Você está na página 1de 114

me alugo para sonhar

Oficina de Roteiro de Gabriel García Márquez


E S C O L AI N T E R N A C I O N A L D E C I N E M A E T E L E V I S Ã O D E S A N A N T O N I O D E L O S B A N O S

Tradução de Eric Nepomuccno e Maria do Carmo Brito

Título original em espanhol: Me alquilo para sonar


Copyright © 1995 Gabriel Garcia Márquez Copyright © 1995 Escucl internacional de Cine y TV de San Antonio de
los Banos Tradução: Eric Nepomuceno e Maria do Carmo Brito Revisão: Jorge César Pereira Nunes e Ornar Tavares
Pinho Capa: Victor Burton 2004 Todos os direitos desta edição reservados à CASA JORGE EDITORIAL LTDA Rua Miguel de
Frias 77gr 1608 CEP: 24220-008 Niterói RJ Telefone: (021) 2721-5310 Fax: (021) 2621-7662 CIP-BRASIL. Catalogação-na-
fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ M 4 3 Me alugo para sonhar Gabriel Garcia Márquez, Doc
Comparato, Eliseo Alberto Diego... [et al.] ; tradução de Eric Nepomuceno, Maria do Carmo Brito — 4. reimpressão Jorge
Editorial, 2004. Niterói, RJ : Casa — (Oficina de Roteiro de Gabriel Garcia Márquez ; 2) Tradução de: Me alquilo para
sonar ISBN 85-85835-12-5 2. Roteiros cineI. Garcia Márquez, Gabriel , 1928 III. Diego, Eliseo Alberto. 1. Redaçã o de textos
para televisão, matográficos Técnica. II. Comparato, Doc, 1949 Série. IV. CDD 808.066791 CDU 82.08:791 97-0310
MEMBROS DA OFICINA
Gabriel García Márquez Diretor
Doc Comparato, assessor
Eliseo Alberto Diego, assessor
Andrés Agudelo. Participante
Ivan Argiiello, participante
Susana Cato, participante
Luis Alberto Lamata, participante
Manuel Gómez Díaz, participante
Arturo Villasenor, participante
Edgar Soberón, editor das jornadas.
INDICE
Prefácio, por Doc Comparato 9

Apresentação, por Edgar Soberón 13

Dezesseis Jornadas de Trabalho 17

Argumento Final 167

Escaletas 183

Capítulo Final, roteiro escrito por Ruy Guerra e Claudio McDowell 217

Membros da Oficina 283


PREFÁCIO
Em latim as palavras “inventar e “descobrir” são sinónimas. Aliás segundo Aristóteles a
multiplicação destes dois verbos teria como resultado o ato de “recordar”. Se não existem
invenções ou descobertas, só recordações, espaço criar torna-se com efeito um admirável
exercício da memória. Um incansável esforço do lembrar. Esta hipótese seria apenas curiosa
se não fosse também verdadeira. Pois um dos efeitos mais perturbadores do ato de criar é
aquele que nos dá a sensação de que não estamos descobrindo nada de novo, somente
resgatando algo esquecido. O talento da criação estaria, portanto na maneira que utilizamos
para revelar aos outros este algo, esta estória, uma vida, saga ou percepção, que sempre
existiu, mas que de alguma forma oculta foi esquecida pela humanidade. Ficou adormecida
sem emocionar ninguém. E é exatamente o que você encontrará neste livro: uma jornada
cuja missão é o ressuscitar da verdadeira estória de uma enigmática mulher, Alma. A
investigação é realizada por vários profissionais da escrita, cada um deles levando a
bagagem dos instintos, emoções e das sensibilidades, mas acima de tudo a capacidade
de imaginar. O fascínio da leitura dos diálogos entre os participantes desta aventura é que
o leitor pode, e deve, tomar carona. Imaginar-se ali conosco também criando opções para a
estória, compondo os personagens e se perdendo na imponderável dimensão do sonhar
acordado. E como em todo sonhar, mesmo aquele de olhos abertos, o leitor perceberá que
não existem certezas e que nada é absoluto. Notará que os viajantes se enfrentam na defesa
de seus delírios (eu e Gabo por exemplo), depois voltar atrás, recriam, redescobrem novos
detalhes e de repente surge a revela cão: sem dúvida encontramos o modo de contar a
estória, a trama só pode correr neste fluxo narrativo e com os personagens atuando sob
estas determinadas cargas dramáticas. Então o processo se completa. O sonho torna-se
realidade. Escreve-se o roteiro. Roda-se o filme. Assiste-se à minissérie. A emoção é
transmitida aos espectadores. Atenção. É justamente antes desta transformação
galopante que encontramos a razão maior deste livro. Porque ele não tem por objetivo
ensinar a técnica ou arte de escrever para televisão ou cinema, nem muito menos só
pretende contar a fabulosa e misteriosa estória de Alma, a mulher que alugava seus sonhos.
Não. O livro captura o leitor por submergi-lo no processo imaginativo de um grupo de
criadores. Em toda a arriscada massa indefinível e visionária que precede a escritura de uma
peça, de um livro, de um roteiro. Por tudo isto trata-se de um livro único: a real
transcrição de mentes viajando pelo irreal. Pela ficção e a paixão. Sem limites ou barreiras.
A princípio tão próximas do caos, da loucura e no final convictas e felizes por terem
cumprido o milagre do resgate. Do ressuscitar uma estória esquecida.
DOC -, Rio de Janeiro, 1 1 de janeiro de 1997.
Longa nota sobre o prefácio: Reli o que acabei de escrever. Creio que o tom e direção
do texto deveriam ter sido outros. Poderia ter sido mais coloquial como o livro é. Talvez a
opção mais adequada fosse o contar de que forma acabei encerrado numa sala durante três
semanas com o Nobel de Literatura. Tudo aconteceu em Moscou. Estava no saguão do Hotel
Rússia à espera do carro que me levaria para a antiga televisão soviética, onde escrevia
com o roteirista Alexander Chlepianov uma minissérie chamada “Landsdorff’. Foi quando
alguém me cutucou no ombro. Ao virar, fiquei atónito. Coho! Até que enfim te encontro.
Muito prazer. Hoje à noite você janta comigo e Mercedes. E se prepare! Vamos trabalhar
juntos. Então alguém berrou: Gabriel García Márquez! E um enxame de fotógrafos de todos
os quadrantes do mundo envolveu Gabo com seus flashes. Tal realismo mágico,
pareciam dar vida a um círculo de borboletas cintilantes, rodopiando em torno de mais uma
celebridade presente naquele histórico Festival de Cinema de Moscou de 1987. E também
inesquecível em todos os sentidos: o Primeiro Festival de Cinema da Era Gorbachov. Da
abertura total. Da mudança radical. De Fellini premiado aos Hare-Krishnas dançando pela
Praça Vermelha. De Quincey Jones tocando jazz em frente da estátua grafitada de Stalin sob
olhar complacente de velhinhas embriagadas. De Hanna Schygulla comentando com
Marcelo Mastroianni que faria o papel de Alma num embrionário projeto televisivo. Dos
americanos desembarcando como se fosse o dia D. Do caviar, da Pepsi-Cola, do comunismo
imperial saindo da História e caindo na vida. Junto com o rublo e o Pravda. Um conjunto
bastante perplexante para todos. Especialmente para mim naquela manhã moscovita, pois
não parava de me perguntar como e por que Gabriel García Márquez queria trabalhar
comigo. E mais. De onde ele conhecia meus ombros, estatura e careca? Meses depois quando
estávamos em Paris, já estruturando o projeto da minissérie que nasceria de uma mistura
de seminário com tutoria, Gabo contou que tomou conhecimento da minha existência
através da adaptação que fiz de “O Tempo e o Vento”, de Erico Veríssimo. Presidente do Júri
do Festival Internacional de Havana no ano anterior, Gabo tinha premiado com grande
júbilo a minissérie da Rede Globo com o maior prémio da competição, o Coral Negro. Não só
porque o produto era realmente o melhor sob todos os pontos de vista, mas também porque
ele nutria em seu espírito uma dívida secreta com a obra de Veríssimo. Cofio! "O Tempo e o
Vento'’ foi um dos três livros que estudei para escrever “Cem Anos de Solidão”. Veríssimo
foi genial ao manejar a saga de uma família através dos tempos. E uma pena que tão poucos
brasileiros reconheçam isto. Enfim te escolhi para trabalhar comigo porque você conseguiu
adaptar minha fonte inspiradora! Penso até hoje que Gabo desejava mesmo era
trabalhar em parceria com Erico Veríssimo. Todavia acabou se satisfazendo com o
adaptador televisivo do Extraordinário escritor gaúcho. Concluo concordando com
Baudelaire que a vida foi feita para ser transformada em livro. Afinal o projeto de “Me
Alugo para Sonhar” aconteceu porque Gabo e eu lemos Veríssimo. Assim, se tudo começou
através de um livro, por que não acabar com a feitura de um novo? Este aqui. D.C. Na mesma
cidade e data.
APRESENTAÇÃO
Meu percurso pelo universo de Alma, a mulher que se alugava para sonhar, foi o contrário
do processo que levou ao roteiro cinematográfico de Me Alugo para Sonhar: fui depurando
a informação até chegar à fonte da obra audiovisual. Por acaso, vi antes a série em capítulos,
feita para a televisão. Depois, li as aulas completas da oficina de dramaturgia, dadas por
Gabriel García Márquez na Escola internacional de Cinema e Televisão de Havana, e passei
um bom tempo editando e adaptando essas ideias ao formato deste livro. Ao terminar o
trabalho, li os Doze Contos Peregrinos, li o conto Me Alugo para Sonhar, e finalmente, num
livro que reúne o material jornalístico de García Márquez, a crónica que tem o mesmo
nome. A minissérie, porém, tomou forma de um modo contrário à minha visão e às minhas
leituras. Os roteiristas da minissérie elaboraram um mundo, tornaram as relações mais
complexas e acrescentaram personagens a partir de uma determinada ideia. García
Márquez não chegou sequer a propor aos participantes da Oficina a leitura do conto ou da
crónica que ele publicou em revistas e jornais. Simplesmente expôs sua ideia, com regras
muito específicas: transformar em roteiro a história de uma mulher que chega a uma casa,
oferece seus serviços de sonhadora e elimina os membros da família — roteiro em cinco ou
seis capítulos que seria vendido para a televisão e que deveria ser redigido em conjunto
pelos participantes da Oficina, no prazo de um mês. A partir daí, reinaria o fluxo criativo,
que seria dirigido por ele e pelo roteirista brasileiro
DOC - No transcurso das jornadas, pode-se apreciar a maneira como vão se conjugando os
diferentes elementos da história, ao mesmo tempo em que se revelam os segredos da
criação. Por exemplo: na segunda sessão, quando Comparato pede que alguém conte a
trama, ouve a tradicional “ sinopse” , que reduz a um par de frases o quê, o porquê e o como;
as respostas do grupo às perguntas agudas dos dois assessores, por sua vez, vão armando o
“ argumento” , essa fase da criação em que ainda não há limites e na qual o redator pode
contribuir com tudo o que sua imaginação sugerir. Uma lição mais direta acontece quando
García Márquez explica a importância da escaleta, verdadeira espinha dorsal da criação; em
poucas linhas, em uma ou pouquíssimas páginas, o criador pode observar as relações, as
atitudes, as frequências, o ritmo, o tom. Volta e meia surgem referências à escaleta como
guia do desenvolvimento do roteiro, e também para devolver a cordura e a lucidez aos
participantes da Oficina, quando eles caem no fascinante delírio criativo. Também se fala da
importância dos nomes, das cidades e dos limites que são sempre impostos por qualquer
tipo de produção. Além do humor que encontramos em vários momentos da leitura das
sessões, um dos “pontos sérios” mais emocionantes acontece quando García Márquez
enfrenta
DOC -, defendendo, reivindicando e dando liberdade à fantasia. Há também momentos de
grande inspiração, como aquele em que Eliseo Alberto Diego consegue juntar todas as
pontas da história, e a conduz a um final logicamente mágico. Creio que há três aspectos que
sobressaem na leitura deste livro: primeiro, o valor do trabalho coletivo — pelo menos,
na fase prévia à redação do roteiro. O benefício da clássica “tempestade cerebral”
(brainstorm) fica demonstrado plenamente nos intercâmbios e discussões entre todos os
participantes da Oficina. O debate em tomo da entrada de Alma na casa dos Morán é uma
das passagens de maio interesse, como o processo em que os personagens vão ganhando
volume, traços e até nomes, com * a contribuição de todos. Um bom exemplo é o de Angel,
que, de figura cinzenta, passa a ser — no roteiro final de Ruy Guerra e Claudio McDowell —
o principal antagonista de Alma, superando o antagonista previsto, a tia Amparo. Segundo
que, por se tratar da adaptação de textos preexistentes, e apesar dos participantes nunca
usarem diretamente os originais, as sessões revivem a velha polêmica das versões filmadas
de obras literárias. Por um lado, o rigor e o respeito, do próprio García Márquez em relação
ao seu relato — que preserva ou amolda, segundo a riqueza das propostas firmam a
responsabilidade do roteirista com suas fontes. O autor deve ter a mesma atitude frente a
uma ideia original, um texto literário, uma piada de rua ou uma notícia: todos têm o
mesmo peso. Por outro lado, a liberdade com que o autor permite que o original
(ambientado na Europa) seja alterado, reafirma a tendência a assumir as versões filmadas
como âmbitos completamente livres e autónomos, com regras próprias e à margem do
original. A soma destes dois aspectos leva-nos ao terceiro: a leitura do livro abre outras
perspectivas para a redação de roteiros, contribuindo para romper, de alguma forma, com
a concepção férrea do texto cinematográfico, do temido “roteiro de ferro”, e evoluindo para
uma noção mais aberta da dramaturgia cinematográfica alternativa.
Edgar Soberón Torchia 15 de setembro de 1994.
PRIMEIRA JORNADA APONTAMENTOS DE DOC
Uma pergunta: por que a primeira sessão de trabalho dos roteiristas começou numa quarta-
feira? Porque eu e Leila, minha mulher, devíamos chegar à Havana no final de semana e
como na terça-feira, 3 de novembro, era o dia do meu aniversário, Gabo tinha planejado uma
festa inesquecível e incompatível com qualquer tipo de trabalho. A festa nunca aconteceu.
Uma tempestade no Triângulo das Bermudas quase destruiu nosso avião e
aterrissamos atrasadíssimos no Panamá. Logo perdemos a derradeira conexão aérea que
havia para Havana. A próxima só ocorreria uma semana depois. Enfim a solução encontrada
foi desdobrar nossas passagens através de várias companhias aéreas locais e em voos pinga-
pinga alcançarmos Cuba. Assim visitamos a Guatemala, EI Salvador e comemoramos o meu
aniversário em Manágua, na Nicarágua. Uma cidade recém-destruída por um terremoto e
em plena guerra civil. O gerente do hotel, através de seus contatos no mercado negro,
conseguiu o impossível: duas lagostas, vinho alemão, lindos candelabros e um conjunto
folclórico para alegrar o jantar. O impacto das bombas ao longe conseguia por vezes dar uma
atmosfera de filme romântico passado na Segunda Guerra Mundial. Todavia nunca
perdemos a consciência da tragédia que se abatia à nossa volta. E arrebatados por um
turbilhão de sentimentos contraditórios, giramos desde a felicidade até
a indignação. Acredito que nunca esqueceremos esse jantar de aniversário que de uma
forma jamais planejada por Gabo tornou-se inesquecível. O leitor dessa primeira jornada
conhecerá o chamado núcleo central da estória, ou semente dramática. Aquele fiozinho de
nada de onde cresce a imaginação. Um detalhe: Gabo diz para os participantes que sente
medo de mim. interessante. Porque eu também estava morrendo de medo dele, de sua
indiscutível capacidade criativa.

QUARTA-FEIRA, 4 DE NOVEMBRO
GARCÍA MÁRQUEZ - Vamos começar estabelecendo as bases: vamos fazer um trabalho
comercial, que vai ser vendido, e que será assinado por todos nós. Os direitos autorais serão
da escola.
LUIS ALBERTO - E o que vamos fazer? Uma série?
GARCÍA MÁRQUEZ - Temos que decidir entre seis e doze capítulos. Tudo depende de como
vamos resolver a trama, e de como vamos contar a história. Mas não quero começar sem que
estejam todos presentes, principalmente
DOC -, embora eu tenha medo dele, pois é capaz de resolver a trama toda numa
manhã. Prefiro que não leiam o conto, que se chama Me alugo para sonhar. Esse enredo
poderia acontecer em qualquer cidade da América Latina. Posso adiantar isto: uma mulher
chega a uma casa, não sei ainda com que pretexto, e tem que dormir aí. A casa pertence a
uma família que nós temos que construir. Tudo acontece em torno deste encontro. O fato é
que ela, na manhã seguinte, no café da manhã, diz à menininha que não deve ir à escola
naquele dia. Conta que teve um sonho, que ela se aluga para sonhar e que, como dormiu
nessa casa, sonhou coisas referentes a ela. E acontece que o ônibus em que menininha vai
para a escola pega fogo bem naquele dia.
LUIS ALBERTO - Se a menininha morrer, tudo começa num tom trágico...
GARCÍA MÁRQUEZ - É verdade. Mas com esse princípio os espectadores ficam grudados na
cadeira. Além do mais, por causa disso a família não só não deixa a mulher ir embora como
a incorpora, e a cada manhã ela comanda o dia de todos. Sugiro uma família de seis, e que
em cada episódio ela destrua um, ficando com tudo no final. Talvez venha de muitas partes,
de muitas cidades onde já fez isso. Mas tudo tem que ser muito sutil. Quer dizer, que não
fique claro se ela sonha mesmo ou não. Temos um mês completo a partir de hoje.
Precisamos estabelecer o método de trabalho. Pelas manhãs definimos os capítulos e depois
vemos como eles serão escritos. O importante é saber em cada episódio qual dos
personagens terá sua vez, de forma independente.
ELISEO - Como nos Dez Negrinhos de Agatha Cristhie.
GARCÍA MÁRQUEZ - A primeira coisa é definir a escaleta: a escaleta é o grande
descobrimento da criação. Com ela toda história tem o número de capítulos que a gente
quiser.
ELISEO - Se for preciso, inventamos outro membro da família.
GARCÍA MÁRQUEZ - Isso é o que eu quero: usar deliberadamente todos os elementos
convencionais da telenovela.
LUIS ALBERTO - Um personagem tem que estar fora da família, um curioso deve ver que
alguma coisa acontece nessa casa...
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim, é preciso um adversário, alguém que diga: “Mas estão todos
loucos? O que essa mulher está fazendo nessa casa?”. Eu ainda não vejo como a mulher entra
na casa.
LUIS ALBERTO - Eu a imagino como uma mulher muito normal, como um desses
vendedores que são rejeitados, mas que inexplicavelmente entram e se sentam. Talvez não
chegue vendendo sonhos, mas qualquer outra coisa.
GARCÍA MÁRQUEZ - Não se deve saber nunca se realmente é sonho ou não. Não se pode dar
dados demais, e sim manter a ambiguidade. Também tive a ideia de que ela viesse com
uma maleta vendendo um produto, mas não quer dizer que essa seja a melhor saída. A ideia
tem que ser a mais natural possível.
MANOLO - E tudo tem que ser um sonho? Ela não pode ter também visões?
GARCÍA MÁRQUEZ - Não, não, não, ela não é uma adivinha. Os sonhos têm a vantagem de
que nunca sabemos se são verdade ou são mentira.
LUÍS ALBERTO - Como começamos?
GARCÍA MÁRQUEZ - Temos dois dias para cada episódio. Planejamos num dia e elaboramos
no outro. Vocês já têm no que pensar até amanhã.
SUSANA - Será melhor a gente começar a sonhar.
SEGUNDA JORNADA APONTAMENTOS DE DOC
Fomos alojados num apartamento vizinho ao de Gabo no edifício dos professores da Escola
de Cinema e TV de San Antonio de los Bafios. A escola formada por vários prédios pequenos
recheia um descampado sem graça e cercado de pés de cana. O local fica a mais ou menos
quinze quilómetros de Havana e, por isto, a administração me cedeu um carro de origem
soviética para minha locomoção. Um Lada, azul e simpático. Como a totalidade dos produtos
industriais em Cuba era importada do antigo Bloco Comunista, tivemos grande dificuldade
em nos entender com os aparelhos eletrodomésticos. Decifrar os manuais era inútil, tentar
manejar racionalmente os aparelhos uma temeridade. Nossa opção foi usar o método da
tentativa-e-erro que resultou de início numa catástrofe. A inundação total do apartamento
pela espuma da máquina de lavar húngara. Devo confessar que meu pior inimigo era o ar
condicionado tcheco. O maldito não tinha termostato e, portanto, não regulava o frio. Ou
melhor, só expelia uma constante massa polar siberiana que gelava até os ossos. Para
espanto de todos solicitamos mais cobertores. Na segunda jornada os participantes
começam a estabelecer as bases gerais do roteiro. A sedimentação dos conflitos e o
reconhecimento de onde e quando a estória vai acontecer. Também se inicia o processo de
composição dos personagens principais. Em outras palavras, da descoberta de quem vai
viver o drama. Chamo atenção para o uso de um velho truque na construção do personagem:
o exercício de visualizar um ator conhecido que hipoteticamente pode concretizar alguns
aspectos, físicos e psicológicos, do personagem que se está desenhando. Trata-se de uma
prática bastante usual, principalmente quando a criação ocorre em grupo.

QUINTA-FEIRA, 5 DE NOVEMBRO
DOC - Vamos ver, Andrés: me conta a história, por favor.
ANDRÉS - Chama-se Me alugo para sonhar. É sobre uma mulher que entra em uma casa onde
mora uma família de seis pessoas. Usando seus sonhos, ela acaba ficando com a casa inteira.
GARCÍA MÁRQUEZ - Nunca se sabe se ela está sonhando realmente. Não se sabe nada da sua
realidade, mas em cada capítulo ela elimina um membro da família.
DOC - Quantos episódios?
GARCÍA MÁRQUEZ - Quantos você acha?
DOC - Seis. Meia dúzia.
GARCÍA MÁRQUEZ - Ela vai usurpando os direitos de cada um...
DOC - Quem é essa mulher que sonha?
GARCÍA MÁRQUEZ - Não sabemos de onde vem. É estrangeira? Será que ela já fez a mesma
coisa várias vezes na cidade?
DOC - Quem se opõe a ela?
GARCÍA MÁRQUEZ - Ontem, a gente estava falando justamente disso. É preciso introduzir
alguém, uma tia, quem sabe? alguém que diga: “Mas o que está acontecendo nesta casa?”.
LUÍS ALBERTO - Além disso, a certa altura o pessoal da casa deve tentar resistir.
DOC - Onde seria? Saber a cidade facilita tudo. A gente trabalha tendo como base a situação
específica de uma cidade, com suas classes sociais fundamentais, com o que tem de
diferente. Tem de ser uma cidade grande. Não pode ser pequena, porque numa cidade
pequena todo mundo sabe de tudo da vida de todo mundo...
GARCÍA MÁRQUEZ - A Cidade do México, por exemplo. Vocês sabem que a cada ano entram
na Cidade do México um milhão de pessoas? Hoje em dia, são vinte milhões de habitantes. E
daqui até o fim do ano, vai chegar outro milhão procurando emprego. Imaginem quantos
sonhos qualquer um é capaz de inventar numa cidade assim!
DOC - Vamos trabalhar com interiores ou com interiores? Devemos ver se vamos ter, por
exemplo, uns 40 por cento d interiores e uns 60 d interiores...
GARCÍA MÁRQUEZ - Isso veremos depois, porque se não sabemos ainda o que acontece,
sabemos menos ainda o que acontece dentro ou fora.
DOC - É que temos de estabelecer os limites da produção.
GARCÍA MÁRQUEZ - Tratemos de não nos limitarmos mais do que nos limitaria um
produtor.
DOC - Com quantos atores vamos trabalhar?
GARCÍA MÁRQUEZ - Pense numa família. Eu não creio que até o final sejam mais de quinze,
ainda que sejam muitos os que passem por aqui...
SUSANA - Mas nos sonhos pode haver mais personagens.
GARCÍA MÁRQUEZ - Não, nunca vemos os sonhos.
DOC - Essa é a estrutura dramática, a forma dramática que você vai apresentar. Muito bem.
Então, quer dizer que não há sonhos.
GARCÍA MÁRQUEZ - E que nos filmes os sonhos quase sempre parecem muito elementares.
Sabe por quê? Porque os sonhos não podem ser filmados. Na literatura eles também são
difíceis. Têm que ser simples, mas quando são incluídos nos filmes, a tendência é complicá-
los mais ainda do que eles costumam ser de verdade. Em compensação, falar deles, contar
os sonhos, é mais misterioso do que os ver. Isso sim, que é uma maravilha: falar de sonhos.
Em todas as casas, quando existiam famílias, a conversa do café da manhã era sempre sobre
os sonhos. E aí você tem outra limitação: o momento chave de cada episódio é sempre o café
da manhã. Essa é a hora de contar os sonhos e de saber o que cada um vai ou não vai fazer
durante o resto do dia. No nosso caso, todas as decisões cotidianas acabam sendo tomadas
a partir dos sonhos dessa mulher.
LUIS ALBERTO - Estava pensando que se for para ser na Cidade do México, será ótimo,
porque essa é uma cidade que, vista de cima, não tem fim.
GARCÍA MÁRQUEZ - Por que não começar com um documentário sobre a Cidade do México?
ARTURO - Desse milhão de pessoas que chegam...
DOC - E esse documentário estaria dentro da história. Seria a primeira cena. Podemos
apresentar a família na frente da televisão.
GARCÍA MÁRQUEZ - Apresentar a família primeiro?
DOC - Temos três coisas para apresentar: a Cidade do México, a família e a mulher.
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim, uma cidade que já sabemos como é; e uma mulher e uma família
das quais não sabemos nada.
DOC - Eu proponho trabalharmos um pouco a mulher.
GARCÍA MÁRQUEZ - Sempre há uma coisa que ajuda muito: pensar em quem seria
intérprete do papel. Cada pessoa imagina o personagem de um jeito diferente. Quem
poderia ser? No mundo inteiro...
DOC - Irene Papas.
GARCÍA MÁRQUEZ - Irene é forte demais. Irene entraria e não diria que se aluga para
sonhar, mas: “Você para lá, você para cá, você vai para o caralho...”
LUIS ALBERTO - Eu a vejo como Meryl Streep, que parece frágil, a gente não poderia
imaginar que ela iria acabar controlando a casa.
ARTURO - Por causa dessa fragilidade ela até pode parecer sonhadora, mas não adianta, é
muito anglo-saxã.
DOC - Estamos confundindo fragilidade pessoal com fragilidade psicológica. Então... a
mulher tem 40 anos, e é branca.
SUSANA - Eu a imagino gorda. As mulheres gordas são muito esotéricas.
GARCÍA MÁRQUEZ - Digamos que não é magra. Vamos colocá-la no compartimento das
médias totais: meio velha, meio gorda, meio vulnerável, classe média. Ela necessariamente
tem que falar muito, porque senão ficamos sem ação. Aqui, as ações são as palavras. Eu não
creio que ela se destaque por ser muito faladora, mas nos permite armar diálogos nos quais
os assuntos sejam os sonhos, os mistérios, os presságios. O que ganha, não é por bondade
nem pela sua capacidade de sedução, mas praticamente pelo terror.
LUIS ALBERTO - Mas tem de haver um momento em que essa família sinta que a presença
dessa mulher é quase uma bênção, um bem.
GARCÍA MÁRQUEZ - Ora, é claro. Não esqueça que a mulher salva a vida da menina. Mas ela
é um mal necessário, é um mal bendito, se você quiser. Quer dizer, não deve ser
maternal, mas rude.
LUIS ALBERTO - O suficiente para contar sonhos terríveis.
GARCÍA MÁRQUEZ - Precisamos ter como princípio o seguinte: a profecia está sempre
cifrada, para que não se derrote a si mesma. A profecia se decifra depois, se esclarece por
completo. Eu não creio que ela conte os sonhos, mas que diga: "Sonhei que havia uma nuvem
negra no céu. Então, hoje você não deve fazer isso, não deve fazer aquilo”. Além disso, temos
de perguntar por que ela escolheu esta e não uma outra família qualquer, para podermos
saber como iremos movimentar a mulher. E tem mais: ela não chega exatamente a sonhar,
é uma outra coisa.
ELISEO - Ela sonhou com essa casa.
GARCÍA MARQUEZ Prestem atenção no que Eliseo está dizendo. Ela pode perfeitamente
chegar e falar: "Cheguei aqui porque sonhei que devia vir até esta casa”. Inventa que sonhou
que devia ir, porque é um anjo protetor mandado pela divina providência, e quando precisa
ir embora não a deixam ir, porque para a família é como se tivessem ganho na loteria. E ela
adverte: "Eu fico, mas pode custar caro”. E eles dizem: "Não importa”.
DOC - Não deixar a mulher ir embora deve ser a última cena do primeiro capítulo.
GARCÍA MÁRQUEZ - Mas, a essa altura, é preciso que já tenham acontecido muitas coisas.
Para isso temos que escolher uma família real.
ELISEO - Os personagens seriam típicos de uma família?
DOC - Marido, mulher...
GARCÍA MÁRQUEZ - É muito simétrico, tudo isso.
ELISEO - Um viúvo.
GARCÍA MÁRQUEZ - Que ofício ele tem?
DOC - Diretor de uma empresa.
GARCÍA MÁRQUEZ - Não sei não... Alguma coisa mais visual.
ALBERTO - E arriscada.
GARCÍA MÁRQUEZ - O que eu não quero é que ele fique num escritório, quero que faça um
monte de coisas.
ANDRÉS - A Bolsa de Valores
GARCÍA MÁRQUEZ - No México, a Bolsa é um desastre. E um drama para várias telenovelas.
ANDRÉS - Além disso, é preciso recordar que ele não é um empregado, ele tem uma fortuna.
SUSANA - Ele pode ser um político e, de repente, a mulher sonha coisas relacionadas com a
política, que é tão cifrada como os sonhos.
GARCÍA MÁRQUEZ - Isso é muito complicado. Necessitamos uma profissão original, visual e
de risco. Que não seja piloto, porque nós, que temos medo de avião, sempre achamos que
ser piloto é uma profissão arriscada, mas os próprios pilotos morrem de rir... Eu estava
escrevendo com Ruy Guerra o roteiro de A fábula da bela palomera, e um dos problemas era
definir o ofício do marido dela. Quando estávamos a ponto de desistir, ocorreu-nos que fosse
o clarinetista da banda do povoado. Isso resolveu tudo, porque ela e seu amante ficam
na cama enquanto estão ouvindo a música na praça, e quando a música termina ela sai
correndo para casa porque sabe que o marido vai chegar. É isso o que estamos procurando.
Quer dizer, algo que esteja realmente integrado à história e que se ouça, que se veja, que se
possa fotografar. O sujeito tem um s negócio grande que parece legítimo, mas não é. E por
isso que a mulher o escolhe, o descobre e o apanha.
MANOLO - Não pode ser policial?
GARCÍA MÁRQUEZ - Não, porque acabaria prendendo a mulher.
MANOLO - Narcotraficante.
GARCÍA MÁRQUEZ - Bem, já veremos, não podemos resolver tudo num dia. Mas a ideia é
que ele tenha seu ponto vulnerável para que ela o explore.
DOC - E se for uma família espanhola no México?
GARCÍA MÁRQUEZ - No México há muitos refugiados espanhóis. E o mais natural. Teria de
ser uma família de refugiados mais mexicanos que espanhóis.
DOC - E quem é a senhora que não mora na casa?
ELISEO - A irmã do chefe da família.
GARCÍA MÁRQUEZ Precisamos de um filho que trabalhe com ele, ou até que não trabalhe...
DOC - E que tenha quinze anos.
GARCÍA MÁRQUEZ - Então, quantos anos o homem tem? Quarenta? Quando é que a mãe
morreu?
LUIS ALBERTO - Morreu no parto da menina. Isso sempre acontece nas telenovelas.
DOC - Tem também outra filha...
SUSANA - De dezoito anos.
LUIS ALBERTO - Sim, uma adolescente.
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim, típica, e que ponha música nessa história inteira.
LUIS ALBERTO - Eu sinto que nos falta um par de personagens adultos nessa casa.
ARTURO - Gente que faça os serviços domésticos.
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim, porque é preciso ver também como ela mantém os empregados
perfeitamente controlados.
DOC - Não há nenhum outro homem adulto nessa família, além do pai?
GARCÍA MÁRQUEZ - Um filho do tipo executivo, de paletó e gravata.
DOC - Poderia ser um cunhado, mas acho muito complicado.
GARCÍA MÁRQUEZ - Então, que seja o próprio filho. O viúvo já entregou o negócio ao filho,
e agora empenhado em divertir-se com suas amantes.
ANDRÉS - Então, ele é bem mais velho.
GARCÍA MÁRQUEZ - O filho pode ter de 27 a 32 anos. Mas, então, quantos anos tem o pai?
De 48 a... 52? É gordo e tem um anel de diamantes e um cinturão com fivela de ouro.
DOC - E o filho, pode ser casado?
ANDRÉS - Não necessariamente.
GARCÍA MÁRQUEZ - O que existe é um chofer, desses choferes que se metem em tudo e que
são cúmplices dos patrões com suas amantes. Um motorista que leva e traz as amantes do
patrão. E um grave erro que ele comete, porque não sabe o que isso custa. Além disso,
precisamos que existam duas criadas, muito familiares.
SUSANA - Uma cozinheira e uma governanta.
GARCÍA MÁRQUEZ - Pode haver uma governanta que trabalha na casa desde os tempos em
que a mulher do patrão ainda estava viva. Que seja também protagonista, que sinta que
aquela que está chegando vai acabar substituindo a que morreu.
DOC - Essa governanta está doente, e por isso a casa precisa ter também a outra empregada.
GARCÍA MÁRQUEZ - E, então, a governanta pede à mulher que sonhe alguma coisa para
curá-la. Todos, inclusive a governanta, têm que depender da mulher que diz que sonha.
ANDRÉS - E se O chofer e a cozinheira forem casados, e ela estiver esperando um bebe?
DOC - E a cozinheira é filha da governanta...
GARCÍA MÁRQUEZ - Pode ser... Agora, como é o cenário da casa? A casa é muito importante.
Houve um momento em que eu via a história inteira dentro da casa, mas não é necessário.
Creio que é melhor arejá-la.
LUIS ALBERTO - Essa casa tem que ter uma personalidade, porque esse é o império que ela
vai ganhar.
GARCÍA MÁRQUEZ - Vamos fazer uma síntese. Temos a cidade, a família e a mulher. Então,
já podemos pensar em estruturar o começo.
DOC - Acho que a menina não deve morrer nesse acidente de ônibus. Ela sofre tremendas
queimaduras, e fica com o rosto coberto de faixas e ataduras até o fim do episódio.
GARCÍA MÁRQUEZ - Eu gostaria que esse acidente fosse um fato que, por razões estranhas,
desse certo... Muito bem: para nosso próximo encontro, vamos pensar em todas as
profissões possíveis para o viúvo. Quero uma profissão que tenha som, ou que seja muito
visual.
DOC - São dez personagens. Vejam como é cada um. E aos mexicanos que estão nesse grupo,
quero pedir que escrevam alguma coisa sobre a Cidade do México.
GARCÍA MÁRQUEZ - E que grande reportagem dá para escrever! A Cidade do México tem
uma grande vantagem para esta história, que é a mobilidade social. Pode-se ser de qualquer
origem, o mais poderoso de lá pode ter nascido em qualquer lugar... Qualquer um pode ser
qualquer coisa.
TERCEIRA JORNADA APONTAMENTOS DE DOC
Os participantes da Oficina tinham uma rotina muito dura. Sorte que estavam bastante
motivados, além de possuírem invejável disciplina. As sessões de trabalho começavam
pontualmente às nove horas da manhã. Gabo em questões de horários é mais rígido do que
o protocolo da Rainha da Inglaterra. A sala onde nos reuníamos era ampla, arejada e
centrada numa enorme mesa retangular atapetada de microfones. A princípio, todos muito
comportados, ficavam sentados ao redor da mesa. Gabo e eu, que somos irrequietos, nos
rebelamos. Passamos a caminhar e a utilizar o quadro negro que cobria uma das paredes. O
rapaz responsável pela gravação foi obrigado a convocar um assistente que passou a nos
perseguir com uma longa haste metálica, a chamada girafa, uma pequena grua de
onde pende um microfone. Eram quatro horas de trabalho com um cronometrado intervalo
para o café. As treze horas todos estavam liberados. Durante a tarde os participantes
escreviam os textos solicitados na sessão. Ao anoitecer Gabo e eu recebíamos cópias do
trabalho. Líamos e estudávamos o material separadamente. Nesta terceira jornada
batizamos os personagens. É essencial ter presente que o nome tem muita importância, na
medida em que oferece indicações preciosas para a construção do personagem: sua classe
social, caráter e tipologia. O que buscamos na configuração de um personagem é o seu
equilíbrio, as linhas de força que o compõem. Embora este equilíbrio não seja aquele que
normalmente se entende segundo os padrões convencionais. Aquilo que procuramos é
um ser humano com todas as suas complexidades atuantes e não uma marionete obediente.

