Você está na página 1de 9

Imunologia II – Antígeno/Anticorpo

ANTÍGENO
Qualquer substância que pode ser especificamente conectada por um anticorpo ou por um
receptor de antígeno da célula T (TCR).
 Antígenos que se ligam a anticorpos → Grande variedade de moléculas biológicas,
incluindo açúcares, lipídeos, carboidratos, proteínas e ácidos nucléicos.
 Antígenos que se ligam a TCRs → Peptídeos.

Imunógeno: Moléculas capazes de ativar as respostas imunológicas.


Todos os imunógenos são antígenos, mas nem todos os antígenos são imunógenos.

¤ Substâncias particuladas (células, bactérias, esporos de fungos, vírus)


¤ Moléculas solúveis (proteínas, glicoproteínas, lipoproteínas).

 T- Dependentes: Antígenos que requerem a intervenção de linfócitos T para


desencadear a produção de anticorpos pelo linfócito B
 T- Independentes: Os antígenos são capazes de
estimular a produção de anticorpos pelos linfócitos B
sem o auxílio dos linfócitos T.

Determinante Antigênico ou Epítopo: Parte do antígeno que


entra em contato direto com o receptor do linfócito ou com o
anticorpo.
Uma única molécula antigênica normalmente possui vários
epítopos diferentes

Determinantes Antigênicos:

Hapteno: Pequenas moléculas orgânicas de estrutura simples que sozinhas não são capazes de
licitar uma resposta imune específica no hospedeiro. Ex. dinitrofenol

RESUMO – Alberto Galdino LoL


Imunologia II – Antígeno/Anticorpo

Reconhecimento de Antígenos

Captura e Apresentação dos Antígenos aos Linfócitos


Linfócitos T e B são diferentes em relação aos tipos de antígenos que reconhecem.
 Receptores de Antígenos de Linfócitos B (anticorpos) podem reconhecer uma ampla
variedade de macromoléculas (proteínas, polissacarídeos, lipídios e ácidos nucléicos) e
até pequenos químicos, na forma solúvel ou associada à superfície celular.
 Linfócitos T somente podem reconhecer fragmentos de peptídeos das proteínas
antigênicas e somente quando esses peptídeos são apresentados pelas moléculas
especializadas apresentadoras de peptídeos nas células hospedeiras.

-Os antígenos protéicos dos microorganismos que entram no


corpo são capturados pelas Células Apresentadoras de Antígenos
(APCs) profissionais localizadas nos epitélios e tecidos conjuntivos
e transportados para os órgãos linfóides periféricos ou são
capturados pelas APCs nos linfonodos e no baço
-APCs capturam os antígenos microbianos e os apresentam aos
linfócitos T naives.
-As células dendríticas são as APCs mais potentes para a ativação
dos linfócitos pré-imunes. Outro tipo importante de APC é o
macrófago
-Linfócitos B também ingerem antígenos protéicos e os
apresentam aos linfócitos T auxiliares.

-As APCs capturam microorganismos, digerem suas proteínas em


peptídeos e expressam na sua superfície esses peptídeos ligados a
moléculas MHC, as quais são moléculas especializadas de
apresentação de peptídeos
-APCs também podem ingerir células infectadas e apresentam os
antígenos para reconhecimento pelos LTs
-Linfócitos B são capazes de reconhecer antígenos microbianos
intactos em sua forma não processada (natural)
-Há também APCs especializadas que apresentam antígenos aos
linfócitos B.

→Restrição ao MHC
Clones diferentes das células T podem reconhecer peptídeos somente quando tais peptídeos
são apresentados pelas moléculas do MHC do próprio indivíduo.
As proteínas humanas do MHC são chamadas HLA (antígenos de leucócitos humanos).
A ativação dos linfócitos T naives exige o reconhecimento de complexos peptídeo-MHC
apresentados nas APCs.

RESUMO – Alberto Galdino LoL


Imunologia II – Antígeno/Anticorpo

MHC Classe I → Apresentam


peptídeos provenientes de
patógenos intracelulares, que
são formados no citoplasma, às
células T CD8.
MHC Classe II → Apresentam
peptídeos antigênicos derivados
de patógenos que se multiplicam
em vesículas intracelulares,
assim como aqueles
provenientes de bactérias
extracelulares endocitadas e
toxinas às células T CD4.

