nota da IHU On-Line)

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

modernismocentrismo que está na monocultores, do açúcar e do café. e Manolo Florentino37 mostraram


alma invisível da obra de Candido Escrevendo nos anos 1930 a 1950, que não se comprova a estreita de-
acaba por justificar essa barbari- Caio Prado considerava que este pendência da economia brasilei-
dade do exemplo – quando clara- era o Brasil, este espaço que era li- ra como um todo em relação aos
mente Simões Lopes Neto nada torâneo, monocultor, latifundiário, resultados da “plantation”. Eles
tem a ver com a régua modernista escravagista e exportador. Fora mostram que a ecomonia brasileira
paulistana e portanto o juízo sobre disso, como disse com todas as le- era muito mais dinâmica, que, por
ele, se feito pela régua modernista, tras Caio Prado, havia apenas agri- exemplo, foi capaz de crescer em
não apenas não captura ou descre- cultura de sobrevivência e formas momentos de baixa da economia
ve sua literatura como, pior ainda, sociais irrelevantes para entender metropolitana, a qual deveria ser,
sugere que o bom mesmo é o que o Brasil. no modelo de Caio Prado, a regu-
o Modernismo fez, como se este ti- ladora exclusiva dos ritmos da eco-
vesse sido uma revelação, um “nec Este é o problema: hoje, as pes-
quisas históricas mais sofisticadas nomia da colônia brasileira.
plus ultra”, um ponto inultrapassá-
vel de beleza, liberdade etc. Candi- produziram dados que mostram à Bem, o que isso tem a ver com o
do, neste sentido, subscreve uma sociedade que o Brasil, ao menos Candido? Resposta também nada
leitura escatológica da história da desde o século 18, se não antes ain- simples, mas, em poucas palavras,
literatura, em que o ponto culmi- da, era muito mais que isso – no a visão de Candido sobre o Brasil
nante é o Modernismo, e não se sertão, quer dizer, no espaço fora depende dessa visão de Caio Prado,
fala mais disso. da “plantation”, havia não apenas tem afinidade forte com essa pers-
sobrevivência, mas circuitos im- pectiva, o que torna sua leitura da
(Não quero com isso dizer que, portantes de produção, circulação literatura brasileira de algum modo
especialmente quando fazia crítica e consumo. O Rio Grande do Sul é dependente dessa interpretação
afastada de uma perspectiva his- apenas um exemplo, desde que se do Brasil como igual ao espaço da
tórica, ele fosse um tolo, claro que começou, na primeira metade do
não. Basta ver a centralidade de “plantation”, até o final do século
século 18, a levar gado em pé daqui 19. Não é, mas Candido assim vê.
Machado de Assis, em particular a
até Sorocaba, passando pelo trigo
visão dele sobre o processo de for- Onde se pode verificar isso na 15
açoriano, depois a produção das
mação da literatura brasileira, que obra dele? Em mais de um modo e
colônias imigrantes etc. Coisa se-
no fim das contas é base do que momento. Candido, por exemplo,
melhante ocorria em praticamen-
Candido mesmo pensa. Machado não integrou Gregório de Matos 38
te todo o território, como mostra
não é avaliado pela régua moder- à sua Formação da literatura bra-
muito claramente o trabalho de
nista, claro: nenhum modernista sileira, com o argumento de que
Jorge Caldeira35, em vários estu-
teve essa petulância ou cometeu uma literatura, para existir, preci-
dos, por exemplo no excelente livro
essa tolice, ainda que Mário de An- sa da existência de uma interação
que é História do Brasil com em-
drade tenha escrito um depoimen- entre autores, obras e público; na
preendedores. Em outro sentido,
to de impressionante obtusidade medida em que Gregório de Matos
historiadores como João Fragoso36
sobre Machado. De todo modo, um nunca publicou nada em vida, ele
tanto paradoxalmente, Candido na verdade não tinha propriamen-
35 Jorge Caldeira (1955): escritor, doutor em Ciência Po-
nunca escreveu nenhum estudo de lítica, mestre em sociologia e bacharel em Ciências Sociais
pela Universidade de São Paulo - USP. Sócio-fundador
fôlego sobre Machado de Assis. O e diretor da Editora Mameluco. Foi publisher da Revista 37 Manolo Garcia Florentino: graduado em História pela
máximo que fez foi uma conferên- Bravo!, consultor do Projeto Brasil 500 Anos, da Rede Glo- Universidade Federal Fluminense, mestre um Estudios
bo, editor-executivo da Revista Exame, editor do Caderno Africanos - El Colégio de México - e doutor em História
cia, que foi escrita sob o título “Es- Ilustrada e da Revista da Folha, do jornal Folha de S. Paulo, pela Universidade Federal Fluminense. Professor do Insti-
editor de economia da Revista Isto É e editor da Revista do tuto de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro.
quema de Machado de Assis”, que Cebrap. Ocupa a cadeira nº 18 da Academia Paulista de Recebeu a Comenda da Ordem Nacional do Mérito Cien-
é inteligente mas não avança quase Letras. Caldeira e a Mameluco Produções foram responsá- tífico (2009). Presidente da Fundação Casa de Rui Barbosa
veis pela digitalização da obra completa de José Bonifácio, de fevereiro de 2013 a fevereiro de 2015. (Nota da IHU
nada para além do que sua geração disponível no portal Obra Bonifácio. É autor do best seller On-Line)
Mauá: um empresário do Império, publicado pela Compa- 38 Gregório de Matos e Guerra (1636-1696): nascido em
já sabia e dizia.) nhia das Letras. Alguns de seus livros: Noel Rosa, de Costas Salvador, advogado e poeta da época colonial. É conside-
para o Mar (Brasiliense, 1982), Mauá, Empresário do Impé- rado um dos maiores poetas barroco do Brasil e o mais
A outra é mais complicada de ex- rio (Companhia das Letras, 1995), Viagem pela História do importante poeta satírico da literatura em língua portu-
Brasil (Companhia das Letras, 1997), A nação mercantilista: guesa no período colonial. A alcunha Boca do Inferno
por em poucas linhas, mas vamos ensaios sobre o Brasil (Editora 34, 1999), José Bonifácio de foi dada a Gregório por sua ousadia em criticar a Igreja
lá. Ocorre que Candido tem uma Andrada e Silva (Organização - Editora 34, Coleção For- Católica, muitas vezes atacando padres e freiras. Critica-
madores do Brasil, 2002), A construção do samba (Editora va também a “cidade da Bahia”, ou seja, Salvador. Por tal
interpretação da história brasileira Mameluco, 2007), Brasil - a história contada por quem viu motivo e outros, como sua poesia pornográfica, Gregório
(Mameluco, 2008), História do Brasil com empreendedores foi considerado um poeta “rebelde” que, apesar de ser um
fortemente aliançada com a visão (Editora Mameluco, 2009), 101 Brasileiros que fizeram His- clássico, hoje ainda muitos consideram também um poeta
de Caio Prado Júnior sobre o Bra- tória (Estação Brasil, 2016) e História da Riqueza no Brasil maldito. Em 1831, o historiador Francisco Adolfo de Var-
(Estação Brasil, 2017). (Nota da IHU On-Line) nhagen publicou 39 dos seus poemas na coletânea Florilé-
sil, e esta é hoje em dia inaceitável. 36 João Fragoso (1958): professor de Teoria da História, gio da Poesia Brasileira (1850, em Lisboa). Afrânio Peixoto
do Departamento de História da Universidade Federal do edita a restante obra, de 1923 a 1933, em seis volumes a
Para Caio Prado, o Brasil até o fi- Rio de Janeiro - UFRJ. Graduado em História Social e mes- cargo da Academia Brasileira de Letras, reunidos nos códi-
nal do século 19 era fundamental- tre em História Social pela UFRJ e doutor em História So- ces existentes na Biblioteca Nacional e na Biblioteca Var-
cial pela Universidade Federal Fluminense - UFF. Recebeu nhagem, do Ministério das Relações Exteriores, exceto a
mente, quase que exclusivamen- os prêmios Arquivo Nacional de Pesquisa (1. lugar - 1991); parte pornográfica, publicada em 1968 por James Amado.
te, o espaço da “plantation”, quer Comenda da Ordem do Mérito Científico - Presidência da
República (2010); Prêmio Jabuti - Ciências Humanas (1. lu-
A sua obra tinha um cunho bastante satírico e moderno
para a época, além de chocar pelo teor erótico, de alguns
dizer, o espaço dos grandes ciclos gar - 2015). (Nota da IHU On-Line) de seus versos. (Nota da IHU On-Line)

EDIÇÃO 528
DOSSIÊ ANTONIO CANDIDO

te obra – e ele de fato só foi publi- caiopradiana sobre a alma da obra Bahia”, que tem como ponto inicial
cado em livro mais de um século do Candido. Em segundo lugar, e as duas primeiras estrofes de um
depois de morrer – e portanto não ainda com o exemplo da “expulsão” soneto do poeta, e pergunto: ele
constituiu parte de um sistema li- de Gregório de Matos, se pode mos- não participa da formação? Claro
terário como tal. trar que Candido tem uma visada que sim, é central para a literatura
estritamente linear do processo da brasileira, considerada como um
Pergunto eu: mas ele não circulava
formação da literatura brasileira. processo não-linear, que é o justo.
no plano oral entre seus contempo-
Ora, digo eu, se o poeta baiano foi
râneos? Claro que sim. E depois de
publicado apenas no século 19, isso
publicado, ele não foi lido (e conti-
nua a sê-lo)? Claro que sim. Então
não é motivo suficiente para a gen-
te não o reconhecer como um poe-
“Ele foi
posso concluir que Candido o reti-
rou do repertório que considerou
ta válido, que foi bem lido a partir
de sua primeira edição em papel!
inteligente,
relevante para a literatura brasileira
segundo uma noção muito discu-
O intervalo de décadas entre sua cosmopolita,
vida e a leitura de sua obra em livro
tível, que não dá qualquer relevo à
circulação oral, coisa que hoje sabe-
não impugna a força que sua poe- bem
aparelhado,
sia teve no leitor – podemos esti-
mos central não apenas para a can- mar, pela presença de sua poesia a
ção (Gregório compunha muitos de
seus poemas para cantá-los), mas
partir das primeiras antologias es-
colares depois da Independência, com história
para todo o mundo ágrafo do sertão,
onde circula muita coisa artística de
que a recepção que teve foi sempre
significativa, entrando portanto social muito
forma oral, por muito tempo, até
que receba forma escrita e impressa,
em circuito de leitura e produção
de sentido, quer dizer, compondo
favorável,
como ocorre com as lendas, os cau-
sos, a linguagem em geral – veja-se
a tradição local e com isso parti-
cipando de pleno direito do pro-
tanto em sua
16
o caso do já citado Simões Lopes
Neto e de Guimarães Rosa39, que es-
cesso formativo. Eu, como leitor
criado nos anos 1960 e 70, conheci
família de
creveram obras sensacionais tendo
como matéria-prima a fala da gente
Gregório de Matos pela canção de
Caetano Veloso40 chamada “Triste
origem quanto
do sertão (tomando “sertão”, aqui,
como “não-plantation”). Se a gente 40 Caetano Veloso (1942): músico, produtor, arranjador
na família que
pensar neles como “regionalistas”,
palavra abominável para mim (mas
e escritor nascido em Santo Amaro (BA). Com uma car-
reira que ultrapassa cinco décadas, Caetano construiu
uma obra musical marcada pela releitura e renovação,
constituiu”
considerada como de grande valor intelectual e poético.
que Candido usa sem maior proble- Começou sua carreira profissional em 1965, com o com-
pacto Cavaleiro/Samba em Paz, enquanto acompanhava
ma e muita gente até hoje parece a irmã mais nova Maria Bethânia por suas apresentações IHU On-Line – O legado de
levar bem, para meu total espanto), nacionais do espetáculo Opinião, no Rio de Janeiro. Nessa
década, conheceu Gilberto Gil, Gal Costa e Tom Zé, parti-
Candido ecoa com mais rele-
eles figuram como menores, quando cipou dos festivais de música popular da Rede Record e vância em que pesquisadores e
compôs trilhas de filmes. Em 1967, saiu seu primeiro LP,
são claramente maiores. Domingo, com Gal Costa, e, no ano seguinte, liderou o de que maneira?
movimento chamado Tropicalismo, que renovou o cená-
Isso, em primeiro lugar, para ten- rio musical brasileiro e os modos de se apresentar e criar Luís Augusto Fischer – Em
música no Brasil, através do disco Tropicalia ou Panis et
tar mostrar um efeito da sombra Circencis, ao lado de vários músicos. Em 1968, por conta sentido difuso, a obra de Candido é
do recrudescimento da ditadura militar no Brasil, compôs
É proibido proibir, música que foi desclassificada e vaiada lida em toda a universidade brasi-
39 João Guimarães Rosa (1908-1967): escritor, médico e durante o 3º Festival Internacional da Canção. Em 1969,
diplomata nascido em Cordisburgo, Minas Gerais. Como foi preso pelo regime militar e partiu para exílio político leira, no campo das Letras. Se fosse
escritor, criou uma técnica de linguagem narrativa e des- em Londres, onde lançou o disco Caetano Veloso (1971), possível fazer um levantamento nu-
critiva pessoal. Sempre considerou as fontes vivas do fa- com temática melancólica e canções compostas em inglês
lar erudito ou sertanejo, mas, sem reproduzi-las em um e endereçadas aos que ficaram no Brasil. Transa (1972) mérico, ela estaria provavelmente
realismo documental, reutilizou suas estruturas e vocá- representou seu retorno ao país e seu experimento com
bulos, estilizando-os e reinventando-os em um discurso compassos de reggae. Em 1976, uniu-se a Gal Costa, Gil- entre os cinco, no máximo entre os
musical e eficaz de grande beleza plástica. Sua obra parte berto Gil e Maria Bethânia para formar os Doces Bárbaros,
do regionalismo mineiro para o universalismo, oscilando grupo influenciado pela temática hippie dos anos 1970, dez mais citados autores de teoria e
entre o realismo épico e o mágico, integrando o natural, lançando um disco, Doces Bárbaros, e saindo em turnê. Na crítica literária no Brasil.
o místico, o fantástico e o infantil. Entre suas obras, des- década de 1980, apadrinhou e se inspirou nos grupos de
tacam-se Sagarana (1946), Corpo de baile (1956), Grande rock nacionais, aventurou-se na produção dos discos Ou-
sertão: veredas (1956) – considerada uma das principais tras Palavras, Cores, Nomes, Uns e Velô, e, em 1986, partici- Como mencionei antes, no primei-
obras da literatura brasileira –, Primeiras estórias (1962) e pou de um programa de televisão com Chico Buarque. Na
Tutameia (1967). A edição 178 da IHU On-Line, de 2-5- década de 1990, escreveu o livro Verdade Tropical (1997) ro plano da vida universitária bra-
2006, dedicou ao autor a matéria de capa, sob o título e lançou o disco Livro (1998). Ganhou o Prêmio Grammy
Sertão é do tamanho do mundo. 50 anos da obra de João em 2000, na categoria World Music. Com o disco A Fo-
sileira, é Roberto Schwarz o mais
Guimarães Rosa, disponível em disponível em https://goo. reign Sound, cantou clássicos norte-americanos. Em 2006, importante herdeiro de Candido.
gl/LXRCAU. Confira ainda a edição 275 da IHU On-Line, lançou o álbum Cê, fruto de sua experimentação com o
de 29-9-2008, intitulada Machado de Assis e Guimarães rock e o underground. Unindo estes gêneros ao samba, Zii Desde muito tempo, Schwarz se de-
Rosa: intérpretes do Brasil, disponível em http://bit.ly/mB- e Zie, de 2009, manteve a parceria com a Banda Cê, que se
ZOCe. A revista publicou também em sua edição 503, de encerrou no disco Abraçaço, de 2012. É considerado um
24-4-2017, a entrevista com Kathrin Rosenfield intitulada dos artistas brasileiros mais influentes desde a década de Stone o 4º maior artista da música brasileira de todos os
Leitura de Guimarães Rosa ensina a viver sentindo e dan- 1960. Em 2004, foi considerado um dos mais respeitados tempos pelo conjunto da obra e pela mesma revista o 8º
do sentido à vida, disponível em https://bit.ly/2wRB1WQ. e produtivos músicos latino-americanos do mundo, tendo maior cantor brasileiro de todos os tempos. (Nota da IHU
(Nota da IHU On-Line) mais de 50 discos lançados. Foi eleito pela revista Rolling On-Line)

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

dica não apenas a ler, mas mais ain- rir a uma teoria ou descartá-la muito parceiros no campo da literatura
da a interpretar a obra de Candido, mais em função dos humores dos pa- brasileira, ou como Ian Alexan-
num processo de que resultaram íses centrais de prestígio (a França der45, no campo da literatura de
alguns ensaios de grande interesse, ou os Estados Unidos, basicamente) língua inglesa, ou Karina Lucena46,
como “Pressupostos, salvo engano, do que em função da capacidade que no campo da literatura hispano-a-
da ‘Dialética da malandragem’”, um a teoria tenha de explicar os objetos mericana. Da minha parte, como
caso raríssimo no universo letrado a que se dedica. mencionei acima, escrevi estudos
brasileiro porque se trata de uma especificamente sobre a obra de
Há uma nova geração de profes-
crítica analiticamente forte e orien- Candido, e tenho produzido alguns
sores e pesquisadores, em muitos
tada não apenas para louvar o autor, estudos sobre literatura gaúcha e
estados do Brasil, mais ou menos
mas para postular novas interpreta- brasileira segundo concepções e
organizados em um coletivo que se
ções para ele. Esse caso, como o de procedimentos ligados ao trabalho
chama justamente Grupo Formação,
outros que ele formou (como Davi dele, sempre submetidos à crítica
em alusão ao termo empregado por
Arrigucci41, José Miguel Wisnik42 e que considero relevante e na medi-
Candido. Somos um grupo com gen-
outros), depende de um circuito uni- da de minhas limitações. Da mesma
te aqui no estado, no Paraná, em São
versitário que se leva a sério, como é forma, já há um conjunto vigoroso
Paulo, no Rio de Janeiro, em Minas
o caso da USP, e é muito raro entre de dissertações e teses produzidas
Gerais, no Ceará, em Brasília, no Rio
nós, brasileiros, em geral, na minha nessa dinâmica que tem Candido
Grande do Norte e mais algum outro
área. Nós preferimos, em geral, ade- como referência central, sob minha
canto. Nos reunimos já há uns vinte
orientação ou da desses colegas. ■
anos, e nossas afinidades iniciais es-
41 Davi Arrigucci Júnior (1943): escritor e crítico literário
nascido em São João da Boa Vista (SP), professor aposen- tão representadas precisamente na
tado de Teoria Literária e Literatura Comparada da Uni- obra de Candido e na de Schwarz.
versidade de São Paulo - USP, onde trabalhou de 1965 e
1996. Importante ensaísta, escreveu os livros O escorpião
encalacrado (São Paulo: Cia das Letras, 2003, sobre Julio Sem falsa modéstia, posso di- de Literatura Brasileira na Universidade Federal do Rio
Cortázar), Humildade, paixão e morte: a poesia de Manuel Grande do Sul - UFRGS. Graduado em Linguística pela
Bandeira (São Paulo: Cia. das Letras, 1990), O cacto e as ru-
zer que no Instituto de Letras da Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, especia-
ínas (São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1997, sobre Manuel UFRGS temos um bom número de lista, mestre e doutor em Literatura Brasileira pela Univer-
Bandeira, Murilo Mendes e o modernismo brasileiro) e sidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Vencedor
Coração Partido. Uma análise da Poesia reflexiva de Drum- professores e pesquisadores com do Prêmio Açorianos de Criação Literária em 2012, autor
mond (São Paulo: Cosac & Naify, 2002). Foi aluno de An-
tonio Candido. Recebeu o Prêmio Jabuti pelo melhor livro
trabalhos variados e de bom nível, de livros de poemas, roteiros de curta-metragens, compo-
sitor popular argumentista de quadrinhos. (Nota da IHU
17
de ensaios de 1979 (Achados e Perdidos) e o Prêmio APCA em diálogo crítico com o legado de On-Line)
de 1987 (Enigma e Comentário). (Nota da IHU On-Line) 45 Ian Alexander: bacharel em Literatura e História pela
42 José Miguel Wisnik (1948): músico, compositor e en- Candido. Refiro-me a colegas como University of Sydney, especialista em Literatura pela Nor-
saísta brasileiro. É professor de Literatura Brasileira na Uni-
versidade de São Paulo - USP. Graduado em Letras (Por-
Homero Araújo43 e Guto Leite44, thern Territory University, especialista em Pedagogia pela
Northern Territory University, mestre em Teoria da Litera-
tuguês), mestre e doutor em Teoria Literária e Literatura tura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande
Comparada pela USP. Autor de O Coro dos Contrários - a do Sul - PUCRS e doutor em Literatura Comparada pela
Música em Torno da Semana de 22 (Duas Cidades, 1977); 43 Homero Araújo: graduado em Letras pela Universi- Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS. Pro-
O Nacional e o Popular na Cultura Brasileira (Brasiliense, dade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, mestre em fessor da UFRGS. (Nota da IHU On-Line)
1982); O Som e o Sentido (Companhia das Letras, 1989); Letras pela Universidade Federal Fluminense – UFF e dou- 46 Karina Lucena: doutora em Letras pela Universidade
Sem Receita - Ensaios e Canções (Publifolha, 2004); Vene- tor em Letras pela UFRGS, com estágio pós-doutoral na Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, mestre em Letras
no Remédio: O Futebol e o Brasil (Companhia das Letras, Sorbonne Nouvelle-Paris III. Professor da UFRGS. (Nota da e Cultura Regional e licenciada em Letras - Língua Portu-
2008); Machado Maxixe: O Caso Pestana (Publifolha, 2008). IHU On-Line) guesa e Espanhola e respectivas Literaturas - pela Univer-
(Nota da IHU On-Line) 44 Guto Leite [Carlos Augusto Bonifácio Leite]: professor sidade de Caxias do Sul - UCS. Professora da UFRGS.

Leia mais
- A polêmica tentativa de embranquecer Machado de Assis. Entrevista especial com Luís
Augusto Fischer, publicada na revista IHU On-Line nº 517, de 18-12-2017, disponível em
https://bit.ly/2x1M8fn.
- Crise do Rio Grande do Sul também é fruto do desprezo dos governantes pela cultura
letrada. Entrevista especial com Luís Augusto Fischer, publicada na revista IHU On-Line nº
510, de 4-9-2017, disponível em https://bit.ly/2wYu7iu.
- Bravata é a mais legítima expressão do gaúcho. Entrevista especial com Luís Augusto
Fischer, publicada na revista IHU On-Line nº 493, de 19-9-2016, disponível em https://bit.
ly/2N04ZCa.
- Machado “nunca foi um lutador de praça pública”. Entrevista especial com Luís Augusto
Fischer, publicada na revista IHU On-Line nº 275, de 29-9-2008, disponível em https://bit.
ly/2N6sIko.
- “Cem anos de solidão foi uma revelação”. Entrevista especial com Luís Augusto Fischer,
publicada na revista IHU On-Line nº 221, de 28-5-2007, disponível em https://bit.ly/2O5fKj9.

EDIÇÃO 528
DOSSIÊ ANTONIO CANDIDO

Constituição da literatura brasileira


foi tema central para Candido
Walnice Galvão afirma que seu mestre se interessava pelo vínculo da
produção literária com a vida social, procurando determinar a sua função
Vitor Necchi

A
professora Walnice Nogueira vários métodos, estar atento aos dados
Galvão tinha uma relação mui- psíquicos, sociais, formais, estéticos e
to próxima com Antonio Can- assim por diante.”
dido. Foi aluna, orientanda, colega e Toda semana, Walnice tomava chá
amiga. Esses vínculos permitem que com seu mestre. A proximidade permi-
ela comente não apenas a trajetória in- te que ela resuma as percepções dele a
telectual de seu mestre, mas também respeito da política e da realidade bra-
questões prosaicas, como o apreço dele sileira: “Estava muito preocupado com
pela cultura caipira e por óperas. “Um os rumos que o país estava tomando
dos maiores intelectuais que o Brasil já e com o desmonte progressivo de to-
teve”, define em entrevista concedida das as conquistas das últimas décadas,
por telefone à IHU On-Line. principalmente de direitos humanos”.
18 Ela considera Candido o melhor pro- Ele lidava “muito filosoficamente” com
fessor que já viu em ação. “A clareza e a longevidade e a perspectiva da morte.
o didatismo eram objetivos centrais “Sempre foi um ateu. Não tinha nada
nas aulas dele.” Em suas pesquisas, era de religioso em sua personalidade. Sa-
tema central a questão da constituição bia que a finitude é um dado, e encarava
da literatura brasileira. Ele “acompa- isso muito filosoficamente, como os es-
nha esse processo de formação como toicos, dos tempos romanos.”
o desejo dos brasileiros de terem uma Walnice Nogueira Galvão é pro-
literatura própria, autônoma, e várias fessora emérita aposentada da Facul-
gerações trabalharam neste sentido até dade de Filosofia, Letras e Ciências Hu-
obter resultado”. Chamou esse meca- manas da Universidade de São Paulo
nismo de “adaptação de modelos”. O - USP. Graduada em Ciências Sociais,
professor se interessava pelo vínculo doutora em Letras (orientada por An-
da produção literária com a vida social, tonio Candido) e livre-docente pelo
procurando determinar a sua função. Departamento de Teoria Literária e Li-
Walnice aponta que isso foi fundamen- teratura Comparada da USP. Tem 40
tal para a reflexão dele. livros publicados. Foi docente em di-
Candido era muito rigoroso quanto ao versas universidades no exterior. Atuou
método. “Sempre foi contra a metodo- como primeira assistente de Candido e
logia única”, afirma. “Lutava por uma o substituiu na disciplina de Teoria Li-
metodologia que chamava de método terária e Literatura Comparada.
integrativo, ou seja, procurava associar Confira a entrevista.

IHU On-Line – A senhora teve nas disciplinas de Teoria Literá- Walnice Nogueira Galvão –
uma intensa convivência com ria e de Literatura Comparada. Antonio Candido1 era um excelente
Antonio Candido. Foi sua aluna, Quais são as memórias mais mar-
primeira assistente e o substituiu cantes que a senhora tem dele? 1 Antonio Candido de Mello e Souza (1918-2017): nas-

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

professor, marcante. Deu as me- impecável. Um dos maiores inte- mais nada a ver com a portuguesa.
lhores aulas a que já assisti na vida. lectuais que o Brasil já teve. A meu Ele acompanha esse processo de
Eram muito bem preparadas de ver, ele ombreia com os intelectuais formação como o desejo dos bra-
antemão, visavam à clareza e à ex- que escreveram tratados que for- sileiros de terem uma literatura
plicação daquilo que ele expunha. maram a cabeça de todo mundo que própria, autônoma, e várias gera-
Ele se interessava, com uma imen- veio depois deles: Gilberto Freyre2, ções trabalharam neste sentido até
sa atenção, a quem estava ouvin- com Casa grande & senzala, Sér- obter resultado. O mecanismo des-
do. Ele se desdobrava para que os gio Buarque de Holanda3, com Ra- se processo é o que ele chamou de
alunos entendessem o que falava. ízes do Brasil, Caio Prado Júnior4, adaptação de modelos.
A clareza e o didatismo eram obje- com História econômica do Brasil,
tivos centrais nas aulas dele, e en- e pouco depois deles, Antonio Can-
sinava os assistentes a prepararem dido, com Formação da literatura IHU On-Line – Quais são as
aula. Dizia sempre: nunca improvi- brasileira. Esses quatro são um obras fundamentais dele e
marco do século 20. por quê?
sem nada. Ensinava com minúcia.
Uma aula de 50 minutos equivale Walnice Nogueira Galvão –
a quatro páginas de papel ofício A Formação é um tratado de 800
IHU On-Line – No caso específi-
datilografadas em espaço duplo. O páginas, algo extraordinário como
co de Candido, que atributos re-
tempo dá certinho com os comen- pesquisa, como ponto de vista ori-
forçam ele ser este marco intelec-
tários feitos em volta dessas quatro ginal. Fora esse, tem vários livros.
tual no pensamento brasileiro?
páginas. E se escrever as aulas, ao Ele trabalhava assim: publicava
fim de dois ou três anos, tem-se um Walnice Nogueira Galvão – artigos e ensaios, depois um dia
ensaio pronto para um livro. Dava Ele encarou a questão da consti- transformava esse material em um
o bom exemplo. tuição da literatura brasileira, que livro coeso. Passos importantes
começou copiando a portuguesa e, desse trabalho estão, por exemplo,
quanto mais copiava, mais se apro- em A educação pela noite (Rio de
IHU On-Line – Como a senho- ximava da originalidade, até que, Janeiro: Ouro Sobre Azul), Tese e
ra define Antonio Candido? em certa altura – e isso de seu na antítese (Rio de Janeiro: Ouro So- 19
Walnice Nogueira Galvão – passagem do Arcadismo para o Ro- bre Azul), Vários escritos (Rio de
Era muito afável, de uma cortesia mantismo –, a literatura brasileira Janeiro: Ouro Sobre Azul), O dis-
se tornou autônoma, e não tinha curso e a cidade (Rio de Janeiro:
cido no Rio de Janeiro, na infância sua família mudou-se Ouro Sobre Azul), e finalmente o
para Poços de Caldas, em Minas Gerais. Escritor, ensaís- 2 Gilberto Freyre (1900-1987): escritor, professor, confe-
ta, sociólogo e professor universitário, era expoente da rencista e deputado federal. Colaborou em revistas e jor-
último livro dele, que foi O alba-
crítica literária brasileira e um dos maiores intelectuais nais brasileiros. Foi professor convidado da Universidade troz e o chinês (Rio de Janeiro:
da história do Brasil. Professor emérito da Universidade de Stanford (EUA). Recebeu vários prêmios por sua obra,
de São Paulo - USP e da Universidade Estadual Paulis- entre os quais, em 1967, o prêmio Aspen, do Instituto Ouro Sobre Azul). Todos esses li-
ta - Unesp. Lecionou na Faculdade de Filosofia, Letras e Aspen de Estudos Humanísticos (EUA), e o Prêmio Inter-
Ciências Humanas - FFLCH da USP por 50 anos (1942 a nacional La Madoninna, em 1969. Entre seus livros, des-
vros são dedicados à literatura bra-
1992). Candido foi um dos principais pensadores ligados taca-se Casa grande & Senzala e Sobrados e Mocambos. sileira e à literatura internacional.
aos estudos sobre a formação do Brasil, inaugurados nos Sobre Freyre, confira Cadernos IHU nº 6, de 2004, intitu-
anos 1930 e 1940 por Gilberto Freyre, Sérgio Buarque lado Gilberto Freyre: da Casa-Grande ao Sobrado. Gênese e Ele era um grande especialista em
de Holanda e Caio Prado Júnior. Ingressou na Faculdade Dissolução do Patriarcalismo Escravista no Brasil. Algumas
de Direito e na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Considerações, disponível em http://bit.ly/cadihu06. (Nota
vários campos de literatura inter-
Humanas da USP em 1939, tendo abandonado a primeira da IHU On-Line) nacional. A disciplina que ele criou
no quinto ano e se formado em Ciências Sociais em 1942. 3 Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982): historiador,
Em 1945, obteve o título de livre-docente com a tese In- crítico literário e jornalista nascido em São Paulo-SP. En- na universidade se chamou Teoria
trodução ao Método Crítico de Sílvio Romero e, em 1954, tre outros livros, escreveu Raízes do Brasil (1936). Obteve
o grau de doutor em Ciências Sociais com a tese Parcei- notoriedade por meio do conceito de “homem cordial”,
Literária e Literatura Comparada.
ros do Rio Bonito. Na Universidade Estadual de Campi- examinado nessa obra. A professora Eliane Fleck apre- Portanto, a literatura internacional
nas - Unicamp, recebeu o título de doutor honoris causa. sentou, no evento IHU Ideias, de 22-8-2002, o tema O
Aposentou-se na USP em 1978, mas manteve-se como homem cordial: Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Ho- estava dentro deste projeto.
professor do curso de pós-graduação até 1992, ano em landa, e no dia 8-5-2003, a professora apresentou essa
que orientou a última tese. Foi crítico da revista Clima mesma obra no Ciclo de Estudos sobre o Brasil, conceden-
(1941-4), juntamente com intelectuais como o crítico de do, nessa oportunidade, uma entrevista à IHU On-Line,
cinema Paulo Emílio Salles Gomes, a ensaísta Gilda de publicada na edição nº 58, de 5-5-2003, disponível em IHU On-Line – Em compa-
Mello e Souza e o neurocientista Antonio Branco Lefévre. http://bit.ly/152MP1v. Sobre Sérgio Buarque de Holanda,
Acadêmica, a revista estabeleceu novos caminhos para a confira, ainda, a edição 205 da IHU On-Line, de 20-11- ração a outros críticos, qual
crítica paulistana. Candido também trabalhou como crí- 2006, intitulada Raízes do Brasil, disponível em https://
tico dos jornais Folha da Manhã (1943-5) e Diário de São goo.gl/RN3W57, e a edição 498, de 28-11-2016, Raízes a estatura intelectual de Can-
Paulo (1945-7). Em 1956, idealizou o Suplemento Literá- do Brasil – 80 anos. Perguntas sobre a nossa sanidade e dido em nível internacional?
rio, caderno de crítica que circulava no jornal O Estado saúde democráticas, disponível em http://bit.ly/2nDmd-
de S. Paulo até 1966. Na vida política, participou da luta FE. (Nota da IHU On-Line). Como é a recepção da obra
contra a ditadura do Estado Novo no grupo clandestino 4 Caio Prado Júnior (1907-1990): pensador e político
Frente de Resistência. Em 1980, participou da fundação brasileiro. Em 1942, publica sua obra mais importante, dele no exterior?
do Partido dos Trabalhadores - PT. Em 1959, lançou sua A formação do Brasil contemporâneo, sofrendo persegui-
obra mais influente, Formação da Literatura Brasileira. ções devido ao seu alinhamento político com a orien- Walnice Nogueira Galvão – Ele
Outros títulos importantes que lançou são Literatura e tação comunista, tendo seu mandato cassado dois anos
sociedade (1965), Educação pela noite e outros ensaios depois da publicação do livro. Sua obra criou, porém, era uma pessoa extremamente dis-
(1987) e O romantismo no Brasil (2002). Sobre Candido,
conferir as entrevistas “A literatura é um direito do cida-
uma tradição historiográfica no Brasil, identificada so-
bretudo com o marxismo, buscando uma explicação di-
creta, reservada e modesta e, portan-
dão, um usufruto peculiar”, concedida por Flávio Aguiar ferenciada da sociedade colonial. A obra foi apresentada to, tem poucas antologias publicadas
à IHU On-Line nº 278, de 20-10-2008, disponível em ht- no I Ciclo de Estudos sobre o Brasil, promovido pelo IHU
tps://goo.gl/qa95Jy, e “Antonio Candido e a crítica cultu- em 14-8-2003, e é tema de entrevista com a professora em outros países e outras línguas.
ral contemporânea”, concedida por Célia Pedrosa à IHU
On-Line nº 283, de 24-11-2008, disponível em https://
Marcia Eckert Miranda, publicada na IHU On-Line núme-
ro 70, de 11-8-2003, disponível http://bit.ly/1irilO8. (Nota
Para mim, que leio muitos críticos,
goo.gl/92rizw. (Nota da IHU On-Line) da IHU On-Line) ele sombreia. Acho ele melhor que

EDIÇÃO 528
DOSSIÊ ANTONIO CANDIDO

Harold Bloom5. Sem dúvida, está em uma tendência política chamada Es- referia a um tipo de leitura por
nível internacional. querda Democrática7, que dois anos meio da qual as categorias ana-
depois se tornou o Partido Socialis- líticas emanassem da obra e de
ta, do qual ele fez parte até o golpe de seu contexto. Ele era rigoroso
IHU On-Line – A atuação de 64 fechar o partido. Ele foi durante quanto ao método?
Candido na imprensa produziu muitos anos o editor da revista do
que efeito para a formação de Walnice Nogueira Galvão –
partido chamada Folha Socialista.
um pensamento crítico acerca Muito, muitíssimo. A questão me-
Depois disso, quando terminou a di-
da produção literária? todológica seria uma questão quase
tadura militar, foi fundador do Parti-
que de rigor no sentido de ter coe-
Walnice Nogueira Galvão – A do dos Trabalhadores - PT, em 1980.
rência, explicar as coisas com clare-
atuação dele na imprensa foi estra- Sempre foi socialista.
za, que o que for escrito tenha co-
tégica, pois começa muito cedo. Nos meço, meio e fim, e sem bobagens.
anos 1940 já estava fazendo crítica Cortar o excesso. Ele sempre foi
IHU On-Line – Essa afiliação
nos jornais. Era uma personalidade contra a metodologia única. Aconte-
política de Candido, e principal-
extremamente democrática no trato ce muito entre nós, aliás, no mundo
mente o viés socialista que a se-
com as pessoas, com os subordina- inteiro, de entrar uma nova meto-
nhora destacou, gerava algum
dos. Sempre tinha em mente a di- dologia na moda e sair todo mun-
tipo de crítica ou refratariedade
vulgação, atingir um público maior, do correndo para trabalhar só com
no ambiente acadêmico?
fora da universidade, e trabalhou aquilo. Isso dura dez anos e aparece
muito para isso, publicando bastan- Walnice Nogueira Galvão – Bas- outra. Ele tinha uma posição contra
te em jornal e revista. tante, mas isso é normal. O ambiente isso. Pegou, por exemplo, a moda
acadêmico não é de esquerda, sobre- do estruturalismo, e hoje acho que
tudo o establishment acadêmico. ninguém mais sabe o que é. Ele dis-
IHU On-Line – Isso também
cutiu, não podia ser só estruturalis-
ajuda a explicar a intensa ativi-
ta. Lutava por uma metodologia que
dade política dele? IHU On-Line – Candido afir-
chamava de método integrativo, ou
mou que se interessava pelo
Walnice Nogueira Galvão – seja, procurava associar vários mé-
20 vínculo da produção literária
Sim. Quando caiu a ditadura Vargas6, todos, estar atento aos dados psí-
com a vida social, procurando
no fim da Segunda Guerra Mundial, quicos, sociais, formais, estéticos e
determinar a sua função. Como
Antonio Candido foi fundador de assim por diante.
isso impactou sua obra?

5 Harold Bloom (1930): professor e crítico literário nasci-


Walnice Nogueira Galvão
do em Nova York. Ocupa o cargo de Sterling Professor de – Isso foi fundamental para a re- IHU On-Line – Candido se de-
Humanidades na Universidade de Yale. Desde a publica-
flexão dele. Ele desenvolveu isso finia como um radical de classe
ção de seu primeiro livro em 1959, Bloom escreveu mais
de 40 livros, incluindo 20 livros de crítica literária, vários ao longo da vida e chegou a uma média. Qual o alcance e o signi-
livros discutindo religião e um romance. Editou centenas
de antologias sobre numerosas figuras literárias e filo- série de conclusões. O que ele pro- ficado disso?
sóficas para a editora Chelsea House. Autor de diversas
teorias controversas sobre a influência da literatura além
curava e ensinava para nós era: o Walnice Nogueira Galvão –
de um defensor ferrenho da literatura formalista (a arte que de dentro da obra literária era Ele escreveu muito a respeito. Por
pela arte), em oposição a visões marxistas, historicistas,
pós-modernas, entre outras. Bloom é um dos grandes reelaboração de dados externos, exemplo, naquele belo ensaio cha-
impulsionadores contemporâneos do conceito de Cânone
Ocidental. Autor, entre outras obras, de Shakespeare - A
ou seja, da vida social. Como isso mado Radicais de ocasião8. Radicais
Invenção do Humano; Hamlet - Poema Ilimitado; A angús- passava para dentro da obra lite- de classe média são pessoas que têm
tia da influência: uma teoria da poesia; O cânone ociden-
tal; Cabala e crítica; e Como e por que ler. (Nota da IHU rária. Saber com que mecanismos uma extração de privilégios, mas
On-Line) de adaptação e de adequação isso
6 Getúlio Vargas [Getúlio Dornelles Vargas] (1882-1954): ainda assim têm ideias e militância
político gaúcho, nascido em São Borja. Foi presidente da ocorria. É muito difícil que seja de esquerda.
República nos seguintes períodos: 1930 a 1934 (Governo
Provisório), 1934 a 1937 (Governo Constitucional), 1937 direto. Em geral é mediado por fi-
a 1945 (Regime de Exceção) e de 1951 a 1954 (Governo
eleito popularmente). Recentemente a IHU On-Line pu-
guras retóricas, símbolos, metáfo-
blicou o Dossiê Vargas, por ocasião dos 60 anos da morte ras, alegorias. Como isso vai parar IHU On-Line – A senhora con-
do ex-presidente, disponível em http://bit.ly/1na0ZMX.
A IHU On-Line dedicou duas edições ao tema Vargas, a dentro da obra, como a obra lite- viveu com Candido nos seus úl-
111, de 16-8-2004, intitulada A Era Vargas em Questão – rária elabora o exterior a ela. timos anos de vida?
1954-2004, disponível em http://bit.ly/ihuon111, e a 112,
de 23-8-2004, chamada Getúlio, disponível em http://bit.
ly/ihuon112. Na edição 114, de 6-9-2004, em http://bit.ly/ Walnice Nogueira Galvão – To-
ihuon114, Daniel Aarão Reis Filho concedeu a entrevista O
desafio da esquerda: articular os valores democráticos com IHU On-Line – Candido era um mava chá com ele todas as semanas.
a tradição estatista-desenvolvimentista, que também abor-
dou aspectos do político gaúcho. Em 26-8-2004, Juremir
ensaísta que cultivava a “paixão
Machado da Silva, da PUC-RS, apresentou o IHU Ideias do concreto”, conforme ele se
Getúlio, 50 anos depois. O evento gerou a publicação do IHU On-Line – Que percep-
número 30 dos Cadernos IHU ideias, chamado Getúlio,
romance ou biografia?, disponível em http://bit.ly/ihuid30.
ções e entendimentos ele com-
Ainda a primeira edição dos Cadernos IHU em forma- 7 Esquerda Democrática: ala interna da União Democrá-
ção, publicada pelo IHU em 2004, era dedicada ao tema, tica Nacional - UDN, criada e oficialmente reconhecida em
recebendo o título Populismo e Trabalho. Getúlio Vargas e 1945, para reunir os opositores socialistas ao regime do
Leonel Brizola, disponível em http://bit.ly/ihuem01. (Nota Estado Novo, dando origem, em 1947, ao Partido Socialis- 8 Disponível em: https://bit.ly/2Mvlxgj. (Nota da IHU
da IHU On-Line) ta Brasileiro. (Nota da IHU On-Line) On-Line)

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

partilhava com a senhora a res- de homenagem na Fapesp [Funda- Ele gostava das óperas de Mozart12,
peito da política e da realidade ção de Amparo à Pesquisa do Es- Wagner13, Verdi14 e Rossini15. Tinha
brasileira dos últimos tempos? tado de São Paulo] por motivo do apreço especial pelo grande tenor
centenário, quando falei sobre ele, Caruso16. Ele tinha uma coleção
Walnice Nogueira Galvão – Es-
e foi convidado Ivan Vilela9 para de 800 discos e 5 mil fotografias.
tava muito preocupado com os ru-
fazer um show de viola caipira, em O acervo dele de papéis e coleções
mos que o país estava tomando e com
homenagem muito especial a Anto- foi para o IEB [Instituto de Estu-
o desmonte progressivo de todas as
nio Candido. dos Brasileiros da Universidade de
conquistas das últimas décadas, prin-
São Paulo]. A biblioteca foi para a
cipalmente de direitos humanos.
Unicamp. Tu não fazes ideia. São
IHU On-Line – Ele tinha apre- 45 mil itens. Cadernos em que
IHU On-Line – Como ele se ço por alguma canção caipira ele escrevia artigos, aulas, cursos,
mantinha informado? em particular? pensamentos etc. tem 90. Calculei
Walnice Nogueira Galvão – em cem anos para debulhar este
Walnice Nogueira Galvão – acervo. Ele era muito metódico na
Não queria saber de computador. Sim. Ele escreveu muito sobre o
guarda do material. O que meus
Lia jornais, assistia televisão e con- Cururu10, que é uma dança cantada
avôs chamavam de sistemático.
versava com as pessoas. caipira. Passou a vida inteira cole-
Não deixou uma bagunça, tudo
cionando discos de Cururu e pes-
está classificado e etiquetado.
quisando sobre o tema. Em 2007, o
IHU On-Line – Estava mais re- ator Paulo Betti11 procurou Antonio
servado? Candido porque queria montar um IHU On-Line – Como ele lida-
Walnice Nogueira Galvão – espetáculo sobre o Cururu e o en- va com a longevidade e a pers-
Havia um fluxo constante de pessoas trevistou em três sessões. Ninguém pectiva da morte?
que o procuravam e visitavam. sabia da existência dessa entrevis-
ta, mas recentemente houve uma Walnice Nogueira Galvão –
sessão de homenagem a Candido Muito filosoficamente, eu diria. Sem-
IHU On-Line – Quanto ao lega- na USP, quando o nome dele foi pre foi um ateu. Não tinha nada de 21
do intelectual de Antonio Can- dado ao prédio da Letras, e o des- religioso em sua personalidade. Sabia
dido, que tratamento é dado à cerramento da placa ocorreu com a que a finitude é um dado, e encarava
obra dele? Quais são os princi- presença das três filhas. A diretoria isso muito filosoficamente, como os
pais expoentes para um apro- estoicos, dos tempos romanos. ■
da faculdade convidou Paulo Bet-
fundamento do legado dele? ti para ler trechos de Os Parceiros 12 Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791): compositor

Walnice Nogueira Galvão – do Rio Bonito. Nesta ocasião, o ator e músico nascido em Salzburgo, Áustria, um dos expoen-
tes máximos da música clássica e um dos mais popula-
Antonio Candido teve muitos orien- ofereceu um CD com as entrevistas. res das audiências contemporâneas. Sobre o compositor,
confira a edição 174 da IHU On-Line, de 3-4-2006, a ele
tandos de tese, preparou muitas Eu transcrevi esse material. Ficou dedicada sob o título Wolfgang Amadeus Mozart. Jogo e

pessoas que hoje estão espalhadas uma maravilha. Deu 30 páginas, e milagre da vida, disponível em https://bit.ly/2xiVLY3. (Nota
da IHU On-Line)
pelo Brasil inteiro disseminando o será publicado agora em uma revis- 13 Richard Wagner (1813-1883): compositor alemão,
considerado amplamente como um dos expoentes do
que aprenderam com ele. Isso é uma ta da USP. romantismo na música. Como compositor de óperas,
criou um novo estilo, grandioso, cuja influência sobre a
bela herança. música foi forte a ponto de os músicos de seu tempo e
posteriores serem classificados como wagnerianos ou não
IHU On-Line – E sobre as ópe- -wagnerianos. Escreveu o libretto de todas as suas óperas,
inclusive o ciclo do Anel dos Nibelungos, onde reconstrói
IHU On-Line – O que mais a ras, qual o repertório de prefe- partes da antiga mitologia germânica. Para a encenação
deste e doutros espetáculos grandiosos que concebeu, foi
senhora destaca sobre Antonio rência dele? construído o teatro de ópera de Bayreuth. É interessante
notar que D. Pedro II, impressionado com a obra de Wag-
Candido? Walnice Nogueira Galvão – ner, cogitou construir no Brasil este teatro. Sua vida pes-
soal teve também aspectos espetaculares, como terminar
Walnice Nogueira Galvão – o primeiro casamento e ter que mudar de país por seu
9 Ivan Vilela (1962): nascido em Itajubá (MG), é composi- relacionamento com a esposa de von Büllow (Cosima, filha
Dois pontos. Um é sua firmeza nas tor, arranjador, pesquisador, professor e violeiro brasileiro. de Liszt) que se tornaria sua segunda esposa. Vem daí seu
posições políticas – apesar das dita- Leciona na Escola de Comunicações e Artes da Universida-
de de São Paulo - USP. Diretor da Orquestra Filarmônica de
parentesco com Liszt. (Nota da IHU On-Line)
14 Giuseppe Verdi (1813-1901): compositor de óperas do
duras, apesar dos percalços. Outro Violas. Cursou a faculdade de História antes de ingressar período romântico italiano, sendo na época considerado
no curso de Composição musical da Universidade Estadu- o maior compositor nacionalista da Itália, assim como Ri-
ponto a destacar é seu apreço pela al de Campinas - Unicamp, onde concluiu o bacharelado chard Wagner era na Alemanha. Entre suas composições,
cultura caipira, objeto de sua tese em Artes, Composição Musical e o mestrado em Compo-
sição Musical. Obteve o doutorado em Psicologia Social
destacam-se Rigoletto (1851), Aida (1871) e La Traviata
(1853). (Nota da IHU On-Line)
de doutoramento em Sociologia, Os pela USP, com a tese Uma história social da música caipira. 15 Gioacchino Rossini (1792-1868): compositor italiano.
(Nota da IHU On-Line) Escreveu várias óperas como Il barbiere di Siviglia (O Bar-
Parceiros do Rio Bonito. Passou a 10 Cururu: dança folclórica regional. Também pode ser beiro de Sevilha), Guglielmo Tell (Guilherme Tell) e La Ce-
infância no interior de Minas Gerais, somente cantada, com dois violeiros a disputar versos e
repentes. No Centro-Oeste, é típica das festas dos santos
nerentola (Cinderela). (Nota da IHU On-Line)
16 Enrico Caruso (1873-1921): tenor italiano, considerado
teve contato com a cultura caipira e padroeiros, principalmente do Divino Espírito Santo e de o maior intérprete da música erudita de todos os tem-
São Benedito. (Nota da IHU On-Line) pos. Com vasto repertório, Caruso foi o primeiro cantor
conservou esse apreço pelo resto da 11 Paulo Betti (1952): ator, autor e diretor brasileiro nas- clássico a atrair grandes plateias em todo o mundo. Sua
vida. Ele cantava muito moda caipi- cido em Rafard, interior de São Paulo. Já contabiliza mais
de 40 peças de teatro, tendo dirigido 12 delas. Atuou tam-
interpretação de Vesti la giubba, da ópera Pagliacci, foi a
primeira gravação na história a vender 1 milhão de cópias.
ra, por exemplo. Houve uma sessão bém em cinema e televisão. (Nota da IHU On-Line) (Nota da IHU On-Line)

EDIÇÃO 528
DOSSIÊ ANTONIO CANDIDO

Candido e Bloom procuram entender a


tradição literária no Novo Mundo
Para Ian Alexander, autores pensam a tradição a partir de um idioma de
origem europeia, que chegou às Américas por um processo de colonização
Vitor Necchi

O
professor Ian Alexander, na- dele”. Candido, em Formação, “faz um
tural da Austrália, entrou em afunilamento parecido, tendo Macha-
contato com a obra de Anto- do de Assis como ponto de chegada,
nio Candido em 2007, quando come- sem nunca explicar como o legado do
çou a cursar o doutorado em Letras na escritor fluminense seria absorvido e
Universidade Federal do Rio Grande superado pelo modernismo paulista-
do Sul - UFRGS, onde atualmente no, que escolheu se insurgir contra o
leciona. Em sua pesquisa, analisou o alvo menor do parnasianismo”.
desdobramento da literatura ociden-
Ao detalhar mais a perspectiva de
tal no Novo Mundo a partir de duas
Candido, Alexander afirma que o mo-
grandes abordagens desse processo: a
delo do autor “pressupõe um Brasil
Formação da Literatura Brasileira,
que é o centro do mundo lusófono, que
de Candido, e O Cânone Ocidental, de
22 Harold Bloom. A partir desse percur-
não tem nenhum país vizinho que fale
a mesma língua, e que contém apenas
so, concluiu que “a maior diferença um sistema literário”. Dessa forma,
entre os dois é que Candido tem uma “nenhum outro país no Novo Mundo
visão social da literatura, enquanto pode gozar desse tipo de centralidade
Bloom parece pensar em termos pu- em relação a sua língua, então esse as-
ramente psicológicos e individuais”. pecto do modelo dificilmente se aplica a
Em entrevista concedida por e-mail outros países”. O modelo desenvolvido
à IHU On-Line, Alexander afirmou por Candido, para ser aplicado em ca-
que “a grande semelhança é que os dois sos como a relação entre as literaturas
procuram entender como funciona a produzidas no Uruguai ou na Argenti-
tradição literária no Novo Mundo”. na, por exemplo, ou entre as literaturas
Cada um dos autores “pensa a tradição australiana e estadunidense, “teria que
a partir de um idioma de origem euro- se abrir à possibilidade de analisar um
peia, que chegou às Américas por um sistema pernambucano, ou um sistema
processo de colonização, mas que agora sul-rio-grandense, articulados com os
têm mais falantes no Novo Mundo do sistemas paulista e fluminense”.
que no Velho”. Outra particularidade é
Ian Alexander é bacharel em Li-
que “cada um também pensa a partir de
teratura e História pela University of
uma das grandes cidades das Américas:
Sydney, especialista em Literatura e
Candido se formou e trabalhou em São
especialista em Pedagogia pela Nor-
Paulo, maior cidade do maior país da
thern Territory University, mestre em
língua portuguesa, e Bloom é de Nova
Teoria da Literatura pela Pontifícia
York, maior cidade do maior país da
Universidade Católica do Rio Grande
língua inglesa”. do Sul - PUCRS e doutor em Literatura
Bloom, em O Cânone Ocidental, co- Comparada pela Universidade Federal
loca William Shakespeare como figura do Rio Grande do Sul - UFRGS. É pro-
central, “de tal maneira que mesmo fessor da UFRGS.
os autores anteriores, como Dante e
Montaigne, são discutidos em termos Confira a entrevista.

