Você está na página 1de 254

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS


Departamento de Letras Modernas
Estudos Lingüísticos e Literários em Inglês

INÁCIO PEDRO ABDULKADER FILHO

Uma tradução outra: a tradução dialógica


de Franz Rosenzweig posta em diálogo

SÃO PAULO
2009
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS
Departamento de Letras Modernas
Estudos Lingüísticos e Literários em Inglês

Inácio Pedro Abdulkader Filho

Uma tradução outra: a tradução dialógica


de Franz Rosenzweig posta em diálogo

Tese apresentada ao Departamento de Letras


Modernas da Faculdade de Filosofia Letras e
Ciências Humanas da Universidade de São Paulo
para a obtenção do título de Doutor em Letras.

Área de Concentração:
Estudos Lingüísticos e Literários em Inglês.

Orientadora:
Profa. Dra. Anna Maria Grammatico Carmagnani

SÃO PAULO
2009
AUTORIZO A REPRODUÇÃO E DIVULGAÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTE
TRABALHO, POR QUALQUER MEIO CONVENCIONAL OU ELETRÔNICO,
PARA FINS DE ESTUDO E PESQUISA, DESDE QUE CITADA A FONTE.

Serviço de Biblioteca e Documentação da


Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
da Universidade de São Paulo

Abdulkader Filho, Inácio Pedro


A136 Uma tradução outra : a tradução dialógica de Franz
Rosenzweig posta em diálogo / Inácio Pedro Abdulkader Filho ;
orientadora Anna Maria Grammatico Carmagnani. -- São Paulo,
2009.
252 f.

Tese (Doutorado -- Programa de Pós-Graduação em Estudos


Lingüísticos e Literários em Inglês. Área de concentração: Estudos
Lingüísticos e Literários em Inglês) -- Departamento de Letras
Modernas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
da Universidade de São Paulo.

1. Rosenzweig, Franz, 1886-1929. 2. Tradução (Técnicas;


Filosofia). 3. Filosofia – Século 20. 4. Lingüística aplicada. I.
Título.
21ª. CDD 418.02
I myself understand a poem only after I have translated it;
a compromising confession, but […] I can safely make it.
Franz Rosenzweig, 1924.
(trad. Nahum Glatzer, 1953)
Dedicatória

Sol

É Regina
energia
que me vem do alto.

É para ela este meu salto.

É ela que me chama pelo nome


que não some.
Eis-me aqui,
superadressee!

Amor forte,
Leitwort.

para Ana Lúcia e Fernando,


porque o homem é o filho da(s) criança(s).

em memória de Ignacio,
porque os ipês florescem em setembro.

para Helena,
por “toda a ternura que quero lhe dar”.
Agradecimentos para

Stella Tagnin, que vislumbrou,

João Azenha, que incentivou,

Helmut Galle, que alentou,

Francis Aubert, que apoiou,

Kanavillil Rajagopalan, que aconselhou,

para Lenita Rimoli Esteves, que vibrou,

e para Anna Maria Carmagnani,


que apostou.
Resumo

Abdulkader Filho, Inácio Pedro. Uma tradução outra: a tradução dialógica de Franz
Rosenzweig posta em diálogo. 2009. 252 f. Tese (Doutorado em Letras) Faculdade de
Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

O presente estudo enfoca o trabalho tradutório de Franz Rosenzweig, que


esse autor considerava um dos melhores exemplos de aplicação prática do sistema
filosófico apresentado em sua obra maior, A Estrela da Redenção. Entender de que
forma uma prática de tradução pode constituir-se em aplicação de uma filosofia tão
densa e carregada de noções teológicas, bem como compreender de que maneira o
minimalismo das inovadoras técnicas de tradução de Rosenzweig (que chegam a levar
em conta aspectos de nível fisiológico do leitor) pode propiciar que sejam alcançados
objetivos tão grandiosos quanto o “preservar-se na tradução o potencial de Revelação
do texto original”, são alguns dos objetivos deste estudo. Na busca de superar-se uma
dicotomia que é, indevidamente, pouco notada na obra de Rosenzweig, e também
para se dar conta de uma certa confusão de categorias teológico-filosóficas com
categorias lingüísticas, confusão essa que dificulta o trabalho de quem está voltado
primordialmente a aspectos de seu trabalho de tradução, Rosenzweig é posto em
diálogo principalmente com Bakhtin e Benjamin, mas também com Meschonnic. Assim,
o enigmático “potencial de Revelação do texto original” a ser preservado na tradução
vai sucessivamente se aclarando através de noções tais como a “responsividade do
enunciado” em Bakhtin, a “palavra que é resposta” e a “tempestividade na enunciação”
no próprio Rosenzweig, e o “ritmo” ou a “oralidade do texto” em Meschonnic. O passo
decisivo que nos leva a concluir que o que está em jogo nessa tradução dialógica
de Rosenzweig é um “traduzir de vivências na língua”, é dado através da noção de
“intensividade na linguagem [ou, na(s) língua(s)]” que é aqui reconhecida e desenvolvida
a partir da grande proximidade entre as filosofias de Bakhtin, Rosenzweig e Benjamin.
Essa proximidade central e profunda entre as filosofias desses três autores, e que
talvez não tenha sido devidamente aquilatada até aqui, é igualmente apresentada e
argumentada neste trabalho. Finalmente, essas técnicas tradutórias que se voltam
para vivências autorizam ainda duas conclusões, uma acerca desse traduzir, a outra
acerca da natureza da linguagem e das línguas: 1) a atitude tradutória de Rosenzweig
configura um bartheano writerly turn in translation; 2) é no plano da intensividade
na linguagem (e não no da referência), ou seja, é a partir de vivências na língua tais
como, p. ex., a da percepção do que há de polissêmico numa homofonia, que se dá
o sentimento de pertença de uma língua (nativa ou não). É a partir disso que uma
língua se torna para mim uma língua minha, e para uma comunidade ou para um povo
uma língua nossa.

Palavras-chave: Franz Rosenzweig. Tradução e filosofia. Técnicas de tradução.


Intensividade na linguagem. Vivências na língua.
Abstract

Abdulkader Filho, Inácio Pedro. An other translation: the dialogic translation of Franz
Rosenzweig is put to dialogue. 2009. 252 f. Thesis (Doctorate of Letters) Faculdade
de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

This study examines the translation work of Franz Rosenzweig (1886-1929),


which he considered to be one of the best examples of a practical application of the
philosophy expounded in his major work, The Star of Redemption (1921). Some of
the aims of this study are to understand how a translation practice may constitute an
application of such a dense philosophy so much loaded with theological concepts, and
also to make sense of how the “minimalism” of Rosenzweig’s innovative translation
techniques (some of which take into account aspects that involve the physiological
level of the reader) manage to reach objectives of such “grandeur” as the preserving,
in translation, of “the Revelation potentially present in the original text”. Furthermore,
in order to overcome a not much noticed dichotomy in Rosenzweig’s thought, and also
to surmount a certain confusion of theological-philosophic categories with linguistic
categories which makes difficult the job of someone mainly focused in his translation
work, Rosenzweig is here put in dialogue, mainly with Bakhtin and Benjamin, but
also with Meschonnic. In this way, the enigmatic “Revelation potential of the original
text”, that must be kept in translation, is clarified by a series of notions such as the
“respondibility of speech” in Bakhtin, the “word-and-response” and the “due-time
speech” in Rosenzweig himself, and the “rhythm” and the “orality of the text” in
Meschonnic. The decisive step that allows us to conclude that what is here at issue is a
“translation of experiences lived in a language”, is given via the notion of “intensiveness
in language (or in the languages)” which we here recognize and develop. This is done by
starting from key concepts in Bakhtin, Rosenzweig and Benjamin, concepts that prove
to be very close to each other. This close proximity of the philosophies of these three
authors is a fact—as far as we know not fully noted up to now—which we also argue
for in the present work. Finally, this “translation of experiences lived in a language
into experiences lived in another language” allows for two further conclusions to be
reached in the present work, one concerning the nature of such a translation, the
other concerning the nature of language: 1) Rosenzweig’s attitude as translator may
be understood as a Barthean writerly turn in translation; 2) it is within intensiveness
(and not reference) in language, i. e., it is via experiences such as, for example,
the perceiving of the polisemic potential of a homophony, that one “feels” that a
language (native or not) belongs to him or her. It is via this kind of “experiences lived
in a language” that this language becomes for me (one of) my language(s). Thus it
becomes, for a community or a people, our language.

Key-words: Franz Rosenzweig. Translation and philosophy. Translation techniques.


Intensiveness in language. Lived experiences in a language.
Sumário

Introdução 13
1. Os objetivos 13
2. A tese 15
3. Os passos 16

CAPÍTULO 1 18
FRANZ ROSENZWEIG E O SPEECH THINKING 18

1. Introdução 18
2. Origens e formação 22
3. Religião e guerra 23
4. A Estrela da Redenção e a ética como “primeira filosofia” 25
5. Ação e sofrimento 26
6. Pensando Novo 28
6.1 Vivendo novo 32
7. Hermeneutas dialógicos 34
7.1 Martin Buber 35
7.2 Paul Ricoeur e a confiança na linguagem 37
7.3 Paul Ricoeur e a tradução 39

CAPÍTULO 2 41
TRADUÇÃO DIALÓGICA 41

1. Introdução 41
2. Tradução e tradição 41
2.1 Lutero 42
2.2 Schleiermacher e Goethe 43
3. A Tradução à véspera da Filosofia 44
4. Tradução dialógica 45
5. Filosofia/Teologia e prática de tradução: o macro, o meso e o micro da
tradução dialógica. 48
6. O sagrado e o profano 49
7. Presença e Unidade. 53
8. Leitwörter e colae 56
CAPÍTULO 3 59
TRADUZINDO A ENUNCIAÇÃO: BAKHTIN, ROSENZWEIG E A TRADUÇÃO DIALÓGICA 59

1. Introdução 59
2. Eventicidade 61
3. Filosofia 62
4. Ética, “responsividade” e “arquitetônica”. 66
5. Teologia 69
5.1 Schelling 72
6. A “palavra dialógica” e a “dialogização das línguas”. 72
7. Enunciação 77
8. Um enunciado que cale fundo. 81
8.1 Entonação expressiva 84
9. Em conclusão 86

CAPÍTULO 4 87
LINGUISTIC RETURN 87

1. Introdução 87
2. Linguistic Return 88
2.1 Falando a realidade 89
3. O declínio da palavra-acontecimento e o advento do rational turn 91
4. Tempo certo 94
5. Sagrado Profano 97
6. O livro focal da Revelação. 102
7. A Gramática em A Estrela da Redenção 103
7.1 O Proto-Cosmos 103
7.2. Revelação 105
7.3. Palavra e resposta 107
7.4. O nome próprio 109
8. O Cântico dos Cânticos e A Estrela da Redenção 110
8.1 O pensamento gramático aplicado ao Cântico dos Cântcos. 112
9. Em conclusão 114
CAPÍTULO 5 116
TRADUZINDO A INTENSIVIDADE: BENJAMIN, ROSENZWEIG E A TRADUÇÃO
DIALÓGICA 116

1. Introdução 116
2. Benjamin e Rosenzweig 117
3. A tarefa do tradutor Franz Rosenzweig 120
4. A Língua Sagrada (leshon haqodesh) e a Pura Linguagem (reine Sprache) 122
4.1 Língua e linguagem 123
5. Teologia da Linguagem, teologia na linguagem 129
5.1 A novidade em “A Linguagem” e sua relevância para “A Tarefa” 131
5.2 “A Linguagem” de Benjamin e o pensamento de Rosenzweig 132
5.2.1 A Revelação em “A Linguagem” 133
5.2.2 O nome em A Estrela 136
5.2.3 Profunda proximidade maior: fulcros que se encadeiam. 138
5.2.3.1 O vértice é a Revelação em Rosenzweig 140
5.3 Intensividade 142
6. Traduzindo a intensividade: “A Tarefa” e as técnicas de tradução do
Halevi 145
6.1 Fidelidade e liberdade 146
6.2 O Halevi, a recriação da intensividade e a tradução dialógica. 148
6.2.1 Rima 149
6.2.2 Métrica 150
6.2.3 Estilo 151
6.2.4 Escolha das palavras 153
7. Em conclusão 155

CAPÍTULO 6 157
MESCHONNIC AVANT LA LETTRE: BUBER-ROSENZWEIG E O RITMO, BENJAMIN
E O MODO DE DESIGNAR 157

1. Introdução 157
2. Meschonnic, Rosenzweig, Benjamin 158
3. Colometria, oralidade, ritmo 159
3.1 O movimento da fala 162
4. Historicidade 164
5. O signo e a significância, a referência e a intensividade 167
5.1 Meschonnic e Benjamin 169
6. Leitwörter, poética, sistematicidade, traduzibilidade 171
6.1 As Leitwörter e a poética do traduzir de Buber-Rosenzweig 173
6.2 A poética do traduzir vivências. 176

CAPÍTULO 7 178
CORPO, TEXTO, VIDA, LÍNGUA 178

1. Introdução 178
2. Corpo e texto 178
3. Doug’s dream come true 180
4. Texto e vida 185
4.1 Pluralidade, conotação, comentário 186
4.2 Mais conotação 189
4.3 Leitwörter e comentário: “En ce moment même” 192
4.3.1 Não por acaso esse exemplo 195
4.3.2 Uma nova forma de escrever 196
5. Vida e língua 202
5.1 Sons e marcas 203
5.2 O que não há em Okinawá 205
5.3 Nossa língua 207

CONCLUSÃO 210

APÊNDICE 213
“A Tarefa do Tradutor”: um guia dos perplexos
(with a little help from Franz Rosenzweig) 213

Bibliografia 242
13

Introdução

Não consigo imaginar como este livro pode conseguir não ser egoísta; e, para dizer a
verdade, não consigo absolutamente imaginar como ele pode conseguir não ser chato. A
chatice, todavia, me livra da acusação que mais lamento; a acusação de ser superficial.
G. K. Chesterton, 1908.
(trad. Almiro Pisetta, 2008)

1. Os objetivos

O presente trabalho, que toma a forma de um longo ensaio, enfoca a prática


tradutória de Franz Rosenzweig (1886-1929), filósofo, teólogo, tradutor. A motivação
é tripla: a tradução de Rosenzweig empregou técnicas reconhecidamente inovadoras
e desafiadoras da visão tradicional; veio acompanhada de uma reflexão a um tempo
esclarecedora e instigante sobre seu trabalho de tradutor e o traduzir em geral; foi
por ele colocada—essa tradução, esse trabalho de tradutor—como um grande exemplo
de uma aplicação prática de sua filosofia.
Uma tradução que se diz aplicação prática de uma filosofia certamente merece
ser examinada. Entender como isso se dá, como um trabalho de tradução pode ser a
aplicação de uma filosofia, é um dos objetivos do presente trabalho.
Mas no caso específico de Rosenzweig há, note-se, um alcance maior. Técnicas
tradutórias—algumas quase inesperadas—são por ele descritas, justificadas e aplicadas
para construir uma prática de tradução que, diz o autor, é uma aplicação prática
de sua filosofia. E não de qualquer filosofia, mas do sistema filosófico de A Estrela
da Redenção (1921), uma das grandes obras primas do séc. 20, cujos paralelos com
(e antídotos ao) Ser e Tempo (1927) de Heidegger são reconhecidos já de há algum
tempo (Souza, 1999, p. 14; Nef, 2004, pp. 166, 932).
Eis aí, portanto, um âmbito bem amplo que parte do, digamos, minimalismo
da técnica, constrói o textual, i.e., o texto que é o produto final da prática de
tradução em si, e atinge o grandioso de um objetivo filosófico (no caso, um objetivo
teológico-filosófico).
Entender essa amplitude e o que ela representa para a natureza do traduzir—
entender, p. ex., como algo tão mínimo quanto a atenção “à disposição gráfica na folha
impressa”, ou o ter em conta “o tempo entre duas tomadas seguidas da respiração”
de quem lê essa folha impressa, podem estar propiciando que a “Revelação se dê
Introdução 14

na vida do leitor” do texto traduzido da Bíblia Hebraica—, é um outro objetivo do


presente estudo.
No sentido inverso, é preciso que se busque compreender a filosofia que levou
à prática tradutória. A Estrela da Redenção é uma obra densa, que vem redigida
num vocabulário teológico. Publicada em 1921 ela foi recebida com uma indiferença
inesperada para o autor, mas previsível dada a complexidade da obra e o fato de ter
sido redigida

num virtual idioleto compartilhado [tão somente] por seu círculo de amizades.
[Nela, Rosenzweig] advoga uma transformação do pensamento [que, de baseado
na ‘razão’] deve adotar o novo organon [i.e., instrumental] da fala (speech)
e da performance gestual [i.e., todo o gestual—corporal, do olhar e facial—de
quem fala]1 (Gibbs, 2000, p. 25).

Haverá, portanto, que se entender esse linguistic turn filosófico e teológico


que visa construir uma nova epistemologia em que a Revelação, que é a noção básica
em Rosenzweig, venha a se constituir numa categoria tão válida quanto as usualmente
aceitas para aquisição do conhecimento.
Ademais, e ainda na linha do que vai dito poucos parágrafos acima, entender-
se como algo que é texto pode tornar-se Revelação na vida individual de alguém, ou
melhor, entender-se como um texto se faz vida (abstraída dessa análise a Revelação,
ou qualquer outra categoria não textual), é um aspecto que há de interessar a quem,
tradutor ou não, vive por dever de ofício às voltas com textos.
Por tudo isso, a obra filosófica de Rosenzweig será também objeto de consideração
no presente trabalho, um terceiro objetivo que se espraia por este texto afora.
Buscaremos analisá-la em alguma extensão, ainda que apenas topicamente e na
medida em que isso for importante para um entendimento do que se passa no seu
trabalho de tradução.
O porquê de chamarmos “dialógica” a tradução de Rosenzweig—uma tradução
“outra”2, que não se atém apenas à recuperação do sentido—será esclarecido mais

1
Salvo quando indicado, são minhas todas as traduções de excertos da bibliografia.
2
O leitor encontrará entre aspas no texto, palavras ou expressões que não são citações curtas da
bibliografia. A elas não se segue, portanto, os usuais parênteses indicativos da fonte, que sempre se
seguirão no caso de citações bibliográficas. Essas aspas são utilizadas pelo autor desta tese quase
sempre—como é aqui o caso—com o objetivo de enfatizar o que é colocado entre as aspas, e nunca
com o intuito de procurar expressar qualquer incômodo quanto a um conteúdo que a acepção do
termo não alcança mas o autor quer sugerir. Mais raramente, como no caso da expressão “tradução de
vivências” na próxima página, o que está entre aspas é uma paráfrase de um conceito que já foi, ou
será, apresentado e discutido. Finalmente, como é usual, títulos de artigos aparecem no texto entre
aspas (p. ex.,”A Tarefa do Tradutor”).
Introdução 15

adiante no capítulo 2. O que deve ainda aqui ser ressaltado é um último aspecto que
traz toda uma dimensão adicional a este trabalho.
Na busca de se entender o que se passa na sua tradução dialógica, Rosenzweig
será posto em diálogo—e eis aí um quarto objetivo—, principalmente com Mikhail
Bakhtin e Walter Benjamin, mas também com Henri Meschonnic e, menos, com Douglas
Robinson. Além disso, conceitos de Roland Barthes e o “caso prático” de um texto em
que Derrida comenta Lévinas serão utilizados para investigar-se, à luz de Rosenzweig,
a conexão texto-vida à qual nos referimos pouco acima.
Esses serão diálogos de inter-iluminação. Não apenas o que se passa na
tradução de Rosenzweig será esclarecido através desses autores, mas muito do que
neles há de críptico se verá esclarecido pelo pensamento e pela prática tradutória
de Rosenzweig.

2. A tese

A tese é a de que essa outra tradução, que não é só a do sentido, traduz


vivências na língua. Vivências que vão desde algo tão “básico” quanto a produção de
um som pela glote, até algo tão “elaborado” quanto a vivência de uma historicidade.
Mas sempre vivências na língua. E o que isso quer dizer é que essas são vivências que
um falante da língua as tem justamente porque fala aquela língua. São essas vivências
de um falante na língua de partida que devem, tanto quanto possível, ser trazidas
pelo tradutor dialógico para a língua de chegada, de tal forma que um falante dessa
outra língua também as tenha em sua língua de chegada.
A conclusão de que a tradução dialógica é “tradução de vivências” é, ademais,
atingida ao cabo de uma série de teses intermediárias que vão sendo propostas ao
longo do trabalho, todas elas visando entender o que está sendo preservado na prática
tradutória de Rosenzweig.
Essa série se inicia com o “potencial de Revelação do texto original” que
Rosenzweig diz explicitamente que visa preservar na tradução, e vai sucessivamente se
aclarando através de noções tais como a “responsividade do enunciado” em Bakhtin, a
“palavra que é resposta” e a “tempestividade na enunciação” no próprio Rosenzweig,
e o “ritmo” ou a “oralidade do texto” em Meschonnic. O passo decisivo é dado através
da noção de “intensividade” que é aqui reconhecida e desenvolvida.
A derivação dessa última noção, por outro lado, se dá a partir de um outro
ponto que o presente trabalho constata: o de que a proximidade entre os pensamentos
Introdução 16

de Bakhtin, Rosenzweig e Benjamin é bem mais profunda e central do que, talvez,


tenha sido reconhecido até aqui.
Finalmente, essas técnicas tradutórias que se voltam para vivências autorizam
ainda duas conclusões, uma acerca desse traduzir, a outra acerca da natureza da
linguagem e das línguas: 1) a atitude tradutória de Rosenzweig configura um bartheano
writerly turn in translation; 2) é no plano da intensividade na linguagem (e não no da
referência), ou seja, é a partir de vivências na língua tais como, p. ex., a da percepção
do que há de polissêmico numa homofonia, que se dá o sentimento de pertença de
uma língua (nativa ou não). É a partir disso que uma língua se torna para mim uma
língua minha, e para uma comunidade ou para um povo uma língua nossa.

3. Os passos

Do que foi visto acima, o objetivo do presente estudo, o de se entender o que


se passa na tradução dialógica de Rosenzweig, pode ser encarado em termos de uma
tarefa. A tarefa de preencher o gap que existe entre uma filosofia que é formulada
num vocabulário teológico, e as técnicas tradutórias que, descritas num vocabulário
sub-textual, constroem a prática tradutória que é uma aplicação dessa filosofia. Numa
frase: preencher o gap entre Revelação e respiração.
Os passos, ou sub-tarefas, são no entanto numerosos:

• O capítulo 1 apresenta os fatos básicos da vida e obra de Rosenzweig, traça as


características do seu speech thinking e reconhece uma dicotomia que produz
em sua obra um desbalanceamento importante, o qual precisará ser enfrentado
e trará conseqüências para a metodologia do presente trabalho.

• O capítulo 2 apresenta a tradução dialógica de Franz Rosenzweig, descreve


a tradição na qual ela se insere, argumenta seu embasamento num objetivo
filosófico-teológico maior, e formula várias questões que a reflexão tradutória
de Rosenzweig suscita e que deverão ser respondidas nos capítulos seguintes.

• O capítulo 3 apresenta as bases e influências filosóficas comuns a Rosenzweig e


Bakhtin, que se revelam bem mais relevantes do que tem sido reconhecido até
aqui. Isso autoriza a utilização do ferramental metalingüístico de Bakhtin para
que se busque explicar—no nível metalingüístico bakhtiniano—a tradução dialógica
de Rosenzweig. O capítulo conclui com a constatação de que a “enunciação”
bakhtiniana deve estar preservada numa tradução dialógica.
Introdução 17

• O capítulo 4 aprofunda-se no speech thinking, examinando o linguistic turn em que


Rosenzweig se insere e a forma como opera o seu “pensamento gramático”. Uma
necessária dessacralização da noção de “sagrado” é levada a cabo e a dicotomia
apontada no capítulo 1 é desfeita (mas não o seu conseqüente desbalanceamento,
que permanece).

• No capítulo 5 a proximidade entre Rosenzweig e o Benjamin de “A Tarefa


do Tradutor” é apresentada com vistas a um aprofundamento do que vai na
tradução dialógica. Ademais, a centralidade do que aproxima os pensamentos
de Rosenzweig, Benjamin e Bakhtin é argumentada, e a partir daí a noção de
“intensividade” na linguagem, central para o presente trabalho, é desenvolvida.
Técnicas tradutórias através das quais Rosenzweig traduz o “modo de designar”,
tal como definido e advogado por Benjamin em “ A Tarefa”, são examinadas ao
fim desse capítulo. Um exame completo do texto de “A Tarefa do Tradutor” à
luz de Rosenzweig é apresentado no Apêndice deste trabalho.

• O capítulo 6 analisa as duas técnicas tradutórias mais “revolucionárias”, a da


colometria e a das Leitwörter, que Buber e Rosenzweig utilizam em sua tradução
da Bíblia. Para tanto Rosenzweig é posto, junto com Benjamin, em diálogo com
Henri Meschonnic. O capítulo se encerra argumentando, a partir da noção de
intensividade, que a atenção a vivências na língua é o foco maior da tradução
dialógica.

• No capítulo 7 se dá o passo final “do texto à vida e à língua”. Esse passo é dado
sob duas óticas. 1) Uma ótica “corporal” na qual a “somática da tradução”
de Douglas Robinson é brevemente enfocada, e seu alcance ante a noção de
“vivências na língua” que aqui empregamos é avaliada. 2) Uma ótica “textual”,
que se serve da noção de texto writerly (ou scriptible, ou de jouissance) em
Roland Barthes para concluir que a tradução dialógica de Rosenzweig pode ser
entendida como um writerly turn in translation. O capítulo se encerra com um
exemplo no qual o que se traduz é a vivência de um “brincar com a língua”. Isso
permite concluir, com Rosenzweig, que é no plano da intensividade, é a partir
de vivências na língua que “uma língua” se torna “a minha língua”, e “a nossa
língua”.
18

CAPÍTULO 1

FRANZ ROSENZWEIG E O SPEECH THINKING

For whatever one may say about the deficiencies of translation, it is and remains
one of the most important and dignified enterprises in the general commerce
of the world. The Koran says: ‘God has given every nation a prophet in its
own language’. Thus every translator is a prophet among his people.
Johann Wolfgang Goethe, 1827.
(trad. Lefevere, 1977)

1. Introdução

Se assim é, se como diz Goethe “o tradutor é um profeta entre seu povo”,


o judeu-alemão Franz Rosenzweig (1886-1929) talvez tenha sido um dos que mais
plenamente viveu essa condição, e isso numa dimensão que talvez vá além do que
Goethe, o “decidido não-cristão” segundo Rosenzweig (2001a, p.130), pretendeu
exprimir.
Neste primeiro capítulo consideraremos brevemente o posicionamento de
Rosenzweig no quadro do pensamento do sec. 20 e examinaremos alguns aspectos de
sua vida e filosofia, principalmente o seu speech thinking. Apontaremos, em especial,
um certo “desbalanceamento” que deve ser reconhecido (e superado) em sua obra,
e que traz conseqüências para a metodologia do presente trabalho. O capítulo se
encerra com a consideração de alguns conceitos de dois autores, Martin Buber e Paul
Ricoeur, que nos servirão para a reflexão dos próximos capítulos.
“Meu verdadeiro ‘desenvolvimento literário’ desde 1920 tem sido no campo
da tradução” (Rosenzweig, apud Glatzer, 1998, p. 100), observou Rosenzweig no
início daquela década como que numa premonição do que seria doravante um dos
cernes de sua atividade. E em “O Novo Pensamento” [“Das Neue Denken”], um ensaio
publicado em 1925 e que supre a falta do prólogo que em 1921 julgara desnecessário
ao seu magnum opus, A Estrela da Redenção (Rosenzweig, 2000a, p. 109), uma frase
diz: “As Notas a [minha tradução de] Jehuda Halevi contém instrutivos exemplos da
aplicação do ‘novo pensamento’” (id, p. 128). Ou seja, Rosenzweig considerava seu
trabalho de tradução, e a reflexão (tradutória ou não) que essa prática suscitava,
como uma importante aplicação prática do sistema filosófico que desenvolvera em A
Estrela da Redenção.
Esse livro monumental completado em 1919 e publicado em 1921, foi julgado
obscuro por seus primeiros leitores, aparentemente para surpresa de seu autor. A
isso se somou a circunstância histórica da ascensão do nazismo em 1933, e tudo o
Capítulo 1 19

que a ela se seguiu, para que toda a obra de Rosenzweig passasse por longo tempo
despercebida.
Somente a partir da década de 1950 o estudo dessa obra foi retomado na
Alemanha com os trabalhos de Bernhard Casper e Reinhold Mayer (Souza, 1999, p.
14). Reconheceu-se sua influência em Walter Benjamin, e se estabeleceu um paralelo
entre A Estrela da Redenção e Ser e Tempo (1927) de Heidegger (o artigo pioneiro
nesse sentido é de Karl Löwith já em 1942 [id.]).
Na França, foi preciso que Emmanuel Lévinas se declarasse fortemente
influenciado pela obra de Rosenzweig (Lévinas, 1982, pp. 69-70; Narbonne, 2004, p.
92, n. 195), uma obra, no dizer de Levinas, “criada como que num transe fervoroso
de gênio” (Lévinas, 1992, p.14), para que ela ganhasse a merecida estatura e o devido
alcance filosófico.
Em língua inglesa a introdução de Rosenzweig se deu em 1953 com a publicação
de uma Vida e Obra por Nahum Glatzer que é praticamente uma autobiografia epistolar,
reeditada em 1998. Outra importante obra em língua inglesa, Stahmer, 1968, que
muito nos valeu por apresentar o pensamento de Rosenzweig e de outros “pensadores
da palavra” contemporâneos seus, não foi, infelizmente, reeditada.
No Brasil, Rosenzweig é ainda pouco conhecido. A publicação que introduziu
seu pensamento é de Ricardo Timm de Souza (Souza, 1999), e a tese pioneira que
enfoca sua tradução—a qual o presente trabalho tem a esperança de, modestamente,
complementar—é de Maria Clara Castellões de Oliveira (Oliveira, 2000)1. Em setembro
de 2008 realizou-se, em Passo Fundo, um primeiro “Seminário Filosofia e Política em
Rosenzweig” e iniciou-se um Grupo Inter-institucional de Estudos sobre Rosenzweig.
Globalmente, a influência de Rosenzweig revelou-se mais extensa desde que
em 1986 se realizou na Alemanha um primeiro congresso internacional por ocasião
do centenário de seu nascimento. Em 2004 foi criada em Kassel, na Alemanha, uma
Sociedade Internacional Rosenzweig. O trabalho inspirado por Rosenzweig inclui hoje
o que de melhor o pensamento judeu pós-moderno tem produzido, e que se abre
para além do judaísmo numa atitude francamente ecumênica. Exemplos disso são o
“textual reasoning” de Peter Ochs2 e a “ética de responsabilidade” de Robert Gibbs
(Gibbs, 2000).
1
A bela tese de Oliveira enfoca principalmente o entre-lugar do “hifenizado” judeu-alemão Rosenzweig
enquanto locus enunciatório e estratégia discursiva que determinam suas posturas tradutórias.
Reconhece, ademais, a partir de diálogos de Rosenzweig com Derrida e Benjamin a existência de
um específico pensamento tradutório judaico, e traça paralelos com um outro tradutor que enuncia
de um entre-lugar, o latino-americano Haroldo de Campos. Já o presente trabalho tem um enfoque
menos discursivo e talvez mais “lingüístico”, buscando entender “o quê” está sendo traduzido quando
Rosenzweig aplica suas técnicas, e de que forma elas são determinadas por uma filosofia (cum teologia)
que adota a linguagem como organon.
2
Veja-se, p. ex., The Journal of Textual Reasoning: Rereading Judaism after Modernity, Vol 1.1,
Electronic Text Center, University of Virginia, 2002, publicação acadêmica cujo lançamento Ochs conduziu
em conjunto com Robert Gibbs e Stephen Kepnes, e em especial o que nela há, como em Rosenzweig,
Capítulo 1 20

Rosenzweig é também hoje um dos autores judeus mais lidos pelos teólogos
cristãos. Nele se reconhece “uma reflexão dialógica [e] uma defesa existencial e
personalista da religião”, (Splett, 1998, p. 982), uma providência divina não voltada
para os indivíduos mas “para uma universal interconexão entre as coisas, que Deus
renova dia a dia por meio de uma criação contínua” (Auletta, 1998, p. 950), e uma
visão da revelação como promessa da presença de Deus na comunidade (Lacoste,
1998, p. 422).
Essa linha remonta ao nomen misercodiae, um dos dois “nomes de Deus” de
Agostinho (id, 420), e esse é um aspecto interessante que merece ser aqui considerado
por envolver, desde a Antigüidade, um disputado problema de tradução que trazia
embutido em si o debate filosófico cuja definição veio a estabelecer o que hoje é o
mainstream da filosofia. E a relegar a linha na qual o pensamento de Rosenzweig se
insere a um plano secundário.
O nomen misericordiae corresponde ao “primado do bem” ou seja, o “Deus
de Abraão, de Isaac, de Jacó” (Ex 3, 15). O outro nomen agostiniano, correspondente
ao “primado do ser”, é o nomen substantiae de Ex 3, 14, o “eu sou o que sou”,
filologicamente indefensável, mas que foi adotado por Jerônimo, contemporâneo de
Agostinho e tradutor da Vulgata. Mais próximo do hebraico, p. ex., é o “eu serei quem
eu serei”, adotado por Áquila e Teodósio (id).
Essa discussão sobre qual dos dois primados, o do bem ou o do ser, corresponde à
natureza de Deus, prosseguiu pela Idade Média latina. Ela ditou a origem da Modernidade,
quando no nomen substantiae o Ser Absoluto de Aquino (um “ser” verbo no infinitivo,
que é lampejo em toda criatura) foi substituído pelo Ser Infinito de Duns Scotus (onde
“ser” é o substantivo sinônimo de “ente”). O Infinito, e não a Transcendência, passou
então a ser o atributo distintivo de Deus, agora um ente “ontológico” (palavra que é
um neologismo da modernidade) como suas criaturas.
Foi o declínio da teologia e a ascensão da metafísica, a princípio denunciada
como uma “idolatria pela criatura”, mas que iniciou e ditou o pensamento moderno
com sua busca de Deus através da razão e dentro do presente histórico da experiência
(Milbank, 1997a , pp. 44-45).
Dessa forma—e na contra-corrente do pensamento “racional” que veio a
firmar-se e permanece até hoje—, o viés relacional e não-substantivo que o nomen
misericordiae representa ficou restrito, desde a transição para a modernidade,
apenas a ontologias místicas do ser análogas à de Eckhart, contemporâneo de Duns
Scotus (id., p. 45), ou a teorias do primado lingüístico da mediação divina como em

de valorização e exploração de um método “rabínico” de pensamento. Quanto aos desdobramentos


ecumênicos, v. The Journal of Scriptural Reasoning, Vol. 1, No. 1 – Aug. 2001, publicação da Society
for Scriptural Reasoning, um capítulo da American Academy of Religion dedicada ao “diálogo entre
judeus, cristãos e muçulmanos sobre a interpretação da Escritura nas tradições abraâmicas”. O artigo
de David F. Ford nesse número (Ford, 2001) apresenta uma boa introdução ao pensamento de Ochs.
Capítulo 1 21

Boaventura (id., p. 46). E seguiu sempre como que subterrâneo durante o período
moderno. No século XVIII aflorou, mas sem firmar-se, em teorias como as de George
Berkeley, Robert Lowth, Giambattista Vico, Johann Gottfried Herder e Johann Georg
Hamann (Milbank, 1997b pp. 63-79 e 1997c, pp. 97-105), sendo que este último, como
veremos no cap. 4, foi o grande precursor do linguistic turn em que Rosenzweig se
insere. No séc. XIX, pode ser reconhecido em Kirkegaard (Milbank, 1997a, p. 42 e
1997b, p. 70; Splett, 1998, p. 982).
No séc. 20 essa visão ressurge enfim, “dadas as crises e reviravoltas provocadas
pelas guerras modernas”, diz-nos Splett, nas obras de “F. Ebner, M. Buber, E. Rosenstock-
Huessy, F. Rosenzweig, e R. Guardini” (id.). E aí então o dialógico Rosenzweig pode
traduzir (com o filológico Buber) o nome de Deus em Ex 3, 14 de uma forma que está
bem em linha com sua visão da revelação como uma promessa de presença: “eu sou
aquele que lá [convosco sempre] estarei”.
Essa relação, citada logo acima por Splett, de nomes de autores alemães
contemporâneos de Rosenzweig é significativa para o que aqui nos concerne. À exceção
do último citado (cuja obra principal foi escrita em 1939, após a morte de Rosenzweig),
e adicionando-se à lista o nome de Florens Christian Rang, tem-se o que poderíamos
muito propriamente denominar um “círculo de Rosenzweig”.
São esses os autores que Rosenzweig menciona explicitamente em “O Novo
Pensamento” (1925) como tendo “independentemente uns dos outros, penetrado o
ponto focal da nova idéia, que é discutida no livro central [i.e., na parte 2, a central
e mais importante] de A Estrela [da Redenção]” (Rosenzweig, 2000a, p. 128). E logo
a seguir Rosenzweig diz mais: “Interesses teológicos ajudaram no passo inovador
[the breakthrough] dado em direção ao novo pensamento em todos [os autores] que
acabamos de mencionar.” (id.).
Essa última observação de Rosenzweig é importante. Especialmente se notarmos
que toda a presente discussão dos precursores desse “novo pensamento” de Rosenzweig
deu-se a partir de noções teológicas apresentadas por teólogos: Milbank, Ochs,
Auletta, Lacoste, Splett. Destes, os dois primeiros podem inclusive ser tidos por
“rosenzweigueanos”, ao menos na medida em que adeptos da “virada lingüística” na
teologia3.
Temos nisso um indício do que se constatará mais adiante: estamos diante
de um pensamento—o de Rosenzweig—que é bastante carregado pelo teológico,

3
Uma comunicação pessoal de Robert Gibbs (2/07/2002), do grupo de Ochs, confirma essa nossa
impressão. Tal proximidade via Rosenzweig não impede entretanto que o judeu (e ecumenista) Ochs
tenha sérias restrições à “Teologia Radical” do anglicano Milbank, pela visão que tem este último
de um “superacionismo” do cristianismo ante o judaísmo. Veja-se Ochs, 2005. Note-se ademais que
Milbank, dado talvez esse seu superacionismo, não cita ao que saibamos explicitamente em sua obra o
não-superacionista Rosenzweig (vide notas 5 e 6 abaixo). Rosenzweig, não obstante, está na epígrafe
do livro de Catherine Pickstock (1998, p. 2), a grande colaboradora de Milbank na Teologia Radical.
“Radical”, note-se, no sentido de retorno às raízes.
Capítulo 1 22

tanto que foi suscitado por “interesses teológicos” e tem, até hoje, interessado
especialmente a teólogos. Isso há de ter suas conseqüências para um estudo como
o presente, que estará voltado para a prática tradutória e, portanto, para o que
de lingüístico—e não o de teológico—há nesse pensamento.
Por outro lado esse é um pensamento que, independentemente de sua carga
teológica, é “novo”, diz-nos Rosenzweig, justamente por que é “pensamento da
palavra [da fala, do discurso]” [Sprachdenken, speech thinking] (Rosenzweig, 2000a,
p. 126-127). Ademais, Rosenzweig, o “pensador da palavra”, valoriza o traduzir a
ponto de dizer que “o verdadeiro objetivo da mente [Geistes] é a tradução” (carta
de 1/10/1917 a Rudolf Ehrenberg, in Glatzer, 1998, p. 62) e que “toda fala é, desde
logo uma fala dialógica e portanto—tradução” (Rosenzweig 1926/1994, p. 47).
Mas sobre isso se verá mais tarde. É preciso antes, em breves pinceladas,
conhecer a vida e entender a obra.

2. Origens e formação

Franz Rosenzweig nasceu em Kassel, no dia de Natal de 1886, em uma família


judaica típica da “emancipação” que viviam na Alemanha os judeus mais assimilados
de então. (Secs. 2, 3 e 4, vide esp. Abdulkader, 2003; Lux, 1986; Betz, 2002).
Terminado o ginásio, Rosenzweig transitou entre 1904 e 1907 pelas universidades
de Göttingen, Munich e Freiburg. Optou inicialmente pelo curso de medicina que chegou
a completar, prestando exames de qualificação em 1907. Mas então seus interesses já
eram outros. Ao envolvimento com a poesia de Goethe (1749-1832) desde os tempos
de ginásio, juntou-se a filosofia de Kant (1724-1804), objeto de um seminário de que
participara em Freiburg em 1908.
Naquela altura, um Rosenzweig—bem pretensioso—buscava uma “síntese que
se segue da tese de Goethe [que sintetiza subjetivo e objetivo ‘irracionalizando o
racional’] e da antítese de Kant [que o faz ‘racionalizando o irracional’], síntese cujo
nome desconheço, e que assim sendo, quem sabe, possa vir a adotar o meu [nome]”
(Rosenzweig, 2000, p. 28).
De 1907 a 1912 Rosenzweig estudou história com o renomado Friedrich Meineke
em Freiburg. Desse período data seu interesse pela filosofia de Hegel (1770-1831),
que seria o objeto de sua tese de doutoramento completada em 1912. Essa tese,
ampliada, foi publicada mais tarde em 1920 sob o título Hegel e o Estado, e é até
hoje considerada uma contribuição significativa, que inclusive acaba de ser traduzida
para o português por Ricardo Timm de Souza (Rosenzweig, 2008).
Dentre as influências de grandes filósofos sobre Rosenzweig cabe ainda citar
a de Schelling (1775-1854), talvez a maior delas, o quarto e último estágio antes do
passo final em direção a A Estrela da Redenção. Ela ocorreu a partir do início de 1914
Capítulo 1 23

quando Rosenzweig, recém-saído de uma intensa experiência religiosa, se convenceu


de que a síntese de Hegel entre a “idéia filosófica” e a “verdade histórica” não podia
funcionar: a dialética da história revelava-se filosófica demais para ser útil para o
historiador, e a realidade da história crua demais para o filósofo.
O que em Schelling fascinou Rosenzweig foi a resposta por ele dada, a partir
de 1809, ao seguinte desafio lançado por Jacobi (1743-1819) à filosofia: Spinoza (1632-
1677) estabelecera o monismo, demonstrando que o dualismo do teísmo tradicional
(Deus/mundo) constituía-se, ou numa negação da auto-suficiência de Deus [Deus
precisou criar o mundo], ou numa negação de Deus como causa primeira [se não
precisou criar, o mundo existe por outra causa não baseada na sua necessidade em
Deus]; mas se o sistema para ser consistente é monístico, então as entidades do
mundo são meras modificações da substância infinita de Deus; ora, um Deus que não
transcende o mundo não é propriamente Deus: a filosofia é ateísta; pessoas finitas
cujas propriedades estão necessariamente baseadas em Deus, não são dotadas de livre
arbítro: a filosofia é fatalista; a rigor, tais pessoas e entidades, enquanto dependentes
dessa substância infinita, não são nem mesmo entidades no sentido estrito do termo:
a filosofia é niilista. Não há, portanto, nenhum ponto de apoio para a filosofia.
A resposta de Schelling: Deus-antes-da-criação não é base para explicação
alguma, e nem propriamente um Deus, mas um Abismal que sem a criação poderia ser
um Tudo mas não a vontade de Deus4; para explicar o “antes da criação” a filosofia
precisa reverter à narração de passados míticos, como nos mitos de tantas culturas;
o desenvolvimento do Deus-natureza-mente, deve ser visto não apenas como o
desenvolvimento da autoconsciência humana, mas também como a revelação de
Deus à humanidade (Franks e Morgan, 2000b, pp. 30, 32-33).
Ou seja, ao abraçar finalmente as idéias de Schelling, o desenvolvimento
intelectual de Rosenzweig, conforme descrito nos parágrafos acima, completou o
trajeto do historiador com interesses em filosofia ao filósofo e homem de fé.

3. Religião e guerra

A inquietação religiosa, ao menos a de próximos, esteve presente relativamente


cedo na vida de Rosenzweig. Em 1909 seu primo e grande amigo Hans Ehrenberg
converteu-se ao cristianismo e foi batizado. No ano seguinte, numa viagem com Hans
a Baden-Baden, Rosenzweig conheceu Eugen Rosenstock, também judeu converso,

4
Nesta seção e nas seguintes, quando conveniente, grifaremos em negrito itálico os termos chaves
do sistema filosófico de Rosenzweig de forma a facilitar o entendimento e a remissão. Em itálico, além
de termos estrangeiros e títulos de obras como é usual, estarão, se for o caso, os conceitos da “velha
filosofia” que devem ser contrapostos aos termos chaves de Rosenzweig.
Capítulo 1 24

de quem se tornou amigo muito próximo, e cujo curso de História do Direito na Idade
Média, ministrado em Leipzig, freqüentou durante 1913 (Betz, 2002, p. 3).
Na noite de 7 de julho daquele ano, numa discussão com Rosenstock, Rosenzweig
deixou-se convencer pelo testemunho de fé do amigo, e decidiu-se pela conversão
ao Cristianismo. A decisão de converter-se, porém, como os primeiros conversos,
“tornar-me um cristão [mas fazê-lo] qua judeu [i.e., como os judeus do tempo de
Cristo o fizeram, ou seja,] sem qualquer estágio intermediário de paganismo” (carta
de 31/10/1913 a Rudolf Ehrenberg in Glatzer, 1998, p.25), levou-o inicialmente a uma
aproximação com as práticas mais puras de sua religião de origem.
Assim, presente a uma cerimônia do Yom Kippur em outubro do mesmo ano,
teve uma experiência de (re)conversão aparentemente avassaladora, como as que
constam de tantos relatos semelhantes em tantas religiões. Isso o levou à decisão de
permanecer e aprofundar-se no Judaísmo. Tornou-se então aluno de Hermann Cohen,
neo-kantiano recém aposentado de uma cátedra em Marburg e expoente maior da
intelectualidade judaica alemã de então. Cohen lecionava no Hochschule für die
Wiessenschaft des Judentums em Berlim, onde Rosenzweig encontrou pela primeira
vez Martin Buber com quem viria a produzir uma das mais importantes traduções da
Bíblia no sec. 20.
Com o início da guerra Rosenzweig trabalhou como enfermeiro da Cruz
Vermelha, e depois alistou-se no exército. Em 1916 foi mandado para operar uma
bateria antiaérea no front da Macedônia (Betz, 2002, p. 4). Lá escreveu em 1917 os
primeiros ensaios sobre estudos judaicos e educação, enviados a Hermann Cohen em
Berlim. Neles já é clara a preocupação com o fato de que a teoria venha a transformar-
se em ação prática. No front da Macedônia escreveu também, em 18 de novembro, a
longa e famosa carta ao primo Rudolf Ehrenberg, irmão de Hans e também convertido
ao cristianismo, que Rosenzweig mais tarde denominaria a “célula germinal” [Urzelle]
de A Estrela da Redenção. Nela, pela primeira vez, são expostas de forma sistemática
as idéias que se traduziriam no “novo pensamento”.
Em agosto de 1918 começou a desenvolver no front essas idéias e a transformá-
las num livro. Escreveu-o num só ímpeto em postais de guerra que remetia à família,
premido pela angústia de que uma eventual morte em combate viesse a deixar a
obra inacabada. Em dezembro, com o fim da guerra, retornou a Kassel. Em meados
fevereiro de 1919 tinha completado uma das maiores e menos lidas obras filosóficas
do século 20.
Capítulo 1 25

4. A Estrela da Redenção e a ética como “primeira filosofia”

A Estrela da Redenção apresenta um novo sistema filosófico. Teísta e usando


um vocabulário emprestado da teologia, esse sistema é uma crítica ao mainstream
da filosofia à época em que foi concebido, e até hoje.
À racionalidade e ao monólogo do ‘eu’ dos filósofos do “velho pensamento”,
Rosenzweig contrapõe um “novo pensamento”, o da oralidade e do diálogo com o
outro. A linguagem substitui a razão e a lógica como ferramental básico de pensamento.
A “doentia” busca racional dos filósofos por uma essência a que tudo se reduz (busca
ditada, segundo Rosenzweig, pelo medo ou não aceitação da própria mortalidade),
é substituída pela “saudável” aceitação da realidade tal como constatada pelo não-
filósofo, o homem comum, que aceita a morte como experiência de realidade.
A primeira parte, Elementos [Elemente], cuja epígrafe é “contra os filósofos”[In
philosophos!], cuida então de reconhecer uma nova ontologia que se contrapõe à da
“razão totalizadora” da filosofia mainstream que culminara com Hegel. São três, para
Rosenzweig os componentes, irredutíveis uns aos outros, da realidade: Deus, Mundo
e Humanidade. E esse é o ponto de partida do “novo pensamento” que buscará
conhecer o que Deus, o mundo e a humanidade fazem, ou o que neles ocorre, no
tempo e na realidade (Lux, 1986, p. 3).
A segunda parte, Via [Bahn]—“contra os teólogos”[In theologos!], cuida da
relação entre esses elementos. O conceito central é o da “revelação”, o milagre
bíblico da fé, real e factual, e do qual a Teologia, segundo Rosenzweig cansada de
milagres, tenta se afastar. A revelação se desenvolve no tempo: no passado Deus se
revelou nos atos da criação, antes que cada indivíduo existisse; no presente Deus
se revela exclusivamente através da oralidade, encontrando-se com cada indivíduo
como a palavra viva, um pedido e uma oferta de amor; para o futuro Deus promete a
revelação como redenção. Assim o indivíduo vivencia a revelação como uma relação
dinâmica na qual Deus se ‘move’, desde a criação, por meio da revelação, no sentido
da redenção (id.).
Os reflexos desse futuro, no tempo presente, são o objeto da terceira parte,
Forma [Gestalt]—“contra os tiranos”[In tyrannos!]. Às estruturas de poder presentes
falta um contorno [Gestalt] porque o futuro redimido já ilumina o presente: Rosenzweig
vê essa “eternidade entrar no tempo” nas comunidades da sinagoga e da igreja cristã,
em sua alternância do dia-a-dia com um dia sabático, em sua liturgia, em seu ciclo
anual de festividades litúrgicas (id.). Essas comunidades, o Judaísmo5 e o Cristianismo,
5
O caráter “judaico” d’ “A Estrela...” é um ponto delicado para Rosenzweig. Em “O Novo Pensamento”
ele insiste em que “A Estrela não se trata de um “livro judeu”. De fato, o livro aborda longamente o
relacionamento entre Judaísmo e Cristianismo como duas formas igualmente válidas de atingir-se a
redenção. Mas há um aspecto de “avaliação” das diversas religiões que não é explicitamente reconhecido
por Rosenzweig, onde a precedência é dada ao Judaísmo, seguido bem de perto pelo Cristianismo, e
depois pelo Islamismo que reconhece o mesmo único Deus, mas no qual Rosenzweig, como muitos teólogos
Capítulo 1 26

se baseiam no “nome de Deus”, um “nomen substantiae” (vide p. 20 acima) que é


também “nomen misericordiae”: para Rosenzweig, como já mencionado, Ex 3, 14
se traduz—por razões de contexto da narrativa, mas também por razões de cunho
filológico—como “eu sou aquele que lá [convosco sempre] estarei”. (Rosenzweig, 1929,
in Buber e Rosenzweig, 1994, p. 105; Rosenzweig, 1927 in id., p.191).
Diz Lux (id.),

O grande drama traçado em A Estrela da Redenção é “contado” (em tempo


verbal passado), apenas no que respeita ao passado da criação. No presente o
“contando” (no gerúndio) é feito através de um diálogo direto com o próximo.
E no futuro a linguagem será eminentemente “coral”. O indivíduo só consegue
então apreender neste presente irremido as coisas que dizem respeito ao futuro
redimido, se for capaz já agora de entoar, em coro, ‘nós’6.

A experiência de eventos no tempo, substitui o conhecimento dos objetos,


que prescinde do tempo7. O falar, amarrado ao tempo, necessariamente dialógico,
que se abre irreversivelmente ao ‘outro’ e que é também um ouvir atento, substitui
o monólogo atemporal do “velho pensamento” em sua busca de essências. O novo
pensador é o “pensador da palavra” [Sprachdenkern].
Este é, recorde-se, um sistema filosófico, não obstante todo um vocabulário
teológico (Deus, humanidade, mundo, criação, revelação, redenção). E uma ética de
responsabilidade para com o outro8, e não mais a ontologia, constitui nesse sistema
a “primeira filosofia”.

5. Ação e sofrimento

“Vida adentro!” são as últimas palavras de “A Estrela da Redenção”, um apelo a


ações práticas, que fossem aplicações da ética e da filosofia social delineadas na obra.
E a isso dedicou-se Rosenzweig até sua morte prematura em 1929, precedida de um

cristãos e judeus antes e depois dele, vê, equivocadamente, um certo “plagiarismo” (Rosenzweig lia
o árabe, que estudou durante todo o transcorrer da guerra. No front da Macedônia teve contacto com
populações islâmicas). Mais abaixo nessa “avaliação” estão as religiões asiáticas que pouco tem a ver
com a tradição comum àquelas três religiões.
6
Vide Rozenzweig, 2000a, pp. 125-126. Nesse sentido, é clara a influência de Rosenzweig em
Catherine Pickstock, colaboradora de Milbank (vide nota 3 acima), que em After Writing (Pickstock,
1998) retraça a visão da comunidade cristã como em permanente liturgia de louvor, visão essa cuja
retomada é fortemente defendida por Pickstock. (Vide esp. Pickstock, 1998, pp. 221-segs).
7
“For experience knows nothing of objects; it remembers, it lives, it hopes, it fears.” (Rosenzweig,
2000a, p. 120).
8
Sobre isso veja-se Gibbs, Why ethics?, que baseando-se principalmente em Rosenzweig e Levinas,
e no pragmaticismo de Peirce, desenvolve uma ética cujo tema central é a responsabilidade, e não a
deliberação racional, os princípios de autonomia, ou a otimização de benefícios. Gibbs aborda diversas
práticas “realizadas através de signos”, tais como, ouvir, falar, escrever, ler, traduzir, julgar, confessar,
arrepender-se, perdoar, recordar. O livro de Gibbs é um exemplo primoroso de aplicação do “novo
pensamento”. Dele nos ocuparemos no Cap. 7.
Capítulo 1 27

sofrimento longo e atroz na doença. Foram dois os pilares dessa ação: seu trabalho na
Das Freie Jüdische Lerhaus que dirigiu a partir de 1920 logo após a fundação e cujas
atividades pautaram-se em suas idéias sobre educação desenvolvidas desde 1917, e
seus trabalhos de tradução, a das poesias de Jehuda Halevi e a da Bíblia hebraica em
conjunto com Martin Buber.
A “Casa Livre de Estudos Judaicos”, moldada nas beth ha midrash da tradição
rabínica, era “livre” já que não requeria exames de admissão nem conferia títulos, e
incentivava a livre investigação. Não tinha sede fixa, reunindo-se em salões alugados
para cada ocasião, ou residências de membros (Betz, 2002, p.6), e, se cobrava (altas)
mensalidades, cobrava-as apenas de quem podia arcar com elas. Era pluralista, no
sentido de que admitia alunos e palestrantes de todas as correntes do judaísmo. Seu
programa central, não por acaso, era o estudo da língua hebraica.
A Lehrhaus ficava em Frankfurt, para onde Rosenzweig se mudara no início de 1920
logo após seu casamento com Edith Hahn, a quem conhecera em Berlim seis anos antes.
Durante a lua de mel Rosenzweig traduziu do hebraico um livro de preces, “Graças após
a Refeição” [Tischdank] e foi a partir daí que seu envolvimento com a tradução passou
a ser mais intenso (id.), vindo essa atividade a tornar-se, como vimos, a segunda grande
“aplicação prática” do “novo pensamento”. Em 1923 publicou a tradução de Sessenta
Hinos e Poemas de Jehuda Halevi, poeta judeu medieval (c.1075-c.1141) que Rosenzweig
(coerentemente) valorizava mais que o filósofo (judeu medieval) Maimonides (1135-1204).
Essa tradução foi expandida em 1927 para noventa e dois poemas. A partir de 1925 e até
a sua morte, traduziu com Martin Buber a Bíblia Hebraica (do Gênesis a Isaías).
No início de 1922 surgiram os primeiros sintomas da esclerose lateral amiotrófica
que o acometeu. Já em meados daquele ano Rosenzweig tinha dificuldade para se
movimentar, para falar, engolir, e escrever. Seu único filho nasceu no outono, quando
Rosenzweig estava envolvido com a tradução de Jehuda Halevi. No final de 1922 já
não escrevia e sua fala só era compreendida pelos mais chegados. Sobreviveu (e
produziu ininterruptamente) em condições que se deterioraram progressivamente
até sua morte em 10 de dezembro de 1929. O Sprachdenkern ditou enquanto tinha
fala. Utilizou uma máquina de escrever especial por um bom tempo. Em seus últimos
meses só era com o olhar e o piscar de olhos que “soletrava” para a esposa ao menos
as primeiras letras das palavras que ela completava e punha no papel.
Dessa forma, desafiando a adversidade, manteve uma volumosa correspondência
(sua última carta é de 6 de dezembro de 1929). Escreveu e publicou ensaios como o citado
“O Novo Pensamento” [“Das Neue Denken”] (1925) e “Fronts Transpostos” “Vertauschte
Fronten” (de maio de 1929, uma resenha de uma obra de Hermann Cohen, onde Rosenzweig
também comenta de passagem o famoso debate havido entre Heidegger e Cassirer em
Davos9 no mês anterior), e vários outros escritos, o último deles em novembro.
9
Cassirer foi o principal discípulo de Hermann Cohen, neo-kantiano e, como visto acima na seção 3,
Capítulo 1 28

Dessa forma, traduziu.

6. Pensando Novo

Essa tradução que Rosenzweig praticou será examinada, inicialmente, no próximo


capítulo. Por ora cabe que lancemos um primeiro olhar, que será aprofundado no Cap.
4, sobre a filosofia que propiciou esse trabalho de tradução. O que é, e como opera
“na prática”, essa virada lingüística, esse “speech thinking” dialógico de Rosenzweig,
cujo organon é a Linguagem e não mais a Razão.
Galli (1995, p. 144) fala, com propriedade, de “dificuldades envolvidas em
qualquer exposição [que se tente fazer acerca] da vitalidade do speech thinking”. E
diz Galli mais adiante (p. 297): “para muitos filósofos profissionais o pensamento [de
Rosenzweig] e sua forma de expressá-lo, praticamente desafiam o entendimento”.
Não se trata aqui, como veremos, propriamente de uma dificuldade de definição
ou conceitualização. A dificuldade está talvez mais em identificar-se o método e
reconhecer-se a aplicação.
É em todo caso importante que se vá, de início, ao locus classicus. A apresentação
explícita do speech thinking por Rosenzweig em “The New Thinking”, de 1925, o ensaio
que busca esclarecer o que se passou na incompreendida A Estrela da Redenção.
Trata-se, diz o autor, de “uma filosofia que quer trazer uma renovação total
do pensamento [bem maior que a ‘revolução copernicana’ de Kant promoveu10]”
(Rosenzweig, 2000a, p. 110), e que busca realizar a “filosofia narrativa que Schelling
profetizou no engenhoso prefácio à sua [inacabada] As Eras do Mundo” (id., p.
121).
“E o que significa ‘narrar’? Quem quer narrar não quer dizer como uma coisa
‘realmente’ é, mas como ela, de fato tornou-se” (id. pp. 121-122, negritos meus). O
novo pensamento parte então (vide seção 4, p. 25 acima) de uma ontologia de três
elementos irredutíveis uns aos outros, Deus, homem e mundo, e da dinâmica das
relações entre eles, Criação, Revelação, Redenção e narra “esse grande poema do
mundo em três tempos” (id. p. 125):

No entanto ele só é de fato narrado no primeiro livro [de A Estrela da Redenção],


o livro do passado [i.e., o livro da Criação]. No presente [da Revelação] a narração
dá lugar à troca imediata da fala, porque do que é presente, seja de Deus ou

mestre de judaísmo Rosenzweig na Hochschule für die Wiessenschaft des Judentums. Não obstante,
Rosenzweig tomou o partido do existencial Heidegger em “Vertauschte...”. Sobre o debate Cassirer-
Heidegger em Davos, vide Safranski, 1998, pp. 183-188.
10
“Revolução copernicana”, a de Kant, na medida em que, como Copérnico revertera da Terra para
o Sol o centro do Universo, a partir de Kant a cognição humana (a “razão”) não mais deve adequar-se
aos objetos da realidade, mas a realidade é que passa a adequar-se às categorias da cognição humana.
Vê-se daí que Rosenzweig, ao pretender uma renovação maior (a “fala” e não mais a “razão” como
organon da filosofia) está, basicamente, tratando de construir uma nova epistemologia.
Capítulo 1 29

de seres humanos, não se pode falar acerca; só é possível ouví-los [diretamente


num diálogo] ou com eles falar [i.e, dirigir-se a eles, dialogar]. E no livro do
futuro [o da Redenção] a linguagem do coro governa, pois o futuro [redimido]
se apossa do indivíduo apenas onde e quando ele [indivíduo] consegue dizer
“Nós” (id.).

