Você está na página 1de 51

O Pequeno

Livro Prático dos


Familiares.

Por: Michael Soares.


Prefácio

Um tema pouco citado em círculos de magia, assim como em grupos de


bruxaria, é o dos Familiares. Mesmo nos livros de bruxaria prática é um
tema que não recebe devida atenção, você encontra mais informação
sobre esse assunto em livros que estudam a história da bruxaria,
especificamente durante a Inquisição.

Desde que comecei meus estudos na Arte, o tema de um


animal/espírito familiar, um ajudante da bruxa, sempre me chamou
muita atenção. A relação entre esses dois seres, a relação intrínseca da
bruxa com a natureza. Pensando nisso, eu comecei a pesquisar sobre
esses tão "diabólicos" familiares em livros de história, como eles eram
vistos, como eram tratados, criados e recebidos pelas bruxas. Voltando
ao início, sendo então um assunto tão pouco discutido e praticado,
comecei a pesquisar as formas de obtenção de um familiar, tanto da
forma tradicional quanto da forma "moderna". Nessa busca, me
deparei com o livro "The Witch's Familar", do autor Raven Grimassi.

Raven Grimassi basicamente criou um sistema de magia com familiares,


com direito a selos de controle, meditações
medit ações e coisas do gênero. Lendo
esse livro, junto com o que eu já havia estudado da parte histórica dos
familiares das bruxas, decidi criar técnicas de obtenção de um familiar.
Ou seja, as técnicas aqui são pessoais, com elementos de técnicas já
existentes, junto com técnicas feitas por outros, nesse último caso, os
autores dela serão devidamente creditados. Então, todas as técnicas
que aqui, nesse pequeno PDF, estão são técnicas testadas por mim. Eu
decidi adiciona-las por serem efetivas. Como uma das coisas que mais
prezo é a criatividade, eu lhe encorajo a modificar e adicionar
elementos às técnicas da melhor forma que faça sentido para você. A
única coisa que peço é que mantenha a base.

Tenham em mente de que esse é um pequeno texto de um iniciante na


arte da magia e bruxaria em seus 19 anos, então não esperem
invocações ultra poderosas de seres de outros planetas. É um "livreto"
básico, curto e simples, veja-o como uma porta de entrada ao trabalho
com espíritos familiares, e então depois vá atrás de material mais
profundo. Livros para leitura sobre o assunto serão colocados no final
pra um melhor entendimento.

Então, comecemos com uma rápida


rápi da explicação do que é, e do que se
enquadra como, um espírito familiar, sua importância histórica e suas
possíveis origens. Depois, partiremos à prática.
Espírito Familiar: História e O Que É .

Comecemos pela história dos espíritos familiares para depois falarmos


sobre o que são os espíritos familiares e quais seres se enquadram
como familiares.

A forma mais famosa que temos conhecimento de tais ajudantes de


bruxas é através do macabro "O Martelo das Bruxas", mas antes de
adentrarmos na definição dos inquisidores, vamos ver uma das mais
antigas fontes em que o termo "familiar" foi usado para se referir ao
ajudante de uma bruxa: A Bíblia.

No Livro de Samuel, 28 3-15 (versão do Rei Jaime do século XVII,


publicada em 1611. Em algumas Bíblias atuais a passagem pode ser lida
no mesmo livro em 28, 7-25) conhecemos a Bruxa de Endor, uma
mulher que tem o poder de se comunicar com os mortos através de um
espírito que ela tem sobre seu poder. Nessa edição do Rei Jaime, Saul
vai até essa bruxa para que, através dela, ele converse com Samuel. A
bruxa então manda seu espírito ir até o Mundo Espiritual e buscar o
espírito de Samuel para que ela incorpore e ambos, Saul e Samuel,
possam conversar. Nas edições atuais a bruxa não mais possui um
espírito que lhe ajuda, ela é quem faz todo o trabalho, então nos
foquemos na versão antiga. Na edição de 1611 temos a frase: "Seek me
woman that hath a familiar spirit.", que numa tradução seria "Encontre
para mim uma mulher que possui um espírito familiar." dita por Saul. E
então os servos dele diz que há uma mulher em Endor que possui um, e
a cena se desenrola como já mencionada. Assim como Christopher
Penczak diz em seu livro "The Plant Familiar Spirit" (que está incluído
nas indicações de leitura sobre os familiares), o espírito da bruxa de
Endor é um intermediário entre o mundo espiritual
espirit ual e a bruxa, o que se
entende disso é que, embora a bruxa possuísse poderes
p oderes próprios de
incorporação, entre outros, sem esse espírito familiar ela não teria
como se comunicar e chamar o espírito
espírit o desejado, e então seu poder de
incorporação de nada adiantaria, pelo menos, não de forma deliberada
(considerando um caso de possessão, mas isso é um comentário
pessoal que não acrescenta em nada aos familiares).

O importante nesse caso da bruxa de Endor e seu familiar é que esse


pequeno trecho foi um dos motivadores da caçada dos animais das
bruxas na Inquisição. Mas não apenas ele, como também um decreto
da Rainha Elizabeth em 1563 que puniria qualquer pessoa que
invocasse, comunicasse e conjurasse um espírito, se enquadrando
então neste decreto os espíritos familiares. Posteriormente o Rei Jaime
fez o mesmo, em 1604. A Bíblia, os decretos e o medo foram os
impulsionadores da matança de animais inocentes acusados de serem
demônios disfarçados.

E isso nos leva à imagem medieval do familiar. Uma das maiores


preocupações dos inquisidores era o Sabá. Mas o Sabá daquela época
não diz respeito aos Sabás atuais da Roda do Ano wiccana. Dando um
resumo do Sabá Diabólico, ela era um suposto encontro de bruxas com
o Diabo, onde acontecia um festim com beijos em nádegas do Tinhoso,
banquete de fetos abortados de animais,
animai s, ensinamentos de maldições e
feitiços, e matança de gado e plantações. Mas também o Sabá era um
evento iniciatório. Quando uma nova bruxa era iniciada nas Artes
Maléficas do Diabo, ela recebia, entre muitas coisas, um animal, um
espírito familiar, um ajudante para seus feitiços desgraçados. Sendo
assim, qualquer pessoa que apresentasse, ou fosse denunciada, tendo
uma relação "estranha" com um animal, especialmente se o animal
fosse negro (e aqui entra o famoso gato preto, mas não só ele; corvos,
galinhas, vacas, ratos, bodes, entre outros), era vista como bruxa, ou
pelo menos era vigiada até que fosse pega no flagra praticando suas
artes maléficas. Por isso, muitas "bruxas" quando foram queimadas, ou
enforcadas, ou afogadas, entre outras "adas", seus animais eram
mortos juntos, porque se acreditava que o animal era um demônio
disfarçado, ou que o animal era apenas um invólucro para o espírito
demoníaco.

O interessante nesse tema era de que os familiares nem sempre eram


animais propriamente ditos (mas sempre eram demônios), algumas
vezes eram seres "fundidos", como sendo metade cão, metade galo e
metade um ser monstruoso. Ou até mesmo um com forma humana,
mas sem cabeça (você pode usar isso como inspiração na criação de um
familiar artificial). Como vemos, não havia limites para a forma do
familiar, e muito menos seu nome. Inclusive, os nomes
no mes dos familiares
confessados pelas bruxas (sob tortura, o que invalida sua veracidade,
infelizmente. É possível que de fato houvessem pessoas acusadas que
realmente possuíssem um espírito familiar, mas é difícil/impossível
discernir e identificar o que era verdade e o que não era) também
eram, para os inquisidores, provas empíricas de que o animal de fato se
tratava de um demônio, visto que os nomes confessados pelas bruxas
(que estarão na sessão de nomear o familiar caso você queira dar nome
histórico ao seu), sob tortura, eram por demais bizarros, sendo
impossíveis de serem criados por humanos. Acho que eles se
esqueceram que sob tortura o pior dos nomes pode ser inventado e
dito até por um mudo.
Bem, agora que você tem uma base do que se trata um familiar e sua
relevância na história (sangrenta) da bruxaria, vamos falar sobre quais
seres se enquadram como familiares e por quê:

1. Elementais:
Elementais: Os espíritos da natureza. Desde o tempo da Inquisição, e
até antes disso, já se falava que bruxas trabalhavam com seres da
natureza. Sendo assim, os seres elementais (gnomos, ondinas,
salamandras, sílfides, pigmeus, duendes, settiani, manii, fadas, entre
outros seres elementais) entram como familiares, pois são ajudantes
das bruxas. Ele de fato só se torna um familiar quando está sob o
controle da bruxa e sempre com ela, quando se trabalha
esporadicamente com um elemental, ele não entra na categoria de
familiar, pois é necessário que exista uma relação entre a bruxa e um
elemental (e isso vale pra qualquer outro ser que aqui será citado)
específico, pois quando se convida os elementais para um ritual,
sempre vem um diferente. No caso do elemental familiar, é sempre o
mesmo elemental que está ajudando-a;