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

“O modelo de Candido pressupõe


um Brasil que é o centro do mundo
lusófono, que não tem nenhum país
vizinho que fale a mesma língua, e que
contém apenas um sistema literário”

IHU On-Line – O senhor pes- em termos puramente psicológicos essa centralidade, cada um faz um
quisou o desdobramento da e individuais. No conceito dele de esforço inicialmente para concentrar
literatura ocidental no Novo influência, não há nenhum espaço a tradição literária na antiga capital
Mundo e analisou duas grandes para considerar a sociedade como imperial (Rio de Janeiro, Londres),
abordagens desse processo: a fator na produção ou na recepção para depois efetuar a transferência
Formação da Literatura Bra- da literatura: um leitor se torna es- para a sua cidade (São Paulo, Nova
sileira, de Antonio Candido, e critor apenas através do efeito que York).
O Cânone Ocidental, de Harold sofre ao ler a obra de um precursor.
O Cânone Ocidental de Bloom tem
Bloom. Em que os dois autores As outras diferenças entre Candido e
William Shakespeare3 como figura
se aproximam e se dissociam? Bloom, que são muitas, me parecem
central, de tal maneira que mesmo
consequências das suas semelhanças
Ian Alexander – Talvez a maior os autores anteriores, como Dan-
aplicadas em circunstâncias históri-
diferença entre os dois é que Candi- te4 e Montaigne5, são discutidos em
cas diferentes.
do1 tem uma visão social da literatu- termos dele. Depois de todo esse 23
ra, enquanto Bloom2 parece pensar A grande semelhança é que os dois esforço para afunilar a tradição oci-
procuram entender como funciona dental, o capítulo que menos fala em
1 Antonio Candido de Mello e Souza (1918-2017): nas- a tradição literária no Novo Mundo. Shakespeare é aquele que pretende
cido no Rio de Janeiro, na infância sua família mudou-se
para Poços de Caldas, em Minas Gerais. Escritor, ensaísta, Cada um pensa a tradição a partir de transferir a herança do autor lon-
sociólogo e professor universitário, era expoente da crítica
literária brasileira e um dos maiores intelectuais da história
um idioma de origem europeia, que drino ao poeta nova-iorquino Walt
do Brasil. Professor emérito da Universidade de São Paulo chegou às Américas por um proces-
- USP e da Universidade Estadual Paulista - Unesp. Lecio-
nou na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas so de colonização, mas que agora 3 William Shakespeare (1564-1616): dramaturgo inglês.
- FFLCH da USP por 50 anos (1942 a 1992). Candido foi Considerado por muitos como o mais importante dos es-
um dos principais pensadores ligados aos estudos sobre a
têm mais falantes no Novo Mundo critores de língua inglesa de todos os tempos. Escreveu
formação do Brasil, inaugurados nos anos 1930 e 1940 por do que no Velho. Cada um também algumas das mais marcantes tragédias da cultura oci-
Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Holanda e Caio Prado dental, mas também algumas comédias. De suas obras,
Júnior. Ingressou na Faculdade de Direito e na Faculdade pensa a partir de uma das grandes incluindo aquelas em colaboração, restaram até os dias de
de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP em 1939, cidades das Américas: Candido se hoje 38 peças, 154 sonetos, dois longos poemas narrativos
tendo abandonado a primeira no quinto ano e se formado e mais alguns versos esparsos, cujas autorias, no entanto,
em Ciências Sociais em 1942. Em 1945, obteve o título de formou e trabalhou em São Paulo, são ainda disputadas. Suas peças foram traduzidas para
livre-docente com a tese Introdução ao Método Crítico de todas as principais línguas modernas e são mais encena-
Sílvio Romero e, em 1954, o grau de doutor em Ciências maior cidade do maior país da lín- das que as de qualquer outro dramaturgo. Muitos de seus
Sociais com a tese Parceiros do Rio Bonito. Na Universida-
de Estadual de Campinas - Unicamp, recebeu o título de
gua portuguesa, e Bloom é de Nova textos e temas permanecem vivos até a atualidade, sendo
revisitados com frequência. Algumas de suas obras são as
doutor honoris causa. Aposentou-se na USP em 1978, mas York, maior cidade do maior país da tragédias Romeu e Julieta; Júlio César; Macbeth; Rei Lear;
manteve-se como professor do curso de pós-graduação Otelo, o Mouro de Veneza; Hamlet; e A Tempestade; e as
até 1992, ano em que orientou a última tese. Foi crítico da língua inglesa. Cada um conceitua a comédias Sonho de uma Noite de Verão; O Mercador de
revista Clima (1941-4), juntamente com intelectuais como tradição de tal maneira que possa ser Veneza; Noite de Reis; A Megera Domada; A Tempestade; e
o crítico de cinema Paulo Emílio Salles Gomes, a ensaísta As Alegres Comadres de Windsor. (Nota da IHU On-Line)
Gilda de Mello e Souza e o neurocientista Antonio Branco centrada naquela cidade, mais pela 4 Dante Alighieri (1265-1321): escritor italiano. Estudou
Lefévre. Acadêmica, a revista estabeleceu novos caminhos Teologia e Filosofia, sendo profundo conhecedor dos clás-
para a crítica paulistana. Candido também trabalhou como
força de vontade que pelas próprias sicos latinos e dos filósofos escolásticos. Pertenceu ao Par-
crítico dos jornais Folha da Manhã (1943-5) e Diário de São obras literárias. Para estabelecer tido Guelfo, lutou na Batalha de Campaldino contra os Gi-
Paulo (1945-7). Em 1956, idealizou o Suplemento Literário, belinos e, por volta de 1300 iniciou a carreira diplomática.
caderno de crítica que circulava no jornal O Estado de S. Em 1302, foi preso por causa das suas atividades políticas.
Paulo até 1966. Na vida política, participou da luta contra Iniciou-se então a segunda etapa da sua vida: o exílio de-
a ditadura do Estado Novo no grupo clandestino Frente Humanidades na Universidade de Yale. Desde a publica- finitivo, pois não aceitou as anistias de 1311 e 1315. Afas-
de Resistência. Em 1980, participou da fundação do Parti- ção de seu primeiro livro em 1959, Bloom escreveu mais tado de Florença, viveu em Verona e em Lunigiana. Sua
do dos Trabalhadores - PT. Em 1959, lançou sua obra mais de 40 livros, incluindo 20 livros de crítica literária, vários principal obra é A Divina Comédia. Sobre Dante, confira a
influente, Formação da Literatura Brasileira. Outros títulos livros discutindo religião e um romance. Editou centenas entrevista Divina Comédia. A relação entre poesia e Deus
importantes que lançou são Literatura e sociedade (1965), de antologias sobre numerosas figuras literárias e filo- na edição 301 da IHU On-Line, de 20-7-2009, disponível
Educação pela noite e outros ensaios (1987) e O roman- sóficas para a editora Chelsea House. Autor de diversas em http://bit.ly/LHKaXb, concedida por Massimo Pampa-
tismo no Brasil (2002). Sobre Candido, conferir as entre- teorias controversas sobre a influência da literatura além loni. Leia também a edição nº 65 do Cadernos Teologia
vistas “A literatura é um direito do cidadão, um usufruto de um defensor ferrenho da literatura formalista (a arte Pública, O livro de Deus na obra de Dante, disponível em
peculiar”, concedida por Flávio Aguiar à IHU On-Line nº pela arte), em oposição a visões marxistas, historicistas, http://bit.ly/ihuteo65. (Nota da IHU On-Line)
278, de 20-10-2008, disponível em https://goo.gl/qa95Jy, pós-modernas, entre outras. Bloom é um dos grandes 5 Michel Eyquem de Montaigne (1533-1592): escritor e
e “Antonio Candido e a crítica cultural contemporânea”, impulsionadores contemporâneos do conceito de Cânone ensaísta francês, considerado por muitos como o inventor
concedida por Célia Pedrosa à IHU On-Line nº 283, de Ocidental. Autor, entre outras obras, de Shakespeare - A do ensaio pessoal. Nas suas obras e, mais especificamente,
24-11-2008, disponível em https://goo.gl/92rizw. (Nota da Invenção do Humano; Hamlet - Poema Ilimitado; A angús- nos seus Ensaios, analisou as instituições, as opiniões e os
IHU On-Line) tia da influência: uma teoria da poesia; O cânone ociden- costumes, debruçando-se sobre os dogmas da sua época
2 Harold Bloom (1930): professor e crítico literário nasci- tal; Cabala e crítica; e Como e por que ler. (Nota da IHU e tomando a generalidade da humanidade como objeto
do em Nova York. Ocupa o cargo de Sterling Professor de On-Line) de estudo. (Nota da IHU On-Line)

EDIÇÃO 528
DOSSIÊ ANTONIO CANDIDO

Whitman6. A Formação de Candido passa a existir literariamente quan- ses distintos como partes do mesmo
faz um afunilamento parecido, ten- do lido no centro do império, não organismo. Esse modelo da mesma
do Machado de Assis7 como ponto valendo nada a sua presença numa língua nacional dividida entre ex-
de chegada, sem nunca explicar tradição baiana. metrópole e ex-colônia só funciona
como o legado do escritor fluminen- com a literatura no Novo Mundo, ou
se seria absorvido e superado pelo seja, na parte da cultura ocidental
modernismo paulistano, que esco-
lheu se insurgir contra o alvo menor
“A grande que fica fora da Europa.
Em segundo lugar, é um modelo
do parnasianismo.
semelhança que não permite que vários siste-

é que os dois
O que sofre com esse afunilamento mas locais se articulem num sis-
é tudo que ameaça a centralização tema maior. Se Candido investe
na figura e no lugar escolhidos. Para
poder colocar Shakespeare no centro [Candido contra a possibilidade de uma lite-
ratura lusófona para além do nível
da sua tradição, Bloom inclui treze
escritores de língua inglesa e apenas e Bloom] do país, ele se opõe mais fortemen-
te ainda contra a possibilidade de
três franceses – Montaigne, Molière8
e Proust9 –, como se o romance do procuram reconhecer, por exemplo, um sis-
tema baiano que coexiste e se ar-
século XIX fosse uma empreitada
exclusivamente anglófona. Para po-
entender ticula com um sistema fluminense.
Como visto no exemplo de Gregó-
der estabelecer uma entidade cha-
mada de sistema literário brasilei-
como funciona rio de Matos, é apenas o sistema
central – o sistema mineiro-flumi-
ro, focado exclusivamente no Rio,
Candido exclui qualquer possibili-
a tradição nense-paulista – que pode ser cha-
mado de brasileiro, e outras obras
dade de outros sistemas literários
no território brasileiro, dizendo, por
literária no só passam a existir literariamente
dentro dele.
exemplo, que Gregório de Matos10 só Novo Mundo” O uruguaio Ángel Rama12 inicial-
24 mente se empolgou com as teorias
6 Walt Whitman (1819-1892): poeta, ensaísta e jornalista
norte-americano, considerado por muitos como o “pai do de Candido e procurou aplicá-las no
verso livre”. Paulo Leminski o considerava o grande poeta
IHU On-Line – A obra mais cé- seu país, mas logo descobriu que não
da Revolução Americana, como Maiakovsky seria o grande
poeta da Revolução russa. Sua obra Folhas de Relva é con- lebre de Antonio Candido trata faz sentido pensar numa literatura
siderada um marco na literatura universal, principalmente
dentro do gênero poético. (Nota da IHU On-Line) da formação da literatura bra- uruguaia a não ser em relação à lite-
7 Machado de Assis [Joaquim Maria Machado de Assis]
sileira. O modelo cunhado por ratura argentina, porque as duas são
(1839-1908): escritor brasileiro, considerado o pai do re-
alismo no Brasil, escreveu obras importantes como Me- ele é aplicável a outros contex- tão intimamente ligadas. Se o mode-
mórias póstumas de Brás Cubas, Dom Casmurro, Quincas
Borba e vários livros de contos. Também escreveu poesia e tos? Por quê? lo da Formação não se aplica fora do
foi um ativo crítico literário, além de ser um dos criadores Novo Mundo, também não se aplica
da crônica no país. Fundador da Academia Brasileira de
Letras. Sobre o escritor, há duas edições da IHU On-Li-
Ian Alexander – Só com modifi- em países cuja literatura existe em
ne: 262, de 16-6-2008, intitulada Machado de Assis: um cações fundamentais. relação a um vizinho maior: ou a li-
conhecedor da alma humana, disponível em http://bit.ly/
ihuon262, e 275, de 29-9-2008, intitulada Machado de As-
Em primeiro lugar, é um modelo teratura uruguaia tem que se susten-
sis e Guimarães Rosa: intérpretes do Brasil, disponível em
https://bit.ly/2oHHiQt. (Nota da IHU On-Line) que pressupõe uma divisão de lite- tar em isolamento, ou deixa de ser
8 Molière [Jean-Baptiste Poquelin] (1622-1673): drama-
turgo francês, além de ator e encenador, considerado um raturas distintas dentro da mesma uma literatura, e se torna apenas
dos mestres da comédia satírica. Teve um papel de desta-
língua, conforme as fronteiras de pa- um elemento da literatura argentina.
que na dramaturgia francesa, até então muito dependente
da temática da mitologia grega. (Nota da IHU On-Line) íses. James Joyce faz parte da litera- A definição do sistema literário
9 Marcel Proust [Valentin Louis Georges Eugène Marcel
Proust] (1871-1922): escritor francês célebre por sua obra tura de língua inglesa sem deixar de de Candido, o famoso triângulo de
À la recherche du temps perdu (Em busca do tempo perdi-
do), publicada em sete volumes entre 1913 e 1927. (Nota
ser irlandês, e Franz Kafka11 faz parte
da IHU On-Line) da literatura de língua alemã apesar
10 Gregório de Matos e Guerra (1636-1696): nascido em 12 Ángel Rama (1926-1983): nascido em Montevidéu, foi
Salvador, advogado e poeta da época colonial. É conside- de ter nascido em Praga, mas o mo- professor, jornalista, editor, ficcionista, dramaturgo e críti-
rado um dos maiores poetas barrocos do Brasil e o mais delo da Formação não permite tra- co literário, realizou importante trabalho de organização
importante poeta satírico da literatura em língua portu- e pesquisa na Biblioteca Nacional. Ficou conhecido por
guesa no período colonial. A alcunha Boca do Inferno tar das literaturas lusófonas de paí- seu trabalho sobre modernismo e por sua teorização do
foi dada a Gregório por sua ousadia em criticar a Igreja conceito de “transculturação”. Editou as páginas literárias
Católica, muitas vezes atacando padres e freiras. Critica- do semanário Marcha de 1949 e 1950 e depois de 1958
va também a “cidade da Bahia”, ou seja, Salvador. Por tal de seus versos. (Nota da IHU On-Line) até seu fechamento, durante a ditadura militar no Uruguai.
motivo e outros, como sua poesia pornográfica, Gregório 11 Franz Kafka (1883-1924): escritor tcheco, de língua Quando ocorreu o golpe de Estado de 1973 no Uruguai,
foi considerado um poeta “rebelde” que, apesar de ser um alemã. Considerado pela crítica um dos escritores mais estava na Venezuela, onde passou a residir, obtendo a na-
clássico, hoje ainda muitos consideram também um poeta influentes do século 20. A maior parte de sua obra, como cionalidade venezuelana em 1977, já que o Uruguai lhe
maldito. Em 1831, o historiador Francisco Adolfo de Var- A metamorfose, O processo e O castelo, está repleta de negou a renovação do passaporte. Lecionou nos Estados
nhagen publicou 39 dos seus poemas na coletânea Florilé- temas e arquétipos de alienação e brutalidade física e Unidos, na França e no Brasil. Rama dedicou sua vida a
gio da Poesia Brasileira (1850, em Lisboa). Afrânio Peixoto psicológica, conflito entre pais e filhos, personagens com pesquisar e provar a existência de uma literatura e de uma
edita a restante obra, de 1923 a 1933, em seis volumes a missões aterrorizantes, labirintos burocráticos e transfor- cultura latino-americanas. Entre seus livros, destacam-se
cargo da Academia Brasileira de Letras, reunidos nos códi- mações místicas. Albert Camus, Gabriel García Márquez Diez problemas para el narrador latinoamericano (1972),
ces existentes na Biblioteca Nacional e na Biblioteca Var- e Jean-Paul Sartre estão entre os escritores influenciados La generación crítica (1939-1969) (1972), Los gauchipolí-
nhagem, do Ministério das Relações Exteriores, exceto a pela obra de Kafka. O termo “kafkiano” popularizou-se em ticos rioplatenses. Literatura y sociedad (1976), Transcul-
parte pornográfica, publicada em 1968 por James Amado. português como algo complicado, labiríntico e surreal, turación narrativa en América Latina (1982) e La novela
A sua obra tinha um cunho bastante satírico e moderno como as situações encontradas em sua obra. (Nota da latinoamericana. Panoramas 1920-1980 (1982). (Nota da
para a época, além de chocar pelo teor erótico de alguns IHU On-Line) IHU On-Line)

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

autores, obras e público, esconde pal cidade do mundo lusófono. Na Nas pesquisas do grupo Globali-
a materialidade do livro, como se metade do século XX, quando ela zation and World Cities Research
os mecanismos de publicação e de alcançou essa posição, já fazia um Network - GaWC, publicadas des-
distribuição não precisassem exis- século que o Rio de Janeiro havia de 1998, cidades são analisadas
tir, mas mesmo o famoso Cem Anos superado Lisboa. Nova York, por conforme seu nível de integração e
de Solidão, do colombiano Gabriel sua vez, é o centro da vida cultural de centralidade na economia mun-
García Márquez13, teve a sua primei- dos Estados Unidos desde o século dial e classificadas como Alfa++,
ra edição publicada em Buenos Ai- XVIII, mas mesmo hoje tem uma Alfa+, Alfa, Alfa-, Beta, Gama etc.
res. Com esse nível de dependência população e uma relevância mun- Em todas as edições da pesquisa,
entre escritor e obra colombianos dial muito parecida com a de Lon- Londres e Nova York são as úni-
e editora e público argentinos, não dres. Para Candido, as vantagens cas cidades no nível Alfa++, os
parece ser possível falar de uma li- de colocar São Paulo no centro de dois centros da economia mundial.
teratura colombiana nos termos de uma tradição apenas brasileira pa- No mundo lusófono, São Paulo
Candido. Além do Brasil, quantos recem muito maiores que os cus- aparece sempre na faixa das cida-
países no Novo Mundo podem se tos de abrir mão de Camões15, Eça des Alfa ou Alfa-, Lisboa às vezes
considerar literariamente autossus- e Fernando Pessoa16. Para Bloom, como Alfa- e às vezes como Beta, e
tentáveis? Os Estados Unidos? O a perda de Shakespeare, Milton17, o Rio sempre como Beta. São Pau-
México? A própria Argentina? Austen18 e Woolf19 seria incalculá- lo é enormemente mais central no
vel, e ele não quer Nova York como mundo lusófono que Nova York é
Em terceiro lugar, o modelo de
o centro de uma tradição meramen- no mundo anglófono. O mundo da
Candido é baseado não apenas na
te americana. língua espanhola, por sua vez, tem
separação entre as literaturas do
três centros de quase a mesma im-
Novo Mundo e do Velho, mas na
portância: Madrid está sempre na
capacidade de abrir mão do próprio 15 Luís de Camões (1524-1579 ou 1580): poeta portu-
faixa Alfa, enquanto Buenos Aires
passado literário da língua. En- guês, considerado uma das maiores figuras da literatura
lusófona e um dos grandes poetas da tradição ocidental. e a Cidade do México ficam entre
quanto Bloom, por exemplo, pro- Há dados pouco precisos sobre sua vida. Aparentemente
nasceu em Lisboa, de uma família da pequena nobreza. Alfa e Alfa-. O Pierre Menard de
cura absorver a tradição britânica Pode ter estudado na Universidade de Coimbra, mas a sua Borges20 se dá o trabalho de rees-
(e ocidental) dentro da tradição es- passagem pela escola não é documentada. Frequentou a
25
corte de D. João III, iniciou a sua carreira como poeta líri- crever o Quixote, mas seria difí-
tadunidense, Candido se coloca no co e envolveu-se, como narra a tradição, em amores com
damas da nobreza e possivelmente plebeias, além de levar cil imaginar um Borges brasileiro
ângulo dos românticos fluminenses uma vida boêmia e turbulenta. Diz-se que, por conta de prestando a mesma homenagem a
e aceita a rejeição e a irrelevância um amor frustrado, autoexilou-se na África, alistado como
militar, onde perdeu um olho em batalha. Voltando a Por- uma obra portuguesa.
de Portugal. Nessa visão, quando tugal, feriu um servo do Paço e foi preso. Perdoado, partiu
Machado de Assis lê e debate os ro- para o Oriente. Passando lá vários anos, enfrentou uma
série de adversidades, foi preso várias vezes, combateu ao
Na mesma época em que Candido
mances de Eça de Queiroz14, é como lado das forças portuguesas e escreveu a sua obra mais estava descrevendo a literatura por-
conhecida, a epopeia nacionalista Os Lusíadas. De volta à
se Eça fosse um estrangeiro qual- pátria, publicou Os Lusíadas e recebeu uma pequena pen- tuguesa como um arbusto de segun-
quer, e não um romancista traba- são do rei D. Sebastião pelos serviços prestados à Coroa, da ordem, e a brasileira como um
mas nos seus anos finais parece ter enfrentado dificulda-
lhando com os recursos linguísticos des para se manter. (Nota da IHU On-Line) galho secundário dela, o australiano
16 Fernando Pessoa (1888-1935): escritor português,
do mesmo idioma. considerado um dos maiores poetas de língua portugue- Henry Green21 descreveu a literatura
sa. Atuou no jornalismo, na publicidade, no comércio e, de língua inglesa como uma enor-
Um dos motivos para essa dife- principalmente, na literatura, onde desdobrou-se em vá-
rias outras personalidades conhecidas como heterônimos. me figueira, que deixa fincar novas
rença entre Candido e Bloom pode A figura enigmática em que se tornou movimenta grande
raízes em terras novas, produzindo
ser puramente numérica. Para São parte dos estudos sobre sua vida e obra, além do fato de
ser o maior autor da heteronímia. (Nota da IHU On-Line)
Paulo, ser a principal cidade do Bra- 17 John Milton (1608-1674): poeta, polemista, intelectu-
al e funcionário público nascido em Londres. Trabalhou 20 Jorge Luis Borges (1899-1986): escritor, tradutor,
sil é a mesma coisa que ser a princi- como secretário de Línguas Estrangeiras da Comunida- crítico literário e ensaísta argentino. Em 1914, sua famí-
de da Inglaterra sob Oliver Cromwell. Escreveu em um lia mudou-se para Suíça, onde estudou e de onde viajou
momento de fluxo religioso e agitação política, e é mais para a Espanha. Quando regressou à Argentina em 1921,
conhecido por seu poema épico Paraíso perdido (1667). começou a publicar os seus poemas e ensaios em revis-
13 Gabriel José García Márquez (1927-2014): escritor, (Nota da IHU On-Line) tas literárias surrealistas. Também trabalhou como biblio-
jornalista, editor, ativista e político colombiano. Consi- 18 Jane Austen (1775-1817): escritora inglesa, conside- tecário e professor universitário. Em 1955, foi nomeado
derado um dos autores mais importantes do século XX, rada por alguns como a segunda figura mais importante diretor da Biblioteca Nacional da República Argentina e
foi um dos escritores mais admirados e traduzidos no da literatura inglesa depois de Shakespeare. Algumas de professor de literatura na Universidade de Buenos Aires.
mundo, com mais de 40 milhões de livros vendidos em 36 suas obras: Orgulho e preconceito, Razão e sentimento e Em 1961, destacou-se no cenário internacional quando
idiomas. Laureado com o Prêmio Internacional Neustadt Persuasão. (Nota da IHU On-Line) recebeu o primeiro prêmio internacional de editores, o
de Literatura em 1972 e o Nobel de Literatura de 1982 19 Virginia Woolf (1882-1941): escritora, ensaísta e edi- Prêmio Formentor Internacional, repartindo o prêmio com
pelo conjunto de sua obra que, entre outros livros, inclui tora inglesa nascida em Kensington. Conhecida como uma o dramaturgo Samuel Beckett. No mesmo ano, recebeu a
Cem Anos de Solidão (1967). Foi o maior representante das mais proeminentes figuras do modernismo. Era inte- condecoração da Ordem do Comendador do presidente
do que ficou conhecido como realismo mágico na litera- grante do Grupo de Bloomsbury, círculo de intelectuais da Itália, Giovanni Gronchi. O seu trabalho foi traduzido e
tura latino-americana. Viajou muito pela Europa e viveu que, após a Primeira Guerra Mundial, se posicionou contra publicado extensamente nos Estados Unidos e na Europa.
até a morte no México. Outras de usas obras: Relato de as tradições literárias, políticas e sociais da Era Vitoriana. Borges era fluente em várias línguas. Os seus livros mais
um náufrago (1955); Ninguém escreve ao coronel (1961); Estreou na literatura em 1915 com o romance A viagem, famosos, Ficções (1944) e O Aleph (1949), são coletâneas
A incrível e triste história de Cândida Eréndira e sua avó que abriu o caminho para a sua carreira como escritora e de histórias curtas interligadas por temas comuns: sonhos,
desalmada (1972); O outono do Patriarca (1975); Crônica uma série de obras notáveis. Seus trabalhos mais famosos labirintos, bibliotecas, escritores e livros fictícios, religião,
de uma morte anunciada (1981); O Amor nos tempos do incluem os romances Mrs. Dalloway (1925), Ao Farol (1927) Deus. A sua fama internacional foi consolidada na década
cólera (1985); O general em seu labirinto (1989); Do amor e Orlando (1928), assim como o ensaio Um teto todo seu de 1960, ajudado pelo boom latino-americano e o sucesso
e outros demônios (1994); Notícia de um Sequestro (1996); (1929), onde encontra-se a famosa citação “Uma mulher de Cem anos de solidão, de Gabriel García Márquez. (Nota
Viver para contar (2002); e Memória de minhas putas tristes deve ter dinheiro e um teto todo seu se ela quiser escrever da IHU On-Line)
(2004). (Nota da IHU On-Line) ficção”. Woolf apresentava crises de depressão. Em 1941, 21 Henry Green (1905-1973): pseudônimo de Henry Vin-
14 Eça de Queiroz (1845-1900): escritor realista portu- deixa um bilhete para seu marido, Leonard Woolf, e para cent Yorke, escritor inglês mais lembrado pelos romances
guês, autor, entre outros, dos romances Os maias e O cri- a irmã, Vanessa Bell, despedindo-se das pessoas que mais Party Going e Living e Loving. Publicou um total de nove
me do Padre Amaro. (Nota da IHU On-Line) amara na vida, e comete suicídio. (Nota da IHU On-Line) romances entre 1926 e 1952. (Nota da IHU On-Line)

EDIÇÃO 528
DOSSIÊ ANTONIO CANDIDO

literaturas irlandesa, estaduniden- histórias de Sherlock Holmes. Os ro- supõe um Brasil que é o centro do
se, australiana etc., mas tudo ligado mances de Patrick White23, australia- mundo lusófono, que não tem ne-
ao mesmo organismo. Na escala do no vencedor do Nobel de 1973, foram nhum país vizinho que fale a mes-
GaWC, Sydney fica sempre entre as publicados sempre em Londres e em ma língua, e que contém apenas um
faixas Alfa+ e Alfa, um pouco mais Nova York. Nenhum autor australia- sistema literário. Nenhum outro país
alto que São Paulo, mas São Paulo é no vai virar as costas à possibilidade no Novo Mundo pode gozar desse
o pico do mundo lusófono, enquanto de ser lido em países de população tipo de centralidade em relação a sua
Sydney fica no segundo escalão do muito maior que a sua terra natal. língua, então esse aspecto do modelo
mundo anglófono, junto com Chica- dificilmente se aplica a outros países.
go, Toronto e Los Angeles. Um dos Enfim, modelo de Candido pres- Para o modelo poder ser útil em ca-
primeiros romances policiais foi es- sos como a relação entre a literatura
científica, novelas históricas, peças e romances, poesias e
crito em Melbourne, publicado com obras de não ficção. Arthur Conan Doyle viveu e escreveu uruguaia e a argentina, ou entre a
grande sucesso em Londres, e in- parte de suas obras em Southsea, um bairro elegante de
literatura australiana e a estaduni-
Portsmouth. (Nota da IHU On-Line)
fluenciou Conan Doyle22 a escrever as 23 Patrick White (1912-1990): escritor australiano. Rece- dense, ele também teria que se abrir
beu o Nobel de Literatura de 1973. Descrito por muitos
como um dos maiores romancistas da língua inglesa do à possibilidade de analisar um siste-
22 Conan Doyle (1859-1930): escritor e médico britâni- século XX. De 1935 até sua morte, publicou 12 romances,
co, nascido na Escócia, mundialmente famoso por suas 60 duas coletâneas de contos e oito peças de teatro. Sua fic- ma pernambucano, ou um sistema
histórias sobre o detetive Sherlock Holmes, consideradas
uma grande inovação no campo da literatura criminal. Es-
ção frequentemente utiliza variações de ponto de vista de
narração e a técnica literária fluxo de consciência. (Nota
sul-rio-grandense, articulados com
critor prolífico, seus trabalhos incluem histórias de ficção da IHU On-Line) os sistemas paulista e fluminense. ■

26

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

27

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

Com as lentes do Ocidente,


a China é invisível
Para Martin Jacques, compreender a explosão do dragão asiático
como potência mundial só é possível se esse país for observado
desde o Oriente, com sua história, tradição e cosmovisão
João Vitor Santos e Ricardo Machado | Tradução: Isaque Gomes Correa

O
jornalista Martin Jacques é um Unidos ou, antes disso, da Inglaterra”,
sujeito que foi passar as férias exemplifica. Assim, para ele, categorias
num lugar diferente e desco- e conceitos ocidentais não dão conta da
briu um mundo. “Fiquei completa- complexidade da China. É o caso, por
mente fascinado pelo que vi. Eu sabia exemplo, de Estado-nação. “Portanto,
dos números, das estatísticas, mas ver a noção de Estado-civilização congrega
é crer. Esta experiência teve um im- e contém muitas diferenças dentro de
pacto enorme sobre mim”, revela. Ele si. É uma forma heterogênea, diferen-
fala da China, o país que sai da catego- te de como costumam ser os Estados-
ria de grande fabricador de imitações nação ocidentais”, explica. “A China
e produtos de má qualidade para se é a expressão mais importante de um
transformar em líder em tecnologia, de fenômeno mais amplo, que é o cresci-
economia forte e ainda capaz de ditar mento em importância dos países em
28 regras no cenário geopolítico. Jacques desenvolvimento, que formam o lar de
percebeu esses movimentos. “Desde aproximadamente 85% da população
essas férias, não tive mais o desejo, o ao redor mundo”, conclui.
apetite de trabalhar no Ocidente. Que-
Martin Jacques é jornalista, pes-
ria descobrir o que estava acontecendo
quisador e analista político britânico.
na Ásia Oriental”, recorda.
Graduado em Economia pela Universi-
Mais do que buscar o segredo chinês, dade de Manchester, é também doutor
foi percebendo que a receita do suces- pelo King’s College, em Cambridge. Seu
so do grande dragão asiático passa pela interesse pela Ásia começou em 1993 e
própria história do país e sua visão de em 2009 publicou When China Rules
mundo. Para ele, enquanto o Ociden-
the World: The End of the Western
te não apreender que é preciso levar
World and the Birth of a New Global
isso em conta, vai ficar observando a
Order (Penguin Books, 2012). Também
ascensão chinesa enquanto afunda em
é autor de ‘Implications of the Rise of
crises políticas, econômicas e sociais.
China’, in Andrew Gamble and David
“A razão pela qual o Ocidente vem
Lane, eds, The European Union and
tendo tanta dificuldade em entender a
World Politics (London: Routledge,
China é que a mentalidade ocidental é
2009) e ‘The Eight Differences That
a de pensar o mundo em seus próprios
Define China’, in David Shambaugh,
termos, tentar encaixar as coisas neles.
ed, The China Reader: Rising Power
A China não se encaixa aí”, aponta, na
Oxford: Oxford University Press, 2016),
entrevista a seguir, concedida por tele-
entre outras obras.
fone à IHU On-Line.
A entrevista foi originalmente pu-
O jornalista demonstra como nem se-
blicada nas Notícias do Dia de 12-10-
quer podemos considerar o país uma
2018, no sítio do Instituto Humanitas
potência nos padrões que conhecemos.
“A China é bem diferente do Ocidente, Unisinos – IHU, disponível em http://
portanto será um tipo de potência bem bit.ly/2MGSqGK.
diferente, por exemplo, dos Estados Confira a entrevista.

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

“O centro de gravidade da
economia global está mudando
em direção ao Oriente”

IHU On-Line – É possível do, também por descobertas ante- dentemente, são muito mais am-
afirmar que a crise financeira riores, na migração que se seguiu. plas do que aquelas ocorridas pelas
mundial, a partir de seus efei- E, de fato, por 200 anos o mundo, a ascensões do Ocidente, que foram
tos devastadores sobre o Oci- economia mundial, a política e a cul- conduzidas pela Revolução Indus-
dente, tem aberto caminho ao tura global foram dominadas pelo trial2 e que alcançaram muitas áreas:
crescimento chinês? Por quê? Ocidente. política, moral, intelectual, cultural,
Martin Jacques – O crescimen- Hoje, está absolutamente claro e assim por diante.
to chinês contou essencialmente que este período chegou ao fim. A Além disso, já estamos testemu-
com a ajuda da crise financeira no ascensão da China mudará este ce- nhando o início de um impacto mais
Ocidente, porque o crescimento da nário, irá transformá-lo. O centro de amplo da China além do simplesmen-
China, desta forma drástica, data, gravidade da economia global está te econômico. Este impacto ainda está
na verdade, do começo das refor- mudando em direção ao Oriente. É nos estágios iniciais. Para o resto do
mas econômicas de 1978, e durante difícil imaginar que alguma coisa vá mundo, a China esteve mais ou menos 29
30 anos o país cresceu cerca de 10% deter esse movimento, talvez uma invisível até bem recentemente, nos
anuais. Claro que o drama da crise guerra nuclear. últimos 200 anos, por causa da situ-
financeira ocidental basicamente foi Portanto, estamos vendo, agora, ação política, pela falta de desenvolvi-
o de entrar num modo de crescimen- a ascensão da China e, provavel- mento. Isso tem mudado. Em termos
to extremamente baixo. Na verdade, mente, em grande parte da Eurá- históricos, o mundo está se tornando
inicialmente estes países do Ociden- sia1. Podemos ver bem claramente cada vez mais familiarizado com a
te entraram numa situação negativa. na Europa o declínio progressivo China e de forma muito rápida.
Enquanto isso, o crescimento chi- do Ocidente. O principal problema
nês continuou com o seu programa. No momento, existe uma tendên-
é que o seu índice de crescimento
Portanto, desde a última década, ou cia muito forte, certamente no Oci-
está atualmente bastante baixo, e os
mais, até muito recentemente, isto dente, mas creio que se repete, em
Estados Unidos também, em com-
significou que a China rapidamente paração com a China, estão em de- certo grau, nos países em desenvol-
se aproximou dos Estados Unidos. clínio há bastante tempo. vimento também, que é a de pensar
a China em termos ocidentais, o que
é um equívoco. A China é bem dife-
IHU On-Line – Por mais de IHU On-Line – O que significa, rente do Ocidente, portanto será um
200 anos, o mundo vive uma do ponto de vista cultural, a as- tipo de potência bem diferente, por
supremacia ocidental. Como censão da China como grande exemplo, dos Estados Unidos ou, an-
compreender que, a partir do potência mundial? Em que me- tes disso, da Inglaterra.
século XXI, esse protagonis- dida podemos falar em supres-
mo seja assumido por um país são de perspectivas ocidentais,
como a China, que se distingue como o humanismo? IHU On-Line – Do ponto de
até mesmo de seus vizinhos vista político e econômico, que
orientais? Martin Jacques – Este fenôme-
no está sendo visto, primeiramente, 2 Revolução Industrial: foi a transição para novos pro-
Martin Jacques – É verdade que, como um desenvolvimento econô- cessos de manufatura no período entre 1760 a algum
momento entre 1820 e 1840. Esta transformação incluiu
no final do século XVIII, com a Re- mico. Mas as suas implicações, evi- a transição de métodos de produção artesanais para a
volução Industrial na Inglaterra, vi- produção por máquinas, a fabricação de novos produtos
químicos, novos processos de produção de ferro, maior
mos uma rápida ascensão da Euro- 1 Eurásia: é o grande aglomerado de países europeus e eficiência da energia da água, o uso crescente da energia
asiáticos. Alguns consideram um continente e até um su- a vapor e o desenvolvimento das máquinas-ferramentas,
pa. Durante o século XIX, a Europa percontinente, composto pelos continentes europeu e asi- além da substituição da madeira e de outros biocombustí-
passou a ser, de longe, o continente ático, separados pela cordilheira dos Montes Urais. Alguns veis pelo carvão. A revolução teve início na Inglaterra e em
países como a Rússia e Turquia estão nos dois continentes. poucas décadas se espalhou para a Europa Ocidental e os
mais avançado do mundo, resultan- (Nota da IHU On-Line) Estados Unidos. (Nota da IHU On-Line)

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

transformações a ascensão chi- cas da história, por exemplo, dos Es- nação como uma nova forma de uni-
nesa pode provocar em escalas tados Unidos. Proceder assim é um dade política no mundo. Essa forma
globais? grande erro, pois a China vem de um possui várias características: um Es-
tipo de história e cultura bastante tado bastante centralizado, uma for-
Martin Jacques – Durante os
diferente. Esta história e cultura irá te tendência no sentido de conjuntos
últimos 200 anos, o mundo esteve
se refletir na maneira como o país se dominantes (ou de um conjunto sin-
dominado e governado por uma pe-
comporta e se expressa. gular dominante) de etnias, certas
quena parcela da humanidade, que
concepções de soberania etc.
é a que compõe o Ocidente hoje, em
Imposição militar
particular, porque a proporção da Se, hoje, quisermos ver o mundo
população mundial diminuiu. Mas Na história das potências ociden- em lentes chinesas, precisaremos
provavelmente estamos falando de tais, por exemplo, é típico o emprego ter uma periodização completamen-
cerca de 15% da população do mun- do poder militar. Mas, na história te diferente. Não se pode começar a
do. Assim, a ordem global, nesse pe- chinesa, essa não é uma caracterís- história a partir do final do século
ríodo ocidental, pode ser vista como tica, não é o seu modo de expressão, XVIII. É preciso, provavelmente, co-
uma ordem bastante autoritária. mesmo em seus – em termos histó- meçar por algo como o ano 211 an-
Hoje, a ascensão da China, que já, ricos – momentos mais influentes. tes de Cristo, com a primeira forma
naturalmente, representa cerca de Portanto, precisamos pensar a influ- unificada da China, com a Dinastia
1/5 da população mundial, precisa ência da China no nível global mais Qin3. Portanto, estamos falando de
ser vista em termos mais amplos do em termos econômicos (o país irá se um período de dois mil anos. Não
que apenas a ascensão de um país. A tornar extremamente influente, vai estamos falando de um Estado-na-
China é a expressão mais importante ser mais influente do que os Estados ção. Estamos falando de uma civi-
de um fenômeno mais amplo, que é Unidos já foi alguma vez) e em sua lização, ou uma civilização que, em
o crescimento em importância dos influência cultural. Não creio que a certo grau, se tornou mais ou menos
países em desenvolvimento, que for- China se apresentará ao mundo sob o equivalente daquilo que se tornou
mam o lar de aproximadamente 85% a forma militar ou que vai se envol- o império chinês. Porque a China é,
da população ao redor mundo. ver numa intervenção política, como essencialmente, um continente mul-
30 Portanto, a grande mudança global é bem típico de países da Europa e tiétnico, multinacional. Na maior
dos Estados Unidos. parte de sua existência, até o final
que temos testemunhado é a de um
do século XIX, a China não foi um
mundo dominado por uma minoria
Estado-nação; este é um desenvolvi-
extremamente pequena e privilegia-
da do Ocidente – e do Japão, se qui- “A China é mento bastante recente, que tem um
pouco mais de um século. Naquele
sermos acrescentá-lo, mas essencial-
mente ocidental – para uma situação bem diferente longo período, a China foi predomi-
nantemente um Estado-civilização.
do Ocidente,
onde o mundo será, cada vez mais,
Não possuía fronteiras claras. As
dominado por fenômeno bastante
fronteiras só vieram a se desenvol-
diferente, a ascensão de países em
desenvolvimento. E a China é o ator portanto será ver claramente em 1949, e não havia
a sensação de se estar nas mãos da
predominante dentro deste contex-
to, pois se olharmos do ponto de vis- um tipo de raça dominante. Na verdade, exis-
tem muitas raças na China.
ta da autoridade, veremos que a rea-
lidade chinesa é muito diferente, por
potência bem Portanto, a noção de Estado-civi-
exemplo, da dos Estados Unidos. É
diferente na sua política externa, na
diferente” lização congrega e contém muitas
diferenças dentro de si. É uma for-
abordagem econômica etc., na ma- ma heterogênea, diferente de como
neira como estabelece relações com costumam ser os Estados-nação oci-
outros países em desenvolvimento. IHU On-Line – O senhor con- dentais. A China percebeu que o final
Em certo sentido, isto tem ajudado sidera que a China não é um Es- do século XIX começava a exigir as
em seu próprio desenvolvimento e tado-nação e sim um Estado-ci- características de um Estado-nação.
transformação. vilização. No que consiste essa Assim, este país constitui uma mis-
diferença?
Assim, vejo essa realidade como 3 Dinastia Qin: também conhecida como dinastia Chin,
uma fonte de recursos abrangentes Martin Jacques – Quero fazer foi uma dinastia que governou a China entre 221 a.C. e
206 a.C., e que normalmente figura nos livros de História
para o novo contexto. Mas também, um esclarecimento aqui que é sobre como a primeira dinastia burocrática ou protoburocrática
quando se fala da China como uma a periodização histórica. No Ociden- da história da China. O período abrangido pelo governo
da dinastia Qin pode, igualmente, corresponder a uma
potência global – ou uma potência te, a história é datada no sentido mo- subdivisão da história chinesa. O primeiro rei dessa di-
nastia, Zheng, é reconhecido pela historiografia por seus
global por vir, um país que tende a derno, em grande medida, a partir grandes feitos, como a unificação violenta da China, e por
se tornar uma grande potência –, as do século XVIII. E, claro, neste perí- seu governo cruel, tendo adotado o título de Shi Huang-
di (“Primeiro Imperador”) após conquistar os estados de
pessoas projetam certas característi- odo ocorre uma mudança do Estado- Zhao, Wei, Chu, Yan e Qi. (Nota da IHU On-Line)

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

tura de um Estado-civilização e um termos ocidentais. E a razão pela funcional, que não é democrático – e
Estado-nação. Ele exige aquelas ca- qual o Ocidente vem tendo tanta di- por democrático se quer dizer que
racterísticas do Estado-nação porque ficuldade em entender a China, há não é no estilo ocidental de demo-
se viu forçado a se adaptar ao sistema tanto tempo, é que a mentalidade cracia e, portanto, é insustentável.
internacional projetado pela Europa ocidental é a de pensar o mundo em
Pelo contrário! Na verdade, o siste-
e, mais tarde, pelos Estados Unidos, seus próprios termos, tentar encai-
ma político chinês é, a meu ver, mui-
pois estava vivendo num mundo es- xar as coisas neles. A China não se
to funcional e muito bem-sucedido.
sencialmente sob os termos dos valo- encaixa aí. Poderíamos dizer o mes-
É bastante diferente do que estamos
res e normas ocidentais. mo sobre outros países, evidente-
acostumados nos países ocidentais,
mente, ainda que em graus diferen-
mas é um sistema de governo alta-
Imposição do Estado-nação tes, como a Índia, por exemplo.
mente consistente para aquele que
A ascensão da China – e não só Assim, nesse contexto, a China é, convenhamos, um continente. Não
deste país, pois acho que devemos conta com duas características. Uma devemos esperar que o sistema polí-
olhar para outros também, como a é bastante antiga e muito importan- tico chinês se ocidentalize de alguma
Índia e o Irã – não se enquadra nes- te: o país nunca foi seriamente colo- forma. Na realidade, a crise que espe-
ta convicção de Estado-nação. Essa nizado. Os portos que haviam par- rávamos para o sistema político chi-
é uma forma tipicamente europeia ticipado de tratados internacionais nês está essencialmente acontecendo
que, depois, foi exportada com a foram colonizados desde meados no momento, só que no Ocidente.
migração para os Estados Unidos, do século XIX, mas a maior parte
Austrália, Nova Zelândia, e assim da China não foi colonizada. Então, O lar do Estado
o país permaneceu e reteve muitas
por diante. Então, após a Segunda
de suas continuidades e característi- Outra coisa que gostaria de enfati-
Guerra Mundial e com a descoloni-
cas históricas, como um tipo muito, zar: embora a revolução de 1949 na
zação, aquela forma, de uma manei-
muito diferente de país. China tenha marcado uma grande
ra pouco apropriada, porém bastan-
mudança, uma grande transforma-
te compreensível, passou a ser uma É evidente que ela vive num mundo
ção histórica no país e em seu siste-
exigência, por exemplo, dos países com o qual está em interação. Por-
ma de governo, está também claro 31
que recentemente haviam se torna- tanto, adquiriu certas características
que os governos chineses de hoje,
do independentes na África. Nesses – ou compartilhou, pegou empres-
no período moderno, ainda possuem
lugares, como na África, realmente, tado, adotou – de outros países, in-
linhas muito distintas de continui-
um Estado-nação na forma europeia cluindo países ocidentais. Mas não
dade com uma história muito antiga,
foi completamente inapropriado. podemos dizer que a China foi fun-
com o sistema imperial. A China é,
damentalmente ocidentalizada. E o
Este tema suscita questões históricas provável e historicamente, o lar do
meu argumento é, justamente, que a
profundas sobre o futuro, como: até Estado como o conhecemos, a ori-
China é essencialmente um Estado-
que ponto a ascensão da China sinali- gem do Estado moderno. É por isso
civilização antes de simplesmente
zará uma nova forma de política, uma que o sistema de governo chinês é
ser um Estado-nação. Sem essa pre-
maior diversidade na maneira como tão competente, pois possui uma
missa, não podemos compreender
os países se expressam, e assim por história muito longa.
este país.
diante. Em geral, nos países ociden-
tais a atitude essencialmente tem sido: Transformações e incom- IHU On-Line – O senhor tra-
“Seja como nós, nós somos o formato preensões balha com a ideia de moder-
que vocês precisam imitar”. Esta ques-
nidades concorrentes. No que
tão sobre a China como um Estado-ci- Por isso penso que a ascensão da consiste essa perspectiva e
vilização é extremamente interessante China levará a mudanças fundamen- como ela pode explicar o cres-
e é fundamental para entendê-la, mais tais na maneira como o mundo está cimento chinês?
até do que o fato de o país ter adqui- construído. E não estamos prontos
rido, ao longo do último século, algu- para isso, pois não entendemos a Martin Jacques – Os anos de
mas características do Estado-nação. China. Nós a subestimamos seria- predominância ocidental constituí-
mente, nunca fomos capazes de ram uma modernidade no singular,
compreender propriamente porque existe uma modernidade. E é uma
IHU On-Line – Como compre-
a ascensão econômica da China é tão modernidade ocidental. Evidente
ender essas lógicas chinesas, um
drástica e tão bem-sucedida. Sempre que existem diferenças, mas, a esta
país que assimila valores e pers-
ouvimos que o crescimento chinês altura, empregamos uma generali-
pectivas ocidentais, mas que
“não é sustentável, chegará ao fim, zação que tem a ver com a moderni-
mantém sua gênese, reforçando
haverá uma crise”. Subestimamos o dade ocidental. Assim, o argumento
suas concepções de mundo?
sistema político chinês. Sempre se é o de que existe uma potência para
Martin Jacques – Não creio que diz que este sistema político não se a modernidade e, por assim dizer, é
podemos compreender a China em adequa ao seu propósito, que é dis- a nossa potência, forçando todos os

