Você está na página 1de 2

Estrela Belém

O que podemos supor sobre a estrela, com base no Evangelho de Mateus?

• Deve ter sido um objeto recém-aparecido, já que chamou os sábios do leste.

• A estrela apareceu duas vezes: Em primeiro lugar, levou os magos a Jerusalém para uma
audiência com Herodes. Mais tarde, ele "estava sobre" Belém.

• Mateus não menciona que a estrela foi especialmente brilhante, e podemos supor que
Herodes e seus assessores não vê-lo, uma vez que perguntou aos homens sábios quando ele
tinha aparecido.

• A estrela é referido como um único objeto.

Qual foi o ano exato do nascimento de Cristo?

Possivelmente a maior dificuldade em nomear um evento astronômico como a estrela de


Belém é que fixa a data exata do nascimento de Jesus. Os historiadores são muito divididos
sobre o assunto, e no ano foi estimada em todos os lugares 8-1 BC

Para efeitos deste exercício, vamos usar os argumentos apresentados por Ernest L. Martin, em
seu livro "A estrela que surpreendeu o mundo" e defina a data do nascimento de Jesus em
algum momento no 3 aC

Quais são as possibilidades astronômicos?

Cometas pode ser descartada, uma vez que foram geralmente pensado para ser maus
presságios.

Meteoros são ainda menos provável, uma vez que tais fenômenos são de curta duração.

Supernovas são uma possibilidade, mas eles têm também problemas.

Não há certas observações de supernovas durante o período de tempo e pode-se supor que
uma supernova brilhante o suficiente para ser visto pelos Magos teria sido notado por outros
observadores bem.

Então o que é que isso deixa?

Os magos eram astrólogos babilônios. Astrologia dá particular importância sobre o movimento


e posição dos planetas.

Se olharmos para o céu à noite, durante o período de 3-2 BC, podemos encontrar um
candidato muito provável para a Estrela de Belém.
cada planeta orbita o Sol a uma velocidade diferente. Os planetas interiores orbitar mais
rápido. Como resultado, como pode ser visto a partir da Terra, os planetas freqüentemente
ultrapassar e passar um outro em que é chamado de conjunção.

Quando dois planetas estão em conjunção, eles se parecem com eles estão juntos, quando, na
realidade, eles são milhões de milhas de distância.

Conjunções planetárias são um acontecimento bastante comum. Havia nove grandes junções
no período de tempo de 3-2 aC. Mas em 12 de agosto de 3 aC houve uma conjunção de Vênus
e Júpiter, que teria tido um significado especial para os astrólogos que tinham conhecimento
da profecia do nascimento de Jesus. Naquela manhã, uma conjunção de Vênus e Júpiter teve
lugar na constelação de Leo, perto da estrela Regulus. Leo era o sinal tribal de Judá. Para os
babilônios, Júpiter era o rei planeta, e seu nome para Regulus foi Sharru, o rei. Venus foi
nomeado para Ishtar, a deusa babilônica chefe e associado com a feminilidade.
Astrologicamente, este foi um conjunto importante. Talvez ainda mais interessante para os
astrólogos antigos, em 14 de setembro Júpiter entrou em conjunto com Regulus, passou por
ele, em seguida, apareceu para parar e andar para trás até que ele passou Regulus uma
segunda vez em 17 de fevereiro de 2 BC e depois uma terceira vez em 8 de maio.

Essas oscilações são chamados de movimento retrógrado. Isto ocorre porque a Terra está se
movendo mais rápido do que Júpiter em uma trilha interna. O mesmo efeito pode ser visto
quando você passa um carro mais lento em movimento na estrada. O carro parece mover-se
para trás contra o fundo, mesmo que você está ambos em frente.

Finalmente, em 17 de junho de 2 aC, Júpiter e Vênus novamente entrou em conjunção perto


Regulus, tão perto para aparecer como uma luz que brilha até que se põe no oeste, em direção
a Jerusalém, visto da Babilônia.