Você está na página 1de 6
INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO ( CAMPUS RECIFE) CURSO TÉCNICO EM

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO ( CAMPUS RECIFE) CURSO TÉCNICO EM QUÍMICA - DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL E INORGÂNICA PROFESSOR: JOSÉ BRITO

NOME:

DATA:

/

/

Geometria Molecular

1. Conceitos gerais

A teoria das ligações covalentes de Lewis foi muito

importante para o desenvolvimento da Química. No entanto, essa teoria não explicava a disposição (arrumação) dos átomos na molécula. Hoje sabemos que as moléculas bem simples, como H2, O2, HCl, H2O etc., são moléculas planas. As moléculas mais complexas, porém, são quase sempre tridimensionais, isto é, têm seus átomos arrumados em uma estrutura (formato) espacial. Assim, passou-se a falar em geometria molecular. Um caso bastante comum é o da existência de um átomo central rodeado, no espaço, por vários outros átomos. Uma analogia bem simples pode ser feita com balões, amarrados como nas figuras abaixo:

ser feita com balões, amarrados como nas figuras abaixo: Por que os balões assumem espontaneamente essas

Por que os balões assumem espontaneamente essas arrumações? Porque cada balão parece “empurrar” o balão vizinho de modo que, no final, todos ficam na disposição mais espaçada (esparramada) possível. Dizemos, também, que essa é a arrumação mais estável para os balões.

Pois bem, com os átomos acontece exatamente o mesmo, quando formam as moléculas. A tabela abaixo dá alguns

exemplos comuns, nos quais o átomo central ocupa o lugar

do nó que é dado nos balões.

átomo central ocupa o lugar do nó que é dado nos balões. Na terceira coluna, vemos

Na terceira coluna, vemos o modelo “de preenchimento espacial” que indica a posição e o tamanho individual de cada átomo na molécula, respeitando inclusive os raios covalentes dos átomos e os ângulos formados entre suas valências. Nesse modelo se procura, portanto, representar a molécula da maneira mais real possível, como se fosse uma fotografia da própria molécula.

A questão da geometria das moléculas pode dar origem a

casos interessantes. Por exemplo: embora exista a substância PCl5, como vimos no esquema anterior, não existe a substância análoga PI5, pois o átomo de iodo é muito maior que o átomo de cloro, de modo que “não há espaço” para se colocar cinco átomos de iodo ao redor de um único átomo de fósforo. Diz-se, então, que a molécula de PI5 não pode existir por impedimento espacial.

2. Moléculas com pares eletrônicos ligantes e não- ligantes

Sabemos que a ligação covalente é a que ocorre pelo compartilhamento de pares eletrônicos nas camadas de valência dos átomos. Esses pares são chamados de pares eletrônicos ligantes. Por exemplo, no CH4 temos quatro pares ligantes:

. Por exemplo, no CH 4 temos quatro pares ligantes: Em muitos casos sobram, na camada

Em muitos casos sobram, na camada de valência, pares de elétrons que não participam de ligação alguma, sendo chamados, por isso, de pares eletrônicos livres ou de pares não-ligantes. Observe os exemplos do NH3 e do H2O:

não-ligantes . Observe os exemplos do NH 3 e do H 2 O: 3. Teoria da

3. Teoria da repulsão dos pares eletrônicos da camada de valência

Esta teoria foi desenvolvida pelo cientista Ronald J. Gillespie

e é também conhecida pela sigla VSEPR (do inglês Valence

Shell Electron Pair Repulsion). Em linhas gerais, esta teoria afirma que:

Ao redor do átomo central, os pares eletrônicos ligantes e os não-ligantes se repelem, tendendo a ficar tão afastados quanto possível.

Com esse afastamento máximo, a repulsão entre os pares eletrônicos será mínima e, portanto, a estabilidade da molécula, como um todo, será máxima.