ANTICORPOS
São Glicoproteínas produzidas por plasmócitos em resposta a uma molécula estranha ou
microrganismo invasor reconhecido especificamente pelo linfócito B.
Também são principais mediadores da imunidade humoral contra todas as classes de micro-
organismos.
São específicos e diversificados.
Também chamados gamaglobulinas ou imunoglobulinas.

Podem existir de duas formas:


 Anticorpos conectados à membrana na superfície dos
linfócitos B → Receptores para antígenos.
 Anticorpos secretados que residem na circulação,
tecidos e locais mucosos → conectam antígenos,
neutralizam toxinas e evitam a entrada e
disseminação de patógenos.

Funções Secretoras dos Anticorpos


 Neutralização:
Ligam-se aos microorganismos e os
impedem de infectar células
 Ativação do complemento:
Ativam o sistema complemento pela via
clássica, e os produtos do complemento,
promovem fagocitose e destruição de
microorganismos
 Opsonização:
Revestem os microorganismos e os
transformam em alvo para a fagocitose.

RESUMO – Alberto Galdino LoL


Imunologia II – Antígeno/Anticorpo

Funções Efetoras dos Anticorpos

 Citotoxicidade mediada por células


dependente de anticorpos:
As células NK e outros leucócitos se
ligam a células recobertas por
anticorpos por meio dos receptores Fc
e destroem essas células.
 Hipersensibilidade Imediata: Os
anticorpos desencadeiam a ativação
dos mastócitos.

ESTRUTURA DAS IMUNOGLOBULINAS


Todas as moléculas de anticorpos compartilham as mesmas
características estruturais básicas, mas apresentam enorme
variabilidade na região de ligação aos antígenos.

Apresenta estrutura central simétrica, composta por duas cadeias leves


idênticas (amarelo) e duas cadeias pesadas idênticas (verde).
Os domínios constantes da cadeia pesada determinam o isotipo e as
funções efetoras do anticorpo.
As cadeias leves e pesadas contém uma série de unidades homólogas
repetidas, cada uma com cerca de 110 resíduos de aminoácidos de
comprimento, que se dobra independentemente em uma forma globular
denominada Domínio Ig.

As cadeias pesadas e as cadeias leves são compostas por Regiões


Aminoterminais Variáveis (Fab), que participam do reconhecimento de
antígenos, e Regiões Carboxiterminais Constantes (Fc) na qual medeiam as
funções efetoras das moléculas de anticorpo.
A especificidade de uma resposta de anticorpos é determinada pelo sítio de
ligação ao antígeno (região variável).
-Nas cadeias pesadas, a ‘região Variável’ é composta por um domínio Ig e a
‘região Constante’, por três ou quatro dominios Ig.
-Cada cadeia leve é composta por um domínio Ig da ‘região Constante’, e
um domínio Ig da ‘região Variável’.

RESUMO – Alberto Galdino LoL


Imunologia II – Antígeno/Anticorpo

CLASSES DAS IMUNOGLOBULINAS


Existem dois isotipos básicos de cadeia leve →
(“K”Kappa e “L”Lambda).
E cinco isotipos básicos de cadeia pesada →
(“G” Gama, “A” Alfa, “M” Mu, “D” Delta e “E” Epsilon).

→IgG
-Principal e mais abundante Ig no soro
-Atua principalmente no tecido
-Forma: monomérica
-Importante na resposta imune secundária
-Ativa o complemento
-Opsonização
-Atravessa placenta
-Subclasses: IgG1, IgG2, IgG3 e IgG4.

→IgM
Todas as células B virgens expressam IgM e IgD na superfície das célula. Porém pouco
anticorpo IgD é produzido em qualquer ocasião.
Os estágios iniciais da resposta de anticorpos são denominados por IgM.
-Primeiro anticorpo produzido
-10% do total de Ig
-Formas: pentamérica ( 10 antígenos podem se ligar simultaneamente)
-Alta afinidade
-Ativa o sistema complemento
-Opsonização.

