Você está na página 1de 10

O CURRICULO E O ESTUDO SOBRE ZOONOSES

NO ENSINO FUNDAMENTAL
Acadêmicos¹
Tutor Externo²

RESUMO

O presente trabalho tem por objetivo caracterizar os principais aspectos sobre como esta o
conhecimento e o desenvolvimento do tema zoonoses nas escolas no ensino fundamental, e
identificar quais os documentos que orientam a construção do curricular escolar e se estes trazem
em sua estrutura o tema em foco. Para isso foi definido o tema central de investigação: O
CURRICULO E O ESTUDO SOBRE ZOONOSES NO ENSINO FUNDAMENTAL, e realizado uma
pesquisa documental na internet e em uma escola publica estadual do estado do Rio Grande do Sul.
Após o desenvolvimento destes objetivos serão avaliados os resultados observados durante a
revisão deste material pesquisado.

Palavras-chave: zoonoses. Ensino fundamental. Currículo Escolar.

1. INTRODUÇÃO

O estudo sobre doenças no ensino fundamental não possui muitas referencias curriculares
sobre doenças transmissíveis por animais, o que nos parece ser um desafio a ser superado, visto que
desde cedo o individuo passa a viver em sociedade e com seu meio ambiente, adquirindo na grande
maioria das vezes, muitas doenças por falta de conhecimento necessário para prevenção mínima.
Assim o aprendizado adequado sobre as zoonoses e suas consequências, no ensino fundamental
pode ser de grande valia ao individuo e a saúde pública.
Embora os parâmetros curriculares nacionais (PCN) regulamentam que a saúde é, assim
como o meio ambiente, um tema transversal no currículo escolar do ensino fundamental (BRASIL,
1997), raramente identificamos um conteúdo que trabalhe sobre zoonoses. DIAS et al, (2012),
observaram que:
“há uma grande carência de informações por parte dos alunos em estudo em relação às
zoonoses, principalmente no que diz respeito às formas de transmissão e medidas de
controle e profilaxia, tendo ficado claro que as crianças possuem dificuldades para associar
a presença de muitas doenças ao contato direto ou indireto com os animais”.(DIAS et al,
2012)

Acreditamos que grande parte desta dificuldade esta na precariedade dos currículos
desenvolvidos no ensino fundamental II, o que levanta o seguinte problema: quais os documentos
que orientam a construção do currículo escolar no ensino fundamental II, e o desenvolvimento do
tema sobre ZOONOZES?

1 Juliano da Silva
2 Nádia Maria Alcântara Pontes. E-mail: nadiapontes@bol.com.br
Centro Universitário Leonardo da Vinci – UNIASSELVI – Licenciatura Ciências Biológicas (BID-0453) – Prática do
Módulo V - 27/10/18
2

O objetivo geral deste trabalho é analisar os principais documentos norteadores para


construção dos currículos escolares e quais deles apresentam informações claras sobre o estudo de
zoonoses.
Os objetivos secundários deste estudo são: identificar como esta percepção escolar dos
alunos e pais sobre conhecimento de zoonoses.
Para isso será realizado uma pesquisa relacionada ao tema, sendo aplicado o método
qualitativo e revisão bibliográfica com prática real em estudo simulado. As fontes utilizadas no
trabalho foram físicas e virtuais como livros, periódicos, artigos, teses publicadas na internet, e nos
documentos oficiais que orientam a educação básica no Brasil, e em documentos escolares cedidos
por uma escola pública estadual do município de Portão – RS, em busca de identificar os desafios
enfrentados pelos professores para ensino desta temática, além de estratégias didáticas, recursos e
materiais didáticos mais utilizados, bem como planos de aula e de estudos sobre zoonoses. Com
base nos objetos encontrados, descrever estratégias didáticas de como desenvolver este tema com os
alunos do ensino fundamental II.
Iniciaremos abordando sobre o tema percepção escolar sobre zoonoses em um aspecto geral
e sua relação com saúde a humana, em seguida iremos abordar como este tema encontra-se nos
documentos orientadores para formação dos currículos escolares, após falaremos dos métodos
empregados neste trabalho e por fim a conclusão sobre os objetivos traçados.

