Você está na página 1de 4

INTRODUÇÃO

Na natureza, raramente encontramos substâncias puras. O mundo que nos rodeia é constituído por
sistemas formados por mais de uma substância: as misturas.
Solução é uma mistura homogênea constituída por duas ou mais substâncias numa só fase. As
soluções são formadas por um solvente (geralmente o componente em maior quantidade) e um ou
mais solutos (geralmente componente em menor quantidade).
Substâncias químicas presentes nos organismos de animais e vegetais estão dissolvidas em água
constituindo soluções. No cotidiano a maioria das soluções é líquida.
As propriedades físicas e químicas de uma mesma solução são constantes em toda sua extensão,
todavia dependem da composição, que pode variar de solução para solução.
A maioria das substâncias dissolve-se, em certo volume de solvente, em quantidade limitada.
Solubilidade é a quantidade máxima de um soluto que pode ser dissolvida em um determinado volume
de solvente, a uma dada temperatura, formando um sistema estável. Quanto à solubilidade as soluções
podem ser classificadas em: - saturada: solução que contém uma quantidade de soluto igual à
solubilidade a uma dada temperatura.
Nos laboratórios, nas indústrias e no nosso dia-a-dia, as soluções de sólidos em líquidos são as mais
comuns. Um exemplo muito conhecido é o soro fisiológico (H2O + NaCl). Nesses tipos de soluções,
a água é o solvente mais utilizado (Não importa se na solução existir mais de um solvente. Se a água
estiver presente, ela será o solvente da solução, independentemente de sua quantidade), sendo
conhecida por solvente universal. Essas soluções são chamadas soluções aquosas.
OBJETIVOS
 Aprender a preparar e se a familiarizar com os materiais utilizados na preparação de soluções
 Saber como se comporta uma mistura de álcool e água em diferentes concentrações e então
observar e medir conceitos como volume e temperatura da solução
MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E REAGENTES
 Água
 Álcool
 Béquer
 Termômetro
 Pipetas de 10 mL e 5 mL
 Pipeta volumétrica
 Proveta graduada
 Tubos de ensaio
PROCEDIMENTO A
Ao entrarmos no laboratório todas as pipetas e as provetas foram limpadas para se ter a certeza de que
as soluções não seriam contaminadas, só assim prosseguimos para realização do experimento
Com o auxílio de uma proveta foi adicionado 5,0 mL de álcool no tubo e então com o auxílio de um
termômetro medimos a temperatura inicial
T = 25,6 ºC
Depois com o auxílio de uma proveta foi adicionado 5,0 mL de água e a mistura foi levemente agitada
para então medir a temperatura final
T= 37 ºC
A solução resultante foi colocada em um béquer para realização de outro experimento, os tubos foram
lavados para realização de outras soluções com diferentes concentrações de água e álcool
Vol de álcool / mL Vol de água / mL Temp inicial / ºC Temp final / ºC
5,0 5,0 25,6 37,0
2,5 2,5 28,0 37,0
2,5 7,5 29,0 35,5
7,5 7,5 28,5 30,0

PROCEDIMENTO B
As soluções do procedimento exterior foram descartadas e os tubos foram lavados novamente.

Com o auxílio de uma proveta foram adicionados 5,0 mL de água destilada no tubo plástico e com o
termômetro medimos a temperatura inicial da água

T = 27,5 ºC

Foi adicionado então duas pontas de espátula de cloreto de amônio na água, a mistura foi agitada e
então medimos a temperatura final da solução, depois o procedimento foi realizado novamente, mas
dessa vez foi utilizado Carbonato de Cálcio.

Sal dissolvido Temp incial / ºC Tem final /ºC

Cloreto de amônio 27,5 ºC 28,0 ºC

Carbonato de cálcio 27,5 ºC 30,0 ºC

PROCEDIMENTO C

Primeiramente as duas pipetas graduas de 10 mL e o cilindro graduado foram lavados, pois nesse
procedimento é extremamente importante a não contaminação da solução e a precisão da medição.

Primeiramente a pipeta foi preenchida com água até a marca de 0 mL, então foi transferido 5,0 mL
para a proveta e o restante foi descartado. Com o auxílio de outra pipeta repetimos o passo anterior,
o volume final da proveta deveria ser de 10,0 mL para a continuação do experimento.
Colocamos um pouco de álcool em um béquer seco e depois foi realizado o procedimento de
acondicionamento da pipeta, em que ela é preenchida com álcool e depois esse liquido é dispensado.

