Você está na página 1de 14

Capítulo

Jogos, brinquedos e brincadeiras


5
Jogos populares na obra de Pieter Bruegel

ARTE • GRUPO 5 •
TEMPO DE SEMEAR
Os jogos populares são transmitidos de geração a geração, ou seja, são
brincadeiras que, ao longo do tempo, vão sendo alteradas e recriadas pelas
crianças e até mesmo pelos adultos.
KUNSTHISTORISCHES MUSEUM, VIENA

Professor(a), com a
utilização do recurso de
imagem como estímulo
simbólico e significativo,
podemos resgatar me-
mórias antigas sobre as
brincadeiras realizadas
Neste quadro de Pieter Bruegel, Jogos infantis, estão representadas 250 na infância. Percebemos
personagens realizando brincadeiras. São 84 atividades ainda hoje conhe- que é possível desenvol-
ver um universo lúdico
cidas, chamadas de jogos populares. com pouco recurso, bas-
tando somente usar ima-
Pieter Bruegel, o Velho (1525-1569), viveu em uma região conhecida como ginação e percepção.
Flandres, que fica ao norte da Bélgica, na Europa. Morou em grandes cidades, mas
suas melhores pinturas retratam cenas das pequenas aldeias e da vida cotidiana
do século XVI.

As brincadeiras e os jogos populares


EF2P-14-51

Entre os jogos reconhecidos no quadro de Pieter Bruegel e que, até hoje,


fazem parte das brincadeiras infantis estão:
212 Capítulo 5 – Jogos, brinquedos e brincadeiras \ Grupo 5

MONKEY BUSINESS IMAGES / SHUTTERSTOCK


ZANYZEUS / SHUTTERSTOCK

Bola de gude
Corda

Criança jogando bola


de gude. Criança pulando corda.

MONKEY BUSINESS IMAGES / SHUTTERSTOCK


L U SOIMAGES / SHUTTERSTOC K

Pião Bambolê

Mãe e filha brincando


com bambolê.

Algumas brincadeiras populares não são mais praticadas nos dias atuais,
mas ainda assim são conhecidas. Na obra Jogos infantis existem algumas delas:
KUNSTHISTORISCHES MUSEUM, VIENA

EF2P-14-51

Detalhe da obra de Pieter Bruegel – Brincadeira maria-cadeira


Arte \ Tempo de semear 213

Maria-cadeira
Duas crianças trançam os braços para formar uma cadeira humana,
usada para lançar um dos companheiros, após o canto de um versinho:
Onde vai, Maria-cadeira?
Vai à casa do capitão,
O capitão não está em casa,
Joga Maria-cadeira no chão
Joga Maria-cadeira no chão... .
Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fol/
brasil500/brinca8.htm>. Acesso em: 23 jan. 2014.

KUNSTHISTORISCHES MUSEUM, VIENA

Detalhe da obra de Pieter Bruegel – Brincadeira vilão-do-cabo

Vilão-do-cabo
Duas crianças começam com o diálogo:
– Vintém queimado!
– Quem queimou?
– Vilão-do-cabo.
– Quer que se prenda?
– Prendido, vá.
Após o diálogo, vem outra série de versos que autorizam a passa-
gem de quem está na brincadeira:
– Passa, passa cavaleiro, pela porta do carneiro!
– Tem uma corda pra me emprestar?
– Tenho; mas está suja.
EF2P-14-51

– De quê?
– De cuspe de galinha!
– Vamos experimentar...
– Vamos!
214 Capítulo 5 – Jogos, brinquedos e brincadeiras \ Grupo 5