SEXTA-FEIRA, 6 DE NOVEMBRO
SUSANA - “Estamos na maior cidade do mundo. Seus 20 milhões de habitantes têm uma
coexistência mais ou menos pacífica. Aqui não há guerra civil, mas existe a violência
espreitando atrás de cada porta. A Cidade do México tem o estigma da cidade do
conquistador; a província é a terra dos conquistados. A cidade é um ato de poder, objeto das
expectativas de todos. Nela está o governo, estão as prisões, uma grande porcentagem das
fábricas, a quarta parte da população do país. O terremoto abalou seu poder, diminuiu os
empregos, os serviços, a habitação; família inteiras de atingidos vivem num quarto, depois
de perder suas casas em segundos. Mas a cidade continua crescendo. Cada ano recebe um
milhão de pessoas procurando trabalho. Imagine-se a capacidade de invenção que têm os
desempregados para achar um meio de sobreviver. Há palhaços e engolidores de fogo, há
mulheres que se alugam para a cama e há mulheres que se alugam para sonhar.”
DOC - Você escreveu mais?
SUSANA - Pensei um pouco na casa e em alguns nomes.
DOC - O problema grave dos nomes é que às vezes são lugares comuns ou nomes diferentes.
Por exemplo: a doméstica não se chama Esperanza ou Digna, mas Vanessa... Devemos
ser criativos e pensar nos nomes conforme as personalidades.
SUSANA - O chefe da família poderia chamar-se Diego Morán; o filho, Julio Diego. A
cozinheira, Adelita. O filho do patrão pensa que engravidou a empregada, mas na realidade
foi o chofer. Mudei o sexo da menina: Rodrigo Morán tem sete anos e escreve cartinhas à
professora, dizendo que quer trepar com ela...
ANDRÉS - Eu, para a mulher que sonha, pensei em três nomes: Aura, Aurora ou Alma. Tem
alguns traços indígenas não muito marcados, quarenta anos, é obesa e tem um poder de
convicção muito forte. É como uma santa inocente que agarra as oportunidades em pleno
voo. A governanta é Gertrudes. Tem sessenta anos, pode morrer de um infarto no momento
em que sonha. Nunca tinha sonhado na vida, sonha com a mulher e morre. E virgem.
GARCÍA MÁRQUEZ - Isso está esperando ser demonstrado.
ANDRÉS - Félix é pecuarista, tem cinquenta e dois anos, de pele queimada pelo trabalho na
fazenda.
GARCÍA MÁRQUEZ - Que fazenda?
ANDRÉS - Onde cria touros. É algo obeso, pouco inteligente e não percebe que seu próprio
filho o engana nos negócios. É muito supersticioso. Seu filho Ángel é muito parecido
fisicamente com a tia; é um diabo enrustido, hábil e sumamente realista. Pura é a cozinheira,
uma indígena muito pura, que mistura bruxaria e religião. Alfredo é o chofer e um
estoico total, que vive às gargalhadas.
DOC - E você, Arturo, o que trouxe para a gente?
ARTURO - Trago algumas propostas de nomes... Para mim, o homem se chama Fabian
Resendis; a irmã solteira, Cristina ou Ernestina; Gerardo, o filho adulto; Yolanda, a filha;
Sergio, o filho pequeno; a cozinheira. Dona Petra; a criada, Clarita, e o chofer, Jorge.
DOC - E você, Manolo?
MANOLO - A mulher é Laura, astuta e oportunista. Parece bondosa, embora cultive uma
velha frustração. O viúvo Vicente inteligente para a trapaça, ciumento guardião da família e
recorda constantemente a falecida esposa. Amparo é a irmã de cinquenta anos, divorciada,
algo liberal. Mulher de coragem, respeitada por todos os membros da criadagem, não tem
filhos, é estéril. Maria del Carmen é sua sobrinha preferida. O filho é alegre e mulherengo.
Chega a observar Laura quando ela está nua e tenta possuí-la, mas Laura resiste e ele não
consegue. A governanta se chama Mercedes, tem vinte e três anos, é filha da cozinheira, está
grávida, mas não sabe se do filho do patrão ou do chofer.
LUIS ALBERTO - Eu acho que a irmã não pode ser solteirona, virgem nem estéril. Esta
mulher tem de ser uma oponente à mesma altura da sonhadora. A irmã saiu em viagem
porque quis, tem os amantes que deseja e é uma mulher de uma força tal que, quando
regressa, todo mundo sente que chegou a adversária. e que ela vai levar a melhor sobre a
mulher dos sonhos.
DOC - Vamos por partes. Primeiro, vamos revisar os nomes...
MANOLO - O que mais me agrada para o chefe da família é Diego Morán. Diego é comum no
México?
SUSANA - Não, não é comum.
DOC - Então, Diego.
GARCÍA MÁRQUEZ - Se é gordo, vaidoso, com anel de diamante no dedo e cria touros, acho
melhor que ele se chame Plutarco: Plutarco Morán. E se for Diego, tem de ser Dom Diego
Morán.
DOC - E a mulher? Alma...
GARCÍA MÁRQUEZ - Alma é muito bom. Eu a vejo muito alta, corpulenta e vestida toda de
um branco festivo, alegre, de rendas, assim meio provinciana, meio desajeitada.
DOC - O que vocês acham do nome?
ELISEO - Alma... está bem, é bom.
DOC - E a tia?
GARCÍA MÁRQUEZ - Gosto de Amparo, porque é como uma vingança.
DOC - E o filho adulto?
SUSANA - Gostei muito de Ángel.
ARTURO - Sim, Angel.
DOC - E a filha?
MANOLO - Maria del Carmen.
SUSANA - Maricarmen.
DOC - Como se chama o menino? Rodrigo, Rodriguito?
GARCÍA MÁRQUEZ - Não. Manolito.
LUIS ALBERTO - Isso: Manolito.
DOC - E a cozinheira?
LUIS ALBERTO - Eu imagino que no México os nomes indígenas sejam muito comuns...
SUSANA - Não. Poderia ser Chabelita, Lupe, Petra...
GARCÍA MÁRQUEZ - Os espanhóis na certa iriam chamá-la de Dona Petra.
MANOLO - Dona Petra.
GARCÍA MÁRQUEZ - Eu acho Dona Petra ótimo. Mas tem de ser gorda.
ARTURO - Sim, gorda e velha.
DOC - E doente... E a outra? Temos Esperanza, Pura, Clarita...
IVAN - Ela bem que podia se chamar Rosa.
SUSANA - Ou um nome composto, mais de telenovela...
GARCÍA MÁRQUEZ - Rosafina, um nome assim meio inventado... Rosafina.
DOC - E como se chama o chofer?
GARCÍA MÁRQUEZ - O chofer deve ser índio e o nome dele é Bismarck ou Washington...
SUSANA - Salvador.
DOC - Bem, pode ser que depois a gente perceba que para o chofer o melhor nome seja
Tonho... Gostei muito de Rosafina, mas também de Angel, de Dona Petra, Maricarmen
também...
GARCÍA MÁRQUEZ - E quando é que o drama começa? Para dar um pulo...
DOC - Tem de ser um dia especial, está acontecendo alguma coisa fora do comum. Para
começar um roteiro, isso é importante, pois é assim que apresentamos os personagens
numa situação dramaticamente viva.
GARCÍA MÁRQUEZ - Agora, precisamos dos passos dramáticos. Alma chega, conhece a
família, sonha que o menino não deve ir à escola. Seu grande sucesso é que o menino não
vai e se salva do acidente de ônibus em que morrem todos os seus colegas.
LUIS ALBERTO - Ele se salva porque foi o único que acreditou no sonho, e embora toda a
família ache que o menino entrou no ônibus, ele não entrou. E desse jeito, nós provocamos
um suspense.
GARCÍA MÁRQUEZ - Alma aparece com a maletinha, bem no momento em que isso tudo está
acontecendo. Os outros voltam e veem Alma. Então dizem para Alma ficar, e ela responde
que aquilo vai custar caro, e Dom Diego responde: “Não interessa. Eu pago”. Este é o capítulo
mais difícil...
DOC - Quando a gente estiver lá pelo quarto ou o quinto episódio, vamos precisar retornar
a este, porque então vamos ter também um maior domínio de como os personagens são e
como é que eles falam, e mudaremos muitas coisas.
GARCÍA MARQUEZ - Já temos os elementos dramáticos do primeiro. E um dia longo.
DOC - Temos que fazer uma escaleta, uma macroestrutura. Ou seja, saber mais ou menos
quais são os grandes passos dos seis capítulos: saber os pontos que vamos tratar aqui, para
saber se nossa curva é ascendente ou descendente. Temos que saber para onde vamos,
saber o que queremos alcançar.
LUIS ALBERTO - Se nós sabemos que o primeiro capítulo acaba quando ela se instala na
casa, podemos armá-lo e ele pode ir nos dando o ar do resto dos personagens, para ver até
onde podemos chegar sem a tia e onde vai fazer falta que ela entre. Me parece que, se
trabalhamos de maneira muito abstrata, perdemos a possibilidade de ter mais material. Por
outro lado, poderíamos ir ordenando esse caos.
DOC - Creio que devemos começar com organização. Quer dizer, com uma estrutura ...
GARCÍA MÁRQUEZ - O primeiro capítulo é só factual. Não há precedentes, não há futuro. E
só mostrar personagens e relações, ver o que acontece sem saber se é com ou sem segunda
intenções, até que Alma fica. O problema é o segundo capítulo. Todo roteiro tem um furo,
que aparece lá pela metade. A gente tapa e o furo aparece em outro lugar, e no fim a
gente acaba pondo um pouco de tinta em cima dele, para disfarçar. Mas o furo está lá, existe.
Se a tia entrar no terceiro capítulo, vamos ter outro furo no quarto, e é tudo a mesma coisa.
Talvez seja melhor a gente colocar no terceiro capítulo algum outro personagem que
ninguém conhece ainda.
ELISEO - De maneira geral, eu via o segundo capítulo assim: ela começa a dominar a casa e
ganha prestígio como sonhadora.
GARCÍA MÁRQUEZ - Mas no final desse capítulo ela precisa eliminar alguém.
ELISEO - Por que não vemos agora qual é o personagem que ela vai liquidando em cada
capítulo?
DOC - Claro, não podemos liquidar todos num só episódio.
GARCÍA MÁRQUEZ - E não se esqueçam de que ela sonha; dos sonhos se podem tirar muitas
coisas.
LUIS ALBERTO - Há um ponto que é chave na estrutura: quando ela deixa de ser uma santa
e se toma opressiva. Creio que deve ser no segundo capítulo, e que ele termine quando todos
perceberem que é preciso expulsá-la e não conseguem.
DOC - Esse é um ponto dramático importante, uma mudança de atitude da família, uma
rejeição.
GARCÍA MÁRQUEZ - No terceiro, talvez chamem uma pessoa para ajudá-los a expulsar a
mulher. No fim desse capítulo, quem acaba saindo é essa tal pessoa...
DOC - A conspiração contra Alma é um fracasso. Fechamos o quarto capítulo com a chegada
de Amparo.
GARCÍA MÁRQUEZ - Quando Amparo entra, já é outro filme. O que existe é só desolação e
desesperança, porque todos sabem que não conseguem expulsar a mulher que sonha.
Quando chegar o momento, saberemos o que fazer...
ANDRÉS - Mas se colocamos a chegada de Amparo no quarto episódio, perdemos a luta
contra Alma. Quer dizer, todos confabulam, acontece uma morte, todos ficam desnorteados
e aí sim, chega Amparo. Como uma salvação. Eu creio que o quarto episódio deve ser como
uma espécie de premonição para a chegada de Amparo, embora todos na casa saibam
que ela está vindo.
LUIS ALBERTO - Sim, o dormitório de Amparo pode se transformar no objetivo de Alma.
GARCÍA MÁRQUEZ - Se Alma não sabe quem é Amparo, no quarto capítulo chega um
telegrama. Alma o apanha e lê que Amparo está chegando no dia seguinte. Alma não tem a
menor ideia do que aquilo quer dizer, e então guarda o telegrama. No dia seguinte, na mesa
do café da manhã, ela diz que sonhou que alguém vai chegar. Aqui se insinua que os sonhos
podem ser mentira. Então, alguém diz que não pode ser, porque a única que poderia
chegar é Amparo, e que ela sempre avisa com um telegrama.
DOC - Eu acho que quando Amparo chega, Alma já entrou no quarto que estaria reservado
para ela.
GARCÍA MÁRQUEZ - Mas você acha que ela vai entrar?
DOC - Sim, acho que sim.
GARCÍA MÁRQUEZ - Eu creio que não... Isso desmoraliza muito Amparo, tira a sua força. E
um quarto lindo, completamente diferente do resto da casa. Amparo não quer nem saber de
touros, e muito menos de Alma. Amparo ganha a guerra, mas perde as duas primeiras
batalhas. E essa batalha é de morte. Aí fica sangrenta. Tem que existir um determinado
quarto no qual ninguém pode entrar.
ELISEO - É que esse quarto se transformará num símbolo que vai nos fazer falta no último
capítulo.
ANDRÉS - E por que Amparo o mantém fechado?
GARCÍA MARQUEZ - Aí está o poço secreto. Dona Petra é fiel a Amparo, é quem defende seu
quarto. Nesse quarto está a verdadeira personalidade da tia.
ELISEO - E a última imagem desse quinto capítulo deve ser ela no seu dormitório, quer dizer,
a imagem de seu domínio.
DOC - Eu prefiro finalizar o capítulo com as duas mulheres se olhando. São duas
protagonistas que devem ser mostradas num grande momento. Amparo deve chegar e olhar
a outra de uma maneira muito especial...
GARCÍA MÁRQUEZ - E cortamos aí até o dia seguinte.
ELISEO - Mas quem ganha no final?
DOC - Sinceramente, não sei.
GARCÍA MÁRQUEZ - Dentro da lógica que nós traçamos, deverá ser Alma, porque se Amparo
ganhar, não interessa a ninguém. E eu acho que as pessoas vão ficar do lado de Alma.
LUIS ALBERTO - É que as pessoas preferem os vilões.
GARCÍA MÁRQUEZ - Temos quase um mês para falar disso. Mas eu estava pensando que o
final lógico é que Alma vá embora porque tem outra casa em vista.
DOC - E melhor. Eu pensava que Alma saía de casa.
MANOLO - Mas só depois de ter expulsado Amparo.
GARCÍA MÁRQUEZ - Depois de ter se apoderado de tudo, sai da casa, fecha a porta e a
primeira cena volta a se repetir.
LUIS ALBERTO - Esse é o epílogo. No clímax, Alma expulsa Amparo e depois se dá ao luxo
de ir bater em outra porta.
GARCÍA MÁRQUEZ - Também poderia começar com uma pessoa diferente...
DOC - A mesma cena, mas com outra mulher?
ELISEO - Pois é, com Amparo, que aprendeu o truque de Alma.
QUARTA JORNADA APONTAMENTOS DE DOC
Passamos o fim de semana em Havana. O embaixador do Brasil em Cuba, o queridíssimo
ítalo Zappa, nos ofereceu um caprichado almoço. Comemos maravilhados. O prato principal
consistia na mais autêntica das lasanhas. Receita de gerações da família Zappa. Lasanha
repleta de carinho já que o próprio embaixador preparou inclusive a massa. Em resumo,
também a arte de receber com cortesia e elegância nasce de um conjunto muito singelo: ser
verdadeiro e simples. E quando Gabo diz nesta quarta jornada que todas as propostas
criativas devem a princípio ser simples, ele está coberto de razão. E acrescenta: é como se
estivéssemos começando a criar o mundo, depois a partir desse mundo fazemos tudo. Creio
que esta frase serve como definição poética da chamada estrutura dramática, ou escaleta.
Etapa da construção do roteiro que é discutida nessa sessão. A estrutura é a fragmentação
da estória em momentos e situações dramáticas que mais adiante irão se converter
em cenas. Esta fragmentação feita pelo roteirista segue uma ordem consequente com as
necessidades do drama. É o “como” comunicaremos nossa estória ao público. “Ponto de
partida" é o nome que se dá às primeiras cenas de um roteiro. A abertura do drama é um
dos instantes fundamentais do espetáculo, visto que nas cenas iniciais, os personagens
implicados apresentarão o problema que será resolvido no final. Um problema mal
apresentado leva à confusão durante o desenrolar da estória. Como vários participantes
apresentaram seus pontos de partida, tivemos que escolher um. O mérito da escolha é
encontrar o início que mais serve aos propósitos da estória. E que nem sempre é o mais
exuberante.

SEGUNDA-FEIRA, 9 DE NOVEMBRO
DOC - A melhor maneira para armar a estrutura global é que cada um de nós leia suas notas,
e depois vamos tirando os pontos mais importantes dessas anotações. Comece
você, Susana.
SUSANA - Eu trouxe duas escaletas, porque não consegui gostar das escaletas dos touros...
GARCÍA MÁRQUEZ - E eu que tinha pensado que o defunto do terceiro capítulo tinha sido
morto por um touro!
SUSANA - Bem, fiz uma escaleta sem touro, e outra com touro. O começo é aquele que nós
combinamos. Dia, cidade e família reunida em volta da mesa. Enquanto Alma caminha
pela rua, a família toma o café da manhã e vê televisão. Manolito está fazendo anos e,
portanto, é também aniversário da morte de sua mãe, que morreu no parto.
GARCÍA MÁRQUEZ - Precisamos ter cuidado com as coincidências.
SUSANA - São muitas?
GARCÍA MÁRQUEZ - Em qualquer momento podemos dizer que a família não sabe se dá uma
festa ou se vai ao cemitério, porque Manolo sofre com seus aniversários, já que coincidem
com o aniversário da morte de sua mãe.
DOC - Susana, por favor, descreva cada cena em sua locação.
SUSANA - A primeira cena é Alma, caminhando com sua maleta pela cidade. A segunda cena
acontece na copa, com a família tomando o café da manhã e dando o presente ao menino:
uns chifres de touro. A família está vendo televisão. A terceira cena é na rua, com Alma
olhando várias casas. Quarta cena: a família escuta a campainha e Rosafina vai abrir, seguida
pelo menino com os chifres, que ataca Alma. Na quinta cena, estamos fora da casa, e Dom
Diego pede desculpas a Alma, convidando a mulher a se recuperar dentro de casa.
DOC - Quem é o próximo?
LUIS ALBERTO - Eu penso numa entrada na casa diferente: ela não diz a que vem. Uma grua
industrial enorme carrega um presente imenso, embrulhado em papel rosa brilhante, com
um gigantesco laço azul. Põe o presente junto à fonte do jardim. Maricarmen aparece na
janela para ver seu presente e, quando caem os laços e o papel, é um Mercedes Benz cor-de-
rosa. Olham para o carro e, quando abrem a porta, Alma está dormindo lá dentro. E tem
mais: ninguém consegue acordá-la. Quando já estão desistindo, Alma se levanta e diz: 4tBom
dia”. É uma coisa muito louca, e eu gosto dessa imagem dela entrando na casa embrulhada
em papel de presente.
DOC - Explica como seria isso ...
LUIS ALBERTO - Créditos e apresentação tipo documentário: cai a noite sobre a Cidade do
México, cidade enorme, gente anônima. Alma caminha pela rua com sua maleta, seguida por
gatos. Ela senta num banco, na frente de uma luxuosa agência de automóveis, e terminam
os créditos. A próxima cena é no dia seguinte, como descrevi. Quando Alma acorda, Dom
Diego a manda ir embora.
GARCÍA MÁRQUEZ - O problema dessa abertura é que modifica completamente o estilo
previsto, muda a própria natureza da série. A partir daí, temos que continuar a subir, porque
você arrancou de muito alto. Esse é o problema desses filmes que têm prólogo antes dos
créditos. Geralmente a gente lembra que a melhor cena foi a primeira, e depois não há nada
a fazer com os personagens. Para mim, o que está claro é que ela chega por causa do
aniversário.
DOC - Eu acho que desse jeito está muito rápido, e não temos uma apresentação, uma
identidade de Alma. Se continuarmos assim, não teremos contraste com a realidade. Eu a
vejo mais como a doceira que vem fazer o bolo para o menino. E quando fala com Rosafina
é que sai a questão dos sonhos.
GARCÍA MÁRQUEZ - Mas então é preciso ter uma empresa que presenteia seus clientes com
um bolo no aniversário. A empresa não entrega: manda uma pessoa, que chega na casa com
todos os ingredientes para fazer o bolo. Assim, Alma chega, bate na porta e explica o que
está fazendo ali. Por isso, tem muita gente ajudando na cozinha, e ela fala dos sonhos de uma
maneira casual, enquanto alguém bate os ovos, alguém faz outra coisa, e assim o dia passa.
Enquanto ela prepara o bolo, acontece o primeiro episódio. De noite, quando o bolo já está
pronto e começa a festa, ela não vai embora. E é daí que podemos avançar. Como entrada,
me parece bom, porque é casual, mas perfeitamente preparada... Esta mulher é mais
simpática do que havíamos previsto... Sabe tudo de relações públicas!
DOC - E você, Manolo?
MANOLO - Eu coloquei o seguinte: no café da manhã. Dom Diego comenta um telegrama de
sua irmã Amparo, que mora nos Estados Unidos. O telegrama diz que, por causa da queda
do dólar, os negócios não vão muito bem.
GARCÍA MÁRQUEZ - Isso reduz o impacto do telegrama que anuncia a chegada de Amparo,
que é definitiva na obra.
MANOLO - Daí passo à porta da casa. Petra abre e entra Alma explicando que vem por causa
do classificado que está no jornal, pedindo uma criada. E que Dona Petra oculta a
gravidez de Rosafina. Dona Petra entra, começa a falar com Dom Diego. Na televisão, Alma
se vê dentro da multidão.
GARCÍA MÁRQUEZ - Alma por fora e por dentro... Olha, no princípio todas as propostas têm
de ser muito simples. E como se estivéssemos começando a criar o mundo. Depois, a partir
desse mundo é que vamos fazendo tudo. Não se pode supor que uma senhora com a filha
grávida a faça passar por enfermeira para disfarçar a gravidez. Primeiro, é preciso
estabelecer quem é doméstica e quem não é, qual é a mãe e qual é a filha. Senão, armamos
uma grande confusão. O que o espectador quer saber primeiro é que filme estão contando.
Por isso, é preciso ir diretamente ao filme que vai ser contado, porque se a gente se meter
em outro tema, imediatamente esse tema ocupa as atenções e dá a impressão de que esta é
a história que vai ser contada, e isso arma cada confusão... Acho até que a gente pode armar
confusão mais adiante, quando todo mundo souber quem é quem, quais são as relações das
pessoas. Mas agora tudo tem de ser muito simples. A televisão é ligada e vemos Alma na tela,
estou de acordo, e depois vemos Alma fora, o espectador a identifica e, se for uma atriz
conhecida, sabe que é a protagonista. Em tudo o que escrevo há um momento em que paro a
ação e há um sujeito que conta o filme e diz: “Olhem, o que estamos dizendo aqui é isto e
isto”. Assim, ninguém se perde. Por isso é necessário um momento em que Alma chegue e
explique: “Olhe, estou aqui porque sou da fábrica La Rosa e temos uma promoção pela qual
fazemos o bolo de aniversário dos nossos clientes, com nossos ingredientes, porque os
ingredientes são muito importantes. Veja este ovo. Não creia que é um ovo qualquer. Este é
um ovo de galinhas que nós criamos especialmente.”
SUSANA - Então, o slogan da empresa tem de ser: “Bolos caseiros feitos em casa”.
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim, e que a mulher diga: “A farinha? Não pense que é uma farinha
qualquer...”. Assim, primeiro temos a apresentação de um personagem que é feito um
prestidigitador, tirando coisas da manga... A propósito, vocês não pensaram que mais
adiante Dom Diego pode se casar com Alma? Ele é viúvo, precisa de mulher, é possível que
se case. Pode ser que tente casar-se e a gente não saiba nunca se é para neutralizá-la, ou se
no fundo é uma manobra dela para ficar com tudo.
DOC - Você, Ivan.
IVAN - Bem, eu não começo com um documentário, mas com um desses programas imbecis
que costumam existir de manhã nas televisões, onde dão os parabéns para quem faz
aniversário nesse dia.
DOC - Sim, sim, com uma linguagem eufórica, como se fosse para levantar o ânimo a essa
hora do dia. Deve ser um desses programas!
IVAN - Bom, no jardim dos Morán, Salvador está tirando a correspondência da caixa do
correio, e entra na casa.
GARCÍA MÁRQUEZ - No jardim deve estar acontecendo alguma coisa.
MANOLO - Estão decorando, para a festa de aniversário.
GARCÍA MÁRQUEZ - Estão enterrando ou desenterrando algo! Precisamos ir batendo com
força, acertando golpes. Um morto, ou coisa parecida.
MANOLO - As cinzas da mãe. Não pode ser?
GARCÍA MÁRQUEZ - A não ser que a mãe esteja enterrada no pátio.
MANOLO - Há famílias que guardam em casa as cinzas dos mortos.
GARCÍA MÁRQUEZ - Isso é normal.
IVAN - Alma chega no momento em que Manolito sai com Rosafina. Alma se aproxima do
menino e quer tocá-lo no rosto, mas Manolito se afasta. Alma diz para ele não se
assustar, que ela veio para ajudar, e pergunta: 44 Você não quer ir à escola, não é? Tem
razão, não vai não. Eu também não quero que você vá”. O menino sai correndo,
aparentemente entra no ônibus, e Rosafina se vira para a mulher perguntando:
“Posso ajudar?”. Alma responde que ela só veio para prevenir sobre um perigo. Rosafina
pergunta como é que ela soube, e Alma responde que sonhou. Rosafina diz, então, que se
aquilo era tudo, todos estavam informados. Fecha a porta, e Alma fica no jardim esperando
o regresso de Manolito. Na casa, com a informação dada por Rosafina, tudo se transtorna:
Petra fica nervosa, Maricarmen quer fazer uma consulta sobre um sonho.
DOC - Gosto muito dessa história: a casa muda, a partir dessa chegada.
GARCÍA MARQUEZ - Muda tudo, mas é bom. Isso permite que se Dom Diego tiver que viajar
nesse dia, não viaje, com medo de que o avião caia. Acho que funciona assim. Acho que
esta estrutura é melhor que a do bolo. A do bolo é mais divertida, se você quiser, mas esta é
mais direta, parece mais com a história que estamos montando. Também pode ser que não
deixem a mulher entrar. Na história original, ela bate na porta e diz: “Eu me alugo para
sonhar”, e alguém responde: “Não, não, não, obrigado”.
IVAN - Depois, a ação se transfere para o quarto de Maricarmen. Rosafina arruma a cama,
Dona Petra entra com um refresco, Maricarmen comenta que fazia tempo que naquela casa
ninguém falava de sonhos. Enquanto isso, Alma dá voltas no jardim.
GARCÍA MÁRQUEZ - Continuamos assim, com Alma sem entrar?
DOC - Não deixem a mulher entrar. É uma louca. Dom Diego diz: “Rosafina, dê algo de comer
a esta mulher”.
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim, muito nobre... Como é o jardim? Tem uma grade cercando?
IVAN - Sim.
GARCÍA MÁRQUEZ - Então, Dom Diego manda pôr a mulher para fora do portão. Mas antes
que isso aconteça, ela contou o sonho a Rosafina, e Rosafina contou-o para a mãe. Quando
estão conversando no quarto de Maricarmen, Rosafina conta que ela disse ter sonhado com
agulhas, e que seu filho seria homem. Eu acho que é Dona Petra quem faz Alma entrar,
para que Alma conte os sonhos. Quando Diego volta, se escandaliza, porque Alma está ali
apesar das suas ordens para mandá-la embora. Quando vai expulsar a mulher aos
empurrões, acontece a história do ônibus.
IVAN - O menino tomou o ônibus.
GARCÍA MÁRQUEZ - O menino sobe ou não sobe no ônibus? Essa história do espectador
pensar que subiu e o menino não ter subido é um truque gasto. Rosafina deixa que o garoto
embarque. Enquanto ele está na escola, ninguém acredita em Alma, até que chega a notícia
do ônibus... Eu acho que o menino deve morrer e ficar despedaçado, decapitado.
LUIS ALBERTO - Mas se isso acontecer, depois será difícil introduzir subtramas com um
toque mais leve.
GARCÍA MÁRQUEZ - Está bem, o menino fica levemente ferido, mas algum outro menino do
ônibus morre. E Maricarmen?
DOC - Maricarmen tem que ir ao cemitério.
GARCÍA MÁRQUEZ - E o menino não quer ir ao colégio. Seria terrível se ele dissesse: “Eu não
quero ir à escola, quero ir ao cemitério”. Ele sabe que a mãe morreu de parto. Quando
Alma diz para ele não ir à escola, fica no ar a ideia de que o menino vai morrer. Por isso é
bom que não morra, já que todo mundo acha que ele vai morrer. E Dom Diego não toma o
avião.
DOC - Esta é a última cena.
GARCÍA MÁRQUEZ - A última do primeiro capítulo. Intervalo para comerciais. Acho que
devíamos acabar esta parte, porque com ela pronta, o resto pode ser feito por todos, em
conjunto. Então: Dom Diego tem que viajar, levando apenas uma pasta de executivo, porque
volta no mesmo dia. Tem que ir a Monterrey. Mas não chega a tomar o avião. Alma deve
falar alguma coisa, para que ele diga que ela está louca. Mas no carro, a caminho do
aeroporto, ele fica pensativo. Quando está para entrar no avião, se arrepende e volta. Chega
em casa e encontra Alma... Sim, sim, ele vai terminar casando-se com ela, isso não tem
remédio. Desistir do avião entra nessa história com muita força.
DOC - Como vamos fazer? Alguns escrevem umas cenas, e outros fazem outras?
GARCÍA MÁRQUEZ - Não, isso seria uma carnificina!
DOC - Eu acho que devíamos nos dividir: a metade faz 15 cenas e a outra metade, a escaleta
dos próximos quinze minutos.
GARCÍA MÁRQUEZ - Quantos dias ainda temos?
SUSANA - Uns treze dias.
GARCÍA MÁRQUEZ - São cinco dias por semana. Digamos doze. Se são doze, estamos bem. E
preciso fazer um capítulo a cada dois dias.
LUIS ALBERTO - Tem uma coisa que a gente perdeu nessa estrutura: o fato de que ela deve
sonhar com coisas da família, na casa. Tem que ir até lá para sonhar essas coisas.
GARCÍA MÁRQUEZ - Ela se instala na casa só com um sonho. Esse sonho funciona para o
avião, para o ônibus, para tudo. O importante é estabelecer como é que ela permanece na
casa.
ELISEO - Quando Dom Diego sair do aeroporto, poderia passar pela escola para pegar
Manolito, e assim salvá-lo. Todo mundo tem a sensação de que esta mulher salvou os dois,
mas na realidade nunca aconteceu nada — nem no ônibus, nem no avião.
GARCÍA MÁRQUEZ - Ele procura o filho, se vocês quiserem. Mas o ônibus explode, sim. E
todo mundo que está no ônibus morre, menos Manolito, porque Dom Diego o apanhou.
DOC - Sim, o ônibus traz todos os meninos para a festa. Não sei como é no México, mas no
Brasil sei que se minha filha disser “Papai, amanhã é a festa de Mariquita”, o ônibus não vai
trazê-la para casa, mas vai levá-la até o aniversário de Mariquita. Depois, às oito e pouco, eu
tenho que ir buscá-la na casa de Mariquita. E pronto.
GARCÍA MÁRQUEZ - Assim está bem. Então, morrem todos os outros meninos.
SUSANA - Mas isso não deixa Manolito com uma culpa inconsciente, já que todos os meninos
que morreram estavam indo para o seu aniversário?
GARCÍA MÁRQUEZ - Ora, ele que se dane! Fica traumatizado, só isso.
DOC - Como vamos fazer?
GARCÍA MÁRQUEZ - Façamos uma coisa: todos os dias, quem apresentar o projeto que for
aceito fica encarregado de escrever.
ANDRÉS - Mas trabalhamos juntos ou separados?
GARCÍA MÁRQUEZ - Como vocês quiserem, façam as equipes como quiserem.
QUINTA JORNADA APONTAMENTOS DE DOC
Não há coerência. Os participantes mudam de opinião, abandonam ideias, posições e até
voltam atrás. E assim o processo de criar, a raiz do livre pensar. Da imaginação. Nesta sessão
até Gabo recua na importância que dava ao ritual do café da manhã em família abrindo cada
episódio. E interessante como em frações de segundos situações dramáticas perdem valor,
e até existência, enquanto outras jamais planejadas surgem para reinar definitivamente na
estória, no roteiro. Depois de quase uma semana de trabalho, da euforia inicial, nota-se que
já existe uma espécie de cansaço criativo por parte de todos. Processo bastante natural que
não devemos temer, simplesmente não devemos deixar que o cansaço se transforme em
desânimo. Nesta sessão os participantes basicamente buscam situações de conflito que
serão expostas no primeiro episódio. E sempre bom recordar que conflito designa a
confrontação entre forças e personagens através da qual a ação se organiza e vai se
desenvolvendo até o final. E o cerne, a essência do drama. Etimologicamente, drama, do
latim “drama", por sua vez do grego “drama", “dráo", “eu trabalho", significa ação. Sem
conflito, sem ação, não existe drama. A famosa frase de Shakespeare “ To be or not to be,
that is the question" (Ser ou não ser, eis a questão), que encontramos na muito conhecida
primeira cena do terceiro ato de Hamlet, é genial porque sintetiza em poucas palavras o
mais profundo conflito do homem, igualmente enunciado por Racine: “ Je ne sais pas oíi je
vais, je ne sais pas ou je suis" ( Não sei onde vou, não sei onde estou ). Passei a convidar
separadamente cada um dos participantes para jantar comigo. Sem conflitos não encubro
minha curiosidade de conhecê-los melhor.

TERÇA-FEIRA, 10 DE NOVEMBRO
SUSANA - Sete da manhã. Imagens de veículos que esperam o sinal abrir, de aglomerações
de pessoas, carros que se movem freneticamente, uma feira de rua em que pessoas variadas
ganham tostões vomitando fogo, atirando-se sobre tapetes de vidros quebrados, mostrando
velhas danças astecas. Com “Las mananitas” como tema do programa, o locutor diz: “Nada
melhor que cantarmos parabéns aos aniversariantes que nos sintonizam. E você, Loly, já
pensou quantos aniversariantes haverá numa cidade de 20 milhões de habitantes? Pois
nossas saudações, nossos votos de felicidade, vão para todos eles. Bem, amigos, é hora de
despertar, e para aqueles que saem para correr, recordamos que é melhor desistir, por
causa da poluição ambiental”. Outra locutora diz: “Esta manhã também estamos em festa
porque há poucos minutos nasceu a menina do milhão, ou seja, já não somos 20, mas 21
milhões de habitantes nesta grande metrópole!”
GARCÍA MÁRQUEZ - Está indo muito bem.
SUSANA - Interior da casa dos Morán. O amplo jardim da frente cercado por grades de ferro.
Na grade há uma caixa de correio, que diz: Família Morán. Salvador, o chofer de 45 anos,
examina a correspondência e caminha até interior da casa, enquanto escuta o noticiário: “E
não apenas por nascimentos, mas também por migração. Vocês imaginam o tempo e o
trabalho que nos custa cumprir o compromisso com os telespectadores, para chegarmos a
tempo para este programa? Os engarrafamentos são cada vez piores, as passeatas fazem
com que eles fiquem ainda mais graves, e além disso os desempregados atacam o pobre
motorista em cada sinal fechado. Interior da casa dos Morán. Imagens de multidões na
televisão, onde se destaca uma mulher que se aproxima da câmera e depois passa, deixando
no fundo um homem que cospe um fogaréu: a mulher é Alma. O locutor diz: “Falamos de
desempregados, não de desocupados, porque de alguma forma neste país todos têm alguma
ocupação, como mostram essas imagens. E hoje temos uma surpresa. Amigos
telespectadores, ganhem um milhão de pesos escrevendo para a nossa caixa postal
dizendo qual é o emprego mais original para a menina do milhão!” Na copa, Dom Diego lê
os jornais. Maricarmen entra, coloca um brinco na orelha e cumprimenta Dom Diego, que
deixa os jornais e diz em tom enérgico que não sabe o que acontece nessa casa, porque
ninguém levanta cedo. Dona Petra serve o café da manhã e Dom Diego diz: “Para com isso,
vá para a cama, a senhora está doente”. Petra responde que não pode ficar na cama porque
é o dia do aniversário de Manolo. Ángel entra apressado, diz “bom dia”, e senta. Rosafina
entra com Manolo, que está vestido com o uniforme escolar. A família reunida aplaude a
entrada do garoto e canta “Parabéns”. Rosafina informa Dom Diego de que Manolo não quer
ir à escola, quer ir ao cemitério. Dom Diego se exaspera e diz a Rosafina que desligue a
televisão, que ninguém consegue falar com esse barulho. Rosafina desliga. Dom Diego se
dirige a Manolo: “Nada disso, Manolito. Já conversamos sobre esse assunto. Ao cemitério
vão os adultos; você, para a escola.” Dona Petra se retira para um canto e enxuga uma
lágrima: “Pobre menino diz, perdeu sua mãe ao nascer”.
DOC - O que vocês acham?
LUIS ALBERTO - Eu continuo imaginando um começo muito mais estranho. Sinto que o
início deve ser tão insólito como o personagem que vamos apresentar, que é capaz de chegar
e dizer: “Eu me alugo para sonhar”.
ANDRÉS - Pois eu acho que Alma chega muito rápido, e o mistério se perde um pouco. Quer
dizer, tudo parece muito planejado.
ARTURO - Acho que é importante colocar aspectos cotidianos que definam melhor os
personagens. Sinto que fazem falta.
DOC - Para mim, esta parte está bem-feita, mas a informação é muito didática. A gente deve
colocar a informação através de situações dramáticas.
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim, eu também acho. Dom Diego parece um locutor. Ele próprio está
dizendo as coisas ao espectador. Por exemplo, diz a Dona Petra que ela está doente. Teria
que assombrar-se e dizer: “E esse milagre? Por que não está deitada?” Que seja casual. A
mesma coisa com o cemitério, que além disso não fica claro. Se a história não for esclarecida,
as pessoas se perdem, ficam pensando: por que o menino quer ir ao cemitério? O espectador
se distrai e depois não sabe quem foi que disparou o tiro. Os diálogos devem ser
informativos, mas ao mesmo tempo dar o caráter dos personagens, uma atitude, um estado
de ânimo. Eu ando contra esse café da manhã há algum tempo, porque depois vamos
necessitar muitos cafés da manhã quando Alma se instalar e falar dos sonhos. Inclusive há
uma superstição, que diz que os sonhos, para que se realizem, têm de ser contados antes do
café.
DOC - Além do mais, acho que a cena está curta.
GARCÍA MÁRQUEZ - Acontece que não há cena. Os personagens não estão fazendo nada.
Acho que ela chega quando eles vão sair.
ARTURO - Tudo tem que ser muito cotidiano, para que quando Alma entrar, seja sentida
como elemento perturbador. Tudo muito vivo, como forma de conhecer os personagens
mais por gestos que por diálogos.
GARCÍA MÁRQUEZ - E por que vamos conhecer os personagens através de Alma? Rosafina
sai com o menino e o embarca no ônibus. Fica fora, e sai o dono da casa. Acho melhor fazer
que todos saiam, e que a gente conheça a casa por dentro quando Alma entrar. E uma forma
de movê-la mais. E que, decididamente, esse café da manhã é um desastre. Como continua?
IVAN - Interior, casa dos Morán. Diante da casa um ônibus escolar toca a buzina. Um
jardineiro ancião sai carregando um saco, que deposita na calçada. Alma se aproxima da
casa, para na frente da porta e entra no jardim. Da porta principal saem Rosafina e Manolito.
Alma chega perto do garoto estendendo a mão para tocar seu rosto com familiaridade. O
menino recua. Alma diz: “Você não está querendo ir à escola, não é?” Rosafina
conduz Manolo pelos ombros e continua o caminho. Alma prossegue: “Tem razão, hoje é seu
aniversário. Eu também não quero que vá”. Rosafina olha a mulher, assustada. Manolo se
solta, corre para a rua e sobe no ônibus. Alma grita: “Manolo, não vá”. Rosafina recupera a
altivez e diz: “Pode-se saber o que a senhora está querendo?”. Alma responde: “Só vim
preveni-lo”. Rosafina pergunta do quê, e Alma acrescenta: “De algo muito mau. Não sei o
quê, mas sei que é mau”. Rosafina então diz: “E como a senhora o soube?”. Alma: “Sonhei”.
Decidida, Rosafina dirige-se à porta principal e a segura para fechá-la, dizendo: “Se era só
isso, já estamos informados”. Alma detém a porta com a mão, se faz misteriosa e diz: “Sonhei
com agulhas flutuando na água. Será homem”. Rosafina fecha a porta com
medo. Maricarmen, da janela do seu quarto, observa Alma no jardim. Alma reage como se
buscasse o olhar que a observa e dirige a vista para o quarto de Maricarmen, que se esconde
um pouco/* atrás da cortina. No jardim aparecem Dom Diego, Angel e Salvador. Salvador
abre a porta do carro para que Dom Diego entre. interrompido por Alma, que pergunta a
Dom Diego: “Vai viajar? Hoje um pássaro cheio de sangue voará para baixo. Cuide-se.”
MANOLO - Tenho a continuação... Os três homens se olham, espantados. Dom Diego, com
um leve gesto, manda Salvador retirar a mulher da residência. Salvador a toma pelo braço
e diz: “Por favor, senhora, tenha a bondade”. Alma se deixa conduzir, mas não tira os olhos
de Dom Diego. Ele evita esse olhar. Ángel sobe no banco dianteiro do carro, Dom Diego fecha
a porta traseira e espera. Salvador regressa e põe o carro em marcha. O jardineiro fecha o
portão de entrada.
GARCÍA MÁRQUEZ - Como princípio, está melhor que o do café da manhã. Sobra a história
da gravidez, porque fazer três presságios logo de saída é demais. Os diálogos, a gente revisa
depois. A história do menino é muito casual. Já a de Dom Diego é mais enfática.
DOC - Acho que o diálogo com Dom Diego deve ser mais concreto. Ele deve dizer: “E uma
louca”.
GARCÍA MÁRQUEZ - “O que a senhora está fazendo aqui dentro? Como é que deixaram a
senhora entrar?”
DOC - E ela responde: “Não senhor, espera um momento: eu tenho trabalho. Eu me alugo
para sonhar.”
GARCÍA MÁRQUEZ - Espera... Ela não diz nada a Rosafina, mas Rosafina ouve os dois
diálogos. Vai então ao dormitório de Dona Petra e conta o que está ocorrendo lá fora. Petra,
como todo doente, está esperando que chegue a divina providência. Interessa-se pela
mulher que poderia trazer o remédio para seus males, e é quem quer fazê-la entrar.
MANOLO - Nós achávamos que quem fazia a mulher entrar era Maricarmen, porque Petra
poderia ser a primeira contra figura da casa...
LUIS ALBERTO - Eu não vejo nenhuma contradição nisso. Dona Petra pode fazer a mulher
entrar, e uma vez lá dentro, percebe que Alma é um perigo para sua posição e então se
converte em sua opositora.
GARCÍA MÁRQUEZ - Mas só depois. E além do mais, ela coloca a mulher na cozinha.
LUIS ALBERTO - Isso.
GARCÍA MÁRQUEZ - Agora Alma é a bruxa providencial que chega para curá-la de uma
doença sem remédio, e o que temos é o seguinte: não sabemos que doença é essa.
LUIS ALBERTO - Acho que falta uma atividade para Alma, algo que ela tinha quando era a
mulher do bolo, falava qualquer coisa e de repente soltava as premonições.
GARCÍA MÁRQUEZ - Temos de ir passo a passo. O personagem vai se revelando, vai se
abrindo. O que acontece é que não estão resolvidos os diálogos nem as situações, mas acho
que o mecanismo é bom, até terminar dentro da casa. Não esqueça que o homem não vai
subir no avião, que o ônibus do menino vai se arrebentar. Esses inícios escalonados são
melhores do que começarmos com algo espetacular. Se ela faz o bolo, depois não temos nada
que fazer com ela. O café da manhã poderia ser visto de fora, ela o vê pela janela. O que não
é suportável é vê-los falando da situação ao redor da mesa. A televisão pode estar ligada ou
não, ou trouxeram a televisão para escutar o horóscopo dos que aniversariam nesse dia;
isso não importa. Nesse momento já se sabe que o menino faz anos e não quer ir à escola,
que o pai vai sair. É uma boa apresentação.
DOC - Sim, muito boa.
GARCÍA MÁRQUEZ - E espontânea. E, lá fora, o que me parece importante é que Rosafina
ouça o diálogo entre o menino e o pai, para que suba contando o que ouviu, porque ela, sim,
se impressiona.
DOC - E o que Rosafina ainda está fazendo lá fora?
GARCÍA MÁRQUEZ - Ora, ela ficou lá fora. Isso é muito rápido. Ela ainda não entrou, quando
Dom Diego já está saindo. Depois entra e leva a mulher para dentro de casa. O que me parece
muito importante é que a doente fale com a mulher. Falta ver o que vamos fazer com
Maricarmen. Como vai ao cemitério?
DOC - Tem uma amiga, que vai levá-la.
GARCÍA MÁRQUEZ - Não, porque é igualzinho ao ônibus, que chega... só falta chegar também
o leiteiro. Que idade ela tem?
SUSANA - Quinze.
GARCÍA MÁRQUEZ - Na Cidade do México, uma moça assim, nessa condição, já anda em seu
próprio carro. Essa menininha está sobrando. Para mim, sempre sobrou. O problema é
que vamos precisar dela mais tarde, para matá-la.
MANOLO - Não poderíamos criar, por exemplo, uma subtrama individual para Maricarmen,
fora da casa?
GARCÍA MÁRQUEZ - Vamos verificar quem é Maricarmen.
MANOLO - Maricarmen vai ao cemitério de moto.
GARCÍA MÁRQUEZ - Ela pode ser como o rapaz da família. Vai de moto, reúne-se com gente
da sua geração...
MANOLO - Do ambiente. E pode estar preparando a possibilidade de abandonar a casa
porque quer ser independente.
GARCÍA MÁRQUEZ - Mas acontece alguma coisa com ela que a faz pensar em Alma. Quando
volta do cemitério, pensando que Alma não está, a encontra na casa. Então, esse elemento a
coloca também do lado de Alma. Mas por quê?
DOC - Maricarmen pode perguntar a Angel se já falou com Dom Diego.
GARCÍA MÁRQUEZ - Ela sai de moto e, antes de ir ao cemitério, passa pelo escritório de
Ángel. Vai pedir dinheiro ao irmão. Inclusive pode não ser algo grave, mas é preciso que
tenha alguma ligação com a figura de Alma. Maricarmen deve ter um problema diferente do
de todo mundo.
DOC - E para que precisa desse dinheiro?
ARTURO - Quer dividir um apartamento com algum homem.
GARCÍA MÁRQUEZ - A questão é encontrar algum problema que lhe permita ver Alma com
simpatia, ao voltar para casa. Portanto, todos vão aderindo a ela, até mesmo o pai, quando
chega. Acho que o drama de Alma vai ser com Angel...
IVAN - Poderia ser uma situação de cumplicidade entre ela e Ángel, aproveitando que Dom
Diego está de viagem.
DOC - Foi a uma festa com as joias da mãe e perdeu-as.
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim, usou uma das joias históricas da mãe!
LUIS ALBERTO - A que está no quadro, claro.
GARCÍA MÁRQUEZ - Trata de encontrá-la a qualquer preço antes que o pai perceba e quem
a está ajudando nisso é Ángel. Ángel está procurando recuperar a joia, ou então quer
mandar fazer uma réplica. E quando Maricarmen chega em casa e fica sabendo que Alma
sonha, pede ajuda a ela para encontrar a joia, e se mete na armadilha mais idiota.
DOC - Pode ser que Maricarmen tenha ido a uma festa de pessoas muito ricas, e tenha ficado
completamente bêbada.
SUSANA - Seria melhor se ela tivesse mentido ao irmão, dizendo que estava numa festa
quando, na realidade, estava com o namorado num hotel, e foi ali que perdeu a joia. Por isso
Ángel contrata um detetive.
GARCÍA MÁRQUEZ - Ela perdeu num hotel, claro. Mas na história paralela, foi à festa com o
namorado, com a joia e com a autorização do pai. O que está escondendo é que dali foi para
o hotel e perdeu a joia.
IVAN - Mas Angel sabe disso? Sabe que perdeu num hotel?
SUSANA - Não, ele acha que ela perdeu na festa.
GARCÍA MÁRQUEZ - Além disso, quando ela conta a Alma, ouve o seguinte: “Não foi numa
festa. Foi num hotel”. Mas Maricarmen só se decide a contar seu problema a uma
desconhecida quando acontece o acidente do ônibus.
MANOLO - Bom, voltando atrás: Rosafina pode entrar no quarto de Maricarmen com ar de
mistério e contar que, apenas com uma olhada, a mulher disse que ela teria um
menino. Maricarmen pergunta: “E será parecido com o pai?” Rosafina responde: ‘Tomara,
assim tiro a dúvida”. Ambas se divertem.
GARCÍA MÁRQUEZ - Acho que, antes de ir ao cemitério, Maricarmen pode conversar com
Alma, mas não sobre premonições, e sim sobre a mãe falecida, sobre o cemitério. Nada
relacionado com os sonhos. Rosafina deve comentar com a mãe o que ouviu da mulher, mas
o espectador não escuta a parte da premonição. Rosafina conta tudo isso com alegria. E já
estão apresentados todos os personagens.
DOC - Quando Petra vê Alma, fala da sua doença.
GARCÍA MÁRQUEZ - E Alma diz para Petra não se preocupar, porque amanhã ela sonhará
seu problema.
MANOLO - Bom, daí pulamos para o ônibus escolar atravessando a avenida principal da
cidade. Dentro do ônibus, os meninos riem e brincam, menos Manolo, que olha triste
para fora. De repente, ele vê um gato preto que corre para a avenida. O ônibus faz uma
manobra para evitar atropelá-lo, mas é inútil e o gato acaba esmagado debaixo do pneu
dianteiro. Os meninos o observam pela janela. O passarinho de brinquedo pendurado no
retrovisor do chofer balança de um lado para o outro.
DOC - Esse gato preto não tem nenhuma consequência dramática.
GARCÍA MÁRQUEZ - Isso, por um lado. Por outro, carrega demais uma coisa que não
necessitamos reforçar. O ônibus só é notícia quando regressa. E ainda não sabemos o que
vai acontecer com o ônibus. Eu acho que a gente deve ser bem selvagem.
LUIS ALBERTO - Ontem, arrebentamos o ônibus quando ele estava quase chegando na casa.
MANOLO - Bom... O carro de Dom Diego corre pela estrada indo para o aeroporto. Dentro
do carro, Salvador e Angel conversam com calma. Detalhe do rosto de Dom Diego
preocupado.
DOC - Não há diálogo.
GARCÍA MÁRQUEZ - Aí, nessa parte, só se deve dizer que Dom Diego está tão preocupado
que não fala.
MANOLO - Tiramos o Ángel do carro, não?
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim, Ángel sai. Não pode ficar no carro, porque vai ter que discutir com
o pai, que afinal não viaja com medo do que a mulher disse. Ángel pode ir com Dom
Diego, mas não pode chegar ao aeroporto. O chofer deixa Ángel no escritório, onde ele
recebe a visita de Maricarmen. No aeroporto, o pai fica pensando que foi muito injusto com
o menino e resolve ir buscá-lo na escola.
DOC - E vão ao cemitério.
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim, compram um ramo de flores e vão ao cemitério.
LUIS ALBERTO - E os presentes mandados pelas crianças já chegaram na casa.
MANOLO - É muito boa a imagem de todos na casa esperando as crianças que não chegam.
LUIS ALBERTO - Eu gostaria que se visse o acidente, porque, senão, me faz lembrar a
televisão dos anos 50, quando a gente percebia que estava acontecendo alguma coisa
porque os personagens se espantavam com o que viam pelas janelas...
DOC - Podemos mostrar o acidente.
GARCÍA MÁRQUEZ - Enquanto isso, todos esperam na casa. Quando chega a notícia, não há
mais nada a fazer. O próprio Dom Diego diz a Alma: “Você fica aqui”, e põe as malas dela
no quarto.
LUIS ALBERTO - Acho que no cemitério devia acontecer mais alguma coisa.
DOC - No cemitério há um homem que pega uma máquina fotográfica e tira uma foto:
primeiro de Dom Diego e Manolito, depois de Maricarmen.
LUIS ALBERTO - Estão investigando a moça?
DOC - Não sabemos.
LUIS ALBERTO - O sujeito seguiu Dom Diego desde que ele saiu de casa e viu que ele não foi
para Monterrey.
MANOLO - Ángel contratou um detetive para investigar o sumiço da joia.
DOC - Devemos mostrar os segredos de Angel, que também está envolvido em algo
misterioso.
LUIS ALBERTO - O problema é que eu acho trabalho meio perdido escrever sobre uma
estrutura ainda em mudança. E preferível ficar com o que ocorre em nível de escaleta
porque, veja bem, ontem trabalhamos até as três da manhã... Escrever em grupo é muito
difícil...
DOC - Acho que não devem ficar trabalhando até tão tarde...
LUIS ALBERTO - Mas escrever em grupo as vinte cenas toma muito tempo, porque um dá
sua opinião, escuta outras, fica parado... Eu acho que o bom agora é tratar de procurar
propostas para essas seis coisas, e amanhã discutir todas elas.
DOC - Bom, façam isso.
SEXTA JORNADA APONTAMENTOS DE DOC
Andrés Agudelo é o único participante colombiano da Oficina. Filho de uma família
tradicional, Andrés eclodiu um escândalo familiar quando aos dezesseis anos proclamou
que queria ser mágico de circo. Mas mágico mesmo. Durante três anos estudou ilusionismo
com um grande prestidigitador venezuelano tornando-se seu assistente. Numa das
apresentações de ambos para uma sofisticada e seleta plateia, uma moça se apaixona
perdidamente por ele e ambos fogem indo viver em Nova York. Sobrenome da moça?
Niarchos. Famoso e multimilionário clã de armadores gregos, concorrentes dos célebres
Onassis. Era previsível que o velho Niarchos não aceitaria jamais que sua filha se casasse
com um reles mágico de circo. Mesmo assim eles se amaram e foram felizes durante dois
anos. Andrés retorna à Colômbia e se dedica a escrever. Torna-se roteirista e depois diretor
de cinema. E com este passaporte é que chega a Havana para a Oficina. Após o jantar em que
Andrés nos contou sua vida. Leila e eu fomos brindados com um espetáculo de ilusionismo.
Foi perfeito. Apesar de todos os truques e mágicas realizados naquela noite, ninguém foi
capaz de prever que Andrés iria trabalhar comigo em Madri praticamente durante dois
anos. Seria meu assistente em duas minisséries que escrevi para a televisão
espanhola. Andrés veio nos visitar no Rio e esteve por duas vezes em Portugal quando lá
morávamos. Na primeira, acompanhado e já trabalhando com o escritor mexicano Carlos
Fuentes, foi escolher locações para uma produção da BBC sobre o descobrimento da
América. Da segunda vez, foi de férias. Levou sua mulher, o filho pequeno e até a sogra, que
por mais que tentasse não fazia desaparecer. Nesta sexta jornada o primeiro episódio
começa a tomar corpo. As situações armadas encaixam-se naturalmente e a ação dramática
enfim flui. Espontânea, como num passe de mágica.