2. ZOONOSES E O CURRICULO ESCOLAR

Diversos temas são estudados ao longo da trajetória escolar no ensino fundamental, na


disciplina de ciências, muitos deles estão a relacionados as plantas, aos animais, ao ser humano e ao
meio ambiente, contudo, muitas vezes estes temas são trabalhados de forma isolada ou até mesmo
sobre um aspecto, como por exemplo o quanto os animais podem ser lindos e companheiros do
homem, desconsiderando o lado de como estes mesmo animais podem transmitir doenças, as
zoonoses.

2.1 ZOONOSES E A PERCEPÇÃO ESCOLAR

A relação entre o ser humano e os animais, sejam eles domésticos ou selvagens remontam os
primórdios da própria história da humanidade, os animais hora servindo de companheiros, hora
servindo de alimentos, compartilhando afeto e nutrientes, mas também compartilhando doenças que
a saúde pública, o bem estar e a economia. Segundo a WHO (organização mundial da saúde) , tais
doenças, transmissíveis de animais para humanos por contato direto ou através de alimentos, água e
meio ambiente, são comumente chamadas de “zoonoses”. (WHO, 2018)
Para a organização mundial da saúde:
3

As zoonoses compreendem uma grande porcentagem de todas as doenças infecciosas


recém-identificadas, bem como as doenças infecciosas existentes. A resistência
antimicrobiana em patógenos humanos é outra grande ameaça à saúde pública, que é
parcialmente afetada pelo uso de antibióticos na criação de animais e na agricultura. (WHO,
2018)

De acordo com FRAGA et al, (2009), ha uma grande dificuldade para os professores
trabalharem sobre zoonoses na escola e grande parte desta dificuldade esta na deficiência do
preparo do professor.
A consequência disso é refletida na percepção da comunidade escolar, pais, alunos e
professores, onde o conhecimento teórico e prático sobre zoonoses e muito baixo.
Em estudo realizado por FARIAS et al, (2009):
verificou-se que 74,1% dos alunos de rede pública afirmaram conhecer termo zoonoses, no
entanto quando os indagava sobre exemplo de uma enfermidade zoonótica 82,2% não
citaram nenhuma zoonose. Na rede particular 83,8% dos estudantes conheciam o termo
técnico e 40,32% citaram exemplo de zoonoses como Leptospirose, Gripe Suína, Raiva,
Cisticercose e Calazar.(FARIAS et al, 2009)

Conforme Ministério da Saúde Brasileiro, (2009) as principais doenças zoonóticas no Brasil


são a raiva, a leptospirose, doença de chagas, febre amarela, leishmaniose, e ainda as doenças
causadas por animais peçonhentos.
Dentre estas doenças podemos destacar a raiva, que apresenta dois ciclos básicos de
transmissão: o urbano, cujos principais reservatórios são os cães e gatos, e o silvestre, que ocorre
principalmente entre morcegos, macacos e raposas.(BRASIL MS ,2009). Esta doença recebe
destaque pode ser adquirida dos cães e gatos domésticos, os conhecidos PETs.
No Brasil, a raiva é endêmica, em grau diferenciado de acordo com a região
geopolítica. No período de 1991 a 2007, foram notificados 1.271 casos de raiva humana,
sendo os cães responsáveis por transmitir 75%, os morcegos por 12%, os felinos por 3%
e os 10% restantes por outras espécies. (BRASIL, 2009)

Contudo nem sempre estas doenças, seus conceitos e números, são observados em sala de
aula e re-transmitidos em casa. Em pesquisa realizada por LIMA et al, (2008), com 64 pais de duas
escolas em Recife-BR, uma privada e uma pública, observou-se um baixo grau de conhecimento
sobre as zoonoses, conforme é demonstrado na tabela 01.
TABELA 01- Percepção dos pais de alunos pré-escolar de escola particular e municipalem
relação as doenças consideradas como zoonoses.
4