Essa teoria explica as estruturas espaciais do CH4, PCl5 e SF6, vistas na tabela ao lado. E explica também a estrutura de muitas outras moléculas, como, por exemplo, as de NH3 e de H2O. Nesses casos, admite-se que os pares eletrônicos livres (não-ligantes) ocupam posições no espaço. Assim, temos as seguintes estruturas:

Exercícios 1. (Unifor-CE) Considerando-se as ligações entre os átomos e a geometria molecular da amônia,

Exercícios

1. (Unifor-CE) Considerando-se as ligações entre os átomos

e a geometria molecular da amônia, conclui-se que a fórmula estrutural dessa substância é:

conclui-se que a fórmula estrutural dessa substância é: 2. (Vunesp) átomos constituintes e das estruturas de

2. (Vunesp)

átomos constituintes e das estruturas de Lewis:

a) Determine as fórmulas dos compostos mais simples que

se formam entre os elementos (números atômicos: H = 1; C

= 6; P = 15):

I.hidrogênio e carbono;

II.hidrogênio e fósforo.

b) Qual é a geometria de cada uma das moléculas formadas,

considerando-se o número de pares de elétrons?

3. (UnB-DF) Analisando as estruturas eletrônicas das

moléculas representadas abaixo e usando a teoria da repulsão entre os pares de elétrons da camada de valência, quais são as respostas corretas?

dos

A

partir

das

configurações

eletrônicas

corretas? dos A partir das configurações eletrônicas a) A molécula BeH 2 tem geometria idêntica à

a) A molécula BeH2 tem geometria idêntica à da água

(geometria angular).

b) A molécula BF3 é trigonal planar.

c) A molécula de SiH4 tem ângulos de ligação de 90°.

c) A molécula de SiH 4 tem ângulos de ligação de 90°. d) A molécula PCl

d) A molécula PCl5 tem geometria bipiramidal triangular.

e) A geometria da molécula de SF6 é hexagonal.

4. (UFRGS-RS) O modelo de repulsão dos pares de elétrons

da camada de valência estabelece que a configuração eletrônica dos elementos que constituem uma molécula é responsável pela sua geometria molecular. Observe as duas

colunas a seguir:

Geometria molecular

Moléculas

1.

linear

A. SO3

2.

quadrada

B. NH3

3.

trigonal plana

C. CO2

4.

angular

D. SO2

5.

pirâmide trigonal

6.

bipirâmide trigonal

A

alternativa que traz a relação correta entre as moléculas e

a

respectiva geometria é:

a)

5A - 3B - 1C - 4D

d) 5A - 3B - 2C - 1D

b)

3A - 5B - 4C - 6D

e) 2A - 3B - 1C - 6D

c)

3A - 5B - 1C - 4D

5.

(Vunesp) Representar as estruturas de Lewis e descrever

a geometria de NO2 - , NO3 - e NH3. Para a resolução, considerar as cargas dos íons localizadas nos seus átomos centrais (números atômicos: N = 7; O = 8; H = 1).

6. (Uepi) Observe as colunas abaixo.

I. SO3

A. Tetraédrica

II. PCl5

B. Linear

III. H2O

C. Angular

IV. NH4 +

D. Trigonal planar

V. CO2

E. Bipirâmide trigonal

Qual das alternativas traz a relação correta entre a espécie química e a respectiva geometria?

a) IIA, VB, IIIC, ID, IVE

b) IVA, VB, IIIC, ID, IIE

c) IIA, IIIB, VC, ID, IVE

6. (Ufes) A molécula da água tem geometria molecular angular, e o ângulo formado é de ± 104°, e não ± 109°, como previsto. Essa diferença se deve:

a) aos dois pares de elétrons não-ligantes no átomo de

oxigênio.

muito

próximos.

b)

d) IVA, IIIB, VC, ID, IIE

e) IVA, VB, IIIC, IID, IE

à

repulsão

entre

os

átomos

de

hidrogênio,

c) à atração entre os átomos de hidrogênio, muito próximos.

d) ao tamanho do átomo de oxigênio.

e) ao tamanho do átomo de hidrogênio.

