Você está na página 1de 9

História real de Inês de Castro

Inês de Castro, nasceu provavelmente, em Monforte, provincia de Lugo


no ano 1325 e morreu a 7 de Janeiro 1355. Foi uma dama galega, filha
ilegítima de Pedro Fernandez de Castro e uma dama portuguesa
Aldonza Soares de Valadares. Pedro Fernandez de Castro, um dos
fidalgos mais poderosos de Castela e que por sua vez era neto de
Sancho IV, Rei de Castela, como também o era o príncipe Pedro, o que
torna Pedro e Inês primos.

Inês de Castro se tornou conhecida ao ter sua história lembrada por


Camões no Canto III de Os Lusíadas, onde faz referência à «...mísera e
mesquinha, que depois de ser morta foi rainha...». Foi amante e
declarada postumamente esposa legítima de Pedro I de Portugal. A sua
desventurada vida e controvertido casamento ainda faz com que
historiadores se debrucem sobre o caso, procurando indícios se houve
ou não um casamento.

Inês de Castro chegou a Portugal em 1340, integrada como aia no


séquito de D. Constança Manuel, filha de João Manuel poderoso nobre
descendente da Casa real Castelhana, que iria casar com o príncipe
Pedro, herdeiro do trono. O príncipe apaixona-se por Inês pouco tempo
depois, negligenciando a mulher legítima, Constança, e pondo em
perigo as débeis relações com Castela. Tentando colocar empecilhos
entre D. Pedro e D. Inês, D. Constança dá a Inês seu filho recém-
nascido, o Infante D. Luis (1343), em batismo, com a esperança de que
os laços de parentesco espiritual impostos pelo compadrio afastasse os
enamorados. Mas D. Luís não chega ao primeiro ano de vida, e pouco
afecta os sentimentos de Pedro e Inês.

O Rei D. Afonso IV, exila D. Inês de sua corte em 1344, temendo o


escândalo. Não há porém indícios de que o relacionamento tenha sido
consumado, então.
Em Outubro de 1345, D. Constança Manuel morre dando à luz o Infante
D. Fernando, deixando Pedro viúvo e livre para enfrentar o pai e trazer
D. Inês de volta do exílio em Albuquerque. O casal foi morar longe da
corte ao norte de Portugal, onde nasceram os quatro filhos, os Infantes
D. Afonso (morto ainda criança), D. João, D. Dinis e D. Beatriz,
reconhecidos pelo pai. D. Pedro afastou-se da política, da corte e de
suas prerrogativas de herdeiro.

Casamento secreto de Pedro e Inês

O rei D. Afonso IV rodeado dos seus conselheiros, Pêro Coelho, Álvaro


Gonçalves e Diogo Lopes Pacheco, deslocaram-se ao Mosteiro de Santa
Clara para assassinar D. Inês. Afonso IV tentou por diversas vezes
organizar um terceiro casamento para o seu filho, com princesa de
sangue real, mas Pedro recusa tomar outra mulher que não Inês.
Entretanto, o único filho legítimo de Pedro, o futuro rei Fernando I de
Portugal, mostrava-se uma criança frágil, enquanto que os bastardos
de Inês prometiam chegar à idade adulta. A nobreza portuguesa
começava a inquietar-se com a crescente influência castelhana sobre
o futuro rei.

Depois de alguns anos no Norte, Pedro e Inês, retornam a Coimbra e se


instalam no Paço de Santa Clara. A 7 de Janeiro de 1355, D. Afonso
cede às pressões de seus conselheiros, e aproveitando a ausência de
D. Pedro numa excursão de caça, assina a sentença de morte de D.
Inês. Pêro Coelho, Álvaro Gonçalves e Diogo Lopes Pacheco dirigiram-
se ao Mosteiro de Santa Clara em Coimbra, onde Inês se encontrava e
a justiçaram, degolando-a. Tal facto, segundo a lenda, terá originado
a cor avermelhada das águas que correm nesse local da Quinta das
Lágrimas. A morte de Inês não trouxe Pedro para mais próximo do pai,
antes pelo contrário, o herdeiro revoltou-se contra Afonso IV, que
responsabilizou pela morte. Mais uma vez pai e filho se encontram em
campos opostos numa guerra civil. A Rainha Dona Brites intervém e
após meses de escaramuças, a paz é selada em Agosto de 1355.