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

países a segui-la. É um pouco como Jinping4? Como compreen- também. É ele quem rejeita a ideia
viver numa escada rolante, onde es- der sua influência geopolítica de socialismo em um único país, o
tamos todos em estágios diferentes hoje? que fora predominante no pensa-
da escada, mas cada um se dirige à mento socialista/comunista, e é ele
Martin Jacques – Não acho
mesma direção, e perto do topo da quem sustenta que a China precisa
que podemos reduzir o crescimen-
escada estão os Estados Unidos e se integrar com o mundo, em vez
to chinês a Xi Jinping, porque ele
outros países ocidentais. de viver isoladamente, ideia sus-
é presidente e secretário-geral [do
tentada como sendo um valor. Tal
É um erro completo, pois esta no- Partido Comunista Chinês] ape-
estratégia não tinha funcionado no
ção de modernidade reduz a ques- nas desde 2012. Então, ele ainda é
país antes; na verdade havia fra-
tão essencialmente a um assunto de uma figura muito recente no con-
economia e tecnologia. Mas a his- cassado no caso da União Soviética
texto de transformação da China.
tória e a cultura são fundamentais também.
A transformação moderna chine-
para o caráter de modernidade de sa começa em 1949 com a revolu- Isso me leva a Xi Jinping. Acho
um país. Vejamos um país como o ção, com Mao5, porque ela criou a que, de fato, Xi Jinping marca uma
Japão, que é muito moderno, mui- estrutura, a possibilidade para o transformação importante na polí-
to desenvolvido. A modernidade que se seguiu. Não foi um período tica chinesa. Ela já havia sido an-
japonesa é muito diferente da mo- bem-sucedido de crescimento eco- tecipada, de várias maneiras, du-
dernidade ocidental. Na realidade, nômico, manteve-se um índice de rante o período de Hu Jintao7. Não
isto está claro há bastante tempo. crescimento de 5 a 10%, mas sem se pode pensar somente a partir de
Mas, de alguma maneira, esta ideia muito sucesso e com graves equí- 2012, mas, por conveniência, pode-
de uma modernidade singular pre- vocos. Mas com a saída de Deng mos dizer que, por volta desse pe-
valeceu no Ocidente. Desde o final Xiaoping6, em 1978, temos uma ríodo, a China começou a conceber
do século XIX, a modernidade ja- mudança fundamental. a sua tarefa, o seu desenvolvimen-
ponesa tem permanecido bastante to de um modo diferente. Mas, até
diferente. Então, depois de Mao, a próxi-
que ponto diferente?
ma transformação fundamental é
Civilização inclusiva Deng Xiaoping. É ele quem elabora Em primeiro lugar, e isto certa-
32
um novo tipo de estratégia, quem mente começou um pouco mais
Vivemos num mundo com o de- redefine a noção de socialismo tarde, na possibilidade de desen-
clínio do Ocidente e com a ascen- para incluir não apenas o plane- volver uma economia moderna e
são dos países em desenvolvimen- jamento central, mas o mercado mais sofisticada, que fosse muito
to, com a ascensão da China e de mais avançada tecnologicamente,
muitos outros países. Assim, esta- 4 Xi Jinping (1953): nascido em Pequim, atual presidente e se valorizou isso. Em segundo
da República Popular da China e secretário-geral do Par-
mos vendo a ascensão de muitas tido Comunista da China. Tem doutorado em Engenha- lugar, a China não mais deveria
ria Química e Ciência Política. É atualmente o principal
modernidades. Existem moder- membro do Secretariado do Partido Comunista Chinês, o
ser vista simplesmente em termos
nidades múltiplas, não uma mo- presidente da China, o diretor da Escola Central do Parti- econômicos, como aconteceu até
do e o mais importante membro do Comitê Permanente
dernidade singular. O declínio dos do Politburo, que é o órgão que controla o país. Filho do aquele momento, tanto dentro da
Estados Unidos tem, na verdade, político comunista Xi Zhongxun, Xi Jinping começou sua
carreira política na província de Fujian e foi posterior-
China quanto no resto do mundo.
possibilitado este processo e, de mente escolhido como chefe do partido na província vi- Mas a China desenvolveria um sen-
zinha de Zhejiang, depois promovido a chefe do partido
certo modo, permitido este espa- de Xangai após a demissão de Chen Liangyu. Conhecido so do seu próprio lugar no mundo,
ço que não existia tão facilmente por suas posturas liberais, duro combate à corrupção e
uma franqueza e abertura quanto a reformas políticas e
politicamente, culturalmente e em
antes. econômicas, é o destacado líder emergente da quinta ge- termos militares, e não só na esfe-
ração de líderes da República Popular da China. Assumiu
A aptidão da China, por exemplo, o cargo de presidente da China no dia 15 de março de ra econômica. Em terceiro lugar, a
2013, sucedendo Hu Jintao. Foi nomeado como uma das
para estas questões é bem diferen- pessoas mais influentes do mundo em 2009, 2011 e 2012 China, em vez de apenas se adaptar
te da do Ocidente. Uma das frases
pela revista Time. Em 2017, foi eleito pelo The Economist o ao sistema internacional, que her-
homem mais poderoso do mundo. Em 2018, o parlamento
políticas dos chineses é “civilização chinês aprovou o mandato vitalício a Xi Jinping. (Nota da dou e que foi projetado essencial-
IHU On-Line)
inclusiva”, o que pode ser um outro 5 Mao Tsé-Tung (1893-1976): ditador, político, teórico, mente pelos Estados Unidos desde
modo de dizer que existem moder-
líder comunista e revolucionário chinês. Liderou a Revo- 1945, passou a se tornar proativa
lução Chinesa e foi o arquiteto e fundador da República
nidades concorrentes. Há muitas Popular da China, governando o país desde a sua criação, em relação à natureza e ao formato
em 1949, até sua morte em 1976. Sua contribuição teórica
civilizações diferentes. Precisamos para o marxismo-leninismo e suas estratégias militares e da ordem internacional. E, claro,
aprender a nos darmos bem com
políticas comunistas são conhecidas coletivamente como desde então vimos duas de suas
maoísmo. Chegou ao poder comandando a Longa Mar-
cada uma e respeitar as diferenças, cha, formando uma frente unida com Kuomintang (KMT) maiores iniciativas: o Banco Asi-
durante a Guerra Sino-Japonesa para repelir uma invasão
aprender com todas. japonesa e, posteriormente, conduzindo o Partido Comu-
nista Chinês até a vitória contra o generalíssimo Chiang 7 Hu Jintao (1942): é um político chinês, ex-Presidente
Kai-shek do KMT na Guerra Civil Chinesa. (Nota da IHU da República Popular da China e ex-Secretário-Geral do
On-Line) Partido Comunista da China. Foi escolhido no dia 04 de
6 Deng Xiaoping (1904-1997): foi o secretário-geral do novembro de 2010 pela revista Forbes como a pessoa
IHU On-Line – Até que pon- Partido Comunista Chinês, sendo, de fato, o líder político mais poderosa do mundo, entrando no lugar do então
to esse crescimento chinês da República Popular da China entre 1978 e 1990. Criador
do chamado socialismo de mercado, regime vigente na
presidente do Estados Unidos, Barack Obama, após a der-
rota para a oposição nas eleições intercalares. (Nota da
está associado à figura de Xi China moderna. (Nota da IHU On-Line) IHU On-Line)

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

ático de Investimento em Infraes- muitas pessoas se surpreenderam. De repente, no contexto do atual


trutura8 e o projeto Um Cinturão, As lideranças chinesas subestimam presidente, a China se torna não
Uma Rota9, que são exemplos mar- as possibilidades de seu desenvol- uma espécie de competidor, mas
cantes – em particular Um Cintu- vimento. Por que deveríamos ficar também um parceiro. A China é,
rão, Uma Rota, que leva a China a surpresos? Ora, os Estados Unidos hoje, vista como uma ameaça à he-
desempenhar um papel muito dife- há tempo se veem como o chefe do gemonia americana. Assim, come-
rente no mundo. mundo e esperavam – e esperam – çou a ser desenvolvido, no governo
continuar nessa posição. Eles acre- Trump, uma ideia de tentar fazer
ditavam em duas coisas: primeiro, com que a ascensão da China fique

“A China é a ex-
que a China iria progressivamente mais difícil e, se possível, que seja
se ocidentalizar, que a moderniza- contida. Daí a guerra comercial,

pressão mais ção chinesa iria fracassar a menos


que se ocidentalizasse, essencial-
mas mais que uma guerra comer-
cial. O que se quer é tentar impedir

importante de mente na economia e na política,


por exemplo.
que a China tome a liderança tec-
nológica em setores importantes,
um fenômeno Em segundo, os Estados Unidos
não acreditavam que a ascensão
que é exatamente o que ela está,
neste momento, começando a fa-
mais amplo, da China se sustentaria da for-
zer. Através das empresas Alibaba12
e Tencent13, por exemplo, podemos
ma como tem se sustentado e de
que é o cresci- maneira tão rápida. Portanto, os
ver que a China já está à frente do
Vale do Silício.
mento em im-
Estados Unidos, de um modo fun-
damental, interpretaram equivo-
Tentativas de frear a China
portância dos cadamente aquilo que a ascensão
chinesa está representando, que Então, é uma espécie de tentati-
países em de- este país era capaz de realizar esta
transformação e que não se torna-
va por parte dos Estados Unidos
de se manter em suas posições de
senvolvimento” ria, neste processo, como os Esta-
dos Unidos.
hegemonia no mundo e impedir
a ascensão da China. Realmen-
33

Temos aqui um aspecto impor- te, não creio que conseguirão. As


tante. Se pegarmos o discurso do suas iniciativas podem ter efeitos
IHU On-Line – Como o se- “Estado da União” proferido por negativos sobre aquele país, mas
nhor analisa as disputas en- Barack Obama10, em 2010 ou 2011, também terão efeitos negativos
tre China e Estados Unidos? veremos que foi dito que a ideia de nos Estados Unidos. As ações,
É possível afirmar que os EUA um declínio americano era um en- por exemplo, vão desvalorizar o
podem orquestrar uma rea- gano completo. O que se vê é que os contexto americano. A questão
ção para que não percam sua americanos claramente estão em é: como ser um ator dinâmico no
centralidade geopolítica para declínio há um tempo significativo. mundo, reduzindo a si próprio ao
a China? Trump11, nesse sentido, representa cortar a participação americana
o primeiro líder americano que, de no mercado chinês, por exemplo?
Martin Jacques – Não creio O mercado chinês já é do mesmo
fato, acredita – ou reconhece – que
que deveríamos nos surpreender tamanho que o mercado america-
os Estados Unidos estão em declí-
com o que está acontecendo, mas no. Em 2030, o mercado chinês
nio. É claro que ele acha que pode
reverter a situação. provavelmente terá o dobro do ta-
8 Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura:
é uma instituição financeira internacional proposta pela
manho do mercado americano.
China. É considerado como uma alternativa ao Banco Até Trump, os Estados Unidos
Mundial. Em 25 de dezembro de 2015, 17 países (Aus- negaram o seu próprio declínio. Vejo esta contenda, esta guer-
trália, Áustria, Brunei, China, Coreia do Sul, Geórgia, Ale-
manha, Jordânia, Luxemburgo, Mongólia, Mianmar, Países ra comercial como a tentativa dos
Baixos, Nova Zelândia, Noruega, Paquistão, Singapura e Estados Unidos de impedir ou di-
Reino Unido) juntos segurando 50,1% dos depósitos ini- 10 Barack Obama [Barack Hussein Obama II] (1961):
ciais de capital autorizado determinados no instrumento advogado e político estadunidense. Foi o 44º presidente ficultar a ascensão chinesa. Isto
de ratificação do acordo, formalmente se tornando mem- dos Estados Unidos, tendo governado o país entre 2009 e
bros fundadores e desencadeando a entrada em vigor do 2017. (Nota da IHU On-Line)
acordo. A Rússia aderiu mais tarde, trazendo a quantidade 11 Donald Trump (1946): Donald John Trump é um em-
de Capital Autorizado dos membros do banco para 56,8%. presário, ex-apresentador de reality show e atual pre- 12 Grupo Alibaba: é um grupo de empresas com sede em
O Brasil participará como membro fundador deste banco. sidente dos Estados Unidos. Na eleição de 2016, Trump Hangzhou, China, de propriedade privada baseada em e-
(Nota da IHU On-Line) foi eleito o 45º presidente norte-americano pelo Partido commerce na internet, incluindo sites online de business-
9 Iniciativa Um Cinturão, Uma Rota: é considerada a Republicano, ao derrotar a candidata democrata Hillary to-business, serviços de varejo e pagamento online, um
maior façanha de infraestrutura da história da humanida- Clinton no número de delegados do colégio eleitoral; no motor de busca para compras e serviços de computação
de. Trata-se de um gigantesco programa de construção da entanto, perdeu no voto popular. Entre suas bandeiras es- na nuvem centrados em dados. (Nota da IHU On-Line)
China para recriar rotas comerciais da Ásia para a África tão o protecionismo norte-americano, por onde passam 13 Tencent: é o maior e mais utilizado portal de serviços
e a Europa. Pretende ser um instrumento para acelerar o questões econômicas e sociais, como a relação com imi- de internet da China. Desde a sua criação, na última dé-
crescimento econômico da Eurásia, gerando milhões de grantes nos Estados Unidos. Trump é presidente do con- cada, Tencent tem mantido um crescimento constante no
empregos, o que possibilitaria o aumento da classe média glomerado The Trump Organization e fundador da Trump âmbito das suas estratégias operacionais voltadas para o
asiática. Foi anunciada em 2013 e deu impulso a bilhões Entertainment Resorts. Sua carreira, exposição de marcas, usuário. Se tornou a quinta maior empresa de Internet do
de dólares em investimentos em ferrovias, estradas, por- vida pessoal, riqueza e modo de se pronunciar contribuí- mundo depois do Google, Amazon, Alibaba e Ebay a partir
tos e usinas de energia. (Nota da IHU On-Line) ram para torná-lo famoso. (Nota da IHU On-Line) de outubro de 2011. (Nota da IHU On-Line)

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

terá consequências negativas para mente. Mas, na verdade, no momen- Martin Jacques – Na verdade,
ambos os países e para o resto do to estou trabalhando num livro com- eram minhas férias. Eu já era escri-
mundo. Bem francamente, não pletamente novo. Vai levar alguns tor e editor, um tanto conhecido em
consigo ver como algo assim po- anos para eu apresentá-lo ao público. meu país e em outros países da Eu-
deria dar certo. E, de certo modo, ropa, mas nada muito além disso. Saí
provavelmente irá acelerar a as- de férias em 1993. Hoje não parece
censão da China e acelerar o declí- tão radical, mas na época foi: eu pas-
nio dos Estados Unidos. “A crise que sei pela China, Hong Kong, Malásia

IHU On-Line – A primeira


esperávamos e Singapura. Fiquei completamente
fascinado pelo que vi. Eu sabia dos

edição de seu livro, When Chi- para o sistema números, das estatísticas, mas ver é
crer. Essa experiência teve um im-
na Rules the World: The End
of the Western World and the político pacto enorme sobre mim. Lembro
de uma questão que me ocorrera na-
chinês está
Birth of a New Global Order14, queles dias: é tão moderno; estamos
é de 2009. Recentemente, foi no Ocidente? E isso, evidentemente,
lançada uma edição revisada e
ampliada. O que mudou no ce- essencialmente se transformou na primeira parte do
livro “When China Rules the World:
nário global e na China desde
a publicação da primeira edi- acontecendo The End of the Western World and
the Birth of a New Global Order”15.
ção e o que o forçou a pensar
na necessidade de atualizar no momento, Desde essas férias, não tive mais o
essa obra?
só que no desejo, o apetite de trabalhar no Oci-
dente. Queria descobrir o que estava
Martin Jacques – Concluí o livro
em 2008, começo de 2009. Lembre- Ocidente” acontecendo na Ásia Oriental, não
particularmente na China. A China
mos que ainda vivíamos o período da
fazia parte, apenas. Mas, na medida
crise financeira. Eu, portanto, estava à
34 espera de saber qual seria o impacto da
em que adentrei, que comecei a tra-
IHU On-Line – Como vê a cri- balhar, percebi que a China – naque-
crise. Vivíamos um momento muito
la época eu tinha interesse na China
importante da história ocidental con- se financeira internacional dez
antiga – claramente seria a história
temporânea, com consequências pro- anos depois?
central. Então, o centro de gravida-
fundas. Então, enquanto os desenvol- Martin Jacques – Foi claramente de do meu pensamento progressiva-
vimentos ocidentais essencialmente
a crise mais importante, a mais séria mente se voltou para esse país.
estiveram estagnados economicamen-
desde 1931, dos países ocidentais. Ain-
te, a ascensão da China continuou. A Há uma segunda coisa que me
da hoje as economias ocidentais não
posição da China na economia global aconteceu naqueles dias: pela pri-
se recuperaram devidamente. As pon-
relativamente se acelerou. A economia meira vez na vida, me apaixonei à
tuações da taxa de juros estão extre-
tem duplicado de tamanho a cada sete primeira vista. Ela era da Malásia.
mamente baixas, ou próximas a zero,
anos. O padrão de vida tem se duplica- A minha relação com essa pessoa
na Europa toda. A economia ocidental
do a cada sete anos. muito me ensinou sobre as diferen-
está ainda em tratamento intensivo. A
ças, sobre a importância das etnias,
Obviamente o resultado na China é dívida ainda é um problema nas eco-
e assim por diante. Tragicamente,
uma transformação drástica tremen- nomias ocidentais. Portanto, olhando
quando vivíamos em Hong Kong ha-
da. Achei que deveria trazer alguns hoje, vejo que a crise foi um evento via dois anos e meio, ela faleceu aos
destes desdobramentos na segunda singularmente importante. A instabili- 33 anos, num hospital como resulta-
edição. Eu o fiz em 2012 e foi essen- dade política que se pode ver hoje nos do da discriminação racial. Os chine-
cialmente um processo de atualiza- países ocidentais é um produto dire- ses de Hong Kong podem ser muito
ção, elaboração, desenvolvimento de to da crise financeira. Claro, como já racistas. Acabou sendo uma tragédia
certos argumentos. Então também mencionado, ela acelerou a ascensão horrível. A minha relação com ela
escrevi um novo capítulo de abertu- da China, acelerou esta mudança glo- me ensinou a ver o mundo de uma
ra para a segunda edição chinesa em bal profunda do Ocidente para a China.
2016, que buscou trazer a mudança maneira muito mais complexa... Foi
Foi um evento de extrema importância. possível romper com a mentalidade
da era Deng até a era Xi, na China.
ocidental, com a mentalidade branca
Hoje, eu poderia reescrever o livro. a respeito do mundo.■
IHU On-Line – O seu interes-
O pensamento se move tão rapida-
se pela China começou de for-
14 Em tradução livre, Quando a China governa o mundo: ma inusitada. Gostaria que nos
o fim do mundo ocidental e o nascimento de uma nova contasse o que despertou sua 15 Quando a China governa o mundo: o fim do mundo
ordem global. Penguin Books, 2009 (1 Edição), Penguin ocidental e o nascimento de uma nova ordem global, em
Books, 2012 (2 Edição) atenção para esse país. tradução livre. (Nota da IHU On-Line)

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

As lógicas de uma civilização introvertida,


mas conectada com o mundo
Para Gabriele Battaglia, a China emerge como potência
mundial sem impor seu mundo ao resto do planeta
Vitor Necchi | Tradução: Moisés Sbardelotto | Edição: João Vitor Santos

A
ascensão da China no cenário Vemos isso claramente na Ásia Central
geopolítico e na economia glo- e no Sudeste Asiático”, ressalva. Além
bal tem levado muitas pessoas a disso, o cimento que torna a China co-
buscar incansavelmente “o segredo do esa é o Partido Comunista. “Enquanto
sucesso chinês”. O problema é que en- o Partido for capaz de movimentar o
quanto os ocidentais escavam, a respos- motor do desenvolvimento, haverá ca-
ta pode estar bem mais aparente. Mas sos isolados de explosão de raiva mais
basta que se observe. É mais ou menos do que de rebelião, que podem ser con-
nessa linha que o jornalista Gabriele tidos”, analisa.
Battaglia analisa o grande dragão asiá-
Sobre esse medo ocidental de que a
tico quando se fala sobre um novo im-
China subverta suas lógicas e seus va-
pério global erguido pela China. “Não
lores, o jornalista dispara: “O Ocidente
creio que a China, ao contrário dos Es-
traiu a si mesmo e ao mundo em duas 35
tados Unidos, queira impor seu próprio
datas: 2003, com a infame e pretensio-
modelo ao mundo. É um país ou, me-
sa invasão do Iraque, que ainda hoje
lhor dizendo, uma civilização introver-
está produzindo morte e desestabili-
tida”, pontua. Para ele, o que o chinês
zação; e 2008, com a crise econômica
faz é observar o outro e apreender o que
global da qual a classe trabalhadora e
de melhor esse outro pode dar não para
parte da classe média pagaram a con-
transformá-lo, e sim para melhorar a
ta”. Por isso, nesse contexto, considera
sua própria realidade. “Quando a China
a China como uma “potência responsá-
fala de si mesma como ‘superpotência
vel”. “É o país que mais se beneficiou
global’, ela quer que lhe seja reconhe-
com o ‘livre mercado’, mas entendido
cido o papel que ela considera que lhe
à sua maneira”, avalia. “Ela não substi-
cabe: o de ‘centro do mundo’ ao qual se
tuirá os Estados Unidos para se tornar
deve respeito, mas depois cada um es-
a nova superpotência global. Em vez
colhe o modelo político, econômico etc.
disso, vamos rumo a um mundo multi-
que lhe parece melhor”, completa.
polar no qual ninguém poderá se dar ao
É por isso que Battaglia, na entrevis- luxo de impor uma agenda própria ou
ta concedida por e-mail à IHU On-Li- exportar uma ideologia própria, ven-
ne, diz que não acredita que a China dendo-a como universal”, completa.
vá impor, por exemplo, que o mundo
siga o confucionismo. “No entanto, Gabriele Battaglia é jornalista ita-
para defender os seus interesses, ela liano que vive em Pequim, correspon-
não terá escrúpulos em intervir tam- dente da Radiotelevisão Suíça e da Rá-
bém nos assuntos internos de outros dio Popolare, de Milão, na Itália.
países, ao contrário do que proclama. Confira a entrevista.

IHU On-Line – O que mais se dis- Gabriele Battaglia – Justamente Michelangelo Antonioni1 em Chung
cute em relação à China são ques- nestes dias, estou fazendo uma via-
tões estruturais e macros. Qual a gem ao interior da China para gra- 1 Michelangelo Antonioni (1912-2007): cineasta italiano.
realidade da população, no que se var um documentário que percorre Graduou-se em Economia na Universidade de Bolonha, na
Itália, e estudou no Centro Sperimentale di Cinematografia,
refere à qualidade de vida? os mesmos lugares percorridos por na Cinecittá. Seu primeiro grande sucesso foi A aventura

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

Kuo2, de 1972. Ainda outro dia, eu fa- um futuro potencialmente favorável do desenvolvimento, haverá casos iso-
lei com dois velhos agricultores de He- também aos 81 anos. lados de explosão de raiva mais do que
nan3, filiados desde sempre ao Partido de rebelião, que podem ser contidos.
É por isso que acredito que, enquan-
Comunista; eram os líderes do seu vila- A pergunta então é: já que o modelo
to o Partido conseguir garantir essa
rejo nos anos 1970. Um dos dois, de 71 que funcionou até agora chegou ao
abertura para o futuro, a promessa
anos, vive há cerca de um ano em um fim, a China será capaz de continuar
da qualidade de vida, mais do que a
moderno apartamento construído em movimentando o motor? Quando falo
própria qualidade, conseguirá gerir as de um modelo que chegou ao fim, re-
um prédio de 20 andares, justamente
contradições. firo-me àquele baseado no alto nível
ao lado do velho vilarejo. Ele está con-
tente, tem dois filhos que trabalham, dos investimentos, baixos salários, ex-
um na construção, o outro no comér- IHU On-Line – Parte do cresci- portações etc.
cio de bicicletas elétricas. Pois bem, mento econômico chinês se sus- Viu-se uma primeira contradição em
para ele, há uma continuidade de Mao tenta no imenso contingente po- Pequim há cerca de um ano, quando
Zedong4 e Xi Jinping5 no sinal do pro- pulacional que migrou das zonas houve uma grande onda de expulsões
gresso. “Hoje, Mao não iria bem, mas rurais para as grandes cidades, de migrantes rurais. A cidade já se
naquela época ia bem”, respondeu. “E o que gerou um exército de tra- concebe como metrópole-vitrine da
hoje temos o grande líder Xi Jinping.” balhadores com baixos salários. China, metrópole que deve atrair as
O outro ainda vive no antigo vilarejo A longo prazo, isso se mantém? excelências e não todos indiscrimina-
e é mais velho, tem 81 anos, enxerga O que pode gerar o fato de que damente, metrópole controlada e or-
pouco e caminha mal. Sua primeira milhões de pessoas vivem em denada, dividida em compartimentos
casa era de barro; aquela onde ele vive condições adversas de trabalho, estanques como agrada à nova classe
agora foi construída nos anos 1980 e é educação e saúde? média que quer ordem e o contínuo
de tijolos e cimento. No início do ano crescimento de valor das suas pro-
Gabriele Battaglia – Devemos priedades imobiliárias. Aqui se vê re-
que vem, ele irá ao encontro do seu nos entender bem sobre este ponto: é
amigo e companheiro no novo pré- almente como as diversas Chinas já
verdade que na China existe uma po- têm interesses divergentes. Eu acredi-
dio de 20 andares. Do barro aos 150 pulação de série A e de série B, há um
36 metros quadrados no 20º andar. Pois to que mesmo a virada mais autoritá-
apartheid estrutural, dado pelo fato ria do Partido, do qual a figura de Xi
bem, ele mede muito simplesmente de que a pessoa tem direitos e serviços
assim as mudanças dos últimos 40-50 Jinping é o símbolo, é funcional para
somente em seu local de residência (é uma fase em que será cada vez mais
anos. Nenhum arrependimento, ele vê o mecanismo do Hukou6, isto é, a per- difícil gerir as contradições. Manter a
missão de residência), razão pela qual situação sob controle enquanto se pre-
(1960) seguido por A noite (1961) e O eclipse (1962), que
compreendem uma trilogia sobre o tema da alienação. os migrantes que vão para a cidade ou para um novo salto tecnológico.
Os filmes mais notáveis de Antonioni mostravam a elite e
a burguesia urbana, além de descrever personagens ricos para outra província não têm os mes-
como pessoas vazias e sem alma. Em 1985, sofreu um aci- mos bens dos residentes (por exem-  
dente vascular cerebral que o deixou parcialmente para-
lítico e impossibilitado de falar. Sua carreira terminou em plo, a escola para os filhos). E é verda- IHU On-Line – O Ocidente, ao
2004, aos 92 anos, com o filme Eros. (Nota da IHU On-Line)
2 Chung Kuo, Cina: documentário italiano de 1972 diri- de que, de acordo com o índice Gini7, se erigir como civilização, con-
gido por Michelangelo Antonioni que narra as vidas dos a China é muito mais desigual do que sagrou ideias como democracia
chineses contemporâneos da classe trabalhadora. (Nota
da IHU On-Line) a Europa e provavelmente também do e humanismo. Se a China seguir
3 Henan: é uma província da República Popular da China.
Na província, próximo à capital, Zhengzhou, localiza-se o que os Estados Unidos. sua trajetória ascendente e virar
famoso templo budista Shaolin. (Nota da IHU On-Line) o grande império mundial, o que
4 Mao Zedong (1893-1976): comumente conhecido como Mas, mais uma vez, enquanto o Par- deve acontecer com esses valo-
Presidente Mao, foi um revolucionário comunista chinês que
se tornou o pai fundador da República Popular da China, que tido for capaz de movimentar o motor res ocidentais?
ele governou como o presidente do Partido Comunista da
China desde a sua criação em 1949 até sua morte em 1976.
Suas teorias, estratégias militares e políticas são coletivamen- 6 Hukou: é um sistema de registro doméstico na China Gabriele Battaglia – O Ocidente
te conhecidas como maoísmo. (Nota da IHU On-Line) continental e em Taiwan, embora o sistema em si seja
5 Xi Jinping (1953): nascido em Pequim, atual presidente da mais propriamente chamado de “ huji “ e tenha origens
traiu a si mesmo e ao mundo em duas
República Popular da China e secretário-geral do Partido Co- na China antiga. Um registro domiciliar identifica oficial- datas: 2003, com a infame e preten-
munista da China. Tem doutorado em Engenharia Química e mente uma pessoa como residente de uma área e inclui
Ciência Política. É atualmente o principal membro do Secre- informações de identificação como nome, pais, cônjuge siosa invasão do Iraque, que ainda
tariado do Partido Comunista Chinês, o presidente da China, e data de nascimento. Um hukou também pode referir-se
o diretor da Escola Central do Partido e o mais importante a um registro familiar e geralmente inclui os nascimentos,
hoje está produzindo morte e desesta-
membro do Comitê Permanente do Politburo, que é o órgão óbitos, casamentos, divórcios e movimentos de todos os bilização; e 2008, com a crise econô-
que controla o país. Filho do político comunista Xi Zhongxun, membros da família. (Nota da IHU On-Line)
Xi Jinping começou sua carreira política na província de Fu- 7 Coeficiente de Gini: é uma medida de desigualdade de- mica global da qual a classe trabalha-
jian e foi posteriormente escolhido como chefe do partido na senvolvida pelo estatístico italiano Corrado Gini, e publicada dora e parte da classe média pagaram
província vizinha de Zhejiang, depois promovido a chefe do no documento “Variabilità e mutabilità” (“Variabilidade e
partido de Xangai após a demissão de Chen Liangyu. Conhe- mutabilidade” em italiano), em 1912. É comumente utilizada a conta, sem que se tocasse em um fio
cido por suas posturas liberais, duro combate à corrupção para calcular a desigualdade de distribuição de renda mas
e uma franqueza e abertura quanto a reformas políticas e pode ser usada para qualquer distribuição. Ele consiste em de cabelo dos verdadeiros culpados,
econômicas, é o destacado líder emergente da quinta ge-
ração de líderes da República Popular da China. Assumiu o
um número entre 0 e 1, onde 0 corresponde à completa
igualdade de renda (português brasileiro) ou rendimento
revelando que o “livre mercado” e as
cargo de presidente da China no dia 15 de março de 2013, (português europeu) (onde todos têm a mesma renda) e 1 suas promessas falharam. O Ocidente
sucedendo Hu Jintao. Foi nomeado como uma das pessoas corresponde à completa desigualdade (onde uma pessoa
mais influentes do mundo em 2009, 2011 e 2012 pela revista tem toda a renda (português brasileiro) ou rendimento (por- não é mais credível. Infelizmente, essa
Time. Em 2017, foi eleito pelo The Economist o homem mais tuguês europeu), e as demais nada têm). O índice de Gini estrondosa queda do “pensamento
poderoso do mundo. Em 2018, o parlamento chinês aprovou é o coeficiente expresso em pontos percentuais (é igual ao
o mandato vitalício a Xi Jinping. (Nota da IHU On-Line) coeficiente multiplicado por 100). (Nota da IHU On-Line) único”, com a qual deveríamos apenas

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

nos alegrar, não está, neste momento, estrangeiros sob desculpas frá- evidencia descomprometimento
dando lugar para uma ideia emancipa- geis, interferissem na política de em relação à aliança estratégica
tória, mas sim ao medo, às nostalgias outros países e refutassem acor- com a Europa. Por que isso ocor-
retrospectivas das pequenas pátrias e, dos de preservação ambiental, re? A China tem influência nesse
portanto, à potencial guerra de todos por exemplo. A situação deve se reposicionamento?
contra todos. agravar se a China, que despre-
Gabriele Battaglia – Não sou
za valores como democracia, se
A China, nesse contexto, está desem- especialista em coisas estaduniden-
tornar líder mundial?
penhando o papel de “potência res- ses, mas me parece que a intenção
ponsável”, porque é o país que mais se Gabriele Battaglia – Não creio de Trump é precisamente a de evitar
beneficiou com o “livre mercado”, mas que a China, ao contrário dos Esta- que a China dê o próximo salto tecno-
entendido à sua maneira, isto é, com dos Unidos, queira impor seu próprio lógico para minar os Estados Unidos
“características chinesas”, ou seja, modelo ao mundo. Ela não tem uma como superpotência da inovação. E eis
nem tão livre. Ela não substituirá os intenção evangelizadora, ao contrário, a guerra comercial que vai afetar jus-
Estados Unidos para se tornar a nova quer continuar garantindo a si mesma tamente os setores do “Made in China
superpotência global. Em vez disso, estabilidade interna e, portanto, de- 2025”, o grande programa de desen-
vamos rumo a um mundo multipo- senvolvimento. É um país ou, melhor volvimento dos setores-chave da ino-
lar no qual ninguém poderá se dar ao dizendo, uma civilização introverti- vação em torno do qual gira a grande
luxo de impor uma agenda própria ou da. Quando a China fala de si mesma aposta de Pequim para o futuro. Nis-
exportar uma ideologia própria, ven- como “superpotência global”, ela quer so, eu acredito que os chineses têm
dendo-a como universal. Só podemos que lhe seja reconhecido o papel que razão: Trump não quer concessões no
nos alegrar com isso. ela considera que lhe cabe: o de “cen- comércio, Trump quer cortar as asas
tro do mundo” ao qual se deve respei- para a China, exercer a contenção.
Infelizmente, não me parece que a to, mas depois cada um escolhe o mo-
Europa seja capaz de competir nesse delo político, econômico etc. que lhe  
grande jogo, precisamente por causa parece melhor. IHU On-Line – O presidente Xi
da sua falta de unidade. A América Jinping manifesta que, do Oci-
do Sul era uma grande esperança até Eu não acredito que os chineses este- dente, interessa-se apenas pela
alguns anos atrás; agora parece-me jam tão iludidos a ponto de pensar que ciência e pelo mercado, descon-
37
mais terra de conquista, com grande o resto do mundo pode se tornar con- siderando a cultura ocidental
pesar. Os valores ocidentais já não fa- fuciano. No entanto, para defender os como um todo, em particular
lam muito mais a boa parte do mun- seus interesses, ela não terá escrúpu- as ciências humanas. O que isso
do, são atacados até em sua casa. Mas, los em intervir também nos assuntos significa?
aliás, o que se entende por “valores internos de outros países, ao contrário
do que proclama. Vemos isso clara- Gabriele Battaglia – É uma velha
ocidentais”? Se entendermos a famo-
mente na Ásia Central e no Sudeste história. Mesmo quando a China, em
sa tríade liberté, fraternité, egalité, eu
Asiático, por exemplo. O instrumento boa parte, era colônia do Ocidente,
digo que não existe nenhuma liberté
principal, obviamente, é a moeda, os havia correntes de pensamento den-
sem egalité, nunca. Há muito tempo
investimentos, mas as pressões políti- tro e fora da corte Qing9 que queriam
nos esquecemos disso, e isso está na
cas também não faltam. a “caixa de ferramentas” ocidental,
raiz dos males que nos afligem hoje. É
mantendo, porém, a filosofia chinesa.
preciso mais igualdade por toda a par-
Também é legítimo, em certa medida,
te, aí está a chave. Uma igualdade na
IHU On-Line – O presidente dos mas eu me pergunto como isso é pos-
diversidade. Quem encontrar a chave
Estados Unidos, Donald Trump8, sível no mundo globalizado. ■
para manter unidas igualdade e di-
versidade sobre fortes bases materiais 8 Donald Trump (1946): Donald John Trump é um empre- 9 Dinastia Qing: última dinastia imperial da China, governan-
será o Marx do século XXI. sário, ex-apresentador de reality show e atual presidente dos do por 268 anos (de 1644-1912) com uma breve restauração
Estados Unidos. Na eleição de 2016, Trump foi eleito o 45º abortiva em 1917. Foi precedida pela dinastia Ming e sucedida
presidente norte-americano pelo Partido Republicano, ao pela República da China. Esta dinastia teve início quando os
IHU On-Line – O fato de os Es- derrotar a candidata democrata Hillary Clinton no número de manchus invadiram o norte da China em 1644 e derrotaram a
tados Unidos se autointitularem delegados do colégio eleitoral; no entanto, perdeu no voto
popular. Entre suas bandeiras estão o protecionismo norte-a-
dinastia Ming. Desta região, os manchus expandiram a dinas-
tia para a China propriamente dita e os territórios circundantes
democráticos e defensores das mericano, por onde passam questões econômicas e sociais, da Ásia central, estabelecendo o Império do Grande Qing (em
como a relação com imigrantes nos Estados Unidos. Trump é pinyin: Dà Qīng Dìguó). A Qing foi a última dinastia imperial da
liberdades individuais não im- presidente do conglomerado The Trump Organization e fun- China; os seus imperadores ocuparam a sua capital entre 1644
pediram que, em plenos séculos dador da Trump Entertainment Resorts. Sua carreira, exposi-
ção de marcas, vida pessoal, riqueza e modo de se pronunciar
e 1912, quando, no seguimento da Revolução Xinhai, uma re-
pública foi estabelecida e o último imperador da China, Pǔyí
XX e XXI, invadissem territórios contribuíram para torná-lo famoso. (Nota da IHU On-Line) Xiānsheng, abdicou. (Nota da IHU On-Line)

Leia mais
- China: outro modelo neoliberal ou outra forma de mercado? Um debate entre Gaia Pe-
rini e Gabriele Battaglia, reproduzida nas Notícias do Dia de 10-8-2018, no sítio do Instituto
Humanitas Unisinos - IHU, disponível em http://bit.ly/2w4LtJo.

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

Da união do privado com o Estado,


uma outra ideia de império
Para Elias Jabbour, a receita do sucesso da China está na soma
de esforços que permite a socialização do investimento que
constitui um império sem imposições imperialistas
Ricardo Machado | Edição: João Vitor Santos

O
fato de a China ter passado pela neidade é o Partido Comunista. Com
crise econômica mundial de relação à política externa, o professor
2008 sem grandes problemas diz que nem de perto se aproxima do
não se dá ao acaso. Para o professor e conceito de imperialismo, como co-
geógrafo Elias Marco Khalil Jabbour, nhecemos a partir da lógica dos Esta-
um dos motivos é o país ter conseguido dos Unidos. Para ele, é “um exemplo
“todas as condições para que pacotes de comércio exterior como ente públi-
de estímulo fiscal e intervenções em co, estatal e planificado”. Assim, por
massa do Estado na economia ocor- um lado, a China se fortalece como um
ram em paralelo com o setor privado”. grande império, mas, por outro, não
Ou seja, houve uma soma de esforços está preocupada em impor suas lógi-
entre Estado e iniciativa privada para cas a outros mundos. “Sua dinâmica de
manter a robustez chinesa, sem medo desenvolvimento é oposta ao do verda-
38 nem repulsa de um pelo outro. “No deiro imperialismo (Estados Unidos).
Ocidente, criou-se a falácia que opõe Chamar a China de imperialista é como
Estado e mercado, onde o Estado só colocar um sinal de igualdade entre ela
pode comparecer para salvar institui- e os Estados Unidos”, dispara.
ções financeiras e não provocar polí-
ticas anexas ao Princípio da Demanda Elias Marco Khalil Jabbour
Efetiva”, contrapõe, ao demonstrar possui graduação em Geografia pela
que o dragão asiático rompe com essa Universidade de São Paulo - USP, e
lógica e apresenta outra saída. “A so- mestrado e doutorado em Geografia
brevivência chinesa deve-se também Humana também pela USP. É profes-
ao competente comando do Estado por sor adjunto da Faculdade de Ciências
um poderoso Partido Comunista que Econômicas da Universidade do Esta-
detém as chaves dos grandes bancos e do do Rio de Janeiro - UERJ e de seu
de seus 149 conglomerados empresa- Programa de Pós-Graduação em Ciên-
riais estatais”, acrescenta. cias Econômicas. Ainda foi assessor
econômico da Presidência da Câma-
Na entrevista a seguir, concedida por
ra dos Deputados. É autor de China
e-mail à IHU On-Line, Jabbour ain-
Hoje: Projeto Nacional, Desenvolvi-
da enfatiza: “a China não é capitalista,
nem imperialista”. Para ele, ocorre o mento e Socialismo de Mercado (São
chamado “Estado socialista hegemoni- Paulo: Anita Garibaldi, 2012).
zado”, cujo ponto forte dessa homoge- Confira a entrevista.

IHU On-Line – O senhor pode- Elias Marco Khalil Jabbour – definir a dinâmica asiática de desen-
ria descrever o que é o chama- Como não sou fã do termo “padrão” volvimento como um processo mar-
do “padrão asiático de desen- (faz parecer o desenvolvimento como cado pelo alcance de uma completa
volvimento”? algo estático, não dinâmico), vou mudança estrutural pela via da di-

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

“No Ocidente, criou-se a falácia


que opõe Estado e mercado”

versificação industrial, estratégia de A possibilidade de executar polí- IHU On-Line – Politicamen-


inserção internacional, substituição ticas intrínsecas à “socialização do te comunista e comercialmen-
de importações e estímulo às expor- investimento” demanda a existência te capitalista, até que ponto a
tações manufatureiras e amplo papel de duas pernas na economia: o Es- categoria do “imperialismo” é
do Estado, em intimidade com o se- tado e o setor privado. No Ocidente, capaz de explicar a posição da
tor privado nacional, em planificar, criou-se a falácia que opõe Estado China no cenário global?
gerir, coordenar a “grande estratégia” e mercado, onde o Estado só pode
Elias Marco Khalil Jabbour
e criar todas as condições institucio- comparecer para salvar instituições
– A China não é capitalista, nem
nais necessárias para que o desen- financeiras e não provocar políticas
imperialista. Trata-se de um Esta-
volvimento econômico ocorra com anexas ao Princípio da Demanda
do socialista hegemonizado pelo
mudanças para servir de base às cha- Efetiva. O setor privado no Ociden-
Partido Comunista e detentor dos
madas “soluções de continuidade”. te não tolera o Estado. Tem medo da
meios estratégicos de produção.
presença do Estado na economia. A
Sobre sua postura externa, eu ca- 39
sobrevivência chinesa deve-se tam-
IHU On-Line – Passados 10 racterizo como um exemplo de co-
bém ao competente comando do
anos da crise financeira mun- mércio exterior como ente público,
Estado por um poderoso Partido
dial, parece que a China foi o estatal e planificado. A China não
Comunista que detém as chaves dos
país que conseguiu sobreviver exporta guerras, não exporta recei-
grandes bancos e de seus 149 conglo-
melhor aos impactos globais tas econômicas destruidoras como
merados empresariais estatais. Por
da recessão. É verdadeira essa as patrocinadas pelos Estados Uni-
fim, a inauguração, também, cíclica,
impressão? A que se deve a me- dos (neoliberalismo), não exporta
de novas e superiores formas de pla-
lhor sobrevivência chinesa? fome. Sua dinâmica de desenvol-
nejamento ao longo do tempo é fun-
vimento é oposta ao do verdadei-
Elias Marco Khalil Jabbour damental à dinâmica chinesa.
ro imperialismo (Estados Unidos).
– Se deve a inúmeros motivos. Um Chamar a China de imperialista é
deles é o fato de ter conseguido criar, como colocar um sinal de igualda-
IHU On-Line – Como a China
nos últimos 40 anos, todas as con- de entre ela e os Estados Unidos.
reorganizou sua posição no ce-
dições para que pacotes de estímulo
nário geopolítico internacional
fiscal e intervenções em massa do
nas últimas décadas? IHU On-Line – Há uma ques-
Estado na economia ocorram em
paralelo com o setor privado. A iro- Elias Marco Khalil Jabbour tão muito sensível em relação à
nia da história é que o único país do – Se reorganizou tendo como mé- China, que é a sua dependência
mundo capaz de colocar em prática todo seus interesses estratégicos de de outros países em relação aos
o que Keynes1 chamava de “sociali- curto, médio e longo prazos. Desde insumos industriais primários.
zação do investimento” é um estado uma posição defensiva no intento de Como é possível o Brasil se de-
de caráter socialista. atrair capital, tecnologia e métodos senvolver numa relação bilate-
avançados de administração até uma ral sendo fornecedor de com-
postura mais ofensiva como vemos modities?
1 John Maynard Keynes (1883-1946): economista e fi-
nancista britânico. Sua Teoria geral do emprego, do juro e hoje: uma potência financeira que se Elias Marco Khalil Jabbour –
do dinheiro (1936) é uma das obras mais importantes da
economia. Esse livro transformou a teoria e a política eco- dispõe a ligar – por terra e mar – o Não é possível se desenvolver depen-
nômicas, e ainda hoje serve de base à política econômica mundo sob o acicate do Projeto da dendo de preços formados fora do
da maioria dos países não comunistas. Confira o Cader-
nos IHU ideias nº 37, As concepções teórico-analíticas e as Nova Rota da Seda2.
proposições de política econômica de Keynes, de Fernando
Ferrari Filho, disponível em http://bit.ly/ihuid37. Leia, tam-
bém, a edição 276 da revista IHU On-Line, de 6-10-2008, 2 Nova Rota da Seda: no dia 14 maio de 2017, o presi- A ideia é reeditar a antiga rota formada ainda no Mundo
intitulada A crise financeira internacional. O retorno de Ke- dente da China, Xi Jinping, discursou no Fórum de aber- Antigo, que interligava rotas comerciais através da Ásia do
ynes, disponível para download em http://bit.ly/ihuon276. tura sobre a “Nova Rota da Seda”, por meio do qual anun- Sul, usadas no comércio da seda entre o Oriente e a Euro-
(Nota da IHU On-Line) ciou o investimento de 70 bilhões de dólares no projeto. pa. (Nota da IHU On-Line)

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

país, o que nos fragiliza diante das o verdadeiro “Príncipe Moderno”. limite: lidar com um país com estra-
fases descendentes do ciclo econô- tégia clara sem que tenhamos nosso
mico. O problema do Brasil não é a próprio projeto nacional.
China. É a renúncia de ser uma nação IHU On-Line – Como o senhor
por inteiro. É a renúncia ao gigantis- caracteriza o interesse da Chi-
mo. É a fragilidade ideológica de uma na pelo Brasil? IHU On-Line – O senhor acre-
burguesia e classe média que odeiam o dita que há qualquer possibili-
Elias Marco Khalil Jabbour –
nosso país e nosso povo. Sentem ver- dade de transferência do pro-
Interesse político e estratégico com o
gonha de serem brasileiros. cesso produtivo da China para
maior país da América Latina, um país
o Brasil ou América Latina?
cheio de possibilidades e potencial de
complementaridade à economia chi- Elias Marco Khalil Jabbour –
IHU On-Line – Segundo algu-
nesa. Um grande destino de utilização De alguma forma já existe, como no
mas informações que podem
de capacidades produtivas ociosas na caso do projeto de uma planta side-
ser apuradas pela imprensa e
por pessoas que visitam a Chi- China. Afora as matérias-primas e pe- rúrgica chinesa no Maranhão. Mas
na, o Partido Comunista chinês tróleo cujo governo entreguista de Mi- não saberia dizer qual a escala de
está imerso em todos os espa- chel Temer está oferecendo quase que uma possível transferência de plan-
ços. De que forma podemos de graça aos chineses, como no caso tas industriais para cá.
compreender a dinâmica do do setor elétrico.
poder na China? IHU On-Line – De que forma
Elias Marco Khalil Jabbour – IHU On-Line – Quais são as a China, de certa maneira, deu
De forma simples, sem ser simplista: potencialidades e os limites suporte aos governos progres-
nem a lei da gravidade age naquele de uma parceria entre Brasil e sistas latino-americanos?
país sem a autorização do Partido Co- China? Elias Marco Khalil Jabbour –
munista. É a força política legitimada Não diria que ela deu suporte, mas
Elias Marco Khalil Jabbour –
ao exercício do poder nacional. Sem o
As possibilidades estratégicas con- manteve os padrões de troca favo-
Partido Comunista, não existiria essa
40 tra-hegemônicas são imensas, mas ráveis à América Latina por muito
China a que assistimos hoje. É o cha-
estão paralisadas diante do golpe de tempo. Mas o mais importante foi a
mado, na feliz expressão de Gramsci3,
estado recente no Brasil. Daí o nosso demonstração de que não existe mo-
3 Antonio Gramsci (1891-1937): filósofo marxista, jor-
delo único de economia, a neolibe-
nalista, crítico literário e político italiano. Escreveu sobre proletariado pela “hegemonia” do proletariado, dando ral. Esse foi o grande suporte chinês
teoria política, sociologia, antropologia e linguística. Com ênfase à direção intelectual e moral em detrimento do
Togliatti, criou o jornal L’Ordine Nuovo, em 1919. Secre- domínio do Estado. Sobre esse pensador, confira a edição à América Latina. A demonstração
tário do Partido Comunista Italiano (1924), foi preso em
1926 e libertado em 1937, dias antes de falecer. Nos seus
231 da IHU On-Line, de 13-8-2007, intitulada Gramsci, 70
anos depois, disponível em http://www.ihuonline.unisinos.
da existência de alternativas à bar-
Cadernos do cárcere, substituiu o conceito da ditadura do br/edicao/231. (Nota da IHU On-Line) bárie neoliberal.■

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

Uma nova configuração geopolítica que


supera a divisão Oriente X Ocidente
Para Andrea Fumagalli, divisões do momento da Guerra Fria
já podem estar superadas. Agora, capitaneado pela China,
o mundo pode se dividir na disputa entre Norte e Sul
João Vitor Santos | Tradução: Ramiro Mincato

S
ão muitos os pesquisadores que América do Sul (Brasil principalmen-
questionam a divisão do mundo te)”. Além disso, combalida por crises
entre Oriente e Ocidente. Entre- econômicas e uma nova onda de nacio-
tanto, do ponto de vista da economia, nalismos que fragiliza sua unificação,
essa ainda era uma chave que vinha sen- a Europa tende a ficar à deriva entre
do importante para se compreender as os dois novos polos. “A Europa arrisca
lógicas que orientam perspectivas eco- encontrar-se como o clássico pote de
nômicas de um e de outro lado do globo. barro no meio de panelas de ferro. A
Mas a ascensão chinesa no cenário ge- principal razão é que a construção de
opolítico e seu “capitalismo de Estado” uma Federação dos Estados Europeus
tem tensionado um redesenho dessas ainda está completamente inacabada e
lógicas. Para o professor de Economia, o longe de acontecer”, analisa.
italiano Andrea Fumagalli, é bem possí-
Andrea Fumagalli é doutor em Eco- 41
vel que o mundo possa ser visto desde a
nomia Política pela Università Bocconi
lógica de países do Norte versus as pers-
e Università Cattolica di Milano, Milão,
pectivas de nações ao Sul. “As adulações
graduado em Economia e Ciências So-
entre a nova administração dos Estados
Unidos, Grã-Bretanha e a Rússia de Pu- ciais pela mesma instituição e posterior-
tin podem formar um eixo geoeconômi- mente desenvolveu atividades de pesqui-
co ao longo do hemisfério Norte”, expli- sa em parceria com a École des Hautes
ca. Para ele, esse novo alinhamento não Études en Sciences Sociales, em Paris, e
significaria mais “um Norte desenvol- a New School for Social Research (Nova
vido e um subdesenvolvimento do Sul, York). Professor no Departamento de
mas entre áreas totalmente desenvolvi- Economia Política e Método Quantitativo
das com interesses conflitantes”. da Faculdade de Economia e Comércio da
Università di Pavia, Itália. Entre suas pu-
Na entrevista a seguir, concedida por
blicações, destacamos o artigo O concei-
e-mail à IHU On-Line, Fumagalli
to de subsunção do trabalho ao capital:
ainda explica que a saída dos Esta-
rumo à subsunção da vida no capitalis-
dos Unidos do Tratado Transpacífico
mo biocognitivo, publicado no Cadernos
também é mais um fator que facili-
IHU ideias número 246, disponível em
taria o estabelecimento de um outro
http://bit.ly/2L13Ucs . Em 2017, pu-
eixo geopolítico. Este contemplaria “o
blicou Economia politica del Comune.
fortalecimento de acordos comerciais
Sfruttamento e sussunzione nel capita-
entre a própria China, a Austrália e o
lismo bio-cognitivo [Economia política
Japão (agora órfão dos EUA), ao longo
do Comum. Exploração e subsunção no
de um eixo austral do Trópico de Ca-
pricórnio, que vê como protagonistas, capitalismo biocognitivo] (Roma: Derive
além da China, África do Sul, parte do Approdi, dezembro de 2017).
continente sul-africano e os países da Confira a entrevista.

