Você está na página 1de 16

ASSIMETRIAS CEREBRAIS FUNCIONAIS EM INDIVÍDUOS HEMISFÉRICITOS

DIREITOS E HEMISFÉRICITOS ESQUERDOS

Medeiros, Lícia Helena de Oliveira 1. Silva, Vernon Furtado 2

RESUMO

O principal objetivo do presente estudo foi confirmar uma possível efetivação de indivíduos hemisféricitos

esquerdos, na média de ativação cortical da onda cerebral Alfa no próprio hemisfério esquerdo, durante a

execução de uma tarefa nova com exigências metacognitivas. Após a identificação da preferência hemisférica de

processamento destes indivíduos, os mesmos passaram a compor três grupos distintos: (HD) hemisféricitos

direitos, (HE) hemisféricitos esquerdos e (BH) bi-hemisféricitos. Estes grupos foram testados em termos do teste

de estruturação metacognitiva, com uso do EEG. Os escores dos grupos hemisféricitos do teste metacognitivo,

com uso do EEG, foram examinados através de uma estatística descrita e inferencial, onde esta última exigiu a

aplicação do modelo fatorial para análise de variância. Todos os grupos foram analisados, através de testes

posteriores (Post-Hoc) estilo Tuckey. Os resultados em indivíduos hemisféricitos esquerdos mostraram

superioridade significativa na média de ativação cortical no próprio hemisfério esquerdo, com a Anova Fatorial

no canal A de 0,032, e canal B de 0,026, e 2 graus de liberdade, p<0,05. Tais resultados fornecem importantes

conhecimentos para a aprendizagem e reabilitação motora.

1
Terapeuta Ocupacional, Terapeuta Ocupacional do HEAPN e HMLJ, Professora do Curso de Graduação de
Terapia Ocupacional da UCB, Especialista em Terapia da Mão (ATOERJ- 1998) e Mestre em Ciência da
Motricidade Humana – Universidade Castelo Branco, RJ –2003.

2
Educador Físico, Professor do Mestrado em Ciências da Motricidade Humana da UCB. Doutor em
Educação Física – Área de concentração em Desenvolvimento Motor e Aprendizagem Motora – University of
Maryland, USA – 1985. Pós- Doutor em Educação Física – University of Maryland, USA – 1993.
PALAVRAS-CHAVE

Indivíduos hemisféricitos direitos, indivíduos hemisféricitos esquerdos e Bi-hemisféricitos.

ABSTRACT

The main objective of the present study was to confirm a possible effectiveness of the hemisphéricitos individuals

in the average cortical activation of the alpha cerebral wave in the left hemisphere, during the execution of a new

task with metacognitive demands. After the identification of the hemispherical processing preference of these

individuals, the same ones started to compose tree different groups: (HD) right hemisphericitos; (HE) left

hemisphericitos and; (BH) bi-hemisphericitos. These groups were tested in terms of speed of simple motive

reaction and through the test of metacognitiva structuring with the use of EEG. The scores of the hemisphericitos

groups phase the metacognitive test was accomplished with use of EEG, where they were examined through the

described statistics and inferential, this last one demanded the application of the factorial model for variance

analysis. All of the groups were analyzed through subsequent tests (Post-Hoc) style Tuckey. The results Left

hemisphericitos individuals showed significant superiority in the average of cortical activation in the same left

hemisphere with Factorial Anova in the channel A of 0,032 and channel B 0,026, and 2 degrees of freedom, of p

< 0,05. Such results supply important knowledge for the learning and motive rehabilitation.

INTRODUÇÃO

Durante o século XIX, efetivaram-se os estudos sobre a mente humana.

Pesquisadores descobriram que lesões, em determinadas regiões do cérebro, provocavam

deficiências mentais específicas, como perda da expressão verbal, cegueira ou surdez. O

neurologista francês, Pierre Paul Broca (1824-1888), indignou a comissão científica, quando

2
lançou a hipótese de que a linguagem e muitas outras funções cerebrais representavam regiões

determinadas no cérebro humano.

Broca, em 1863, descreveu oito casos de pacientes que haviam perdido a capacidade da

fala sem qualquer paralisia dos músculos da face. Todos apresentavam lesões na mesma

região: a porção posterior e lateral do lobo frontal no hemisfério esquerdo (SPRINGER,

1998).