2. Servidores mágickos:
mágickos: Um dos principais temas da Magia do Caos,
perdendo apenas para os famosos sigilos, também se enquadra como
um familiar, ora, e porque não? Um
U m servidor é um ser criado pelo
mago/bruxo do caos para lhe ajudar, sendo assim, se enquadra como
um familiar;

3. Anjos:
Anjos: Especificamente o Anjo da Guarda. Embora que, como o
próximo ser da lista, a bruxa não tenha controle sobre ele, ele é um ser
que está sempre presente com a bruxa e lhe protegendo, assim como,
às vezes, realizando certos pedidos da bruxa;

4. Deuses:
Deuses: Dentro da bruxaria tradicional falamos que o primeiro
familiar que uma bruxa deve ter é o seu deus patrono (similar ao deus
pai e deusa mãe. Para ser sincero, eu não sei bem o que diferencia
ambos). E porque entra como familiar? Assim como o anjo, o deus está
sempre presente com a bruxa, bem, na maioria das vezes. O ponto aqui
é que se é necessário construir uma relação de parceria com algum
deus, tornando-o aliado da bruxa. O deus se torna sempre presente, ou
pelo menos sua influência, quando ela anda com algum símbolo dele,
seja para proteção ou qualquer outra coisa;

5. Animais:
Animais: O principal familiar, tanto espiritual quanto físico. O animal
físico sempre está com a bruxa, ela tem contato direto com ele, troca
energia ao acaricia-lo, constrói uma relação conforme o cria. Torna-o
leal à ela. O animal pode ser tanto o próprio familiar da bruxa, como ele
pode ser um invólucro para outro espírito que irá habitar o corpo dele.
O animal espiritual pode ser invocado, ou descoberto (como no caso do
animal espiritual do xamanismo, mas não se limita somente a ele).
Assim como o familiar animal deve ter uma relação de lealdade
construída pela bruxa, o mesmo é com o animal espiritual;

6. Desencarnados:
Desencarnados: Espíritos de mortos. É uma prática comum em
alguns sistemas de magia o hábito de prender espíritos de pessoas
falecidas em objetos, desde bonecas até potes, por diversos motivos.
Um espírito benevolente pode ser chamado para ser uma protetor da
bruxa, ou para ajudá-la a realizar projeção astral, entre outras coisas.
Ele entra como familiar porque, como eu disse anteriormente, ele pode
habitar determinado objeto, objeto esse por onde ele irá se alimentar
da energia da bruxa, ou de outra coisa. É uma relação de troca entre
ambos, sendo assim, ele se mantém por perto de seu invólucro, que
pode estar na casa da bruxa,
bruxa , e então ele protege a casa e seus
moradores (uma recomendação de livros de ficção
fi cção onde isso acontece
é a série "A Hora das Bruxas", da maravilhosa Anne Rice), ou qualquer
outro lugar que a bruxa determinar, inclusive a ela mesma;

7. Plantas:
Plantas: Plantas têm consciência, isso é um fato. Além do ser
elemental que habita e toma conta dela, ela própria é um ser vivente e
pensante. Portanto, podem vir a ser familiares. É uma das formas mais
"quietas" de se ter um familiar,
famil iar, pois qualquer planta que existe pode
ser um familiar, sendo assim, ela passa despercebida aos olhos Dos de
Fora (os não-bruxos).

Esses são alguns seres que podem ser familiares,


famil iares, mas claro que existem
vários outros, basta procurar. Vamos então à parte prática de obtenção
de um familiar.
PRIMEIRA PRÁTICA:
PRÁTICA: Obtenção de um Gnomo.

Como eu havia dito, todas as técnicas do livro foram testadas por mim,
sendo assim, eu posso lhe garantir sua eficácia. Mas lembre-se: O que
funciona pra um, pode não funcionar pra outro, então tente todas as
técnicas e encontre a que melhor se adequa pra você. E não se
esqueça: Sinta-se livre para fazer modificações, faça com que a técnica
faça sentido pra você.

Por um bom tempo da minha vida eu não tive liberdade de praticar


magia muito elaborada devido preconceito dentro de casa, e porque
onde eu morava não havia lojas esotéricas para comprar materiais à
Arte, sabendo que muitas bruxas vivem uma Inquisição dentro da
própria casa, as técnicas são com coisas simples e fáceis de encontrar,
mas não as subestime por isso, são tão eficazes quanto usar elementos
caros e/ou difíceis de encontrar, por exemplo, não vai haver uma
técnica aqui que mande você ir num zoológico
zoológ ico pedir pelo de lobo
(pegou a referência?).

Outra coisa, escolha um familiar condizente com suas necessidades


pessoais. Por exemplo, você quer um familiar que te ajude nas leituras
de cartas, uma sílfide seria boa pra isso, assim como um espírito de um
morto. Mas por quê? É uma crença de que, antes das coisas
acontecerem no físico elas acontecem no astral, e através das cartas
nos é mostrado os padrões de energia das coisas que vão acontecer.
Um espírito está diretamente no plano onde esses padrões estão
formados, então ele pode ver aquilo que o tarólogo perguntou,
tornando mais fácil a interpretação das cartas, assim como avisar de
coisas que vão acontecer. De forma geral, um determinado ser vai ter
poder sobre uma forma de divinação que esteja sob a regência do
reino/plano que ele faz parte. Adivinhação pela chama de uma vela?
Use uma salamandra ou um settiano. Pela chuva? Uma ondina. Tarot?
Um deus, como Apolo. E isso não serve somente para divinação, mas
pra qualquer coisa que você quer que o familiar faça. Escolha um
condizente, ou que tenha regência sobre aquilo.

Mas de modo geral, todos os seres podem fazer tudo que a bruxa
mandar.

Um dos primeiros familiares que tive, e trabalhei, foi um elemental,


sendo assim, passarei a técnica que criei e usei para tal:

1. Pegue uma planta, qualquer planta serve porque não iremos


trabalhar com a planta, e sim com o elemental que habita nela (é uma
crença comum de que elementais ficam com plantas
planta s até sua morte,
não importando o quão velha seja). Se quiser, escolha uma planta que
tenha algum significado especial para você. Você pode tanto comprar
uma quanto remover uma já plantada e então passar ela para um vaso
de tamanho que supra as necessidades dela. Pesquise o quanto cresce
as raízes da planta e escolha um vaso adequado para isso, caso
contrário, uma planta com raízes muito grandes plantada num vaso
pequeno pode morrer. O mesmo serve para a terra
te rra que será usada,
veja qual a planta melhor se adequar, e use terra natural.

2. Na terra da planta se desenhará o hexagrama. Ele pode ser tanto


desenhado ao redor da planta inteira quanto numa pequena área da
terra, na frente da planta. Caso não haja no vaso espaço para fazer o
desenho, você pode tentar desenhar com uma agulha, ou pode fazer do
tamanho suficiente para que caiba somente o invólucro, não é
necessário que seja algo grande. Mas se mesmo assim ainda não
houver espaço, desenhe num papel (branco, sem linhas) o hexagrama e
coloque no vaso, tudo bem se amassar,
ama ssar, ou coloque à sua frente e da
planta, fora do vaso. O hexagrama aqui será usado como símbolo de
invocação, mas por quê? Os dois triângulos do hexagrama representam
o plano espiritual e o plano físico, quando eles se cruzam, acontece a
conexão entre ambos planos, se abrindo um portal para passagem de
seres de cá pra lá, e vice-versa. Sendo assim, o hexagrama é um
símbolo de invocação. Não se é necessário consagra-lo para tal, mas se
quiser, faça-o da forma que achar mais conveniente.

3. Pegue um cristal (de preferência um cristal de quartzo, o


transparente, porque ele é uma pedra de poder, ele dá um "boost" de
energia. Outro motivo para usar esse cristal é que uma coisa
interessante pode acontecer: Já vi um caso onde uma garota deixou o
cristal dela num vaso com planta, e no dia seguinte, quando foi ver, ele
estava manchado, se não me engano, por dentro e de uma cor marrom.
Ela esfregou ele e tentou limpar, mas não adiantava. Depois de pensar
sobre, se chegou a conclusão de que o elemental da planta havia
habitado o cristal. Se você usar este cristal, isso pode vir a acontecer,
mas não é regra e nem necessário que aconteça,
a conteça, então não se
preocupe se seu cristal não manchar, isso não quer dizer que a
invocação não funcionou. No caso dela, foi algo curioso, mas de novo,
não é necessário que aconteça), ou uma estátua, uma pedra da
natureza, enfim, o objeto que será usado como invólucro do familiar, a
"casa" que ele irá habitar, e coloque no centro do hexagrama. É
interessante que o invólucro tenha a forma do familiar, ou que pelo
menos seja algo relacionado a ele.

4. Em frente ao invólucro e a planta, faça no ar, de preferência com sua


varinha, ou com o dedo mesmo (evite o athame, isso porque se crê que
seres elementais não gostam de ferro, eu particularmente acho que
isso só se refere às fadas, seres elementais mais brutos, como os
gnomos, não têm problema com metais em geral, tanto que gnomos
são ditos como ferreiros, assim como salamandras. Enfim, vai da sua
crença, mas de modo geral, evite-o), o pentagrama de invocação da
terra.