IHU On-Line – Como a China modo sua posição foi diferente Andrea Fumagalli – A China
enfrentou a grande crise eco- da tomada pelo Ocidente diante sofreu a crise financeira global de
nômica de 2007-2008? De que do problema? 2007-8 em menor escala devido à

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

menor internacionalização de seus excede 3 trilhões de dólares. Mas o são cada vez mais capazes de subver-
mercados financeiros e devido à jogo ainda não terminou, e a China ter a própria indústria dos big data,
disponibilidade de grandes reservas tem potencialidades acima dos EUA e, nesta nova frente, a China poderia
cambiais e monetárias, graças a seu e da Europa, seja pela maior estabi- jogar papel importante.
superávit comercial com o resto do lidade cambial, seja pela maior ba-
mundo. Além disso ela pode contar cia demográfica (elemento essencial
IHU On-Line – Há alguns
com o apoio de uma política mone- para a coleta de dados).
anos, a aproximação política
tária complacente e intimamente
entre Estados Unidos e Rússia
ligada às políticas de investimento
seria impensável. No entan-
ditadas em nível de Estado pela pro-
gramação econômica. “A Europa to, os dois países, além da Grã
-Bretanha, estão cada vez mais
O risco China, se há, é de natureza arrisca alinhados. Isto seria uma res-

encontrar-
oposta à dos países ocidentais, dos posta à China que se mobiliza
EUA e da Europa em particular, ou em vista da construção de um
seja, excesso de liquidez que permi-
te fácil acesso ao crédito e a criação se como o eixo capitaneado por ela? E o
que se pode esperar dessa ten-
de bolhas especulativas sobre os in-
vestimentos de médio prazo, como o clássico pote são de forças?
Andrea Fumagalli – Creio que
dos imóveis. De fato, a China sofreu
grave crise financeira com o colap- de barro nunca antes EUA e Rússia foram tão
so dos índices de ações de Xangai e
Hong Kong, no verão de 2010, após
no meio semelhantes e potenciais aliados,
como após a eleição de Trump1 nos
o estouro da bolha imobiliária es-
peculativa em Hong Kong e nas Fi-
de panelas EUA. Do ponto de vista ideológico,
nacionalismo e protecionismo eco-
lipinas. Isso ocorreu depois de um
crescimento recorde das bolsas de
de ferro” nômico (isto é, políticas soberanas)
são dois elementos centrais para
ambos definirem suas políticas eco-
42 valores chinesas, nos três anos an-
teriores, quando, em vez disso, os nômicas. Apesar das escaramuças
países do Ocidente viviam em plena IHU On-Line – Outra área em no plano geopolítico internacional,
tempestade financeira. que a China pretende ultrapas- e pela velha questão do controle de
sar os Estados Unidos é a ex- energia, os dois países têm interes-
ploração dos big data. Em um ses comuns, a saber, lutar contra o
IHU On-Line – Em detrimento mundo cada vez mais digitali- crescimento econômico, tecnológi-
dos Estados Unidos e da Euro- zado, controlado e supervisio- co e, no futuro, talvez, financeiro da
pa, a China procura sua supre- nado, qual é o efeito dessa pre- China.
macia econômica, tecnológica tensão chinesa?
e logística. Que mundo se pode Se a globalização econômica atin-
esperar deste cenário? Andrea Fumagalli – Como men- giu seus limites, mesmo em termos
cionado na resposta anterior, hoje, de redistribuição de renda, tanto
Andrea Fumagalli – Difícil de o setor de big data permanece soli- intranacional como entre países, a
responder. Ter supremacia econô- damente nas mãos dos EUA. Mas a globalização política passa por pro-
mica, tecnológica e logística não é tecnologia contemporânea é caracte- funda redefinição. É somente neste
suficiente para definir as trajetórias rizada por um alto grau de cumula- nível que se pode, talvez, falar de um
globais de maneira unilateral. O ca- tividade, que permite a intercalação processo de desglobalização políti-
pitalismo contemporâneo é um ca- das corporações que estão na fron- ca em curso, que não deve ser con-
pitalismo em que a financeirização teira tecnológica. Se alguém é hoje, fundida com a econômica. Dizemos
desempenha papel estratégico e os não significa que será amanhã. “talvez”, não só porque é cedo de-
mercados financeiros, pelo menos mais para definir com certeza as ten-
por enquanto, são controlados por Além disso, estamos assistindo a
dências dominantes em progresso,
um punhado de multinacionais fi- uma possível difusão de um novo pa-
nanceiras localizadas no Ocidente. radigma tecnológico, que tem a ver 1 Donald Trump (1946): Donald John Trump é um empre-
Também nos setores estratégicos da não apenas com dados, mas, cada vez sário, ex-apresentador de reality show e atual presidente
dos Estados Unidos. Na eleição de 2016, Trump foi eleito
coleta, manipulação e distribuição mais, com a vida humana. Isso pode o 45º presidente norte-americano pelo Partido Republi-
cano, ao derrotar a candidata democrata Hillary Clinton
de big data, le corporations princi- significar que corpo e mente, e não no número de delegados do colégio eleitoral; no entanto,
pais são ainda made in USA. Não é apenas o comportamento, tornam-se perdeu no voto popular. Entre suas bandeiras estão o pro-
tecionismo norte-americano, por onde passam questões
coincidência que os big five (Apple, cada vez mais a base para extração de econômicas e sociais, como a relação com imigrantes nos
Estados Unidos. Trump é presidente do conglomerado The
Amazon, Alphabet-Google, Face- dados. O desenvolvimento da biotec- Trump Organization e fundador da Trump Entertainment
book, Microsoft) tenham atingido nologia, novas técnicas de procriação Resorts. Sua carreira, exposição de marcas, vida pessoal,
riqueza e modo de se pronunciar contribuíram para torná
uma capitalização de mercado que e manipulação artificial do genoma -lo famoso. (Nota da IHU On-Line)

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

mas também, e sobretudo, porque o cerbada pelo pedido, levado adiante dade da moeda, e assim da inflação,
que parece delinear-se no horizonte, pelo governo chinês, de poder pagar redefiniu uma hierarquia econômica
mais do que um retorno tradicio- o petróleo (de acordo com a Arábia capitalista que, no eixo Paris-Berlim,
nal à soberania nacional (não mais Saudita) em Yuan em vez de dólar. implementou aquela reestruturação
possível, devido ao alto nível de in- Consequentemente a primazia do social que consentiu no desmante-
terdependência em nível econômico dólar como moeda de referência in- lamento dos sistemas de proteção
e financeiro), é uma redefinição das ternacional pode ser questionada. social e dos direitos trabalhistas, no
configurações geopolíticas em nível agravamento da distribuição de ren-
No entanto, é prematuro pensar
internacional. A decisão de Trump da, na pilhagem da natureza e dos
(embora não impossível) que os pe-
de retirar-se do tratado do Trans- bens comuns. Nesse contexto, a Eu-
trodólares podem transformar-se
pacífico Livre (TTP, que não incluía ropa não possui uma autonomia geo-
progressivamente em petroyuan3.
a China entre seus membros), pode política em escala global. Não possui
É um sinal, no entanto, de que as
facilitar o estabelecimento de um uma política tecnológica senão aque-
novas economias capitalistas do
novo eixo geopolítico, que contem- la imposta pelas Cadeias Globais de
Sul, a reboque da China, depois de
pla o fortalecimento de acordos co- Valor, não possui uma política social
conquistar autonomia econômica e
merciais entre a própria China, a enquanto subordinada às restrições
tecnológica, estejam minando a su-
Austrália e o Japão (agora órfão dos do pacto de estabilidade, e não tem
premacia financeira das bolsas nor-
EUA), ao longo de um eixo austral uma política monetária em nome da
te-americanas e ocidentais.
do Trópico de Capricórnio, que vê ideologia do livre comércio global.
como protagonistas, além da China,
África do Sul, parte do continente sul IHU On-Line – A ideia de uma Efeitos da crise econômica
-africano e os países da América do Europa próspera e estratégica
Sul (Brasil principalmente). enfraqueceu ante a reconfigu- No período pós-crise de 2007-8, tal
ração política e econômica em carência de autonomia política au-
Por outro lado, as adulações entre mentou, com efeitos negativos sobre
curso? Por quê?
a nova administração dos Estados o papel da Europa na gestão de uma
Unidos, Grã-Bretanha e a Rússia de Andrea Fumagalli – A Europa política externa unitária e de uma
Putin2 podem formar um eixo geo- arrisca encontrar-se como o clássi- política econômica credível. De fato, 43
econômico ao longo do hemisfério co pote de barro no meio de panelas as escolhas estratégicas no tabuleiro
norte. Desta forma, a configuração de ferro. A principal razão é que a de xadrez global ainda são decididas
geopolítica poderia assumir aparên- construção de uma Federação dos em nível de Estado-nação. A gestão
cia completamente nova. Não mais a Estados Europeus ainda está com- dos fluxos migratórios é emblemá-
clássica divisão entre Oriente e Oci- pletamente inacabada e longe de tica nesse sentido. Neste contexto,
dente, legado da Guerra Fria e do acontecer. A união monetária não é para além de algumas exceções, a
século passado, mas entre Norte e suficiente, ao contrário. A história Europa corre o risco de se tornar
Sul do mundo, de maneira comple- nos ensinou que o processo de uni- uma terra de colonização da China
tamente nova: não mais entre um ficação de territórios historicamente (por exemplo, o setor de logística e
Norte desenvolvido e um subdesen- diferentes requer, antes de tudo, um controle dos principais portos do Pi-
volvimento do Sul, mas entre áreas processo de convergência para um reu a Rotterdam) e dos EUA (biotec-
totalmente desenvolvidas com inte- modelo único de governança, de po- nologia e big data).
resses conflitantes. líticas sociais, fiscais, ocupacionais,
tecnológicas e industriais. E só de-
O ingrediente instabilidade pois, a homogeneização das políticas IHU On-Line – O crescente
econômica monetária e cambiais. poder econômico chinês acar-
reta riscos ou benefícios para o
À consequente instabilidade po- Na Europa, decidiu-se fazer o con- resto do mundo? De que natu-
lítica, juntamente com os teatros trário, usando a moeda única e a reza?
de guerra em curso, acrescenta-se política monetária como chave para
impor a ordem econômica neolibe- Andrea Fumagalli – Do ponto
a instabilidade estrutural no plano
ral, sabendo muito bem que a União de vista capitalista, acredito, o po-
econômico. Trata-se de uma insta-
Monetária Europeia sozinha não se- der econômico da China tem pers-
bilidade econômica que, longe de ter
ria capaz de promover um equânime pectiva de médio a longo prazo mais
efeitos negativos na valorização capi-
crescimento econômico. A estabili- eficaz do que a dos EUA. E, conse-
talista, permite sua perpetuação. Tal
quentemente, é necessário analisar
instabilidade política é também exa-
3 Petroyuán: yuan é a unidade básica do renminbi, mo- a evolução da economia chinesa,
enda chinesa. Petroyuán é um yuan que o governo chinês não com um olhar sobre a tradição
2 Vladimir Putin (1952): presidente da Rússia. Também é anunciou em setembro de 2017 com o apoio da Rússia
ex-agente do KGB no departamento exterior e chefe dos para ser implementado como petrodivisa , a fim de ar- capitalista ocidental, mas com olhos
serviços secretos soviético e russo, KGB e FSB, respecti- rancar o posto do petrodólar americano como principal
vamente. Putin exerceu a presidência entre 2000 e 2008, moeda em transações de petróleo, cuja hegemonia nessa completamente novos e desencan-
além de ter sido primeiro-ministro em duas oportunida-
des, a primeira entre 1999 e 2000, e a segunda entre 2008
área vem da década de 1970 . Em 26 de março de 2018, o
governo chinês começou a emiti-lo como futuros contra-
tados, tentando entender o espírito
e 2012. (Nota da IHU On-Line) tos de petróleo. (Nota da IHU On-Line) chinês. Deste ponto de vista, acredi-

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

to, a análise de Martin Jacques4, no desse ponto de vista, a China re- papel da moeda chinesa (Renmim-
livro When China Rules the World5, presenta uma boa mistura de auto- bi6 ou Yuan).
está correta. Em particular, além ritarismo, livre iniciativa privada e
das possíveis divergências, é inte- programação das grandes empre- Itália
ressante lembrar que o sistema ca- sas, combinada com a capacidade
pitalista funciona melhor sem de- do modelo chinês de gerar hege- Um caso interessante, ainda que
mocracia ou quando há apenas uma monia cultural, ou a capacidade de pequeno, diz respeito à Itália. Nestes
democracia formal. criar consenso, também através de dias, o ministro da Economia ita-
manipulação dos meios de comuni- liano, Tria7, foi a Pequim e assinou
A acumulação capitalista, de fato, acordos não apenas comerciais, mas
cação de massa. É um modelo que
requer ordem, disciplina e hierar- sobretudo da gestão da dívida públi-
só recentemente os EUA e a Europa
quia, ao invés de livre comércio ca italiana. O Banco Central da Chi-
estão começando a seguir, mas com
e igualdade de oportunidades. E, na está disposto a comprar títulos do
atraso.
governo italiano e, portanto, a sus-
4 Martin Jacques (1945): jornalista britânico, editor, aca- Em nível mais micro, o crescimen-
dêmico, comentarista político e escritor. O interesse de Ja- tentar a dívida pública, em troca da
cques no leste da Ásia começou em 1993 durante as férias to econômico chinês ainda é força inclusão, nas reservas cambiais ita-
lá, e daí em diante “encontrou todas as razões ou descul-
pas que ele podia” para visitar a região e escrever artigos motriz para o crescimento econô- lianas, de uma determinada parcela
de jornais e revistas sobre o assunto. Em 2009 ele publicou
When China Rules the World: O Fim do Mundo Ocidental
mico mundial, conveniente também de Renmimbi.■
e o Nascimento de uma Nova Ordem Global, que em sua para as outras economias. Além
edição no Reino Unido foi subintitulado A Ascensão do
Reino do Meio e o Fim do Mundo Ocidental. Com o PIB disso, o alto superávit comercial 6 Renminbi: é a moeda oficial da República Popular da
da China projetado para ultrapassar o dos EUA em 2027,
ele argumentou que, longe de a China se tornar como o
permite que a China tenha grandes China e é distribuída pelo Banco Popular da China. O yuan
ou, na sua forma portuguesa, iuane é a unidade básica
Ocidente, ela permaneceria altamente distinta. Ele suge- somas de liquidez, que também po- do renminbi mas o termo é também usado para designar
riu, de fato, que não havia uma modernidade, mas muitas a moeda chinesa em geral, especialmente em contextos
modernidades, e que havíamos entrado agora na era das dem ser usadas para financiar dívi- internacionais. (Nota da IHU On-Line)
modernidades concorrentes. Ele é um dos entrevistados
desta edição da IHU On-Line. (Nota da IHU On-Line)
das públicas e/ou estrangeiras de 7 Giovanni Tria (1948): é um economista italiano e pro-
fessor universitário, atualmente ministro da Economia e
5 Penguin Books, 2012. (Nota da IHU On-Line) outros países, reforçando assim o Finanças da Itália. (Nota da IHU On-Line)

44
Leia mais
- A potência da concepção de uma economia para além dos números. Entrevista com
Andrea Fumagalli, publicada na revista IHU On-Line número 525, de 30-7-2018, disponível
em http://bit.ly/2NNtkHA.
- O biopoder e os mercados financeiros. Entrevista especial com Andrea Fumagalli, pu-
blicada nas Notícias do dia de 13-5-2015, no sítio do Instituto Humanitas Unisinos - IHU,
disponível em http://bit.ly/2A2R4VN.
- Os impactos da financeirização sobre o sujeito. Entrevista especial com Andrea Fuma-
galli, publicada nas Notícias do dia de 10-9-2010, no sítio do Instituto Humanitas Unisinos
- IHU, disponível em http://bit.ly/2LvtDsQ.
- A morte da democracia e a farsa neoliberal da neutralidade da moeda. Entrevista espe-
cial com Andrea Fumagalli, publicada nas Notícias do dia de 20-9-2015, no sítio do Instituto
Humanitas Unisinos - IHU, disponível em http://bit.ly/2A1cDWN.
- O comando bioeconômico do trabalho vivo. Entrevista especial com Andrea Fumagalli,
publicada nas Notícias do dia de 30-4-2010, no sítio do Instituto Humanitas Unisinos - IHU,
disponível em http://bit.ly/2LiULvV.
- A esquerda e a “política dos dois tempos” na era da financeirização. Entrevista especial
com Andrea Fumagalli, publicada nas Notícias do dia de 13-9-2016, no sítio do Instituto Hu-
manitas Unisinos - IHU, disponível em http://bit.ly/2JNqjEo.
- “Os mercados financeiros são o coração pulsante do capitalismo cognitivo”. Entrevista
especial com Andrea Fumagalli, publicada nas Notícias do dia de 2-8-2009, no sítio do Ins-
tituto Humanitas Unisinos - IHU, disponível em http://bit.ly/2LyRbgm.
- Do Welfare State para o Workfare e a necessidade de novos sistemas financeiros
autônomos. Entrevista especial com Andrea Fumagalli, publicada nas Notícias do dia
de 2-10-2015, no sítio do Instituto Humanitas Unisinos - IHU, disponível em http://bit.
ly/2LunRaW.

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

45

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

O protagonismo chinês e o processo


de redistribuição do poder
Júlio César Rodriguez diz que a China é um polo de atração global, mas
isso não significa que está em curso uma reorganização geopolítica
Patricia Fachin

A
pesar de algumas análises apos- poder”. Ele explica: “As potências oci-
tarem na inter-relação crescente dentais perdem espaço frente aos ato-
entre China, Índia e Rússia, três res da Ásia, em especial China e Índia.
dos cinco países que compõem o BRI- Esta redistribuição, por sua vez, pode
CS, Júlio César Rodriguez pondera que resultar em novas dinâmicas regionais
“a articulação entre estes três países é e mudanças nos relacionamentos es-
limitada”. Segundo ele, “o que ocorre tratégicos entre os países ao longo do
na verdade é que a China torna-se cada século XXI. Contudo, ainda figuram
vez mais um polo de atração global e como ator mais relevante geopolitica-
isto faz com que a maioria dos países mente os Estados Unidos”.
busque parcerias e aproximações com
ela. Assim, os países que fazem parte Júlio César Cossio Rodriguez é
do grupo têm oportunidades adicionais professor de Relações Internacionais
46 de aproximação com a China e, quando no Departamento de Economia e Re-
podem, fazem uso do grupo para apro- lações Internacionais da Universidade
ximarem-se dela”. Federal de Santa Maria - UFSM e no
Programa de Pós-Graduação em Socio-
Rodriguez contesta ainda a tese de que
logia na Universidade Federal de Ser-
a China está desempenhando um papel
gipe - UFS. Doutor em Ciência Política
central numa possível reorganização
pela Universidade de Lisboa, também é
geopolítica. “Ainda é cedo para afirmar-
mestre em Ciência Política e bacharel
mos que está em curso uma reorgani-
zação geopolítica”, afirma na entrevista em Relações Internacionais pela Uni-
concedida por e-mail à IHU On-Line. versidade Federal do Rio Grande do Sul
O que está em curso, ao contrário, fri- - UFRGS.
sa, é “um processo de redistribuição de Confira a entrevista.

IHU On-Line – Nos anos 2000 Que avaliação é possível fazer latório do Goldman Sachs2 mencio-
foi criado o BRICS1, um gru- desse grupo 12 anos depois da nou que estas quatro economias se-
po político de cooperação que sua constituição e qual é o sal- riam as mais pujantes em meados do
reuniu economias emergentes. do da participação brasileira século XXI. Consideravam que tais
nesse grupo? economias teriam recursos para se
1 BRICS: em economia, BRICS é um acrônimo que se refe- tornarem cada vez mais relevantes.
re aos países membros fundadores de um grupo político Júlio César Rodriguez – O gru-
de cooperação: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.
Os membros estão todos em um estágio similar de merca-
po inicialmente foi criado em 2009 2 Goldman Sachs é um dos maiores bancos de investi-
do emergente, devido ao seu desenvolvimento econômi- por iniciativa dos líderes de quatro mento do mundo. Fundado em 1869 por Marcus Gold-
co. Apesar do grupo ainda não ser um bloco econômico man, a companhia está sediada atualmente em Nova York
ou uma associação de comércio formal, como no caso países, Brasil, Rússia, Índia e China - e mantém escritórios em muitos outros principais centros
da União Europeia, existem fortes indicadores de que os financeiros através do mundo. Goldman Sachs oferece
cinco países têm procurado formar uma aliança, e assim BRIC, e posteriormente foi convida- consultivos de fusões e aquisições, serviços de subscrição
converter seu crescente poder econômico em uma maior da a fazer parte do grupo a África do financeiro e outros produtos financeiros aos seus clientes.
influência geopolítica. Desde 2009, os líderes do grupo re- É também um revendedor primário no mercado de valores
alizam cúpulas anuais. (Nota da IHU On-Line) Sul. No início dos anos 2000, um re- mobiliários do Tesouro dos EUA. (Nota da IHU On-Line)

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

“A Rússia destaca-se por ser a herdeira


principal das capacidades militares da ex-
União Soviética. Possui, por exemplo, um
arsenal nuclear superior ao dos Estados
Unidos em número de ogivas nucleares”

Inicialmente o grupo foi derivado da que o grau de institucionalização ou semidemocracia a depender do


atuação dos líderes dos seus países, de processos cooperativos é menor critério utilizado, e tem um regime
com o propósito de criar um grupo do que processos de integração, isto semipresidencial, que nos últimos
de cooperação em que estes países significa que oscilações políticas e/ anos concentrou poderes no presi-
distintos em diversas áreas pudes- ou econômicas dos países afetam as dente. A China, por sua vez, carac-
sem conversar sobre temas estraté- relações entre eles. Como é o caso do teriza-se por ser economicamente
gicos para seus desenvolvimentos. Brasil nos últimos anos. mais importante que todos os outros
membros, seu PIB é quase o dobro
O grupo rapidamente configurou-
da Índia e três vezes e meia o de
se para os países membros um ati- IHU On-Line - Ainda sobre o Rússia e Brasil. Por seu turno, a Ín-
vo usual de suas políticas externas. BRICS, qual é a relação do Bra- dia apresenta nos últimos anos altos
Integrar o grupo conferiu algum sil com os países do grupo hoje? índices de crescimento econômico.
prestígio aos integrantes que o utili-
Júlio César Rodriguez – Como Estes países também se diferem por
zaram como mecanismo importante
seus regimes políticos distintos: en- 47
de suas ações externas. Entretanto, mencionei na resposta anterior, a
atuação do Brasil junto ao grupo quanto a Índia pode ser considerada
as diferenças entre os seus membros
continua, porém as turbulências in- uma democracia longeva, a China, a
implicam em dificuldades de coorde- depender dos critérios, pode ser con-
nação e de ampliação da cooperação, ternas afetaram frontalmente a po-
lítica externa do país, que se retraiu siderada não democrática ou uma
por isso torna-se atualmente em um autocracia. Assim, cada um dos três
Foro de encontro dos líderes dos pa- nos últimos anos. Isto implica que as
relações exteriores do país tenham pode destacar-se por alguma de suas
íses que fazem parte do grupo. características.
se retraído como um todo.
O saldo da participação brasileira A articulação entre estes três países
no grupo, em geral, em termos di- é limitada. O que ocorre na verdade
plomáticos é positivo, pois permitiu IHU On-Line – Alguns espe- é que a China torna-se cada vez mais
ao Brasil projetar sua inserção inter- cialistas avaliam que Rússia, um polo de atração global e isto faz
nacional para além de suas capaci- Índia e China são os três países com que a maioria dos países bus-
dades. Todavia, este tipo de grupos que se sobressaem no BRICS, que parcerias e aproximações com
de países heterogêneos e com baixa os quais estão se articulando ela. Assim, os países que fazem parte
ou nenhuma institucionalização, entre si. Como avalia esse tipo do grupo têm oportunidades adicio-
implica em uma limitação nos bene- de análise e qual é o significa- nais de aproximação com a China e,
fícios aos seus participantes. Contu- do da aproximação desses três quando podem, fazem uso do grupo
do, cabe destacar que a possibilidade países e, em especial, da China para aproximarem-se dela.
de anualmente o país se reunir com nessa aproximação?
estes atores de relevo internacional
Júlio César Rodriguez – Esta
é algo positivo, pois apesar de não IHU On-Line – Alguns espe-
afirmação é complicada. Como já
resultar em posições conjuntas, as cialistas também avaliam que
mencionado, trata-se de um grupo
reuniões permitem aproximações está em curso uma reorganiza-
com países heterogêneos. A Rússia
em áreas específicas e a ampliação ção geopolítica no mundo por
destaca-se por ser a herdeira princi-
das relações bilaterais entre os seus conta da ascensão da China.
pal das capacidades militares da ex
membros. Concorda com esse tipo de aná-
-União Soviética. Possui, por exem-
lise? Quais são os fatores que
Destaco que a cada nova cúpula dos plo, um arsenal nuclear superior ao
demonstram essa reorganiza-
BRICS novas parcerias são feitas e a dos Estados Unidos em número de
ção geopolítica?
cooperação entre os países se apro- ogivas nucleares. Por outro lado,
funda. Entretanto, deve-se lembrar configura-se como uma autocracia Júlio César Rodriguez – Ainda

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

é cedo para afirmarmos que está em relacionados aos mercados Euro- para a balança comercial do Brasil
curso uma reorganização geopolí- peus e do Norte da América. A China com relação à China, vemos que há
tica. O que é possível afirmar é que torna-se paulatinamente o centro de uma característica preocupante de
está em curso um processo de re- gravidade da economia mundial, en- aumento das exportações de com-
distribuição de poder. As potências tretanto o papel das economias tra- modities e de importações de pro-
ocidentais perdem espaço frente aos dicionais, EUA e UE, não pode ser dutos manufaturados. Isto implica
atores da Ásia, em especial, China e subestimado. Os dados das exporta- em uma relação econômica desi-
Índia. Esta redistribuição, por sua ções brasileiras, por exemplo, mos- gual, na qual os benefícios da dis-
vez, pode resultar em novas dinâ- tram que a Ásia é o destino de cerca tribuição de renda derivada da in-
micas regionais e mudanças nos re- de 38% das exportações e América dustrialização ficam no lado chinês
lacionamentos estratégicos entre os do Norte e Europa de 34%. O papel e os riscos da desindustrialização
países ao longo do século XXI. Con- dos países Atlânticos seguirá rele- ficam para o lado brasileiro. Com
tudo, ainda figuram como ator mais vante para os países que estão “vira- relação aos interesses chineses no
relevante geopoliticamente os Esta- dos” para ele e têm suas infraestru- Brasil, há uma gama de setores que
dos Unidos. turas de comércio exterior voltadas a atuação chinesa ocorre, mas pos-
ao Atlântico. so destacar que os setores vincula-
dos ao setor agroexportador e de
IHU On-Line – Como fica o mineração vêm ganhando espaço.
Brasil nesse cenário de reorga-
nização geopolítica? Que papel “O Brasil, nesta Por outro lado, os investimentos
chineses em setores estratégicos
o Brasil desempenharia nesse
novo contexto geopolítico? redistribuição como o energético também vêm
ganhando espaço no país.
Júlio César Rodriguez – O Bra- de poder global
sil, nesta redistribuição de poder
global e possível alteração geopolí- e possível IHU On-Line – Essa postu-
ra chinesa diante de um país
alteração
tica futura, ainda não definiu o seu
como o Brasil se repete com
48 papel. O papel que o Brasil pode
outras nações?
desempenhar dialoga frontalmente
com a capacidade que terá de orga- geopolítica Júlio César Rodriguez – A atu-
nizar e estabilizar politicamente seu
entorno estratégico, especialmente futura, ainda ação chinesa na América do Sul é
similar ao caso do Brasil, porém mo-
a região sul-americana. Configurar-
se como potência regional que li-
não definiu o dificam os produtos de interesse. A
China não costuma ter uma posição
dere processos de estabilização das
tensões regionais e promova o de-
seu papel” única para toda uma região, define
prioridades e atua caso a caso.
senvolvimento econômico coletivo
poderia ser o papel a ser desempe-
nhado pelo Brasil. Entretanto, para IHU On-Line – Muitos eco-
IHU On-Line – O que as re- nomistas criticam a política
isto necessitaria de amplo consenso
lações externas entre China econômica brasileira, em es-
social e político interno para ga-
e Brasil demonstram sobre o pecial porque ela é centrada
rantir os recursos necessários para
modo como a China vê o Bra- na exportação de commodi-
construir coletivamente com os vizi-
sil num possível reposiciona- ties para países como a China.
nhos sua liderança.
mento geopolítico? Os recur- Entretanto, para além dessa
sos naturais e a exportação de política, o Brasil poderia ter
IHU On-Line – De modo ge- commodities são os principais feito uma política diferente?
ral, qual é o papel dos países da produtos que interessam à Chi- Em que sentido?
Costa do Atlântico nessa recon- na hoje ou há outros interesses
em relação ao Brasil? Júlio César Rodriguez – É fá-
figuração geopolítica que teria
cil ao analista olhar para o passado,
a China como protagonista? Júlio César Rodriguez – Esta reconhecer os erros e receitar solu-
Júlio César Rodriguez – Como é uma questão relevante. O Brasil ções. Contudo, as decisões econô-
mencionado anteriormente, a re- é um parceiro importante da China micas tomadas ao longo do início
configuração geopolítica ainda está em termos econômicos e políticos. do século XXI estiveram vinculadas
distante de se tornar realidade. Os Têm atraído diversos investimen- à promoção do crescimento econô-
países da Costa do Atlântico, quer na tos chineses e desenvolve projetos mico do país, ancorado, em parte,
América Latina quer na África, con- conjuntos com a China em diferen- na balança comercial favorável.
tinuarão a ter um papel relevante no tes áreas de inovação tecnológica e Assim, as oportunidades aos seto-
comércio atlântico, especialmente científica. Entretanto, ao olharmos res exportadores de vender para o

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

mercado chinês em expansão foram Getúlio Vargas3, a Política Externa por sua vez soube aproveitar-se
decisivas para que este setor tivesse Independente e a Política Externa desta situação e barganhou seus in-
crescimento. Este crescimento afe- do final do governo de Fernando teresses junto à potência de maior
tou, não diretamente, a capacidade Henrique Cardoso4 e as dos gover- poder, os Estados Unidos.
industrial do país, que por sua vez nos Lula5, se inserem nos períodos

“Ao Brasil não


depende de outros fatores agrega- em que os fatores coincidiram. No
dos da economia; todavia, a con- primeiro momento o rearranjo de
corrência dos produtos industriais
chineses importados a menor preço
forças do entreguerras se caracte-
riza pelo crescimento no poder da bastará ter a
afetou a capacidade produtiva das
indústrias nacionais. Por isso, o que
Alemanha, que coincide com o iní-
cio do processo de industrialização
fortuna das
poderia ser feito era uma política
econômica específica para a China.
do Brasil e o início dos primeiros
investimentos militares nacionais.
oportunidades,
Entretanto, como mencionado an-
teriormente, o processo decisório
Nesta ocasião a Alemanha, para
fazer frente aos EUA, buscou apro-
é necessário
de cada momento histórico deve ser
entendido em função do contexto.
ximar-se da região e do Brasil, que que tenha
E naquele contexto o mercado chi-
nês oferecia grandes oportunidades
3 Getúlio Vargas [Getúlio Dornelles Vargas] (1882-1954):
político gaúcho, nascido em São Borja. Foi presidente da
a virtude de
poder agir em
República nos seguintes períodos: 1930 a 1934 (Governo
tanto aos exportadores de produtos Provisório), 1934 a 1937 (Governo Constitucional), 1937
a 1945 (Regime de Exceção) e de 1951 a 1954 (Governo
agrícolas e minérios quanto aos im-
política externa”
eleito popularmente). Recentemente a IHU On-Line pu-
blicou o Dossiê Vargas, por ocasião dos 60 anos da morte
portadores de produtos industriali- do ex-presidente, disponível em http://bit.ly/1na0ZMX.
zados da China. A IHU On-Line dedicou duas edições ao tema Vargas, a
111, de 16-8-2004, intitulada A Era Vargas em Questão –
1954-2004, disponível em http://bit.ly/ihuon111, e a 112,
de 23-8-2004, chamada Getúlio, disponível em http://bit.
ly/ihuon112. Na edição 114, de 6-9-2004, em http://bit.ly/ IHU On-Line – Alguns avaliam
IHU On-Line – O senhor já ihuon114, Daniel Aarão Reis Filho concedeu a entrevista O que o futuro do Brasil como po-
desafio da esquerda: articular os valores democráticos com
afirmou em outras ocasiões a tradição estatista-desenvolvimentista, que também abor- tência mundial depende, entre
que nas vezes em que o Brasil dou aspectos do político gaúcho. Em 26-8-2004, Juremir
outros fatores, de oportunida-
49
Machado da Silva, da PUC-RS, apresentou o IHU ideias
alcançou proeminência no ce- Getúlio, 50 anos depois. O evento gerou a publicação do des globais. Mas quais são as
número 30 dos Cadernos IHU ideias, chamado Getúlio,
nário global, isso se deu por romance ou biografia?, disponível em http://bit.ly/ihuid30. oportunidades no cenário glo-
conta da permissão de outros Ainda a primeira edição dos Cadernos IHU em forma-
bal de hoje?
ção, publicada pelo IHU em 2004, era dedicada ao tema,
países, como Alemanha, União recebendo o título Populismo e Trabalho. Getúlio Vargas e
Soviética e China. Pode nos dar Leonel Brizola, disponível em http://bit.ly/ihuem01. (Nota Júlio César Rodriguez – A
da IHU On-Line)
um panorama geral de como 4 Fernando Henrique Cardoso (1931): sociólogo, cientis- ascensão do Brasil a um patamar
isso aconteceu e que tipo de
ta político, professor universitário e político brasileiro. Foi
o 34º presidente do Brasil, por dois mandatos consecuti-
superior, como explicado anterior-
proeminência o Brasil alcan- vos, entre 1995 e 2003. Conhecido como FHC, ganhou no- mente, depende de oportunidades
toriedade como ministro da Fazenda (1993-1994) com a
çou nesses momentos? instauração do Plano Real para combate à inflação. (Nota estruturais. Redistribuições de
da IHU On-Line) poder, em especial, e a emergên-
5 Luiz Inácio Lula da Silva (1945): trigésimo quinto presi-
Júlio César Rodriguez – Sim, dente do Brasil, cargo que exerceu de 2003 a 1º de janeiro cia de uma potência com potencial
o que ocorre, em geral, é que o de 2011. É cofundador e presidente de honra do Partido
revisionista. Contudo, estas opor-
dos Trabalhadores - PT. Em 1990, foi um dos fundadores e
Brasil ao longo do século XX teve organizadores do Foro de São Paulo, que congrega parte tunidades estruturais só podem
dos movimentos políticos de esquerda da América Latina
momentos de maior protagonismo e do Caribe. Foi candidato a presidente cinco vezes: em ser aproveitadas quando o Brasil
que outros. Minha tese demonstra 1989 (perdeu para Fernando Collor de Mello), em 1994
também apresenta crescimento
(perdeu para Fernando Henrique Cardoso) e em 1998
empiricamente que tais momentos (novamente perdeu para Fernando Henrique Cardoso) e no seu poder. O atual momento
ganhou as eleições de 2002 (derrotando José Serra) e de
ocorrem quando coincidem três 2006 (derrotando Geraldo Alckmin). Lula bateu um recor- da política externa brasileira, por
condições: (a) a redistribuição de de histórico de popularidade durante seu mandato, con-
exemplo, é emblemático disto. A
forme medido pelo Datafolha. Programas sociais como o
poder ao nível do sistema interna- Bolsa Família e Fome Zero são marcas de seu governo, redistribuição de poder estrutural
programa este que teve seu reconhecimento por parte
cional, (2) o crescimento no poder da Organização das Nações Unidas como um país que está em curso, a China configura-
material do Brasil (econômico e saiu do mapa da fome. Lula teve um papel de destaque
se como potência com potencial
na evolução recente das relações internacionais, incluin-
militar, por exemplo) e (3) a emer- do o programa nuclear do Irã e do aquecimento global. revisionista, com aproximação da
É investigado na operação Lava Jato e foi denunciado em
gência de um ator internacional setembro de 2016 pelo Ministério Público Federal (MPF), região, porém o Brasil está em cri-
com grande poder, que tenha duas apontado como recebedor de vantagens pagas pela em- se econômica e política. O resulta-
preiteira OAS em um tríplex do Guarujá. No dia 12 de ju-
características: (a) queira fazer lho de 2017, Lula foi condenado pelo juiz federal Sérgio do é que apesar das oportunidades
Moro, em primeira instância, a nove anos e seis meses de
frente ao ator predominante do pe- prisão em regime fechado por crimes de corrupção pas- o que ocorre é uma grande retração
ríodo e (b) se aproxime da América siva e lavagem de dinheiro. No dia 24 de janeiro de 2018, na política externa do país. Portan-
por unanimidade, os três desembargadores da 8ª Turma
Latina. Estas configurações ocorre- do Tribunal Regional Federal da 4ª Região confirmaram a to, ao Brasil não bastará ter a fortu-
condenação de Lula, elevando a pena para 12 anos e um
ram nos anos 30, nos anos 70 e ago- mês de prisão. No dia 7 de abril de 2018 Lula, após man- na das oportunidades, é necessário
ra nos anos 2000. A chamada Bar- dado de prisão expedido pelo judiciário, entregou-se à que tenha a virtude de poder agir
Polícia Federal, onde se mantém sob custódia na Superin-
ganha Nacionalista do presidente tendência do órgão em Curitiba. (Nota da IHU On-Line) em política externa. ■

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

A ascensão da China, a disputa pela


Eurásia e a Armadilha de Tucídides
José Eustáquio analisa a ascensão da China no cenário geopolítico e as
consequências desse realinhamento de potências em escala global
Patricia Fachin e João Vitor Santos

D
epois de ter se transformado exportações com proteção da indús-
na “fábrica do mundo” e de seu tria local e dos setores estratégicos do
PIB ter superado o dos EUA, país, em reformas de mercado, mas
a China também se tornou o “banco com controle das instituições políti-
do mundo” e “estimula o crescimen- cas e culturais”.
to de todo o continente asiático” por Entretanto, essas mudanças podem
meio da iniciativa “Um cinturão, não ser aceitas passivamente pelos
uma rota”, resume José Eustáquio Estados Unidos, já que “o avanço da
Diniz Alves, em entrevista concedi- China não ocorre apenas no comércio,
da por e-mail à IHU On-Line. Essa pois o gigante asiático tem o plano
iniciativa, esclarece, “visa construir ‘Made in China 2025’, para se tornar
redes de comércio e infraestrutura líder mundial em ciência e tecnolo-
conectando a Ásia com a Europa e gia”, alerta. Para ele, a disputa pode
50 a África ao longo dos antigos cami- sim acabar em guerra, embora ainda
nhos comerciais da Rota da Seda, haja alguma esperança desse quadro
objetivando o compartilhamento do
não se confirmar. “Se a governança
desenvolvimento e da prosperidade”.
global não for capaz de apresentar
Um exemplo dessa proposta, diz, é a
soluções para o complexo quadro das
inauguração da recente linha ferro-
relações internacionais e a deteriora-
viária que liga Londres à estação de
ção das condições sociais e ambien-
Yiwi, no sul de Xangai. “Trata-se de
tais, pode ser que, de fato, ocorra o
uma interligação de Pequim e Xangai
fim da história, em sua forma trágica,
com o mundo”, pontua.
juntamente com o fim da civilização
Segundo Alves, “a ascensão da China humana”, adverte.
e dos países aliados do Oriente pode
significar o fim do modelo econômi- José Eustáquio Diniz Alves é
co e político do liberalismo democrá- doutor em Demografia e professor ti-
tico burguês e o fim da ordem inter- tular do mestrado e doutorado em Po-
nacional fundada a partir da reunião pulação, Território e Estatísticas Pú-
de Bretton Woods, em 1944”. Em seu blicas da Escola Nacional de Ciências
lugar, passará a vigorar o “Consenso Estatísticas - Ence/IBGE.
de Beijing”, que aposta na “promoção
A entrevista a seguir é uma atualiza-
das economias em que a proprieda-
ção da versão original publicada nas
de estatal continua tendo um peso
Notícias do Dia de 21-7-2018, no sí-
dominante, na promoção de câmbio
competitivo, com mudanças graduais tio do Instituto Humanitas Unisinos
para evitar choques e controle cam- - IHU. Acesse a primeira versão em
bial para escapar da especulação pre- http://bit.ly/2NWICto .
datória, em políticas de promoção das Confira a entrevista.

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

“O encontro entre Donald Trump e


Kim Jong-un, em 12 de julho, em
Singapura, foi importante para aliviar
as tensões no leste da Ásia, mas teve
poucos resultados práticos até aqui”

IHU On-Line – Depois do en- sula Coreana e a retirada das forças à impressionante cifra de US$ 1,74
contro entre Donald Trump1 e militares americanas da Coreia do trilhão, no ano passado. O total de
Kim Jong-un2, muitos analistas Sul. Este imbróglio não será resol- gastos militares em 2017 subiu 1,1%
destacam que confrontos nu- vido rapidamente. em termos reais em relação a 2016.
cleares estavam ficando cada
Por outro lado, houve um aumento
vez mais distantes3. Entretan-
da tensão entre os EUA e o Irã. No IHU On-Line - Qual foi o pa-
to, fontes estadunidenses dão
dia 22 de julho de 2018, o presidente pel dos EUA e de Trump em
conta de que a Coreia do Norte
iraniano, Hassan Rohani4, disse: “Os particular no acordo de paz
não teria abandonado seus pro-
Estados Unidos deveriam saber... entre as duas Coreias e, de
jetos. Significa que esse foi um
que guerra contra o Irã é a mãe de outro lado, qual é o papel do
encontro “pró-forma”? E além
todas as guerras”. Ao que Trump chamado RIC (Rússia, China e
da questão nuclear, o que mais
respondeu: “Nunca ameace os Es- Índia) nesse processo?
pode não ser cumprido da for-
ma como foi dito à época do en-
tados Unidos novamente ou você
José Eustáquio Diniz Alves – 51
sofrerá consequências como poucos
contro? E como fica a China de A posição histórica dos EUA sem-
conheceram ao longo da história”.
Xi Jinping, que teve o papel de pre foi por uma “desnuclearização
mediador desse encontro? Palavras duras que podem gerar
completa, verificável e irreversível”
ações ainda mais duras. No dia 07
da Coreia do Norte. Mas o acordo as-
José Eustáquio Diniz Alves – de agosto, em discordância com seus
sinado foi pela “desnuclearização da
O encontro entre Donald Trump e “aliados” europeus, os EUA retoma-
Kim Jong-un, em 12 de julho, em península coreana”. Sem qualquer
ram as sanções unilaterais contra o
Singapura, foi importante para ali- contrapartida, Trump ainda concor-
Irã, que estavam suspensas desde
viar as tensões no leste da Ásia, mas dou em encerrar os “jogos de guer-
o acordo nuclear entre Teerã e as
teve poucos resultados práticos até ra” (exercícios militares conjuntos
principais potências econômicas, em
aqui. Prevaleceu o lado midiático que os EUA realizam com a Coreia
2015. Um conflito bélico dos EUA (e
e o jogo de cena. Os Estados Uni- do Sul). Esta atitude surpreendeu
Israel) contra o Irã poderá ser mais
dos querem a desnuclearização da o Japão e a Coreia do Sul, aliados
grave que um conflito entre EUA e
Coreia do Norte, enquanto a China dos EUA e das forças ocidentais,
Coreia do Norte.
quer a desnuclearização da Penín- deixando embaraçado até mesmo o
Com alta probabilidade, a retóri- Pentágono. Evidentemente, a menor
1 Donald Trump (1946): Donald John Trump é um empre- ca beligerante pode rapidamente se presença americana no leste asiático
sário, ex-apresentador de reality show e atual presidente
dos Estados Unidos. Na eleição de 2016, Trump foi eleito
tornar uma ação militar de consequ- agrada fundamentalmente à China,
o 45º presidente norte-americano pelo Partido Republi- ências catastróficas, pois o mundo em primeiro lugar, e à Rússia, em
cano, ao derrotar a candidata democrata Hillary Clinton
no número de delegados do colégio eleitoral; no entanto, está sentado em um “barril de pólvo- segundo lugar.
perdeu no voto popular. Entre suas bandeiras estão o pro-
tecionismo norte-americano, por onde passam questões
ra”. O relatório de 2018 do Instituto
econômicas e sociais, como a relação com imigrantes nos Internacional para a Investigação G7
Estados Unidos. Trump é presidente do conglomerado The
Trump Organization e fundador da Trump Entertainment da Paz de Estocolmo (SIPRI, na si-
Resorts. Sua carreira, exposição de marcas, vida pessoal, gla em inglês) mostra que os gas- Nos dias imediatamente anteriores
riqueza e modo de se pronunciar contribuíram para torná ao encontro histórico de Singapura,
-lo famoso. (Nota da IHU On-Line) tos militares no mundo chegaram
2 Kim Jong-un: também conhecido como Kim Jong-woon houve duas Cúpulas emblemáticas.
ou Kim Jung Woon é o líder da Coreia do Norte desde
dezembro de 2011. É o terceiro e mais jovem filho de Kim 4 Hassan Rohani (1948): clérigo, político, diplomata e Nos dia 8 e 9 de junho, o G7 (grupo
Jong-il com sua última esposa Ko Yong-Hee. Kim Jong-un acadêmico iraniano, presidente de seu país desde 3 de formado pelas grandes economias
é general de quatro estrelas do Exército do Povo Coreano. agosto de 2013. Membro da Assembleia dos Peritos (des-
(Nota da IHU On-Line) de 1999), do Conselho de Discernimento (desde 1991), do capitalistas — Estados Unidos, Cana-
3 O IHU, na seção Notícias do Dia, publicou inúmeros tex- Conselho Supremo de Segurança Nacional (CSSN) (desde
tos acerca do tema, entre eles Quem ganha? Kim, Trump 1989) e presidente do Centro de Pesquisa Estratégica do dá, França, Reino Unido, Alemanha,
ou a China?, disponível em http://bit.ly/2PFo6hZ. Leia
mais em ihu.unisinos.br/maisnoticias/noticias. (Nota da
Irã (desde 1992), Rohani foi eleito presidente em 15 de ju-
nho de 2013 e voltou a ser eleito em 20 de maio de 2017.
Japão e Itália) se reuniu em Charle-
IHU On-Line) (Nota da IHU On-Line) voix, no Canadá, onde o destaque foi

