Você está na página 1de 12

RESPIRAÇÃO AERÓBIA

Depende fundamentalmente de um organelo citoplasmático


denominado mitocôndria.

MITOCÔNDRIA

MEMBRANA INTERIOR

MEMBRANA
EXTERIOR

CRISTAS

MATRIZ
OBSERVAÇÕES

O número de mitocôndrias numa célula é muito variado (dezenas /


centenas).
Células mais ativas (nervosas / musculares) apresentam maior
número de mitocôndrias.
Mitocôndrias formam-se por divisão de outras preexistentes.

EQUAÇÃO GERAL DA RESPIRAÇÃO AERÓBIA

C6H12O6 + 6H2O + 6O2 6CO2 + 12H2O + 36 ATP


FASES DA RESPIRAÇÃO
Glicólise Ocorre no citoplasma (fora da mitocôndria).
 Consiste na degradação (oxidação) da glicose até a formação
de duas moléculas de ácido pirúvico. Os electrões removidos no
processo oxidativo são utilizados na redução de NAD+ a NADH
(transportador de electrões)
Formação da acetil-coenzima A

Ocorre na matriz mitocondrial.


 Consiste na descarboxilação e oxidação do ácido pirúvico,
formando ácido acético e a sua ligação à coenzima A presente na
matriz mitocondrial. Os electrões removidos no processo
oxidativo são utilizados na redução de NAD+ a NADH
(transportador de electrões)
Ciclo de Krebs Ocorre na matriz mitocondrial.
 A Acetil-coenzima A participa num ciclo de reacções com
libertação de dióxido de carbono (descarboxilações), electrões e
H+ (oxidação). Os electrões removidos no processo oxidativo são
utilizados na redução de NAD+ a NADH e FAD a FADH2
(transportadores de electrões)

Cadeia Respiratória Ocorre nas cristas mitocondriais.


 Os electrões são transferidos de moléculas transportadoras
(NADH e FADH2) a proteínas aceptoras e finalmente ao oxigénio,
formando-se água. A energia liberada nesta transferência é
utilizada na síntese de ATP.
GLICÓLISE
 Glicose sofre degradação formando duas moléculas de ácido
pirúvico.

4ATP
2ATP
GLICOSE ÁCIDO PIRÚVICO
C6 H12 O6 2 C3H4O3
2 NAD 2 NADH+2H+

OBSERVAÇÃO:

Durante a glicólise ocorrem oxidações e desidrogenações com


libertação de energia utilizada na síntese de ATP (fosforilação).

ENERGIA
ADP+P ATP
Formação da Acetil-coenzima A
Os ácidos pirúvicos provenientes da glicólise penetram na
mitocôndria e sofrem acção de enzimas (descarboxilase e
desidrogenase), que retiram electrões, hidrogénios e carbono da
molécula, produzindo CO2, NADH e transformando-se em ácido
acético (H3C - COOH).
Descarboxilase
CO2
Ácido Pirúvico Ácido Acético
NAD NADH
Desidrogenase

O ácido acético combina-se com a coenzima A, dando origem a


acetil - coenzima A.
No interior da mitocôndria, CICLO DE KREBS
o radical acetil (2 - C)
combina-se com o ácido
oxaloacético (4 -C)
formando o ácido cítrico ACETIL-CoA
2C
(6 -C). CoA

Este é descarboxilado e
oxidado permitindo a Ácido Oxaloacético 4C Ácido Cítrico 6C

formação de ATP e CICLO CO2


NADH
fornecendo electrões a FADH2 DE NADH
moléculas transportadoras ATP KREBS
(NADH e FADH2) 5C
4C

CO2
NADH
CADEIA RESPIRATÓRIA

A cadeia respiratória consiste num sistema de


transferência de electrões provenientes dos
transportadores NADH e FADH2 até a molécula de
oxigénio.

Também designada cadeia de transportadora de


electrões, é formada por um conjunto de proteínas
denominadas citocromos. Estas dispõe-se
linearmente na membrana interna da mitocôndria.
CADEIA RESPIRATÓRIA
RENDIMENTO ENERGÉRTICO DA
RESPIRAÇÃO

Glicólise 2 ATP

2 ATP
Ciclo de Krebs

Cadeia Respiratória 32 ou 34 ATP

Total 36 ou 38 ATP
FONTES DE ENERGIA
HIALOPLASMA
Glícidos

Lípidos Proteínas
Ácido Aminoácidos
Glicerol Pirúvico
Ácido Oxaloacético
e Cetoglutário
Ácido Gordo
ACETIL
Hélice de Lynen Coenzima A MITOCÔNDRIA

CICLO DE
KREBS

CO2 CO2
NADH FADH2
H+
Cadeia Respiratória Aceptores

H2O ATP