Faça de olhos fechados para melhor visualiza-lo, como queira. Imagine-


o de cor verde e como um porta-voz, você então falará para ele
visualizando suas palavras indo até a planta:
"Gnomo das profundezas da terra, tu que habita essa planta, por esse
 pentagrama invocatório
inv ocatório da terra,
terr a, eu ordeno que entre
entr e no/na (diga qual
objeto está usando para ser o invólucro e coloque dois dedos da mão
direita sobre ele) aqui presente e se torne meu espírito familiar."
familiar. "
Visualize o pentagrama sugando o elemental para dentro do invólucro,
pois você o está invocando, não tenha pena na visualização, visualize
que o pentagrama suga o elemental como um tufão suga uma vaca,
seja bruto! Quando sentir, ou ver, que o elemental de fato entrou no
cristal, agradeça e está pronto.

Um aviso aqui: É importante que, se você ainda quiser que a planta


usada viva, você terá que deixar o cristal com o gnomo na planta, para
que ele ainda cuide dela. Caso contrário, se o elemental ficar muito
tempo longe da planta, ela irá morrer rapidamente. Percebi isso na
minha experiência com esse animal. Lembre-se que elementais são
quem fazem a manutenção da natureza, eles foram criados para isso.
Mas caso você não se importe com a planta, então não se preocupe e
leve o cristal com o familiar para outro lugar que você quiser.

Para saber se você invocou o gnomo com êxito, use um oráculo.


Pergunte ao oráculo e puxe uma carta, apenas uma já basta. Caso não
tenha conseguido, repita o processo de invocação. Se tiver
sensibilidade, tente sentir a energia do que usou como invólucro. Faça
uma psi-ball ao redor do objeto e sinta, veja quais imagens "brotam" na
sua mente subitamente.

O oráculo confirmando de que a invocação foi feita com êxito, hora de


mostrar quem é que manda. Faça uma psi-ball com as mãos ao redor
do cristal, ou do objeto que usou, feche os olhos e visualize o pequeno
gnomo ali dentro. E então comece
co mece a conversar com ele, se apresente,
diga seu nome, diga porque invocou ele, fale que ele deve te obedecer,
fale que ele está ligado à pedra, diga até quando ele estará com você
(por exemplo, até que a pedra/estátua seja destruída por você), fale
que ele será recompensando quando cumprir uma tarefa dada por
você, enfim, converse com ele. Isso é importante para que
q ue ele conheça
a bruxa que o chamou e por quê. Uma coisa importante aqui, você deve
ter em mente que está lidando com um espírito, um ser espiritual de
um plano diferente do seu. Lembre-se de que ele tem sua própria
existência. Outro ponto é: Ele não é um animal de estimação, não o
trate como um. Ele não é fofo, não é bonitinho. Você não vai fazer
carinho nele, não aja como se estivesse
est ivesse lidando com um bebê, algo
delicado, porque você não está. A relação entre vocês deve ser como
de um patrão e um empregado, trate-o com respeito, seja firme,
converse de vez em quando, mas não seja bondoso demais. Mostre que
o patrão é você, você tem que ter controle sobre ele.

Isso não significa que você deve maltrata-lo, mas que também não deve
passar a mão na cabeça
ca beça dele. Dê uma ordem, diga que ele será
recompensando se a cumprir, e se não a cumprir, será punido. Não
tenha pena, seja duro na punição. Pulso firme! Você deve fazê-lo te
respeitar como o Mestre dele. Uma boa punição para o gnomo é
invocar ele dentro do cristal e então colocar num local com ferro e/ou
plástico, pois se diz que eles não gostam. Caso o familiar não seja um
gnomo, pesquise coisas que a raça do seu familiar não gosta e use
contra ele quando necessário. Essas dicas acima, da ordem, punição e
controle valem pra todos os seres espirituais que você venha a
trabalhar com eles, inclusive deuses. Já ouviu falar sobre santos
mergulhados de cabeça para baixo em copos d'água? Pois então, o
mesmo vale para deuses.
A forma usada aqui para se ter pleno controle do seu gnomo, ou de
qualquer familiar no geral, é descobrindo seu nome
n ome e seu sigilo. Eu
recomendo que você só pergunte o nome dele quando a relação entre
ambos estiver devidamente estabelecida, quando houver respeito e
parceria, porque assim você terá mais chances de saber o nome dele. A
forma mais simples de saber é meditando com
meditando com seu gnomo, segure o
invólucro dele, chame-o, visualize-o e peça que revele seu nome.

Tente ouvir mentalmente, mantenha os pensamentos silenciosos, e


espere que algum nome surja na sua mente de maneira súbita, você
pode até sentir uma sensação de susto. Preste atenção nesses "sustos",
nesses nomes que brotam na sua mente. Anote-os.
Anot e-os. Depois, num
oráculo, vá perguntando "O nome do meu gnomo familiar é esse?" e
espere a resposta. Caso nenhum seja você pode perguntar novamente
em outro tempo, ou pode até obrigar o seu gnomo a revelar através de
uma "tortura" com ferro e plástico. Mas se você estiver com preguiça
disso, você então pode criar um nome pra ele e batiza-lo com este
nome.

O nome pode ser qualquer um que você ache adequado, ou


simplesmente porque acha legal, mas se quiser ser tradicional, aqui há
uma lista de nomes de animais familiares confessados pelas bruxas:
Para batizar seu gnomo é fácil: Mande-o para dentro do cristal, bote
aos mãos ao redor do cristal, visualize-o brilhando numa cor branca,
veja o gnomo lá e então diga verbalmente "Meu gnomo familiar, eu
agora lhe batizo como (diga
(dig a o nome). Você me obedecerá por este
nome, acatará minhas ordens por esse nome, será convocado por mim
por esse nome. Está feito!"

Tendo o nome do familiar, você terá controle sobre ele, mas só isso não
é suficiente. É necessário ter uma representação simbólica dele, isso te
dará mais controle ainda sobre ele. Para isso, é simples, crie um sigilo
com o nome que você escolheu para ele. Adicione desenhos que
remetem aos gnomos, use letras de alfabetos mágickos, adicione
símbolos. Enfim, faça o sigilo como quiser, só digo que, se for fazer algo
bem elaborado, então que você decore bem como é o sigilo, pois você vo cê
poderá estar em algum lugar onde seu gnomo será necessário e ter
esquecido de algum elemento do símbolo.

Então, recomendo que faça algo simples para melhor lembrar. Feito o
sigilo, você terá agora que linkar ele ao gnomo. Faça uma psi-ball e
coloque ao redor da pedra com suas mãos, visualize o gnomo ali dentro
e veja que uma linha de energia verde sai do peito do gnomo e vai até o
centro da psi-ball, leve essa psi-ball, mantendo a visualização do fio
energético se esticando, até o sigilo. Abaixe a esfera de energia até o
desenho e veja a ponta da linha no centro da esfera se grudando no
sigilo, veja claramente a linha conectando o gnomo ao sigilo, e então
diga:

"Eu consagro este sigilo mágicko em nome de (diga o nome do gnomo),


 pois ele é a representação do meu gnomo familiar.
familia r. Por esse sigilo eu
 poderei dar ordens ao (diga o nome dele), por
dele),  por esse sigilo eu poderei me
comunicar com ele, poderei convoca-lo quando eu bem entender,
 poderei enviar energia
ene rgia a ele, poderei envia-lo
envia -lo em tarefas, poderia
poderi a envia-
lo para locais onde o sigilo está presente. Está feito!" Visualize o cordão
diminuindo e o gnomo sendo puxado até ficar acima do sigilo. Está
feito.

Com o sigilo, você poderá convocar seu familiar para qualquer lugar
que você estiver quando não estiver com o invólucro. Desenhe ele em
algum local, faça uma psi-ball, coloque acima do sigilo e então se
comunique com o gnomo. Você pode até mesmo trazê-lo para onde
você está, e então depois mandá-lo de volta ao invólucro. Um aviso: O
nome do seu gnomo e o sigilo dele não devem ser conhecidos por mais
ninguém, somente por você. Evite inclusive falar que tem um gnomo,
ou um familiar de forma geral. Sabendo o nome do seu gnomo e o sigilo
dele, qualquer um pode ter controle e fazer o que
qu e bem quiser com ele,
inclusive bani-lo.

Algumas oferendas legais para dar ao gnomo quando ele te obedecer :


Pão, mel, leite, açúcar, pão de centeio, vinho, moedas douradas. Essas
são algumas. Se estiver num bom humor, prepare algo feito por você e
dê pra ele. Outra coisa que acho legal fazer é ler contos pro familiar,
especificamente contos sobre gnomos. Dizem que eles não entendem
nossa língua, mas o que vale, e o que sempre valeu na magia, é a
intenção. Então, faça como desejar. O importante é: Se você prometeu
dar tal coisa pra ele, e ele cumpriu a parte dele, cumpra a sua e dê tudo
que prometeu. Não seja um babaca, lembre-se de que você deve
ganhar o respeito dele, você estará criando um aliado espiritual, uma
coisa essencial para toda bruxa de verdade.

