Você está na página 1de 9

UTILIZAÇÃO DAS PASTILHAS PELTIER

1.RESUMO

Este estudo, procura mostrar que a utilização das pastilhas peltier é uma
inovação tecnológica que se propõe a ser uma fonte alternativa de refrigeração
ou aquecimento, dependendo da finalidade dada, devido as suas
características de aquecimento e resfriamento, adotado pelo seu método de
condução e distribuição das correntes elétricas em seus semicondutores e
suas placas cerâmicas, podem ser utilizados na avaliação de impactos
ambientais, uma vez que permitem a inclusão e mensuração de variáveis
ambientais em seus modelos. Para tanto, foi realizado um estudo das principias
características desse objeto e sendo uma alternativa para a diminuição da
temperatura ambiente em cômodos de uma residência.

2 – REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2.1 Placas Peltier

Placas Peltier são dispositivos compostos por vários termopares, ligados


Termicamente em Paralelo e eletricamente em série, são pares de elementos
tipo-n e tipo-p que são matérias semicondutores denominados Materiais
Termoelétricos. O modo que a corrente elétrica passa por seus condutores
interagem de diferentes formas com as placas cerâmicas. O Peltier pode ser
utilizado para duas aplicações: Bombas de Calor (trabalhando para aquecer ou
resfriar) e como Geradores Elétricos. (Riffat, 2003).

A Refrigeração termoelétrica ocorro quando uma corrente continua


passa através de um ou mais pares de semicondutores do tipo-n e tipo-p. Com
a diminuição da temperatura (Tc) do condutor calor é absorvido do ambiente.

Quando a diferença de temperatura está estabilizada entre o lado quente


e o lado frio da Placa de Peltier uma voltagem é gerada. Essa voltagem é
chamada de Seedback e é diretamente proporcional com a diferença de
temperatura. (Camargo 2011). Já o efeito Peltier faz o contrário ao passa uma
corrente pela junção está fica aquecida ou refrigerada dependendo do sentido
da corrente.

2.2 - Vantagens (PELTIER,2011)


Ausência de peças móveis e fluido refrigerantes
São extremamente leves
Possuem controle de temperatura precisos
Totalmente silencioso
Não há vibração mecânica
Requer menos espaço físico
Requer menos manutenção

2.3 Desvantagens: (PELTIER,2011)


Baixa potência térmica para aplicação em alta escala
Alto custo do elemento Peltier para pastilhas de alta eficiência.
Uso de corrente elétrica contínua (custo com outros componentes
adicionais, como o retificador)

2.4 - Transferência de calor

(Stockihom,1997), disse que os benefícios da refrigeração termoelétrica


depende primeiro do tipo de material e depois do seu desing. (Stockihom,
1997) Nesse contexto foi provado que para cada grau Celsius que
conseguimos remover do lado quente melhor é a eficiência da refrigeração
térmica do lado frio. (Dominguez, 1999) Entende-se por transferência de calor
como a energia que se transfere de um sistema para outro em virtude de uma
diferença de temperatura entre os dois sistemas. (Shapiro, 2000) Existem 3
formas em que o calor pode ser transferido sendo elas, condução convecção e
radiação.
2.5 Dissipação do calor

O fluxo térmico de calor em uma superfície se difunde no metal


melhorando a dissipação térmica de qualquer superfície que gere calor. Esses
dispositivos tem como objetivo garantir o funcionamento de um equipamento
que pode ser danificado com calor gerado por esse equipamento e são usados
somente quando um equipamento gera um elevado fluxo de calor por unidade
de área. Componentes de hardware, processadores, vídeo games entre outros
são equipamentos que satisfazem essa condição. Quando temos dissipadores
de calor que após retirarem o calor de uma superfície são resfriados por outra
fonte como um cooler, esses são chamados de dissipadores ativos enquanto
Dissipadores que não apresentam essa fonte são chamados de dissipadores
passivos. (Bastista Ribeiro 2009)

2.6 Isolante Térmico

Para se reduzir os efeito das troca de calor com o ambiente coloca-se


uma material de baixa condutividade térmica sobre a superfícies de troca
sendo esse material chamado de isolante térmico. Além de proteger a
superfície a diferença de temperaturas os isolantes podem apresentar outras
características como resistência a agentes agressivos e as intempéries e a
resistência mecânica. (Milcent, 2006)