→IgD
-Pouco abundante no soro
-Forma: Monomérica
-Função biológica incerta
-Vida curta
-Não ativa o complemento
-Níveis baixos não tem significado patológico

→IgA
-Segunda mais abundante no soro;
-Principal nas secreções (lágrimas, salivas, suco gástrico, secreções pulmonares)
-Atua principalmente nas superfícies corporais;
-Formas: Monomérica (corrente sangüínea) e Dimérica (geralmente nas secreções);
-Ativação do complemento fraca;
-Opsonização fraca
-Neutraliza vírus e bactérias;
-Subclasses: IgA1 e IgA2

RESUMO – Alberto Galdino LoL


Imunologia II – Antígeno/Anticorpo

→IgE
-Alta afinidade às superfícies de mastócitos, basófilos e eosinófilos
-Atividades inflamatórias
-Forma: Monômeros
-Imunidade contra parasitas
-Não ativa o complemento
-Reações alérgicas

INTERAÇÃO ANTÍGENO-ANTICORPO
 Afinidade:
Força de interação entre um único sítio de ligação Ag-Ac (em um único epítopo).
 Avidez:
Força de interações total entre Ac e Ag. Soma das afinidades dos epítopos envolvidos.
 Reação cruzada:
-Dois Ag diferentes apresentam um epítopo estruturalmente idêntico.
-Ac específicos para um epítopo se ligam a um epítopo não relacionado, mas com
propriedades químicas similares.

Aplicações
Os Anticorpos específicos podem ser usados para a
detecção de proteínas e células específicas, sendo,
portanto, aplicados nas áreas de saúde e em pesquisas
para o diagnóstico de doenças.
Ex.: Detecção de tipos sangüíneos: baseia-se na
propriedade de aglutinação de eritrócitos ou a partir do
reconhecimento de Ag de superfícies presentes nestas
células sangüíneas (Ag A e B).

Aplicações: Pesquisa, Diagnóstico, Soroepidemiologia


Métodos: Precipitação, Aglutinação, Imunoensaios

RESUMO – Alberto Galdino LoL


Imunologia II – Antígeno/Anticorpo

APROFUNDANDO NOS ASSUNTOS RELACIONADOS ÀS IMUNOGLOBULINAS

IgM - Perfaz aproximadamente 10% do conjunto de imunoglobulinas. Sua estrutura é


pentamérica, sendo que as cadeias pesadas individuais têm um peso molecular de aprox.
65.000 daltons e a molécula completa tem peso de 970.000!.As 5 cadeias são ligadas entre si
por pontes dissulfeto e por uma cadeia polipeptídica inferior chamada de cadeia J. A IgM é
encontrada principalmente no intravascular, sendo uma classe de anticorpos "precoces" (são
produzidas agudamente nas fases agudas iniciais das doenças que desencadeiam resposta
humoral). É uma proteína que não atravessa a placenta ( por ser grande). É encontrada
também na superfície dos linfócitos B de forma monomérica, realizando a função de receptor
de antígenos.

IgA - Representa 15-20% da simunoglobulinas do soro humano. No homem, mais de 80% da


IgA ocorre sob a forma monomérica e está presente sangue nesta forma. A IgA é a
imunoglobulina predominante em secreções: saliva, lágrima, leite, mucosas do trato
gastrointestinal, trato respiratório e genitourinário. Nestas secreções ela se une a um
componente secretor (70.000 daltons), e forma a IgA secretora. Esta é composta por duas
unidades (dimérica) ligadas a uma cadeia J unida na sua porção FC no componente secretor.
A função desse componente é proteger a molécula das enzimas hidrolíticas (destrutivas).
O principal papel da IgA é proteger o organismo de invasão viral ou bacteriana através das
mucosa.

IgG - É uma imunoglobulina monomérica simples de 150.000 daltons, cadeias pesadas tipo g,
que perfaz 80% das imunoglobulinas do organismo. Esta igualmente distribuída nos
compartimentos extracelulares e é a única que é normalmente atravessa a placenta. É o
anticorpo principal nas resposta imunes secundárias e a única classe antitoxinas.
A região FC realiza ativação de complemento ( quando unida ao antígeno) e auxilia a fagocitose
por se ligar a macrófagos. Com a ativação do complemento, há geração de quimiotaxia de
neutrófilos, aumento da permeabilidade vascular e amplificação da resposta inflamatória.