Depois dessas perguntas e respostas, feitas por dois meninos que


estão nos extremos de uma cadeia de crianças de mãos dadas, todos
passam sob os braços em arco dos meninos, de uma ponta (a porta
do carneiro) à outra; em seguida, os meninos dão um puxão para
arrebentar a cadeia (a corda). Todo mundo cai.
Então, os dois meninos iniciais marcam no chão o inferno, o pur-
gatório e o céu.
Um fica com a mão direita erguida e espalmada, para que os ou-
tros batam nela com as cabeças, enquanto pulam. Quem consegue
fazer isso vai para o céu. Os perdedores vão para o purgatório ou
inferno. As crianças gritam para quem foi para o inferno:
— Coisa ruim, tem tem.
— Pra ganhar vintém!
Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fol/
brasil500/brinca8.htm>. Acesso em: 23 jan. 2014.
Professor(a), esse con-
teúdo pode ser realiza-
do em conjunto com a
disciplina de História,
na qual os alunos pes- Brincadeiras à moda antiga
quisarão a história das Em cada país, as crianças têm maneiras próprias de se divertir. Os jogos,
cidades antigas, as mu-
danças e as ocorrências os brinquedos e as brincadeiras à moda antiga são muitos. Era muito co-
históricas. Observar as mum nas cidades, há algum tempo, crianças brincarem e jogarem na frente
vestimentas e relacioná-
-las com as roupas atu-
de suas casas, nas praças e calçadas. Jogo da amarelinha, lenço na mão e
ais. cabra-cega são exemplos de jogos e brincadeiras à moda antiga, mas a va-
riedade de diversões que tornam a vida mais alegre é enorme.
GOLDEN PIXELS LLC / SHUTTERSTOCK

EF2P-14-51

Crianças jogando amarelinha.


Arte \ Tempo de semear 215

Amarelinha
Desenhe a amarelinha no chão com um giz. O jogo começa onde está escrito céu.
Com os pés nesse lugar, comece jogando uma pedrinha ou uma bolinha de papel no
número 1 (cada espaço com um número representa uma casa) e, sem pisar nessa
casa, vá saltando, apoiado sempre no mesmo pé, e seguindo os números. Quando
chegar ao número 10, pule o “inferno” e volte até o número 2, onde deverá pegar a
pedrinha que está no número 1 e voltar para o céu, sem pisar nesta casa. Em seguida,
joga-se a pedrinha em cada um dos números e repete-se essa sequência até chegar ao
número 10. Se, ao jogar a pedrinha, ela não cair dentro da casa, você perde a vez, e ou-
tro participante começa o jogo. Quando chegar novamente a sua vez, você deve conti-
nuar no número em que parou. Ao pular, os participantes não devem pisar nas linhas
de contorno. Vence quem conseguir chegar primeiro ao número 10, com a pedrinha.

Lenço na mão
Várias pessoas fazem uma roda e uma delas corre ao redor com um lenço na
mão até soltá-lo atrás de um dos participantes. O escolhido apanha o lenço no chão
e tenta alcançar a pessoa que jogou, antes que ela ocupe o lugar vago na roda. Se
alcançá-la, joga o lenço; se não, outro participante continua jogando o lenço.

Cabra-cega
Os participantes formam uma roda e uma criança fica no centro com os olhos ven-
dados. Ela é a cabra-cega. A brincadeira é iniciada quando as pessoas da roda pergun-
tam e a cabra-cega responde:
— Cabra-cega, de onde veio?
— Do moinho de vento.
— O que trouxe?
— Fubá e melado.
— Dê-nos um pouquinho?
— Não.
— Então, afaste-se!
As perguntas podem ser variadas, como:
— Cabra-cega, de onde vem?
— De Castela.
— O que traz na cesta?
— Pão e canela.
— Dê-me um pouquinho?
— Não, porque é para mim e para a velha Zigue Tanela.
Os participantes correm da cabra-cega e começam a desafiá-la sem tocá-la. A cabra-
EF2P-14-51

-cega segue as vozes e tenta pegá-los. Quem for pego, será a próxima cabra-cega.
216 Capítulo 5 – Jogos, brinquedos e brincadeiras \ Grupo 5

A ISPIX BY IMAGE SOURCE / SHUTTERSTOCK


Crianças brincando de cabra-cega.

Antigamente, não havia televisão nem cinema. Não existiam brinquedos


com motores a pilha. As bonecas eram de pano, palha, porcelana, madeira,
feitas à mão, uma a uma. Apesar de algumas crianças passarem a infância
com apenas um brinquedo, mesmo assim, as famílias se reuniam, e os jo-
vens e as crianças brincavam felizes e divertiam-se de muitas maneiras. Até
os adultos queriam participar das brincadeiras. Enfim, eram os jogos popu-
lares, parte da cultura popular, que faziam a festa da garotada.