Nesse trecho de “O Novo Pensamento” já se discerne um dialogismo do Eu-Tu, a


precedência da fala, e a aplicação de categorias gramaticais para o desenvolvimento do
pensamento. No entanto, na medida em que Rosenzweig está descrevendo o conteúdo
de A Estrela, há ainda muito de teológico no que vai aí descrito. É logo a seguir que
Rosenzweig passa a descrever o speech thinking pura e simplesmente como um novo
método de se fazer filosofia. E a marca fundamental desse método é o ter em conta
a temporalidade. Vamos a esse longo excerto:

Assim, o método do novo pensamento origina-se de sua própria temporalidade.


[...] No lugar do método do pensamento, como o desenvolveu toda a filosofia
anterior, entra o método da fala. O pensamento é intemporal e quer sê-lo;
quer, de um só golpe, estabelecer mil conexões; o objetivo final é para ele o
primeiro. [Já] a fala é limitada no tempo e alimentada pelo tempo; não quer,
nem vai, abandonar esse ambiente que a nutre; não sabe [a fala] de antemão
aonde vai chegar; deixa que os outros lho indiquem. Vive em geral da vida do
outro [...]. Numa conversação real algo acontece; não sei de antemão o que
o outro me dirá, porque nem mesmo eu próprio sei aquilo que direi. [...] O
[velho] pensador conhece exatamente, e de antemão, seus pensamentos; que
ele os “expresse” é tão somente uma concessão à deficiência de nosso, como
ele o chama, meio comunicativo, que não consiste [essa deficiência] no fato de
que precisamos da linguagem, mas sim no fato de que precisamos do tempo.
Precisar do tempo significa: não ser capaz de antecipar nada, ter que esperar
por tudo, ser dependente do outro para [ser] si próprio. Tudo isso é totalmente
impensável para o pensador do pensamento [i.e., da “razão”], e corresponde
tão somente ao pensador da linguagem. Pensador da linguagem—pois é claro
que o novo pensamento da fala [speech thinking] é [também um] pensamento,
tanto quanto o velho pensamento do pensamento não podia ocorrer sem uma fala
interior [inner speach]; a diferença entre o pensamento velho e o novo, entre o
pensamento lógico e o gramatical não está no silencioso versus sonoro, mas no
necessitar o outro e, o que dá no mesmo, no levar a sério o tempo. “Pensar”
significa aqui pensar para ninguém e falar a ninguém ([um “ninguém”] que pode
ser substituído por “todos”, [ou seja,] a famosa “universalidade”, caso [isso]
soe melhor). Mas “falar” significa falar a alguém e pensar para alguém. E esse
Alguém é sempre um Alguém muito bem definido, que não é só ouvidos como
a universalidade, mas tem também uma boca. (id., 125-127, grifos meus).

Eis aí, em síntese, um pensamento dialógico e experiencial, relacional e


não-essencial, “gramático” e não “lógico”, preso ao tempo, dependente do “outro”
e do “acontecimento”. Como já visto, Rosenzweig cita autores, contemporâneos (e
conterrâneos) seus, que—independentemente dele ou não—desenvolveram idéias
similares. E todos esses autores, é interessante relembrar a observação de Rosenzweig,
Capítulo 1 30

são levados por “interesses teológicos”. Nesse sentido, há um aspecto que aparentemente
tem passado despercebido e merece ser ressaltado.
“The New Thinking” (de 1925) é tido como um prefácio tardio de A Estrela da
Redenção (escrita em 1918-1919 e publicada em 1921) e de fato é esse, em grande
medida, o objetivo do ensaio. É visível, no início do texto, que é quase a contragosto
que seu autor o redige, desmerecendo desde logo os prefácios das obras filosóficas
como um desnecessário “cacarejo da galinha ante o ovo recém posto” (id., p. 109).
Rosenzweig chegou, inclusive, a mais tarde deixar estabelecido que nenhuma edição
futura de A Estrela poderia incluir esse ensaio facilitador.
A verdade é que Rosenzweig nunca conseguiu aceitar a apatia e a falta de
compreensão com que A Estrela foi recepcionada. Já em julho de 1921 terminara um
novo livro, Para Compreender o Doentio e o Saudável, em que tornava mais acessíveis
as idéias de A Estrela, mas acabou por não autorizar sua publicação, certamente
por considerá-lo muito simplificador. (Uma tradução para o inglês foi publicada nos
Estados Unidos somente em 1953. A reedição em 1999 desse texto “simples demais”
para Rosenzweig, mereceu uma introdução de Hilary Putnam...)
No dizer de Nahum Glatzer

[Rosenzweig] era simplesmente incapaz de dar-se conta das limitações intelectuais,


inclusive as de pessoas [bastante] inteligentes [e] com treino acadêmico [...]
Assim sua influência direta e imediata estendeu-se a um reduzido grupo de
homens e mulheres; apenas indiretamente, por meio de intermediários, ou
através de seu ensaio explanatório [“The New Thinking”], e finalmente, por seu
exemplo de vida, sua mensagem atingiu mais amplos círculos (Glatzer apud
Galli, 300, grifo meu).

“The New Thinking” tem, portanto, sido a porta para tantos que se aproximam
do pensamento de Rosenzweig. E não há dúvida de que, ao ler esse ensaio—e em
especial o trecho mais famoso que vimos de citar—, “fica-se com a impressão de que
A Estrela, que usa o método do speech thinking, trata da palavra trocada entre seres
humanos. [...] Mas ao tornarmos a A Estrela, somos confrontados com o fato de que
palavra, fala e linguagem têm lugar na esfera entre Deus e o homem” (Glatzer apud
Galli, 344).
Em outras palavras, quem, tendo lido “The New Thinking”, esperava encontrar
em A Estrela uma descrição do “papel da fala [speech] nas relações inter-humanas”,
vê-se entretanto envolvido no que é, primordialmente, uma (fascinante) discussão
acerca do “significado religioso da linguagem”.
Eis aí, portanto, na obra de Rosenzweig, uma dicotomia que vem acompanhada
de um desbalanceamento: por um lado, o “significado religioso da linguagem” cuja
reflexão é desenvolvida a ponto de constituir um sistema filosófico acabado (em A
Estrela), por outro, uma consideração do “papel da fala nas relações inter-humanas”
Capítulo 1 31

que, embora reconhecido como fundamental, nunca chega a ser detalhadamente


descrito (nem mesmo no “The New Thinking”). Esse é um dado da obra de Rosenzweig
que é pouco notado e talvez explique em parte a estranheza que, como nota Galli,
essa obra causa em “filósofos profissionais” (vide p. 28 acima).
O fato é que “The New Thinking” não é um mero “prefácio tardio” de A Estrela.
É também, a explicitação—infelizmente brevíssima—de um método do qual Rosenzweig
talvez não estivesse tão consciente de que o aplicava, quando redigia A Estrela. E
contém ademais o “The New Thinking”, indicações de onde esse método foi aplicado,
agora já conscientemente, e “na prática” (p. ex., em obras de vários contemporâneos
e nas Notas ao Yehuda Halevi). Assim, “The New Thinking” é principalmente um passo
adiante, dado—ainda que apenas em esboço—a partir de A Estrela.
A Estrela da Redenção, essa obra maior, teísta, de Rosenzweig é basicamente
fruto de uma opção pelo não-relativismo—há Deus e existe uma verdade absoluta que
o homem por si só não alcança—, e da conseqüente necessidade de ter a Revelação
dessa verdade incluída como uma categoria aceitável (e fundamental) da epistemologia
(Souza, 1999, pp. 124-126; Franks e Morgan, 2000b, p. 27; Oliveira, 2000, p. 96; Steiner,
2004, p. 2). Dessa opção do homem religioso e filósofo de gênio, resulta assim uma
brilhante exposição do “significado religioso da Linguagem”.
A partir daí, dessa epistemologia (e de todas as suas implicações para a lógica,
a ética e a estética, que vão descritas em A Estrela), o “The New Thinking” dá um
passo. E, aí sim, na direção de uma “filosofia da linguagem”. Ou melhor, na direção
de reconhecer e explicitar toda uma Filosofia que adota a linguagem—e não mais a
razão—como organon, e que busca ressaltar o fundamental “papel da fala [speech]
nas relações inter-humanas”.
Mas sempre um passo que, no “The New Thinking”, está apenas indicado,
esboçado, mas não é totalmente desenvolvido. E nem chegará, infelizmente, a ser
desenvolvido em nenhum ponto da obra teórica subseqüente de Rosenzweig.
No que respeita ao aspecto do desbalanceamento, dele decorre uma tarefa
metodológica para o presente estudo: será importante “garimpar” nas conceituações
carregadas de “significado religioso”, o que nelas houver de, digamos, “secular”, e que
orienta a aplicação do método do speech-thinking às práticas da vida inter-humana,
entre elas a prática de uma tradução que seja “dialógica”, que é o que aqui mais nos
interessa. Isso será feito, principalmente, nos Caps. 2 e 4. Caberá, principalmente,
“desteologizar” em direção ao lingüístico certos conceitos teológicos como “Revelação”
(Cap. 3), o sagrado (Cap. 4), e “nomeação adâmica” (Cap. 5).
No que concerne à dicotomia, caberá superá-la. Na realidade caberá demonstrar,
como o faremos no Cap. 4, que ela é um viés do “velho pensamento” que se dissolve
à luz de um novo pensamento como o de Rosenzweig.
Capítulo 1 32

6.1 Vivendo novo

Mas, como diz Glatzer (vide p. 30 acima), o speech thinking não está só
na teológica A Estrela. Está também no secular “exemplo de vida”, na vida de
Rosenzweig. E bem a propósito o diz Glatzer. “Para a vida”, “Pour la vie”, “Towards
Life”, são as últimas palavras de A Estrela que, quase quinhentas páginas atrás, se
iniciara com uma reflexão sobre a morte. É na direção das práticas da vida que se abre
o “Pórtico” (Rosenzweig, 1970, p. 424) final de A Estrela. Tentemos então reconhecer
o speech thinking na prática inter-humana da vida de Rosenzweig, de forma a que
a formulação teórica de Rosenzweig ganhe um primeiro contorno de realidade que
nos oriente a continuidade da investigação.
Essa vida que pensa e pratica o “inter-human speech” está certamente em
inúmeros artigos de Rosenzweig, nas suas reflexões sobre a tradução da Bíblia, nas Notas
e no “Posfácio” do Yehuda Halevi, nas palestras dadas na Freie Judische Lehrhaus.
Mas estará também, e de forma importante, na correspondência, que, infelizmente,
está em grande parte disponível apenas em alemão.
As cartas desse insaciável gerador de cartas, dirigidas a tantos e tão significativos
correspondentes, e que se recusava a destruir correspondências (Rosenzweig, apud
Galli, 335), são certamente o campo ideal para que se constate, para citarmos um
conceito do dialogista Bakhtin, “a verdade surgindo no ponto de convergência de
várias consciências” (Bakhtin, 2002, p.80).
Assim é, p. ex., a correspondência com Rosenstock, o responsável pela
conversão de Rosenzweig ao não-relativismo (e quase ao cristianismo). E há de ser a
recém-publicada correspondência com Margrit, mulher de Rosenstock e amante de
Rosenzweig de 1917 a 1922, que promete esclarecer muito da gênese de A Estrela e
desfazer um pouco o Rosenzweig mito (Meir, 2006; Bouretz, 2003, p. 136).
De todo modo, uma significativa parte da correspondência está traduzida,
especialmente na Life de Glatzer (1998), que é, como já mencionado, praticamente
uma auto-biografia (ou diário) epistolar. Dela consta, inclusive, um inquietante (e pouco
mencionado) trecho de uma carta dirigida a Scholem à época em que Rosenzweig se
iniciava na prática da tradução, colocando um dilema de tradutor que será mais adiante
enfocado no Cap. 2, e elucidado no Cap. 5. No entanto, trata-se aí, claramente, de
um dilema muito mais ditado pelo “significado religioso da linguagem” do que pelo
“papel da fala nas relações inter-humanas”.
Mas há uma outra carta para vir em nosso auxílio, no sentido do inter-humano
que aqui nos interessa. Foi enviada em agosto de 1920 a Friedrich Meinecke—catedrático
na Universidade de Freiburg—e através dela Rosenzweig recusa o cargo de docente
que o mestre oferecera a quem considerava ser o mais promissor de seus ex-alunos.
Capítulo 1 33

Nessa correspondência podem-se detectar—ainda que de forma tentativa e


tateante—as várias dimensões (teórica [t], aplicada [a], e de prática de vida [p]) que
um speech thinking envolvido nas “relações inter-humanas” toma. Consideremos alguns
curtos excertos dessa carta a partir do ponto onde Rosenzweig informa a Meinecke
que no período desde que, em 1910, deixara de ser seu discípulo, uma importante
mudança ocorrera:

[...]eu me transformei de historiador (perfeitamente “elegível” para uma


docência de universidade) em filósofo (totalmente “inelegível”). [...] A cognição,
por si só, não se afigura mais para mim como um objetivo em si [t, p]. Tornou-se
serviço [p], um serviço a ser prestado a seres humanos (e não, eu lhe asseguro,
a tendências [acadêmicas]) [t, a, p]. [...] Agora eu só me questiono [t] quando
me vejo questionado acerca [t, a, p]. Questionado acerca, isto é, por gente e
não por acadêmicos [t, a]. [...] [As] questões [dos acadêmicos] são para mim
desprovidas de sentido [t]. Por outro lado as questões colocadas por seres
humanos tornam-se cada vez mais importantes para mim [t, a]. É precisamente
isso que eu quis dizer com “cognição e conhecimento como serviço” [t]: a
disposição para confrontar essas questões, para dar a elas a melhor resposta
possível dentro do meu limitado conhecimento e da minha ainda mais parca
competência [t, a, p]. (Rosenzweig, apud Galli, 332-333 [trecho] e Glatzer, 94-
98 [completa], negritos meus, itálicos de Rosenzweig).

O pensador monológico que se comprazia na cognição ensimesmada de


verdades eternas, é agora o filósofo dialógico atento ao “outro” e preso ao tempo.
Seu conhecimento serve ao outro, na busca de verdades construídas no diálogo com
o outro, e somente a partir de questões que o outro lhe coloca. Nada ocorre se não
“na convergência de duas ou mais consciências” (Bakhtin 2002, p. 80; Bakhtin, 2003b,
p. 79). Não existe fala (enunciado) verdadeira e acabada, se não houver resposta
(Rosenzweig, 1970, p. 174).
Temos assim uma primeira definição—inicial e tirada a partir do “existencial”—do
que vem a ser um “enunciado” para o speech thinker. No Cap. 4, quando examinarmos
mais a fundo o linguistic turn em que Rosenzweig se insere, ficará demonstrado a partir
de um exame da parte central de A Estrela, que essa noção de “a fala verdadeira é
a que obtém resposta” é, de fato, central para o speech thinking.
Para o momento basta que retenhamos a idéia de que o enunciado é uma
“fala” [speech] que encontrou “resposta”, “responsividade” [response].
Quem fala (como speech-thinker), fala para ser ouvido e para suscitar uma
resposta do outro. Deste outro que comigo dialoga aqui e agora, e por cuja resposta,
totalmente incontrolável por mim, aguardo atento, no tempo, na duração deste
diálogo. Um “outro” cuja “resposta responsiva”, se houver, fará de minha fala um
enunciado, fruto da “convergência de nossas consciências”. Só então, graças à existência
dessa resposta, passa a existir o meu enunciado, como evento, como acontecimento
(fundador) no tempo.
Capítulo 1 34

E não se trata aqui somente do “outro” que dialoga aqui e agora comigo, é
claro, mas de todo aquele que ecoará responsivo minha “fala”: aquele “outro” (p.ex.,
Meinecke) cuja correspondência aguardo em resposta à minha (de Rosenzweig), na
esperança de que seu conteúdo seja “responsivo”. Ou mesmo aquele “outro” (p. ex.,
Rosenzweig) que nunca conhecerei, e que no tempo, daqui a oito séculos, produzirá
uma “resposta” a meus (de Halevi) poemas, traduzindo-os “dialogicamente” e redigindo
as “responsivas” notas que esses poemas lhe suscitarão.
Conteúdo “responsivo” como? Tal que suscite em mim nova resposta, nova
“responsividade”. Notas “responsivas” como? Tais que alguém que as leia, mesmo
que décadas depois de terem sido redigidas, produza uma resposta a elas que, por
sua vez, há de suscitar outras respostas no futuro.
No caso da correspondência em pauta, Meinecke nunca aceitou as razões
de Rosenzweig, cuja atitude diagnosticou como sendo a fuga para um “judaismo
espiritualizado, devido à desilusão do pós-guerra” numa Alemanha aniquilada (Glatzer,
98). Assim, à “fala” de Rosenzweig faltou uma “resposta responsiva”. O “enunciado”
completo, em termos rosenzweiguianos, nunca veio a ocorrer. No “evento” do reencontro
entre mestre e discípulo nada “aconteceu” de “fundador”.

7. Hermeneutas dialógicos

No estudo que faz da hermenêutica e da narratologia de Martin Buber, Kepnes


(1992) inclui esse autor, que foi o grande colaborador de Rosenzweig na tradução da
Bíblia e seu esteio intelectual na adversidade da doença, entre um grupo de nomes que
inclui Jurgen Habermas, Hans Georg Gadamer, Paul Ricoeur e Mikhail Bakhtin. Esses são
autores que, segundo Kepnes, adotaram ao longo do séc. 20 “enfoques dialógicos para
o problema hermenêutico” (Kepnes, 1992, p. xii). Ainda que não citado, Rosenzweig
se inclui entre os autores com um tal enfoque.
Kepnes vincula esse enfoque à tradição da filosofia hermenêutica alemã, que
segundo Lafont (1999, p. x) é conhecida como “tradição Hamann-Herder-Humboldt”,
e que corresponde a uma das três “viradas lingüísticas” (linguistic turns)—a anglo-
americana, a francesa e a alemã—que se reconhece na filosofia do século passado.
Examinemos brevemente o que distingue cada uma delas.
Uma marca que distingue claramente a tradição alemã da anglo-americana é
a de quebrar com a tendência, que tem esta última, de assimilar todas as funções da
linguagem com a função cognitiva (a língua como veículo de conhecimento [erklärung]
do mundo). O que a tradição alemã investigou desde o início foi a função comunicativa
da linguagem (a língua como um meio para a compreensão [verstehen] das situações).
Isso fez com que Humboldt e a filosofia alemã se interessassem mais pela análise das
línguas naturais, desenvolvidas na contingência dos processos históricos. Já Frege
Capítulo 1 35

(e a tradição anglo-americana que se seguiu a ele) manteve-se preso ao projeto da


construção de uma língua artificial e “lógica” despida de aspectos conotativos (Lafont,
1999, p. xiii).
Da tradição francesa, a alemã se distingue—num confronto que contrapõe os
desenvolvimentos mais recentes dessas duas tradições—por não aceitar a “apresentação
da linguagem como um sistema fechado e auto-referenciado”, por “articular significados
e referências que transcendem o mero jogo intralingüístico de significados” e por
(ou, pela coragem de) “buscar estabelecer critérios através dos quais a verdade das
diferentes interpretações possa ser julgada” (Kepnes, 1992, p. 77).
Dos cinco hermenêutas dialógicos que Kepnes lista, três são importantes para
o desenvolvimento do presente trabalho. Bakhtin, sobretudo, será examinado e posto
em diálogo com Rosenzweig no capítulo 3 e será presença constante no presente
estudo. Além dele Buber, por sua colaboração com Rosenzweig, e Ricoeur por sua
hermenêutica da recuperação do sentido ou de “confiança na linguagem”, merecem
ser agora considerados neste capítulo inicial que nos municia para as reflexões dos
próximos capítulos.

7.1 Martin Buber

Martin Buber (1878-1965) viveu o dobro de anos de Rosenzweig, e é reconhecido


como um dos principais introdutores do pensamento dialógico no séc. XX. Diz-se que
Bakhtin referiu-se a ele como “o maior filósofo do século vinte e, talvez [...] o único
filósofo na cena [on scene] ”. Bakhtin, de fato, cita Buber em seus escritos, e deu uma
justificativa bem plausível para o fato de essas citações não serem mais freqüentes:
o anti-semitismo de alguns dos de seu círculo (Kepnes, 1992, pp. 62, 171).
A obra mais conhecida de Buber é Ich und Du, traduzido para o inglês como I
and Thou (Buber, 2000), e considerado um dos mais influentes textos da filosofia e da
teologia modernas. Com pouco mais de cem páginas impressas em tipo de confortável
leitura, a obra contrasta com as quase quinhentas páginas em letra miúda de A Estrela
da Redenção. Publicado em dezembro de 1922—como se vê, num período fértil para o
assunto que nos ocupa—, Buber, mesmo ao fim da vida, ainda considerava esse o seu
trabalho mais importante e o ponto inicial de seu pensamento dialógico.
Esse pensamento dialógico deve muito a Rosenzweig, e de fato, bem mais
do que até recentemente se supunha. Buber iniciou um contacto estreito, profícuo
e dedicado com Rosenzweig (a quem até então mal conhecia) apenas em dezembro
de 1921—portanto exatamente um ano antes da publicação de Ich und Du—contacto
esse que durou até à morte do amigo em 1929, e que, como vimos, incluiu uma
tradução conjunta da Bíblia (e muitas reflexões conjuntas acerca da tradução e de
suas técnicas).
Capítulo 1 36

O importante a ressaltar é que o que há de dialógico em Ich und Du deve-se a


Rosenzweig. Às longas discussões mantidas—pessoalmente e por correspondência—entre
o autor e seu amigo nos estágios finais de redação da obra (Horwitz, 1978, p.194).
Graças a Rosenzweig a “relação com o Tu” divino, constitutiva do “Eu”, passa de um
“confronto” (reminiscente das teofanias bíblicas) a um “diálogo” (em a resposta à
nomeação, ao “ser chamado pelo nome”).
Essa “virada dialógica” trouxe conseqüências para a hermenêutica de Buber, já
àquela altura um reconhecido intérprete de textos hasídicos. O que antes era uma visão
romântica, voltada à recuperação da “intenção do autor”, passa agora a considerar o
“texto” como elemento central, um “Tu” com quem o intérprete dialoga, o “outro”,
íntegro, a ser respeitado. É interessante que se registre aqui os quatro passos que
Kepnes (1992, p.78) reconhece na hermenêutica dialógica de Buber:
• Tratar inicialmente o texto como um “Tu” numa atitude passiva de espera
receptiva que, logo a seguir, conduz o leitor a um diálogo de trocas mais ativas
com o texto.
• O intérprete passa ao segundo estágio onde a estraneidade [otherness] do
texto traz-lhe à mente a consciência de que também ele carrega suas próprias
pressuposições culturais, o que lhe permite enxergar com maior a clareza o
mundo do texto.
• O terceiro estágio de interpretação se inicia quando o intérprete assume um
distanciamento crítico e emprega métodos explanatórios para analisar a estrutura
e a retórica do texto.
• O quarto estágio é atingido quando o intérprete reflete acerca do autor, o que
serve para “reconectar” o texto à vida. A aplicação da mensagem do texto
ao intérprete implica na partilha de sua interpretação com a comunidade de
intérpretes, que questiona e refina essa interpretação através de um diálogo
multilateral e comunitário.
Na medida em que toda tradução é (também) leitura e portanto interpretação,
pode-se reconhecer no enfoque acima alguns aspectos de interesse para a tarefa de
traduzir:
O texto, tomado em sua íntegra, um Tu que se dirige ao Eu do intérprete,
contém algo que deve ser “interpretado”, reconhecido e transferido, e isso no curso
do trabalho de tradução, na medida em que é traduzido para uma outra língua.
A estraneidade entre texto e intérprete (à qual se acresce, no caso da tradução,
a diferença entre as línguas) é algo que sempre existe, é de origem, e tem de ser
resolvido dentro possível e da melhor forma.
A estrutura e a retórica—mas não necessariamente o “sentido”—compõem o
estágio que antecede a apreensão daquilo que deve ser interpretado.
Capítulo 1 37

Num plano mais terreno, Buber deixou notas acerca das técnicas adotadas na
tradução da Bíblia, como o fez Rosenzweig acerca do Yehuda Halevi no “Posfácio”.
Essas técnicas—que Rosenzweig comenta e justifica com grande acuidade—incluem
a divisão colométrica das linhas (em “colas” que obedecem a unidade da respiração
de quem as declama), a manutenção da “concretude” do hebraico na tradução, e
a preservação das Leitwörter (“palavras-líder”, leading-words ) na tradução. Essas
técnicas serão examinadas no Cap. 2 e em mais detalhe no Cap. 6.
Finalmente, passando do plano das idéias ao plano da vida, deve-se registrar
que Buber conheceu pessoalmente Benjamin, o outro pensador da linguagem que,
além de Bakhtin, é posto em diálogo estreito com Rosenzweig neste trabalho. Já
Rosenzweig nunca teve um contacto pessoal (ou epistolar) com Benjamin, não
obstante a contemporaneidade e os relacionamentos comuns de ambos com vários
intelectuais.
Ademais, o contacto de Buber com Florens Christian Rang—correspondente
de Benjamin (Rochlitz, 2000, p. 13) e citado por Rosenzweig em “The New Thinking”
como um dos autores do “novo pensamento” (2000, p. 128)—remontava a 1914. E
Buber foi mais tarde um dos três editores (ele o judeu, os outros dois, um católico
e um protestante) de um jornal ecumênico que teve boa repercussão—Die Kreatur,
idealizado por Rang em 1924 e implementado apenas em 1926, após a sua morte—jornal
que teve em Benjamin um importante colaborador (Horwitz 185-186).
Assim, Buber pode ter servido como um elo, se não no plano pessoal ao menos
no da informação e da aproximação de idéias, entre Rosenzweig e Benjamin.

7.2 Paul Ricoeur e a confiança na linguagem

Pode-se dizer que o hermenêuta se distingue do cientista por sua inserção no


problema que interpreta. O cientista, de fora, enxerga a estrutura e faz medições. O
hermeneuta interpreta, inserido no que interpreta. Um—o cientista—explica (erklärung),
o outro—o hermeneuta—compreende (verstehen).
Esse, note-se, é um aspecto da polaridade—simplificadora como toda polaridade—
que, como apontado acima, se reconhece entre o linguistic turn anglo-americano e o
alemão: cognição versus comunicação, informar versus narrar11, foco na univocidade
versus foco na multivocidade da linguagem, explicar versus compreender.
11
Walter Benjamin em “O Contador de Histórias” faz ver o que distingue a informação da narrativa: “O
valor da informação não sobrevive ao instante de sua novidade. [...] A narrativa é diferente. Ela não se
esvai. Conserva em si sua força e, mesmo depois de um longo tempo, ainda é objeto de reflexão. [...]
A informação, pretende-se que seja logo verificável. Espera-se dela portanto, em primeiro lugar, que
seja ‘compreensível por si mesma’. Freqüentemente ela não é mais exata do que as notícias [i.e. os
relatos mitológicos] que nos foram trazidas ao longo de séculos passados. Mas enquanto essas notícias
tinham freqüentemente um aspecto maravilhoso, é indispensável que a informação pareça plausível.
[...] A cada manhã nos informamos acerca dos últimos acontecimentos ocorridos na superfície do globo.
E no entanto somos pobres de histórias [i.e., narrativas] notáveis. Isso se deve a que nenhum fato
Capítulo 1 38

Nesse sentido, a hermenêutica de Paul Ricoeur (1913-2004) é inovadora na


medida em que incorpora esses dois lados: em sua diretriz “tri-partite”—compreensão/
explicação/ compreensão—a explicação representa um segundo momento do processo
interpretativo, o qual é precedido de uma tentativa de compreensão inicial, “ingênua”
ou “pré-crítica”, e seguido por um terceiro momento, o da compreensão “pós-crítica”
(Kepnes, 1992, p. 176, n. 107). A explicação é assim um passo necessário para a
verdadeira compreensão, o requisito para uma interpretação que não seja “ingênua”
(Ricoeur, Conflito, p. 53).
A partir de uma outra dicotomia acima apontada, “unívoco/multívoco”,
Ricoeur constata que “a linguagem é, antes, e na maioria das vezes distorcida; quer
dizer outra coisa do que aquilo que diz, tem duplo sentido, é equívoca” (Ricoeur,
1972, pp. 17-18). O estudo do símbolo, da expressão de duplo sentido, é para Ricoeur
a questão hermenêutica. Ricoeur vai reconhecer uma “hermenêutica da suspeita”,
em Freud, Nietzsche e Marx. É aquela em que o duplo sentido é desvendado para
que se combata não só o erro epistemológico ou a mentira moral, mas para que se
“desmascare uma ilusão”.
Em contraposição a ela, há uma segunda hermenêutica baseada no “contrário
da suspeita” que é “a fé. Que fé? [...] a fé (não ingênua) que atravessou a crítica, a
fé pós-crítica”. Essa é a “hermenêutica da restauração do sentido”, que se expressa
numa

confiança na linguagem: é a crença no fato de a linguagem portadora dos


símbolos ser menos falada pelos homens do que falada aos homens, de os homens
terem nascido no seio da linguagem, no meio da luz do logos. [...] Na verdade
é essa [a hermenêutica] que anima toda a minha (de Ricoeur) investigação (id,
32, grifos meus).

E daí uma “questão chave: será que o mostrar-ocultar do duplo sentido é


sempre uma dissimulação [...] ou será que ele pode ser, às vezes, manifestação,
revelação de um sagrado? Seria essa própria alternativa real ou ilusória, provisória
ou definitiva?” (id., 18, grifos de Ricoeur).
A noção de uma atitude de “confiança na linguagem” é muito relevante para o
presente trabalho. É nessa confiança na linguagem—numa hermenêutica da restauração
de um sentido transbordante que vai além da denotação e é “falado a homens nascidos
no seio da linguagem”—que opera a filosofia de A Estrela da Redenção, a filosofia que
será aplicada por Rosenzweig através de seu trabalho de tradução. Como veremos,
essa mesma atitude está por trás da filosofia do Benjamin que redigiu “A Tarefa do
Tradutor”. Despida do teológico, ela será reconhecida em vários outros momentos
neste estudo (vide tb. nesse ponto Oliveira, 2000, p. 135).

mais nos chama a atenção, a não ser aquele que nos chega carregado de explicações” (Benjamin,
2000c, vol III, p. 123, grifos meus).
Capítulo 1 39

É ademais importante que se registre, já de início, essa atitude confiante das


filosofias de Rosenzweig e do Benjamin de “A Tarefa”, que as distingue do mainstream.
Ela certamente explica ao menos em parte a estranheza que tais filosofias provocam
em quem—como todos nós—está muito mais habituado com uma “hermenêutica da
suspeita”.

7.3 Paul Ricoeur e a tradução

Devemos agora considerar em Paul Ricoeur suas reflexões sobre a tradução.


Isso será feito de um modo indireto. O texto mais recente de Paul Ricoeur a respeito
está no prelo. Ele retoma a argumentação do único texto anterior (1999) sobre esse
assunto, texto que é de difícil acesso. Entretanto, um volume recém publicado em
homenagem aos 90 anos do autor (d’Allones e Azouvi, 2004), inclui uma excelente
contribuição de Marc de Launay (de Launay, 2004), tradutor do alemão e scholar em
Rosenzweig. Nesse artigo de de Launay a visão de Ricoeur acerca da tradução, conforme
apresentada em seus dois textos, é discutida, e suas conseqüências desenvolvidas.
O fato de que a tradução, essa prática tão rebelde a toda teorização, seja um
fenômeno permanente e pervasivo em todas as culturas—embora ela tenha, em cada
uma dessas culturas, períodos de maior ou menor visibilidade—o fato, enfim, de que
“sempre se traduziu”, leva Ricoeur a favorecer uma “alternativa prática, a alternativa
fidelidade versus traição” à “alternativa teórica: traduzível versus intraduzível”
(Ricoeur apud de Launay, 86).
E se a linguagem é uma faculdade humana universal “eis aí uma competência
universal desmentida por suas performances locais, desmentida por sua efetivação
estilhaçada, disseminada, dispersa”. Mas não há nisso nada de enigmático, e só
vêm nesse fato um “mistério” aqueles a quem Ricoeur denomina os “metafísicos da
tradução” (id.).
Esses “metafísicos” se dividem entre duas posições opostas, e ambas
exageradamente radicais: para uns—e aqui se encaixam Benjamin e Rosenzweig—há
uma “diversidade contingente, e portanto transitória, entre as línguas”, para outros
“a irredutibilidade é permanente” (id.). A realidade trata de desmentir/confirmar
ambas as posições, seja, por um lado, pelo fato histórico da interpenetração entre
idiomas que acaba resultando numa nova língua, seja, por outro, pelo desbordamento
constante dos limites de cada língua em direção aos tecnoletos que ultrapassam as
fronteiras da maior parte das assim chamadas “culturas”.
Há nessas duas posições opostas, diz-nos Ricoeur, uma radicalização que falseia
as duas reais tendências que, essas sim, estão permanentemente presentes em toda
língua: a dinâmica semântica e a dinâmica semiótica. Essa noção de que há “duas
Capítulo 1 40

tendências presentes em toda língua”, uma das quais é, digamos, “não semântica” é
um primeiro ponto de Ricoeur importante para o presente estudo.
Mas, diz-nos mais Ricoeur, é na dinâmica imbricada dessas duas tendências que
trabalha a tradução, “traição criativa do original, apropriação igualmente criativa
pela língua de chegada: construção do comparável” (id. 88).
Ademais, para Ricoeur—como para tantos—, o intraduzível é, normalmente,
apenas uma designação para o texto original que aquele determinado tradutor não foi
capaz de re-escrever na língua de chegada. O impossível para um será talvez, mais
tarde, o grande feito de um outro. Ademais, o intraduzível, mesmo o efetivamente
intraduzível que não é conseqüência de uma inabilidade específica, (quase) nunca
é o inexplicável. Haverá sempre a nota de tradução, que, por mais extensa, poderá
(quase) sempre explicar o que não foi possível traduzir, ou seja, re-escrever.
Essas segunda noção de Ricoeur da tradução como uma re-escritura que é
construção de um comparável será importante para o presente trabalho. No nosso caso,
como se verá, a “construção” tem inclusive uma conotação de bastante concretude,
como, p. ex, em “construção civil”: cada específica aplicação sub-textual de uma
determinada técnica de tradução é como que um building-block da solução tradutória
“total”, o texto traduzido. E o “comparável” refere-se a uma comparação que faz
corresponder, em nosso caso, a tarefa do tradutor ao ato existencial de comparar
vivências. Mas estamos aqui nos adiantando.
Com essa consideração de dois autores, Buber e Ricoeur, cujos conceitos nos
auxiliarão a reflexão, encerramos este primeiro capítulo. Nele examinamos em largos
traços a vida e a obra de Rosenzweig, e obtivemos uma primeira visão do seu speech
thinking.
No que concerne ao todo da obra, pudemos reconhecer uma dicotomia, ou
um certo “desbalanceamento”, que pende em favor de um “teologizado” estudo da
comunicação divino-humana.
Isso, como foi visto, não facilita o trabalho de quem, como é aqui o caso,
estará mais interessado pelo aspecto inter-humano e “lingüístico” do speech thinking,
em especial a prática de tradução que Rosenzweig desenvolveu.
Passemos agora, no capítulo seguinte, a uma primeira consideração da tradução
dialógica de Franz Rosenzweig, buscando inclusive entender de que forma ela emana
da filosofia.
41

CAPÍTULO 2

TRADUÇÃO DIALÓGICA

When we were translating the Bible I laid down the following rules for those who helped
me: First: the Holy Scriptures speak of divine words and objects. Second: if a proverb or
an expression fits in with the New Testament, use it. Third: pay attention to grammar.
Martin Luther (1532)
(trad. André Lefevere, 1977)

1. Introdução

No presente capítulo se faz uma primeira aproximação da tradução dialógica


de Franz Rosenzweig, que será aprofundada em próximos capítulos.
Inicialmente, a tradição na qual essa prática tradutória se insere e a proximidade
de Rosenzweig com a reflexão de alguns dos mestres dessa tradição é apontada (seção
2). A seguir é indicada uma importante coincidência, de tempo e de conteúdo, entre
o momento inicial da reflexão tradutória mais madura por parte de Rosenzweig e a
primeira formulação sistemática das idéias que redundaram em A Estrela da Redenção
(seção 3).
Posteriormente, as características da tradução dialógica são apresentadas
numa primeira aproximação (seção 4). O embasamento desse trabalho de tradução num
objetivo filosófico-teológico maior é então argumentado (seção 5), e a seguir detalhado
a partir das reflexões tradutórias de Buber-Rosenzweig, de forma a que se comece
a entender como a filosofia e a teologia vieram a determinar o desenvolvimento das
inovadoras técnicas tradutórias que constroem o texto traduzido (seções 6, 7 e 8).
O capítulo se encerra com uma formulação de várias questões que a reflexão
tradutória de Rosenzweig suscita, e que deverão ser respondidas nos capítulos
seguintes.

2. Tradução e tradição

“Tradições não ‘surgem’ [do nada]”, diz-nos Lefevere (1977, p. 1). “Elas são
conscientemente forjadas e estabelecidas por um conjunto de pessoas com o mesmo
ou com análogos objetivos, ao longo de anos, décadas ou mesmo séculos”. A tradição
que, dado o interesse pela tradução de literatura se formou na Alemanha ao longo de
séculos, permanece, segundo Lefevere, una e incontestada até a atualidade (id.).
Dessa tradição Lutero é o grande “precursor”, Johann Gottfried Herder (que se
vale da filosofia de Johann Georg Hamann) está entre os “pioneiros”, Goethe, Friedrich
Capítulo 2 42

Schleiermacher e Wilhelm Von Humboldt são “mestres”, Benjamin e Rosenzweig estão


entre os “discípulos” (id., pp. 1, 30, 35).
Eis aí, portanto, uma primeira aproximação entre Rosenzweig e Benjamin. E
eis aí Rosenzweig colocado, em termos de filosofia tradutória, numa linha que inclui o
segmento Hamman-Herder-Humboldt, o mesmo que instituiu, conforme mencionado
na seção 7 do Cap. 1, o linguistic turn de tradição alemã.
Consideremos a seguir alguns momentos em que são nítidos os paralelos entre
Rosenzweig e aqueles que o precedem na tradição tradutória.

2.1 Lutero

Em “O Novo Pensamento”, Rosenzweig cuida de esclarecer que sua ênfase


na oralidade não significa uma concentração nos “problemas da religião”, mas em
problemas lógicos, éticos e estéticos. “Deus, justamente, não criou a religião, criou
o mundo”, diz ele (Rosenzweig, 2000a, p.129)1.
Assim sendo, propiciar que se fale, e que se ouça o que um dia foi dito para
ser ouvido sempre, é um dever para com o ‘outro’. Uma responsabilidade ética,
e muitas vezes, também a solução para um problema estético2. Mas é também,
inexoravelmente no caso de Rosenzweig, o cumprimento de um dever do homem
religioso. “Ouve Israel o teu Deus”, diz o Deut 6,4, “o teu Deus e teu único Senhor”.
A tradução em Rosenzweig é basicamente a tarefa de falar3 o hebraico em alemão,
para que possa ser ouvido. O paralelo com Lutero (traduzir para tornar acessível) é
evidente e fascinante, mas não é total. Falta a Lutero a ênfase na oralidade e (ainda
que em grau menor do que falta a outros) o respeito à palavra:

Nem a tradução de Lutero, nem o trabalho de qualquer outro tradutor posterior,


revela a percepção interior de se ver obrigado a traduzir devido a um sentimento
de respeito pela oralidade humana. E isso também é verdadeiro no que concerne
outro aspecto da língua, ou seja, os elementos que a compõem, as palavras. Talvez
Lutero tenha percebido o problema aqui envolvido melhor do que qualquer outro
tradutor subseqüente [...quando] comenta de forma tão esclarecedora acerca das
palavras do hebraico para bondade, verdade e fé; e mais surpreendentemente
no final do prefácio ao Saltério Alemão, quando – usando de um humor que
disfarça a tremenda seriedade do assunto—promete cinqüenta florins [...] [a]
“quem me der a verdadeira tradução fiel para o alemão da única ocorrência

1
Vide Glatzer, 1970, p. xv. Glatzer acrescenta quanto a isso que “o fato de que as pessoas se falam,
e se ouvem, aponta para a revelação”.
2
Como em tantos casos similares, o verdadeiro incentivo para que Rosenzweig se dispusesse a traduzir
Jehuda Halevi foi um volume saído em 1921 com traduções de Halevi por Emil B. Cohn. “Fiquei tão
contrariado [com a má qualidade da tradução] que a poesia [corretamente traduzida] jorrou de mim.”
(Glatzer, 1998, p.122).
3
Para os termos que nesta seção e na próxima aparecem em itálico ou negrito itálico, vide n. 4 do
Cap. 1, p. 23 acima.
Capítulo 2 43

da palavra [hebraica] heyn em toda a Escritura”. Trata-se da sua palavra, a


palavra mais intrinsecamente luterana do léxico hebraico, a palavra ‘graça’
(Rosenzweig, 1926/1994, p. 66, citado também em Glatzer, 1998, pp 259-260,
grifos meus).

Mas outro paralelo com Lutero se vislumbra no trecho acima. O elogio a quem
“comenta de forma tão esclarecedora”, revela uma amplitude maior no conceito
de tradução em Rosenzweig. Para ele, comentar é uma das formas de traduzir, uma
linha que remonta à tradição rabínica, mas que também é conseqüência da abertura
dialógica ao ‘outro’. O texto é sempre aberto, como que incompleto e postergado,
à espera da interpretação do ‘outro’ que o comenta para ser no futuro objeto do
comentário de um outro ‘outro’.
Isso, de certa forma, explica a frase de Rosenzweig mencionada no início do
Cap. 1, sobre ser o Jehuda Halevi uma aplicação prática do “novo pensamento”. As
traduções em si, às quais se juntam a reflexão sobre o traduzir no “Posfácio” e mais os
comentários sobre os poemas traduzidos nas “Notas” (notas essas que, é importante
ressaltar, são mais doutrinais que de tradução), compõem o todo de uma obra que
pode ser entendida como uma tarefa de tradução latu senso, mais ampla.

2.2 Schleiermacher e Goethe

Há também em Rosenzweig paralelos claros com dois outros grandes “pensadores


da tradução” alemães. É impossível não lembrar de Schleiermacher ao ler-se o trecho
abaixo do “Posfácio” à tradução de Yehuda Halevi:

Há um grande erro conceitual em supor-se que o tradutor, para cumprir sua


tarefa, deva adaptar ao uso corrente alemão tudo o que lhe for estranho. Se
eu fosse comerciante e recebesse um pedido de fornecimento da Turquia eu
o enviaria para um escritório de traduções e me satisfaria com esse tipo de
tradução. Mas se a comunicação vinda da Turquia fosse a carta de um amigo, a
tradução desse tipo de escritório já não seria adequada. E por quê? Por não ser
fiel? Ela seria tão fiel quanto a da carta comercial. Mas não é esse o ponto. [A
tradução] seria bem alemã, mas não seria suficientemente turca! Eu não ouviria
a pessoa, o seu tom específico, sua maneira de ser, as batidas do seu coração
(Rosenzweig, 1923/1995, p. 170, grifos meus).

Na famosa palestra de Schleiermacher “Ueber die verschiedenen Methoden des


Ubersetzens”, de 1813 (trad. ingl. em Lefevere, 1977, pp. 66-89), a mesma imagem
da tradução comercial (id., pp. 68-69) contraposta à “tradução propriamente dita”
é empregada.
Já no texto que se segue, é clara a adoção da divisão tríplice da tradução
proposta por Goethe (Goethe, 1819, trad. em Lefevere, 1977, pp. 35-36), na qual
a tradução é encarada como índice de um processo evolutivo na história de uma
nação:
Capítulo 2 44

Em certo sentido, toda grande obra de uma língua só pode ser traduzida para
outra língua uma única vez. A história da tradução apresenta alguns fenômenos
que são típicos. A princípio ocorre um certo tipo de traduções interlineares que
têm o modesto objetivo de servirem de primeiros passos, e mais tarde traduções
livres, “criativas”, que procuram tornar acessível ao leitor o significado — ou o
que o tradutor considera ser o significado – do texto [...] E então um dia acontece
um milagre e os espíritos das duas línguas se fecundam. Isso não se dá como cai
um relâmpago, do nada. O tempo para tal hieros gamos, para que essas Núpcias
Sagradas venham a ocorrer, não chega senão quando um povo, receptivo, se
alça em direção ao bater de asas de uma obra prima estrangeira, com locução
e anseios dela próprios, e quando essa receptividade não é mais baseada na
curiosidade, no mero interesse, no desejo de educar-se, ou mesmo no prazer
estético, mas tornou-se [a receptividade] parte integral do desenvolvimento
histórico desse povo. (Rosenzweig, 1926/1994, p. 53, grifos meus).

O importante a notar é que, não obstante os claros paralelos, todos os três


textos trazem também marcas exclusivas que os distinguem dos autores “citados”, e
ressaltam as características específicas de Rosenzweig: a preocupação e o dever com
a oralidade e a locução, com falar ao outro, com ouvi-lo e ser ouvido, no tempo
que a ele, outro, lhe aprouver.

3. A Tradução à véspera da Filosofia

Num pequeno trecho de uma carta (de 1/10/1917) a Ehrenberg, Rosenzweig


resume em poucas palavras os princípios de sua atividade de tradução, com a qual se
envolvia então de forma eventual, desde sua “conversão” em 1913:

Traduzir é, afinal, o verdadeiro objetivo da mente [Geistes]; apenas quando


traduzido é que algo se torna realmente audível, e assim não pode mais ser
descartado. Foi apenas após a Septuaginta que a revelação viu-se totalmente
à vontade no mundo, e quando Homero ainda não falava latim [lateinisch], ele
[Homero] não era ainda um fato. O mesmo se dá com a tradução de pessoa a
pessoa (Rosenzweig, apud. Galli, 1995, p. 322, itálico de Rosenzweig).

“Todos os componentes da filosofia da tradução de Rosenzweig estão concentrados


aqui”, diz Barbara Galli4. Mas, talvez melhor, se devessem reconhecer já latentes
nessas frases as noções que Rosenzweig, poucas semanas mais tarde (em 18/11/1917),
exporia pela primeira vez de forma sistemática em outra carta, já acima mencionada,
ao mesmo Ehrenberg (a famosa “célula mãe” [Urzelle] de A Estrela da Redenção).
No “audível”, grifado pelo próprio Rosenzweig, estão o ‘falar’ da ‘oralidade’, e o
‘ouvir’, e portanto o ‘outro’. O ‘tempo’ está implícito no processo todo que leva
ao momento da tradução a partir do qual a ‘revelação’ passa a estar “á vontade no
mundo”, acessível à ‘comunidade’ em seu âmbito mais pleno.

4
Galli, 1995, p.322, num capítulo todo dedicado à análise deste trecho.
Capítulo 2 45

Ou seja, mais do que uma “filosofia da tradução”, o trecho, sem dúvida seminal,
incuba as bases do sistema filosófico que terá na tradução uma de suas principais
ferramentas de aplicação prática. E é significativo que esse momento premonitório,
no “day before” da formulação sistemática, apareça no contexto de um comentário
sobre, “afinal”, a inescapabilidade da tradução.

4. Tradução dialógica

Mas, afinal, de que tradução se trata aqui? O que é essa tradução de Rosenzweig
que nos ocupará ao longo de todo este trabalho? Busquemos obter aqui uma primeira
impressão.
Trata-se, desde logo, é claro, da tradução do grande texto literário. Da obra que,
canônica ou revolucionária, clássica ou limite, sempre se lerá ao longo do tempo.
A tradução daquilo que, quem dera, a tradução fosse desnecessária, quem
dera, o leitor da outra língua falasse a língua do original. Mas não fala. E por isso—
melancolicamente—o tradutor encara a tarefa, cumpre o dever, traduz.
Na epígrafe do “Posfácio” do Yehuda Halevi, Rosenzweig (1995, p. 169) cita
uma nota de um certo Friedrich Leopold von Stolberg, tradutor da Ilíada:

Oh, caro leitor, aprende o grego,


e atira às chamas
esta minha tradução. [apud Rosenzweig, 1995, p. 169].

E numa carta de 1921 a Gershom Scholem, outro importante tradutor do


hebraico, Rosenzweig comenta acerca da tradução que fizera da prece judaica para
antes da refeição, o Tischdank:

Se acontece de algum convidado judeu poder apenas ler o hebraico [foneticamente,


sem entender o que lê], [...] eu não menciono a existência da minha tradução.
O hebraico, mesmo sem ser entendido, lhe proporciona mais do que a melhor
das traduções (Rosenzweig, apud Glatzer, 102).

A última frase acima é difícil, perigosa mesmo, e talvez seja uma das mais
melancólicas e paradoxais vindas da boca (ou da pena...) de um tradutor. Para elucidá-
la deveremos aguardar até o Cap. 5 (sec. 4.1, pp. 128-129) quando tivermos analisado
o que possa ser uma “língua sagrada”, e como entender, nos tempos atuais, a própria
noção de um “sagrado” (Cap. 4, sec. 4, pp. 94-97). Mas Rosenzweig continua:

Na medida em que falamos o alemão não podemos evitar esse desvio [i.e., a
tradução para o alemão] que [...] nos faz, a duras penas, retornar do que nos
é alheio ao que nos é próprio. Nossa única certeza é de que acabaremos [por
esse desvio] chegando afinal até lá. Um “afinal” que pode, é claro, chegar a
qualquer hora. Caso contrário seria de fato insuportável (id.; vide tb uma outra
afirmação de Rosenzweig nesse sentido em Oliveira, 2000, p. 117).
Capítulo 2 46

E Rosenzweig, ao que tudo indica, “chegou até lá”. Produziu pouco depois uma
inigualada tradução de poemas de Halevi (Galli, 474), e mais tarde com Buber, uma
tradução da Bíblia hebraica que é muito apreciada. Como eram essas traduções?
No caso da tradução do Halevi um incentivo de Buber, no momento certo, teve
um papel fundamental para que esse trabalho fosse levado a cabo por Rosenzweig
(e, a posteriori, para que o próprio trabalho de tradução da Bíblia acontecesse). As
circunstâncias em que esse incentivo se deu, estão relatadas em carta de 1922 a
Margarete Sussman, e são reveladoras:

[...] e preciso de outros que me digam que algo, finalmente, foi conseguido. No
momento crítico [para o Jehuda Halevi] esse ‘outro’ foi Buber. Sem ele o livro
jamais chegaria a ser escrito. [...] eu o traduzi [o primeiro poema de Halevi que
Rosenzweig traduziu], e vivi logo a experiência que aparentemente vem junto
com traduções como essa: as três mulheres importantes na minha vida, que
por acaso se achavam reunidas à volta daquele novo produto, unanimemente
julgaram-no “terrível” e fizeram pouco de mim. E me aconteceu a mesma
coisa que tem acontecido desde então: eu quase acreditei nelas, mas, só por
conta de ter também uma opinião externa, enviei a tradução a Buber, que salvou
o poema e o livro que dele nasceu (apud Glatzer, 123, grifos meus, itálico de
Rosenzweig).

Em três palavras: um insuportável estranhamento. Considere-se agora este


outro trecho, mais longo, do “Posfácio” à tradução de Halevi, que se inicia com um
ataque contra os tradutores “germanizantes”, aqueles que evitam a todo custo o
estranhamento:

Traduzem como quem não tem nada a dizer. Quem nada tem a dizer, nada
exige da língua. E a língua, da qual quem a fala nada exige, entra em torpor,
torna-se tão somente um meio de comunicação do sentido, um Esperanto
qualquer. Quem tem algo a dizer, vai dizê-lo de uma maneira nova. Torna-se
um criador da língua. Após tê-lo dito, a língua ganha nova face. O tradutor
torna-se o porta-voz da voz estrangeira, a qual se torna audível transpondo
um abismo no espaço e no tempo. Se a voz estrangeira tem algo a dizer, então
a língua se torna uma outra língua, diferente da que era até então. É esse o
critério da tradução bem sucedida. É totalmente impossível que uma língua
na qual Shakespeare, ou Isaías ou Dante tenham, de fato, falado, permaneça
intocada. Ela sofrerá uma renovação como se uma nova voz, autóctone, surgisse.
Ou maior ainda. Porque o poeta estrangeiro traz para a nova língua não apenas
aquilo que ele próprio tem a dizer. Ele carrega também consigo, para a outra
língua, toda a herança do espírito lingüístico universal que está presente em
sua língua (Rosenzweig, 1995, p. 171, grifos meus).

Eis aí um “criador da língua”, que não se atenta a uma “língua em torpor”,


não quer saber só de um mero “meio de comunicação do sentido”.
Mas Rosenzweig não fica só no grandioso. Detalha, como veremos em mais
detalhe no Cap. 5, também os ossos do ofício, o suor da tarefa. Discute acróstico e
Capítulo 2 47

rima (id., 174). Diz com todas as letras que o desprezo à rima nas traduções alemãs da
poesia de Halevi até então deveu-se “à mais inqualificável preguiça, pura e simples”
(id.). Descreve detalhadamente como se formaram “os dois elementos da métrica
hebraica, uma espécie de iâmbo de uma sílaba silenciosa e uma sílaba tônica e mais
uma sílaba tônica que pode ser aumentada em duas, três [..] e até num maior número”,
para concluir que “dessa forma a chamada ‘falta de naturalidade’ dessa métrica
hebraica pode ser entendida” (id., 175). E assim

a tarefa do tradutor é a de construir versos em alemão que forcem esse nível


de tonicidade e superem a inclinação natural da língua alemã pelo iambo,
o trocaico, e em certa extensão o dactílico, e em todos os casos os ritmos
anapésticos [...] (id., 176).

Em outras palavras, falar o hebraico em alemão. Traduzir para que fale, e


para que se faça ouvir, a “voz estrangeira” do outro.
O tradutor que Rosenzweig advoga, o “criador da língua” que não se atém
somente a “um meio de comunicação do sentido”, não teme, portanto, o estranhamento
que, p. ex., a atenção a acróstico, rima e métrica da língua de partida trarão ao
seu leitor. Pelo contrário, considera essa atenção fundamental e se compraz no
estranhamento que ela possa causar.
Ao comentar um aspecto do “novo pensamento” de Rosenzweig—aspecto que
discutiremos mais adiante em conexão com Walter Benjamin—, Galli expressa bem o
que se passa nessa tradução:

For the speech-thinking method, the belief that any language has its own
resources for being stretched and for accommodating alien utterances is the key
to translating [...]. The visible, tonal, audible differences evident in content
and form between any target language’s present expression and it’s capacity
for expression in the face of the source language are the important things to
be detected by the listener, the translator. The [...] translator who wishes to
speak as the one to whom he listens, [...] forsees, forhears, in his or her own
language territory the possibilities for the cultivation of verbal expression.
He picks up from what is already realized in the source language that which is
about to be unearthed from the target language’s soil. (Galli, 1995, p. 361).

Qual tradução então? Uma tradução que escuta a voz estrangeira—a voz que
é outra—antes de falar, e que se constrói num esforço de diálogo entre as línguas.
Uma tradução outra. Uma tradução dialógica.
Capítulo 2 48

5. Filosofia/Teologia e prática de tradução: o macro, o meso e o micro


da tradução dialógica.

Numa das duas únicas referências explícitas à tradução que faz em A Estrela
da Redenção, Rosenzweig, no contexto de sua análise do cristianismo, apresenta-a
como estando associada ao Espírito no milagre de Pentecostes:

O efeito primeiro do Espírito é traduzir, construir a ponte entre homem e


homem, entre língua e língua. A Bíblia deve certamente ser o primeiro livro a
ser traduzido e [o texto traduzido] deve ser considerado igual [em status] ao
texto original. Por toda parte Deus fala com as palavras do homem. E o Espírito
faz ver que o tradutor, aquele que ouve e que transmite, sabe-se igual ao que
pela primeira vez falou e recebeu a palavra (Rosenzweig, 1970, p. 366).

Assim, é no contexto da comunicação do divino com o humano que a tradução


primeira deve se dar, a tradução do relato dos eventos fundadores da Revelação de
Deus ao seu povo5. Uma tradução, portanto, que é mandatório que seja feita (vide
Oliveira, 2000, p. 83), e feita de forma tal que alcance o mesmo status do original,
já que deve propiciar a quem a lê o mesmo que o original propicia: que “Deus fale
com as palavras do homem” de forma a que a Revelação que se deu na história do
povo venha a ocorrer também, como evento fundador, na história de vida de cada
indivíduo ao longo do tempo.
Tem-se assim, na definição do objetivo a ser alcançado, uma definição
“macro” do que vem a ser a tradução dialógica a que se dedicam Buber e Rosenzweig:
traduzir de forma tal que o texto traduzido propicie a Revelação. E, nessa medida,
a tradução de Rosenzweig é inegavelmente uma “aplicação prática” da filosofia de A
Estrela. Mas, nessa mesma medida, essa aplicação dá-se exclusivamente no âmbito
da relação do humano com o divino. A tradução é ademais feita a partir de uma língua
morta que, ao menos àquela época, praticamente inexistia como veículo de efetiva
comunicação “secular”, inter-humana. E que por isso podia ser tida, em bloco, como
uma “língua sagrada”.
O que é uma “língua sagrada”, ou o que seja “o sagrado” na língua, serão objeto
de discussão mais adiante, respectivamente nos capítulos 5 e 4. O que de toda forma
caracteriza o texto traduzido por Buber e Rosenzweig como sendo, enquanto texto,
uma tradução dialógica—e com isso vai aqui uma definição meso—é o fato de tratar-
se de um exercício de esticamento do potencial expressivo da língua de chegada
com vistas a transportar para ela um poder expressivo reconhecido pelo tradutor
na língua de partida, como visto logo acima, ao final da seção anterior. E nisso a

5
Tem-se aí nesse trecho, portanto, no “tradutor [...] [que] sabe-se igual ao que pela primeira vez
falou e recebeu a palavra”, mais um paralelo entre as reflexões sobre a tradução de Rosenzweig e as
de um mestre da tradição tradutória alemã. No caso, o paralelo é com “o tradutor [que] é um profeta
entre seu povo” de Goethe. Conf. a epígrafe do Cap. 1 acima.
Capítulo 2 49

questão básica é a definição do limite máximo admissível para um tal “esticamento”,


o que Rosenzweig chama de “fronteiras de possibilidade lingüística” (Rosenzweig,
1926 in Buber e Rosenzweig, 1994, p. 65).
No entanto, é a partir do aspecto “micro”, o da aplicação das técnicas de
tradução, que tudo isso se dá. É preciso, portanto, que busquemos entender a gênese
das técnicas. Como, e por que, em Buber e Rosenzweig uma filosofia (não relativista) e
uma epistemologia (que considera a noção teológica de Revelação como uma categoria
válida e fundamental para aquisição do conhecimento) acabam redundando tanto na
formulação da técnica, quanto na solução prática dada a cada específico problema
de tradução. Como, em outras palavras, a tradução dialógica cujas características
reconhecemos como que “de fora para dentro” na seção anterior, acontece, se dá,
agora “de dentro para fora”, a partir da filosofia e da teologia dos tradutores Buber-
Rosenzweig.

6. O sagrado e o profano

A principal fonte para o estudo das técnicas de tradução são os escritos


de Rosenzweig e Buber acerca de seu trabalho de tradução da Bíblia. Artigos,
correspondências, réplicas a críticas e resenhas, reunidos em Buber e Rosenzweig,
1994.
A partir deles é possível se reconhecer um pensamento tradutório que, partindo
da necessidade e da “missão” de um trabalho de tradução tal como o da “definição
macro” acima, determina técnicas que são aplicadas no nível micro. E que redundam
(as técnicas e sua aplicação) na efetivação dessa tradução almejada, a tradução
dialógica tal como descrita na “definição meso”: o “esticamento”—dentro do que é
lingüisticamente admissível—do poder expressivo da língua de chegada, produzindo
o texto traduzido que é apresentado ao entendimento do leitor.
Iniciamos esclarecendo melhor a “definição macro”. Que o intelectual moderno
possa vir a “confrontar a Bíblia” (Buber, 1926, in Buber e Rosenzweig, 1994, p. 4),
de forma a reconciliar-se com ela ou rebelar-se contra ela—como acontecia com as
gerações que o precederam e deixou de ocorrer no tempo presente (o da Alemanha
na Emancipação judaica do início do séc. 20)—, é o que leva Buber e Rosenweig à
empreitada de uma nova tradução do texto massorético da Bíblia hebraica.
São, esses “intelectuais modernos”, indivíduos para quem “o sentimento de
que o Geist [espírito, intelecto, mente...] traz obrigações é, para eles, não mais que
uma questão intelectual” (id., p.5). São eles presa de um “falso realismo que entende
o Geist como apenas [mais] uma função da vida e que reduz seu caráter [que é]
absolutamente incondicionado [no sentido de ser totalmente absoluto, de não haver
Capítulo 2 50

nada a que o Geist possa estar condicionado], a uma mera condição psicológica ou
sociológica” (id.).
“A compreensão da realidade bíblica”, diz-nos Buber, “começa com a distinção
entre criação, revelação, e redenção” (id., p. 9)—e acrescenta em nota de rodapé:
“uma nova apresentação dessa distinção, [de uma forma que é adequada] ao nosso
tempo, é o grande feito de Rosenzweig em A Estrela da Redenção”.
Logo a seguir Buber faz uma observação muito importante:

sem dúvida a criação e redenção são verdadeiras apenas sob a premissa de que
a revelação é algo presente [on the premise of the presentness of revelation],
[...] [e também que] “eu não poderia compreender [o que são criação e
redenção] se ela[s] [graças à revelação] não tivesse[m] acontecido em mim
(id., p. 10, grifo meu).