Como eu disse, esse é um livro baseado em práticas pessoais, sendo


assim, só escrevo pelo o que eu fiz. Essa forma de se invocar um gnomo
pode ser usada para se invocar qualquer outro elemental que você
queira, basta usar a criatividade e usar sua técnica. Invocar elementais
é fácil porque estamos cercados de natureza e eles estão lá, e também
é fácil porque possuímos os pentagramas de invocação e banimento
deles, tendo pleno controle nesses dois pontos. Então, se quiser banir
seu gnomo caso não queira mais trabalhar com ele, mande-o para o
invólucro e leve até um matagal, leve também o sigilo dele e algo que
aguente fogo, leve fósforos também, e álcool. Desenhe acima do
invólucro o pentagrama de banimento da terra, diga que bane ele e a
conexão dele com você e com a estátua/objeto
estátua /objeto que ele habita. Veja o
pentagrama mandando uma forte onda de energia em direção ao
invólucro, jogando o gnomo para fora. Mande quantas ondas forem
necessárias para remover ele. Pegue o sigilo dele e queime
completamente, visualizando enquanto ele queima o fio de energia que
conecta o gnomo ao sigilo se desfazendo. Jogue os restos ao ar, enterre
a imagem, ou a destrua, e vá embora sem olhar pra trás.

Talvez o gnomo volte por


por algum motivo, como para se vingar caso você
tenha sido um mestre sádico e malvado. Mas caso não, então não se
preocupe. Se quiser, antes de banir, converse com ele, se despeça,
explique porque está encerrando a conexão entre ambos. Deixe uma
oferenda para ele no mato.

A técnica de obtenção do gnomo pode ser usada para qualquer outro


elemental. Dando um exemplo pra vocêv ocê ter uma ideia, digamos que
você queira invocar uma sílfide. Você pode ir num lugar alto, como num
prédio, o importante é estar ventando (não é regra, afinal, ar é ar),
levar consigo algo ligado ao ar, como uma pena, um sino, um galho de
árvore (cito o galho de árvore por causa da associação, ele fica no alto,
e no alto tem ar), enfim, algo que tem relação com o ar, que você sinta
isso. E então segurar (ou colocar no chão mesmo) o objeto no alto e
desenhar ao redor dele o hexagrama e o pentagrama invocatório do ar,
falando que invoca uma sílfide para dentro do objeto. Use a
criatividade e adapte aos outros elementos.
SEGUNDA PRÁTICA: O Familiar Artificial: O
Servidor Astral.

Embora não se use o termo "familiar" ao se referir a um servidor, ele


ainda conta como um. Eu gosto de diferenciar um servidor de uma
forma-pensamento porque o servidor é mais elaborado. Um servidor
possui um contrato durante sua criação; ele tem nome, aparência,
personalidade, poderes, influência, regências planetárias, formas de
alimentação própria, tempo de vida prolongado, entre outras coisas
que o mago do caos queira adicionar. Já uma forma-pensamento,
geralmente, só tem uma forma (uma esfera) e seu objetivo do que
fazer, após concluir sua tarefa, ela é extinguida, tanto automaticamente
quanto pelo próprio bruxo que a criou. Um servidor geralmente te um
tempo de existência de 1 ano, já uma forma-pensamento não passa de
uma semana. Como se pode ver, nem sequer um nome a forma-
pensamento tem.

De qualquer modo, uma forma-pensamento ainda entra como familiar


quando ela é um pouquinho mais elaborada. Falaremos sobre isso na
próxima técnica. Agora, nos foquemos na criação de um servidor astral.

Um servo astral, diferente de um elemental que é um ser já existente, é


criado pelo bruxo com sua energia pessoal e astral (e qualquer outra
que ele queira adicionar), sendo assim, é bem possível que ele tenha
alguns traços do seu criador, por mais sublime que seja, mas isso não é
motivo de preocupação, é mais como uma "curiosidade".

De qualquer forma, é um servo que é criado para realizar tarefas


determinadas pelo mago do caos, ou seja, diferente de um espírito
familiar que pode fazer tudo o que o bruxo manda, o servidor astral só
faz aquilo determinado no contrato
contrat o de criação dele, ele só tem poder
sobre aquilo em que ele foi criado em cima. Dando um exemplo
famoso, Fotamecus é um servo astral criado para "moldar" o tempo, e
apenas isso, você não pode usar ele pra te fazer ganhar dinheiro pelo
simples fato de que essa não é a função dele (claro que, existe os
"cheats" da vida onde você poderia usar o Fotamecus pra adiantar o
tempo onde isso de alguma forma faria você ganhar dinheiro em
determinada situação. Mas, de novo, ele não vai fazer você ganhar
dinheiro). Claro que o contrato pode ser modificado, mas não entrarei
nesse ponto.

Nos foquemos agora na criação do servidor mágicko. Antes de tudo


quero dizer de que não sou mago do caos, minha vertente é a bruxaria
tradicional, mas acho interessante trazer isso pra cá por condiz com o
tema do PDF. Um método simples e organizado de ser criar um servidor
é através de uma tabela (encontrei ela há um tempo atrás e não
encontrei quem a fez. Caso o criador dela chegue a ler este PDF, se
pronuncie).

Tomei a liberdade de transcrever para cá um texto sobre Servidores


Astrais do blog Sinfonia da Lua, os créditos pelo texto vão totalmente
para Alannyë Daeris, publicado originalmente no link que se segue:
http://sinfoniadalua.blogspot.com.br/2015/02/servidores-
magicos.html?m=1

Os servidores mágicos são seres feitos puramente de magia, criados


pelo bruxo ou magista para que atue em determinadas situações,
desempenhe tarefas, que podem ser as mais variadas possíveis. São
formas-pensamento que se tornam reais, dotadas de energias.

A noção de servo mágico provêm da Magia do Caos, e é como um


sigilo que toma forma, que torna-se um elemental criado pelo
praticante. Ele pode ser feito a partir
parti r de qualquer material, e designado
para realizar qualquer função escolhida pelo praticante.

Criando um servidor: Teoria!

É preciso levar em consideração muitos aspectos. O servidor se tornará


um ser mágico dotado de ação, e alguns cuidados devem ser tomados.

Primeiramente, você deve delimitar para que ou onde este servidor


atuará. Ele será seu protetor? Atuará em cura? Trará prosperidade
financeira? Sucesso? Auxiliará em feitiços?

Por quanto tempo este servidor lhe auxiliará? É para atingir um


objetivo único, ou para estar com você a maior parte do tempo? Este é
um aspecto importantíssimo, pois servidores não devem viver por mais
de um ano, visto que podem passar a prejudicar o criador. Depois de
certo tempo, servidores tomam consciência e podem acabar por
prejudicar o magista propositadamente ou sem querer, através do
karma (que recairá todo sobre o criador).

Muito bem, digamos que você escolheu no que seu servidor lhe
auxiliará e por quanto tempo. Agora, você precisa especificar como.
Você deve deixar sua intenção clara, específica e direta, sem margem
para erros ou dúvidas. Seja bastante claro, e lembre-se que se você
direcioná-lo somente para uma finalidade, será somente aquela
finalidade, a menos que você o reprograme (mais abaixo constará a
reprogramação).

Por exemplo, se eu quiser que meu servidor realize minha proteção, ele
servirá somente para a minha proteção, e a de mais ninguém. É preciso
especificar neste momento como será a atuação, de uma forma que
abranja tudo o que você necessita com o servidor.

Se você já escolheu o tempo de atuação, e no que seu servidor atuará,


então provavelmente já tem uma ideia de como ele será, de qual
elemento será feito. Você precisará escolher símbolos para definir e
reforçar as funções do servidor; por exemplo, um servidor de proteção
pode ter um pentáculo como símbolo. Um servidor para lhe auxiliar em
filas (engarrafamentos, bancos) pode ter um símbolo de rapidez, como
um raio. Um servidor para a fortuna financeira pode ter um cifrão como
símbolo, por exemplo.

Além do símbolo para representar o servidor, escolha outro símbolo


que lhe represente e demonstre sua ligação/autoridade com o servidor,
e há também a possibilidade de criar um sigilo para representá-lo, se
assim você desejar.

Crie as frases que serão os comandos principais


principa is para o servidor. Por
exemplo, para um servidor para proteção frases como "Impeça
energias negativas de alcançarem a mim", "Reforce meus escudos
mágicos", "Permita-me perceber os perigos muito antes que
aconteçam", "Atue em todo o momento que eu estiver vulnerável a
perigos ou influências negativas" podem ser utilizadas.

Depois de escolher as frases que serão os comandos do servidor, você


as transformará em sigilos para inseri-las no âmbito de atuação de seu
servidor. Para transformá-las em sigilo, você pode retirar as vogais
repetidas nas palavras e alterar a ordem, criar palavras desconhecidas.

Por exemplo, "Reforce meus escudos mágicos" pode tornar-se


"Sedomaeres Fogiaosce". Utilize do método que você preferir, desde
que reduza as ações para sigilos.