Eletronegatividade/polaridade das ligações e das moléculas

1. Conceitos gerais

Já vimos que uma ligação covalente significa o compartilhamento de um par eletrônico entre dois átomos:

o compartilhamento de um par eletrônico entre dois átomos: Quando os dois átomos são diferentes, no

Quando os dois átomos são diferentes, no entanto, é comum um deles atrair o par eletrônico compartilhado para o seu lado. É o que acontece, por exemplo, na molécula HCl:

seu lado . É o que acontece, por exemplo, na molécula HCl: O cloro atrai o

O cloro atrai o par eletrônico compartilhado para si. Nesse

caso, dizemos que o cloro é mais eletronegativo que o

hidrogênio e que a ligação covalente está polarizada, ou seja, é uma ligação covalente polar. É comum representar-

se esse fato também da seguinte maneira:

comum representar- se esse fato também da seguinte maneira: Nesta representação, a flecha cortada indica o

Nesta representação, a flecha cortada indica o sentido de deslocamento do par eletrônico; o sinal δ- representa a região da molécula com maior densidade eletrônica, e o sinal δ+, a região com menor densidade eletrônica. A molécula se comporta então como um dipolo elétrico 1 , apresentando o que se convencionou chamar de cargas parciais positiva +) e negativa (δ-). A maior densidade eletrônica ao redor do cloro é também representada espacialmente, como na figura. Evidentemente, quando os dois átomos são iguais, como acontece nas moléculas H2 e Cl2, não há razão para um átomo atrair o par eletrônico mais do que o outro. Teremos, então, uma ligação covalente apolar. Consequentemente, podemos definir:

Eletronegatividade é a capacidade que um átomo tem de atrair para si o par eletrônico que ele compartilha com outro átomo em uma ligação covalente.

Baseando-se em medidas experimentais, o cientista Linus Pauling criou uma escala de eletronegatividade, que representamos a seguir num esquema da Tabela Periódica (esses valores não têm unidades):

da Tabela Periódica (esses valores não têm unidades): 1 Sistema constituído por duas cargas elétricas

1 Sistema constituído por duas cargas elétricas puntiformes de mesmo valor, mas de sinais opostos, à pequena distância uma da outra.

Os elementos mais eletronegativos são os halogênios

(especialmente o flúor, com eletronegatividade igual a 4,0),

o oxigênio (3,5) e o nitrogênio (3,0). Os elementos das

colunas B da Tabela Periódica têm eletronegatividades que variam de 1,2 (eletronegatividade do Y-ítrio) a 2,4

(eletronegatividade do Au-ouro). É interessante também notar que a eletronegatividade de cada elemento químico está relacionada com seu potencial de ionização e sua eletroafinidade (ou afinidade eletrônica). Consequentemente, a eletronegatividade é também uma propriedade periódica, como podemos ver no gráfico abaixo:

periódica , como podemos ver no gráfico abaixo: No esquema dado ao lado, as setas indicam

No esquema dado ao lado,

as setas indicam o aumento

da eletronegatividade dos elementos (e a parte mais escura indica a localização dos elementos de maior eletronegatividade).

Podemos ainda dizer que, no sentido oposto das setas indicadas nesse esquema, a eletropositividade dos elementos aumenta, atingindo seu máximo nos metais alcalinos, que estão situados na coluna 1A. Observe que os gases nobres foram excluídos, porque não apresentam nem caráter negativo nem caráter positivo.

não apresentam nem caráter negativo nem caráter positivo. 2. Ligações apolares e ligações polares Uma decorrência

2. Ligações apolares e ligações polares

Uma decorrência importante do estudo da eletronegatividade dos elementos é que, em função da diferença de eletronegatividade () entre os átomos envolvidos, podemos classificar as ligações covalentes como:

Ligações apolares: são as que apresentam diferença de eletronegatividade igual a zero (ou muito próximo de zero). Exemplos:

apolares : são as que apresentam diferença de eletronegatividade igual a zero (ou muito próximo de

Ligações polares: são as que apresentam diferença de eletronegatividade diferente de zero. Exemplos:

de eletronegatividade diferente de zero . Exemplos: Note que a segunda ligação é mais polar que

Note que a segunda ligação é mais polar que a primeira.

Agora é importante salientar o seguinte: quando essa diferença ultrapassa o valor 1,7, a atração exercida por um dos átomos sobre o par eletrônico é tão grande que a ligação covalente se “rompe”, tornando-se uma ligação iônica. Exemplos:

“rompe”, tornando -se uma ligação iônica . Exemplos: Consequentemente, podemos afirmar que existe uma

Consequentemente, podemos afirmar que existe uma transição gradativa entre as ligações covalentes e as iônicas,

à proporção que o valor de ∆ aumenta. Podemos então construir a seguinte tabela:

de ∆ aumenta. Podemos então construir a seguinte tabela: Aplicando essa ideia a alguns compostos ao

Aplicando essa ideia a alguns compostos ao longo da Classificação Periódica, temos:

compostos ao longo da Classificação Periódica, temos: Como resumo geral temos, então, o seguinte esquema: 3.