E como esse “acontecer em mim” de uma “revelação presente” poderia se


dar, a partir da leitura de um relato da história da revelação ao povo, que consta da
Bíblia (por exemplo, o episódio da sarça ardente com que se confronta Moisés)? Três
tipos de significado poderiam ser atribuídos a tal relato. “O primeiro seria tomá-lo
como a expressão metafórica de um processo ‘espiritual’” (id.). O segundo, “como o
relato de um processo sobrenatural” (id.). Ou,

em terceiro lugar, pode-se considerar que se trata do traço verbal de um


evento natural no qual o grupo [assemblage] que o vivenciou, vivenciou-o
como a revelação de Deus a ele [grupo] e dessa forma preservou-o de forma
inspirada—e nunca arbitrária—, na memória formativa das gerações [que se
seguiram] (id.).

Traduzir esse “traço verbal” de forma que o relato dos eventos da história da
revelação ao povo eleito propiciem que a revelação “aconteça em mim”, ocorra comigo,
eis o “dever do tradutor dialógico” da Bíblia, tal como Rosenzweig e Buber se colocam,
o dever do tradutor da história da comunicação entre o divino e o humano.
Uma distinção semelhante à que Buber faz entre a incapacidade de “confrontar
a Bíblia” da geração atual (i.e., da década de 1920) e o que ocorria às gerações
precedentes, é colocada também por Rosenzweig num de seus mais famosos escritos
sobre tradução, “Scripture and Luther” (Rosenzweig, 1926 in Buber e Rosenzweig,
1994, pp. 47-69). Nesse artigo, alguns passos primeiros que vão da filosofia à prática
da tradução e à justificativa das técnicas adotadas são esboçados6.
“Nosso tempo perdeu [a] noção de revelação” (id., p. 50), aponta Rosenzweig,
num contexto onde compara as suas circunstâncias com as de Lutero, um ponto do

6
Apenas esboçados. Como bem coloca Fox (1994) acerca dos ensaios em Scripture and Translation:
“What does not always appear in these essays, however, is the explicit connection between Buber and
Rosenzweig’s biblical translating and exegesis and the more general religio-philosophical underpinnings
which they brought to their work”. É essa base filosófica—o speech thinking de Rosenzweig sendo posto
em prática no trabalho de tradução—que se busca aqui “garimpar” e reconhecer.
Capítulo 2 51

ensaio que é de especial interesse. Nele, as condições em que a tradução que aqui
denominamos “dialógica” deve ser aplicada, são colocadas como uma exceção à
regra geral. A regra geral—intuitiva e óbvia—, Rosenzweig a cita de Lutero: “produzir
linguagem clara, compreensível a todos, com sentido e significado não distorcidos”
(Lutero na introdução ao Livro de Jó, apud Rosenzweig, 1926, in id., p. 48).
Rosenzweig nota então que Lutero, se formulou essa regra geral, reconheceu
também a situação de exceção. Essa exceção acontece quando, na imagem de
Schleiermacher que Rosenzweig cita, o tradutor opta pelo “movimento do leitor alemão
na direção do original estrangeiro, do gênio da língua estrangeira” (Rosenzweig, 1926,
in id. p. 49). “Algumas vezes”—diz Lutero no Prefácio ao Saltério, (abrandando assim
sua regra geral citada acima)—“é necessário ater-se rigidamente às palavras, e outras
vezes transmitir apenas o significado”. Aqui, no “ater-se rigidamente às palavras”,
Lutero se refere a Sl 68, 187, e explicita:

‘Subiste às alturas e tornaste a catividade cativa’. Uma tradução idiomática


seria ‘libertaste os prisioneiros’. Mas com isso se perde força e não se transmite
a riqueza e a sutileza do hebraico. ‘Tornaste a catividade cativa’—ou seja, Cristo
não apenas libertou os prisioneiros, mas arrebatou nesse processo a prisão,
tornou-a cativa, de tal forma que nunca mais poderá ela [a prisão] tomar-nos
como prisioneiros novamente, e nossa redenção é eterna. [...] Para honrar esse
ensinamento, e para conforto das almas, é preciso que retenhamos essas
palavras, que as toleremos, dando dessa forma ao hebraico algum espaço, nas
situações em que ele se sai melhor do que o alemão. (Lutero na introdução
ao Saltério, apud Rosenzweig, 1926, in id., 49, grifos meus).

Não poderia haver melhor formulação para nossa meso-definição da tradução


dialógica do que a que consta do segundo grifo acima, e Rosenzweig, sintomaticamente,
se preocupa então com a questão básica desse nível “meso”, qual seja, a de como
se reconhecer que se está diante de uma dessas situações—que são de exceção,
recorde-se, ao menos para Lutero—, situações em que “o hebraico se sai melhor do
que o alemão”.
Lutero, um leitor cristão do Velho Testamento e que vivia num tempo que
não perdera a “noção de revelação”, dispunha, diz-nos Rosenzweig, de uma “infalível
ferramenta de detecção, a analogia da fé” (Rosenzweig, id., p. 50, itálicos do autor),
a noção de que a Bíblia hebraica apresenta uma antevisão do Novo Testamento. Onde
essa antevisão ocorria, onde para Lutero o Velho Testamento inequivocamente

praticava Cristo [...] [e] apenas [nesses trechos], mas neles de forma mandatória,
era necessário que se tomasse palavra a palavra, e se traduzisse com uma rígida
literalidade. Todo o resto—e para Lutero o “resto” constituía a maioria do texto
[do Velho Testamento]—[...] [apresenta apenas] uma representação, um padrão
de conduta e de vida, do como ‘as coisas acontecem no curso da vida corrente’,
7
Correspondente a Sl 68: 19, na Bíblia Sagrada, em tradução da CNBB, tradução que, aliás, não segue
essa recomendação de Lutero.
Capítulo 2 52

e aí [nessa situação bem mais freqüente], o tradutor ‘pouco se importa com


as palavras hebraicas, e fala o que elas significam no melhor alemão possível’
(Rosenzweig, id.).

Eis aí um quadro bem delimitado, no qual é sempre possível discernir quando


cabe aplicar a regra e a exceção na prática tradutória, e que define claramente onde
se situa, sob essa ótica, o limite entre o sagrado e o instrumental na língua. Mas isso
foi possível para Lutero, o tradutor cristão que vivia num tempo que tinha clara a
“noção de Revelação”.
Os tempos de Rosenzweig são outros e a “noção de Revelação” está perdida.
Trata-se agora de um tempo que

busca a revelação daquilo que considera digno de crença em toda uma gama
[de assuntos] que Lutero, considerando tratar[em]-se de um mero retrato ou
padrão da vida [prosaica do dia a dia], tinha excluído do cerne religioso do Livro,
um cerne firme, visível e eternamente circunscrito. Nosso tempo, portanto, ao
traduzir, deve permitir-se colocar continuamente ao Livro a questão religiosa
essencial, tão firmemente e seguramente quanto possível (id.)

Essa “questão religiosa essencial” a ser colocada pelo tradutor da Bíblia “neste
tempo”, permanece sendo a mesma de Lutero: Há a necessidade de se dar [neste
determinado ponto específico da tradução] “algum espaço ao hebraico” (id.)? Inclui,
este trecho específico do texto bíblico, “[alg]uma asserção muito importante, dirigida
a nós [leitores de hoje], e a[o conforto das] ‘nossas almas’” ? (id.).
Mais adiante no ensaio, há um trecho onde Rosenzweig indica a amplitude
dessa tarefa neste novo tempo que não é o de Lutero:

E se cremos que não apenas a passagem que nos chamou a atenção devido a
uma [determinada] doutrina particularmente circunscrita, mas que qualquer
enunciado humano pode trazer em si escondida a possibilidade de algum dia,
no seu tempo ou no meu tempo, vir a relevar a palavra de Deus, então, nesse
caso [i.e., dada essa crença] o tradutor deve, tanto quanto a sua língua o
permitir, buscar seguir os peculiares volteios [de linguagem] daquele enunciado
que está, potencialmente, prenhe de revelação [...]. (id. pág 64, itálicos de
Rosenzweig).

Se assim é, se “qualquer enunciado humano” pode ser fonte de Revelação, como


reconhecer-se onde aplicar, nestes “tempos de agora”, o que era “exceção” no tempo
de Lutero. Onde cabe ceder, na língua de chegada, “algum espaço ao hebraico”?
Há mais um trecho em “Scripture and Luther” em que Rosenzweig justifica
a diretriz tradutória que, com Buber, adota a esse respeito, e que—já se vê pelo
que precedeu—transforma a “exceção de Lutero” numa “quase regra-geral”, numa
preocupação a se ter permanentemente presente no trabalho de tradução do texto
massorético. E é interessante notar, nesse caso, a explicitação (rara de ocorrer em
Buber-Rosenzweig, segundo Fox, vide n. 6, p. 50 acima) de um embasamento teológico-
Capítulo 2 53

filosófico na adoção de uma diretriz para a prática tradutória. E notar também a postura
de “confiança na linguagem” na linha de Ricoeur (Cap. 1, sec. 7.2, p. 38 acima), uma
confiança que toma aqui a forma de uma esperança:

Mais uma vez: uma esperança religiosa distinta [da de Lutero], para a qual
[distinta esperança] tudo o que é profano na Escritura—e o que não é profano!—é
apenas uma casca sob a qual algum dia algo sagrado, algo sagrado para mim,
pode vir a se revelar—tal esperança deve considerar esse problema de literalidade
[Wörtlichkeit des Worts, em alemão, e portanto, a rigor a tradução seria
“palavridade das palavras”] de uma forma diversa e mais abrangente. Deve
em princípio considerar a tarefa de traduzir uma palavra ‘ao longo de toda a
Escritura [i.e., todas as suas ocorrências] de forma idiomática e precisa’ como
aplicável a toda palavra; e ao menos nos pontos onde à esperança já correspondeu
a aguardada revelação de uma presença na palavra, essa tarefa reconhecida
[como algo a ser sempre considerado] em princípio, torna-se então inevitável,
e deve ser levada a cabo com todo o esforço. (Rosenzweig, 1926, in Buber e
Rosenzweig, 1994, p. 66-67, itálicos de Rosenzweig).

Enfim, num tempo desprovido da noção de revelação, os tradutores vêem-se


ademais desprovidos de “uma vara d’água” (id., p. 50) como a de que Lutero dispunha.
A vara da “analogia da fé”, que “infalivelmente vibrava” (id.), indicando os pontos
que encobriam a mensagem do divino ao humano. Devem então os novos tradutores
colocar-se a questão do locus da mensagem ao longo de todo o texto. Filosofia e
teologia geram assim uma primeira (e exigente) diretriz de prática tradutória. Da
exceção que era em Lutero, a tradução dialógica passa, em Buber-Rosenzweig, a
ser a regra, ou pelo menos a diretriz primeira.
Para os judeus Buber e Rosenzweig não há antevisão pontual de uma Nova
Mensagem maior. A Torah é para eles, a mensagem única e una. É, por inteiro, fonte
e presença de revelação na vida de quem a lê. E assim deve permanecer, uma vez
traduzida. Lograr que essa mensagem una de Revelação se mantenha intacta no texto
traduzido, de forma a que seja presença operante na vida do leitor, eis a tarefa do
tradutor.

7. Presença e Unidade.

A noção—teológico-filosófica—da Bíblia como unidade e como presença de


revelação é de especial interesse para o que aqui nos ocupa. Dela, e da filosofia
da linguagem nela implícita que buscaremos reconhecer, decorrem duas técnicas
tradutórias extremamente inovadoras, a das Leitwörter e a das cola, que constituem
a grande contribuição de Buber e Rosenzweig para a prática da tradução.
Iniciemos com a presença da revelação. Como visto na seção anterior,
Rosenzweig, ao contrapor sua situação histórica e teológica à de Lutero, reconhece
um “potencial de revelação” que é ubíquo: qualquer trecho da Bíblia (por mais prosaico
Capítulo 2 54

que seja), qualquer termo na Bíblia (por mais “profano”) pode, a qualquer tempo, ser
portador de revelação. A argumentação, entretanto, teve o caráter de uma definição
por negação: como seu tempo perdeu (não tem mais) a noção de revelação, como sua
teologia não tem o guia infalível (a “analogia da fé” de que dispunha Lutero), cabe
a Rosenzweig adotar a diretriz da cautela: não privilegiar qualquer ponto do texto.
Admitir a possibilidade de a revelação irromper de qualquer trecho.
No entanto, um outro texto, de Buber, coloca a “Bíblia como presença” de
forma direta e positiva. Nele o “ser presença” é intrínseco à Bíblia, e a revelação
não é “pontual”:

[...] como deve ser lida a Bíblia: em presença viva. Seqüências de sons, de
palavras, de grupos de palavras recorrem [reaparecem, re-ocorrem] em específica
relação com as diversas partes de uma passagem, com várias passagens, com
vários livros; reaparecem de forma a constituir uma unidade discernível,
[uma ocorrência] significativamente desenvolvendo [um]a outra [ocorrência],
clarificando-se uma à outra, suplementando-se uma à outra. Devemos aprender
de cada recorrência [específica] a lição que ela ensina. O ensinamento bíblico
menos apresenta suas maiores verdades do que deixa que elas se revelem
[lets them be opened up]—que se revelem não pela quebra de um código ou
deciframento de uma alegoria, mas por esses arcos de repetição significante,
ligando passagem a passagem de forma perceptível a todo leitor atento e de
mente aberta. (Buber, 1926a in Buber e Rosenzweig, 1994, p. 14, negritos meus,
itálicos de Buber).

E no trecho abaixo de um outro artigo de Buber também escrito em 1926, a


Bíblia, positivamente, é “Mensagem” [Botschaft]. E a mensagem (i.e., presença de
revelação) é aqui, expressamente, entendida como algo não pontual, algo que pervade
o texto. Mais ainda, trata-se de algo que transcende a dicotomia forma-conteúdo:

A Bíblia, tal como a temos, é Mensagem [Botschaft] em cada membro de seu


corpo8 [...] Constituir-se-ia num fundamental mal-entendido quanto à natureza
da Bíblia o assumir-se que ela aborda, aqui ou acolá, a questão da Mensagem,
de forma similar à que a moral é tratada nas parábolas de má qualidade. Não
existe um “conteúdo” a ser extraído a partir do minério bíblico [to be smelted
from the biblic ore]; cada conteúdo bíblico existe em seu unitário e indissolúvel
Gestalt, um Gestalt tão indissolúvel quanto o de um bom poema; não há o
retorno a um “O Quê” original que concebeu este “Como” mas que poderia
ter produzido um outro “Como”. Tudo na Escritura é fala genuína [genuine
spokenness], em comparação com a qual conteúdo e forma aparecem como
o resultado de uma falsa análise.[...] A Mensagem [...] entra na forma, ajuda
a determinar a forma, transforma-a, e se transforma por [for] ela—mas sem
com isso afetar-nos, nem um mínimo que seja, como algo que possa vir-nos
distorcido, confundido, didatizado. [...].

8
A alusão é a Sl 35: 10 (“Digam todos os meus ossos [sic]: ‘Senhor quem é semelhante a ti...’” na
trad. da CNBB), e a um antigo hino judaico (sabático e das manhãs festivas) que culmina com esse
versículo, e que por sua vez inspirou um dos poemas de Yehuda Halevi traduzidos por Rosenzweig. Vide
Rosenzweig, 1995, pp. 22, 190.
Capítulo 2 55

O princípio através do qual isso é alcançado deve ser, justamente, um princípio


formal. Esse princípio formal é o ritmo—mas ritmo tanto num sentido amplo,
quanto num bastante específico. (Buber, 1926b in Buber e Rosenzweig, 1994.
pp.28, grifos meus).

É de se notar, nesses dois últimos trechos de Buber, o teológico-filosófico


fazendo-se “filosofia da linguagem”. Como se vê, o embasamento (e a confiança) na
linguagem é bem profundo. Daqui, de fato, emergem as técnicas para a da tradução
dialógica. Antes, porém, de considerarmos essas técnicas, é preciso considerar um
último texto. Desta feita um trecho de Rosenzweig, cujo objeto não é a “presença”,
mas a “Bíblia como unidade”.
“Nossa diferença com a ortodoxia”, diz Rosenzweig acerca do que denomina
a “unidade da Bíblia”,

deve-se a não podermos, dada a nossa crença no status sagrado e portanto


especial da Torah, tirar quaisquer conclusões com relação tanto ao processo de
sua gênese literária, quanto ao valor filológico do texto [na forma em que] chegou
até nós. [Se as teorias da crítica de fontes] estiverem corretas, se os samaritanos
[de fato] dispuseram de um texto superior [em qualidade] ao massorético,
isso em nada afetaria nossa crença. [...] Traduzimos a Torah como um livro
único. Para nós ela é o produto de uma mente única. Não sabemos a quem
pertenceu essa mente; não podemos crer que tenha sido Moisés. Designamos
essa mente entre nós [Rosenzweig e Buber], pela [mesma] abreviatura com que
a Alta Crítica da Bíblia indica o presumido redator final do texto: R. Para nós
entretanto ela não se refere a redator, mas a rabenu [nosso mestre]. Por que
ele, quem quer que tenha sido, e seja qual for o texto que tinha à sua frente,
ele é o nosso mestre, e sua teologia é o nosso ensinamento. (Rosenzweig, 1927,
in Buber e Rosenzweig, 1994. pp.22-23, grifos meus).

Dessa opção por uma “teologia”, que Rosenzweig reconhece como presente
nessa “Bíblia una”9, decorre uma outra “tarefa do tradutor: lutar pela precisão verbal
na tradução da terminologia bíblica”. Terminologia aqui entendida num sentido “que
é mais amplo e mais profundo que o usual” (id., p. 24).
Mais amplo porque envolve também a atenção a “palavras não teológicas”, na
linha da diretriz que viemos de reconhecer na seção anterior. Não apenas conceitos
como “compaixão” [rahamim], mas também termos como [reiqam] (o juro de um
empréstimo, ou numa outra acepção, algo como “de mãos vazias”), devem ser
consistentemente traduzidos ao longo da Bíblia. No caso desse segundo exemplo—o
de uma palavra, convenhamos, nada “teológica”—Rosenzweig ressalta que “uma única
expressão deve ser consistentemente empregada” (no caso, “de mãos vazias”) em Gen
31:24, Ex. 3:21 e Deut. 15:13, pois “só assim a notória passagem do Livro do Êxodo
pode ser corretamente entendida” (id.).

9
Rosenzweig se refere a: “A unidade da Torah escrita e a unidade da Torah oral—ou poder-se-ia dizer
da Torah [que é] lida [em voz alta, na liturgia] [...]” (id. p. 24).
Capítulo 2 56

O sentido “mais profundo que o usualmente empregado” para “terminologia”,


diz respeito, por sua vez, ao fato de que a precisão se estende ao nível da “raiz
das palavras” (id., p. 25). E nisso tudo, “o objetivo não é a beleza, mas a verdade”
(id.).

8. Leitwörter e colae

Pois bem, a tarefa, que Rosenzweig cita, de buscar-se uma “precisão verbal
mais ampla e mais profunda na tradução da terminologia” é que determina o
desenvolvimento (por Buber) da noção de Leitwort, e a adoção da técnica das
Leitwörter [lit., “palavras-líder”] no trabalho de tradução. Está também por trás dessa
técnica a intenção de preservar, na tradução, os “arcos de repetição significante
[...] perceptíve[is] a todo leitor atento”10, que Buber menciona no primeiro dos dois
trechos seus que citamos pouco acima na seção anterior11.
Já o reconhecimento do “ritmo como um princípio formal” que supera a
“falsa” dicotomia forma-conteúdo determina o desenvolvimento da outra técnica,
a das cola, “unidades de respiração’ [breathing-units], ou seja, a adoção de uma
colometria no texto traduzido.
Colocada de uma forma simplicada (e voltada para a tradução) a técnica
das Leitwörter implica em, uma vez reconhecida uma Leitwort, uma palavra (ou
um complexo lexical) que opera como que uma “condução” do texto—algo que “está
para o texto como o Leitmotif está para uma ópera de Wagner” (Rosenwald, 1994,
p. xxxix)—o tradutor deverá traduzir consistentemente todas as suas ocorrências:
“[traduzir] uma dada família lexical do hebraico [sempre] para uma dada [família
lexical] do alemão, e não uma para muitas, nem muitas para uma mesma” (Buber,
1935, p. 91). Respeita-se assim a “repetição de palavras ou seqüências de palavras
homônimas ou quase-homônimas que numa passagem, num livro ou numa seqüência de
livros, exercem um poder silencioso que, não obstante, toma conta do leitor disposto
a ouvi-las” (id.).
Isso implica, note-se, numa atenção à “palavridade da palavra” (vide p. 53
acima), em não deixar-se levar facilmente pela polissemia de um termo ou de um
radical, e em exercer uma criteriosa decisão de tradução que sirva de suporte a essa
tradução “unívoca” ao longo do texto.

10
É fascinante constatar-se assim a tradução desempenhando um papel hermenêutico efetivo, na
ordem inversa do usual “primeiro interpretar, para poder depois traduzir”. Sobre isso, vide Oliveira,
2000, p. 30
11
Além disso, o sentido “mais profundo de terminologia”, ligado à “raiz das palavras”, é explicitamente
relacionado por Rosenzweig—em “Scripture and Luther” (Rosenzweig, 1926 em Buber e Rosenzweig,
1994)—à noção de “lingua única” por ele desenvolvida no Prefácio ao Yehuda Halevi (Rosenzweig,
1995). Algo a ser considerado mais adiante.
Capítulo 2 57

Já a colometria (enquanto técnica tradutória) implica basicamente na decisão


por um dado lineamento do texto. Nas cola a noção de ritmo é fundamental, como
vimos num dos trechos de Buber citados na seção acima (1926b). E há nelas uma grande
aproximação—avant la lettre—com a específica noção de ritmo de Henri Meschonnic,
que será aprofundada no capítulo 6. Para Meschonnic o ritmo de um texto—entendido
como uma noção que deve substituir a superada dicotomia forma-conteúdo—é “a
organização e a cadência do sentido [du sense] no discurso” Meschonnic (1999b,
p. 99). Ou, em outras palavras, a organização—no texto—do significado ao longo do
tempo (Rosenwald, id.).
É Rosenzweig, mais uma vez, que vai encontrar o exemplo esclarecedor para
que se entenda o que está em jogo aqui:

O aparente ‘cantado’ [singsong] no estudo do Talmud, i.e., a ‘definição’ [setting]


musical da sentença ao ser lida, define [também] o seu [da sentença] entendimento
lógico; da mesma forma Hermann Cohen “definia” sentenças difíceis de Platão
ou Kant ao lê-las em voz alta. (Rosenzweig, 1925, in Buber e Rosenzweig, 1994,
p. 44).

Caberá mais tarde, no capítulo 6, num diálogo de inter-iluminação entre


Rosenzweig e Meschonnic, aprofundarmo-nos mais nessas técnicas tradutórias de
Buber-Rosenzweig, a das Leitwörter e a da colometria. Já as técnicas empregadas
por Rosenzweig na tradução do Halevi serão examinadas no final do Cap. 5, à luz de
“A Tarefa do Tradutor” de Benjamin. O importante aqui é ressaltar, do que por hora
vimos das Leitwörter e da colometria, o que há nelas de aplicação do speech thinking,
tal como o reconhecemos em nossa primeira incursão na sec. 6 do Cap. 1.
Todo o esforço de tradução, realizado no “nível micro” das técnicas que
perscrutam o texto, visa permitir que a Bíblia traduzida continue suscitando revelação.
E que dessa forma permaneça sendo possível (ou que volte a ser possível) o diálogo
contínuo entre quem um dia falou “o traço verbal de um evento natural” (e por isso
falou mais, talvez, do que imaginava estar falando) e quem hoje o escuta (atento e
responsivo) na busca dialógica de uma verdade que só pode ser construída no encontro
de duas, ou mais, consciências.
Assim, é nesse nível micro—que a filosofia e a teologia implícitas no objetivo
macro ditaram12—é na tessitura dos “arcos de repetição significante” das Leitwörter,
na “significante organização rítmica” da colometria que o texto traduzido, o meso, se
constrói. Sempre como “fala genuína”, ainda que por escrito13. Sempre dialógico.

12
Ditaram em parte, ainda que em grande parte, e de um modo que ainda não nos é claro. Entender
“o quê” se está traduzindo quando se traduz dialogicamente um texto, é, ao fim e ao cabo, o objetivo
do presente trabalho e nos tomará pelos capítulos que se seguem.
13
genuine spokenness, vide Buber, 1926b citado na p. 54 acima. Vide também: a sec. 6 do Cap. 1
(p. 33 acima), onde a “fala verdadeira” é intuída como sendo uma noção chave do speech thinking
em Rosenzweig; na sec. 7.3 do Cap. 4 (p. 108) onde a “fala verdadeira” é apresentada como o ponto
Capítulo 2 58

No entanto, perguntas fundamentais permanecem: como tudo isso se dá? O


quê, a rigor, se está traduzindo? Como exatamente uma “fala genuína”—que suscite
resposta—ocorre a partir de uma “tessitura”, a partir de um textual? Como o “sagrado”
da comunicação divino-humano se configura num texto profano (vide p. 53 acima)? O
que “é” esse “sagrado”, tal que possa ser traduzido? O que seria uma “língua sagrada”,
tal como era tido por Buber e Rosenzweig o hebraico a partir do qual traduziam?
E mais especificamente, o que é esse “preservar o potencial de revelação” no
texto traduzido, de forma a que possa vir eventualmente a propiciar uma “presença
viva” da revelação na vida do leitor? Parece haver nisso uma confusão entre categorias
lingüísticas (“texto”, “língua”), teológicas (“revelação”, “sagrado”) e até mesmo
existenciais (“vida”), que seria importante resolver.
No que concerne a “revelação”, é Bakhtin quem vem em nosso auxílio no
próximo capítulo. O aspecto do “sagrado” será tratado no Cap. 4. A “língua sagrada”
e a questão do quê, afinal, se traduz, são discutidos no Cap. 5. As várias técnicas
tradutórias de Rosenzweig e a questão da sua inscrição—de uma forma que resulta
conseqüente para a tradução dialógica—na tessitura do texto, são discutidas ao final
do Cap. 5 e nos Caps. 6 e 7.

central de A Estrela; na sec. 1 do Cap. 6, sobre a oralidade do texto escrito.


59

CAPÍTULO 3

TRADUZINDO A ENUNCIAÇÃO:
BAKHTIN, ROSENZWEIG E A TRADUÇÃO DIALÓGICA

From: “Bakhtin Centre, University of Sheffield”


To: Multiple recipients of list BAKHTIN-DIALOGISM
Subject: Bakhtin and Translation Studies
Date: Wed, 06 Aug 2003 16:38:22 +0100
My problem/doubt is as follows: I intend to know whether Bakhtin’s ideas have been extended to
understand Translation Studies. Given that Bakhtin says very
little on Translation, have there been attempts to understand
Translation in Dialogic terms?
Amith Kumar P.V.

1. Introdução

No presente capítulo a proximidade filosófica entre Rosenzweig e Mikhail Bakhtin


é apresentada e investigada em considerável detalhe. O cuidado em desenvolver-
se uma análise um pouco mais aprofundada se justifica, pois, como veremos, essa
proximidade se revelará bem mais significativa do que, ao que saibamos, tem sido
até aqui reconhecido.
Ambos Bakhtin e Rosenzweig, será visto, apresentam uma preocupação
ética de base que orienta suas filosofias. Em ambos suas preocupações teológicas os
conduziram a seus respectivos linguistic turns. E se pode até falar de uma influência—
por via indireta—de Rosenzweig em Bakhtin. Ademais, uma complementaridade entre
seus pensamentos, importante para o que nos ocupa neste trabalho, será também
apontada.
A partir daí—e autorizado pela proximidade e complementaridade constatadas—o
ferramental teórico de Bakhtin será aplicado de forma a que o category mistake
apontado ao final do capítulo anterior, uma certa confusão de categorias teológicas
com categorias lingüísticas, seja, ao menos em parte, superado. Buscaremos com o
auxílio de Bakhtin “traduzir” para o nível que esse autor denomina “metalingüístico”,
a noção teológica de Revelação. Com isso se dará um primeiro passo para entender
o que constitui, em termos do lingüístico—e como pode estar sendo preservado no
texto traduzido—, o “potencial de revelação” que o texto hebraico da Bíblia segundo
Buber-Rosenzweig encerra.
Cabe que detalhemos os passos do presente capítulo. A seção 2 considera
alguns textos iniciais de Bakhtin para constatar, já nos primórdios de seu pensamento,
uma visão de realidade que é, como em Rosenzweig, dialógica, não acabada e presa
ao tempo e ao acontecimento.
Capítulo 3 60

A seção 3 analisa as influências filosóficas comuns, mostrando que, se por um lado


Buber é uma influência reconhecida em Bakhtin, o dialogismo que em Buber fascinou
Bakhtin deveu muito, ou quase tudo em termos de amadurecimento, a Rosenzweig.
Além disso, a importância da influência de Hermann Cohen em Bakhtin, que estudos
recentes demonstram ter sido superior à de Buber e se estendido inclusive à fase
madura do autor russo, permite ver um Bakhtin muito mais próximo de Rosenzweig
do que do próprio Buber, especialmente nos aspectos que aqui mais nos interessam,
os do diálogo inter-humano.
A seção 4 surpreende Bakhtin numa atitude bem rosenzweigueana, introduzindo
uma dimensão temporal no neo-kantismo estático e estruturado de Cohen. Também
nessa seção o conceito bakhtiniano de arquitetônica é examinado, para nele se
reconhecer a fonte de um artistic thinking que em Bakhtin corresponde a uma atitude
epistemológica semelhante à de Rosenzweig em seu speech thinking. O conceito de
arquitetônica, por outro lado, ajuda a vislumbrar a existência de interesses de ordem
teológica em Bakhtin.
A seção 5 examina essa teologia de Bakhtin, demonstrando que “o absoluto
tem, afinal, um lugar no sistema de Bakhtin” e o coloca, nessa medida, em par com
Rosenzweig. A noção básica analisada nessa seção é a de transgrediência. Procuramos
demonstrar que a escuta ativa que, segundo Bakhtin, “uma transgrediência que não se
confunda com superioridade pura e simples” deve promover, corresponde exatamente
à atitude que Rosenzweig descreve num caso prático que é emblemático da aplicação
de seu speech thinking à própria vida. A seção se encerra com considerações acerca de
um outro ponto em que Rosenzweig e Bakhtin se aproximam: a influência de Schelling
nas teologias de cada um dos dois autores.
Na seção 6 iniciamos a aplicação do ferramental de Bakhtin na elucidação
da tradução dialógica. As noções de voz e polifonia, e o “fenômeno do dialogismo
velado” cuja descrição elas propiciam a Bakhtin, são aproximados de aspectos da
técnica tradutória das Leitwörter em Buber-Rosenzweig. Já o universo conceitual
das heteroglossias propicia um vislumbre do que pode estar se passando na técnica
da colometria, bem como uma primeira forma “bakhtiniana” de se definir a tarefa
do tradutor dialógico.
A seção 7 trata do conceito mais relevante de Bakhtin para a análise levada
a cabo no presente capítulo, o conceito de enunciado nos “Gêneros do Discurso”.
Procuramos demonstrar que esse conceito é o moto de uma transição no pensamento
de Bakhtin, de um artistic thinking a um “pensamento do enunciado” que corresponde
em grande parte ao speech thinking de Rosenzweig.
A seção 8 examina então as características do enunciado bakhtiniano à luz de
sua proximidade com o speech thinking, e identifica em especial duas delas que nos
ajudam, finalmente, a entender, à luz de Bakhtin, o que se passa no nível lingüístico
Capítulo 3 61

quando Buber e Rosenzweig traduzem “preservando o potencial de Revelação do texto


do original”. A seção 9 conclui e envia aos próximos capítulos.

2. Eventicidade

Devemos iniciar constatando que a proximidade entre Bakhtin e Rosenzweig vai


muito além do fato de ambos terem adotado um enfoque dialógico para o problema
hermenêutico (vide Cap. 1, sec. 7, p. 34).
“Arte e vida não são a mesma coisa, mas devem tornar-se algo singular em
mim, na unidade da minha responsabilidade” (Bakhtin, 2003a, p. XXXIV), é a asserção
que encerra o primeiro—e brevíssimo—ensaio publicado de Bakhtin, que é de 1919. Foi
recentemente publicado pela primeira vez em português, incluído na nova tradução,
a primeira diretamente do russo, da Estética da Criação Verbal. Já aí, se reconhece
uma postura existencial, de “a filosofia aplicada à vida”, comparável à de Rosenzweig
(vide Cap. 1, seção 6, p. 33 acima).
Clark e Holquist consideram esse primeiro ensaio “importante na medida
em que revela o pensamento de Bakhtin em um ponto crucial de sua gênese” (Clark
e Holquist, 1998, p. 83). Está aqui, de fato, a preocupação ética de base que se
desenvolverá subseqüentemente numa “teoria do ato [i.e., da ação]” em “O Autor e
o Personagem na Atividade Estética”. E uma atenção com a autoria, o “ato criativo”,
que em Bakhtin tem, como veremos, um fundo teológico, e que desembocará na noção
de “arquitetônica” em “Toward a Philosophy of the Act”.
Assim, em “Autor e Personagem” Bakhtin já fala na “introdu[ção] de uma
categoria axiológica de outro” (Bakhtin 2003, p.73, grifo de Bakhtin) e, significativamente,
já diz de:

acontecimentos que, em essência, não podem desenvolver-se no plano de


uma só e única consciência, mas pressupõem duas consciências imiscíveis,
acontecimentos que têm como componente essa relação de uma consciência
com outra consciência precisamente como outra. (Bakhtin 2003, p.79, grifos
de Bakhtin).

Compare-se esse trecho com o que vai abaixo, tirado de Problemas da Poética
de Dostoievski:

a verdade única requer uma multiplicidade de consciências [...] por princípio [essa
verdade] não cabe nos limites de uma [única] consciência. [...] é por natureza
uma verdade baseada em acontecimentos e surge no ponto de convergência de
várias consciências (Bakhtin, 2002, p. 80, itálicos de Bakhtin),

e se pode concluir que, para Bakhtin, a verdade é até mais do que simplesmente
“baseada em acontecimentos”. “Verdade” e “acontecimento” são, nessas citações,
Capítulo 3 62

termos quase que intercambiáveis. Para Bakhtin verdade é acontecimento relacional,


dialógico.
Essa valorização do “acontecer”, a “eventicidade” como algo inerente à
realidade é a base da visão ‘prosaica’1 (o termo é de Morson e Emerson, 1997,
passim) do mundo, que é fundamental em Bakhtin. Para ele o mundo é tudo menos
sistematizável, totalizado ou “acabado”.
Assim, uma realidade essencialmente dialógica, não acabada, e plena de
“eventicidade” no sentido acima, constituem, já de saída, uma visão comum a Bakhtin
e Rosenzweig (vide Cap. 1, seção 6 p. 29). Algo que, em ambos, vai bem além de um
dialogismo que ficasse meramente restrito a uma “hermenêutica”.

3. Filosofia

“Kant, Schelling e Buber são as fontes reconhecidas da filosofia de Bakhtin”,


diz-nos Caryl Emerson (Emerson, 2003, p. 265, n. 13).
Já aí se tem uma forte indicação de aproximação com as influências filosóficas
de Rosenzweig. Kant foi, com Goethe, a primeira influência filosófica em Rosenzweig
(vide cap. 1, seção 2 p. 22). E Schelling foi a grande influência no passo final que
o levou à redação d’ A Estrela da Redenção (vide id). Rosenzweig chegou a afirmar
que houvesse Schelling sucedido em publicar sua obra inconclusa As Eras do Mundo
(Weltälter), a Estrela “não mereceria ter qualquer relevância, a não ser para judeus”
(Rosenzweig, 2000, p.38).
Buber, é claro, foi o grande companheiro intelectual de Rosenzweig nos
últimos nove anos de sua vida, seu incentivador na tradução do Yehuda Halevi e seu
colaborador na tradução da Bíblia. Já para Bakhtin, Buber era o “maior, se não o único,
filósofo na cena” do século 20 (vide cap. 1, seção 7.1, p.35 acima; Kepnes, 1992,
pp. 62, 171; Emerson, 2003, p. 100). E aqui é muito importante relembrar um fato
pouco reconhecido que já apontamos no Cap. 1. O grande arquiteto de um dialogismo
mais maduro em Buber, foi Rosenzweig. Graças a Rosenzweig a “relação com o Tu”
divino, constitutiva do “Eu” em Ich und Du—a obra maior de Buber profundamente
influenciada pelas discussões com Rosenzweig nos estágios finais de redação—passa de
um “confronto” (reminiscente de teofanias bíblicas) a um “diálogo” (a resposta a um
apelo, a uma enunciação) (Horwitz, 1978, p. 194). Assim, foi graças a Rosenzweig que
um importante aspecto da filosofia de Buber tornou-se mais amadurecido, de forma
que mais tarde (e mais desenvolvido) viesse a impressionar Bakhtin.
Mas ao iniciarmos a discussão de influências em Bakhtin, um outro autor,
muito próximo de Rosenzweig, surge. Os ensaios da primeira fase de Bakhtin que
1
A referência aqui não é à teoria literária, no sentido de algo que se contrapõe à “Poética”, mas
à própria “natureza da realidade”, que é construída a cada instante pelas respostas que se dá no
“acontecer” de cada “prosaica” situação vivida.
Capítulo 3 63

foram mencionados brevemente na seção anterior, “se apresenta[m] carregados de


tópicos e termos característicos da escola neo-kantiana de Marburgo2, cujos principais
expoentes foram Hermann Cohen, Paul Natorp e Ernst Cassirer” (Clark e Holquist,
1998, p. 80). Dentre esses três, Cohen foi a maior influência em Bakhtin.
Antes, porém, cabe lembrar que, como mencionamos de passagem no Cap. 1,
Cohen foi também uma grande influência, inclusive pessoal, em Rosenzweig. Decano
da intelectualidade judaica, desde 1905 Cohen lecionava ocasionalmente em Berlim
na Hochschule für die Wiessenschaft des Judentums, e após sua aposentadoria como
professor emérito de Marburg em 1912 dedicou-se exclusivamente a ela. A partir de
1913, Rosenzweig que iniciava seu envolvimento efetivo com o Judaísmo e suas fontes,
participou de vários cursos de Cohen na Hochschule voltados para temas como “O
Conceito de Religião no Sistema da Filosofia” (Franks e Morgan in Rosenzweig, 2000a,
pp. 3-4). Mais tarde, quando redigia a Estrela, Rosenzweig manteve com Cohen—que
logo viria a falecer—muitas discussões acerca do trabalho em curso. E o mais famoso
dos últimos textos de Rosenzweig (“Transposed Fronts” (1929), v. Rosenzweig, 2000, pp.
146-152), de poucos meses antes de sua prematura morte, foi uma resenha da segunda
edição da obra de Cohen, Religião da Razão a partir das Fontes do Judaísmo.
Mas tornemos a Cohen em Bakhtin. Havia um certo “antikantismo” no neo-
kantismo de Cohen, qual seja, seu método de buscar livrar-se da “coisa-em-si”. Clark
e Holquist mencionam que o “grito de guerra” de Marburgo, “o mundo não é dado,
mas concebido” veio a ser uma divisa do grupo de Bakhtin (Clark e Holquist, 1998, p.
85). Ou seja, o mundo não nos é dado ao pensamento como um objeto pré-fabricado
(não há a coisa-em-si). Cabe converter o desconhecido que nos é dado num objeto
do entendimento, através de um processo de assimilação sempre aproximado e
que nunca chega a ser terminado. Esse tipo de enfoque certamente terá agradado
a Bakhtin, o apologista da “incompletude”, do que é por essência “inacabado”, e do
“infinalizável”.
Ademais, o Cohen dos últimos anos, um buscador de Deus sempre dentro
do racionalismo kantiano, mas sempre nostálgico da experiência de Deus do Velho
Testamento, atraiu especialmente a simpatia de Bakhtin (Clark e Holquist, 1998, pp 86-
87). Por exemplo, o fato de Cohen retratar a separação kantiana entre mente e mundo
em termos de uma cesura entre o homem e Deus tem tudo para ter impressionado
Bakhtin.

2
O contato de Bakhtin com a escola de Marburgo—e também o contacto com a filosofia do Eu-Tu de
Buber—se deu através de um grande amigo seu, Matvei Kagan, judeu e ativista político que emigrou
para a Alemanha em 1910 para escapar ao sistema de cotas limite para judeus nas universidades russas
(sistema que, no entanto, foi estabelecido também na Alemanha em 1913, e do qual Kagan escapou
graças aos esforços de Natorp). Kagan retornou à Rússia em 1918 após a revolução. “Se compararmos
a lista de seminários [...] veremos que Kagan freqüentou grande parte dos autores [neo-kantianos]
citados nos primeiros trabalhos de Bakhtin” (R.M.J. Kagana, apud Emerson, 2003, pp. 272 e 273, n.
20).
Capítulo 3 64

E, nesse sentido, é interessante lembrar que um dos pontos de partida da


metafísica de Rosenzweig em A Estrela é justamente uma postulação de três essências
irredutíveis uma às outras: Deus, o homem e o mundo. Rosenzweig falará então da
Revelação como a grande abertura que propicia o início da comunicação divino-humana,
quando Deus fala ao homem e este responde. Já para o cristão-ortodoxo Bakhtin, a
teologia, e o gesto de Deus que emociona, é a Encarnação da Palavra na materialidade
do mundo. (Clark e Holquist, 1998, p. 87).
No entanto, até recentemente, a influência do pensamento de Buber em
Bakhtin, e não a de Cohen, é a que vinha sendo mais ressaltada, dado, provavelmente,
à maior preeminência que o nome de Buber veio a alcançar na filosofia do século 20.
No entanto, como veremos no que se segue, há diferenças importantes entre Bakhtin
e Buber.
Essas diferenças passaram a ser reconhecidas a partir de meados do anos
90, graças ao aumento do intercâmbio dos especialistas ocidentais com scholars
russos, os quais, por sua vez, puderam contar com um clima de maior abertura para o
aprofundamento de seus estudos de Bakhtin (Emerson, 2003, passim, vide, p. ex., p.
51-53). Para o que aqui nos concerne, o mais interessante é constatar que essas são
diferenças que aproximam Bakhtin do Rosenzweig do speech thinking voltado para
o diálogo inter-humano (i.e., o Rosenzweig que esboça a teoria do speech thinking
em “The New Thinking”), em contraposição ao diálogo humano-divino (objeto da
Estrela da Redenção). (Sobre isso vide Cap. 1, sec. 6, pp. 30-31).
Como aponta Emerson, citando Mikhail Girshman,

[...] os preceitos de Buber de fato se parecem com os de Bakhtin na questão


da temporalidade dos eus. ‘ [...] o tornar-se do Eu e o tornar-se do Tu são em
princípio simultâneos—e isso vale para as personalidades como para os povos
como para a espécie humana.’ Mas Girshman destacou [...] dois aspectos em que
Bakhtin e Buber verdadeiramente divergem. O primeiro diz respeito à premência
relativa dos modos de comunhão verticais por oposição aos horizontais.
Enquanto Buber enfatiza ‘a unidade original [...] de um ser humano com outro ser
humano, voltado para o Tu eterno, para Deus’, Bakhtin, ao contrário, ‘confirma
o caráter originalmente distinto e singular de cada personalidade humana’,
tornando vago e negociável, por conseguinte, o problema de voltar-se para um
Ser eterno ou unitário. (Emerson, 2003, p.275, grifos meus).

A segunda divergência que Girshman aponta está na conceituação da “obra


de arte”:

Enquanto Buber se concentra ‘na comunhão com a imagem artística e no objeto


artístico’ como totalidade criada e completada, para Bakhtin ‘o mais importante
é a comunhão, o diálogo no interior do objeto artístico’. (Emerson, 2003, p.
276, negritos meus, itálicos de Girsham apud Emerson).
Capítulo 3 65

E há ainda uma terceira “diferença mais profunda” que Emerson vai buscar
com o auxílio de um outro scholar russo P. S. Gurevitch. A contribuição de Buber, mais
voltada para a religião, foi o

‘ver no diálogo não apenas uma aproximação à verdade, mas também a salvação
de um ser humano’ [...] para ele [Buber] o diálogo é [...] um dado e um
campo, em vez de um problema—, sua ansiedade é diferente da de Bakhtin,
para quem o diálogo é uma tarefa. [....] Para Bakhtin o diálogo é um ‘campo
de problemas’ e não apenas uma ‘reunião de vozes’. (Emerson, 2003, p. 277,
grifos meus).

Mais voltado para uma certeza de Deus, Buber “subestima os perigos do


monologismo” (Emerson, id.), contra os quais Rosenzweig o speech thinker (na vida
da comunicação inter-humana) e Bakhtin o artistic thinker3, estão alertas.
Essa “comunhão inter-humana [de Bakhtin] que [em contraposição à de Buber]
não exige nem a absorção em uma totalidade, nem a ‘sobrevivência’/ressurreição
do indivíduo [...] harmoniza-se perfeitamente com os ensinamentos de Cohen, Paul
Nartrop e Kagan”, e assim “a influência desses pensadores se torna mais forte—e
não mais fraca como geralmente se supõe— nas fases dialógica e carnavalesca do
pensamento de Bakhtin nos anos 20 e 304.” (Emerson, 2003, p. 280) .
Assim, as investigações mais recentes indicam um Bakhtin que é mais próximo
de Cohen, mesmo em sua (de Bakhtin) fase madura. Um Bakhtin que, nessa mesma
medida, está mais afastado de Buber do que se admitia nos primeiros estudos que
buscaram aproximar as filosofias desses dois autores (v., p. ex., Kepnes, 1992 e
Robinson, 1990).
E o mais importante para o que aqui nos concerne. Um Bakhtin cujos “modos
de aproximação horizontais” da relação Eu-Tu (Emerson, 2003, p. 275) o aproximam
do Rosenzweig que voltou-se para o diálogo inter-humano a partir do momento em
que buscou explicitar e estender (mas apenas em esboço, em “O Novo Pensamento”
de 1925), o alcance do método que na Estrela (1921) fora aplicado primordialmente
à comunicação do divino com o humano (vide Cap. 1, sec. 6, p. 31).

3
A exemplo de Rosenzweig com seu “novo pensamento”, Bakhtin também define uma espécie de
“nova epistemologia” ao reconhecer a existência de um “pensamento artístico” (artistic thinking), uma
forma que o pensamento intelectual pode tomar e que é distinta da “cognição abstrata” reconhecida
pelo mainstream da filosofia e da ciência. Assim, os gêneros literários não são meras transcrições
artísticas dos achados de outros campos. Eles próprios propiciam novas descobertas. Algumas dessas
descobertas anteciparam o que seria mais tarde conceituado pelos filósofos, outras talvez nem possam
tomar a forma de uma conceituação abstrata, dada a natureza dialógica da verdade que expressam.
Vide Morson e Emerson, 1997 , p. 366.
4
Emerson vale-se aqui de Brian Poole, “nosso melhor cronista do ‘período Marburg’ de Bakhtin”
(Emerson, 2003, p. 278) para apontar essa pouco reconhecida continuidade da influência de Cohen
no Bakhtin “maduro”, o Bakhtin que a partir de meados da década de 20 descobre a “palavra” e o
“discurso”, e adquire assim voz própria. Os ensaios de Poole, Gurevitch e Girshman citados por Emerson
são de 1995 e só estão disponíveis em russo.
Capítulo 3 66

Vê-se portanto que a proximidade das filosofias de Bakhtin e Rosenzweig vai


bem além de um mero “dialogismo à primeira vista” em ambas. Essa proximidade vem
de base, fundamentada em autores e influências comum a ambas, e num interesse
pela linguagem “inter-humana” que a obra teórica de Rosenzweig apenas esboçou,
mas que a obra de Bakhtin levou às últimas conseqüências. E que ambos os autores
praticaram plenamente “na vida”, filósofos “existenciais” que foram5.
Assim, o abundante ferramental conceitual de Bakhtin pode (e deve) ser
aplicado no aprofundamento dos aspectos do speech thinking que a obra teórica
de Rosenzweig apenas delineou. Há uma base comum que justifica essa aplicação.
Ademais, Rosenzweig e Bakhtin se complementam. Significado religioso da linguagem
e filosofia da linguagem quotidiana, o que num é bastante desenvolvido no outro é
apenas sugerido, e vice-versa. Mas a preocupação com ambos esses aspectos está
presente nos dois autores. E as visões básicas, os respectivos linguistic turns, estão
bem próximos, fato que é bem pouco reconhecido até aqui, e que trataremos de
ressaltar no que se segue.

4. Ética, “responsividade” e “arquitetônica”.

Vimos na seção anterior a base filosófica que, em Bakhtin, propiciou a esse


autor o desenvolvimento de noções bem próximas das de Rosenzweig. Noções como
“diálogo”, “acontecimento”, a “eventicidade” da realidade, e o “infinalizável”, que é
igualmente aplicado à natureza da realidade. Noções, portanto, que não estão restritas
a uma “filosofia da linguagem” mas que constituem sua “filosofia básica”, sua visão
de mundo, uma como que “metafísica”. Vimos também que, como em Rosenzweig,
há uma ética de base no enfoque de Bakhtin.
Essa preocupação ética vai se refletir na forma como Bakhtin conduzirá seu
pensamento a partir da “distinção [neo-kantiana] feita por Cohen entre o que é dado
e o que a mente concebe.” (Clark e Holquist, 1998, p.97). E é interessante notar que,
bem à la Rosenzweig, a solução de Bakhtin vai introduzir uma dimensão temporal

5
Há um outro importante aspecto de “proximidade de vida” entre Bakhtin e Rosenzweig: a convivência
com a doença. Ambos sofreram de sérias doenças crônicas. Em especial a de Rosenzweig, devastadora
e fatal (esclerose lateral amiotrófica), fez de seus últimos nove anos de vida um exemplo quase
inigualado de superação ante a adversidade (vide cap. 1, sec. 5, p. 27 ). Rosenzweig faleceu aos 43
anos, a mesma idade com que Bakhtin (falecido aos 80) teve uma perna amputada em conseqüência
de uma osteomielite que o acometeu vida afora. A saúde frágil de Bakhtin, por outro lado, livrou-o de
uma deportação para a Sibéria em 1930, que quase certamente teria sido fatal.
Em Bakhtin a enfermidade parece ter sido, ademais, uma das fontes para a importância que a “atenção
ao corpo” teve em sua obra (a outra fonte terá sido a importância que a Encarnação tem na tradição
da teologia cristã-ortodoxa na Rússia, vide seção 5 abaixo). Essa “atenção ao corpo” está, é claro,
especialmente presente na fase rabelaisiana. Mas pode ser também reconhecida já no “primeiro
período” de Bakhtin, p. ex. em “Autor e Personagem na Atividade Estética”, cap. II, seções 5 e 6
(Bakhtin, 2003b, esp. pp. 44-45).
Capítulo 3 67

numa dualidade que, caso contrário, seria “apenas espacial [...] puramente física”
(id. p. 97).
Numa “exibição pirotécnica de neologismos”6 (id. 99) bem ao gosto da tradição
alemã em que estava então imerso—e ao gosto de Hegel que pretendia “ensinar a
filosofia a falar alemão”—, Bakhtin acrescenta à díade do mundo das coisas tal como
nos é dado antes do ato de consciência (dannost, algo como “dado-i-dade”), versus
o que se torna (imutavelmente) presente através dessa consciência (ètost’, “isso-i-
dade”), uma terceira dimensão. A das “coisas-a-serem-feitas” [por mim, “coisas que
eu devo fazer”], o “reino do zadannost” (de zadanie, o ‘projeto’, o ‘atuar/entrar’),
o otveststvennost, uma “condição de responsividade”. Nas palavras de Clark e
Holquist, “a realização de projetos humanos transmuta o deserto do espaço num
jardim do tempo” (id.).
É essa a “responsividade (/respondibilidade)” que se tornará mais tarde—quando
Bakhtin faz “a descoberta da palavra e encontra sua própria voz” (Morson e Emerson,
1997, p. 66)— uma das marcas do enunciado “metalingüístico”, que o diferencia da
“sentença” meramente “lingüística” (Bakhtin 2003, pp. 287, 296-299). E é essa a
mesma “responsividade/respondibilidade/resposta” que, em Rosenzweig, é condição
sine qua non para que o enunciado “aconteça” (vide Cap. 1, sec. 6, p. 33).
Mas por enquanto, antes da “descoberta da palavra” e do linguistic turn
definitivo em Bakhtin, a “responsividade”, como todos os conceitos anteriores, aplica-
se à natureza da realidade. É ela (a responsividade) que faz com que essa realidade
se constitua de “acontecimentos”. A vida individual é composta pela “cadeia total
dessas respostas” (Clark e Holquist, 1998, p.93). Não há como (eticamente) fugir a
elas, não há como escapar das obrigações éticas de cada situação a cada momento,
“não há álibi para o existir7” (id., Morson e Emerson, 1997, p. 31).
Daí a noção de arquitetônica em Bakhtin, que transita desde aspectos ligados
a uma ética da ação na vida até aos voltados para uma ética do “ato criativo” na
arte, resvalando, inclusive, em preocupações de ordem teológica.
Por um lado, no que se refere à vida, dizem-nos Morson e Emerson, “a criação
de um self completo é o trabalho de uma vida, e embora esse trabalho nunca possa

6
Assim como Clark e Holquist, Paulo Bezerra, tradutor da Estética da Criação Verbal, menciona que
“Bakhtin explora, quase como um ficcionista, os recursos extensivos da língua russa para criar categorias
analíticas com forte conotação de neologismo”. E passa a discutir os mesmos termos que aparecem a
seguir no texto acima. Vide Bakhtin, 2003b, nota do tradutor à p. 16.
O mais importante a notar aqui, entretanto, é que quem cria neologismos está, basicamente, buscando
expandir a expressividade da língua. E buscar expandir a expressividade da língua de chegada é
uma das marcas de “tradução dialógica”, tal como a reconhecemos. Bakhtin, portanto—e quase que
“obviamente”, poderíamos dizer a esta altura—, está bem próximo do Geist dessa tradução dialógica,
ainda que pouco ou nada tenha escrito diretamente acerca da Tradução.
7
A expressão é utilizada por Bakhtin em “Por uma Filosofia do Ato”, ensaio que, aparentemente,
está disponível apenas em russo. Baseamo-nos em Morson e Emerson, 1997, para as presentes
considerações.
Capítulo 3 68

vir a ser efetivamente completado, ele é, não obstante uma obrigação ética” (Morson
e Emerson, 1998, p. 31, grifo meu). Vê-se aqui que a noção de arquitetônica vem
casada com a noção do “infinalizável” bakhtiniano e faz lembrar o “horizonte da
verdade”, uma verdade que existe, é permanentemente buscada, mas é inatingível
em sua totalidade (Todorov, 2004, XXIX, in Bakhtin, 2004). Impossível não lembrar
aqui, também, da ética da “vida como uma obra de arte” de Michel Foucault (Nardi
e Silva, 2004, p. 371).
Por outro lado, no que diz respeito à obra literária, e numa de várias formulações
em “Por uma Filosofia do Ato”, Bakhtin define a arquitetônica—de uma forma um
pouco convoluta e paradoxal—como “a distribuição e conexão não-arbitrárias, feitas
de maneira focada e [de forma] indispensável, de partes e aspectos isolados [i.e.,
específicos em sua particularidade] [de forma a que componham] um todo acabado,
algo que só é possível [de ser realizado] em torno de um ser humano como herói”
(Morson e Emerson, 1997, p. 70, os grifos são meus e visam facilitar a legibilidade).
O paradoxo está em se buscar articular os aspectos gerais de atos que são
específicos em sua particularidade, sem que essa particularidade seja comprometida.
Mas, notam Morson e Emerson (id.), o importante é que o conceito de arquitetônica
está aqui formulado como uma alternativa ao conceito de sistema, e isso não pela
idéia de previsibilidade que esse último conceito carrega, e que é incompatível com a
imprevisibilidade da vida. O problema maior com um “sistema” é que ele não inclui,
obrigatoriamente, um ser humano. E sem “indivíduos” não há “acontecimentos”
que incluam obrigações e decisões éticas, para serem cumpridas e tomadas “ali”, na
plenitude de sua “eventicidade”.
Dificilmente terá alguém, como Bakhtin (e aqui, note-se, um Bakhtin que é
anterior ao “Bakhtin do discurso”), sido mais agudo na apresentação da diferenciação
entre “estrutura” e “acontecimento”. Igualmente, salta aos olhos o quanto a formulação
acima lembra—e explicita—o novo pensamento “preso ao tempo”, não-sistematizado e
“gramático” de Rosenzweig no qual nada acontece se um diálogo não se estabelecer,
vis-à-vis o velho pensamento intemporal sistematizado e “lógico”.
Essa segunda formulação, ademais, embora esteja à primeira vista voltada
para o ato do autor na composição da personagem, é sem dúvida uma instância da
epistemologia do artistic thinking de Bakhtin (vide n. 3, p. 65 acima). Para Bakhtin, já
aqui—antes ainda do Dostoievski de 1929—a obra de arte (ou o autor do romance) que
consegue compor o herói em sua plena arquitetônica, expressará um tipo conhecimento
impossível de ser expresso “monologicamente” pela filosofia tradicional. Mais uma
vez, a visão do speech thinking de Rosenzweig vem à mente.
E por último, essa preocupação com a “ética na autoria” propiciará algumas
considerações acerca da teologia (o mais das vezes implícita, mas inescapável) em
Bakhtin, que apresentaremos a seguir.
Capítulo 3 69

5. Teologia

Em “O Autor e a Personagem na Atividade Estética”, Bakhtin define o papel


do autor que é cônscio de sua função de compor uma “arquitetônica”:

Autor: é o agente da unidade tensamente ativa do todo acabado8, [...] e este


[todo acabado] é transgrediente9 a cada elemento particular [da obra, tal como
o herói, ou outras personagens]. [...] esse todo que a conclui [à personagem] não
pode ser dado de dentro dela em termos de princípio [...] esse todo lhe chega
de cima para baixo—como um dom—de outra consciência ativa: a consciência
criadora do autor. (Bakhtin, 2003b, pp. 10-11, grifos meus).

Emerson (2003, p. 272) vê nesse conceito de autoria em Bakhtin um “panorama


autoral com [...] ressonâncias teológicas e insinuações de graça divina”. E Todorov no
Prefácio à Tradução Francesa” da Estética é mais direto. Fala do

tema da relação entre o criador e os seres criados por este, ou, como diz Bakhtin,
entre autor e herói. [...] Relação assimétrica de exterioridade e de superioridade,
que é [para Bakhtin] uma condição indispensável à criação artística; esta exige a
presença de elementos ‘transgredientes’, como diz Bakhtin, isto é, exteriores à
consciência tal como ela se pensa do interior, mas necessários à sua constituição
como um todo. Bakhtin não hesita em recorrer a uma comparação eloqüente:
‘A divindade do artista reside em sua assimilação à exotopia superior’ (Todorov,
2003, pp XIX-XX). [“exotopia” é um outro neologismo—de Bakhtin ou de seus
tradutores?—para “transgrediência”].

Mais adiante no “Prefácio”, Todorov desenvolve esse tema da “transgrediência”


em Bakhtin de uma maneira que o aproxima muito do speech thinking “vivido” de
Rosenzweig. A partir do momento em que se reconhece, com Bakhtin, o

caráter constitutivo do inter-humano [...] pode-se imaginar uma transgrediência


que não se confunda com a superioridade pura e simples, que não me conduz
a transformar o outro em objeto: é aquela que se vive nos atos de amor, de
perdão, de escuta ativa. (Todorov, 2003, XXVIII-XXIX, grifo meu).

Essa “escuta ativa” é a atitude de vida que Rosenzweig descreve—de forma


absolutamente prática—na carta a Meinecke em que justifica o abandono da vida
acadêmica: “as questões colocadas por seres humanos [e não pelos acadêmicos] tornam-
se cada vez mais importantes para mim [...] [Minha] disposição [é a de] confrontar

8
É de se notar quanto há ainda de “acabado” ou “totalizado” na noção de arquitetônica, mesmo
tendo-se em conta que esse conceito, como visto acima, surge em Bakhtin como um “antídoto”, uma
alternativa à noção de sistema. Quando mais tarde Bakhtin “descobre o discurso”, noções como o
“discurso bi-vocal ativo” adquirirão uma feição muito mais aberta e “infinalizada”.
9
Os editores russos da Estética da Criação Verbal esclarecem o significado do termo: elementos
“transgredientes” à consciência do herói são “elementos externos à composição interna do mundo
do herói. O termo foi tirado [por Bakhtin] da Estética Geral de Johannes Cohen”. Ou seja—e bem em
linha com as conotações teológicas que discutimos a seguir no texto acima—elementos que lhe são
“transcendentes”.
Capítulo 3 70

essas questões, para dar a elas a melhor resposta possível dentro do meu limitado
conhecimento.” (Rosenzweig in Galli, 332-333, vide Cap. 1, seção 6, p. 33 acima).
O trecho de “Autor e Personagem” que leva Todorov às considerações acima
é, de fato, pleno de uma noção de “transgrediência”, de uma “alteridade”—e de um
dialogismo epistemológico e ético10—, construídos a partir da tradição da teologia
cristã-ortodoxa russa:

Em Cristo encontramos a síntese, única pela profundidade, do solipsismo ético,


do rigor infinito do homem consigo [...] com a bondade ético-estética para
com o outro. [...] [P]ela primeira vez [com Cristo] apareceu o eu-para-mim
infinitamente profundo, não frio mas desmesuradamente bondoso com o outro.
[...] [N]ele [Cristo] o que perdoa, e nos outros os perdoados; nele o salvador,
e em todos os outros os salvos. [...] Daí que em todas as normas de Cristo
contrapõe-se o eu ao outro: o sacrifício absoluto para mim e o perdão para o
outro. [...] [M]as como o pai celestial que está acima de mim, [...] [ele] pode
me absolver e perdoar onde eu, por princípio, não posso me absolver e perdoar
de dentro de mim mesmo [...]. Deus é para mim o que eu devo ser para o
outro. O que o outro supera e rejeita em si mesmo como um dado nocivo eu
aceito e perdôo nele como a carne preciosa do outro. (Bakhtin, 2003b, p. 52,
itálicos de Bakhtin, negritos meus).