QUARTA-FEIRA, 11 DE NOVEMBRO
IVAN - Salvador leva os jornais para dentro da casa. Lá de fora. Alma observa a situação
dentro da casa. Dão parabéns a Manolo, presentes. Rosafina sai com o menino, Alma
conversa com ele, que parte no ônibus. Depois, Alma, Dom Diego, Salvador, Ángel e Rosafina
fazem a cena em que Alma é mandada embora. Petra observa da janela. Sai Maricarmen
de moto. No quarto de Petra, Rosafina fala de Alma, e Petra faz com que a mulher estranha
entre. N interior da casa, Alma se aproxima do retrato da mãe. Sabe que morreu de
parto. Dom Diego no carro faz uma parada para deixar Angel em seu escritório.
GARCÍA MÁRQUEZ - Faz falta um diálogo no carro, em que se estabeleça que Ángel é seu
filho, que um fica e o outro vai viajar, mas volta de tarde.
IVAN - Petra conta a Alma sobre sua doença, e Alma diz que sonhará para ela essa noite. No
escritório, Angel recebe Maricarmen e falam da joia perdida. Na casa, todos arrumam o
jardim. Chega Maricarmen. Fala com Rosafina sobre Alma. No aeroporto. Dom Diego decide
não viajar e termina a primeira parte.
DOC - Agora, a estrutura da segunda parte...
ANDRÉS - Interior, escola. Dom Diego entra para pegar Manolito. Combina com a professora
que mande as crianças para a festa. Os colegas dão ao menino alguns presentes e cantam
para ele.
GARCÍA MÁRQUEZ - O menino está fazendo que curso? Secundário?
SUSANA - Primário.
DOC - A professora também vai à festa.
GARCÍA MÁRQUEZ - Vão matar a pobre professora!
ANDRÉS - Sim, sim!
GARCÍA MÁRQUEZ - Vamos estabelecer o seguinte: a professora é bonita e sua aparição
dura um segundo.
LUIS ALBERTO - Um plano.
GARCÍA MÁRQUEZ - Então é uma professora linda, que o espectador não vai esquecer. Dom
Diego diz a ela: “A senhora está convidada, é claro. Todos fomos crianças um dia...”.
ANDRÉS - Dona Petra vai para a cozinha. Encontra-se com Alma que prepara o bolo de
aniversário de Manolito, e há um conflito entre elas. No cemitério, chegam Manolo e Dom
Diego. Um homem escondido tira uma foto deles. Ángel almoça com o detetive encarregado
de encontrar a joia. Conta que Maricarmen saiu da festa com o colar.
GARCÍA MÁRQUEZ - O detetive deve estar com Angel no escritório, e é por isso que
Maricarmen chega, porque há um encontro com o detetive. Aí há uma espécie de acareação.
O detetive ouve sua versão. mas depois diz que há uma contradição.
ANDRÉS - Na casa, Petra diz a Rosafina que essa mulher vai * trazer problemas. Angel chega
em casa. Tenta encontrar lar porque, nesse dia, Dom Diego abrirá o porta-joias como faz em
todos os aniversários. Maricarmen chega ao cemitério para se encontrar com seu pai e
Manolo: seu pai reclama do atraso. Saem e o homem continua tirando fotos.
GARCÍA MÁRQUEZ - Vamos ver o que fazemos com essas fotos.
DOC - Opiniões.
SUSANA - Creio que, no caminho da sepultura, Maricarmen encontra o namorado e diz que
está muito preocupada joia, que seu irmão, seu pai ou o detetive podem descobrir
a verdadeira história. Os dois se beijam, se acariciam, o tempo passa e de repente ela diz:
“Aí, como é tarde! Já não dá tempo de ir ao cemitério”. com a
GARCÍA MÁRQUEZ - E quando ela encontra o pai, Dom Diego pergunta onde ela estava, e
Maricarmen responde: no cemitério. Dom Diego fica calado porque sabe que é mentira.
SUSANA - Dom Diego e seu filho tomam sorvete. Muito amável, Alma entra no quarto de
Petra, levando um chá para que ela melhore. Maricarmen volta em sua moto a toda
velocidade.
GARCÍA MÁRQUEZ - Como Maricarmen não foi ao cemitério, joga as flores fora antes de
chegar. Não, não: é melhor Maricarmen dar as flores para uma noiva que nesse
exato momento está saindo da igreja. Ela entrega o ramo bora. A oportunidade de passar
uma imagem nova não pode ser perdida. e vai em
MANOLO - Vejo o namorado de Maricarmen com uma condição social mais baixa que a
dela... como um mecânico
DOC - Sim, esse conflito é bom.
ARTURO - Pode ser uma pessoa mais velha, mas que continua a cabelo comprido, casacos
rústicos de couro... Porque muitas moças ricas andam com homens assim.
GARCÍA MÁRQUEZ - Não vamos ter nada para falar nem nada a fazer se dermos a
Maricarmen o noivo que lhe corresponde! Temos é que tratar de que haja a menor
quantidade possível de lugares comuns, ou que sejam lugares comuns alterados. usar o
ARTURO - Eu acho que um mecânico é um lugar comum.
GARCÍA MÁRQUEZ - Desde os tempos em que Pedro Infante era galã alguém está fazendo
filmes de mecânicos!
MANOLO - Não pode ser um músico de rock?
GARCÍA MÁRQUEZ - A essa hora estaria dormindo.
DOC - É um amante casado.
GARCÍA MÁRQUEZ - O namorado é importante porque está relacionado com a joia. Com
certeza existe algum conluio entre esse namorado e Maricarmen. Devemos deixar bem claro
que a joia não foi roubada, mas que os dois tentam ocultar alguma coisa. Nem que seja só
para aproveitarmos a imagem, esse namorado deve ser estranho, e não alguém coberto de
óleo saindo debaixo de um automóvel. Tem que ser um namorado que serra senhoras pela
metade, ou qualquer coisa que valha a pena. Senão, os dois vão acabar como sempre,
comendo salgadinhos na padaria da esquina.
ANDRÉS - E se esse namorado for toureiro?
GARCÍA MÁRQUEZ - Tem mais relação com o pai que com ela. O namorado deve estar
vinculado com algo que terá consequências, ou então que já teve.
DOC - O namorado fala com alguém que pode fazer uma cópia da joia.
GARCÍA MÁRQUEZ - Ou foi ele quem roubou. A história da joia deve ficar limpa. Não
podemos resolvê-la toda neste episódio. Esqueçam a joia depois da conversa com o detetive:
só vamos tornar a encontrar essa história no segundo capítulo. Basta estabelecer que uma
joia se perdeu, para que Alma tenha argumento para envolver a moça. Mas o primeiro
episódio não aguenta mais informação, porque o espectador não tem um computador para
armazenar tudo.
DOC - Voltemos ao acidente...
GARCÍA MÁRQUEZ - Eu gostaria que na casa soubessem do acidente pela televisão, e com a
mesma voz da manhã. Isto é, cortar do acidente para a casa, as pessoas compungidas
vendo pela televisão as imagens dos meninos queimados e de como os corpos incinerados
vão sendo resgatados. A festa já está arruinada e estão todos na frente da televisão. Isso nos
dá tempo para resolver a questão de Alma.
DOC - Pronto: está tudo arrumado. Podemos parte com todo mundo em casa, de braços
cruzados. começar a terceira
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim, vendo o noticiário da noite.
SUSANA - E os dois palhaços que iam animar a festa também, vendo televisão.
GARCÍA MÁRQUEZ - Os palhaços chorando!
DOC - Isso é muito bom.
ELISEO - Dom Diego vê pela janela que Alma está contando histórias a Manolito e a dois ou
três meninos convidados. Liga a televisão e escuta o que aconteceu. E Rosafina diz:
“Ai, Manolito!”
GARCÍA MÁRQUEZ - “Você nasceu de novo, lembra que Alma disse que hoje você não devia
ir ao colégio?” Dom Diego pergunta onde ela está. Contam que Alma foi embora porque
ele mandou expulsá-la. Então, ele diz: “E por que, caralho, me levam a sério?”
IVAN - Então, ela vai embora?
DOC - Ela é expulsa.
GARCÍA MÁRQUEZ - Quem continua flutuando é Angel, que deve ser um protagonista
importante depois. Os personagens como Ángel na vida real parecem muito tranquilos.
Acontece que no momento em que o pai morre, esses personagens ficam com tudo, e os
herdeiros ficam na rua...
ELISEO - Ángel vai ter que ser o rival intermediário, o que fazia falta antes da tia.
GARCÍA MÁRQUEZ - O adversário forte de Alma vai ser Angel. Angel, que é um leonino
perfeito. nos
ELISEO - Um anjo sem alma.
SÉTIMA JORNADA APONTAMENTOS DE DOC
No prólogo da minha peça de teatro “Nostradamus”, fiz o seguinte comentário sobre o
tempo: “Figura difícil que, embora me incomode, me fascina muito mais pela sua leitura
dramática do que pelo seu mistério ditado pela física. O segredo que guarda pode facilmente
prender um ousado, enlouquecer um puro, seduzir um poderoso ou perturbar o
imprudente. Porque ele possui a força do estático, mas transcorre. Embora seja absoluto, é
quase sempre relativo. Dique é inexorável, ainda que possa ser recuperado pela arte,
história e pela nossa memória. Um quebra-cabeças, o tempo. Muito mais perto da luz do que
da matéria. E o invisível que deixa marcas.” Recordo a questão do tempo porque esta sétima
sessão foi dedicada ao tempo dramático, ou melhor, aos diálogos do primeiro episódio. E
como o diálogo se constitui no fundamento utilizado para alcançar-se o “quanto de tempo
dramático” de uma cena, nada mais oportuno que um breve comentário sobre o assunto. A
“ duração” de uma cena est intimamente ligada ao diálogo e não ao seu tamanho real. o
serem Uma cena curta pode nos dar uma sensação de aborrecimento e de um decurso de
tempo longuíssimo e, pelo contrário, uma cena longa de quatro, cinco, ou até dez minutos,
pode provocar-nos um leque de sentimentos e reflexões tão intensos que nos fazem perder
a noção do tempo real. Resumindo: nem uma cena curta é sinónimo de tempo real curto,
nem uma cena longa reflete, necessariamente, um tempo realmente intenso. Leia com
atenção os conselhos de Gabo sobre o diálogo. São primorosos.

QUINTA-FEIRA, 12 DE NOVEMBRO
GARCÍA MÁRQUEZ - Vamos trabalhar nos diálogos. Não ponham respostas dúbias, nem
ambíguas, e nem pensem em reticências. Quando os roteiristas não sabem o que dizer,
sempre colocam três pontinhos. Tampouco façam diálogos sem recheio. Por exemplo, o
diálogo entre Dona Petra e Rosafina sobre a doença não deve ser longo, porque é provável
que as duas repitam as mesmas frases todos os dias, há um ano. Simplesmente Rosafina diz:
“O que está fazendo de pé?” E Petra responde: “Não se preocupe, já me sinto melhor”. E
acrescenta: “Quem é essa mulher?”. Rosafina: “Não sei, diz que sonha. Disse a Manolo e a
Dom Diego...” E como estão sozinhas, Petra manda: “Diga para ela entrar, anda”.
DOC - Vejamos, Manolo.
MANOLO - Cena cinco. Interior. Dia. Casa dos Morán. Rosafina guia Alma pela casa. Alma
olha tudo com interesse. Rosafina está um pouco nervosa e trata de apressá-la. Quando
passa pela sala, Alma para na frente do retrato da falecida senhora Morán, olha-o com
curiosidade e pergunta: “A senhora?” Rosafina confirma e Alma pergunta: “Morreu de
parto?” Rosafina volta a confirmar com a cabeça, surpreendida e acrescenta: “Era uma santa
criatura”. A senhora do retrato tem um colar no pescoço.
ARTURO - A cena continua no quarto de Dona Petra. Rosafina entra com Alma e o rosto de
Petra se ilumina. Ela diz: "Minha filha contou que a senhora tem o dom de ver através dos
sonhos. É verdade, ou é só charlatanice?”. Alma responde com um leve sorriso: “E um dom
divino”. Sentando-se na cama, Petra pergunta: "Qual é o seu nome?”. Quando responde
“Alma”, Petra fica satisfeita por ouvir um nome tão significativo, e pede à filha que as deixe
sozinhas. Rosafina pede para ficar, mas Dona Petra insiste em que saia. Rosafina sai e o rosto
de Dona Petra se contrai de dor. Alma pergunta: “Posso fazer alguma coisa pela
senhora? Está doente de quê?”. Petra responde: “Dizem que é vertigem”. Alma faz um gesto
como quem não entende, e Petra explica: “São uns enjoos terríveis que surgem de
repente, como se eu estivesse bêbada. A verdade é que os médicos não descobrem o que
tenho. Já cansei de procurar médicos. Procurei até curandeiros!”
GARCÍA MÁRQUEZ - Ao contrário: procurou até médicos. Já se cansou de ir a curandeiros.
ARTURO - Alma dá umas tapinhas na mão de Dona Petra que segura seu braço e diz: “Eu sou
apenas a cozinheira. Por isso fiz com que entrasse escondida. Acha que pode me ajudar?”.
Segura de si, Alma concorda e diz: “Esta noite vou sonhar seu problema”. Satisfeita, Dona
Petra se recosta na cama.
GARCÍA MÁRQUEZ - A cena está longa. Os diálogos maus são aqueles que sobram. Quer
dizer, os diálogos que sobram são maus. Ao contrário, os essenciais são bons. Vocês têm que
saber distinguir entre os essenciais e os que sobram. Já conhecemos o caráter dos
personagens, já temos um estilo, um tom, um ritmo. Podemos manter tudo isso
exatamente assim até o final, porque cada um desses aspectos é uma unidade.
DOC - E tudo vai crescendo até o final, com o acidente. Próxima cena.
ANDRÉS - Escritório de Ángel na Empresa Morán. A porta se abre e entra Maricarmen pálida
e apressada. Ángel pergunta: “Encontrou?” Ela responde: “Procurei em tudo que é lugar,
mas não aparece.” Angel: “Mas onde você conseguiu perder a joia? Que
merda!” Maricarmen: “Já disse que tem que ter sido na festa. Deve ter caído enquanto eu
estava dançando.” * Aborrecido, Angel diz: “Maricarmen, uma joia tão fina tem fecho de
segurança que não abre só porque você está dançando. Senão, uma festa seria uma chuva
de brindes. Você teria que ter dançado com as pernas para cima, para que a joia
caísse. Mamãe usou-o na noite do casamento, e não caiu nem na cama.” Maricarmen: “Não
sei o que pode ter acontecido. Procurei no carro, entre os assentos, no jardim, em meu
quarto, e não achei. Tenho certeza de que quando saí da festa não estava com a joia.” Ángel:
“Não sei como, mas tem que aparecer. Hoje Manolo faz anos e certamente papai vai tomar
uns tragos, ficar nostálgico e abrir a caixa de joias.” Maricarmen: “Não se preocupe, não vai
abri-la. Mudei de lugar. Escondi a caixa tão bem, que já não me lembro onde
a coloquei.” Ángel diz: “Mas isso não pode ser, você tem que pôr a caixa no lugar.” Toca o
telefone, Ángel atende. Maricarmen aproveita para sair do escritório sem dar mais
explicações. Ángel grita: “Maricarmen, vem aqui!”
LUIS ALBERTO - Jardim da casa. Maricarmen tenta alcançar o coelho que foge do mágico e
corre diretamente para os pés de Alma, que o apanha e embala em seus braços. Maricarmen
se aproxima e Alma diz a ela: “Há coisas que a gente não persegue. A gente espera que elas
caiam sozinhas no devido lugar.” Maricarmen: “E se não caírem?” Alma responde: “A gente
espera.” Maricarmen pergunta: “É verdade, essa história dos sonhos?” Alma responde:
“Depende”, pondo o coelho numa caixa de papelão de onde pega uma tira de papel e
continua recortando homenzinhos para enfeitar a festa. Maricarmen: “E o que você
sonha?” Alma: “Tudo.” Maricarmen: “Eu quero encontrar algo que perdi. Poderia me
ajudar?” Alma: “Se está neste mundo, não pode estar perdido.” Maricarmen: “Um colar. Eu
perdi sábado numa festa.” Alma olha-a nos olhos e diz: “Tem certeza de que foi na festa,
Maricarmen?” A moça evita seu olhar e diz gaguejando: “Acho que quando eu estava de
saída...” Alma interrompe: “Quando a água está clara, se vê o fundo, mas se alguém vem e
remexe esse fundo, Ave Maria Puríssima!” Maricarmen: “Talvez possa ter sido em outro
lugar.” Alma: “Nos meus sonhos tudo tem que ser claro feito água mansa.” Maricarmen:
“Está bem, entendi. Foi num hotel, mas ninguém em casa pode saber disso. Voltei e disse
que perdi o colar. Quanto você quer para encontrá-lo?” Alma diz: “Os hotéis são como a
comunhão. Muita gente passa por lá. Mas não se preocupe: aqui tudo volta ao lugar de onde
saiu.” Alma dá uma palmadinha em Maricarmen, e diz com seu melhor sorriso: “Tranquila,
menina, tranquila”. Sem deixar de se preocupar, Maricarmen também sorri, esperançosa.
No aeroporto, Dom Diego não toma o avião.
DOC - Comentários...
GARCÍA MÁRQUEZ - Na conversa entre Maricarmen e Ángel é preciso deixar estabelecido
tudo que fizer falta. Creio que a identidade do detetive não deve ser revelada até o segundo
episódio, quando ele chega e desbarata toda a versão de Maricarmen. E Alma deve levar
para Dona Petra um pedaço da sobremesa que prepara. Já brigaram, o gesto é de
reconciliação.
DOC - Vejo Angel pouco consistente...
GARCÍA MÁRQUEZ - Esse aí, vamos ter que matar. No terceiro capítulo, Alma diz que ele vai
morrer. Vamos passar já ao segundo capítulo.
DOC - Bom, já temos a macroestrutura e terminamos o primeiro episódio com ela na casa.
GARCÍA MÁRQUEZ - Não, não, termina quando vão buscá-la. O segundo episódio é o de
Maricarmen. No final, ela foge da casa e vai embora. Saímos do personagem.
ELISEO - Além disso, é lógico que seja Maricarmen no segundo, porque é dela que demos
mais elementos no primeiro.
GARCÍA MÁRQUEZ - Maricarmen foge com o noivo e leva as joias. A ú nica esperança que há
nessa casa é que Alma sonhe onde está Maricarmen.
SUSANA - Mais pelas joias que por Maricarmen...
LUIS ALBERTO - Mas o que Alma ganha expulsando Maricarmen?
GARCÍA MÁRQUEZ - Lembre-se de que se interesse central é ir tirando as pessoas da casa.
DOC - Como começa o segundo capítulo?
GARCÍA MÁRQUEZ - Temos que começar com as pessoas procurando Alma. Depois, ela
aparece sozinha. No primeiro capítulo, soube a que horas não havia ninguém em casa. Então
chega, toca e quando Rosafina abre, diz: “Aproveitando que não tem ninguém, venho trazer
o sonho para sua mãe”. Imediatamente entra e monta um sonho para Dona Petra, que já não
a deixa sair. Dona Petra diz para Alma: “Não, não, estamos procurando você”. E quando os
outros chegam, encontram a mulher dos sonhos em casa.
DOC - O que Alma sonha para Petra?
GARCÍA MÁRQUEZ - Alma dirá: “Você ficará boa quando chover três dias seguidos”. E Petra
começa a contar a chuva.
LUIS ALBERTO - E a olhar o céu pela janela, esperando que a chuva caia.
GARCÍA MÁRQUEZ - Mas três chuvas, porque Dona Petra deve ficar todo o filme dizendo:
“Olha, ontem choveu, mas hoje não choveu mais”.
LUIS ALBERTO - E cada vez mais doente.
ELISEO - De toda a família, Ángel deve ser quem opõe maior resistência, o que continua
achando que Alma é uma velha louca. Diz a Dom Diego: “Mas papai, você está louco. O
que esta mulher está fazendo aqui?”.
GARCÍA MÁRQUEZ - Se Maricarmen vai desaparecer no segundo capítulo, comecemos com
ela, a qualquer hora da manhã, andando pela rua em sua moto a toda velocidade. Leva uma
foto do colar e vai se encontrar com o namorado para mandar fazer uma cópia da joia. Dá
para perceber que o detetive está seguindo todos os seus movimentos, e fica sabendo da
tramoia do colar falso.
DOC - Eu acho que se Alma foi embora, temos que começar o capítulo com isso, perguntando
onde ela foi parar. Depois, sim, entra Maricarmen.
ELISEO - Podíamos começar com o enterro das crianças.
GARCÍA MÁRQUEZ - A professora está no hospital como uma um mia egípcia e o menino
está sozinho na sala. O único da turma que ficou vivo foi ele. Manolo tem que continuar
sendo personagem, porque se o criamos para o ônibus e depois não o matamos, isso precisa
ter um sentido. Assim que chega à escola, ele senta e não há professora.
SUSANA - Mas como é que nesse dia vai ter aula?
ANDRÉS - Claro!
DOC - E o namorado de Maricarmen, também estaria no enterro?
ELISEO - Não, ele não.
GARCÍA MÁRQUEZ - Maricarmen e o namorado vão ver o joalheiro. Mas o detetive sabe.
Cemitério, joia e chegada de Alma são três pontos. Já aí temos a primeira parte.
DOC - Precisamos ter algo mais, alguma coisinha a mais.
GARCÍA MÁRQUEZ - O quê, por exemplo?
DOC - Angel, por exemplo.
GARCÍA MARQUEZ - É que eu sempre esqueço dele. Não o vejo...
DOC - Onde está Dom Diego?
ELISEO - Pode estar numa reunião com o filho, que está informando sobre o gado, sobre a
próxima temporada, sei lá, e Dom Diego está distraído.
GARCÍA MÁRQUEZ - Dom Diego diz: “Olhe, nada disso me importa. O que eu quero é saber
onde está essa mulher".
LUIS ALBERTO - E Ángel diz que com as negociatas que são a característica de seus negócios,
não é bom que uma estranha entre na casa.
DOC - Mas Dom Diego não lhe dá importância, chega e fala com Alma.
GARCÍA MÁRQUEZ - Abraça-a e beija-a como se voltasse de uma longa viagem.
DOC - E diz a ela que fique.
GARCÍA MÁRQUEZ - Alma diz: “Mas eu vou lhe custar caro”. E ele responde: “Não importa
quanto seja. A senhora é uma mulher que não tem preço, ninguém poderia pagá-la”.
DOC - Alma chama Rosafina e diz que não gosta do quarto que deram a ela, que o quarto
parece um corredor, ou então que o quarto não tem água ou banheiro.
GARCÍA MÁRQUEZ - E deve saber que existe um quarto que ninguém abre: o de Amparo.
ELISEO - Precisamos saber o que aconteceu com a joia para definir o que o namorado pode
dizer a Maricarmen, e qual o papel que ele vai desempenhar...
GARCÍA MÁRQUEZ - Acho que o problema é que vocês complicam demais o que não é tão
complicado.
DOC - Deve ser muito simples.
GARCÍA MÁRQUEZ - namorado? Aí, o namorado sobra. Para que serve esse
DOC - Se ele fosse negro, poderia ser uma história de preconceito...
GARCÍA MÁRQUEZ - Por que vamos criar uma história de preconceito? Só para podermos
meter esse namorado no enredo?
DOC - E verdade. Mas já que ele existe, por que Dom Diego não o aceita?
GARCÍA MÁRQUEZ - Porque é um ladrão que utiliza Maricarmen para levar as joias da casa.
O sujeito sabe quem ela é, seduziu-a, obrigou-a a tirar a joia e quer mais. Planeja a fuga, e diz
a ela para levar todas as joias.
ELISEO - O namorado disse a Maricarmen para roubar todas as joias nessa mesma noite,
que não há tempo a perder.
DOC - Alma diz a ela que vai sonhar, ou diz que é melhor fugir?
ELISEO - Não, não, diz que ela vai fazer uma viagem.
GARCÍA MÁRQUEZ - Esse diálogo é importante. Mas o mais importante é que temos todo o
ritmo, toda a palpitação.
OITAVA JORNADA APONTAMENTOS DE DOC
Leila vai retornar ao Brasil e no sábado já prepara as malas. Gabo em conspiração com o
embaixador ítalo Zappa, por suspeitarem de uma futura crise de solidão, sugerem que
eu passe a ficar os próximos finais de semana integralmente em Havana. Seria mais
divertido, hospedado ora na casa de um, ora na de outro. Na verdade, me sentia
macambúzio. No jantar de despedida para Leila oferecido por Gabo sua residência em
Havana, ele leu para nós alguns diálogos da sua nova peça de teatro. E mais. Pequenos
trechos de um livro ainda embrionário, mas cujo título já estava decidido: O Amor nos
Tempos do Cólera. Durante o sarau achei a escolha do título infeliz. Não me perguntem por
quê. Efetivamente naquela noite eu só macambúzio, fui um macambúzio insensível e burro.
Em nenhum instante captei a beleza do texto, nem enxerguei a poesia do título. Como
escreveu Borges: se um livro não lh interessar hoje, talvez seja lido amanhã com grande
prazer. em não estava foi justamente o que ocorreu. Algum tempo depois ler o livro fiquei
tão fascinado que telefonei de imediato Gabo. Queria congratulá-lo. Eram cinco horas da
manhã na Cidade do México. Ao contrário do que se poderia supor, não houve problemas.
Ele é um madrugador convicto. Homem cheio de promissor, Gabo concentra o escrever
de as quatro e as seis da manhã. Quanto à oitava sessão, o leitor notará que a construção do
segundo episódio em termos de estrutura e ação dramática corre bastante tranquila. O que
não se configura em nenhuma surpresa. Afinal dedicamos quase dez jornadas para
desenhar os personagens, armar a estória e criar conflitos. Conclusão: um dos segredos da
escritura do drama está exaustivo trabalho de construção de suas bases. ao para com seus
romances entre nós num

SEXTA-FEIRA, 13 DE NOVEMBRO
GARCÍA MÁRQUEZ - Começa, Ivan.
IVAN - Cemitério. Familiares dos meninos mortos, vinte e oito caixões. Dom Diego, em frente
à sepultura de sua esposa, com Manolo. Descobre um ramo de flores e pergunta quem o
colocou ali. O zelador descreve uma pessoa igual a Alma. Na casa dos Morán, Maricarmen
fotografa o colar que sua mãe usa no quadro. Depois sai de moto pela rua. Pega o namorado
na barbearia. Interior da joalheria. Maricarmen e seu namorado observam o joalheiro, que
examina a foto. Maricarmen se adianta e liga a moto. Os homens discutem a porcentagem
da venda da joia. Jogam a fotografia no lixo.
GARCÍA MÁRQUEZ - Não combinamos que o falsificador ia dizer que não dava para copiar
aquele colar?
LUIS ALBERTO - Não, o namorado e o falsificador são sócios, e montam esse teatro para
tranquilizar Maricarmen. Quando Maricarmen fala com Alma e conta que está tranquila
porque vai conseguir uma joia igual, Alma avisa que o pior virá depois.
GARCÍA MÁRQUEZ - Vocês complicam tudo...
IVAN - Salão de reuniões da Companhia Morán. Dom Diego distraído, Angel e os diretores
expõem problemas. Inesperadamente, Dom Diego se mete em seu escritório. Angel A
suspende a reunião. Seu pai diz a ele que só est interessado em Alma, que pode trazer sorte
e riqueza. Casa Morán. Manolo brinca no jardim. Lá de fora, Alma chama o menino. Dá uma
flor como as do cemitério a ele, e conta a história de uma flor mágica. Rosafina descobre
Alma, e leva-a ao quarto de Petra. Alma diz a Petra que ficará boa quando chover três dias
seguidos. Dom Diego chega e pede que ela fique. Alma diz que isso custará caro e ele
responde que pagará o que for preciso. Outro A dia. Café da manhã. Alma organiza o dia de
Dom Diego. Angel se aborrece. Alma percebe. Manolo quer ir à escola A. Alma diz que pode
ir porque está protegido. Manolo e Angel entram no carro. Na copa, Alma e Maricarmen
falam. Alma conta um sonho a ela, onde insinua o caso da joia. Maricarmen revela que o
assunto está sob controle. Alma então diz que o pior virá depois. Quarto de Alma. Alma entra
e encontra Rosafina arrumando. Alma diz que não poderá dormir nesse quarto tão
iluminado e sem água. Rosafina diz que não há outros quartos, e Alma mostra o que lhe
agrada. Rosafina diz que esse é o quarto de Amparo. Alma pergunta pelo seguinte, o de
Maricarmen. Corredor da Escola. A nova professora, totalmente diferente da anterior,
caminha pelo corredor. Entra na sala onde só há três meninos: dois com cicatrizes do
acidente e Manolo, que chora quando a vê, pedindo sua outra professora. Hospital. A outra
professora está na cama com o rosto vendado. Dom Diego diz a ela algumas palavras
afetuosas. Sai para o corredor e diz ao médico que assume os gastos da cirurgia da
professora. Sala de reuniões. Angel está sozinho. Chega Dom Diego. Angel informa que os
acionistas foram embora. Começa a chover. Dom Diego diz: “Está chovendo, faz um ano que
não chovia”. Quarto de Petra. Petra olha a chuva e uma lágrima corre por seu rosto. Entra
Alma, Petra beija a sua mão, diz que ela chegou como uma bênção.
GARCÍA MÁRQUEZ - Creio que para armar um roteiro existem detalhes que parecem não ter
importância, mas têm. Há vários. Por exemplo, na conversa entre Maricarmen e Alma: se
vão falsificar a joia, então Maricarmen não fala do assunto. Tampouco se diz quem levou o
menino à escola. A chuva é um bom final para o capítulo. Quem continua?
LUIS ALBERTO - Roubo e fuga de Maricarmen.
MANOLO - Alma pode ter visto Maricarmen, durante a noite, roubando as joias, e depois
inventar um sonho.
GARCÍA MÁRQUEZ - É preciso ver Maricarmen roubando as joias do cofre e sendo vista por
Alma. Rosafina também pode ver Maricarmen tirando as joias. O namorado a espera na
porta dos fundos.
DOC -Alma deve estimular Maricarmen a fugir.
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim... Alma não sabe que Maricarmen vai roubar as joias nem aconselha
isso, mas sabe que está nervosa. Espiona a jovem, e quando ela rouba as joias, Alma
pergunta: “Onde é que você vai com isso?” E Maricarmen confessa que vai embora com o
namorado. Então Alma diz que acaba de ter um sonho, e diz também o que a jovem
deve fazer. Vamos esclarecer isso amanhã. Alma ajuda a jovem a fugir e se deita no quarto
de Maricarmen. No café da manhã, diz que Maricarmen foi embora.
LUIS ALBERTO - Eu creio que ela não deve dar essa má notícia.
GARCÍA MÁRQUEZ - Certo... As suspeitas cairiam sobre ela. Mas Angel culparia Alma mesmo
que soubesse que não foi ela, porque é seu adversário.
DOC - E simples: o cofre está aberto...
MANOLO - E Ángel diz a Alma: “Já que você sonha., não sonhou isto?”. por que
GARCÍA MÁRQUEZ - E ela responde que a puseram num quarto onde não dá para dormir.
SUSANA - E, então, é transferida para o quarto de Maricarmen.
GARCÍA MÁRQUEZ - E em seguida cai uma chuva torrencial, mas sem relâmpagos.
DOC -Então Petra levanta a mão com dois dedos dizendo: “Dois”.
GARCÍA MÁRQUEZ - É como um epílogo.
MANOLO - Petra poderia fazer as marquinhas de quando chove.
LUIS ALBERTO - E nunca aparece a terceira.
GARCÍA MÁRQUEZ - Petra pergunta a Alma, desesperada: “Isso que a senhora falou das três
chuvas: tem que ser na cidade onde a gente vive, ou em qualquer outro lugar?”. E Alma
responde: “Não, precisa ser onde você vive”. E Petra diz: “Por que a senhora não muda o
sonho que sonhou para mim, e diminui para duas chuvas?”.
DOC - Passou muito tempo?
GARCÍA MÁRQUEZ - Um mês. O importante é que ela esteja instalada no quarto de
Maricarmen, mas já sonhando com o de Amparo. Assim estabelecemos sua ambição de
apoderar-se da casa.
SUSANA - O tempo pode ser definido pela barriga de Rosafina, crescendo.
GARCÍA MÁRQUEZ - Esse é o calendário, claro! O capítulo seguinte é o dedicado a Ángel. O
próximo quarto a ser desocupado é o dele.
LUIS ALBERTO - Antes de sua morte, Ángel decide tirar essa mulher da casa.
GARCÍA MÁRQUEZ - No começo do capítulo. No final, morre.
LUIS ALBERTO - Alma é quase a dona da casa, dá ordens, examina a correspondência.
DOC - E se Dom Diego tiver que assinar um contrato que para Ángel é muito importante, e
chamar Alma para perguntar se sonhou ou não com o contrato? Ele olha para ela, e Alma
nega com a cabeça.
GARCÍA MÁRQUEZ - Aqui, Ángel rebela-se definitivamente!
IVAN - Eu acho que ainda não devemos matá-lo. O terceiro capítulo deve terminar com a
declaração de guerra entre Angel e Alma.
DOC - Ou da família com Angel, contra Alma.
GARCÍA MÁRQUEZ - E contra Dom Diego!
DOC - A família unida contra Alma é interessante...
GARCÍA MÁRQUEZ - Como Ángel pode vencer Alma?
LUIS ALBERTO - Alma tem que sugerir a Dom Diego que Ángel está metido em negócios
sujos, que o prejudicam; e Ángel tenta convencer Alma a aceitar dinheiro e sumir dali.
GARCÍA MÁRQUEZ - Isso é muito bom.
ELISEO - Eu imagino o início do terceiro capítulo com uma cena em que Dom Diego manda
Manolo calar a boca para não acordar Alma, que está sonhando. E assim todo mundo vai
ficando incomodado, pois a vida cotidiana ficou insuportável. É preciso haver silêncio
absoluto quando a mulher está sonhando. Um dia Angel quer aproveitar que Alma dorme
para fazer Dom Diego assinar uns documentos, mas ele se nega a fazer isso antes que Alma
acorde. Podem ter passado três meses...
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim, e quando Ángel briga com Alma, ela diz: “Não me aborreça mais,
você está morto. Sonhei esta noite”, e cortamos para uma mulher que atira nele. Depois
podemos contar o que quisermos sobre Ángel e sua amante. Que o mate pela maior
bobagem. Também é muito bom que o espectador se lembre-se de que existem os crimes
passionais, porque ninguém mais mata por amor. E assim saímos desse personagem
chamado Ángel. Essa é uma história na qual todos os personagens devem ter sua relação
com Alma solucionadas. Noto, por exemplo, que a partir de certo momento todo mundo está
contra Alma, e o velho já está louco: nós o mandamos para o manicômio e pronto. Petra é de
solução difícil. Está doente e não vai se curar, mas também não vai morrer, porque esta
história não aguenta mais um morto. Já tivemos trinta e tantos no primeiro capítulo. Fazer o
quê com Manolito? Tecnicamente devia morrer no ônibus...
LUIS ALBERTO - Se Alma puser Dom Diego no manicômio, a casa fica sem herdeiro.
GARCÍA MÁRQUEZ - É Amparo quem manda o irmão para o manicômio. Entende que ele
ficou louco, com o testamento feito a favor de Alma. Faz um escândalo, chama um juiz,
declaram interdição judicial e Amparo fica com a tutoria de Manolito. Não mandam o velho
para o manicômio numa jaula — o que seria lindo —, mas para um sanatório para ricos.
Então só ficam na casa Amparo e Alma, frente a frente, e isso já é o final: Duelo ao sol.
DOC - E Manolo?
ELISEO - Está sempre louco para ir à escola, porque lá ele pode gritar. Ah, e é preciso fazer
uma comida especial para que Alma consiga sonhar.
LUIS ALBERTO - Muita alface.
DOC - Falta a amante.
GARCÍA MÁRQUEZ - Não, ela só aparece quando Alma a inventa com sua imaginação. Alma
invoca-a, e a amante começa a existir nesse momento. Se ela aparecer antes, estará
enfraquecida, porque ela só aparece para uma coisa: matar Angel.
NONA JORNADA APONTAMENTOS DE DOC
Leila se foi. A mulher de Gabo chegou. Mercedes é com certeza uma das mulheres mais
fascinantes que conheci em minha vida. Talvez nela repouse uma das chaves para
decifrarmos o toque mágico da criatividade dele. Mas isto é uma questão para
biógrafos. Amigos desde Moscou, nosso encontro foi celebrado com o preparo de um
enorme merengue. A receita era francesa, à base de iogurte. Porém havia uma certa pitada
de bicarbonato de sódio que parecia essencial para dar volume e consistência de nuvem à
fabulosa sobremesa. Um detalhe infeliz. Porque não havia bicarbonato de sódio em Havana,
nem mesmo nos hospitais que contatamos. Num surto de criatividade pseudobrilhante,
sugeri o uso de Alka-Seltzer para solucionarmos o impasse culinário. Trituramos vários
comprimidos do antiácido efervescente e fomos aos pouquinhos lançando o pó branco na
terrina com iogurte. Como nenhum efeito se produzia, resolvemos transformar a pitada
inicial em várias colheres de sopa. Por fim o merengue explodiu. Depois de ferver por
momentos infinitos, a tão almejada consistência de nuvem desceu pela mesa, correu pelo
chão da cozinha e nos lambuzou em cheio no rosto. Também em dramaturgia o mesmo pode
ocorrer: os chamados personagens de ligação, com pouco peso dramático, podem agigantar-
se. Nesta nona jornada um esquecido personagem ganha consistência: o detetive.
Aparentemente sem importância no início, ele toma um protagonismo inesperado na
confecção do terceiro episódio. É através dele que iremos conhecer o segredo de Alma.