Selecione o material de que seu servidor será feito. O material


geralmente é escolhido através do que serão as funções do servidor.
Por exemplo, posso optar por definir que o corpo de meu servidor para
proteção será uma faca. Pode ser qualquer objeto, desde que sua
finalidade seja restringida somente ao servidor enquanto ele existir.
Este objeto deve ter algo relacionado à finalidade do servidor, podendo
ser qualquer coisa material: uma caneta, um frasco de perfume, um
boneco, um carro de brinquedo, um copo, enfim. Tendo
Tend o relação com as
atividades que seu servidor desempenhará, pode utilizar.
Você deve nomear seu servidor para conferir-lhe poder sobre ele,
autoridade e capacidade de controlá-lo. Escolha um nome qualquer,
que novamente tenha relação com a atividade que ele desempenhará.

Se meu servidor for para proteção, posso chamá-lo de "Guardião",


"Guarda-costas", qualquer nome que remeta à tarefa.

É preciso definir qual a energia ele será feito. É com esta energia que
você o construirá, e moldará sua existência. Você pode retirar esta
energia da natureza - água, terra, fogo ou ar -, ou de arquétipos.
Geralmente cria-se os servidores com elementos, pois você precisará
apenas acessar essas energias puras e brutas e moldar. Veja mais
abaixo para compreender como isto será feito.

Além de nomear, deve-se escolher como você alimentará


ali mentará seu servidor.
Você deve definir a energia para a alimentação
al imentação do servidor pois se não
o fizer, ele se alimentará da sua própria energia. Escolha algo que
nunca será escasso, e de preferência, que você não precisará lembrar
de realizar a alimentação, que ele possa fazer sozinho.

Por exemplo, você pode alimentá-lo com luz solar, com elementos
(vento, chuva, vapor, fogo, terra), com sentimentos como amor e ódio,
com as energias negativas que lhe enviam, enfim. Pode ser algo mais
abstrato ou algo físico, é de sua escolha.
Criando um servidor: Prática!

Se você já fez todos os itens citados acima, é hora de criá-lo. Este será
um exemplo de ritual bem explicado para criar seu servidor da maneira
mais simples e funcional.

Você precisará de:

Os sigilos com os comandos para o servidor, preferencialmente


escritos;

O objeto que será o corpo físico de seu servo astral;

Um objeto que sirva para representar a energia que você utilizará para
moldar o servidor (vela para fogo, incenso para ar, copo d'água para
água, um cristal, sal ou terra para terra)

Comece fazendo uma purificação do local. Purifique a si mesmo


também. Utilize um incenso, ervas em ramalhete, enfim, o que você
preferir. Depois de purificado, trace o círculo mágico
mági co e convoque os
elementos/quadrantes como de costume.

Coloque o objeto que você escolheu para ser o corpo físico do servidor
em seu altar ou no local que estiver realizando o ritual, e atrás dele, o
objeto que represente o elemento. Se seu servidor será de elemento
terra, coloque um pouco de sal, um cristal ou a terra. Se ele será de
fogo, coloque uma vela acesa, e assim por diante.

Foque-se no objeto que está abrigando o elemento. Vamos dar um


exemplo que você esteja criando um servidor para proteção e quer a
energia do elemento fogo em seu servidor. Então,
Ent ão, você se concentrará
na chama da vela, e sentirá a energia do fogo. Coloque suas mãos
próximas, sinta o calor emanando. Quando sentir que tem o controle e
que já consegue manipular aquele elemento, puxe-o para o objeto,
preenchendo-o com as energias do fogo. Molde
M olde seu servidor com
aquela energia, da forma que você imaginar que ele deva se parecer.

Enquanto faz isto, diga ao servidor qual será seu nome, onde ele
atuará, para que você precisa dele, quando ele se ativará, por quanto
tempo ele existirá, como ele se alimentará,
alimentará , e todos os outros detalhes
importantes. Tudo o que estiver citado nos tópicos lá em cima deve ser
citado para o servidor. Quando terminar de moldá-lo, pegue os sigilos
que você criou para os comandos que seu servidor deve seguir.

Dite as palavras codificadas para seu servidor três vezes. No caso do


exemplo citado lá em cima, você concentraria-se em seu servidor, na
forma que ele tomou, e recitaria com firmeza "Sedomaeres Fogiaosce"
três vezes. Se seu sigilo estiver na forma de desenho, visualize-o sendo
fixado no corpo físico de seu servidor, como se o integrasse, fizesse
parte dele.

Neste momento, seu servidor estará pronto para começar a agir. Defina
os últimos detalhes, caso ainda falte alguma coisa para acertar. Ao
terminar, agradeça ao elemento que você utilizou para criá-lo, e
também pela presença de todos os elementais/quadrantes. Desfaça o
círculo no sentido contrário que traçou, e faça um aterramento para
livrar-se das energias que podem ter permanecido ainda.
CONSIDERAÇÕES FINAIS E DICAS IMPORTANTES SOBRE
SERVIDORES :

Servidores não são brinquedos! São uma ferramenta mágica, que deve
ser tratada com seriedade, como qualquer outra forma de magia. E
como ferramenta, tem um tempo de vida limitado, que não deve ser
prolongado.

Quando o tempo definido para que o servidor seja destruído chegar,


faça-o. Aumentar este tempo pode acabar trazendo prejuízos a você.

Evite colocar cláusulas de auto-destruição para o servidor. Ele pode


tentar contornar isto, mudar as situações para não ser destruído. Quem
deve fazê-lo é você.

"Posso criar um servidor sem delimitar na hora quais serão as funções


dele? Como um "faz-tudo"?" Sim, pode. Mas recomendo que o faça
depois de já ter uma afinidade com servidores, com os métodos de
criação. Isto porque você precisará programá-lo e reprogramá-lo de
acordo com suas necessidades, utilizando os sigilos.

"E como eu reprogramo?" Crie uma cláusula em cada sigilo para


especificar isto. Por exemplo, quando for adicionar uma finalidade,
defina que ela pode ser anulada se você realizar uma ação - mais ou
menos como seria quando você fosse desativar o servidor, mas
separadamente.

Se eu colocar uma ação como "Rebater energias negativas", por


exemplo, posso definir que esta cláusula será anulada caso eu rasgue o
papel com o sigilo, queime-o, que eu fale o nome do servidor em voz
alta uma vez, etc.

A controlar o caos,

Alannyë Daeris. (FIM DO TEXTO, A OBSERVAÇÃO QUE SE SEGUE É


MINHA, MICHAEL SOARES).

Sinceramente, servidores não são meu forte, então não irei me


aprofundar neles. Há muita informação sobre eles na internet, e
facilmente você consegue fazer o seu. Ou procure sobre livros nacionais
de magia do caos, pra apoiar a galera daqui que é um dos países que
mais abraçou esse sistema, e desenvolveu ele grandemente.
TERCEIRA PRÁTICA: O Familiar Artificial:
Forma-pensamento.

Existe a forma-pensamento simples que eu citei, mas nada te impede


de dar uma incrementada em uma e criar uma espécie de servidor.
Digo que é espécie porque essa forma-pensamento é mais "ampla",
não se tem uma função definida que gira em torno de determinado
tema (mas pode ser definido também), como o caso do Fotamecus, por
exemplo. No caso, essa forma-pensamento fará qualquer tarefa que a
bruxa mandar e podendo existir pelo tempo que a bruxa quiser
(tomando cuidado para que ela não saia do controle).

Antes de tudo, tenha uma figura, como uma estátua, que será o
invólucro do seu familiar. A imagem deve ser da mesma forma que ele,
mas não é algo obrigatório.

A forma simples de se criar essa forma-pensamento é através de uma


psi-ball, então treine a criação de uma psi-ball algumas semanas antes.

Para começar, desenhe nas suas palmas algum símbolo que irá atrair a
energia que você que que sua forma-pensamento tenha, e desenhe um
triângulo ao redor do símbolo. Caso não consiga desenhar direito na
mão esquerda, faça somente na direita, a mão projetiva. Não esqueça
de consagrar o símbolo. A energia que será liberada deve vir do seu
"terceiro olho", o chakra
chakra da testa. Eu associo a cor azul ao plano
mental e tudo relacionado a mente, então essa será a cor da energia
que irá sair. Use qualquer cor que faça sentido pra você. Iremos usar a
energia desse chakra porque queremos criar uma forma-pensamento
inteligente, que saiba fazer várias coisas. Se quiser algo mais
animalesco, use a energia do chakra da sua área genital.

1. Feche os olhos e se foque na sua testa, especificamente entre as


duas sobrancelhas. Imagina a cor azul brilhando ali, cada vez mais forte.
Se você gosta de sentir coisas, você pode apontar com seu dedo para
esse ponto até que uma dor surja, dizem que assim você estará
enviando energia para esse chakra, acordando-o. Mentalmente veja um
fio de energia, ou uma onda, descendo pelo seu rosto, pelo pescoço,
até o peito e se ramificando para os dois braços, e então saindo pelas
mãos. Vá movendo elas lentamente para frente e para trás, como se
você tocasse uma harpa. Vá vendo aquela energia azul se modelando
numa esfera, dobre as palmas como se estivesse segurando uma bola.