Nesse trecho, ademais, pode-se ver que Deus é de fato o modelo para a
transgrediência (enquanto “superioridade”, inclusive) do autor na obra de arte
(“está acima de mim, pode me absolver e perdoar, onde eu, por princípio, não
posso me absolver e perdoar de dentro de mim mesmo). E é Cristo que proporciona
a possibilidade, de que fala Todorov, de uma “transgrediência que não se confunda
com a superioridade pura e simples”: “sou para o outro o que Deus é para mim”, na
medida em que “aceito e perdôo nele”, como uma sua “carne preciosa”, até mesmo
aquilo que ele rejeita em si.
A referência à “carne preciosa do outro” aponta para um outro aspecto da
tradição teológica russa que teve importante influência em Bakhtin, mas já aí sem
um paralelo correspondente (i.e., de base teológica) em Rosenzweig.
Como já apontamos mais acima, se a teologia do judeu Rosenzweig é uma
teologia da Revelação, a teologia cristã-ortodoxa russa de Bakhtin valoriza sobretudo
a Encarnação. Trata-se da tradição

10
Vide em Clark e Holquist: “O filósofo [i. e., Bakhtin] interpreta o interesse da Rússia antiga pela
comunidade, não apenas em termos de amor e caridade cristãos, mas também como uma espécie
de injunção epistemológica: ‘Ser significa comunicar-se dialógicamente. Quando o diálogo termina,
tudo termina.’” (Clark e Holquist, 1998, p. 108). De forma semelhante, pode-se dizer que na teologia
de Rosenzweig tudo começa quando o diálogo começa. (vide, p. ex., Cap. 2, sec. 2.1, p. 42, e nota
1). Note-se ademais uma outra injunção epistemológica cum teológica, esta já no dialogismo pleno
do Bakhtin do “enunciado” (vide sec. 7): a noção de que em todo diálogo há um “supradestinatário
[superadressee] superior (um terceiro [no diálogo]) cuja compreensão responsiva absolutamente justa
[o autor do enunciado] pressupõe [para além da do destinatário com quem dialoga], quer na distância
metafísica, quer no distante tempo histórico.” (Bakhtin 2003a, p. 333).
Capítulo 3 71

quenótica [esvaziamento do divino] russa, que enfatiza o grau em que Cristo é


um Deus que se tornou homem, ao contrário da maioria das tradições ocidentais.
[...] uma tradição cristã que honra o presente, o humano, a riqueza e a
complexidade da vida cotidiana, [...] que não pode compreender o desdém
paulino pelo aqui e agora, a revulsão pelo corpo. (Clark e Holquist, 1998, p.
107, grifos meus).

Esse mindset terá sido, segundo esses autores, ao menos em parte responsável
pelo interesse de Bakhtin, na “autoria de não apenas textos literários, mas dos textos
constituídos pela fala na vida cotidiana”, e pela própria “relação entre linguagem e
literatura” (id., p, 106). Explicaria também seu “profundo respeito pelas realidades
materiais da experiência de todos os dias” (id., p. 108) e até a fase rabelaisiana de
“celebra[ção] do corpo em termos que parece difícil associar com religiosidade” (id.,
p.109).
E explicaria, diríamos nós, também em parte, a valorização do conceito de
“acontecimento”. A Encarnação é, teologicamente, e para a tradição que Bakhtin
abraça mais ainda do que para qualquer outra, o grande evento imerecido, inesperado
e “acontecido” num “momento”. Um momento que, afinal, aos olhos humanos (que
ignoram os desígnios divinos), poderia ter sido qualquer outro. Um momento que era
igual a qualquer outro em que coisas, prosaicamente, acontecem.
Finalmente, e visto todo o acima, devemos reconhecer como o faz Todorov
que Bakhtin (como Rosenzweig) é não-relativista. Diz Todorov:

O absoluto encontra realmente um lugar no sistema de Bakhtin, [...]. Os homens


só têm acesso a valores relativos e incompletos, mas o fazem tendo como
horizonte a plenitude do sentido, o caráter absoluto do valor, aspiram a uma
‘comunhão com o superior (ao limite absoluto)’. (Todorov, 2003, XXIX).

Mais adiante, Todorov tenta relativizar. “Para a crítica dialógica, a verdade


existe mas não a possuímos” (id., XXXI). Entretanto, o que cabe reconhecer é que
para Bakhtin há um “horizonte” de verdade e de “plenitude do sentido”. Inalcançado,
mas sempre perseguido.
Para Rosenzweig, a Revelação de Deus ao povo é o “limiar” para uma Redenção
sempre em construção (Rosenzweig, 1970, p. 261).
Para Bakhtin, a Encarnação do Cristo é o modelo para uma “transgrediência
que não se confunde com superioridade pura e simples” (Todorov, 2003, XXVIII-XXIX),
o que torna possível que se viva a Redenção ajudando o outro na construção do Reino
[de Deus].
Isso, na medida em que “eu seja para o outro [dialogicamente, portanto] o
que Deus é para mim” (Bakhtin, 2003b, p. 52).
Capítulo 3 72

5.1 Schelling

Ainda quanto à teologia, cabe uma breve consideração sobre a influência da


filosofia de Schelling em Bakhtin. Como se recorda, esse filósofo foi mencionado no
início da seção anterior como uma influência comum a Bakhtin e Rosenzweig, e o
seu papel fundamental na filosofia de Rosenzweig foi brevemente descrito no Cap. 1
(seção 2, pp. 22-23). Dizem Clark e Holquist:

A teologia ortodoxa de Bakhtin não era a do seminário corriqueiro mas [a] da


intelligentsia. De fato, Bakhtin não estava tão interessado na religião quanto
na filosofia da religião. Ele e os outros membros de seu grupo não separavam
interesses religiosos dos filosóficos. [...] O grupo de Bakhtin, ao lado de outros
intelectuais daquele tempo, tentou levar a cabo um ideal análogo ao dos
idealistas alemães Fichte e Schelling, no século XIX, o qual deveria sintetizar
toda a experiência humana, sem excluir a religiosa. (Clark e Holquist, 1998,
pp. 145-146).

Assim, na filosofia de Bakhtin, Schelling tem um papel que é da mesma natureza


do desempenhado em Rosenzweig, ainda que menos marcante. Trata-se, em ambos
os casos, de buscar construir uma filosofia que—em maior ou menor grau—inclua (ou
não exclua) as categorias teológicas e a experiência de Deus.
Em Rosenzweig, categorias eminentemente teológicas são basilares na construção
de um sistema filosófico que tratará primordialmente da Revelação, a comunicação
do divino com o humano na história.
Em Bakhtin, a Criação e a Encarnação vão estar refletidas—menos
perceptivelmente—em seu inovador enfoque da (meta-)linguagem na literatura e
na vida cotidiana. Respectivamente, a primeira (i.e., a Criação) numa preocupação
com a ética na autoria e com a “arquitetônica” (cuja maior expressão na arte é o
romance polifônico), e a segunda (Encarnação) no diálogo que uma “transgrediência
sem superioridade” (Todorov, 2003, p. XXIX) propicia, e que tornará possível que se
reconheça o quanto da minha voz é voz do outro.
Novamente, constata-se aqui uma complementaridade entre os dois autores
que poderá servir a elucidações recíprocas (vide p. 66 acima, ao final da seção 3).
Vamos então à elucidação que aqui nos interessa. Busquemos entender de
que forma o ferramental de conceitos de Bakhtin nos pode ajudar na elucidação do
inter-human speech de Rosenzweig e na compreensão do que ocorre na sua tradução
dialógica.

6. A “palavra dialógica” e a “dialogização das línguas”.

A partir da segunda metade dos anos vinte, Bakhtin “descobre a palavra”,


adquire voz própria e realiza um linguistic turn.
Capítulo 3 73

O que era até então basicamente uma preocupação “vagamente Formalista”


(Morson e Emerson, 1997, pp. 83-84) com a “ética da autoria”—uma “arquitetônica” a
ser levada a cabo na obra ou na vida—adquire uma conotação francamente dialógica.
Isso se dá com a percepção de que na palavra (ou no enunciado, ou no discurso—esses
termos são em grande parte intercambiáveis no que respeita ao cerne conceitual) o
sentido nunca está dado de forma “acabada”, mas “acontece” de maneira ativa
no contexto de sua produção.
Uma nova tipologia, uma tipologia de vozes, é adotada e substitui o construtivismo
dos Formalistas cujos dispositivos—do tipo desfamiliarização, retardo, paródia (Emerson,
2003, p. 161)—funcionavam como building-blocks do estilo. Bakhtin fala de vozes que,
por sua própria natureza, já trazem consigo de forma inseparável uma “entonação”
com “conteúdo”.
Uma comparação entre as noções de “ato arquitetônico” e “palavra dialógica”
ajuda a compreender melhor o que é esse linguistic turn que Bakhtin opera. O ato
arquitetônico tinha ainda muito de “acabado”. “O ato ajunta [partes dispersas],
correlaciona, [...] resolve num contexto que já está [de antemão] finalizado”,
diz Bakhtin no início dos anos vinte em “Por uma Filosofia do Ato” (apud Morson e
Emerson, 1997, p. 70, grifos meus). Existe ademais aí, claramente, um sujeito da
ação, centrado, de quem se espera uma atitude “arquitetônica” (e ética) na ação e na
criação. Aos olhos da arquitetônica, como vimos anteriormente, todo ato é “criativo”,
traz consigo uma “assinatura do autor”, daquele que o pratica (id., p. 69).
Poucos anos mais tarde, na primeira edição, de 1929, de Problemas da Poética
de Dostoiévski ocorre um decentramento desse sujeito. Bakhtin fala da “revolução
copernicana” que Dostoiévski opera no romance ao torná-lo “polifônico”, ao dar peso
ou força gravitacional para o “outro” que o autor cria (id., p. 70).
Clark e Holquist (1998, p. 233), ao definir esse novo passo, referem-se à
atenção que Bakhtin passa a dar “ao modo como transmitimos em nossa fala a fala
dos outros”. E numa imagem muito mais feliz, Morson e Emerson dizem: “a palavra
[dialógica] torn[a]-se [assim] um veículo para a criação de mim pelo outro” (Morson
e Emerson, 1997, p. 71, grifo meu, itálico dos autores).
Isso, note-se, torna impossível que eu “assine” essa palavra dialógica como
sendo “minha” de uma forma acabada, até porque, na medida em que a palavra
dialógica me constitui, eu próprio sou permanentemente inacabado.
Em outras palavras: Bakhtin descobre não apenas “a palavra” mas, e
principalmente, descobre “o discurso”.
Essa nova teoria da linguagem—a rigor uma “meta-” ou “trans-”lingüística—é
uma “celebração da [mais] intensa dialogização e da bi-vocalidade” (Morson e Emerson,
1997, p. 124). Ao longo dos anos toma diferentes facetas e propicia o desenvolvimento
de diferentes conceitos, todos eles, porém, baseados numa “noção dialógica da
Capítulo 3 74

verdade”: a noção de que “a verdade única requer uma multiplicidade de consciências


[...], não cabe nos limites de uma [única] consciência”(Bakhtin, 2002, p. 80). Essa
mesma noção pode, com certeza, ser adotada como a definição bakhtiniana para o
inter-human speech de Rosenzweig.
Consideraremos nesta seção dois desses novos conceitos do Bakhtin “maduro”,
o conceito de voz/polifonia e o de heteroglossia sempre com um olhar para aquilo
que, neles, possa nos ajudar a elucidar o inter-humano no speech-thinking de
Rosenzweig.
Em Problemas da Poética de Dostoievski (1929, 2ª. ed. rev. de 1963) as noções
de voz e “polifonia” sobressaem, numa discussão acerca da relação entre autor e
personagem em dois diferentes tipos de romance que Bakhtin identifica: o tradicional,
“monológico”, e o inovador, “polifônico” que Dostoievski introduz (Bakhtin, 2002,
pp. 3, 205, negritos meus). Bakhtin fala que

Aqui [no romance polifônico], a palavra do outro não se reproduz sem nova
interpretação [como no romance monológico] mas age, influi, e de um modo
ou de outro determina a palavra do autor, pemanecendo ela mesma [palavra
do outro] fora desta [palavra do autor]. (Bakhtin 2002, pp. 195-196, grifos
meus).

E refere-se a um

fenômeno do dialogismo velado11 [...] [onde] o segundo interlocutor é invisível,


suas palavras estão ausentes, mas deixam profundos vestígios que determinam
todas as palavras presentes do primeiro interlocutor. Percebemos que esse
diálogo, embora [nele] um só fale, é um diálogo sumamente tenso, pois cada
uma das palavras presentes responde e reage com todas as suas fibras ao locutor
invisível, sugerindo fora de si, além dos seus limites, a palavra não pronunciada
do outro. (Bakhtin 2002, pp. 197-198, grifos meus).

Aqui não mais há um ato (arquitetônico, criativo) de autor. Quem age é a


própria palavra dialógica do outro. Profundos vestígios, palavras ausentes, não
pronunciadas, de um outro discurso apenas sugerido, determinam as palavras,
constituem o discurso.
E no que respeita a Rosenzweig, esses “profundos vestígios sugerindo uma
palavra não pronunciada” são como que a versão inter-humana da “lição ensinada”,
no diálogo divino-humano, pelos “arcos de repetição significante [...] perceptíve[i]s a
todo leitor de mente aberta” de que fala Buber ao apresentar a técnica de tradução
das Leitwörter (vide Cap. 2, sec 7, p. 54). Essa foi, como vimos no Cap. 2, uma das
técnicas que Buber adotou, com Rosenzweig, para a tradução da Bíblia.
Já em “O Discurso no Romance” (1934-1935) a noção de Bakhtin a ser destacada
é a de “heteroglossia”.
11
O “dialogismo velado” é um dentre cinco casos de “discurso bi-vocal de tipo ativo” apontados por
Bakhtin na segunda edição do Dostoievski (Bakhtin, 2002, p. 200).
Capítulo 3 75

As forças centrípetas na vida da língua, entendida como “língua unitária”12,


operam no meio de heteroglossias. Em qualquer dado momento de sua evolução,
a língua está estratificada não apenas em dialetos lingüísticos no senso estrito
da palavra (de acordo com marcadores lingüísticos formais, especialmente os
fonéticos), mas também—e para nós esse é o ponto essencial—em línguas que
são sócio-ideológicas. (Bakhtin, 1981c, pp. 271-272).

Trata-se de

uma diversidade de tipos de fala social e uma diversidade de vozes individuais


[...] dialetos sociais, comportamento característico de um grupo, jargões
profissionais, linguagens genéricas, línguas de gerações ou grupos etários,
linguagens tendenciosas, linguagem das autoridades, de círculos diversos e de
modas passageiras [passing fashions], linguagens que servem aos específicos
propósitos sociopolíticos do dia, ou até da hora. (Bakhtin, 1981c, pp. 262-
263).

E o que todas essas heteroglossias têm de comum entre si,

é o fato de existir um plano comum que justifique que metodologicamente as


coloquemos justapostas umas às outras: todas as línguas de heteroglossia,
seja qual for o princípio subjacente a [cada uma d]elas e que as torna, [a cada
uma], única, são [cada heteroglossia] um ponto de vista específico para que
se conceitue o mundo em palavras, [são] visões de mundo específicas, cada
uma com seus próprios objetos, significados e valores. [...] E sendo assim elas
se encontram e co-existem nas consciências de pessoas reais [...]. (Bakhtin,
1981c, pp. 291-292).

Esse conceito da estratificação de uma pretensa “língua única” (p. ex., a


“nacional”) em línguas que “não se excluem umas às outras, mas antes se interseccionam
entre si das mais diversas formas [...] nas consciências das pessoas” (id., p. 291, itálico
de Bakhtin), é , desde logo, uma espécie de “onipresença da tradução”.
Isso é importante para que —e autoriza que—se aproxime Bakhtin dos estudos
tradutórios. Como diz Caryl Emerson, sua tradutora para o inglês, “o cruzar de
fronteira entre línguas era talvez [para Bakhtin] o mais fundamental ato humano [...]
processos de tradução eram necessários [para que grupos sociais compreendessem
uns aos outros], para que filhos entendessem seus pais, para que um dia entendesse
outro.” (Emerson in Robinson, p. 279).

12
“Língua unitária” que para Bakhtin é um construto conceitual. “Uma língua unitária não é algo
dado [dan] mas é sempre, essencialmente, uma concepção [zadan]” (Bakhtin, 1981c, p. 270). Vide
acima (pp. 63, 67) para o mesmo raciocínio sendo aplicado à realidade como um todo e sendo adotado
como divisa pelo grupo de Bakhtin, à luz da escola neo-kantiana de Marburgo. Aqui se vê que, como
discutido na seção 2 acima, a influência de Cohen se estendeu para além da fase inicial de Bakhtin
e está presente também na “fase madura”, a da “voz” e da “palavra”. Note-se ademais que “língua
unitária” e “língua única” são conceitos distintos. A “língua única” de Rosenzweig, ainda que fosse
única, nunca seria para Bakhtin uma língua unitária. Isso se “a língua única” em Rosenzweig se referisse
efetivamente apenas a “uma língua a mais, como as outras, só que única”, o que, como veremos, não
é o caso. A “língua única” em Rosenzweig está próxima da “pura linguagem” de Benjamin, e ambas se
referem à competência lingüística humana, à Linguagem.
Capítulo 3 76

Mas é principalmente um dialogismo de “segunda ordem”, o co-existir de


diversas heteroglossias na consciência das “pessoas reais”, o aspecto que merece
ser aqui especialmente ressaltado. Bakhtin exemplifica, hipoteticamente, um caso de
uma tal co-existência das heteroglossias numa pessoa: “a língua ucraniana, a linguagem
do poema épico, do Simbolismo nascente, do estudante, de uma determinada geração
de crianças, do intelectual de carteirinha, do nitzscheano, etc.” (Bakhtin, 1981c, p.
291).
O ponto a ser ressaltado é que, dessa forma, se abre a perspectiva de uma
dialogização entre línguas que ocorre no interior de uma consciência (que pode ser,
portanto, a consciência de um tradutor). Algo que é, note-se, bem mais “entranhado”
do que um mero “diálogo entre línguas”. Nesse sentido, cabe registrar que mais
adiante no presente trabalho, a partir de uma noção a ser desenvolvida no Cap. 5,
estaremos falando de vivências na(s) língua(s), vivências que o falante tem porque
fala a(s) língua(s). Por hora devemos notar que essa dialogização entre línguas se dá
num campo bastante familiar a outra das técnicas da tradução dialógica de Buber e
Rosenzweig (técnicas que constituem o que chamamos de “nível micro” da tradução
dialógica, vide cap. 2, sec 5, p. 49).
Trata-se da técnica da colometria o campo do ritmo, do lineamento da frase,
da entonação, e da acentuação13 das palavras (Buber, 1926 b e Rosenzweig, 1925 em
Buber e Rosenzweig, 1994, pp. 28, 44, vide cap. 2, sec 8 p. 56). Em ambos os casos,
nas heteroglossia em diálogo ou na tradução dialógica, é o poder de expressividade
das palavras nas línguas que está em jogo.
Como vimos acima, um aspecto importante da noção bakhtiniana de voz, é
que ela traz, inerente a si a noção de tom ou entonação. Morson e Emerson (1997, p.
133) nos informam que mesmo no período inicial da obra de Bakhtin, aquele em que
“ato”—e não “voz”—era a categoria central, o “tom” já tinha uma função primordial.
O tom era uma espécie de assinatura que “atestava a singularidade do ato e sua
singular relação com aquele que o praticava” (id.).
E, ainda no âmbito de cada heteroglossia (antes de uma “dialogização entre
línguas”, portanto), “as várias heteroglossia têm [cada uma] sua maneira própria de
‘acentuar’ [‘accenting’] e ‘entonar’ [‘intoning’] dadas palavras, e pode [até] haver
uma tonalidade [que é própria] de toda a língua [nacional, ‘unitária’].” (id. 141).
Mais específico—e em tom mais dramático—Bakhtin ressalta que cada heteroglossia
emprega

13
Acentuação não só fonética mas também conotativa. E nesse aspecto ela se aplica tanto à colometria
quanto às Leitwörter. Vide Cap. 7, item 4.3, p. 194.
Capítulo 3 77

um princípio totalmente [!] distinto para marcar diferenças e para estabelecer


unidades (para algumas [heteroglossias] esse princípio é funcional, em outras
é o princípio do tema e conteúdo, em outras ainda, um princípio dialetológico
propriamente dito). (Bakhtin, 1981c, p. 291).

Mais adiante em “O Discurso no Romance” Bakhtin esclarece o que vem a ser


a (inevitável) “dialogização entre heteroglossias”. Usa como exemplo um hipotético
camponês, que, analfabeto, vive “completamente fora do mapa de um devir sócio-
ideológico”. Um tal indivíduo consegue

falar com Deus numa língua [...], cantar canções numa outra, falar com sua
família numa terceira e até tentar ditar para o escriba da aldeia petições à
autoridade local numa quarta língua, [a que acredita ser] a língua dos letrados,
[...] a que se põe no papel. [...] [Mas] ainda não é capaz de enxergar uma [das]
língua[s] com os olhos da outra. (Bakhtin, 1981c, 295-296).

Mais tarde, emigrado para a cidade, dá-se uma “inter-animação crítica entre
línguas. [...] Essas [várias] línguas e mundos emergem de seu moribundo equilíbrio
e se revelam [ao camponês] na diversidade própria à fala de cada uma delas.” (id.,
296). Adquire ele, enfim, a capacidade de reconhecer entonações e acentos próprios
a cada “língua” e, inclusive, reconhecer que a “mesma” palavra é, afinal “outra”
palavra na “outra língua”.
Pois bem, nessa perspectiva—e como que refletido num espelho—o tradutor
dialógico é aquele que, no âmbito de duas línguas nacionais “unitárias”, é “capaz de
enxergar uma língua com os olhos da outra”. Como se fora o revelador de uma nova
heteroglossia que se encontrava latente na língua de chegada, ele busca provocar uma
“interanimação crítica entre as línguas” para que características “metalingüísticas”,
da natureza, p. ex., da entonação e do acento, possam transitar para a língua de
chegada e nela serem expressas14.
Mas, como vimos logo acima, a entonação e o acento na colometria (e mesmo
os “arcos de repetição” das Leitwörter) estão ainda no nível “micro” da tradução
dialógica. São como que building blocks para um produto final, o texto traduzido que
o leitor terá diante de si. Nesse nível do produto final, o conceito desenvolvido por
Bakhtin que virá em nosso auxílio é o de enunciado.

7. Enunciação

A importância e o alcance que as noções—se não idênticas, bem próximas—de


“enunciado”, “enunciação”15 e “comunicação discursiva” adquirem no pensamento

14
Note-se como com isso ganha corpo e realidade a metáfora de Rosenzweig no “Posfácio” do Yehuda
Halevi: “É desejável que se traduza, caso se consiga concretizar esse potencial ao semear-se algum
campo lingüistico fértil mas incultivado [na língua de chegada].” (Rosenzweig, 1995, p. 171).
15
Paulo Bezerra, que traduz Bakhtin direto do russo, informa que o autor—ao menos nos ensaios
Capítulo 3 78

de Bakhtin pode ser avaliada a partir de um trecho de “A Metodologia das Ciências


Humanas”, um texto esboçado—parte dele fica no nível de anotações pró-memória—no
final dos anos 30 ou no início dos anos 40. Embora desse trecho (algo longo, mas que
merece ser citado) não conste explicitamente nenhum dos termos acima mencionados,
a presença—dialógica e silenciosa—do conceito que eles exprimem clama por ser
reconhecida:

O objeto das ciências humanas é o ser expressivo e falante. Esse ser nunca
coincide consigo mesmo e por isso é inesgotável em seu sentido e significado. [...]
A exatidão, seu significado e seus limites. A exatidão pressupõe a coincidência
da coisa consigo mesma. A exatidão é necessária para a assimilação prática.
O ser que se auto-revela não pode ser forçado e tolhido. Ele é livre e por essa
razão não apresenta nenhuma garantia. Por isso o conhecimento aqui não nos
pode dar nada nem garantir, [...]. O ser da totalidade, o ser da alma humana, o
qual se abre livremente ao nosso ato de conhecimento, não pode estar tolhido
por esse ato em nenhum momento substancial. Não se pode transferir para ele
as categorias do conhecimento material (o erro da metafísica). [...] A alma nos
fala livremente de sua imortalidade, porém não podemos prová-la. As ciências
[exatas] procuram o que permanece imutável em todas as mudanças (as coisas ou
as funções). A formação do ser é uma formação livre. Nessa liberdade podemos
comungar, no entanto não a podemos tolher com um ato de conhecimento
(material). (Bakhtin, 2003f, p. 395, itálicos de Bakhtin).

Aqui se trata, não da metodologia, mas da epistemologia das ciências humanas.


E o que Bakhtin quer ressaltar é que essa epistemologia, necessariamente, deve diferir
da epistemologia tradicional das ciências exatas, do “conhecimento material”. Esta
última pode se desenvolver no campo das proposições “acabadas” e intemporais, no
campo da estrutura da lingüística saussureana, até mesmo no da “linguagem artificial”,
da denotação desprovida de qualquer conotação, à la Lógica de Frege.
As ciências humanas, a compreensão do “ser expressivo e falante”, essas
requerem a meta-linguagem, a língua na vida, a comunicação discursiva inacabada
e aberta, o enunciado preso ao tempo, e o acontecimento de sua enunciação plena
de conotações. E, novamente, nem é preciso ressaltar a extrema proximidade do que
aqui se vê com o speech thinking de Rosenzweig, em especial no que diz respeito
ao inter-human speech (vide Cap. 1, seção 6, p. 29).
Como sempre em Bakhtin, é a partir da teoria literária que essa noção da
“língua na vida”—ou talvez coubesse falar de uma noção de “língua-vida”—se desenvolve

incluídos na Estética da Criação Verbal—não distingue entre “o ato de emissão do discurso, [que] seria
a enunciação, e o discurso já pronunciado e até um romance, que seria o enunciado. Portanto, para
ele o discurso de um passado remoto, um texto filosófico e o ato de emissão do discurso correspondem
a [um mesmo termo em russo], vizkázivanie. Ele associa o termo também à parole saussureana, o
que permite falar em enunciação.” (Bezerra in Bakhtin, 2003a, p.XI, vide também a nota do tradutor
à p. 262). O fato de que em Bakhtin “o discurso de um passado remoto” possa ser (ainda hoje) um
enunciado/enunciação—como o é, e de forma fundamental, para Rosenzweig (vide Cap.1, sec 6, p.
34)—é de especial importância para o que nos concerne.
Capítulo 3 79

inicialmente. Em “Épico e Romance” (que é da primeira metade dos anos 30), Bakhtin
já condena o simplismo dos “historiadores da literatura” que tendem a fixar-se

meramente na luta entre tendências e escolas literárias [que embora existam,


não passam de] fenômenos historicamente insignificantes. Por trás deles deve-se
estar atento à muito mais profunda e mais verdadeiramente histórica, luta
dos gêneros, o estabelecimento e crescimento de um esqueleto dos gêneros
da literatura (Bakhtin, 1981a, p. 5, grifos meus).

Bem mais tarde, em “Os Estudos Literários Hoje” (1970), um Bakhtin que
finalmente é uma reconhecida e cultuada figura pública, ao responder a uma questão
da revista Novi Mir ainda lamenta que para os estudiosos da literatura o processo
literário continue reduzido a “uma luta superficial entre as correntes literárias. [...]
Sob semelhante enfoque é impossível penetrar na profundidade das grandes obras,
e a própria literatura começa a parecer algo pequeno e assunto desprovido de
seriedade.” (Bakhtin, 2003e, p. 361). Para Bakhtin, portanto, faltará profundidade
sempre que o enfoque desconheça a categoria “gênero”.
Mas já duas décadas antes, em 1952-1953 com “Os Gêneros do Discurso”, essa
percepção de que no gênero estava o fazer histórico da literatura havia transcendido
o âmbito literário e adentrado não só a “História”, mas também todos os campos da
atividade humana, inclusive a vida cotidiana. Aí se completa o linguistic turn:

O emprego da língua efetua-se em forma de enunciados (orais e escritos)


concretos e únicos, proferidos pelos integrantes desse ou daquele campo
da atividade humana. Esses enunciados refletem as condições específicas e
as finalidades de cada referido campo [...] acima de tudo por sua construção
composicional. [...] [C]ada campo de utilização da língua elabora seus tipos
relativamente estáveis de enunciados, os quais denominamos gêneros do
discurso. [...] Os enunciados e seus tipos, isto é, os gêneros discursivos, são
correias de transmissão entre a história da sociedade e a história da linguagem.
(Bakhtin, 2003c, pp. 261-262, 268, itálicos de Bakhtin, negritos meus).

A tipologia de “vozes” da polifonia do final dos anos 20 (vide p. 74 acima),


a tipologia de “falas sociais” das heteroglossias de meados dos 30 (vide pp. 74-75
acima), é agora uma tipologia de enunciados “concretos, proferidos pelos integrantes
da atividade humana”, uma tipologia das “correias de transmissão” que movem a
História, ao conectarem “a história da sociedade e a história da linguagem”.
O que ocorre nesse percurso é uma modificação—sutil talvez, e talvez por isso
pouco notada—na epistemologia de Bakhtin, mas que é de suma importância para o
que aqui nos concerne.
Até antes de “Gêneros do Discurso” a epistemologia de Bakhtin pode ser descrita
como um artistic thinking, a noção (até aqui sempre ancorada na Literatura16) de que

16
Assim é que “polifonia” e noções como o “discurso bi-vocal ativo” surgem no âmbito da discussão
do romance, em Problemas da Poética de Dostoievski (1ª. Ed., 1929). A noção de “heteroglossia”
Capítulo 3 80

os gêneros literários—em especial o romance polifônico—não são meras “transcrições


artísticas” de conhecimentos obtidos em outros campos (como, p. ex., o da filosofia),
mas também geram conhecimentos, que podem até ser impossíveis de ser transcritos
para termos abstratos (como, p. ex., os do mainstream filosofia) sem uma perda
significativa (vide Morson e Emerson, 1997, p. 366).
Nos “Gêneros do Discurso”, Bakhtin como que amplia o artistic thinking, dando
o passo definitivo—em termos de confiança na linguagem (vide Cap 1, sec. 7.2)—no
sentido de um “pensamento do enunciado”. Não mais (só) a Literatura17 é o medium
de pensamento, mas toda a vida cotidiana, tal como enunciada pelos integrantes da
atividade humana em seu dia a dia.
Antes de “Gêneros do Discurso”, a categoria de gênero literário emprestara,
como vimos, profundidade a uma análise da história da literatura que sem essa
noção ficava reduzida à superficialidade da “luta entre escolas”. Agora é a noção
de gênero do discurso, ou o que dá no mesmo, a noção de tipo de enunciado que
vai dar profundidade à análise de toda a atividade humana, da comunicação inter-
humana.
“Pensamento do enunciado”, é claro, é a tradução de “speech thinking”. E essa
“coincidência” entre Bakhtin e Rosenzweig—por tudo o que vimos no presente estudo,
e especialmente neste caso do enunciado—vai bem além de uma mera coincidência
na denominação18. É no conceito de enunciado/enunciação (na comunicação inter-
humana) que os dois pensamentos atingem seu ponto de máxima aproximação.
Assim, parece-nos lícito que se utilize o elaborado ferramental que Bakhtin
emprega na concepção e no estudo do conceito metalingüístico de “enunciado”, para
buscar elucidar o que vai no inter-human speech, que Rosenzweig apenas delineia em
sua apresentação do speech thinking em “O Novo Pensamento”.
Apenas delineia, note-se, no que respeita à obra teórica. Pois como vimos
(cap. 1, seção 6, p. 30), Rosenzweig faz do speech thinking uma opção de vida e o
aplica plenamente nas práticas da vida, em uma “atividade humana” que é plena de

surge no âmbito da discussão do “Discurso no Romance” (1934-1935). E uma outra noção chave do
arsenal de conceitos de Bakhtin, “cronotopo”, que não é aqui discutida, surge em “Formas do Tempo
e do Cronotopo no Romance” (1937-1938), um longo ensaio cujo sub-título é “Notas para uma Poética
Histórica” e que analisa a evolução histórica do romance desde a Grécia antiga de Heliodoro e Xenofonte
até Dostoievski (Bakhtin, 1981b, pp. 85-258).
17
Nesse sentido é importante alertar contra a incorreção—bastante freqüente segundo Morson
e Emerson—de considerar-se que o que Bakhtin chama em “Gêneros do Discurso” de “gêneros
secundários”, seja sinônimo de “gêneros literários”. “Gêneros secundários [...] incluem [também]
formas da comunicação prática que tipicamente combinam formas mais simples de relato, comando
ou solicitação, e inúmeros outros tipos de trocas verbais” (Morson e Emerson, 1997, p 294). Estamos
aqui, de fato, na vida. E se estamos também na Literatura, é porque a literatura faz parte da vida.
18
Denominação que, de resto, Bakhtin nunca adotou. Nós é que a estamos adotando aqui depois de
uma longa—e convincente, espera-se—argumentação. Rosenzweig, sim, como já vimos, referia-se ao
“novo pensamento” como Sprachdenken.
Capítulo 3 81

“enunciados concretos”. Ao fazê-lo Rosenzweig está—de novo, e na prática—, muito


em linha com o que Bakhtin diz (da prática) nos “Gêneros do Discurso”:

Ora, a língua passa a integrar a vida através de enunciados concretos (que a


realizam); é igualmente através de enunciados concretos que a vida entra na
língua. O enunciado é um núcleo problemático de importância excepcional.
(Bakhtin, 2003c, p. 265, grifos meus).

Enfim, parece certo que “Gêneros do Discurso”, o ensaio em que Bakhtin


apresenta seu “pensamento do enunciado”, contém muito do que seria uma teoria
do speech thinking de Rosenzweig. Examinemos então, com vistas a Rosenzweig e
sua tradução dialógica, o que é, aos olhos de Bakhtin, esse “núcleo problemático”,
o enunciado.

8. Um enunciado que cale fundo.

A necessidade de uma “problematização do enunciado” é colocada diversas


vezes ao longo de “Gêneros do Discurso”. Algumas dessas colocações são primorosas
e permanecem bem atuais:

A palavra indefinida riétch (“fala, [discurso]19”), que pode designar linguagem,


processo de discurso, ou seja, o falar, um enunciado particular ou uma série
de enunciados e um determinado gênero discursivo (“ele pronunciou um
riétch [discurso]”), até hoje não foi transformada pelos lingüistas em termo
rigorosamente limitado pela significação e definido (definível) (fenômenos
análogos ocorrem também em outras línguas). Isto se deve à quase completa
falta de elaboração do problema do enunciado e dos gêneros do discurso e,
conseqüentemente, da comunicação discursiva. Quase sempre se verifica o jogo
confuso com todas essas significações (exceto a última) (Bakhtin, 2003c, p. 274,
itálicos de Bakhtin, negritos meus).

Um dos motivos para essa desatenção ao enunciado é a transparência do


cotidiano, do dia-a dia tão prosaico, que faz com que se deixe de notar a onipresença
dos gêneros para além do literário. Outro motivo é a extensão que a tarefa, uma vez
reconhecida, assume. Isso levou à simplificação “literária” do problema—que Bakhtin
já anteriormente denunciara—e a um estudo dos gêneros que não se baseava numa
tipologia dos enunciados:

Cabe salientar em especial a extrema heterogeneidade dos gêneros do discurso


(orais e escritos), nos quais devemos incluir as breves réplicas do diálogo cotidiano
[...], o relato do dia-a-dia, a carta [...], o comando militar lacônico padronizado
[...]. Pode parecer que a heterogeneidade dos gêneros discursivos é tão grande
que não há nem pode haver um plano único para seu estudo [...] [d]as réplicas

19
Este “discurso” entre colchetes, e o que aparece logo a seguir no texto citado, são do tradutor,
Paulo Bezerra.
Capítulo 3 82

monovocais do dia-a dia ao romance de muitos volumes. A isto se deve o fato de


que a questão geral dos gêneros discursivos nunca foi verdadeiramente colocada.
Estudavam-se—e mais que tudo—os gêneros literários [que eram, no entanto,
apenas] [...] estudados num corte de sua especificidade literária...(no âmbito
da literatura) e não como tipos de enunciados, que são diferentes de outros
tipos mas têm com estes uma natureza verbal (lingüística) comum. Quase não
se levava em conta a questão lingüística geral do enunciado e dos seus tipos.
(Bakhtin, 2003c, pp. 262-263, itálicos de Bakhtin, negritos meus).

A solução para essas dificuldades—“o plano único para o estudo”, que parecia
até aqui tão difícil de se atinar—é para Bakhtin simplesmente “o estudo do enunciado
como unidade da comunicação discursiva” (id., p. 269). Com isso se dá o passo
do lingüístico para o metalingüístico, de um sistema cujas unidades são palavras e
orações, para atividades humanas que acontecem em enunciados dos mais diversos
tipos.
Aqui a argumentação de Bakhtin é notavelmente próxima do speech thinking
de Rosenzweig. Ao se considerar a linguagem como um sistema cujas unidades se
compõem de palavras e orações, se está

subestimando a função comunicativa da linguagem [...], a linguagem é


considerada do ponto de vista de um falante sem a relação necessária com
outros participantes da comunicação discursiva [...], o papel do outro [é o de]
um ouvinte que apenas compreende passivamente o falante. [...] Em essência a
língua necessita apenas do falante—de um falante e do objeto de sua fala. [...]
[C]ontudo, quando [se passa] ao objetivo real da comunicação discursiva [...]
o ouvinte [...] ocupa [...] uma ativa posição responsiva: concorda ou discorda
dele [falante] (total ou parcialmente), completa-o, aplica-o, prepara-se para
usá-lo. [...] Toda compreensão é prenhe de resposta. (id., pp. 270-271, negritos
meus, itálicos de Bakhtin)

Compare-se isso com o “não existe fala verdadeira sem resposta” de Rosenzweig
que “intuímos” no cap. 1 (vide Cap. 1, seção 6, p. 33 acima). E cabe que, para fins
de confronto com o trecho de Bakhtin acima, adiantemos aqui o trecho clássico de
A Estrela que confirma a “intuição” do Cap. 1, trecho que discutiremos com mais
detalhes no capítulo 4 :

isto é [o que está de acordo com] o verdadeiro emprego da linguagem, é


este o cerne, por assim dizer, [da mensagem ] de todo este livro [A Estrela da
Redenção] [...]: a verdadeira palavra é [...] palavra e resposta. (Rosenzweig,
1970, p. 174, grifos meus).

Estamos, definitivamente, na mesma seara. A responsividade—tanto para


Bakhtin quanto para Rosenzweig—é uma marca essencial da enunciação. A diferença é
que Bakhtin ao contrário de Rosenzweig—e para proveito da elucidação do Rosenzweig
“inter-humano”—discorre detalhadamente sobre essa e outras características do
enunciado no cotidiano.
Capítulo 3 83

Mas antes das “outras características”, a responsividade—a capacidade,


“intrínseca” a todo enunciado, de suscitar uma resposta—, é talvez o aspecto mais
importante para a tarefa do tradutor dialógico tal como Rosenzweig e Buber a colocam.
Assim sendo, merecerá aqui ainda alguma consideração.
No âmbito da tradução da Bíblia, Buber fala do “traço verbal” que está no
relato de “um evento natural [que] o grupo vivenciou como revelação de Deus e dessa
forma [i.e., como traço verbal] preservou-o de maneira inspirada no relato bíblico.”
(Buber, 1926 a in Buber e Rosenzweig, 1994, p.4; vide Cap. 2, sec. 6, p. 50).
E Rosenzweig diz que

qualquer enunciado humano [no texto bíblico, e, veja-se, mesmo no mais


prosaico trecho do texto bíblico] pode trazer em si escondida a possibilidade
de algum dia, no seu tempo ou no meu tempo, vir a revelar [para alguém que
o lê] a palavra de Deus, [e] então nesse caso o tradutor deve, tanto quanto
sua língua o permitir, seguir os peculiares volteios daquele enunciado que está,
potencialmente, prenhe de revelação. (Rosenzweig, 1926 in id, p. 64, itálicos
de Rosenzweig, negritos meus; vide Cap.2, seção 6, p. 52).

A tarefa do tradutor estaria então em preservar na tradução o “potencial de


revelação” que está no “traço verbal” ou no “volteio do enunciado” do original. Tudo
muito críptico e etéreo, convenha-se. Ao menos para quem—sem qualquer demérito
à comunicação divino-humana—está também em busca do que há de inter-humano
no speech thinking de Rosenzweig e em sua tradução dialógica.
É aí que Bakhtin vem em nosso auxílio e “dessacraliza a revelação”,
trazendo-a para o nível metalingüístico da comunicação discursiva.
Bakhtin fala do “outro”, o ouvinte, que ante a enunciação pratica seu “ato
pleno e real de compreensão ativamente responsiva, [e] que gera [um]a resposta
([e obter uma resposta é] precisamente o que visa o falante).” (Bakhtin, 2003c,
pp. 272-273). E inclusive menciona—no que é relevante para “grandes textos” como
a Bíblia—que existe um tipo de compreensão que é uma “compreensão responsiva
silenciosa, [...] uma compreensão responsiva de efeito retardado.” (id. 272).
Assim, dessacralizada, a revelação é parte do que Bakhtin chama de nível
metalingüístico. É a metalingüisticidade do enunciado que deve ser preservada na
tradução. O enunciado original deve permanecer um enunciado na língua de chegada,
e não tornar-se uma “sentença” ou “palavra” meramente lingüística. Deve permanecer
algo que possa suscitar no leitor—e até em algum leitor, algum dia—a “compreensão
ativamente responsiva”, mesmo que “silenciosa” ou “de efeito retardado”20.

20
Note-se que com isso o “nível macro” da tradução dialógica de Buber e Rosenzweig, tal como o
definimos no Cap. 2 (p. 48)—propiciar que a Revelação se dê, hoje, na língua de chegada e para o leitor
de hoje como se dera ao longo dos séculos para os leitores do original—esse “nível macro”, dizíamos,
assim “dessacralizado”, se reduz, num movimento top-down, ao “nível meso” (id.) e passa a coincidir
com ele. O nível do texto dialogicamente traduzido que preserva, para o leitor da língua de chegada,
a enunciação.
Capítulo 3 84

E assim, o objetivo específico de Buber e Rosenzweig se colocam ao traduzirem


a Bíblia, a tarefa do tradutor dialógico (já aqui devidamente “dessacralizada”) pode
ser colocada nos seguintes termos: a “palavra”—metalingüística—deve continuar
sendo, na língua de chegada, um enunciado que cale fundo no outro, e suscite
resposta. Mesmo que ao custo de um grande “estranhamento”.

8.1 Entonação expressiva

Seria ademais interessante tratar de reconhecer, com Bakhtin, quais outras


características, além do aspecto fundamental de responsividade, situam o enunciado
nesse plano metalingüístico em que a comunicação discursiva “acontece” (ao contrário
da palavra e da sentença que apenas “estruturam”, inexpressivamente, um sistema
“lingüístico”). E em especial, as características que são relevantes para a prática da
tradução.
A principal delas, ligada ao que Bakhtin chama de “elemento expressivo”
do enunciado é sua a “entonação expressiva”. “A entonação expressiva é um traço
constitutivo do enunciado, um dos meios de expressão da relação emocionalmente
valorativa do falante com o objeto de sua fala21.” (Bakhtin, 2003c, pp. 289, 290). E
muito embora

a entonação expressiva perten[ça] aqui ao enunciado e não à palavra [...],


ainda assim é muito difícil abrir mão da convicção de que [ademais] cada palavra
da língua tem ou pode ter por si mesma ‘um tom emocional’, ‘um colorido
emocional’, ‘um elemento axiológico’, uma ‘auréola estilística’, etc. e, por
conseguinte, uma entonação específica enquanto palavra. (id., p, 291).

Ou, de forma mais dialógica, “as palavras podem entrar no nosso discurso a
partir de enunciações individuais alheias, mantendo em menor ou maior grau os tons
e ecos dessas enunciações individuais”. (id., p. 293, grifos meus).
Compare-se ademais as duas citações que apresentamos a seguir. Uma é a
ilustração que Rosenzweig dá para o entendimento da “organização do ritmo” da
colometria que já mencionamos no Cap.2 (sec. 8, pp. 57-58) e discutiremos mais
adiante no Cap. 6. A outra é uma citação de Volochínov que os editores russos de
“Gêneros do Discurso” julgaram importante incluir numa nota à noção de “entonação
do enunciado” constante do texto de Bakhtin:
Rosenzweig:

21
Note-se aqui um aspecto fundamental que diferencia o enunciado da sentença, o metalingüístico do
lingüístico, mas que de tão básico que chega a passar despercebido. Trata-se do fato de que sempre
existem relações entre o enunciado e o autor da enunciação. São elas que operacionalizam essas
“correias de transmissão entre a linguagem e a história” que são os enunciados, segundo Bakhtin (id., p.
268). No caso da citação acima estamos no campo específico da “relação emocionalmente valorativa”.
No small thing, convenhamos.
Capítulo 3 85

O aparente ‘cantado’ [singsong] no estudo do Talmud, i. e., a definição [setting]


musical da sentença ao ser lida, define o seu [de sentença] entendimento
lógico; da mesma forma Hermann Cohen ‘definia’ sentenças difíceis de Platão
e Kant ao lê-las em voz alta. (Rosenzweig, 1925, in Buber e Rosenzweig, 1994,
p. 44, grifos meus).

Volochínov:

A entonação está sempre na fronteira do verbal e do não verbal, do dito e


do não dito. Na entonação, a palavra contata imediatamente com a vida.
[...] É precisamente este ‘tom’ (entonação) que faz a música (sentido geral,
significado geral) de todo o enunciado. (Volochínov, apud Bakhtin, 2003, “Notas
[dos editores]” p. 449, itálicos de Volochínov, negritos meus).

Tudo isso ajuda a elucidar o que está ocorrendo quando no nível micro da
tradução dialógica se dá atenção à “repetição” (de palavras na técnica das Leitwörter).
Ou à “entonação” e “acentuação” (de palavras e frases “lineadas” na técnica da
colometria), e mesmo à “conotação” (em ambas Leitwörter e colometria). Isso porque
essas são noções (p. ex., entonação, acentuação) que surgem tanto na discussão das
técnicas de tradução de Buber e Rosenzweig (vide sec. 6 acima e Cap 2, sec. 8, pp.
56-57), quanto no reconhecimento, por Bakhtin, das características metalingüísticas
que fazem do enunciado o instrumento da concatenação língua-vida.
Com isso se vislumbra o vínculo construtivo que há entre essas técnicas que
operam no “nível micro da tradução dialógica” (Cap. 2, seção 5, p. 49), e o “nível
meso”22 do metalingüístico. Enunciados metalingüísticos cuja característica maior é
a responsividade é que devem, bem mais do que as meras sentenças lingüísticas,
compor o “produto final”. Assim, o enunciado bakhtiniano ficará preservado na “vida”
da enunciação traduzida sempre que essas técnicas são aplicadas de forma bem
sucedida23.
Finalmente, e sobretudo, com isso se desvenda o que está fazendo—no nível
metalingüístico de Bakhtin, o nível da “língua na vida”—o tradutor dialógico bem
sucedido (no caso, Buber e Rosenzweig).
Está traduzindo a enunciação.

22
Vide nota 20 acima. Já aqui o movimento é bottom-up, do “nível micro” ao “nível meso”. Assim,
tudo se “resolve” no (ou se reduz e se resume ao) nível metalingüístico da enunciação bakhtiniana.
23
Além da “entonação expressiva” que discutimos acima, outras características do enunciado bakhtiniano
poderiam ser utilizadas para uma maior explicitação do que ocorre na tradução dialógica. Dentre elas
podemos citar o “direcionamento” e o “endereçamento” do enunciado. A condução seria bastante
similar à do caso da “entonação” acima apresentado: o reconhecimento de técnicas de tradução que
buscam preservar determinada característica do enunciado na língua de chegada.
Capítulo 3 86

9. Em conclusão

Bakhtin e Rosenzweig estão, portanto, por tudo o que vimos, bem mais
próximos do que normalmente se reconhece e esse é um fato que merece ser aqui
bastante ressaltado.
Para o que nos ocupa, essa proximidade autorizou-nos a utilização do ferramental
teórico de Bakhtin para o entendimento de Rosenzweig. Isso permitiu-nos o passo do
teológico ao (meta)lingüístico, “dessacralizando” a noção de uma “Revelação” que,
presente no texto de partida, precisa ser preservada no texto de chegada: aquilo
que, no texto, faz da sentença um enunciado (bakhtiniano)—sua respondibilidade,
sua entonação expressiva e outras características que Bakhtin define e descreve—, é
o que, na tradução, deve-se tratar de preservar.
A forma como as técnicas de tradução de Buber-Rosenzweig efetivam a
preservação dessa “enunciação” foram, neste capítulo, apenas delineadas e serão objeto
de uma consideração mais detalhada nos capítulos 5 e 6, onde poremos Rosenzweig
em diálogos de inter-iluminação com Benjamin e Meschonnic, respectivamente.
Antes disso, porém, devemos no próximo capítulo considerar o speech thinking
/ pensamento gramático de Rosenzweig e o linguistic turn em que essa filosofia se
insere. À parte o aprofundamento no speech thinking, isso nos permitirá promover
uma segunda—e necessária—dessacralização: a da própria noção de sagrado.
87

CAPÍTULO 4

LINGUISTIC RETURN

...pode-se então imaginar um artista simplesmente por um ano? Não seria uma
contradição lógica (alguns diriam gramatical), como no exemplo citado por Stanley
Cavell a propósito do julgamento estético, em que repete a pergunta de Wittgenstein:
‘Será possível sentir um anseio ou um amor ardente durante o espaço de um
segundo, seja qual for o que antecede ou o que se segue a este instante?’.
Rosalind Krauss, 1990, grifos meus.
(trad. Anne Marie Davée, 2002)

1. Introdução

O presente capítulo examina a tradição na qual a filosofia de Rosenzweig se


insere e aprofunda a análise do speech-thinking, considerando em especial a forma
como opera o “pensamento gramático” e fazendo um confronto entre a visão de
realidade desse pensamento e a do pensamento lógico-racional do mainstream da
filosofia.
Isso nos propiciará a necessária dessacralização da noção de “sagrado” (vide
Cap. 2 p. 58) que será trazida para o nível do lingüístico, assim como o fizemos no
capítulo anterior para a noção teológica de “Revelação”. Além disso, a noção básica da
filosofia da linguagem de Rosenzweig, a “palavra que obtém resposta”, será derivada
a partir do pensamento gramático em A Estrela. Finalmente, a dicotomia “divino-
humano versus inter-humano” que no Cap. 1 reconhecemos na obra de Rosenzweig,
será neste capítulo desfeita a partir do próprio Rosenzweig.
As seções 2 e 3 examinam a origem e os percalços de uma tradição que após
viger na Antigüidade permaneceu subterrânea por vinte e cinco séculos, e segundo a
qual a fala tem precedência sobre o pensamento. A partir daí, e do texto de o “Novo
Pensamento” de Rosenzweig, a seção 4 trata de reconhecer a onipresença, nos tempos
atuais, de uma pouco percebida noção de “sagrado” que é despida do teológico e opera
no nível do lingüístico. A seção 5 inicia então o confronto entre o speech thinking e
o mainstream da filosofia, examinando algo que é, sob a ótica do mainstream, um
paradoxo irresolvido: a canonicidade do Cântico dos Cânticos.
Para Rosenzweig, bem ao contrário, o Cântico é central e indispensável na
Bíblia. Para ele o Cântico é “o livro focal da Revelação”, como vai descrito na seção
6, que, no entanto, ainda não desvenda as razões de Rosenzweig. No caminho desse
desvendamento, a seção 7 examina alguns dos trechos mais centrais e dialógicos de A
Estrela da Redenção, nos quais o pensamento gramático é aplicado por Rosenzweig.
Dentre eles está o da derivação da noção central de sua filosofia da linguagem: palavra
e resposta. A seção 8 apresenta a solução dada por Rosenzweig para a canonicidade do
Capítulo 4 88

Cântico. Sua argumentação inclui o desfazimento da dicotomia “comunicação divino-


humana versus inter-humana” que nos incomoda desde o Cap. 1. A seção 9 resume as
conclusões deste capítulo e envia ao próximo.

2. Linguistic Return

Logo ao início de sua obra-prima, A Estrela da Redenção, Rosenzweig faz uma


reflexão “Acerca da Possibilidade da Cognição do Todo”, título que dá à Introdução
da Parte I da obra. Nessa introdução Rosenzweig menciona, numa frase que se tornou
famosa, “o desafio que é lançado a toda a honorável companhia dos filósofos, da Jônia
a Iena,” por todo aquele que—como ele Rosenzweig—“nega a unidade da razão” ao
“negar a totalidade do ser” (Rosenzweig, 1970, p. 12).
Por “da Jônia a Iena” entenda-se “de Parmênides a Hegel” (id., p. 13), um
período, portanto, que vai do séc. VI a.C. na Grécia Antiga ao início do séc. XIX. Dessa
forma Rosenzweig inicia o que é bem mais do que uma mera crítica ao Idealismo que com
Hegel alcançara sua completação. Como explicar, pergunta Rosenzweig, a contingência
que se constata no mundo, se esse mundo deve supostamente ser concebido como
necessário? (id., p. 12). Trata-se, na realidade, de um ataque a todo o mainstream
da filosofia ocidental no qual a razão sempre imperou, única e totalizadora.
Esse “império da razão” nada mais é do que o fato, corriqueiro de resto
para a cultura ocidental, de que a razão é o ferramental do pensamento. A (quase)
tautologia de que na cognição (lógica) está o conhecimento. E a insistência numa
visão da linguagem como a expressão do pensamento (que vem antes), por meio de
palavras (que vêm depois). Essa é uma visão que relega a linguagem e a fala (elocução,
enunciação, voz, discurso) a um segundo plano, e a um segundo momento.
O que Rosenzweig busca resgatar é uma tradição que dá uma resposta diferente
à questão acerca de qual vem a ser a fonte do conhecimento que nos chega à mente.
Uma tradição que sobreviveu “subterrânea” durante o longo período que transcorreu da
“Jônia a Iena” e que começa a emergir a partir de Johann Georg Hamann (1730-1788),
amigo e conterrâneo de Kant em Königsberg, e seu feroz adversário filosófico.
Com Hamann iniciou-se um dos três linguistic turns na filosofia que listamos
brevemente no Cap. 1 (sec 7, pp. 34-35), justamente aquele ligado à chamada tradição
Hamann-Herder-Humboldt na filosofia hermenêutica alemã (Lafont 1999, p. x, ).
Ernst Cassirer, discipulo maior e sucessor de Hermann Cohen em Marburg (Cohen foi,
como vimos, o primeiro mestre de “judaísmo” de Rosenzweig), disse a respeito desse
approach filosófico: “Se deixarmos de encontrar tal enfoque—o enfoque através do
médium da linguagem em lugar dos fenômenos físicos—perderemos o portal para a
filosofia” (Cassirer, apud Stahmer, 1968, p. 36, grifo meu). E Ernst Hoffman (em 1925)
coloca a questão de forma bem mais explícita:
Capítulo 4 89

À filosofia natural e à filosofia cultural corresponde um tertius—a filosofia da


linguagem. Tanto quanto é possível olhar-se retrospectivamente [...] a partir
de Pitágoras e Heráclito o objeto da filosofia grega não é só o mundo, mas
também a fala humana acerca do mundo. [...] Pode acaso a fala humana ser
a nau para a verdade? (Hoffman, id.).

Esse poder, ou primazia que a fala tivera na Grécia Antiga é mencionada


também por Michel Foucault—um dos artífices de um outro linguistic turn, o de
tradição francesa. Diz Foucault em sua A ordem do discurso:

Pois, ainda nos poetas gregos do século VI [a. C.], o discurso verdadeiro—no
sentido forte e valorizado da palavra—o discurso verdadeiro pelo qual se tinha
respeito e terror, ao qual era necessário submeter-se, [...] era o discurso que
dizia a justiça e atribuía a cada um a sua parte; era o discurso que, profetizando
o futuro, não apenas anunciava o que havia de passar-se, mas contribuía para a
sua realização, obtinha a adesão dos homens e desse modo se entretecia com
o destino (Foucault, 1997, pp. 7-8).

As palavras, serventes do pensamento na ótica do mainstream da filosofia,


ganham sob esse enfoque do linguistic turn alemão um caráter que é primordial e
eminentemente dialógico. É a fala que precede o pensamento e o suscita, e não o
contrário: “nossos intelectos sempre foram serventes da fala (speech) e não vice-versa.
Pensamos, falamos, porque nos foi falado, porque alguém se dirigiu a nós”, diz-nos
Harold Stahmer (1968, p. 4), o primeiro autor de língua inglesa a estudar o pensamento
de Rosenzweig e de outros pensadores da palavra que Rosenzweig cita em “O Novo
Pensamento” (Rosenzweig, 2000a, p. 128, vide Cap. 1, sec. 1, p. 21 acima).
Ou, como dissera Hamann, o relançador dessa idéia no séc. 18, numa carta de
1787 a F. H. Jacobi: “Você entende agora [...]o meu princípio lingüístico da razão, e
que com Lutero eu faço de toda filosofia [uma] gramática, uma cartilha (primer) do
nosso conhecimento.” (apud Stahmer, 1968, p. 98, grifo meu).
Trata-se então de um retorno à valorização da fala e do dialógico como
instrumento de compreensão do mundo, ante a razão monológica que passara a viger
a partir de Parmênides e Platão.
Mais que um linguistic turn, portanto. Um “linguistic return”.

2.1 Falando a realidade

Mas o que vem a ser (ou o que foi) essa visão de mundo que Stahmer chama
de “speech-dependent view of reality” (Stahmer, 1968, p.3), uma realidade que é
constituída na elocução—na fala exortativa e dialógica—, e que não é a realidade
estruturada pelo pensamento demonstrativo e lógico?
Capítulo 4 90

“Durante vários períodos históricos”, diz-nos Stahmer, “os homens consideraram


determinados eventos como cruciais ou sagrados porque neles uma fala significativa
se dera” [“significant speech had taken place”]) (id.).
A forma como esses eventos vocais passaram pela experiência humana de
quem os vivenciou, e a forma como passaram depois pela experiência das gerações
a quem os relatos desses eventos foram transmitidos—de maneira profundamente
marcada pela oralidade e pelo diálogo—, foi o que constituiu para essas comunidades
a fonte para a compreensão da realidade (vide sobre isso, mais adiante, a nota 4
do Cap. 5). Desse enfoque “vocal” (que se contrapõe ao nosso, “racional”) algumas
conseqüências decorrem.
Antes de mais nada, essa forma é primordialmente “gramatical”. Nela não
se valorizam relações lógicas e racionais—como as de “implicação” ou de “causa-
e-efeito”—que são voltadas para um acúmulo de conhecimento, e através das quais
uma verdade única ou uma dada informação são estabelecidas de forma essencial
e definitiva.
Enfocam-se, no “gramatical”, principalmente “tempos” e “modos” pelos quais
um mesmo evento acontece na experiência humana, torna-se vivência de alguém.
Um evento que se dá num dado tempo (p.ex., o histórico) e num dado modo (p. ex.,
uma ação tomada), pode repetir-se num outro tempo (p. ex., o litúrgico) e num outro
modo (p. ex., a comemoração, a narração, o ritual ou a encenação), e tratar-se—para
todos os fins relevantes a uma dada circunstância—do mesmo evento.
Ademais, nesse enfoque, a realidade é “impregnada” de categorias gramaticais,
e não da noção de causa-e-efeito. Posso “amar”, posso “estar amando”, mas não
posso, por exemplo, “ser amar”. Eu sou porque tenho um nome, sou chamado pelo
nome, e respondo. O outro, que me chama pelo nome é minha constatação primeira,
e é através dele que eu me constato e me constituo como um eu que tem um nome.
“Não amo, amas, amat, mas amas, amo, amat é a ordem correta da postura gramatical
que nos é mais apropriada.” (Stahmer, 1968, pp. 137-138).
É a esse enfoque que Rosenzweig busca retornar. Recordemos o seguinte trecho
de “O Novo Pensamento”, o ensaio que pode ser tido como um manifesto do linguistic
turn de Rosenzweig, a sua “nova filosofia” do speech thinking [Sprachdenken]:

Assim, o método do novo pensamento origina-se de sua temporalidade. [...] O


[velho] pensamento é atemporal e quer ser assim; quer estabelecer mil conexões
de um só golpe; [para esse velho pensamento] o derradeiro [the ultimate], o
objetivo final [the goal], vem em primeiro. A fala [i. e., o speech thinking], ao
contrário, é presa ao tempo e se alimenta do tempo; não pode e nem nunca há
de abandoná-lo, é ele o seu ambiente; não sabe de antemão onde vai dar; deixa-
se guiar por outrem. Vive, geralmente, da vida de outrem, seja a da audiência
de uma narrativa, ou a de quem lhe responde num diálogo, ou a de quem [com
ela] co-entoa em coro. (Rosenzweig, 2000a, pp. 125-126).
Capítulo 4 91

Disso resulta, já se vê, uma compreensão da realidade que é bem mais


multifacetada, voltada para o inter-pessoal, e que abarca aspectos existenciais que
o mainstream “racional” e ensimesmado da filosofia “da Jônia a Iena” não inclui.
No que vai acima vários conceitos aparecem: a “fala” como primordial em
determinados períodos da história; o sagrado (e o não-sagrado); o “gramático” versus o
“racional” ou “lógico”; o “nome”; o “outro” e “eu”; linguistic turn e linguistic turns.
Esses pontos merecem um aprofundamento e suscitarão algumas reflexões.