Como resumo geral temos, então, o seguinte esquema:

temos: Como resumo geral temos, então, o seguinte esquema: 3. Momento dipolar As moléculas polares se

3. Momento dipolar

As moléculas polares se orientam sob a ação de um campo elétrico externo conforme o esquema abaixo:

de um campo elétrico externo conforme o esquema abaixo: A capacidade de a molécula se orientar
de um campo elétrico externo conforme o esquema abaixo: A capacidade de a molécula se orientar

A capacidade de a molécula se orientar é maior ou menor

dependendo da diferença de eletronegatividade e do comprimento da ligação entre os átomos. Por isso, a medida da polaridade das ligações é feita pelo chamado momento dipolar, que é representado pela letra grega µ (mi).

Momento dipolar (µ) é o produto do módulo da carga elétrica parcial (δ) pela distância entre os dois extremos de um dipolo.

( δ) pela distância entre os dois extremos de um dipolo. O momento dipolar é medido

O momento dipolar é medido na unidade debye (D), que

equivale a 3,33 . 10 -30 Coulomb.metro. Temos a seguir alguns exemplos de momentos dipolares:

Temos a seguir alguns exemplos de momentos dipolares: Na molécula, o momento dipolar pode ser mais

Na molécula, o momento dipolar pode ser mais bem representado pelo chamado vetor momento dipolar, em que a direção do vetor é a da reta que une os núcleos dos átomos; o sentido do vetor é o do átomo menos para o mais eletronegativo; e o módulo do vetor é igual ao valor numérico do momento dipolar.

do vetor é igual ao valor numérico do momento dipolar. 4. Moléculas polares e moléculas apolares

4. Moléculas polares e moléculas apolares

Surge, agora, uma pergunta importante: quando uma molécula tem ligações polares, ela será obrigatoriamente polar? Nem sempre, como você poderá ver pelos exemplos seguintes.

A molécula BeH2 tem

duas ligações polares, pois o hidrogênio é mais eletronegativo do que o berílio. No entanto, considerando que a molécula é linear, a atração eletrônica do hidrogênio “da esquerda”é contrabalançada pela atração do hidrogênio “da direita” e, como resultado final, teremos uma molécula não-polar (ou apolar). Em outras palavras, a resultante dos dois vetores é nula.

A molécula BCl3 tem três

ligações polares. No entanto,

a disposição dos átomos na

molécula faz com que os três

vetores momento dipolar se anulem e, como resultado, a molécula é apolar.

A molécula de água, por sua vez, tem forma de V. Somando os vetores momento dipolar µ1 e µ2, teremos, segundo o esquema abaixo, o vetor resultante (µ). Consequentemente:

a molécula de água é polar (µ = 1,84 D); o “lado” onde estão os hidrogênios é o mais eletropositivo (δ+); o “lado” do oxigênio é o mais eletronegativo (δ-). É devido a essa polaridade que um filete de água que escorre de uma torneira pode ser desviado por um objeto eletrizado.

É devido a essa polaridade que um filete de água que escorre de uma torneira pode
É devido a essa polaridade que um filete de água que escorre de uma torneira pode
• A amônia (NH 3 ) tem a forma de uma pirâmide trigonal. Nessa molécula,

A

amônia (NH3) tem a forma de uma pirâmide trigonal. Nessa molécula, os vetores momento dipolar também não se anulam e, como resultado, a molécula é polar (µ = 1,48 D). Junto aos hidrogênios, a molécula é mais eletropositiva (δ+); e junto ao par eletrônico livre, ela é mais eletronegativa (δ-).

A

tetracloreto de carbono (CCl4) tem forma de um tetraedro regular. Existem quatro ligações polares, mas os vetores se anulam; consequentemente, a molécula é apolar (µ = 0). No entanto, bastaria trocar, por exemplo, um átomo de cloro por um de hidrogênio, para que a nova molécula (CHCl3) fosse polar, isto é: quando os vetores momento dipolar não se anulam, a molécula será polar.