Fonte: LIMA et al, 2008

Já em outro estudo realizado por DIAS et al,(2012) com 249 alunos de quatro escolas
públicas em São Luiz, Maranhão, entre 2008 e 2010, podemos observar que é considerável a
escassez de informações sobre zoonoses, no ensino fundamental.
Foram entrevistados 249 alunos do quinto ano do ensino fundamental e, destes, 87,1%
(217) afirmaram possuir animais de estimação emsuas residências.[..] Dentre as zoonoses,
foram citadas leptospirose, com 2,7% (6) de casos fatais entre familiares e/ou conhecidos
dos alunos; larva migrans cutânea 39,6% (86); tungíase 9,2% (20); leishmaniose cutânea
5,5% (12); cisticercose 1,3% (3); teníase 0,4% (1). (DIAS et al, 2012)

Através deste estudo DIAS et al,(2012) chegaram a seguinte conclusão:

Os resultados observados demonstraram uma grande carência de informações por parte dos
alunos em estudo em relação às zoonoses, principalmente no que diz respeito às formas de
transmissão e medidas de controle e profilaxia, tendo ficado claro que as crianças possuem
dificuldades para associar a presença de muitas doenças ao contato direto ou indireto com
os animais. (DIAS et al, 2012)

Fato que devemos considerar e refletir sobre como as zoonoses vem sendo estudadas em
sala de aula, no ensino fundamental.

2.2 ZOONOSES E A FORMAÇÃO DO CURRICULO ESCOLAR

A educação brasileira desde 1996 é norteada pela lei de diretrizes e base, LDB LEI Nº
9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.
(BRASIL, 1996). Esta lei estabelece através de instrumentos regulamentadores como deve ser
organizado o ensino no Brasil, instrumentos como os PCNs (parâmetros curriculares nacionais) e a
BBCC (base nacional comum curricular). Para complementar estes instrumentos os estados e
municípios, podem desenvolver os seus conteúdos mínimos, respeitando a instância federal, e por
último entra a escola e os professores, para a formação do currículo que será aplicado durante o ano
letivo escolar.
5

A Lei de diretrizes e Bases não estabelece o que vai ser ensinado no currículo escolar, mas
como ele deve ser estruturado, conforme esta previsto em seu artigo 26:
Art. 26. Os currículos da educação infantil, do ensino fundamental e do ensino médio
devem ter base nacional comum, a ser complementada, em cada sistema de ensino e em
cada estabelecimento escolar, por uma parte diversificada, exigida pelas características
regionais e locais da sociedade, da cultura, da economia e dos educandos. (BRASIL, 1996)

Assim os documentos norteadores para a construção curricular, são a BNCC, e como


complemento federal os PCNs, como complemento estadual e regional, o referencial curricular
estadual e o plano de estudo escolar, que é diferenciado em cada escola, porem seguindo os
documentos orientadores.

A Base Nacional Comum Curricular, implantada em 20 de dezembro de 2017, diz:

A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) é um documento de caráter normativo que


define o conjunto orgânico e progressivo de aprendizagens essenciais que todos os alunos
devem desenvolver ao longo das etapas e modalidades da Educação Básica, de modo
a que tenham assegurados seus direitos de aprendizagem e desenvolvimento, em
conformidade com o que preceitua o Plano Nacional de Educação (PNE). (BRASIL, 2017)