3. O declínio da palavra-acontecimento e o advento do rational turn

“O homem antigo maravilhava-se ante a linguagem”, diz-nos Stahmer (1968,


p. 14). E faz-nos lembrar do trecho de Foucault que citamos na seção anterior, ao
comentar que para esse homem da Antigüidade “as palavras tinham o poder de
produzir os eventos, e não serviam, como no caso do homem moderno, meramente
para descrevê-los ou para articular privadamente os pensamentos” (id.)1.
Mais adiante, Stahmer diz que o “homem primitivo era incapaz de considerar
suas palavras como símbolos, como designações ou representações de uma realidade
maior. A palavra, a elocução, a linguagem, eram para ele idênticos à realidade”
(id., pp. 15-16). Aqui quem vem à memória é Derrida, que quase à mesma época, no
capítulo final da Gramatologia, falava da origem da linguagem: “a linguagem [...] é
originariamente metafórica [...], da paixão2 [..] cada palavra tendo o sentido de uma
proposição inteira.” (Derrida, 1999, pp. 330, 341. A Gramatologia é de 1967).
É nessa linha que se pode começar a compreender o que seja essa palavra
que tem precedência sobre o pensamento, e o configura.
Nas suseranias do antigo Oriente Médio era a palavra do rei ou suserano que
“significava” na medida em que “ordenava”—e “ordenar” vai aqui não apenas no
sentido de “dispor”, mas especialmente no de “configurar a ordem da coisas”. Essa
palavra,

controlava e permeava, mas mesmo assim transcendia, todas as línguas individuais,


seja a do soldado, a do governante ou a do sacerdote. Era ela quem, finalmente,
conferia unidade e significado aos papéis individuais [de soldado, governante,

1
Quanto ao “maravilhar-se ante a linguagem” ser característico da mentalidade mítica antiga, temos
um exemplo bem próximo de nós. O primeiro ato do Pai-primeiro no mito de origens dos Mbyá-Guarani
do Guairá no Paraguai é a criação do “fundamento da futura linguagem humana”. Mais tarde, e após
outros atos criativos, o Criador “refletiu profundamente sobre quem fazer partícipe do fundamento
da linguagem humana”. Foi só então que “em virtude de sua sabedoria criadora, criou os Nhamandu
de coração valoroso” (Cadogan, 1959, pp. 19-21). Como se vê, nesse caso é a própria Criação que se
dá num linguistic turn.
2
Derrida usa Rousseau—cujo Essai sur l’origine des langues é o objeto do último capítulo da
Gramatologia—para esclarecer como “uma expressão pode ser figurada antes de ter um sentido próprio.
[...] É preciso substituir a palavra que [hoje em dia] transpomos [na metáfora] pela idéia que a paixão
nos apresenta.” (Rousseau apud. Derrida, 1999, p. 336).
Capítulo 4 92

sacerdote, etc], e ninguém podia falar, de [uma] forma [que fosse considerada]
significante, sem que fosse por ela influenciado [i.e., influenciado pela palavra
do soberano], e sem a ordem e a bênção do rei. (Stahmer, 1968, p. 17).

Essa palavra do suserano não apenas “ordenava”—no sentido acima—mas


também, de certa forma, “criava”. Nisso, o nome tinha papel fundamental:

homens ou animais não eram totalmente reconhecidos como criaturas até que
recebessem um nome [próprio que lhes designasse]. [...] Receber uma ordem
de um representante da palavra autoritativa era um sinal de favor, já que isso
significava ter seu nome reconhecido: e adquirir dessa forma uma existência
significativa. [...] Para o egípcio, o acádio, o sumério ou o israelita, a [simples]
idéia de não se ter um nome causava um frio na espinha. (Stahmer, 1968, p.
10).

Para os israelitas de então, a relação entre Deus e as criaturas que esse Deus
criara à sua imagem e semelhança—aquelas a quem dotara da capacidade da fala—,
era governada por uma Aliança que tinha essa mesma natureza, a natureza de um
pacto de suserania (Kugel, 2007, pp. 243-247). “Sem a palavra de Deus—sem o poder
sustentador do davar—a humanidade definharia e morreria, e a história humana
perderia toda significação.” (Stahmer, 1968, p.10).
O termo hebraico davar deriva de uma forma cujo significado é “falar”(speak),
mas que tem também—o que é muito significativo para tudo o que aqui nos ocupa—as
acepções de “feito”(deed3) e “acontecimento” (event). Assim, diz-nos Stahmer, “davar
não pode ser simplesmente traduzido como “palavra”, a não ser que se tenha em conta
que sempre que falada, davar significa um acontecimento (happening), uma situação
que é falada para que venha a ocorrer (a situation that is spoken into existence).”
(id., 18). E com isso, como veremos mais adiante, pode-se buscar compreender—com
olhos de hoje—o que vem a ser “o sagrado” na língua.
Mas antes disso é preciso reconhecer que também a cultura grega valorizou
e deu precedência à palavra. Para a mentalidade Homérica que antecedeu Platão,
“termos como logos, dialogismos, dialogos, estavam bastante associados a ‘conversação’,
‘discurso’ e ‘diálogo’ e não [ao sentido de] ‘consideração lógica, puramente racional
e abstrata’, [que] mais tarde adquiriram” (id, 36). Mais significativamente, “a origem
e o significado do ensino do Logos pode ser entendido quando se retorna ao seu
significado original de fala (speech/Rede), do qual originaram-se a filologia lingüística
e a gramática.” (Pauly-Wissowa, apud Stahmer, 1968, p. 36).
No período desde Homero e na tradição homérica que persistia ainda em vida
de Platão, a cultura grega se mantinha através do poder oral da poesia e da retórica.
3
Eis aí uma explicação para o famoso dilema tradutório no Fausto de Goethe, e uma justificativa
para a solução de tradução que Fausto dá: It is written: In the beginning was the Word / Here I am
stuck at once. Who will help me out? I am unable to grant the word such merit, / I must translate it
differently / ... / And write: In the beginning was the Deed!” (v. Rosenwald, in Buber e Rosenzweig,
1994, p. xxxvii).
Capítulo 4 93

Diz-nos o Prof. Antonio Medina: “A Ilíada é um milagre nominalista: lá não se acredita


que a palavra queira dizer algo mais do que já está dizendo.” (Medina Rodrigues, 2005).
Essa “palavra comprimida”, no entanto, é a que consegue compor as mais imortais
imagens poéticas. E Stahmer cita Cedric Whitman, que vem na mesma linha:

A mente de Homero é a mente arcaica [...] primordialmente sintética e não


analítica, cujos conteúdos são mitos, símbolos e paradigmas. Não é entretanto
uma mente primitiva, pois a forma arcaica e pré-conceitual de pensamento
tem uma maturidade. [...] Tal mentalidade é uma fonte mais frutífera para a
poesia, do que [o é] a mente treinada para a análise lógica e filosófica. [...]
A função da poesia é a de comprimir o significado, ao contrário da prosa que
nele [significado] se espraia, e a Ilíada parece um poema curto à luz de seu
significado. (Whitman, apud Stahmer, 1968, p. 38).

Dá-se então a partir de Parmênides, e com Platão e o Iluminismo grego, a


grande mudança. Segundo Stahmer, sempre que alguém inicia um questionamento
dos modos tradicionais e multifacetados de discurso, põe-se em campo a “perene
propensão da mente humana para divisar uma linguagem e um método únicos, abstratos
e artificiais, que expliquem a unidade implícita da realidade.” (id., p. 41).
Com Parmênides surge uma “tradição aparentemente infatigável que acreditava
tão firmemente na autonomia do pensamento, que os indivíduos se viram forçados a
negar o caráter hierárquico e multiforme da fala (speech)” (id.), fala que está, afinal
de contas, necessariamente imersa na multiforme realidade sensível. Desse modo
a “sabedoria reduz-se ao pensamento de forma tal, que o mito e a lenda, e todo o
imagístico vocal e visual a eles associado, tornam-se desprovidos de sentido” (id.,
pp. 41, 42).
Assim, num trecho que é significativo por constituir-se no primeiro registro
que se tem de “logos” usado no sentido de “lógico” ou “dialético”—e não mais no
sentido de “diálogo” que correspondia à tradição homérica—, Parmênides apresenta
a sua opção pelo pensamento como essência última da realidade, e com isso, pode-se
dizer, estabelece o idealismo:

Evitai que o vosso pensamento trilhe por esse caminho [extraviado] de indagação,
e não permiti que a força do hábito vos force a lançar por essa senda o olhar
errante, o ouvido atento ao som, ou à [própria] língua (tongue); mas julgai
[tão somente] pelo argumento (logos), a tão disputada prova que apresentei.
(id., p. 42).

A partir daí dá-se o que aqui estamos denominando de rational turn, e o


pensamento passa a ter precedência sobre a fala (speech).
Estabelece-se então, contra a “compreensão saudável” segundo Rosenzweig
(2000a , p. 111, 123) o que é, no dizer de Stahmer, o “desafortunado cânone da mente
ocidental” (Stahmer, p. 42). E com isso a visão de Heráclito, um contemporâneo de
Parmênides e seu opositor, fica praticamente restrita aos registros da história da
Capítulo 4 94

filosofia. Essa visão pluralista de Heráclito, que foi suplantada por Parmênides (e
Platão), descartava a necessidade de um monístico princípio unificador (como o da
razão), e reconhecia que a mudança, o fluxo, o confronto, o paradoxo e a contradição
eram inerentes à própria realidade do universo.
Para Platão—estamos então já no séc. III a. C.—, Homero e a tradição homérica
devem, igualmente, ser ultrapassados, pois “o poeta [por ser um] imitador, cria uma
constituição má dentro da alma” (República 605) e o único antídoto para isso é a busca
do conhecimento das coisas tal como elas são de fato. “O que é real é objetivo, e
existe independentemente da linguagem, exceto pela [linguagem] da Matemática e
da Lógica, às quais se permite dispor—segundo Hamann—de um ‘castelo mágico’, que
é todo só seu [da Lógica e da Matemática, únicas linguagens aceitas para a leitura da
realidade].” (Stahmer, 46).
E assim como faz um ataque à poesia da tradição homérica, Platão ataca
também a retórica dos sofistas, um Sprachdenken que considerava que os eventos
em que se travavam os confrontos retóricos eram o caminho para a construção do
convencimento. Para os sofistas esse convencimento era a “verdade”. Uma verdade,
portanto, obtida de forma absolutamente “social”, dialógica, contingente e temporal,
bem ao contrário das eternas e absolutas verdades platônicas.
Dessa forma, com Platão, firmou-se o rational turn dado por Parmênides, e
que a rigor vige até hoje. Apenas eventualmente ao longo de tantos séculos4, e um
pouco mais consistentemente—talvez—a partir do início do século passado5, se esboçou
um linguistic return.

4. Tempo certo

Na seção anterior buscamos compreender melhor essa visão de mundo em


que a palavra e a fala (speech) antecedem o pensamento, e têm precedência sobre
ele, ao contrário da visão corrente em que a linguagem é mero instrumento para a
expressão de um pensamento—que é tanto mais válido quanto mais racionalmente
elaborado—e que, pensamento, a antecede, linguagem.
Como vimos, essas “palavras que eram capazes de produzir eventos” no dizer
de Foucault (1997), traziam muitas vezes consigo um sentido de “sagrado”, como
no caso do davar do Deus de Israel. O que se tem nessas situações é o evento da
enunciação que, mais do que a “palavra” em si, adquire uma dimensão—“sagrada”, no
caso do davar—que produz eventos significantes: desde uma “simples” comemoração

4
Por exemplo, com Wharburton, Vico, Hamann e Herder (Milbank, 1997a). Vide, Cap. 1, sec. 1, p.
21.
5
E nesse início do séc. XX o que há além de Bakhtin, e se ficarmos apenas da tradição alemã, é quase
que um “círculo de Rosenzweig”, que inclui Rosenstock-Huessy, Martin Buber e Ferdinand Ebner. Vide,
Cap. 1, sec 1, p. 21.
Capítulo 4 95

no tempo litúrgico, até o cumprimento de uma profecia intensamente aguardada no


tempo da história.
“Acontecimento”, “tempo” e “enunciação” são, portanto, conceitos que
estão imbricados ao conceito usual de “palavra”, de forma a compor um conceito
mais complexo, o de “palavra que produz eventos”.
E mais que “tempo”, “tempo certo”. Há o tempo certo6 para que a palavra—
“sagrada” como o davar para Israel, ou mesmo a palavra “não sagrada”—seja enunciada
(e/ou ouvida) de forma a que seja capaz de suscitar resposta7 e “produzir eventos”.
Essa, aliás, é uma das características do speech thinking que Rosenzweig ressalta
de forma especial, num trecho de “O Novo Pensamento” em que cita Goethe (em
O Divã Leste-Oeste, citação que aqui mantemos na tradução inglesa, levemente
modificada):

[A compreensão saudável] pode esperar, segue vivendo, não padece de uma


“idée fixe”, o conselho (advice) [lhe] chega quando chega o tempo [certo].
Neste segredo está toda a sabedoria da nova filosofia [i.e., do speech thinking].
Ela ensina a falar com Goethe, ‘da compreensão no tempo certo’—

‘Why is the truth so woefully


Removed? To depths of secret banned?
None understands in the right time! If we
But understood at the right time, how bland
The truth would be, how fair to see!
How near and ready to our hand’!
(Rosenzweig, 2000a, p. 123).

Esse aspecto do speech thinking—que se aplica, note-se, tanto ao diálogo


divino-humano quanto ao diálogo inter-humano8—sugere uma forma para que esse

6
Note-se que o “tempo certo” é um conceito também reconhecido na Análise do Discurso de
Foucault e Pêcheux. Um exemplo, tirado da história do Brasil (Laclau, 2000, pp. 82-83), é o de
Antonio Conselheiro enunciando num “tempo certo” que a “A República é o Anticristo” e com isso
finalmente desencadeando uma revolta campesina que, em vão, tentara induzir durante décadas de
pregações (intempestivamente enunciadas) pelo sertão afora. Veja-se Balocco, 2006, pp. 89-90, para
uma interpretação desse evento a partir do princípio básico que caracteriza a formação discursiva de
Foucault, qual seja, o da “regularidade na dispersão”. Um outro exemplo, agora na história da ciência,
que é clássico para a AD e também é aplicável aqui, é o da teoria da Relatividade, que só pôde ser
reconhecida e tornar-se a cultuada Teoria da Relatividade porque Einstein a enunciou como tal, i.e.,
como uma teoria da relatividade, no “tempo certo” para a recepção de uma teoria da relatividade.
(Diferentemente dos enfoques de Lorentz e Poincaré—paralelos e simultâneos ao dele, cujos resultados
lhe são tão próximos, mas tão diferentes quanto a sua significação). (Paty, 1993, pp. 30-31).
7
Como visto no capítulo anterior, a “responsividade”—o ser capaz de suscitar resposta—é, tanto para
Rosenzweig como para Bakhtin, uma marca fundamental do enunciado. Naquele capítulo, a noção
de responsividade e o ferramental conceitual de Bakhtin nos serviram para que se “dessacralizasse a
revelação”. Aqui, como veremos mais adiante nesta seção e na próxima, o “tempo certo” nos servirá
para que se “dessacralize” o “sentido do sagrado”.
8
Sobre o descompasso “diálogo divino-humano versus diálogo inter-humano” na obra de Rosenzweig,
veja-se o Cap. 1, sec. 6, pp. 30-31.
Capítulo 4 96

“sentido do sagrado” possa ser trazido para uma compreensão possível em nossos
dias. Tornemos a Stahmer:

Embora, ao que parece, não mais se respeite [nos dias atuais] as formas fixas
tradicionais da palavra sagrada [sacred speech] que [em outros tempos] sentia-
se que traziam um sentido de santidade para certos [momentos] do tempo e
[lugares] do espaço, isso não significa que o homem [...] moderno não mais
considere certos padrões e tons de discurso [speech patterns and tones] como
sagrados e sacramentais. Quem se envolve com hermenêutica adquire uma aguda
consciência de que os indivíduos, em todas as épocas, atribuem uma especial
significação para determinados padrões estilísticos de discurso, específicos [de
cada época]. (Stahmer, 1968, p. 7).

E mais adiante (p. 58) Stahmer usa uma frase em que Rosenzweig ressoa: “O
discurso sacramental é o discurso pronunciado no tempo certo” [Sacramental speech
is speech uttered at the right time].
Richard Rorty, representante da terceira vertente do linguistic turn no séc. XX,
a de tradição anglo-americana, tem um trecho—onde o “sagrado” é um interessante
non-dit— no qual, igualmente, fica ressaltada a importância de um tempo certo para
que se digam “coisas novas”, ou para que, nos termos de Rorty, “novas metáforas se
tornem literais”:

Não é provável que as metáforas de Freud pudessem ter sido agarradas, utilizadas
e tornadas literais em qualquer época anterior. Mas inversamente, não é provável
que sem as metáforas de Freud tivéssemos sido capazes de assimilar as de
Nietzsche, as de James, as de Wittgenstein ou as de Heidegger tão facilmente
como o fizemos, ou que tivéssemos lido Proust com a satisfação que o fizemos.
(Rorty, 1994, pp. 66-67).

Rorty a seguir alerta contra a tentação de se ver nisso o desenrolar de uma


linear e teleológica “marcha do espírito do mundo em direção a uma autoconsciência
mais clara”, e credita esse tipo de fenômeno ao “poder que a linguagem tem de tornar
possíveis coisas novas e diferentes.” (id. p. 67).
É a partir disso tudo que propomos uma espécie de generalização que amplie o
campo semântico do termo (técnico9) “sagrado”. Uma extensão que abarque além das
“formas fixas tradicionais” das fórmulas religiosas—que hoje “não mais se respeita”—,
também as formas “profanas”, ou seja, a totalidade dos discursos cotidianos, a gama
completa do que Bakhtin denomina “tipos de enunciados” ou “gêneros do discurso”
(Bakhtin, 2003c, pp. 261-262 e Cap. 3, pp. 79-80, acima).
O “tempo certo” na enunciação é o que resgata essa sensação de sagrado
de que certos (tantos!) discursos se revestem nos dias de hoje. É o que permite que

9
Aqui se discute a acepção de “sagrado” enquanto termo técnico (filosófico/teológico), já que na
linguagem cotidiana o emprego metafórico do termo é, obviamente, corriqueiro. De certa forma, o
ponto da argumentação acima é demonstrar que esse emprego, na realidade, é muitas vezes não-
metafórico.
Capítulo 4 97

se compreenda hoje em dia o que vinha ser esse “sentido do sagrado” de outros
tempos.
E o que é mais importante. Com isso se estende para todo e qualquer tipo
de discurso10, sob qualquer condição temporal, a possibilidade de que venha a ser
percebido por alguém como “sagrado”, nesse sentido ampliado do termo. Fica dessa
forma dessacralizado—para uso nestes tempos—o sagrado.
Mas para que se entenda o que de fato está em jogo nessa “dessacralização
do sagrado” que estamos propondo, e com isso compreender—um pouco mais—como
opera o linguistic turn que estamos examinando, convém que consideremos o caso
real de um movimento que, há mais de dois milênios, se deu no sentido inverso: o da
sacralização de um discurso poético profano.

5. Sagrado Profano

O Cântico dos Cânticos, um dos ápices da poesia amorosa na produção do antigo


Médio-Oriente (Sandoz, 1998, p. 159), é o texto que mais se traduziu e interpretou
ao longo da história. Trata-se de um poema, um dos mais curtos livros da Bíblia, que
“celebra um casal, o amado e a amada, que se juntam e se perdem, buscam-se e se
re-encontram” (id.).
À parte o fato de compor o cânone bíblico—e a Bíblia é sabidamente o livro
mais traduzido ao longo dos tempos—, o Cântico dos Cânticos “mais do que qualquer
outro [livro] da Bíblia, tentou poetas, tradutores e comentadores de toda índole,
desafiados, e não ofende dizer, pelo escândalo de sua presença entre os livros sagrados.”
(Cavalcanti, 2005, p. 13, n. 1).
Elliott (1998, p. 893) nota nesse sentido que “nenhum dos grandes temas
bíblicos é mencionado no Cântico: nada de eleição, aliança, profecia, salvação e a
Lei”. Ao contrário, outro tipo de motivos, os amorosos,

repetem-se em variações inúmeras: presença e ausência, busca e encontro,


desejo e mútua possessão, a voz de quem se ama, o sono e o despertar, o comer e
beber, e o caráter único do ente amado. Esses motivos são desenvolvidos através
de imagens vibrantes que apelam para os cinco sentidos: visão (Ct 4, 1), audição
(Ct 2, 8), paladar (Ct 4, 11), olfato (id.) e tato (Ct 1, 2). (id., 894).

Assim, a busca da solução para essa contradição do “profano no sagrado” é


uma constante no enfoque de todos os estudiosos do Cântico dos Cânticos. Embora
no Cântico “não se encontre nada, na menor medida que seja, de pornográfico ou

10
Veja-se, por exemplo, os casos de “blood, sweat and tears” e “E=mc2”. Alguns discursos “sagrados”
se tornam signos—ou bandas de rock. Note-se, aliás, no que respeita a informação histórica versus
narrativa de uma vivência, que as exatas palavras de Churchill no “Blood, Sweat and Tears Speech” de
13/05/1940 são “I have nothing to offer but blood, toil, tears and sweat” (Churchill, 2003, p. 206).
Vide Cap. 1, n.11, p. 37 acima e Cap. 5, n. 4, p. 124 adiante.
Capítulo 4 98

obsceno, [pois] nele tudo é delicadeza e suavidade [...], é forçoso que se busque a
explicação de como um poema de amor tão franco e desinibido veio a ser incluído
entre os livros sagrados da Bíblia.” (Schonfield 1959, pp. vii, 11). Ou, de forma mais
especificamente voltada para aspectos de doutrina, como é possível “se admitir que
um tal conjunto, onde o nome de Deus é citado apenas uma vez11 (Ct 8, 6) e onde
é tão exaltada a atração recíproca entre homem e mulher, seja uma palavra divina
dirigida ao homem?” (Sandoz, 1998, pp. 159-160).
Seja doutrinária ou histórica a preocupação na busca de uma explicação para
a canonicidade do Cântico, ela se agudiza se tomarmos em conta a observação de
Cavalcanti ao fim de uma extensa consideração de várias traduções e das interpretações
mais recentes que levam em conta os progressos da ciência histórica, da arqueologia e
da filologia das línguas semíticas: o Cântico dos Cânticos é um poema erótico, escrito
sem qualquer intenção alegórica ou ética (Cavalcanti, 2005, p. 222. Vide a mesma
conclusão em Sandoz, 1998, p. 161).
A alegoria parece ter sido ao longo dos tempos a mais freqüente interpretação
na busca de uma solução para o paradoxo que se via na canonicidade do Cântico12.
Canonicidade, note-se, não contestada tanto pela tradição judaica—tal como se
constituiu nas origens do rabinato após a destruição do Segundo Templo (a partir de
70 d. C.)—, quanto pela tradição cristã desde Hipólito (séc. 3) e Orígenes (185?-254?).
A interpretação de Orígenes é

rigorosamente alegórica, [se]m afastar-se da interpretação eclesiológica de


Hipólito. [...] Hipólito havia, por assim dizer, cristianizado a interpretação
alegórica rabínica que via no Cântico a alegoria nupcial das bodas de Deus com
o povo eleito. Na interpretação de Hipólito, trata o Cântico das núpcias de
Cristo com a Igreja. Para Orígenes, a relação nupcial é individual de Deus com
cada alma. (Cavalcanti, 2005, p. 51).

11
A rigor, explicitamente, não é citado nenhuma vez. Embora para Elliott (1998, p. 893) em Ct 8,6
haja uma citação explícita do nome de Deus, do que vai mais adiante em seu texto (p. 906) vê-se
que o que há é, na melhor das hipóteses, uma “referência quase explícita”. E mesmo o similar ponto
de vista de Sandoz (que é o de Rosenzweig) de que há uma clara referência a Deus no “amor que é
forte como a morte” de Ct. 8, 6, não é compartilhado por muitos comentadores modernos citados por
Cavalcanti. Na tradução de Schonfield, inclusive, o “amor” é substituído nesse versículo—de forma
inusitada—por “paixão” (na qual, ao que tudo indica, Schonfield não vê uma referência a Deus). Por
outro lado, Elliott—para quem Ct 8, 6 é uma “summa” do Cântico (Elliot, 1998, p. 905)—informa que
o refrão “pelas gazelas e corças do campo” (em 2,7; 3, 5 e 8, 4) é, em hebraico, uma circunlocução
para dois nomes divinos: “YHWH Sabaoth” e “El Shadai”. Em todo caso, nada ou quase nada há de
Deus, e muito de desinibição.
12
Outras interpretações que, cada uma a seu modo, contribuem para a compreensão do Cântico e
para o entendimento de seu background e/ou de suas origens no folklore do antigo Oriente Médio, são,
dentre outras, as “teorias”: dramática (pouco aceita hoje em dia, pois não havia no antigo Israel uma
tradição dramática como ocorria na Grécia), do “poema nupcial”, do “poema de amor”, do “culto de
fertilidade” (que permite reconhecer contribuições de ritos de fertilidade sírios, palestinos e os de
Ishtar, ritos esses que podem remontar ao séc. 8 a. C., ou, mais provavelmente, ao séc. 4 a. C.). Vide
Schonfield, 1959, pp. 31, 33, 40, 50-53. A “realidade” do que é o Cântico, escapa, é claro, a explicações
tão “racionais” e estruturadas.
Capítulo 4 99

Note-se, de resto que essas são interpretações que se servem da aproximação


que Paulo já fizera em Efésios (id., p. 28, ss.), entre o amor de Cristo por sua Igreja
e o amor do marido por sua esposa.
O quanto esse esforço alegórico-conciliatório pode se afastar do que hoje é
reconhecido como sendo a efetiva natureza da obra, é exemplificado pela recomendação
de São Jerônimo (c.347 - 419), tradutor da Vulgata, à mãe de uma adolescente: “Nunca
deixe que ela contemple a própria nudez. Ela não deve ler o Cântico dos Cânticos
antes de ter lido Crônicas e Reis, caso contrário pode ser que deixe de notar o fato de
que o livro [i.e. o Cântico] se refere tão somente ao amor espiritual13.” (Schonfield,
1959, p. 12).
Quanto à tradição rabínica, deve-se notar que o aspecto “canônico”, isto é o
fato de o Cântico tratar-se da “palavra de Deus”, ademais de nunca ter sido contestado,
já desde “pelo menos os quatro séculos anteriores [ao início da era rabínica], ou seja
a partir do século III antes da era cristã, o Cântico era consuetudinariamente aceito
como fazendo parte dos livros sagrados” (Cavalcanti, 2005, p.37).
É famosa a observação do Rabino Aquiva (m. 132 d. C.) de que “aquele que
para seu divertimento, canta o Cântico como se canção profana fora, não terá lugar no
mundo que há de vir” (Schonfield, 1959, p. 16; Elliott, 1998, p. 897), e especialmente
a de que “todas a épocas não valem o dia em que o Cântico dos Cânticos foi dado a
Israel, porque se todos os livros do Ketuvim14 são sagrados, o Cântico dos Cânticos é o
Sagrado dos Sagrados”. (Cavalcanti, 2005, p. 39; Schonfield, 1959, p. 16; Elliott, 1998,
p. 893 )15. Como veremos mais adiante, Rosenzweig virá igualmente, em A Estrela da
Redenção, a defender uma extrema valoração do Cântico dos Cânticos.
O importante a ser notado aqui é o quanto essa milenar busca conciliatória,
do “sagrado” com algo que se encara claramente como não-sagrado ou profano, se

13
Seja como for a evidência se impôs ao longo dos séculos: “João Paulo II refere-se ao Cântico como um
poema que trata da ‘linguagem do corpo’ [algo que é significativo para o que aqui nos interessa]. Toda
uma ‘teologia do corpo’ vem sendo elaborada por pensadores católicos contemporâneos.” (Cavalcanti,
2005, p. 234).
14
Ketuvim, ou “Livros Sagrados” é uma das três partes da Bíblia hebraica, parte que inclui além do
Cântico, e dentre outros livros, os Salmos, Jó, Provébios, Eclesiastes e Crônicas. As outras duas partes
são a Torah (Pentateuco) e os Neviim (Profetas).
15
A preocupação do nascente rabinato não era quanto a—para ele incontestável— sacra condição do
texto enquanto “palavra de Deus”. Tratava-se, no caso, de uma preocupação quanto à condição de
pureza daquele que manipulasse o texto, algo que é bem típico do legalismo que o rabinato herdara de
suas origens farisaicas. Embora não contivesse o Tetragrama (a palavra YHWH), mesmo assim decidiu-
se—após uma discussão que durou séculos—que o Cântico (bem como o Eclesiástico que também não
contem o Tetragrama) exigiria uma posterior ablução das mãos daquele que o manipulasse. Ou seja,
assim como a Torah e os demais textos que contêm o Tetragrama, o Cântico “tornava as mãos impuras”,
i.e., era, nesse sentido, sagrado. (Cavalcanti, 2005, p. 38; Schonfield, 1959, p. 16). É de se notar já
aqui, portanto, uma certa polissemia no conceito de “sagrado” (no caso, ser “palavra de Deus” e/ou
“requerer ablução das mãos”) que nem sempre é devidamente levada em conta.
Capítulo 4 100

encaixa no espírito do rational turn. Há que encontrar a “lógica”, a “causa”, de o


Cântico ter sido—e ainda hoje ser—considerado um texto sagrado.
A solução de Sandoz (1998) é nesse sentido de especial interesse por se tratar
de um texto atual, que incorpora todos os desenvolvimentos mais recentes das diversas
áreas de investigação cabíveis. A questão, tal como Sandoz a coloca, é justamente
a de entender como e por que o Cântico veio a incorporar o cânon. Ademais, tem
importância o fato de que a resposta de Sandoz considera a dicotomia “transcendência
versus imanência”, que está presente, ainda que nem sempre de forma tão explícita,
em todas as análises “racionais” (ou “tradicionais”) da questão do sagrado.
Mais ainda, será possível discernir na discussão de Sandoz o aspecto do “sagrado
como algo que é dito no tempo certo” que propusemos na seção anterior. Examinemos
então a argumentação—bastante válida, diga-se de passagem—de Sandoz (1998, p.
162):
1) Ao longo de sua existência pré-literária16—a redação definitiva é de meados
do séc. 3 a.C.17—, o Cântico estaria ligado a grandes momentos da instituição
doméstica, ou seja, do matrimônio, cuja importância e força se prendiam nessa
época não aos ritos religiosos, mas ao valor acordado à própria instituição em
si.
2) O matrimônio era tomado como algo pertencente à ordem da Criação, como
uma realidade boa, querida por Deus (na linha de Gen 2: “E Deus viu que [o que
havia sido criado] era bom”).
3) Não havia, conseqüentemente, motivo para fazer-se intervir nessa seara o Deus
transcendente da fé judaica, no momento mesmo em que um esforço, único em
todo o antigo Médio-Oriente, era feito para que se evitasse que qualquer conteúdo
mítico pudesse ser ligado a essa instituição (i.e., ao matrimônio judaico). Dessa
forma se escapava da divinização hierogâmica dos cultos de fertilidade das
populações circunvizinhas.
4) Onde hoje se lê meramente o mútuo elogio entre os amantes e a busca recíproca
de um pelo outro, a instituição via, através do elogio e da busca, a troca de amor
(terreno e inter-humano) e de fidelidade (terrena e inter-humana) sobre os quais
se fundamentava a própria instituição (terrena e inter-humana) do matrimônio
judaico de então.
5) Pode-se inclusive reconhecer influências dessa instituição matrimonial e do
folklore que a acompanhava em textos cuja canonicidade é anterior à do Cântico.
Influências que, de resto, seria de se esperar que ocorressem, e que explicam as
16
“Existência pré-literária” refere-se ao período em que o material do Cântico, bem como o material
que foi mais tarde recolhido nos Salmos, era ao que tudo indica entoado fora do ritual do Templo
(Sandoz, 1998, p. 161).
17
Conforme Sandoz, 1998, p. 162 e Elliott, 1998, p. 895. Para Schonfield, o Cântico foi composto
nalgum ponto entre 404 e 359 a.C. (Schonfield, 1959, p. 74).
Capítulo 4 101

aproximações entre o Cântico e, p. ex., alguns textos proféticos e a alegoria de


Oséas. Esse tipo de influências indiretas constituem uma explicação muito mais
aceitável do que a busca de influências literárias diretas entre o Cântico e esses
vários textos, que, se existirem, são muito mais difíceis de se estabelecer.
6) Não seria de se estranhar que, como ocorrido com as tradições sapienciais18, essas
tradições do folklore matrimonial passassem a ser recolhidas—i.e, registradas
por escrito—a partir do momento em que se começou a sentir que corriam o risco
de serem perdidas, dadas as modificações na instituição do matrimônio. Nesse
sentido, Elliott nota que a época em que o Cântico tomou sua forma final

foi um período de restauração, de grandes esperanças e amargas realidades. O


divórcio, largamente difundido, ameaçava o matrimônio (Mal 2, 13-16), e assim
sendo tratava-se de um período em que o Cântico dos Cânticos era necessário
como uma lembrança de “como as coisas eram no princípio”. (Elliott, 1998, p.
895).

7) No momento em que o uso habitual—matrimonial e “não-sagrado”—do material


recolhido no Cântico se perde definitivamente e o texto tradicional precisa ser
revestido de um novo sentido, as influências que a antiga instituição matrimonial
deixara em outros textos religiosos (item 5 acima) retornam (ou ricocheteiam),
para favorecer que se dê ao Cântico o valor de leitura religiosa.

Dois pontos a serem especialmente notados na argumentação acima, à luz de


nossa discussão anterior sobre o “sagrado”:
a) o Cântico torna-se “sagrado”—no sentido “não-sacralizado” que demos ao termo
na seção anterior, o de constituir-se numa “enunciação que é proferida no tempo
certo”—no momento de sua composição por um autor (ou autora) de gênio, que
recolhe o (e/ou se inspira no) folklore (Schonfield, 1958, p. 75; Cavalcanti,
2005, p. 25; Elliott, 1998, p. 895). É a partir desse dia, que para o Rabino Akiva
“vale mais do que todas as épocas”, que um texto sagrado é dado a Israel. Texto
sagrado na medida em que é recebido como algo que é “dito no tempo certo”
por quem o lerá ao longo dos próximos três séculos (e, de certo modo, até hoje),
sem qualquer preocupação quanto ao texto constituir ou não uma “palavra de
Deus ao homem”.
b) É interessante a dicotomia que aparece no ítem 3 acima, da “transcendência divina
versus a imanência do mundo”. Imanência que é, no caso, a de uma instituição
humana e mundana como o matrimônio, que não quer—em dada altura—se ver
invadida por essa transcendência. E não o quer por motivos absolutamente
mundanos: evitar a influência cultural (e sócio-política) de povos circunvizinhos, que

18
O Eclesiastes, inclusive, parece ter sido composto em data posterior à composição do Cântico
(Schonfield, p.74).
Capítulo 4 102

é vista como nefasta. Mas com isso, note-se, o Deus transcendente se vê também
protegido dos deuses míticos alheios. A dicotomia imanência/transcendência—que
para tantos é o fulcro do “paradoxo” do Cântico—começa a se dissolver, mesmo
neste estágio “rational turn” da presente discussão.
Estágio que, aliás, já se estendeu o suficiente. So let us now turn, or return,
to the linguistic.

6. O livro focal da Revelação.

Para Rosenzweig o Cântico dos Cânticos é o “livro focal da Revelação”


(Rosenzweig, 1970, p. 202). Essa é uma valoração extrema, que se compara em termos
de radicalidade à do Rabino Akiva no primeiro século da era cristã (vide p. 99, acima),
e que é, à primeira vista, surpreendente num pensador do séc. 20.
O sistema filosófico que Rosenzweig apresenta em sua obra prima, A Estrela
da Redenção, é monumental ao estilo de Hegel, mas é ao mesmo tempo, e como visto
acima, construído com o objetivo de superar o Idealismo que—aos olhos de Rosenzweig—
havia com Hegel atingido a completação, e bem por isso o esgotamento.
Como vimos no Cap. 1, a noção teológica da “Revelação” (de Deus ao homem)
é o eixo central na filosofia de Rosenzweig, e uma nova epistemologia é desenvolvida
de forma a que essa Revelação nela se inclua como uma categoria válida para a
construção do conhecimento. Ademais, a metafísica de A Estrela parte de três elementos
irredutíveis um ao outro, Deus, o homem e o mundo, e das relações entre eles: Deus
cria o mundo, Deus se revela ao homem, o homem vivendo a Revelação no mundo,
redime-se e ao mundo.
Além disso, como também já visto, o método de Rosenzweig inova (ou retorna
a origens) por ser lingüístico: a linguagem e o enfoque gramático, e não mais a razão e
o enfoque lógico, é o organon, o ferramental do pensamento. A análise que Rosenzweig
faz do Cântico à luz desse novo método é um dos ápices de A Estrela, e permite que
se avalie o alcance desse linguistic turn ante as análises “racionais” consideradas na
seção anterior. Ademais, como se verá, mais um aspecto da distinção “sagrado/não-
sagrado” se dirimirá sob esse novo enfoque.
A Estrela da Redenção (que é publicada em um só volume) se divide em três
“Partes”, cada uma delas subdividida em três “Livros”. O segundo Livro da Segunda
Parte—portanto o capítulo “central” da obra, inclusive (e não por mero acaso) em
termos de seu posicionamento “espacial”—, refere-se à “Revelação ou O Sempre-
Renovado Nascimento da Alma”. A primeira frase desse “Livro” (ou capítulo) é Ct 8,6:
“O amor é forte como a morte”19 (Rosenzweig, 1970, p. 156).
19
Que é tido por muitos comentaristas, ao longo dos tempos, como uma referência a Deus (mas vide
n. 11 acima). E tido também como o ponto alto do Cântico. Vide quanto a esse segundo aspecto Elliott,
1998, p., 905. Nesse ponto de seu texto Elliott dá-nos a clara impressão de ter lido Rosenzweig. Note-
Capítulo 4 103

Essas palavras, Rosenzweig explicita mais adiante no capítulo, “designam a


transição da criação para a revelação” (id., p. 202) e é nessa medida que Rosenzweig
vê no Cântico “o livro focal da revelação” (id.). Inclusive, essas são palavras de
transição na medida em que se constata que o capítulo imediatamente anterior se
encerra citando Gen 1, 31, o “Vêde, muito bom!” de Deus ao final dos dias da criação.
O final desse capítulo faz também menção (não explícita, como tantas em A Estrela)
a um comentário rabínico (Genesis Rabbah, XI) acerca desse versículo: “‘Muito’ [em
Gen, 1, 31]”, escreve Rosenzweig, “ensinam os nossos sábios [no Genesis Rabbah] que
esse ‘muito’—é a morte” (vide adiante sobre isso Cap. 5, n. 10, pp. 132-133). Virada
a página, inicia-se o capítulo central com o contraponto de que, não obstante, “o
amor é forte como a morte”.
Significativo. Marcante. Mas também “muito” críptico, diríamos nós, os não
versados nem rabínicos. Pode-se não obstante reconhecer de início, já aqui, um primeiro
aspecto (bem dialógico) na operação do speech thinking, aspecto que mencionamos
de passagem na sec. 2 (vide p. 89, acima): palavras suscitando o pensamento, speech
preceding thought, e não o pensamento (racional e monologicamente) buscando a
melhor palavra. Comentários que nascem de um entretecer de textos, e que propiciam
novos comentários, que serão um dia—como aqui, agora (que aqui, que agora??!!)—,
por sua vez entretecidos e comentados.
Será, entretanto, necessário que se adentre mais no enfoque “gramático” da
filosofia de Rosenzweig para que se compreenda melhor a natureza desse linguistic
turn no pensamento. Para tanto é preciso que se torne à origem, às influências
filosóficas em A Estrela, e que se considere a seguir alguns passos da argumentação
de Rosenzweig que o levaram a ver no Cântico o livro focal da revelação.

7. A Gramática em A Estrela da Redenção

7.1 O Proto-Cosmos

Como apontado no Cap. 1, os grandes filósofos que exerceram influência em


Rosenzweig foram (em ordem cronológica na sua biografia) Goethe, Kant, Hegel e, à
altura da concepção de A Estrela, Schelling20. Para Rosenzweig a filosofia da última

se aliás a esse respeito, que Cavalcanti (2005) cita Rosenzweig explicitamente em dois pontos de sua
obra. Cavalcanti entretanto cita de forma circunstancial, obviamente indireta, e até erra na grafia do
nome de Rosenzweig.
20
O que, é claro, não significa que uma dada influência “eliminava” as anteriores. São inúmeras as
alusões a Goethe em A Estrela, que inclui até uma seção sobre “A vida de Goethe” (pp. 275-278).
Ademais A Estrela é, como vimos, construída como um sistema filosófico ao estilo de Hegel. E o neo-
kantiano Hermann Cohen foi uma importante influência, inclusive pessoal, no Rosenzweig que entre
1918 e 1919 redigia sua obra prima. Cohen é inclusive, um grande (e pouco reconhecido) elo entre
Rosenzweig e Bakhtin (vide Cap. 3, sec. 3 pp. 63-65). Schelling é outro (vide Cap. 3, sec. 5, p. 72).
Capítulo 4 104

fase de Schelling constituía “a melhor expressão da idéia de 1800, a síntese de


Goethe e Kant, da poesia e da filosofia, da revelação e da razão” (Franks e Morgan,
in Rosenzweig, 2000b, p. 32. Vide tb. Cap. 1, sec. 2, p. 22 acima).
O desafio lançado por Jacobi ao teísmo tradicional e a reposta que Schelling
(1775-1854) formulou e que tanto fascinou Rosenzweig, já foram objeto de discussão
no Cap. 1 (seção 2, pp. 22-23). Em resumo, para Schelling Deus-antes-da-criação não
é base para explicação alguma, e nem propriamente um Deus, mas um Abismal que
sem a criação poderia ser um Tudo mas não a vontade de Deus. Serão necessárias
a Criação, e em especial, a Revelação, para que Deus venha a relacionar-se com o
homem que, de um self “mudo”, torna-se, ante o Deus que se revela, uma “alma
eloqüente”.
Rosenzweig desenvolve extensamente essa idéia em A Estrela da Redenção.
Ao fazê-lo aplica—de forma talvez ainda não de todo consciente do alcance do que
faz—, um pensamento lingüístico e um enfoque gramatical. Ao se acompanhar a longa
e densa argumentação do decorrer de A Estrela, se constata que para Rosenzweig—e
de forma fundamental—a Revelação é a Linguagem, através da qual Deus se manifesta
e fala ao homem, e este lhe responde.
De início, entretanto, ao considerar o proto-cosmos de antes-da-criação (o
“Abismal” de Schelling, que é um “Tudo” mas não é ainda a vontade de um Deus), a
linguagem de que Rosenzweig se serve é “muda”, é a linguagem dos simbolos matemáticos.
O que há aqui são arché-palavras, ou palavras arquetípicas indizíveis, uma

‘Negação’ (Nought) [...] que é exclusivamente o ponto de partida, [...] incapaz


de ser negada, [...] e que estaria localizada antes de qualquer princípio, se
fosse [essa Negação] algo possível de [ser-lhe dada] uma localização [mas não
o é]”. Ante ela estão o Sim (Yea) e o Não (Nay) [este último uma Negação capaz
de ser negada]. E no princípio está o Sim, [...] a infinidade de tudo o que não
é Negação. Uma infinidade é afirmada: a infinita essência de Deus, sua infinita
realidade (actuality), sua Physis. (Rosenzweig, 1970, pp. 26-27).

À parte a obscuridade—inevitável, talvez, na medida em que se está falando


do que é em tese impossível de ser dito— há nesse trecho (proto-cósmico e pré-
gramático) dois pontos importantes a notar. O primeiro é que aí se define—numa espécie
de “teologia negativa” (id. p. 23)—o primeiro dos três elementos da metafísica de
Rosenzweig (Deus, que por enquanto é uma Physis, e que ainda não se relaciona—não
se revela, não fala—com nenhum dos dois outros elementos que estão por vir, o mundo
e o homem).
O segundo ponto é que estamos, de fato, ainda numa seara muda de símbolos
matemáticos e lógicos. Sim e não (0 e 1, diríamos hoje), positivo e negativo. Rosenzweig
diz que “esse primeiro Sim [da Physis divina] implica um passo no caminho da perfeição
de Deus; podemos tentar capturar esse passo através dos familiares símbolos lógico-
Capítulo 4 105

matemáticos” (id., p. 27). Discute então a equação y=x, e a protase (“se” [if],
positivo) e a apodose (“então” [then], negativo) nela implícitas (i.e., se [afirmo que]
y então [nego qualquer outra coisa que não] x), para falar que há uma inversão nesse
primórdio da Physis: “a afirmação torna-se o critério da apodose primeva [...] que é,
precisamente, positiva: o puro ‘Então’ (‘Then’) [...] que se torna ademais um ‘Assim-
[é]-e-não-de-qualquer-outro- [diverso]-modo’ (‘Thus and not otherwise’).” (id.).
Mais adiante, Rosenzweig utiliza a igualdade algébrica “A=A”, para comentar
acerca do deus (pagão) que nunca se revelará:

quem olha essa equação não consegue dizer se ela foi construída a partir de
A, A=, =A, ou A. Não pode reconhecer nela nada além da pura originalidade e
auto-satisfação do deus. Ele não é dependente de nada além de si próprio, e
parece não necessitar de nada fora de si. (id., p. 33).

7.2. Revelação

Mas o Deus de Rosenzweig se revela, e então “a linguagem dos símbolos


matemáticos [...] falha-nos” (id., p. 124), já não é suficiente. E isso por uma razão “mais
profunda” (id., p. 125), que suscita um belo e importante trecho de Rosenzweig:

A matemática—esses signos mudos da vida que, não obstante, contêm para o


iniciado o modelo de toda essa vida—a matemática é, de modo proeminente,
a linguagem daquele mundo [proto-cósmico] que é anterior ao mundo. [...]
esse papel de ser a fala de um proto-cosmos sem fala, ela deve dividi-lo com
a arte como [sendo a] fala do que não se consegue falar. [...] Mas a arte é
aqui fala subjetiva, o ‘falar’ (the ‘speaking’), digamos, desse mundo sem fala.
A matemática é a linguagem objetiva, o “sentido” desse silêncio, como já o
atesta sua forma, necessariamente escrita. Essa tarefa de representar o sentido,
esse papel de organon, de suprir os símbolos, passa assim a ser assumido
por um outro suporte (bearer) do mundo que [este sim] se expressa e se
manifesta. Uma ciência de sons vivos precisa tomar o lugar de uma ciência de
signos mudos; a ciência matemática deve ser substituída pela morfologia das
palavras, pela gramática. [...] Palavras audíveis devem emergir (spring forth)
[das arché-palavras meramente implícitas], palavras-raízes, por assim dizer,
que [...] [mantendo] ainda contato com as arché-palavras, sejam no entanto
capazes de abarcar o real da língua real (id., p. 125, grifos meus).

Ou seja, onde há relação, diálogo, alteridade—vida, enfim—a matemática


e a razão lógica dos símbolos já não bastam, e um linguistic turn, uma virada para
a língua, para “um organon gramático que se expressa e manifesta nos sons vivos”,
faz-se necessária.
Mas não atropelemos Rosenzweig. Examinemos antes o desenvolver de uma
dessas palavras raiz, a primeira palavra raiz que Rosenzweig considera:
Capítulo 4 106

a palavra-raiz que conduz do arche´-Sim inaudível à audível realidade da


língua—começar[emos] pelo arche´-Sim, pois aqui nos encontramos no âmbito
da criação. A criação, entretanto, como um movimento de Deus em direção ao
mundo, caracteriza-se pela natureza da atividade divina, e não pela passividade
mundana. [Caracteriza-se] em suma, pelo Sim (Yea)21. (id., p. 126).

Segue-se então uma análise em que surge uma profusão de palavras básicas,
de classes gramaticais (preposições quase-substantivadas, substantivos, adjetivos)
e até mesmo de declinações (adjetivações atributivas ou predicativas, que Hallo, o
tradutor de Rosenzweig para o inglês, se esforça para contornar. Vide id., p. 127, n.1).
Acompanhemos essa análise22—densa, mas que nos dará um flavour do pensamento
gramático—que conduz de uma arché-palavra inaudível, a uma palavra audível,
enunciada na língua23 :

A Afirmação [i.e., o inaudível arché- Sim (Yea) divino] lança um Assim (Thus)
livremente no infinito. Um tal livre Assim não se constitui [...] num substantivo
que, afinal de contas, precisa[ria] ter ainda o seu Como definido; sem essa
definição ele carece de configuração, [ele] é a ‘Ding an Sich’ [a ‘coisa em si’
kantiana, vide Cap. 3, seção 3, p. 63]. O Assim significa responder-se à questão
referente ao Como. O Como, entretanto, requer um adjetivo [que seja pura e
simplesmente] predicativo, e [não tenha qualquer conotação] atributiva. [...]
O adjetivo predicativo é a configuração específica do adjetivo, e é a formação
que corresponde ao arché-Sim. Ora qual palavra específica na forma de um
tal adjetivo predicativo tomará para si o tornar audível a arché-palavra [da
Afirmação], na condição de [sua correspondente] palavra-raiz? Todas as palavras
referentes a propriedades visuais estão, de plano, excluídas. Pois as propriedades
visuais só se afirmam ao, simultaneamente, negarem indefinidamente, qual seja,
através do “e” no Assim-e-não-de-qualquer-outro-modo [vide p. 105 acima]. Já
o mesmo não ocorre com propriedades que expressam um juízo de valor. [...]
uma propriedade estimativa [...], ‘lindo’ (‘beautiful’) p. ex., precisa quando
muito negar o seu contrário [...] [Nesse caso] a estimação dá-se absolutamente.
[N]aturalmente, [referimo-nos aqui] apenas à estimação positiva [...], e afinal
a palavra ‘estima’, por si só, significa tão somente uma avaliação positiva. Essa
avaliação positiva [do Assim (Thus) que a arché-Afirmação lançara livremente no
infinito] nada mais é do que o arché-Sim (Yea) tornado audível. Incidentalmente,
isso fica demonstrado pela possibilidade, em muitas línguas, de dizer-se ‘bem!’,
‘bom!’, ou algo similar, por ‘Sim’ (‘Yes’). (id., pp. 126-127).

21
A tradução inglesa de A Estrela, por William Hallo, designa como Yea a inaudível arché-afirmação
e como Yes o sim falado, audível da língua. Nossa solução foi a de simplesmente fazer seguir-se entre
parênteses ao mesmo “Sim” em português, o termo cabível em inglês, Yea ou Yes, conforme o caso.
22
Estamos na seção de A Estrela que Rosenzweig intitula “A Gramática do Logos (A Linguagem da
Cognição)”, p. 124.
23
Essas audíveis “palavras-raízes”, note-se de início, “devem surgir de forma tal que admitam apenas
um uso, inambíguo, na sentença. Pois não são as palavras que constituem a língua, mas a sentença [a
constitui].” (Rosenzweig, 1970, p. 126).
Capítulo 4 107

“Bom!” a palavra-raiz da Criação é, como vimos, a que é pronunciada por


Deus no Gênesis ao final de cada dia da criação24. É ela que torna audível a arché-
Afirmação da criação que “caracteriza-se pela natureza da atividade divina” ante a
“passividade mundana” (vide logo acima, p. 106). Mas, teologia à parte, o que há
a notar é a riqueza de aspectos que o enfoque gramático propicia à análise, ante a
rigidez “digital”, sim-ou-não, do enfoque lógico-racional. O quão melhor “o real da
língua real” é em abarcar o real (vide p. 105, acima). Isso além de se poder notar
aqui mais uma vez, palavras que “precedem” e que “suscitam” o pensamento (pp.
89 e 103, acima).

7.3. Palavra e resposta

Devemos agora considerar uma segunda “análise gramática” de Rosenzweig


que contribui para suas considerações acerca do “Cântico dos Cânticos”, mas que,
sobretudo, é básica para a compreensão do que é o speech thinking, o seu linguistic
turn. Trata-se, na seção de A Estrela intitulada “Gramática do Eros (A Linguagem do
Amor)” (p. 173), da análise de uma segunda palavra-raiz, o Eu. Se o “bom” é a palavra
raiz que torna audível o arché-Sim (ao valorar positivamente seu Assim-e-não-de-outro-
modo), o Eu é o arché-Não [ou a arché-Negação] (Nay) tornado audível. É a palavra-raiz
desse “Não (Nay) primevo [que, por outro lado,] é ouvido, enquanto palavra primeva,
como um ‘não-de-outro-modo’ [intrínseco] em cada palavra [audível].” (id., p. 173).
Uma dupla negação portanto (“não” + “de outro modo”), e que—Rosenzweig aponta—já
se fazia presente no Assim-e-não-de-outro-modo (Thus and not otherwise) (id.).
Mas, “por obséquio [pray]”, pergunta Rosenzweig, “não-de-outro-modo que
o quê?” (id., p. 174). Não de outro modo que Tudo, na medida que o Assim o precede
(e de fato, o Assim exclui tudo que não seja “assim”). Mas, por outro lado, algo que
também quando isolado do Assim (i.e., enquanto apenas “não-de-outro-modo”) é
capaz de relacionar-se, de forma específica e caso a caso, com tudo, com cada um
de todos os outros modos (i.e. com cada específica parte que compõe o “tudo que
há”. Com a cada um, com todo e qualquer um). “Em suma o Eu.” (id., grifo meu).
Rosenzweig aponta então uma diferença metodológica entre a derivação dessa
segunda palavra-raiz audível, o “Eu” a partir do “arché-Não” que é feita no âmbito
da Revelação, e a derivação que anteriormente consideramos do “bom!” a partir
do “arché-Sim”, que deu-se no âmbito da Criação. Para Rosenzweig essa diferença

24
A rigor, Deus por cinco vezes “viu” que era bom o que criara (em Gen 1, vv. 10, 12, 18, 21) e apenas
ao final do sexto dia em Gen 1, 31 fez o julgamento valorativo que Rosenzweig destaca em sua análise
gramática, “viu e achou que era muito bom.” (Na tradução da CNBB. Na tradução de Fox, The Schocken
Bible, Vol. 1, que se espelha nas técnicas da tradução de Buber e Rosenzweig, Deus é mais efusivo:
“and here: it was exceedingly good!”).
Capítulo 4 108

metodológica é crucial, é “o ponto central de todo este livro” [“livro” que como vimos
é o capítulo central de toda A Estrela].
Essa segunda discussão não foi como no caso da primeira derivação

do ‘bom’ como um Assim [ou melhor, como ‘o arché-Sim que lança o Assim
livremente no infinito’] tornado audível [...]. [D]escobrimos [neste segundo
caso] o ‘Eu’ como o [arché-]Não tornado audível, não como uma palavra dentre
as de sua espécie [gramatical] de palavras [como ocorrera antes no caso do
‘bom’, cuja derivação se deu a partir da busca de um adjetivo predicativo
e valorativo, vide p. 106 acima], mas como uma resposta individual a uma
questão individual [pray,...], no jogo de perguntas e respostas inerente ao
pensamento. E assim prosseguiremos doravante [aqui, no âmbito da Revelação],
de palavra real a palavra real, e não de uma espécie de palavras a outra como
procedemos [no âmbito da] criação. Isso está de totalmente de acordo com o
emprego real da linguagem, [e assim chegamos a] o ponto central, diríamos,
de todo este livro, [qual seja, a linguagem] é palavra e resposta (Wordt und
Antwordt) [ou em outros termos, ‘a linguagem é palavra que obtém reposta’ ou
ainda, ‘não há de fato um enunciado, se esse enunciado não obtiver resposta’]
(id., grifos meus).

Eis aqui, sem dúvida, um ponto crucial na filosofia de Rosenzweig, o fulcro


do speech thinking: o emprego real da linguagem é palavra e resposta, é diálogo
acontecendo e não mero raciocínio monológico a partir de categorias gramaticais.
Em A Estrela da Redenção (redigida em 1918-1919 e publicada em 1921), Rosenzweig
está preocupado com um aspecto mais religioso, o da comunicação divino-humano,
com a necessária resposta do homem à palavra que Deus lhe dirige25 para que haja
um “emprego real da linguagem”, e portanto uma comunicação de Revelação.
Mais tarde, Rosenzweig, em “O Novo Pensamento” (1925), reconhecendo o
alcance desses conceitos, vai apontar para a necessidade de sua aplicação também
à comunicação inter-humana26. Aqui, numa visão que é bem próxima da de Bakhtin
(vide Cap. 3, sec. 8, p. 82), e que o ferramental teórico de Bakhtin ajuda a elucidar,
a “responsividade” é fundamental para que haja enunciado/enunciação27. Não há de

25
Resposta que, basicamente, implica no cumprimento de um mandamento, o primeiro: “Amarás
o Senhor teu Deus...”. Rosenzweig nota: “Amarás, que paradoxo nessas palavras! Acaso é possível
comandar-se o amor? [...] O mandamento do amor só pode vir da boca do amante. Só aquele que ama,
este sim pode dizer, e com efeito diz: Ama-me!”. Rosenzweig a seguir contrasta um mandamento de
amor com uma declaração de amor, esta última uma mera “explicação do amor, [explicação] que é
muito pobre” (Rosenzweig, 1970, pp. 176-177). Essa valorização do mandamento de amor é, como se
verá adiante, relevante para uma análise do Cântico dos Cânticos como a de Rosenzweig, que é levada
a cabo sob a ótica de um linguistic turn (vis-à-vis as análises “rational turn” consideradas na seção 5
acima).
26
Conceitos que infelizmente, como vimos, Rosenzweig nunca virá, a aplicar à comunicação inter-
humana com a profundidade que aplicou em A Estrela à comunicação divino-humana (i. e., a Revelação).
Vide Cap. 1, seção 6, p. 31.
27
E como visto no Cap. 3, é fundamental, para que a tradução (dialógica) seja bem sucedida, que
essa “responsividade” seja preservada no processo de tradução, de forma a que se traduza não só
as palavras ou meramente o sentido, mas, principalmente, “meta-lingüisticidade” bakhtiniana da
Capítulo 4 109

fato enunciado se não houver resposta, se esse enunciado não suscitar uma resposta
do outro (vide Cap. 1, sec. 6, p. 33).

7.4. O nome próprio

Pois bem, no relato do Gênesis a primeira palavra que Deus dirige ao homem
é uma pergunta (Gen 3,9) que, em termos rosenzweigueanos, fica sem resposta. O
comentário de Rosenzweig é pleno de gramática e dialogismo:

‘Onde estás?’ Esta não é outra senão a busca pelo Tu28 [por parte do Eu de Deus],
por enquanto apenas pela sua localização [do Tu, ‘Onde?’], não por sua natureza
que a esta altura [da narrativa do Gênesis] ainda não é nem mesmo divisável.
[...] Essa pergunta sobre o Tu [que o Eu do homem poderá vir a tornar-se] é
então tudo o que dele se sabe. Mas tal questionamento já basta para que o Eu
[do homem] se descubra a si próprio. [...] Descobre-se a si [como Eu]—mas não
o Tu [que há em si]. [...] A questão divina não recebe um ‘Eu’ por resposta:
‘Eu estou...’ [ou] ‘Fui eu quem fiz [o ato proibido]’. No lugar de um Eu a boca
que responde emite um Ele-Ela (He-She-It). [...] Foi ela, a mulher, quem fez [...]
e a mulher transfere então a culpa para o ultimate It: quem fez foi a serpente.
[...]O Tu indefinido era ainda [percebido pelo homem como] meramente dêitico
e foi então respondido pelo homem como mero dêitico: a mulher, a serpente. O
conceito geral de homem [que o homem decaído tem de si a essa altura] pode
refugiar-se por trás da mulher e da serpente. (id. 175, negritos meus, itálico
de Rosenzweig).

Esse primeiro homem que se furta à revelação é o que Rosenzweig chama, na


Primeira Parte de A Estrela, de um self, que é “mudo”, como no caso herói trágico
grego que tudo suporta dos embates do destino, mas não dialoga (noção essa que vai
influenciar Benjamin nas “Origens do Drama Barroco Alemão”, cf. Mosès, 1992, p.
297). Ele é ainda um “conceito geral de homem”. Não percebe que o “um homem”
(em hebraico ‘adam, pronunciado no “Façamos um homem” de Gen 1, 26) é também
seu nome próprio (Rosenzweig, 1970, p.155, n. 1). Isso entretanto não acontece no
caso de Abraão onde

entra em cena um vocativo, o chamado é enviado àquele que não é capaz


de fuga [e que em nada buscará refúgio], [...] [o chamado é agora enviado]
ao que é pura e simplesmente particular [específico], que não é conceito, que
transcende à esfera tanto do artigo definido quanto a do indefinido [...] [ou
seja, o chamado é enviado] ao nome próprio29. Agora, chamado pelo nome

enunciação (vide Cap. 3, seção 8, p. 83).