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

o aumento da tensão entre os EUA para nossa organização”. Ficou su- junção de três fatores recentes. O
e os outros seis membros, que estão bentendido que é a viagem rumo à primeiro aconteceu durante o 18º
insatisfeitos com a saída dos EUA da ascensão do século asiático e rumo Congresso do Partido Comunista
Parceria Transatlântica de Comércio à hegemonia chinesa global. Uma Chinês, em novembro de 2012, com
e Investimento - TTIP, do Acordo de península coreana desnuclearizada a escolha de Xi Jinping para o car-
Paris (do clima), do Acordo nuclear e com menor presença americana só go de presidente da China, que, em
com o Irã, além das críticas à Otan e fortalece Rússia, Índia e China, que seguida, lançou a iniciativa “Um
das medidas para o enfraquecimen- são potências nucleares da Eurásia e Cinturão, Uma Rota” (One Belt One
to do Nafta - Acordo de Livre Co- aliados no âmbito da OCX. Road, ou OBOR), que é um gigan-
mércio da América do Norte. Trump tesco projeto de infraestrutura, com
chegou atrasado e saiu mais cedo do investimentos de mais de US$ 1 tri-
IHU On-Line – Em artigo5, o
encontro, não assinou o comunicado lhão, para unir, por terra e pelo mar,
senhor afirma que está se for-
conjunto da Cúpula de Charlevoix toda a Eurásia (incluindo partes da
mando uma aliança entre Rús-
e ainda acusou o primeiro-minis- África).
sia, China e Índia - RIC, que fa-
tro canadense, Justin Trudeau, de zem parte do BRICS, enquanto O segundo fato foi a expulsão da
ser fraco e desonesto. A política de Brasil e África do Sul ficam de Rússia do G8 — devido à anexação
Trump, do “America first”, parece fora. Quais são os fatores que da região autônoma da Crimeia que
estar rompendo com a aliança oci- favorecem essa aliança, por aumentou as tensões entre os russos
dental e com a ordem internacional que ela está sendo feita neste e a Ucrânia, e afastou o país da Eu-
global pós-Segunda Guerra. momento e qual dos três países ropa e da aliança ocidental, forçando
tem mais poder de barganha Vladimir Putin a buscar aliados no
Cúpula de Qingdao nessa aliança? Oriente.
Enquanto os líderes da ordem li- José Eustáquio Diniz Alves O terceiro fato foi a eleição, em
beral-burguesa se desentendiam no – O termo BRIC foi inventado pelo maio de 2014, de Narendra Modi7,
Canadá, os países asiáticos se encon- economista Jim O’Neill6, do banco do Partido Bharatiya Janata - BJP,
travam na 18ª cúpula da Organiza- de investimento Goldman Sachs, para primeiro-ministro da Índia,
52 ção de Cooperação de Xangai - OCX, em 2001, com o objetivo de indicar com uma plataforma que combina o
ocorrida nos dias 9 e 10 de junho, na aos investidores globais as oportu- nacionalismo hindu com os sonhos
cidade litorânea chinesa de Qingdao. nidades de lucro nos grandes paí- de desenvolvimento da Índia. Diante
Foi a primeira reunião de cúpula da ses “emergentes” do mundo: Brasil, das medidas protecionistas de Do-
OCX depois que a Índia e o Paquis- Rússia, Índia, China. Posteriormen- nald Trump e do enfraquecimento
tão foram aceitos como membros te foi incluída a África do Sul (South da aliança ocidental, Modi, que já
plenos em junho do ano passado. África) e o termo BRIC se transfor- tinha uma boa relação com a Rús-
Assim, os oito membros plenos da mou em BRICS. Desde 2009, os líde- sia, passou a se aproximar da China
OCX são China, Rússia, Cazaquis- res do grupo se encontram em cúpu- e teve uma reunião informal com
tão, Quirguistão, Tadjiquistão, Uz- las anuais. Porém, Brasil e África do Xi Jinping na cidade histórica de
bequistão, Índia e Paquistão. A OCX Sul (o começo e o fim do acrônimo) Wuhan, nos dias 27 e 28 de abril de
também tem quatro estados obser- sempre foram países menores em 2018, onde os dois líderes acertaram
vadores e seis parceiros de diálogo. termos políticos, econômicos e mi- os passos para os eventos ocorridos
Os oito países membros respondem litares e ficaram ainda menores de- nos meses seguintes e para uma
por mais de 60% do território eura- pois da crise econômica e do imbró- aliança de longo prazo.
siático, quase metade da população glio político que afastou seus líderes
Evidentemente, o país líder é a
global e cerca de 30% do PIB mun- mais tarimbados, os ex-presidentes
China devido ao seu tamanho eco-
dial (em poder de paridade de com- Lula e Jacob Zuma.
nômico, demográfico, territorial e
pra – ppp, na sigla em inglês). O PIB à capacidade de influência política.
conjunto dos países da OCX é maior Fortalecimento do RIC
Em 2017, segundo dados do FMI, o
do que o PIB total do G7. Produto Interno Bruto - PIB chinês
Mas os fatos que vieram fortalecer
A cúpula de Qingdao foi a primeira o grupo RIC ocorreram pela con- foi de US$ 23,2 bilhões (em ppp),
a contar com os líderes do triângulo volume muito superior aos US$ 9,5
estratégico (RIC) e ainda teve a pre- 5 O artigo, intitulado Fraco B-RIC-S, forte RIC: o triângulo bilhões da Índia, US$ 4 trilhões da
estratégico que desafia os EUA e o Ocidente, foi publica-
sença do presidente do Irã, Hassan do nas Notícias do Dia de 12-6-2016, no sítio do Instituto
Humanitas Unisinos - IHU e está disponível em http://bit. 7 Shri Narendra Modi (1950): é um político indiano e atu-
Rohani. O presidente Xi Jinping re- ly/2CdPfq4. (Nota da IHU On-Line) al 14º primeiro-ministro do seu país. É membro do Partido
sumiu tudo dizendo: “A cúpula de 6 Jim O’Neill: economista inglês que ocupa atualmente
o cargo de chefe de pesquisa em economia global do
Bharatiya Janata (BJP). Foi eleito primeiro-ministro da Índia
em 16 de maio de 2014, com seu partido, conquistando
Qingdao é um novo ponto de par- grupo financeiro Goldman Sachs desde 2001. Ele é mais 275 das 543 cadeiras do parlamento, maioria absoluta e a
conhecido por ter criado o termo BRIC para se referir às primeira vez desde 1984 que a população indiana entrega
tida para nós. Juntos, vamos içar a economias do Brasil, Índia, Rússia e China. Posteriormente, o poder a um único partido. Com a maioria absoluta no
vela do Espírito de Xangai, quebrar houve a adesão da África do Sul, e foi acrescentado um ‘S’
do inglês South Africa, mudando o nome BRIC para BRICS.
Congresso, Modi não precisará fazer alianças para realizar
as completas mudanças econômicas pregadas pela opo-
ondas e iniciar uma nova viagem (Nota da IHU On-Line) sição ao atual governo na Índia. (Nota da IHU On-Line)

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

Rússia, US$ 3,2 trilhões do Brasil China são protagonistas, enquanto entre Putin, Xi e Modi e após a 18ª
e dos US$ 765 milhões da África Brasil e África do Sul são coadju- cúpula da OCX parece que o triân-
do Sul. Além da dimensão da eco- vantes. Claro que são cinco nações gulo estratégico (RIC) vai caminhar
nomia, a China tem mais de US$ 3 soberanas, mas a relação da China mais lado a lado, buscando tornar vi-
trilhões em reservas internacionais, com o Brasil e a África do Sul está ável a unidade de ação no território
mega superávit na balança comer- mais para aquela do tipo que se cos- da Eurásia.
cial e altas taxas de poupança, o que tumava chamar centro-periferia, ou
possibilita às empresas chinesas re- melhor, do “Império do Meio” para IHU On-Line – Em artigo pu-
alizar grandes investimentos nacio- países periféricos dependentes. A blicado recentemente10, o se-
nais e globais. China exporta mercadorias indus- nhor destaca que a Rússia so-
trializadas e capital para ter domínio zinha não tem “poder de fogo”
da relação bilateral e acesso aos bens na economia mundial, mas que
IHU On-Line – Qual sua lei-
primários e commodities. aliada à China se tornariam
tura da 10ª Cúpula do BRICS?
A partir desse encontro, pode- uma grande potência. Gosta-
mos afirmar que o grupo está IHU On-Line – Há disputas ria que o senhor detalhasse
mais fortalecido ou mais en- entre os países do RIC sobre o essa perspectiva e avaliasse
fraquecido? controle da Eurásia? as transformações que podem
haver, tendo China e Rússia
José Eustáquio Diniz Alves – A José Eustáquio Diniz Alves – como grandes potências, capa-
10ª cúpula anual do BRICS, ocorri- A Eurásia é a faixa contínua de terra zes de ditarem suas regras no
da em Joanesburgo, na África do mais extensa do mundo. Ela é ber- cenário geopolítico.
Sul, ente 25 e 27 de julho de 2018, ço das mais antigas e importantes
não trouxe nada de novo. Foi apenas civilizações do passado. Sua exten- José Eustáquio Diniz Alves –
uma oportunidade para esses países são territorial é de 54,8 milhões de A Rússia é o país de maior extensão
se contraporem ao discurso prote- km² (mais de seis vezes o tamanho territorial do mundo (quase duas ve-
cionista de Donald Trump e defen- do Brasil) e possui cerca de dois ter- zes o tamanho do Brasil) e tem uma
derem o multilateralismo. Este bloco ços da população e do PIB mundial. enorme riqueza natural, particular-
ainda não criou nada que se asse- Quem controlar a Eurásia, controla- mente na área de combustíveis fós- 53
melhe a uma nova ordem mundial, rá o mundo. Mas as alianças já pas- seis e água, dois produtos que a Chi-
embora tenha a perspectiva de for- saram por muitas reviravoltas. na tem escassez. Mas a Rússia tem
talecimento do “Sul Global”. Parece uma população e uma economia em
A China já esteve próxima da União declínio, a primeira em termos ab-
que o grupo BRICS só terá futuro se
Soviética - URSS, depois se afastou solutos e a segunda em termos rela-
ampliar seu leque de representativi-
e se aproximou dos EUA, a partir da tivos. O PIB da Rússia representava
dade nacional.
visita de Richard Nixon8 a Pequim, 3,4% do PIB mundial em 2001 e caiu
A principal atividade do presidente em 1972. Mais recentemente, China para 3,1% em 2018. Falta escala para
Michel Temer foi pedir ao presiden- e Rússia se aproximaram bastante e liderar a economia internacional.
te Xi Jinping a eliminação de sobre- a relação de Vladimir Putin9 com Xi
taxas sobre o frango brasileiro para Jinping é de grande coesão. A Índia Contudo, uma aliança Rússia-Chi-
o mercado chinês. Por “picuinhas sempre teve boa relação com a Rús- na se torna muito forte. Vejamos
internas”, Temer antecipou sua vol- sia e grandes dificuldades com a Chi- dois exemplos. O norte da China
ta de Joanesburgo, para que o pre- na, especialmente devido às alianças tem escassez de água, enquanto o
sidente do Senado, Eunício Oliveira e rivalidades com o Paquistão (en- lago Baikal, na Sibéria, possui qua-
(MDB), pudesse retornar ao Brasil volvendo a disputa pela Caxemira). se 20% da água doce disponível no
sem correr o risco de se tornar inele- Mas depois dos diversos encontros mundo. Uma “transposição” traria
gível. O atual governo brasileiro está muitos benefícios para ambos os
perdido no cenário internacional. 8 Richard Milhous Nixon (1913-1994): 37º presidente países (mas geraria vários proble-
dos Estados Unidos (1969-1974) e o único presidente mas ambientais). O outro exemplo
norte-americano a renunciar ao mandato. Ele foi também
representante e senador pelo estado da Califórnia e 36º é o contrato para a Rússia fornecer
IHU On-Line – Enquanto isso, vice-presidente de seu país, durante o governo de Dwight
38 bilhões de metros cúbicos de gás
Eisenhower. Renunciou em 9 de agosto de 1974, em virtu-
Brasil e África do Sul ficam de de do escândalo Watergate, pouco antes da votação pelo a cada ano para a China, no valor
Congresso da cassação de seu mandato - o impeachment.
fora dessa aliança RIC. Por O trauma político causado pelo episódio foi grande (tan- de US$ 400 bilhões, que foi assina-
quê? Como o RIC vê o Brasil e a to que os americanos acabariam por escolher na eleição
do pelas empresas de gás estatais
seguinte Jimmy Carter, um candidato religioso e apegado
África do Sul? a valores morais). Nixon só retornaria à vida pública ame- Gazprom da Rússia e CNPC (China
ricana 20 anos depois do fiasco de Watergate. (Nota da
José Eustáquio Diniz Alves – IHU On-Line) National Petroleum Corporation).
9 Vladimir Putin (1952): presidente da Rússia. Também é
O Brasil e a África do Sul são cabeças ex-agente do KGB no departamento exterior e chefe dos
serviços secretos soviético e russo, KGB e FSB, respecti- 10 O artigo, intitulado Brasil e África do Sul são coadju-
de ponte para o grupo RIC, especial- vamente. Putin exerceu a presidência entre 2000 e 2008, vantes no grupo B-RIC-S e na nova ordem mundial, foi
mente a China, atuar na América além de ter sido primeiro-ministro em duas oportunida-
des, a primeira entre 1999 e 2000, e a segunda entre 2008
publicado nas Notícias do Dia de 27-7-2018, no sítio do
Instituto Humanitas Unisinos - IHU, disponível em http://
Latina e na África. Rússia, Índia e e 2012. (Nota da IHU On-Line) bit.ly/2MJwfVj. (Nota da IHU On-Line)

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

Este acordo fornecerá divisas para a os EUA, o Canadá e o Japão, mas tão interna para os carros elétricos,
Rússia e reduzirá a dependência da parece que Donald Trump não está também lidera no uso de smar-
China dos combustíveis fósseis do ajudando muito no fortalecimento tphone para as compras e pretende
Oriente Médio. do G7 e a Europa ocidental vai ter ser a líder isolada da Inteligência
que repensar o seu lugar no mundo Artificial até 2025. Tem o super-
ou aderir à onda oriental. computador mais rápido do mun-
IHU On-Line – Como os países
do e o maior centro de pesquisa de
do território eurasiático veem
computação quântica. Seu projeta-
a hegemonia do RIC? Que tipos
de disputas surgem na região “Parece que o do sistema de navegação por saté-
lite competirá com o GPS dos EUA
por conta dessa hegemonia?
José Eustáquio Diniz Alves –
grupo BRICS até 2020. No ano passado, a China
ultrapassou os EUA e ocupou o pri-
Existem muitas rivalidades e dispu-
tas fronteiriças, culturais e étnicas,
só terá meiro lugar na produção mundial
de artigos científicos.
sendo que a ação das forças armadas futuro se
de Mianmar contra os muçulmanos
rohingya, na região noroeste do país, ampliar seu IHU On-Line – Em que consis-
te a política chinesa chamada
leque de
é um dos eventos mais dramáticos.
de “Um cinturão, uma rota”?
O avanço militar chinês no Mar da

representativi-
China causa grandes atritos com os José Eustáquio Diniz Alves
vizinhos do leste asiático (além de – A Iniciativa Um Cinturão, Uma
ameaçar a presença americana na
região). Mas uma aliança do grupo dade nacional” Rota (One Belt One Road, ou OBOR)
visa construir redes de comércio e
RIC com o Irã e a Turquia é meio ca- infraestrutura conectando a Ásia
minho andado para unificar os inte- com a Europa e a África ao longo
resses e a logística da maior parte do IHU On-Line – Quais têm sido dos antigos caminhos comerciais da
território asiático da Eurásia. Neste as estratégias da China para ga- Rota da Seda, objetivando o com-
54 partilhamento do desenvolvimento
sentido, a iniciativa “Um Cinturão, rantir a sua hegemonia e fazer
Uma Rota”11 (One Belt One Road, ou com que outros países depen- e da prosperidade. As estatísticas
OBOR) joga um papel importante na dam dela? mostraram que os bancos chineses
interligação econômica da região. já participaram de mais de 2.600
José Eustáquio Diniz Alves – projetos e inclui investimentos em
Primeiro a China montou uma má- uma ampla variedade de áreas, des-
IHU On-Line – De outro lado, quina azeitada de produção de bens de energia limpa até manufatura,
como a Europa se posiciona de consumo de massa a preços bara- tecnologia da informação e comu-
diante do RIC e da Eurásia? tos que invadiu todas as fronteiras nicações, transportes, portos e aero-
e ocupou as prateleiras do planeta, portos, projetos hidráulicos, assim
José Eustáquio Diniz Alves – A
tornando-se a fábrica do mundo. Em como desenvolvimento urbano e
presença da China na Europa orien-
segundo lugar, com o dinheiro que moradia, entre outras.
tal é cada vez mais forte e a Rússia
acumulou no comércio internacio-
continua com laços fortes (especial- Por exemplo, o oleoduto de
nal, fortaleceu suas instituições fi-
mente no campo da energia) com Kyaukpyu, em Myanmar, no valor de
nanceiras e passou a ser exportadora
esta região. Mas claro que a Europa US$ 1,5 bilhão, vai permitir que os
de capital, tornando-se, também,
ocidental vê o avanço da China e da suprimentos de petróleo do Oriente
banco do mundo. Boa parte da ro-
Rússia com grande preocupação e Médio e da África cheguem à China
lagem da dívida americana depende
até um certo medo, pois existe todo mais rapidamente. O porto de Gwa-
do dinheiro de Pequim.
um antigo imaginário aterrorizante dar e o corredor ferroviário, no Pa-
sobre os bárbaros orientais pouco quistão, permitirão ligar o oeste da
A Venezuela está totalmen-
democráticos e com outra cultu- China, através de uma ferrovia de 3
te “no bolso” dos chineses.
ra (outros hábitos, outras religiões mil km e de um porto de águas pro-
etc.). A alternativa da Europa oci- Na Europa, o frágil grupo PIGS fundas, ao Mar da Arábia. As cone-
dental seria fortalecer os laços com (Portugal, Itália, Grécia e Espanha) xões ferroviárias na região Ásia-Pa-
depende cada vez mais dos investi- cífico envolvem a ligação da região
11 Iniciativa Um Cinturão, Uma rota: é considerada a
maior façanha de infraestrutura da história da humanida- mentos chineses. Em terceiro lugar, sudoeste de Yunnan a vários países
de. Trata-se de um gigantesco programa de construção da
China para recriar rotas comerciais da Ásia para a África
a China pretende ser líder global da da região, por meio de três rotas
e a Europa. Pretende ser um instrumento para acelerar o 4ª Revolução Industrial. Ela já está planejadas: uma central, que atra-
crescimento econômico da Eurásia, gerando milhões de
empregos, o que possibilitaria o aumento da classe média na liderança da produção de energia vessa o Laos, a Tailândia e a Malásia
asiática. Foi anunciada em 2013 e deu impulso a bilhões
de dólares em investimentos em ferrovias, estradas, por-
renovável e da transição da indústria para chegar a Singapura, uma rota
tos e usinas de energia. (Nota da IHU On-Line) automobilística do motor a combus- ocidental que atravessa Myanmar

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

e uma rota oriental que atravessa o Ocidente e ascensão da China e A China, no primeiro quinquênio da
Vietnã e Camboja. Existem proje- do Oriente? década de 1980, exportava menos do
tos ferroviários no Quênia, Etiópia que o Brasil. Em 2017, exportou 10
José Eustáquio Diniz Alves
e Senegal. Foi inaugurada, recente- vezes mais do que a economia bra-
– Durante toda a década de 1980,
mente, uma linha ferroviária ligando sileira e obteve um superávit mons-
a economia dos EUA representava
Londres à estação de Yiwu, cidade truoso com o resto do mundo de
mais de 20% da economia mundial
ao sul de Xangai. Ou seja, trata-se de US$ 421 bilhões. No comércio bila-
e a economia da China representa-
uma interligação de Pequim e Xan- teral, o superávit chinês foi de US$
va menos de 5%, segundo dados do
gai com o mundo. 375 bilhões em 2017. Considerando
FMI (em ppp). Nas décadas seguin-
tes o quadro se inverteu. Em 2014, o apenas os seis primeiros meses, o
IHU On-Line – Qual é a rela- PIB da China, representando 16,6% superávit chinês no último ano do
ção e a influência da China na do PIB global, ultrapassou o PIB dos governo Obama12 (2016) foi de US$
Coreia do Norte? EUA, que ficou com 15,8% do PIB 160,8 bilhões e, mesmo com todas
global. Em 2017, a China já levava as ameaças de Trump, o superávit
José Eustáquio Diniz Alves – A semestral passou para US$ 185,7 bi-
uma vantagem de 18,3% sobre 15,3%
influência é total. A Coreia do Nor- lhões em 2018.
dos EUA. Para 2022, as estimativas
te só existe por conta do apoio da
do FMI indicam que o PIB da Chi- A China consegue este feito por
China e da URSS, que na guerra de
na subirá para 20,4% do PIB glo- meio de fatores louváveis como mui-
1950-53, garantiu a permanência no
bal, enquanto o PIB dos EUA cairá to trabalho, juros baixos, alto nível
poder de Kim Il-Sung, avô de Kim
para 14,1%. A China já ultrapassou de poupança interna e muita com-
Jong-un. Em 2016, o comércio da
os EUA em tamanho do PIB e ago- petência. Mas também há políticas
Coreia do Norte com o mundo tota-
ra estimula o crescimento de todo o mercantilistas e protecionismo de
lizou cerca de US$ 6 bilhões, sendo
continente asiático. vários tipos para afastar a concor-
US$ 5,5 bilhões (91,5%) com a Chi-
na, US$ 140 milhões com a Índia e A hegemonia da China também rência internacional. Por outro lado,
US$ 76 milhões com a Rússia. Os ocorreu no comércio mundial. No fi- os EUA possuem baixo nível de pou-
três maiores parceiros da Coreia do nal dos anos 1970 a participação das pança e investimento, moeda mais
Norte são os países do grupo RIC. exportações chinesas estava abaixo valorizada e alto endividamento pú- 55
de 1% do total mundial, contra 12% blico e privado. A China é a fábrica e
Mas a influência da China é inco-
dos EUA, segundo dados da Orga- os EUA são o shopping center. Isto
mensurável e antes do encontro da
nização Mundial do Comércio. No precisa mudar em ambos os lados.
ilha de Sentosa em Singapura, Kim
início dos anos 1990, as exportações
Jong-un se encontrou duas vezes O avanço da China não ocorre ape-
chinesas subiram para 2% do total
com Xi Jinping, em território chinês. nas no comércio, pois o gigante asi-
mundial e as exportações america-
Outro exemplo, o voo de Kim para ático tem o plano “Made in China
nas permaneceram nos 12%. Mas
Singapura aconteceu em um avião 2025”, para se tornar líder mundial
o quadro mudou rapidamente nos
do governo chinês e foi escoltado por em ciência e tecnologia (inclusive lí-
anos seguintes. Em 2007, pela pri-
caças chineses. Por fim, no dia 19 de der em Inteligência Artificial), amea-
meira vez, as exportações chinesas
junho, uma semana após a reunião çando a hegemonia americana no co-
ultrapassaram as exportações ame-
de Singapura, Kim Jong-un viajou ração das vantagens comparativas.
ricanas. Em 2017, as exportações da
para Pequim para se encontrar com Portanto, é preciso caminhar para
China somaram US$ 2,26 trilhões
Xi Jinping e, provavelmente, come- uma situação comercial mais equi-
(representando 13% do total global)
morar os resultados do enfraqueci- librada e estabelecer acordos tecno-
e as exportações dos EUA foram de
mento dos EUA na península corea- lógicos e de propriedade intelectual,
US$ 1,55 trilhão (representando 9%
na. O incrível é que neste mesmo dia pois uma escalada de conflitos pode
do total global). Em 2017, o saldo
em que os dois “ditadores” orientais inviabilizar as negociações bilaterais
comercial da China com o resto do
se encontravam na Praça da Paz Ce- e multilaterais. Partir para a guerra
mundo foi de US$ 421 bilhões e o
lestial, no lado ocidental, o “demo- é o pior cenário, pois sabemos como
déficit comercial dos EUA foi de US$
crático” presidente dos EUA refor- começa, mas ninguém sabe como
863 bilhões.
çou sua política de tolerância zero na termina. Cair na “Armadilha de Tu-
migração ilegal (colocando crianças cídides” seria um pesadelo.
em “jaulas”) e anunciou a saída dos IHU On-Line – Como o senhor
EUA do Conselho de Direitos Huma- observa as guerras comerciais
nos da ONU. entre China e Estados Unidos? IHU On-Line – Que tipos de
Quais as consequências dessas reconfigurações tendem a ocor-
disputas em nível global? rer no mundo caso a ascensão
IHU On-Line – Quais são os si-
nais que demonstram uma mu- José Eustáquio Diniz Alves 12 Barack Obama [Barack Hussein Obama II] (1961):
dança na hegemonia no mun- – Existe um desequilíbrio muito advogado e político estadunidense. Foi o 44º presidente
dos Estados Unidos, tendo governado o país entre 2009 e
do, com o declínio dos EUA e do grande no comércio internacional. 2017. (Nota da IHU On-Line)

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

da China e do Oriente vigore? tanha implementa o Brexit e as for- balização e o que preconizam
ças da direita isolacionista crescem o Consenso de Washington e o
José Eustáquio Diniz Alves
na Europa, a China, sob a liderança de Beijing, e qual é a diferença
– A ascensão da China e dos países
de Xi Jinping, implementa uma in- distintiva entre ambos?
aliados do Oriente pode significar o
tegração internacional por meio de
fim do modelo econômico e político José Eustáquio Diniz Alves – A
uma globalização à moda chinesa.
do liberalismo democrático burguês queda do Muro de Berlim (1989), a
e o fim da ordem internacional fun- reunificação da Alemanha (1990) e a
Ocidente x Oriente
dada a partir da reunião de Bretton dissolução da União Soviética (1991)
Woods13, em 1944. O empresário O modelo de Pequim não é exce- marcaram o fim de 40 anos de Guer-
Klaus Schwab14, criador do Fórum ção na Ásia, pois os Tigres Asiáticos ra Fria. Teve início um período de
Econômico Mundial, em evento rea- (Coreia do Sul, Taiwan, Singapura e hegemonia unipolar dos EUA e dos
lizado em São Paulo no mês de mar- Hong Kong) já tiveram sucesso neste valores econômicos e políticos do
ço de 2018, disse que vê para breve tipo de estratégia de desenvolvimen- Ocidente. Para o cientista político
um mundo em que a China assumirá to. Atualmente, países como Tai- Francis Fukuyama17, estes aconteci-
a liderança econômica global. Muito lândia, Malásia, Indonésia e Vietnã mentos marcaram a vitória do capi-
tempo atrás, o secretário de Estado também emulam a China e se bene- talismo liberal sobre os regimes de
dos EUA, John Hay15, em 1900, já ficiam dos investimentos regionais forte intervenção estatal. Utilizando
previa que haveria uma mudança em infraestrutura. Desta forma, a uma linha teórica desenvolvida por
geopolítica estratégica no mundo. despeito das especificidades, fica Hegel18 (1770-1831), Fukuyama es-
Ele disse: “O Mediterrâneo é o oce- cada vez mais clara a diferenciação creveu o artigo “O fim da história”
ano do passado. O Atlântico é o oce- entre os modelos econômico e políti- (1989)19, onde defendeu a ideia de
ano do presente e o Pacífico o oce- co do Oeste e do Leste. que o capitalismo e a democracia
ano do futuro”. Indubitavelmente, burguesa constituem o coroamento
os Estados Unidos e a Europa estão No primeiro caso, o Ocidente pode do progresso civilizatório. Na con-
em declínio relativo no contexto da ser definido pela somatória da eco- cepção de Fukuyama, não se trata do
economia global. Enquanto o gover- nomia de mercado e da democracia fim da história em termos cronoló-
no Trump tenta construir um muro, representativa, enquanto o Oriente gicos, mas sim da derrocada do “so-
56 é mais caracterizado pela presença
separando fisicamente o México e a cialismo real” e da vitória da demo-
América Latina dos EUA, a Grã-Bre- estatal no mercado e pelo autorita- cracia liberal, que com todas as suas
rismo na política. O sucesso de Sin- imperfeições, passou a ser a solução
gapura, de Lee Kuan Yew16 (1923- final e mais avançada de governo da
13 Conferência de Bretton Woods: nome com que ficou 2015), tem servido de inspiração história da humanidade.
conhecida a Conferência Monetária Internacional, realiza-
da em Bretton Woods, no estado de New Hampshire, nos para os outros países asiáticos. A
EUA, em julho de 1944. Representantes de 44 países par- China, por exemplo, governada por Aproveitando a conjuntura favorá-
ticiparam da conferência. Nela foi planejada a recupera-
ção do comércio internacional depois da Segunda Guerra um partido único, costuma ser defi- vel da ideologia do neoliberalismo,
Mundial e a expansão do comércio através da concessão
nida pelos oximoros “socialismo de algumas instituições sediadas em
de empréstimos e utilização de fundos. Os representan-
tes dos países participantes concordaram em simplificar mercado” ou “capitalismo de Esta- Washington (FMI, Banco Mundial,
a transferência de dinheiro entre as nações, de forma a Departamento do Tesouro dos Esta-
reparar os prejuízos da guerra e prevenir as depressões do” e não tem se comprometido com
e o desemprego. Concordaram também em estabilizar as
moedas nacionais, de forma que um país sempre soubes-
os valores da democracia, próprios
se o preço dos bens importados. A Conferência de Bretton dos países liberais. 17 Francis Fukuyama (1952): professor americano de
Woods traçou os planos de dois organismos das Nações economia política internacional da Paul H. Nitze School
Unidas – o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mun- of Advanced International Studies, na Johns Hopkins Uni-
dial. O fundo ajuda a manter constantes as taxas de câm- versity, nos EUA. Seu primeiro livro, O fim da história e o
bio, além de socorrer países com crises nas suas reservas IHU On-Line – Na sua avalia- último homem (1992), figurou nas listas de mais vendi-
cambiais, como no caso do Brasil e da Rússia, em 1998. O dos de diversos países, como EUA, França, Japão e Chile,
banco realiza empréstimos internacionais a longo prazo ção a mudança geopolítica sig- tendo ganhado o Los Angeles Times Book Critics Award
e dá garantia aos empréstimos feitos através de outros e o Prêmio Capri (Itália). Outros livros representativos de
bancos. (Nota da IHU On-Line)
nificará uma mudança na glo- sua obra são Confiança (1995), A grande ruptura (1999) e
14 Klaus Schwab (1938): engenheiro e economista nas- balização: sairá de cena uma Nosso futuro pós-humano (2002), todos publicados pela
cido na Alemanha, é fundador e presidente executivo do Editora Rocco, de São Paulo. Especialista em questões po-
Fórum Econômico Mundial. Escreveu o livro A Quarta Re- globalização neoliberal do Con- líticas e militares da Europa e do Oriente Médio, Fukuyama
volução Industrial, lançado no Brasil pela editora Edipro.
Em 1971, Schwab lecionava Universidade de Genebra,
senso de Washington e entrará já integrou o Conselho de Planejamento Político do De-
partamento de Estado norte-americano. Atualmente, ele é
Suíça, quando convidou 444 executivos de empresas da em cena uma globalização lide- membro do Conselho Presidencial de Ética em Biotecno-
Europa Ocidental para o primeiro Simpósio Europeu de logia, dentre diversos outros títulos e cargos de prestígio
Gestão. O evento foi realizado no Centro de Convenções rada pela China e o Consenso de internacional. (Nota da IHU On-Line)
de Davos, então recentemente construído. O encontro Beijing. Quais são as diferenças 18 Georg Wilhelm Friedrich Hegel (1770-1831): filóso-
teve patrocínio da Comissão Europeia e das associações fo alemão idealista. Como Aristóteles e Santo Tomás de
industriais do continente. O objetivo de Schwab era intro- entre esses dois tipos de glo- Aquino, desenvolveu um sistema filosófico no qual esti-
duzir as empresas europeias nas práticas de gestão dos vessem integradas todas as contribuições de seus princi-
Estados Unidos. Para tanto, fundou o Fórum de Gestão pais predecessores. Sobre Hegel, confira a edição 217 da
Europeu, organização sem fins lucrativos localizada em IHU On-Line, de 30-4-2007, disponível em https://goo.gl/
Genebra, convocando todos os meses de janeiro anual- 16 Lee Kuan Yew (1923-2015): foi o primeiro-ministro de m0FJnp, intitulada Fenomenologia do espírito, de (1807-
mente, líderes empresariais europeus para Davos. O nome Singapura de 1959 a 1990. Cofundador e secretário-geral 2007), em comemoração aos 200 anos de lançamento
do fórum mudou para World Economic Forum em 1987. do Partido da Ação Popular (PAP), Lee levou o partido a dessa obra. Veja ainda a edição 261, de 9-6-2008, Carlos
(Nota da IHU On-Line) uma vitória esmagadora nas eleições de 1959, coordenou Roberto Velho Cirne-Lima. Um novo modo de ler Hegel, dis-
15 John Milton Hay (1838-1905): estadista, diplomata, a separação de Singapura da Federação da Malásia em ponível em https://goo.gl/D94swr; Hegel. A tradução da
escritor e jornalista estadunidense, além de ter sido assis- 1965 e foi o líder nacional durante a transformação de Sin- história pela razão, edição 430, disponível em https://goo.
tente e secretário particular de Abraham Lincoln. Foi o 37º gapura, que passou de um entreposto colonial subdesen- gl/62UATd e Hegel. Lógica e Metafísica, edição 482, dis-
Secretário de Estado dos Estados Unidos. (Nota da IHU volvido para ser um dos Tigres Asiáticos, com uma eco- ponível em https://goo.gl/lldAkv. (Nota da IHU On-Line)
On-Line) nomia típica de Primeiro Mundo. (Nota da IHU On-Line) 19 São Paulo: Rocco, 2015. (Nota da IHU On-Line)

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

dos Unidos etc.), buscando aprofun- com mudanças graduais para evitar extrema pobreza. Os outros países da
dar a influência do capitalismo libe- choques e controle cambial para es- região buscam repetir o sucesso chi-
ral, apresentaram, em dezembro de capar da especulação predatória; nês nesta área e para isto contam com
1989, uma lista de dez pontos com o avanço do comércio internacional.
3. Políticas de promoção das expor-
recomendações de política econômi- Todavia, com a saída da Parceria
tações (“Export-led growth”) com
ca para os diversos países do mundo. Transpacífico, a adoção de medidas
proteção da indústria local e dos se-
A elaboração do receituário, conhe- protecionistas e a utilização de tari-
tores estratégicos do país;
cido como “Consenso de Washin- fas, o governo Trump tem irritado os
gton” ficou a cargo do economista 4. Reformas de mercado, mas com países asiáticos e tem perdido espaço
John Williamson e pode ser sumari- controle das instituições políticas e na sua esfera de influência.
zada no decálogo seguinte: culturais;
Em contrapartida, a China trabalha
5. Centralização das decisões polí- agressivamente para preencher o vá-
1. Disciplina fiscal e baixo déficit pú- ticas e das estratégias de projeção cuo. A iniciativa “Um Cinturão, Uma
blico; nacional. rota” (One Belt One Road, ou OBOR)
– que é considerada a maior façanha
2. Focalização dos gastos públicos Desta forma, o Consenso de Beijing
de infraestrutura da história da huma-
em educação, saúde e infraestrutura; tem sido referência não só para a
nidade – pretende ser um instrumen-
3. Reforma tributária; China, mas também para a Rússia, a to para acelerar o crescimento eco-
Turquia, o Cazaquistão, as Filipinas nômico da Eurásia, gerando milhões
4. Liberalização financeira; etc. de empregos, o que possibilitaria o
5. Taxa de câmbio competitiva; A Índia, de Narendra Modi, em- aumento da classe média asiática. A
6. Liberalização do comércio exte- bora seja considerada a maior de- China busca interligar a Eurásia de
rior; mocracia do mundo, também flerta uma forma nunca vista e com oportu-
com vários aspectos do modelo de nidade de negócios que deslumbra as
7. Eliminação de restrições ao capi- Beijing. diversas nações. Os cerca de 5 bilhões
tal externo; de habitantes da região sairiam ga-
nhando economicamente. 57
8. Privatização e venda de empresas
estatais; “A China é
Impacto ecológico do mo-
9. Desregulação das relações traba- a fábrica e delo chinês
lhistas;
10. Defesa da propriedade intelec-
os EUA são Contudo, o impacto ecológico será
enorme e, com toda certeza, o meio
tual. Sem dúvida, a globalização
neoliberal, estimulada pelo Consen-
o shopping ambiente sairá perdendo. O Presiden-

center. Isto
te Xi Jinping tem feito um discurso
so de Washington, foi claramente tentando minimizar os efeitos am-
hegemônica no mundo entre 1989
e 2008 (quando houve a quebra do
banco Lehman Brothers e a grande
precisa mudar bientalmente negativos da iniciativa
“Um Cinturão, Uma rota” (One Belt
recessão internacional de 2009). em ambos One Road, ou OBOR) e, em várias
ocasiões, tem repetido: “devemos bus-
Mas como mostram os dados já
apresentados, os países do grupo
os lados” car a nova visão do desenvolvimento
verde e um modo de vida e trabalho
RIC tiveram um melhor desempe- que seja verde, de baixo carbono, cir-
nho econômico na retomada da crise cular e sustentável. Devem ser feitos
e devem ultrapassar o G7, em tama- IHU On-Line – O que mudaria esforços para fortalecer a cooperação
nho do PIB, até 2020. O sucesso, es- na globalização com a ascensão em proteção ecológica e ambiental e
pecialmente da China, foi adotar um do Consenso de Beijing? O que construir um ecossistema sólido, de
outro caminho diferente do Consen- o mundo ganha ou perde com modo a atingir as metas estabelecidas
so de Washington, que o economis- essa mudança? pela Agenda 2030 da ONU para o De-
ta Joshua Ramo definiu como “The José Eustáquio Diniz Alves – A senvolvimento Sustentável”.
Beijing Consensus”, em 2004. ascensão da China, desde as refor- Mas os críticos consideram que as
O “Consenso de Beijing” reúne as mas de Deng Xiaoping20, no final da melhores práticas ambientais não
seguintes características: década de 1970, viabilizou a retirada serão adotadas, devido à falta de
de 1 bilhão de chineses da situação de transparência e ao baixo compro-
1. Promoção das economias em que
misso democrático dos desenvol-
a propriedade estatal continua tendo 20 Deng Xiaoping (1904-1997): foi o secretário-geral do
Partido Comunista Chinês, sendo, de fato, o líder político vedores dos projetos. Na China é
um peso dominante; da República Popular da China entre 1978 e 1990. Criador
do chamado socialismo de mercado, regime vigente na
comum se adotar o conceito “poluir
2. Promoção de câmbio competitivo, China moderna. (Nota da IHU On-Line) primeiro, controlar depois”. O maior

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

risco de uma iniciativa tão grandio- antiga entre os anos de 431 e 404 a.C.) IHU On-Line – Deseja acres-
sa é a proliferação de tecnologias foi a ascensão de Atenas e o medo que centar algo?
sujas e destrutivas, como carvão, isso incutiu em Esparta que tornou a
José Eustáquio Diniz Alves –
grandes hidrelétricas, desmata- guerra inevitável. Nos últimos séculos,
Apenas dizer que Francis Fukuyama
mento florestal, uso de recursos hí- essas condições de mudanças de hege-
estava errado, pois a ordem demo-
dricos escassos, fragmentação das monia ocorreram dezesseis vezes, sen-
crática liberal e de mercado pare-
paisagens naturais, perda de biodi- do que, em doze delas, estourou uma
ce não ser a forma de organização
versidade etc. Devem aumentar os guerra. Para o autor, as condições atu-
político-econômica mais evoluída e
conflitos socioambientais. ais estão dadas para gerar um conflito
superior do mundo, nem representa
bélico entre os EUA e a China.
o fim da história. A hegemonia oci-
IHU On-Line – Acerca da as- Embora, o encontro entre Donald dental que foi construída a partir da
censão do Oriente, o senhor já Trump e Kim Jong-un em Singapura 1ª Revolução Industrial e Energéti-
disse que existem oportunida- tenha contribuído para aliviar as ten- ca, há 250 anos, está cedendo espaço
des e riscos nesse processo. Po- sões nucleares, os EUA continuam para uma hegemonia oriental menos
deria nos dar alguns exemplos uma potência militar dominante no liberal, menos democrática e menos
tanto das oportunidades quan- mundo e tiveram despesa militar de apoiada no mercado.
to dos riscos? U$ 611 bilhões em 2016, enquanto a
China é o país que apresenta as maio- Surpreendentemente, este pro-
José Eustáquio Diniz Alves – res taxas de aumento nos investimen- cesso está sendo acelerado pelas
Existem oportunidades advindas do tos bélicos, internos e externos, tendo atitudes do atual presidente dos
processo de desenvolvimento e da contabilizado despesas militares de EUA, que passou a maior parte
melhoria das condições de vida dos US$ 215 bilhões em 2016. Em tercei- de seu período de ano e meio no
cerca de 5 bilhões de habitantes da ro lugar vem a Rússia com despesas poder rasgando acordos multila-
Eurásia e existem os riscos ecológi- de US$ 69 bilhões, segundo o Sto- terais, desestabilizando as orga-
cos e socioambientais. ckholm International Peace Research nizações internacionais, impondo
Institute. Estes três países foram res- penalidades comerciais a aliados,
Conflito bélico ponsáveis por 53% do gasto militar fraquejando diante de antigos
58 inimigos ditatoriais, ameaçando
mundial. Se houvesse desarmamen-
Mas as maiores ameaças surgem da o relacionamento com a China
to, o mundo seria outro caso estes
possibilidade de um conflito bélico construído desde os tempos do
recursos fossem usados para a guerra
entre as superpotências. O escritor presidente Nixon e perturbando
contra a pobreza e pela regeneração
e professor da Universidade de Har- a ordem diplomática global cons-
ecológica, ao invés de aumentar os
vard, Graham T. Allison21, no livro, truída, com muito esforço, sobre
arsenais de destruição em massa de
“Destined for War: Can America and os escombros da Segunda Guerra.
vidas humanas e não humanas.
China Escape Thucydides’s Trap?”22, Para completar, a democracia li-
aponta para a possibilidade de uma Portanto, a ascensão da Ásia e a beral está em retrocesso em todo o
guerra entre os EUA e a China. O mo- emergência do processo de Orien- mundo atualmente e ganham for-
tivo é a “Armadilha de Tucídides”, talização do mundo, sob liderança ça líderes autocráticos com Vladi-
que se refere a um padrão de estresse chinesa, pode não ocorrer de manei- mir Putin e Xi Jinping, enquanto
estrutural que resulta do movimento ra pacífica diante do declínio relati- Donald Trump aumenta os gastos
provocado pelo choque entre um po- vo dos EUA e do Ocidente. Infeliz- militares dos EUA.
der ascendente e o poder hegemônico mente, a Armadilha de Tucídides24
descendente. Para o professor, esse fe- é como uma espada de Dâmocles25 Existe alguma esperança de que
nômeno é tão antigo quanto a própria suspensa sobre a ordem internacio- a mudança de hegemonia entre o
história. Ele explica que na Guerra do nal e a possibilidade de paz mundial. Ocidente e o Oriente possa ocorrer
Peloponeso23 (que devastou a Grécia de forma mais ou menos pacífica,
Helênicas. De acordo com Tucídides, a razão fundamental embora não seja improvável ocor-
da guerra foi o crescimento do poder ateniense e o te-
21 Graham Tillett Allison (1940): é cientista, escritor, po- mor que tal despertava entre os espartanos. A cidade de rer a Armadilha de Tucídides, num
lítico norte-americano e professor na Escola de Governo Corinto foi especialmente atuante, pressionando Esparta contexto de conflito nuclear entre
John F. Kennedy na Universidade Harvard. Seu livro Re- a fim de que esta declarasse guerra contra Atenas. (Nota
aking Foreign Policy: The Organizational Connection, co- da IHU On-Line) a potência emergente e a potên-
escrito por Peter Szanton, foi publicado em 1976 e teve 24 Armadilha de Tucídides: expressão popularizada por
muita influência sobre a política externa da administração Graham Allison em 2012 e extraída de uma passagem da cia descendente. Se a governança
do presidente Jimmy Carter que assumiu o cargo no início História da Guerra do Peloponeso, da autoria do próprio global não for capaz de apresentar
de 1977. Desde a década de 1970, Allison também foi um Tucídides. A “armadilha” fica caracterizada quando o cres-
dos principais analistas da política nacional de segurança cimento do poder de uma potência emergente passa a soluções para o complexo quadro
e defesa dos Estados Unidos, com especial interesse nas ameaçar os interesses da potência hegemônica, a ponto
armas nucleares e no terrorismo. (Nota da IHU On-Line) de causar uma guerra. Atualmente, a expressão está sendo das relações internacionais e a de-
22 Houghton Mifflin Harcourt, 2017. (Nota da IHU On-Li- empregada para descrever a situação entre a China e os terioração das condições sociais e
ne) Estados Unidos, como potências emergente e hegemôni-
23 Guerra do Peloponeso: foi um conflito armado entre ca, respectivamente. (Nota da IHU On-Line) ambientais, pode ser que, de fato,
Atenas (centro político e civilizacional do mundo ocidental 25 Dâmocles: é protagonista de uma anedota moral que
no século V a.C.) e Esparta (cidade-Estado de tradição mili- figurou originalmente na história perdida da Sicília por Ti- ocorra o fim da história, em sua
tarista e costumes austeros), de 431 a 404 a.C. Sua história
foi detalhadamente registrada por Tucídides, na obra His-
meu de Tauromênio (356-260 a.C.). Cícero pode tê-la lido
em Diodoro Sículo. Ele fez uso dela em suas Tusculan Dis-
forma trágica, juntamente com o
tória da Guerra do Peloponeso, e por Xenofonte, na obra putationes V.61-62. (Nota IHU On-Line) fim da civilização humana.■

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

Leia mais
- “A Inteligência Artificial pode se transformar em um monstro incontrolável”. Entrevista
especial com José Eustáquio Alves, publicada nas Notícias do Dia de 23-09-2017, no sítio
do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, disponível em http://bit.ly/2Ot2tS8.
- O marxismo continua atual para a crítica do capitalismo e a denúncia das desigual-
dades. Entrevista especial com José Eustáquio Diniz Alves, publicada nas Notícias do
Dia de 27-07-2018, no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, disponível em http://bit.
ly/2PwexBE.
- “As perspectivas para o século XXI são de menor crescimento e de maior desigualda-
de”. Entrevista especial com José Eustáquio Alves, publicada nas Notícias do Dia de 24-09-
2017, no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, disponível em http://bit.ly/2OqH7Vz.
- Censo 2010. Uma família plural, complexa e diversa. Entrevista especial com José Eus-
táquio Diniz Alves e Suzana Cavenaghi, publicada nas Notícias do Dia de 29-10-2012, no
sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, disponível em http://bit.ly/2NWXGHA.
- As mulheres e o envelhecimento populacional no Brasil. Artigo de José Eustáquio Diniz
Alves, publicado nas Notícias do Dia de 21-01-2016, no sítio do Instituto Humanitas Unisinos
– IHU, disponível em http://bit.ly/2NXrUu1.
- Demografia e Decrescimento. Entrevista especial com José Eustáquio Diniz Alves, pu-
blicada nas Notícias do Dia de 15-03-2010, no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU,
disponível em http://bit.ly/2LCigAj.

59

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

O avanço chinês sobre nações periféricas


subverte lógica do imperialismo neoliberal
Valéria Ribeiro analisa que especialmente o crescimento da China em países
da África tem de ser visto de forma muito particular a partir dos anos 1990
Ricardo Machado | Edição: João Vitor Santos

N
o mesmo ritmo em que a China fato de não seguirem uma lógica impe-
foi se transformando em grande rialista de cunho neoliberal não signifi-
cliente de países em desenvolvi- ca que estabeleçam relações mais iguais
mento, recentemente vem se tornando com países em desenvolvimento. Quanto
fornecedora de produtos tanto primários à realidade africana, “o que se observou
como industrializados. É nesse contexto ao longo da década foi uma melhora no
que se dá seu grande avanço sobre paí- quadro macroeconômico que se refletiu
ses africanos. Mas esse dragão asiático em uma maior capacidade de ampliar in-
domina comercialmente novos continen- vestimentos e programas sociais, levando
tes de uma forma diferente da que temos à melhora de alguns indicadores de po-
observado em outras épocas e entre ou- breza e renda”. Mas acrescenta que, “no
tros países. “A entrada da China, princi- entanto, a África não passou por um pro-
palmente a partir do século XXI, deve ser cesso de mudança estrutural, com a am-
60 vista como representando um elemento pliação, por exemplo, da indústria ou do
que se contrapõe àquele contexto de im- aumento de renda interna expressivo”.
perialismo neoliberal”, alerta a profes- Valéria Lopes Ribeiro é professora
sora Valéria Lopes Ribeiro. “Trata-se de no curso de Relações Internacionais da
um fenômeno que se apresenta de forma Universidade Federal do ABC - UFABC.
contraditória. Ao aproximar-se de países Doutora em Economia Política Interna-
com vasta disponibilidade de recursos cional pelo Programa de Pós-Graduação
primários, em muitos casos os chineses em Economia Política Internacional da
atuam de forma a estabelecer relações Universidade Federal do Rio de Janei-
de troca vantajosas para si próprios, mas ro - UFRJ, é mestra em Economia pela
que são prejudiciais para os países expor- Universidade Federal de Santa Catari-
tadores”, explica, ainda lembrando que na - UFSC e graduada em Ciências Eco-
muito investimento chinês está apoiado nômicas pela Universidade Federal de
em capital estatal. Uberlândia-MG. Entre suas publicações,
Na entrevista a seguir, concedida por destacamos The Chinese expansion in
e-mail à IHU On-Line, Valéria detalha Africa in the 21st century. Livro Reclai-
que a China pode ser vista como uma eco- ming Africa Scramble and Resistance
nomia capitalista. Mas ressalva: “tem sua in the 21st Century (Springer Singapore,
trajetória histórica e perspectivas futuras 2017) e A economia política dos Estados
marcadas pelo socialismo. A construção Unidos e da China pós crise de 2008:
do socialismo chinês enfrenta diversas interdependência econômica e relações
contradições internas que agora também interestatais (Geosul, v. 33, p. 11, 2018).
se projetam externamente”. Ou seja, o Confira a entrevista.