A neurociência é a grande responsável pelos avanços de todo o sistema nervoso, em

especial, o cérebro. Esta subdivide-se em cinco grandes áreas: a neurociência molecular, a

neurociência celular, a neurociência sistêmica, a neurociência comportamental e a

neurociência cognitiva. Esta última área apresenta relação direta com a presente pesquisa, pois

trata das capacidades mentais mais complexas, como: linguagem, autociências, memória,

metamemória, metacognição etc. (LENT, 2001).

Com o avanço do tempo, progressos nesta área foram significativos. Atualmente, sabemos

que existem especializações para cada hemisfério, e que cada indivíduo apresenta preferências

no processamento mental, independente do tipo de informação processada.

Bogen (1969) relata que, cada hemisfério é especializado para um tipo particular de

informação. O hemisfério não é nem o estímulo nem a própria tarefa, que distingue a

especialização, mas o meio pelo qual o material é processado.

Seria racional pensar que a perfeita performance da motricidade se daria em função de

uma otimizada interconexão entre os dois hemisférios, pois quanto maior a interação entre as

duas estruturas cerebrais, maior será sua integração funcional. Acredita-se que, deste modo, a

ajuda mútua entre os hemisférios pudesse facilitar a melhor performance; entretanto, o fato da

3
existência de indivíduos hemisféricitos poderia ter implicações de ordem discriminativa,

possibilitando a não absorção total dos conteúdos de ensino, e, afetando, negativamente e

diretamente o comportamento motriz destes indivíduos.

Estudos nesta linha apontam que pouca referência tem sido oferecida à condição de

existência de dois cérebros para o ato de aprender. Aprende-se por meio de dois hemisférios, o

esquerdo e o direito, simultaneamente, ou de forma isolada; apesar da aparente semelhança

estrutural, os lobos frontais exibem diferenças e assimetrias morfológicas de gênero. No

cérebro do homem, as diferenças inter-hemisféricas, esquerda-direita, estão mais presentes na

mulher; esta diferença encontra-se no trajeto frente-trás e são assimetrias que podem

caracterizar estilos de aprendizagem, e até o desenvolvimento de certas patologias

(GOLDBERG, 2002).

Os hemisférios apresentam, ainda, diferenças do ponto de vista bioquímico. A dopamina é

um pouco mais predominante no hemisfério esquerdo, e a norepinefrina, no hemisfério direito.

Do ponto de vista funcional, cada qual apresenta características próprias e fundamentais para o

processo ensino- aprendizagem.

Na explanação de Goldberg (2002), os lobos frontais são muito importantes para a

formação e o desenvolvimento do comportamento humano; na formação de metas, objetivos;

no planejamento de estratégias e de ações necessárias para a consecução destes objetivos. E,

ainda eles, coordenam as habilidades requeridas para a implementação dos planos, e julgam as

conseqüências das ações tomadas. Todas esses funções podem ser consideradas

metacognitivas, mais do que cognitivas, pois não se referem a nenhuma habilidade mental

específica, mas oferecem uma organização abrangente entre elas.

4
Martin e colaboradores (1997), relatam que na maioria das pessoas, na região frontal, no

lobo direito, ocorrem os comandos para lidar com as situações novas, de aprendizagem, entre

outras; o hemisfério esquerdo trabalha com as situações cotidianas, embora haja, a todo

momento, um ciclo contínuo de informações, que partem do hemisfério direito para o

hemisfério esquerdo, contrariando algumas regras clássicas, que determinam que o lobo

esquerdo seja dominante, em relação ao hemisfério direito. Deste modo, a integridade do

hemisfério direito é crucial para o sentido de identidade e integridade entre os lobos frontais.

Um dos trabalhos pioneiros nesta linha de pesquisa foi elaborado por Murray (1979), que

investigou a hemisfericidade como um fator de habilidade no aprendizado motor, e encontrou

um emparelhamento das características da hemisfericidade, com estratégias de ensino

hemisféricas, que podem aumentar o nível de aquisição de habilidades.