2.6 Conforto térmico

O conforto térmico é, em linhas gerais, obtido por trocas térmicas que


dependem de vários fatores, ambientais e pessoais, governados por processos
físicos, como convecção, radiação, evaporação e eventualmente condução.
Além do balanço de calor entre o corpo e o ambiente, o presente trabalho
também enfocou aspectos relacionados aos parâmetros subjetivos ligados ao
conforto térmico, como sensações e preferências térmicas.
3. Utilização das placas Peltier

Atualmente, a maioria dos sistemas de refrigeração industrial utiliza a


tecnologia de compressão de vapor. Essa tecnologia faz uso de gases
refrigerantes que, na maioria dos casos, são danosos ao meio ambiente. Por
esse motivo, atualmente existe uma busca incansável pela obtenção de
melhorias na eficiência desses sistemas, com a finalidade de reduzir do custo
ambiental e energético (Humel Victor, et al., 2014).
Uma tecnologia promissora para cumprir essas finalidades são os
dispositivos termoelétricos sólidos como as pastilhas ou células de Peltier. As
pastilhas ou células de Peltier além de não utilizarem dos gases que causam
danos ambientais, como nos sistemas de refrigeração comumente
empregados, apresentam ainda as vantagens de: não possuírem partes
móveis, serem livres de barulho ou vibrações, promoverem um controle de
temperatura de alta qualidade, requererem pouca manutenção, serem
compactos e de funcionamento relativamente simples (Nnanna, et al., 2009,).

Fonte: Adaptado (Russel, et al., 2013)

O efeito Peltier permite importantes aplicações tecnológicas, servindo


como base para a montagem de dispositivos termoelétricos. Esse tipo de efeito
tem sido muito utilizado hoje em dia de diversas formas, como aplicação do
experimento, na construção um sistema para medir a transmissão e a reflexão
da luz incidente sobre uma lâmina de vidro comumente usada em microscopia
ótica. Sobre essa lâmina é possível depositar filmes finos de diferentes
naturezas, permitindo assim explorar o fenômeno da transmissão e da reflexão
da luz sobre a superfície de interesse. (Moura, at al., 2014). Com essa
utilização foi possível corrigir a deriva térmica da leitura da ordem de 1:400 na
dispersão das medidas da intensidade como função do tempo.
Dispositivos termoelétricos também podem ser usados para a geração
de energia. Os princípios são geralmente os mesmo que os dos sensores
termoelétricos de fluxo de calor, ou seja, uma diferença de temperatura no
dispositivo cria uma tensão. Não é muito comum o uso diário de geradores de
potencias termoelétricas porque o ganho com a potencias gerada é superada
pelo custo do aparelho. Entretanto, em aplicações onde uma outra fonte de
alimentação não é disponível, mas existe uma diferença de temperatura, os
geradores termoelétrico sã uteis. Tais aplicações poderiam incluir sensores
remotos, sensores em espaço fechado e mesmo em sondas espaciais.
(Edvaldo, at al., 2007). Ele ainda podem ser instalados para converter alguns
tipos de resíduos (pilha de fumaça, motores de combustão interna, torres de
refrigeração) em calor utilizável para eletricidade, mas ainda apresenta uma
dificuldade na sua aplicação por não ser ainda economicamente viável.
(Edvaldo, at al,. 2007).
O uso da tecnologia peltier disponível nos módulos tem um grande
número de vantagens como as descritas abaixo:
• Não utiliza partes mecânicas móveis para refrigeração, ideal para uso
com câmeras CCD. 103
• Aquece ou resfria dependendo apenas da polaridade da alimentação,
ideal para aplicações que exigem o controle eletrônico preciso da temperatura
como lasers de diodo utilizados em telecomunicações.
• Dispensa o uso de gases refrigerantes, tecnologia 100 % estado sólido
no que implica alta confiabilidade e baixos níveis de ruido.
• Permite a refrigeração pontual (localizada).
• Funcionam em qualquer orientação com/sem gravidade diferentemente
dos refrigeradores
A pesquisa na produção de materiais para aplicação termoelétrica
avança rapidamente, principalmente na busca de materiais com maiores
eficiências térmicas, dessa vez os módulos peltier foi dimensionados para a
aplicação de refrigeração em pequenos volumes, uma adega. Onde foi possível
observar uma produção de sistema com aplicação imediata. Isso nos impedi de
caminhar na direção de dominar as técnicas de produção dos termoelementos
agregando valor econômico a produção cientifica. (Moura, Americo, at al.,
2010).
Pastilhas termoelétricas podem ser utilizadas para refrigerar câmaras,
segundo Ribeiro. Ainda segundo Ribeiro, elas podem ser alimentadas por uma
fonte de tensão ou uma fonte de corrente, na melhor das hipóteses. Dentre as
fontes de tensão utilizadas por Ribeiro estão as baterias automotivas e as
fontes ATX (também utilizadas em computadores). Em seu trabalho de
conclusão, Ribeiro mostra que, apesar de a bateria automotiva ter capacidade
de fornecer correntes superiores às que a fonte é capaz, a temperatura de
estabilização monitorada na câmara é superior nos casos onde a bateria de
automóvel foi utilizada. Isto se deve ao fato de a fonte conseguir suprir a
corrente necessária ao sistema e ainda manter a tensão constante, enquanto a
tensão que a bateria entrega decai com o tempo (a bateria descarrega).
Ensaios foram feitos para refrigerar uma geladeira composta por duas
pastilhas, modelo DV-40-07 com uma tensão de 11,8V. calor daquele volume
baixando a temperatura da geladeira. Ao longo do tempo as temperaturas
equalizam-se e a temperatura de estabilização de produtos colocados no
interior da geladeira é a mesma temperatura do ar que o equipamento pode
produzir. Os ensaios com o protótipo mostraram que é possível uma redução
considerável da temperatura em um ambiente refrigerado por pastilhas Peltier.
O uso desse tipo de equipamento para conservar vinhos a uma temperatura
entre 14 e 18°C é altamente recomendado. (Agnol, at al., 2009).
A utilização de dispositivos termoelétricos possui grandes prospectos
para o futuro, especialmente quando há demanda de alta precisão de controle
de temperatura, como nos desumificadores, equipamentos de ar condicionado,
refrigeradores e aplicação nos transportes de produtos perecíveis, etc.,
comparado com aplicações que adotam tecnologia de compressão de vapor.