28
Eis aqui o conceito dialógico do Ich und Du (Eu e Tu) que se tornaria universalmente conhecido
através de Buber (em sua obra maior, intitulada, justamente, Ich und Du). Ei-lo aqui sendo desenvolvido
com antecedência de alguns anos por Rosenzweig. Como visto no Cap. 1, seção 7.1, pp. 35-36, esse
conceito tornou-se mais maduro em Buber graças à influência direta de Rosenzweig, nas discussões
mantidas entre os dois à época em que Buber finalizava Ich und Du.
29
Acerca do “nome”, vide mais acima, p. 92, e cap. 5, seção, 5.2.2, pp. 137-138.
Capítulo 4 110

[“Abraão!”], [...], ele responde, totalmente aberto, totalmente disponível,


totalmente pronto, totalmente...alma [e não mais tão somente um mudo self],
ei-lo, o homem que responde: “Eis-me aqui!” [Gen 22, 1]. [...] Sob o amor de
Deus, o self mudo matura-se [assim] em alma eloqüente: nisso reconhecemos
o acontecimento da Revelação (id. pp., 175-176, 198).

Aqui sim há chamado e resposta, e assim, finalmente, dá-se a Revelação—num


âmbito que é absolutamente lingüístico e através de uma descrição, note-se, cheia
de termos “gramáticos”. É esse o homem—não mais só um self, agora também uma
“alma”—que está pronto para receber e responder ao mandamento do amor (vide
nota 25 acima).

8. O Cântico dos Cânticos e A Estrela da Redenção

Examinados dessa forma alguns passos de Rosenzweig que ajudam a elucidar


o “pensamento gramático” que constitui esse seu linguistic turn na filosofia e na
teologia, tornemos ao Cântico dos Cânticos.
De que forma uma análise dialógica do Cântico que se baseie em categorias
gramaticais vai se diferenciar das análises “racionais e lógicas” consideradas na seção
5 acima? De início, partindo de uma realidade que a linguagem permeia, e que é tida,
essa realidade vivida, como sendo da “mesma natureza” da linguagem.

Se a linguagem é mais que uma analogia, se é verdadeiramente um análogo—e


nessa medida [a rigor] mais que um análogo—então aquilo que ouvimos como
palavra viva em nosso Eu e que nos ressoa como vida a partir de nosso Tu, deve
corresponder [literal e exatamente] ao que ‘está escrito’ no grande testamento
histórico da Revelação [i.e., no texto bíblico], e cuja essencialidade reconhecemos
a partir da realidade da experiência vivida. (Rosenzweig, 1970, p. 198).

Pois bem, nesse texto da palavra de Deus que é a Bíblia, se constata que
“o análogo do amor permeia como análogo toda a revelação. [O amor] é a sempre
recorrente comparação dos profetas, [uma comparação] que deve, justamente,
ser sempre entendida como mais do que uma analogia.” (id. 199). E para que isso
ocorra

não basta que a relação de Deus com o homem seja explicada como um símile
[da relação] entre o amante e a amada. A palavra de Deus [o texto Bíblico]
deve conter a relação entre amante e amada diretamente, [i.e., conter
diretamente] o significante sem qualquer alusão a [sem qualquer dêitico, sem
nenhum “apontar” para] o significado. E é isso o que ocorre no Cântico dos
Cânticos. Aqui não é mais possível que se veja no símile ‘apenas um símile’.
(id., grifos meus).

Ou seja, no Cântico, the linguistic turn with a vengeance. Nesse cântico de


amor, o amor tal com é o amor. A realidade, na realidade da linguagem. E portanto,
Capítulo 4 111

para Rosenzweig, no Cântico um ápice: “reconhecemos no Cântico dos Cânticos o


livro focal da revelação” (id., p. 202).
Mas exatamente como isso se dá? A resposta de Rosenzweig é semelhante ao
movimento que fizemos na seção 2 acima ao apontar que o linguistic turn é um return
ao que existia antes que se desse um rational turn tremendamente bem sucedido.
Como isso se dá, é a pergunta? A rigor, diz Rosenzweig, foi isso o que sempre
se deu até o limiar do séc. 19. E aponta as duas opções que o leitor tem ante a
constatação de que o Cântico é, como aponta Cavalcanti (v. p. 98, acima), “um poema
erótico, escrito sem qualquer intenção alegórica”:

Aqui o leitor parece confrontar-se com a escolha de ou aceitar o sentido


‘puramente humano’, puramente carnal, e se perguntar a seguir a que espantosa
aberração se deve o fato de essas páginas terem sido levadas a integrar a
palavra de Deus, ou então reconhecer que justamente nesse sentido carnal se
aloja a significação mais profunda, e isso diretamente, e não como um mero
símile. (id.).

Reconhece-se facilmente na primeira das opções acima a premissa única de


todas as análises “racionais” e “lógicas” consideradas na seção 5. E há que se notar
que mesmo aquelas dentre elas que tentaram “salvar a palavra de Deus” fizeram-
no pela via da alegoria, e assim sendo estão também em desacordo com a posição
de Rosenzweig. Para ele o que está no texto significa “diretamente”, sem qualquer
possibilidade de alegoria. E para quem raciocina dentro do rational turn simplesmente
não há como “um poema erótico sem qualquer intenção alegórica” ser também “o
livro focal da Revelação” da palavra de Deus.
Já a segunda opção, diz Rosenzweig, foi a que vigeu30 até o limiar do séc. 19.
E ao descrever a visão de mundo que embasava essa opção, Rosenzweig faz (quase que
de passagem, como acontece em muitos de seus textos) uma observação fundamental,
e que nos parece crucial para as considerações acerca do sagrado que fizemos na
seção 4 acima, na medida em que, a nosso ver, as corrobora:

O Cântico dos Cânticos era reconhecido como um canto de amor, e nesse [mesmo]
canto precisamente, via-se imediatamente também um poema ‘místico’.
Simplesmente se sabia que o Eu e o Tu da linguagem inter-humana são também
[pura e simplesmente] o Eu e o Tu entre Deus e o homem. Sabia-se que na
linguagem se desfaz a distinção entre ‘imanência’ e ‘transcendência’. O
Cântico dos Cânticos era [considerado] um canto de amor ‘autêntico’, ou seja
‘profano’ e, justamente por isso—não apesar disso—tratava-se de um autêntico
canto ‘espiritual’ do amor de Deus pelo homem. Sua alma humana é a alma que
é despertada e amada por Deus. (Rosenzweig, 1970, p. 199, grifo meu).

“Vigeu unanimemente”, diz Rosenzweig (id.). Mas pelo que se leu nas seções 2, 3 e 5 acima, vigeu
30

numa parte da intelectualidade religiosa, em especial aqueles que ao longo de quase dois milênios
mantiveram acesa a chama do lingüístico ante a ditadura do lógico-racional. Vide nota 4 acima.
Capítulo 4 112

Eis aí o que diferencia o enfoque lingüístico das análises “lógico-racionais”. O


paradoxo inicial que incitava estas últimas é virado de ponta cabeça e torna-se solução.
O que logicamente e “obviamente”—mas artificialmente vis-à-vis a “realidade da
experiência vivida”—é estruturado e classificado numa lógica binária de “ou sagrado,
ou profano” confronta-se com o que é vivido, e vivido na linguagem. E na linguagem,
porque não ambos simultaneamente, porque classificar, por que a polarização? Na
linha do que aconteceu há vinte e cinco séculos com o Cântico dos Cânticos, há uma
balada romântica de Roberto Carlos (“Como é grande o meu amor por você”) que
no Brasil é cantada na liturgia católica. Nessas missas, o amor inter-humano de uma
canção popular de sucesso é percebido simultaneamente—e sem qualquer dilema—como
amor divino-humano.
Sim, porque o imanente e o transcendente na linguagem? A rigor, para que
algo aconteça na linguagem, basta que alguém fale—seja quem for que fale—e que
quem fale obtenha uma resposta (vide pp. 108-109 acima). E como visto na seção 4
acima, basta que o que se diz seja percebido como extremamente tempestivo, seja
dito num tempo tido como o “certo” por alguém que escuta, para que o que é dito
venha a adquirir para esse ouvinte um sentido de “sagrado”, mas um sagrado que nada
tem de necessariamente transcendente (vide nota 10 acima e o texto que remete a
essa nota).
Até por que o transcendente, se ele existe, desfaz-se (e compraz-se) na
linguagem31.

8.1 O pensamento gramático aplicado ao Cântico dos Cântcos.

Não obstante a importância das conclusões acima, há que notar que as


considerações acerca do Cântico dos Cânticos até aqui (nesta seção) não envolveram
categorias gramaticais, mas apenas uma premissa—fundamental num linguistic turn—de
que a linguagem dispõe de um ferramental mais amplo que o do pensamento lógico-
racional para “abarcar” a realidade (vide pp. 105-107 acima).
No entanto, o exame que Rosenzweig faz do Cântico inclui também, como não
poderia deixar de ser, uma “Análise Gramática do Cântico dos Cânticos” (Rosenzweig,
1970, pp. 201-204), na linha das análises gramáticas discutidas na seção anterior, e
31
É importante notar que, se com a discussão acima a distinção transcendência versus imanência
se desfaz na linguagem, e com isso a dicotomia “diálogo divino-humano” versus “fala inter-humana”
está conceitualmente resolvida, o desbalanceamento que apontamos na obra de Rosenzweig ainda
permanece um fato. Como vimos, em “O Novo Pensamento” o speech thinking é apresentado como
uma visão de mundo e entendido—corretamente—como algo aplicável à comunicação inter-humana.
Entretanto quem vai à Estrela após ter lido esse ensaio como uma introdução a Rosenzweig—que é
o que geralmente ocorre—vai, principalmente, na expectativa de encontrar um aprofundamento da
discussão da comunicação inter-humana e se “frustra” ao dar com uma obra que praticamente só trata
do diálogo do divino com o humano. E em nenhum ponto de sua obra Rosenzweig compensará esse
desbalanceamento, tratando da comunicação inter-humana em maior detalhe.
Capítulo 4 113

que merece ser aqui brevemente examinada em pelo menos alguns de seus aspectos.
Afinal, é essa “Análise” que encerra o capítulo—central em todos os aspectos—acerca
da Revelação em A Estrela da Redenção. E é no desenrolar dessa “Análise” que
Rosenzweig afirma ser o Cântico o “livro focal da Revelação” (id., p. 202), o ápice da
Bíblia por assim dizer, se é que um homem religioso como Rosenzweig poderia aceitar
a noção que há um ápice na Bíblia.
Rosenzweig nota de início que o Cântico é o único livro na Bíblia a se iniciar
num comparativo (Ct. 1, 2: “Ah, sentir o beijo de teus lábios, pois teu amor é melhor
do que o vinho”). O que há aqui é um atributo

comparado [‘melhor’], ou seja [esse atributo] é visto desde um ‘ponto de vista’


que nega todos os outros pontos [de vista], em perspectiva. Esse ‘melhor’
retoma uma trama diretamente a partir do ponto onde essa trama havia sido
deixada solta, [i.e.] no ‘muito bom’32 ao final da criação. Assim, a palavra[-raiz]
Eu33 é que agora dá o tom. (id., p. 201, grifos meus).

E é bem por isso que, como Rosenzweig notara pouco acima, “em termos
comparativos a palavra ‘eu’ é mais freqüente no Cântico do que em qualquer outro
livro da Bíblia”34 (id.). E esse Eu não é um “eu não enfático, mas é especificamente
o Eu com ênfase (the accented I), a verdadeira palavra-raiz, o Não (Nay) tornado
audível.” (id.).
A partir da constatação de que esse Eu enfático—um Eu que como o “Eu” de
Abraão sabe que é também um Tu—é quem “dá o tom do Cântico”, Rosenzweig adota
uma imagem musical para apontar o ponto alto do Cântico:

Como uma nota única, sustenida num órgão, ela corre sob a completa textura
melódico-harmônica de mezzo-sopranos e sopranos, ora numa voz, ora, mudando
para o Tu, na outra. Há apenas um momento em todo o livro [i.e. o Cântico]
em que ela [essa nota] silencia. É precisamente devido à ausência dessa base
fundamental por um instante, uma base cuja presença [a não ser nesse instante
do Cântico] é tão constante que chega quase a passar despercebida, que essa
passagem [do Cântico] sobressai prodigiosamente, da mesma forma com que
32
Anteriormente, ao final do capítulo imediatamente anterior em A Estrela (o capítulo dedicado à
Criação), Rosenzweig já havia notado que—assim como agora o “melhor que o vinho”—o sexto e último
“bom!” em Gen 1, i.e. o “muito bom!” (exceedingly good!) do sexto dia, “Torna-se [justamente devido
a esse “muito”] um comparativo. Compara.” (Rosenzweig, 1970, p. 155).
33
Vide à p. 106 acima a análise gramática do Eu, palavra-raiz que nega o Tudo (que não Eu), e que
ao mesmo tempo nega também cada um. E é nessa última medida que o Eu é capaz de se relacionar
com cada um que compõe o Tudo.
34
É interessante notar que em uma das duas únicas menções que faz a Rosenzweig em sua obra,
Cavalcanti registra justamente essa maior freqüência do Eu que o autor apontara em A Estrela. Num
movimento que é altamente significativo por tipificar a postura do rational turn, Cavalcanti registra:
“Inspirado nessa assertiva M. Deckers elaborou um estudo quantitativo sobre essas ocorrências [...]
e chegou ao seguinte resultado: o homem [...] usa o pronome pessoal nove vezes, enquanto que a
mulher o faz 47 vezes [...]” (Cavalcanti 2005, p. 83). Medir, classificar, estruturar, controlar, são, no
rational turn, equacionados com “compreender”. Nada a ver com o que levou Rosenzweig a fazer a
“assertiva”.
Capítulo 4 114

só se toma consciência do tique-taque de um relógio quando ele bruscamente


se interrompe35. São as palavras do amor que é forte como a morte [Ct 8, 6].
Não por acaso, servimo-nos delas há pouco para caracterizar a passagem da
Criação à Revelação. Nesse livro focal [a tradução francesa diz “essencial”] da
Revelação que, como o reconhecemos, é o Cântico dos Cânticos trata-se da
única passagem que não é enunciada, mas puro relato, o único instante de
objetividade, a única fundação. Nele a Criação se precipita visivelmente na
Revelação e é visivelmente coroada por ela. [...] Trata-se da única coisa que se
pode pre-dicar (pre-dicate, ex-primer), re-latar (re-count, ra-conter) acerca
dele [do amor], todo o resto não pode ‘ser’ dito ‘sobre’ ele, mas unicamente
enunciado por ele próprio, [o amor]. Todas as [outras] verdadeiras proposições
a seu respeito devem ser palavras saídas de sua própria boca, emitidas pelo
Eu. (id., pp. 201-202, vide também, trad. fran., Rosenzweig, 2003, p. 285).

De novo aqui o mote da filosofia da linguagem de Rosenzweig: “Todas as


verdadeiras proposições” são aqui “palavras saídas de uma boca”, enunciados de alguém
que espera respostas e, no caso do amante e da amada no Cântico, as obtém.
Além disso, à parte a grande qualidade literária e beleza poética do trecho
acima, e independentemente de se querer levar em conta ou não o seu conteúdo
teológico, o que há a ressaltar é—mais uma vez—o alcance e “multi-versidade”
expressiva do enfoque gramático-lingüístico, vis-à-vis a postura lógico-racional, para
abarcar os aspectos da realidade “vivida”.
E ter-se assim em conta o quanto do real está no “real da língua real”, que
é “palavra e resposta”.

9. Em conclusão

No presente capítulo aprofundamos a análise do linguistic turn em que a


filosofia de Rosenzweig se insere. Pudemos verificar que ele se configura como um
milenar e subterrâneo esforço—retomado com Hamann no séc. 18 e mais intensamente
no início do séc. 20—por um return a uma visão “lingüística” de mundo. Uma visão
que, como vimos, é anterior ao tremendamente bem sucedido rational turn que se
deu “na Jônia” no séc. VI a.C., um turn que reina desde então, e que atingiu sua
completação “na Iena” de Hegel do séc. XIX.
Sob o ponto de vista desse speech thinking no qual a palavra precede o
pensamento e o suscita, pudemos então empreender a necessária “dessacralização”

35
Esse valorizar do ritmo, e a atenção a certas palavras tidas como “chave” para o desenrolar de um
texto, darão nas técnicas tradutórias desenvolvidas por Buber e Rosenzweig, a da “colometria” e a das
Leitwörter. Vide Cap. 2, sec.8, pp. 56-57. Nesse sentido, é interessante notar aqui uma observação
que Elliott faz acerca de Ct 4, 8-11 e que vai ao encontro do que ditam essas técnicas: “O paralelismo
repetitivo [de certos termos como “irmã”, “esposa”, “irmã e esposa”] [...] ocorre praticamente em
todas as linhas [desse trecho]. O efeito de ‘som’ produzido por uma tal acumulação de repetições
poéticas é similar ao gaguejar e tropeçar nas palavras [de alguém] que se repete quase que de forma
incoerente. [Esse efeito] exemplifica perfeitamente a condição do Amante, que se vê levado da
contemplação ao desejo ardente”. (Elliott 1998, p. 900).
Capítulo 4 115

da noção de “sagrado” (vide capítulo 2, ao final), de forma a reconhecê-lo—ao sagrado


já agora dessacralizado—como vigente e quase onipresente na vida atual: uma fala
que se dá num tempo que é percebido, por aqueles a quem ela se dirige, como sendo
o “tempo certo” para sua enunciação, é, mesmo hoje e para todos os efeitos práticos
e existenciais, uma “fala sagrada”, ainda que não sacralizada ou sacramental.
Ademais, a análise de trechos de A Estrela em que Rosenzweig aplica o seu
pensamento gramatical permitiu-nos entender como opera—e apreciar o alcance
de—uma “nova” filosofia que se vale de categorias gramaticais no lugar das lógico-
racionais usualmente empregadas pelo mainstream da filosofia. Em especial, foi-nos
possível acompanhar a derivação “gramatical”—que Rosenzweig leva a cabo—de um
ponto central de A Estrela e do próprio speech thinking: “a fala verdadeira”, que é
aquela que “obtém resposta”.
Finalmente, foi considerado o Cântico dos Cânticos, cuja canonicidade é um
paradoxo irresolvido para o rational turn, e que para o speech thinking de Rosenzweig
trata-se, ao contrário, do “livro focal” da revelação e, portanto, de toda a Bíblia.
Com isso as diferenças entre o pensamento tradicional e o “novo pensamento”, que
se iniciam já na própria formulação do que sejam os problemas a atacar, ganharam
realidade.
Ademais, a solução que nesse caso o speech thinking provê para o que aos
olhos do “velho pensamento” é um paradoxo incontornável, permitiu que se superasse
a dicotomia “comunicação divino-humano versus comunicação inter-humana” que foi
apontada no Cap. 1. A distinção transcendência/imanência inexiste na linguagem. Divino
ou humano não importa. Basta que exista um Eu que se dirige a um Tu e que este lhe
responda, para que haja o “emprego real da linguagem”, a “fala verdadeira”.
Assim, dessacralizado o sagrado, superada uma incômoda dicotomia na obra de
Rosezweig e aprofundado o speech thinking, passemos no próximo capítulo a um diálogo
de inter-iluminação entre Rosenzweig e Walter Benjamin, para um aprofundamento
da tradução dialógica.
116

CAPÍTULO 5

TRADUZINDO A INTENSIVIDADE:
BENJAMIN, ROSENZWEIG E A TRADUÇÃO DIALÓGICA

With Herder the tradition shifts gears: [...] Translation […] becomes a metaphor, a
category of thought [...]. The divine is trans-lated into the human language. The
spirit of the infinite reveals itself in all languages and all poetry—an idea later
to be taken up by Benjamin. Actual translation is a pale reflection of this.
Lefevere, 1977

1. Introdução

No entanto, é esse “pálido reflexo” o que aqui nos concerne. E Benjamin,


“metáforas” à parte, tem muito a dizer sobre a “actual translation”, especialmente
quando iluminado pela prática de Rosenzweig, um cumpridor, como veremos, da tarefa
que Benjamin propugna em seu cultuado texto “A Tarefa do Tradutor” (1923).
Assim, no presente capítulo, um diálogo de inter-iluminação entre Rosenzweig
e Benjamin será promovido para que se aprofunde o entendimento do que se passa na
tradução dialógica. Esse será um diálogo muito profícuo para o que aqui nos ocupa. Ele
propiciará o reconhecimento de um conceito, o da intensividade na linguagem, que
é talvez o mais fundamental e um dos mais produtivos para as reflexões do presente
trabalho.
Ademais, a formulação dessa noção de intensividade dar-se-á a partir da
importante constatação de que a proximidade entre Bakhtin, Rosenzweig e Benjamin
é bem mais profunda do que uma primeira análise parece indicar. Como se verá, essa
proximidade se dá a partir dos fulcros das respectivas filosofias de Bakhtin e Benjamin,
e se centra na noção básica da filosofia de Rosenzweig, a Revelação. Será a partir
de considerações que se fará acerca da natureza dessa proximidade que a noção de
intensividade será derivada.
A seção 2 apresenta algumas idéias de Benjamin que evocam as de Rosenzweig,
e aponta influências filosóficas e contactos junto à intelectualidade comuns aos dois
autores. A seção 3 considera duas noções, uma de cada autor em suas reflexões
tradutórias, que clamam, já à primeira vista, por uma aproximação: a “língua única”
de Rosenzweig no “Posfácio” e a “pura linguagem” de Benjamin em “A Tarefa”.
Nessa seção se propõe também uma curta definição-resumo do que é o texto de “A
Tarefa”.
A seção 4 confronta a “pura linguagem” com uma outra noção que teve com
ela alguma comunalidade conceitual ao longo da história da língua hebraica. Trata-
se da noção de “língua sagrada”, da qual a “pura linguagem” deve, no entanto,
Capítulo 5 117

ser claramente distinguida. A partir dessa distinção se pode concluir o importante


ponto—para a actual translation—de que “A Tarefa”, embora carregada do teológico,
opera exclusivamente no lingüístico. O aprofundamento da noção de língua sagrada
propicia ademais que o paradoxo, tão difícil de se aceitar, do tradutor Rosenzweig
que prefere não traduzir o Tischdank para quem consegue lê-lo foneticamente sem
entendê-lo (Cap. 2, p. 45), seja finalmente dirimido.
A seção 5 analisa um texto da filosofia da linguagem de Benjamin (“Sobre a
Linguagem em Geral e a Linguagem Humana”) que é anterior a “A Tarefa”, demonstra
a sua centralidade para o entendimento desta última, e o confronta com A Estrela
da Redenção de Rosenzweig, mostrando que a noção central de “Sobre a Linguagem”
é crucial em A Estrela, e vice-versa. A centralidade do pensamento de Bakhtin nesse
quadro é igualmente demonstrada. A partir desse “encadeamento dos fulcros” das
três filosofias, “a totalidade intensiva da linguagem da nomeação” de Benjamin é
desteologizada em direção ao lingüístico, derivando-se daí a noção de intensividade. A
seção se encerra com uma discussão do alcance desse conceito para o esclarecimento
de muito do que vem sendo discutido até aqui no presente trabalho e, especificamente
no que concerne a “A Tarefa”, para que se entenda o que vem a ser, em termos da
actual translation, a “intenção” ou “modo de designar” de Benjamin.
Na seção 6, a discussão que Rosenzweig faz das técnicas de tradução por ele
empregadas no Halevi é utilizada para demonstrar, vis-à-vis alguns trechos de “A
Tarefa”, uma aplicação prática da teoria da tradução proposta no texto de Benjamin.
Para uma análise do texto completo de “A Tarefa” à luz de Rosenzweig a leitora deve
se dirigir ao Apêndice do presente trabalho. A seção 7 resume as conclusões, e envia
ao próximo capítulo.

2. Benjamin e Rosenzweig

“A Tarefa do Tradutor” (Benjamin, 2001) é um dos mais crípticos escritos


de Walter Benjamin (1892-1940). Um “texto breve, porém de difícil leitura [...] em
que certas imagens aparecem sem função evidente”, e que apropria “elementos
[...] da narrativa bíblica” e de “interpretações intrincadas [...] por parte de rabinos
cabalistas”, diz-nos Susana Kampff-Lages (Kampff-Lages, 1998, pp. 64, 81), expressando
a estranheza que é a de tantos quantos se aproximam desse prefácio à tradução por
Benjamin dos Tableaux Parisiens de Baudelaire.
Coubesse ou não a Benjamin o epíteto de “rabino marxista” que Gershom
Scholem lhe atribuiu, ou tenha sido ele—como crê Kampf-Lages mais apropriado—não
mais que um “marxista rabínico” (id., p. 81), é importante ter em conta um ponto
ressaltado por Rainer Rochlitz: foi apenas a partir dos anos trinta, com “Sobre o
Poder da Imitação”, que a teoria da linguagem de Benjamin ganhou um cunho mais
Capítulo 5 118

materialista. “A Tarefa” corresponde à fase iniciada em 1916 com “Sobre a Linguagem


em Geral e a Linguagem Humana”. A própria iniciação de Benjamin no marxismo,
note-se, deu-se apenas em 1924 e “A Tarefa” é de 1923.
Mas, se ainda não “marxista”, tampouco tão “rabínico” assim. Rochlitz nos
informa que

desde Gershom Scholem vários autores não cessaram de buscar nos textos de
Benjamin uma filiação direta com a Cabala, [filiação essa] que sem dúvida [não]
existe [de forma direta, mas apenas] indiretamente, através das fontes que o próprio
Benjamin cita: notadamente Hamann e Schlegel (Rochlitz, 2000, 24, n.1).

Essa observação é importante. Ela aproxima Benjamin de Johann Georg Hamann


(1730-1788), o mestre de Herder (Lefevere, 1977, p. 30) e adversário do Iluminismo e
do racionalismo kantiano, que como vimos (Cap. 4, sec. 2, p. 88), foi um dos iniciadores
da retomada do linguistic turn no qual Rosenzweig se insere.
Em sua filosofia, Hamann já designara o verbo poético como um retorno da
“nomeação adâmica” ou ao batismo original das coisas (Hamann, apud Rochlitz, id.,
p. 23). Esse é um tema que Benjamin retoma em “Sobre a Linguagem”. Nesse ensaio
Benjamin cita Hamann: “‘Língua, mãe da razão, diz Hamann, e revelação, seu alfa
e seu ômega’” (Benjamin, 2000b, p.151, grifos no original). Essa citação se dá num
contexto que, como veremos mais adiante, é crucial, o da discussão da revelação.
Uma outra menção de Hamann em Benjamin—desta feita em “Sobre o programa
da filosofia que há de vir”, um texto de 1917—soa como um prenúncio da distinção entre
as tradições alemã e anglo-americana do linguistic turn, tal como descrita (verstehen
versus erklärung) no Cap. 1 acima (sec. 7, pp. 34-35): “A grande transformação, a
grande correção à qual convém submeter-se um conceito de conhecimento que se
orienta de forma unilateral na direção da Matemática e da Mecânica, não é possível
a não ser que se relacione o conhecimento com a linguagem, como já tentou fazê-
lo Hamann, ainda ao tempo em que Kant era vivo” (Benjamin, 2000d, p. 193, vide
também acima, cap. 4, seção 3, p. 94).
E por fim cabe buscar um último trecho em Benjamin que, embora não cite
nominalmente Hamann, traz sem dúvida a sua influência: “A filosofia deve nomear
as idéias como Adão [nomeou] a natureza, a fim de as dominar [às idéias], elas que
são um retorno da natureza” (Benjamin, 2000e, 26). E esclarece-nos acerca desse
trecho Rochlitz: “Nomear as ‘idéias’ para transpô-las de um contexto ‘natural’ a um
contexto ‘histórico’ e ‘messiânico’, é essa a tarefa, inspirada pelo judaísmo, que
segundo Benjamin se impõe à filosofia”.
Esse último trecho de Benjamin que citamos é para nós especialmente
significativo pela data—dezembro de 1923, portanto logo após a publicação de “A
Tarefa”—e, principalmente, pelo destinatário da carta que a contém. Trata-se de
Florens Christian Rang, um dos correspondentes freqüentes de Benjamin (Rochlitz,
Capítulo 5 119

2000, p. 13), que é citado por Rosenzweig em “O Novo Pensamento” com mais outros
quatro autores alemães contemporâneos seus, como tendo “independentemente uns
dos outros, penetrado o ponto focal da nova idéia”, apresentada em A Estrela da
Redenção (Rosenzweig, 2000a, p. 128, vide Cap. 1, seção, 1, p. 21).
Dentre esses autores mencionados, é acerca de Rang que Rosenzweig é mais,
digamos, “efusivo”. Coincidentemente, isso se dá no trecho que contém a frase acerca
de seu (de Rosenzweig) trabalho de tradução ter-lhe propiciado uma aplicação prática
de sua filosofia:

As notas ao meu Yehuda Halevi contém instrutivos exemplos de aplicação


prática do novo pensamento. Um preciso e profundo conhecimento destas coisas
está contido nos fundamentos da obra, de peso, de Florens Christian Rang que
permanece em grande parte inédita. (Rosenzweig, 2000a, 128).

Do que vai acima, já se detecta uma convergência de influências, idéias1 e


relacionamentos junto à intelectualidade entre Rosenzweig e Benjamin. E, no que
concerne a reflexões acerca da tradução, uma primeira vista d’olhos também já indica
uma proximidade. Diz Rosenzweig:

Só existe uma língua. [...] Sobre essa essencial unidade da linguagem [...] está
baseada a tarefa [i.e., o dever] de traduzir. Pode-se traduzir, porque cada língua
contém em si as possibilidades de qualquer outra. É desejável que se traduza,
caso se consiga concretizar esse potencial ao semear-se algum campo lingüístico
fértil mas ainda incultivado (Rosenzweig, 1995, p. 171).

Compare-se isso, p. ex. com o Panwitz que Benjamin cita com aprovação em “A
Tarefa”: “[O tradutor] tem de ampliar e aprofundar sua língua por meio do elemento
estrangeiro” (Panwitz apud Benjamin, 2001, p. 211). Ou com o trecho, famoso, do
próprio Benjamin:

a tradução deve [...] ir reconfigurando em sua própria língua, amorosamente,


chegando até aos mínimos detalhes, o modo de designar do original, fazendo
com que ambos sejam reconhecidos como fragmentos de uma língua maior [i.
e., a pura linguagem]. (id. 206).

1
Convergência que mostra que talvez se deva modular a afirmação de Kampf-Lages (1998, pp. 87-88,
n. 10) de que “Benjamin não teve veleidades religiosas, e nem mesmo especificamente teológicas”.
A própria influência de Hamann discutida acima, é uma clara indicação de que não é bem assim. Mas
há mais. Rochlitz (21) fala de pelo menos “duas reviravoltas tais, que melhor seria falar em mudanças
de paradigma” na obra de Benjamin. “A primeira delas”—que é a que aqui nos interessa—“jamais foi
contestada: é a que concerne a passagem de uma filosofia ‘metafísica’, essencialmente teológica, a
um pensamento que, embora nunca o tenha sido totalmente, se queria ‘materialista’”. (Rochlitz, 2000,
p. 21, grifo meu). Note-se que Benjamin escreveu “A Tarefa” em 1921 (Witte, 1991, pp. 50-51), mas
conseguiu publicá-la somente em 1923 e meio “que de carona” como a introdução (que aos leitores
pareceu ectópica) a uma tradução de poemas de Baudelaire. Trata-se, portanto, de um Benjamin
anterior a essa “primeira reviravolta” que se deu apenas a partir de 1924, durante uma viagem à Itália
que lhe propiciou o primeiro contacto com o marxismo.
Capítulo 5 120

Em especial, essa “pura linguagem” de Benjamin (id., p. 199) e a “língua


única” de Rosenzweig que vimos de citar parecem clamar por uma aproximação.
Assim sendo, no presente capítulo, a tradução dialógica de Rosenzweig será
examinada sob a ótica de “A Tarefa do Tradutor” de Walter Benjamin. Como se verá,
o texto de Benjamin e o viver tradutório de Rosenzweig elucidam-se um ao outro. E,
nessa medida, Rosenzweig cumpre a tarefa que Benjamin propõe.
Se no Cap. 3 Bakhtin iluminou Rosenzweig, aqui Benjamin e Rosenzweig hão
de iluminar-se mutuamente. É claro, toda luz que se possa lançar sobre a críptica
“A Tarefa” será sempre bem-vinda. Mas mais que isso, veremos que a proximidade
entre os dois autores, que acima é pouco mais do que intuída, se dá em pontos
cruciais das filosofias de ambos, num nível bem mais básico do que aquele em que se
situam as suas respectivas considerações—já de si bem profundas e próximas—acerca
do fazer tradutório. Pontos que, como ademais veremos, correspondem àqueles
em que Rosenzweig se aproxima de Bakhtin.
Assim, se Bakhtin elucida—como visto no cap. 3—a tradução dialógica que
Rosenzweig pratica e que é, veremos, a que Benjamin propugna, isso se dá por razões
profundas que estão no âmago das filosofias desses autores. Esse é um fato auspicioso
e, as far as the deepness goes, de certa forma inesperado. Ele surge ao longo do (bem
longo) trabalho preliminar necessário para que, posteriormente, se contraponha de
forma embasada o tradutor Rosenzweig a “A Tarefa”.
Vamos a esse trabalho.

3. A tarefa do tradutor Franz Rosenzweig

Ao que tudo indica, Benjamin e Rosenzweig nunca se encontraram nem se


corresponderam e, para o que aqui nos concerne, Rosenzweig nunca leu a “A Tarefa”
nem Benjamin leu (mas veja-se Haroldo de Campos, apud Oliveira 2000, p.124) o
“Pósfácio” ao Halevi (ambos publicados em 1923, embora “A Tarefa” tenha sido
escrita em 1921).
O “Posfácio” é, sem dúvida, o texto de um tradutor que acaba de desincumbir-
se de uma tarefa tradutória específica (traduzir poemas de J. Halevi). O que chama
a atenção, no entanto—e como veremos mais adiante—, é o quanto essa ocasião
pós-tarefa é tomada para que reflexões sobre o traduzir sejam desenvolvidas (para
além das esperadas e usuais discussões de dificuldades e de técnicas de tradução).
Já “A Tarefa” é muito mais do que (ou simplesmente não é, vide nota 1 acima) uma
introdução à tradução de poemas de Baudelaire.
O que é “A Tarefa”? Trata-se um texto de filosofia da linguagem, em que o autor
filosofa a partir da tradução. Pode surpreender o fato de que se possa resumir em poucas
palavras o escopo—no que respeita à “actual translation”—de um texto tão denso.
Capítulo 5 121

Ei-las, porém. “A Tarefa do Tradutor” apresenta uma teoria platônica e messiânica da


tradução (das obras maiores da literatura), na qual a restituição do sentido é tida como
absolutamente acessória, e onde os conceitos de fidelidade e liberdade, usualmente
contrapostos nas teorias tradicionais da tradução, são harmonizados ao se libertarem
de sua submissão ao sentido: a fidelidade volta-se, sobretudo, a uma literalidade na
transposição da sintaxe, e a liberdade se expressa por meio da recriação, na língua
de chegada, do modo de designar do original.
Caso se possa entender, na frase anterior, “modo de designar” por “modo
de expressão”, a proximidade com a tradução dialógica é desde logo detectável.
Ademais, pode-se nessa frase reconhecer termos que se referem a cada um dos três
níveis que utilizamos no Cap. 2 para a análise do trabalho de tradução de Rosenzweig.
Há um objetivo teológico-filosófico ou macro (“messiânica”, “platônica”), está aí o
nivel lingüístico-textual ou meso (“sentido”, “modo de designar”) e mesmo o nível
micro das técnicas tradutórias (“literalidade na transposição da sintaxe”) faz-se aí
presente.
Há, no entanto, na resumida frase sobre o escopo de “A Tarefa” acima, alguns
juízos (“messiânica”, “platônica”) a serem justificados, e conceitos (“fidelidade”,
“liberdade”, “literalidade na transposição da sintaxe”, “modo de designar”) a serem
esclarecidos. E, é claro, é preciso que se demonstre que essa sintética definição se
aplica de fato à “Tarefa”.
Para tanto, haveria que se acompanhar com algum detalhe a (longa) argumentação
de Benjamin em seu texto. Essa tarefa é levada a cabo de forma exaustiva no
Apêndice do presente trabalho, cuja leitura—por não ser essencial à argumentação
deste estudo—deixamos a critério do leitor. No corpo deste capítulo nos ateremos aos
trechos de “A Tarefa” que serão esclarecidos a partir das técnicas de tradução que
Rosenzweig emprega no Halevi.
Isso serve a um duplo objetivo. Por um lado, Rosenzweig esclarece e traz
vida (prática) ao que em Benjamin é muito teórico ou nebuloso. Por outro, ajuda a
vislumbrar o quanto, e no quê, os dois autores se aproximam.
Antes, porém, que possamos nos aproximar de “A Tarefa”, é preciso que se
esclareça o que está por trás de um conceito primordial em Benjamin, que é o moto
principal de seu texto. Trata-se do conceito de “pura linguagem”2 [reinen Sprache,
2
A tradução de Susana Kampff Lages traz “pura língua”, a tradução francesa (trad. M. Gandillac,
rev. R. Rochlitz) diz “pure langage”, “pura linguagem”, que decidimos adotar. Para o presente estudo
de “A Tarefa” utilizamos ambas as traduções, brasileira e francesa, optando a nosso critério—e em
geral sem registrar o porquê da opção—por uma delas, nas situações em que algum conflito, a nosso
ver relevante, ocorrer. Aqui, no entanto, uma justificativa quanto à opção adotada cabe: como se verá
mais adiante, a reinen Sprache, uma “fala pura”, não é uma “língua a mais” como as outras línguas,
só que purificada. É a Linguagem, a fala, a competência lingüística humana (da criatura que, na exata
medida em que dispõe de “fala”, é “imagem e semelhança” de quem lhe concede essa competência).
É essa Linguagem, “purificada” (accomplished, digamos,) pelo advento do tempo messiânico—e é o
próprio advento desse tempo—, que a Tradução ajuda a construir. Vide também, mais adiante (pp.
Capítulo 5 122

pure speech, pure langage], que, como veremos adiante, tanto se aproxima da “língua
única” de Rosenzweig.
Será também necessário que se considere um texto de Benjamin, anterior a
“A Tarefa”, já mencionado, “Sobre a Linguagem em Geral e a Linguagem Humana”,
e que trata de sua primeira filosofia da linguagem, aquela que embasa o que vai em
“A Tarefa”. Essa filosofia, veremos, é muito próxima da de Rosenzweig em A Estrela.
Inclusive, como buscaremos demonstrar, um dos “cernes” de Rosenzweig é, a rigor,
o fulcro desse primeiro texto de Benjamin.
Há, portanto, algo a percorrer antes de se iniciar o caminho, propriamente
dito, “Tarefa” adentro. A esse primeiro percurso—que também não é curto—se dedicam
as duas próximas seções.

4. A Língua Sagrada (leshon haqodesh) e a Pura Linguagem (reineN


Sprache)

O campo semântico do termo “sagrado” já se fez presente, de forma mais


ou menos explícita, em alguns momentos do presente trabalho. Já na “comunicação
divino-humana” que, como apontamos no Cap. 1 (sec. 6, pp. 30-31), prevalece ante a
“comunicação inter-humana” na obra de Rosenzweig, está, é claro, implícito o “sagrado”
de um diálogo de Deus com cada indivíduo que vivencia a experiência da Revelação.
Propiciar que esse tipo de experiência individual de revelação se multiplicasse na
sociedade contemporânea foi, inclusive (como visto no Cap. 2 , sec. 5, p. 48; sec. 6
p. 49), o que levou Buber e Rosenzweig a se proporem a iniciar uma nova tradução
alemã do texto hebraico da Bíblia.
Num segundo momento, essa noção teológica de revelação precisou ser
“des-teologizada”, despida do “sagrado”, para que, no nível lingüístico, se pudesse
compreender o que ocorria numa tradução que se pautava por “preservar o potencial de
revelação” do texto original. Nisso serviu-nos (no Cap. 3) o ferramental de Bakhtin. É a
enunciação bakhtiniana com sua característica de “responsividade/respondibilidade”,
que está sendo preservada na tradução dialógica.
E ao considerarmos, no exame que fizemos do speech thinking de Rosenzweig,
o linguistic turn em que sua filosofia se insere e no qual (linguistic turn) a palavra
precede e suscita o pensamento, visitamos uma terceira vez o campo semântico do
“sagrado”. Desta feita para reconhecer a forma que o próprio “sentido do sagrado”
toma para o indivíduo contemporâneo, que julga tê-lo superado. O “sentido do
sagrado” ainda está muito presente nos tempos atuais, de uma maneira dessacralizada
e insuspeitada. Conforme apontamos no Cap. 4 (sec. 4, pp. 96-97), uma enunciação

126-127, item e), a escolha de termos em Aaron (2003): pure language (no fim dos tempos) e holy
tongue (o hebraico).
Capítulo 5 123

(extremamente) tempestiva, aquela que é percebida por aqueles a quem foi dirigida
como algo que é proferido no “tempo certo”, produz uma resposta que, para todos
os efeitos, corresponde ao que em outros tempos era tido—e suscitado—por uma
“palavra sagrada”.
Há ainda, no entanto, um outro—quarto—âmbito semântico do “sagrado”
que agora examinaremos. Ele já foi mencionado de passagem ao final do Cap. 2 (sec.
5, p. 48), quando nos referimos ao hebraico a partir do qual Buber e Rosenzweig
traduziram, tido por eles como uma “língua sagrada”. Surge também, p. ex., numa
carta de 1926 (transcrita em Derrida, 2004), de Gershom Scholem a Rosenzweig, na
qual Scholem descreve, consternado, a vernacularização do hebraico, que constata
estar em curso na Palestina dos anos vinte do século passado. A secularização de um
hebraico que por quase dois milênios se restringira a ser uma “língua da religião”,
e nessa medida ganhara contorno e status de “língua sagrada”. Seria interessante
procurar entender qual é exatamente o motivo da consternação de Scholem ante um
hebraico que tornará a ser vernáculo.
Para que se entenda o que vai nesse (quarto) “sagrado”, é preciso que se
considerem algumas etapas pelas quais passou o hebraico ao longo de sua história, e que
o levaram, a partir de certa altura, a ser tido por “língua sagrada”. Essas considerações
se revelarão importantes para o que aqui nos concerne, pois permitirão que se entenda
a origem e o cerne conceitual de uma outra noção, a de “pura linguagem”, que é
fundamental em “A Tarefa”.
Isso porque essa noção de pura linguagem é próxima à de língua sagrada, e
em alguns momentos se confunde com ela. Trata-se, no entanto, de dois conceitos
diversos que precisam ser claramente distinguidos, para que se apreenda o viés
messiânico do texto de Benjamin.

4.1 Língua e linguagem

O relato bíblico das origens e da história inicial de Israel é uma narrativa


carregada de teologia e que pouco ou quase nada tem de histórico [Neusner, 2003,
p. 9; Sweeney, 2003, p. 23; Davies, 2003, p. 45; Kugel, 2007, 204-205 e passim]. Os
eventos dessa narrativa remontariam ao entorno de 2200-2000 a.C., sendo que os
primeiros eventos bíblicos que a arqueologia efetivamente corrobora são de 1200-1000
a.C., em especial os reinados de David e Salomão ao fim desse período3.

3
A presente discussão está baseada principalmente em Aaron, 2003, pp. 268-277 e Davies, 2003,
pp. 37-57, e também em Sweeny, 2003, p. 23, e Neusner, 2003, pp. 8-14. Para as recentes evidências
arqueológicas de que o relato bíblico da conquista da Terra Prometida é uma lenda que se erigiu
a partir do ocorrido na segunda das três crises demográficas e sociais que ocorreram na Palestina
(respectivamente, em torno de 6000, 2200 e 1200 a. C.), veja-se Miroschedji, 2005.
Capítulo 5 124

Por outro lado, é sabido que os livros do Pentatêuco (Gen, Ex, Deut, Num e Lev)
tomaram forma final no período que se seguiu à restauração do Templo em torno de
500 a.C., a partir de textos e tradições orais que remontavam de 1000 a 600 a.C.
Esse séc. VI a.C. foi para os israelitas um tempo fortemente marcado pela
experiência do exílio na Babilônia, exílio que se seguiu à tomada de Jerusalém pelo
império assírio e à destruição do Primeiro Templo, em 586 a.C. Um tempo, por outro
lado, também marcado pela experiência do retorno, cerca de 80 anos mais tarde, já
sob os auspícios do império persa, com a finalidade de reconstituir em Jerusalém um
estado títere, e com autorização para reconstruir o (Segundo) Templo.
Assim, esses cinco primeiros livros da Bíblia tratam de compor o quadro de
uma antiga história que pudesse ser percebida como comum aos ex-exilados que
retornavam, aos israelitas que permaneceram na Judéia ocupada, e aos adventícios
das populações a ela circunvizinhas que, no decorrer desses oitenta anos, vieram a
habitá-la. Uma história na qual a experiência recente é espelhada: o mundo é incerto,
a terra é uma dádiva, e, se há exilio e castigo, há também restauração e perdão4
[Neusner, 2003, p. 9].
Em torno de 300 a.C.—um período que corresponde ao início do Helenismo—os
demais livros que compõem a Bíblia hebraica (i.e., além do Pentateuco ou Tanakh
ou Torah escrita, os Livros Sagrados ou Ketuvim e os Profetas ou Neviim) estariam
completados, ainda que, é claro, nada parecido com o que hoje se entende por um
cânone religioso tivesse sido concebido, que dirá “fechado” (vide nota 4).

4
Note-se o quanto tudo isto substancia o que vai dito no Cap. 2 (sec. 6, p.50). Uma experiência de
exílio e retorno é vivenciada por uma comunidade, e faz com que relatos pré-existentes na tradição
oral sejam tomados e formatados (como uma história pregressa em que há também exílio e pecado,
restauração e reconciliação) de maneira a constituirem-se, para essa comunidade e para as gerações
futuras, numa fonte para a compreensão da realidade, que a experiência vivenciada forjou. Fica também
patente a importância que a narrativa tem, nesses contextos em que um linguistic turn prevalece,
ante a “verdade histórica” que o rational turn valoriza. Aqui o aspecto existencial, o transmitir-se a
vivência do fato, vale mais do que transmitir-se “o fato” que “de fato” se deu. Algo, aliás, bem na
linha do que Benjamin preconiza n’ “O Contador de Histórias” (vide Cap. 1, sec. 7.2, nota 11, p. 37).
Vale aqui mais o “relato” do que a “informação”. Por outro lado, não se pode deixar de reconhecer
que essa circunstância, na qual o Pentatêuco toma forma final, quase que poderia prestar-se a uma
Análise de Discurso. Há laivos de AD na seguinte observação que Davies (2003, p. 45) faz: “From this
small, diverse and not entirely compatible population a society was to be created [...] The scribes
aimed to recreate a shared history in a monarchic world, a world that had been full of promise but
also ended in divine displeasure. These writings united the present through the past and argued for
the status quo, while hinting at a better future”. Vide também Kugel, 2007, pp. 9-10, que aponta uma
atitude semelhante no redator do livro das Crônicas. De toda forma, na medida em que estivermos na
AD, continuamos num linguistic turn.
É, outrossim, importante notar que o que estamos descrevendo é o processo pelo qual o Pentatêuco
toma forma final e se incorpora a um corpus literário. Uma outra discussão (que ocupa boa parte do
artigo de Davies) “is the process by which the contents of classic works [i.e. o Pentatêuco e os outros
livros (vide logo a seguir acima) que compõem as Escrituras Hebraicas] came to be adopted as an
agenda for living as a Judean/Jew. Why, in other words, did Judaism assume the guise of a religion
[...]” (id. p. 46).
Capítulo 5 125

A literatura que se seguiu à que veio a compor a Bíblia Hebraica foi a do


chamado Período do Segundo Templo. Trata-se de uma literatura que, salvo raras
exceções, não se incorporou ao cânone religioso, e que cobre, a rigor, tão somente
obras compostas na segunda metade desse Período histórico, ou seja, os três séculos
de 250 a.C. a 70 d.C.. Foi nesse último ano que se deu a fatídica destruição do Segundo
Templo pelo poder romano.
Essa destruição foi uma segunda hecatombe, que redundou num segundo
exílio, desta feita sem esperança de retorno. A diáspora que se viu consumada quando
a última revolta judaica foi sufocada por Roma em 135 d.C., foi o que determinou
o início do Judaísmo rabínico. Um Judaísmo que, na falta de um Templo, buscou a
santificação no detalhado regrar da vida diária.

É precisamente nesse ponto da história—a emergência do Judaísmo Rabínico


durante a era romana—que a doutrina da sacralização do hebraico cristalizou-se,
para se tornar aquilo que hoje se entende sempre que se ouve uma referência
ao hebraico como sendo ‘a língua sagrada’ [e que é o conceito que Scholem
tem em mente em sua carta a Rosenzweig, vide p. 123 acima] (Aaron, 2003,
p. 268).

Entretanto, a literatura—pré-rabínica—do Segundo Templo é aquela a que


devemos retornar, pois é ela que contém os precursores dessa noção do hebraico como
língua sagrada. E é nesses precursores que se deve buscar não apenas as origens que
esclarecem a noção, mas também os elementos que nos permitem reconhecer uma
noção distinta e mais messiânica, a da “pura linguagem”.
Isso porque os textos do Pentatêuco, que são, como vimos, anteriores à literatura
do Segundo Templo, embora tenham todos sido escritos em hebraico (a exceção são
algumas seções de Ezra e de Daniel), em nenhum momento fazem menção à língua
em que estão sendo redigidos, seja como sendo “o hebraico”, seja por qualquer outro
nome. Mesmo as menções à língua que falam os personagens das narrativas (denominada
yehudit [“Judaico”, ou a língua de Judá]) surgem apenas raramente no Pentatêuco,
e sempre num contexto de diferenciação ante os outros povos de Canaã que falam
outras línguas, ou ante o aramaico, a língua oficial do império assírio.
E o mesmo ocorre quando no Pentatêuco o uso de termos específicos—que
permanecem em hebraico, mesmo nas atuais traduções da Bíblia—é ressaltado. Por
exemplo, Jacó usa o termo hebraico “Galed” para referir-se ao monte de pedras que
marca seu pacto com Labão em Gen 31,47. Labão usa o termo aramaico (Jegar-Saaduta)
de mesmo significado [“stone mound”, segundo Aaron (2003, p. 270), “Monte do
Testemunho”, segundo a Bíblia da CNBB], e com isso o redator marca a estraneidade
de Labão. Assim, nesses textos, o hebraico serve como um marcador de pertença
tribal, mas não tem a conotação religiosa que adquirirá nos textos pós-bíblicos.
Capítulo 5 126

Já a literatura do Segundo Templo desenvolveu-se no helenismo, num contexto


de tensão social e religiosa entre tradicionalistas e assimilacionistas ante a crescente
introdução da cultura (e da língua) grega, e frente a um perigo de sincretismo religioso
nas comunidades judaicas. Nesses textos, cinco noções, ou “atitudes com relação ao
hebraico” (Aaron, 2003, p.272), —que mais tarde conotarão em parte a noção rabínica
do “hebraico, a língua sagrada”—podem ser discernidas:
a) lealdade à língua como lealdade à tradição e ao ancestral. No segundo livro
dos Macabeus, escrito em torno 120 a. C., o segundo dos sete irmãos que são
brutalmente torturados e mortos—juntamente com a mãe viúva—por gregos
selêucidas que a ele se dirigem (obviamente, em grego), responde-lhes “na língua
de seus ancestrais” (2Mc 7, 8). Aqui há um contraponto com o que ocorrera com
o primeiro irmão que preferiu ser torturado e morto na frente da própria mãe
a comer carne de porco e com isso vir a “transgredir a lei de seus ancestrais”
(2Mc 7, 2). Lei e língua são assim colocados em pé de igualdade.
b) a língua como fator de unidade política. Nos Testamentos dos Doze Patriarcas
(séc. II a. C.) há o conceito de um Fim dos Tempos que inclui a noção de que as
doze tribos de Jacó tornar-se-ão “um só povo do Senhor, com uma só língua”.
O contexto aqui, entretanto, não é apocalíptico, mas fortemente nacionalista.
A salvação redundará num novo reinado (num rei político que reinará) livre do
jugo estrangeiro. Mas, note-se, ainda haverá estrangeiros.
c) O hebraico como língua original da humanidade. O Livro dos Jubileus (150
a. C.) contém a mais antiga referência ao hebraico como a língua original da
humanidade (uma noção que, como veremos, parece implícita na filosofia da
linguagem do Benjamin pré-marxista. Vide nota 5 abaixo, e o texto que a ela
remete). Nesse texto, o hebraico é ensinado a Abraão por um anjo (i.e., por
Deus), depois de a língua ter estado perdida por séculos, desde “a Queda”.
d) O hebraico como a língua esquecida, de uma pregressa civilização de harmonia.
O mesmo Livro dos Jubileus traz a noção de que tendo aprendido o hebraico,
Abraão pode estudar antigos documentos (pré-Queda?!) que eram, desde o
desaparecimento do hebraico e até então, incompreensíveis.
e) A língua (tongue) sagrada. A mais antiga ocorrência conhecida da expressão “língua
sagrada” [leshon haqodesh], que é tão freqüente na literatura rabínica, está num
dos manuscritos do Mar Morto, ou seja, da comunidade essênia de Qumran. De
todas as noções precursoras (e respectivos textos) que ora analisamos, esta é a
mais importante para o que aqui nos concerne. O manuscrito em pauta (4Q464)
está bastante danificado e a expressão “língua sagrada” aparece isolada, num
fragmento que contém unicamente essa frase. A linha logo abaixo, entretanto,
que muito provavelmente pertence ao mesmo contexto, contém uma citação
de Sofonias (Sf 3, 9) “E então eu tornarei a linguagem dos povos numa pura
Capítulo 5 127

linguagem” (Sf 3, 9 continua: “para que possam todos juntos invocar o nome do
Senhor, e servir o Senhor, todos juntos”). Ora, é bem claro que há um contexto
messiânico (de final dos tempos) no versículo de Sofonias. E se considerarmos
que Qumran era uma comunidade que se isolara, “crendo que estavam vivendo
às vésperas do final dos tempos” [Eshel e Stone, 1993 (artigo em hebraico),
apud Aaron, 2003, p. 275], cabe a conclusão de que o primeiro uso conhecido
de “língua sagrada” traz as conotações: “o hebraico é a língua (tongue) sagrada,
e, muito provavelmente [também a conotação de], o Hebreu será a linguagem
(language) universal do fim dos tempos” (id.).
A conclusão, fundamental para nossa presente discussão, é que estamos diante
de duas noções distintas (que o autor desse texto de Qumran optou por aproximar):
a “pura linguagem” messiânica que é o conceito que aparece em “A Tarefa” e que é,
como veremos, o que está por trás da “língua única” de Rosenzweig ; e o hebraico
“língua sagrada”, aquela em que o judeu medieval espanhol [i.e., nativo de língua
árabe] Halevi escreveu os poemas que Rosenzweig traduziu, e aquela cuja secularização
(ou conseqüências dessa secularização) é a preocupação de Scholem em 1926, na
carta que enviou a Rosenzweig.
Mas passemos das noções precursoras ao conceito em si, rabínico, da “língua
sagrada”. Seu moto foi o desuso em que caiu o hebraico como vernáculo na própria terra
de Israel, nalgum momento do período pós-helenístico que não pode ser estabelecido
com precisão. No entanto, a discussão acerca de se, e porque, o hebraico foi dando
lugar ao aramaico ou ao grego na Palestina romana parece estéril. A solução dada
por alguns estudiosos foca-se mais num processo, que se convencionou denominar
diglossia, e que lembra muito (ou, talvez, corresponda exatamente a) as heteroglossias
de Bakhtin (vide Cap. 3, sec 6, pp. 74-75) .

Isso [o fenômeno da diglossia] se dá quando distintas funções sociais exigem o


uso de diferentes línguas, todas elas línguas que o usuário domina, mas cada uma
delas usada de forma específica num contexto que a sociedade julga o apropriado
[para o uso daquela língua]. Assim, muito embora o hebraico, no mundo pós-bíblico
nunca mais serviria como a única língua de nenhuma comunidade judaica até o
séc. XX, seu status como língua religiosa permaneceu relativamente constante.
[...] [Com isso] estabeleceu-se uma dinâmica entre a língua falada [no dia a dia]
e a língua herdada da tradição que, por seu turno, transformou o significado da
expressão ‘a língua sagrada [tongue]’ [Aaron, 2003, p. 276].

De fato, eis aí uma interessante situação em que as heteroglossias de Bakhtin


coincidem com o que entendemos por (diferentes) línguas nacionais. O ponto a
ser ressaltado entretanto é que, embora essa “língua sagrada”, modificada pela
diglossia, ainda carregue as conotações de seus precursores acima descritos, e seja até
possível reconhecê-los (a esses precursores), como veremos, influenciando filosofias
da linguagem como as de Rosenzweig e Benjamin, ela é agora, essa língua sagrada,
Capítulo 5 128

basicamente, uma “língua da religião” que deve ser protegida do indevido uso em
contextos estranhos à religião.
Uma língua que acaba por se tornar mais que “linguagem”. Com o tempo, ela
se objetifica e se ritualiza, e passa a transcender o lingüístico. O Genesis Rabbah, um
comentário rabínico escrito em torno de 450 d. C, conclui que o hebraico é a língua da
Criação. Isso a partir de Gen, 2,23, o versículo em que Adão nomeia a mulher, “esta
será chamada Mulher (isha), porque [da costela] do homem (ish) foi tirada”. Aaron
ressalta que o racional por trás dessa conclusão é bastante claro:

A ligação fonológica entre ‘isha’ e ‘ish’ só poderia ser possível se a língua que
contém essas duas palavras estivesse na origem do processo da criação. Como
outras línguas não possuem essa conexão entre as palavras para homem e mulher
concluiu-se que os significados e os sons das palavras hebraicas deveriam ser
parte integral da ordem do universo (Aaron, 2003, p. 280, grifo meu)5.

De fazer parte da ordem do universo, a influenciá-la, é um passo. No Talmud


da Babilônia, de cerca de 600 d. C., já se pode reconhecer a objetificação. A letra
hey que é adicionada ao nome de Abraão (de “Abrão” a “Abrahão”), diz o Talmud,
provê o patriarca de maiores poderes sobre o corpo. Na mesma época o Hekhalot,
um texto basicamente litúrgico, enfatiza o poder isolado de nomes e letras. Estamos
já num âmbito de misticismo e até magia,

completamente fora das rubricas da semântica e da sintaxe. [...] muitas das


sentenças e fórmulas envolvem conjuntos de fonemas que resultam totalmente
desprovidos de sentido. [...] Dá-se uma transformação da noção usual de
semântica. Com a ritualização o significado não se encontra só no valor semântico
das palavras mas também no ato em si de recitá-las [...] algo assim como uma
espécie de meta-semântica (Aaron 2003, pp. 282, 283, 284, grifos de Aaron).

Com isso fica clara a natureza da distinção que procuramos apontar mais acima,
entre “língua sagrada” e “pura linguagem”. A língua sagrada—no caso o hebraico—chega
a transcender o lingüístico, atinge o âmbito do ritualístico e do teológico, e com isso
já se entende a natureza, e a razão, da preocupação de Scholem em 1926 ao constatar
a secularização do hebraico relatada na carta a Rosenzweig.
E, sobretudo, se entende a frase—que no Cap. 2 qualificamos de perigosa,
melancólica e paradoxal num tradutor—de Rosenzweig a Gershom Scholem em carta
de 1921, (vide Cap. 2, sec. 4, p. 45): “O hebraico[, por ser a língua sagrada], mesmo
sem ser entendido, lhe proporciona [a quem recita o Tischdank sem compreendê-
lo] mais do que a melhor das traduções”. O hebraico que Rosenzweig prefere não
5
É interessante notar que Benjamin menciona essa mesma passagem bíblica em “Sobre a Linguagem
em Geral e a Linguagem Humana” (Benjamin, 2000b, 155). Benjamin, no entanto, não está naquele
texto preocupado com a valorização do hebraico. Seu ponto é a participação ativa que o primeiro
homem tem na Criação, participação que, Benjamin busca ressaltar, tem um cunho fundamentalmente
lingüístico. Não obstante, o alemão de ‘Isha’, para Bejamin é Mänin, para que a ligação fonológica
permaneça.
Capítulo 5 129

traduzir para o alemão não é mais uma língua. É um objeto sagrado do ritual, algo
que extrapolou o nível do lingüístico.
Já a “pura linguagem” é de fato “linguagem”—e não “língua” específica—, é a
competência lingüística, e permanece no nível lingüístico. É dentro do lingüístico que
ela se purifica, e a ferramenta que constrói essa purificação é, na visão do Benjamin
de “A Tarefa”, a Tradução. Não obstante toda a teologia que se sente estar por trás
de “A Tarefa” e de “Sobre a Linguagem Geral e a Linguagem Humana”, Benjamin não
sai do lingüístico.
Na realidade, sua teologia, e até sua metafísica, é que se inserem num
linguistic turn. Vejamos isso.