IHU On-Line – De que manei- nos últimos 30 anos? externo para a economia chinesa é
ra o comércio externo se trans- Valéria Lopes Ribeiro – Um a transição gradual que o país rea-
formou em um dos principais dos pontos fundamentais para en- lizou da economia socialista para
pilares da economia chinesa tender a importância do comércio uma economia mais aberta. No fi-

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

“A China vai se tornando não apenas uma


fronteira de exportação de empresas
estrangeiras, mas principalmente
vai passando a ter capacidade de
modernizar sua própria indústria”

nal dos anos 1970 e início dos anos Apesar da China ter se tornado Segundo Kiggundu (2008)3, os
1980, o Partido Comunista Chinês1 a maior economia exportadora do principais fluxos de Índices de De-
passou a abrir sua economia na me- mundo, o comércio exterior não senvolvimento Econômico chineses
dida em que entendeu que esta po- pode ser entendido como o único na África no ano de 2006, por exem-
lítica seria estratégica para atender motor do crescimento do país. O plo, englobavam o setor de minérios,
os objetivos de desenvolvimento investimento, principalmente esta- com 40.74% do total; serviços de ne-
econômico, modernização e inclu- tal, foi variável chave na capacidade gócios, com 21.58%; setor financei-
são social. Utilizando a política de do país de expandir seus índices de ro, com 16.4%; setor de transportes
abertura gradual, o Estado permitiu crescimento. Dentro desta capaci- e telecomunicações, com 6.57%; co-
a abertura da economia e liberali- dade de investir e exportar devemos mércio, 6.57%; artigos manufatura-
zação do comércio externo apenas destacar a capacidade que o Estado dos com 4.33%.
em algumas áreas que passariam a chinês tem de submeter interesses,
De acordo com documento oficial
receber Investimentos Externos Di- como o financeiro, aos objetivos de
do governo chinês (White Paper, 61
retos mediante diversas facilidades expansão produtiva, crescimento
2010), os principais investimentos
tarifárias. e geração de empregos mediante a
chineses na África eram relaciona-
regulação de variáveis chave, como
Dentro dessa estratégia, foram dos a setores de exploração mineral,
juros e câmbio.
fundamentais as condicionalida- setor financeiro, manufatura, cons-
des impostas pelo Estado para essa trução, turismo, florestas, agricultu-
abertura, como por exemplo a trans- IHU On-Line – Como se carac- ra e pesca. (White Paper/Gov. Chi-
ferência de tecnologia de empresas terizam os investimentos chi- na, 2011). Segundo este documento,
estrangeiras para empresas chinesas neses no continente africano a setores de mineração, manufatura e
e a criação de novas empresas. Essa partir dos anos 2000? construção aparecem entre os seto-
política se aliou à continuidade da res mais contemplados com Inves-
política de fortes investimentos es- Valéria Lopes Ribeiro – Os timento Direto estrangeiro – IDEs
tatais focados em indústria nacio- investimentos chineses na África a chineses na África (cerca de 67%
nal, infraestrutura e modernização partir dos anos 2000 caracterizam- somados). Além destes o setor finan-
tecnológica. Assim, a China vai se se pela forte presença das empresas ceiro também é representativo.
tornando não apenas uma fronteira estatais em setores ligados à minera-
de exportação de empresas estran- ção. Apesar disso, os investimentos
geiras, mas principalmente vai pas- não se reduzem a esse setor, esten- IHU On-Line – Quais são os
sando a ter capacidade de moderni- dendo-se para o setor financeiro, países parceiros e como se dis-
zar sua própria indústria, que passa construção, manufatura e outros. tinguem os investimentos para
a ter alta capacidade de importar e Outro aspecto importante é a pre- cada grupo de países?
exportar para o mundo todo. sença também de empresas privadas
Valéria Lopes Ribeiro – Entre
chinesas na região. O que caracteriza
2003 e 2010 África do Sul, Nigéria,
essa aproximação chinesa é um mo-
Argélia e Zâmbia foram os principais
1 Partido Comunista da China: é o partido que governa
a China desde 1948. O partido foi fundado em julho de
vimento a partir do qual uma articu-
1921 em Xangai. O PC da China passou por momentos de lação interna chinesa orienta a am-
dificuldades. Seus primeiros passos foram orientados pelo
Komintern (Internacional Comunista sediada em Moscou pliação das relações. Esta articulação cionais na China com o objetivo de implementar o estado
que orientava os Partidos Comunistas do mundo inteiro). une o governo chinês, as instituições políticas na indústria, comércio exterior, diplomacia, eco-
No final da Segunda Guerra Mundial o PC da China der- nomia, e fornecer apoio financeiro de política, a fim de
rotou o KMT. Mao Tse Tung implantou a sua interpretação financeiras, principalmente o Exim- promover a exportação de produtos e serviços chineses.
ortodoxa do marxismo-leninismo, durante as quase três Criado em 1994, o banco é subordinado ao Conselho de
décadas em que esteve no poder. Empreendeu a chamada
Bank2 e as empresas chinesas. Estado. (Nota da IHU On-Line)
“Revolução Cultural”, com que tentou laicizar todo o es- 3 Kiggundu, M. N. (2008). A profile of China’s outward
tado e população chinesa. Hoje o Partido Comunista da foreign direct investment. Proceedings ofthe American
China é composto de mais de 87 milhões de militantes. 2 The Export–Import Bank of China [Banco de Exporta- Society of Business and Behavioural Sciences, 15, 130-144.
(Nota da IHU On-Line) ção e Importação da China ]: é um dos três bancos institu- (Nota da IHU On-Line)

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

destinos dos investimentos chineses tróleo, criação de joint ventures e ex- 2008 o país começou a rever suas
na África, segundo dados do Statisti- ploração de mercados relacionados, concessões de exploração de aço e
cal Bulletin of China’s Outward Fo- como o de gás. Em 2005, por exem- bauxita, tradicionalmente nas mãos
reign Direct Investment4. No entan- plo, a CNPC venceu quatro licenças de grandes corporações ocidentais,
to é possível afirmar que os chineses de exploração de petróleo nigerianas como a Rio Tinto (Inglaterra/Aus-
estão presentes em grande parte dos depois de o governo chinês ter se trália), a China chega ao país. Após
países africanos com investimentos oferecido para construir uma usina uma série de conversas e visitas en-
em diversos setores. hidrelétrica em Mambila, localizada tre membros dos dois países, ofere-
no estado nigeriano Plateau State. ce-se uma série de apoios e inves-
No setor de energia e petróleo, por
(Executive Research Associates - timentos que fazem a diferença na
exemplo, até o ano 2000, a China
ERA, 2009). Em 2006, a Chinese Oil disputa pelas concessões e direitos
restringia sua atuação na África ao
Company CNOOC Ltd.6 anunciou a de exploração.
Sudão, com a China National Petro-
compra de 2,3 bilhões de dólares de
leum Corporation CNPC5 lideran-
45% da Nigerias OML em campos de Telefonia
do na exploração do petróleo. Mais
petróleo em águas profundas.
recentemente as empresas chinesas Além das áreas de energia e mi-
operam em quase 20 países afri- Os casos relativos à entrada das neração, a área de manufatura cor-
canos tanto em setores de petróleo empresas petrolíferas no continente responde a boa parte do destino dos
como derivados e vêm se posicio- africano demonstram a forma como IDEs chineses na África. Um setor
nando de forma estratégica, dispu- a China vem se aproximando, am- importante aqui é o de telecomuni-
tando mercados até então ocupados parada pelo governo e instituições cações. A expansão nesse setor tem
por empresas ocidentais ou da pró- financeiras. se dado mediante a expansão de em-
pria região. A partir dos anos 2000 a presas chinesas que buscam princi-
China entrou em países como Ango- Minérios palmente mercados consumidores
la e Nigéria e também em países me- para seus produtos, além de posi-
nos explorados, como Chade, Mau- No setor de minérios, a China atua
ções como fornecedoras de partes
ritânia, Níger e Guiné Equatorial. À na região central e sul da África Sub-
e componentes de outras firmas na
frente da política de expansão chine- saariana onde é possível encontrar
62 vastas reservas de minérios como
África.
sa no setor petrolífero, como visto,
estão as grandes estatais chinesas. cobre, aço, ouro, manganês e outros, Empresas como a Huawei7, Alcatel
em países como África do Sul, Tan- Shangai8, China Mobile9 e ZTE10 vêm
Em Angola, os investimentos chi- zânia, Moçambique e, principalmen- se expandindo para países africanos,
neses têm representado importante te, na Zâmbia, que dispõe de amplas tanto como fornecedores de pro-
impulso para expansão das expor- reservas de cobre e ainda carvão e dutos finais (como celulares) como
tações do país. No caso da Nigéria, manganês. Além da Zâmbia, outro também fornecedores de partes e
o impacto da entrada das empresas país onde o setor de mineração tem componentes. Os maiores mercados
chinesas também é visível. O país é sido bastante contemplado pelos in-
um dos maiores da África e um dos vestimentos chineses é a República 7 Huawei: é uma empresa multinacional de equipamen-
mais ricos, além de ter um papel po- tos para redes e telecomunicações sediada na cidade de
Democrática do Congo. O país foi Shenzhen, localizada na província de Guangdong, na Chi-
lítico influente na região da África cenário de um dos maiores acordos na. É a maior fornecedora de equipamentos para redes e
telecomunicações do mundo, tendo ultrapassado a Erics-
Ocidental. Para os chineses, é um realizados até agora entre China e son em 2012. (Nota da IHU On-Line)
local estratégico na região do Golfo África envolvendo contratos de ex-
8 Alcatel: é uma empresa global de telecomunicações
sediada em Boulogne-Billancourt, França. A empresa foi
da Guiné, além de ser um grande ploração de minérios. Chamado de formada em 1º de dezembro de 2006 a partir da fusão
da empresa francesa Alcatel (Société Alsacienne de Cons-
mercado consumidor de cerca de “contrato do século” o acordo teve tructions Atomiques, de Télécommunications et d’Électro-
130 milhões de pessoas e, principal- ampla repercussão em todo o mundo nique) com a americana Lucent Technologies. Apesar do
nome, os telemóveis Alcatel One Touch não são fabricados
mente, possui vastas reservas de pe- e despertou discussões e julgamen- pela Alcatel-Lucent, mas sim pela TCL Corparation. Empre-
sa chinesa que está entre as seis maiores fabricantes de
tróleo. Vários contratos foram firma- tos sobre o papel que a China vem televisores do mundo após Samsung, Lg, Sony, Panasonic
dos entre as empresas chinesas e a exercendo nos países africanos. e Sharp e entre as oito maiores fabricantes de celulares. A
TCL fornece aparelhos celulares para a Alcatel, Thomson
Nigéria, incluindo exploração de pe- e RCA. Em 2016 foi concluída a compra da Alcatel-Lucent
Outros casos relacionados ao setor pela Nokia Corporation pelo valor equivalente a R$54 bi-
lhões. (Nota da IHU On-Line)
4 Boletim Estatístico do Investimento Direto Estrangeiro de mineração podem ser apontados, 9 China Mobile Communications Corporation: é uma
Externo da China, em português. Investimento estrangeiro
direto (IED) é o investimento feito para adquirir um inte-
como o caso da Guiné. Quando em empresa estatal chinesa de telecomunicações especializa-
da em telefonia celular. É a maior do mundo, com cerca de
resse duradouro em empresas que operem fora da eco- 740 milhões de clientes (01/2014), além de deter 67,5% do
nomia do investidor. A relação de IED compreende uma mercado de telefonia celular chinês. É a maior empresa in-
empresa matriz e uma filial estrangeira, as quais, em con- 6 China National Offshore Oil Corporation - CNOOC: corporada em Hong Kong, além de ser a mais capitalizada
junto, formam uma empresa multinacional. Para ser consi- é uma empresa petrolífera chinesa, empresa de econo- cotada na HKSE. (Nota da IHU On-Line)
derado como IED, o investimento deve conferir à matriz o mia mista, com ações na Bolsa de Valores de Hong Kong 10 ZTE: é uma empresa de telecomunicações que fabri-
controle sobre a sua filial. (Nota da IHU On-Line) (Hong Kong Stock Exchange). O acionista majoritário é o ca e presta serviços em soluções de rede (GSM, CDMA,
5 China National Petroleum Corporation - CNPC: é governo da China, que controla 70% da corporação. É a CDMA2000, W-CDMA, TD-SCDMA, FDD-LTE, TDD-LTE,
uma grande empresa nacional de petróleo e gás da China maior empresa de exploração petrolífera offshore em alto IMS, NGN, PSTN, SDH, ADSL, IPTV e serviços agregados)
e um dos maiores grupos integrados de energia do mun- -mar da China. Cerca de 80% dos rendimentos da empresa e dispositivos móveis mundialmente com sede em Shen-
do. Sua sede é no distrito de Dongcheng, Pequim. A CNPC vêm da exploração petrolífera direta. A empresa assume, zhen, China. ZTE foi fundada em 1985. Suas ações estão
ficou em quarto lugar em 2017, Fortune Global 500, um sem custos, 51% de qualquer projeto de exploração em cotadas na Bolsa de Hong Kong e na Bolsa de Shenzhen.
ranking global das maiores corporações por receita. (Nota alto-mar realizado na China por empresas petrolíferas es- É a segunda maior empresa de telecomunicações chinesa.
da IHU On-Line) trangeiras. (Nota da IHU On-Line) (Nota da IHU On-Line)

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

africanos para as companhias chine- anos seguintes, o continente africano exemplo para elucidar esta questão.
sas da área de telecom são Argélia, como um todo apresentou uma me- No caso da África do Sul observa-se
Egito, Tunísia, Marrocos e África do lhora em termos de expansão eco- o aumento das exportações de bens
Sul, os quais são responsáveis por nômica e situação macroeconômica. primários, grande parte deles dirigi-
60% do total de ativos da área de Muitos países apresentam taxas de dos à China, que por sua vez avança
telecom. Outros dois que estão cres- crescimento altas, principalmente se também a partir da entrada de in-
cendo em importância são a Nigéria comparado aos anos 1990. A situação vestimentos externos no país, não
e Angola. do Balanço de Pagamentos também apenas nas áreas de mineração, mas
melhora, muito em função do au- também na indústria manufaturei-
Agricultura mento das exportações de produtos ra. O crescimento da década no país
primários para a China e devido ao permitiu uma certa melhora da capa-
A agricultura também se apresenta aumento dos preços provocado pela cidade de atuação do governo, prin-
como uma área importante para o en- alta demanda chinesa. Este melhor cipalmente a partir de 2005, quando
volvimento chinês na África e o inves- desempenho econômico foi acompa- se ampliam os investimentos em in-
timento direto chinês no exterior está nhado de uma redução nos níveis de fraestrutura, os gastos públicos e as
crescendo nos últimos anos. Muitos pobreza e de queda da mortalidade despesas internas. Esse movimento
projetos e fazendas são fundados nas infantil em muitos países. repercutiu em alguma melhora em
últimas décadas em muitos países
Ainda assim, apesar da melhora, termos de emprego e redução da
africanos, envolvendo firmas chine-
principalmente ligada aos indicado- pobreza. Ainda assim, as taxas de
sas, produtores africanos e governos
res econômicos, existem fortes limita- desemprego continuam altas, assim
africanos. Ao longo das últimas dé-
ções para mudanças estruturais para como a pobreza da população. O fato
cadas, os Ministérios Chineses de
o desenvolvimento africano. O que se com certeza mais alarmante é a ma-
Comércio Exterior e Cooperação Eco-
observou ao longo da década foi uma nutenção de um quadro gravíssimo
nômica, Relações Exteriores e Agri-
melhora no quadro macroeconômico de concentração de renda, que faz
cultura começaram a promover uma
que se refletiu em uma maior capaci- com que o país continue como um
série de atividades para anunciar a
dade de ampliar investimentos e pro- dos mais desiguais do mundo.
possibilidade da agricultura na África,
com ênfase na vontade do governo de gramas sociais, levando à melhora de 63
alguns indicadores de pobreza e ren- Angola
apoiar a expansão das empresas. Este
apoio ocorre através da facilitação de da. No entanto, a África não passou
por um processo de mudança estru- No caso de Angola, país que sai dos
empréstimos e assistência técnica. anos 1990 devastado pela guerra ci-
tural, com a ampliação, por exemplo,
da indústria ou do aumento de renda vil, a inserção da conjuntura dos anos
Infraestrutura 2000 parece bem mais promissora,
interna expressivo. Em 2000, a parti-
cipação da indústria no valor agrega- assim como a entrada dos fluxos fi-
Outro setor forte do investimento
do total no continente africano como nanceiros e investimentos chineses
chinês é a infraestrutura. Projetos
um todo era de 33%. Em 2014, essa no país. A expansão das exportações
como a construção de aeroportos,
parcela corresponde a 32%. As par- de petróleo e o aumento das rendas
hospitais, edifícios governamentais,
celas dos serviços e agricultura tam- de exportação têm permitido a ma-
escolas, hidrelétricas e barragens
bém permanecem praticamente as nutenção de um ritmo acelerado de
são comuns na África. Uma gran-
mesmas, de 51% e 15%. Com relação crescimento econômico, assim como
de parcela desses investimentos foi
viabilizada pelo apoio financeiro da à África Subsaariana tem-se o mesmo a entrada dos grandes volumes de
EximBank, e a maioria dos projetos quadro, com a indústria mantendo a empréstimos chineses direcionados
de infraestrutura é feita nos setores mesma participação no valor agrega- para grandes projetos de infraestru-
de geração de energia (hidrelétrica) do total de cerca de 30%. tura tem sido fundamental na expan-
e transportação (ferrovias). são do país. Mais uma vez, observa-se
Quando se observam os dados re- a ampliação dos gastos do governo, do
ferentes à pauta exportadora dos consumo e dos investimentos como
países africanos, verifica-se a per- motores do crescimento no país.
IHU On-Line – Os investimen-
manência dos artigos primários,
tos chineses têm gerado cres-
com Angola em 2014 com 96% das A China tem tido papel fundamen-
cimento no Índice de Desen-
exportações sendo de petróleo, ou a tal desde o início dos anos 2000,
volvimento Humano - IDH dos
Nigéria, uma das maiores economias contribuindo para reconstrução de
países africanos, com a geração
do continente com 91% da pauta Angola, através dos investimentos e
de empregos para a população
correspondendo a petróleo. Mesmo da importação do petróleo. Os indi-
local, ou têm se baseado so-
economias mais diversificadas como cadores de pobreza e desigualdade
mente em uma economia extra-
a África do Sul mantêm quase 50% apresentaram alguma melhora, em-
tivista de commodities?
da pauta de exportações de produtos bora as condições de pobreza per-
Valéria Lopes Ribeiro – Na primários. (Atlas da Complexidade, maneçam para grande maioria da
primeira década do século XXI e nos 2016). Alguns casos servem como população. No entanto não foram

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

observadas no país ao longo da dé- postos pela influência dos Estados


cada maiores mudanças estruturais. “Os Unidos na região.

IHU On-Line – Em contrapar-


investimentos IHU On-Line – Deseja acres-
tida, qual tem sido o retorno da chineses na centar algo?
China para o continente africa-
no? Há transferência tecnoló- África a partir Valéria Lopes Ribeiro – O im-
pacto da China nos países em de-
gica ou apenas exportação de
bens? Que tipos de bens têm dos anos 2000 senvolvimento deve ser entendido
em um contexto a partir do qual
sido exportados?
Valéria Lopes Ribeiro – A prin-
caracterizam- países africanos vem, desde os anos
1990, enfrentando os efeitos da glo-
cipal questão a se destacar nesse pon-
to me parece ser a ajuda externa que
se pela forte balização e expansão do setor finan-
ceiro, além dos programas de ajuste
a China realiza na África. Existe uma presença das estrutural impostos pelas organi-
parcela do orçamento do Estado des- zações multilaterais que levaram à
tinada a ajuda, a external assistence. empresas expansão das dívidas e condições
Desde os anos 1990, a assistência ex-
terna chinesa para o mundo vem au- estatais em macroeconômicas adversas aos pa-
íses periféricos. Assim, a entrada
mentando progressivamente e já em
2006 ultrapassa o 1 bilhão de dólares. setores ligados da China, principalmente a partir
do século XXI, deve ser vista como
Em 2009, este montante chega a 1.5
bilhão. Deste total, a assistência di- à mineração” representando um elemento que se
contrapõe àquele contexto de impe-
rigida à África representou em 2009 rialismo neoliberal.
cerca de 600 milhões de dólares. (Na-
IHU On-Line – É possível fa- Apesar disso, claramente, trata-se
tional Bureau of Statistics of China).
zer alguma comparação entre de um fenômeno que se apresenta
64 Além desta parte do orçamento, tam- de forma contraditória. Ao aproxi-
a política econômica da China
bém é preciso considerar como outro -Brasil e China-continente afri- mar-se de países com vasta disponi-
componente dos fluxos financeiros cano? Por quê? bilidade de recursos primários, em
chineses (além dos concessional loans muitos casos os chineses atuam de
do EximBank e da Assistência exter- Valéria Lopes Ribeiro – Acredi- forma a estabelecer relações de tro-
na): as dívidas canceladas (debts re- to que tanto a África como a América ca vantajosas para si próprios, mas
lief). Segundo estimativas, os valores Latina sejam locais estratégicos para que são prejudiciais para os países
relativos aos cancelamentos de dívida os interesses chineses em dar conti- exportadores. Por mais que a China
totais realizados pela China chegam a nuidade ao seu crescimento. Seja pela não imponha condições e condicio-
cerca de 400 milhões de dólares anu- disponibilidade de recursos primários, nalidades, tais como o modelo de
ais a partir de 2000 até 2008. O vo- seja pelo vasto mercado consumidor. financiamento do Banco Mundial
lume total destinado à África da ajuda No caso da África, me parece que ou Fundo Monetário Internacional
chinesa na última década que alcança existe uma política e uma institu- - FMI, ela procura atender seus pró-
quase 2,5 bilhões de dólares. cionalidade mais bem desenhada, prios objetivos quando estabelece
na medida em que os chineses veem relações com outros países. Além
Com relação às exportações chi-
o continente como uma possibilida- disso, o alto volume de empréstimos
nesas para a África, há uma certa
de de ampliar não apenas relações pode colocar os países periféricos re-
diversificação com a China expor-
econômicas, mas influência políti- féns de uma nova forma de endivida-
tando para diversos países diversos
ca e cultural. A África é vista como mento externo.
produtos, mas principalmente liga-
dos a bens industrializados. A China um continente parceiro com gran- No entanto, entende-se que a expan-
vem se tornando gradativamente um des possibilidades de aproximação, são chinesa deve ser analisada com
com governos mais abertos a acor-
grande fornecedor de artigos manu- cautela antes de ser conceitualizada
dos e fortalecimento de relações,
faturados para a África, em detri- como imperialista, por exemplo. Prin-
até pelas carências que os países do
mento da posição tradicionalmente cipalmente pelo fato de que a China se
continente têm em termos de infra-
ocupada pelas economias centrais. apresenta como uma economia capi-
estrutura e condições econômicas e
Desde bens de consumo leves, como talista, mas tem sua trajetória histó-
sociais básicas.
os têxteis, partes e componentes rica e perspectivas futuras marcadas
e equipamentos de transporte até No caso da América Latina, me pa- pelo socialismo. A construção do so-
bens duráveis como máquinas, car- rece que a China está construindo a cialismo chinês enfrenta diversas con-
ros, vans, caminhões são hoje co- melhor forma de se aproximar. Isso tradições internas que agora também
muns em diversos países africanos. se dá, inclusive, pelos desafios im- se projetam externamente.■

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

As ameaças que podem impedir


a ascensão chinesa
Segundo o jesuíta Michael Kelly, a melhor maneira de tentar
prever o futuro da China é olhar para sua história
Patricia Fachin | Tradução: Moisés Sbardelotto

A
pesar de existir uma gama de equiparar aos Estados Unidos (em ter-
respostas para explicar os fenô- mos econômicos e militares) e pode não
menos da expansão chinesa no chegar lá, devido ao envelhecimento de
mundo e sua influência geopolítica, sua população e às suas complexidades
“uma das questões de longo prazo que econômicas”.
ainda precisa ser respondida é como a
O próprio poder do atual presidente
China mantém uma estrutura política
chinês, Xi Jinping , informa, está “sob
centralista e autoritária quando a sua
ameaça” por conta de três fatores: a eco-
população está muito mais envolvida
nomia chinesa “está começando a mos-
com o mundo não chinês”, enfatiza o
jesuíta australiano Michael Kelly na en- trar os efeitos da falsa administração,
trevista a seguir, concedida por e-mail das falsas estatísticas e de um período
à IHU On-Line. Segundo ele, embo- de crescimento massivamente financia-
ra os chineses estejam espalhados por do por dívidas; a guerra comercial com 65
todas as partes do mundo, “os chineses os Estados Unidos está ficando fora de
ricos estão fazendo de tudo para sair da controle e só pode significar problemas
China e para se estabelecer em outros para a China; uma série de escândalos
países. Isso não vai parar”. médicos e farmacêuticos que minam a
confiança que os chineses depositam no
Observador das mudanças culturais,
governo fornecedor de tudo”.
políticas e sociais do mundo chinês,
Kelly garante que a “melhor aborda- Michael Kelly é um jesuíta austra-
gem” para tentar prever o que aconte- liano e atualmente vive na Tailândia,
cerá na China no futuro “é olhar para o onde é diretor executivo do sítio uca-
que aconteceu em circunstâncias seme- news.com. Antes de ser ordenado je-
lhantes no passado”. Neste momento, suíta em 1984, padre Kelly trabalhou
menciona, “a melhor chave para enten- como jornalista na Agência de Notí-
der a China é reconhecer a importância cias Católica UCA em Hong Kong. Em
duradoura do período de mais de um 1989, fundou a Jesuit Publications e a
século de ‘grande humilhação’ infligi- Eureka Street.
da pelas potências coloniais europeias
A entrevista foi originalmente pu-
desde as Guerras do Ópio até quando
blicada nas Notícias do Dia de 01-09-
Mao anunciou que a China havia ‘se
levantado’, em 1949”. Kelly frisa que “a 2018, no sítio do Instituto Humanitas
China vê a si mesma como destinada a Unisinos – IHU, disponível em http://
ser um grande poder”, mas o país “tem bit.ly/2OsLQWk.
um longo caminho a percorrer para se Confira a entrevista.

IHU On-Line – O senhor já outro período da sua história. Michael Kelly – Como em qual-
declarou que a China de hoje é Por que e como a China mudou quer país ou região, há continui-
bastante diferente de qualquer nos últimos anos? dades com o passado e diferenças

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

acentuadas. E o período atual tem após a Praça Tiananmen. Então, a suas famílias.
vários paralelos na história da Chi- queda da União Soviética foi uma
Mas o que se perdeu com o desapa-
na. Quando eu fiz meu comentário, história de advertência para a lide-
recimento forçado do confucionismo
foi em referência aos 150 anos após a rança do Partido Comunista sobre o
“feudalista” que ligou a China por
efetiva derrota da China nas Guerras que poderia estar vindo pela frente
mais de dois milênios foi tudo, desde
do Ópio1 e os Tratados Desiguais dos para eles.
as civilidades comuns que regulavam
anos 18402 — a época à qual os chi-
No entanto, o que se restaurou re- a interação social até um sentimento
neses se referem como o período da
centemente foi uma aproximação de algo maior como o propósito so-
“grande humilhação” nas mãos das
mais estreita — reforçada por uma cial da China em vez da satisfação
potências imperiais europeias, espe-
tecnologia de cibersegurança ainda do imediato interesse próprio. Ao
cialmente os franceses, os ingleses e
mais intrusiva desenvolvida pela po- “Pensamento Marxista-Leninista
os alemães.
lícia da China — ao tipo de controle de Mao Zedong”, somou-se recen-
As continuidades são claras e fa- leninista que o fundador da Repú- temente a chegada do “Pensamento
cilmente identificáveis. A China é blica Popular da China exerceu a tal de Xi” como o mapa orientador para
governada por uma ditadura impie- efeito destrutivo até a sua morte em a realização do “Sonho Chinês” a ser
dosa e imperialista, e Xi é o novo 1976. Mas essa versão leninista do entregue por um líder que tem con-
imperador. Ele desmantelou as pe- controle social e político era apenas trole total das alavancas políticas e
quenas concessões feitas às refor- uma versão rebatizada das mesmas militares do poder.
mas de Deng Xiao Ping3 e devolveu estruturas e processos introduzidos
o controle total de tudo no governo durante a dinastia Manchu/Ching
e na economia às mãos do Partido. IHU On-Line – O que foi a
no século XVIII E.C.
O partido foi enormemente abalado Revolução Cultural Chinesa
pelos acontecimentos na Praça Tia- O que diferencia o atual período na (1966-1975) e quais são as suas
nanmen4 em 1989 e temeu que seu China é que ela é relativamente mais consequências na China nos
controle total estivesse prestes a de- próspera do que foi desde o século dias de hoje?
saparecer. Esse medo se intensificou XVIII e está muito mais envolvida
Michael Kelly – Hoje, os chine-
à medida que aumentava a reação com o resto do mundo do que no
66 século XVIII, quando a entrada no
ses ficam constrangidos com os ex-
pública negativa à extensa corrup- cessos da Revolução Cultural, mas
ção no Partido e sob a administração Reino do Meio era cuidadosamente não o dizem, porque isso leva dire-
do Partido das questões econômicas controlada, senão até completamen- tamente ao reconhecimento de como
e políticas durante as duas décadas te bloqueada. Uma das questões de Mao Tsé-tung era louco. A Revo-
longo prazo que ainda precisa ser lução Cultural não foi nem cultural
1 Guerras do Ópio, ou Guerra Anglo-Chinesa: conflitos respondida é como a China mantém nem revolucionária. Foi uma disputa
armados ocorridos entre a Grã-Bretanha e a China nos
anos de 1839-1842 e 1856-1860. Em 1830, os ingleses uma estrutura política centralista e interna do Partido Comunista entre
haviam obtido a exclusividade das operações comerciais autoritária quando a sua população Mao e aqueles que achavam que ele
no porto de Cantão. Importador de seda, chá e porcelana,
então em moda no continente europeu, a Inglaterra tinha está muito mais envolvida com o se tornara desastroso para a China.
uma grande dificuldade comercial em relação à China.
Para compensar suas perdas, a Grã-Bretanha vendia ópio mundo não chinês. Mao venceu.
indiano para o Império do Meio. O governo de Pequim
resolveu proibir a transação da droga. Isso levou Londres a
declarar guerra à China. (Nota da IHU On-Line)
  As consequências hoje: a China vive
2 Tratados Desiguais ou Tratados Iníquos: foram uma sé- IHU On-Line – Quais são as em um mundo cultural onde a sua
rie de tratados firmados entre a China durante a Dinastia
Qing e o Japão Tokugawa com as potências industrializa- principais características da história real não é conhecida na Chi-
das ocidentais entre meados do século XIX e o início do
século XX após sofrer derrotas militares pelas potências
China contemporânea e no que na nem é a base dos próximos passos
estrangeiras ou na presença de uma ameaça de ação mi- se diferem da “velha China”? que o país precisa dar. Denúncias ri-
litar por essas potências. O termo também é aplicado aos
tratados impostos durante a mesma época a Dinastia Jo- tuais da Revolução Cultural não são
seon da Coreia e pelo Império do Japão pós-Restauração Michael Kelly – Mao procurou
profundas, e a geração mais jovem
Meiji. (Nota da IHU On-Line) substituir o marxismo-leninismo
3 Deng Xiaoping (1904-1997): foi o secretário-geral do parece não saber nada sobre isso. A
Partido Comunista Chinês, sendo, de fato, o líder político pelo confucionismo como a “cola”
da República Popular da China entre 1978 e 1990. Criador repressão cultural nessa escala leva
que une a sociedade chinesa. Resta
do chamado socialismo de mercado, regime vigente na ou a uma repetição do que ocorreu
China moderna. (Nota da IHU On-Line) pouca confiança entre os chineses
4 Praça da Paz Celestial: também conhecida por Praça ou à continuação de uma circunstân-
Tiananmen é uma grande praça no centro da cidade de no marxismo-leninismo como uma cia em que uma nação e seus líderes
Pequim, capital da República Popular da China. É a terceira
maior praça pública do mundo, sendo superada apenas força econômica e sempre houve procedem em uma bolha histórica de
pela Praça Merdeka, localizada em Jacarta, na Indonésia, e
pela Praça dos Girassóis, localizada em Palmas, no Brasil.
ressentimento e frustração — ex- mentiras e enganos.
Ampliada em 1949, a praça tem ao norte a Cidade Proibi- pressada apenas ocasionalmente
da, no centro contém o Monumento das Pessoas Heróis,
de 38 metros, com inspiração do presidente Mao Zedong, — para com a ditadura repressiva,  
onde está escrito os heróis do povo são imortais. A leste
e oeste foram construídos importantes edifícios de estilo
autoritária e centralista do Partido IHU On-Line – Em artigo re-
soviético. A avenida, usada para desfiles do governo da Comunista. No entanto, a maioria cente, o senhor citou uma fra-
China. Tendo a praça também o Mausoléu de Mao Ze-
dong. Para os chineses a praça é conhecida como o cora- dos chineses está pronta para viver se de Philippe Paquet, segundo
ção simbólico do país e para os estrangeiros é conhecida
pelos protestos de estudantes em 1989. (Nota da IHU
com a repressão se tiverem trabalho, o qual “o conhecimento sobre
On-Line) comida e liberdade para desfrutar de o passado é a melhor maneira

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

para entender o presente da civilização à força dos padrões fício ao se entregarem a serviço de
China”. Quais são os fatos pas- culturais e políticos que preva- um povo que eles frequentemente
sados mais relevantes para se leceram por mais de dois mi- não entendiam; essa auto-oferta
entender a China hoje? lênios. Quais foram esses seis está ligada ao DNA dos jesuítas;
grandes eventos e quais foram esse período de envolvimento jesu-
Michael Kelly – O povo chinês
suas implicações? íta estava em forte contraste com
se refere constantemente à história
o período anterior, do século XVI
para contextualizar quaisquer cir- Michael Kelly – O primeiro já foi
ao século XVIII, porque o período
cunstâncias atuais, e os comentaris- mencionado: as Guerras do Ópio e os
anterior foi algo desenvolvido nos
tas chineses mais instruídos sempre Tratados Desiguais; depois, foi a Re- termos estabelecidos pelo governo
invocam a literatura e a história de belião de Tai Ping, clamada como a imperial chinês, enquanto o perí-
seu país para reforçar qualquer in- revolução que, em termos relativos, odo a partir de 1842 foi facilitado
terpretação que desejam oferecer. custou mais vidas do que qualquer pelas potências imperiais; os jesuí-
Além disso, para um observador levante na história humana; depois tas vindos da Europa e dos Estados
externo como eu, se você quiser veio a Rebelião dos Boxers, à qual os Unidos, muitas vezes, não estavam
imaginar o que o governo ou o povo europeus responderam com uma efi- bem equipados para incorporar e
chinês farão em quaisquer circuns- ciência implacável; a próxima revi- incluir os católicos chineses naquilo
tâncias determinadas, a melhor ravolta foi a revolução inspirada em que estavam desenvolvendo, consi-
abordagem é olhar para o que acon- Sun Yet Sem6, que acabou com a di- derando-os não aptos à tarefa; no
teceu em circunstâncias semelhan- nastia Ching; que foi seguida por um entanto, o que permaneceu depois
tes no passado. período de guerra civil que durou, de da sua partida foi aquilo sobre o
Exatamente agora, a melhor chave uma forma ou de outra, duas déca- qual a Igreja hoje foi construída.
para entender a China é reconhecer das — o governo versus os Senhores
a importância duradoura do período da Guerra; depois, seguiu-se a inva-  
de mais de um século de “grande hu- são japonesa, que só terminou com a IHU On-Line – Quais os maio-
milhação” infligida pelas potências derrota do Japão na Segunda Guerra res desafios e os maiores erros
Mundial, o que permitiu a retomada quando se busca compreender
coloniais europeias desde as Guerras
do Ópio até quando Mao anunciou da guerra civil e que os comunistas a China hoje? 67
que a China havia “se levantado”, tomassem Beijing e expulsassem os Michael Kelly – O maior desa-
em 1949. A China vê a si mesma nacionalistas para Taiwan em 1949. fio é: como desenvolver uma missão
justamente como destinada a ser que atue sobre pressupostos e re-
 
um grande poder e acredita que o cursos chineses, e não europeus ou
IHU On-Line – Quais são os
mundo só precisa se acostumar com americanos.
três pontos fundamentais do li-
essa ideia. Mas, igualmente, há uma
vro A Call to Mission: A History Os maiores erros: hoje nós já supe-
grosseira reação exagerada diante da
of the Jesuits in China 1842- ramos a crença errônea de que os co-
assunção por parte da China de um
1954, do padre David Strong, munistas logo cairão por serem ape-
novo lugar nas questões econômicas
para compreender a China? nas um governo interino, mas isso
e políticas internacionais, por exem-
abre caminho para desenvolver tan-
plo, nas reações a suas atividades no Michael Kelly – David está em
to uma noção romantizada de quão
Mar do Sul da China. O que a Repú- melhor posição para falar por si mes-
bem e de quão facilmente os católi-
blica Popular da China está fazendo mo sobre isso. Mas eu acho que há
cos podem trabalhar com a China,
lá nada mais é do que afirmar a sua mais do que três pontos fundamen-
quanto um cinismo enrijecido que
liderança na região. É um erro in- tais a serem tirados de um estudo de
acredita que nunca poderemos tra-
terpretar essa afirmação em termos 1.000 páginas (e o meu resumo é ne-
balhar com a China enquanto os co-
europeus como uma apropriação co- cessariamente parcial e simplista de
munistas estiverem no comando. O
lonial de terras. um trabalho tão vasto).
progresso será lento e só acontecerá
  São eles: o livro é o registro de 1.200 em pequenos passos.
IHU On-Line – Em artigo re- europeus na China que demonstra-
ram um monumental autossacri-  
cente, no qual comenta o livro
IHU On-Line – Por quais ra-
A Call to Mission: A History zões o Partido Comunista da
6 Sun Yat-sem (1866 –1925): foi um estadista, político e
of the Jesuits in China 1842- líder revolucionário chinês. Como o principal pioneiro da China tem conseguido se man-
19545, do padre David Strong, China republicana, Sun é frequentemente referido como
o Pai da Nação. Desempenhou um papel fundamental na ter no poder desde 1949?
o senhor afirma que de 1842 derrubada da Dinastia Qing em outubro de 1911, a últi-
a 1954 ocorreram seis gran- ma dinastia imperial da China. Foi o primeiro provisório
quando a República da China foi fundada em 1912 e mais
Michael Kelly – Mao tem a res-
des eventos de agitação social tarde co-fundador do Kuomintang, onde atuou como seu posta: o poder político cresce a par-
primeiro líder. Sun foi uma figura de união na China pós
e política que tiraram a antiga -imperial e continua a ser o único entre os políticos chi- tir do cano de uma arma. Controlar
neses do século XX a ser amplamente reverenciado entre
os povos de ambos os lados do Estreito de Taiwan. (Nota
o Exército, a polícia e o crescente
5 ATF Press, 2018. (Nota da IHU On-Line) da IHU On-Line) aparato de segurança e de inteli-

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

gência significam que o Partido, por corrupção flagrante de alguns de nhos e a maior potência militar do
meio de todos os seus instrumentos, seus principais concorrentes no Par- mundo — os Estados Unidos.
mantém a gestão íntima, direta e mi- tido e, depois, pela repulsa geral dos
cro de todo e qualquer cidadão, até chineses comuns ao alcance e à ex-  
mesmo daqueles que estão além das tensão da corrupção no Partido. Xi IHU On-Line – Quais são hoje
fronteiras geográficas da China. sabia que a limpeza do Partido era os principais parceiros da Chi-
uma questão “ou vai ou racha” para na e, de outro lado, quais são os
Mas a outra coisa é que o Partido principais países que se opõem
Comunista da China tem proporcio- a retenção de poder do Partido.
à expansão chinesa?
nado prosperidade a muitos chine- Xi tomou a iniciativa permitida
ses, que há muito tempo caíram na por essa circunstância (concorrentes Michael Kelly – A China tem uma
armadilha da pobreza por causa da corruptos e desacreditados) de agar- política externa que busca se engajar
rígida dedicação a um modelo eco- rar tanto poder quanto podia, cul- com todos e neutralizar a oposição.
nômico (a economia marxista) que minando na concessão a si mesmo Seus principais concorrentes são o
simplesmente não funciona. de um mandato sem fim à frente do Japão, os Estados Unidos, a Rússia e
Partido, que agora não tem nenhum a Índia. Seus “amigos” se encontram
  principalmente na Ásia — Coreia do
limite de tempo e, na realidade, sub-
IHU On-Line – Quais são as Norte, Camboja, Mianmar. Depois,
sume o governo.
particularidades do comunis- há muitos outros com os quais a Chi-
mo na China? Quais suas prin- No entanto, três coisas estão levan- na tem fortes relações comerciais,
cipais diferenças em compa- do muitos comentaristas a verem mas pelos quais sente pouca simpa-
ração com o comunismo que o seu domínio inquestionável sob tia — como Austrália, Malásia, Indo-
havia no Ocidente? ameaça: a economia chinesa está nésia, Cingapura, Vietnã.
começando a mostrar os efeitos da
Michael Kelly – Uma pergunta  
falsa administração, das falsas es-
estranha. Não há comparações com o
tatísticas e de um período de cres- IHU On-Line – Muitos analis-
comunismo chinês no Ocidente. Isso
cimento massivamente financiado tas têm chamado atenção para
terminou em 1989. A única compara-
por dívidas; a guerra comercial com uma reorganização geopolítica
68 ção possível é Cuba, e o seu governo
os Estados Unidos está ficando fora no mundo a partir da ascensão
se baseia nas mesmas coisas (contro-
de controle e só pode significar pro- chinesa. Como o senhor vê essa
le político, militar e policial), junto
blemas para a China; uma série de possibilidade e quais seriam as
com a aceitação da economia marxis-
escândalos médicos e farmacêuticos consequências políticas, eco-
ta, que simplesmente não funciona.
que minam a confiança que os chi- nômicas e culturais disso para
A China deixou de ser uma econo- neses depositam no governo forne- o mundo como um todo?
mia marxista com as reformas de cedor de tudo. Michael Kelly – Estamos no fim
Deng a partir de 1978. Politicamen-
A estas coisas, eu acrescentaria do século estadunidense. A China
te, ela continua sendo um Estado
mais uma: uma população enve- tem um longo caminho a percorrer
leninista, que é apenas um exemplo
lhecida cuja composição está agora para se equiparar aos Estados Uni-
nada notável de totalitarismo.
muito comprometida por causa da dos (em termos econômicos e milita-
  política do filho único. res) e pode não chegar lá, devido ao
IHU On-Line – Alguns ana- envelhecimento de sua população e
listas chamam atenção para a às suas complexidades econômicas.
aceitação do atual presidente IHU On-Line – Qual é o pro-
O resto do mundo fará aquilo que
chinês, Xi Jinping, no Parti- jeto deste novo governo para
o resto do mundo precisa fazer para
do Comunista da China - PCC, a China? Ainda nesse sentido,
acomodar uma China em crescimen-
mas também advertem que como o Partido Comunista Chi-
to. Mas nada está garantido sobre a
isso pode mudar no 20º Con- nês vislumbra a inserção chine-
ascensão da China, como mostra o
gresso do PCC a ser realizado sa no mundo?
exemplo do Japão. Depois de mais
em 2022. Qual sua leitura de Xi Michael Kelly – O governo de Xi de duas décadas de crescimento eco-
Jinping, sua influência e aceita- é totalitário e, como todos os gover- nômico explosivo, o Japão definhou
ção no PCC e sua relação com o nos totalitários, espera interagir com em estagnação econômica nos últi-
Ocidente e o Oriente? o mundo em geral nos seus próprios mos 25 anos. Muitos preveem que
Michael Kelly – Uma pergunta termos. O plano Belt and Road é um esse é o destino ao qual a China está
ampla ou uma série de perguntas exemplo clássico disso. se dirigindo.
às quais — neste contexto limitado
Política e militarmente, a China Os chineses estão por toda parte
— eu só posso apenas oferecer al-
espera interagir com o mundo como no mundo, e os chineses ricos estão
guns breves comentários.
uma grande potência respeitada, o fazendo de tudo para sair da Chi-
A ascensão de Xi foi facilitada pela que preocupa alguns de seus vizi- na e para se estabelecer em outros

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

países. Isso não vai parar. De fato, abertura das discussões — principal- religiões na China, e qualquer coisa
é um padrão que tem centenas de mente sobre a nomeação de bispos — que os negociadores chineses pos-
anos em muitas partes do Sudeste chega em um momento de crescente sam oferecer ao Vaticano seria agora
Asiático. Agora, com o transporte assédio e ampliação do controle de inevitavelmente anulado na prática
e as comunicações como estão e a todas as comunidades religiosas na pelas autoridades pelo modo como a
mobilidade do capital e do trabalho, China, porque o governo comunista Frente Única, na realidade, adminis-
isso só aumentará. da China vê as comunidades religio- tra o acordo.
sas, assim como todos os governos
  chineses viram as comunidades reli-  
IHU On-Line – Como tem ob- giosas ao longo da história chinesa, IHU On-Line – Como observa
servado as relações entre o como centros de sedição. as práticas religiosas na China?
governo chinês e o Vaticano? Há espaço e liberdade para ma-
As discussões podem continuar,
Quais os avanços mais recentes nifestação religiosa?
mas eu espero que seja necessário
na busca pelo estreitamento dos
que haja uma oscilação periódica no Michael Kelly – A repressão está
laços nessa relação? Ainda nes-
sentimento do governo chinês para crescendo — crianças não podem ir
se sentido, quais são os princi-
que mais passos sejam dados e para à igreja para a missa; fiéis são pres-
pais impasses dessa relação?
que sejam feitos progressos reais. sionados e postos sob escrutínio;
Michael Kelly – O Vaticano e freiras católicas são impedidas de
Pequim chegaram à proposta de rea-  
IHU On-Line – Por que o se- oferecer serviços; budistas tibeta-
proximação a partir de lugares muito nos são perseguidos; muçulmanos
diferentes. O interesse do Vaticano é nhor tem argumentado que um
possível acordo do Vaticano são postos em campos de reeduca-
garantir a vida ordenada e protegida
com a China será um erro? ção... e a lista continua.
da Igreja na China. O governo chinês
está interessado em assegurar a par- Michael Kelly – Neste estágio, Mas, embora as coisas estejam
ticipação ordenada e controlada dos seria um erro, porque uma grande feias agora, elas não precisam e não
católicos na China. Mas a recente re- oscilação está acontecendo contra as devem continuar assim.■
69

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

Catolicismo: uma ponte para ligar


a China ao mundo
Para Francesco Sisci, apesar do crescimento e da influência
econômica, ainda há uma lacuna entre o gigante asiático e
o Ocidente, mas que pode ser preenchida pela Igreja
João Vitor Santos e Ricardo Machado | Tradução: Isaque Gomes Correa

A
colhendo a ideia de que o mundo observa que essas relações não podem
de hoje é predominantemente ser reduzidas a categorias imperialistas
alicerçado em valores e lógicas em uma tentativa de usar do outro para
ocidentais, só seria possível de fato ganhar espaço. “Não penso haver uma
conquistar esse mundo se estivesse em estratégia chinesa de expansão. O que
consonância com essas perspectivas. acontece é que, de fato, a China cresce
É olhando por essa perspectiva que se economicamente e cresce também em
pode compreender porque a abertura sua pegada política, econômica e, evi-
da China em relação à Igreja Católica dentemente, cultural”, analisa. E com-
tem se dado de forma tão intensa nos pleta: “O que eu diria é que na expansão
últimos tempos. “Se a China quer se chinesa — econômica, política e cultu-
tornar uma grande potência, precisa ral (expansão da sua influência) —, a re-
se enquadrar neste mundo e, de novo, ligião pode desempenhar uma função.
70 ganhar apoio. Neste processo de dar- Isto é, a China precisa do cristianismo,
se bem com a Igreja Católica, talvez a de novo, para preencher uma lacuna
China possa aprender muito”, destaca com o restante do mundo”.
Francesco Sisci. Para ele, pela primeira Francesco Sisci é italiano, escritor
vez a China compreendeu a importân- e especialista na civilização e história
cia da influência da Santa Sé no mun- chinesas. Atualmente é pesquisador
do. “Do lado do Vaticano, penso na sênior da People’s University da China
compreensão deste papa que vem da e, desde o país asiático, escreve para
América Latina, uma compreensão não diversas publicações sobre questões ge-
envolvida grandemente no pensamento opolíticas. Em 2016, o papa Francisco
romano”, completa, ao pontuar o gran- concedeu a ele a primeira entrevista so-
de interesse desse pontificado em aco- bre a China que teve grande repercus-
lher diversas formas de ‘ser católico’. são no mundo todo1. Entre seus livros
Na entrevista a seguir, concedida por publicados, destacamos China: in the
telefone à IHU On-Line, Sisci observa Name of Law. A New Global Order
os meandros dessa relação que parece (goWare, 2016), La Cina cambia. Pic-
servir para ambos os lados. “É claro cola antropologia culturale dei grandi
que não existe nenhuma solução me- mutamenti a Pechino (goWare, 2015)
cânica: você fica comigo um mês e, en- e Chi ha paura della Cina (Ponte alle
tão, aprenderá a falar a minha língua. Grazie, 2006).
Não é assim”, complexifica. Além disso, Confira a entrevista.

IHU On-Line – Qual a sua ava- Francesco Sisci – Essa questão é mado muitos elementos geopolíticos
liação sobre a atual relação en- extremamente importante, porque a também. No entanto há inúmeras
tre a China e a Santa Sé? 1 China é a potência emergente no mun- questões, como o fato de a China, por
do. E, pela sua ascensão, tem transfor- vários motivos, ser muito diferente do
1 Leia sobre a entrevista, reproduzida pelo Instituto Hu-
resto do mundo, mas que tem adotado
manitas Unisinos - IHU, em http://bit.ly/2CnEIZH. (Nota da IHU On-Line) práticas ocidentais, queiramos ou não.