EF2P-14-51
Arte \ Tempo de semear 217

Mapa conceitual – Jogos, brinquedos e brincadeiras

Obra Jogos infantis Jogos Jogos, brinquedos e


populares à moda antiga
Pieter Bruegel brincadeiras

menos conhecidos mais conhecidos *Amarelinha


*250 personagens *Cabra-cega
transmitidos de
*Lenço na mão
geração a geração

*Bola de gude
*Pular corda
*Pião
*Bambolê
*Maria-cadeira
*84 atividades entre elas
*Vilão-do-cabo
EF2P-14-51
Capítulo

5 Jogos, brinquedos e brincadeiras


Atividades 18 e 19 • Jogos populares
ARTE • GRUPO 5 •
TEMPO DE SEMEAR

na obra de Pieter Bruegel


Exercício de Aplicação
Momento de novas descobertas!

01) Neste capítulo você teve a oportunidade de conhecer muitos jogos popula-
res. Só na obra Jogos infantis, de Pieter Bruegel, são mais de 80 atividades. Agora
você fará uma análise da obra e, em seguida, responderá às questões.

KUNSTHISTORISCHES MUSEUM, VIENA


Professor(a), neste ca-
pítulo, o aluno poderá:
– estimular a imagina-
ção ao conhecer jogos e
brincadeiras que não fa-
zem parte do seu mundo
atual;
– aprender a conviver
em grupo, graças aos jo-
gos e brincadeiras;
– desenvolver a ca-
pacidade de observar e
aprender a aceitar as di-
ferenças do mundo que
o cerca.
“[...], a criança participa
de diversas maneiras das
complexas manifestações
socioculturais, como su-
cede com as artísticas,
estéticas e comunicacio-
nais, e, participando, ela
é capaz de reelaborá-las,
de reconstruí-las em seu Professor(a), se possível, levar uma ilustração ou ampliação dessa obra para a exploração de detalhes
imaginário, formando presentes nela. Ela é riquíssima em detalhes, o que propicia uma excelente roda de conversa.
ideias e sentimentos so-
EF2P-14-52

bre elas, e expressá-las


em ações.” FERRAZ, Ma-
ria Heloísa C. de T.; FUSA-
RI, Maria F. de Rezende e.
Metodologia do ensino
de arte. São Paulo: Cor-
tez, Editora, 1993. p. 42.
Arte \ Tempo de semear 219

a. Se você pudesse fazer parte das brincadeiras do quadro, qual delas


escolheria? Por quê?

Resposta pessoal

b. As pessoas que estão brincando são jovens, crianças ou adultos?

Na maior parte, crianças.

c. Das 84 brincadeiras que o quadro retrata, qual é a mais praticada


por você e seus amigos?

Resposta pessoal

d. Se você pudesse acrescentar mais um jogo na obra Jogos infantis,


qual seria?

Resposta pessoal

e. Você gostou desta obra? Por quê?

Resposta pessoal

Roda de conversa
Com a ajuda do(a) professor(a), você deverá, com os demais alunos da sala,
formar uma roda de conversas e expor as respostas dadas no exercício 1. É uma
forma muito interessante de conhecer detalhes de uma obra de arte.

Exercícios Propostos
Olho vivo!

02) Além das brincadeiras que você conhece, como bambolê, pião, corda e
bola de gude, existem outras brincadeiras retratadas na obra de Pieter Bruegel.
Preste atenção e você poderá descobrir mais algumas. Em seguida, anote-as aqui.
EF2P-14-52

Respostas possíveis: cabra-cega, cadeirinha, pega-pega, passa-passa três vezes, pula-sela.


220 Capítulo 5 – Jogos, brinquedos e brincadeiras \ Grupo 5

Diversão à vista!

03) Os jogos são contagiantes! Raras são as pessoas que não possuem uma
brincadeira ou um jogo favorito. Com certeza, você também tem um. Retra-
te-o no quadro abaixo e não se esqueça de pintá-lo com lápis de cor.