Quando sentir que a esfera já está bem feita, comece a modelar ela na
forma do animal, ou criatura, que você quer que seu familiar tenha.
Não há limites para isso, faça com bem entender, lembre-se das
criaturas híbridas da Inquisição. Quando tiver
t iver feito, respire fundo e
assopre em direção a forma criada, e enquanto expira, veja sua
respiração sendo de cor verde, pois verde é a cor que eu associo com a
vida (você pode visualizar a cor que você associa com a vida), pensando
enquanto faz "Eu te trago à existência pelo sopro da vida. Erga-se!".
Respire fundo novamente e repita o processo, faça isso três vezes. Veja
a criatura viva, te observando, atenta para suas palavras.

Nesse momento, dê um nome para ela. Como estamos criando aqui


uma forma-pensamento "faz tudo", não iremos especificar nada, mas
faça se quiser, iremos apenas determinar
determina r que ele deve fazer tudo que
você ordenar. Diga que você o criou, que ele deve somente obedecer
você, diga que ele pode ser destruído a qualquer
qual quer momento que você
quiser, que haverá punições caso ele não
nã o te obedeça, fale que a
imagem que você escolheu é o local onde ele irá, após completar sua
tarefa, para se alimentar e permanecer. Mova ele para dentro da
imagem escolhida, coloque um cristal de quartzo próximo dela e faça
um círculo ao redor. Deixe assim por
po r 24h.

Enquanto isso, você vai criar o sigilo da sua forma-pensamento da


mesma forma como se criou o do gnomo, a forma de linkagem é a
mesma também. Diferente de um elemental, a forma-pensamento
requer energia constantemente, ou pelo menos, até ela se "firmar". O
cristal colocado dentro do círculo é usado para esse fim, mas ainda
assim será necessário a sua energia. Feito o sigilo e linkado ao familiar,
você irá através do sigilo enviar sua energia pessoal. Para isso, segure o
sigilo entre as mãos e visualize sua energia brilhando pelo seu corpo,
veja-se como se estivesse vestindo um manto branco brilhante.
Transfira para o sigilo e veja a imagem que o familiar está habitando
brilhando também. Faça isso por pelo
pel o menos 15 minutos, e diariamente
durante duas semanas.

Se recomenda que a forma-pensamento não dure mais de uma


semana, senão ela cria consciência e vampiriza o criador. Caso isso
venha a acontecer com você, simplesmente destrua a forma. Uma
forma simplíssima para isso, é segurar a imagem que o familiar habita
abaixo de água corrente, seja um rio ou uma torneira. Segure e
verbalmente afirme "A forma-pensamento aqui contida é agora
dissolvida." enquanto imagina isso acontecendo. Faça até ter certeza de
que ela se foi, mas lembre-se de não demorar muito pra não gastar
água. Outra coisa que você pode fazer é aprisionar seu familiar no
invólucro dele. Mande-o para dentro da imagem, pegue o pentagrama
de banimento da terra e faça um em cada quadrante da pedra, dizendo
que o aprisiona ali. Depois, vá até ao ar livre e enterre a imagem com a
forma-pensamento aprisionada, peça que a Terra dissolva o ser que ali
dentro está. Tenha em mente que a imagem não poderá mais ser
usada, e enterre num local por onde você não passa sempre.

Isso é útil para formas-pensamento recém criadas, se se tratar de uma


com meses de duração pode ser mais difícil dissolver ela.

Para alimentar a forma-pensamento, seja com sua energia ou qualquer


outra coisa, você pode fazer o seguinte desenho: dois círculos na
horizontal, em cada extremidade da folha, conectados por um corredor
(por isso, faça uma pequeno abertura nos círculos por onde esse
corredor passa), conectando, assim o familiar com a comida. Uma
espiral é desenhada no círculo do lado direito, que deve ser desenhada
de dentro para fora e em movimento horário e, com a mesma linha da
espiral, corra uma linha pelo corredor e leve ela até o outro círculo,
faça a ponta da seta como um triângulo onde cada ponta dele toca no
círculo. Essa espiral irá girar a energia do alimento e levar até a seta,
que então irá levar até o invólucro do familiar. Pelo desenho estar
totalmente fechado, a energia só se espalha ali dentro. Mas isso não
quer dizer que você não possa enviar energia e alimentar o familiar por
outros meios, a forma de enviar energia pelo sigilo é muito boa
também. Para alimentar pelo sigilo, coloque o alimento em cima dele e
faça uma rápida visualização de energia do alimento indo até o sigilo e
então para o familiar, visualize o familiar em si, não o invólucro. No
caso do corredor de alimentação com os círculos, uma visualização da
energia do alimento girando na espiral, correndo pela seta e indo até o
invólucro do outro círculo é ótima para isso.
QUARTA PRÁTICA: O Familiar Animal.

Essa é a técnica mais elaborada. Eu tive a ideia dela quando estava no


tumblr e me deparei com os selos dos familiares regentes dos
quadrantes e dos elementos. Os selos são:

Esses selos são de origem da Bússola das Bruxas, um círculo mágicko da


tradição do Robert Cochrane. Esse círculo específico, a Bússola das
Bruxas, não será usado neste rito pois ele não se adequa, e também
ta mbém
porque ele é meio "complexo" e longo de se fazer,
faz er, porque é um círculo
mágicko para eventos especiais e grandes, não é como um simples
círculo aberto para proteção durante um feitiço. Para mais informações
sobre a Bússola das Bruxas, recomendo o livro "Traditional Witchcraft"
da Gemma Gary.

Enfim, o propósito da Bússola das Bruxas não é invocar familiares, tanto


que no livro não há qualquer menção disso. Isso é algo que partiu de
uma ideia e teoria pessoal minha. Apresentei minha ideia para outros
bruxos e eles falaram que daria certo, pois faz sentido. Elaborei um rito
baseado na minha teoria, e aqui está. Sendo assim, irei apresentar a
teoria aqui antes de irmos para o rito.

Como iremos ver, cada animal familiar tem regência sobre determinada
direção, que tem regência sobre determinado elemento, que tem
regência sobre determinados animais que fazem parte daquele
elemento, ou que pelo menos tem relação com o animal familiar
regente da direção. Sendo assim, propus um rito de comunicação com
o familiar animal de determinado quadrante,
qu adrante, pedindo que ele nos
conceda um espírito animal que esteja dentro da regência daquela
direção/elemento/direção, tornando-o assim nosso familiar. O espírito
animal então irá habitar um invólucro como todo familiar no geral.
Dando um exemplo, digamos que eu queira ter um rato como familiar,
eu poderia pedir ajuda do familiar animal do sul, a Lebre Branca, já que
o rato é um animal terrestre. Ou eu quero ter uma borboleta, eu
poderia falar com o Corvo Negro, já que a borboleta é um animal aéreo.
E assim vai. É interessante que você escolha um animal que tenha
"propriedades" para te ajudar, para isso, aqui há uma lista rápida de
associações com animais, se quiser algo mais profundo, basta procurar:

- Morcego: transição, iniciação, descoberta

- Urso: poder, resistência, força, coragem


- Gato: tenacidade, paciência, independência, mistério

- Coiote: sabedoria, inteligência, trapaça

- Veado: gentileza, inocência, agilidade

- Cachorro: fidelidade, proteção

- Furão: cautela, solidão

- Raposa: destreza, esperteza, rapidez

- Bode: fertilidade, determinação, singularidade

- Lebre: fertilidade, renascimento, intuição

- Cavalo: liberdade, poder bruto

- Rato: meticuloso, fastidioso

- Lontra: alegria, brincadeira, generosidade

- Porco-espinho: defesa, prontidão

- Lobo: guardião, intuição

- Abelha: cooperação, comunidade, companheirismo

- Besouro: renascimento, renovação

- Borboleta: transformação, liberdade, beleza

Como podem ver, o familiar animal pode ser escolhido pelo seu
significado, como também simplesmente pela sua forma. Não há uma
obrigação de ter que escolher um familiar que você não quer só porque
ele se encaixa melhor nas suas necessidades, todos os animais podem
te ajudar numa variedade de coisas, a diferença é que cada um tem sua
especialidade em algo.

Apresentada a teoria, vamos agora ao significado de cada quadrante.


Cada animal familiar regente dos quadrantes tem poder sobre
determinado elemento, determinada direção, determinada estação do
ano e determinados animais. Os animais familiares são (um adendo
aqui, na Bússola das Bruxas a ordem dos elementos associados com as
quatro direções mudam. Eu decidi manter como no livro, pois pra mim
faz mais sentido dessa forma do que da forma tradicional. No livro,
temos: O Ar ao norte, por quê? Simples, o ar está no alto, no céu, ao
norte; O Fogo está ao leste, afinal, o Sol nasce ao leste, e o sol é fogo,
calor; a Terra está ao sul, pois ela está abaixo de nós, no chão, abaixo,
ao sul; E por fim, a Água está ao oeste.):

O Corvo Negro:
Negro : Norte é sua direção. A direção do inverno, meia-noite,
espíritos negros do Ar, os ventos assombrados, nossa voz, a névoa. O
Corvo Negro é o familiar totêmico dessa direção. A caveira, o bastão e a
varinha, assim como um galho, o incensário e o sino são símbolos dessa
direção e elemento. A direção norte, assim como o Corvo Negro,
podem ser usados para: Trabalho com espíritos, obtenção de
conhecimento, banimento, destruição, sabedoria, amarração,
divinação, comunicação.

