Você está na página 1de 4

A Transparência Brasil é uma organização brasileira,

independente e autônoma.

Rua Francisco Leitão 339 cj 122


05414-025 São Paulo SP Brasil
Tel: 55 11 3062 3436
e-mail: tbrasil@transparencia.org.br
www.transparencia.org.br

Presidente: Eduardo Ribeiro Capobianco


Diretor executivo: Claudio Weber Abramo

Após um mês parado na Comissão de Ciência e


Tecnologia do Senado, projeto de lei de acesso a
informação tem relator
O senador José Bezerra (DEM-RN) será o relator do PLC 41/2010, que regulamenta o acesso
a informações públicas, na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e
Informática (CCT) do Senado. Bezerra terá pouco mais de um mês para apresentar seu
parecer, pois é suplente de José Agripino Maia (DEM-RN), cuja volta ao Senado está prevista
para 17 de novembro.
Caso Bezerra não apresente seu parecer antes da volta de José Agripino, o regimento interno
do Senado determina que a matéria volte para a presidência da CCT, para que seja designado
um novo relator. Em entrevista à Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji),
Bezerra disse que se empenhará para apresentar o parecer a tempo.

Sobre o PLC 41/2010


O projeto de lei de acesso a informação pública (PLC 41/2010) é resultado de discussão
iniciada em 2005 pela Transparência Brasil no Conselho de Transparência Pública e Combate à
Corrupção da Controladoria-Geral da União (CGU). Em 2006, como resultado de negociações
conduzidas pela Transparência Brasil, o então candidato à reeleição Luiz Inácio Lula da Silva
transformou o projeto de lei de acesso à informação em promessa de governo.
Em maio de 2009, por iniciativa do Executivo federal e após pressões exercidas pela
Transparência Brasil e outros atores junto à CGU e à Casa Civil, o projeto de lei
regulamentando o acesso a informações públicas foi enviado ao Congresso. Em abril de 2010, o
projeto foi aprovado na Câmara dos Deputados e enviado ao Senado.

O PLC 41/2010 aguardava um relator desde agosto. A designação de José Bezerra para o
cargo acontece logo após ação em que a Transparência Brasil, a Abraji e a ONG Artigo 19
questionaram 91 candidatos a senadores sobre suas intenções em relação ao projeto.
Dentre os senadores eleitos em 3 de outubro, 18 se comprometeram com a aprovação integral
do projeto de lei e 31 não se manifestaram. Aécio Neves (PSDB-MG) se manifestou de
maneira vaga, sem se comprometer com a aprovação integral. Quatro não foram consultados
pela Transparência Brasil, pois não se encaixavam no critério estabelecido para o envio do
questionamento (candidatos com mais de 10% das intenções de votos em pesquisas
eleitorais).

Senadores eleitos e posicionamentos – por UF


Em cinco estados, ambos os senadores eleitos se comprometeram a aprovar o PLC 41/2010.
As tabelas seguintes apresentam o quadro nas unidades federativas e o posicionamento do senador
eleito. Na coluna “Manifestação” há um link para uma página da Internet onde o texto enviado pelo
candidato está disponível.
UF Candidato Manifestação
AC Jorge Viana (PT) Não se manifestou
AC Petecão (PMN) Não se manifestou
AL Benedito de Lira (PP) Não se manifestou
AL Renan Calheiros (PMDB) Não se manifestou
AM Eduardo Braga (PMDB) Não se manifestou
AM Vanessa Grazziotin (PC do B) Não se manifestou
AP Randolfe (PSOL) http://tinyurl.com/RandolfeR
AP Gilvam Borges (PMDB) Não se manifestou
BA Lidice (PSB) http://tinyurl.com/LidiceM
BA Walter Pinheiro (PT) http://tinyurl.com/WPinheiro
CE Eunicio (PMDB) http://tinyurl.com/EunicioO
CE Pimentel (PT) Não se manifestou
DF Rollemberg (PSB) http://tinyurl.com/RRollemberg
DF Cristovam Buarque (PDT) http://tinyurl.com/CristovamB
ES Ricardo Ferraço (PMDB) http://tinyurl.com/RFerraco
ES Magno Malta (PR) Não se manifestou
GO Demóstenes Torres (DEM) http://tinyurl.com/DemostenesT
GO Lúcia Vânia (PSDB) http://tinyurl.com/LuciaVania
MA Edison Lobão (PMDB) Não se manifestou
MA João Alberto (PMDB) Não se manifestou
MG Aécio Neves (PSDB) http://tinyurl.com/AecioN
MG Itamar Franco (PPS) http://tinyurl.com/ItamarF
MS Waldemir Moka (PMDB) http://tinyurl.com/WMoka
MS Delcídio Amaral (PT) Não se manifestou
MT Blairo Maggi (PR) Não se manifestou
MT Pedro Taques (PDT) Não consultado
PA Flexa Ribeiro (PSDB) Não consultado
PA Marinor Brito (PSOL) Não consultado
PB Wilson Santiago (PMDB) Não se manifestou
PB Vitalzinho (PMDB) Não se manifestou
PR Gleisi Hoffmann (PT) http://tinyurl.com/GleisiH
PR Roberto Requião (PMDB) Não se manifestou
PE Humberto Costa (PT) Não se manifestou