Pedro tornou-se o oitavo rei de Portugal em 1357. Em Junho de 1360


faz a famosa declaração de Cantanhede, legitimando os filhos ao
afirmar que se havia casado secretamente com Inês, em 1354 "...em
dia que não se lembrava...". A palavra do rei, e de seu capelão foram
a única prova deste casamento. Pedro mandou construir dois
esplêndidos túmulos no mosteiro de Alcobaça, um para si e outro para
onde trasladou os restos de sua amada Inês. A tétrica cerimônia do
beija mão, tão vívida no imaginário popular, provavelmente foi
inserida nas narrativas do final do século XVI, depois de Camões
escrever em seu Canto III, a tragédia da Linda Inês.

D. Pedro juntou-se a Inês em 1367, e os restos de ambos jazem juntos


até hoje.

Inês de Castro é um episódio lírico-amoroso que simboliza a força e a


veemência do amor em Portugal. O episódio ocupa as estâncias 118 a 135 do
Canto III de Os Lusíadas e relata o assassinato de Inês de Castro, em 1355,
pelos ministros do rei D. Afonso IV de Borgonha, pai de D. Pedro, seu amante.
É narrado, em sua maior parte, por Vasco da Gama, que conta a história de
Portugal ao rei de Melinde. Considerado um dos mais belos momentos do
poema, é a um só tempo um episódio histórico e lírico: por trás da voz do
narrador, e da própria Inês, percebe-se a voz e a expressão pessoal do poeta.
Camões, através da fala de Vasco da Gama, destaca do episódio sua carga
romântica e dramática, deixando em segundo plano as questões políticas que
o marcam.
Fernão Lopes, Garcia de Resende e Antônio Ferreira já haviam explorado, em
prosa, em verso e no teatro, respectivamente, a figura histórica de Inês Pires
de Castro:
Dom Pedro, Príncipe de Portugal, filho do Rei Afonso IV, era casado com D.
Constança, mas se apaixonara por Inês de Castro, dama de companhia de D.
Constança e filha ilegítima de um nobre português. Com a morte de D.
Constança, Inês foi morar em Coimbra às margens do Rio Mondego e D. Pedro,
futuro Rei de Portugal, viúvo, queria selar seu amor com Inês fazendo dela sua
rainha. O Rei Afonso IV temendo pela sucessão do trono que seria seu neto,
filho de Constança e pela influência dos nobres que temiam uma influência
castelhana, tenta resgatar o filho e conduzi-lo a um casamento que
obedecesse não aos caprichos de cupido, mas às conveniências políticas de
Portugal. Para isso, vendo como única saída, o Rei manda vir Inês para que
seja executada. Os terríveis verdugos trouxeram Inês e seus filhos perante o
Rei. Depois de ouvir a sentença, Inês ergueu os olhos aos céus e disse:
"Até mesmo as feras, cruéis de nascença, e as aves de rapina já demonstraram
piedade com as crianças pequenas. O senhor, que tem o rosto e o coração
humanos, deveria ao menos compadecer-se destas criancinhas, seus netos, já
que não se comove com a morte de uma mulher fraca e sem força, condenada
somente por ter entregue o coração a quem soube conquistá-lo. E se o senhor
sabe espalhar a morte com fogo e ferro, vencendo a resistência dos mouros,
deve saber também dar a vida, com clemência, a quem nenhum crime
cometeu para perdê-la. Mas se devo ser punida, mesmo inocente, mande-me
para o exílio perpétuo e mísero na gelada Cítia ou na ardente Líbia onde eu
viva eternamente em lágrimas. Ponha--me entre os leões e tigres, onde só
exista crueldade. E verei se neles posso achar a piedade que não achei entre
corações humanos. E lá, com o amor e o pensamento naquele por quem fui
condenada a morrer, criarei os seus filhos, que o senhor acaba de ver, e que
serão o consolo de sua triste mãe." Comovido com essas palavras, o Rei já
pensava em absolver Inês, quando os verdugos, que defendiam a execução,
sacaram de suas espadas e degolaram Inês.
Isso aconteceu em 1355 e diz a lenda que D. Pedro, inconformado, mandou
vestir a noiva com roupas nupciais, sentou o cadáver no trono e fez os nobres
lhe beijarem a mão, daí falar-se que "a infeliz foi rainha depois de morta". Na
verdade, D. Pedro manda transladar o corpo de Inês do mosteiro com pompas
de rainha para o mosteiro de Alcobaça em 1361, quando já era rei. Portanto,
seis anos após o assassinato. Ao subir ao trono D. Pedro conseguiu que outro
Pedro, o Cruel, rei de Castela, lhe entregasse os homicidas, que para lá
fugiram, pois os dois monarcas tinham um pacto de devolver um ao outro os
respectivos inimigos.
Para imortalizar seu amor por Inês, D. Pedro jurou em presença de sua corte
que se havia casado clandestinamente com ela, transformando-a, dessa
maneira, em rainha após a morte.
Camões em Os Lusíadas, relata assim:
Episódio de Dona Inês de Castro
(Os Lusíadas, Canto III, 118 a 135)