A Serpente Vermelha:
Vermelha: Sua direção é o leste. A direção da primavera, do
amanhecer e dos espíritos vermelhos do fogo; acima há o fogo celestial
do Sol, que nasce ao leste, o fogo dos planetas e dos trovões. Abaixo há
o fogo subterrâneo, o centro da terra; a Serpente Vermelha, que é o
fogo e a potência da terra é o familiar animal do leste.
O leste é a direção da Astúcia e Vontade, sendo a centelha divina de
ambas. Entre os símbolos do leste, temos a faca, a vassoura e o chicote.
O leste pode ajudar em trabalhos de: Magia defensiva, exorcismo,
força, poder, sexualidade e potência/energia.

A Lebre Branca: Sua direção é o sul. Direção do verão, meio-dia e os


espíritos brancos da terra; a terra, o corpo vivo e físico de todas as
coisas. O familiar desta direção é a saltitante Lebre Branca, e os
símbolos do sul são as pedras mágickas, a tigela e o pentagrama. Essa
direção ajuda em: trabalhos de estabilidade, cura de machucados no
corpo (sim, o foco de cura dessa direção são machucados físicos, cono
cortes, arranhões, queimaduras, ossos quebrados, enfim), sabedoria,
magia herbácea, fertilidade, crescimento, abundância e riqueza.

O Sapo Cinzento: Sua
Cinzento: Sua direção é o oeste. Direção do outono, crepúsculo
e espíritos cinzentos da água; os rios, riachos, poças d'água, oceanos, o
sangue e as águas subterrâneas da transformação, emoção,
conhecimento e sabedoria. O Sapo Cinzento é o animal familiar do
oeste, e os símbolos dessa direção incluem o caldeirão, o cálice e o
círculo. Tem poder sobre os trabalhos que envolvem a Lua, magia do
mar, transformação, limpeza, sonhos, memória, emoções e cura de
problemas emocionais e psicológicos.

Sabendo agora dos animais familiares dos quadrantes, suas respectivas


propriedades e significados, partamos para a parte prática de obtenção
do animal familiar. Tenha em mente que você também pode invocar
espíritos elementais com essa técnica, afinal, os elementais estão
associados com os elementos que estão sob regência do Corvo, da
Lebre, do Sapo e da Serpente. Se você for criativo, pode invocar até
mesmo outros espíritos.
Prática: Obtenção do Animal Familiar.

1. Antes de tudo, o que será necessário:

- Uma vela de cor correspondente ao elemento (Azul para a água;


Branca para o ar; Verde para a terra; Vermelha para o fogo);

- Condensador elemental para untar a vela:

• Terra:
Terra: Água com sal;

• Ar:
Ar: Suco de menta;

• Fogo:
Fogo: Molho de pimenta;

• Água:
Água: Suco de melancia ou melão.

- O sigilo do familiar do quadrante que será usado. Você pode imprimir


ele ou desenhar;

- Um ramo florido que será usada como varinha, então ela deve ser
colhida com o caule, e não apenas as pétalas. A planta escolhida será
uma simbologia para a estação que está sob a regência daquela
direção:

• Verão:
Verão: Ramo de flores amarelas, ou um girassol, caso encontre;

• Inverno:
Inverno: Ramo de flores brancas ou um galho seco;

• Outono:
Outono: Ramo de flores laranjas, ou folhas secas. Você mesmo pode
secar;

• Primavera:
Primavera: Ramo com flores coloridas, ou pelo menos rosa, o
importante é que tenham cores vívidas e estejam saudáveis.
- Um colar com um pequeno pentagrama, ou um desenho. O
pentagrama será usado como sinal
si nal de "Eu quero ordem dentro do meu
círculo!", isso porque o pentagrama simboliza o poder do Espírito sobre
os quatro elementos.

- Selo angelical de bons espíritos:

O selo deverá ser colado atrás do selo do animal familiar do quadrante,


ele servirá para garantir que nenhum espírito negativo tenha a cara de
pau de entrar no círculo. Você pode imprimir ou desenhar. De novo,
colado,
colado, nada de passar fita crepe ou qualquer tipo. Use cola líquida ou
bastão;
- O receptáculo que o familiar irá habitar. Não se esqueça que tem ser
feito de algo natural, como argila, barro, ferro, porcelana, etc. Não use
nada de plástico;

- Algo para desenhar um hexagrama no chão, como um giz. Ou


desenhe-o numa folha;

- Fósforo;

- Suporte para a vela.

O Rito:

1. Comece limpando a área em que o rito será feito. Limpe fisicamente


e energeticamente, e faça um banimento que estiver familiarizado.

2. O círculo deverá ser aberto começando pelo quadrante que irá se


trabalhar com. Se for trabalhar com o Sapo Cinzento, comece pelo
oeste e vá em sentido horário; se for com a Lebre Branca, conece pelo
sul, e assim vai. Diga enquanto abre:

"Abro este círculo de proteção aqui e agora, que nele só tenha


 permissão de entrar o familiar
fa miliar da direção (diga qual), o espírito animal
 familiar regente desta
dest a direção e os bons espíritos animais (ou
elementais, caso você esteja querendo invocar um elemental) que
estejam sob a regência do (diga o nome do quadrante novamente).
novamente) .
Está feito!" O "Está feito!" deve coincidir com o momento que você
fecha o círculo. Você pode desenhar o círculo com giz, fazê-lo de sal ou
simplesmente visualizar ele. E lembre-se de que durante o rito inteiro
você deverá estar virado para a direção do familiar escolhido. No chão,
a sua frente, desenhe o hexagrama e coloque o invólucro que será
usado no centro dele.
3. Coloque no quadrante que irá se trabalhar o selo do animal familiar
daquela direção. Pegue a vela que será consagrada em nome daquele
familiar. Para isso, uma forma básica de consagração
consagração é segurar a vela
entre suas mãos, passar sua energia para ela e dizer "Eu consagro esta
vela em nome do familiar do quadrante (diga qual), (diga o nome do
 familiar). Está feito!" . Tome cuidado para não quebrar o círculo, então
não encoste nele a vela ou o selo. Unte a vela com o condensador
elemental do elemento associado àquela direção. Passe por toda a vela,
com exceção do pavio. Coloque a vela atrás do selo e acenda.

4. Com o ramo florido associado com a estação da direção que você


está trabalhando, desenhe no ar o pentagrama invocatório daquele
elemento que se está trabalhando com (não se preocupe se algumas
flores caírem ao movimentar o ramo), visualize-o brilhando em chamas
com a cor do elemento daquele quadrante. Visualizando o pentagrama,
diga verbalmente ou mentalmente o encantamento do familiar do
quadrante. Começaremos pelo Corvo Negro, então, se você estiver
trabalhando com ele, recite esse. Caso não, então recite o
encantamento de convocação do familiar que você quer chamar:

Convocação do Corvo Negro:

"Eu chamo para este círculo o familiar animal do Caminho do Norte, eu


clamo pela presença do Corvo Negro! Que esta vela consagrada em teu
nome possa guiar-te das copas das árvores e dos altos céus nublados
até mim e até este espaço atemporal aberto em tua honra. Vide, Corvo
Negro do Caminho do Norte, pelo teu selo aqui presente, ouça meu
 pedido e em troca receba
re ceba a energia desta vela como
co mo agradecimento
 pela tua dádiva!"
dádiva! "
Convocação da Serpente Vermelha:

"Eu chamo para este círculo o familiar animal do Caminho do Leste, eu


clamo pela presença da Serpente Vermelha! Que esta vela consagrada
em teu nome possa guiar-te dos confins do mundo subterrâneo por
onde rasteja até mim e até este espaço atemporal aberto em tua honra.
Vide, Serpente Vermelha do Caminho do Leste, pelo teu selo aqui
 presente, ouça meu pedido
pe dido e em troca receba a energia
ener gia desta vela
como agradecimento pela tua dádiva!"

Convocação da Lebre Branca:

"Eu chamo para este círculo o familiar animal do Caminho do Sul, eu


clamo pela presença da Lebre Branca! Que esta vela consagrada em teu
nome possa guiar-te das profundas tocas que habita até mim e até este
espaço atemporal aberto em tua honra. Vide, Lebre Branca do
Caminho do Sul, pelo teu selo aqui presente, ouça meu pedido e em
troca receba a energia desta vela como agradecimento pela tua
dádiva!"

Convocação do Sapo Cinzento:

"Eu chamo para este círculo o familiar animal do Caminho do Oeste, eu


clamo pela presença do Sapo Cinzento! Que esta vela consagrada em
teu nome possa guiar-te da mais profunda lagoa até mim e até este
espaço atemporal aberto em tua honra. Vide, Sapo Cinzento do
Caminho do Oeste, pelo teu selo aqui presente, ouça meu pedido e em
troca receba a energia desta vela como agradecimento pela tua
dádiva!"