2
UF Candidato Manifestação
PE Armando Monteiro (PTB) Não se manifestou
PI Wellington Dias (PT) Não se manifestou
PI Ciro Nogueira (PP) Não consultado
RJ Marcelo Crivella (PRB) http://tinyurl.com/MCrivella
RJ Lindberg Farias (PT) Não se manifestou
RN Garibaldi Alves Filho (PMDB) Não se manifestou
RN José Agripino (DEM) Não se manifestou
RS Paulo Paim (PT) http://tinyurl.com/PauloPaim
RS Ana Amélia Lemos (PP) http://tinyurl.com/AALemos
RO Fatima Cleide (PT) http://tinyurl.com/FatimaC
RO Ivo Cassol (PP) Não se manifestou
RR Romero Jucá (PMDB) Não se manifestou
RR Angela Portela (PT) Não se manifestou
SC Paulo Bauer (PSDB) http://tinyurl.com/PBauer
SC Luiz Henrique (PMDB) Não se manifestou
SE Eduardo Amorim (PSC) Não se manifestou
SE Antonio Valadares (PSB) Não se manifestou
SP Aloysio Nunes (PSDB) http://tinyurl.com/ANunes
SP Marta Suplicy (PT) Não se manifestou
TO João Ribeiro (PR) Não se manifestou
TO Marcelo Miranda (PMDB) Não se manifestou

O PLC 41-2010
No artigo 1º do Projeto de Lei da Câmara número 41 (protocolado no Senado em 2010) lê-se que o
texto “dispõe sobre os procedimentos a serem observados pela União, Estados, Distrito Federal e
Municípios, com o fim de garantir o acesso a informações” previsto na Constituição Federal.
De acordo com o artigo 3º, os procedimentos “devem ser executados em conformidade com os
princípios básicos da administração pública e com as seguintes diretrizes:
I – observância da publicidade como preceito geral e o sigilo como exceção;
II – divulgação de informações de interesse público, independentemente de solicitações;
III – utilização de meios de comunicação viabilizados pela tecnologia da informação;
IV – fomento ao desenvolvimento da cultura de transparência na administração pública;
V – desenvolvimento do controle social da administração pública”

3
Pontos principais
• Alcance: o projeto de lei afeta os órgãos públicos de todos os Poderes (Executivo, Legislativo e
Judiciário) e de todas as esferas (União, estados e municípios). O PLC 41/2010 atinge também
autarquias, fundações públicas, sociedades de economia mista e “demais entidades controladas direta
ou indiretamente pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios”;
• Prazos: os órgãos públicos deverão fornecer a informação solicitada em vinte dias, prorrogáveis por
mais dez mediante justificativa;
• Obrigação de publicar: todos os entes públicos devem publicar na Internet um conjunto mínimo de
informações, a saber:
o Competências e estrutura organizacional, endereços e telefones das respectivas unidades e horários de
atendimento ao público;
o Registros de quaisquer repasses ou transferências de recursos financeiros;
o Registros das despesas;
o Informações concernentes a procedimentos licitatórios, inclusive os respectivos editais e resultados
bem como a todos os contratos celebrados;
o Dados gerais para o acompanhamento de programas;
o Ações, projetos e obras de órgãos e entidades;
o Respostas a perguntas mais frequentes da sociedade.
• Apelação: Se um funcionário público se negar a fornecer informação, o solicitante poderá recorrer à
autoridade hierarquicamente superior. Se esta autoridade concordar que a informação deve ser retida,
tal decisão acompanhada de sua justificativa deve ser enviada ao Tribunal de Contas correspondente
(quando se tratar de informações contábeis) ou ao Ministério Público (quando se tratar de informações
essenciais à tutela de direitos fundamentais);
• Sanção: Após processo no qual poderá se defender o servidor público que se recusar a fornecer a
informação injustificadamente será punido com, no mínimo, uma suspensão.