Outra maneira de analisar a polaridade de uma molécula é comparar os números de:

pares eletrônicos ao redor do átomo central;

átomos iguais ligados ao átomo central.

Se esses dois números forem diferentes, a molécula será polar. Por exemplo:

molécula

de

, a molécula será polar . Por exemplo: molécula de molécula do É importante ainda comentar

molécula

do

será polar . Por exemplo: molécula de molécula do É importante ainda comentar que a polaridade
será polar . Por exemplo: molécula de molécula do É importante ainda comentar que a polaridade

É importante ainda comentar que a polaridade das moléculas influi nas propriedades das substâncias. Um exemplo importante é o da miscibilidade (ou solubilidade) das substâncias. A água e o álcool comum, que são polares, misturam-se em qualquer proporção. A gasolina e o querosene, que são apolares, também se misturam em qualquer proporção. Já a água (polar) e a gasolina (apolar) não se misturam. Daí a regra prática que diz:

Substância polar tende a se dissolver em outra substância polar e substância apolar tende a se dissolver em outra substância apolar. Ou, de uma forma mais resumida, “semelhante dissolve semelhante”.

forma mais resumida, “semelhante dissolve semelhante” . Exercícios 1. (UFF-RJ) Com base nas diferenças de

Exercícios

1. (UFF-RJ) Com base nas diferenças de eletronegatividade

apresentadas no quadro abaixo, classifique as ligações indicadas conforme sejam iônicas, covalentes polares ou covalentes apolares. Justifique sua classificação.

ou covalentes apolares. Justifique sua classificação. 2. (Cesgranrio-RJ) Arranje, em ordem crescente de caráter

2. (Cesgranrio-RJ) Arranje, em ordem crescente de caráter

iônico, as seguintes ligações do Si: Si-C, Si-O, Si-Mg, Si-Br.

a) Si-Mg, Si-C, Si-Br, Si-O

b) Si-C, Si-O, Si-Mg, Si-Br

c) Si-C, Si-Mg, Si-O, Si-Br

3. (UFF-RJ) A capacidade que um átomo tem de atrair elétrons de outro átomo, quando os dois formam uma ligação química, é denominada eletronegatividade. Esta é uma das propriedades químicas consideradas no estudo da polaridade das ligações. Consulte a Tabela Periódica e aponte a opção que apresenta, corretamente, os compostos H2O, H2S e H2Se em ordem crescente de polaridade.

d) Si-C, Si-O, Si-Br, Si-Mg

e) Si-O, Si-Br, Si-C, Si-Mg

a) H2Se < H2O < H2S

d) H2O < H2Se < H2S

b) H2S < H2Se < H2O

e) H2Se < H2S < H2O

c) H2S < H2O < H2Se

4. (UFPE) As ligações químicas nas substâncias K(s), HCl(g),

KCl(s) e Cl2(g), são, respectivamente:

a) metálica, covalente polar, iônica, covalente apolar.

b) iônica, covalente polar, metálica, covalente apolar.

c) covalente apolar, covalente polar, metálica, covalente apolar.

d)

metálica, covalente apolar, iônica, covalente polar.

e)

covalente apolar, covalente polar, iônica, metálica.

5.

(Unicenp-PR) A civilização moderna, com o seu consumo

crescente de energia, que se utiliza da queima de carvão por usinas termoelétricas, de combustíveis fósseis derivados do petróleo, como gasolina e querosene, está fazendo

aumentar a quantidade de dióxido de carbono na atmosfera, causando o efeito estufa. A respeito do dióxido de carbono, é correto afirmar que:

a) é uma substância polar, constituída de ligações covalentes

polares.

ligações

covalentes polares.

b)

é

uma

substância

apolar,

constituída

de

c)

covalentes apolares.

d) é uma substância apolar, constituída de ligações iônicas.

e) é uma substância polar, constituída de ligações covalentes

apolares.