5. Após dizer a convocação, sente-se


sente-s e no chão e relaxe o corpo e a
mente. Deixe o ramo perto de você. Você irá agora criar uma cena onde
irá se encontrar com o familiar que chamou. O familiar pode aparecer
de tamanhos variados, então não se assuste. Seguindo a ordem, se está
trabalhando com o Corvo Negro, imagine o seguinte. É importante que
você leia essa técnica, por mais que não esteja trabalhando com o
Corvo porque nele há coisas que vale para todos os outros três
familiares:

O Corvo Negro:
Negro :

Você está num bosque escuro e frio, as árvores ao seu redor são negras
e de um marrom escuro. Tudo que tem com você é a vela e o invólucro
que você escolheu. Tudo que se ouve é o som do vento forte, pois o céu
está nublado, ameaçando chover, mas tudo que se sente no momento é
 frio e o vento gelado passando
passa ndo por seu corpo. Você olha
olh a para cima em
direção de um enorme galho de uma árvore, fica observando até ver
que um enorme corvo negro pousou ali. Ele te observa e ouve. Diga a
ele qual animal aéreo, ou elemental do ar, você gostaria de trabalhar
com e torná-lo seu espírito familiar. Explique porque você quer, a
importância que tem pra você. Seja sincero, não minta, e queira ter um
familiar, isso é essencial para se ter um. Quando terminar de falar,
espere um momento e observe a cena . Se ele aceitar seu pedido, logo
você verá o animal aéreo escolhido vindo em sua direção e então
entrando no invólucro que você escolheu. Caso ele não aceite seu
pedido, você o verá virando as costas e indo embora, e isso vale para
todos os outros. Seja respeitoso, sincero, tenha um bom motivo para
ter o familiar. Fazendo isso, não tem como ele não aceitar e não lhe
conceder um espírito.
A Serpente Vermelha:
Vermelha:

Se imagine numa mata fechada, o calor é absurdo, o sol está bem


acima de você. Você está suando, a roupa empapada de suor, que
também escorre pelo rosto, você ouve o som de cigarras que tornam o
cenário mais quente. Está tão quente que o calor distorce a imagem da
vegetação, do mato alto, das flores altas. Observe a vegetação a sua
 frente, espere até que uma
u ma enorme serpente vermelha
ver melha surja do meio do
mato, te observando e ouvindo.

A Lebre Branca:

Você está numa clareira, a temperatura é agradável, há flores aqui e


ali. As copas das árvores fazem um teto para a paisagem, um teto de
 folhas que permitem que raios
ra ios de sol passem por elas e se espalhem
 pelo chão. À sua frente há uma
um a enorme toca de coelho,
coelho , há flores na
entrada, você observa o breu que há lá dentro. Você aguarda até que
uma enorme lebre branca sai dali e vai saltitando até alguns metros de
você. Ela te observa e te ouve.

O Sapo Cinzento:

Veja-se na borda de uma enorme lagoa, o clima é úmido, a terra abaixo


de você é úmida também, e até meio lamacenta. Você sente gotículas
de água nos braços e no rosto, o céu está meio alaranjado, mas não
muito, o sol está pondo. O mato balança levemente por causa da leve
brisa. No centro da lagoa há uma enorme vitória-régia, você a observa
até que um enorme sapo cinza pula nela. Ele te observa em silêncio,
 pronto para te ouvir.
ou vir.

Após receber seu familiar, agradeça e espere que o familiar do


quadrante vá embora. O corvo vai sair voando, a cobra vai rastejar de
volta pro mato, a lebre vai voltar para a toca e o sapo vai pular na
lagoa. Bata palma três vezes, veja a cena sumindo num borrão e então
abra os olhos. Pegue o ramo florido e faça o pentagrama de banimento
do elemento no quadrante, dizendo de acordo com o familiar que
chamou:

"Agradeço a presença e a dádiva do familiar animal do


norte/sul/leste/oeste, faça um retorno seguro para seu reino! Está
 feito!" Destrace o círculo e deixe a vela queimar totalmente com o selo
ali, pode afastar um pouco para evitar que ele queime. Quando ela
terminar, enterre os restos da vela, se sobrou, e guarde o selo para uso
posterior. Você agora tem um familiar animal. Leia novamente o
método de obtenção de um gnomo para ter uma ideia de como se
trabalhar com ele.

Se chegar um dia em que você não quer mais trabalhar com seu
familiar animal, você pode mandá-lo de volta para onde veio. Para isso,
faça o mesmo processo do rito, mas dessa vez altere as palavras do
encantamento de convocação, e peça que o familiar de tal direção
venha buscar um espírito animal. Mostre ao espírito regente o seu
familiar animal, diga porque não quer mais trabalhar com ele, etc. O
animal familiar do quadrante irá então pegar o animal. O sapo vai
engolir ele com a língua, da forma que se alimentam, e pular na lagoa;
O corvo vai agarrar o espírito com as garras e voar para longe; A lebre
vai abocanhar o espírito e levar para sua toca; E a serpente irá se
enrolar nele e arrasta-lo para o mato. Agradeça, feche o círculo e está
feito.
Dicas:

• Não se contenha ao escolher qual espírito animal você quer, pode ser
desde uma formiga até uma baleia (no caso de espírito familiares
aquáticos é interessante que você adeque o ambiente para ele. Se você
tem um peixe como familiar, por exemplo, coloque o invólucro dele
dentro de uma aquário com água. Existem animais aquáticos que
podem andar na terra também, como o sapo, então é interessante que
você pesquise as necessidades físicas do animal que irá escolher como
familiar, isso fará com que ele se afeiçoei mais de você por ver que você
se preocupou nesse ponto).

• O familiar pode ser qualquer coisa, mesmo! Quer ter um dinossauro?


Tenha. Um mítico dragão? A Serpente Vermelha pode te providenciar
um. Uma fada? Vá em frente. Um mamute? Peça um. E mais, o
tamanho dele não importa. Na Inquisição era muito comum que os
familiares das bruxas tivessem tamanhos impossíveis, como uma vaca
do tamanho de um rato! Então, escolha desde o menor animal até um
colossal.

• Escolha um animal que tenha um significado profundo para você, ele


terá mais força e vontade de te obedecer.

• Trate seu familiar bem, mas lembre -se de quem é o chefe.

• Usos para seu familiar, seja qual for:

- Cura;

- Proteção pessoal e do lar;

- Mensageiro;
- Levar um feitiço;

- Trazer conhecimento para você;

- Divinação;

- Desenvolvimento de poderes psíquicos;

- Ensinar sobre como trabalhar com energias, ou ervas;

Entre outras coisas. Converse com ele, pergunte


pergunt e no que ele pode te
ajudar, faça testes. Anote quanto tempo ele demora para realizar as
tarefas, estude-o. Saiba seu nome, sigilo, torne-o seu amigo e aliado.
Epílogo

Para terminar, uma lista de leituras que falam sobre os familiares:

- The Witch's Familiar: Spiritual Partnerships for Successful Magic,


Magic , por
Raven Grimassi.

- Cunning Folk and Familiar Spirits: Shamanistic Visionary Traditions in


Early Modern British Witchcraft and Magic,
Magic, por Emma Wilby.

- The Plant Spirit Familiar: Green Totems, Teachers and Healers on the
Path of the Witch,
Witch, por Christopher Penczak.

- Malleus Maleficarum,
Maleficarum, por Heinrich Kraemer e James Sprenger.

- The Witch-Cult in Western Europe,


Europe, por Margaret Murray.

Infelizmente não temos muito conteúdo em português


port uguês com grande
foco nos familiares, o máximo que temos são pequenas citações sobre
eles em livros. Com esses que recomendei já se pode ter uma boa base
do que se trata o familiar e sua história. Dos citados, o essencial que
deve ser lido para a prática é o livro do Raven Grimassi, um sistema
completo de trabalho com familiares há nele. Eu adicionei alguns
elementos do sistema dele nas formas de obtenção aqui descritas, mas
adicionar todas as técnicas é impossível. Então, recomendo que leia o
livro dele porque nele você encontrará outras formas de obter um
familiar, como através de uma meditação, assim como também ter uma
planta como familiar. Há formas mais elaboradas de encerrar a ligação
com o familiar, inclusive selo de "emergência" caso tudo saia do
controle. E isso serve de aviso: O trabalho com espíritos famliares
envolve riscos. Faça com responsabilidade e consciência, saiba como
invocar e como banir, lembre-se do conto "O Aprendiz de Feiticeiro" do
Goethe.

No livro do Christopher também há técnicas de obtenção de um


familiar, como criar um artificial, como trabalhar com homúnculo,
meditação para descobrir o animal espiritual, entre outras, é um senhor
livro!

Os demais livros da lista são a parte histórica dos familiares, como eram
vistos, a relação com os animais xamânicos, o familiar dado pelo diabo,
coisas do gênero. São leituras essenciais para se aprofundar no tema.