SEGUNDA-FEIRA, 16 DE NOVEMBRO
DOC - Andrés, leia para nós o que Alma sonhou sobre Maricarmen.
ANDRÉS - Bem... Alma surpreende-a roubando as joias e aproveita para contar-lhe um
sonho sobre uma princesa cheia de joias que fugiu com seu príncipe, e os dois viveram
felizes. Alma oferece sua cumplicidade, Maricarmen agradece. Alma leva-a até o vestíbulo,
despede-se dela e tranca a porta por dentro. Maricarmen entra no carro do namorado. Os
dois vão embora. Alma deita na cama de Maricarmen...
GARCÍA MÁRQUEZ - Temos que esclarecer isso. Quando se escreve um roteiro, deve-se
supor que quando o texto estiver pronto, o autor esse texto for encontrado, será filmado tal
como ele foi escrito. Os detalhezinhos que o autor esqueceu jamais serão conhecidos,
porque foram levados para a tumba. O sonho da princesa não só é ingénuo e muito direto,
mas serve para demonstrar que os sonhos não podem ser tão claros e dirigidos. Alma
deve sonhar algo estranho, diferente, mas a interpretá-lo parece combinar com a realidade.
E quando Maricarmen sai, Alma deve fechar a porta e abrir uma janela, para que não se
suspeite da cumplicidade. nós, no caso morre. Portanto, quando
DOC - Bem. Continuamos com a primeira parte do terceiro episódio, quando já se passaram
alguns meses.
ARTURO - Petra faz barulho na cozinha e Dom Diego aparece para silenciá-la. Ela aproveita
para dizer que não acredita em Alma.
IVAN - Dom Diego diz a Rosafina que leve o café da manhã para Alma, ela se aborrece e diz
que está grávida e não pode ficar subindo e descendo escadas.
ARTURO - Salvador toca a buzina chamando Manolo, e Dom Diego o manda parar com
aquilo. Dom Diego entra em seu escritório, onde Ángel o espera, e os dois discutem.
IVAN - Ángel se aborrece tanto que vai acordar Alma. Alma diz a Dom Diego para não assinar
nada, e ele concorda. Na reunião da Diretória, alguém pede interdição judicial de Dom Diego,
e Ángel pede um voto de confiança. Dom Diego e Alma conversam, enquanto Rosafina e
Dona Petra comentam que, para a fulana que trabalha dormindo, qualquer coisa serve
como tema de sonho. Alma exige de Rosafina as chaves do quarto de Amparo. Depois Ángel
vem e oferece dinheiro a Alma para ela deixar a casa.
GARCÍA MÁRQUEZ - E Alma diz a ele: “Você está morto”. Cortamos e uma mulher já estão
atirando nele, uma loura espetacular, cheia de joias. Depois de morto é que contamos a
história secreta de Ángel com essa mulher, que ninguém sabia. Na imprensa, no rádio e na
televisão, vem à tona o crime passional do ano.
ANDRÉS - E o detetive?
IVAN - Ángel contratou-o para saber quem é Alma.
DOC - Para entrar na casa, o detetive diz a Dom Diego que fazer um inventário de seguros. E
Alma sonha para ele. vem
GARCÍA MÁRQUEZ - Ela recebe o detetive e conta para ele várias coisas que ainda não foram
ditas e que não interessam. Começa contando como foi que começou a sonhar, como
percebeu esse dom, como começou. Com grande naturalidade conta a morte de seu irmão.
Ela sonhou que ele se afogava, e tinham proibido que o menino tomasse banho no rio. É um
diálogo que dura vinte minutos.
IVAN - Alguém, que pode ser Petra, avisa o detetive sobre os poderes de Alma.
LUIS ALBERTO - Mas o detetive vai à casa para tomar as impressões digitais de Alma. Ela
percebe e, finalmente, o desmascara.
DOC - E por que não é Ángel que toma as digitais da mulher?
SUSANA - O detetive nunca vai contar que é simples assim. Ele quer manter o trabalho, e vai
disfarçar, dizendo que estabelecer uma identidade é coisa muito complicada.
GARCÍA MÁRQUEZ - Temos que inventar é como ela envolve o detetive com os sonhos.
LUIS ALBERTO - Alma vai manobrando a conversa e termina averiguando a vida do
detetive.
GARCÍA MÁRQUEZ - E sonha que ele tem um filho, do qual precisa cuidar. Ninguém escapa
dessa verdade. Terminando de falar com ela, ele pega o copo que Alma usou. Corte para a
impressão digital deixada no copo, e vemos em diferentes escritórios papéis aparecendo
com informações sobre Alma. E descobrimos que essa mulher, Alma, morreu no terremoto
de 1957.Que fazemos com isso agora? Tudo coincide: as digitais, as fotos, tudo. Mas morreu
em 57, num edifício onde havia um baile, e o arquiteto se suicidou porque tinha posto terra
em lugar de cimento e os andares caíram e só ficaram vivos os que viviam no último andar.
E precisamos acreditar de verdade que ela morreu nesse terremoto. Olhem onde veio
aparecer o detetive! Com isso agarramos uma veia fantástica que nos permite fazer o que
quisermos.
ELISEO - Os investigadores dizem ao detetive que ela deveria ter 40 anos. E ele diz: “Como
deveria?” E respondem: “Sim. Morreu no terremoto de 1957”.
GARCÍA MÁRQUEZ - E cortamos para Angel que diz ao detetive: “Você está completamente
louco”.
IVAN - E O expulsa a pontapés.
GARCÍA MÁRQUEZ - Com certeza. Diz ao detetive que é um vigarista, pior que ela. Imagina
a cara do detetive ao descobrir tudo isto? Termina mais “almista” que Dom Diego, no
espírito da história. E o detetive diz: “O mais estranho é que os sonhos são reais, porque me
disse isso, e esta manhã me aconteceu. E Ángel diz: “Merda, essa história já se danou.
Chega!”
ELISEO - E O detetive diz para ele não falar grosserias, pois é preciso respeitar os mortos.
GARCÍA MÁRQUEZ - É bom que o detetive também fique envolvido na história dos sonhos e
pergunte: “Como vai meu sonhozinho? É que estou esperando para ver se mandou o menino
viajar ou não”. O episódio do detetive deve ser como um caso à parte: “Quando o detetive
esteve na casa...” Tem lógica, não?
SUSANA - Ilógica.
DÉCIMA JORNADA APONTAMENTOS DE DOC
E a guerra. No ofício da escrita para cinema e televisão existe um determinado momento
conhecido no meio profissional como “a guerra do papel”. A primeira versão do roteiro ficou
pronta, mas o processo de criação ainda não se completou. É hora de escutar opiniões sobre
o conteúdo dramático do material para prosseguir com o trabalho. Isto é, reescrever o
roteiro. “A guerra do papel” se configura precisamente neste ponto: da dificuldade natural
do ser humano em escutar críticas ou aceitar outros pontos de vista. Momento delicado que
já levou alguns escritores a se engalfinharem literalmente com diretores e produtores. E por
que estou falando sobre o assunto? Guerra, batalhas e lutas. Pela simples razão de que nesta
décima jornada Gabo e eu nos desentendemos. Sob o ponto de vista criativo, é
claro. Pressenti que Gabo na confecção do quarto episódio passou a orbitar no universo do
realismo mágico. Fugindo, no meu entender, da proposta original e do que tinha sido
previamente acertado: uma estória realista cujas fronteiras tocassem o mundo enigmático
e ambíguo, todavia verossímil. Algumas frases do diálogo que nascem da discussão
são hilariantes. Aliás não aconteceu realmente um confronto entre nós. Se existiu alguma
tensão, ela se dissipou em emoção. E riso de alguns participantes. Enfim nenhum dos dois
saiu vencedor nem vencido. Porferem, abrem brechas na no que as polêmicas do
pensamento não mentem por onde somos nutridos com novas ideias, conceitos e visões.

TERÇA-FEIRA, 17 DE NOVEMBRO
DOC - Eu tenho dúvidas sobre a identidade de Alma. Ela pode ser muito parecida com a que
morreu no terremoto. Pode ser, mas não é.
GARCÍA MÁRQUEZ - Se não nos atrevemos a dizer isso, não nos atrevemos a dizer nada na
vida! Imagine o que é fazer que um sacerdote levite ao tomar chocolate. Um físico nos dirá
que não pode ser porque, se o sacerdote pesa tanto e a força da gravidade é tanto, não há
chocolate que o levante: tem que tomar hélio. Mas se fizermos ele tomar hélio, estraga
tudo. Para mim, é uma realidade absoluta. O que me parece muito difícil é transmiti-lo a
você. Alma pode morrer no terremoto de 57 e continuar bagunçando a vida dos outros. Você
não tem ideia do número de pessoas que desaparecem nos terremotos do México. As vezes
a família dá por morto, dão certificado de óbito e até enterram o caixão vazio.
DOC - Então, é preciso fazer Alma dizer que viveu um terremoto trágico em 1957, mas que
na verdade sua identidade é outra.
GARCÍA MÁRQUEZ - Para mim é. Se você quiser, no quarto ou quinto capítulo ela pode dizer
que teve um acidente mortal ou grave. Ou o detetive descobre que há dezessete pessoas com
o mesmo nome, e que morreram no tal terremoto de 1957.
DOC - Aí, eu já gosto mais.
GARCIA MÁRQUEZ - Uma coisa me assusta: você não aceita um milagre, mas aceita
dezessete.
DOC - Mas se é uma morta viva...!
GARCÍA MÁRQUEZ - Não é uma morta viva! Você inventou isso. É simplesmente ela.
DOC - Sim, mas se morreu e se chama Alma, pode levitar, passar pelas paredes, sua luta com
Amparo não será verdadeira.
GARCÍA MÁRQUEZ - Ainda não sabemos como será a luta com Amparo. Se é com um ser
sobrenatural, então será com um sobrenatural, mas insisto em achar que não é isso. Trata-
se de pessoa que morreu no terremoto de 1957 e que continua ser uma atazanando a vida
dos outros. Só você achou que Alma é um ser sobrenatural. Não é. As pessoas só morrem
para sempre na vida real. Na literatura, a gente pode fazer o que quiser. Para isso alguém
inventou a literatura: para desafogar todos os desejos. seus
DOC - É verdade..., mas é um roteiro...
GARCIA MARQUEZ - Esses são limites racionalistas que me aterrorizam. porque então não
podemos fazer nada. Nem mesmo os sonhos!
DOC - Mas os sonhos são reais.
GARCÍA MÁRQUEZ - Você os aceita porque são algo cultural entre nós. Mas se te dizemos
que Alma realmente sonhou que o ônibus de Manolo ia explodir, você acaba com a
minissérie...Você é um incrédulo. Vamos tentar ser o menos possível tradicionais, porque se
não acrescentamos nada à televisão, terminamos nos mesmos vícios.
DOC - Não sei do que você está falando...
GARCÍA MÁRQUEZ - Nem eu, mas me entendo. É que são sempre os mesmos passos, as
mesmas respirações, não estamos inovando nada.
DOC - O que vocês acham do episódio assim?
ARTURO - Eu gosto muito da ambiguidade sobre sua identidade.
MANOLO - Que uns pensem uma coisa, outros outra.
LUIS ALBERTO - Sim. não gostamos de que haja uma explicação racional para o problema
de Alma.
GARCÍA MÁRQUEZ - O detetive está convencido de sua descoberta. Mas o que deve atrair o
público no começo do quarto A capítulo é toda a história secreta de Angel. Nesse primeiro
dia depois do assassinato, os jornalistas dizem tudo o que querem. Depois a coisa vai se
esclarecendo.
DOC - E dizem que estava metido em negócios sujos.
GARCÍA MÁRQUEZ - A loura assassina tem o papel mais curto da série. Tem que ser uma
beleza, com uma roupa de lantejoulas prateadas, nacaradas, e um pouco à moda antiga. Não
tem que ser atriz.
DOC - No aeroporto, Maricarmen chega para o enterro e vê a notícia na televisão.
GARCÍA MÁRQUEZ - Chega como uma atriz de cinema, com óculos escuros e turbante. Vai
para casa, mas Ángel já está enterrado. Tudo já aconteceu. A televisão começa a
contar revelações, porque no primeiro dia a notícia era só que tinham matado Ángel. Dom
Diego está furioso. Mas não lamenta a morte do filho, que considera um traidor. novas
LUIS ALBERTO - Dom Diego já está meio louco...
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim, e com a chegada de Maricarmen, começa a chorar.
DOC - Quando Alma leva Maricarmen para descansar, ela vê que Alma está no quarto de
Ángel; e conversa com Petra, que diz que essa mulher é a destruição.
GARCÍA MÁRQUEZ - Para Alma, a vida voltou ao capítulo anterior; quando elimina Ángel,
Maricarmen volta. Este é o momento que Alma utiliza friamente para o testamento. Fala com
Dom Diego, diz que a família é um desastre e...
LUIS ALBERTO - Que deixe tudo para Manolito.
GARCÍA MÁRQUEZ - Com ela como tutora.
LUIS ALBERTO - Mas para isso Dom Diego teria que estar perto da morte...
GARCÍA MÁRQUEZ - Não, não, o que tem é uma raiva do caralho. Solta o clássico discurso da
família que trabalhou tanto, que chegou num barco de refugiados, e conta a Alma toda a
história, caído na cama.
SUSANA - Maricarmen surpreende-se quando tica sabendo que seu pai nunca recebeu suas
cartas.
IVAN - Alma sempre escondeu a correspondência.
GARCÍA MÁRQUEZ - Dom Diego chega à reunião da Diretória pressionado pelas coisas de
Alma, e propondo manobras financeiras baseadas nos sonhos. Basta que diga que têm
que fazer algo porque Alma sonhou, para que os outros o considerem louco.
LUIS ALBERTO - Faz-nos falta uma cena em que Alma apresente para Dom Diego o
testamento em favor de Manolo com ela de tutora, e nesse momento chega Maricarmen.
Dom Diego manda parar a leitura e Alma, que está de costas, não sabe o que está
acontecendo. Quando se volta, vê que é Maricarmen.
GARCÍA MÁRQUEZ - Essa cena se reflete no rosto de Alma. Quando eles se reconciliam, Alma
percebe que tem que começar de novo, porque Dom Diego diz ao notário que o documento
deve ser refeito, que deve ser modificado. E aqui acaba a primeira parte. A segunda começa
com um diálogo muito tranquilo entre Petra e Maricarmen. Vemos a chegada do telegrama.
DOC - Maricarmen pergunta o que Alma está fazendo no quarto do seu irmão, pergunta por
que ela mudou para lá. Mas quando é que fala com Petra?
GARCÍA MÁRQUEZ - De manhã, tomando café na cozinha.
DOC - Alma pega o telegrama e diz que sonhou que alguém vai chegar.
LUÍS ALBERTO - Mas tem que haver uma mudança de Maricarmen em relação a Alma. a
partir de um determinado momento, de algum fato...
GARCÍA MÁRQUEZ - Maricarmen vai ao quarto de Ángel e leva a Alma algo seu, um rádio ou
qualquer coisa...
LUIS ALBERTO - E Alma pede a ela alguma coisa para perfumar o quarto, para que ela se
sinta protegida.
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim, e diz para ela ficar tranquila, que não haverá nenhum problema,
que ficará feliz na casa, que todos gostam muito dela. E então conta que teve um sonho que
não contou na mesa porque Dom Diego já começa a sabe interpretar sonhos: que Dom Diego
vai fazer o testamento em favor de Maricarmen e que lhe dará poderes para que o
represente na empresa.
IVAN - Mas quando chega Amparo, reivindica ser a maior acionista.
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim, e encontra Maricarmen totalmente aliada a Alma. No final da série,
Alma e Amparo têm que ficar sós.
IVAN - Todo o filme é um duelo entre mulheres e os homens são vítimas...
GARCÍA MÁRQUEZ - É preciso ver que o melhor quarto da casa é de Amparo. Maricarmen
não gosta de Amparo.
IVAN - Quando Maricarmen chega, estão esvaziando o seu quarto e preparando o de Ángel.
Alma pode dizer que sonhou com sua vinda e por isso estão preparando o outro quarto.
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim, precisamos começar a mover os sonhos.
LUIS ALBERTO - E o que vamos fazer com Manolito? Ah, e se Manolito está sobrando, o que
dizer do bebê de Rosafina?
GARCÍA MÁRQUEZ - Até ele crescer, a série já terá acabado...
LUIS ALBERTO - Temos que buscar uma brecha para ele também.
SUSANA - No testamento, vai ser preciso incluir a filha de Rosafina, porque ela é também
filha de Ángel.
DOC -O parto é no quarto de Rosafina, com Petra pedindo água quente.
GARCÍA MÁRQUEZ - Dom Diego diz: “É preciso reparar bem que a menina que nasce
exatamente neste momento”. Daí passamos à lua-de-mel entre Dom Diego, Alma e
Maricarmen.
DOC - E a revelação de Rosafina de que teve uma filha de Ángel?
GARCÍA MÁRQUEZ - Esse problema fica assim, depois a gente vê quem é o pai.
ARTURO - Que Alma ajude Petra no parto...
GARCÍA MÁRQUEZ - Não, Alma está com Dom Diego no escritório, metida na questão do
testamento.
SUSANA - O que se ouve é o choro.
GARCÍA MÁRQUEZ - Então já nasceu.
DOC - Não, Gabo. Antes vem o parto.
GARCÍA MÁRQUEZ - Mas não sei para que vão fazer o parto, se já temos o choro. Vão encher
isso de trapos e de confusão, e parto é sempre a mesma coisa!
LUIS ALBERTO - Supõe-se que ela já começou esse trabalho de parto há pelo menos três
horas.
GARCÍA MÁRQUEZ - Ah, então temos que esperar três horas até Rosafina parir!
DOC - Não, é um parto imediato.
LUIS ALBERTO - Um parto de televisão.
DOC - Como vão estar fazendo um testamento em baixo e um parto em cima e a gente não
veja nada? Ora, esse contraste é interessante...
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim, mas se eu fosse o diretor não faria o parto, a não ser que fosse um
documentário, ou seja, que a gente visse o bebê saindo de cabeça. A descrição de um
parto não tem nenhum interesse dramático. A não ser, claro, que seja um bebê de duas
cabeças: uma de Salvador, a outra de Angel...
MANOLO - E por que Rosafina não dá à luz no cemitério quando levam flores para Ángel?
Ali ela diz que é filha dele e que veio a...
GARCÍA MÁRQUEZ - Vejam só: você também ficou louco... Vamos mandar você para o
manicômio!
DOC - Temos que ir pensando que Alma sabe que Amparo vem vindo...
IVAN - Acho que Alma tem de preparar as condições. Tem que voltar a conquistar as pessoas
que estão contra ela.
GARCÍA MÁRQUEZ - Ela já tem todo mundo que está ao seu lado. Já está forte. Tem ao seu
lado Maricarmen, Petra...
IVAN - Mas não tem Manolito.
GARCÍA MÁRQUEZ - Bem, amanhã a gente pensa em Manolo, porque está sobrando.
DÉCIMA PRIMEIRA JORNADA APONTAMENTOS DE DOC
Nesta versão resolve-se fazer um flashback. Uma revisão geral do quarto episódio, já que os
caminhos de Alma ficaram em aberto e tumultuados. Ninguém mais sabia se ela tinha
morrido de verdade ou não. Se era uma morta-viva ou se passava por morta. A tarefa de
dissolver a incógnita coube a Ivan Argiiello. Ponderado e tímido, tendo o rosto marcado por
óculos de grossas lentes, esse jovem nicaraguense conseguiu com sua síntese uma ponte
para o quinto episódio. A propósito, Ivan, Susana e eu passamos a frequentar o complexo
aquático da escola pelas manhãs. O professor de natação, formado na Alemanha
Oriental, era implacável e por utilizar sem piedade uma tal tabela de progressão olímpica
nos deixava literalmente exaustos. Uma semana após o início das aulas, os três
estavam distendidos e revoltados. Desistimos de nadar. Por duas vezes Ivan Argiiello esteve
no Brasil. Uma como participante da Bienal do Livro, outra como jurado do Rio Cine Festival.
Sempre em missão oficial, por ter se tornado um respeitado intelectual na Nicarágua. Dos
mexicanos, desconheço o destino, tanto da queridíssima Susana como de Arturo. Afinal a
Cidade do México tem vinte milhões de habitantes e continua crescendo. Aliás foi a própria
Susana que, ao me presentear com um livro de Jean Cocteau, escreveu na dedicatória
parafraseando o autor: uma vez que estes mistérios me ultrapassam, tingimos que eles não
existem.

QUARTA-FEIRA, 18 DE NOVEMBRO
IVAN - Jardim. Salvador recolhe jornais e correspondência. Sala de jantar. Manolo vê
televisão. Dom Diego desliga a televisão e diz que não quer nenhum ruído porque Alma está
dormindo. Manolo sai, chateado. Cozinha. Petra arruma as coisas, com barulho. Dom
Diego pede silêncio para que Alma sonhe algo importante para ele. Diz a Rosafina que
prepare o café da manhã para Alma quando ela despertar. Rosafina se queixa da falta de
consideração dos outros: afinal, ela está grávida. Interior. Salvador toca a buzina chamando
Manolo. Percebe o erro de ter feito ruído. Manolo sai e comenta que na escola sim, todo
mundo pode fazer barulho. Escritório de Dom Diego: Angel prepara uma pasta, olha o
relógio, levanta-se chateado, abre a porta e descobre seu pai perambulando no meio da sala.
Ángel diz que está esperando há uma hora. Dom Diego avisa que não fará nada até que Alma
indique o caminho a seguir. Corredor. Ángel toca na porta de Alma. Ela abre com um gesto
enigmático. Escritório. Diante de papéis, Dom Diego olha Alma e ela recomenda não assinar
nada. Angel se retira dizendo que isso já é demais. Sala de reuniões da empresa Piscina casa
Morán Cozinha. Angel e executivos reveem documentos atrasados por falta de assinatura
do pai. Ao lado da piscina, Alma conta um sonho a Dom Diego e insinua que Angel o trairá.
Dom Diego fica pensativo. Executivos pede interdição judicial. Angel eles lhe dão um voto
de confiança. Petra e Rosafina convence-os e observam Alma e Dom Diego. Rosafina está
incomodada porque tudo gira em torno de Alma e até a comida que se faz naquela casa é
feita para sonhar. Quarto de Amparo. Alma observa impressionada o conforto e a decoração,
e o enorme retrato em que Amparo mostra joias e um belo vestido. Angel chega desafiante
e pergunta quanto dinheiro ela quer para ir embora. Alma o ignora. Escritório de Ángel.
Ángel contrata um detetive para investigar a procedência de Alma. Casa Morán. O detetive
chega como inventariante de seguros. Rosafina manda ele entrar. Alma atende o detetive,
que lhe mostra uma carta. Alma lê, autoriza o detetive a fazer o inventário e manda Rosafina
levá-lo ao escritório de Dom Diego. Escritório de Dom Diego. O detetive interroga
Rosafina sobre as circunstâncias em que Alma entrou na casa, e ela relata as qualidades de
Alma. Alma entra com uma xícara de café para o detetive, conversa animadamente sobre
sua história e seu dom de sonhar e conta um sonho que se refere a ele e à sua família,
impressionando-o. Alma se levanta e ele aproveita para pegar e guardar rapidamente o copo
que Alma utilizou. Sala da polícia. Impressões digitais de Alma numa tela de computador. O
detetive e um investigador observam-nas. O investigador informa que os dados de Alma
coincidem com os de uma mulher que morreu no terremoto de 1957, com toda
a família. Escritório de Angel. Angel acusa o detetive de louco e incompetente. O detetive
insiste que Alma tem a faculdade de ver através de sonhos e que aconteceu com ele o que
ela havia previsto. Escritório de Dom Diego. Dom Diego se enfurece ao descobrir que foi
feita uma reunião da direção, presidida por Ángel, quando se falou de providências contra
ele. Alma diz: “Bem que eu avisei’’. Casa Morán. Ao chegar, Angel tropeça com Dom Diego
e Alma. Censura-a por manter seu pai sob suas ordens. Dom Diego acusa-o de traidor e exige
que ele saia da casa. Ángel diz que Alma é uma impostora que utiliza o nome de uma pessoa
morta. Alma responde: “O morto é você”. Elegante clube noturno. Uma loira com um vestido
de lantejoulas saca uma pistola e dispara sete tiros em Ángel.
GARCÍA MÁRQUEZ - O que há na correspondência que Salvador pegou? Ou é simplesmente
o registro de um fato cotidiano? Por que não sonham algo com Salvador e ele desaparece?
Não faz nada. Ganhou dinheiro sem fazer nada. Bem, o que vem em seguida?
SUSANA - O capítulo quarto. Diálogo de Dom Diego com Alma, quando ele faz de Manolito o
herdeiro e a nomeia tutora do menino, mas Maricarmen chega; a segunda reunião...
GARCÍA MÁRQUEZ - Tudo isso está totalmente desorganizado... A reunião deve ser depois
de um café da manhã no qual vemos Alma instruindo Dom Diego sobre o que deve dizer
aos executivos. Nessa reunião, tudo será definido.
LUIS ALBERTO - Creio que a única possibilidade real que Alma tem para virar herdeira.
agora que não pode ser tutora do menino, é casar com o velho.
GARCÍA MÁRQUEZ - Acontece que eu a imagino tão feia, que não consigo vê-la casada. Mas,
vai ver, estou enganado...
LUÍS ALBERTO - Alma cerca-o de atenções: por exemplo café da manhã, ela serve coisas que
ele adora e que há muitos anos ninguém preparava., no
GARCÍA MÁRQUEZ - É preciso dar a impressão de que isto evolui para o amor, mas aparece
algo que interrompe tudo.
DOC - Por que Amparo não chega agora?
GARCÍA MÁRQUEZ - Amparo tem que chegar pouco a pouco. Primeiro chega parte da
bagagem; depois, uma casa pré-fabricada para ser montada, e finalmente chega ela.
Demora uma semana para chegar.
LUIS ALBERTO - Chega um guerreiro africano, com uma correta.
GARCÍA MÁRQUEZ - Objetos chineses; tudo que é tipo de objetos chineses.
MANOLO - Chega um chinês.
GARCÍA MÁRQUEZ - Chegam ânforas e jarros. Todos os dias chegam coisas.
IVAN - As aves orientais chegam em jaulas grandes, mas debaixo de chuva.
GARCÍA MÁRQUEZ - São trazidas num caminhão, que do lado de fora tem um anúncio:
“Aves-do-paraíso, S.A.”. Os entregadores perguntam se ali mora Amparo Morán. Alma
recebe tudo e assina. Desde que começam a receber as coisas, sabemos que Amparo está
chegando. Maricarmen tem de contar a Alma que uma vez Amparo chegou com uma partida
de macacos da índia, que tinham febre amarela e provocaram danado. um escândalo
DOC - Agora, ela tem que chegar.
GARCÍA MÁRQUEZ - Como chega Amparo? Vamos pensar juntos/ como será a chegada de
Amparo. E que depois que chegarem tigres e leões... Embora pudesse chegar um tigre da
Malásia também, ou uma pantera negra.
DOC - Bom, está chovendo...
GARCÍA MÁRQUEZ - A chuva é boa porque é melhor marcação de tempo que um relógio. No
final entra Amparo.
DOC - Como é Amparo?
GARCÍA MÁRQUEZ - Espalhafatosa, meio perua, durona.
LUIS ALBERTO - Muito mandona.
DOC - Estão comendo e alguém toca a campainha. Alma abre a porta, e é ela.
GARCÍA MÁRQUEZ - Poderia vir da maneira mais simples, mas de tal forma que perturba
tudo... Como Alma escondeu o telegrama, Amparo chega enfurecida porque ninguém foi
esperá-la no aeroporto.
SUSANA - Dentro da casa ouve-se a campainha e Alma diz com enfado: “Mais tristes tigres”.
Abre meio chateada e dá de cara com esta tia dominadora. As duas sustentam um olhar de
duelo.
GARCÍA MÁRQUEZ - Imaginem o grande desprezo quando Amparo diz: “E você, quem é?”
LUIS ALBERTO - Eu diria que ela nem fala nada. ou seja, passa ao lado de Alma e entra na
casa como uma tempestade, brigando. Agarra um objeto e o substitui por uma das coisas
que trouxe.
DOC - E desde que o carro entra, os cachorros, as aves e todos os animais gritam.
GARCÍA MÁRQUEZ - Amparo chega até a metade da sala e grita. E nesse momento calam-se
cachorros, calam-se pássaros, calam-se todos.
LUIS ALBERTO - Ela cria o desastre, mas chega e grita: ‘‘Esta casa é um desastre!”
GARCÍA MÁRQUEZ - A filha de Rosafina chora e não havia maneira de fazê-la parar, mas
quando Amparo grita a menina também se cala.
DOC - E Amparo vira para Alma e diz: “E você, quem é?”
GARCÍA MÁRQUEZ - Mas esse é o final, aí acaba. “E você, quem é?” É um papel para uma
mulher muito elegante. Aqui, o espectador pensa: “Agora sim, Alma se dana”.
ARTURO - Sim, é o que vão pensar.
GARCÍA MÁRQUEZ - Mas não vai ser assim. Amparo é quem termina na rua pedindo esmola.
MANOLO - Este capítulo é muito melhor que o anterior.
GARCÍA MÁRQUEZ - Todos são melhores que o anterior. O que acontece é que a entrada dela
não pode ser diferente dessa. Desde o começo estamos esperando para ver quem vem
colocar o guizo no gato. Temos de machucar Alma, se depois ela vai crescer. Além disso,
quem enfrenta Amparo primeiro é Maricarmen.
MANOLO - Alma não pode fazer isso, porque senão vai presa.
GARCÍA MÁRQUEZ - Alma induz Maricarmen. E conta a Dom Diego alguma coisa
completamente disparatada, para que ele fale nesses termos com Amparo, e Amparo,
evidentemente...
SUSANA - Acha que ele está louco.
GARCÍA MÁRQUEZ - Com esses quatro pontos que levantamos fazemos o quinto capítulo.
Na reunião liquidamos Maricarmen, e no final Dom Diego vai parar no manicômio.
DOC - Temos que preparar isso muito bem para amanhã. Só temos quatro capítulos até
agora.
GARCÍA MÁRQUEZ - Podemos encompridar o quinto, mas não temos mais personagens
suficientes. E Amparo não aguenta mais dois capítulos... Vamos ter de fazer um outro entre
o terceiro e o quarto, ou entre o quarto e o quinto. Podemos fazer um capítulo de
circunstâncias.
LUIS ALBERTO - E Manolo?
GARCÍA MÁRQUEZ - Alma fica feliz com o menino que vai criar, porque não tem filhos.
Amanhã vamos fazer o capítulo final, e depois ajustamos tudo. O que ficar pendente a gente
ajusta nos capítulos intermediários.
DÉCIMA SEGUNDA JORNADA APONTAMENTOS DE DOC
Jean-Claude Carrière explica. O cinema, o teatro e o romance não se igualam. Nada é mais
fácil do que escrever esta frase num romance: no dia seguinte, de manhã. Nada é tão difícil
como mostrar num filme que estamos no dia seguinte e que é de manhã. É necessário pensar
a cada instante na frequentemente esquecida: não anunciar o que se vai ver, não fórmula
sacrossanta, tão contar o que já se viu. Efetivamente, nenhum de nós esperava pela
conclusão que surgiria neste décimo segundo encontro. Foi uma surpresa. Uma revelação
que cumpriu com exatidão a fórmula sacrossanta de Jean-Claude Carrière. Atarantados com
a construção do clímax, o ápice do roteiro, momento em que Alma e Amparo se enfrentam,
respondemos sem sentir a uma das questões mais impertinentes do ato de criar: por que
estamos contando esta estória? Ou melhor, qual é a razão deste drama? A surpreendência
da resposta, o leitor encontrará no relato da jornada através do brilhantismo de Eliseo. Ano
passado encontro Eliseo Alberto Diego, Lichi para os amigos, em um seminário de
roteiristas em Fortaleza, Ceará. Sua perspicácia e simpatia se mantêm inalteradas, de sua
vida ter mudado radicalmente. Ele já não pesa os cem quilos de outrora e agora
apresenta um corpo de manequim. Deixou Cuba para trás e vive no México com sua filha e
um novo casamento. Tornou-se romancista e pouco a pouco está deixando de ser
roteirista. Sua criatividade ruma agora para a literatura. No seu entender, a indústria
audiovisual em todo o mundo está assolada por uma indiscutível banalidade. Diria mais: por
uma vulgaridade inexpressiva e pulverizante. Como explica Jean-Claude Carrière em seu
último livro “Le film qu’on ne voit pas”: quanto mais a comunicação audiovisual se
multiplica, tanto maior será a perda de qualidade. Apesar

QUINTA-FEIRA, 19 DE NOVEMBRO
DOC - Podemos começar hoje com o café da manhã após a chegada de Amparo, com Alma
falando dos seus sonhos.
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim, temos de erguê-la, porque a deixamos um farrapo.
ARTURO - Como responde Alma, quando Amparo pergunta quem ela é? Como espectador,
eu esperaria ver a resposta no capítulo seguinte.
IVAN - Mas este capítulo é de Amparo.
GARCÍA MÁRQUEZ - Ela chegou ontem à noite e o café da manhã é hoje. De ontem para hoje
ficou sabendo tudo que aconteceu.
DOC - Amparo está na piscina fazendo exercícios matinais com música clássica...
IVAN - E ao redor da piscina estão todas as jaulas. O ambiente já está mudando.
DOC - Depois ela pede ovos crus. Não há mais televisão no café da manhã.
GARCIA MARQUEZ - Neste capítulo ela vira tudo do avesso.
DOC - Salvador chama Manolo para sair e ela pergunta que novidade é essa. Salvador diz
que Manolo não pode mais ir no ônibus da escola, mas ela manda ir. Salvador entrega a
correspondência a Alma e Amparo outra vez pergunta que novidade é essa.
ELISEO - Então, Amparo pede que sirvam o café da manhã de uma vez e alguém diz a ela que
é preciso esperar que Alma chegue, para falar dos sonhos.
SUSANA - Seria bom se chovesse pela terceira vez e Petra dissesse que está curada, e ainda
assim Amparo resolve levá-la ao médico à força, quase arrastada.
ELISEO - Em algum momento vamos precisar da seguinte cena: Amparo e Alma chamam os
cachorros, mas os cachorros vão direto na direção de Alma.
SUSANA - Traição.
DOC - Deve ser a preparação para o combate, porque se começarmos direto com o
combate...
GARCÍA MÁRQUEZ - Amparo está de espectadora porque ela não tem ideia de como era o
café da manhã. Mas quando alguém diz que Manolo irá de ônibus, Alma protesta e aí Amparo
investe contra ela. Dom Diego diz que Alma é uma santa, que salvou a vida de Manolo, que
o menino está vivo graças a ela. E que por isso todos os outros a rodeiam perguntando a ela
o que devem fazer. Não vimos esta cena em nenhuma parte do filme.
DOC - Todos querem perguntar a Alma com o que ela sonhou essa noite e Amparo diz que
tudo isso é bobagem.
LUIS ALBERTO - Maricarmen deve ter uma atitude um tanto mística.
ELISEO - Ela está pagando suas culpas, tem que mudar.
DOC - Como?
GARCÍA MÁRQUEZ - Vira freira.
ELISEO - Ou missionária no Congo.
DOC - Isso é bom.
GARCÍA MÁRQUEZ - Esse é o destino de Maricarmen. E se alguém não gostar, que diga agora,
que a gente aproveita para debater aqui. Não vamos dar ao personagem uma evolução que
pode ser muito longa e pode parecer artificial. Ela tem um processo espiritual que em
nenhum momento dá para a gente notar, e diz que vai virar missionária no Congo e pronto.
LUIS ALBERTO - Pode perguntar a um sacerdote qual país está mais fodido, onde há malária,
e ir pra lá.
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim, isso é bom. E mais adiante podemos vê-la com o hábito de São
Francisco.
DOC - Continuamos no escritório de Dom Diego...
GARCÍA MÁRQUEZ - Não, eles vão para a reunião. Ali Amparo tem sérias dúvidas, até que
Dom Diego fala dos pássaros negros. Os acionistas convencem Amparo a declarar uma
interdição judicial contra o irmão.
IVAN - Amparo pode adotar a mesma atitude de Ángel: pedir que deem a ela um voto de
confiança, que tudo vai ser resolvido.
GARCÍA MÁRQUEZ - Acho que soltaram os loucos do sanatório antes da reunião e Dom
Diego diz a Amparo: “Olha, esses são os gaviões brancos dos quais Alma estava falando”. Isso
pode dar a ela a ideia... Também podemos dizer algo do caráter de Dom Diego. Que se abaixe
dizendo “Meus gaviões brancos”, e junte os louquinhos e trate de fazer com que eles subam
no ônibus... Bem, a gente vê isso depois. Agora, a coisa tem de ficar no seguinte pé: declaram
interdição legal de Dom Diego, que é mandado para o manicômio. Em todo esse episódio,
eleja tem de estar alterado demais com os sonhos. E preciso sair de todos eles. No final do
episódio só ficam Dom Diego, Alma e Amparo.
MANOLO - Como Amparo sai de casa? E preciso matá-la.
GARCÍA MÁRQUEZ - Sai sozinha.
DOC - E o que faz Dom Diego?
LUIS ALBERTO - Apressa o testamento para proteger Alma de Amparo.
ARTURO - E quando Amparo percebe, denuncia-o por incapacidade mental.
DOC - Acho que Dom Diego se casa com Alma.
GARCÍA MÁRQUEZ - O assunto é esse: que Dom Diego se case. Mas é um casamento com fins
exclusivamente legais.
LUIS ALBERTO - Casa-se para proteger Alma.
GARCÍA MÁRQUEZ - Para dar a ela toda a sua fortuna.
ELISEO - Eu gostaria que esses objetos estranhos que chegaram antes de Amparo sirvam
como símbolos dos sonhos que Alma teve...
DOC - Isso é muito bom.
ELISEO - eu acredito nos sonhos. Alma se preparou em sonhos, sem que ela própria
soubesse, para o confronto definitivo com Amparo. Todos os pássaros, o cachorro chinês e
os outros, estão dentro de seus sonhos. Então, Amparo começa a se aterrorizar porque foi
ela que materializou os sonhos de Alma.
GARCÍA MÁRQUEZ - A saída de Amparo deve depender da realização de um sonho, não de
um truque. Alma diz coisas a ela: “Você, tal e tal e etc. e tal”. E acontecem as coisas que
ela anunciou, e o filme acaba. Ela diz a Amparo: “Tenho estado sonhando com os biombos e
com os pássaros e com tudo isso, e você esteve realizando meus sonhos e você é minha
súdita desde que eu cheguei. Sonhei suas viagens e posso contar o que aconteceu. No Taiti
aconteceu isto e isto, em tal lugar aconteceu esta outra coisa” e assim por diante...
ELISEO - Amparo concretizou o sonho, e no final Alma diz: “Você quer saber como termina
meu sonho? Você amanhã vai embora desta casa”. E Amparo derrota a si mesma, porque ela
não sabe nem para que comprou todos esses pássaros, que no fundo ela não quer, nem sabe
quem a mandou comprar os cachorros. Quem mandou foi Alma, sonhando tudo isto.
Portanto, todas estas coisas estranhas são a chave de tudo: é o sonho de Alma.
DOC - E esse é o discurso que Alma vai sonhar no final, um discurso aterrador. Amparo foi
apenas uma executora.
GARCÍA MÁRQUEZ - Agora está tudo amarrado! A parte de pensar acabou. Agora o que vem
é trabalho técnico. Assim podemos organizar melhor os animais.
ELISEO - Os animais e tudo que necessitamos nos sonhos.
GARCÍA MÁRQUEZ - E Alma diz a Amparo: “E por que você pensa que se encontrou com
fulano de tal em tal lugar? Porque isso estava no meu sonho. E em Hong Kong você estava
no Hotel Península...”
ELISEO - E isso se pode levar até o infinito. . .
GARCÍA MÁRQUEZ - Além disso, já não há lógica possível. Alma se dá conta de que tudo
aquilo é verdade, que Amparo fez compras para ela pelo mundo afora. E diz: “Você chegou
perguntando quem eu era. Pois bem, agora já sabe. Eu sou a que sonhou você.”
ELISEO - “E agora, ou você vai embora, ou eu acordo você.”
LUIS ALBERTO - E é a grande farsa.
GARCÍA MÁRQUEZ - “Aqui não aconteceu nada, tudo era um sonho meu, vocês são criaturas
da minha imaginação, não passam de uma fábula.”
ELISEO - “E você somente viverá se for embora daqui imediatamente.”
GARCÍA MÁRQUEZ - Isso é roubado de Borges, mas bem roubado.
DOC - É um final muito bom.
GARCÍA MÁRQUEZ - Bom, mantém-se de pé o mistério da criação. Eu faço esta oficina para
ver qual é o mistério da criação e sempre me surpreendo. A gente sempre fica depois com
a sensação de que alguém nos ditou alguma coisa, que no fundo foi tudo ditado. Claro, na
verdade a criação não se realiza senão for estimulada. Para isso trabalhamos todos os dias,
para descobrir verdades em um minuto. Caramba, foi como uma explosão!
ELISEO - Tudo se explica, até aquela loura que era um personagem louco.
GARCÍA MÁRQUEZ - Além disso, tem algo de conto antigo em que explicavam tudo no final.
E o casamento é o caminho mais rápido para resolver tudo. Vamos vesti-la de noiva? s
LUIS ALBERTO - E um sonho.
GARCÍA MÁRQUEZ - “Um longo sonho que não foi interrompido nem mesmo por minha
morte no terremoto de 1957.”
ELISEO - É que está no sonho eterno. Esse poderia ser outro título. Me Alugo para Sonhar
ou O Sonho Eterno.
DÉCIMA TERCEIRA JORNADA APONTAMENTOS DE DOC
“Enquanto escreve o roteiro, você não tem qualquer objetividade, não tem visão geral. Não
enxerga nada exceto a cena que está escrevendo, a cena que acabou de escrever e a
cena V que escreverá a seguir. As vezes nem isso você enxerga. E como escalar uma
montanha. Enquanto sobe para o topo, tudo o que vê é a pedra diretamente à sua frente e
acima de você. Somente quando chega ao topo é que você pode olhar o panorama abaixo. A
coisa mais difícil ao escrever é saber o que escrever. Ao escrever um roteiro, você deve saber
para onde está indo. Encontrar uma direção, uma linha de desenvolvimento que conduza à
resolução, ao final. Se não, você vai ter problemas. Porque é muito fácil perder-se no
labirinto de sua própria criação. Por isto o paradigma é tão importante: ele é o ponto
de virada, um incidente, ou evento, que toma conta da ação e reverte o final”. Este trecho
pertence ao conhecido teórico de dramaturgia Syd Field. Ele demonstra a relevância do
paradigma, do ponto de mudança a partir do qual o texto se prepara para a finalização. Nesta
décima terceira jornada se efetua uma série de transformações abruptas no percurso dos
personagens, n intuito de criar-se um final surpreendente. Jamais imaginado pelo
espectador. Mudanças importantes já tinham sido previstas: o casamento e a loucura do
velho Morán. Outras surgem um pouco modificadas, revestidas de uma nova nuance: é o
caso da explosão de religiosidade em Maricarmem. E outras tantas que foram criadas neste
dia para os outros personagens. Confesso que na ocasião fiquei fascinado com a exuberante
carga de criatividade encontrada. Entretanto um dos produtores da minissérie, um
espanhol caladão, palpitou que o destino final de alguns personagens derrapava no
exagero, tocando o limite da perda de credibilidade. O que penso hoje? Tendo a concordar
com ele.