Ou seja defini os conteúdos mínimos e essências para o desenvolvimento de um cidadão


crítico, capaz de promover a interpretação e ação sobre a própria realidade, neste aspecto entraria a
necessidade de conhecer sobre sua saúde e o meio ambiente, e consequentemente, deveria ter
noções sobre zoonoses. Por sua vez a BNCC não faz nenhuma referencia sobre o tema zoonoses ou
doenças transmitidas por animais, sejam eles domésticos ou selvagens. A única referencia sugerida
sobre o tema, esta na disciplina de ciências, para alunos do 4ºano, na unidade temática vida e
evolução, com objeto de conhecimento microrganismo, onde as habilidades que o aluno do 4º ano
do ensino fundamental deverá adquirir, diz o seguinte:

(EF04CI06) Relacionar a participação de fungos e bactérias no processo de decomposição,


reconhecendo a importância ambiental desse processo. (EF04CI07) Verificar a participação
de microrganismos na produção de alimentos, combustíveis, medicamentos, entre outros.
(EF04CI08) Propor, a partir do conhecimento das formas de transmissão de alguns
microrganismos (vírus, bactérias e protozoários), atitudes e medidas adequadas para
prevenção de doenças a eles associadas.(BRASIL, 2017)

Esta a referencia mais próxima sobre zoonoses encontrado na BNCC, o que demonstra
alguns aspectos limitantes em relação à gravidade que o tema exige.

Complementando a Base Nacional Comum Curricular, temos os parâmetros curriculares


nacionais (PCNs) de 1998, especificamente sobre o caderno de ciências naturais. Cujo um dos
papeis fundamentais é de servir de apoio ás discussões e ao desenvolvimento do projeto educativo
6

da escola, a reflexão sobre a prática pedagógica, ao planejamento de aulas, à analise e seleção de


materiais didáticos e de recursos tecnológicos e em especial, que contribuíam para formação e
atualização profissional, BRASIL, (1998).

Podemos identificar nos PCNs, não o termo zoonoses especificamente, mas a sugestão de
ser trabalhado este tema e as doenças zoonóticas, no quarto ciclo, inserida no eixo ser humano e
saúde, conforme segue a descrição:
Em temas e problemas que analisam a realidade local e regional, são estudadas as
manifestações, as causas e as políticas de saúde pública, preventiva ou emergencial,
relativas às doenças que os estudantes, em seu próprio meio, devem conhecer para cooperar
em seu controle. É importante enfocar tanto as doenças associadas ao convívio no ambiente
como aquelas decorrentes do ciclo de vida, adquiridas pelo nascimento ou pela degeneração
do próprio organismo. O “Autoconhecimento para o Autocuidado” e a “Vida Coletiva, em
conexão com o tema transversal Saúde, são conteúdos para se trabalhar em sala de
aula. (BRASIL,1998)

Em outro momento podemos observar a descrição direta de algumas zoonoses, como


assuntos paralelos a serem trabalhados com outros temas, como por exemplo as vacinas. Para outros
agentes, como Aids, Malária e doença de chagas, ainda não dispõe de vacinas (BRASIL,1998). Mas
não apresenta a relação animal/ doença/ ser humano.

Já no referencial curricular do estado do Rio Grande do Sul (2009), e na reestruturação


curricular ensino fundamental e médio do Rio Grande do Sul (2016), não apresenta nenhuma
referencia ligadas as zoonoses diretamente. O tema pode ser estruturado se o professor tiver
interesse em estudar as zoonoses sobre os blocos de conteúdo sugerido no referencial curricular,
como doenças humanas virais, bacterianas e parasitárias. (Rio Grande do Sul, 2009)

Todos estes documentos anteriores são norteadores, para elaboração do currículo na escola,
o currículo da disciplina de ciências da Escola Estadual de Ensino Fundamental Portão Velho,
localizada na cidade de Portão no Rio Grande do Sul, também não apresenta o tema sobre zoonoses
de forma direta, o tema é trabalhado sobre o estudo de microrganismos, o que de forma indireta
acaba inserindo algumas doenças zoonóticas no contexto, mas sem fazer muitas vezes a relação
diretamente, entre doenças > animais > ser humano > zoonoses. A proposta do plano neste é
desenvolver há habilidade de dar “soluções para doenças mais comuns causadas por vírus,
bactérias, protozoários e fungos”. (Portão Velho, 2015)
7

3. MATERIAIS E MÉTODOS

O método utilizado para elaboração deste trabalho, foi o método comparativo através de uma
pesquisa documental.