Passada esta tão próspera vitória,


Tornado Afonso à Lusitana Terra,
A se lograr da paz com tanta glória
Quanta soube ganhar na dura guerra,
O caso triste e dino da memória,
Que do sepulcro os homens desenterra,
Aconteceu da mísera e mesquinha
Que despois de ser morta foi Rainha.
Tu, só tu, puro amor, com força crua,
Que os corações humanos tanto obriga,
Deste causa à molesta morte sua,
Como se fora pérfida inimiga.
Se dizem, fero Amor, que a sede tua
Nem com lágrimas tristes se mitiga,
É porque queres, áspero e tirano,
Tuas aras banhar em sangue humano.

Estavas, linda Inês, posta em sossego,


De teus anos colhendo doce fruito,
Naquele engano da alma, ledo e cego,
Que a fortuna não deixa durar muito,
Nos saudosos campos do Mondego,
De teus fermosos olhos nunca enxuito,
Aos montes insinando e às ervinhas
O nome que no peito escrito tinhas.

Do teu Príncipe ali te respondiam


As lembranças que na alma lhe moravam,
Que sempre ante seus olhos te traziam,
Quando dos teus fernosos se apartavam;
De noite, em doces sonhos que mentiam,
De dia, em pensamentos que voavam;
E quanto, enfim, cuidava e quanto via
Eram tudo memórias de alegria.

De outras belas senhoras e Princesas


Os desejados tálamos enjeita,
Que tudo, enfim, tu, puro amor, desprezas,
Quando um gesto suave te sujeita.
Vendo estas namoradas estranhezas,
O velho pai sesudo, que respeita
O murmurar do povo e a fantasia
Do filho, que casar-se não queria,

Tirar Inês ao mundo determina,


Por lhe tirar o filho que tem preso,
Crendo co sangue só da morte ladina
Matar do firme amor o fogo aceso.
Que furor consentiu que a espada fina,
Que pôde sustentar o grande peso
Do furor Mauro, fosse alevantada
Contra hûa fraca dama delicada?

Traziam-na os horríficos algozes


Ante o Rei, já movido a piedade;
Mas o povo, com falsas e ferozes
Razões, à morte crua o persuade.
Ela, com tristes e piedosas vozes,
Saídas só da mágoa e saudade
Do seu Príncipe e filhos, que deixava,
Que mais que a própria morte a magoava,

Pera o céu cristalino alevantando,


Com lágrimas, os olhos piedosos
(Os olhos, porque as mãos lhe estava atando
Um dos duros ministros rigorosos);
E despois, nos mininos atentando,
Que tão queridos tinha e tão mimosos,
Cuja orfindade como mãe temia,
Pera o avô cruel assi dizia:

(Se já nas brutas feras, cuja mente


Natura fez cruel de nascimento,
E nas aves agrestes, que somente
Nas rapinas aéreas tem o intento,
Com pequenas crianças viu a gente
Terem tão piedoso sentimento
Como co a mãe de Nino já mostraram,
E cos irmãos que Roma edificaram:

ó tu, que tens de humano o gesto e o peito


(Se de humano é matar hûa donzela,
Fraca e sem força, só por ter sujeito
O coração a quem soube vencê-la),
A estas criancinhas tem respeito,
Pois o não tens à morte escura dela;
Mova-te a piedade sua e minha,
Pois te não move a culpa que não tinha.

E se, vencendo a Maura resistência,


A morte sabes dar com fogo e ferro,
Sabe também dar vida, com clemência,
A quem peja perdê-la não fez erro.
Mas, se to assi merece esta inocência,
Põe-me em perpétuo e mísero desterro,
Na Cítia fria ou lá na Líbia ardente,
Onde em lágrimas viva eternamente.

Põe-me onde se use toda a feridade,


Entre leões e tigres, e verei
Se neles achar posso a piedade
Que entre peitos humanos não achei.
Ali, co amor intrínseco e vontade
Naquele por quem mouro, criarei
Estas relíquias suas que aqui viste,
Que refrigério sejam da mãe triste.)