SEXTA-FEIRA, 20 DE NOVEMBRO
DOC - Vamos começar esclarecendo alguns pontos da segunda parte, quando Dom Diego
casa com Alma.
GARCÍA MÁRQUEZ - Um casamento convencional, legal. Assim que se casam, assinam o
testamento onde se estabelece que o herdeiro único é Manolito, e que ela é a tutora.
DOC - E Petra?
ELISEO - Eu gostaria que Petra esperasse o terceiro dia de chuva e que, quando está quase
nesse terceiro dia, a chuva acabe.
GARCÍA MÁRQUEZ - Seria formidável que estiasse nas doze badaladas.
ELISEO - Claro, com a última badalada não cai nem mais uma gotinha.
DOC - Petra vai para outra cidade.
GARCÍA MÁRQUEZ - Ouviu falar pelo rádio que há um lugar onde chove sempre, e vai para
lá.
ELISEO - Falta Rosafina também.
LUIS ALBERTO - Eu creio que algum desses personagens deve morrer de medo...
GARCÍA MÁRQUEZ - Ou ir embora dessa casa maldita, porque aí nunca se sabe quando Alma
vai sonhar com a morte de alguém, porque quando isso acontece, esse alguém morre.
ELISEO - Pode ser Salvador.
GARCÍA MÁRQUEZ - Mas não vai embora de um jeito qualquer. Os Morán ficam sem
cozinheira e sem nada. Salvador é o marido de Rosafina e, quando vai embora, leva junto
todos os outros criados e seu filho. Vai por medo, porque ele diz que as pessoas deitam e
dormem sonhando ser felizes, e há uma louca ao lado sonhando que cai um raio nessas
mesmas pessoas.
ELISEO - Que Salvador diga a Petra durante a noite da segunda chuva, enquanto ela espera
a terceira: “Já pensou bem no que está fazendo? Esta mulher disse que quando chover três
dias seguidos sua vida vai mudar”. E Salvador assusta-a dizendo que sua vida vai mudar de
verdade, mas para pior. Quando amanhece, Amparo desce e não há ninguém. Olha nos
quartos e não encontra ninguém.
DOC - Temos que resolver Maricarmen.
LUIS ALBERTO - Maricarmen vai para um convento pagar suas culpas pelo roubo.
IVAN - Eu não a poria num convento. Faria com que raspasse a cabeça, que se banhasse com
cinzas num rito...
GARCÍA MÁRQUEZ - Isso faz mais imagem! Vamos inventar uma seita em que tenham que
cobri-la com cinza, banhá-la em ouro em pó, raspar-lhe a cabeça, levá-la nos ombros, entre
flores.
ELISEO - Quando Amparo desce e não encontra ninguém, descobre Maricarmen cortando o
cabelo e logo chega uma turma que a leva cantando para a iniciação. Aí é quando o notário
diz a Dom Diego: “Se o senhor quer defender essa mulher, tem que se casar com ela”.
DOC - Então Dom Diego abre a porta e na sala está Alma.
GARCÍA MÁRQUEZ - Mas ao abrir a porta, temos de mostrá-la completamente diferente.
Aconteceu alguma coisa. Se se vestia de preto, agora está de branco; se tinha o cabelo
comprido, agora está curto; se era loura, agora está morena. A mulher que está sentada ali
é outra. Até mesmo pode ser outra atriz.
DOC - E Alma tira uma coroa de flores da valise.
GARCÍA MÁRQUEZ - Está com ela porque sonhou isso.
DOC - Então Amparo chega e diz: “Não há mais nada a dizer. Esse homem está louco!” Mas
já está feito o casamento. Dom Diego diz: “Agora que está tudo resolvido, vou viver com
meus amigos, os gaviões brancos”.
GARCÍA MÁRQUEZ - É uma loucura a mais, e ele vai embora. Sem que o amarrem. Não é
melhor que Maricarmen vá embora depois do casamento e da reclusão de Dom Diego no
manicômio? Assim ela pode pensar que tudo o que aconteceu nessa casa é sua culpa.
SUSANA - E renuncia ao testamento.
LUIS ALBERTO - E por que não volta a roubar?
ELISEO - É uma farsante e tudo isso do misticismo é mentira. Passa o filme inteiro roubando.
É cleptomaníaco. Vai embora de casa quando fica sabendo que Manolo é o ú nico herdeiro
e que Alma é a tutora.
GARCÍA MÁRQUEZ - Isso de que reincida me agrada. Mas... vocês acham que Dom Diego, por
mais louco que esteja, vai desamparar Maricarmen dessa forma?
DOC -Está louquíssimo.
GARCÍA MÁRQUEZ - Não, vamos deixar isso entre parênteses, depois procuramos outra
solução melhor. A arbitrariedade tem sua própria lógica. Como vai fugir com mais joias sem
motivo para que a deserdem?
DOC - Outra coisa é Manolo...
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim... Seria maravilhoso que Manolo falasse como adulto. Manolo é um
personagem que deixamos bastante apagado até agora. Isso seria muito bom. Manolo seria
como um Dom Diego em miniatura, como um magnata pequenino. Diz a Salvador: “Salvador,
parece mentira que, apesar das advertências, você continue tocando a buzina”. E Salvador
responde: “Ai, senhorzinho, mas é que...”. E Manolito diz: “Vamos castigá-lo porque não é
possível que continue assim. Da próxima vez que buzinar, vai embora”. Aí temos um
Manolo grande. Cada personagem deve definir-se por sua forma de falar: Rosafina é quem
diz que Alma é a única mulher que trabalha dormindo. Seus diálogos têm que ser como
chicotadas.
DOC - Mas essa frase é muito importante para dá-la a um personagem secundário.
GARCÍA MÁRQUEZ - A menos que sempre que abra a boca, Rosafina diga coisas da sabedoria
popular, que fale com puros provérbios.
DOC - Além disso, temos que ver quais são os sonhos.
GARCÍA MÁRQUEZ - Ela inventa qualquer sonho sem estruturá-los muito. Assim tem uma
amplíssima margem d interpretação.
IVAN - Este capítulo cinco devia ser o sexto; e o quarto deveria ser o quinto, desde que Alma
recebe o telegrama até que Amparo chega...
DÉCIMA QUARTA JORNADA APONTAMENTOS DE DOC
As ideias sobre o sonho, como sobre o símbolo, evoluíram muito. Mesmo hoje em dia os
especialistas ainda estão divididos a respeito. Para Freud, o sonho é a expressão, ou a
realização, de um desejo reprimido. Jung pensava que ele é a auto representação,
espontânea e simbólica, da situação atual do inconsciente. Já para J. Sutter o sonho tem a
menos interpretativa das definições, ele é um fenômeno psicológico que se produz durante
o sono, constituído por uma série de imagens cujo desenrolar representa um drama mais
ou menos concatenado. O sonho se subtrai, portanto, à vontade e à responsabilidade do
homem, em virtude de sua dramaturgia noturna ser espontânea e incontrolada. E por isso
que o homem vive o drama sonhado, como se ele existisse realmente fora de
sua imaginação. A consciência das realidades se oblitera, o sentimento de identidade se
aliena e se dissolve. A famosa parábola chinesa nos conta: o velho Tchuang Tcheu não sabe
mais se foi Tcheu que sonhou que era uma borboleta ou se foi a borboleta que sonhou que
era Tcheu. Nesta décima quarta jornada isto praticamente ocorreu. A imaginação dos
participantes levou Alma a sonhar com a estória, ou foi o sonho de Alma que instigou a todos
a escreverem esta estória? Como num caleidoscópio infinito, também Alma sonha com
Amparo, Amparo com Alma e, por fim, ambas trocam de posição no drama. Amparo passa a
personificar Alma, e esta toma o lugar de Amparo. Confuso? Incoerente? Com certeza uma
resolução inesperada para o roteiro. Pois a estória que cresceu na fronteira do realismo,
acaba desaguando num violento drama psicológico. Ainda que disfarçado em “sonho do
sonho”, o final se deixa possuir pela mais completa violência psicológica: a transmutação de
personalidades.

QUARTA-FEIRA, 25 DE NOVEMBRO
DOC - Vejamos que seita inventaram...
MANOLO - Eu pensei o seguinte: Maricarmen leva Rosafina e Petra a seu templo, o templo
de Poseidon. Um membro da seita limpa o corpo de uma bela moça com uns passes. Rosafina
se queixa e Petra diz que é melhor irem embora. Maricarmem intervém: “Aguenta um
pouquinho. Quando entrar o Grande Mestre, tudo mudará". No momento se levanta uma
cortina e entra o Grande Mestre, seguido por dois poseidons que trazem velas...
GARCIA MÁRQUEZ - Penso que está muito ocidental, com velas. Esses rituais geralmente
são mais simples, mais voltados para a natureza. O namorado de Maricarmen era Poseidon
e vestia uma túnica laranja. Maricarmen volta com a cabeça raspada e com a túnica da seita
poseideana.
ELISEO - O namorado está na cerimônia.
GARCÍA MÁRQUEZ Não, o namorado roubou tudo que Maricarmen tinha e ficou em Miami...
Desde a primeira vez que apresentamos o namorado deve-se ver como está vestido, de que
cor é a túnica, como porque a produção necessita saber tudo isto, como é, que idade tem,
porque é um personagem que vai ser definitivo na vida dela. tem o cabelo, que tipo de seita
é. Tem que ser descrito,
DOC - Olha: quando Maricarmen chega na moto onde ele está, têm que vir vários poseidons.
Isso, logo no primeiro capítulo...
GARCÍA MÁRQUEZ - Sou partidário de que falem inglês, que o namorado masque chicletes
e ela fale um inglês perfeito. A coisa da seita vem de Miami, e por isso ele fica lá. É
apenas uma cena. Depois, que falem em espanhol, mas ela volta de lá, e de lá vem todo o
assunto dos poseidons.
ELISEO - Ela vem careca.
MANOLO - Tatuada. Na cabeça...
SUSANA - Com um símbolo do mar, um peixe ou um tridente...
GARCÍA MÁRQUEZ - Bom, o mais importante disto é que não se pode perder a oportunidade
d introduzir um dado... E Petra, que é misseira, espera encontrar elementos comuns com a
missa, e pergunta se há comunhão e dizem a ela que não. O objetivo da seita deve ser: “Nunca
mais será noite", e no fim Maricarmen sacrifica-se pela seita, entrando no mar, para
que nunca mais seja noite.
DOC - Está muito bom isso.
GARCÍA MÁRQUEZ - E tem que haver um hino a Poseidon, para que ela afunde no mar num
suicídio que não será suicídio, mas consagração. Assim saímos de Maricarmen de
maneira espetacular, com a túnica flutuando no mar...
ANDRÉS - E Rosafina não pode estar aí?
GARCÍA MÁRQUEZ - Messias. Mas nasce menina, e é por isso que Maricarmen
se sacrifica. Sim, e querem proclamar seu filho como o
IVAN - Toda seita espera um varão...
GARCÍA MÁRQUEZ - Maricarmen crê que é homem, por causa do que Alma disse a ela, e
quando nasce uma menina, Maricarmen põe a culpa em Alma.
DOC - Quem trabalhou o final?
ANDRÉS - Eu tenho as anotações...
DOC - Leia, Andrés.
ANDRÉS - Amparo sai da casa com as malas nas mãos. Alma, na piscina, escuta música e
chama os cachorros para brincarem com ela na água. Alma é a dona da casa. Amparo
caminha pelas ruas como uma desconhecida. Em off começa o noticiário da manhã, e o
mesmo locutor fala sobre os desconhecidos que chegam todos os dias à Cidade do México.
Amparo para na frente de uma casa num bairro residencial elegante. Através das janelas,
vemos uma família que começa seu dia de trabalho vendo televisão enquanto toma o café
da manhã. Amparo se aproxima da entrada principal e toca a campainha. Uma mulher abre
a porta para ela. Amparo diz que teve um sonho, e que hoje ninguém deve sair de casa, que
era um sonho muito estranho, com nuvens negras de onde choviam cravos vermelhos.
Explica que se aluga para sonhar. Sobre a imagem congelada aparecem, como epígrafe, os
primeiros versos de A Vida é Sonho, de Calderón de la Barca.
GARCÍA MÁRQUEZ - Eu creio que ela não explica o sonho, só diz: “Bom dia, me alugo para
sonhar”. Diz isso como se fosse o título, e já sabemos tudo que virá. Que Alma fique na
piscina está bem, mas me parece que é mais curto. Uma coisa que temos que esclarecer é o
desenlace de tudo isto, porque ainda não nos entendemos. Alma diz a Amparo que ela não
se pertence, que fez toda essa viagem e trouxe todas essas coisas para concretizar o sonho
que Alma teve, e que ela sabe qual é o final do sonho: Amparo tem que ir embora da casa, ou
morre.
ANDRÉS - E que tudo o que está acontecendo é um sonho que ela já teve.
GARCÍA MÁRQUEZ - Quer dizer, Amparo não podia fazer uma coisa diferente do que fez,
porque tudo o que aconteceu nessa casa estava pré-estabelecido pelos sonhos de Alma. Pelo
menos, essa é a história de Alma. E é uma maravilha que Alma tenha tido essa ideia no final,
e que até o fim tenha feito Amparo acreditar que até ela era um instrumento de seu sonho.
O que aconteceu com Amparo em Hong Kong deve ser uma dessas coisas que acontecem a
todo mundo, e que são fáceis de adivinhar.
ANDRÉS - Tenho escritas algumas cenas de Amparo. Petra apresenta-se a Amparo, que
pergunta a ela: “Está doente? O que você tem?” Petra: “Uma longa doença, senhora, mas
graças a Deus vai passar quando chover hoje pela terceira vez.” Amparo: “Não me venha
agora com bobagens, Petra. Você precisa ir ao médico hoje. Quem foi que disse essa
bobagem da chuva?” Amparo diz a Rosafina que vai levar Petra ao médico, que prepare o
café da manhã, e acrescenta: “0 problema da menina vamos resolver hoje também: ou ela
trabalha ou é mãe, mas não se pode fazer as duas coisas ao mesmo tempo. Então, vamos
conseguir uma creche para a menina.” Rosafina: “Se a senhora quer assim.” Amparo: “Sua
filha chora demais, Rosafina. Será melhor para ela e para nós também. Agora, traga-me o
café da manhã. Não escutou, Rosafina?” Rosafina: “Perdoe-me, senhora, mas temos ordens
de Dom Diego para não servir o café da manhã antes que a senhora Alma acorde. Só Manolo
pode comer para ir para o colégio.” Amparo: “Isso que está me dizendo é completamente
absurdo.” Rosafina: “É que ela tem que contar os sonhos quando estamos todos em jejum,
ou então os sonhos não se cumprem”. Amparo: “Não posso acreditar no que está me
dizendo.” Salvador, sem perceber, toca a buzina, faz um gesto de terror e diz: “Essa buzina
vai me matar.”
GARCÍA MÁRQUEZ - Isso é muito bom.
ANDRÉS - Manolito reage imediatamente, e quando vai se levantar, Amparo o detém e
pergunta: “O que está acontecendo agora?” Manolito: “É que Salvador está me chamando
para me levar para a escola.” Amparo: “Para quê? Você vai para a escola de carro?
Com chofer?” Manolito: “É que depois que todos os meus amigos morreram no
ônibus...” Amparo: “Que educação é essa que Diego está dando a você? Quando crescer vai
ter que ser um homem... Rosafina, diga a Salvador que avise na escola que a partir de
amanhã Manolo vai para as aulas de ônibus.”
DOC - Está bom.
ANDRÉS - Manolito sai com expressão de alívio, e Amparo diz a Petra: “Você, Petra, traga-
me o café da manhã”. Dom Diego chega e diz: “Petra, a senhora ainda não pode trazer
nenhum café da manhã.” Amparo vai replicar no mesmo momento em que Alma entra e diz:
“Petra, já pode servir o café da manhã.” Amparo: “Tenho que falar imediatamente com você,
sem os empregados nem pessoas estranhas. Todos nesta casa perderam o sentido da
realidade.” Alma: “Não acredita em mim, não é? Mas esta noite sonhei com gaviões brancos
que revoavam como loucos num céu cinzento...” Dom Diego: “O que quer dizer isso, Alma?
Que não devo ir à reunião? Será que não devo sair?” Alma: “Talvez seja um mau sinal. Algo
muito mal vai acontecer nesta família.” Amparo: “Diego, não se deixe influenciar por essa
bruxa.” Alma: “Eu não sou uma bruxa, senhora. Sou apenas uma sonhadora.” No banheiro,
Amparo diz a Maricarmen: “Por que você mudou tanto?” Maricarmen: “Eu não mudei, o
mundo é que mudou; nossa religião vai devolver a felicidade ao mundo.” Amparo:
“Maricarmen, por favor, diga coisas com sentido. Nesta casa todo mundo perdeu o
juízo.” Maricarmen: “Há um profundo sentido em minhas palavras, mas só os iluminados
são capazes de entendê-las.” Amparo: “Bobagens, são puras bobagens.” Maricarmen: “Você
sempre pensou que eu era uma boba. Preferiu sempre o Angel e depois dedicou todo o seu
tempo a Manolo.” Amparo, sorrindo: “Não, minha menina querida, é que você foi sempre
muito ciumenta.” Maricarmen: “Por que me chamou?” Amparo: “Preciso de sua ajuda. Acho
que seu pai está sendo manipulado por essa mulher.” Maricarmen: “Alma possui as chamas
do fogo eterno.” Amparo: “Eu acho é que ela botou o olho em nosso dinheiro.”
DOC - No dinheiro de Diego...
ANDRÉS - Amparo continua: “Maricarmen, você já não é uma menina, deve compreender
que nossa família tem muitos bens. Você é a herdeira de uma grande fortuna, essa mulher
vai nos tirar até o último centavo, e não vou deixar que isso aconteça.” Maricarmen: “Não m
interessam as coisas materiais, tia.” Amparo: “Esses monges com quem você está metida
também estão interessados no seu dinheiro. O mundo é mais corrupto do que você
imagina.” Maricarmen: “Eu sei, por isso mesmo vou me sacrificar por ele, para mudá-
lo.” Amparo dá um grito de desespero. Maricarmen ajuda-a a abotoar um vestido vermelho
e diz: “Não devia pôr esse vestido, mas usar cores calmas como o azul celeste, o verde mar
ou o branco areia. Só assim vai ter paz.” Amparo: “Tenho uma vontade incontrolável de
enforcar você. Não sabe o esforço que tenho de fazer para não a estrangular agora mesmo?”
GARCÍA MÁRQUEZ - E enforcar todo o mundo nessa casa! A essa hora estão todos loucos.
Não se salva ninguém.
ANDRÉS - Amparo: “Cale-se já, Maricarmen.” Maricarmen: “Eu lhe disse, tia. Disse que não
pusesse o vestido vermelho.” Amparo: “Saia daqui agora, vai embora, vai pro
caralho.” Maricarmen diz ao sair: “Sua violência não me fere. Já estou pronta para a viagem
à eternidade.”
DOC - Está bom.
ANDRÉS - Quando Dom Diego e Amparo estão a ponto de sair para a reunião, Amparo diz a
Alma: “Quando eu voltar, não quero ver sua cara, senhora. Por favor, pegue suas coisas e
vá por onde veio.”
DOC - Na frente de Diego?
ANDRÉS - Sim, e Diego reage: “Com que autoridade fala desse modo com Alma? Sou o dono
desta casa, e aqui fica quem eu quiser. Você não está em condições de dar essas
ordens.” Amparo: “Isso vamos discutir mais tarde, Diego. Vamos já, que é tarde.”
DOC - O diálogo está muito bom.
GARCÍA MÁRQUEZ - Tive uma ideia... Por que a professora de Manolito não está no
manicômio desde o acidente? É melhor que ela fique louca e não desfigurada. Dom Diego
vai visitá-la e entra em contato com esse ambiente, torna-se amigo dos loucos e benfeitor
do manicômio.
ELISEO - Perfeito.
DÉCIMA QUINTA JORNADA APONTAMENTOS DE DOC
A eternidade é a ausência ou a solução de conflitos, o ultrapassar das contradições, tanto no
plano cósmico quanto no plano espiritual. É a perfeita integração do ser em seu princípio. É
intensidade absoluta e permanente da vida, que escapa a todas as vicissitudes das mutações
e, particularmente, às vicissitudes do tempo. Para o homem, o desejo de eternidade reflete
sua luta incessante contra o tempo e, talvez ainda mais, a sua luta por uma vida que de tão
intensa possa triunfar sobre a morte. A eternidade não reside no imobilismo, nem
tampouco no turbilhão: ela está n intensidade do ato. Os episódios da série já estavam
totalmente estruturados, quer dizer escaletados, mesmo assim os participantes
ainda teimavam em criar novas situações que corriam o risco de destruir o trabalho já
feito. E como todos nós sabemos que se tirarmos uma carta de um castelo de cartas ele se
destrói, minha apreensão nesta décima-quinta jornada tinha muito sentido. Se
continuássemos a inventar finais e estórias compulsivamente iríamos matar o roteiro de
tanta criatividade. E este é o maior risco que se corre quando se trabalha em grupo. Por isto
tornei-me um Macunaíma. Sem reação aparente, deixava que os participantes inventassem
o que quisessem, para depois exigir que a estrutura dramática, ou escaleta,
fosse respeitada. Parem de sonhar. Ou querem ficar aqui eternamente? Era o recado que
tentava passar para os participantes. Sabendo que eles se comportavam assim porque não
suportavam a ideia de que a Oficina estivesse chegando ao fim. Queriam eternizá-la.

QUINTA-FEIRA, 26 DE NOVEMBRO
GARCÍA MÁRQUEZ - Vamos rever algumas questões que deixamos para trás. Ángel, por
exemplo. A única coisa interessante desse personagem é a sua morte, e isso porque lhe
fizemos o favor. Fora disso é um bobo, sem cor, nem sabor, nem temperatura. Mesmo que a
gente pense em tudo o que ele era e o que tinha.
DOC - Mas isto nos obriga a dar um certo perfil ao personagem. Deve ser muito bonito.
SUSANA - Na cena de sua morte, eu imagino a loura de costas e ele de frente. Ela com um
vestido muito decotado nas costas.
GARCÍA MÁRQUEZ - Mas isso é coisa do diretor. Quer dizer, se a loura está de frente ou de
costas. O que tem de aparecer é que estão matando Angel.
DOC - E Rosafina deve falar mais. Senão, a única coisa que fará é subir e descer.
GARCÍA MÁRQUEZ - Temos que colocar alguma coisa na sua mão cada vez que ela descer as
escadas, algo insólito... E verdade, todos os personagens falam igual, com o mesmo tom.
Todos falam para informar, o que está bem, mas cada um deve ter sua própria voz.
DOC - Sim, que cada um fale de uma forma muito particular, com um vocabulário próprio.
IVAN - Quanto tempo de gravidez Rosafina tem nessa época. Seis meses?
SUSANA - Não, já tem nove.
GARCÍA MÁRQUEZ - Tempo suficiente para enlouquecer.
SUSANA - Eu gostaria que, quando Maricarmen chegasse, Rosafina fosse ao seu encontro e
Maricarmen dissesse a ela com um sorriso: “Você parece bem, irmã. Toda a minha roupa é
sua”.
DOC - Eu gosto dessa ideia.
SUSANA - Rosafina toca a barriga e diz: “Aí, filhote, aqui até o entrevado é equilibrista! Você
vai nascer num manicômio, coração”.
GARCÍA MÁRQUEZ - Isso é puro mexicanismo. E eu acho que Dom Diego ao ver Maricarmen
reage, chamando a filha de louca. Imaginem o estado em que ela chega: a cabeça
completamente raspada, túnica amarela e descalça. Em algum lugar Maricarmen disse que
o namorado levou as joias e traiu a seita?
MANOLO - Não.
GARCÍA MÁRQUEZ - Ela conta ao pai, ou então não conta, mas em alguma parte ela tem que
dizer que o namorado, quando se viu com as joias, traiu Poseidon, deixou o cabelo crescer e
foi embora. Mas ela ficou na seita para purificar-se. Por isso quer dedicar-lhe o pequeno
Messias, mas quando não pode, se imola no final. Como é uma seita inventada por nós,
podemos fazer primeiro os episódios, e depois criamos seu catecismo.
DOC - Creio que temos que fazer uma nova escaleta, porque todo mundo mudou tudo,
colocando novas ideias e tudo que lhe veio à cabeça...
GARCÍA MÁRQUEZ - Pode-se fazer o que se quiser, mas dentro da escaleta, porque esse é
um compromisso que todos temos. Veja, Susana meteu na história tudo que quis, mas não
saiu da escaleta. No que ela fez, os problemas são de temperatura, mas a estrutura é rígida.
Então é questão de que tenha mais febre ou menos febre... Por que não vemos o que o Andrés
tem?
ANDRÉS - Na casa, enquanto Petra suplica pela terceira chuva, Rosafina cobre Rosafina que
dorme na cama com sua mantinha amarela de Poseidon, e diz a Petra que tome os
banhos vaginais com água do mar que o Grande Mestre mandou. Diz a ela para olhar como
a menina está linda, e que se não fosse pelo batismo com água do mar teria saído igualzinha
ao papai. Ouvem-se os roncos de Alma, e Salvador fuma como uma locomotiva. A menina
começa a chorar com os roncos, e Rosafina apressa-se a pôr algodão nos ouvidos de
Salvador. Petra chora ajoelhada na frente do altar. Rosafina diz que têm que ir embora dali
que Salvador está ficando impotente com esses roncos e que Petra vai perder a paciência de
tanto esperar. Começa a fazer as malas e diz que é melhor levar a sério o Grande Mestre e
procurar uma cidade onde chova três vezes e possam instalar o templo de Poseidon. Saem,
e um raio ilumina o quarto.
GARCÍA MÁRQUEZ - Parece que estão se esquecendo da escaleta.
DOC - Eu pensava que Petra, Rosafina, Salvador e a menina iam embora, segundo a
escaleta...
GARCÍA MÁRQUEZ - Sim. mas de pânico. Tínhamos decidido que Salvador é a única pessoa
lúcida na casa, e que percebe que a morte entrou de alguma maneira. Rosafina podia ficar
com amenina na seita, ninguém vai procurar por ela. Tivemos que dar um destino a
Maricarmen porque é herdeira, mas ninguém vai procurar Rosafina.
ANDRÉS - Mas Salvador a deixaria?
GARCÍA MÁRQUEZ - Está tão assustado, que creio que vai embora à meia-noite, escondido.
DOC -, e você, por que está tão desanimado com o trabalho de seus filhos?
DOC - Não, é que estou cansado.
GARCÍA MÁRQUEZ - Não há nada mais cansado que um brasileiro cansado. Bom, então
amanhã nos vemos às nove da manhã, aqui.
DÉCIMA SEXTA JORNADA APONTAMENTOS DE DOC
Quase dez anos se passaram entre a Oficina de Roteiro em Cuba e a edição deste
livro. Durante este período, encontrei Gabo e Mercedes em Barcelona, México e Paris.
Falamos por telefone uma dúzia de vezes e trocamos alguns faxes. Apesar de escassos, estes
encontros sempre foram calorosos e repletos de emoção. Suficientes, portanto para
manter a chama da amizade. E mais. Toda vez que nos encontramos, de alguma
forma explícita ou não, sempre descobrimos um modo de nos transportar para a Oficina. Às
vezes uma pergunta para o outro se tem notícia de lá dos participantes. Outras, recordamos
algum evento de das jornadas. Enfim, jamais nos esquecemos de ressuscitar algo, nem que
seja um pequeno comentário sobre o roteiro. E é justamente neste instante que um segredo
se revela. Como se fosse uma senha, um código só conhecido por nós, aceitamos que somos
cúmplices de uma aventura única: durante dezesseis dias vivemos o mesmo sonho.

