Você está na página 1de 24

LIVRO “ FESTA NA FLORESTA “

AUTOR IZAU CHRISTOFER

Num dia chuvoso com fortes trovões,


uma família de esquilos, assustada porque
havia muito tempo que não chovia daquele
jeito na floresta, resolveu não sair de casa.

Os esquilos subiram no topo da arvore


em que moravam, enquanto todos os outros
animais também procuravam lugares seguros,
pois a água começava a inundar a floresta
deixando todo o lugar em perigo.

Foi quando o esquilo mai novo avistou


o enorme Rei Leão correndo da enxurrada que
descia do morro. Todos ficaram apavorados
achando que o leão iria morrer. Ele tentou
subir numa árvore, mas escorregou no tronco
molhado. Então o leão viu uma enorme pedra
e subiu nela para se proteger da água.

Muitas horas de aflição tomaram conta


da floresta, até que a chuva foi diminuindo...
Diminuindo... E parou. Os relâmpagos
sumiram e o sol apareceu outra vez.

Todos os animais saíram de suas tocas


para verse estava tudo bem e o leão, o leão,
que havia se salvado veio ao encontro deles e
disse;
--- Acalme-se, a chuva passou e agora
podemos ir à busca de alimento porque o
inverno está chegando.

Os animais começaram a guardar


comida suficiente para alimentar suas famílias
durante o inverno e quando a neve finalmente
chegou cobrindo a floresta, os filhotes se
divertiram muito.

Tudo era alegria quando, de repente,


todos ouviram um grande barulho. Eram os
caçadores que vinham para a floresta.

O Rei Leão então gritou bem alto;

--- Escondam-se todos em suas tocas, pois o


perigo chegou!

Todos correram imediatamente


para suas casas e de lá não saíram mais até que
os caçadores desistiram de procurá-los.

O Rei Leão, muito satisfeito com


o desempenho da bicharada que sempre
obedeciam a ás regras para o bem de todos,
logo pensou em premiar os animais com uma
grande festa.

Chamou alguns bichos que


estavam na redondeza e disse;

--- Quando todos colaboram, o resultado é


bom. Vocês sempre seguiram as orientações
para ficarem seguros e todos se salvaram.
Vamos comemorar a vitória dos bichos sobre a
chuva, o inverno e os caçadores com uma
grande festa. Podem começar com os
preparativos, quero muita comida, bananas,
maças, nozes, cocos, muito mel e bastante
diversão.

Logo foram aparecendo


sugestões para o chefe. A tartaruga disse;

--- Vou entregar os convites em toda floresta.

A barata, então, falou;

--- Só se for fazer a festa daqui a um ano,


porque essa vai ser o tempo que você vai
gastar. Você é muito lenta carregando esse
casco enorme e pesado.

A tartaruga ficou triste, mas


a barata tinha razão. Então contrataram para o
serviço o coelho que era veloz e esperto. A
tartaruga ficou encarregada de escrever os
convites e sentiu-se útil e feliz novamente.

Como a floresta era muito


grande chamaram também o pombo-correio
para ajudar o coelho, e as formigas para fazer a
ornamentação da festa com folhas colhidas na
mata.

As abelhas logo se reuniram


para tratar da produção de mel, que era um
alimento apreciado por toda bicharada e não
podia faltar na festa. As abelhas operárias
também iriam trabalhar como garçons,
servindo bebida e comida as animais.
Todos estavam empolgados,
mas alguns animais responderam
negativamente ao convite porque tinham medo
de seus desafetos. Por exemplo; o rato fugia do
gato, o gato era perseguido pelo cachorro, o
cachorro tinha medo da onça e assim por
diante.

O pombo correio dizia que


o cachorro não lhe daria sossego na festa, as
formigas reclamaram que os gafanhotos as
importunariam e roubariam suas comidas, mas
que isso queria que o Rei Leão proibisse o
tamanduá de ir á festa para que elas não
corressem risco de virar comida dele.

Fez-se, então, uma reunião


com o Rei Leão e houve grande confusão.
Outras reclamações surgiram; os mosquitos
reclamaram do sapo, as galinhas do gavião, o
coelho também reclamou da onça, entre tantas
outras queixas.

O Leão, preocupado com


tantos desentendimentos que tornariam a festa
impossível, e de acordo com todos os outros
bichos, decretou que daquele momento até
quinze dias após a festa, os desafetos seriam
esquecidos, as implicâncias suspensas e todos
cooperariam entre si.

Resolvida a confusão e
cessadas as queixas, começaram as perguntas
sobre a festa. O chefe logo disse;
--- Para animar os convidados, teremos
musicas ao vivo com cigarra que vai cantar
Rock. Os canarinhos vão apresentar musicas
clássica. A cobra vai tocar percussão com seu
Chu cario e fazer o acompanhamento dos
cantores. A maritaca e o papagaio, que gostam
de falar, vão ser os apresentadores.

A festa vai virar a noite e caso


alua não dê conta de iluminar a floresta,
deixaremos os vaga-lumes de sobreaviso, pois
podemos precisar da luz deles. Orei Leão
solicitou aos cavalos e camelos para que
colaborassem, transportando até suas casas os
animais que exagerassem na bebida.

Os convites foram entregues,


o acordo de harmonia entre eles cumprido e
todos puderam se ocupar com organizações da
festa.

Chegou o grande dia. Que


maravilha!

Orei Leão apareceu todo


produzido ao lado de sua companhia, a leoa,
que por sua vez também estava bem elegante.
Havia muita comida, guloseimas feitas com
mele outras delicias para a bicharada.

Os convidados começaram
a chegar e todos estavam animados, quando o
tigre que fazia segurança da festa viu um rato
preto em apuros fugindo desesperadamente de
um gato.
O gato foi levado á
presença do leão para explicar por que não
estava cumprindo o combinado de respeitar os
desafetos.

Descobriu-se, que a
noticia da festa havia chegado a outras
florestas e animas que moravam nelas tinham
comparecido ao evento, mas não conheciam as
regras que os donos da festa haviam
estabelecidos.

Assim os bichos de
fora só puderam continuar na festa depois de
prometerem seguir os regulamentos
estipulados pelo Rei Leão e tudo pôde
transcorrer na mais perfeita paz.

Ao fim da festança, o
Rei parabenizou os animais pelo sucesso do
evento e agradeceu a colaboração de todos.

Os animais, então,
aprenderam que viver sem brigas, evitando
desafetos e perseguições, faz a vida mas fácil
para todos, e mesmo após o prazo de quinze
dias manterão a trégua e a boa vontade entre
eles. Fizeram outras festas e em todas houve
paz e alegria.

Os bichos das
outras florestas, vendo como os súditos do Rei
Leão estavam vivendo melhor, começaram a
imitá-los criando também para eles, regras de
convivência pacífica, em que a organização, a
colaboração, o respeito, a tolerância e o amor
faziam a vida ser mais felizes e seguros para
todos.

Para uma convivência pacífica


precisa-se de; ;ORGANOZAÇÃO,
COLABOBRAÇÃO, RESPEITO,
TOLERANCIA, E AMOS.

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS


AO AUTOR .

Blog
www.izauchristofer.com

FOTOS DIVERSAS DO AUTOR ..

Salão de Humor de Caratinga ..


12° Salão de Humor
Eu e Ziraldo em nossos encontros .. *--*