Queria perdoar-lhe o Rei benino,


Movido das palavras que o magoam;
Mas o pertinaz povo e seu destino
(Que desta sorte o quis) lhe não perdoam.
Arrancam das espadas de aço fino
Os que por bom tal feito ali apregoam.
Contra hûa dama, ó peitos carniceiros,
Feros vos amostrais e cavaleiros?

Qual contra a linda moça Polycena,


Consolação extrema da mãe velha,
Porque a sombra de Aquiles a condena,
Co ferro o duro Pirro se aparelha;
Mas ela, os olhos, com que o ar serena
(Bem como paciente e mansa ovelha),
Na mísera mãe postos, que endoudece,
Ao duro sacrifício se oferece:

Tais contra Inês os brutos matadores,


No colo de alabastro, que sustinha
As obras com que Amor matou de amores
Aquele que despois a fez Rainha,
As espadas banhando e as brancas flores,
Que ela dos olhos seus regadas tinha,
Se encarniçavam, fervidos e irosos,
No futuro castigo não cuidosos.

Bem puderas, ó Sol, da vista destes,


Teus raios apartar aquele dia,
Como da seva mesa de Tiestes,
Quando os filhos por mão de Atreu comia !
Vós, ó côncavos vales, que pudestes
A voz extrema ouvir da boca fria,
O nome do seu Pedro, que lhe ouvistes,
Por muito grande espaço repetistes.

Assi como a bonina, que cortada


Antes do tempo foi, cândida e bela,
Sendo das mãos lacivas maltratada
Da minina que a trouxe na capela,
O cheiro traz perdido e a cor murchada:
Tal está, morta, a pálida donzela,
Secas do rosto as rosas e perdida
A branca e viva cor, co a doce vida.

As filhas do Mondego a morte escura


Longo tempo chorando memoraram,
E, por memória eterna, em fonte pura
As lágrimas choradas transformaram.
O nome lhe puseram, que inda dura,
Dos amores de Inês, que ali passaram.
Vede que fresca fonte rega as flores,
Que lágrimas são a água e o nome Amores.

Fonte: https://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/analises_complet
as/o/os_lusiadas_ines_de_castro