SEXTA-FEIRA, 27 DE NOVEMBRO
GARCÍA MÁRQUEZ - Que tal se começarmos com Maricarmen contando sua história ao
público, e depois tentando ganhar o público para sua seita?
ELISEO - E aí podemos falar sobre o namorado e tudo.
GARCÍA MARQUEZ - E poderíamos continuar com a narração de Maricarmen até a
cerimonia oriental. Quer dizer, usar a voz de Maricarmen como narradora do ritual para não
ter que dar mais explicações.
DOC - Esta é a última sessão, senhores. Não saiam da escaleta. Vamos a Alma, Petra e
Salvador, que estão na casa. Petra não queria que Rosafina fosse à cerimônia e Salvador
está apavorado.
MANOLO - Eu acho que Maricarmen leva Rosafina escondida, sem Dona Petra.
ELISEO - Sim, e Salvador vai resgatar sua filha, chega esbaforido feito uma besta. É Pancho
Villa que vem chegando! Como os nomes influem nas coisas... Transformamos Alma numa
alma de Deus, Ángel num anjo caído, e agora transformamos Salvador verdadeiramente no
salvador da sua tilha.
GARCÍA MARQUEZ - Então Petra vai com Salvador, Rosafina e a menina e saímos de toda
essa corja. Petra está feliz porque vão para um país onde chove mais.
DOC - Eu acho que se Alma ficar sozinha na casa é bom. Mas também é mal porquê...
ELISEO - Não tínhamos dito que o sonho de sua vida era ter uma casa como essa, e um
menino como Manolito, imaginando-se sua mãe e dizendo-lhe coisas? Diz: "Você vai ver
os pássaros que vão chegar”, coisas assim...
GARCÍA MÁRQUEZ - A lógica disto é que na realidade ela fica só na casa com Manolito e
cuida dele.
DOC - Sim, a primeira pessoa com quem fala, quando chega na casa, é Manolito.
GARCÍA MÁRQUEZ - Além disso, Manolito é um elemento de discórdia entre Amparo e Alma.
Dá vida a tudo, porque ele começa a abrir as caixas.
DOC - Bom. Manolo, você, que sabe destruir escaletas, o que está achando da oficina?
MANOLO - Imagine! Eu não sou um produto da televisão, e nunca em minha vida tinha
escrito uma escaleta. Eu me sentava com uma ideia, muitas vezes por encomenda, e fazia
uma cena, e outra, e na terceira tinha que voltar atrás. Penso que a oficina me ajudou muito
no ofício, na disciplina e, sobretudo, assistir televisão com outra maneira de ver.
GARCÍA MÁRQUEZ - É uma bobagem não levar a televisão a sé rio. A televisão não é boa
porque não a levaram a sério.
MANOLO - Claro.
SUSANA - Para mim, é terrível. Além de pensar, a gente tem que lutar todos os dias com a
própria insegurança, e consolar o ego toda vez que uma ideia é rejeitada.
GARCÍA MÁRQUEZ - A criação coletiva é muito boa tanto no cinema quanto na televisão.
Não consigo imaginá-la num romance. Num romance, a gente se esvai sozinho.
SUSANA - Para mim foi difícil, mas acho que é muito bom: sair da solidão para o caminho
coletivo.
GARCÍA MÁRQUEZ - Eu creio que exageramos com uma oficina de nove pessoas, mas o
importante é o processo. Creio que vocês fizeram muito mais do que imaginam. Nós não
teríamos pensado a mesma história se não fosse, inclusive, pelos de todos. Por isso, garanto
que há muito mais participação do que parece, e certamente aprenderam mais do que
parece. Não há coisa que me divirta mais do que isso: quando estou esgotado e entro na
oficina, descanso imediatamente. erros
DOC - Terminamos?
GARCÍA MÁRQUEZ - Isto já acabou.
ARGUMENTO FINAL
GABRIEL GARCÍA MÁRQUEZ -A senhora Alma Kretschmer chegou a essa casa e não a
outra por uma razão tão simples que mete medo: tinha sonhado com ela tijolo por tijolo,
várias vezes, e em circunstâncias muito diferentes. Ainda antes que a mansão fosse
construída ao gosto cordobês de seu proprietário, o senhor Diego Morán, Alma tinha já
sonhado com ela na tarde terrível do terremoto de 1957, e nem mesmo o edifício Inteiro
que caiu em cima dela como um mosquiteiro pôde despertá-la da sesta. Após trinta anos
de sobrevida, exatamente numa manhã de março de 1987, Alma decidiu que já era hora de
desfrutar seus anseios. Na noite anterior tinha voltado a sonhar com a casa ideal, mas era
sobrevoada por aves-do-paraíso que voavam ao contrário, e ela leu o símbolo como um claro
aviso de tragédia. Jogou numa maleta as coisas que supôs necessárias e deixou-se levar por
seus pés e sem pressa até a própria frente da casa. Reconheceu-a à primeira vista. Era tal
qual a tinha construído em delírios sucessivos e tenazes. Durante duas décadas de trabalhar
dormindo sem descanso. Alma tinha investido sonolência suficiente para mandar construir
em sua imaginação um jardim exatamente como o que estava vendo agora florido, uma
piscina igual à que acabava de descobrir no pátio Interno, uma estufa com as mesmas
fragrâncias que estava sentindo nessa manhã irremediável em que tinha decidido realizar
finalmente o sonho mais caro de sua vida. Só que as aves-do-paraíso tinham razão: a casa
estava habitada. E nada mais nada menos que pela conservadora família Morán. célebre e
invejada em toda a cidade. Dom Diego, o chefe da família, tinha emigrado da Espanha para
a América em 1939, ainda surdo pelos últimos canhonaços da Guerra Civil. Com muito
esforço, conseguiu levantar uma sólida fortuna e construir uma família à imagem e
semelhança de suas convicções. Dona Carmen, sua adorada esposa, tinha lhe dado três
filhos sãos ao preço irresgatável de sua vida: morreu de parto em 1978, apenas a tempo de
escutar o choro do inocente verdugo: Manolito. Angel, o filho mais velho, era o braço direito
nos prósperos negócios de Dom Diego. Só Maricarmen, com seus dezoito anos de
travessuras consentidas, conseguia realizar seus desejos sem obstáculos. Quis uma moto e
Dom Diego comprou-lhe a mais cara que se oferecia no comércio de Tóquio; quis largar os
estudos, e Dom Diego presenteou-a com uma rede de Madagascar para que dormisse a sesta
à vontade; quis um colchão de água, e Dom Diego ordenou que o enchessem com água do
Danúbio — tudo em troca de que ele aprovasse com seu critério de espanhol caprichoso o
homem que pretendesse a moça em casamento. O poder de Dom Diego teria sido total se
não existisse a tia Amparo. Moderna, pragmática, empreendedora e educada segundo
cânones romanos, Amparo era de uma severidade singular: ao longo de muitos anos de
esforços continuados, a temível Amparo Morán tinha aprendido que tudo, absolutamente
tudo, tinha um valor adicional ao seu custo, porque tudo se paga não só com dinheiro, mas
também com a vida. Assim, e com igual veemência. Amparo reprovava em seu único irmão a
educação sem educação que tinha dado à cabeça louca de Maricarmen, e o regime de
sensatez que havia imposto ao eficiente Angel. Como se fosse pouco, Amparo dominava
31% das ações da companhia Morán, e se tinha deixado que seu irmão presidisse a firma
apenas com 20%, era porque no fundo gostava tanto dele, mas tanto, que por ele estava
disposta a tudo neste mundo onde tudo pode acontecer — inclusive que alguém batesse na
porta de uma casa e dissesse à queima-roupa que se aluga para sonhar. Quando Alma
chegou ao jardim, mas não os fados Morán e disse que ninguém devia sair para viajar
essa manhã porque tinha sonhado com aves-do-paraíso, Amparo estava em viagem ao redor
do mundo, graças a Deus, pois senão esta série teria durado apenas um round de
combate. Alma estava decidida a lutar muito duro, a sonhar dia e noite se fosse necessário,
para viver dormindo nessa casa sonhada palmo a palmo. Estava disposta a compartilhar seu
sonho, sempre e quando se cumprissem os presságios que tinha aprendido a decifrar em
trinta anos de vigília. Alma não era uma alma solitária, apesar de ter excelentes razões para
isso: desde sempre tinha desejado viver na companhia, digamos, de um menino. Um menino
como todos os meninos do mundo, como o menino que nunca tinha podido ter por obra
e graça daquele pesadelo de terremoto que esmagara todos os seus seres queridos. E na
casa, de fato, havia um menino: Manolito. Viu-o através da janela, abrindo seus presentes
de aniversário e pareceu-lhe perfeito como o principezinho azul de seus desvelos. Foi então
que a chegada do ônibus escolar esclareceu o símbolo tenebroso das aves-do-paraíso: num
rasgo de clarividência, Alma sentiu que o menino estava em perigo de morte, e que por nada
no mundo deveria subir naquele veículo. Todos a tomaram por louca. Angel mandou pô-la
na rua quando, com um dedo ameaçador, Alma advertiu Dom Diego — que já partia para o
aeroporto para uma rápida viagem de negócios desafiar a cólera das aves-do-paraíso
voando numa de aço. Salvador, o chofer de poucas palavras de Dom Diego, sentiu um enjoo
no estômago quando a desconhecida lhe disse, a caminho da porta de saída, que prestasse
atenção aos sinais, porque tinha sonhado com aves-do-paraíso, o que no caso dele poderia
significar que outro chofer avançaria a luz vermelha quando ele estivesse passando
confiantemente na verde. Rosafina, a jovem copeira, não fez o menor caso — até o preciso
momento em que, ao fechar o portão da rua. Alma predisse com um sorriso complacente
que a moça ia ser mãe de um que não deviavarão porque tinha sonhado com aves-do-
paraíso. Somente Petra, a velha e doente empregada dos Morán, teve curiosidade de falar
com a desconhecida, ao saber, pela boca de sua filha Rosafina, que a senhora dizia alugar-se
para sonhar. Como pagamento de tal gesto de confiança, Alma assegurou a Petra que essa
noite lhe sonharia a cura de seu mal sem cura. E como se fosse pouco, ajudou-a, com perícia
de doceira Internacional, a preparar os doces da festa de Manolito. Maricarmen — que,
como quase sempre, dormia até muito avançado o dia — desceu para tomar o café da manhã
na correria. Havia se comprometido a levar flores para a sepultura de sua mãe: a festa de
Manolito era sempre enlutada de alguma maneira pelo aniversário da morte de dona
Carmen, e quase nem reparou na presença do serviçal desconhecido. “Essa moça não irá ao
cemitério”, profetizou Alma, ao ver partir Maricarmen em sua novíssima motocicleta
japonesa, rumo ao escritório de seu irmão, que lhe deixara o recado de que precisava
urgentemente conversar com ela. “Só Maricarmen poderia ter essa ideia”, reconheceu
Petra, “tendo a senhora sonhado com aves-do-paraíso...”. A mulher podia ser louca, pensou
Petra, mas era sem dúvida encantadora. A verdade é que Salvador violou todas as leis do
trânsito sem o menor problema, e que Rosafina comentou com Petra que tinha somente
roupa de menino no enxoval, e que Maricarmen não cumpriu sua palavra, quando
descobriu que Angel a responsabilizava pela desaparição de uma valiosa joia de família, e
que Dom Diego suspendeu na última hora a viagem de avião e levou Manolito da escola
antes que terminassem as aulas. Todos fizeram tudo que ela havia dito, mas só “por via das
dúvidas”. Talvez inconscientemente, mas fizeram. E graças à dúvida, Manolito nasceu de
novo no dia de seu aniversário. Os acontecimentos encadearam-se da seguinte maneira:
pai e filho foram em peregrinação à sepultura sem flores da defunta dona Carmen.
Aborrecido pela falta de Maricarmen, Dom Diego voltou para casa e teve o primeiro
confronto com a moça, pela primeira vez em dezoito anos de educação sem limites.
Para cúmulo dos males, foi então que o senhor Morán descobriu que sua ordem não fora
cumprida: a estranha adivinhadora não só permanecia na casa, mas divertia as crianças, e
até os palhaços, com relatos de histórias maravilhosas e Intermináveis. “Quando terminar,
vai embora”, ordenou Dom Diego a Rosafina: “Dê-lhe algum dinheiro e que se afaste desta
casa”. “Ela não quer nada, senhor, apenas dormir tranquila”, respondeu a moça. Vinte
minutos depois, Alma saiu da casa, pelos fundos e em silêncio. Pouco depois, uma notícia
terrível estremeceu a consciência da família Morán: como haviam anunciado as aves-do-
paraíso, o ônibus em que viajavam os escolares para a festa de Manolito perdeu os freios —
lá pelos lados de um bairro chamado Colónia Roma — e se incendiou numa fogueira sinistra
que queimou vinte e oito crianças cheias de vida. “Onde está essa mulher?”, exclamou Dom
Diego: “Procurem em tudo que é canto, quero encontrá-la nem que seja debaixo da terra!
Custe o que custar!” ia custar-lhe a casa. Na manhã seguinte. Alma voltou com a cura
prometida para a boa Dona Petra. A Interpretação do último sonho era transparente: a vida
da velha empregada mudaria quando chovesse três dias consecutivos. Ao saber da notícia
do regresso, Dom Diego acolheu a sonhadora sem reparar no preço do singular contrato. “É
um prazer”, disse ao apertar a mão dela, “conhecer a única pessoa do mundo que trabalha
dormindo”. Alma foi alojada no único quarto disponível: um quarto úmido, sem banheiro,
impróprio para dormir e impróprio, portanto para sonhar. Foi então que a alemã sonhou
que não devia continuar sonhando nesse quarto e soube que não tinha outra alternativa:
para melhorar de quarto, primeiro devia esvaziar algum. Por exemplo, o quarto de
Maricarmen, com aquele colchão magnífico de águas do Danúbio. Naquela altura, já tinha
conseguido pelo menos caminhar em terra firme: cada manhã. antes de provar qualquer
coisa — pois só em jejum seus poderes eram efetivos — , contava o sonho do dia e dava sua
Interpretação, caso a caso: um biombo chinês flutuando num rio de vidros moídos podia
significar para Dom Diego um negócio a ser cancelado, e para Petra, três dias de
repouso absoluto; um casal de cachorros chineses latindo para a lua podia valer para
Salvador um número premiado da loteria federal, e para Manolito, as respostas de um
exame de aritmética: cinco papagaios da Indonésia bicando uma bandeja de prata podiam
simbolizar para Maricarmen uma má influência em seu círculo de amizades, e para Rosafina
que o menino que ia nascer teria os olhos azuis. Só para Ángel nada significava coisa alguma.
Porque o jovem Morán declarou-se inimigo irreconciliável de Alma. Tinha argumentos
sólidos para explicar tanta cólera: Alma tinha começado a influir nas decisões estratégicas
e táticas da Companhia. e Dom Diego confiava cega e perigosamente nos sinais revelados
pela adivinha. Sem reportar-se à Diretória, o senhor presidente tinha vendido a preço de
banana a frota de aviões da empresa a um parque de diversões local, com a discutível
justificativa de que os peixes voadores tinham caído num copo de vinho gelado. Como se
fosse pouco, tinha investido uma soma considerável de dinheiro para instalar, no
manicômio, uma fábrica de marzipan. Um belo dia, a alemã sonhou que se perdia nas rodas
dentadas de um relógio e adivinhou que Maricarmen estava em apuros. O roubo das
joias tinha uma explicação obscura: a moça mantinha em segredo um romance com um
malandro de quarta categoria, que a convenceu. com argumentos de dom Juan de subúrbio,
que devia roubar o colar que ninguém tinha usado desde a morte de
dona Carmen. Fascinada com a Inteligência, autoridade e. por que não? malícia de seu
adorado tormento — no sentido literal da palavra tormento —. Maricarmen estava decidida
a roubar as pirâmides do Egito, contanto que continuasse ao seu lado. Agora que Angel
estava prestes a descobrir o roubo, havia que repor, o quanto antes, uma cópia do colar.
Consultaram um falsificador. e quando Maricarmen ouviu que a joia era tão notável que era
simplesmente irrepetível. sentiu que estava condenada em vida. e que nada no mundo seria
capaz de aplacar a cólera de Dom Diego, nem impedir o castigo de Amparo. Só Alma poderia
libertá-la daquele pesadelo. Uma única vez. os símbolos escassos da alemã foram
intraduzíveis. A única coisa clara que se pôde tirar da consulta foi que Maricarmen devia
abandonar a casa o quanto antes — aliás, com todas as joias possíveis — e submeter-se aos
ditames de um destino que já não era regido pelas leis razoáveis deste mundo, mas pelo
mandato altaneiro do coração. O colchão com parte do Danúbio em suas entranhas tinha
sido, de alguma maneira, um aviso premonitório. Maricarmen fugiu naquela mesma noite
pela porta dos fundos, como um ladrão de cinema, e Alma passou seus poucos pertences
para o confortável e juvenil dormitório da fujona. A tragédia de Maricarmen não fez mais
que aproximar Dom Diego do colo de Alma. e pouco a pouco foi amadurecendo entre eles
um sentimento que parecia amor. Mas não era. A ponto de perder as estribeiras e
pressionado pelas exigências dos membros da Diretória da companhia Morán — que
reivindicavam uma Interdição judicial —, Ángel tentou parlamentar com a alemã. "Quanto
quer para abandonar esta casa?”, disse, e estendeu um cheque em branco para que
escrevesse a quantia que valiam os sonhos. “Seu quarto", respondeu Alma. e continuou
tricotando um suéter de inverno para seu adorado Manolito. Ángel contratou os serviços de
um detetive experimentado. A investigação apurou os seguintes dados: Alma Kretschmer,
de fato, era quem dizia ser. só que tinha morrido, com toda a sua família, no terremoto de
1957. sepultada sob os escombros do ú nico edifício que tinha caído em toda a cidade. Louco
de impotência e cego pela estupidez do detetive que tinha sido definitivamente ganho para
a causa da sonhadora, Ángel voltou à casa e enfrentou Alma sem contemplações. “Você não
tem nenhum direito porque está morta!”, exclamou Ángel, soberbo. “O morto é você”,
respondeu Alma, serena; “Sonhei isso”. De fato, naquela mesma noite o jovem empresário
Angel Morán foi morto a tiros, num cabaré da cidade, por uma loura platinada de quem nada
sabíamos nesta história, porque Angel tinha aprendido a pecar escondido de Dom Diego. A
morte de Ángel trouxe à tona uma onda de negócios escusos por trás da fachada da
companhia. A imprensa e os noticiários de televisão não pararam de falar do assunto,
divertindo-se com informações escandalosas que ameaçavam jogar por terra o prestígio e,
consequentemente, a fortuna dos Morán. Alma aproveitou a confusão para mudar para o
quarto do defunto, segunda escala em seu plano de conquista. Era um quarto ainda
mais confortável que o de Maricarmen, mas menos do que o de Dom Diego, e muitíssimo
menos que o de Amparo, mas pouco a pouco e passo a passo alcançaria a almejada meta.
Nunca antes Dom Diego tinha necessitado tanto de bom senso. Com energia incomum, o
senhor presidente assumiu o comando de sua companhia, assistido muito de perto pelo
único conselheiro em que acreditava: Alma, com certeza. Os membros da Diretória
escutavam atónitos os desvarios do velho capitão que, na popa do barco que afundava, ainda
conseguia ver sinais favoráveis num horizonte sem esperanças. O mau é que nenhum dos
marinheiros entendia aquelas vozes de comando que mencionavam tapetes voadores e
astros de porcelana e estabeleciam as coordenadas da catástrofe com metáforas
herméticas. “Deus queira que Amparo nos ampare”, diziam os empresários nos corredores
da Companhia. Comovida pela notícia da morte de Ángel, Maricarmen voltou de Miami, onde
tinha ido terminar seu calvário de amor. Na verdade, voltou o que restava de Maricarmen.
Vinha descalça, com os pés treinados para caminhar em cima de pedras ardentes; vestia
uma longa túnica laranja costurada à mão, e falava em símbolos tão enigmáticos que bem
lhe teriam merecido uma temporada num sanatório de doentes mentais, se não fosse por
Dom Diego que também tinha desenvolvido sua própria demência, embora outra direção.
No entanto, Maricarmen não estava louca, mas possuída por um profundo sentimento
místico que depois a conduziria a uma morte que parecia suicídio, mas era
consagração. Nessa altura. Alma dominava toda a vida na casa. Petra tinha aprendido a
preparar jantares propícios para sonhar, na base de um equilíbrio dietético que concedia
poderes quase sobrenaturais às maçãs, marzipans e aos figos secos. O único erro
comprovável em suas predições, e que podia ter uma espécie de justificativa causal, foi o
parto de Rosafina e quente nascimento de um bebê que nem era menino, nem tinha os olhos
azuis. No entanto, Petra rando com ansiedade o trio de aguaceiros que mudaria vida —
argumentava a favor de Alma que o parto tinha sido na beira do mar, onde Maricarmen tinha
levado a iludida Rosafina, com a promessa de que seu filho seria bendito pela Mãe Natureza,
em incómoda cerimónia que nada mais fez do que quebrar a bolsa de água da grávida e
trocar o sexo e a cor das pupilas da cria. O pobre Salvador estava então
completamente entregue ao medo. Um medo com nome; Alma. A mera presença da mulher
fazia com que tremesse de. Curiosamente, e como se comprovará mais adiante, foi o pânico
que salvou os seus de quem sabe que horrível final. Um belo dia. quando Alma ensaiava
sozinha com Manolito como podia ser a casa sem mais hóspedes que eles, começaram a
chegar por correio registrado as caixas de compras que Amparo tinha feito em sua
Interminável viagem em torno do planeta. Alma sabia que a temível tia estava para aparecer
a qualquer momento, e não por tê-lo sonhado, mas por haver interceptado, justo na hora.
um telegrama em que Amparo anunciava a data da chegada. A sonhadora guardou o
telegrama no decote do vestido, como uma carta marcada, e não disse uma palavra a Dom
Diego. Quando chegou a invasão de objetos exóticos, Alma foi revistando as caixas uma por
uma: ali estavam , de fato, os biombos chineses que flutuavam no rio de vidro moído, as
aves-do-paraíso que trinavam em latim, os papagaios de papel e os cachorros chineses que
latiam para a lua; ali estavam as bandejas de prata, os bibelôs de porcelana, os tapetes
voadores da Turquia, fragmentos dispersos do sonho que tinha estado amadurecendo há
tanto tempo e que pouco a pouco iam invadindo os cômodos da casa, e montando-se como
um quebra-cabeças, no qual só faltavam umas poucas peças para completar o desenho
perfeito de suas ilusões. Numa noite de chuva, quando Salvador tremia dos pés à cabeça,
assustado pelo trinar raro das aves-do-paraíso, os latidos dos cachorros chineses, a histeria
dos papagaios e o choro inconsolável da menina, abriu-se a porta da casa e apareceu a figura
moderna e elegante da tia Amparo, vociferando em italiano. indignada porque ninguém
naquela casa tinha ido esperá-la no aeroporto. Com a voz da recém-chegada, calaram-se
os pássaros, emudeceram os cães, silenciaram os papagaios, a menina engoliu o choro e
ficou dormindo como Alma percebeu que nunca antes seus planos tinham estado tão uma
santa. em perigo. E tinha razão. Por seu lado, Amparo comprovou desconcertada o
quanto tinham mudado a casa e a família na sua ausência — e custou muito trabalho
convencê-la de que a causa de tudo tinha sido aquela mulherzinha chamada Alma, que dizia
alugar-se a preço demasiado alto para sonhar. Amparo decidiu então agarrou-o pelos
chifres. Primeiro, tentou arrebatar Maricarmen e só um rar o das teias daquela devoção
absurda pela natureza, conseguiu que a moça se deixasse tragar pelas águas do mar, e
viver na morte segundo seu credo. No entardecer chuvoso daquela trágica jornada.
Maricarmen vestiu-se com a túnica longa laranja e se foi em peregrinação pela costa, para
se encontrar com o paraíso do Mar, o oceano mais mágico dos oceanos. Avançou sem medo,
quase feliz, e desapareceu sob as águas em sincronismo perfeito com o sol poente. O
cadáver apareceu porque o procuraram no mar, e não na noite. Voltara ao útero da Mãe
Natureza. nunca Depois, Amparo propôs-se a tomar as rédeas da Companhia, mas
compreendeu que talvez fosse demasiado tarde para consertar o mal acumulado. Certa
manhã em que obrigou seu irmão a ir ao escritório, teve provas concretas de que o
pobre Dom Diego tinha perdido o juízo. Na noite anterior — seguida de chuvas
consecutivas gaviões brancos, e, a caminho do escritório, os dois irmãos a se Alma tinha
sonhado com presenciaram uma cena insólita: um acidente de trânsito tinha derrubado os
muros do manicômio local, e os loucos tinham fugido para a rua. “Os gaviões brancos!”,
exclamou Dom Diego. A polícia perseguia-os como mariposas. Para assombro de todos, Dom
Diego desceu do carro e se aproximou dos loucos, por um, e para cada um encontrou a frase
tranquilizadora, a explicação exata, o conselho preciso. “Os gaviões brancos voltam a suas
jaulas”, disse Dom Diego a Amparo. “É preferível viver preso por uma ideia, que livre sem
ilusão”. De volta à casa, abatida pelo episódio, Amparo procurou refúgio em seu quarto, e
qual não seria a sua surpresa ao descobrir que os cachorros chineses tinham tomado a cama
de assalto. “Por que terei comprado esses cachorros se eu odeio animais?”, exclamou,
aborrecida um consigo mesma. Entretanto, Dom Diego e Alma tinham combinado um
casamento sem testemunhas, com a esperança de garantir o futuro de Manolito. O
testamento, outorgava à desconhecida todos os direitos de tutela sobre o como logo
descobririam Amparo, menino, nomeado como único herdeiro da fortuna Morán.
Nem mesmo Amparo pôde impedir o casamento, planejado de do com as convenções de um
sonho esclarecedor. O máximo que conseguiu foi que levassem seu irmão para junto dos
outros “gaviões brancos”: Dom Diego entrou no manicômio vestido com uma camisa-de-
força, e cantando versos aprendidos quando criança em trincheiras republicanas. Antes do
anoitecer, Amparo viu-se obrigada pela Diretória a vender a preço muito baixo todas as suas
ações da Companhia, que a partir de então mudou de chefe, e, portanto, de nome. Nessa
segunda jornada de tormenta sincronizada, justo uma hora antes que a meia-noite desse
passagem ao trio de chuvas consecutivas que Alma tinha anunciado, Salvador, vítima de um
medo doloroso e irresistível, convenceu Petra de que mais valia o mal conhecido do que o
bem por conhecer: ‘Tara que mudar de vida, dona Petra, se esta não nos foi tão má? Aí tem a
sua filha, que a adora; a sua neta, que é um encanto, e tem a mim”, argumentou o angustiado
chofer. Nessa mesma noite, Salvador, Rosafina, Petra e a menina fugiram da casa maldita
e procuraram refúgio numa zona da cidade onde não estivesse chovendo na chegada do dia
seguinte. Ao amanhecer. Alma e Amparo encontraram-se, cara a cara, na casa deserta, e as
duas compreenderam que não valia de nada adiar o duelo. “ Não compreende ainda?” , disse
Alma, com exemplar sangre frio: “ Não fiz mais do que realizar o sonho mais caro de minha
vida... Sempre quis viver nesta casa e não em outra, e por isso fui construindo-a sonho a
sonho, para viver com um menino como Manolito, a quem dedicar todas as minhas energias,
para viver dormindo num quarto exatamente igual ao seu, rodeada de objetos
Extravagantes, como os personagens das novelas de televisão, com cachorros chineses e
papagaios e aves-do-paraíso que você comprou contra a sua vontade, porque eu tinha
sonhado que iria comprá-los para mim” . Amparo sentiu um frio muito intenso, e por um
momento pensou que o mundo tinha parado. A um gesto de Alma, os cachorros chineses e
as aves-do-paraíso alinharam-se a seu lado, como soldados em formação. “Lembra-se
daquele mercador de Sumatra, que pretendia vender para você o cofre de madeira preciosa
por duzentos dólares? Pois bem, sonhei que o compraria por cinquenta, e foi assim, não se
atreva a negá-lo... E quando você perdeu o avião em Hong Kong... Fiz com que ele se
adiantasse porque você ainda não tinha me comprado o biombo!...”, disse Alma. Amparo
sentiu um medo insuportável ao escutar aquelas verdades que não tinha contado a
ninguém. “Quem é você, pelo amor de Deus?”, perguntou. Alma respondeu, serena: “A dona
dos meus sonhos”. Nesse mesmo dia. Amparo abandonou a casa para sempre. Da janela do
que havia sido seu quarto, Alma e Manolito viram-na partir, apenas com uma maleta para a
viagem. Seguiram-na com a vista, até que desapareceu, arrastando os pés, na esquina
distante. Havana, novembro de 1987.
ESCALETAS
CAPÍTULO 1
(1) Casa. Int./Dia.
Alma chega à casa.
(2) Casa. Int./Dia.
Só Rosafina e Dom Diego comemoram o aniversário de Manolito.
(3) Pátio Casa. Int./Dia.
Alma vê pela janela que Manolito não quer ir à escola.
(4) Casa. Int./-Ext./Dia.
Petra olha para Alma da janela. Chega o ônibus escolar. Saem Rosafina e Manolito. Alma se
aproxima, sugerindo que ninguém saia: “Os que vivem nesta casa não devem se submeter a
nenhum perigo”. Rosafina ignora-a e Manolito entra no ônibus.
(5) Casa Morán. Int./Dia.
Salvador prepara o carro para Dom Diego e Angel. Alma aproxima-se deles e repete o
vaticínio. Dom Diego escuta sem querer, Angel manda-a embora e Salvador ignora-a. Saem.
(6) Cozinha Morán. Int./Dia.
Rosafina prepara doces para o aniversário. Petra,Int/rigada com Alma, manda Rosafina
fazer com que Alma entre.(7 ) Casa. Int/Dia.
Rosafina convida Alma a entrar.
(8) Casa. Int/Dia.
Alm interroga Rosafina sobre o quadro de Carmen. No ato, adi vinha sua gravidez escondida
e prevê que seu filho será varão.
(9 ) Carro. Int/Dia.
Angel fala de negócios. Diego está distraído. Angel diz-lhe que não se pode assinar nada até
que Amparo volte. Angel desce quando chega à empresa.
(10) Cozinha Morán. Int/Dia.
Petra suplica a Alma que sonhe uma cura para sua doença. Maricarmen sai apressada para
levar flores à sepultura de sua mãe. Rosafina avisa que Ángel quer falar com ela,
urgentemente. ( 11 ) Pátio. Int/Dia.
Enquanto Maricarmen monta em sua moto. Alma e Petra observam-na pela janela. Petra
conta tudo o que o pai deu a Maricarmen, até um colchão com águas do Danúbio.
(12) Cozinha. Int/Dia.
Continuam falando de Maricarmen. Alma diz estar torcendo para que ela chegue bem ao
cemitério.
(13) Rua. Int./Dia.
Maricarmen compra um ramo de flores.
(14) Companhia Morán. Int./-Int./Dia.
Maricarmen chega, deixa as flores e entra correndo no escritó rio de seu irmão.
(15) Carro/Aeroporto. Int./Dia.
Salvador e Diego falam sobre os sonhos.(16 ) Pista Do Aeroporto. Int./Dia.
O avião e o piloto estão prontos para levar Dom Diego. Ele olha para o céu nublado e, num
estranho pressentimento, decide não viajar.
(17) Carro. Int./Dia.
Salvador conta a Dom Diego a história da morte em Samarra.
(18) Escritório de Ángel. Int./Tarde.Angel culpa Maricarmen # t ^ por haver desaparecido
uma joia antiga de família, que pertencia à sua mãe. Ameaça denunciá-la e até mesmo
mandar prendê-la se não recuperar logo a joia.
(19) Casa Morán. Int./Dia.
Chegam os palhaços. Alma os recebe como se fosse a dona da casa.
(20) Colégio de Manolito. Int./-Int./Dia.
Diego procura seu filho no pátio. Depois chega à sala de aulas e leva-o. Convida a professora
e as outras crianças para a festa.
(21) Cemitério. Int./Dia.
Dom Diego e Manolito visitam a sepultura de Carmen. Ninguém levou flores, segundo
confirma a Diego o próprio coveiro.
(22) Mercado. Int./Dia.
Maricarmen abre caminho no mercado e entra num velho edifício.
(23) Quarto de Henrique. Int./Dia.
Maricarmen conta a seu amante Henrique as ameaças de Ángel. Insiste para recuperar o
colar, mas ele diz que o vendeu em Nova York. Pede a ela que lhe traga uma fotografia para
fazer uma cópia.
(24) Loja de fantasias. Int./Dia.
Manolito experimenta uma infinidade de fantasias. Dom Diego olha o relógio, ansioso.
(25 ) Rua. Int/Dia.
Maricannen olha o relógio. Dá as tlores a um mendigo e acelera.
(26) Pátio Morán. Int/Dia.
Os palhaços maquiam-se. Maricarmen entra depressa na casa.
(27) Quarto de Petra. Int/Tarde. Petra, muito doente, na cama. Falam do dom de sonhar de
Alma. Ouvem a voz de Manolito no pátio. Alma sorri.
(28) Casa Morán. Int/Tarde. Maricarmen e Diego se encontram na sala. Ele a
repreende, furioso, porque ela não levou flores ao cemitério. Maricarmen olha o retrato de
sua mãe com a joia perdida.
(29) Pátio Morán. Int/Tarde. Alma, vestida de lobo, conta Chapeuzinho Vermelho.
(30) Escritório de Dom Diego. Int/Tarde. Dom Diego olha o lobo da janela. Angel entra
furioso porque Dom Diego não viajou. O lobo descobre o rosto e Dom Diego reage indignado
ao ver que é Alma.
(31) Casa Morán. Int/Tarde. Dom Diego e Ángel repreendem Rosafina por ter deixado
Alma entrar.
(32) Colégio de Manolito. Int/Tarde. A professora e as crianças saem da escola e tomam o
ônibus. Ouve-se em off a voz de Alma contando A Bela Adormecida.
(33) Pátio. Int/Tarde. Alma continua sua história. Até os palhaços escutam. Rosufina lhe diz
ao ouvido que tem que ir embora. Continua a história.
(34) Ônibus Escolar. Int/Tarde. As crianças no ônibus. A voz de Alma em o f f.
(35) Quarto de Maricarmen. Int/Tarde. Maricannen chora na cama. A voz de Alma em o f f.
(36) Pátio Morán. Int/Tarde. Alma continua a contar a história.
(37) Ônibus Escolar. Int/Tarde. As crianças em silêncio. Em off, o conto na voz de Alma.
O ônibus bate, incendeia-se e explode.
(38) Casa Morán. Int/Noite.
A famíli inteira, com os palhaços e os convidados, olha desconcertada a televisão, onde se
transmite a notícia do acidente: 28 crianças morreram queimadas, salvaram-se somente
três e a professora. Dom Diego parece se lembrar da premonição de Alma. Num ímpeto,
manda que a procurem, que a encontrem, mesmo que seja debaixo da terra.
CAPÍTULO 2
( 1 ) Noticiário.
(2) Cemitério. Int/Dia.
Dom Diego e Ángel assistem ao enterro das 28 crianças vítimas do acidente. Há repórteres,
funcionários e familiares.
(3) Cemitério. Int/Dia.
Á ngel descobre um ramo de crisântemos na sepultura de sua mãe. O coveiro,Int/errogado
por Dom Diego, diz que apareceram de surpresa nesta manhã. Um fotógrafo espreita Dom
Diego e Ángel com sua máquina, oculto entre as sepulturas.
(4) Casa Morán. Int/Dia.
Maricarmen fotografa o retrato de sua mãe. Em especial, o colar de pedras preciosas.
(5) Cozinha. Int/Dia.
Petra e Rosafina dizem que Dom Diego não conseguiu encontrar Alma. Elas também querem
vê-la. De fato, já estão tricotando roupinha azul para o varão que vai nascer.
(6 ) Casa Morán. Int/Dia.
Maricarmen vai sair na moto. Encontra-se com Manolito aborrecido, sozinho no jardim.
Promete levá-lo a tomar sorvete detarde, e vai embora apressada. Não percebe que Alma
esta debaixo de uma árvore, perto.
(7) Sala de Reuniões da Companhia Morán. Int/Dia.
Angel dá um relatório aos sócios. Dom Diego está muito distraído. Sai sem dizer uma
palavra. Ángel se desculpa e sai atrás dele.
(8) Escritório de Dom Diego. Int/Dia.
/ Angel e Dom Diego discutem. Dom Diego olha a cidade, ansioso. A única coisa que lh
interessa é encontrar Alma.
(9) Edifício em frente ao escritório de Dom Diego. Int/ Dia. O misterioso fotógrafo tira uma
foto de pai e filho com teleob jetiva.
(10 ) Escritório de Dom Diego. Int/Dia.
Continua a discussão por causa de Alma. Dom Diego diz quepoderia até ajudar nos negócios.
Angel responde que todo o poder é da tia Amparo, a sócia majoritária. ( 11 ) Casa Morán.
Int/Dia.
Manolito brinca sozinho, cavando pequenas sepulturas. Alma se aproxima, lhe oferece um
crisântemo e lhe promete que nunca mais ficará sozinho.
(12) Quarto de Petra. Int/Dia.
Alma passa para ver Petra, que está muito doente. Petra fica alegre de vê-la. e mais ainda
quando Alma lhe diz que já sonhou o remédio para o seu mal : basta que chova três dias
seguidos. Com isso, ganha Petra completamente.
(13) Quarto de Henrique. Int/Dia.
Maricarmen e seu amante discutem outra vez por causa do colar. Saem para procurar o
falsário.( 14 ) Rua da cidade. Int/I)ia. Maricarmen dirige a moto. Henrique, na garupa,
comenta que Carmen tinha bom gosto.
( 15) Loja de fundos do falsário. Int/Dia.
O falsário explica a Maricarmen e Henrique que é impossível copiar essa joia. Insinua que
seria mais fácil fugir.
(16) Casa Morán. Int/Dia.
Dom Diego está na sala com Alma. Pede seu perdão por ter duvidado dela e suplica que fique
vivendo ali.
( 17) Parque. Int/Entardecer. Henrique suplica a Maricarmen que fuja com ele por amor.
( 18) Casa Morán. Int/Noite.
Ángel chega com seu carro esporte. As luzes da casa se apa gam. Fica somente a figura de
Salvador numa janela acesa.
( 19) Quarto de Rosafina. Int/Noite.
Petra ouve o boletim meteorológico no rádio, enquanto Rosafina e Salvador discutem por
causa de Alma, pois ele não gosta nem um pouco dessa velha louca intrometida.
(20) Casa. Int/Dia.
Amanhece. Salvador pega os jornais. Ouve-se em off pelo rá dio o boletim meteorológico,
que não prevê chuva.
(21) Cozinha. Int/Dia.
Petra se queixa de que não chove. Salvador zomba dela.
( 22) Copa. Int/Dia.
Alma começa a mudar o café da manhã: só maçãs e marzipans, que são melhores para
entender os sonhos. Diego a apoia tudo. Alma conta um sonho de tapetes voadores.
Maricarmen emfica nervosa. Diego s interessa muito pelo sonho. Ángel vai embora, furioso.
(23) Colégio. Int/Dia.
Uma professora gorda *e apresenta na sala de Manolito, onde só ficaram quatro meninos,
alguns com muletas e bandagens.
(24) Quarto de empregada. Int/Dia.
Rosafina arruma o quarto de Alma. Alma reclama porque se quarto sem ventilação e sem
banheiro não se pode sonhar. Diz que gostaria de dormir no quarto de Amparo, mas
Rosafina diz que nesse quarto não se pode entrar. nes
(25) Escada/Quartos. Int/Tarde. Alm interroga Rosafina sobre Amparo e seu quarto.
Na versa, Rosafina diz-lhe que Amparo é a verdadeira dona dessa casa, e que Ángel quase
não usa seu quarto, porque só Deus sabe em que anda metido. con
(26) Companhia Morán. Int/Tarde. Ángel telefona para casa perguntando se seu pai já saiu.
Do edifício em frente, o fotógrafo o retrata.
(27) Jardim o manicômio. Int/Tarde. Dom Diego e o diretor médico caminham entre os
loucos, e encontram a linda professora de Manolito dando aulas a 28 franguinhos. O médico
agradece a Dom Diego suas doações ao hospital.
(28) Escritório do manicômio. Int/Tarde. O médico agradece a doação, Dom Diego diz que
não é nada.
(29) Jardim do manicômio. Int/Tarde. Dom Diego e o médico se aproximam da professora.
Dom Diego a cumprimenta, fala com ela amavelmente.
(30) Quarto de Maricarmen. lnt/Tarde. Maricarmen chora na sua cama. Alma entra e se
oferece para ajudá-la, compreensiva. Ambiguamente aconselha que faça o que desejar.
(31) Companhia Morán. Int/Tarde. Ángel diz que os sócios se cansaram de esperar por
Dom Diego e foram embora. A conversa leva à discussão sobre Alma e ao fato de Dom Diego
agora querer investir no manicômio.
(32) Quarto de empregada. Int/Noite.
Petra está feliz porque chove, mas Alma se queixa de que ali não pode dormir. Petra diz que
isso tem que ser resolvido.
(33) Quarto de Rosafina. Int/Noite.
Tempestade. Salvador reza para que Alma vá embora.
(34) Pátio Morán. Int/Noite.
Tempestade. Angel chega em casa.
(35) Corredor. Int/Noite.
Tempestade. Rosafina apaga as luzes. Cumprimenta Angel, que entra molhado, mas não
responde.
(36) Quarto de Dom Diego. Int/Noite.
Tempestade. Dom Diego sozinho em sua cama. Não consegue dormir. Tem pena de alguém
e diz: Pobre mulher.
(37) Quarto de Petra. Int/Noite.
Tempestade. Petra desenha uma cruz na parede, enquanto ouve o boletim meteorológico.
(38 ) Escritório de Dom Diego. Int/Noite.
Tempestade. Maricarmen entra às escondidas e tira as joias docotre. Alma a descobre, mas
transforma-se em jura silêncio. sua cú mplice e
(39) Pátio Morán. Int/Noite.
Alma ajuda Maricarmen a fugir.
(40) Quarto de Maricarmen. Int/Noite.
Alma se aconchega na cama almofadada de Maricarmen.
CAPÍTULO 3
(1) Noticiário.
(2) Estúdio de televisão. Int/Dia.
Os locutores ocupam seus lugares. Começa a transmissão do noticiário.
(3) Sala Morán. Int/Dia.
Manolito assiste ao noticiário da televisão a todo o volume. Trata de crimes passionais.
(4) Cozinha Morán. Int/Dia.
Petra e Rosafina vêem o noticiário enquanto preparam maçãs e marzipans para o café da
manhã.
(5) Pátio Morán. Int/Dia.
Salvador pega o jornal com notícias sobre crimes passionais e entra na casa.
(6) Sala Morán. Int/Dia.
Dom Diego desliga bruscamente a televisão, porque o sono de Alma tem que ser respeitado.
Há barulho na cozinha.