Primeiramente foi definido o tema, a ser investigado e os objetivos a serem alcançados, com
isso em mente, iniciou-se uma pesquisa para coleta de em periódicos e artigos disponíveis na
internet que falavam sobre zooneses, zoonoses e sua relação com ensino fundamental, em pesquisas
realizadas em escolas brasileiras. Na internet foi verificado os documentos oficiais brasileiros, que
orientam a construção do currículo escolar de escolas públicas e privadas do Brasil, e o currículo do
ensino fundamental de escolas estaduais do Rio Grande do Sul.

Foi realizado também a pesquisa em livros físicos da disciplina de didática e da disciplina de


zoologia de invertebrados e parasitologia do curso de licenciatura em ciências biológicas do Centro
Universitário Leonardo da Vinci – UNIASSELVI. E realizado a observação de um currículo
escolar, de uma escola pública estadual, localizada na cidade de Portão, do estado do Rio Grande do
Sul.
A pesquisa foi realizada no mês de setembro de 2018.
Após a coleta dos dados, foi realizado a seleção dos documentos e leitura, para inicio da
descrição.

Dividindo os documentos em dois grupos, o primeiro, sobre os documentos que possuíam


citações e pesquisas sobre zoonoeses e o ensino fundamental e o segundo grupo, com os
documentos oficiais orientadores para elaboração do currículo escolar. Assim foi possível analisar,
descrever e comparar, diferentes realidades sobre o tema zoonoses e o ensino escolar fundamental
em diferentes locais do pais e analisar como os documentos oficiais orientadores para educação no
brasil, descrevem ou incentivam o desenvolvimento do tema zoonoses no ensino fundamental.

Com a leitura dos materiais coletados, foi realizada a descrição deste trabalhado, utilizando-
se dos aspectos mais relevantes, aos quais mantinham maior relação com o tema proposto, O
CURRICULO E O ESTUDO SOBRE ZOONOSES NO ENSINO FUNDAMENTAL.

Todos os documentos utilizados nesta pesquisa encontran-se na seção referencias


bibliográficas.
8

Para pesquisa na internet, foi utilizado o site de busca GOOGLE.COM, preferenciando por
artigos publicados em revistas eletrônicas e nos formatos digitais DOC e PDF e em sites oficiais do
governo como planalto.gov.br, basenacionalcomum.mec.gov.br, portal.mec.gov.br,
curriculo.educacao.rs.gov.br.

Para leitura dos arquivos, foi utilizados os aplicativos Google Chrome, Foxit Reader e
Microsoft Word.

Por fim, para identificar na prática, como está estruturado um currículo do ensino
fundamental, e se continha algo relacionado ao estudo de zoonoses, foi analisado o currículo escolar
cedido pela Escola Estadual de Ensino Fundamental Portão Velho, localizada no município de
Portão no Estado do Rio Grande de Sul.

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO

Durante a pesquisa foi observar que em diversos estados do Brasil, o ensino sobre zoonoses
no ensino fundamental, seja em escola pública ou privada, é escasso, demonstrando um baixo nível
de conhecimento de alunos, pais e comunidade escolar, principalmente sobre o reconhecimento das
zoonoses, os cuidados que o ser humano deve ter com os animais selvagens e domésticos, sobre as
consequências a saúde humana e do animal.

Foi identificado também que o fator contribuinte para esta escassez, encontra-se no
desenvolvimento do currículo escolar, cujo, é elaborado seguindo documentos orientadores para
educação básica no país. Contudo estes documentos não enfatizam o assunto sobre zoonoses,
limitando muitas vezes o foco das escolas e professores.