5. Teologia da Linguagem, teologia na linguagem

“Sobre a Linguagem Geral e a Linguagem Humana” [Benjamin, 2000b, pp.


143-165, doravante “A Linguagem”] foi redigida no final de 1916 sob forma de carta
a Gershom Scholem—o autor tinha então 24 anos e o destinatário 19—, e permaneceu
inédita em vida do autor. Rainer Rochlitz, revisor da tradução francesa por M. Gandillac,
julgou importante deixar registrado numa nota inicial que “o texto permanecerá uma
fonte de inspiração e uma referência para a reflexão de Benjamin até os anos trinta,
época na qual ele reverá sua teoria da linguagem num sentido mais materialista, com
‘Sobre o Poder da Imitação’ [que é de 1933]” [id. p. 142, vide nota 1, acima].
E, de fato, “A Linguagem” apresenta uma teoria em que “se pressupõe [como
na Bíblia, que] a linguagem [é] uma realidade última, inexplicável, mística, que não
pode ser observada a não ser em seu desenvolvimento” [id. p.152]. É essa a teoria da
linguagem na qual a teoria da tradução exposta em “A Tarefa” se insere.
Trata-se, na realidade, de um radical linguistic turn, filosófico, teológico e
metafísico. Tentemos resumir (num longo parágrafo) a mensagem desse novo método
que busca conceber “toda manifestação da vida [...] como uma espécie de linguagem,
e que, como todo verdadeiro método, tem o efeito de formular os problemas de uma
maneira nova” [Benjamin, 2000b, p. 142].
Na linguagem, a rigor nas linguagens—e não simplesmente através dela(s)
(e essa distinção é fundamental)—se expressa a essência espiritual de tudo quanto
existe (e não apenas a essência espiritual do homem, pois tudo quanto existe tem
sua linguagem própria). Essas essências espirituais são de natureza lingüística (e
um momento chave do texto se dá na demonstração dessa identidade lingüístico-
espiritual). Dentre elas, a essência espiritual (= essência lingüística) do homem,
que se expressa em sua linguagem humana que nomeia, é a mais elevada de uma
gradação de essências. No nome, a essência espiritual do homem se comunica com
Deus. Esse “verbo humano” que nomeia, conhece, no nomear, imediatamente e
Capítulo 5 130

em estado puro, aquilo que Deus cria. Ou seja, na Criação a função de Deus é a de
criar mas há também na Criação uma função que é do homem (não decaído): a de
nomeando, conhecer o que é criado (e conhecê-lo no nome)6. O pecado original é a
denotação, o fato de que a palavra humana passa a comunicar alguma coisa que não
está em si mesma (palavra), ou seja, passa a denotar alguma coisa fora de si, acerca
da qual ela (palavra) apenas se refere. Essa imediatez que o nome/palavra perde é
substituída por uma imediatez “lesada, [a do] julgamento [isto é ou não é bom, é ou
não o que parece ser?], que não se beneficia mais do bem-aventurado repouso em si
mesmo” [id., p. 161]. Assim, a linguagem passa de essência a meio (de referência),
com isso “são lançadas as bases de sua pluralidade, e daí é só mais um passo até a
confusão das línguas [humanas]” [id. p. 162]. A última frase de “A Linguagem” é: “Toda
linguagem superior [a outras] é tradução de [alg]uma linguagem inferior [a ela], até
que se desenvolva em sua claridade última o verbo de Deus que é a unidade desse
movimento da linguagem.” [id., p. 165].
A referência que nessa última frase se faz a uma variedade de linguagens não
é à pluralidade babélica, horizontal, das línguas humanas (que é mencionada, esta
última, na citação imediatamente anterior). Aqui a pluralidade é vertical e metafísica,
da linguagem das coisas à linguagem do homem, na qual a linguagem humana, como
mencionado acima, é a mais elevada de uma “gradação de toda essência, tanto
espiritual quanto lingüística, segundo graus de existência ou ser, como aqueles [à
la Great Chain of Being] a que a escolástica já estava acostumada” [id. p.150]. E a
tradução

É a tradução da linguagem das coisas na linguagem do homem. É necessário que


se funde o conceito de tradução ao nível mais profundo da teoria lingüística,
pois ele tem porte e potência demais para que venha a ser, como às vezes se
pensa, tratado num segundo momento [ou ‘deixado para depois’, ‘traité aprés
coup’ na trad. francesa]. [id., p. 157, grifo meu].

O que vai dois parágrafos acima é, é claro, uma grande simplificação7 de


um texto de extrema beleza e tão ou mais denso do que “A Tarefa”. No entanto,

6
“Deus criou o homem à sua imagem, criou aquele que conhece à imagem daquele que cria.” [id.,
p. 154].
7
Uma específica simplificação que merece ser aqui registrada é a identificação que, quase que de plano,
fizemos entre essência espiritual e essência lingüística. Benjamin inicia distinguindo-as, e comentando
inclusive que essa é usualmente “a distinção que, logo à origem, se faz num estudo teórico sobre a
linguagem” [p. 144]. Tece a seguir um longo argumento para chegar a que “o nome garante que a
linguagem é tão simplesmente a essência espiritual do homem” [p. 148, grifos de Benjamin], e finalmente
concluir, mais adiante, que toda essência espiritual, “mesmo a das coisas” [p. 149], é uma essência
lingüística e que “Não existe [um] conteúdo da linguagem; como comunicação, a linguagem [mesmo
a das coisas] comunica uma essência espiritual, ou seja pura e simplesmente uma comunicabilidade”
[p. 150, grifos de Benjamin]. Embora Benjamin não tenha ainda a esta altura deixado claro, estamos
aqui no âmbito da linguagem não decaída, aquela na qual a linguagem humana nomeia (e conhece)
diretamente, não refere (vide acima, logo a seguir no texto e esp. a nota seguinte).
Capítulo 5 131

espera-se, tem-se aí pelo menos um registro resumido da trajetória do argumento de


Benjamin, um argumento que é uma ode de confiança na linguagem. Cabe agora que
no restante desta seção busquemos destacar, do todo do texto, o que é especialmente
relevante para a leitura de “A Tarefa”, o que nesse texto há de novidade (e fonte
de estranhamento), e—em especial—as aproximações cabíveis com o pensamento de
Rosenzweig.

5.1 A novidade em “A Linguagem” e sua relevância para “A Tarefa”

Desde logo, nota-se um, digamos, menosprezo pela denotação em favor de


uma expressão “na” linguagem, ou seja, imediata e intrínseca à linguagem. “No”
nome, ou seja “na” linguagem, intrinsecamente—e nunca “através” dela—, é que a
essência espiritual do homem se comunica com Deus [p. 147]. E “nisto”, neste assim
comunicar “na” linguagem, está a essência espiritual do homem, que é igualmente
essência lingüística, e que é sua linguagem humana. Assim, “o alemão [uma dentre as
plurais línguas humanas decaídas] não é de forma alguma a expressão de tudo o que
por ele cremos poder exprimir, mas é antes a expressão imediata daquilo que nele se
comunica. Este ‘se’ é uma essência espiritual” [id., p. 143, grifos de Benjamin].
É nesse menosprezo pela denotação em “A Linguagem” que se funda, por
um lado, o aspecto secundário que a “restituição do sentido” terá em “A Tarefa do
Tradutor”. Por outro lado, podemos dizer que no “‘se’ [que] é [a] essência espiritual
[do alemão]” em “A Linguagem”, está “a visada [parcial], a intenção, que cada língua
[humana], tomada em seu todo, tem da pura linguagem” em “A Tarefa” [Benjamin,
2000a, trad. fran., pp. 250-251, grifo meu]. Pura linguagem que, já se vê, é a Linguagem
(competência lingüística) “desenvolv[ida] em sua claridade última, a unidade desse
movimento da linguagem8” [Benjamin, 2000b, p. 165].
Esse “movimento da linguagem” é, em “A Linguagem”, um movimento vertical,
da linguagem das coisas à linguagem do homem, que a tradução conceituada “ao nível
mais profundo da teoria lingüística” [id., p.157] promove. E é, em “A Tarefa”, uma
evolução a partir do plano horizontal da pluralidade das línguas humanas em direção
à pura linguagem, que “[a] Tradução [que] é uma forma” [Benjamin, 2000a, p. 245]
promove ao instanciar-se na tradução de uma obra literária maior, graças ao tradutor
que, como Rosenzweig, cumpre a Tarefa.
8
Relevante nesse aspecto é uma frase de Benjamin em “A Linguagem”: “O homem é aquele que
nomeia, e nisso reconhecemos que por sua boca fala a pura linguagem.” [id. p. 148]. Esse, é claro, é
ainda o homem pré-queda, já que “o pecado original é a hora natal do verbo humano, aquele [verbo]
no qual o nome não vivia mais intacto, aquele [verbo] que saía para fora da linguagem que nomeia,
para fora da linguagem que conhece, [para fora], pode-se dizer, de sua própria magia imanente, para
se fazer mágica expressamente, [e], por assim dizer, a partir de fora. A palavra deve agora comunicar
qualquer coisa (para além [i.e., desde fora]) de si mesma” [id., p. 160]. Ou seja, expulsa do paraíso
da pura nomeação, a palavra se vê condenada à denotação e à referência. Sem dúvida, eis aí uma
teologia da linguagem.
Capítulo 5 132

Com isso já nos adiantamos um pouco mais do que devíamos numa análise
de “A Tarefa” que como dissemos, e à luz de Rosenzweig, levaremos parcialmente
a cabo na seção 6 (o leitor interessado numa análise de todo o texto de “A Tarefa”,
deverá, ao fim da seção 5, dirigir-se ao Apêndice deste trabalho). Basta, portanto,
da novidade em “A Linguagem” e sua relevância para “A Tarefa”.

5.2 “A Linguagem” de Benjamin e o pensamento de Rosenzweig

Vejamos agora o que em “A Linguagem” se aproxima do pensamento de


Rosenzweig.
Na medida em que “A Linguagem” é um texto de base, a aproximação com
Rosenzweig se dá em linhas básicas e, bem por isso, significativas. Ainda que não
desenvolva algo tão inovador quanto o pensamento gramático que molda as análises
que Rosenzweig faz do Gênesis e do Cântico dos Cânticos (as quais detalhamos no Cap.
4), Benjamin, sem dúvida—e pelo menos dois anos antes de Rosenzweig—desenvolve
também uma teologia, dentro de um franco linguistic turn.
Benjamin deixa isso claro logo nas primeiras linhas ao referir-se à sua nova
concepção (“toda manifestação da vida do espírito humano9 pode ser concebida como
uma espécie de linguagem”) como um “verdadeiro método [...]que tem o efeito
de, por toda parte, dar uma nova formulação a [velhos] problemas” [p. 142]. Nesse
sentido, inclusive, Benjamin mostra ter mais consciência metodológica do que a que
tinha Rosenzweig ao redigir A Estrela. Foi preciso que se passassem quatro anos da
publicação de sua obra-prima, para que Rosenzweig se dispusesse—ao que tudo indica
a duras penas—a explicitar em “O Novo Pensamento” a revolução metodológica que
A Estrela, ao empregar o speech thinking e o método gramático, representara.
No que respeita a algumas aproximações bem visíveis entre Rosenzweig e
Benjamin, há os fatos óbvios de que ambos são teístas e que ambos usam um mesmo
relato Bíblico—o da Criação no Gênesis—como uma das bases de reflexão. Note-se,
inclusive, que um mesmo versículo, Gen, 1, 31, é para ambos chave10.

9
Talvez caiba repisar aqui algo que já estará óbvio: “toda manifestação da vida do espírito humano”
implicará que uma infinidade de coisas “podem ser concebidas como uma espécie de linguagem”,
como Benjamin, famosamente, logo tratará de deixar claro ao falar “da linguagem desta lâmpada”,
a linguagem de uma coisa bem específica e que, portanto—como já deve ter ficado bastante claro a
esta altura—, é uma outra linguagem que não a humana. “A linguagem desta lâmpada não comunica a
lâmpada, comunica a lâmpada lingüística” [p. 145]. A lâmpada não é comunicável, somente sua essência
lingüística (= espiritual) o é. Eis aí, sem dúvida, uma nova formulação para um velho problema. E um
franco linguistic turn.
10
E, nesse sentido, o que vai em “A Linguagem” (Benjamin, 2000b, pp. 159-160) ajuda a elucidar a
críptica última frase do Livro 1 de A Estrela [Rosenzweig, 1970, p. 155] que diz: “[...] ‘vêde, é muito
bom!’ ‘Muito’ [por ser um comparativo], ensinam nossos sábios, ‘muito’—isso é a morte” (vide acima,
no Cap. 4, sec. 6, p. 103, acerca dessa frase de transição da Criação à Revelação em A Estrela). Para
Benjamin, o conhecimento (comparativo) “do que é bom e do que é mau” que, no Gênesis, o fruto
proibido propicia, é um conhecimento “vão” que “não tem nome”, já que Deus já constatara ao fim
Capítulo 5 133

Mas há também visíveis diferenças: para Benjamin, o relato da Queda, também


parte do Gênesis, é o que será importante para explicar porque a pura linguagem da
nomeação se tornará decaída, fora de si, expulsa para a referência (vide notas 8 e
10). Para Rosenzweig, o Cântico dos Cânticos é que será focal, e nesse caso à luz da
noção de Revelação, que é o fulcro de A Estrela (Cap. 4, secs. 6, 7 e 8).
Há, aliás, essa óbvia diferença, o fato de que enquanto A Estrela é um
monumental sistema teológico-filosófico, “A Linguagem”—ainda se tomada em conjunto
com “A Tarefa”, e ainda que sejam, ambas, “A Tarefa” e “A Linguagem”, seminais—não
passa de um texto curto. Nessa medida, A Estrela e “A Linguagem” mesmo quando
aproximadas em pontos específicos, são, sob certo aspecto, incomensuráveis.
E no que concerne os respectivos linguistic turns, ainda que encarados
apenas sob o aspecto da “virada teológica”—já que o teológico é o mais proeminente
em “A Linguagem” de Benjamin—há uma diferença (neste caso, mais sutil). Em
Rosenzweig a linguagem é mais um organon, um poderoso ferramental para pensar-
se (gramaticamente) uma realidade que é multifacetada e existencial (Cap. 4, sec.
7.2, pp. 105, 107; sec. 8 p. 114). Em Benjamin a linguagem é o conceito metafísico
chave, aquele que ancora a manifestação da “vida espiritual” (a qual, tomada num
senso lato, abarca toda a Criação). Assim, pode-se dizer que enquanto Benjamin faz
uma teologia da linguagem, Rosenzweig faz uma teologia na linguagem.
Seja como for, bem visíveis ou mais sutis, essas diferenças são superficiais
se comparadas à profundidade dos dois pontos de aproximação entre A Estrela e
“A Linguagem” que devem ser especificamente ressaltados. À parte a consideração
da proximidade em si, essa análise nos propiciará mais algum aprofundamento nas
filosofias da linguagem de ambos os autores e a derivação de um conceito chave para
o que se seguirá neste trabalho.
Os pontos a serem considerados são: o fato de que a Revelação, fulcro de A
Estrela, é crucial em “A Linguagem” e o fato de que o Nome, fulcro de “A Linguagem”,
é crucial em A Estrela.

5.2.1 A Revelação em “A Linguagem”

A Revelação é o cerne da filosofia de Rosenzweig. É o moto de seu trabalho de


tradução, o quê a ser preservado no texto traduzido, a razão de ser do desenvolvimento
e da aplicação de suas técnicas tradutórias. Tudo isso tem sido mote do presente
trabalho. Mais ainda, e como também visto, para Rosenzweig a Revelação é a Linguagem
(Cap. 4, sec. 7, p. 104).

do sexto dia que “isto [a Criação] é muito bom”. Esse vão “conhecimento exterior [do bem e do mal]
abandona o nome”, nele “o nome sai de si mesmo”, decai e se sujeita à morte.
Capítulo 5 134

Ora, o conceito de revelação é também um ápice de “A Linguagem” de


Benjamin, embora apareça em apenas um trecho do texto e não tenha, portanto, a
ubiqüidade que têm no desenrolar da argumentação, p. ex., os conceitos de “nome”,
“nomeação”, “essência espiritual” e “essência lingüística”.
A Revelação surge em “A Linguagem” ao cabo da longa argumentação a que
aludimos na nota 7 acima, que conclui pelo equacionamento da essência espiritual
humana a sua essência lingüística: a essência espiritual do homem é sua essência
lingüística. E é interessante notar como a Revelação é para Benjamin, ao mesmo tempo,
causa e conseqüência dessa identidade. Vale aqui a citação de um longo trecho:

Mas se a identificação da essência espiritual com a essência lingüística é, para


a teoria da linguagem, de um tal importe metafísico, é porque ela conduz a esse
conceito que jamais cessou de se lançar-se a si mesmo ao centro da filosofia
da linguagem e [assim] constituir-se na ligação mais íntima dessa filosofia
com a [filosofia] da religião, refiro-me ao conceito de revelação.—No interior
de toda criação lingüística reina o conflito entre o exprimido e o exprimível de
um lado, e o inexprimido e o inexprimível do outro. Uma vez que se contempla
esse conflito, é na perspectiva do inexprimível que se vê, desde logo, a última
essência espiritual. Ora, é claro que identificar-se a essência espiritual com a
essência lingüística é igual a contestar-se essa relação de proporcionalidade
inversa entre um [expressão] e outro [espiritualidade], de tal sorte que a expressão
lingüística mais existente, [...] [ou seja,] a mais expressa, é ao mesmo tempo o
puro espiritual. Mas é precisamente isso que significa o conceito de revelação,
uma vez que [esse conceito] toma o caráter intangível do verbo como [sendo]
a única e suficiente condição, e [como sendo a própria] característica, da
natureza divina que se exprime nele [verbo, palavra de revelação]. O mais
alto domínio espiritual é [dessa forma] (no conceito de revelação), ao mesmo
tempo o único que ignora o inexprimível. Pois ele é interpelado no nome e
se exprime como revelação. Ora o que assim se anuncia, é que [...] a mais alta
essência espiritual, tal como se manifesta na religião, repousa exclusivamente
sobre o homem e sobre a linguagem nele [que é uma linguagem perfeita, sonora
e acabada (enquanto palavra de revelação)]; enquanto que toda arte, inclusive
a poesia, repousa, não sobre a última substância do espírito lingüístico, mas,
certamente sobre a beleza acabada [achevée], sobre o espírito lingüístico das
coisas [i.e., sobre as linguagens das coisas, que são linguagens imperfeitas e
mudas]. ‘Língua, mãe da razão, diz Hamann, e revelação, seu alfa e seu ômega’.
[id., p. 151, negritos meus, itálicos de Benjamin. Para o que vai nos dois últimos
colchetes, vide p. 152].

As aproximações do trecho acima com Rosenzweig são várias, e significativas:


a revelação como cerne da doutrina (“o mais alto domínio espiritual [implica] (no
conceito de revelação)”), e da linguagem (uma linguagem accomplished “que ignora
o inexprimível”). A interpelação pelo nome que se exprime em revelação, ápice
de essência espiritual (vide em Rosenzweig acima no Cap. 4, sec 7, pp. 109-110):
“o chamado é enviado ao nome próprio. Agora chamado pelo nome ele responde,
totalmente aberto, totalmente disponível, [...], totalmente [...] alma [...]: ‘Eis-me
Capítulo 5 135

aqui!’”). A revelação que faz o homem transitar da linguagem das coisas à linguagem
humana, (em Rosenzweig, id., “o self mudo matura-se em alma eloqüente, nisso
reconhecemos o acontecimento da Revelação”).
Finalmente, quanto à sentença crucial desse trecho de Benjamin, “o conceito
de revelação toma o caráter intangível do verbo como [sendo] a única e suficiente
condição [...] da natureza divina que se exprime nele. [Assim sendo,] o mais alto
domínio espiritual é (no conceito de revelação), ao mesmo tempo o único que ignora
o inexprimível”, Rosenzweig tem uma frase que a sintetiza: “O conteúdo primordial
da Revelação é a própria Revelação” (Rosenzweig em carta de 5/05/1925 a Buber,
apud Wyschogrod, 1998, p. 129).
Ainda no que respeita a essa proximidade de Benjamin com Rosenzweig nas
respectivas conceituações da Revelação, cabe uma nova citação um pouco extensa.
Trata-se de trecho de um artigo de Rosenzweig, “Escritura e Palavra”, do final de
1925, acerca da tradução da Bíblia. O trecho é suscitado por uma discussão prévia
acerca da técnica tradutória da colometria, e quer fazer ver que na linguagem da
Bíblia há momentos de um “espírito de prosa” (que é espírito de revelação). Nesses
momentos o poético não cabe:

Para nós, o movimento respiratório da fala natural (natural speech) precisa às


vezes quebrar o passo de dança, métrico, da poesia. [...]

Pois a poesia é de fato a língua mãe da raça humana; não é necessário que
rejeitemos aqui os insights de Hamann e Herder. Mas apenas da raça. Mesmo
hoje em dia a linguagem de toda criança é originalmente lírica e mágica, a
arrebatada erupção do sentimento e o poderoso instrumento do desejo, ambos
freqüentemente [expressos] num único som, e, se expressa na mesma palavra,
então apenas, e precisamente, no soar dessa palavra. Mas a criança só se torna
adulta quando através desse Ursprache irrompe a não-lírica e não-mágica plenitude
da palavra, igualmente alheia ao canto e ao recitar do provérbio. [...] de dentro
da língua original da raça humana irrompe a linguagem da humanidade no ser
humano, a linguagem da palavra [de Revelação]. [...] A palavra que não pode
tolerar métrica, porque nela a alma irrompe sem medida, [a alma] é falada
através dela [palavra], e fala [a alma] a partir dela [palavra]. Havia prosa
antes, e fora, da Bíblia: [era] uma não-poesia, mas não [era] a fala liberta, não
[era] sem medida, [era] apenas desmedida. Toda poesia que tem sido escrita
à luz da Bíblia—e, de fato a poesia mais que a prosa, Judah Halevi mais que
Maimonides, Dante mais que Aquino, Goethe mais que Kant—tem sido animada
pelo espírito de prosa da Bíblia. [Rosenzweig (1925) in, Buber e Rosenzweig,
1994, pp. 45-46].

Note-se quanto paralelismo entre esse trecho de Rosenzweig e o anterior


de Benjamin: a transição de uma “língua da raça”, lírica, poética (“da arte e sob o
espírito língüístico das coisas”, diríamos à luz do trecho anterior de Benjamin em “A
Linguagem”), para uma “linguagem da humanidade” (que “se exprime como revelação
Capítulo 5 136

e repousa exclusivamente sobre o homem e sobre a linguagem nele”, no trecho de


Benjamin). E, em Rosenzweig, “a palavra que não pode tolerar métrica, porque nela
a alma irrompe sem medida, [a alma] é falada através dela [palavra], e fala [a alma]
a partir dela [palavra]”, pode, certamente, ser entendida como uma afirmação da
“identidade da essência espiritual com a essência lingüística” que é fundamental para
o Benjamin de “A Linguagem”.
Enfim, no conceito de Revelação—que é fundamental para Rosenzweig e que
aparece como básico num ponto crucial de “A Linguagem” de Benjamin—, as filosofias
dos dois autores convergem.

5.2.2 O nome em A Estrela

De nossos comentários anteriores acerca de “A Linguagem”, fica claro que nome


e nomeação constituem um conceito fundamental para a argumentação de Benjamin.
Inclusive, o fulcro do texto, qual seja a identidade entre essência lingüística e essência
espiritual, é argumentado a partir de três pontos nos quais figuram com proeminência
o nome e a nomeação. Convém que examinemos brevemente os passos do argumento
para que se avalie o peso que Benjamin dá ao conceito “nome/nomeação”:
a) a nomeação é característica da linguagem humana (e só dela), e assim a essência
lingüística do homem consiste em que ele nomeia as coisas. Ademais, “o nome
[tem uma] significação incomparável, [ele] é a mais íntima essência da linguagem
em si” [Benjamin, 2000b, p. 147, grifos meus];
b) a linguagem como referência e denotação é uma “concepção insustentável,
burguesa e decaída da linguagem” e, dado a) acima, é preciso que se faça valer
“uma outra concepção [que] não conhece meio, nem objeto, nem destinatário
da comunicação”: não é através da, mas na linguagem que a essência espiritual
se comunica. Assim, “no nome a essência espiritual do homem se comunica a
Deus” [id., negritos meus, itálicos de Benjamin];
c) daí que, como já registrado mais acima nesta seção, o “nome garante que a
linguagem é tão simplesmente a essência espiritual do homem”. Dessa forma,
a essência lingüística e a espiritual coincidem, e “o nome resume em si essa
totalidade intensiva da linguagem como essência espiritual do homem” [id., p.
148, negritos meus, itálicos de Benjamin]. Ou seja, é partir do nome, no nome,
que a essência espiritual do homem é linguagem, e só linguagem.
Ademais, como já visto pouco acima na sub-seção 5.2.1, Benjamin busca ressaltar
a conexão fundamental entre três conceitos, quais sejam, o ápice do espiritual—e
portanto da linguagem—, o nome, e a revelação: “O mais alto domínio espiritual é
(no conceito de revelação), ao mesmo tempo o único [domínio espiritual] que ignora
Capítulo 5 137

o inexprimível [na linguagem]. Pois ele é interpelado no nome e se exprime como


revelação.” (vide p. 134 acima).
Pois bem, se o conceito de Revelação aparece assim em Benjamin num
momento crucial da discussão do conceito de nome/nomeação, conceito este que é o
onipresente pano de fundo de “A Linguagem”, com Rosenzweig ocorre o complementar.
O conceito de nome surge num momento absolutamente crucial da discussão do
conceito fundamental de A Estrela, qual seja, o conceito de Revelação.
Convém que consideremos esse momento crucial de A Estrela. Um trecho
de pouco mais de duas páginas—o que seguirá abaixo são excertos—, pleno de um
pensamento gramático, dialógico e existencial, em que o “nome” migra de nome
comum, a nome próprio e ao nome de Deus. Trata-se, ademais, de um dos trechos
de A Estrela em que o fulcro da filosofia de Rosenzweig é colocado de uma forma
especialmente forte, concisa e feliz, como o próprio autor mais tarde reconheceria.11
Nem por isso é um trecho fácil. Mas é, especialmente para o que aqui nos concerne,
um magnífico trecho de Rosenzweig, no qual Benjamin ecoa em tantos momentos:

A linguagem da revelação fala. A linguagem da criação de-lineia, re-lata,


de-termina. [...]A criação fundou-se como ato, e com isso atingiu seu clímax
num passado. A esse tempo verbal [to this tense] [passado] corresponde aqui
[na revelação] de forma dominante o presente. A revelação é do presente,
ela, de fato, é em si um estar presente [...] uma experiência no presente.
[...] [Ademais,] a forma [gramatical] de predicado não cabe [agora] de forma
alguma à experiência [da revelação], embora tivesse sido cabível quando da
criação. O [modo] imperativo pertence à revelação assim como o indicativo à
criação. O que soara [...] como um monológico ‘tratemos de [criar]’ na criação
do homem por Deus, chega à plenitude do Eu e Tu do imperativo da revelação.
[...] O verbo [aqui, uma classe gramatical] não mais exprime a ocorrência;
agora ele serve para exprimir experiência. E assim o nome [noun], de objeto,
passa a sujeito. Seu caso agora é o nominativo e não mais o acusativo. Como
objeto de experiência, [...] o nome deixa de ser coisa, [...] [não mais é]
coisa entre coisas [plurais. Não mais é parte da pluralidade]. Agora é sujeito,
e portanto algo [de natureza] individual. Por princípio [o nome] agora ocorre
no singular. É algo, [...] ou melhor, alguém individual. E justamente isso era o
que se antecipava quando da criação do homem à ‘imagem de Deus’.
Com a interpelação pelo nome próprio [aqui há no texto a transição de noun a
name] a palavra de revelação entrou no diálogo real [de palavra e resposta].
[...] Aquele que tem nome próprio não pode mais ser uma coisa, [...] [pois]
carrega consigo seu aqui e seu agora, [...] onde quer que abra a boca, lá existe
um começo [...] uma base para a absoluta certeza [que tem o indivíduo que vive
uma] experiência, de que possui [o] seu próprio espaço e seu próprio tempo [nos
quais uma dada experiência, no caso, a da revelação na vida daquele indivíduo,
é vivida]. [...] A experiência pessoal vivida, que é ligada ao nome próprio exige,
portanto, um fundamento na [...] revelação histórica. [...] Deve haver um ‘onde’

11
Em carta de fevereiro de 1922 a Margaret Susman [G. S.: Briefe und Tagebücher: 2. Band, 752 apud
Galli, p. 497, n.23].
Capítulo 5 138

no mundo, um ponto ainda visível de onde a revelação lança seus raios [um centro
no espaço, portanto], e um ‘quando’, um momento que ainda ecoa, no qual a
revelação pela primeira vez abriu sua boca [um princípio no tempo, portanto].
Ambos [esse ‘onde’ e esse ‘quando’] devem ter sido—outrora—uma só e mesma
unidade, um algo tão uno, quanto o é a minha [vivência da] experiência atual.
[Esse algo uno] é que dá à minha experiência um fundamento firme. Em seu
after-effect, o ‘ter tido lugar’, espacial, da revelação e o seu temporal ‘ter-se
dado’ vivem hoje em meios separados, o primeiro na congregação de Deus [na
comunidade reunida], o segundo na palavra de Deus [na Bíblia]: há um tempo,
entretanto, ambos ter-se-ão fundido de um só golpe. Pois esse fundamento da
revelação, que, uno, é princípio e centro, é a revelação do nome divino. É
do Nome de Deus que a comunidade constituída e a palavra constituída vivem
até hoje, até o presente instante, e até a experiência [de revelação na vida]
individual de cada um. Pois o nome é, na verdade, palavra [verbum, wordt] e
fogo e não ruído e fumaça, como sustenta, em sua obstinada vacuidade aquele
que não crê. É o Nome [de Deus] que é preciso nomear; é dele que se deve
confessar: eu creio.” [Rosenzweig, 1970, pp. 185-188. Vide também Rosenzweig,
2003, pp. 263-266. Grifos meus].

A riqueza do que vai acima é considerável. Desde logo, a proximidade com


Benjamin fica patente nessa verdadeira ode ao “nome”. Aqui também, como em
Benjamin, alguém (num dado momento central da história da revelação) é “interpelado
no nome [próprio]”, aqui também a revelação é só palavra [i.e., o nome divino] que
ignora o inexprimível e na qual se dá um conhecimento vivenciado e pleno “do mais
alto domínio espiritual” (vide p. 134 acima). Além disso—no que concerne à riqueza
desse trecho—, muito do que de melhor há em Rosenzweig em termos de pensamento
gramático aí se encontra (vide adiante n. 14, p. 141).
Mais do que tudo, entretanto, esse excerto nos permitirá constatar a profundidade
a que chega a proximidade entre as duas filosofias, e o ponto em que essa proximidade
se dá. Profundidade e ponto que correspondem aos da proximidade entre Bakhtin e
Benjamin, discutidos no Cap. 3. Vejamos o porquê.

5.2.3 Profunda proximidade maior: fulcros que se encadeiam.

O ponto chave está no grand final do trecho. Isso porque, à parte sua grandiosa
beleza, ele traz uma inequívoca demonstração de que estamos aqui, em Rosenzweig,
na linguagem de “A Linguagem”. Como em Benjamin, também para Rosenzweig não há
que valorizar denotação ou referência, pois não é através da, mas na linguagem que a
essência espiritual se comunica: “Pois o nome é, na verdade, palavra [verbum] e fogo e
não ruído e fumaça”, diz Rosenzweig. O nome não é um ruído que, contingentemente,
refere, mas sim uma palavra que é essencial, intensiva (vide p. 136, item c).
Capítulo 5 139

Se formos buscar a origem do contraponto que o autor faz entre “palavra e


fogo”, e “ruído e fumaça”, a intenção de Rosenzweig fica bem evidente. O incrédulo de
“obstinada vacuidade” do trecho acima é o Fausto (na parte 1 do Fausto de Goethe),
que Rosenzweig cita implicitamente, referindo-se ao momento em que no jardim de
Margarete, Fausto é questionado por ela quanto a se crê ou não em Deus. Fausto dá
então uma resposta na qual o nome (e a confissão de fé) é o de menos (aqui na tradução
inglesa de Latham, 1908, que Galli, 1995, p. 497, cita. Os grifos são meus):

Call it then what thou wilt!


Call it Bliss! Heart! Love! God!
I have no name for it!
Feeling is all in all!
Name is but sound and reek,
A mist round the glow of Heaven!

O “incrédulo vazio e obstinado” de Rosenzweig tem, assim, exatamente,


a mesma “concepção burguesa da linguagem”—a linguagem como meio para uma
referência contingente, como um ruído que refere—que Benjamin quer superar com
seu “método verdadeiro que propicia uma nova formulação aos [velhos] problemas”
(Benjamin, 2000b, pp. 142, 147).
O que esta, por nós assim denominada, “proximidade maior” tem de significativo
para a proximidade filosófica entre Benjamin e Rosenzweig—e para todo este trabalho—
merece ser bem enfatizado. É no cerne da filosofia da linguagem de Benjamin que
Rosenzweig está tocando, ao desprezar a referência e insistir na intensividade
intrínseca ao nome. Como vimos no início da sub-seção 5.2.2 (p. 136 acima), esses
são os elementos que permitem a Benjamin chegar ao fulcro de “A Linguagem”: a
identidade entre essência espiritual e essência lingüística.
Mas no que respeita a fulcros, há, conforme já visto, também um “ponto central”
de A Estrela. Como se recorda, no livro central da parte central de sua obra maior, a
parte que trata, é claro, da Revelação, Rosenzweig chega “à peça central deste livro:
a verdadeira palavra é palavra e resposta” [Rosenzweig, 1970, p. 174, grifos meus.
Vide tb. Cap. 4, sec. 7, p. 108)]. Foi inclusive essa “peça central” que propiciou-nos a
aproximação de Rosenzweig com Bakhtin e sua [de Bakhtin] “responsividade”, que é o
traço característico da noção central de “enunciado” nesse último autor. Pois bem, o
“Nome que é palavra e fogo”—tão próximo, como vimos, ao fulcro de Benjamin—tem
expressamente para Rosenzweig uma importância em A Estrela que se compara à da
“peça central, palavra e resposta”. Quem recuperou esse contexto foi Galli a partir
da carta de Rosenzweig a Margaret Susman mencionada na nota 11 acima, que está
disponível apenas no original alemão.
Susman utilizara o trecho que vai de “O nome é verdade [....]” até “[...]: eu
creio” (e que inclui “o nome que é palavra e fogo”) como epígrafe de sua resenha
Capítulo 5 140

de A Estrela, resenha que fora muito apreciada por um Rosenzweig já certamente às


voltas com a frustração que a fria (e para ele inesperada [!]) recepção de sua obra
lhe causava.
Rosenzweig escreve então a Susman para dizer-lhe o quão profundamente a
resenhadora demonstrava ter entendido A Estrela, ao ter pinçado “seu cerne” [its
kernel] para usá-lo como epígrafe. E disse recordar-se bem de que quando em 1918
redigira essa frase, o fizera com a consciência de que ela expressava “o coração”
[the heart] do livro.
Temos aí, portanto, um “ponto central” (a palavra que obtém resposta)
e um “cerne” (o nome que é palavra e fogo), expressamente reconhecidos
por Rosenzweig como sendo pontos chaves de A Estrela. Um deles é um fulcro
de Bakhtin: o enunciado e sua respondibilidade. O outro, o fulcro do primeiro
Benjamin: o nome, isto é, a palavra que é totalmente intensiva, e não um mero
e contingente referente.
As maiores proximidades entre as obras desses três autores ocorrem,
portanto, justamente em pontos fundamentais de seus respectivos pensamentos,
e a constatação desse fato é, cremos, um ponto central do presente trabalho.

5.2.3.1 O vértice é a Revelação em Rosenzweig

Mas se Rosenzweig surge como o elo central dessa cadeia Bakhtin-Rosenzweig-


Benjamin, é importante notar ademais que é a um mesmo e determinado ponto
dentro da obra de Rosenzweig—ao seu fulcro que é o conceito Revelação—, que se
conectam por um lado o enunciado de Bakhtin, por outro o nome de Benjamin.
Ou seja, não é a dois diferentes elos, a dois pontos distintos—como até seria de
se esperar12—do todo da obra de Rosenzweig, que se conectam Bakhtin e Benjamin, mas
a um e mesmo elo/ponto, que ademais é o fulcro dessa obra. Com isso a Revelação
em Rosenzweig, mais do que o elo central, torna-se o vértice do encadeamento
Bakhtin-Rosenzweig-Benjamin.
Tratemos então de aproximarmo-nos um pouco mais desse vértice/elo/fulcro
rosenzweigueano da Revelação e busquemos dissecá-lo mais a fundo, para verificar
de que forma ele de fato se liga, de um lado a Bakhtin, e de outro a Benjamin, e
entender as vertentes que se originam nesse vértice.
Um ponto importante que Rosenzweig ressalta nos excertos que são objeto
desta discussão, é que existem dois aspectos da Revelação (vide pp. 137-138 acima):

12
Por exemplo, uma primeira vista d’olhos indicaria que Bakhtin se aproxima de Rosenzweig pelo
dialogismo e Benjamin pela pura linguagem/ língua única. Entretanto, como se vê, a amarração—via
“nome” por um lado e “palavra-resposta” por outro—é muito mais forte e profunda. E se dá, como
vimos de mencionar acima e demonstraremos a seguir, a partir de um único ponto em Rosenzweig, que
é ademais o fulcro de sua obra.
Capítulo 5 141

a Revelação na palavra de Deus (i.e.: a que está no relato bíblico) e a Revelação na


vida (i.e.: aquela que ocorre na vida de cada específico indivíduo que vivencia uma
experiência de revelação)13.
Como se recordará (vide Cap 4, sec.7, item 7.2, p. 105), foi ao passar, em A
Estrela, ao âmbito de considerações acerca da Revelação da palavra de Deus, que
Rosenzweig precisou abandonar “a linguagem dos símbolos matemáticos” que lhe servira
tão somente para expressar as arché-palavras inaudíveis do âmbito da Criação.
A Revelação requereu “uma ciência de sons vivos, [...] a gramática” que
permitisse que das inaudíveis arché-palavras emergissem “palavras-raízes audíveis
[...] capazes de abarcar o real do real da língua”. Foi a derivação do Eu, a segunda
palavra-raiz audível a partir do arché-Não, que propiciou que se chegasse ao “ponto
central, palavra e resposta”. E como visto (Cap. 4, item 7.3, p. 108), é neste lado
do elo/vértice rozenzweigueano da Revelação, é a esta vertente, digamos, mais
lingüística da Revelação (a da Revelação na palavra bíblica), que se encadeia o
enunciado bakhtiniano.
A outra vertente, mais teológica e, digamos, vivencial da Revelação na
vida, é a que vai descrita no trecho de Rosenzweig que excertamos nas pp. 137-138
acima14. E é a este outro lado do elo/vértice da Revelação na obra de Rosenzweig que
se encadeia o nome, a palavra intensiva que é o fulcro da filosofia da linguagem de
Benjamin.
É, portanto, forte, profundo e bem amarrado esse encadeamento em que o
mesmo fulcro fundamental da obra de Rosenzweig junta-se de um lado a um fulcro
da filosofia de Bakhtin, e de outro ao fulcro da filosofia da linguagem de Benjamin. É
a esse sólido embasamento que vimos recorrendo para que se elucidasse (via Bakhtin)
o que é essa tradução dialógica que Rosenzweig pratica, e que é também a tradução
que Benjamin propugna.
E, é claro, há de ser também bem embasada toda inter-iluminação que esse
forte encadeamento nos propiciar.

13
E, como vimos no Cap. 2, sec. 5, p.48, é para propiciar que a Revelação se dê de forma efetiva
na vida, que Buber e Rosenzweig tratam de traduzir, dialogicamente, do hebraico para o alemão,
a Revelação na palavra de Deus. É nessa medida que a tradução em Rosenzweig, é de fato, como o
autor aponta em “O Novo Pensamento”, o grande exemplo de uma aplicação prática de sua filosofia
(Rosenzweig, 2000a, p. 128).
14
Na medida em que esse “trecho do Nome” em Rosenzweig também se insere no âmbito da Revelação,
ele requereu “a ciência dos sons vivos, a gramática” para que a multifacetada vivência individual da
experiência da Revelação pudesse ser expressa. E talvez mais do que em todos os trechos que citamos
no Cap. 4 (sec. 7 itens 7.1 a 7.4) para demonstrar a aplicação do pensamento gramático, o “trecho do
Nome” demonstra a força expressiva dessa metodologia. Para espelhar a multifacetada experiência
de quem vivencia a revelação Rosenzweig nesse trecho emprega as seguintes categorias gramaticais:
classes gramaticais, modos e tempos verbais, casos gramaticais, substantivo comum, nome próprio e
número (singular e plural).
Capítulo 5 142

5.3 Intensividade

Assim sendo, cabe que neste ponto de nossa argumentação se busque uma
tal inter-iluminação, visando esclarecer melhor o que é, exatamente, a intensividade
dessa “palavra intensiva” que é o fulcro da filosofia da linguagem de Benjamin. Como
se verá, esse conceito de Benjamin ajuda, de fato, a iluminar pontos de Rosenzweig
e do próprio Benjamin, e mesmo a trazer mais luz sobre o encadeamento Bkht-R-Benj
que acabamos de examinar.
Essa “totalidade intensiva da linguagem” [Benjamin, 2000b, p. 147] é justamente
a palavra humana não decaída, que nomeia o que Deus cria e, nomeando, conhece. E
conhece essencialmente (i.e., plenamente) no nome (vide p. 130 acima). O contraste
é com a linguagem decaída que apenas refere, e através da qual (note-se, não mais
na qual) o homem decaído conhece parcialmente, e sempre sujeito às armadilhas
da referência.
O que vem, a contrario, à mente são os chamados “contextos intensionais”
na semântica da Lógica de Predicados: se Inácio diz que acha bela a Estrela d’Alva,
mas não sabemos se ele conhece ou não o fato de que a Estrela d’ Alva, a Estrela
Vespertina e Vênus são o mesmo corpo celeste, a frase “Inácio acha bela a Estrela
Vespertina” é verdadeira ou falsa? A Lógica de Predicados “resolve-se” dizendo que
esse tipo de questão—falso ou verdadeiro—simplesmente não cabe nesses “contextos
intensionais” em que, digamos, o conteúdo mental e a vivência experiencial do outro
interfere na referência [vide, p. ex., Rundle, 1995, p. 411].
Já no caso da palavra de intensividade de Benjamin, aquela que não refere
nem julga (true or false?, vide p. 130 acima) mas nomeia, e na qual o homem conhece
(ou seja, vivencia) plenamente, tudo se passaria (mal comparando) como se a cada
nomeação e a cada nome correspondesse uma aha! experience absolutamente plena
do conhecimento—um conhecimento total, experiencial e inter-vivenciado—daquilo
que é nomeado (num contexto menos acadêmico diríamos que nessa palavra “a ficha
sempre cai”, plenamente)15.
O ponto de Benjamin (e de Rosenzweig) é o de que quando se está no âmbito
da Revelação (i.e., da palavra que propicia uma vivência de Revelação na vida
individual) tudo o que se tem é pura e simplesmente uma palavra, justamente a
palavra de Revelação (p. 134). Mas essa é uma palavra tal que nela (palavra, e só
palavra) se vivencia a plenitude da Revelação na própria vida.

15
Aliás, esse conhecimento que chega como a vivência de uma aha! experience não está restrito a alguma
idealização como a do homem não-decaído do Paraíso, ou apenas ao insight de geniais matemáticos
(Poincaré, 1908) e físicos teóricos. Algo dessa natureza ocorre com o leitor da nova historiografia que
Benjamin constrói, anos mais tarde, na sua inacabada obra maior, as Passagens (Bolle, 2006, p. 1151;
Abdulkader, 2007, pp. 29-32).
Capítulo 5 143

É fácil de perceber que, sob essa perspectiva, o trabalho de tradução de tal


palavra há de ater-se bastante a aspectos outros que não (apenas) o “conteúdo” ou
“o sentido”. Aspectos que não são o “conteúdo” tradicional, mas que carregam o que
poderíamos chamar de “significação vivencial”, tais como, para Rosenzweig, o som,
o ritmo, a prosódia, o entretecer do texto, e para ambos Rosenzweig e Benjamin,
a forma sintática (a “literalidade na transposição da sintaxe”), haverão de adquirir
uma especial relevância.
Podemos então—e já aqui sob uma visão não teológica, mas mais meta-
lingüística, deste pobre mundo real das línguas decaídas que referem—entender como
intensividade tudo aquilo que na linguagem e nas línguas é experiência que se
conota, exprime e inter-vivencia, e que se contrapõe à referência através da qual
essas mesmas linguagem e línguas denotam e informam acerca do referente.
Dar atenção a esse outro aspecto, o da intensividade na linguagem16, é a
mensagem de Benjamin e é o que está por trás da prática da tradução dialógica de
Rosenzweig e, veremos, também por trás da responsividade do enunciado de Bakhtin.
E essa não é uma mensagem nova. Já na transição do séc. 18 ao 19, Novalis fazia ver
em seu “Monólogo”:

Só é de admirar o ridículo erro: que as pessoas julguem falar em intenção das


coisas. Exatamente o específico da linguagem, que ela se aflige consigo mesma,
ninguém sabe. [...] Assim, [...] com a linguagem, quem tem um fino tacto com
seu dedilhado, sua cadência, seu espírito musical, quem percebe em si mesmo
o delicado atuar de sua natureza interna, e move de acordo com ela sua língua
ou sua mão, esse será um profeta; em contrapartida, quem sabe bem disso mas
não tem ouvido ou sentido bastante para ela, escreverá verdades como esta
mas será [...] escarnecido pelos homens. (Novalis [Friedrich von Hardenberg],
1988, pp. 195-196).

Essa “intensividade da palavra” de Benjamin ilumina, ademais, a crucial


observação de Rosenzweig, em sua discussão do Cântico dos Cânticos, de que a
“distinção entre ‘imanência’ e ‘transcendência’ desfaz-se na linguagem” [Rosenzweig,
1970, p. 199, vide também nossa discussão no Cap. 4, sec. 8, pp. 111-112].
Isso porque sob uma perspectiva de intensividade, na qual a palavra de revelação
do Cântico é tomada como algo que dá a conhecer “com intensividade vivencial” (p.
ex, uma pluralidade de conotações), e não como algo que simplesmente refere (um

16
Intensividade que, note-se, não é de se estranhar que seja valorizada sob enfoques ditados pelo
linguistic turn de tradição alemã tais como os de Rosenzweig e Benjamin, nos quais o conteúdo mental,
a vivência e o experiencial do outro são primordiais. Essa intensividade é como que o antônimo da
intentionality, a aboutness da filosofia da mente de cunho analítico [Dennet e Haugeland, 1987,
pp. 383-387], que é por sua vez tão ligada à noção de referência com a qual o linguistic turn anglo-
americano fica às voltas. A intensividade não quer “get rid of [intensional objects] altogether” [Quine,
1960, para. 35 p. 168, e vide também o para. 43, pp. 206-211], e se compraz com um vocabulário que
inclua termos que Quine quer eliminar como, p.ex, “acreditar que”, “temer que”, “deleitar-se com”,
“achar bela a” [MacIntire, 1984, pp. 83-84; Quine, 1960, para. 44, pp. 211-216].
Capítulo 5 144

objeto específico), “o Cântico dos Cânticos era reconhecido [por quem vivia num tal
linguistic turn] como um canto de amor [erótico], e nesse [mesmo] canto precisamente
via-se imediatamente também um poema místico” [Rosenzweig, 1970, p. 199, os
grifos meus]. Note-se, “no canto”, ou seja, na linguagem, e “imediatamente”.
Assim, não há a necessidade de se optar por um dentre dois referentes que, à
luz do rational turn, necessariamente se contrapõem (palavra de Deus versus poema
erótico). O que há é uma mesma, única e imediata intensividade, pois aqui se está à
luz do linguistic return (vide Cap. 4) que, agora vemos, não é só de Rosenzweig, mas
que é também de Benjamin.
E mesmo o que chamamos de “encadeamento dos fulcros”, a proximidade
Bakhtin-Rosenzweig-Benjamin que vimos de discutir logo acima, se ilumina sob
essa noção de intensividade. Como visto (p. 134), ao concluir pela identidade da
essência espiritual com a essência lingüística, Benjamin enfoca, num ponto crucial de
“A Linguagem”, a noção de Revelação, e diz: “o conceito de revelação, [...] toma [...]
o [...] verbo [i.e., a palavra que está na Escritura] como [sendo] a única e suficiente
condição” para que uma vivência da revelação se dê na vida de alguém [Benjamin,
2000b, p. 147].
Ou seja, e novamente, o que Benjamin está dizendo é que a Revelação na
palavra é pura e simplesmente isso, uma palavra, uma frase, um trecho de texto.
É na intensividade dessa palavra, ou seja no potencial que há nela de não apenas
referir mas de propiciar vivências, que se encontra a possibilidade de que essa
Revelação na palavra venha a se tornar (experiência de) Revelação na vida de alguém.
Quando essa revelação se dá na vida, no momento em que o potencial intensivo da
palavra, eventualmente, se instancia, essa palavra se torna “nome resume em si
essa totalidade intensiva da linguagem como essência espiritual do homem” [id.].
Pois bem, até aqui estamos no nome, no lado Rosenzweig-Benjamin do
encadeamento Bkht-R-Benj, o lado que, dissemos, corresponde à vertente mais teológica
e experiencial da Revelação na vida (vide p.141 acima). Mas o trecho de Benjamin
prossegue para dizer que para que essa revelação se exprima é preciso que ela seja
“interpelada no nome”17. E, é claro, quem interpela, enuncia e quer resposta. Só
responde quem antes vivenciou, e o próprio responder é uma outra vivência.
Assim, nesse trecho de Benjamin está também o lado Bakhtin-Rosenzweig, a
vertente mais lingüística do encadeamento (vide p. 141 acima), aquela cujo fulcro é o
“enunciado que obtém reposta” de Rosenzweig, ou, o que dá no mesmo, “o enunciado e
sua responsividade”, de Bakhtin. E dessa forma vemos que é o aspecto da intensividade
no enunciado bakhtiniano que faz dele (enunciado) a “correia de transmissão entre
17
Note-se, aliás, nesse aspecto específico da “interpelação” uma quase coincidência nas formulações
de Benjamin e Rosenzweig. Benjamin (p. 134 acima): “O mais alto domínio espiritual [...] é interpelado
no nome e se exprime como revelação”; Rosenzweig (p. 137 acima): “Com a interpelação pelo nome
próprio a palavra de revelação entrou no diálogo real”.
Capítulo 5 145

a história da sociedade e a história da linguagem” [Bakhtin, 2003c, p. 268, vide Cap.


4, sec. 7, p. 79 ], ou seja, entre a língua e a vida. Nosso “encadeamento de fulcros”
é assim, a bem dizer, um “núcleo único”. E, o que é fundamental para o escopo deste
trabalho: quem traduz a enunciação está traduzindo a intensividade.
Para finalizar, a noção de intensividade sugere uma forma resumida de se
apresentar a mensagem filosófico-teológico-lingüística de Benjamin: a Queda, nessa
sua Teologia da Linguagem, deu-se quando a pura linguagem foi expulsa do paraíso da
intensividade, e viu-se impura e atirada no (impuro e incerto) mundo da referência
(vide n. 8, p. 131 e n. 10, pp. 132-133). Referência que, de resto, acarretou a
pluralidade das línguas.
À tradução (daquilo que merece ser traduzido) caberá reconstruir, a partir
dessas línguas da referência, a pura linguagem que é a plenitude, em intensividade,
da expressão de essências lingüísticas/espirituais(/experienciais). E isso através de
uma atenção muito maior ao que Benjamin chama, em “A Tarefa”, de “modo de
designar” ou “intenção”—os quais dizem respeito à vivência, à experiência vivencial
na língua—, do que a atenção dada ao sentido (que, meramente, refere).
Tudo isso tem ainda muito de teológico e espiritual, por certo. Mas,
principalmente, tudo isso opera absolutamente dentro do lingüístico. Dentro das
categorias do lingüístico.
Na linguagem.

6. Traduzindo a intensividade: “A Tarefa” e as


técnicas de tradução do Halevi

Com o que se discutiu acima neste capítulo está dado o pano de fundo para
uma leitura de “A Tarefa” à luz de Rosenzweig. Duas noções em especial devem ser
retidas: a de intensividade, o aspecto da linguagem que se contrapõe à referência
e que na (e não através da) linguagem expressa e propicia vivências experienciais
na língua, a um falante competente dessa língua; e a de uma pura linguagem que,
como vimos de “A Linguagem”, é a “totalidade intensiva da linguagem” (Benjamin,
2000b, p. 148), ou seja, é a Linguagem, a competência lingüística humana, mas numa
plenitude de intensividade.
Uma análise do texto completo de “A Tarefa”, levada a cabo sob essa ótica,
vai incluída como Apêndice do presente trabalho. Na presente seção enfocaremos
apenas um aspecto do ensaio de Benjamin que é de especial interesse para o que nos
ocupa.
Referimo-nos à “recriação, que”, diz-nos Benjamin, “é a tarefa do tradutor”
(Benjamin, 2001, p. 211). Essa tarefa é exercida já no âmbito de uma liberdade de
tradução que na teoria de Benjamin foi harmonizada com a literalidade na tradução
Capítulo 5 146

(e precisaremos entender como isso se deu). Trata-se, ademais, de uma recriação


que, como seria de imaginar, absolutamente não está voltada para a recuperação do
sentido, mas para aspectos como “a intenção” e “o modo de designar” benjaminianos.
Ou seja, voltada à intensividade na língua.
Acerca dessa recriação Benjamin diz (messianicamente) que ela “redime na
língua [de chegada] a pura linguagem” e “libera a pura linguagem cativa na obra”
(id.).
Pois bem, como se verá, Rosenzweig ao descrever no “Posfácio” do Halevi
(vide p. 120 acima) as técnicas por ele empregadas nesse seu trabalho de tradução,
consegue trazer para o âmbito da “actual translation” e substanciar através de exemplos
práticos essa “recriação da intenção”, que numa primeira leitura de “A Tarefa” soa
tão messiânica e restrita à “Translation become metaphor” (vide a epígrafe a este
capítulo).
Assim sendo, a presente seção lançará um olhar sobre as técnicas de tradução
empregadas por Rosenzweig no Halevi. Com isso, à parte elucidar-nos Benjamin e
propiciar-nos um exame de algumas técnicas tradutórias suas, Rosenzweig estará se
nos revelando, na prática, um cumpridor da tarefa que Benjamin propugna.

6.1 Fidelidade e liberdade

Devemos, porém, de início, considerar a questão da fidelidade versus liberdade


na teoria da tradução de Benjamin.
Tornemos à breve definição-resumo que demos do texto de “A Tarefa” na
sec. 2, pp. 120-121 acima: “A Tarefa do Tradutor” apresenta uma teoria platônica e
messiânica da tradução (das obras maiores da literatura), na qual a restituição do sentido
é tida como absolutamente acessória, e onde os conceitos de fidelidade e liberdade,
usualmente contrapostos nas teorias tradicionais da tradução, são harmonizados ao
se libertarem de sua submissão ao sentido: a fidelidade volta-se, sobretudo, a uma
literalidade na transposição da sintaxe, e a liberdade se expressa por meio da recriação
na língua de chegada, do modo de designar do original.
Consideremos como fidelidade e liberdade se harmonizam nessa nova e
surpreendente teoria da tradução em que a restituição do sentido é absolutamente
acessória. O passo inicial está em a literalidade voltar-se à sintaxe e não à palavra. E o
moto disso, como a esta altura seria de se esperar, é uma atenção maior à intensividade
(os trechos de “A Tarefa” doravante citados são os da tradução de Suzana Kampff-
Lages, eventualmente modificados, quando assim indicado, à luz da tradução francesa
de Maurice Gandillac revista por Rainer Rochlitz):
Capítulo 5 147

Diante do sentido [a] língua [da tradução] tem o direito, aliás, o dever, de
despreender-se, de forma a fazer ecoar sua [da língua] intenção enquanto
harmonia [i.e., a intensividade], e não sua intenção enquanto reprodução do
sentido [i.e., a intentionality, vide n. 16, p. 143 acima]. [...] Antes [do sentido],
o significado da fidelidade garantida pela literalidade é que se expresse [...] o
grande anelo por uma complementação entre as línguas. Esse efeito é obtido,
sobretudo, por uma literalidade na transposição da sintaxe. [p. 207, trad.
fran., p. 256, grifo meu].

Transparência de intensividade e não de referência é, pois, a mensagem de


Benjamin por trás da única recomendação explícita que faz de uma técnica tradutória
em todo o texto de “A Tarefa”: a da prática de uma literalidade que esteja voltada
para a reprodução da sintaxe da língua de partida na língua de chegada.
A atenção é dada portanto à forma que se expressa, e não ao conteúdo que se
comunica, mesmo que ao custo de uma “monstruosa ininteligibilidade” (id). Note-se
que Benjamin, nesse trecho, põe as coisas da forma mais radical: o que do sentido
se transporta para a língua de chegada, vem quase que eventualmente, é como que
um epifenômeno dessa tradução da intensividade.
Já a liberdade na tradução, como já vem explícito na própria definição-resumo
de “A Tarefa” apresentada logo acima, está voltada para uma recriação da intensividade
que, já se vê, é o âmbito em que operam o “modo de designar” e a “intenção” que
aparecem no texto de Benjamin. O objetivo dessa recriação da intensividade é a “pura
linguagem”, ou seja, a construção de uma “totalidade intensiva da linguagem”:

por amor da pura linguagem, é vis-à-vis a sua própria língua que [o tradutor]
exerce sua liberdade. Redimir na sua própria língua a pura linguagem exilada na
língua estrangeira, liberar a pura linguagem cativa na obra por meio da recriação,
essa é a tarefa do tradutor. Por ela o tradutor rompe as barreiras apodrecidas
[trad. fran., vermoulues] da própria língua: Lutero, Voss, Hölderlin, George
ampliaram as fronteiras do alemão. [p. 211, trad. fran. p. 259].

Podemos então dizer—usando a terminologia que aqui adotamos, e deixando


de lado os aspectos teológico-messiânicos que importam a Benjamin—que a tarefa
do tradutor é um trabalho no sentido de um constante aumento da intensividade na
língua de chegada. E é em favor desse constante aumento de intensividade na língua,
que ele, tradutor, exerce sua liberdade. Uma liberdade que dessa forma se harmoniza
com a fidelidade já que esta última é—enquanto técnica de tradução—a busca de uma
literalidade na transposição da sintaxe e, assim sendo, igualmente visa prover um
aumento de intensividade.
Assim, a fidelidade na tradução acaba sendo, para o tradutor da intensividade
uma forma de exercer a sua liberdade de tradutor. Ademais, esse tradutor da
intensividade é um tradutor dialógico, na medida em que, como se vê do recém
Capítulo 5 148

citado trecho de Benjamin, o aumento da intensividade da linguagem na língua de


chegada implica um aumento da expressividade da língua.
Mas o que pode ser, na prática, uma tal “recriação”, que não transborde
para alguma “transcriação” ou “variação sobre o tema” da obra original? Que não
ultrapasse as “fronteiras de possibilidade lingüística? (vide Cap. 2, sec. 5, p. 49).
Quem nos mostrará a prática é Rosenzweig.
E com isso é chegada finalmente a hora de examinarmos as técnicas de tradução
do Halevi, um trabalho de tradução tão bem sucedido e que deixou tal impressão em
Buber, que fez com que este viesse a propor pouco tempo depois a Rosenzweig—não
obstante a muito difícil condição de saúde deste último—uma parceria para tradução
da Bíblia.

6.2 O Halevi, a recriação da intensividade e a tradução dialógica.

Num dos mais ricos trechos do “Posfácio” ao Halevi, Rosenzweig discute os


problemas e a natureza das dificuldades por ele enfrentadas ao trazer para o alemão
do início do séc. XX a poesia medieval (sec. XII) dos Noventa e dois Hinos e Poemas de
Yehuda Halevi, escritos originalmente em hebraico. Um hebraico que era, para o autor
desses poemas—um autor cujo idioma nativo era o árabe da Espanha muçulmana—,
a “língua sagrada”. Halevi, portanto, viveu numa condição de diglossia tal como a
descrita na seção 4 acima (vide p. 127).
Ao longo de cerca de sete páginas, e à guisa de se discutir técnicas para a
tradução de rima, métrica, estilo e critérios para a escolha de palavras, o que se
tem é a apresentação de uma espécie de filosofia construtiva da linguagem. E mais
a exposição de um esforço de criatividade que, na medida em que tem limites bem
definidos é uma criatividade contida, e na medida em que conhece bem a natureza
desses limites é uma criatividade que é alçada por esses mesmos limites.
Uma criatividade que, sendo, por assim dizer, de “dupla-mão”, parece-nos
retratar bem a liberdade na recriação que Benjamin advoga.
Tratemos então de entender, com Rosenzweig, essas dificuldades de rima,
métrica, estilo e escolha de palavras e a “recriação” que, em cada caso e na medida
do possível, as supera na direção do “dia de harmonia das línguas” [Rosenzweig, 1995,
p. 171].
De início, uma constatação de cunho geral:

O problema da tradução é aqui [no Halevi], antes de tudo, simplesmente um


problema externo de forma [...] o tradutor não pode no longo prazo [i.e., o
‘verdadeiro’ tradutor, que se desprende das tentativas iniciais que usualmente
obedecem a estruturas tradicionais na língua de chegada tais como “verso
Capítulo 5 149

branco, alexandrinos, oitavas” [id.], esse tradutor não pode] evitar erigir uma
estrutura que é tão equivalente quanto possível à forma do original. Ele será
dessa forma levado possivelmente a definir restrições técnicas mais fortes que
a forma original impôs ao poeta. [...] Um exemplo é a necessária preferência
por vocabulário monossilábico no Shakespeare em alemão, [um vocabulário
monossilábico] que é lingüisticamente natural para o poeta, enquanto o tradutor
opta de forma consciente por essa preferência [que não é natural no alemão].
[Rosenzweig, 1995, pp. 173-174].