4. CONCLUSÃO
O estudo realizado por diversos autores demonstra o quanto a utilização
das placas peltier são diversificas, tanto a forma de utilização quanto o material
empregado para sua construção definem suas possiblidades de finalidade,
para tanto, observamos que para empregarmos com a finalidade de
resfriamento térmico, com intuito de produzir um conforto térmico, poderá ter
algumas limitações, como por exemplo, o tamanho do ambiente que será
resfriado, de forma geral, o funcionamento é relativamente simples o que
representa muitas outras possibilidades de utilização, já que a sua viabilidade
tem relativamente baixo custo.

5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS
Moura, P. R., Almeida D., Refrigerador Termoelétrico de peltier usado
para estabilizar um feixe laser em experimentos didáticos. Florianópolis,
SC, Brasil. 2014;
Alves, E. O., Propriedades físicas do semicondutor Bi2Te3. Natal, RN.
2007;
Moura, Américo S., Filmes Nanométricos de FeN e AIN crescidos por
sputtering e aplicações do efeito peltier. Natal, RN – Brasil. 2010;
STRAZZA, F.; RIBERI, R.M., 2004. “Projeto de uma Micro-adega
Climatizada de Baixo Custo”, Tese de Conclusão de Curso, Engenharia
Mecânica, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo;
Agnol, A. Dall, Geladeira Peltier. Trabalho final da disciplina de medições
térmicas. Porto Alegre. 2009;
S. Riffat e X. Ma, “Thermoelectrics: a review of present and potential
applications,” Appl. Thermal Eng 23, pp. 913-935, 2003;
J. R. Camargo e M. C. d. Oliveira, “Aplicação De Módulos Termelétricos
Para Condicionamento De Ar,” vol. 17, 2011;
J. Stockholm, “Current state of Peltier cooling,” em XVIth Int. Conference
of Thermoelectrics, Desden, Germany, 1997;
G. Batista Ribeiro, J. Farret Ferzola e R. da Silva Rodrigues, “Dissipador
De Calor De Cobre Refrigerado Com Nitrogênio Líquido,” Porto Alegre,
2009;
P. F. Milcent, “ Noóes de isolamento termico de tubulações”,
Universidade Federal do Parana,2006