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

“A Santa Sé pode desempenhar


um enorme papel na tentativa de
preencher a lacuna de compreensão
entre esse país e o mundo”

Por outro lado, a grande questão é uma experiência novas ao lidar com algo do tipo fora da lei. Mas se a pes-
que não se pode simplesmente dese- a China. A química pode funcionar. soa quer se comportar — se a pessoa se
jar que a China vá embora. A China comporta — dentro da lei, não há, de
No entanto, há um problema. Isto
veio para ficar e terá um impacto. fato, nenhuma restrição.
é, nas últimas duas décadas, a atmos-
Mas também devemos evitar um
fera internacional em torno da China O catolicismo na China tem uma
choque entre a China e o restante
esteve positiva para a normalização história complexa, muito longa. Eu
do mundo. Nesse sentido, a Santa das relações. E também essa atmos- diria que ela foi muito importante
Sé pode desempenhar um enorme fera esteve positiva em torno da Igre- no século XVII com os jesuítas3, mas
papel na tentativa de preencher a la- ja Católica. Hoje, há uma atmosfera
cuna de compreensão entre esse país que ficou confinada somente em Pe-
em torno da China muito negativa. quim, só dentro da corte do impera-
e o mundo, pois o Vaticano, a Santa Uns pensam que existe uma guerra
Sé, tem interesse na paz. Portanto, dor. E então, depois que a ordem dos
comercial, e há inúmeros choques ge- jesuítas foi dissolvida, seus membros
nesse sentido, a normalização das opolíticos com o país. Então, há ele-
relações poderia ser extremamente foram mandados embora e alguns 71
mentos positivos, mas também ele- permaneceram na clandestinidade.
importante para todos. mentos negativos. Devemos observar
como as coisas vão se desdobrar. O catolicismo retornou no meio do
século XIX com as tropas francesas,
IHU On-Line – Que mudan-
com a Segunda Guerra do Ópio4. Des-
ças, numa perspectiva históri- IHU On-Line – Como está, de então, o catolicismo tem estado
ca, esse pontificado tem trazido hoje, a relação do episcopado marcado por elementos do colonia-
à relação Santa Sé e China? chinês com o papa Francisco? lismo. E este fator permaneceu por
Francesco Sisci – Vejo mudan- Francesco Sisci – Penso que exis- muitas e muitas décadas. Só recente-
ças mais intensas, por vários moti- te um grande apreço pelo papa Fran- mente eu diria que a Igreja Católica
vos. Do lado chinês, a razão é que a cisco. Eles leem as homilias, os seus conseguiu rever estes elementos colo-
China, pela primeira vez, percebeu a discursos e o Papa consegue, de algum nialistas e renascer na China.
importância da influência da Santa modo — estes materiais também são
Sé. E, portanto, aqui há um interesse traduzidos para o chinês — tocar a
na normalização das relações. Pela alma do povo. O Papa fala aos chine- IHU On-Line – Que associa-
primeira vez, o governo chinês está ses por tratar de temas, eu diria, co- ções podemos fazer entre o soft
disposto a avançar nessa relação. muns. Ele é um pastor, consegue se fa- power chinês5 e a aproximação
zer presente, o que o difere dos outros com o Vaticano?
Do lado do Vaticano, penso na
papas que, de fato, não conseguiram
compreensão deste papa que vem da 3 O IHU publicou uma série de textos acerca do papel dos
comunicar o que o povo chinês sentia.
América Latina, uma compreensão jesuítas na China. Entre eles Matteo Ricci no Império do
Meio. Sob o signo da amizade, revista IHU On-Line número
não envolvida de forma mais pro- 347, de 18-10-2010, disponível em http://bit.ly/2pgdJ90;
A contribuição dos jesuítas no Oriente, entrevista com John
funda o pensamento romano. Penso IHU On-Line – Como é ser Witek, publicad ana revista IHU On-Line número 196, de
também neste secretário de Estado, católico na China? Por outro
18-10-2006, disponível em http://bit.ly/2peOCUb. Leia
mais em ihu.unisinos.br (Nota da IHU On-Line)
Parolin2, quem tem grande experi- lado, em que medida a China se 4 Segunda Guerra do Ópio: foi uma guerra do Império
Britânico e do Segundo Império Francês contra a dinastia
ência em lidar com os chineses. Aqui abriu ao catolicismo? Qing da China entre 1856-1860. Esta guerra pode ser vista
temos uma combinação de duas fi- como uma extensão da Primeira Guerra do Ópio, daí o
nome que lhe foi atribuído. (Nota da IHU On-Line)
guras que têm uma abordagem e Francesco Sisci – Eis um tema lon- 5 Soft power (em português, poder brando, poder de
go e complexo. Como é ser católico na convencimento ou poder suave): é uma expressão usada
na teoria das relações internacionais para descrever a ha-
2 Pietro Parolin (1955): é um cardeal italiano da Igreja China não é grande coisa. Quero dizer, bilidade de um corpo político - um Estado, por exemplo
Católica. Em 31 de agosto de 2013, o Papa Francisco o
nomeou para substituir o cardeal Tarcisio Bertone como
vamos à igreja, vamos à missa. Não há - para influenciar indiretamente o comportamento ou in-
teresses de outros corpos políticos por meios culturais ou
Secretário de Estado do Vaticano. (Nota da IHU On-Line) restrições, a menos que se queira fazer ideológicos. (Nota da IHU On-Line)

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

Francesco Sisci – Em teoria, a ciso apoio do exterior assim como, fala sobre as religiões?
China precisa do Vaticano. A China evidentemente, dentro do próprio
Francesco Sisci – Xi Jinping fala
tem uma visão de mundo diferente, país. Não se pode ignorar a oposi-
sobre religião e o seu antecessor, Hu
este país precisa de uma narrativa di- ção que se tem fora dele. Portan-
Jintao7, falava também. Desde o 17º
ferente. Nesse sentido, aprender com to, se a China quer se tornar uma
Congresso do Partido8 em 2007, eles
o Vaticano, permanecer com a Santa grande potência, precisa se enqua-
perceberam que a religião pode de-
Sé, em teoria, pode ajudar o país. É drar neste mundo e, de novo, ga-
sempenhar um papel bastante posi-
claro que não existe nenhuma solução nhar apoio. Neste processo de dar-
tivo no que chamaram de harmonia
mecânica: você fica comigo um mês se bem com a Igreja Católica, talvez
social. Perceberam que a sociedade é
e, então, aprenderá a falar a minha a China possa aprender muito.
complexa, que é difícil administrar e,
língua. Não é assim. É mesmo uma
nesta administração da sociedade, a
oportunidade, mas esta oportunidade
IHU On-Line – A democracia, religião pode ter uma boa função. E, na
precisa ser explorada, e não sabemos,
categoria tipicamente ociden- verdade, temos aqui um avanço impor-
na verdade, no que irá resultar.
tal, poderia ser soterrada pelo tantíssimo no sentido de que a religião
soft power chinês? pode ter um papel bastante positivo na
IHU On-Line – Essas abertu- administração da sociedade. Mas tam-
Francesco Sisci – A democra- bém o Partido Comunista quer se certi-
ras da China a outras culturas
cia é uma ferramenta de governo, ficar de que ele possui o comando, que
seriam uma nova forma de se
um instrumento de governo. Não é possui o poder político. Então, aqui es-
sobrepor e impor sua lógica ao
que o Ocidente sempre fez uso da tamos num campo bastante delicado. É
diferente, o outro?
democracia o tempo todo, pois hou- claro que a Igreja quer manter todos os
Francesco Sisci – Em teoria, sim, ve épocas em que havia rei, havia seus poderes religiosos, e que o Parti-
porque se exige dos católicos chineses imperadores. Quero dizer, durante do Comunista, na China, quer manter
que sejam tanto chineses quanto uni- a maior parte da história ocidental todo o seu poder político.
versais. Eles têm que se fundar na cul- não houve democracia. No entanto,
tura chinesa, mas, ao mesmo tempo, hoje, a democracia é o menor mal No entanto, só por causa disso —
têm de pertencer à Igreja universal. das ferramentas de governo. E de um tem a ver com política, um tem a
72 Isto é típico da fé católica. Como dis- fato acredito que a China precisa de ver com religião — em teoria, é que
se o papa Francisco, a Igreja Católica algumas reformas democráticas. pode haver espaço para um compro-
respira com dois pulmões: um é o pul- misso, porque as duas áreas, as duas
Dito isso, a aproximação com a esferas, teoricamente não se tocam.
mão local e o outro é o pulmão univer-
Igreja Católica pode ajudar a Chi- Uma tem a ver com política; a outra,
sal. São necessários dois pulmões para
na? Não sei. Espero que sim. Defi- com religião. Na prática, é claro, mas
respirar adequadamente.
nitivamente, não acho que a Igreja as coisas não são tão claras. Se os dois
Isso pode não servir só para os cató- esteja no negócio de difundir de- lados estiverem dispostos, em teoria
licos. O povo chinês também precisa mocracia. Claro que ela se preocu- essas questões podem ser superadas,
ser, evidentemente, chinês e univer- pa com a liberdade de crença, com de um jeito ou de outro.
sal. Eles não podem se isolar do mun- o bem-estar do povo, mas a Igreja
do, precisam pertencer ao restante não é uma espécie de instituição província vizinha de Zhejiang, depois promovido a chefe do
do mundo. Então, de certa forma, os política que visa impor a democra- partido de Xangai após a demissão de Chen Liangyu. Conhe-
cido por suas posturas liberais, duro combate à corrupção
chineses — todos os chineses — preci- cia, ou o que quer que seja. Portan- e uma franqueza e abertura quanto a reformas políticas e
econômicas, é o destacado líder emergente da quinta ge-
sam se tornar mais universais. Talvez to, tenho certeza de que há alguma ração de líderes da República Popular da China. Assumiu o
a Igreja Católica tenha de se tornar relação entre a Igreja Católica, a cargo de presidente da China no dia 15 de março de 2013,
sucedendo Hu Jintao. Foi nomeado como uma das pessoas
mais chinesa na China, mas certa- China e a democracia. Mas, de mais influentes do mundo em 2009, 2011 e 2012 pela revista
Time. Em 2017, foi eleito pelo The Economist o homem mais
mente o povo chinês precisa se tornar novo, não é uma relação mecânica. poderoso do mundo. Em 2018, o parlamento chinês aprovou
mais católico, universal, também. o mandato vitalício a Xi Jinping. (Nota da IHU On-Line)
7 Hu Jintao (1942): é um político chinês, ex-Presidente
da República Popular da China e ex-Secretário-Geral do
IHU On-Line – Como avalia a Partido Comunista da China. Foi escolhido no dia 04 de
Novembro de 2010 pela revista Forbes como a pessoa
IHU On-Line – Em que medi- relação do partido comunista mais poderosa do mundo, entrando no lugar do então
da a ascensão da China como chinês com outras religiões? presidente do Estados Unidos, Barack Obama, após a der-
rota para a oposição nas eleições intercalares. (Nota da
uma potência mundial pode Qual a questão de fundo pre- IHU On-Line)
8 Partido Comunista da China: é o partido que governa
impactar a cultura ocidental? sente quando de Xi Jinping6 a China desde 1948. O partido foi fundado em julho de
1921 em xangai. O P.C. da China passou por momentos de
Francesco Sisci – A ascensão dificuldades. Seus primeiros passos foram orientados pelo
6 Xi Jinping (1953): nascido em Pequim, atual presidente da Komintern (Internacional Comunista sediada em Moscou
da China como potência mundial República Popular da China e secretário-geral do Partido Co- que orientava os Partidos Comunistas do mundo inteiro).
é uma grande incógnita. Há mui- munista da China. Tem doutorado em Engenharia Química e No final da Segunda Guerra Mundial o P.C. da China der-
Ciência Política. É atualmente o principal membro do Secre- rotou o KMT. Mao Tse Tung implantou a sua interpretação
tas questões, muitas preocupações. tariado do Partido Comunista Chinês, o presidente da China, ortodoxa do marxismo-leninismo, durante as quase 3 dé-
o diretor da Escola Central do Partido e o mais importante cadas em que esteve no poder. Empreendeu a chamada
A China precisa abordá-las. Não membro do Comitê Permanente do Politburo, que é o órgão “Revolução Cultural”, com que tentou laicizar todo o es-
é possível ascender a uma grande que controla o país. Filho do político comunista Xi Zhongxun, tado e população chinesa. Hoje o Partido Comunista da
Xi Jinping começou sua carreira política na província de Fu- China é composto de mais de 87 milhões de militantes.
potência e assustar a todos. É pre- jian e foi posteriormente escolhido como chefe do partido na (Nota da IHU On-Line)

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

IHU On-Line – A mesma China de administração pelo poder chinês se faz. Infelizmente é assim.
que cresce e conquista mais es- em Xinjiang durante, pelo menos,
paço no cenário global, parecen- os últimos trinta anos, por motivos
do se abrir para as religiões, tem, que são complexos demais para tra- IHU On-Line – Dentro desta
hoje, segundo as Nações Unidas, tarmos aqui. O atrito entre os uigures estratégia da expansão chine-
mais de três milhões de muçul- e os hans11, a maioria chinesa, ficou sa, qual o espaço para a diversi-
manos uigures detidos em cam- mais acirrada nestes trinta anos. dade religiosa?
pos de “reeducação”. Como com- Francesco Sisci – Honestamen-
Na verdade, o atrito esteve relativa-
preender essa realidade? te, não penso haver uma estratégia
mente contido, mas depois se acirrou.
Francesco Sisci – A situação dos A China errou na administração destes chinesa de expansão. O que acontece
uigures é horrível, muito triste. Ao conflitos. Aí, elementos do extremismo é que, de fato, a China cresce econo-
mesmo tempo, a questão [da Região muçulmano revidaram. Nessa situa- micamente e cresce também em sua
Autônoma Uigur]9 de Xinjiang10 é ção, o governo chinês reagiu conforme pegada política, econômica e, eviden-
também muito complexa. Havia fun- o seu sistema imperial, isto é, o de con- temente, cultural. Mas é diferente,
damentalistas islâmicos em Xinjiang. ter a população inteira. Não deixar nin- pensar algo em Pequim e mandar tro-
Entretanto, é impossível achar que guém do lado de fora. E daí, assim que pas para a Itália ou o Rio de Janeiro. É
três milhões de pessoas, um milhão todos estão contidos, permite-se soltar diferente. Então, eu não chamaria de
de pessoas ou centenas de milhares lentamente aqueles que são considera- uma estratégia de expansão. Não acho
de pessoas estiveram envolvidas com dos seguros, por assim dizer. que seria uma avaliação justa.
o terrorismo ou fundamentalismo. O
A China poderia ter lidado com Mas o que eu diria é que na expan-
que aconteceu foi um erro grosseiro
esta situação de uma forma diferen- são chinesa — econômica, política e
9 Uigures: povo de origem turcomena que habita princi-
te? Penso que sim. Mas, ao mesmo cultural (expansão da sua influência)
palmente a Ásia Central. Os uigures são uma das 56 etnias tempo, a China é a China. A China —, a religião pode desempenhar uma
oficialmente reconhecidas pela República Popular da Chi-
na, consistindo de, aproximadamente, 8 680 000 pesso- não é o Brasil, não é os Estados Uni- função. Isto é, a China precisa do cris-
as, de acordo com o recenseamento chinês de 2004. Sua
língua é o uigur. Na atualidade, os uigures vivem princi-
dos, não é a Itália. A China carrega tianismo, de novo, para preencher
palmente na região autônoma chinesa de Xinjiang, no ex- a sua própria cultura, cultura que uma lacuna com o restante do mundo.
tremo oeste do país. Há, também, grandes comunidades
uigures no Paquistão, Cazaquistão, Quirguistão, Mongólia, precisa mudar também na forma de Na maior parte do mundo, os valores 73
Uzbequistão e Turquia, além de pequenas comunidades
em bairros de grandes metrópoles como Pequim e Xangai,
lidar com temas complicados, como cristãos são muito importantes. E com
na República Popular da China e mesmo Toronto e Van- o terrorismo. No momento, a cultura os cristãos, tem consigo este espírito
couver, no Canadá. (Nota da IHU On-Line)
10 Xinjiang: oficialmente Região Autônoma Uigur do Xin- chinesa de lidar com o terrorismo re- duplo de serem tanto locais quanto
jiang , é uma região autônoma da República Popular da
China (RPC). O Xinjiang limita-se ao sul com a região autô-
monta aos tempos imperiais, isto é, globais. Portanto, os cristãos chineses
noma do Tibete e a sudeste com as províncias de Qinghai isola-se um grupo e, depois, vê o que podem ajudar os demais chineses a se
e de Gansu. Limita-se também com a Mongólia a leste,
com a Rússia ao norte e com o Cazaquistão, o Quirguistão, tornarem mais globais e, eu diria, os
o Tajiquistão, o Afeganistão e as partes da Caxemira con- 11 Han: é o maior grupo étnico da China (e de todo o
troladas pelo Paquistão e pela Índia a oeste. Xinjiang inclui mundo), representando quase 92% da população chinesa, chineses poderiam se tornar mais glo-
a maior parte de Aksai Chin, uma região reivindicada pela ou seja, mais de 1,24 bilhão de pessoas (cerca de 18% da
população mundial, equivalente à população da Índia).
bais na compreensão das questões que
Índia como a parte de seu estado de Jammu e Caxemira.
(Nota da IHU On-Line) (Nota da IHU On-Line) se levantam em seu país.■

Leia mais
- China-Vaticano: vigília de um possível acordo. Artigo de Francesco Sisci, reproduzido
nas Notícias do Dia de 25-2-2018, no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, disponível
em http://bit.ly/2wOf22e.
- China e Santa Sé. Como quebrar a confiança. Artigo de Francesco Sisci e Francesco
Strazzari, reproduzido nas Notícias do Dia de 18-2-2018, no sítio do Instituto Humanitas Uni-
sinos – IHU, disponível em http://bit.ly/2NloVPi.
- Os mistérios chineses na guerra comercial com os Estados Unidos. Artigo de Fran-
cesco Sisci, reproduzido nas Notícias do Dia de 18-8-2018, no sítio do Instituto Humanitas
Unisinos – IHU, disponível em http://bit.ly/2MVOzd2.
- O papel de liderança do Partido da China sobre as religiões. Entrevista com Francesco
Sisci, reproduzido nas Notícias do Dia de 14-8-2018, no sítio do Instituto Humanitas Unisinos
– IHU, disponível em http://bit.ly/2BSwMzm.
- Papa Francisco instiga o mundo a não temer a ascensão da China. Entrevista com
papa Francisco concedida a Francesco Sisci, reproduzida nas Notícias do Dia de 5-2-2016,
no sítio do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, disponível em http://bit.ly/2CnEIZH.

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

Da vila de Mr. Sun à


hiperurbanização chinesa
Guilherme Wisnik observa como a China vai transformando aldeias
de pescadores em cidades gigantescas e as consequências desses
empreendimentos para a cultura local e a saúde do planeta
João Vitor Santos

Q
uem tem interesse pelos temas Para o professor, a abertura da China a
da antropologia urbana já deve lógicas do consumo capitalista explica
ter ouvido a história das pes- essa transformação urbana. “Hoje em
soas que foram engolidas pelo “desen- dia, a China é claramente um país de eco-
volvimento” e pelo “progresso”, sendo nomia capitalista e de um estilo de vida
forçadas a mudar de vida. Na China, o que vai se tornando cada vez mais capita-
fenômeno é atualizado como hiperur- lista. É um estilo de vida que não se adap-
banização. Só que com uma diferença: ta a uma vida rural e nem a uma vida de
“num espaço curto de tempo, no tempo pequenas aldeias”, pontua.
de uma vida. São transições muito brus- Entretanto, se ao mesmo tempo uma cul-
cas e muito traumáticas”, destaca o pro- tura milenar é atravessada, a característica
fessor Guilherme Wisnik. Ele observa os chinesa de cópia e adequações de padrões
efeitos dessa explosão pela história de mundiais se fortalece. “Então, essa é uma
74 Mr. Sun, que vê sua aldeia de pescado- tradição que podemos dizer que é chine-
res se transformar numa cidade, sendo sa. E, dentro disso, eles têm feito também
forçado a trocar seu lote por um terre- cidades que são cópias de outras cidades
no urbano. “Foi onde ele construiu um do mundo”. Embora as novas cidades chi-
prédio de quatro andares, em que tinha nesas não se preocupem com a questão
a sua casa, andares que alugava, espécie ambiental, também têm dado uma lição
de quartos para aluguel, como um hotel ao mundo sobre crescimento planejado.
ou pensão, um cybercafé e, na cobertura, “É questionável, é feio, desumanizador
uma pequena horta em que ainda conti- de certa maneira, mas o país tem virtudes
nuava plantando cenouras e beterrabas”, do ponto de vista de uma racionalidade
conta. Só que essa explosão urbana não de planejamento. Pode-se dizer que isso
para por aí e nos anos 1990 toda essa criou um novo paradigma”, sintetiza.
cidade é posta abaixo. “Depois, fazem
Guilherme Wisnik atua como pro-
grandes empreendimentos, como sho-
fessor na Faculdade de Arquitetura e
pping centers com torres altas e outros
Urbanismo da Universidade de São Pau-
edifícios altíssimos. E esse mesmo Mr.
lo - USP. É autor de livros como Lucio
Sun tem que entregar o seu imóvel e tro-
Costa (Cosac Naify, 2001), Caetano Ve-
cá-lo por um apartamento minúsculo no
loso (Publifolha, 2005) e Estado crítico:
60º andar de um prédio”, pontua.
à deriva nas cidades (Publifolha, 2009).
Na entrevista concedida por telefone à Crítico de arte e arquitetura, foi curador
IHU On-Line, Wisnik observa que as do projeto de Arte Pública Margem (Itaú
consequências vão além. Com um país Cultural, 2008-10), e da 10ª Bienal de
com população imensa e com grandes Arquitetura de São Paulo (2013), entre
recursos financeiros, as obras são em outros projetos.
escala planetária, movem-se desertos e
montanhas em nome de empreendimen- A entrevista foi originalmente pu-
tos. “A Represa de Três Gargantas, que blicada nas Notícias do Dia de 10-09-
eles construíram para fazer a hidrelétrica 2018, no sítio do Instituto Humanitas
que é a maior do mundo, deslocou tama- Unisinos – IHU, disponível em http://
nha quantidade de água que mudou o bit.ly/2MFwE6n.
baricentro do planeta terra”, exemplifica. Confira a entrevista.

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

“A China foi fazendo uma


transição do socialismo
para o capitalismo de uma
forma não traumática”

IHU On-Line – No que consis- urbanização também aconteceu nos Guilherme Wisnik – Sim, isso
te e como se dá o processo de anos 1960, 1970. Hong Kong4, que é se dá em grande medida devido a
hiperurbanização da China? uma cidade que não pertence à Chi- essa abertura da economia planifi-
na, foge dessa regra e cresceu mui- cada para a economia de mercado.
Guilherme Wisnik – A China é
to. E, claro, Pequim5 e Xangai6 eram A China foi fazendo uma transição
um país enorme, como todos sabem,
cidades grandes. Mas, hoje, quando do socialismo para o capitalismo de
é a maior população mundial; um
falamos de hiperurbanização, signi- uma forma não traumática, diferen-
terço ou um quarto da população
temente dos países do bloco do leste
mundial vive na China, e durante fica que aquela política de Mao Tsé-
europeu, que eram a cortina de ferro
muito tempo o país teve uma políti- Tung foi revertida, e se atualmente
e, com a queda do Muro de Berlim,
ca ostensiva de evitar a urbanização. a China como regime comunista se
se deu uma transição traumática.
Mao Tsé-Tung1 era contra o inchaço abriu para a economia de mercado,
urbano, contra as grandes cidades, ela se abriu também para o consu- Agora, hoje em dia, a China é cla-
industrializou o campo e tinha uma mo absolutamente voraz de todos ramente um país de economia capi- 75
política explícita de impedir a migra- os objetos e produtos que compõem talista e de um estilo de vida que vai
ção do campo para a cidade. Assim, a o capitalismo. se tornando cada vez mais capita-
China passou décadas, chegando até lista. É um estilo de vida que não se
os anos 1990, com pouco movimento adapta a uma vida rural e nem a uma
de urbanização, se comparado com IHU On-Line – Então essa vida de pequenas aldeias. A própria
os processos de urbanização no resto adesão a uma lógica similar ao inclusão na vida capitalista signifi-
do mundo nesse período. capitalismo foi a grande res- ca também a inclusão na lógica da
ponsável pela virada da organi- especulação imobiliária, ou seja,
É preciso lembrar que São Paulo e
construir cidades, demolir vilarejos
Rio de Janeiro, as grandes cidades zação urbana da China?
e ter uma quantidade muito grande
brasileiras, explodem a partir dos
de obras de construção civil faz parte
anos 1950, 1960, e nos anos 1970 de habitantes em 2006. A Grande Kuala Lumpur, também
conhecida como Vale Kelang, é uma aglomeração urbana dessa dinâmica. Lembrando que o
as cidades já são um caos absoluto. com 7,2 milhões de pessoas. É a região metropolitana com
o mais rápido crescimento do país, tanto em população mercado imobiliário é responsável
Em outros países da Ásia, em cida- quanto na economia. (Nota da IHU On-Line)
por grande parte da lucratividade da
des como Jacarta2, ou Kuala Lum- 4 Hong Kong é uma das duas regiões administrativas
especiais da República Popular da China, sendo a outra economia capitalista.
pur3, na Malásia, esse processo de Macau. Uma Região Administrativa Especial da Repú-
blica Popular da China, situada na costa sul da China e
delimitada pelo delta do Rio das Pérolas e pelo Mar da
1 Mao Tsé-Tung (1893-1976): ditador, político, teórico, China Meridional, é conhecida por seu horizonte repleto
líder comunista e revolucionário chinês. Liderou a Revo- de arranha-céus e por seu profundo porto natural. Com IHU On-Line – Podemos
lução Chinesa e foi o arquiteto e fundador da República
Popular da China, governando o país desde a sua criação,
uma área de 1 104 km² e uma população de 7 milhões de
pessoas, Hong Kong é uma das áreas mais densamente
compreender essa hiperurba-
em 1949, até sua morte em 1976. Sua contribuição teórica povoadas do mundo. A população da cidade é composta nização da China como uma
para o marxismo-leninismo e suas estratégias militares e por 95% de pessoas de etnia chinesa e 5% de outros gru-
políticas comunistas são conhecidas coletivamente como pos étnicos. A maioria chinesa Han da cidade é originária, ocidentalização pela via do ca-
maoísmo. Chegou ao poder comandando a Longa Mar- principalmente, das cidades de Guangzhou e Taishan, na pitalismo?
cha, formando uma frente unida com Kuomintang (KMT) vizinha província de Guangdong. (Nota da IHU On-Line)
durante a Guerra Sino-Japonesa para repelir uma invasão 5 Pequim: é a capital da República Popular da China e uma
japonesa e, posteriormente, conduzindo o Partido Comu- das metrópoles mais populosas do mundo. Em 2013 a po- Guilherme Wisnik – Sim, é uma
nista Chinês até a vitória contra o generalíssimo Chiang pulação da cidade foi estimada em 20.150.000 habitantes. ocidentalização só que numa escala
Kai-shek do KMT na Guerra Civil Chinesa. (Nota da IHU A cidade, localizada no norte da China, é governada como
On-Line) uma municipalidade diretamente controlada pelo governo oriental, numa escala de uma popu-
2 Jacarta: é a capital e maior cidade da Indonésia. Situa- nacional, com 14 distritos urbanos e suburbanos e dois
se na ilha de Java e conta com cerca de 18,2 milhões de condados rurais. O município de Pequim é cercado pela lação absurdamente grande, que é
habitantes na sua área metropolitana. Foi fundada em
1619 pelos neerlandeses com o nome de Batávia, junto
província de Hebei, com exceção da municipalidade vizi-
nha de Tianjin, ao sudeste. (Nota da IHU On-Line)
maior do que qualquer uma do Oci-
à aldeia javanesa de Jacarta. Foi ocupada pelos ingleses 6 Xangai: é a maior cidade da República Popular da China dente. Eu digo oriental porque não é
entre 1811 e 1814. Tomou o nome atual em 1949. (Nota e uma das maiores áreas metropolitanas do mundo, com
da IHU On-Line) mais de 24 milhões de habitantes. Localizada na costa só chinesa, a maior cidade do mundo
3 Kuala Lumpur: é a capital e a maior cidade da Malásia. A
cidade propriamente ocupa uma área de 244 quilômetros
central da China oriental, na foz do rio Yangtze, a cidade é
administrada como um município chinês, com estatuto de
é Tóquio, no Japão. A ideia de aglo-
quadrados, tem uma população estimada de 1,6 milhão nível de uma província. (Nota da IHU On-Line) meração, de multidão realmente im-

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

pressionante é mais oriental do que larejo semirrural e, de repente, no cidades muito novas, cidades sem
ocidental. Mas, sim, é um dos efeitos final dos anos 1980, houve um pro- nenhuma especificidade. A ideia de
da ação do Ocidente sobre a China. cesso de urbanização forçada des- cidade genérica está ligada a outro
se lugar e o vilarejo se transformou conceito da antropologia urbana que
numa cidade; com isso, Sun teve que se chama “não lugar”. “Não lugar” é
IHU On-Line – O senhor des- entregar suas terras em troca de um um lugar que não tem nenhum sen-
tacou que, de modo geral, o terreno num lote na cidade. Foi onde tido de apropriação real pela popu-
mercado imobiliário é o grande ele construiu um prédio de quatro lação, porque não tem um vínculo
impulsionador da hiperurba- andares, em que tinha a sua casa, an- histórico, não tem usos realmente
nização. Gostaria que o senhor dares que alugava, espécie de quar- construídos e interação entre as pes-
detalhasse como isso se dá no tos para aluguel, como um hotel ou soas e aqueles espaços, são coisas
contexto chinês. pensão, um cybercafé e, na cobertu- construídas muito de cima para bai-
Guilherme Wisnik – David ra, uma pequena horta em que ainda xo. Esse conceito também está muito
Harvey7 explica bem como o mer- continuava plantando cenouras e be- ligado aos lugares de passagem, por
cado imobiliário tem papel central terrabas. Eles chamam esse estágio exemplo, autoestradas, vias expres-
no capitalismo. Desde a reforma de de village on the city – a aldeia na ci- sas ou centros de comércio, de com-
Paris no século XIX8 se percebeu dade –, um estágio intermediário em pras em que você está sempre em
que grandes obras em escala urbana que já se tem uma cidade, mas ainda trânsito. São lugares desertificados
podem reverter crises econômicas, e se tem uma certa memória da cidade do ponto de vista da apropriação hu-
isso tem sido feito ao longo dos tem- antiga e uma escala ainda humana mana. E essas cidades que a China
pos. Essa associação entre mercado em que o sujeito tem o lote dele. está construindo são como imensos
imobiliário e capital financeiro é, ao “não lugares”, elas têm essa caracte-
Depois vem um novo momento,
mesmo tempo, responsável pelas rística da cidade contemporânea.
no fim dos anos 1990, no qual essa
grandes bolhas, pelos estouros re- cidade que foi construída é toda
centes, mas também pela estabiliza- demolida e vem o mercado imobi- IHU On-Line – Ou seja, deixa-
ção do sistema num momento de su- liário, através do governo central se a tradição da cultura orien-
perprodução. É isso que entrou com do Estado – essa é uma associação
76 força no caso chinês.
tal sempre tão forte e se rende
curiosa, o mercado imobiliário jun- a lógicas globais genéricas de
Tem um livro chamado How the to com o governo central –, e desa- megametrópoles?
city moved to Mr. Sun: China’s new propria todo mundo. Depois, fazem
grandes empreendimentos, como Guilherme Wisnik – Sim, tanto
megacities9, de dois holandeses, Mi-
shopping centers com torres altas que há fotos impressionantes dos
chiel Hulshof10 e Daan Roggeveen11,
e outros edifícios altíssimos. E esse antigos bairros chineses sendo de-
que traz um caso emblemático que
mesmo Mr. Sun tem que entregar o molidos para a construção dessas ci-
aconteceu com muita gente. Sun era
seu imóvel e trocá-lo por um apar- dades genéricas. Agora, é importan-
um senhor, um agricultor de um vi-
tamento minúsculo no 60º andar de te lembrar que a China tem também
7 David Harvey (1935): é um geógrafo marxista britânico, um prédio. Isso acontece com muita uma tradição de copiar tudo. São
formado na Universidade de Cambridge. É professor da
gente lá, num espaço curto de tem- esses made in China que tanto co-
City University of New York e trabalha com diversas ques-
tões ligadas à geografia urbana. (Nota da IHU On-Line) po, no tempo de uma vida, de uma nhecemos, feitos por eles sem pedir
8 Reformas de Paris: transformações de Paris no Segun- permissão, sem royalties de nada,
do Império, também conhecidas como a Reforma Urba- geração. São transições muito brus-
na de Paris ou a Renovação de Haussmann, foi um vasto cas e muito traumáticas. eles simplesmente clonam as coisas
programa de obras públicas de modernização da capital
francesa promovida por Georges-Eugène Haussmann en- e copiam. Então, essa é uma tradição
tre 1852 e 1870. Haussmann, o então prefeito do depar-
tamento do Sena, concentrou os esforços da renovação
que podemos dizer que é chinesa. E,
urbana no sentido de promover melhorias nas manobras IHU On-Line – A partir disso, dentro disso, eles têm feito também
militares, assim como na circulação e na higienização da
capital da França. Para tal fim, demoliu inúmeras vias pe-
que tipo de cidade a China tem cidades que são cópias de outras ci-
quenas e estreitas residuais do período medieval, e criou produzido? dades do mundo.
imensos boulevards organizadores do espaço urbano, as-
sim como jardins e parques. (Nota da IHU On-Line)
9 SUN Books, 2010. (Nota da IHU On-Line) Guilherme Wisnik – É o que o Em volta de Xangai, há um anel de
10 Michiel Hulshof: é jornalista, pesquisador, atuou em arquiteto holandês Rem Koolha- cidades novas em que cada cidade é
vários meios de comunicação holandeses e estrangeiros.
Em 2001, escreveu sua primeira história para a Vrij Neder- as12 chama de cidade genérica; são a cópia de algum lugar do mundo.
land, quando passou a trabalhar na revista como editor
político, correspondente da China. Em seu trabalho jor- Assim, tem a cidade que imita Lon-
nalístico, Michiel se concentra em descrever as tendências 12 Remment Lucas “Rem” Koolhaas: arquiteto, urba- dres, com seus ônibus vermelhos de
sociais - da ascensão das megacidades aos efeitos da nista e teórico da arquitetura neerlandês. É professor de
robotização. Junto com o arquiteto Daan Roggeveen ele arquitetura e desenho urbano na Universidade Harvard. dois andares, com telefones públi-
fundou o Go West Project, que pesquisa megacidades da Começou a chamar a atenção do público e da crítica a
Ásia, Europa e África. (Nota da IHU On-Line) partir de 1975, quando, juntamente com os arquitetos cos característicos, os guardas que
11 Daan Roggeveen: arquiteto e sócio da MORE Architec-
ture, empresa multidisciplinar que ele fundou com Robert
Madelon Vriesendorp (sua esposa), Elia Zenghelis e Zoe
Zenghelis fundou em Londres, o OMA - Office for Metro-
se vestem com aquelas roupas lon-
Chen. Com sede em Xangai e Amsterdã, a MORE busca politan Architecture e, posteriormente, a sua contraparte drinas. Outra cidade imita a Holan-
criar noções contemporâneas de coletividade nos projetos orientada para a pesquisa, a AMO, atualmente baseada
em que trabalham globalmente. Com o jornalista Michiel em Rotterdam. Mais tarde, juntaram-se a eles Zaha Hadid, da, onde há os canais como se fosse
Hulshof, Roggeveen iniciou o Go West Project, um grupo uma das alunas de Koolhaas, e outros parceiros como a Amsterdã. E, ao mesmo tempo, eles
de reflexão focado nas megacidades emergentes. (Nota Columbia Laboratory for Architectural Broadcasting. (Nota
da IHU On-Line) da IHU On-Line) têm os famosos parques de atração

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

que são como o Epcot Center, na tre as principais. Na verdade, exis- aquelas construções de madeira ou
Disney, nos Estados Unidos, que são te um grande polo de urbanização tijolos que são mais precárias e po-
cópias dos monumentos do mundo. no sudeste da China que é o Delta deriam ser pensadas como mais an-
Há parques assim em Pequim e em do Rio Pérola16, que deságua em tigas. Eles têm ainda uma preserva-
Shenzhen13, como o parque Window Hong Kong, e é onde estão Shen- ção da política de Mao Tsé-Tung. Na
of the World – a janela do mundo. zhen, Guangzhou e outras grandes época de seu governo, por exemplo,
Lá, é possível encontrar o Partenon, cidades. Ali foi a primeira região que o RG da pessoa, sua identidade, é da
a Torre Eiffel, tem até o Congres- chamaram de Zonas Econômicas Es- cidade em que ela nasceu e não se
so Nacional de Brasília. Trago essa peciais; a abertura para o mercado poderia trabalhar em outra cidade.
ideia para contestar um pouco aque- capitalista começou ali por causa de Isso ocorria para manter as pessoas
la ideia que trazia antes, pois essa Hong Kong. nos lugares e evitar migrações. Hoje,
perspectiva do genérico também é ainda se mantém algo dessa lei, mas
Shenzhen é um caso muito impres-
muito chinesa por esse sentido da de uma forma velada. As pessoas
sionante, pois em 1980 era uma al-
tradição de fazer a cópia. migram, chegam em outras cidades
deia de pescadores e, hoje em dia, é
e conseguem trabalhar, mas são ex-
uma cidade com quase 15 milhões de
ploradas e não têm direito a nenhum
IHU On-Line – Pensando nes- habitantes, onde é sede de uma das
benefício público, como hospitais,
sa perspectiva da cópia, quan- Bolsas de Valores da China (a outra
escolas. Assim, cria-se uma espécie
do a China quer construir uma fica em Xangai), tem os hotéis mais
de cidade informal dentro da cidade
grande cidade, para onde olha? luxuosos do mundo, as principais
formal. São esses lugares que vemos
Em que lugar busca inspiração? empresas multinacionais. Isso é uma
e que podemos identificar como fa-
hiperurbanização, um crescimento
Guilherme Wisnik – As refe- velas. Isso seria uma certa sobre-
muito rápido. Além dessa concen-
rências são os Estados Unidos e as vivência da China antiga dentro da
tração do Delta do Rio Pérola, onde
cidades mais tradicionais da Euro- China atual.
estão essas principais, tem ainda
pa; no caso das cidades copiadas, a Chongqing, mais próximo ao centro
base são as cidades europeias. Mas da China, e Xangai e Pequim, mais IHU On-Line – Essa seria
o modelo da cidade genérica é a ci- perto da costa.
dade norte-americana, a cidade de
uma face das desigualdades 77
que surgem dessa transforma-
autopistas e de shoppings, como
ção da China camponesa para
Los Angeles, Houston, Atlanta, IHU On-Line – Ainda sobre
a urbana?
Phoenix, nesse estilo. o caso de Shenzhen, gostaria
que o senhor detalhasse como Guilherme Wisnik – Exatamen-
se dá essa relação da cultura te, se cria uma terrível desigualdade
IHU On-Line – Atualmente, mais antiga, como de uma ilha por causa dessas transformações.
quais as maiores e mais hipe- de pescadores, com uma mega- Mas, além desses casos, há também
rurbanizadas cidades da China? cidade? o caso de cidades fantasmas. No
Guilherme Wisnik – Xangai norte da China, por exemplo, tem
Guilherme Wisnik – Não se re-
e Pequim, com certeza, mas tam- uma cidade chamada Ordos Kan-
laciona, é uma relação de apagamen-
bém Guangzhou14, no sul da China, gbashi17, na província da Mongólia
to. Eu visitei Shenzhen e percebi que
Shenzhen e Chongqing15, estão en- Interior, que foi construída para
ali há várias áreas que poderíamos
um milhão de habitantes, e só tem
chamar de favelas. Na verdade, são
13 Shenzhen: é uma das maiores e mais importan-
cinco mil habitantes. É um grande
tes cidades da China, localizada na província de Cantão paradoxo nesse processo de hipe-
(Guangdong), no sul do país, ao norte de Hong Kong. Foi no interior da China, que tem uma menor densidade po-
a primeira cidade chinesa a abrigar uma zona econômica pulacional. Até 14 de março de 1997 apenas uma cidade rurbanização, porque foi uma ação
especial, implementada pelo governo chinês em 1979 e dentro da província de Sichuan, o município de Chong- governamental e imobiliária que,
que transformou radicalmente a cidade, fazendo sua po- qing tem uma população registrada de 5.402.721 (2005).
pulação crescer mais de 5000% nos últimos 33 anos, e sua (Nota da IHU On-Line) de alguma maneira, fracassou, pois
economia, mais de 9000% desde então. De fato, o po- 16 Delta do Rio das Pérolas: é um delta de rio e estuá-
derio econômico e influência populacional apresentados rio no centro da Cantão, no sul da China. É formado por quis estimular um crescimento ur-
por Shenzhen – figurando hoje como um dos principais numerosos rios, e o rio das Pérolas é ele próprio parte do bano naquela região que não acon-
centros financeiros, urbanos, culturais e administrativos da delta. A região do delta do rio das Pérolas inclui as cidades
China atual – é fruto do investimento estrangeiro, baseado de Cantão, a capital provincial, e Shenzhen na fronteira teceu ainda. Essa cidade está nessa
na política da “abertura para o Ocidente”. (Nota da IHU com Hong Kong, que foi uma das primeiras áreas da Chi-
On-Line) na comunista a abrir-se ao comércio exterior, em grande
condição há mais de dez anos.
14 Cantão ou Guangzhou: é uma cidade da República medida na década de 1980. Hong Kong, no sul do delta,
Popular da China, capital e maior cidade da província de não pertence à planície deltaica e tem um estatuto político Curioso é que, quando você busca
Cantão (Guangdong). Localizada no sul do país, às mar- particular; esta cidade tem um papel chave na economia
gens do rio Zhu Jiang, e a cerca de 120 km ao norte de regional. O delta é uma das regiões mais desenvolvidas da
Hong Kong, a cidade é um importante centro portuário China continental, com o delta do Yangtzé e a região de 17 Ordos Kangbashi ou Distrito de Kangbashi: também
do país. Como uma das maiores cidades da China, possui Pequim. Tem uma forte indústria de exportação. Na frente conhecido por seu nome mongol, o distrito de Hia Bagx
o estatuto de subprovíncia administrativa. Com 12.780.800 econômica, formou-se um «grande delta do rio das Péro- ou distrito de Hia’bagx, é um distrito urbano da cidade de
habitantes (2010), a cidade figura como a terceira maior las», que ultrapassa os limites físicos do delta, para incluir Ordos, no interior da Mongólia Interior, China. O distrito é
cidade da China, depois de Xangai e Pequim, e um dos as periferias próximas. Reagrupa Hong Kong e Macau, internacionalmente conhecido por sua opulenta praça e
maiores centros industriais, administrativos e financeiros bem como as prefeituras de Guangzhou, Shenzhen Dong- monumentos cívicos e por ter poucos moradores em re-
do país. (Nota da IHU On-Line) guan, Foshan, Zhongshan, Zhuhai e Jiangmen, e parte das lação à grandeza do espaço construído que foi financiado
15 Chongqing: é o maior e mais populoso dos quatro de Huizhou e Zhaoqing. Esta área abarca aproximadamen- pelo governo chinês. O número de residentes aumentou
municípios da República Popular da China que possuem te 43.000 km² e tem cerca de 50 milhões de habitantes. ligeiramente desde que o distrito foi construído pela pri-
o status de províncias, e o único deles que é localizado (Nota da IHU On-Line) meira vez. (Nota da IHU On-Line)

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

as respostas para isso, observa que o IHU On-Line – No caso da a única obra humana que é visível da
governo diz sempre que não foi um construção das cidades, o se- lua, que é a Muralha. A Represa de
problema, foi uma boa decisão por- nhor percebe essa falta de po- Três Gargantas19, que eles construí-
que a construção da cidade gerou líticas ambientais? Para erguer ram para fazer a hidrelétrica que é a
emprego, movimentou a economia. um prédio, passa-se com uma maior do mundo, deslocou tamanha
É uma resposta bastante estranha. retroescavadeira por cima de quantidade de água que mudou o ba-
Entretanto, também encontrei um tudo? É isso que acontece? ricentro do planeta terra. É para esse
depoimento de um investidor imo- tipo de situação que quero chamar
Guilherme Wisnik – É isso mes-
biliário que mora em Pequim e que atenção, pois quando falamos na
mo e tamanha é a escala disso tudo
tem vários imóveis nessa cidade de China é nesse tipo de escala que as
que, às vezes, tem a revolta da na-
Ordos e quando perguntaram se ele coisas acontecem. Esses problemas
tureza. Há cidades que foram cons-
tinha feito um mau negócio, res- que são questões da urbanização
truídas onde antes era um deserto;
pondeu que não, que foi bom por- em qualquer lugar do mundo, como
destruíram montanhas, afastaram
que investiu numa cidade que não emissão de gases, impermeabiliza-
desertos e quando ocorre uma tem-
está sendo gasta, que vai ficar para ção do solo, consumo de reservas
pestade de areia o deserto volta e
sempre nova. Gostei muito dessa fósseis, na China tudo isso ocorre
toma a cidade. A urbanização chi-
definição, porque ela me mostrou numa escala muito maior.
nesa demonstra uma luta insana da
uma ideia perversa de que, através
civilização contra a natureza, numa
da China, podemos ver que a cidade
escala fáustica18, que é o pacto com IHU On-Line – E quais aspec-
contemporânea vai deixando de ter
valor de uso e vai tendo apenas valor o demônio. tos positivos poderiam ser des-
de troca, como se fosse um produto tacados a partir dessa megaur-
também que se pode comprar e ven- IHU On-Line – O senhor per- banização?
der conforme o desgaste. cebe se dentro da China e na Guilherme Wisnik – Parece
comunidade internacional há que não tem nada de positivo, mas
IHU On-Line – Como toda essa algum tipo de reação para ten- tem sim. Como é uma organização
78 explosão urbana da China tem tar reverter esse quadro de ex- movida por uma economia muito
impactado o meio ambiente? trema degradação ambiental? forte, mas com governo central, eles
Guilherme Wisnik – Na China conseguem fazer tudo com muitas
Guilherme Wisnik – Essa é uma regras, com muita norma, com mui-
das maiores preocupações mundiais não sei dizer, mas internacionalmen-
te há muitas reações. O Greenpeace to padrão. Quando a urbanização é
hoje, porque a China não tem políti- feita só pelo mercado imobiliário
cas claras, nem progressistas, sobre ataca muito essa política chinesa, e
os congressos da Organização das você tem apenas a lei do lucro fun-
a redução do impacto ambiental. As- cionando, a competição, e as coisas
sim, as consequências são muito da- Nações Unidas - ONU sobre ques-
tões ambientais também têm coloca- ocorrem de uma maneira. No caso
nosas, vemos muita emissão de po- da China, não, pois tem muito di-
luentes. Em Pequim, por exemplo, do essa questão.
nheiro, capacidade econômica para
o ar é preto, as pessoas andam com fazer as grandes obras, mas eles têm
máscaras em função de tamanha IHU On-Line – Quais os riscos uma linha mais ou menos coerente
poluição. Há uma combinação da da hiperurbanização chinesa? por trás, que é o próprio governo.
questão atmosférica do lugar onde
a cidade está e a poluição, a emissão Guilherme Wisnik – É tudo isso
de gás carbônico, que torna o lugar que estramos tratando, a eliminação Você visita, por exemplo, Shen-
quase impossível de se viver. de um patrimônio cultural milenar, zhen e percebe que tem um padrão
insustentabilidade de todos os pon- de calçada, de tamanho das vias, de
Mas há, sobretudo, essa ideia de
tos de vista, porque há consumo de comércio nos térreos de prédios, de
que sabemos que, se os padrões oci-
água e de petróleo de forma desre- metrô, de infraestrutura pública,
dentais de consumo forem realmen-
grada, poluição do meio ambiente, tudo isso é feito junto. Nesse aspecto
te adotados pela população chinesa,
mas não só dessas matérias-primas.
o mundo não conseguirá suportar.
A própria impermeabilização do solo 19 Hidrelétrica ou Barragem das Três Gargantas: é a
Será gerado um desastre ambiental central hidrelétrica com a segunda maior barragem e re-
fica comprometida com toda essa ur- presa do mundo, construída no Rio Yang-tsé, o maior da
e de consumo de reservas fósseis, de
banização. China, e a segunda maior usina hidrelétrica do mundo em
água, que vai se tornar inviável. É energia gerada, com 98,8 milhões de megawatts em 2014,
perdendo somente para a Hidrelétrica de Itaipu, que ge-
um tema que tem preocupado mui- E vamos lembrar que quando fala- rou 103 milhões de megawatts em 2016. A obra das Três
to, mas o problema é que estamos mos da China não estamos falando Gargantas tem como funções a prevenção de enchentes,
a geração de energia e facilitar o transporte fluvial. Para
caminhando nessa direção, a China de qualquer lugar. A China construiu se ter uma ideia da capacidade de armazenamento desta
barragem, se estivesse cheio o seu lago artificial, com ca-
está se urbanizando e se adaptando pacidade para cerca de 10 trilhões de galões (40 quilôme-
ao consumo ocidental e num ritmo 18 O entrevistado se refere a Fausto, de Goethe, em que tros cúbicos) de água, a duração de um dia na Terra seria
aborda a problemática humana diante da natureza. (Nota prolongada em 0,06 microssegundos por conta do imenso
chinês. da IHU On-Line) deslocamento de massa causado. (Nota da IHU On-Line)

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

é muito bom, muito melhor do que IHU On-Line – É possível afir- mado Great Leap Forward20, orga-
os crescimentos caóticos aqui no mar que o momento vivido pela nizado por Rem Koolhaas, que co-
Brasil, onde vai se expandindo uma China hoje, em termos de de- ordena em Harward um laboratório
cidade sem ter nenhuma infraestru- senvolvimento urbano, não é chamado Project on the City [pro-
tura, sem ter nenhuma padronização vivido por nenhum outro lugar jetos das cidades], onde fazem pes-
de leito carroçável de via pública, no mundo? quisas urbanas. Esse livro é sobre a
sem ter metrô. urbanização do Delta do Rio Pérola.
Guilherme Wisnik – Nessa es- É uma pesquisa muito importante,
cala sim, não tem comparação. A que conheci no início dos anos 2000
IHU On-Line – Dadas todas Índia vive uma situação semelhante; e me abriu a cabeça para esses fenô-
essas experiências da China, era uma população majoritariamen- menos. Depois tive a oportunidade
é possível afirmar que o país
te rural que está se urbanizando ao de ser convidado para participar da
tem inspirado outros lugares
mesmo tempo, mas sem essas espe- Bienal de Shenzen. Fui até lá, mos-
do mundo na questão do cres-
cificidades que comentamos. trei uma instalação que tínhamos
cimento e desenvolvimento
feito para a Bienal de Arquitetura
urbano?
de São Paulo, participei de debates
Guilherme Wisnik – Acredito IHU On-Line – Como o tema e pude visitar a cidade, assim como
que sim, pois os chineses estão dan- da China o tocou? O que o fez Hong Kong, e fiquei muito impres-
do um exemplo de um crescimento olhar com mais atenção para sionado. Na Bienal de Arquitetura
planejado. É um crescimento muito esse país? de 2013, em São Paulo, em que fui
rápido, mas é planejado. É questio- curador, fizemos uma exposição im-
nável, é feio, desumanizador de certa Guilherme Wisnik – Sendo um
portante sobre a China baseada em
maneira, mas o país tem virtudes do arquiteto interessado nos fenôme- pesquisas que nossa equipe curato-
ponto de vista de uma racionalidade nos mundiais, necessariamente esse rial desenvolveu.■
de planejamento. Pode-se dizer que tema apareceria. Existe um livro que
isso criou um novo paradigma. foi muito importante para mim cha- 20 Taschen, 2002. (Nota da IHU On-Line)

79

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

China pode ultrapassar economia


dos EUA nesta década
Irene Chan ressalta, no entanto, que o país asiático continua atrás em
outras áreas, entre elas tecnologia militar e inovação tecnológica
Vitor Necchi | Tradução: Luisa Somavilla

A
China soube aproveitar as cir- Ao comparar a atuação do presidente
cunstâncias da crise financeira Xi Jinping com o legado de Mao Tsé-
mundial no final dos anos 2000. Tung, ela afirma que o atual dirigente
Ela resistiu melhor do que as econo- pode imitar algumas das perspectivas
mias desenvolvidas e ultrapassou o maoísta “para sustentar o partido e
Japão como a segunda maior econo- sua própria legitimidade política, mas
mia do mundo em 2010. “Muitas au- é provável que ele inove com o tempo,
toridades e estudiosos chineses salien- devido às complexas circunstâncias ge-
taram também o declínio relativo dos opolíticas em constante mutação”.
Estados Unidos após a crise global de
A voracidade econômica e os núme-
2008/2009 como uma oportunidade
ros gigantes no que se refere à China
de crescimento para a China, mas o fato
podem gerar especulações acerca de
é que a economia dos EUA demonstrou
80 suas pretensões, mas Chan contem-
grande resistência ao longo da última
poriza essa questão. “A China ainda
década”, analisa Chan. Em entrevista
não é forte o suficiente para dominar o
concedida por e-mail à IHU On-Line,
mundo, e a comunidade internacional
observa que a “China pode ultrapas-
não está disposta a aceitar a domina-
sar os EUA como a maior economia do
ção chinesa”, diz. No entanto, observa:
mundo ainda nesta década, mas con-
“Com ou sem um mecanismo eficaz de
tinua atrás em outras áreas, particu-
governo global e uma ordem interna-
larmente tecnologia militar e inovação
cional baseada em regras, o princípio
tecnológica”.
de política externa não intervencionis-
Ao analisar o desenvolvimento chinês, ta da China pode cair com seu envolvi-
ela observa que o país não tem uma es- mento crescente em aventuras dispen-
tratégia expansionista. “Embora a Chi- diosas ao redor do mundo”.
na não hesite em defender seus interes-
ses nacionais, é pouco provável que se Irene Chan é pesquisadora associa-
envolva em guerras dispendiosas por da do Programa China na Escola de Es-
ideologia ou para defender os direitos tudos Internacionais de S. Rajaratnam,
universais”, afirma. “A compreensão no origiginal em inglês, Rajaratnam
cultural é um aspecto importante das School of International Studies – RSIS,
relações diplomáticas, mas ter um en- de Singapura, Bacharel em História da
tendimento melhor de que a China ain- Arte pela Universidade Tecnológica de
da está em desenvolvimento e não pode Nanyang, de Singapura, e mestra em
adotar valores ocidentais e métodos de Ciências em Estudos Asiáticos pela
venda por atacado é crucial para me- RSIS.
lhorar as relações com Pequim.” Confira a entrevista.