Se o assunto fosse restrito somente a um problema na educação infantil, até poderíamos


considerar o baixo interesse pelo tema, contudo as zoonoses são um problema de saúde pública e de
desenvolvimento econômico de um país, pois recursos que deveriam serem melhor empregados,
estão sendo aplicados para tratamentos de saúde, que poderiam ser evitados em muitos casos
através de um ensino com qualidade.

Infelizmente o Brasil parece estar engatinhando sobre o tema na área da educação, pois o
documento orientador mais recente a ser estabelecido em âmbito nacional, e que tem caractere de
norma legal a ser aplicado de forma igualitária em todo território nacional, que é a base nacional
9

comum curricular, BNCC, não oferece nenhum suporte sobre as zoonoses. Conseguintemente os
documentos de hierarquia inferior seguem as instâncias superiores, e já podemos supor que o
assunto também ficará de lado.

5. CONCLUSÃO

Foram analisados alguns artigos publicados na internet, os quais demonstravam a percepção


de alunos e comunidade escolar, sobre o tema zoonoses no ensino fundamental, bem como os
documentos que orientam a construção do currículo escolar no ensino fundamental.

Concluímos com analise destes documentos que o tema zoonoses no ensino fundamental é
escasso, refletindo no conhecimento dos alunos, pais e comunidade, e no desenvolvimento do
pensamento e reflexão crítica do individuo, sobre os riscos e cuidados com animais domésticos e
selvagens.

A falta de um foco mais profundo ao tema sobre zoonoses, nos documentos orientadores do
currículo escolar, reflete diretamente na construção do currículo, limitando o aprendizado dos
alunos.

E por fim concluímos que as zoonoses é um assunto de extrema importância a ser trabalhado
no âmbito escolar, pois reflete diretamente na sociedade, seja na saúde pública do ser humano, seja
na saúde dos animais, seja no meio-ambiente e no desenvolvimento econômico do país.

REFERÊNCIAS

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017.
Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/ > Acesso em: 25 mar. 2018.

_______. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais /


Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1998

_______. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação


nacional. Disponível em:
< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em 15/10/2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.


Vigilância em saúde : zoonoses. – Brasília : Ministério da Saúde, 2009
10

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria de Estado da Educação. Referenciais curriculares do estado


do Rio Grande do Sul: ciências da natureza e suas tecnologias. Porto Alegre: SE/DP, 2009.

DIAS, I. C. L. GUIMARÃES, C. A.; MARTINS, D. F.; BRANDÃO, V. M.; SILVA, I. A. da;


SILVA, M. I. S. Zoonoses e posse responsável: percepção e atitudes entre crianças do ensino
fundamental. Rev. Ciênc. Ext. v.8, n.2, p.66-76, 2012.

FARIAS, Priscilla Cordeiro de; et al. AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO E PROFILAXIA


DAS ZOONOSES EM ESCOLAS SITUADAS NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO UNA, PE.
XVII JEPEX: UFERP, 2017.
Disponível em: <http://www.eventosufrpe.com.br/jepex2009/cd/resumos/R1154-1.pdf

FRAGA, L.S; CARDOSO, K.M; PFUETZENREITER, M.R. AS PRÁTICAS DOCENTES E


ABORDAGEM SOBRE ZOONOSES NO ENSINO FUNDAMENTAL. VII ENPEC: UFSC,
Florianópolis, 2009.

LIMA, AMA et al. Percepção sobre o conhecimento e profilaxia das zoonoses


e posse responsável em pais de alunos do pré-escolar de escolas situadas na comunidade localizada
no bairro de Dois Irmãos na cidade do Recife (PE). Ciência & Saúde Coletiva, 15(Supl. 1):1457-
1464, 2010

WORLD HEALTH ORGANIZATION - WHO. ZOONOSIS. Disponível em:


<http://www.who.int/zoonoses/diseases/en/> Acesso em 10 de outubro 2018