IgE - Está presente no soro em baixas concentrações. É encontrada na membrana de superfície


de basófilos e mastócitos em todos os indivíduos. Tem um papel importante na imunidade
ativa contra parasitas helmintos, atraindo os eosinófilos. Cinqüenta porcento dos pacientes
com doenças alérgicas tem altos níveis de IgE. A específica interação entre o antígeno e a IgE
ligada no mastócito resulta em liberação de histamina, leucotrienos, proteases, fatores
quimiotáxicos e citocinas. Esses mediadores podem produzir broncoespasmo, vasodilatação,
aumento da permeabilidade vascular, contração de músculo liso e quimioatração de outras
células inflamatórias ( eosinófilos p. exemplo).

IgD - IgD está presente no soro em concentrações muito baixas. É encontrada na superfície de
muitos linfócitos assim como IgM, onde provavelmente serve como receptor de antígeno. A
função dela não está muito bem definida.

RESUMO – Alberto Galdino LoL


Imunologia II – Antígeno/Anticorpo

Implicações Clínicas das Classes de Imunoglobulinas Humanas


Em certas patologias o nível de imunoglobulinas estará elevado ou diminuído. Isto pode servir
como uma pista para o diagnóstico, somando a outras provas laboratoriais e exame clínico. Por
tanto, quando estiver difícil de distinguir entre o diagnóstico diferencial, uma prova
laboratorial pode revelar o mais correto. Neste caso, o nível de algumas classes de
imunoglobulinas irá apontar para uma ou outra doença.

 IgG
O nível de IgG estará aumentado em:
 Infecções granulomatosas crônicas ( ex. tuberculose, sífilis, paracoccidioidomicose...)
 Infecções em geral
 Hiperimunização
 Doença hepática
 Desnutrição severa
 Artrite Reumatóide
 Doenças associadas com desordens dermatológicas ou granulomas de
hipersensibilidade.

O nível de IgG estará diminuído em:


 Agamaglobulinemia
 Aplasia linfóide
 Deficiência de IgA ou seletiva de IgG
 Mieloma IgA
 Proteinemia de Bence Jones
 Leucemia Linfoblástica Crônica.

IgM
O nível de IgM estará aumentado (adultos) em:
 Macroglobulinemia de Waldenström
 Tripanosomíase - fase aguda
 Actinomicose - fase aguda
 Doença de Carrión (bartonelose)
 Malária
 Mononuclease Infecciosa
 Lupos eritematoso
 Artrite Reumatóide
 Desgamaglobulinemias
Obs. No recém-nascido, um nível de IgM acima de 20 ng /dl é uma indicação de estimulação do
sistema imune in utero pelo vírus de rubéola, o citomegalovirus, sífilis, ou toxoplasmose.

O nível de IgM estará diminuído em:


 Agamaglobulinemia
 Distúrbios linfoproliferativos(certos casos)
 Aplasia linfóide
 Mieloma de IgG ou IgA
 Disgamaglobulinemia
 Leucemia de Linfoblastica Crônica.

RESUMO – Alberto Galdino LoL


Imunologia II – Antígeno/Anticorpo

IgA
O nível de IgA estará aumentado em:
 Síndrome de Wiskott-Aldrich
 Cirrose (a maioria dos casos)
 Certas fases das doenças do colágeno e autoimune, como artrite reumática e lupus
 Infecções Crônicas não baseadas em deficiências imunológicas
 Mieloma de IgA.

O nível de IgA estará diminuído em:


 Telangiectasia ataxia hereditária
 Deficiência Imunológica (por exemplo, disgamaglobulinemia, agamaglobulinemia
congênita e adquirida, e hipogamaglobulinemia)
 Síndromes de Malabsorção
 Aplasia Linfoide
 Mieloma de IgG
 Leucemia Linfoblástica Aguda
 Leucemia Linfoblástica Crônica.

IgD
O nível de IgD estará aumentado em:
 Infecções Crônicas
 Mieloma de IgD.

IgE
O nível de IgE estará aumentado em:
 Atopias da pele, como eczemas
 Febre de Feno
 Asma
 Choque Anafilático
 Mieloma IgE.

O nível de IgE estará diminuído em:


 Agamaglobulinemia Congênita
 Hipogamaglobulinemia devido a metabolismo defeituoso ou síntese de
imunoglobulinas.

RESUMO – Alberto Galdino LoL