Você está na página 1de 2

● O objetivo da disciplina é ensinar à criança o governo de si mesma.

● Dirigir o desenvolvimento da criança, sem estorvá-lo por meio de um governo


indevido, deve ser objeto de estudo tanto por parte do pai como do professor. As
regras demasiadas são coisa tão ruim como a deficiência delas
● A disciplina de um ser humano que haja atingido os anos da inteligência, deve diferir
do ensino de um animal irracional.
● Toda criança deve compreender a verdadeira força de vontade. Cumpre que seja
levada a ver quão grande é a responsabilidade envolvida neste dom. A vontade é a
força dirigente na natureza do homem, a força para a decisão, ou escolha. Todo ser
humano dotado de razão tem o poder de escolher o que é reto.
● O pai ou professor que com tais instruções ensine à criança o governo de si mesma,
será da maior utilidade e terá um êxito permanente
● Os jovens têm um inato amor à liberdade; desejam a independência; precisam
compreender que estas inestimáveis bênçãos devem ser desfrutadas unicamente na
obediência à lei de Deus. Esta lei é a preservadora da verdadeira independência e
liberdade. Ela nos aponta e proíbe as coisas que degradam e escravizam, e desta
maneira proporciona ao que lhe obedece proteção contra o poder do mal.
● Uma criança freqüentemente censurada por alguma falta especial vem a considerar
aquela falta como uma peculiaridade sua, ou alguma coisa contra que seria vão
esforçar-se. Assim se cria o desânimo e a falta de esperança, muitas vezes ocultos
sob a aparência de indiferença ou arrogância. Alcança-se o verdadeiro objetivo da
reprovação apenas quando o próprio malfeitor é levado a ver a sua falta, e consegue
sua vontade no empenho de corrigir-se. Quando isto se cumpre, apontai-lhe a fonte
de perdão e poder. Procurepreservar o seu respeito próprio, e inspirar-lhe ânimo e
esperança. Esta é a obra mais delicada e mais difícil que se tem confiado a seres
humanos.
● Cada escola deve ser uma "cidade de refúgio" para os jovens tentados, e um lugar
em que as suas fraquezas sejam tratadas paciente e sabiamente.
● Os professores que compreendem suas responsabilidades afastarão de seu coração
e vida tudo que os possa impedir de tratar com êxito os voluntariosos e
desobedientes. Amor e ternura, paciência e governo próprio, serão em todo o tempo
a lei de sua linguagem. A misericórdia e a compaixão estarão misturadas com a
justiça.
● Obtenha o professor a confiança daquele que é tentado e, reconhecendo e
desenvolvendo o bem em seu caráter, poderá em muitos casos corrigir o mal sem
chamar a atenção para ele.
● O divino Mestre suporta os que erram, em toda a perversidade deles. Seu amor não
arrefece; não cessam Seus esforços para ganhá-los.
● Se bem que todos sejam preciosos a Sua vista, as disposições incultas, intratáveis,
obstinadas, atraem mais intensamente Sua simpatia e amor; pois Ele avalia os
efeitos pelas causas. Aquele que mais facilmente é tentado e mais propenso é a
errar, constitui o objeto especial de Sua solicitude.

● Depois da disciplina do lar e da escola, todos terão de enfrentar a severa disciplina
da vida. Como enfrentá-la sabiamente, é a lição que se deve explicar a toda criança
e jovem.
● O verdadeiro meio de tratarmos com as provações não é procurar escapar-nos
delas, mas transformá-las. Isto se aplica a toda disciplina, tanto a da infância como a
posterior. A negligência dos primeiros ensinos à criança e o conseqüente
fortalecimento das más tendências, tornam sua educação posterior maisdifícil e
fazem com que a disciplina seja muito freqüentemente uma operação penosa.
● Ensine-se às crianças e aos jovens que toda falta, toda dificuldade e todo erro
vencidos se tornam um degrau no acesso a coisas melhores e mais elevadas. É
mediante tais experiências que todos os que tornaram a vida digna de ser vivida
conseguiram o êxito.
● Sejam eles dirigidos a algo melhor do que a ostentação, ambição e
condescendência própria. Ponde-os em contato com uma beleza mais verdadeira,
com princípios mais elevados e com mais nobres vidas. Induza-os a contemplar
Aquele que é "totalmente desejável". Cant. 5:16.

Disciplina da Igreja