(7) Cozinha. Int/Dia.
Dom Diego, furioso, impõe silêncio. Soa uma buzina.
(8) Pátio. Int/Dia.
Salvador chama Manolito com a buzina, mas se arrepende de fazer barulho.
(9) Copa. Int/Dia.
Dom Diego se enfurece ao ouvir as buzinadas. Manolito sai feliz para a escola, quase fugindo.
(10) Pátio. Int/Dia.
Manolito entra feliz no carro e grita.
(11) Escritório/Sala Morán. Int/Dia.
Dom Diego diz a Ángel que não tomará uma decisão até que Alma acorde. Ángel, furioso,
sobe para chamá-la.
(12) Quarto de Maricarmen. Int/Dia.
Ángel vai bater na porta, mas Alma a abre, disposta a descer.
(13) Escritório. Int/Dia.
Alma conta seu sonho. Dom Diego decide não assinar. Ángel, furioso, ameaça-o dizendo que
isso não vai terminar assim.
(14) Companhia Morán. Int/Tarde. Á ngel explica aos sócios que Dom Diego não assinou
por culpa de Alma. Os sócios preocupam-se porque as ações estão baixando e porque parece
que Dom Diego está ficando louco.
(15) Piscina Morán. Int/Dia.
Alma, na rede, fala de solidão com Dom Diego. Ele cai de amores por ela.
(16) Cozinha Morán. Int/Dia.
Salvador traz as compras especiais para sonhar.
(17 ) Casa Morán. Int/Dia.
Dom Diego pede conselho a Alma sobre seu investimento no manicômio. Ela aproveita para
lhe dizer que teve um sonho mau com Ángel.
(18) Companhia Morán. Int/Dia.
/ Continua a reunião. Angel promet intirpar o mal pela raiz, talvez com ação judicial.
(19) Rua. Int/Tarde. * Angel Morán a toda a velocidade em seu carro.
(20) Quarto de Petra. Int/Noite.
Alma pede a Petra a chave do quarto de Amparo. Petra lhe diz onde está.
(21 ) Escritório de Dom Diego. Int/Noite.
Alma rouba a chave do quarto de Amparo.
( 22) Quarto de Manolito. Int/Noite.
Alma beija Manolito, que dorme.
(23) Quarto de Amparo. Int/Noite.
Alma entra no quarto maravilhoso e observa, fascinada, todos os detalhes. Depois sai e
fecha com todo o cuidado.
(24) Escritório de Dom Diego. Int/Noite.
Dom Diego dorme no escritório. Ángel o acorda. Dom Diego discute com ele porque tem a
idéia de que Angel o está traindo, por isso anuncia que investirá alto no manicômio. Angel
se enfurece.
(25) Quarto de Maricarmen. Int/Noite.
Angel pergunta a Alma quanto quer para ir embora desta casa. Alma responde: deitar na
sua cama.
(26) Companhia Morán. Int/Dia.
Ouve-se em off o noticiário da televisão, e depois um comercial de cameras fotográficas.
(27) Edifício vizinho à Companhia. Int/Dia.
Continua o noticiário em off. O fotógrafo desconhecido segue Ángel com sua câmera.
(28) Companhia Morán. Int/Dia.
Ángel contrata um detetive para que investigue Alma.
(29) Manicômio. Int/Dia.
Diego e o diretor passeiam no jardim. O diretor nomeou-o Benemérito do Hospital em
agradecimento a seus donativos.
(30) Piscina. Int/Dia.
Alma conta uma história a Manolito. Rosafina avisa que chegou um inspetor de seguros.
(31) Escritório de Dom Diego. Int/Dia.
Rosafina avisa ao detetive que a senhora já vem. Ele tenta averiguar coisas sobre Alma, mas
ela desconversa. Afinal, Alma aparece.
(32) Casa Morán. Int/Tarde. O detetive finge avaliar os objetos de arte, enquanto fala
com Alma sobre qualquer coisa.
(33) Quarto de Maricarmen. Int/Dia.
A mesma coisa.
(34) Quarto de Ángel. Int/Dia.
A mesma coisa.
(35) Quarto de Amparo. Int/Dia.
A mesma coisa. Finalmente, Alma diz seu sobrenome.
(36) Escadas. Int/Tarde. Alma, seguida pelo inspetor, comporta-se como a dona da casa.
(37) Escritório de Dom Diego. Int/Tarde. Alma e o inspetor falam de sonhos.
(38) Jardim Morán. Int/Entardecer. Alma diz ao detetive que sonhou com uma lâmpada e
uma boneca que chorava, e recomenda-lhe reconhecer sua filha ilegítima. O detetive fica
muito surpreendido de Alma ter adivinhado tudo e mostra-lhe a foto de sua filhinha. O
detetive guarda a foto com cuidado.
CAPÍTULO 4
(1) Noticiário.
(2) Escritório do detetive. Int/Dia.
O detetive analisa as impressões digitais de Alma, impressas na fotografia da menininha.
(3) Recepção do escritório do detetive. Int/Dia.
O detetive paquera a jovem recepcionista.
(4) Escritório de Dom Diego. Int/Dia.
Dom Diego conta a Alma que está muito decepcionado com seus filhos. Já se tratam co
intimidade. Ela o consola dizendo-lhe que sonhou com leques de nácar e o convida a passear
no jardim.
(5) Casa Morán. Int/Dia.
Diego fala com Alma sobre Amparo; que gosta muito dela, que tem mau gênio, que é sua
irmã mais nova. Alma flerta.
(6) Cantina. Int/Dia.
O detetive dá a Ángel alguns dados imprecisos sobre Alma. O fotógrafo misterioso os capta.
(7) Escritório. Int/Tarde. O detetive e seu ajudante descobrem a estranha biografia deAlma
Kretschmer, uma mulher que se aluga para sonhar e que morreu no terremoto de 1957.
( 8) Carro. Int/-Ext/Tarde. Ángel recebe o relatório do detetive. Não acredita em nada.
(9) Quarto de Rosafina. Int/Tarde. Salvador e Rosafina discutem novamente porque ele não
gosta de Alma.
(10) Pátio Morán. Int/Dia.
Ángel entra em seu carro esporte.
(11) Sala Morán. Int/Tarde. Ángel chega de mau humor e pergunta por Alma e Dom
Diego. Rosafina lhe diz que foram ao manicômio.
( 12) Colégio. Int/Tarde. Alma busca Manolito como se fosse sua própria mãe.
(13) Jardim do manicômio. Int/Tarde. Dom Diego, Alma e Manolito passeiam com o diretor
entre os loucos. Ali se constrói uma fábrica de marzipans de Dom Diego. Ali está também a
professora de Manolito.
(14) Manicômio. Int/Entardecer. Um louco tenta fugir, assustando Manolito.
(15) Casa Morán. Int/Anoitecer. Da janela iluminada do quarto de Petra, ouve-se em off o
bole tim meteorológico. Não haverá chuva.
(16) Corredor Morán. Int/Noite.
Ángel procura Alma no quarto de Maricarmen e no de Manolito. Finalmente, encontra-a no
de seu pai.( 17 ) Quarto de Dom Diego. Int/Noite.
Angel ameaça Alma de denunciá-la à polícia como impostora. Alma responde-lhe que já é
um homem morto.
(18 ) Cabaré Escândalo. Int/Noite.
y Uma loura platinada dá cinco tiros em Angel. O fotógrafo capta o crime.
(19) Quarto de Ángel. Int/Dia.
y A foto do cadáver de Angel enche a tela da televisão no notici ário. Revela-se que o crime
foi passional e que o fotógrafo foi y contratado pela amante de Angel, a loura platinada.
(20) Cozinha. Int/Dia.
Rosafina chora vendo o noticiário. Salvador diz que quer fugir dessa casa maldita.
(21) Sala Morán. Int/Dia.
Manolito toma o café da manhã com Petra. O noticiário dá dey talhes da morte de Angel.
(22) Carro/Pátio. Int/Dia.
Salvador torna a cometer o erro de tocar a buzina.
(23) Escadas Morán. Int/Dia.
Rosafina passa por todos os quartos com uma bandeja de café y da manhã e chega ao de
Angel, onde agora dorme Alma.
(24) Quarto de Ángel. Int/Dia.
Rosafina abre as cortinas e dá o café da manhã a Alma na cama, por ordens de Diego. Alma
ordena que o leve ao escritório.
(25) Sala/Copa. Int/Dia.
Alma esconde no roupão um telegrama que chegou com a correspondência.
(26) Escritório de Dom Diego. Int/Dia.
Dom Diego chora no ombro de Alma. Ela diz que sonhou que alguém chegava.
(27) Companhia Morán. Int/Dia.
Dom Diego avisa aos sócios que vai investir no manicômio. Todos o chamam de louco e
abandonam o escritório, menos seu amigo, Federico. Diego pede-lhe que consiga um
advogado, para mudar seu testamento.
(28) Aeroporto. Int/-Int/Tarde. Maricarmen, com a cabeça raspada e roupa intravagantes,
sai do aeroporto e tenta tomar um táxi, mas os choferes não se atrevem a aceitá-la.
(29) Pátio Morán. Int/Noite.
Maricarmen desce de um táxi. Em off, ouve-se a voz de Dom Diego, mudando o testamento
em favor de Manolito.
(30) Escritório de Dom Diego. Int/Noite.
Alma, Diego, o advogado e Manolito na leitura do testamento.
(31) Sala Morán. Int/Noite.
Maricarmen anda sem fazer barulho. Escuta-se em off o advogado que nomeia Alma tutora
de Manolito.
(32) Escritório de Dom Diego. Int/Noite.
Dom Diego está quase assinando quando Maricarmen chega e abraça seu pai. Diego,
emocionado, disse que Alma sonhou que ela chegaria. Alma se sente frustrada porque não
era quem esperava.
CAPÍTULO 5
(1) Noticiário.
(2) Quarto de Maricarmen. Int/Dia.
Maricarmen dá a Rosafina seus vestidos e outros pertences. Alma entra e conta que sonhou
que se perdia nas rodas dentadas de um relógio. O que quer dizer que a pessoa está a
ponto de ser feliz.
(3) Pátio. Int/Amanhecer. Alma diz a Salvador que, de agora em diante, ela recolherá
a correspondência. Ele se afasta dela, com frio, com medo. Alma encontra outro telegrama,
que a põe muito nervosa.
(4) Cozinha Morán. Int/Dia.
Salvador está aterrado. Um vento frio abre a janela, a cafeteira começa a assobiar. A porta
se abre e Salvador apanha um longo punhal, mas consegue deter o braço; quem entra
é Manolito.
(5) Copa Morán. Int/Dia.
Petra informa a Alma que Rosafina e Maricarmen foram à praia. Como Rosafina está a ponto
de parir, Alma diz a Petra que devem conseguir um quarto no hospital com n ú mero
ímpar, para que nasça varão e de olhos azuis.(6 ) Escritório de Dom Diego. Int/Dia.
Alma relê o telegrama e o esconde. Dom Diego entra feliz, porque o manicômio já produziu
os primeiros marzipans. Mas Alma lhe conta seu sonho e lhe diz para estar atento,
porque alguém vai chegar e será um pesadelo.
(7) Carro/Cidade. Int/-Int/Dia.
Rosafina se arrepende de ter aceitado ir à praia com Maricarmen.
(8) Praia. Int/Dia.
Maricarmen tenta convencer Rosafina a batizar seu filho comoHerdeiro das Aguas, mas ela
se nega. Troveja sem chover.
(9) Quarto de Petra. Int/Dia.
Petra reza para que chova. Salvador entra procurando Rosafina e Petra diz-lhe que foi à
praia, apesar dos maus sonhos de Alma.
(10) Praia. Int/Dia.
Rosafina quer voltar. Maricarmen não deixa.
(11) Automóvel. Int/Dia.
Salvador dirige a toda velocidade, desesperado, a caminho da praia, acompanhado por
Petra.
(12) Praia. Int/Dia.
Rosafina sente as dores do parto. Maricarmen tenta ajudá-la.
(13) Rua junto à praia. Int/Dia.
Salvador toca a buzina e pára na beira da praia. Rebenta a bolsa de água de Rosafina.
Salvador e Petra correm para ela.
(14) Praia. Int/Dia.
Salvador carrega Rosafina nos braços, indignado. Petra segueo. Maricarmen fica sozinha na
praia.(15 ) Vestíbulo Morán. Int/Tarde. Federico, o amigo de Dom Diego, vem procurá-lo.
Enquanto desce do carro, conversa com Alma, que se mostra encantadora.
(16) Pátio. Int/Tarde. Alma despede-se dos amigos que vão embora no carro de Federico.
(17) Restaurante Espanhol. Int/Tarde. Federico está contente, mas Diego está pensativo,
obcecado pelo sonho de Alma. Federico diz-lhe que precisa se casar.
(18) Piscina Morán. Int/Tarde. Alma dorme na rede. Manolito nada na piscina.
Maricarmen volta da praia, como que derrotada.
(19) Hospital. Int/Dia.
Rosafina está numa maca. Petra persegue os enfermeiros, exigindo um quarto ímpar.
Salvador está farto.
(20) Quarto de Ángel. Int/Tarde. Alma e Manolito vêem uma telenovela sobre um recém-
nascido.
(21) Escada Morán. Int/Tarde. Maricarmen pede conselhos a Alma. Alma é ambígua.
(22) Hospital Maternidade. Int/Tarde. Salvador entra num quarto de nú mero par, onde
Rosafina descansa e Petra embala o bebê que chora. É menina.
(23) Quarto de Amparo. Int/Tarde. Alma remexe as coisas de Amparo. Nesse momento
chega um caminhão de carga, cheio de caixas.
(24) Pátio Morán. Int/Tarde. Os trabalhadores entregam caixas, móveis e enfeites
exóticos que provêm de Hong Kong, em nome de Amparo Morán. Alma assina o recibo.
(25) Sala Morán. Int/Noite.
Alma observa um por um os maravilhosos e exóticos objetos: de biombos chineses até
sarcófagos orientais, o que dá uma idéia da longa viagem de Amparo.
(26) Casa. Int/Amanhecer.Alma olha a rua enevoada, da janela de Angel.
(27) Quarto de Ángel. Int/Amanhecer. Maricarmen pede novamente conselho a Alma.
Continua com sua crise existencial.
(28) Cozinha. Int/Dia.
Petra pede perdão à ofendida Alma, por não ter lhe dado importância, no caso do quarto
ímpar.
( 29) Escritório de Dom Diego. Int/Dia.
Diego propõe casamento a Alma.
(30) Casa Morán. Int/Dia.
Alma continua recebendo coisa intravagantes de Amparo. Manolito observa, fascinado.
(31) Quarto de Ángel. Int/Dia.
Outro diálogo abstrato entre Alma e Maricarmen.
(32) Casa Morán. Int/Dia.
Alma põe perfume das caixas de Amparo. Manolito encontra uma chave de cristal.
(33) Escritório de Dom Diego. Int/Dia.
Dom Diego insiste em sua proposta de casamento. Alma não diz nada claro. Os cachorros
começam a ladrar muito forte.
(34) Cozinha Morán. Int/Dia.
Os cachorros estão muito assustados. Rosafina não permite que Alma carregue sua menina.
(35) Escritório de Dom Diego. Int/Dia.
Dom Diego abraça Alma. Ela lhe promete sonhar com gaviões brancos, para que tudo se
arrrume.
(36) Quarto de Angel. Int/Dia.
Alma diz a Maricarmen que não tenha medo da felicidade.
(37) Casa Morán. Int/Entardecer. O céu nublado. Relâmpagos. As aves e os cães estão
nervosos.
(38) Sala/Copa. Int/Anoitecer. Manolito percorre a casa, feliz com os novos objetos.
Alma diz: já é hora. Os relógios dão as badaladas.
(39) Aeroporto. Int/-Int/Noite.
Amparo chega de Nova Délhi. Toma um táxi.
(40) Quarto de Rosafina. Int/Noite.
A menina grita e chora, os cães uivam. Salvador está aterrado.
(41) Casa Durán. Int/Noite.
Dom Diego, Manolito e Alma prontos para jantar. Os pássaros enlouquecem.
(42) Ruas da cidade. Int/Noite.
O táxi de Amparo avança.
(43) Quarto de Petra. Int/Noite.
Petra olha o céu esperando a chuva. Vê o táxi entrar.
(44) Pátio Morán. Int/Noite.
Amparo desce do táxi. Os cães ladram enlouquecidos. Soam relâmpagos.
(45 ) Copa. Int/Noite.
A casa enlouquece: os cachorros, os pássaros, a bebezinha e os relógios soam
desembestados.
(46) Copa. Int/Noite.
Amparo toca a campainha. Todos acordam. Alma vai abrir a porta.
(47) Copa. Int/Noite.
Alma abre. Amparo faz um gesto imponente e consegue magicamente o silêncio. Pergunta
a Alma com desprezo: Quem é você? Começa a chover.
CAPÍTULO 6
(1) Noticiário.
(2) Piscina Morán. Int/Dia.
A chuva abranda. Amparo aparece de roupão na varanda de seu quarto.
(3) Quarto de Amparo. Int/Dia.
Os cachorros entram e Amparo os expulsa, perguntando-se quem os terá comprado, se
sabem que ela odeia os animais.
(4) Cozinha. Int/Dia.
Falando com Petra e Rosafina, Amparo percebe as mudanças que Alma produziu na vida
dessa casa.
(5) Pátio. Int/Dia.
Salvador arrepende-se de ter tocado a buzina.
(6) Sala Morán. Int/Dia.
Manolito vê TV. Amparo fala com ele, e confirma outra vez a influência de Alma.
(7) Copa Morán. Int/Dia.
Maricarmen medita em posição de lótus. Amparo se enfurece e manda-a para seu quarto.
Briga com Manolito porque não tomao ônibus para a escola — por ordens de Alma — , e
com Dom Diego, pelas mudanças na casa. Alma entra e conta seu sonho. Amparo se
surpreende em ver que a tratam como se fosse um oráculo.
(8) Quarto de Amparo. Int/Dia.
Amparo manda Maricarmen ao caralho. Maricarmen diz que está pronta para a eternidade.
(9) Escritório de Dom Diego. Int/Dia.
Dom Diego pede a Alma que não ligue para Amparo. Amparo entra muito agressiva e
expulsa Alma da casa. Enquanto ela sai, Alma diz a Dom Diego que se casará com ele.
(10) Automóvel/Rua/Parque da cidade. Int/-Ext/Dia.
Amparo e Dom Diego estão no carro, mas têm que parar porque a polícia está tentando
controlar um grupo de loucos que fugiu. Dom Diego pensa que são os gaviões brancos com
os quais Alma sonhou, e corre em delírio na direção deles, com os braços abertos. Os loucos
se acalmam ao vê-lo, obedecem a ele e o seguem. Os policiais, os vizinhos e o diretor do
hospital aplaudem.
(11 ) Quarto de Maricarmen. Int/Dia.
Maricarmen raspa a cabeça.
(12) Casa Morán/Escadas. Int/Dia.
Maricarmen sai da casa, vestida com as roupas da seita Poseidon.
(13) Pátio Morán. Int/Dia.
Alma, com os cachorros, vê Maricarmen passar, como que possuída. mas não a detém. Os
cachorros uivam, lúgubres.
(14) Companhia Morán. Int/Dia.
Numa reunião com os sócios e Amparo, Dom Diego faz um estranho discurso sobre os
sonhos. Amparo suspende a reunião.( 15 ) Quarto de Rosafina. Int/Tarde. Petra está feliz
porque chove pela segunda vez. Salvador munga outra vez. res
(16) Companhia Morán. Int/Tarde. Um sócio demonstra que a companhia está prestes a falir
pelos erros de Dom Diego. Dom Diego responde uma loucura. Os sócios decidem propor a
Amparo que Dom Diego perca o poder judicial na empresa. Amparo pode ficar na
companhia, mas apenas como assessora da Diretória.
(17) Praia. Int/Entardecer. Maricarmen caminha placidamente para o fundo do mar,
até submergir.
(18) Casa Morán. Int/Noite.
Chove. Na janela iluminada, a silhueta de Salvador.
(19) Quarto de Petra. Int/Noite.
Petra está tranquila porque chove. Salvador, aterrado, propõe que fujam.
(20) Periferia da cidade. Int/Noite.
Chove. O carro de Salvador fugindo.
(21) Carro. Int/Noite.
Chove. Rosafina, a menina, Petra e Salvador no carro, assustados. De repente, o motor pára,
porque entrou água. Apavorado, Salvador toma sua menininha nos braços e corre. Petra
e Rosafina correm também. Finalmente, a chuva pára e Salvador comprova, feliz, que estão
a salvo.
(22) Casa Morán. Int/Amanhecer. Manolito grita chamando o pai, Alma e Amparo.
(23) Casa Morán. Int/Dia.
Manolito encontra todos os quartos vazios.
(24) Cozinha Morán. Int/Dia.
A cozinha está um caos. Manolito chama os empregados. Como não respondem, pega uma
maçã.
(25) Companhia Morán. Int/Dia.
Dom Diego e Alma se casam. Amparo, os sócios e o diretor do manicômi interrompem, para
impedir o casamento. Amparo tem um certificado que atesta a loucura de Dom Diego.
Apesar de tudo, o advogado diz que o casamento é legal. Amparo não se dá por vencida e faz
com que os enfermeiros levem Dom Diego à força.
(26) Jardim do manicômio. Int/Dia.
Dom Diego, entre os loucos, transplanta uma macieira.
(27) Jardim Morán. Int/Dia.
Alma caminha pelos jardins desolados, abanando-se.
(28) Quarto de Amparo. Int/Dia.
Amparo fuma em seu quarto, nervosa. Da janela vê Alma passear.
(29) Jardim Morán. Int/Dia.
Amparo procura Alma. Um pavão voa até o terraço e pousa no braço de Alma. Amparo vai
até lá.
(30) Sala Morán. Int/Dia.
Amparo atravessa a sala. Sobe as escadas.
(31) Quarto de Amparo. Int/Dia.
Alma aparece atrás de Amparo, enigmática. Pergunta: ainda não entendeu ?
(32) Escadas/Sala Morán. Int/Dia.
Alma desce, seguida por Amparo. Diz-lhe que seu sonho sem pre foi viver nessa casa.
(33) Jardim Morán. Int/Dia.
Alma no centro do jardim, no vento. Amparo continua escutando.
(34) Sala Morán. Int/Dia.
Alma conta a Amparo que sonhou com tudo o que ela fez e comprou durante sua longa
viagem. Quer dizer, sua viagem foi um sonho de Alma, seu passado recente foi sonhado, e
agora Alma sonhou esta cena, esta rivalidade, estas próprias palavras. Tudo é um sonho e
Amparo não pode escapar dele, nem dirigi-lo. Amparo, derrotada, vai em direção à porta e
foge batendo a porta, mas antes pergunta pela última vez: Por Deus... quem é você? E Alma
responde: A dona de meus sonhos. FIMCAPíTULO FINAL ROTEIRO ESCRITO POR RUY
GUERRA E CLAUDIO MCDOWELLAgora sei quando virá a última manhã, quando a Luz
deixará de afugentar a noite e o amor, — quando o dormir, já eterno, será somente um único
sonho inextinguível. Novalis Diga-me com o que sonhas e eu te direi quem és. Alma
(1) Prólogo A-. AMPARO DESCE DO TÁXI, ENTRA NA CASA VISIVELMENTE ABORRECIDA.
MAL REPARA EM ALMA. JOGA AS MALAS NO CH ÃO. AMPARO SE DIRIGE A ALMA, QUE
BAIXA A CABEÇA: COMEÇA A CHOVER. Loly ( Em off , pela TV ) Nesta cena terminou o
capítulo quinto: 4kE você, quem é?” , pergunta a temível tia Amparo à sonhadora
Alma. Alfredo ( Em off , pela TV ) Um bom final de capítulo, sem d ú vida... Agora, Loly, temos
a difícil tarefa de resumir os fatos num par de minutos... nada fá cil. Quase que estou tentado
a recomendar aos espectadores que não seguiram a série que escrevam aos estúdios
pedindo que voltem a transmiti -la, num bom horário... B-. OS ENTREGADORES
DESCARREGAM OS CAMINHÕES COM AS COMPRAS DA TIA AMPARO. Loly ( Em off ) Per
DOC -a Interrupção, mas se deixar, não sei onde vamos parar. Os fatos aconteceram assim,
de trás para frente...C-. ALMA PROCURA ACOMODAR AS COMPRAS INCR Í VEIS DA TIA
AMPARO. AS AVES-DO-PARAÍSO, OS CACHORROS CHINESES ETC. Loly ( E m o f f ) A tão
mencionada tia Amparo finalmente chegou de sua longa viagem ao redor do mundo, e
encontrou um novo hóspede em sua casa: Alma, a boa mulher — assim diz o libreto — que
nove meses atrás tinha conquistado o coração e a gratidão sem limites de Dom Diego Morán,
o irmão de Amparo... Alfredo ( E m o f f ) Anteriormente, Amparo tinha enviado
como encomenda registrada suas compras: um verdadeiro catálogo de objetos de um
gosto muito particular... D-. ALMA GUARDA UM TELEGRAMA NO DECOTE DA BLUSA.
PROCURA NO COFRE A CHAVE DO QUARTO DE AMPARO. Loly ( E m o f f ) Alma esperava a
chegada da tia Amparo, e não porque tivesse exatamente sonhado... E-. ALMA CONVERSA
COM MARICARMEN. ALMA CONVERSA COM ROSAFINA. ALMA CONVERSA COM
DOM DIEGO. ALMA CONVERSA COM FEDERICO PAREDES. ALMA CONVERSA COM
MANOLITO. ALMA REVISTA O QUARTO DA TIA AMPARO. Alfredo ( E m o f f ) Desde qu
interceptou o telegrama até a chegada de Amparo, Alma desencadeou uma atividade febril,
com o propósito de garantir seus poderes sobre a família Morán e os empregados da casa.
Poderíamos dizer que não pregou os olhos até alcançar sua meta, só que no caso a imagem
é exatamente ao contrário: Alma viu-se obrigada pelas circunstâncias a trabalhar em ritmo
acelerado, o que em seu caso dá no mesmo: dormir a todo vapor para sonhar sem
descanso. Loly ( E m o f f ) No capítulo que estamos iniciando, veremos o desenlace destas
histórias. F-.
SEQUÊNCIA DE MONTAGEM QUE ILUSTRA A RELA ÇÃO DE ALMA COM DOM DIEGO, DESDE
O PRÓPRIO INÍCIO DA SÉRIE. Loly ( E m o f f ) Nessa época, Alma conseguiu conquistar
Dom Diego Morán... conquistá-lo no sentido amplo da palavra. Desde que salvou a vida de
seu filho Manolito, o senhor Morán confiou plenamente na sonhadora. Pouco a pouco.
Alma providenciou para ir influindo em sua vida pública e também, acredito, na
particular. Alfredo ( E m o f f ) Os outros membros da Companhia Morán começaram a
desconfiar de seu presidente histórico, que traçava suas linhas de ação a partir da
interpretações oníricas de Alma. Com esta estranha atitude. Dom Diego ganhou muitos
inimigos.G-.
SEQUÊNCIA DE MONTAGEM QUE ILUSTRA A HISTÓRIA DE ÁNGEL MORÁN E SUA RELAÇÃO
COM ALMA. Loly ( E m o f f ) Desde sua chegada à casa, Alma tropeçou numa pedra muito
dura: o racional Ángel Morán, braço direito de Dom Diego nos negó cios da Companhia. As
relações, que nunca foram sequer cordiais, agravaram-se irremediavelmente quando Alma
começou a meterse na empresa. Ángel chegou a intremo de contratar os serviços de um
detetive particular para investigar tudo que fosse relacionado com o obscuro passado da
sonhadora. Alfredo ( E m o f f ) A situação chegou a um ponto muito tenso, quase que à
guerra frontal, se vocês quiserem. Alma sonhou então a morte do jovem Morán , que, de fato,
caiu fulminado pelos tiros ciumentos de Jenny Fontana, uma loura platinada, cantora de
cabaré, de quem nada se sabia nesta história, porque Angel tinha aprendido a pecar
escondido de seu pai... A morte de Ángel pôs em crise toda a polític interna — e portanto o
prestígio — da empresa... H-.
SEQUÊNCIA DE MONTAGEM QUE ILUSTRA A HISTÓRIA DE MARICARMEN MORÁN E SUA
RELAÇÃO COM ALMA. Loly ( E m o f f ) A relação com Maricarmen, por seu lado, foi de certa
forma favorecida pela sorte. Amoça — a menina dos olhos de Dom Diego — tinha uma
relação conturbada com um sujeito de péssimos antecedentes, quando Alma chegou à casa
dos Morán. No entanto, Alma teve o mérito indiscutível de ganhar a confiança da jovem e
influir, com seus sonhos, nas drásticas decisões que Maricarmen viu-se obrigada a tomar
para garantir sua felicidade. Maricarmen se enganou duas vezes: na primeira, quando
aceitou fugir com o amante e todas as joias da família; na segunda, quando tentou,
quase provocou, que Rosafina, a jovem empregada dos Morán, parisse à beira do mar...
Pecados de inexperiência — diz este libreto. Eu não estou tão certa, mas enfim... I-.
SEQUÊNCIA QUE ILUSTRA A RELAÇÃO DE ALMA COM SALVADOR, ROSAFINA E DONA
PETRA, EMPREGADOS DA FAM ÍLIA MORÁN. Alfredo ( E m o f f ) Alma, por outro lado,
conseguira conquistar, desde o início da série, os empregados da casa sempre com
promessas de sonhos que iriam se realizar. A velha dona Petra, mãe de Rosafina, estava
disposta a acreditar no que fosse, desde que se curasse de seu mal sem cura. Rosafina era
tão ingénua que a duras penas podia diferenciar a verdade da mentira. Só o teimoso e
primitivo Salvador, esposo da jovem empregada, declarou-se inimigo da sonhadora: tinha
tanto medo dela. que o medo começou a parecer ódio. O ódio salvou o seu amor. Já
veremos.J-. SEQU ÊNCIA QUE ILUSTRA A RELAÇÃO DE ALMA COM MANOLITO. INCLUI
CENAS DA CHEGADA DOS PRESENTES. Loly ( Em off ) O certo é que, quando Amparo chega.
Alma está a ponto de realizar... digamos, o sonho de sua vida. Tinha conquistado com
trabalho o carinho de Manolito — ela adorava os rapazinhos — , dormia num quarto
excelente, e sua relação com Dom Diego estava madura. Só que os planos de Alma se
contrapunham diretamente aos de Amparo... Quase nada: um choque de duas locomotivas
numa velha ponte de madeira... Alfredo ( Em off ) Nessa situação, o confronto entre essas
duas mulheres tremendas era inevitável... K-. PLANO DA MANSÃO DOS MORÁN SOB UM
AGUACEIRO TORRENCIAL... AS AVES-DO-PARAÍSO SE ACOMODAM, COMO PODEM, EM
GAIOLAS DOURADAS... Loly ( Em off ) Este é o clímax deste sexto e último capítulo... Alfredo
( Em off ) E, com certeza, o clímax da série. Loly ( Em off ) Que já iremos apresentar, como
cortesia do “ Coffee Gum” . Espero que vocês gostem. Boa sorte.Alfredo ( Em off
) Arrivederci. L-. AS GOTAS DE CHUVA ALVOROÇAM O ESPELHO D ÁGUA DA PISCINA...
(2) Casa Morán. Jardim,Int/Dia.
NA SUPERFÍCIE DA PISCINA, A CHUVA VAI AMAINANDO POUCO A POUCO, ATÉ QUE SE
IMPÕE UMA DENSA CALMA. OS CACHORROS CHINESES SALTAM NOS CHARCOS
DO JARDIM, LATINDO ÀS BORBOLETAS. AMPARO, VESTIDA COM UM LINDO ROBE DE
SEDA, ESTÁ NA VARANDA DE SEU QUARTO.
(3) Casa Morán. Quarto de Amparo. Int/Dia.
AMPARO ENTRA EM SEU QUARTO. POR UM MOMENTO PÁRA DIANTE DA FOTO DO VELHO
MARINHEIRO HOLANDÊS DELICADEZA. E ENDIREITA O QUADRO, COM ENORME A TIA
AJUSTA O CINTO DE SEU ROBE, ARRUMA O CABELO NO ESPELHO E ABRE A PORTA DO
QUARTO, DISPOSTA A COMANDAR A CASA. MAL ENTREABRE A PORTA, SALTAM SOBRE
ELA OS CACHORROS CHINESES, BRINCALHÕES.Amparo ( Surpreendida pelo ataque
brincalhão ) O que é isto? O que é isto? OS CACHORROS CONTINUAM COM SUAS
TRAVESSURAS. Amparo ( Aborrecida ) Cuidado! Já chega, caramba! Vão me sujar o
robe! AMPARO NEUTRALIZA OS DOIS CACHORROS COM UM PAR DE CHUTES
DEFENSIVOS. Amparo ( Aborrecida consigo mesma ) Quem me terá mandado comprar estes
cachorros se eu odeio os animais? OS DOIS CACHORROS FOGEM ESCADA ABAIXO.
DEIXANDO UM RASTRO DE PATAS NO TAPETE.
(4) Casa Morán. Cozinha. Int/Dia.
ENQUANTO PREPARA O CAFÉ DA MANHÃ NA COZINHA, DONA PETRA OUVE NO R ÁDIO O
BOLETIM METEOROLÓGICO DO DIA. Locutor ( Em off, pelo rádio ) Prevêem-se chuva
intensas no centro-sul do país, com marés perigosas para embarcações pequenas... E agora
uma pausa musical, antes das manchetes das notícias mais importantes do dia.APESAR DOS
ATAQUES SEVEROS DE ASMA, A VELHA EMPREGADA SE SENTE FELIZ. SENTADA A MESA,
ROSAFINA DA O PEITO A ROSA SALVADORA. DE REPENTE, A PORTA DA COZINHA SE ABRE
TEATRALMENTE E ENTRA AMPARO. Amparo Bom dia, dona Petra... Dona Petra ( Sufocada
pela asma ) Bom dia, dona Amparo. Amparo A senhora precisa cuidar dessa asma,
dona Petra... AMPARO DESLIGA O RADIO. Dona Petra ( Fazendo um esforço para controlar
a asma ) Agorinha melhoro, senhora... Quando chover três dias seguidos, minha vida vai
mudar... Amparo (Sorri ) Para o bem ou para o mal? AMPARO SE APROXIMA DE ROSAFINA
E DA MENINA. Dona Petra ( Séria ) Não tinha pensado nisso... ( Exclama ) Deus queira que
para o bem, senhora! ( Para si ) Tenho que perguntar a Alma.AMPARO FAZ CARETAS
SIMPÁTICAS A ROSA SALVADORA. Amparo ( Enquanto isso ) E Alma por acaso é
enfermeira? ( Sorri à menina ) Olhe só, que gracinha! Pobrezinha: é a cópia exata do
pai! Dona Petra Quase... Amparo (Int/rigada ) Como quase? Dona Petra ( Desajeitada ) Alma
é enfermeira de almas. Amparo ( Mais dura ) Não me venham com a história dos
sonhos. Hoje mesmo a senhora vai ao hospital, dona Petra. E, por favor, não me repita o
disparate dos três aguaceiros seguidos... Para alguma coisa os médicos servem... ROSA
SALVADORA COMEÇA A CHORAR. Amparo ( A Rosafina ) Também temos que resolver o
problema de Rosa Salvadora. Temos que encontrar uma creche para a menina, o mais cedo
possí vel... Vamos procurar nos jornais. Deve haver alguma perto daqui... ROSAFINA
APERTA SUA MENINA CONTRA O PEITO, COMO QUE A PROTEGENDO.Rosafina ( Se atreve
) E que Salvador não gosta de creches, senhora. Diz que sua filha não vai a creches... Amparo
( Enérgica ) Ah!, sim... Ou você trabalha, ou você é mãe, não se pode fazer as duas coisas ao
mesmo tempo. ROSAFINA ABAIXA OS OLHOS. Amparo E agora, sirvam-me rápido o café da
manhã, pois tenho que aproveitar a manhã. DONA PETRA E ROSAFINA CRUZAM UM OLHAR
DE DÚVIDA. Amparo O que está acontecendo? Não me ouviram? Estão dormindo, ou o quê?
O café da manhã! Dona Petra ( Se adianta ) Sim, senhora... É que... as coisas mudaram muito
na sua ausência... Amparo ( Aborrecida ) Já percebi. Rosafina Dom Diego ordenou que não
se sirva o café da manhã enquanto a senhora Alma não tenh interpretado seus
sonhos. AMPARO ESTÁ ASSOMBRADA.Dona Petra E para que dêem resultado, ela deve
contá los em jejum. Amparo ( Exclama ) Mas isso é coisa de loucos! Dona Petra ( Corrigindo
Amparo ) Não, senhora. E coisa de sonhos. NESSE MOMENTO, ESCUTA-SE A BUZINA DO
JAGUAR.
(5) Casa Morán. Pátio. Jaguar. Int/Dia.
SALVADOR TOCOU A BUZINA DO JAGUAR E SE ARREPENDE IMEDIATAMENTE. TIRA O
BONÉ, MUITO ABORRECIDO. Salvador ( Exclama ) Como sou estúpido! E COMO E
ESTÚPIDO, DA OUTRO SOCO NO VOLANTE — EA BUZINA TORNA A TOCAR, DESTA VEZ
MUITO MAIS FORTE.
(6) Casa Morán. Sala. Int/Dia.
NA SAL intIMA DEMARCADA PELOS BIOMBOS CHINESES MANOLITO ESTÁ VENDO
TELEVISÃO, ENQUANTO COME UMA SUCULENTA GULOSEIMA . SINTONIZOU, COM
CERTEZA , O POPULAR NOTICIÁRIO QUETAL! , COMANDADO COM TANTA GRAÇA POR
LOLY E ALFREDO. Loly ( Na TV ) O que fazer neste fim de semana?... Essa é a dramática
pergunta que se fazem milhares de cidadãos que viram amanhecer esta sexta-feira debaixo
de uma cobertura de nuvens cinza. Alfredo ( Na TV ) Se uma vida pode mudar num
segundo, quantas vidas podem mudar neste fim de semana? Loly 259.200 vidas: a uma vida
por segundo, cálculo bastante conservador, se levarmos em conta que... AMPARO ENTRA
NA SALA ÍNTIMA E DESLIGA A TELEVISÃO. Manolito ( Surpreendido ) Deixa eu ver a
televisão, tia! Amparo ( Dura ) Você está muito novo para ver o noticiário da manhã. Quem
já viu isso? Manolito ( Defende-se ) Eu sempre vejo esse programa. Amparo Não discuta com
os mais velhos, Manolo.Manolito ( Insiste ) Mas Alma já acordou, tia. AMPARO FICA
PARALISADA. Amparo (Int/rigada ) E o que isso tem a ver? Manolito ( Inocente ) Quando
Alma está dormindo é que está trabalhando, então ninguém pode fazer barulho, mas agora
está descansando: já se levantou... Amparo E quem impôs essas leis nesta
casa? Manolito Quem poderia ser? Papai. AMPARO VOLTA-SE, VISIVELMENTE
CONTRARIADA, E TROPEÇA NO BIOMBO. Amparo ( Exclama ) Puxa, está tudo revirado
nesta casa! Quase quebro um dedo. ( Irritada ) Maldita a hora em que comprei estes
trambolhos! E VAI EMBORA MANCANDO.
(7) Casa Morán. Copa. Int/Dia.
MARICARMEN , COM SUA TÚNICA AMARELA , ESTÁ SENTADA EM POSIÇÃO DE LÓTUS
SOBRE O TAPETEDA TURQUIA. AMPARO A SURPREENDE. Amparo ( A Maricarmen ) E você,
que bicho te mordeu? A MOÇA NAO RESPONDE. AMPARO APROXIMA-
SE DELA,Int/RIGADA. OBSERVA-A COM CURIOSIDADE. MARICARMEN BEIJA O CAVALO
MARINHO, TERMINANDO ASSIM SUAS ESTRANHAS PRECES. Maricarmen Nunca vai
entender, tia: tem o coração de pedra. MARICARMEN SE LEVANTA. Amparo ( Aborrecida
) Que maneira é essa de falar à sua tia! Vê se hoje mesmo compra uma peruca e se
veste como Deus manda. MARICARMEN ENFRENTA SUA TIA. Maricarmen E como seu Deus
manda que a gente se vista? Que eu saiba, Jesus calçava sandálias de pescador, não pantufas
francesas, e se vestia com túnicas feitas à mão, não com robes de seda importados do
Japão. Amparo ( Indignada ) Você está me faltando ao respeito! Maricarmen Respeite-me, e
eu a respeitarei.AMPARO ESCORREGA SOBRE O TAPETE DA TURQUIA E ESTÁ QUASE
PERDENDO O EQUILÍBRIO. Amparo ( Ordena ) Veja se vai agora mesmo para seu quarto
e fique lá trancada até eu me lembrar de te chamar! ( Irritadíssima ) Esta casa é um
pesadelo! MARICARMEN COMEÇA A RETIRAR-SE. Maricarmen (Sentencia ) Castigue-me: as
penas sobre a terra dão gló ria sob as águas. AMPARO CORTA SEU CAMINHO. Amparo Que
bobagem está dizendo? MARICARMEN OLHA PARA ELA, DESAFIADORA. Maricarmen Alma
é a única que me entende. A TIA OLHA SUA SOBRINHA DE ALTO A BAIXO. Amparo ( Irónica
) Então isso que sobra de minha sobrinha é obra dessa mulher... ( Acentua ) ... também. (
Sorri, ácida ) Por acaso ela sonhou que você ia perder o cabelo? A MOÇA ACEITA O DESAFIO
DE SUA TIA IMPLACÁ VEL.Maricarmen Eu escolhi meu caminho, tia; Alma só me deu a força
que eu necessitava para que esse caminho me conduzisse à felicidade eterna. AMPARO
PERDE A PACIÊNCIA. Amparo (Ordena ) Vá para seu quarto: já chega de ouvir
sandices! NESSE PRECISO INSTANTE ENTRA SALVADOR. Salvador ( Em voz alta ) Manolito,
já está tarde para irmos ao colé gio, rapaz... MANOLITO APARECE DE TRÁS DO
BIOMBO. Amparo ( Para Salvador ) O quê? Não me diga que está dando aulas no colégio!
Seria a última coisa que me faltava escutar. SALVADOR SE SURPREENDE COM O
COMENTÁRIO IRÓ NICO DA TIA AMPARO. Manolito ( Responde pelo envergonhado chofer
) Salvador está me chamando para me levar para a escola. Amparo ( Surpreendida ) Por
quê? Você vai para a escola de carro, com chofer ?Manolito Olha, tia... Maricarmen Desde
que Alma lhe salvou a vida, Manolito não vai de ônibus. Amparo Que educação é essa?
Quando crescer terá que ser um homem. ( A Salvador ) Avise na escola que, a partir de
amanhã, Manolo volta a tomar o ônibus. Salvador ( Envergonhado ) Sim, senhora. Amparo (
A Manolo ) Bem, vai logo. MANOLITO SAI COM UMA EXPRESSÃO DE ALÍVIO. E CHEGA DOM
DIEGO. Dom Diego (A Amparo ) Que aconteceu, Amparo? Ouvi seus gritos lá do meu
quarto. Amparo Diego, nesta casa todos perderam o juízo. DOM DIEGO SE APROXIMA DE
SUA IRMA. TENTA SER CARINHOSO. Dom Diego Você vai entender pouco a pouco.AMPARO
VAI RELACIONANDO O QUE ACONTECEU ATE ESSE MOMENTO. Amparo Petra diz que sua
vida mudará quando chover três dias consecutivos. Dom Diego ( Concorda ) Porque os
biombos, querida Amparo, flutuavam sobre um rio de vidros moídos. AMPARO ARREGALA
OS OLHOS. CHEGA DONA PETRA COM UMA ENORME BANDEJA DE MAÇÃS VERDES
E VERMELHAS. Amparo Rosafina diz que o café da manhã não pode servido antes que essa
Alma conte seus sonhos. Dom Diego ( Concorda ) Tem que ser em jejum. ( Sorri ) E de café
da manhã, maçãs, marzipans cordobeses e figos secos. Amparo ( Exclama ) Figos no café da
manhã? DOM DIEGO CONCORDA. ROSAFINA ENTRA COM UMA TRAVESSA DE
ALFACES. Amparo ( A ponto de perder a paciência ) E que história é essa de que Alma salvou
a vida de Manolito?DOM DIEGO PASSA O BRAÇO PELOS OMBROS DE SUA IRM Ã. Dom Diego
(Concorda ) Alma sonhou com aves-do-paraíso que voavam para trás. Nesse dia, 28 alunos
morreram, menos a professora e dois ou três meninos. Todos morreram no acidente! Foi
horrível... AMPARO FOGE DOS BRAÇOS DO IRMÃO E COMEÇA A ANDAR SEM PARAR PELA
COPA. UM PAVÃO ENTRA NO SALÃO, COMPLETAMENTE À VONTADE. Amparo Vai embora,
bicho! Maldita hora em que comprei todos esses pássaros do demónio! AMPARO SE VOLTA
E ORDENA A DONA PETRA. Amparo ( Desafiadora ) Olhe, dona Petra: traga agora mesmo o
café da manhã para todos, que Diego e eu temos que ir à empresa. E lembre-se: omeletes de
presunto com toucinho, torradas à francesa, café expresso. ( Pausa ) Como sempre. Dom
Diego ( Faz uma tentativa ) Amparo, por favor... Amparo ( Desafiadora ) Sinto muito, Diego.
É preciso botar ordem nesta casa! ( A dona Petra ) Faça o que eu digo, dona Petra.DOM
DIEGO REAGE, COM ENERGIA SURPREENDENTE. Dom Diego Petra, não sirva o café da
manhã até eu mandar. PETRA PARA, ALIVIADA. AMPARO OLHA O IRMÃO COM OS OLHOS
EM FOGO. VAI RESPONDER, QUANDO ESCUTA UMA VOZ ATRÁS DE SI: Alma Petra, traga os
marzipans. TODOS OLHAM PARA A SONHADORA. ALMA SORRI, COM UM INACREDITÁVEL
GESTO DE BONDADE. AMPARO FICA DESARMADA DIANTE DAQUELA EXPRESSÃO
ANGELICAL. Amparo Diego, tenho que falar imediatamente com você, antes de ir para a
empresa. Sem empregados por perto, nem pessoas estranhas. Dom Diego Alma não é uma
estranha. ALMA SENTA-SE À MESA. Alma ( Muito calma, a Amparo ) Não acredita em mim,
não é verdade, senhora ?DOM DIEGO CERRA FILEIRAS JUNTO A ALMA. DONA PETRA E
ROSAFINA SE COLOCAM DOS DOIS LADOS DA SONHADORA. AMPARO FICA EM
MINORIA. Amparo ( Consegue dizer ) Não tenho nada para falar com a senhora. No
momento... Vamos, Diego. Espero você no escritório. ALMA OLHA PARA DOM DIEGO. TOMA
SUA MAO COM CONFIANÇA, SEM MALÍCIA. SORRI, CÂNDIDA. Alma (A Dom Diego,
orgulhosa ) Me deu trabalho, mas esta noite sonhei com gaviões brancos que revoluteavam
feito loucos num céu cinzento. DOM DIEGO SE ENTUSIASMA COM A NOTICIA. Dom Diego De
verdade, Alma! ( Ansioso) E o que significa, Alma, o que você quer dizer com isso? Que vou
encontrar a paz? Será que vou ser feliz, Alma? AMPARO PARA NA PORTA DE SAIDA. Amparo
( Enérgica ) Diego! Não seja criança! Dom Diego (A Alma ) Não sabe como me faz feliz, Alma.
É um sonho lindo: gaviões brancos! AMPARO VAI EMBORA ABORRECIDÍSSIMA.ALMA
SORRI, AGRADECENDO O ELOGIO A SEU SONHO. Alma Diga-me com que sonhas, e eu direi
quem você é. E DÁ UMA MORDIDA TRIUNFANTE NA MAÇÂ.
(8) Casa Morán. Quarto de Amparo. Int/Dia.
ATRAVÉS DO ESPELHO DA CÔMODA, VEMOS PASSAR AMPARO, QUE SE VESTE
RAPIDAMENTE, FURIOSA. NO CRISTAL OVAL, APARECE A FIGURA DE
MARICARMEN. Maricarmen Não deveria usá-lo. Amparo Usar o quê ? Maricarmen O
vestido vermelho. Só deve usar cores calmas, como azul celeste, o verde do mar e o branco
da areia. AMPARO PINTA OS LÁBIOS. Amparo Me dá uma vontade irreprimível de
enforcar você, de enforcar todo mundo desta casa. A TIA APERTA COM FÚRIA O BATON NA
MESA. TEM OS LÁBIOS E A BOCA MANCHADOS PELO TREMOR NAM ÃO, PROVOCADO PELA
RAIVA. Maricarmen (Comenta ) Disse que não pusesse o vestido vermelho. Amparo Saia
daqui. Agora. Vá embora. Vá à merda. MARICARMEN COMEÇA A SAIR. Maricarmen (
Quando sai ) Não me importa que me expulsem de um lugar. Eu já estou pronta para a
viagem à eternidade.
(9) Casa Morán. Escrit ório de Dom Diego. Int/Dia.
EM SEU ESCRITÓRIO, DOM DIEGO FALA COM ALMA. Dom Diego Não ligue para Amparo. Ela
tem seu jeito, mas o seu poder é mais forte que o dela. Você vai ver como tudo se
ajeita. NESSE INSTANTE, AMPARO CHEGA TODA VESTIDA DE VERMELHO. FICA
ABORRECIDA AO DESCOBRIR A PRESENÇA DA SONHADORA. Amparo Diego, eu disse que
queria falar com você a sós. Dom Diego ( Diplomático ) Amparo, por favor...Amparo (A Alma
) E um assunto dos Morán, então saia. ALMA EMPREENDE UMA PRUDENTE
RETIRADA. Dom Diego (A Amparo, enérgico ) Não há nada que Alma não possa escutar. (A
Alma ) Fique, Alma! AMPARO SE VOLTA, E ENFRENTA ALMA. Amparo ( Irónica ) Pensando
bem, fique e escute bem: eu não sou nem Dom Diego, nem Maricarmen, nem mesmo o pobre
Angel... DOM DIEGO OLHA SURPREENDIDO PARA A IRMÃ. Amparo Eu sou Amparo Morán,
