Você está na página 1de 2

ENSINO FUNDAMENTAL

Nome: _______________________________________ Série: 9º___

OS TIPOS DE AMOR

EROS
Está intimamente ligado à sensualidade, à atração física e ao ato sexual. Possessivo, egoísta, é
aquilo o qual se sente naquele encontro de olhares, aquela vontade de ter a pessoa naquele
momento, naquele dia. EROS, que remete a erótico é o desejo de se integrar ao outro. Eros é
conhecido como amor de desejo. Mas o que é desejo?
É amar aquilo o que nos falta na ânsia de nos completarmos. Aquele que ama ao modo de Eros, vê
no(a) outro(a) a possibilidade de se completar, pois as pessoas compreendem-se como incompletas.
Ao desejarmos ardentemente isso que nos falta, sofremos com a ausência. Porém quanto o objeto
de amor está presente, não conseguimos nos saciar totalmente com sua presença. Logo a
experiência de Eros é eloquente. Mas ao amarmos alguém na forma de desejo o que desejamos
nessa pessoa? Na maior parte das vezes é o desejo do outro. Desejamos que esse(a) que amamos
com tanta intensidade nos corresponda, também nos deseje. Quando desejamos sempre queremos
algo que não temos, algo que nos falta, por isso vamos buscar no(a) outro(a) a solução da nossa
carência. Logo somos incompletos, todavia se alguém por nós se apaixona é porque viu algo que
não tem (que lhe falta) e é por isso que procura. Temos algo que atrai outras pessoas e ao mesmo
tempo nos falta algo. Assim como um quebra-cabeças as pessoas desejam se completar e ser
felizes através do amor de Eros, suprindo sua carência e compartilhando aquilo que se é.

ÁGAPE
Geralmente relacionado ao sacrifício, esse tipo de amor é o amor da entrega, voluntarioso, sagrado,
imaculado. É o amor que sai de si em benefício do outro. É algo tão puro que permite ao amante
(entende-se por amante "quem ama") libertar do relacionamento a quem ama, acreditando que o
amado pode ser feliz com outra pessoa. Dedicado, é capaz de abrir mão de seus próprios interesses
para satisfação do amado. Investe constantemente na relação, mesmo sem ser correspondido. Sua
maior felicidade é ver a alegria de quem ama. Em resumo, é visto como uma forma incondicional de
amar e, por isso, faz-se referência ao sacrifício. Ágape é sinônimo de caridade, por sua doação
incondicional ao outro, dá-se liberdade e espaço a quem se ama. Pois assim esse amor se realiza.

PÁTHOS (Paixão)
Idealiza-se a pessoa amada, quem se apaixona lida com um sentimento poderoso, com reflexos de
loucura e ânsia de se consumir. Construímos a imagem irreal da pessoa pela qual nos
apaixonamos, vemos mais qualidades que defeitos. Com o tempo esta imagem vai desaparecendo
fica somente o real com as imperfeições de cada um. A paixão é um sentimento passageiro pois é
efêmera e quando dura transforma-se em Ágape.

EGOÍSMO
O egoísmo é a primeira forma de amor, é centralizado "egocentrismo" quando amamos mais a nós
mesmos do que a outros. O contrário seria altruísmo, quando se ama mais o outro que a nós
mesmo. O egoísmo nem sempre deve-se ver sob um prisma negativo, pois deriva dele o amor
próprio e desejo de cuidar de si. Comumente diz-se que ao nos apaixonarmos pela primeira vez
aprendemos a dividir nosso amor egoísta com o outro.

PHILIA
PHILIA não é o prazer egoísta, e não é o ápice do altruísmo, e sim a amizade, ou amor de amizade.
É o bem querer, nascido da simpatia mútua e crescido na fidelidade da relação. Possui algo de
altruísmo no bem querer, e algo de egoísta em querer reciprocidade. É o tipo que exige dedicação
de ambos, convívio, coisas em comum. Esse tipo de amor não se baseia apenas nas relações entre
humanos, mas também a outros seres, animados ou não, abstratos ou não. Por exemplo, você pode
amar o Totó, assim como um naturalista ama Gaia. Platão costumava dizer "O filósofo é aquele que
ama a verdade", sendo esse tipo de amor, PHILIA.

MANIA
Esse tipo de amor é algo mais obsessivo. Extremamente emocional, possessivo, não respira sem
sentir o mínimo de correspondência de seu amado. A pessoa põe o amado em um pedestal, algo
inatingível, perfeito. No fundo é um amor viciante, doentio, psicótico. Pois é o amor pelo seu
excesso. Só o ser amado existe e nada mais. Não é a toa que o "maníaco" é assim nomeado por
conta do seu reflexo do amor tipo mania.