Depois da realização do processo acima adicionou-se 5,0 mL de álcool para a proveta e depois com
a ajuda de uma pipeta foi transferido 5,0 mL de água. O sistema foi deixado em repouso e então foi
anotado o volume final da solução.

A solução foi descartada no béquer utilizado no experimento A, depois realizamos novamente a


medição do volume final da solução para diferentes quantidades de água e álcool.

Vol de álcool /mL Vol de água / mL Vol final / mL

5,0 5,0 9,5

2,0 8,0 9,5

8,0 2,0 9,95

PROCEDIMENTO D

Com a solução que foi reservada no béquer dos experimentos A e C podemos calcular a
concentração água/álcool em volume/volume e massa/massa.

Com o auxílio de uma pipeta transferiu-se 10 mL dessa solução para um tubo de ensaio e então
adicionamos uma colher de carbonato de cálcio, o sistema foi agitado e deixado em repouso por
alguns minutos para então se obter algumas conclusões sobre seu comportamento.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

FOGAÇA Jennifer Rocha Por que na mistura de água e álcool o volume diminui? Disponível em
http://alunosonline.uol.com.br/quimica/por-que-na-mistura-agua-alcool-volume-diminui.html
Acesso em :26 março.17

Soluções . Disponível em : http://www.cdcc.usp.br/exper/medio/quimica/4solucaog_1.pdf. Acesso


em :26 março.17

DIAS Diogo Lopes Solubilidade dos sais. Disponível em:


http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/quimica/solubilidade-dos-sais.htm. Acesso em : 26 março 17
A competição ocorre em três dias , e os carros passam por provas estáticas e dinâmicas na pista.
Durante a avaliação da parte estática os quesitos apresentação, projeto de engenharia, e a analise de
custo ,valendo respectivamente 75,150 e 100 pontos. Na parte de dinâmica são avaliados a
aceleração , Skid-Pad (onde são realizados os testes de aceleração , formado por dois círculos
concêntricos) , Autocross( com o objetivo de avaliar a manobrabilidade do veículo, Eficiência e
Resistência , valendo respectivamente 100,75,125,100 e 275 pontos

Se o carro possui todos os adesivos ele está liberado para participar de todos os eventos da dinâmica
e correr na pista , sem ele o carro não poderá realizar essas atividades, pois não está liberado na
inspeção técnica

O pacote aerodinâmico é muito importante na parte da dinâmica onde são realizados os testes de
aceleração , por outro lado na parte estática pode aumentar o custo do projeto

Lift, é a força gerada perpendicular à direção de deslocamento de um objeto movendo-se através de


um fluido (gás ou líquido). O mesmo efeito ocorre quando um fluido se move sobre um objeto
estacionário, como um aerofólio em um túnel de vento.Drag é uma conseqüência inevitável de um
objeto movendo-se através de um fluido. Drag é a força gerada paralelamente e em oposição à direção
de deslocamento de um objeto movendo-se através de um fluido.
É a Unidade de Comando Eletrônico .É o mais importante componente do sistema de Injeção
eletrônica, por muitos chamada de cérebro, pois recebe as informações proveniente dos sensores;
analisa, compara à parâmetros pré estabelecidos e finalmente, comanda os atuadores para manter o
motor em funcionamento sob qualquer condição climática. E acima de tudo, com a melhor eficiência
possível.
Os relés regem praticamente todas as funções que envolvem algum tipo de condução de eletricidade,
desde o acionamento do motor de partida até a temporização da luz interna do veículo.Normal
Fechado pois a ventoinha fica fechada , ou seja em 1 , a maior parte do tempo
Push Rod e Pull Rod é um subtipo de suspensão caracteriza por ter dois braços de suspensão, um
superior e outro inferior. Esses braços podem ter a forma de A ou de L, e possuem suas extremidades
ligadas ao chassi e na manga de eixo, buchas e pivores respectivamente intermediam essa
ligação.Durante uma curva a roda do lado interno da curva tende a positivar a cambagem, perdendo
área de contato com o solo, para reduzir esse fenômeno os braços possuem tamanhos diferentes, sendo
o superior mais curto que o inferior, o que induz a roda a ter cambagem negativa.