El-rei D. Pedro, o cruel, está na janela sobre a praceta onde sobressai a estátua municipal
do marquês Sá da Bandeira. Gosto deste rei louco, inocente e brutal. Puseram-me de
joelhos, com as mãos amarradas atrás das costas, mas levanto a cabeça, torno o pescoço
para o lado esquerdo, e vejo o rosto violento e melancólico do meu pobre Senhor. Por
debaixo da janela onde se encontra, existe uma outra em estilo manuelino, uma relíquia,
obra delicada de pedra que resiste ao tempo. D. Pedro deita a vista distraída pela praça
fechada pelos seus soldados. Vê a igreja monstruosa do Seminário, retórica de vidraças
e nichos, as pombas que pousam na cabeça e nos braços do marquês e vê-me em baixo,
ajoelhado, entre alguns dos seus homens. O rei olha para mim com simpatia. Fui
condenado por ser um dos assassinos da sua amante favorita, D. Inês. Alguém quis
defender-me, dizendo que eu era um patriota. Que desejava salvar o Reino da influência
espanhola. Tolice. Não me interessa o Reino. Matei-a para salvar o amor do rei. D.
Pedro sabe-o. Olho de novo para a janela onde se debruça. Ele diz um gracejo. Toda a
gente ri.
— Preparem-me esse coelho, que tenho fome.
O rei brinca com o meu nome. O meu apelido é Coelho.
O que este homem trabalhou na nossa obra! Levou o cadáver da amante de uma
ponta a outra do país, às costas da gente do povo, entre tochas e cantos fúnebres. Foi um
terrível espetáculo, que cidades e lugarejos apreciaram.
Alguém ordena que me levante e agradeça ao meu Senhor. Levanto-me e fico bem
defronte do edifício. Vejo no rés-do-chão o letreiro da Barbearia Vidigal e o barbeiro de
bigode louro que veio à porta assistir ao meu suplício. Vejo a janela manuelina e o rei
esmagado entre os blocos dos dois prédios ao lado.
— Senhor — digo eu —, agradeço-te a minha morte. E ofereço-te a morte de D.
Inês. Isto era preciso, para que o teu amor se salvasse.
— Muito bem — respondeu o rei. Arranquem-lhe o coração pelas costas e tragam-
mo.
De novo me ajoelho e vejo os pés dos carrascos de um lado para o outro. Distingo
as vozes do povo, a sua ingénua excitação. Escolhem-me um sítio das costas para enterrar
o punhal. Estremeço de frio. Foi o punhal que entrou na carne e cortou algumas
costelas. Uma pancada de alto a baixo do meu corpo, e verifico que o coração está nas
mãos de um dos carrascos. Um moço do rei espera com a bandeja de prata batida
estendida sobre a minha cabeça, e onde o coração fumegante é colocado. A multidão
grita e aplaude, e só o rosto de D. Pedro está triste, embora, ao mesmo tempo, se possa
ver nele uma luz muito interior de triunfo. Percebo como tudo isto está ligado, como é
necessário que todas as coisas se completem. Ah, não tenho medo. Sei que vou para o
inferno, visto que sou um assassino e o meu país é católico. Matei por amor do amor —
e isso é do espírito demoníaco. O rei e a amante também são criaturas infernais. Só a
mulher do rei, D. Constança, é do céu. Pudera, com a sua insignificância, a estupidez, o
perdão a todas as ofensas. Detesto a rainha.
O moço sobe a escada com a bandeja onde o meu coração é um molusco quente e
sangrento. Vê-se D. Pedro voltar-se, a bandeja aparecer perto do parapeito da janela. O
rei sorri delicadamente para o meu coração e levanta-o na mão direita. Mostra-o ao povo,
e o sangue escorre-lhe entre os dedos e pelo pulso abaixo. Ouvem-se aplausos. Somos
um povo bárbaro e puro, e é uma grande responsabilidade estar à frente de um povo
assim. Felizmente o nosso rei encontra-se à altura do seu cargo, entende a nossa alma
obscura, religiosa, tão próxima da terra. Somos também um povo cheio de fé. Temos fé
na guerra, na justiça, na crueldade, no amor, na eternidade. Somos todos loucos.
Tombei com a face direita sobre a calçada e, movendo os olhos, posso aperceber-me
de um pedaço muito azul de céu, acima dos telhados. Vejo uma pomba passar em frente
da janela manuelina. O claxon de um carro expande-se lìricamente no ar. Estamos nos
começos de junho. Ainda é primavera. A terra está cheia de seiva. A terra é eterna. À
minha volta dizem obscenidades. Alguém sugere que me cortem o pénis. Um moço vai
perguntar ao rei se o podem fazer, mas este recusa.
— Só o coração — diz. E levanta de novo o meu coração, e depois trinca-o
ferozmente. A multidão delira, aclama-o, chama-me assassino, cão, e encomenda a alma
ao Diabo. Eu gostaria de poder agradecer a este povo bárbaro e puro as suas boas palavras
violentas.
Um filete de sangue escorre pelo queixo de D. Pedro, e vejo os seus maxilares
movendo-se ligeiramente. O rei come o meu coração. O barbeiro saiu do
estabelecimento e está a meio da praça com a sua bata branca, o seu bigode louro, vendo
D. Pedro a comer o meu coração cheio de inteligência do amor e do sentimento da
eternidade. O marquês Sá da Bandeira é que ignora tudo, verde e colonialista no alto do
seu plinto de granito. As pombas voam à volta, pousam-lhe na cabeça e nos ombros, e
cagam-lhe em cima. D. Pedro retira-se, depois de dizer à multidão algumas palavras
sobre crime e justiça. Aclama-o o povo mais uma vez, e dispersa. Os soldados também
partem, e eu fico só para enfrentar a noite que se aproxima. Esta noite foi feita para nós,
para o rei e para mim. Meditaremos. Somos ambos sábios à custa dos nossos crimes e
do comum amor à eternidade. O rei estará insone no seu quarto, sabendo que amará para
sempre a minha vítima. Talvez não termine aí a sua inspiração, e ele se torne cada vez
mais cruel e mais inspirado. O seu corpo ir-se-á reduzindo à força de fogo interior, e a
sua paixão será sempre mais vasta e pura. E eu também irei crescendo na minha morte,
irei crescendo dentro do rei que comeu o meu coração. D. Inês tomou conta das nossas
almas. Ela abandona a carne e torna-se uma fonte, uma labareda. Entra devagar nos
poemas e nas cidades. Nada é tão incorruptível como a sua morte. No crisol do inferno
manter-nos-emos todos três perenemente límpidos. O povo só terá de receber-nos como
alimento, de geração para geração. Que ninguém tenha piedade. E Deus não é chamado
para aqui.

HELDER, Herberto. "Teorema", in: Os Passos em Volta. 3a ed. Editorial Estampa,


1970