e quando voltar da reunião, não quero vê-la nesta casa, senhora. Está claro? ALMA
CONCORDA COM HUMILDADE SUSPEITA. Dom Diego ( Exclama ) Amparo, não é justo que
fale assim com Alma. Parece mentira! AMPARO NÃO NÃO DÁ A MÍNIMA PARA SEU
IRMÃO. Amparo ( Agressiva ) Assim, por favor, tire todas as suas coisas e vá por onde
entrou. Diga-me o quanto lhe devemos por seus serviços: o contrato acabou.Dom
Diego Como fala com ela desse modo ? Eu sou o dono da casa, e aqui fica ou vai quem
eu quiser. Amparo Isso discutiremos mais tarde. Vamos já, Diego. E SAI, DEIXANDO DOM
DIEGO PETRIFICADO. ATRAVÉS DOS CRISTAIS DA JANELA, VÊEM-SE AS GAIOLAS COM AS
AVES-DO-PARAÍSO. OS CACHORROS CHINESES CORREM PELO JARDIM. ROSAFINA. AO
FUNDO, LAVA UMA BACIA DE ROUPA. ALMA SE APROXIMA DE DOM DIEGO. OLHA-O
COM TERNURA. Alma Gosta das aves-do-paraíso? Um dia disse que ficariam bem uns
viveiros perto do laguinho, se lembra? Estão tão lindas... ( Sorri, orgulhosa ) Foram feitas em
Marrocos para que enfeitassem nosso jardim. DOM DIEGO OLHA PARA ELA,
ASSUSTADO. Alma (off ) Não tenha medo... ( Sentencia ) Os gaviões brancos estão do nosso
lado: eu o sonhei. DOM DIEGO ABRAÇA ALMA, DESESPERADO.Dom Diego E o que vai ser de
nós? Alma (Com infinito carinho ) Seremos felizes, se lembra? ( Sorri ) Até o final dos
sonhos! Dom Diego ( Renascendo ) De verdade? Não posso acreditar, Alma. Então, vai se
casar comigo, apesar de tudo? ALMA CRUZA O DEDO INDICADOR SOBRE OS
LÁBIOS, PEDINDO SILÊNCIO. Alma Bobinho: não podem ficar sabendo... Será uma
surpresa! E BEIJA-O NA BOCA.
(10) Ruas e avenidas da cidade. Jaguar. Int/Dia.
UM SINAL MUDA DE LUZ VERMELHA PARA VERDE. O GUARDA ORDENA O TRÂNSITO COM
SEU APITO. O JAGUAR DE DOM DIEGO AVANÇA DISCIPLINADAMENTE NA FILA DE CARROS
QUE SATURA UMA AVENIDA CENTRAL DA CAPITAL. AMPARO DIRIGE. DIEGO VAI AO SEU
LADO E NAO LHE RESPONDE.Amparo Será que todos vocês estão cegos? Agora, que não há
pior cego que o que não quer ver, também é verdade... Essa mulher está louca. Não
estranharia que tenha algo a ver com o desaparecimento das jóias e a morte do pobre
Ángel... Gaviões brancos, nem gaviões brancos! Ela sim, que é uma ave de rapina. Mas como
é possível que você não tenha percebido? De bobo, você não tem nada! NESSE INSTANTE, A
CARAVANA DE CARROS PÁRA BRUSCAMENTE. Amparo ( Aborrecida ) E agora, o que
aconteceu? A RUA ESTÁ BLOQUEADA PELA POLÍCIA. Amparo ( Exclama, muito contrariada
) Era só o que faltava; éramos poucos e a avó pariu! Dom Diego ( Exclama, feliz ) Os gaviões
brancos!
(11) Rua e parque da cidade. Int/Dia.
OS POLICIAIS SE MOVEM COM RAPIDEZ DE UM LADO PARA OUTRO, COMO CAÇADORES
DE BORBOLETAS. VÁRIOS DOENTES DO MANICÔMIO PRINCIPAL DA CIDADE CORREM
PELAS RUAS E PARQUES PRÓXIMOS AOSANATÓRIO, NUMA INCRÍVEL COMPARSARIA DE
LIBERDADE. A CENA É DECORADA POR V ÁRIAS GALINHAS DE GRANJA, QUE PASSAM
VOANDO BAIXO, COMO ALMOFADÕES DE PLUMAS. ENTRE OS QUE CORREM HÁ VELHOS
CONHECIDOS; O LOUCO QUE CONTA OS DEDOS, A MEZZO SOPRANO, O CICLISTA
IMAGINÁRIO, O POBRE DO VENÂNCIO. O DIRETOR DO MANICÔMIO SE DESESPERA NO
CANTEIRO CENTRAL DA AVENIDA. DOM DIEGO SAI DO JAGUAR, GRITANDO: Dom
Diego Gaviões brancos! AMPARO TAMBÉM DESCE DO CARRO. DIRIGE-SE A
UM POLICIAL. Amparo Que está acontecendo aqui? Estou com muita pressa. Tenho que
passar com urgência. Policial Senhora, não vê? Os loucos fugiram do manicômio. Um
caminhão derrubou o muro dos fundos e todos saíram. Temos que caçá-los. DOM DIEGO SE
APROXIMA DO LOUCO QUE CONTA OS DEDOS. DIZ ALGUMA COISA NO SEU OUVIDO.
IMEDIATAMENTE, O LOUCO SE TRANQUILIZA E VOLTA PARA O MANICÔMIO POR SEUS
PRÓPRIOS PÉS, CONTANDO OS DEDOS UM POR UM.AMPARO CONTEMPLA A CENA,
PERPLEXA, ATÓNITA. ESTUPEFATA. Dom Diego Venham a mim, gaviões brancos! DIRIGE-
SE PARA A MEZZO SOPRANO. SOPRA-LHE OUTRA FRASE AO OUVIDO. A POBRE MULHER
COMEÇA A CANTAR UMA MELODIA DE MANZANERO, A CAMINHO DO
MANICÔMIO. AMPARO NAO QUER ACREDITAR NO QUE SEUS OLHOS VÊEM. Dom
Diego Venham a mim, gaviões brancos! DOM DIEGO CONVERSA COM O CICLISTA
IMAGINÁRIO QUE, NEM DEPRESSA NEM DEVAGAR, COMEÇA A PEDALAR E DESAPARECE,
EM SPRING PRÓPRIO DE ESCARAVELHO COLOMBIANO, PELO AMPLO BURACO DO
MURO. Dom Diego Venham a mim, gaviões brancos! O DIRETOR DO HOSPITAL E OS
POLICIAIS REPARAM NA SURPREENDENT intERVENÇÃO DE DOM DIEGO: TODOS OS
LOUCOS VÃO SE RETIRANDO, PACIFICADOS E CONFORMADOS, PARA A
CLÍNICA. Diretor Dom Diego! O DIRETOR, COMOVIDO, NAO CONSEGUE EVITAR: COMEÇA A
APLAUDIR. É SEGUIDO POR ALGUNS POLICIAIS; AOS POLICIAIS, JUNTAM-SE NAO POUCOS
TRANSEUNTES; AOS TRANSEUNTES, OS MORADORES DO LUGAR; AOS MORADORES, OS
PASSAGEIROS DOS ÔNIBUS — ATÉ QUE SE ORQUESTRA UMA GRANDE SINFONIA DE
APLAUSOS QUE RECONHECEM O MILAGRE DE DOM DIEGO. AMPARO VOLTA AO CARRO E
BATE A PORTA, MUITO ABORRECIDA. DOM DIEGO AGRADECE A OVAÇÃO COM UMA
REVERÊNCIA MUITO GENTIL. É ENTÃO QUE VÊ A PROFESSORA, CHORANDO NO
PARQUINHO. DOM DIEGO SE APROXIMA DELA. DÁ-LHE O BRAÇO. ACALMA-A. AS
GALINHAS POEDEIRAS VAO ATERRISSANDO NO PARQUINHO, ATÉ QUE PRATIÇAMENTE
ATAPETAM TODA A GRAMA — COMO SE TIVESSE NEVADO NA CIDADE.
(12) Casa Morán. Quarto de Maricarmen. Int/Dia.
COM CALMA DE SANTA, MARICARMEN RASPA A CABEÇA A ZERO, SEM MESMO SE OLHAR
NO ESPELHO. DEPOIS COLOCA VÁRIOS COLARES DE CONCHAS MARINHAS,
ARREMATANDO A DECORAÇÃO DE SEU LONGO PESCOÇO COM O TALISMÃ DO CAVALINHO
MARINHO. POR FIM VESTE A LONGA TÚNICA AMARELA. SÓ ENTÃO SE OLHA NO ESPELHO.
(13) Casa Morán. Escadas. Sala. Vestíbulo. Int/Dia.
UMAS SILENCIOSAS SANDÁLIAS DE PESCADOR DESCEM PELA ESCADA ACARPETADA DA
CASA. ESCUTASE O CHORO DE ROSA SALVADORA . MARICARMEN ATRAVESSA A SALA E O
VESTÍBULO DO ANDAR TÉRREO. NA ESTANTE, DOIS PELICANOS TALHADOS EM MADEIRA
MUITO VERMELHA.
(14) Casa Morán. Pátio e Portão. Int/Dia.
MARICARMEN CRUZA TODO O PATIO, COM PASSO DE PEREGRINA, RUMO AO PORTÃO DE
SAÍDA. ALMA, QUE PASSEIA PELO LUGAR EM COMPANHIA DE RÔMULO E REMO, A VÊ
PARTIR — E NÃO FAZ NADA PARA IMPEDI-LO. MARICARMEN NÃO REPARA NA
SUA PRESENÇA, MESMO QUANDO PASSA MUITO PERTO DA SONHADORA E OS
CACHORROS UIVAM ANUNCIANDO A MORTE. ALMA APERTA O BOTÃO DE UM APARELHO
DE CONTROLE REMOTO E ABREM-SE AS GROSSAS CANCELAS DO PORTÃO. A MOÇA CRUZA
A FRONTEIRA DA CASA MORÁN E DESAPARECE LOGO — SEM OLHAR NEM UMA VEZ
PARA TRÁS.
(15) Companhia Morán. Sala de reuniões. Int/Dia.
NA SALA DE REUNIÕES, TODOS OS MEMBROS DA DIREÇÃO ESCUTAM DOM DIEGO, QUE
LHES FALA NUM TOM COM O QUAL AINDA NÂO SE ACOSTUMARAM. AMPARO OLHA PARA
ELE E TAMBORILA COM AS UNHAS VIOLETA NA SUPERFÍCIE DA MESA. Dom Diego ( Sereno
) Escutem-me bem, amigos. Eu lhes falo com o coração na mão: é preferível viver presos a
uma idéia que livres sem ilusão. FEDERICO PAREDES OLHA SEU AMIGO, COM
ADMIRA ÇÃO. Federico ( Emocionado ) Bravo, Diego: é assim que gosto de ouvi-
lo falar! Dom Diego ( Continua ) Que são os sonhos?, pergunto-me às vezes... ( Pausa ) Um
privilégio? Talvez o sejam, certamente o sejam, mas esta resposta não serve para nos
responder à pergunta. Os sonhos, amigos e inimigos meus, são a materialização da
esperança. GUSTAVO ESCREVE UMA NOTA E A PASSA A AMPARO. Dom Diego ( Fica de pé
) Sonho e matéria, já disse, e talvez algum de vocês, maldosos como sempre, pense que eu
me contradigo. ( Sorri ) Sabem bem quenunca temi me contradizer, sempre e quando a
contradição nos conduza à verdade. Sonho e matéria, esperança e realidade, polos opostos,
mas complementares: unidade necessária e perfeita da vida. AMPARO LÊ A NOTA. OLHA
PARA GUSTAVO. CONCORDA. Dom Diego ( Continua ) Os sonhos nos representam, porque
não esqueçam: cada homem se conhece por suas ilusões! DOM DIEGO SENTA. CRUZA AS
MAOS. OLHA PARA FEDERICO. Dom Diego (Olhando para Federico ) Foi isso que vim dizer-
lhes esta manhã, antes que fosse demasiado tarde. TODOS OS ACIONISTAS SE
ENTREOLHAM, SURPREENDIDOS, MAS SEM SE ATREVER intERROMPER O SENHOR
PRESIDENTE. Dom Diego Porque tive a sorte que vocês não tiveram: numa manhã triste, há
apenas um ano, uma mulher bateu à porta de minha casa e eu duvidei de seus poderes. Com
paciência infinita, essa mulher perseverou em seu empenho de fazer-me entender os
sonhos. ( Pausa ) Hoje estou batendo na porta de vocês. Só que, advirto, não tenho a mesma
paciência dela...COMENTÁRIOS DE PREOCUPAÇÃO ENTRE OS SÓCIOS. AMPARO TOMA A
PALAVRA. Amparo fEnérgica ) Diego, creio que devemos suspender a reunião até depois do
almoço, quando Gustavo fizer seu informe. Dom Diego Como quiser: isso é tudo o que queria
dizer. OS ACIONISTAS DISPARAM PARA A PORTA DE SAIDA, ENCABEÇANDO A FUGA
AMPARO E GUSTAVO. SÓ FICAM NA MESA, DOM DIEGO E SEU ÍNTIMO AMIGO FEDERICO
PAREDES. Federico ( Carinhoso ) Diego, você me comoveu, caralho. DOM DIEGO AGRADECE
O CUMPRIMENTO COM UM LEVE SORRISO. Dom Diego Você não terá uma maçã? FEDERICO
SORRI, TRISTE, MUITO TRISTE. PROCURA NO BOLSO DO PALETÓ, ONDE SÓ UM BOM
AMIGO GUARDA UMA FRUTA. Federico Tome, irmão... E ROLA A MAÇÂ EM CIMA DA MESA.
(16) Casa Morán. Quarto de Rosafina. Int/Tarde. SALVADOR JOGA UMA MAÇÃ NA CESTA
DE LIXO. Salvador Odeio maçãs! DONA PETRA, EM PÉ FRENTE À JANELA,
COMPROVA ESPERANÇOSA QUE COMEÇOU A CHOVER. Dona Petra ( Feliz ) Chove! ( Joga
um beijo ao céu ). São duas. Duas vezes seguidas. ( E reza seu credo particular) São Pedro
bendito, não me vá falhar. Não é justo que uma pessoa fique doente tanto tempo. Fale com
o Patrão para que minha vida mude de uma vez. ROSAFINA COBRE ROSA SALVADORA, QUE
DORME EM SEU MOISÉS. SALVADOR SE MEXE, NERVOSO, NUMA CADEIRA . ACENDE UM
CIGARRO COM A GUIMBA QUE TIRA DO LÁBIO. Salvador E para que quer que mude nossa
vida, se esta não nos foi tão mal, dona Petra? (Ansioso ) Lembre-se do que disse Amparo: E
se a mudança for para pior? DONA PETRA FAZ O SINAL DA CRUZ. ROSAFINA OLHA
SALVADOR.Rosafina ( Muito assustada ) Cale-se, bruto, vê se não põe de novo tudo a perder!
Por que ia ser para o mal, pássaro de mau agouro? Salvador ( Em voz, alta ) Eu só digo o que
digo: para que mudar, para quê? Depois de tudo, somos felizes, não? Ou não? ROSA
SALVADORA COMEÇA A CHORAR. ROSAFINA LHE DÁ O PEITO. Rosafina ( Orgulhosa ) É
linda, não? A MENINA MAMA NO SEIO...
(17 ) Companhia Morán. Sala de reuniões. Int/Tarde. GUSTAVO AFIXOU UM ENORME
LENÇOL DE PAPEL NA PAREDE DIANTEIRA DA SALA DE REUNIÕES E, COM UM BASTÃO
DE MADEIRA, ILUSTRA SEU INFORME FINANCEIRO. Gustavo Como se vê nesses gráficos, o
último semestre foi terrível para nossa empresa. Catastró fico, diria eu... Nunca tinha sofrido
tamanha debacle antes. TODOS OS ACIONISTAS — EM ESPECIAL, AMPARO — PRESTAM
VIVA ATENÇÃO AO INFORME DE GUSTAVO.SÓ DOM DIEGO CONTINUA AUSENTE. Gustavo
(Continua ) O não cumprimento dos compromissos com a Fragimex significou uma perda
de 20% de nossas exportações, já que nossos rivais firmaram um contrato muito favorável,
a pre ços insólitos para este tipo de operação. FEDERICO ABAIXA OS OLHOS, CONDOÍDO
PELA AFLI ÇÃO DE DOM DIEGO. Gustavo ( Implacável ) A negativa de nosso presidente em
assinar... ( Consulta o gráfico )... em assinar trinta e quatro contratos com nossos
consumidores na Europa, determinou a crise económica. Outros 20% de lucros, em
números redondos, desapareceram por essa razão. AMPARO ESTÁ VISIVELMENTE
INCOMODADA EM SEU LUGAR . Gustavo Todos sabemos, por outro lado, o que significou
para a companhia o assassinato de Ángel. Uma verdadeira tragédi interna, de que não quero
nem me lembrar. Enterremos este capítulo, em atenção a Dom Diego, mas não podemos
deixar de levá-lo em conta ao avaliar globalmente nosso trabalho. GUSTAVO FAZ UMA
PAUSA RESPEITOSA, MUITO CALCULADA. E CONTINUA.Gustavo ( Implacável ) Bem... Sem
contar as operações fracassadas menores, como a venda da reserva aérea para um parque
de diversões, e os investimentos cegos para as aquisições da famosa fábrica de marzipans
cordobeses e a despolpadora de maçãs, a companhia fecha com um balanço sinistro. ( Pausa
dramática ) Em duas palavras , amigos: nossa dívida significa 30% de nossas ações. (
Percorre com a vista o rosto grave dos acionistas, conseguindo um grande efeito dramático,
e conclui: ) O que dá mesmo: só um milagre pode nos salvar da ru ína. no OS ACIONISTAS
FICAM MUDOS PERANTE A EXPLICA ÇÃO DE GUSTAVO. CAI UM SILÊNCIO DE MORTE. DOM
DIEGO PARECE DESPERTAR COM AQUELE SILÊN CIO. FEDERICO AFUNDA-SE NA
CADEIRA. Dom Diego ( Acrescenta. sorridente ) Não há milagres sem fé. GUSTAVO PERDE
AS ESTRIBEIRAS. ENCABEÇANDO A REBELI ÃO DOS MEMBROS DA DIRETÓRIA. Gustavo (
Enérgico ) O senhor não apita nada nesta reunião, Dom Diego. E sente-se. que ainda não
terminei! Amparo E o que propõe, Gustavo?GUSTAVO VACILA, ANTES DE
RESPONDER: Gustavo Falo em nome de todos, Amparo. Amparo Ao ponto,
Gustavo. Gustavo ( Decidido ) Não há mais saída: temos que decretar um interdição judicial
para provar que nosso presidente perdeu o juízo, e ganhar algum tempo desfazendo
negociações que empreendemos, contra a nossa vontade, acatando seu mandato
demente. GUSTAVO CONSULTA UNS PAPÉIS. Gustavo Dessa maneira, talvez, se tudo sair
como esperamos, neutralizar íamos uns 5% de perdas. DOM DIEGO OLHA FEDERICO. Dom
Diego ( A Federico, baixinho ) Não me deixe só. GUSTAVO BUSCA APOIO NOS OUTROS
ACIONISTAS. Gustavo (Indeciso, gaguejando) Ao mesmo tempo, e não há mais
remédio. Amparo, sei que é duro... Amparo Continue, Gustavo, deixa de lorotas
agora.Gustavo ( Decidido ) A companhia reserva como próprias 21% das ações
correspondentes a Dom Diego, para tentar uma renegociação em grande escala. Com esta
justa e inapelável apropriação de bens, podemos de alguma maneira reparar os danos que
a morte de Ángel fez a nosso prestígio comercial ... AMPARO SE LEVANTA. ESTÁ
ABATIDA. Amparo O capítulo de Ángel está enterrado, Gustavo. E então, o que
mais? Gustavo Vemo-nos obrigados a hipotecar ao banco 50% de suas ações, Amparo, como
garantia das operações. ( Fecha o dossiê ) Não vemos outro caminho, Amparo. AMPARO
TENTA DEFENDER-SE , MAS CAI NA CADEIRA. Acionista (A Amparo ) E duro, Amparo,
sabemos que é duro, mas estamos entre a espada e a parede. DOM DIEGO TENT intERVIR,
MAS FEDERICO O IMPEDE COM UM GESTO DE CARINHO. Acionista ( Continua ) Em atenção
a tantos anos de serviço exemplar, decidimos conceder uma generosa renda anual a Dom
Diego, renda que permitirá um nível de vida digno a ele e aos seus.AMPARO ESTÁ
DERROTADA. Gustavo (A Amparo ) Amparo, se quiser, pode permanecer na Companhia,
como assessora da Diretória. Sabemos que não é responsável pelo que aconteceu. DOM
DIEGO LEVA AS MÂOS À CABEÇA, COMO SE ACORDASSE DE UM PESADELO. Dom Diego ( A
Federico, baixinho ) Por que não me levam a sério, Federico? Sonhar não custa
nada. Federico (Compassivo, a Dom Diego) Verá que tudo vai sair bem, irmão. GUSTAVO
DOBRA O LENÇOL DE PAPEL. DEIXA O BAS TÃO SOBRE A MESA. Gustavo Agora só nos falta
eleger um novo presidente. AMPARO VAI ATÉ À PAREDE E RETIRA SOLENEMENTE O
RETRATO DOS IRMÃOS MORÁN, SELANDO SUA DERROTA. Amparo (Ameaçadora e para si
) Essa mulher vai pagar bem caro o que fez!
(18) Praia. Int/ Entardecer. DOIS PELICANOS VERMELHOS VOAM SOBRE O MAR .ESTIOU.
AO MENOS POR UM MOMENTO. NO HORIZONTE, UM SOL LARANJA PROCURA UMA GRETA
ENTRE AS NUVENS DENSAS. UM RASTRO DE PASSOS NA AREIA LEVA ATÉ A
FIGURA SOLITÁRIA DE UMA MOÇA CARECA, QUE VESTE UMA TÚNICA ALARANJADA. AS
ONDAS QUEBRAM NA PRAIA. MARICARMEN ENTRA SEM MEDO NO OCEANO, E
DESAPARECE SOB AS ÁGUAS EM PERFEITO SINCRONISMO COM O SOL POENTE. NO MAR,
COMO ÚNICA PROVA DO ACONTECIDO. FICA FLUTUANDO A ESMO UMA LONGA TÚNICA
AMARELA. BORBULHAS. MAR CALMO.
( 19) Casa Morán. Fachada. Int/Noite.
NOITE FECHADA. CHOVE DEVAGAR. UMA LUZ NA JANELA. NO VÃO DA JANELA
DISTINGUE-SE A SILHUETA DE SALVADOR. A CENA DURA AS ONZE INQUIETANTES
BADALADAS DE UM RELÓGIO.
(20) Casa Morán. Quarto de Petra. Int/Noite.
ATRAVÉS DA JANELA SE VÊ CHOVER. NA PAREDE-ALTAR DE DONA PETRA NÃO CABE
NEM MAIS UMA CRUZ. SALVADOR FECHA A CORTINA E ENFRENTA SUA SOGRA:Salvador (
Exclama ) Onze horas da noite! ( Aterrado ) Eu não vou morrer num acidente, a senhora não
morrerá de asma, mas todos nós vamos morrer de medo, dona Petra. ROSAFINA , COM
ROSA SALVADORA NOS BRAÇOS, APÓIA SEU MARIDO. Rosafina ( Aterrada ) Salvador tem
razão, mamãe... Se a chuva passar da meia-noite, nossas vidas v ão mudar. Dona Petra (
Duvida ) Em honra da verdade, só minha vida vai mudar. SALVADOR SEGURA DONA PETRA
PELOS OMBROS. A VELHA EMPREGADA NÃO OFERECE MUITA RESISTÊNCIA. Salvador (
Enérgico ) Nossas vidas são uma só, sogra! Uma só! Não compreende isso? DONA PETRA
PARECE CEDER. Salvador De verdade: não temos ido tão mal, minha sogra. Tem aí sua neta,
que é um encanto. Quer mudá-la? ( Pausa ) Por acaso quer mudar Rosafina? DONA PETRA
BAIXA O OLHAR.Salvador ( Continua ) Que queira mudar a mim, eu entendo, mas eu não
quero mudar a senhora. Rosafina ( Apoia, comovida ) Nem eu, mamãe. ( Como um curioso
elogio ) Mais vale o mal conhecido, que o bem por conhecer. RELÂMPAGOS. A MOÇA
ABRAÇA SUA MÃE. ROSA SAL VADORA COMEÇA A CHORAR. Dona Petra ( Cedendo ) E que
podemos fazer? Salvador ( Enérgico, decidido ) Fugir deste pesadelo, dona Petra. Fugir
para algum lugar da cidade onde não esteja chovendo à meia-noite! Dona Petra ( Duvida
) Está escrito. Salvador Se está escrito não tem importância: nhora não sabe ler! a seDona
Petra ( Aterrorizada ) Só temos uma hora... A MENINA CHORA SEM PARAR. RELÂMPAGOS.
ESCUTA-SE, FORA, O LATIDO DOS CACHORROS CHINESES. Salvador ( Angustiado ) Não há
pior gestão do que a que não se faz,dona Petra. Fujamos o quanto antes! ( Pausa dramática
) Pelo que mais queira: fujamos. RELÂMPAGOS.
(21) Cidade. Ruazinha da periferia. Int/Noite.
CHOVE. NÂO SE VÊ UMA ALMA NA CIDADE. UM ANÚNCIO LUMINOSO CONVIDA NINGUÉM
PARA PASSAR UM BOM MOMENTO NUM BAR DOS ARRABALDES. DE LONGE EM LONGE,
CRUZA A ESQUINA UM OU OUTRO CARRO SOMBRIO, COMO RATOS. O VELHO OLDSMOBILE
DE SALVADOR AVANÇA VALENTEMENTE PELA NOITE E O DILÚVIO.
(22) Oldsmobile de Salvador. Rua. Int/Noite.
O CHOFER DESESPERADO GRUDA O NARIZ NO PÁRABRISAS PARA ORIENTAR A FUGA. NO
ASSENTO TRASEIRO, VÃO ROSA SALVADORA, NOS BRAÇOS DE SUA MÃE, E DONA PETRA,
REZANDO ENTREDENTES. DE REPENTE, O VETERANO AUTOMÓVEL COMEÇA A FALHAR ,
AFOGADO PELA ÁGUA QUE PENETROU NO MOTOR , ATÉ QUE PÁRA BRUSCAMENTE,
TEIMOSO COMO UMA MULA DE CARGA. DE NADA ADIANTAM OS ESFORÇOS DE
SALVADOR. Salvador ( Desesperado ) Caralho!E TOCA, NO CLIMAX DA TRAGÉDIA, A
PRIMEIRA BA DALADA DA MEIA-NOITE. ROSAFINA E DONA PETRA FICAM MUDAS,
ABSOLUTAMENTE DOMINADAS PELO PÂNICO. SALVADOR, DECIDIDO, DESCE DO VELHO
OLDSMOBILE, ABRE A PORTA TRASEIRA E CARREGA SUA FILHA CONTRA O
PEITO, DISPOSTO A VENDER BEM CARO SEU TERROR. COBREA COM UM CAPOTE VELHO
E COMEÇA A CORRER DEBAIXO DO DILÚVIO, PELA RUAZINHA DESERTA. SEGUNDA
BADALADA. ROSAFINA E DONA PETRA COMPREENDEM A DRAMÁ TICA MANOBRA
SUICIDA E SEGUEM SALVADOR, ENFRENTANDO A TORMENTA. TERCEIRA, QUARTA
E QUINTA BADALADAS. SALVADOR CORRE E CORRE, SALTANDO
CHARCOS, DESESPERADO. ROSAFINA AJUDA SUA MÃE, QUE A CADA PASSO ESTÁ A PONTO
DE PERDER O EQUILÍBRIO. SEXTA E SÉTIMA BADALADAS. MILAGROSAMENTE COMEÇA A
ESTIAR , COMO SE PODE COMPROVAR NAS GOTAS QUE VÃO ENFRAQUECENDO SOBRE A
SUPERFÍCIE DAS POÇAS. OITAVA BADALADA. SALVADOR , ATERRORIZADO, ESPERA
ROSAFINA E DONA PETRA, NO MEIO DA RUA. TODOS SE ABRAÇAM, NUM COMOVEDOR NÓ
FAMILIAR, ESPERANDO A CATÁSTROFE. NONA BADALADA. MAS A CHUVA CONTINUA
AMAINANDO. DÉCIMA BADALADA. NEM UMA GOTA CAI SOBRE AS POÇAS.NO CÉU ,
ABREM-SE AS NUVENS DENSAS E A LUA VAI BANHANDO A CENA COM SUA LUZ DE
PRATEADA ESPERANÇA. DÉCIMA PRIMEIRA BADALADA. ESTIOU. DÉCIMA SEGUNDA
BADALADA. SALVADOR, DESCONFIADO, DESENREDA-SE POUCO A POUCO DO NÓ
FAMILIAR E COMPROVA, COM TODA A INGENUIDADE DO MUNDO, QUE ESTÃO A
SALVO. Salvador ( Exclama ) Parou, caralho, parou! DONA PETRA, QUE AGORA CARREGA
ROSA SALVADORA, BEIJA A TESTA DA MENINA. Dona Petra ( Sufocada por um acesso de
asma de felicidade ) Nos salvamos, nos salvamos! ROSAFINA ABRE OS OLHOS E VÊ SEU
MARIDO IMPROVISANDO, SOBRE AS POÇAS D’ÁGUA, UM ALEGRE CARNAVAL. A LUA.
(23) Casa Morán. Int/Amanhecer. O SOL COROA A CHAMINÉ DOS MORÁN. POR FIM
AMANHECEU NA CIDADE. UM VENTOZINHO SUAVE BATE AS FOLHAS DE UMA JANELA
QUE ALGUÉM DEIXOU ABERTA NO ANDAR DE CIMA DA CASA. ESCUTA-SE A VOZ DE
MANOLITO:Manolito ( Em off , chamando ) Papai! Alma! Tia Amparo! PELO JARDIM
CORREM OS CACHORROS, VOAM OS PAPAGAIOS, TRINAM AS AVES-DO-PARAÍSO, NUMA
SILVESTRE, EMBORA ANÁRQUICA, LIBERDADE.
(24) Casa Morán. Segundo andar. Int/Dia.
MANOLITO, VESTIDO COM O UNIFORME DO COLÉGIO MADRI, PERCORRE OS QUARTOS DO
SEGUNDO ANDAR , Manolito ( Chamando ) Papai... O QUARTO DE DOM DIEGO ESTÁ SEM
ARRUMAR, A CAMA DESFEITA, O PIJAMA NO CHÂO. Manolito ( Em off ) Maricarmen... O
VENT1NHO SUAVE BATE AS FOLHAS DA JANELA QUE MARICARMEN ESQUECEU DE
FECHAR ANTES DE PARTIR PARA SUA MARÍTIMA FELICIDADE. Manolito ( Em off ) Tia
Amparo... O QUARTO DA TIA AMPARO ESTÁ EM PERFEITA ORDEM, COMO SE NINGUÉM
TIVESSE DORMIDO NELE. Manolito ( Em off ) Alma...EM CIMA DA CAMA DE ALMA, DOIS
PAVÕES BICAM AS ALMOFADAS.
(25) Casa Morán. Andar térreo. Int/Dia.
MANOLITO PERCORRE AS DEPENDÊNCIAS DO ANDAR TÉRREO. NA MESA DA COPA. OS
RESTOS DO JANTAR. Manolito ( Em off ) Dona Petra... Rosafina... Salvador... NA COZINHA,
MANOLITO DESCOBRE, NUM CAOS SOBERANO, A GELADEIRA ABERTA, AS PANELAS
SUJAS, OS JARROS DE LEITE COALHADO, A LATA DE LIXO CA ÍDA NO CHÃO, ONDE OS
CACHORROS CHINESES PROCURAVAM ALGO PARA COMER. Manolito Será que não tem
ninguém nesta casa? MANOLITO TIRA DA FRUTEIRA UM PAR DE MAÇAS APETITOSAS E
FAZ UM GESTO DE RESIGNAÇÃO SIMPÁTICA. ESCUTA-SE UMA BUZINA.
(26) Casa Morán. Pátio. Int/Dia.
MANOLITO SAI PARA O PÁTIO DA FRENTE, CERTAMENTE COM A ESPERANÇA DE SE
ENCONTRAR COM SALVADOR, MAS DESENCANTADO DESCOBRE O ÔNIBUSDO COLÉGIO. A
PROFESSORA GORDINHA LHE FAZ SINAIS PARA QUE SE APRESSE. MANOLITO,
RESIGNADO À SUA SORTE, CORRE PARA O ÔNIBUS, DEIXANDO ABERTA DE PAR EM PAR A
PORTA DA CASA.
(27) Companhia Morán. Escritório de Dom Diego. UMA MAO MASCULINA COLOCA UM
ANEL NUM DEDO DE MULHER. SOBRE A IMAGEM CLÁSSICA DO PACTO MATRIMONIAL,
ESCUTA-SE A VOZ DO MESMO ADVOGADO QUE TINHA REDIGIDO ANTERIORMENTE
O NOVO TESTAMENTO DE DOM DIEGO. Advogado ( Em off ) Diego Morán y Cardellá,
natural de Cordoba, capital da prov íncia do mesmo nome; e Alma Kretschmer, natural
da Wesfalia, eu os declaro unidos em matrimónio. O CASAMENTO SE EFETUA EM TOTAL
SEGREDO, ONDE TINHA SIDO O ESCRITÓRIO DO PRESIDENTE DA COMPANHIA MORÁN.
DOM DIEGO E ALMA ASSINAM O LIVRO DO CARTÓRIO. COMO TESTEMUNHAS, ASSINAM O
CONTRATO DE AMOR O FIEL FEDERICO PAREDES E O VELHO PORTEIRO DA COMPANHIA,
CUJO PULSO ESTÁ TREMENDO. FEDERICO BEIJA ALMA E ABRAÇA SEU AMIGO.Federico (
Contente ) A vida começa a cada dia, irmão! Parabéns de todo o coração! Dom Diego Sou tão
feliz: me sinto como um menino. Parece um sonho. O ROSTO DE DOM DIEGO FICA SOMBRIO
DE REPENTE. LEVA AS MÃOS À CABEÇA. Dom Diego E se acordo? ALMA SE ABRAÇA AO
MARIDO, COM CARINHO. Alma ( Amorosa ) Bobinho, meu menino. Não vai
despertar, porque dormirá em meu sonho. ABRE-SE A PORTA, VIOLENTAMENTE.
IRROMPEM NO ESCRITÓRIO, NESTA ORDEM, AMPARO MORÁN, O ACIONISTA GUSTAVO, O
DIRETOR DO MANICÔMIO E TRÊS ENFERMEIROS VESTIDOS DE BRANCO. AMPARO SE
DIRIGE AO ADVOGADO. Amparo ( Enérgica ) Este casamento não tem validade, advogado:
meu irmão não é consciente de seus atos. Advogado ( Mostra um documento ) Este atestado
garante o contrário, senhora Amparo, e é absolutamente legal. ( Olha o diretor ) É sua
assinatura, doutor?O DIRETOR CONCORDA. Diretor ( Explica ) A senhora Alma pediu-me
que certificasse o estado mental de Dom Diego. AMPARO LANÇA AO DIRETOR UM OLHAR
DE FOGO. Amparo (Aborrecida ) E como lhes dava dinheiro às mãos cheias, o senhor
certificou que estava são! Diretor ( Atingido em seu orgulho ) Então, nada parecia provar o
contrário. A generosidade não é um traço de loucura, senhora. Amparo ( Enérgica ) Pois este
atestado está equivocado. Amanhã mesmo terá as provas da loucura de Diego. Advogado (
Duro ) Se a senhora me traz esse atestado amanhã, ficará demonstrado que Dom Diego
perdeu o juízo a partir de amanhã. ( Orgulhoso de seu profundo argumento, sentencia: )
Portanto, até que se demonstre outra coisa, este casamento é legal. Absolutamente legal. (
Fecha sua pasta, dando por terminado o ato. ) ALMA SORRI, COMPLACENTE. ATÉ ESTE
MOMENTO DA POLÊMICA , A SONHADORA SE MANTIVERA RESERVADA , EVITANDO QUE
UMA SÓ PALAVRA SUA ENROLASSE AINDA MAIS A JÁ MUITO COMPLEXA SITUAÇÃO.
AOESCUTAR A SENTENÇA DO ADVOGADO, ALMA DECIDE QUE J Á É HORA DE MOSTRAR
PRESENÇA, E SE APROXIMA DE DIEGO. Amparo (A Alma ) Não se aproxime de meu irmão:
por sua culpa chegamos onde chegamos! Federico (Int/ervém ) Parece mentira, Amparo:
nunca teria esperado isto de você! E seu irmão, sangue do seu sangue! AMPARO ENCARA
FEDERICO. Amparo ( Decidida ) Cale-se. Você sempre o acostumou mal. O que faço, faço
pelo bem dele. O ASSUSTADO PORTEIRO APROVEITA A CONFUSÃO E FOGE DO
ESCRITÓRIO. DOM DIEGO, QUE PRESENCIARA A CENA SEM ENTENDER NADA, DEFENDE
SEUS DIREITOS. Dom Diego Ninguém tem o direito de se meter na minha vida. Fora
daqui! Amparo ( Ao médico ) Doutor, cumpra o seu dever. Eu me responsabilizo por
tudo. OS ENFERMEIROS SE APROXIMAM DE DOM DIEGO, QUE TENTA SE DEFENDER .
FEDERICO O AJUDA. OSENFERMEIROS, COM HABILIDADE, SE LANÇAM SOBRE O DOENTE
E CONSEGUEM NEUTRALIZÁ-LO COM UMA CAMISA DE FORÇA. FEDERICO
COMPREENDE QUE É INÚTIL DEFENDÊ-LO. ELES O LEVAM, SEM PIEDADE. Federico (
Seguindo-os pelo corredor ) Fique tranquilo, Diego: vai ver como tudo se arranja, irmão. O
ACIONISTA GUSTAVO SE AFASTA DISCUTINDO ACALORADAMENTE COM O
INSUBORNÁVEL ADVOGADO. Advogado Isto é abuso de poder. Gustavo (Vai lhe dizendo
) Talvez possamos chegar a um acordo mutuamente satisfatório. Pense na
companhia... Advogado As leis são as leis, Gustavo... ALMA E AMPARO FICAM SOZINHAS NO
ESCRITÓRIO. OLHAM-SE CARA A CARA. Amparo (Com todo o ódio do mundo ) Já conseguiu
o que queria, verdade? Já conseguiu o que queria! Alma ( Com toda a paz do mundo ) Ainda
não.
(28) Manicômio. Jardim. Int/Dia.
DEZENAS DE GALINHAS POEDEIRAS BRANCAS PRATICAMENTE COBREM TODO O BELO
JARDIM DO MANICÔMIO. DE COSTAS, A PROFESSORA ESCREVE UMA FRASE
NO QUADRINHO NEGRO. Professora ( Lê, enquanto escreve ) E... preferível... viver presos
a... uma idéia... que livres... sem ilusão. DEZENAS DE PINTINHOS E FRANGUINHOS PIAM
NUM CORO ENSURDECEDOR . AO FUNDO, DOM DIEGO TRANSPLANTA UMA MACIEIRA.
(29) Casa Morán. Jardim. Int/Dia.
O VENTO MOVE AS PLUMAS DAS AVES-DO-PARAÍSO. BATEM AS FOLHAS DAS JANELAS. OS
CACHORROS CHINESES RASGARAM, A MORDIDAS, A REDE DE MADAGASCAR. ALMA
CAMINHA SOLENEMENTE PELOS DESOLADOS JARDINS DA CASA, CONTEMPLANDO SEUS
DOMÍNIOS. REFRESCA-SE COM UM LEQUE DE NÁCAR. OS PERIQUITOS PARECEM CANTAR
SEU NOME.
(30) Casa Morán. Quarto de Amparo. Int/Dia.
AMPARO CAMINHA DE UM LADO PARA O OUTRO DOQUARTO. FUMANDO
DESESPERADAMENTE UM CIGARRO ATRÁS DO OUTRO. L. VAN. D. É A ÚNICA
TESTEMUNHA DA CENA. O VENTO BATE NA JANELA ABERTA. AMPARO VAI FECHÁ-LA E
VÊ: ALMA, CAMINHANDO SOZINHA NO JARDIM. RÔMULO E REMO CAÇAM
BORBOLETAS. DECIDIDA , AMPARO SAI DE SEU QUARTO.
(31) Casa Morán. Jardim. Int/Dia.
TRINAM OS PÁSSAROS EM CORO FRENÉTICO. AMPARO, VESTIDA COM SEU ROBE DE SEDA
JAPONESA, PERCORRE TODO O JARDIM PROCURANDO ALMA. Amparo Calem-se.
passarões! DA PARTE ALTA DO JARDIM, AMPARO VÊ: O PAVÃO COMEÇA A VOAR
ESCANDALOSAMENTE, POUSAR NO ANTEBRAÇO DE ALMA. DECIDIDA. AMPARO VOLTA
PARA A CASA. ATÉ
(32) Casa Morán. Sala. Escada. Int/Dia.
AMPARO ATRAVESSA TODA A SALA DERRUBANDO VASOS E JARROS EM SUA
DESESPERANTE OFENSIVA. OS DOIS PELICANOS DE MADEIRA VERMELHA CAEM SOBRE O
TAPETE DA TURQUIA. AMPARO SOBE A ESCADA AOS SALTOS. TROPEÇA. AGARRA-SE AO
CORRIMÃO, SE intERROMPER A SUBIDA. UMA MÃO RECOLHE DO CHÃO O PAR DE
PELICANOS E VOLTA A COLOCAR OS ENTALHADOS NA ESTANTE. É UMA MÃO DE
MULHER. A MÃO DE ALMA.
(33) Casa Morán. Quarto de Amparo. Varanda. Int/Dia.
AMPARO ABRE COM VIOLÊNCIA A PORTA DUPLA QUE LEVA À VARANDA DE SEU QUARTO:
NÃO HÁ NINGUÉM. ANSIOSA. APROXIMA-SE DO PARAPEITO. PERCORRE COM O OLHAR
TODO O JARDIM E GRITA: Amparo Alma! DE COSTAS, AMPARO SENTE A PRESENÇA DA
ESTRANHA MULHER, E SE VOLTA MUITO DEVAGAR. COMO QUE MEDINDO CADA
PASSO. ALMA ESTÁ NO UMBRAL DA PORTA. O PAV ÃO COMEÇA A VOAR
ESCANDALOSAMENTE.AS DUAS MULHERES SE ESTUDAM ALGUNS SEGUNDOS QUE
PARECEM A ETERNIDADE. Alma ( Amável ) Não compreende ainda? AMPARO N ÃO PODE
EVITAR DE SENTIR UM FRIO IRRESISTÍVEL. Alma ( Sorri enigmaticamente ) Você fez
apenas realizar o sonho mais caro da minha vida. DÁ AS COSTAS À SUA ADVERSÁRIA, COMO
UM TOUREIRO QUE DESAFIA SEU ANIMAL NUMA PRAÇA PÚBLICA.
(34) Casa Morán. Escadas. Andar térreo. Int/Dia.
ALMA VAI DESCENDO AS ESCADAS, COMO SÓ AS RAINHAS SABEM DESCER , SEGUIDA POR
AMPARO. Alma Sempre quis viver nesta casa, e não em outra, por isso eu a fui construindo
sonho a sonho. ALMA PÁRA NO PATAMAR DO ANDAR TÉRREO. VIRASE. OLHA PARA
AMPARO, QUASE COM PENA. Alma ( Sorri ) Viver... ( Pausa )... em companhia de um menino
como Manolito, a quem dedicar todas as minhas energias.
(35) Casa Morán. Jardim. Int/Dia.
ALMA NO CENTRO DO JARDIM. O VENTO MOVE SEU CABELO SOLTO. TRINAM TODOS OS
PÁSSAROS. Amparo Quem é você? ALMA CONTINUA SUA CONFISSÃO, SEM DAR À
SUA ADVERSÁRIA O PRAZER DE CONHECER CONTRA QUEM LUTA. Alma Viver dormindo
num quarto exatamente igual ao seu, rodeada de objeto intravagantes, como esses
personagens das telenovelas que você tanto detesta. ALMA APANHA UM VASO QUE CAIU
NO CHÃO E COLOCA-O COM DELICADEZA EM SUA POSIÇÃO. Alma (Continua ) Rodeada,
sim, de cachorros chineses e papagaios e aves-do-paraíso e pavões reais... A UM GESTO DE
ALMA, OS CACHORROS CHINESES E AS AVES-DO-PARAÍSO ALINHAM-SE AO SEU
LADO, COMO SOLDADOS EM FORMAÇÃO. Alma ( Dura, quase rancorosa ) Passarões, como
você diz... Passarões que comprou contra a sua vontade, porque eu havia sonhado que ia
comprá-los para mim.
(36) Casa Morán. Sala. Int/Tarde. ALMA PEGA O LEQUE DE NÁCAR DE UMA
MESA. Alma Lembra-se daquele mercador de Jaffna Ceilão, que pretendeu lhe vender estes
leques de nácar por 500 dólares? , no AMPARO FICA PETRIFICADA. Alma ( Sorri
) Certamente, você estava com um chapéu verde, de tom muito berrante para o meu gosto. (
Fecha o leque ) Pois bem, eu sonhei que você o conseguiria por 120 e assim foi... Ou vai se
atrever a negá-lo, Amparo? AMPARO SENTE UMA ANGÚSTIA DOLOROSA. Amparo Como
você sabe disso? COM EXTREMA DELICADEZA, ALMA DEIXA O LEQUE EM CIMA DA
MESINHA. APROXIMA-SE DEVAGAR DOS BIOMBOS CHINESES. Alma ( De costas para
Amparo) E quando perdeu o avião em Hong Kong? ( Exclama ) E com aquele
temporal! ALMA SE APOIA NOS BIOMBOS E SE VIRA TRIUNFANTE. Alma ( Orgulhosa ) Eu
fiz com que o vôo se adiantasse, porqueainda não me havia comprado estes lindos biombos
que você tanto odeia! AMPARO SENTE AGORA UM MEDO INSUPORTÁVEL. SEU QUEIXO
TREME. Amparo Quem é você? ALMA SORRI SEM COMPAIXAO. Alma Uma mulher que se
aluga para sonhar. Venho dizendo isto desde o primeiro capítulo desta história, mas não
quer me acreditar. TRINAM AS AVES-DO-PARAÍSO, LATEM OS CACHORROS CHINESES,
ACENDE-SE, COMO QUE POR ENCANTO, A TELEVISÃO... Alma Muitos sonhos me custou
este sonho. E já vê: aqui estamos as duas, sós. ALMA ANDA PELA SALA. SEGUIDA PELA
CORTE DE ANIMAIS. Alma ( De costas ppra Amparo ) Contado parece fácil... Só eu conheço
o pre ço de minhas ilusões. ALMA SE ENCAMINHA PARA UMA LUMINÁRIA E LIGAA NA
TOMADA: É SUA PRODIGIOSA LÂMPADA DE SOMBRAS. A SALA TODA ESCURECE DE
REPENTE.Alma Certamente, esta noite sonhei com você... Um sonho muito real, preciso, em
que havia uma cena idêntica a esta que nós estamos protagonizando agora. Nele você vai
embora, sem saber com certeza porque o faz. O certo é que se vai, aterrorizada.
Portanto... Vá-se embora! AMPARO ABAIXA OS BRAÇOS. Amparo ( Desesperada ) Pelo amor
de Deus, quem é você? ALMA NAO RESPONDE: SUA FIGURA FICA NA PENUMBRA, APENAS
DELINEADA PELA ILUMINAÇÃO DISTANTE DA TELEVISÃO. AMPARO FOGE DERROTADA
EM DIREÇÃO À PORTA, ABRE, SAI DA CASA, BATENDO COM A PORTA. O ROSTO DE ALMA
COBRE TODA A TELA, PARA DIZER: Alma Quem sou? ( Pausa ) A dona dos meus sonhos. FIM
MEMBROS DA OFICINA
Gabriel García Márquez (Colômbia). Diretor. Escritor e personalidade cinematográfica
colombiana. Além de ser considerado pela crítica um dos escritores mais importantes do
presente século (razão pela qual recebeu em 1982 o Prémio Nobel), García Márquez tem
uma longa carreira vinculada ao cinema. Durante os anos 1954-55, publicou uma coluna
semanal de crítica cinematográfica no jornal “ EI Espectador” . Obras e idéias suas foram
freqiientemente transpostas para o cinema e a televisão, entre elas: Maria de meu Coração
(1978-80), pelo diretor Jaime Humberto Hermosillo; Erêndira (1982) por Ruy Guerra;
Tempo de Morrer (1985, por Jorge Alí Triana; Crónica de uma Morte Anunciada (1987), por
Francesco Rossi; Um Senhor Muito Velho com umas Asas Enormes (1988 ) por Fernando
Birri; Amores Difíceis (1987 1988 ), série sob a direção de Ruy Guerra, Lisandro
Duque, Tomás Gutiérrez Alea, Jaime Chavarri, Jaime Humberto Hermosillo e Olegario
Barrera; Me Alugo para Sonhar (1992), série de televisão realizada por Ruy Guerra. Desde
sua cria ção, em 1986, é Presidente da Fundação do Novo Cinema Latino-americano e uma
das maiores figuras da EICTV, onde anualmente coordena uma oficina sobre roteiros.
DOC - (Brasil). Assessor. Médico, autor, dramaturgo e roteirista. Tem uma série de
livros editados, entre os quais: Sangue, Papel e Lágrimas (contos), O Roteiro (teórico), De la
Creación al Guión (1994 Instituto Oficial de Radiotelevisión Espanola ) e Da Criação ao
Roteiro(Rocco 1995). Escreveu várias obras de teatro: O Beijo da Louca, As Tias e
Nostradamus. Como roteirista de cinema, escreveu sete filmes, entre os quais destacam-se:
O Beijo no Asfalto (Brasil, 1980), O Bom Burguês (Brasil, 1983), O Cangaceiro Trapalhão
(Brasil, 1985), Encontros Imperfeitos ( Portugal, 1992) e Piège (Pathé Films, França,
1994). Em 1978, estreou na Rede Globo e foi autor de vários êxitos televisivos, como:
Plantão de Polícia, Malu Mulher, Lampião e Maria Bonita, O Tempo e o Vento, A, E, L O...Urca
e Retrato de Mulher. Em 1985 tornou-se um dos fundadores e o coordenador do Centro de
Criação da Rede Globo. Recebeu vários prémio internacionais: a medalha de ouro New York
Festival (1982); Festival de TV de Praga (1983); Festival de Cine de Toromar, Portugal
(1984); Prémio da Crítica, Festival de TV de Montecarlo (1984); Prémio “ Coral Negro” ,
Festival de Havana (1986); Melhor Autor do Ano (1994, Instituto de Letras Catalanes
Barcelona). Durante sua carreira tem ministrado uma série de conferências e seminários
em vários países. Entre seus últimos trabalhos, se destacam as minisséries: no Me Alugo
para Sonhar, com Gabriel García Márquez; O Homem que descobriu o Paraíso para a antiga
Radiotelevisão Soviética, com Alexander Chlepianov; A Boca do Dragão e Procura-se, para a
Radiotelevisão Portuguesa; Arnau, com Xesc Barceló, para a Televisão de Cataluha (TV3) e
Hospital, para a Antena 3, em Madri (1996). Foi professor de roteiro e dramaturgia no “
Máster de escritura para cine y TV” da Universidade Autónoma de Barcelona, na
Universidade Católica de Lisboa e consultor do “ European Script Found” , Londres. Além de
assessor criativo das emissoras SIC e TVI, em Portugal. Depois de sete anos morando na
Europa, o autor retorna ao Brasil em 1996. Atualmente é contratado da Rede Globo.Eliseo
Alberto Diego (Cuba). Assessor. Roteirista e escritor. Publicou livros de poesia, novelas e
histó rias para crianças. Escreveu roteiros para cinema e televisão (documentários: Kid
Chocolate, Com os Pés na Terra, entre outros; longa-metragens de ficção: Cartas do Parque,
Em 3 e 2, Eu Sou de Onde Há um Rio, e de televisão: Contigo na Distância, Maria, Amor de
Outro Mundo ). Obteve prémios nacionais internacionais por seus livros e roteiros, entre
outros o Pré mio de poesia “ Julián del Casal” da UNEAC (União Nacional de Escritores e
Artistas de Cuba), por As Coisas que eu Amo e Primeira Menção ao Roteiro Inédito no XI
Festiva internacional do Novo Cinema Latino-americano por Teia de Aranha. Andrés
Agudelo Restrepo (Colômbia). Participante da Oficina. Escreveu roteiros e argumentos para
televisão ( A Autoestrada do Sul, A Rota do Silêncio — vencedor do V concurso de Roteiros
de FOCINE — , Assassinato sem Identidade e outros). Além disso, trabalhou como assistente
de direção ( Os Caminhões de Pó, Alegoria à Liberdade ) e diretor de fotografia
(O Espelhismo Americano ). Dirigiu o longa-metragem Deixo Minha Alma ao Diabo. Iván
Argiiello Lacayo (Nicarágua). Participante da Oficina. Diretor de cinema. Escreveu e dirigiu
documentários curtos longa-metragem de ficção O Espectro da Guerra, e obteve vá rios
prémio internacionais, entre eles uma menção no VI Festival do Novo Cinema Latino-
americano pelo documentário Rompendo o Silêncio. e o Susana Cato (México). Participante
da Oficina. Jornalista e roteirista de rádio e televisão. Produtora da Radio Indigenista e co-
editora do programa infantil de televisão Parabajitos. Int/egrante da Oficina de Roteiro de
Gabriel García Márquez com sede na Cidade do México. Co-roteirista do ta-metragem EI
espejo de dos lunas, dirigido por Carlos García curAgraz. Desde 1980, colabora na
Semanario Proceso, onde atualmente faz a crítica de cinema. Luis Alberto Lamata
(Venezuela). Participante da Oficina. Diretor e escritor de programas de televisão, curta-
metragens, telenovelas, documentários e curtas de ficção. Obteve vários prémios, entre eles
o prémio Especial do Júri no Festival de Cartagena, Colômbia, e o Primeiro Prémio Coral no
Festival de Havana de 1992, por seu filme Jericó. Manuel Gómez Dias (Cuba). Participante
da Oficina. Escritor. Autor dos roteiros de várias séries de televisão para crianças e jovens
(Alejandro, Alguém me Falou dos Naufrágios, entre outros). Trabalhou como diretor, obteve
o primeiro prémio no Festival de Escolas de Arte, com a versão do poema em prosa O
Pássaro Azul. Arturo Villasenor (México). Participante da Oficina. Dramaturgo e roteirista.
Aluno da oficina de roteiros de Jaime Humberto Hermosillo, de onde surge o drama Obdulia.
Dirigiu o curta A Felicidade da Senhora Consuelo e o média-metragem Mamãe Saiu às
Compras, segundo roteiros próprios. Aderecista e figurinista de Confidências, ator em
Destino Clandestino, assistente de direção de Dona Herlinda e seu Filho e roteirista
de Encontro Inesperado (de sua obra teatral), todos longa-metragens de Hermosillo. Entre
suas obras teatrais encontra-se Antes Daquele Dia. Também escreveu o roteiro de O
Exílio. Édgar Soberón Torchia (Panamá ). Editor das sessões. Escritor, crítico de cinema.
Ganhador em quatro ocasiões do prémio nacional de literatura do Panamá — em conto (A
Histó ria de Dorita Kinones e Outros Feminismos ) e em teatro (Pepita de Maranón, do
Mambo ao Chachachá e Eu Quero Ser Artista! ) — , é autor de uma história mundial da
sétima arte ( Um Século de Cinema ) e de dois livros de contos: Panabulario eFilho de Ochun.
Estudos de cinema antropológico com Jean Rouch , de roteiro com Orlando Senna e Francis
Ford Coppola. Foi diretor da Cinemateca do Panamá e Diretor de Cultura da Escol
internacional de Cinema e Televisão de Havana. tor dos videos The Midnight Special e India
Adormecida, críticas de cinema foram publicadas em Porto Rico, Cuba, Colômbia, Inglaterra,
Estados Unidos, México, Panamá e França. DiresuasEsta obra foi composta em Times, com
fotolitos do Studio Alfa Letra & Imagem e impressa na Gráfica Imprinta, Rio de Janeiro, em
novembro de 2004.