IHU On-Line – Em que mo- mais poderoso? E como se Irene Chan – A China resis-
mento a China se credenciou constituíram as circunstâncias tiu à crise financeira mundial de
para provavelmente ser o país favoráveis para tanto? 2008/2009 muito melhor do que as

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

“A China resistiu à crise financeira mundial


de 2008/2009 muito melhor do que as
economias desenvolvidas e chegou a
ultrapassar o Japão como a segunda
maior economia do mundo em 2010”

economias desenvolvidas e chegou a é discutível. A China já está tentando mento. Para começar, lugares como
ultrapassar o Japão como a segunda estabelecer uma nova ordem econô- Sudão, Líbia e Mianmar são instá-
maior economia do mundo em 2010. mica mundial através da iniciativa veis. O público interno sente ao mes-
No entanto, não há provas de que Pe- Um Cinturão, Uma rota2. Talvez não mo tempo orgulho e frustração pela
quim tenha oficialmente se conside- seja o Plano Marshall3 da China, mas ascensão da China. Eles sentem que
rado a principal potência, acima dos é certamente um empreendimento o governo central está entrando em
EUA, apesar de ter se discutido muito ambicioso de integração econômica envolvimentos estrangeiros caros no
dentro da China sobre a abrangente global e aproximação de países sub- mundo todo com poucos resultados.
força nacional diante dos EUA. Mui- desenvolvidos da órbita chinesa. As Esta insatisfação fica particularmen-
tas autoridades e estudiosos chineses consequências não devem ser muito te evidente em tempos de crise e di-
salientaram também o declínio rela- diferentes do que os EUA estão fa- ficuldade econômica. Por exemplo,
tivo dos Estados Unidos após a cri- zendo para outros países ao redor do Pequim também enfrentou críticas
se global de 2008/2009 como uma mundo, se Pequim decidir ser asser- quando perdeu bilhões de dólares
oportunidade de crescimento para a tivo e não consultivo. em investimentos na Líbia logo após 81
China, mas o fato é que a economia a Primavera Árabe4 em 2011 e não
dos EUA demonstrou grande resis- conseguiu evacuar os cidadãos que
tência ao longo da última década. A IHU On-Line – A China está ficaram presos na guerra civil em
China pode ultrapassar os EUA como presente em vários países em tempo hábil. Os cidadãos chineses
a maior economia do mundo ainda desenvolvimento, principal- também criticaram as perdas de in-
nesta década, mas continua atrás em mente no Hemisfério Sul, e sua vestimento de Pequim em Mianmar
outras áreas, particularmente tecno- ação econômica na região vem e na Venezuela. Essas questões gera-
logia militar e inovação tecnológica. gerando conflitos locais. Qual a ram debates acalorados nos círculos
postura dos chineses em relação acadêmicos.
a esses países e seus problemas?
IHU On-Line – Existem pro-
Irene Chan – Seria impreciso di-
jeções de que os chineses su- IHU On-Line – Os ocidentais
zer que todos os conflitos locais são
plantarão o primado financeiro entendem muito pouco da cultu-
gerados por atividades econômicas
de Wall Street. Se isso aconte- ra chinesa. Isso contribui para
chinesas nos países em desenvolvi-
cer, que nova ordem econômi- que eles tenham dificuldade em
ca mundial será estabelecida? lidar com os efeitos dos planos
Quais serão as consequências? 2 Iniciativa Um Cinturão, Uma rota: é considerada a expansionistas da China?
maior façanha de infraestrutura da história da humanida-
Irene Chan – Não sei de onde de. Trata-se de um gigantesco programa de construção da Irene Chan – A China não tem
China para recriar rotas comerciais da Ásia para a África
vêm tais projeções, mas a econo- e a Europa. Pretende ser um instrumento para acelerar o uma estratégia expansionista como a
mia e o mercado de ações chinês crescimento econômico da Eurásia, gerando milhões de
empregos, o que possibilitaria o aumento da classe média
têm muito menos abertura para in- asiática. Foi anunciada em 2013 e deu impulso a bilhões
de dólares em investimentos em ferrovias, estradas, por- 4 Primavera Árabe: os protestos no mundo árabe ocor-
vestidores estrangeiros do que Wall tos e usinas de energia. (Nota da IHU On-Line) ridos de 2010 a 2012 foram uma onda revolucionária
Street. O renminbi1 chinês não é tão 3 Plano Marshall: aprofundamento da Doutrina Truman,
conhecido oficialmente como Programa de Recuperação
de manifestações, compreendendo o Oriente Médio e o
Norte da África. Houve revoluções na Tunísia e no Egito,
usado internacionalmente como o Europeia, foi o principal plano dos Estados Unidos para a uma guerra civil na Líbia e na Síria; grandes protestos na
reconstrução dos países aliados da Europa nos anos se- Argélia, em Bahrein, em Djibuti, no Iraque, na Jordânia,
dólar dos EUA e também é subme- guintes à Segunda Guerra Mundial. A iniciativa recebeu o em Omã e no Iémen e protestos menores no Kuwait, no
tido a muita manipulação e controle nome do Secretário do Estado dos Estados Unidos, Geor- Líbano, na Mauritânia, no Marrocos, na Arábia Saudita,
ge Marshall. O plano de reconstrução foi desenvolvido em no Sudão e no Saara Ocidental. Nos protestos, ocorriam
por Pequim. Portanto, a comparação um encontro dos Estados europeus participantes em julho técnicas de resistência civil em campanhas sustentadas
de 1947. A União Soviética e os países da Europa Oriental envolvendo greves, manifestações, passeatas e comícios,
foram convidados, mas Josef Stalin viu o plano como uma bem como o uso das mídias sociais, como Facebook, Twit-
ameaça e não permitiu a participação de nenhum país sob ter e Youtube, para organizar, comunicar e sensibilizar a
1 Renminbi: moeda oficial da República Popular da China o controle soviético. O plano permaneceu em operação população e a comunidade internacional em face de ten-
,distribuída pelo Banco Popular da China. (Nota da IHU por quatro anos fiscais a partir de julho de 1947. (Nota tativas de repressão e censura na internet por partes dos
On-line) da IHU On-Line) Estados. (Nota da IHU On-Line)

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

do Terceiro Reich de Hitler5. Embora ridional e como ela se relaciona Irene Chan – Xi8 pode imitar al-
a China não hesite em defender seus com os demais países da região? gumas das perspectivas de Mao Tsé-
interesses nacionais, é pouco prová- Tung9 para sustentar o partido e sua
Irene Chan – A China afirma ter
vel que se envolva em guerras dispen- própria legitimidade política, mas é
a posse da maioria do mar do sul da
diosas por ideologia ou para defender provável que ele inove com o tempo,
China com a reivindicação da linha
os direitos universais. A compreen- devido às complexas circunstâncias
das nove raias6. As disputas do mar do
são cultural é um aspecto importan- geopolíticas em constante mutação.
sul da China, sem dúvida, afetaram as
te das relações diplomáticas, mas ter
relações com países do sudeste asiáti-
um entendimento melhor de que a
co que afirmam ter a posse da região, IHU On-Line – O que esperar
China ainda está em desenvolvimen-
bem como as relações com a Asean7 de um mundo dominado pelo
to e não pode adotar valores ociden-
como um todo. No entanto, a China é grande dragão do Oriente?
tais e métodos de venda por atacado
o maior parceiro comercial dos Esta-
é crucial para melhorar as relações Irene Chan – Não tenho bola de
dos-membros da Asean, que defende
com Pequim. cristal para prever o futuro. A China
uma solução pacífica e incentiva o diá-
logo entre todos esses países. ainda não é forte o suficiente para
dominar o mundo, e a comunida-
IHU On-Line – Qual é a situa-
de internacional não está disposta a
ção das forças armadas chine-
IHU On-Line – O presidente aceitar a dominação chinesa. Com ou
sas? Seu poder cresce em para-
Xi Jinping continua, atualiza sem um mecanismo eficaz de gover-
lelo ao boom econômico?
ou rompe com as perspectivas no global e uma ordem internacional
Irene Chan – Sim, o Exército Po- maoístas? baseada em regras, o princípio de po-
pular de Libertação ainda está em fase lítica externa não intervencionista da
de modernização. O exército foi redu- China pode cair com seu envolvimen-
zido em termos de número de milita- 6 Linha das nove raias: também mencionada como “linha
to crescente em aventuras dispendio-
res ativos, mas está investindo grande das dez raias” e “linha das onze raias”, refere-se à linha de- sas ao redor do mundo. ■
marcatória usada, inicialmente, pelo governo da República
parte do orçamento para elevar os da China (RC/Taiwan) e, consequentemente, também pela
salários e o bem-estar, além de desen- República Popular da China (RPC) para suas reivindicações
82 volver as competências militares. Ana-
da maior parte do mar da China Meridional. A área dispu-
tada no mar da China Meridional incluem as Ilhas Paracel,
8 Xi Jinping (1953): nascido em Pequim, atual presidente
da República Popular da China e secretário-geral do Partido
as Ilhas Spratly e várias outras regiões, incluindo as Ilhas Comunista da China. Tem doutorado em Engenharia Quí-
lisando os últimos orçamentos anuais Dongsha, Ilhas Zhongsha e Ilha Huangyan. A reivindicação mica e Ciência Política. É atualmente o principal membro do
da defesa, havia indícios de que uma abrange a área de aterramento marítimo chinês conhecido
como a “Grande Muralha de Areia”. O primeiro mapa con-
Secretariado do Partido Comunista Chinês, o presidente da
China, o diretor da Escola Central do Partido e o mais im-
parte cada vez maior era usada para tinha 11 linhas e foi publicado pela República da China em portante membro do Comitê Permanente do Politburo, que
1 de dezembro de 1947. Duas linhas no Golfo de Tonkin é o órgão que controla o país. Filho do político comunista Xi
reforçar a segurança interna. foram, posteriormente, removidas a pedido do primeiro- Zhongxun, Xi Jinping começou sua carreira política na pro-
ministro Zhou Enlai, reduzindo para nove linhas. Edições víncia de Fujian e foi posteriormente escolhido como chefe
IHU On-Line – Que papel a posteriores adicionaram uma linha à extremidade superior do partido na província vizinha de Zhejiang, depois pro-
direita do traçado, estendendo para o mar da China Orien- movido a chefe do partido de Xangai após a demissão de
China tem no Mar da China Me- tal. Apesar de ter feito uma reivindicação pública em 1947, Chen Liangyu. Conhecido por suas posturas liberais, duro
a China não apresentou uma solicitação formal e precisa da combate à corrupção e uma franqueza e abertura quanto a
área a ser reivindicada. A China adicionou uma décima linha reformas políticas e econômicas, é o destacado líder emer-
à leste da ilha de Taiwan em 2013, como parte da alegação gente da quinta geração de líderes da República Popular
5 Adolf Hitler (1889-1945): ditador austríaco. O termo de sua soberania aos territórios em disputa no mar da Chi- da China. Assumiu o cargo de presidente da China no dia
Führer foi o título adotado por Hitler para designar o chefe na Meridional. Em 12 de julho de 2016, o Tribunal Perma- 15 de março de 2013, sucedendo Hu Jintao. Foi nomeado
máximo do Reich e do Partido Nazista. O nome significa o nente de Arbitragem, em Haia, determinou que a China não como uma das pessoas mais influentes do mundo em 2009,
chefe máximo de todas as organizações militares e políticas tem base legal para reivindicar “direitos históricos” dentro 2011 e 2012 pela revista Time. Em 2017, foi eleito pelo The
alemãs, e quer dizer “condutor”, “guia” ou “líder”. Suas teses da linha de nove raias, em um caso apresentado ao tribunal Economist o homem mais poderoso do mundo. Em 2018, o
racistas e antissemitas, bem como seus objetivos para a Ale- pelas Filipinas. O tribunal julgou que não havia nenhuma parlamento chinês aprovou o mandato vitalício a Xi Jinping.
manha, ficaram patentes no seu livro de 1924, Mein Kampf evidência de que a China havia, historicamente, exercido (Nota da IHU On-Line)
(Minha luta). No período da ditadura de Hitler, os judeus controle exclusivo sobre as águas ou recursos dentro da 9 Mao Tsé-Tung (1893-1976): ditador, político, teórico, lí-
e outros grupos minoritários considerados “indesejados”, área reivindicada. A decisão foi rejeitada pelo governo chi- der comunista e revolucionário chinês. Liderou a Revolução
como ciganos e negros, foram perseguidos e exterminados nês. (Nota da IHU On-Line) Chinesa e foi o arquiteto e fundador da República Popular
no que se convencionou chamar de Holocausto. Cometeu o 7 Associação de Nações do Sudeste Asiático:, em inglês da China, governando o país desde a sua criação, em 1949,
suicídio no seu Quartel-General (o Führerbunker) em Berlim, Association of Southeast Asian Nations; ANSEA/ASEAN, é até sua morte em 1976. Sua contribuição teórica para o
com o Exército Soviético a poucos quarteirões de distância. uma organização regional de Estados do Sudeste asiático marxismo-leninismo e suas estratégias militares e políticas
A edição 145 da IHU On-Line, de 13-6-2005, comentou na instituída em 8 de agosto de 1967 através da Declaração comunistas são conhecidas coletivamente como maoísmo.
editoria Filme da Semana, o filme dirigido por Oliver Hirsch- de Bangkok. A ASEAN engloba 12 nações: dez delas são Chegou ao poder comandando a Longa Marcha, formando
biegel, A Queda – as últimas horas de Hitler, disponível em países-membros e duas são observadores em processo de uma frente unida com Kuomintang (KMT) durante a Guerra
https://goo.gl/Diukrq. A edição 265, intitulada Nazisimo: a adesão ao grupo. Em sua formação original, a organização Sino-Japonesa para repelir uma invasão japonesa e, poste-
legitimação da irracionalidade e da barbárie, de 21-7-2008, era composta por Indonésia, Malásia, Filipinas, Singapura riormente, conduzindo o Partido Comunista Chinês até a
trata dos 75 anos de ascensão de Hitler ao poder, disponível e Tailândia. Desde então, Brunei, Myanmar, Camboja, Laos vitória contra o generalíssimo Chiang Kai-shek do KMT na
em https://goo.gl/rhIz3l. (Nota da IHU On-Line) e Vietnã uniram-se à organização. (Nota da IHU On-Line) Guerra Civil Chinesa. (Nota da IHU On-Line)

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

China é um Estado capitalista autoritário e


paternalista com características socialistas
Eugenio Menegon afirma que o Partido Comunista teme discussão e
discórdia, bem como o exercício da escolha democrática dos cidadãos
João Vitor Santos | Tradução: Luisa Somavilla | Edição: Vitor Necchi

M
esmo que um verniz ideoló- chinesa conseguiu desencadear forças
gico ainda seja ensinado e empresariais reprimidas na China e
adotado pelos burocratas, a dar liberdade suficiente para permitir
China cresceu a partir de um modelo às pessoas ‘enriquecer’ e criar algu-
nacionalista baseado no crescimento ma ‘esfera privada’ para aproveitar a
econômico. “O modelo político da Re- vida”. Ressalva ainda que nem todos
pública Popular da China é de um Esta- venceram nesse processo, pois “ainda
do capitalista autoritário e paternalista há regiões pobres e principalmente
com características socialistas”, define grupos étnicos como os uigures, em
Eugenio Menegon. “Na verdade, é um Xinjiang, e os tibetanos, que foram o
paradoxo apenas na superfície.” Na sua lado perdedor da história (para não fa-
visão, o país “tem aproveitado as novas lar no meio ambiente)”.
tecnologias para exercer controle sobre 83
Ao analisar as transformações mais
a dissidência e a população em geral,
reprimindo as minorias étnicas”. significativas que o país vem vivendo
desde o período imperial, Menegon
Em entrevista concedida por e-mail afirma que “a distribuição de terras
à IHU On-Line, ele cita “o triste caso
aos camponeses pelos comunistas, en-
de Hong Kong”, que mostra o quanto
tre o final dos anos 1940 e início dos
o Partido Comunista teme, principal-
1950, é, sem dúvida, a mudança mais
mente, “a discussão e a discórdia, bem
importante trazida pela revolução”.
como o exercício da escolha democráti-
Com isso, “uma estrutura de classes
ca dos cidadãos da China”. Reconhece,
antiga foi reformulada”.
no entanto, que “o nacionalismo, a ‘pri-
vatização’ da vida individual e a riqueza Eugenio Menegon é graduado em
econômica são os elementos que os in- Línguas e Literaturas Orientais pela
divíduos, principalmente grande parte Universidade de Veneza, na Itália,
das novas gerações, estão dispostos a mestre em Estudos Asiáticos e dou-
apoiar e a seguir”. tor em História pela Universidade da
Califórnia em Berkeley. É professor
Menegon aponta que “o crescimento
econômico tem sido fundamental para de História da China na Universida-
a ascensão da China”. Notadamen- de de Boston.
te nos últimos 40 anos, “a liderança Confira a entrevista.

IHU On-Line – Dentro do pró- vem assumindo na relação com características socialistas. Na verda-
prio Oriente, a China tem mui- outros países orientais? de, é um paradoxo apenas na super-
tas especificidades. Quais as fície. Embora o verniz ideológico co-
principais diferenças do modelo Eugenio Menegon – O mode- munista ainda seja ensinado e usado
chinês na comparação com ou- lo político da República Popular da por burocratas, o país desenvolveu-
tros países? E como compreen- China - RPC é de um Estado capita- se no sentido de um modelo nacio-
der o protagonismo que a China lista autoritário e paternalista com nalista alimentado pelo crescimento

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

econômico e tem aproveitado as no- pacificamente no sentido do plura- remie Barmé4, para ter uma melhor
vas tecnologias para exercer controle lismo e da democracia. Ser chinês compreensão das raízes profundas
sobre a dissidência e a população em não impede que haja democracia. de mudança e continuidade.
geral, reprimindo as minorias étnicas. O triste caso de Hong Kong mostra
que o que o Partido Comunista teme
Um número relativamente peque- IHU On-Line – Quais as trans-
é principalmente a discussão e a
no de pessoas do Partido Comunista formações mais significativas
da China exercem controle sobre os discórdia, bem como o exercício da
escolha democrática dos cidadãos da que o país vem vivendo desde o
mecanismos de poder, em conjunto período imperial?
com familiares e aliados políticos e China. No entanto, hoje, na China,
com o apoio de grandes empresas. o nacionalismo, a ‘privatização’ da Eugenio Menegon – A distri-
Isso faz com que o Estado chinês seja vida individual e a riqueza econô- buição de terras aos camponeses
mais capaz de resistir a tempestades mica são os elementos que os indi- pelos comunistas, entre o final dos
econômicas e políticas do que so- víduos, principalmente grande parte anos 1940 e início dos 1950, é, sem
ciedades democráticas, mantendo o das novas gerações, estão dispostos dúvida, a mudança mais importante
fetiche da “estabilidade” a todo cus- a apoiar e a seguir. Enquanto a eco- trazida pela revolução. Uma estrutu-
to. O principal significado é ter uma nomia vai bem, o Partido Comunista ra de classes antiga foi reformulada.
administração estável praticada pelo está bem, mesmo sem uma reforma As relações de gênero também se
Partido Comunista, para sempre. política (que definitivamente não equalizaram, chegando à nova lei de
está em pauta). casamento em 1950. Quando as coi-
A recente concentração de poder sas não davam certo, a pretensão do
nas mãos de Xi Jinping1 representa Estado era direcionar a economia ao
uma involução no modelo de lide- IHU On-Line – A partir de centro e deixar a ideologia, e não a
rança coletiva e mudança geracional uma perspectiva histórica, tecnologia e o conhecimento, deter-
introduzido por Deng Xiaoping2 em como compreender o protago- minar a política.
1978 para remediar os excessos do nismo que a China vem assu-
maoísmo3. O tamanho e a economia O desastre do Grande Salto para
mindo no cenário global nos
do país, bem como suas despesas a Frente e a fome que aconteceu a
últimos anos?
84 militares nos últimos tempos, tor- seguir, assim como a Revolução Cul-
nam a RPC uma força formidável na Eugenio Menegon – Já ouvi o tural5, foram tentativas de Mao de
Ásia Oriental. Mas este é um mode- seguinte: “É a economia, tolinho!”. conservar o poder e implementar a
lo político, não cultural. Sociedades Certamente, o crescimento econô- “revolução contínua”. Isso impediu
chinesas como Taiwan evoluíram mico tem sido fundamental para o avanço da China como uma nação
a ascensão da China. Nos últimos moderna durante décadas. Os Es-
1 Xi Jinping (1953): nascido em Pequim, atual presidente 40 anos, a liderança chinesa con-
da República Popular da China e secretário-geral do Par- 4 Geremie Barmé (1954): australiano, doutor em Estudos
tido Comunista da China. Tem doutorado em Engenharia
seguiu desencadear forças empre- Asiáticos, diretor do Australian Centre on China in the
Química e Ciência Política. É atualmente o principal mem- sariais reprimidas na China e dar World, professor de História da China e cineasta. Também
bro do Secretariado do Partido Comunista Chinês, diretor trabalhou como jornalista, tradutor e escritor. (Nota da
da Escola Central do Partido e o mais importante membro liberdade suficiente para permitir IHU On-Line)
do Comitê Permanente do Politburo, que é o órgão que 5 Revolução Cultural Chinesa: ou Grande Revolução Cul-
controla o país. Filho do político comunista Xi Zhongxun,
às pessoas “enriquecer” e criar al- tural Proletária, foi uma profunda campanha político-ide-
Xi Jinping começou sua carreira política na província de guma “esfera privada” para apro- ológica iniciada em1966 na República Popular da China
Fujian e foi posteriormente escolhido como chefe do par- pelo então líder do Partido Comunista Chinês, Mao Tsé-
tido na província vizinha de Zhejiang, depois promovido a veitar a vida. Nem todos venceram Tung. O objetivo era neutralizar a crescente oposição que
chefe do partido de Xangai após a demissão de Chen Lian- lhe faziam alguns setores menos radicais do partido, em
gyu. Conhecido por suas posturas liberais, duro combate à nesse processo, ainda há regiões decorrência do fracasso do plano econômico Grande Salto
corrupção e uma franqueza e abertura quanto a reformas pobres e principalmente grupos Adiante (1958-1960), cujos efeitos acarretaram a morte de
políticas e econômicas, é o destacado líder emergente da milhões de pessoas em decorrência da fome generalizada,
quinta geração de líderes da República Popular da Chi- étnicos como os uigures, em Xin- conhecida como a Grande Fome Chinesa. A campanha foi
na. Assumiu o cargo de presidente da China no dia 15 de acompanhada por vários episódios de violência, instiga-
março de 2013, sucedendo Hu Jintao. Foi nomeado como jiang, e os tibetanos, que foram o da principalmente pela Guarda Vermelha, por grupos de
uma das pessoas mais influentes do mundo em 2009,
2011 e 2012 pela revista Time. Em 2017, foi eleito pelo
lado perdedor da história (para não jovens oriundos dos mais diversos setores (militares, cam-
poneses, estudantes, elementos do partido, governo etc.)
The Economist o homem mais poderoso do mundo. Em falar no meio ambiente). que, organizados nos chamados “comitês revolucionários”,
2018, o parlamento chinês aprovou o mandato vitalício a atacavam suspeitos de deslealdade política ao regime, à
Xi Jinping. (Nota da IHU On-Line) figura de Mao e ao Maoísmo, a fim de consolidar (ou res-
2 Deng Xiaoping (1904-1997): foi o secretário-geral do
A tecnologia hoje oferece soluções tabelecer) o poder do líder onde fosse necessário. Os alvos
Partido Comunista da China, sendo, de fato, o líder políti- para a China ser um verdadeiro líder da revolução eram membros do partido mais alinhados
co da República Popular da China entre 1978 e 1990. Cria- com o Ocidente ou com a União Soviética, funcionários
dor do chamado socialismo de mercado, regime vigente global e tentar reduzir os problemas burocratas e, sobretudo, intelectuais. Como na intelectua-
na China moderna. (Nota da IHU On-Line) lidade se encontravam alguns dos potenciais inimigos da
3 Mao Tsé-Tung (1893-1976): ditador, político, teórico,
da rápida industrialização, corri- revolução, o ensino superior foi praticamente desativado
líder comunista e revolucionário chinês. Liderou a Revo- gindo os danos ambientais e sociais no país. Foi neste período que se alavancou a produção e
lução Chinesa e foi o arquiteto e fundador da República distribuição de O Livro Vermelho, coletânea de citações de
Popular da China, governando o país desde a sua criação, com melhor infraestrutura e novas Mao que exaltam sua ideologia e professam uma forma
em 1949, até sua morte em 1976. Sua contribuição teórica de culto à sua personalidade. O movimento acabou enfra-
para o marxismo-leninismo e suas estratégias militares e tecnologias. Mas não há nenhuma quecendo os adversários de Mao e representou uma de-
políticas comunistas são conhecidas coletivamente como mudança política à vista. Sugiro puração partidária contra o revisionismo que se insinuava.
maoísmo. Chegou ao poder comandando a Longa Mar- O processo foi oficialmente terminado por Mao durante
cha, formando uma frente unida com Kuomintang (KMT) procurar a fantástica série de Anuá- o 9º Congresso do Partido Comunista da China, em abril
durante a Guerra Sino-Japonesa para repelir uma invasão de 1969. Especialistas afirmam que ele durou, de fato, até
japonesa e, posteriormente, conduzindo o Partido Comu- rios da China para obter mais infor- a morte de Mao, em 1976, e a subida ao poder de Deng
nista Chinês até a vitória contra o generalíssimo Chiang
Kai-shek do KMT na Guerra Civil Chinesa. (Nota da IHU
mações e também o comentário do Xiaoping, então secretário-geral do partido, o qual, gra-
dualmente, deu início às mudanças nos rumos políticos e
On-Line) grande especialista no assunto, Ge- econômicos do país. (Nota da IHU On-Line)

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

tados Unidos, o Ocidente e a União conhecidos fora do que na própria tradição confucionista. O indivíduo
Soviética colaboraram para deixar China. Os acadêmicos ficam entre a muitas vezes era incorporado à cole-
a China sem saída ideologicamente. linha política do Partido Comunista tividade (família, Estado), mas ainda
Desde 1978, a adoção do “capitalis- e sua própria integridade intelectual. há um profundo sentimento de que,
mo com características chinesas” Eles andam sobre um terreno difícil no final, temos que enfrentar a eter-
impede os problemas do esquerdis- e poucos se atrevem a falar o que nidade como indivíduos também.
mo ideológico, mas deixa a verdadei- pensam. Porém, ainda há debates Segundo o historiador Sima Qian10,
ra reforma política estagnada. acadêmicos e artísticos, de maneiras da dinastia Han, “千人之諾諾不如
mais prudentes e sigilosas. 一士之諤諤 – a condescendência da
multidão não se compara à recusa de
IHU On-Line – Como a China uma pessoa” (Sima Qian – 司馬遷,
de hoje apreende o Ocidente, de IHU On-Line – A China é mui- século I a.C.). Isso não mostra como
questões culturais a econômicas? to coesa no que diz respeito a o indivíduo chinês tem uma respon-
questões culturais. A forma sabilidade de enfrentar a injustiça,
Eugenio Menegon – A China
como os chineses protegem sua a subserviência e o populismo? Isto
é um país. Talvez seja melhor falar
cultura de influências exter- tem consequências importantes na
do que compõe a China em sua di-
nas pode ser uma chave para política: imperativos éticos indivi-
mensão humana: seu povo, seus po-
também se compreender sua duais, que também são as bases do
líticos e burocratas, acadêmicos... A
ascensão econômica e geopolí- bem comum, devem enfrentar as in-
China é tão grande quanto a Europa
tica? Como? justiças cometidas pelos poderosos,
e muito mais populosa. É um lugar
complicado e diversificado. A visão Eugenio Menegon – Não acre- mesmo à custa da morte.
do governo sobre o “Ocidente” (que dito que “proteger a cultura chinesa”
hoje já não existe: deve-se falar em seja uma questão. A cultura da China
IHU On-Line – A relação eco-
Estados Unidos, União Europeia e não corre o risco de extinção. Na ver-
nômica entre China e países do
assim por diante) também é um ce- dade, minha esperança é que pessoas
Ocidente pode implicar tam-
nário complicado. Existem diferen- fora da China aprendam mais sobre
bém em assimilação de valores
tes políticas em relação a diferentes seus povos e culturas, pelo menos
atores: os Estados Unidos de Trump6 tanto quanto muitos chineses sabem
culturais chineses? 85
ainda fazem parte de um “Ocidente” sobre as nossas culturas. As subcul- Eugenio Menegon – Precisamos
monolítico? Xi Jinping abraçou o turas sociais e culturas étnicas dentro aprender sobre a China e sua cultu-
manto da globalização contra o pro- da China (uigures, tibetanos e outras ra, cada vez mais. A cultura chinesa
tecionismo dos Estados Unidos e ou- minorias) correm o risco de ser des- como um todo tem muito a oferecer
tros populismos europeus. truídas pelo chauvinismo Han7 e a ao mundo, e até agora nós compra-
homologação tecnológica ou domes- mos suas mercadorias, mas pouco
Em termos de cultura, em nível po-
ticadas pelo turismo e pelo exotismo. compreendemos os valores culturais
pular, as indústrias da cultura e do
chineses. Aqui eu falo sobre o sóli-
entretenimento dentro da China são
do material transmitido a partir da
tão grandes, e o mercado interno é tão IHU On-Line – O conceito de Antiguidade e os pensamentos ino-
grande, que o discurso interno pode humanismo, como conhece- vadores de intelectuais e artistas de
se sustentar sem fazer referência ao mos no Ocidente, aparece de vanguarda, antes de serem assimi-
“Ocidente”. Isso não significa que as alguma forma na cultura chi- lados e comercializados na China e
formas culturais do mundo exterior nesa? Quais as implicações so- no mercado internacional de ideias e
não são adotadas (música pop sul- ciais e políticas disso? artefatos. O artista Ai Weiwei11 é um
coreana, rap, filmes de Hollywood),
mas são reinterpretadas e às vezes Eugenio Menegon – A China
politicamente adaptadas na China. tem uma excelente tradição de hu- período das cem escolas de pensamento. Sua filosofia foi

Alguns artistas ainda estão tentan- manismo, desde a Antiguidade. Ser muito influente no desenvolvimento do budismo zen, que
evoluiu incorporando seus ensinamentos. (Nota da IHU
do resistir e ter consciência crítica, alguém melhor era uma preocupa- On-Line)
10 Sima Qian (145 a.C.-90 ou 85 a.C.): astrônomo, ma-
mas é difícil. Muitos deles são mais ção de muitos de seus filósofos, de temático e historiador chinês da dinastia Han do Oeste,
Confúcio8 a Chuang-Tzu9 e toda a considerado o primeiro grande historiador chinês. Filho de
historiadores, Sima Qian fez várias viagens com seus pais
e acabou conhecendo diferentes lugares, realizando um
6 Donald Trump (1946): Donald John Trump é um empre- esforço de interpretação do que via. Quando adulto, foi
sário, ex-apresentador de reality show e atual presidente 7 Han: maior grupo étnico da China (e de todo o mundo), promovido a funcionário da corte chinesa, escrevendo sua
dos Estados Unidos. Na eleição de 2016, Trump foi eleito representando quase 92% da população chinesa, ou seja, principal obra, o Shiji. (Nota da IHU On-Line)
o 45º presidente norte-americano pelo Partido Republi- mais de 1,24 bilhão de pessoas (cerca de 18% da popula- 11 Ai Weiwei (1957): nascido em Pequim, é artista plásti-
cano, ao derrotar a candidata democrata Hillary Clinton ção mundial). (Nota da IHU On-Line) co, designer arquitetônico, pintor, comentarista e ativista
no número de delegados do colégio eleitoral; no entanto, 8 Confúcio (551-479 a.C.): nome latino do pensador social. Foi assessor artístico na construção do Ninho de
perdeu no voto popular. Entre suas bandeiras estão o pro- chinês Kung-Fu-Tzu. É a figura histórica mais conhecida Pássaro (Estádio Nacional de Pequim), onde foram cele-
tecionismo norte-americano, por onde passam questões na China como filósofo e teórico político. Sua doutrina, brados os Jogos Olímpicos de Pequim de 2008. Em 3 de
econômicas e sociais, como a relação com imigrantes nos o confucionismo, teve forte influência sobre toda a Ásia abril de 2011, Ai Weiwei acabou preso pelas autoridades
Estados Unidos. Trump é presidente do conglomerado The oriental. (Nota da IHU On-Line) chinesas quando embarcava para Hong Kong. Poucas ho-
Trump Organization e fundador da Trump Entertainment 9 Chuang Tzu: influente filósofo taoísta (daoísta) chinês ras após sua detenção, seu estúdio em Pequim foi invadi-
Resorts. Sua carreira, exposição de marcas, vida pessoal, do século 4 a.C. Muitas vezes conhecido como Zhuangzi do por mais de 40 policiais, que confiscaram dezenas de
riqueza e modo de se pronunciar contribuíram para torná (“Mestre Zhuang”), viveu durante os Reinos Combatentes, itens e funcionários foram interrogados. Passou três meses
-lo famoso. (Nota da IHU On-Line) período correspondente ao cume da filosofia chinesa, o detido num local secreto. Em 21 de novembro de 2011,

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

brilhante exemplo de integridade e Os países de terceiro mundo e Eugenio Menegon – Acho que
genialidade, bem como de indepen- particularmente seus líderes (que o Partido Comunista tem mais van-
dência do poder. Eu não necessaria- são corruptíveis) têm a responsa- tagens nessa relação, e o Vaticano
mente incluiria entre os melhores bilidade de decidir se os acordos está em uma posição mais fraca na
exemplos da difusão cultural chine- são justos ou coloniais. As organi- negociação. Moldar seus princípios
sa a versão higienizada e politizada zações econômicas internacionais para se ajustar ao governo chinês
difundida pelos Institutos Confúcio, precisam prestar atenção e ajudar não necessariamente será bom
embora acredite que mesmo essas as economias pobres a andar com para os católicos na China. Estudei
instituições têm um papel positivo os próprios pés, sem se render a a história de um determinado lu-
em despertar o mundo exterior para nenhum poder único (os Estados gar na China, onde a confrontação
a importância e a beleza dos valores Unidos fizeram isso no passado, com o governo não é novidade. A
da cultura chinesa. agora China e outros juntaram- sociedade está mudando, e para o
se). Se a China ‘entrega as merca- catolicismo o verdadeiro desafio é
dorias’ sem os meios de produção, a migração maciça do campo para
manipulando as finanças de um a cidade: a base rural da igreja está
“A distribuição país e controlando a mão de obra
local, respeitando as regras demo-
desaparecendo, e os católicos não

de terras aos
estão inovando nem se espalhando
cráticas, permitindo que os países em cidades, como os evangélicos e
escolham seu próprio caminho de
camponeses desenvolvimento, não vou ser eu
outros protestantes. Acho que a ur-
gência do Vaticano de se “resolver”

pelos
o hipócrita a apontar o dedo para com a República Popular da China
Beijing. Mas isso SE... e encontrar um lugar legítimo no
comunistas, país pode ser muito mais um sinal
de ansiedade acerca destas mudan-
IHU On-Line – Tomando
entre o final dos como exemplo o cristianismo
ças sociorreligiosas do que qualquer
outra coisa.
anos 1940 e
na China, podemos falar que há
86 no país um processo de incultu-

início dos 1950, ração da fé cristã e valores mais


ocidentalizados? Por quê?
IHU On-Line – Qual a in-
fluência dos missionários
é, sem dúvida, a Eugenio Menegon – O cristia-
nismo, relativamente falando, é
cristãos, especialmente os
jesuítas, na China a partir do
mudança mais uma nova fé na China. As raízes da
Igreja Católica atual vêm dos anos
século XVI?

importante 1580; das Igrejas Protestantes,


Eugenio Menegon – A influ-
ência dos missionários jesuítas na
dos anos 1850. O budismo chegou
trazida pela à China no ano 200 a.C. Por isso,
China ficou mais visível em pro-
jetos de construção do Estado, na
revolução”
obviamente, tem uma história mais
corte imperial, durante os séculos
longa como religião estrangeira.
XVII e XVIII. O impacto dos méto-
Deve haver 12 milhões de católicos
dos científicos europeus introduzi-
e de 75 milhões a 100 milhões de
dos pelos jesuítas, no entanto, fica
protestantes na China hoje, todos
circunscrito, já que permaneceram
IHU On-Line – A partir das sob a liderança chinesa. Os protes-
limitados principalmente ao gover-
alianças que a China vem es- tantes, principalmente os evangéli-
no dinástico para projetos de alta
tabelecendo com diversos paí- cos, são a religião que mais cresce
segurança (cartografia, balística).
ses, tanto no Oriente como no na China hoje, e é difícil contar e
Algumas ideias (desde matemáti-
Ocidente, podemos considerar controlar as igrejas cristãs. Com
ca e astronomia até a perspectiva
que estamos diante de um ou- igrejas nacionalmente reconheci-
das ou com raízes locais, a incul- geométrica na pintura) se espalha-
tro processo de colonização? ram entre os membros de um pe-
Por quê? turação está de fato acontecendo.
A real questão é a repressão e o queno setor das elites intelectuais,
Eugenio Menegon – Essa onda controle do governo: é uma longa mas eu diria que foi o impulso das
de “colonização chinesa” é pura- tradição chinesa que não vai desa- missões do século XIX, depois de
mente econômica por enquanto. parecer tão cedo. 1850 (principalmente protestantes
e urbanas), que realmente exerce-
foi divulgada uma foto em que Ai Weiwei e mais quatro ram uma influência duradoura na
mulheres aparecem nus. No dia 3 de agosto de 2018, o
ateliê do artista, nos arredores de Pequim, foi destruído. IHU On-Line – Como o senhor China (na medicina, na ciência, na
Antes, várias pessoas retiraram obras do prédio. Ele se
encontrava em Berlim, onde vive desde 2015, depois que
observa as relações entre a Chi- engenharia, na educação), visível
recuperou seu passaporte. (Nota da IHU On-Line) na e o Vaticano? ainda hoje. ■

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

87

EDIÇÃO 528
TEMA DE CAPA

Brasil entra em colapso econômico


sem o mercado chinês
Andrés Malamud aponta que um quarto das exportações
brasileiras vai para o país asiático
João Vitor Santos | Edição: Vitor Necchi

A
China vem se tornando protago- se importa com os sistemas políticos
nista no cenário mundial porque dos outros, nem com a corrupção”. O
tem impacto sistêmico e local. “O pesquisador considera que o Brasil é
impacto sistêmico deve-se ao seu peso um “satélite econômico” da China, pois
econômico que define o preço global de um quarto das exportações brasileiras
várias commodities, e o impacto local, vai para o país asiático. “Com uma eco-
ao seu investimento em diferentes regi- nomia seis vezes maior, e que cresce
ões do mundo”, afirma o cientista social muito mais rápido, a China tem míni-
Andrés Malamud. ma dependência do Brasil, enquanto o
Ao analisar a importância da China Brasil colapsaria economicamente sem
na América do Sul, aponta que ela tem o mercado chinês”, analisa.
um peso superlativo, pois já é primei- Andrés Malamud é pesquisador do
88 ra parceira comercial de metade dos Instituto de Ciências Sociais da Univer-
países. “O padrão de intercâmbio é sidade de Lisboa. Licenciado em Ciên-
igual para todos: vendem commodi- cia Política pela Universidade de Bue-
ties e importam manufaturas”, de- nos Aires, doutor em Ciências Sociais
talha em entrevista concedida por e Políticas pelo Instituto Universitário
e-mail à IHU On-Line. A exceção é o Europeu de Florença. É pesquisador vi-
Paraguai, que mantém relações diplo- sitante no Instituto Max Planck de Hei-
máticas com Taiwan. delberg e na Universidade de Maryland,
Para Malamud, a turbulência política College Park. Leciona em universidades
e econômica pela qual o Brasil passa da Argentina, do Brasil, da Espanha, da
não interfere em nada na relação com Itália, do México e de Portugal.
a China porque “o governo chinês não Confira a entrevista.

IHU On-Line – Como tem ob- Andrés Malamud – Não há uma Andrés Malamud – A China tem
servado a China no contexto ge- política unificada da União Euro- impacto sistêmico e local. O impacto
opolítico atual? peia. A Alemanha aparece como o sistêmico deve-se ao seu peso econô-
maior parceiro comercial, enquanto mico que define o preço global de vá-
Andrés Malamud – A China tem a China faz incursões (investimento rias commodities, e o impacto local,
se erigido como segundo polo de um e compra de empresas) na periferia, ao seu investimento em diferentes
sistema internacional crescentemen- nomeadamente na Islândia, em Por- regiões do mundo.
te multipolar. tugal e na Grécia.

IHU On-Line – Como é a rela-


IHU On-Line – E dentro da IHU On-Line – De que forma a ção de países da América do Sul
Europa, como tem sido a recep- China vem construindo esse pro- com a China? A ligação América
ção ao “avanço chinês”? tagonismo no cenário mundial? do Sul-China é apenas a recons-

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

“A China tem se erigido


como segundo polo de
um sistema internacional
crescentemente multipolar”

trução da conexão centro-peri- ideia e, a partir dela, refletisse “ascensão chinesa”?


feria clássica? Por quê? sobre a relação Brasil X China.
Andrés Malamud – Os Brics
Andrés Malamud – Com exce- Andrés Malamud – Um quar- são um foro, não uma organização.
ção do Paraguai, que tem relações to das exportações brasileiras vai Cumprem funções de sinalização e
diplomáticas com Taiwan, a China para a China, o que fomentou a re- coordenação. Servem a todos os seus
tem um peso superlativo na América primarização relativa da sua econo- membros, embora beneficiem mais
do Sul, onde metade dos países já a mia. Com uma economia seis vezes aos mais poderosos.
tem como primeira parceira comer- maior, e que cresce muito mais rá-
cial. O padrão de intercâmbio é igual pido, a China tem mínima depen-
IHU On-Line – O Brasil está
para todos: vendem commodities e dência do Brasil, enquanto o Brasil
inscrito num espectro de rela-
importam manufaturas. colapsaria economicamente sem o
ções comerciais com a China,
mercado chinês.
mas se coloca completamente
fora de eixo quando a questão é
89
IHU On-Line – Nesse momen-
to em que a China projeta novas IHU On-Line – Quais os limi- poder e influência geopolítica?
rotas comerciais pela Eurásia, tes na relação entre Brasil e Chi- Por quê?
África e inclusive “reeditando” na hoje? A turbulência política Andrés Malamud – Sim. O Bra-
a antiga Rota da Seda, onde se e econômica pela qual o Brasil sil não tem recursos para projetar
insere a relação com os países tem passado pode impactar essa poder fora da sua área.
latino-americanos, especial- relação? De que forma?
mente o Brasil?
Andrés Malamud – O governo IHU On-Line – Quais as seme-
Andrés Malamud – Na Belt and chinês não se importa com os siste- lhanças e diferenças entre os
Road Initiative - BRI, a América La- mas políticos dos outros, nem com a regimes socialistas de países da
tina tem um papel menor, e a Améri- corrupção. América Latina com o regime
ca Central conta mais do que a Amé- chinês?
rica do Sul.
IHU On-Line – Muitos analis- Andrés Malamud – Não exis-
tas têm considerado os Brics te semelhança, nem socialismo. O
IHU On-Line – O senhor con- como um grupo que não tem sistema chinês é um capitalismo
sidera o Brasil como “satélite mais força. Como o senhor ob- de estado, enquanto a Venezuela,
econômico” da China. Gostaria serva os Brics hoje? E quais as para dar um exemplo, é um estado
que o senhor detalhasse essa influências desse grupo para a colapsado. ■

EDIÇÃO 528
CRÍTICA INTERNACIONAL

Cheetahs, Hippos, Mugabe e as eleições


gerais de 2018 no Zimbábue
Anselmo Otavio

“ P
aís colonizado pela Inglaterra e marcado pela ascen-
são de um regime racista nos moldes da África do
Sul durante os anos 1970, o Zimbábue, entre 1987 e
2017, esteve sob a administração de Mugabe. Durante a dé-
cada de 1970, Mugabe e seus correligionários da Zimbabwe
African National Union – Patriotic Front (ZANU-PF) fo-
ram fundamentais não apenas para o término do regime de
Smith, mas também durante o acordo de Lancaster House,
quando é aceita, por parte da Inglaterra, a independência
do Zimbábue”, escreve Anselmo Otavio.
Anselmo Otavio é professor de Relações Internacionais
da UNISINOS e Pesquisador do Centro Brasileiro de Estu-
90 dos Africanos - CEBRAFRICA/UFRGS.
Eis o artigo.

Em Africa Unchained: The Blueprint for Africa’s Future, livro de 2005 escrito pelo economista
ganense George B. N. Ayittey, dois agrupamentos de estadistas ganham relevância. O primeiro
refere-se aos Hippos, cuja alusão ao hipopótamo encontra-se caracterizado pelo conservadoris-
mo, pela lentidão em acompanhar as mudanças no continente africano. Em contrapartida, os
chamados Cheetahs simbolizam a mudança, o progresso, enfim, as marcas de um animal carac-
terizado pelo dinamismo. Evidentemente, quando analisado sob os agrupamentos desenvolvi-
dos por Ayittey (2005), fica claro que Robert Mugabe se enquadra no primeiro grupo. É nesse
sentido que o artigo buscará analisar o legado de Mugabe e os desafios da nova administração.

O legado da administração Mugabe (1987-2017)


País colonizado pela Inglaterra e marcado pela ascensão de um regime racista nos moldes da
África do Sul durante os anos 1970, o Zimbábue, entre 1987 e 2017, esteve sob a administração
de Mugabe. Em linhas gerais, a figura de Mugabe pode ser encontrada em três momentos dis-
tintos na história política do país. O primeiro diz respeito ao ativismo na luta contra o regime de
segregação imposto por Ian Smith. Durante a década de 1970, Mugabe e seus correligionários
da Zimbabwe African National Union – Patriotic Front (ZANU-PF) foram fundamentais não
apenas para o término do regime de Smith, mas também durante o acordo de Lancaster House,
quando é aceita, por parte da Inglaterra, a independência do Zimbábue.
Além de dar nome à Constituição do Zimbábue, Lancaster House traz como um dos pontos
acordados a questão da reforma agrária. Neste caso, recomendava-se a venda de parte dos ter-
ritórios que se encontravam sobre o controle dos agricultores brancos ao governo zimbabuano,
este que os redistribuiria à população negra. Entretanto, seja pela negativa por parte dos fazen-
deiros brancos em vender partes de seus territórios, seja pela dificuldade de redistribuição dos

17 DE SETEMBRO | 2018
REVISTA IHU ON-LINE

“A adoção de uma Reforma Agrária


Fast Track levou Mugabe a impactar
negativamente o Zimbábue.”

territórios comprados pelo governo zimbabuano, em verdade o país chegava a meados da déca-
da de 1990 com cerca de 5 a 6% da população negra reassentada (GOEBEL, 2005).
O fracasso desta proposta de willing-seller/willing-buyer (GOEBEL, 2005) simbolizou o se-
gundo momento da relação entre Mugabe, já como presidente, e o Zimbábue, quando a dificul-
dade, ou desinteresse, em combater as invasões, ocupações de fazendas e, principalmente, os
assassinatos de fazendeiros brancos, foi amplamente criticado pela comunidade internacional.
Nesse sentido, se o primeiro momento tornou Mugabe a imagem do grande líder no combate
ao imperialismo europeu, este segundo momento inaugurava a fase de ampla crítica a sua ad-
ministração, bem como de isolamento do Zimbábue. Reflexo deste conturbado cenário pode ser
encontrado nas disputas pela presidência do país nas eleições de 2002, 2008 e 2013, quando as
vitórias de Mugabe para a presidência foram consideradas fraudulentas tanto pelo Movement
for Democratic Change (MDC), principal partido de oposição e liderado por Morgan Tsvangirai,
quanto pela Commonwealth. 91
É diante deste cenário de contestação, que um terceiro momento surge na interação entre Mu-
gabe e Zimbábue, neste caso, sua existência encontra-se relacionada à tentativa de Mugabe em
realizar diversas alterações na ZANU-PF. Uma das primeiras modificações já havia ocorrido
em 2014, quando a então vice-presidente do partido, Joyce Mujuru, e outros membros foram
expulsos sob a alegação de corrupção e conspiração contra Mugabe. No entanto, o ápice da crise
ocorre em um segundo momento, quando o desejo em se manter à frente da ZANU-PF, somado
à demissão de Mnangagwa da vice-presidência e especulações de favorecimento de sua esposa,
Grace Mugabe, para assumir tal posição, geraram a instabilidade no país, cuja intensificação
culminou no impedimento de Mugabe via intervenção militar e ultimato do partido, e a entrada
de Mnangagwa como presidente interino.

Eleições Gerais e os desafios do Zimbábue pós-Mugabe


O fim da administração Mugabe não necessariamente simbolizou um cenário de estabilidade
no país. Primeiramente porque, mesmo sendo marcada pela acirrada disputa entre Mnangagwa
(ZANU-PF) e Nelson Chamisa (MDC), em verdade o partido de Mugabe obteve maioria no Le-
gislativo, bem como 50,1% dos votos válidos para a presidência, enquanto o MDC somou 44%.
Em segundo porque não apenas a oposição demonstrou o descontentamento e a denúncia de
fraude eleitoral, mas também a União Europeia, Estados Unidos, Canada e Suíça expressaram
preocupação com os resultados das urnas (PIGOU, 2018).
Embora diante deste cenário marcado pela desconfiança, as expectativas giram em torno de
soluções voltadas ao âmbito interno, em verdade a tarefa de Mnangagwa tamb