Murray (1979), em suas pesquisas, comprovou que indivíduos hemisféricitos direitos

aprendem mais depressa com estratégias pedagógicas holísticas e não- verbais, enquanto os

indivíduos hemisféricitos esquerdos executam a tarefa mais assertivamente, com estratégias de

ensino analítica e verbal.

De uma forma geral, os referidos autores têm estabelecido relações diretas entre o

movimento humano e a aprendizagem cognitiva e a hemisfericidade. Isto quer dizer que, por

meio da prática motriz vivenciada sob estruturações declarativas (memória consciente ou

cognitiva), e de procedimentos (memória de hábitos e não consciente), o indivíduo pode

desenvolver competências intelectuais motoras, estando estas relacionadas com as preferências

hemisféricas ao processamento das informações.

5
Outra pesquisa conhecida nesta área foi desenvolvida por Fairweather e Sidaway (1994),

que investigaram indivíduos sem preferência hemisférica; dividiram estes em três grupos, em

que cada grupo recebeu diferentes estratégias de ensino para a habilidade com o golfe. O

primeiro grupo era o grupo de indivíduos, hemisféricitos esquerdos, em que as estratégias de

ensino para o golfe eram verbais; o segundo grupo era formado de hemisféricitos direitos, em

que as estratégias de ensino foram holísticas; e, finalmente o terceiro grupo era composto por

bi-hemisféricos, com estratégias holísticas e verbais de ensino. Os melhores resultados para a

aquisição e retenção da habilidade com o golfe foram para o grupo bi-hemisférico, pois este

teve dois tipos de estratégias de ensino, uma verbal e outra holística, que representa a

interação dos dois processos de aprendizagem.

As pesquisas relacionadas à aprendizagem metacognitiva iniciaram-se a partir da

psicologia cognitiva no período entre 1960 e 1970, que se caracterizou por um período voltado

para as preocupações do saber, e de como aprender. Tais preocupações estimularam as

mudanças nos processos internos de vida dos indivíduos, provocando, portanto, mudanças em

suas atitudes e em suas relações com o meio (SHUELL, 1986).

Outros pesquisadores, no decorrer da década de 80, questionaram a diferença da

velocidade do processamento mental em cada hemisfério; tinham algumas idéias sobre como

as assimetrias perceptuais ocorrem nos indivíduos normais. Uma idéia se refere à Teoria do

Acesso Direto, que o hemisfério recebe a informação sensorial e faz o processamento. Se a

informação chega no hemisfério não especializado tem-se uma resposta de baixa qualidade.

Outra idéia é a do Collosal Realay Model , em que a informação chega ao hemisfério e, se ele

6
não for especializado, ele transfere a informação para ser processada no hemisfério

especializado (BANICH, 1997).

Considerando a noção da possibilidade de tais afirmativas é que o presente estudo propôs-

se a pesquisar as relações entre as estruturas e as funções cerebrais nos hemisférios.

Nesta pesquisa o relator descreve os resultados obtidos através do aparelho de

Neurofeedback, no modelo PROCOMP BIOGRAPH PLUS 2.1, em que foram avaliadas as

médias de ativação cortical, da onda cerebral ALFA em cada hemisfério antes e durante a

execução da atividade metacognitiva.

PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

A pesquisa na primeira fase contou com 50 alunos do gênero feminino, na faixa etária

entre 20 e 30 anos, do curso de graduação de Terapia Ocupacional da Universidade Castelo

Branco. Nesta etapa, foram coletados dados para o teste de CLEM, validado através de

procedimentos estatísticos que evidenciam níveis altos de correlação deste com testes

baseados em eletroencefalografia (GALIN e ORSTEIN, 1974) e fluxo cerebral ( GUR e

REIVICH, 1980).

Estes indivíduos compuseram três grupos: Grupo (HD): 5 indivíduos hemisféricitos

direitos, Grupo (HE): 4 indivíduos hemisféricitos esquerdos e Grupo (BE): 6 indivíduos bi-

hemisféricos.

7
INSTRUMENTOS UTILIZADOS NO ESTUDO

Os indivíduos foram avaliados em relação a preferência cerebral através de procedimentos

de CLEM. O movimento de olhos lateral conjugado é a divergência de ambos os olhos de um

foco central em resposta a uma questão reflexiva (BAKAN, 1969). O movimento ocular é

contralateral ao hemisfério que controla o movimento e pode ser usado para deduzir o modo

prioritário de processamento de um indivíduo. Este fenômeno é usado para avaliar a

hemisfericidade.