6. (U. E. Ponta Grossa-PR) Considerando que a forma

geométrica da molécula influi na sua polaridade, qual é a alternativa que contém apenas moléculas apolares?

ligações

é

uma

substância

apolar,

constituída

de

a) BeH2 e NH3

d) HBr e CO2

b) BCl3 e CCl4

e) H2S e SiH4

c) H2O e H2

7. (Fuvest-SP) Qual das moléculas tem maior momento

dipolar: a) H2O ou H2S?; b) CH4 ou NH3? Justifique.

8. (Unirio-RJ) Uma substância polar tende a se dissolver em outra substância polar. Com base nesta regra, indique como será a mistura resultante após a adição de bromo (Br2) à mistura inicial de tetracloreto de carbono (CCl4) e água

(H2O).

a) Homogênea, com o bromo se dissolvendo completamente

na mistura.

b) Homogênea, com o bromo se dissolvendo apenas no CCl4.

c) Homogênea, com o bromo se dissolvendo apenas na H2O.

d) Heterogênea,

com

o

bromo se dissolvendo

principalmente no CCl4.

 

e)

Heterogênea,

com

o

bromo

se

dissolvendo

principalmente na H2O.

9. (PUC-RS) Em relação aos elementos N, P e K, indispensáveis ao desenvolvimento dos vegetais, são feitas as seguintes afirmações:

I. O nitrogênio é o elemento mais eletronegativo.

II. O fósforo é um metal de transição.

III. O potássio é um metal alcalino.

IV. Estão localizados no mesmo período da Classificação Periódica.

Pode-se afirmar que estão corretas as da alternativa:

a) I e II

c) II e III

e) III e IV

b) I e III

d) II e IV

10. (Mogi-SP) Considere os elementos A, B e C e seus números atômicos (A: Z = 17; B: Z = 33; C: Z = 50).

a) Indique o número de elétrons de valência de cada elemento e identifique os grupos da Tabela Periódica a que pertencem os três elementos.

b) Indique

maior

eletronegatividade. Se o elemento A se combina com o

elemento B, qual é a fórmula molecular provável do composto que se forma? Justifique as respostas.

qual

dos

três

elementos

tem

11. (Vunesp) Linus Pauling, falecido em 1994, recebeu o

Prêmio Nobel de Química em 1954, por seu trabalho sobre a natureza das ligações químicas. Através dos valores das eletronegatividades dos elementos químicos, calculados por

Pauling, é possível prever se uma ligação terá caráter covalente ou iônico. Com base nos conceitos de eletronegatividade e de ligação química, pede-se:

a) identificar dois grupos de elementos da Tabela Periódica

que apresentam, respectivamente, as maiores e as menores eletronegatividades;

b) que tipo de ligação apresentará uma substância binária,

formada por um elemento de cada um dos dois grupos identificados?

12. (Ufac) As espécies químicas a seguir apresentam, respectivamente, ligações: O2, NaCl, HCl e Al.

a) covalente apolar, iônica, covalente polar e metálica.

b) covalente apolar, covalente polar, iônica e metálica.

c) iônica, covalente apolar, covalente polar e metálica.

d) metálica, covalente polar, iônica e covalente apolar.

e) covalente polar, iônica, covalente apolar e metálica.

13. (Vunesp) Um elemento químico A, de número atômico

11, um elemento químico B, de número atômico 8, e um elemento químico C, de número atômico 1, combinam-se formando o composto ABC. As ligações A-B e B-C, no composto, são, respectivamente:

a) covalente polar, covalente apolar

b) iônica, iônica

c) covalente polar, covalente polar

d) iônica, covalente polar

e) metálica, iônica

14. (UFRGS-RS) O momento dipolar é a medida quantitativa

da polaridade de uma ligação. Em moléculas apolares, a resultante dos momentos dipolares referentes a todas as ligações apresenta valor igual a zero. Entre as substâncias covalentes abaixo

I. CH4

quais as que apresentam a resultante do momento dipolar igual a zero?

II. CS2

III. HBr

IV. N2

a) Apenas I e II

d) Apenas I, II e IV

b) Apenas II e III

e) I, II, III e IV

c) Apenas I, II e III

Referências

o

Feltre, R. Química vol. 1 6ª ed. São Paulo: Moderna,

2004.

o

Reis, Martha Química vol. 1 2ª ed. São Paulo: Ática,

2017.