Você está na página 1de 3

Anotações para ensaio de Antropologia (Turner)

Textos a serem usados:

TURNER, Victor. O Processo Ritual: Estrutura e Antiestrutura. Tradução de


Nancy Campi de Castro. Petropolis, Rio de Janeiro. Editora Vozes. 1974.
Ler: Capítulo 3 - Liminaridade e “Communitas” (pp.116-160)

TURNER, Victor. Dramas, Campos e metáforas. Niterói, EdUFF. 2008 [1974].


Ler: capítulo 1 – Dramas sociais e metáforas rituais (pp.19-53)

TURNER, Victor. Dramas, Campos e metáforas. Niterói, EdUFF. 2008 [1974].


Capítulo 3 “Hidalgo: a História como drama social” (pp. 91-143);

Centralização, estruturas e o processo ritual - Roberto Da Matta (Resenha


sobre “O Processo Ritual: Estrutura e Antiestrutura”)
 Victor Turner  membro do Comitê de Pensamento Social e do
Departamento de Antropologia da Universidade de Chicago
 Estudo do fenômenos da estrutura social
 O livro tem um aspecto inovador: tomar o fenômeno da sociedade como
objeto de estudo
 Usa de outras disciplinas (como literatura e história), diferentes domínios
humanos para ver a antropologia de um aspecto mais criativo e chegar a
novas perspectivas
 Trabalho na África Central, em Zâmbia, com os Ndembu (um povo de
língua Bantu) e depois parte novamente para os EUA ou Inglaterra e
estudou o movimento hippie dos Franciscanos, de Bob Dylan e dos
revolucionários e marginais antigos e modernos
 Preocupação pelo com o homem a sua busca e sofrida reflexão sobre si
mesmo (reflexão nesse sentido, feita pelos ritos, é o papel dos ritos)
 Antropologia social  a raiz é o próprio homem
 O espírito humano
 Funcionalismo  objeto como “um organismo vivo que opera a partir
de um dado centro que é marcado em termos de demonstração (ou
prova) pela sua própria continuidade e sobrevivência, tudo de acordo
com a metáfora organicista”
 Funções/papéis que determinados elementos desempenham para
manter o “organismo” vivo, uma organização  “organismos que devem
ter ethos, alvos, mensagens, significados e destinos”
 Funcionalismo  Estruturalismo  “(a) experiências de campo curtas,
pouco profundas ou fragmentadas, (...)(b) experiências de campo não-
ortodoxas (...)(c) as teorias da Linguística que, sabemos, é urna
disciplina cujo objeto é descentralizado, já que uma língua é feita de
relações entre fonemas, teoria que foi a que mais influenciou Lévi-
Strauss”
 ” (...)a experiência de campo de cada um desses antropólogos conduziu
a uma ênfase maior ou menor em outros aspectos da cultura e
sociedades humanas”
 “(...)a reflexão já não se alimenta mais de um centro, um sistema
fechado, onde cada relação só faz sentido quando ligada ao todo; mas,
ao contrário, ele se nutre de conceitos tais como lógica, invariantes,
contrastes e oposições polares”
 Foco não é mais as sociedades ou sistemas, mas as relações lógicas ou
performances sociais
 “(...)o livro coloca o ponto de vista de estudar os rituais como “se
fazendo” e não apenas como um feixe de relações lógicas ou formais:
como uma estrutura de comunicação.”
 “(...)rituais, mitos e ideologias veiculam dramas, expressam
sentimentos, resolvem e colocam problemas, permitem o ensino de
paradigmas, controlam energia; submetem categorias, grupos e
pessoas. Numa palavra: eles dizem coisas, fazem e, sobretudo,
fabricam coisas.”
 Os ritos tem centralidade; tem um processo, desenvolvimento interno,
que é caracterizado pelo surgimento de communitas
 Criou e usou pela primeira vez a dicotomia clássica estrutura X
communitas
 “Ideia de anti-estrutura reflete e expressa a ordem social”
 Ideia de communitas abrange tudo o que fica dentro desta ordem
 Processo ritual é um processo pelo qual pode-se enfatizar as ligações,
que normalmente estão escondidas nos símbolos e hierarquias sociais
 Método de estudo de caso  Drama Social (em Turner)  Que é
estudar a sociedade pelos seus conflitos, “através dos seus
momentos mais conscientes, quando as regras instituídas e reificadas
do cotidiano se chocam de modo inevitável com as ações humanas que
as próprias regras engendram”
 “Embora as sociedades sempre legislem de modo coletivo, até mesmo
abolindo o indivíduo enquanto categoria sociológica, o fato é que o
mundo social é conduzido muitas vezes de modo pessoal, com uma
unidade representando (por delegação ou não) o corpo social como um
todo”
 Noção de drama social  “permite descobrir o processo de tomada de
consciência destas relações conflitivas e inevitáveis, centrais mesmo no
mundo social” e ver sociedades diversas de uma mesma forma básica
 “(...)a noção de drama social e sua perspectiva aberta aos conflitos,
regras sociais, motivações individuais e zonas de atrito e mudança é um
dos pontos mais importantes de toda a obra de Turner, seja pelo seu
uso, seja pelo que sugere como possível aplicação”
 “(...)os mecanismos mais básicos se transformam em regras quando são
conscientizados”
 Proibições só são proibições e viram tabu quando são conscientes
 “(...)tentar situar como ponto central da investigação a liberdade, a
emoção e a communitas”
 “(...)o estudo dos rituais e dos símbolos, quando realizados com
imaginação e uma real preocupação pelo destino e lugar do homem no
mundo, pode produzir sínteses que ultrapassam as fronteiras culturais e
sociais, indicando a raiz mesma da humanidade na sua busca
incessante de sentido e de transformação”
 Em “O Processo Ritual”, Turner consegue retomar o rito e o drama
como sujeitos da antropologia social, que são dois momentos
fundamentais da consciência
 Para de olhar para os sistemas e agora olha-se para como os homens
lidam com os sistemas
 Sistemas  “(...)se são os responsáveis por cada humanidade
particular, só podem existir com elas em perpétuo estado de conflito,
mudança e confusão”