Nas sessões do teste de CLEM, os indivíduos foram postos a dois metros de uma cortina

preta pela qual foi projetada a lente de uma câmera de vídeo. Durante um período de problema

e resposta, os indivíduos focalizaram seus olhos em um cartão branco de 5 X 10 cm colado,

diretamente embaixo da lente da câmera. As perguntas foram organizadas em uma fita K7, e

controladas por um experimentador que se posicionava atrás da cortina.

Todos os indivíduos receberam cinco problemas analíticos e cinco problemas espaciais.

Foi dado um intervalo de 10 segundos entre a resposta do sujeito e a próxima pergunta. O

primeiro movimento ocular, constante imediato após uma pergunta, foi marcado para cada

sujeito, usando-se o sistema numérico de “face de relógio”, desenvolvido por Brog (1983).

O aparelho para verificação das assimetrias encefálicas (freqüência e amplitude das ondas

cerebrais), dos participantes da amostra foi o modelo PROCOMP BIOGRAPH PLUS 2.01. O

PROCOMP é um aparelho computadorizado, que utiliza o programa BIOGRAPH para a

aquisição de dados; o sistema utiliza gráficos para observar-se os sinais fisiológicos

apresentados.

8
O sinal do EEG foi coletado através do couro cabeludo, sendo que uma preparação

cuidadosa da pele se fez importante; esta preparação foi contudo facilmente conseguida com

um algodão e uma pasta para limpeza (Nuprep). Após a limpeza, os eletrodos foram mantidos

fixos por uma pasta eletrolítica (Elefix) ao couro cabeludo.

A onda cerebral ALFA foi avaliada inicialmente em uma linha de base, com o indivíduo

em repouso, e com os olhos fechados durante 60 segundos, na região C3 e C4, no Vértex

Central. Tucker e Williamson (1984) propõem a avaliação e o treinamento para os dois

hemisférios nestas regiões, pois trata-se de um ponto central de acordo com as normas

internacionais de eletroencefalografia); logo após, foi dado aos indivíduos pertencentes à

amostra, um quebra-cabeça denominado: CILADA; este dispõe de 24 peças, um tabuleiro e

um estojo. Para começar o jogo, o instrutor selecionou 12 peças; estas o jogador precisou para

montar o quebra-cabeça, escolhido previamente ( Tipo 1). Esta atividade estimula o raciocínio

e o planejamento das ações, vence a CILADA quem conseguir encaixar todas as peças do

quebra-cabeça. A execução do jogo foi monitorado durante 60 segundos nos dois hemisférios

cerebrais no Vértex central, neste momento, o pertinente à pesquisa é a fase de planejamento

da tarefa, e não a conclusão desta .

Como o sensor do EEG, do Neurofeedback, é monopolar, e nesta pesquisa era preciso

registrar, ao mesmo tempo, a freqüência e a amplitude da onda cerebral ALFA, em ambos os

hemisférios, optou-se por utilizar dois eletrodos monopolares, um ligado ao canal A do

Neurofeedback, e o outro ligado ao canal B, pois são as zonas respectivas, usadas na detecção

dos sinais eletroencefalográficos.

9
Os sensores do EEG funcionam com amplificadores diferenciais. Felizmente, a moderna

tecnologia eletrônica de transmissão de sinais por fibra ótica tornou possível medidas precisas,

e com alto grau de confiabilidade.

A colocação dos eletrodos foi realizada no SISTEMA 10 –20, padronizado

internacionalmente por Herbert Jasper, em que este descreve a medida antero-posterior.

RESULTADOS

Os dados a seguir mostram os resultados obtidos da análise da média e o desvio padrão

dos três grupos pertencentes à amostra, na tarefa de estruturação metacognitiva com EEG

(tabela 1); os resultados da Anova Fatorial (tabela 2); do teste de Bartlett, para homogeneidade

(tabela 3) e os resultados post-hoc.