Professor(a), “A for-
mação da criança como
sujeito em processo de
humanização vai se es-
truturando a partir das
Atividade 20 • As brincadeiras e os jogos populares
experiências assimiladas
em interação com as Exercício de Aplicação
outras pessoas. É, pois,
inserida no ambiente
afetivo e cultural que a Diversão à vista!
criança vai desenvolver
seu processo de socia-
EF2P-14-52

lização”. FERRAZ, Maria 01) É muito comum unir às brincadeiras populares um canto, uma música, para
Heloísa C. de T.; FUSARI, que se possa cantar ao mesmo tempo em que se brinca. Entre as brincadeiras
Maria F. de Rezende e.
Metodologia do ensino populares mais conhecidas está a Escravo de Jó. Uma brincadeira bastante an-
de arte. São Paulo: Cor- tiga, mas muito apreciada até os dias de hoje. Junte os seus colegas de sala e
tez, 1993. p. 42.
o(a) professor(a) e divirtam-se com mais esta brincadeira. Veja como jogar:
Arte \ Tempo de semear 221

Neste jogo, você usará pedrinhas e muita atenção.


Todos fazem uma roda, cada um com uma pedrinha
na mão. Deixe a pedrinha na sua frente. As pessoas
cantam a seguinte música:
Escravos de Jó jogavam caxangá
Tira, põe, deixa ficar…
Guerreiros com guerreiros fazem zigue-zigue-zá;
Guerreiros com guerreiros fazem zigue-zigue-zá.
Enquanto cantam, os participantes pegam a pe-
drinha à sua frente e colocam na frente do colega
da esquerda. Quando a música diz a palavra “tira”,
todo mundo levanta os braços, segurando a pedri-
nha. Quando diz “põe”, todo mundo abaixa os braços.
Quando diz “deixa ficar”, todo mundo solta a pedrinha
à sua frente. Quando diz “guerreiros”, volta a passar a
pedrinha para o lado. Mas quando diz “zigue-zigue-zá”,
todo mundo só faz que vai, mas volta, e depois, sim,
passa a pedrinha para o amigo.

Exercício Proposto
Momento de novas descobertas!

02) As brincadeiras populares são aquelas transmitidas de geração a gera-


ção, ou seja, elas faziam parte do cotidiano dos seus avós e foram passadas
para os seus pais até chegarem a você. Chegou o momento de você pes-
quisar e saber quais as brincadeiras que mais divertiam seus pais e avós.
Não se esqueça de anotá-las aqui e contar para os seus colegas de sala! Boa
EF2P-14-52

pesquisa!
222 Capítulo 5 – Jogos, brinquedos e brincadeiras \ Grupo 5

Brincadeiras da mamãe Brincadeiras do papai

Brincadeiras da vovó Brincadeiras do vovô

Atividade 21 • Brincadeiras à moda antiga


Exercício de Aplicação
Ative a memória!

01) Uma das brincadeiras populares mais antigas e mais praticadas nos dias
atuais é o jogo da memória. Quem não o conhece? É um jogo que, além de
ser divertido, trabalha a atenção e aguça a esperteza dos jogadores.
EF2P-14-52

Você já pensou em montar o seu jogo da memória? No final do livro, você


encontrará os encartes para desenhar e montar o seu jogo. Não se esqueça
de que os desenhos feitos no primeiro encarte deverão ser repetidos no
segundo. Use as mesmas cores para pintá-los e, logo em seguida, recorte-
-os para começar a jogar. Divirta-se!
Arte \ Tempo de semear 223

Exercício Proposto
Diversão à vista!

02) A amarelinha é uma brincadeira de rua muito tradicional no Brasil. Che-


gou aqui por meio dos portugueses. É uma brincadeira muito simples e
que sobrevive em tempos de Internet e jogos eletrônicos.
No espaço abaixo, faça um desenho que represente uma criança brin-
cando de amarelinha.
EF2P-14-52
224 Capítulo 5 – Jogos, brinquedos e brincadeiras \ Grupo 5

Anotações

EF2P-14-52

Interesses relacionados