10
Tabela 1. Resultado médio dos escores dos grupos (HD) hemisféricitos direitos; (HE)

hemisféricitos esquerdos, e (BH) bi-hemisféricitos, no teste de estruturação

metacognitiva, com uso do EEG.

Grupos Esquerdo (canal A) Direito (canal B)


Grupo (HE)
Mean 7.200µv 6.3800µv
N 4 4
Std Deviation 2.1531 1.0564
Grupo (HD)
Mean 8.9280µv 9.6720µv
N 5 5
Std Deviation 1.9403 9.2047

Grupo (BH)
Mean 5,782 8,777
N 6 6
Std. Deviation 2,652 4,451
Total Mean 7.2087µv 8.4360µv
N 15 15
Std Deviation 2.5513 5.7728

Para facilitar a interpretação dos escores, os mesmos foram plotados, sob forma gráfica

na Figura 1.

Figura 1: Resultado médio dos escores dos grupos (HD) hemisféricitos direitos, (HE) hemisféricitos
esquerdos, e (BH) bi-hemisféricitos, no teste de estruturação metacognitiva, com uso do EEG.
Fonte: Pesquisa Experimental, realizada no período de março a junho de 2003.

10

6 BH
HE
4
HD
2

0
CANAL A CANAL B

11
Conforme revela a figura 1, observou-se que os indivíduos bi-hemisféricitos

mostraram maior processamento mental no hemisfério direito durante a tarefa executada. Os

indivíduos hemisféricitos direitos mostraram maior tendência de processamento mental no

hemisfério direito e os indivíduos hemisféricitos esquerdos mostraram preferência de

processamento mental maior no hemisfério esquerdo durante a tarefa executada.

Estes resultados servem como teste de validação para a metodologia do CLEM, uma

vez que as referidas correspondências hemisféricas foram diagnosticadas por este (CLEM);

ou seja, teoricamente, era de se esperar que os tipos hemisféricos tendessem a operacionalizar

o conteúdo da tarefa-teste, em hemisférios preferenciais, condição em que plenamente

ocorreram.

Ainda com referência à figura 1, observou-se que somente o grupo composto por

hemisféricitos esquerdos mantiveram uma maior preferência de processamento no hemisfério

correspondente (hemisfério esquerdo). Os dois outros grupos, hemisféricitos direitos e bi-

hemisféricitos, revelaram uma tendência de processamento preferencial no hemisfério direito.

Para se contabilizar as diferenças de comportamento dos grupos na realização da

tarefa, se fez necessário examinar comparativamente tais diferenças, em termos do hemisfério

preferencial (canais) .

A análise fatorial, realizada com tais objetivos, revelou que em ambos os casos os

fatores interagiram. Isto é, os grupos revelaram comportamentos processuais diferentes, tanto

no que corresponde à análise entre eles, quanto no que concerne a preferência hemisférica

(tabela 2).

12
Tabela 2: Resultados da Anova Fatorial.

Fonte de Valor-p F Graus Conclusão

Variação liberdade

Canal A 0,032 13,41 2 Rejeitamos HO

Canal B 0,026 16,72 Rejeitamos HO

HO: σ² canal A = σ ² Canal B / H1: Pelo menos, uma das variância é distinta.

Para a realização da análise de variância fatorial, fez-se necessária uma comparação de

homogeneidade entre as variáveis (hemisférios), para, posteriormente, prosseguir com os

dados estatísticos (tabela 3).

Tabela 3: Resultados do Teste de Bartlett para Homogeneidade.

Variáveis Valor-p Decisão

Grupos 0,1251 Foi rejeitado HO

Canais 0,2387 Foi rejeitado HO

A análise post-hoc foi realizada para justificar uma amostra representante em um

número maior. Notou-se que os indivíduos com preferência de processamento mental

esquerdo mostraram-se distintos dos demais no canal A; e os indivíduos com preferência de

13
processamento mental direito mostraram-se superiores no canal B. Apesar da significância

estatística, não se pode afirmar que, na população, tais resultados devam ser repetir.

CONCLUSÃO

Os cérebros direito e esquerdo possuem funções diferentes e processam informações de

formas diversas. Assim se completam, ampliando as possibilidades de compreensão e atuação

no mundo.

Partindo dos pressupostos teóricos de que os hemisférios apresentam cada qual condições

de especialidades específicas, o estudo preocupou-se em analisar para o hemisfério esquerdo,

uma tarefa metacognitiva, que demanda o pensamento lógico, raciocínio e a construção de

elementos específicos.

Na tarefa de estruturação metacognitiva, a Anova Fatorial e os dados Post-Hoc (Tukey),

revelaram significância em indivíduos hemisféricitos esquerdos com superioridade na média

de ativação cortical no próprio hemisfério esquerdo sobre os grupo hemisféricitos direitos e bi-

hemisféricitos. Assim sendo, a perspectiva transcende ao ponto hipotético de que um

indivíduo hemisféricito esquerdo, quando exposto a uma tarefa desta natureza, deverá resolvê-

la mentalmente, no próprio hemisfério especialista. Isto porque, conforme a teoria dos

tambores neurais, o processamento mental requer tempo, bem como trânsito do impulso

nervoso intra e inter-hemisférios. Sendo, neste caso, o hemisfério esquerdo o receptor das

informações e processador das mesmas.

A hipótese é de que, na versão direta, o hemisfério esquerdo, em hemisféricitos

esquerdos, será o processador imediato das informações, portanto o tempo de processamento

14
pode ser menor. No caso, medidas de tempo altos de processamento representam a modalidade

Collossal Relay.

O teste de Tuckey apresentou uma superioridade dos indivíduos hemisféricitos esquerdos

no canal A (hemisfério esquerdo), fato esperado, pois a tarefa é direcionada para este

hemisfério; e nos indivíduos hemisféricitos direitos ocorreram diferenças no canal B que

podem ser explicadas devido a tarefa ter a característica de ser nova, ou seja, que não tenha

sido realizada antes, por qualquer participante da amostra. Segundo Martin (1997) na maioria

dos indivíduos, o hemisfério direito processa primeiramente todas as informações novas, para

depois mandar estas para o hemisfério esquerdo, mantendo assim um ciclo constante de trocas

de informações.

Esta pesquisa não observou tais dados, os indivíduos hemisféricitos esquerdos,

processaram a tarefa nova no próprio hemisfério esquerdo (avaliado através da amplitude da

onda cerebral alfa). Existiram algumas diferenças no processo de avaliação, Martin não

separou os grupos por tipo de processamento mental e realizou as tomadas pela Tomografia

por emissão de prótons, tais fatos podem ter contribuído para que as divergências ocorressem.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. BAKAN, P. Hypnotizability, laterality of eye- movemente and funcction brain


asymmentru. Perceptual and motor skills, June 1969, 28. 927-932.
2. BANICH, Marie T. Fundamentos da Neurociência. New York: Houghton Mifflin
Company, 1997.
3. BOGEN, J. The other side of the brain II: na appositional mind. Bulletin of the Los
Angeles Neurological Society, January, 1969.
4. GOLDBERG, Elkhonon. O cérebro executivo: lobos frontais e a mente civilizada/
Elkhonon Goldberb; tradução de Raul Fiker e Márcia Epstein Fiker. Rio de Janeiro: Editora
Imago, 2002.

15
5. FAIRWEATHER, M. M; SIDAWAY, B . Implicatinos of hemispheric function of the
effective teaching of motor skill. National Association for Physical Education in Higher
Education,1994.
6. LENT, ROBERTO. Cem bilhões de neurônios: conceitos fundamentais de neurociência.
São Paulo. Editora Atheneu, 2001.
7. MARTIN, e colaboradores. Modulation of human medial temporal lobe acitivity by
form, meaning and experience. Hippocampus, 7, nº6: 587-593, 1997.
8. MURRAY, Mary Jo. Matching preferred cognitive mode with teaching methodology in
learning a novel motor skil. Researlch Quarterly , vol. 50. No. 1, p. 80- 87, 1979.
9. SHUELL, T. Cognitive conceptions of learning. Review of educationa research, 56 (4),
411 – 436, 1986.
10. SPRINGER, Sally P. Cérebro esquerdo, cérebro direito / Sally P Springer. Georg
Deutsch; trad. Thomaz Yoshiaura. São Paulo: Summus, 1998.

16