Aqui, note-se, a tradução dialógica já coincide com a tradução da intensividade.


No caso, há uma atenção à própria experiência vivencial de quem lê Shakespeare em
inglês, e que chega, na busca da “tradução” dessa experiência, até o nível fonético-
auditivo de se recitar e ouvir Shakespeare no original.
Mas vejamos caso a caso as quatro naturezas de dificuldade (ou de atenção)
que Rosenzweig aponta na tradução do Halevi.

6.2.1 Rima

O problema da rima, no qual “a aversão [dos anteriores tradutores de Halevi] à


adoção da forma rimada [na tradução deveu-se] a preguiça pura e simples, a preguiça
sans phrase” [id., p. 174], é aparentemente o mais simples para Rosenzweig. Mesmo assim
esse problema apresenta um aspecto estrutural insolúvel (ou quase insolúvel?):

É fato que a rima [de Halevi] não pode, sem mais, ser equacionada com a rima
ocidental que sempre se inicia numa vogal, enquanto que a rima dos poemas aqui
traduzidos sempre puxa uma consoante para o elemento rimado, de tal forma
que, por exemplo, “rajich” e não “ajich”, “bim” e não “im”, devem ser [os
elementos] rimados. Isso, é claro, não pode ser imitado. [id. pp. 174-175].

Mas essa “impossibilidade” faz com que Rosenzweig remeta para uma nota de
tradução que informa sobre uma solução que foi tentada num único caso específico,
o da tradução do poema “Resposta” [“Antwort”]. Essa solução parece ter, ao menos
em parte, satisfeito o tradutor:

A tradução [de “Antwort”] faz uma tentativa de imitação [da estrutura da rima
do original], mantendo as vogais pré-rima do original. Mas é inevitável que o
leitor alemão perceba aqui não tanto a similaridade da última sílaba [que o
leitor do hebraico percebe], mas mais as rimas das sílabas pré-rima, que se
acham dispersas pelo poema e que são incidentais no sentimento hebraico para
[percepção] da rima [which are incidental from the Hebraic feeling for rhyme].
[id. p. 484]18.

18
Cabe que trancrevamos, para proveito do leitor do alemão, os versos iniciais de “Antwort”: Dein
wort—es ist von Myrrhenduft durchdrungen, / und Myrrhengebirges Felsen abgerungen; / Nach dein und
deines Vaterhauses Werte / kann müde nur jedwedes Lob sich langen. / Duh nahtest mir mit Worten,
mit gefäll’gen, / doch drin ein Hinterhalt, gewehrumhangen; [...] [Rosenzweig, 1995, p. 148].
Capítulo 5 150

Novamente, o que há a notar aqui é a preocupação—que vai se repetir em todos


os outros três processos de recriação que analisaremos via as técnicas de tradução
de Rosenzweig no Halevi—em buscar construir na língua de chegada uma vivência
experiencial da palavra e na linguagem, que provoque, desde mesmo os níveis mais
básicos da percepção e da emoção que ela suscita, algo similar ao que é experienciado
pelo leitor do original.

6.2.2 Métrica

“A questão da métrica é mais difícil” diz Rosenzweig. “Eis aí uma estraneidade


que realmente é bem marcada.” [p. 174]. Que estranhamento é esse?
Ocorre que essa “nova poesia hebraica que estava sendo lançada” [id. p. 175]
na Espanha muçulmana do séc. XII por poetas como Halevi—e que se tornou clássica—,
adota um ritmo que a diferencia do da fala em prosa. Alterava-se na poesia a tonicidade
das sílabas das palavras. Tomavam-se, por exemplo,

as sílabas silenciosas que soam aproximadamente como a sílaba ‘ge’ em ‘Gewand”


ou ‘be’ em ‘Bezug’ [ou ‘te’ em ‘levanta-te’ ou ‘amo-te’], e se dava a esse som
um valor que [era o tônico da correspondente sílaba em árabe, um valor tônico
que a sílaba não tinha na prosa em hebraico, pois esse valor] de acordo com a
teoria é nulo no hebraico.[id.].

Com isso nasce uma métrica “sem [a] naturalidade” da prosa, uma “espécie
de iambo de uma sílaba silenciosa com uma tônica, e uma sílaba tônica que pode ser
aumentada para duas, três e até um maior número de sílabas [tônicas].” [id.].
Daí “a raiz da dificuldade para o tradutor”. Pois na poesia em alemão há o
princípio de que

o valor tônico da prosa deve ser mantido [...] e o domínio desse princípio é
atualmente tão absoluto que é difícil para alguém hoje em dia até mesmo
avaliar corretamente as possibilidades de outros tipos de princípio que foram
aplicados no passado. Que a antigüidade greco-romana tenha tido um princípio
completamente diferente é tomado mais como um fato dado, do que algo
que é compreendido [e avaliado] do ponto de vista estético. E, no entanto, a
coisa não é tão difícil de ser captada. Basta que o homem moderno pense na
declamação musical, na qual ele utiliza uma tonicidade que difere [da tonicidade]
da prosa19[p. 175].

19
Por exemplo, quem canta o hino da Campanha da Fraternidade de 2006 (promovida pela CNBB
Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) que—saudável e surpreendentemente—é uma marchinha de
carnaval, põe a tônica no pronome reflexivo (“liberta-te” torna-se “libertatí”) e não estranha. Mais
próprio à Academia seria recordar-se do acento (“Ressucitamí”) que o “Ressucita-me” de Maiakovski
toma na versão musicada por Caetano Veloso. Por outro lado, todos estranharíamos se doravante no
declamar poesia esse tipo de sílaba passasse sempre a ser tônica: p. ex., se no soneto de Vinícius,
“Amo-te tanto meu amor” passasse a “Amotí tanto meu amor”.
Capítulo 5 151

Seja como for, “a tarefa do tradutor” será a de encontrar maneiras de forçar


na língua alemã “inclinada ao iambo e ao trocaico” esses versos hebraicos “com sua
acumulação de tônicas, [...] empenhar-se para, por meios artificiais e através de
um aumento de restrições, obter, na língua para a qual traduz, uma impressão a
mais próxima possível da [impressão] do original” [id.].
Note-se o quanto tudo isso nos esclarece Benjamin: o aumento de restrições
é, paradoxalmente, uma “liberdade que o tradutor exerce em sua própria língua” para
trazer ao leitor alemão a impressão (bem mais que trazer a referência, a comunicação
do sentido) do original , “redimir em sua própria língua a pura linguagem” (vide pp.
147-148 acima), recriar o modo de designar.
Rosenzweig descreve então os “meios artificiais” e as “restrições”, detalha
as técnicas tradutórias, dá-nos a idéia da transpiração que a tradução da inspiração
alheia requer. Cabe aqui uma citação para que se capte o flavour:

Os seguintes caminhos [para obter-se a desejada acumulação de tônicas] se


apresentam: evocação artificial de uma tônica flutuante, através da destruição
da inclinação ao iambo e ao trocaico de uma linha de verso na seguinte; um
grande emprego de palavras dissílabas que consistem de sílabas de mesmo peso
[tônico] como ‘Misswachs’, ‘Lichtstrahl’ e outras, bem como uma acumulação de
palavras monossilábicas [...]; finalmente, a introdução artificial de uma cesura
que na linha do verso permite [que ocorra] repetidamente o ritmo, [ritmo] que
então põe-se a deslizar na direção do passo do iambo ou do trocaico, para se
ajustar. [id., p. 176] .

A lista das técnicas, é claro, é bem maior. Ao final, Rosenzweig conclui que
elas “se somam numa impressão que [...] vai na direção do objetivo almejado: a
introdução do ritmo estrangeiro na língua alemã” [p. 176].
Assim, a tradução “recria” e produz uma nova impressão na língua de chegada.
Aumenta a expressividade dessa língua. Redime—para Benjamin—a pura linguagem.
E traduz—para o bem de todos nós—a intensividade.

6.2.3 Estilo

Essa tradução da intensividade que é uma tradução da impressão ou da vivência


na língua, exige também uma tarefa que Rosenzweig considera relacionada ao estilo.
Para o que aqui nos concerne, ela talvez possa ser melhor descrita como uma tradução
da intertextualidade (termo que Rosenzweig, é claro, desconhecia) ou, talvez melhor,
tradução da impressão que a intertextualidade da obra causa no leitor.
Pondo em termos bem distintos dos que Rosenzweig usa—e muito mais seculares:
há que levar em conta as diferenças do intertexto. Esse é um aspecto interessante,
pois considerar a intertextualidade implica ter em conta o que vai no mental de quem
lê (ou de quem leu, no seu tempo) o original, e também o que está na mente de quem
Capítulo 5 152

lerá a tradução. Algo que está, portanto, bem em linha com o que é visto como uma
dificuldade intransponível nos contextos intensionais da lógica de predicados, e que,
como se recorda, foi o que, a contrario, nos levou a buscar uma conceituação que nos
ajudasse a entender a “intensividade da linguagem” em “A Linguagem” de Benjamin,
e a desvendar “A Tarefa” (vide acima p. 142).
Mas o que nos autoriza a introduzir a noção de intertexto na presente
discussão?
Na visão de mundo do judeu medieval ibérico do tempo de Halevi, diz-nos o
religioso (e anti-sionista) Rosenzweig,

toda poesia judaica no exílio ironiza e desconhece esse estar no exílio, pois o
mundo que a cerca é [que é] exílio e se supõe que assim, [como exílio], deve
permanecer. [...] Com a palavra da escritura um outro presente se atira e
rebaixa [a realidade presente] a uma aparência, ou mais precisamente, a uma
parábola. [id., p.177].

Assim, essa poesia não se serve da Escritura como se de uma parábola


para comentar a realidade, mas a realidade é que é tomada como uma parábola
da Escritura, tida, esta última, como uma realidade acabada e na qual “os traços
clássicos de conteúdo e forma são considerados como inextricavelmente enredados”
(algo que ressoa o Buber de “tudo na Escritura é fala genuína, em comparação com
a qual conteúdo e forma aparecem como o resultado de uma falsa análise”, vide
Cap. 2 sec. 7 p. 54 acima).
Ou seja, pode-se dizer que Halevi e o contemporâneo que o lê viviam num
linguistic turn cujo organon era a escritura sagrada:

Não só [esse judeu] encontra [nas Escrituras] uma forma [i.e. um estilo para
expressar] seus mais elevados pensamentos, mas também todo pensamento
que quer se legitimar como pensamento busca essa forma. Aqui a citação [da
escritura] não é de maneira nenhuma um mero adorno [de estilo], mas é a
marca que lhe envelopa o discurso [the label for the envelope of his speech].
[id. p, 178].

Vem daí uma tarefa que, ao menos aos olhos atuais (2008), somente um scholar
bíblico do porte de Rosenzweig consegue aquilatar, e dela se desincumbir:

[O tradutor] não pode suprimir os double entendres [dessa] linguagem [coalhada


de intertexto bíblico]. [...] E, é claro, não seria solução se alguém tentasse
prover num comentário adicional [o necessário] conhecimento da Bíblia ao
leitor20. [...] Mas existe ainda [em 1923...] algum campo de manobra para a
citação—graças à Bíblia de Lutero, graças a uns poucos cantos litúrgicos tirados
de passagens bíblicas e graças ao fato de que algum conteúdo bíblico é ainda
de conhecimento das pessoas. [...] Assim o tradutor tem a tarefa de ajeitar

Entretanto, pode-se surpreender Rosenzweig fazendo exatamente isso em algumas de suas notas,
20

mais doutrinárias do que de tradução, ao Halevi.


Capítulo 5 153

[the task of working out] as citações que ele deseja ressaltar como tais [i.e.,
como se tratando de uma citação explícita ou implícita], e possivelmente [a
tarefa] de substituir uma citação que é estranha a um [leitor] contemporâneo
[do tradutor] por outra que lhe é mais familiar. [id., 178, grifos meus].

Mas Deus também ajuda o leitor (e o tradutor):

Incidentalmente, o leitor atual é auxiliado pelo fato de que exatamente os


livros da Bíblia mais conhecidos pelo indivíduo esclarecido de hoje em dia, como
Salmos, Isaías e o Cântico dos Cânticos, são os mesmos que mais freqüentemente
vêm aos lábios do poeta hebreu [i.e., Halevi]. [id., p. 179].

Finalmente deve-se notar que essa tradução do intertexto, que no caso mais
geral é uma tradução da alusão, faz ver—e aqui posta a partir da prática, e portanto
de forma menos etérea do que em Benjamin—ao menos um dos motivos do porquê
da impossibilidade da retradução (Benjamin, 2001, p. 201). É preciso que se vá ao
original para que o “vivencial” do intertexto, para que o “aquilo a ser traduzido”,
possa ser reconhecido pelo tradutor “intensivo” e dialógico da alusão21.

6.2.4 Escolha das palavras

A última dentre as técnicas de tradução que Rosenzweig enfoca no “Posfácio”


ao Halevi, técnicas essas que estamos aqui examinando com vistas a lançar uma
luz sobre como o tradutor exerce e realiza na prática a “liberdade na recriação (ou
transposição) do modo de designar” que Benjamin menciona em “A Tarefa”, é a
escolha das palavras.
Trata-se de um ponto sensível para o tradutor de poesia, diz Rosenzweig,
especialmente dadas as armadilhas da tradução da rima, rima essa que pode ser
sorrateiramente guindada

de obediente serva, a senhora do pensamento poético. [...] O poeta pode


submeter-se a ela sem preocupação, [ele, poeta,] a serviço de quem a palavra
se põe, com o fim único e exclusivo de vir [depois] a apoderar-se dele22. Não o
tradutor. Ele não tem o direito de se deixar levar por sua palavra, a palavra que é
pessoal [do tradutor]. Ele precisa conhecer o lugar da palavra [empregada pelo
poeta autor do original] no campo de visão da língua, e, no que diz respeito
a essa específica língua desse [específico] poeta ele precisa se esforçar para
descobrir se essa palavra é uma derivação [etimológica] próxima ou distante do

21
Para um caso de tradução da alusão (que foi levada a cabo, por seu tradutor, de forma absolutamente
inconsciente do alcance da tradução da alusão para a teoria), veja-se a tradução da interjeição “By
George!” de Higgins no Pigmalião de Shaw, por “Lu-la-lá!” em Abdulkader et al., 2006.
22
Eis aí, e para o caso específico da poesia, a “palavra precedendo o pensamento” do linguistic turn
em que Rosenzweig se insere e que remonta, na poesia, à tradição homérica. Vide Cap. 4, sec. 2, p.
89.
Capítulo 5 154

traço [i.e., da raiz etimológica] que ele [tradutor] persegue, se essa palavra
se sente em casa no cerne da língua, ou em suas regiões mais periféricas
[id., p. 179, grifos meus].

Esse trecho de Rosenzweig que introduz o problema da escolha das palavras,


e que antecede a descrição da técnica em si que o tradutor do Halevi adotou, tem
um interesse especial. Talvez esteja aí uma boa descrição da região limítrofe entre
o que—nos termos de Benjamin—é a “intensividade da palavra” [Brot, pain] e a
intensividade da “língua tomada como um todo” (vide Apêndice, item A.6, pp. 220-
221). Seria essa uma maneira de se buscar entender a forma pela qual a intensividade
da palavra específica “intenciona” a língua tomada como um todo, de que forma a
palavra contribui, com seu bloco intensivo específico, para a construção da intensividade
da língua tomada como um todo. Seria essa uma ponte entre a tradução (actual
translation) e a Tradução (forma).
E ademais, a língua da poesia de Halevi—que é para Rosenzweig a “Lingua
Sagrada”23—seria um laboratório ideal para essa investigação do local versus o global
da intensividade na língua. Isso porque essa investigação da situação da palavra no
campo de visão da língua não é nesse caso “assim tão difícil, tendo em vista o limitado
vocabulário, qual seja, pura e essencialmente o vocabulário bíblico” [id.].
Mesmo assim, e mesmo no âmbito de uma língua sagrada, há que levar em
conta a língua na vida. Assim sendo, Rosenzweig julga necessário esclarecer que “o
trabalho mecânico com o dicionário” de nada servirá: “por exemplo, uma palavra que
ocorre na prece diária é familiar mesmo se o dicionário [the concordance] a tem por
um hapax legomenon24”. [id.].
No caso de Halevi, poeta na língua sagrada, o vislumbre que tinha das palavras
no “campo de visão da língua”, era privilegiado. E a imagem que Rosenzweig usa para
fazer ver isso soa entre divertida e insólita:

ele [Halevi] tinha o feeling para [saber] se uma palavra era parte dos talheres
do dia a dia da língua, ou se era mantida trancada no armário da copa para [uso
em] ocasiões especiais. O fato de que para ele era igualmente fácil dar a volta
em ambas as chaves [a chave dos talheres do dia a dia, e a chave para os de
uso nas ocasiões especiais] atesta sua fiel diligência de copeiro que não deixa
que a chave menos usada enferruje na fechadura, mas não diz nada acerca da
diferença da louça, para a qual ambas as chaves conseguem abrir o trinco [de
acesso].

23
Vide na seção 4 acima a discussão acerca do hebraico, “Língua sagrada”, esp. pp. 123-125. Note-se
ademais que a língua nativa do “diglóssico” (vide p. 127) Halevi era o árabe da Espanha muçulmana. Sua
condição de autor de poesia na língua sagrada (que não é a nativa) talvez o deixasse—e a especulação
é nossa—numa condição sui generis entre poeta e tradutor.
24
Isto é, um termo que ocorre uma única vez num corpus, no caso o corpus dos textos que compõem
a Bíblia hebraica.
Capítulo 5 155

Aqui o tradutor precisa seguir o poeta e reproduzir, se não palavra a palavra,


ao menos sentença a sentença, o novo conteúdo desse vocabulário em sua
língua [de chegada] na medida do possível, mesmo sob o risco de que leitores
cujo conhecimento do desenvolvimento da língua alemã chega no máximo
ao Cântico dos Cânticos, e para quem a descoberta do Divã Leste-Oeste e os
hinos de Hölderlin é algo ainda por ocorrer, possam vir a achar esse alemão
incompreensível [id. pp. 179-180, grifos meus].

Aqui a tradução da intensividade e a tradução dialógica, mais uma vez,


se revelam uma mesma tarefa. O esforço de recriação ou transposição do modo
de designar, implica um aumento de expressividade da língua de chegada. E o
estranhamento do leitor é o preço a ser pago (com prazer) pelo tradutor. Um tradutor
que é dialógico, que é aquele que dessa forma semeia no campo fértil e incultivado de
sua própria língua uma nova expressividade. Uma expressividade que, pacientemente,
aguardará por aqueles leitores que, em número crescente no tempo, se apropriarão
dela e vivenciarão—na língua—o modo de designar, a intensividade, que o tradutor
resgatou.

7. Em conclusão

O longo percurso do presente capítulo permitiu assim que a inter-iluminação


entre Rosenzweig e Benjamin nos propiciasse vários resultados.
Por exemplo, mais um aspecto do sagrado, o da “língua sagrada”, se esclareceu,
e pudemos ademais verificar que não obstante todo o teológico que há por trás de
“Sobre a Linguagem em Geral e a Linguagem Humana” e “A Tarefa do Tradutor”,
a “pura linguagem” de Benjamin—ao contrário do “hebraico, a língua sagrada” da
tradição rabínica—não extrapola os limites do lingüístico.
Dois dentre os resultados que obtivemos são fundamentais para o presente
trabalho. O primeiro deles foi a constatação de que a proximidade Bakhtin / Rosenzweig
/ Benjamin, que é básica para o presente estudo, é bem profunda e central, e se dá
a partir dos fulcros das respectivas filosofias.
O outro resultado importante, que decorreu de uma análise dessa estreita
proximidade, foi o desvendamento da benjaminiana “totalidade intensiva da linguagem”.
Foi-nos possível despir esse conceito do conteúdo religioso que tem em Benjamin, e
reconhecer nele um contraponto da referência, qual seja, a (assim por nós denominada,
à luz de Benjamin) “intensividade”. À referência através da linguagem contrapõe-se
esse outro aspecto, o da intensividade na linguagem, que corresponde a tudo aquilo que
na linguagem e nas línguas é experiência que se conota, exprime e inter-vivencia .
Por sua vez essa intensividade que é vivência na linguagem propiciou que
ganhassem realidade prática—através da análise das bem sucedidas práticas tradutórias
de Rosenzweig no Halevi—duas noções importantes e difíceis em “A Tarefa”, quais
Capítulo 5 156

sejam, o “modo de designar e a “intenção”. Elas se consubstanciaram em instâncias,


casos práticos da intensividade na linguagem, que devem ser preservados numa
tradução dialógica.
Examinadas assim as práticas tradutórias do Halevi, vejamos no próximo
capítulo, num diálogo de inter-iluminação de Rosenzweig com Henri Meschonnic, o
que se dá com as duas principais técnicas usadas por Buber-Rosenzweig na tradução
da Bíblia, a das Leitwörter e a da colometria.
157

CAPÍTULO 6

MESCHONNIC AVANT LA LETTRE:


BUBER-ROSENZWEIG E O RITMO, BENJAMIN E O MODO DE DESIGNAR

Je m’adresse à l’homme réellement en train de parler.


Henri Meschonnic, 1999

1. Introdução

O presente capítulo aprofunda a análise das técnicas tradutórias mais inovadoras


de Buber-Rosenzweig, a da colometria e a das Leitwörter, iniciada no Cap. 2. Isso é
feito através de mais um diálogo de inter-iluminação que o presente trabalho propõe,
desta feita com o francês Henri Meschonnic (1932- ), tradutor e um dos mais originais
teóricos da tradução no séc. 20.
A seção 2 aponta algumas coincidências terminológicas e conceituais entre Buber-
Rosenzweig e Benjamin por um lado, e Meschonnic por outro, que tornam promissora
uma aproximação para a inter-elucidação de seus pensamentos tradutórios.
A seção 3 examina a colometria, uma técnica que tanto Buber-Rosenzweig
quanto Meschonnic aplicam. O plano corporal (visual, auditivo e até o fisiológico do
“ato de respirar”) em que a colometria se funda e a vinculação que essa técnica
tradutória tem com uma “precedência da fala” na linha da filosofia de Rosenzweig e
com a noção expandida de “ritmo” em Meschonnic são apontados. A seção 4 ressalta
a amplitude do alcance da colometria, ao apresentar dois exemplos de sua aplicação
nos quais ela está operando num plano bem mais elaborado do que o meramente
corporal, ou seja, no plano das vivências de uma condição histórica.
Na seção 5 Meschonnic e Benjamin são aproximados em sua mútua “aversão
ao signo”, e nas noções de “significância” em Meschonnic e de intensividade em
Benjamin. A seção conclui com a constatação de que, se o âmbito da significância
pode ficar um pouco aquém do da intensividade, a noção, em Meschonnic, de uma
“poética do traduzir” parece ter força suficiente para dar conta de tudo que na teoria
de Benjamin e na prática de Rosenzweig é o mais relevante.
Na seção 6 a “poética do traduzir” permite que se reconheça a técnica das
Leitwörter como sendo um building-block dessa poética, ao agir no sentido de preservar
a “coerência” e a “sistematicidade” (meschonnicianas) que são essa poética-ritmo. A
seção e o capítulo se encerram argumentando que a atenção a vivências na língua é
o que está por trás das várias noções de Rosenzweig, Benjamin, Meschonnic e Bakhtin
que vimos analisando.
Capítulo 6 158

2. Meschonnic, Rosenzweig, Benjamin

A oralidade como marca característica de uma escrita, realizada em sua plenitude


somente por uma escrita, é o que está em jogo na poética do traduzir. Ela
[essa poética] supõe, e verifica concretamente a cada vez, que a oralidade não
é—não é mais—aquilo que o signo binário confundia com o falado, [um ‘falado’
que o signo, binariamente, supunha ser] oposto ao escrito. Onde tudo o que
não era escrito era oral. [...]
Mas se o ritmo não é mais o que era, se ele [agora, na definição de Meschonnic]
é a organização do movimento da palavra [parole], no sentido que Saussure
dá a parole, uma organização que é a especificidade, a subjetividade, a
historicidade de um discurso, e sua sistematicidade, então a oralidade é
o primado do ritmo no modo de significar. [E isso tanto] no falado como no
escrito. [...]
Daí decorre claramente que num texto literário, é a oralidade que se deve
traduzir. [Meschonnic, 1999a, p. 29, negritos meus, itálico de Meschonnic].

O trecho acima, tirado da Introdução da Poétique du Traduire, é um dentre


vários que se repetem quase que obsessivamente nos textos de Henri Meschonnic
para fazer passar sua mensagem (“eu repito”, diz o autor [Meschonnic, 1999e p. 143],
“porque o signo é velho e surdo”, e nisso lembra Derrida e Benjamin). É, entretanto,
um trecho especialmente feliz para quem busca entender a filosofia da linguagem de
Meschonnic: no condensado de umas quantas linhas aparecem de forma concatenada
uma série de conceitos que o leitor, intrigado, sente tratarem-se de noções chave em
Meschonnic. E aparece, ademais, a tarefa do tradutor.
Façamos um inventário inicial desses conceitos, sem qualquer pretensão de
alcançá-los totalmente: i) uma oralidade cuja plenitude se dá quando está posta numa
escrita (e que portanto não se opõe à escrita, muito pelo contrário); ii) uma poética
do traduzir que, se sente, constitui a própria filosofia da linguagem de Meschonnic;
iii) um “ritmo” que é redefinido para adquirir o lato senso de uma “organização do
movimento da parole” saussureana; iv) essa organização, esse ritmo—específico de
cada caso—, é o que constitui, em cada caso, cada discurso. Nela, organização—nele,
ritmo—é que cada discurso específico se dá, acontece, em sua subjetividade e
historicidade; v) daí que, informa-nos Meschonnic, a oralidade (falada ou escrita)
é o primado do ritmo no modo de significar; vi) é essa oralidade (sobretudo a do
texto escrito) que há que traduzir. E isso na medida em que é o ritmo (/ discurso /
modo de significar), o que deve ser passado, transferido na tradução.
Com isso Meschonnic se afigura, aos olhos de quem dele pela primeira vez
se aproxima, como um pensador da tradução instigante e inovador. Mas não de todo
original. Ademais—e isso é o importante para o que nos concerne—, parece estar bem
próximo de alguns dos autores que vimos enfocando no presente trabalho.
Capítulo 6 159

O “ritmo” de Meschonnic faz lembrar muito um outro “ritmo”, que é objeto


das reflexões tradutórias de Martin Buber e Franz Rosenzweig, e a técnica tradutória
do lineamento do texto (ou da “colometria”) que dessas reflexões adveio. Essa técnica,
adotada por Buber-Rosenzweig em sua monumental tradução da Bíblia Hebraica, é
reconhecida como uma contribuição maior desses autores à prática da tradução, e já
foi inclusive definida como um verdadeiro “desafio à teoria [tradicional] da tradução”
[Rosenwald, 1994, p. xxix]—desafio que Meschonnic terá superado.
Por outro lado, o “modo de significar” traz ecos do “modo de designar” de
Walter Benjamin em “A Tarefa do Tradutor”. E a valorização de algo na linguagem
(i.e., um “ritmo”) em detrimento de algo que se consegue através da linguagem (i.e.,
a referência via o signo), está em linha com um escrito anterior de Benjamin, “Sobre
a Linguagem em Geral e a Linguagem Humana”, o texto que, como vimos, apresenta
a (primeira) filosofia da linguagem desse autor, que é a que embasa “A Tarefa”.
Assim, o objetivo do presente capítulo será o de buscar aprofundar essa
proximidade entre Meschonnic e esses autores. Com isso, espera-se, alguma inter-
iluminação entre Meschonnic, Buber-Rosenzweig e Benjamin possa ser promovida, e
através dela Meschonnic nos auxilie a elucidar o que está ocorrendo quando Buber e
Rosenzweig aplicam suas inovadoras técnicas tradutórias.
Por sua vez, as reflexões de Buber e Rosenzweig sobre o traduzir, e o enfoque
“intensivo” que Benjamin dá a tradução, talvez possam também propiciar um certo
viés de olhar que facilite a compreensão, em Meschonnic, dessa noção mais expandida
de ritmo, que vem aliada à “historicidade”, à “subjetividade”, à “oralidade”, e até
ao corpo de quem emite a enunciação [vide p. ex., Meschonnic, 1999e, p.143]. O
“como” um tal ritmo carrega consigo a historicidade desse sujeito “corporal” é talvez
o aspecto mais intrigante a elucidar.
Esse tipo de busca que nos propomos a empreender, uma busca que tenta
aprofundar uma proximidade que é constatada à primeira vista, se insere, ademais,
na linha metodológica que vimos adotando neste trabalho e que já nos permitiu
reconhecer as proximidades filosóficas entre Rosenzweig, Bakhtin e Benjamin.
Vejamos então no que Rosenzweig e Meschonnic se aproximam. E se
elucidam.

3. Colometria, oralidade, ritmo

Essa “oralidade” de Meschonnic—que para ele é o que “está em jogo na poética


do traduzir”—, essa oralidade que, paradoxalmente, precisa estar colocada num texto
escrito para “realizar-se em plenitude”, é também fundamental para Rosenzweig e
Buber. E ao adquirir realidade prática na técnica tradutória da colometria que esses
Capítulo 6 160

autores introduziram de forma pioneira, ela se torna a marca maior de seu trabalho
de tradução.
“Tínhamos em mente a Bíblia em voz alta”, diz Buber na resposta a uma
resenha de 1927 sobre sua tradução da Bíblia com Rosenzweig, “[d]aí nosso método
de traduzir seu ritmo [of rendering its rythm]”. E trata de ressaltar que

nossa tradução é a primeira tradução colométrica (embora Jerônimo já tivesse


reconhecido sua necessidade), i.e., a primeira que dá ao texto sua divisão
natural em linhas de significação [meaning] que são determinadas pelas leis
da respiração humana e da fala humana, cada linha constituindo uma unidade
rítmica. [Buber, 1927, in Buber e Rosenzweig, 1994, p.170, itálico de Buber,
negritos meus].

Acrescenta então uma observação que, pelo que tem de incisiva, parece
saída de Meschonnic: “Não se trata de uma questão de ‘verso branco’, como julga o
resenhador; e nem tampouco, como pensa ele, uma questão de várias métricas; na
realidade não se trata de forma alguma de uma questão de métrica” [id.].
Do que se trata então? Trata-se, esclarece Buber,

“de ir além da escrita [writtenness] da palavra, e retornar ao seu falar [spokenness]


[...] ditado pela respiração e delineado de acordo com a significação: a assim
chamada cola (daí a palavra colometria1 para descrever o padrão tipográfico).
Cada unidade [como a traduzíamos] deveria ser uma unidade facilmente falável
[speakable], facilmente perceptível [visualmente] e, assim sendo, ritmicamente
ordenada” [Buber, 1930, in id., p.179, negritos meus, itálicos de Buber].

Há nisso tudo muito de Meschonnic: uma elocução que se enuncia naturalmente


(i.e., uma prosódia que flui ao longo do tempo que decorre entre duas seqüenciais
tomadas da respiração) e uma unidade que é facilmente apreendida pela percepção
visual (i.e, cada cola, isolada, compondo o todo do lineamento gráfico do texto),
acabam por resultar no texto “delineado conforme a significação” e “ritmicamente
ordenado” que a tradução de Buber-Rosenzweig constrói (ou “faz passar” da língua
de partida para a língua de chegada).
Está aí, pode-se dizer, a descrição de um trabalho prático de tradutor que
constrói, no texto traduzido, o ritmo a “organização do movimento da parole”
[Meschonnic, 1999a. p. 29] do texto original, a “organização [semovente] e o
desenrolar-se da própria significação [sens] no discurso” [Meschonnic, 1999b p.
99]. Dessa forma, já aqui Buber e Rosenzweig elucidam Meschonnic ao aplicá-lo na
prática, e avant la lettre.

1
O New Shorter Oxford English Dictionary registra “colometry: The division of texts by cola” e
“colon: Pl. cola, In Class. Pros. & Rhet., (a pause of intermediate length before) a distinct section
of a complex sentence or rhythmical period”. Estamos adotando “cola, Pl. cola” como em Buber e
Rosenzweig, 1994 e Kepnes 1990.
Capítulo 6 161

É esse, ademais, um trabalho de tradução que—na linha de Meschonnic—toma


em conta o corpo e o engaja em um nível bem básico: nos “limites da respiração”,
na “percepção visual”. No texto de 1927, Buber cita um filólogo e um teólogo para
fazer ver o quanto a colometria é necessária ao leitor corpóreo que lê uma tradução
da Bíblia:

Assim, o eminente filólogo Eduard Norden escreve em 1913, ‘se a colometria


já era desejável para os antigos, cujo ouvido conseguia ajudá-los na leitura,
muito mais a necessitamos nós que estamos acostumados a ler só com os olhos’;
o teólogo Röland Schütz especifica então em 1920 que o que importa é ‘ouvir,
de certa forma, com os olhos, e assim encontrar um caminho através da fria
tipografia para a harmonia da cola.’ [Buber, 1927, in Buber e Rosenzweig, 1994,
p. 171].

No entanto, o texto seminal acerca da colometria, ao qual Buber remete em


ambos os artigos supracitados, e no qual o racional por trás da técnica tradutória da
colometria é apresentado de forma articulada, é de Rosenzweig [Rosenzweig, 1925,
in Buber e Rosenzweig, pp. 40-46].
Esse texto é ademais interessante por apresentar, já de início, a problemática
da “oralidade do texto escrito”—a mesma oralidade a que Meschonnic se refere na
citação que inicia a presente seção—, ainda que nele Rosenzweig não mencione
explicitamente a “oralidade”.
Na realidade, o enfoque que Rosenzweig dá ao tema é tal que uma “oralidade
do escrito” não soa nada paradoxal e, pelo contrário, faz transparecer os pressupostos
conceituais que nos fazem ver um paradoxo onde ele não existe. Dentre esses
pressupostos está uma certa, digamos, “fetichização” do “objeto” livro, o livro que o
leitor moderno lê ensimesmado e em silêncio, o que contrasta com sua atitude frente
a outros tipos menos freqüentes de texto impresso:

Toda palavra é uma palavra falada. O livro originalmente servia a palavra, fosse
ela declamada, cantada ou falada; às vezes também a serve hoje em dia, como
no caso do drama teatral ou da ópera. Os profissionais da ópera encaram a
pauta—e o pessoal do teatro encara o script—como algo técnico, instrumental,
provisório; era assim que outrora se encarava a condição dos livros em geral,
vis-à-vis a palavra falada. [...] [Hoje em dia, porém, o] livro não mais serve
à palavra. Tornou-se seu tirano e seu obstáculo; tornou-se [o livro em geral
e cada livro, uma espécie de essencial e definitiva] ‘Sagrada Escritura’ [...]
E com a Sagrada Escritura [i.e., com a Bíblia em si], e com [os] comentários
[bíblicos] letra a letra acerca da palavra parva e silente, tem-se o fim do livro
subserviente à palavra, o [fim do] livro lido sem maior problema em voz alta,
tal como o conhecera, por toda a parte, a Antigüidade. [Rosenzweig, 1925, in
Buber e Rosenzweig, 1994, p.40].

Fox nota a esse respeito—em seu Prefácio à tradução para o inglês do Pentatêuco,
que foi por ele realizada seguindo as diretrizes de Buber e Rosenzweig—, que
Capítulo 6 162

a pesquisa recente indica que virtualmente toda a literatura do tempo da Grécia


e Roma [...] era lida em voz alta. Isso valia inclusive para o processo de cópia
e o da [própria] escrita. E mesmo bem mais tarde, na última década do século
IV [d.C.], Santo Agostinho expressou surpresa ao dar com um sábio que lia em
silêncio. [Fox, 1995, p. x].

A lição a se tirar é clara, e quase óbvia uma vez que nos dispamos de nossos
pressupostos (“racionais”, diria Rosenzweig; “pressupostos do signo”, diria Meschonnic):
o texto escrito surgiu para registrar uma palavra sonora que deve ser falada, e não
para registrar um pensamento mudo e jamais pronunciado. A oralidade faz parte do
processo da escrita, imbui o texto. Não pode, portanto, deixar de ser considerada.
E traduzida.

3.1 O movimento da fala

Mas o que, exatamente está em jogo? Como libertar a oralidade dessa visão
emudecida do texto? Cabe aqui que se cite, um pouco extensamente, o trecho que é
o ápice desse texto de Rosenzweig:

As cadeias que hoje mantêm toda a língua alemã emudecida, são constituídas
pelo sistema semântico ao qual as palavras estão presas: [ou seja], a pontuação
[...] [que é de] concepção [...] puramente lógica. [...] O mais que se consegue
é uma aproximação com a pontuação do francês, que é baseada num princípio
musical e não num princípio lógico, mas que, [sendo assim musical], não se
coaduna muito com os contornos da sentença alemã, a qual, dada a colocação
relativamente livre das palavras, se vê privada de produzir, com alguma facilidade
e de forma consistente, [as] melodias recorrentes [do francês]. Daí que, onde
essas cadeias devam ser rompidas a qualquer custo, [...] medidas mais drásticas
se fazem necessárias. Martin Buber descobriu essas medidas. As amarras da
língua devem ser soltas pela vista [i.e., pela visão]. É preciso que seja libertado
de sob a pontuação lógica, o princípio fundamental da pontuação natural, [a
pontuação] oral: o ato de respirar.
A respiração é o material [the stuff] da fala: a tomada de ar é, portanto, a
segmentação natural da fala. [...] Mas no interior dessas [duas] fronteiras de
silêncios para retomada do ar, o que se obedece é à ordem interna do discurso
[ou da fala, speech], [ordem] que apenas ocasionalmente é ditada por sua [da
fala] estrutura lógica, mas que na maior parte das vezes espelha os movimentos
e os estímulos da alma, em suas [da fala] gradações de energia e, sobretudo,
em suas gradações de tempo.
Assim o movimento da fala é segmentado em unidades de igual valor, respirações
temporalmente idênticas, por assim dizer, (mas só por assim dizer) [...].
Sentenças que numa lógica sem qualquer ambigüidade são distintas e portanto
são separadas por um ponto final—p. ex., a aterradora resposta de Caim ‘Não
sei. Sou eu acaso o guardião do meu irmão?’—, juntam-se, no curso da emissão
vital da expiração da fala, num movimento único, e com isso ganham todo o
horror que estava semi-encoberto pela pontuação lógica. [id., pp. 42-43].
Capítulo 6 163

É esse “movimento”, são essas “gradações de energia e, sobretudo, gradações


de tempo” da fala, ditadas pelos “movimentos e os estímulos da alma”—e não pela
lógica—que é preciso traduzir.
No exemplo da fala de Caim, o “movimento da fala” se sobrepõe à “lógica da
pontuação” e assim duas sentenças logicamente distintas compõem uma única cola.
Meschonnic tem um exemplo de tradução bastante semelhante a esse. Um
exemplo “deliberadamente escabroso [...] e de uma simplicidade extrema”, diz
Meschonnic [1999b, p. 110]. No caso, não é a lógica da pontuação que é sobrepujada
(afinal, aqui a língua de chegada é o—para Rosenzweig—“musical” francês), mas é a
sintaxe do francês que deve fazer uma concessão ao “movimento da fala” e à “ordem
interna do discurso” apontados no trecho de Rosenzweig acima:

Em Hamlet (I, i, v. 14) a sentinela de guarda diz como ouve chegarem “the rivals
of my watch”: “I think I hear them”. Dificuldade para iniciante, quem não sabe
que that pode aqui ser omitido em inglês? Problema de língua, portanto. [...]
E François-Victor Hugo traduz: “Eu creio que eu os ouço.” [“Je crois que je les
entends.”]. Corretamente. Yves Bonnefroy remete um pouco: “Creio bem que
os ouço.” [“Je crois bien que je les entends.”]. Mas Raymond Lepoutre, para
a versão encenada no Teatro Chaillot em 1983 e dirigida por Antoine Vitez,
traduziu: “Eu creio, eu os ouço” [“Je crois, je les entends”]. Substituiu o que
por uma vírgula, a sintaxe pelo ritmo, uma pausa, um suspense. Não é mais a
língua. É o discurso. [...]. Oral. Quanto mais o julgamento de valor está aqui
seguro de seu escrito, tanto mais falsifica [est en porte-à-faux sur] o oral. Isso
dito, a cada um o que lhe apetece. [Meschonnic, id.].

É de se notar que—mesmo se tratando da “Sagrada Escritura” de Shakespeare—


esse é um exemplo tirado do teatro, uma das exceções, conforme Rosenzweig apontara,
em que “hoje em dia, às vezes, o livro ainda serve à palavra” (vide p. 161 acima).
Ponto para Rosenzweig, portanto. E cabe que se pergunte quem de fato traduziu a
frase: o próprio tradutor Lepoutre, o diretor Vitez, ou o anônimo ator, o dono da fala,
que a enunciou em cena?
Seja como for, traduzir esse “movimento da fala” por todos os meios à
disposição do tradutor, eis a tarefa. Traduzi-lo, sobretudo, através da disposição das
palavras na página impressa, é a mensagem que a técnica tradutória da colometria
configura. Uma técnica que não só Buber e Rosenzweig, mas também Meschonnic usa
extensamente.
E não a usa, é claro, por mera coincidência. O movimento que para Rosenzweig
“espelha as gradações de energia e, sobretudo, de tempo da fala” é—agora se vê
de forma inequívoca—“a organização do movimento da palavra”, o “desenrolar-se
da própria significação [sens] no discurso”, numa palavra, o ritmo na concepção de
Meschonnic. Ritmo cujo “primado no modo de significar” é a oralidade.
Capítulo 6 164

Com isso avançamos. Há, porém, ainda muito a percorrer. Por exemplo,
entender a natureza do “modo de significar”, no qual a oralidade “prima”. Mas, isso,
deixaremos para mais adiante.
Cabe agora que consideremos, à luz de Rosenzweig, como esse ritmo lato
senso de Meschonnic se torna “a especificidade, a subjetividade”, e sobretudo “a
historicidade de um discurso”.

4. Historicidade

O ritmo para Meschonnic—e esse autor o repete à exaustão—não é tomado em


seu sentido tradicional de cadência, “alternância formal entre o mesmo e o diverso,
ordenação, medida, proporção”, mas sim no de “organização de um discurso por
um sujeito, e movimento da palavra na escrita, prosódia pessoal, semântica de um
contínuo.” [Meschonnic, 1999c, p. 131, grifos meus].
Essa é a mesma concepção de Rosenzweig, para quem, como visto acima, esse
ritmo, por ele denominado “movimento da fala”, é “a ordem interna do discurso, [que]
espelha os movimentos e os estímulos da alma, [n]as gradações de energia [da fala]
e sobretudo em suas gradações de tempo” [Rosenzweig 1925, in Buber e Rosenzweig,
1994, p. 42].
A “prosódia pessoal” de Meschonnic e a “alma” de Rosenzweig pertencem a
“um sujeito” específico e corpóreo, é claro. Fica, portanto, fácil aceitar que esse
ritmo seja “a subjetividade e especificidade do discurso” (ou seja, da fala), e assim
concordar com o que Meschonnic diz na citação que abre a sec. 2 acima.
Mas aquela citação diz também que o ritmo é a historicidade desse discurso2.
E mais adiante [Meschonnic, 1999c, p.131], Meschonnic inverte os fatores mas não
altera o produto: “A historicidade é o ritmo”, diz ele (o sublinhado é meu).
Como entender uma historicidade que é esse ritmo, o ritmo-Meschonnic de
uma oralidade que está num texto? Não estamos aqui no sujeito do materialismo
histórico nem no sujeito “despsicologizado” da Análise de Discurso, mas num sujeito
que produziu um texto cuja “poética” precisa ser passada para a língua de chegada.
Como entender a historicidade que está num movimento da fala, movimento esse
que está posto na colometria do texto escrito? Como entender tanta confiança na
linguagem?
Consideraremos para isso dois exemplos, um de Meschonnic, outro de
Rosenzweig.

2
Diz, além disso, que o ritmo é a “sistematicidade” desse discurso (vide p. 158 acima). Esse aspecto
do ritmo como sistematicidade do discurso, e um outro aspecto, o do ritmo como “semântica de um
contínuo” (vide acima o final da primeira citação logo ao início desta seção) serão tratados mais
adiante.
Capítulo 6 165

O primeiro exemplo,é de Meschonnic. Ele toma esse exemplo justamente


para demonstrar que “A historicidade é o ritmo. O portador. Só o sentido é portado”
[id.]. Trata-se do segundo versículo do Salmo 22, que é citado por Mateus 27, 46,
“Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste?”, como palavras do Cristo crucificado.
Essas palavras em Mateus são precedidas de sua citação em aramaico (“Eli, Eli, lama
sabachthani?”) seguidas pela tradução para o grego, língua na qual o evangelho de
Mateus foi originalmente redigido. Esse aramaico já é uma tradução do hebraico
do texto massorético (Eli Eli lama ’azavtani) do Salmo, e, portanto, quem traduz
Mateus a partir do grego, traduz a tradução de uma tradução. Seja como for, todas as
traduções, do próprio Salmo 22, que Meschonnic menciona—onze no total, incluindo
a dos Setenta, a Vulgata e a de Buber-Rosenzweig, sendo que dessas onze pelo menos
nove são traduções diretamente do hebraico—dizem com pequenas variações em Sl
22, 2 o que diz o português da CNBB, repetindo Mateus: “Meu Deus, meu Deus, porque
me abandonaste?”.
Mas não Meschonnic:

O sentido [cristão, de Mateus, que todos adotaram] é aqui o silêncio do ritmo.


[E], no entanto, o ritmo é bem simples. Visível e audível desde sempre, pode-
se dizer. É o lugar do acento hebreu em lama [...]. Se ele recaísse sobre a
primeira [sílaba]: ’lama, a palavra significaria “porquê”. Acentuado la’ma, ela
não pergunta mais ‘por que razão’ mas [...] ‘para que resultado’ ou ‘[com que]
intenção’. [...] Por isso traduzi: [...]
“Meu Deus meu Deus a quê me abandonaste?” [“Mon Dieu mon Dieu à quoi
m’as-tu abandonné?”]
É de um ponto do ritmo que tudo pende. O ritmo é o pivô. Por uma diferença
mínima, uma transformação extrema—de um lado o cristianismo: uma escatologia,
o judaísmo do outro lado: o exílio [id., 134].

De fato, tem-se aí duas historicidades diferentes, numa diferença mínima de


ritmo. E uma delas é resgatada quando seu ritmo correto é resgatado por Meschonnic.
Mas é importante notar qual é aqui o ponto. Não a correção de um “erro de tradução”
mas duas historicidades, de dois diferentes sujeitos, e igualmente válidas (ainda hoje)
para os respectivos sujeitos que lêem o texto. Duas historicidades que são ritmos,
que nesse (mesmo?) texto são esses dois (respectivos) ritmos, que diferem um do
outro. Numa delas um sujeito, o cristão, (ainda hoje) se redime pelo evento central
da cruz. Na outra, um segundo sujeito, o judeu, (ainda hoje) parte para um exílio na
Babilônia.

O segundo exemplo é de Rosenzweig, e nele essa historicidade que é o ritmo


se expressa através da colometria, que sobrepuja a métrica de um trecho em poesia
da Bíblia.
Capítulo 6 166

Meschonnic diz que “a Bíblia não tem métrica. Portanto não conhece a
distinção entre prosa e verso. Mas ela é do começo ao fim uma codificação do ritmo,
corporal-oral, versículo a versículo. A ponto de contrariar a sintaxe3.” [Meschonnic,
1999b, p. 100]. Rosenzweig diz isso e mais, em mais belas palavras:

Para nós [Buber e Rosenzweig], o movimento respiratório da fala natural (natural


speech) precisa às vezes quebrar o passo de dança, métrico, da poesia. Assim, por
exemplo, [ocorre] nas proclamações do moribundo Jacó a seus doze filhos tribais
(Gênesis 49). Em cada caso as primeiras duas cola da tradução correspondem a
apenas um único verso da métrica, e de forma mais surpreendente na profecia
a Judá. A fala internamente rítmica da palavra vence os pulsos discretos da
canção; a prosa ganha da poesia.
Pois a poesia é de fato a língua mãe da raça humana; não é necessário que
rejeitemos aqui os insights de Hamann e Herder. Mas apenas da raça. [...]
[Com o advento da Revelação], de dentro da língua original da raça humana
irrompe a linguagem da humanidade no ser humano, a linguagem da palavra
[de Revelação]. A Bíblia é o celeiro dessa linguagem do ser humano, porque é
prosa, prosa no canto arrebatado da profecia e na poderosa declaração da lei.
[Rosenzweig, 1925 in Buber e Rosenzweig, 1994, p. 45].

A tradução que Fox faz da profecia a Judá, uma tradução do Pentatêuco


hebraico para o inglês à luz das diretrizes de Buber-Rosenzweig [Gen 49, 8, trad. Everett
Fox, p. 231] corresponde ao que Rosenzweig indica: o primeiro verso, decassílabo,
“Yehuda, you your brothers will praise you” é modificado pela colometria e toma
uma disposição gráfica em duas cola (aqui separadas pela barra) na página: “Yehuda,
/ you—your brothers will praise you”. O “de forma mais surpreendente” a que se
refere Rosenzweig fica, provavelmente, por conta do fato de que apenas no caso
da profecia a Judá a divisão do primeiro verso em duas cola, ganha, ademais, um
travessão na segunda cola.
Mas onde está a “historicidade no ritmo”? Está justamente no “quebrar-se o
passo de dança métrico da poesia” em favor da “prosa arrebatada de profecia” (mais
arrebatada no caso de Judá, concedamos, por conta do travessão).
Isso porque é sabido4 que os livros do Pentatêuco (Gen, Ex, Lev, Num e Deut)
tomaram forma final no período que se seguiu à restauração do Templo em torno de
500 a.C., a partir de textos e tradições orais que remontavam de 1000 a 600 a.C.

3
Um pouco antes, nesse mesmo texto, Meschonnic ressalta a importância de traduções da Bíblia
para a sua empreitada: “Nessa prova de força, teórica e prática, entre a teoria tradicional e a [minha]
teoria crítica da tradução ligada a uma teoria crítica do ritmo, a [tradução da] Bíblia tem um papel
exemplar, fundamental”. Será, portanto, a partir de exemplos de tradução da Bíblia, como os que
examinamos nesta seção, que se poderá elucidar da melhor forma os conceitos teóricos de Meschonnic.
E com eles, inclusive, elucidar Rosenzweig, como se verá logo adiante neste segundo exemplo.
4
De forma a facilitar a fluidez na leitura que uma remissão prejudicaria, este parágrafo e os dois
seguintes são transcritos do Cap. 5, sec. 4, p. 124.
Capítulo 6 167

Esse séc. VI a.C. foi para os israelitas um tempo fortemente marcado pela
experiência do exílio na Babilônia, exílio que se seguiu à tomada de Jerusalém pelo
império assírio e à destruição do Primeiro Templo, em 586 a.C. Um tempo, por outro
lado, também marcado pela experiência do retorno, cerca de 80 anos mais tarde, já
sob os auspícios do império persa, com a finalidade de reconstituir em Jerusalém um
estado títere, e com autorização para reconstruir o (Segundo) Templo.
Assim, esses cinco primeiros livros da Bíblia tratam de compor o quadro de
uma antiga história que pudesse ser percebida como comum aos ex-exilados que
retornavam, aos israelitas que permaneceram na Judéia—a terra de Judá, note-
se—ocupada, e aos adventícios das populações a ela circunvizinhas que, no decorrer
desses oitenta anos, vieram a habitá-la. Uma história na qual a experiência recente
é espelhada: o mundo é incerto, a terra é uma dádiva, e, se há exilio e castigo, há
também restauração e perdão [Neusner, 2003, p. 9].
E há a grandeza—prometida para o reino teocrático (e títere) que se formava—
que é antevista, na literatura que se formava, nessa “prosa no canto arrebatado da
profecia” de Jacó a seu filho Judá. Uma profecia que, diz-nos Rosenzweig no trecho
acima, ainda que faça parte de um poema, não é algo que pode ser meramente
declamado. É impossível declamar em poesia uma profecia que só pode ser proclamada
em prosa.
Aqui, portanto, é a “historicidade que é ritmo” de Meschonnic que nos faz
entender o porquê dessa impossibilidade, ao buscarmos entender na História o
momento da enunciação. Neste exemplo, foi Meschonnic quem nos ajudou a elucidar
Rosenzweig.

5. O signo e a significância, a referência e a intensividade

A crítica de Meschonnic à teoria tradicional da tradução centra-se num ataque


à noção de “signo” e à de “sentido”. Condena o simplismo que há em supor-se que o
que se traduz são “sentidos, palavras, frases, línguas”. Uma visão a seu ver equivocada,
que parte de “uma anterioridade do compreender e do interpretar com relação ao
traduzir.” [Meschonnic, 1999d, p. 139]5.
A isso se opõe, é claro, a sua teoria crítica da tradução e do ritmo, onde o
ritmo, tal como redefinido por Meschonnic, é a noção fundamental, e que não parte
de unidades discretas, como fonemas, palavras, frases, mas de uma “semântica serial
[i.e., contínua] [...] que eu chamo de prosódias pessoais. É o recitativo.” [id.].
Podemos dizer que o que ocorre aqui é a crítica a uma ilusão. A crítica da
denotação. Sabemos ser impossível uma língua de denotação pura, sabemos, ou
5
E nisso já se vê uma proximidade com o linguistic turn de Rosenzweig no qual speech precedes
thought. Pensamos porque falamos, ou porque nos foi falado, mais do que pensamos o que falaremos.
Vide Cap. 4, sec. 2, p. 89.
Capítulo 6 168

dizemos saber, que as palavras também conotam, que tudo na linguagem—e para além
da linguagem—conota. Mas vivemos e traduzimos como se não o soubéssemos. Se a
metafrase não funciona muito além de “the book is on the table = le livre est sur la
table”, recorremos à paráfrase para recuperar, na medida do possível o que importa:
o sentido, a referência do signo. E se a reação a essa visão estreita for a busca da
equivalência formal, tampouco se terá a solução, alerta Meschonnic. “A equivalência
formal não é senão um efeito da teoria do signo” [id. p. 141].
O signo, o signo binário e dualista da denotação,

na antigüidade e na universalidade de seu emprego [...], sua fraqueza é que


ele não sabe pensar o que o transborda. O corpo, o ritmo, o poema. Ele não
sabe pensar-se senão a si mesmo. O que o basta, pois ele se acredita ser toda a
linguagem. [...] [A solução é] contra a estática [bi-unívoca] do signo [...] opor-
se a dinâmica [fluida] que é a crítica do ritmo. [...] Eu me dirijo ao homem
que, no mundo real, está em vias de (est en train de) falar. [Meschonnic,
1999e, p. 143].

Também na visão de Rosenzweig o signo é pernicioso. Ele é “uma maldição”.


A mesma maldição que fez do livro não mais um servidor da palavra dita em voz alta,
mas “seu tirano e seu obstáculo” (vide p. 161 acima). Ocorre que:

onde há uma maldição, as pessoas buscam livrar-se dela. Quando o que é escrito
se torna Escritura, imediatamente aparece por toda parte um ensinamento oral
ligado a ela. [...] Por mais impiedosa que uma boca possa ser, ela ainda é de
carne e osso e não de papel; ela se cansa, e assim aceita a alternância do dia
e da noite; precisa comer, e ao menos então há de encontrar um instante para
conversar. Mas o livro [e os signos nele impressos] é infatigável, não quer saber
de dia ou noite, não tem noção da necessidade humana de relaxamento e de
mudança. [...] Mesmo o descompromissado papo, na festa, acerca da última
novela, e até o feuilleton do jornal, por mais reduzido que seja para caber no
tempo de um café da manhã, tem algo do abençoado poder oral de banir essa
maldição da literatura: sua intemporalidade. [Rosenzweig 1925, in Buber e
Rosenzweig, 1994, p. 41].

Eis aí, de novo, o corpo. E mais o tempo. E, portanto, o ritmo. E ainda a


necessidade de uma “temporalidade” no literário, o que vai ao encontro de Meschonnic:
“o que define especificamente, a cada vez, a coisa literária, e que inclui, é claro, o
romance, é o recitativo [as prosódias pessoais].” [Meschonnic, 1999d, p.140]. Tudo isso
transborda, transcende o signo. Tudo isso não é discreto, nem dual, nem binário.
Sabemos, pois, o que não é. Mas o que é? Um nome sempre ajuda, e o nome
que Meschonnic dá a esse “isso” é “significância”. Mais que um nome, ajuda uma
definição (dentre as muitas que o obsessivo Meschonnic dá): “Significância é uma
rítmica e uma prosódia pelas quais passa tudo o que faz sentido, e que transborda a
circunscrição tradicional do sentido, seus niveis lingüísticos. É o que mais está em jogo
numa crítica da tradução.” [Meschonnic, 1999g, p. 319]. É importante notar que essa
Capítulo 6 169

definição não é circular, como pode parecer à primeira vista: o ponto de Meschonnic
é, justamente, o de fazer ver que não é só o sentido que “faz sentido”.
Ritmo e prosódia são algo que estão na linguagem. Nessa linguagem que sai
de uma boca que está num corpo que está no tempo (e na história). Já o signo opera
não na, mas através da linguagem, pela referência ao que está fora da linguagem.
Essa distinção, implicita em Meschonnic, é explícita—na realidade é pedra angular—em
Walter Benjamin que, como visto no Cap. 5, foi um grande batalhador contra a tirania
do sentido na linguagem e na tradução.
Para ele o que há que traduzir é até mais do que ritmo, oralidade ou significância.
É uma vivência NA língua. De novo, Meschonnic avant la lettre. E, como veremos,
with a vengeance. Ou quase.

5.1 Meschonnic e Benjamin

No entanto, pelo que se lê em Poétique du Traduire, Meschonnic não há de


concordar com a afirmação do parágrafo imediatamente acima acerca do alcance
de Benjamin. Para ele “A Tarefa do Tradutor” de Walter Benjamin, de 1923, é
principalmente o texto que marca a inversão que ocorre no início do séc. 20 de uma
tendência “anexante” a uma tendência “decentrante” na tradução, por representar
“[a] teorização mais conhecida [dessa inversão de tendência]. [...] Mas sempre [se
permanece, ainda, numa tradução] de língua a língua.” [Meschonnic 1999c, p.122,
itálicos de Meschonnic].
Na visão de Meschonnic, Benjamin ainda não está na tradução do discurso,
que se volta para o ritmo, a oralidade e a meschonniciana “significância”.
Mas note-se que Benjamin, em “A Tarefa”, tem também—como tem Meschonnic—o
seu idioleto. Esta lá, p. ex., um certo “modo de designar” e uns certos “simbolizado
e simbolizante” (vide no Apêndice, item A.9.2, p. 233 adiante), cujos exatos sentidos
(?!) são difíceis de se atinar e que podem estar, ao menos em parte, dando conta do
discurso.
Mas, sobretudo, Meschonnic parece não levar em conta na análise que faz
de Benjamin, o ensaio anterior desse autor, de 1916, “Sobre a Linguagem em Geral
e Sobre a Linguagem Humana” (doravante, “A Linguagem”). Como vimos no Cap. 5,
esse primeiro ensaio de Benjamin é indispensável para uma leitura proveitosa da
críptica “A Tarefa”.
Para o que aqui nos concerne, são sobretudo os conceitos do “modo de designar”
e da “intenção” em “A Tarefa” que cabe serem enfocados. A eles equacionamos, no
Cap. 5, a noção de “intensividade” conforme lá a definimos (Cap. 5, sec. 5.3, p. 143).
A intensividade é o aspecto da linguagem que Benjamin valoriza. Ela se aproxima,
Capítulo 6 170

como veremos, da “significância” em Meschonnic, e é através dessa proximidade que


os dois autores a nosso ver se inter-elucidam.
“A Linguagem” é, como vimos, um texto bastante carregado de teologia mas
que, não obstante, apresenta uma teoria da linguagem que não transcende o âmbito
do lingüístico. Trata-se, na realidade, do movimento oposto ao de uma invasão da
linguagem pela teologia: o que se tem é um radical linguistic turn, tanto filosófico,
quanto teológico e metafísico.
Dele resulta, conforme detalhadamente discutido no capítulo 5, um menosprezo
pela denotação em favor de uma expressão “na” linguagem, ou seja, imediata e
intrínseca à linguagem. Isso está em linha com o menosprezo de Meschonnic pelo
signo que refere, pela ilusão de uma pura e unívoca denotação. É a linguagem como
vivência e não como mero meio de comunicação que constitui a virada lingüística de
Benjamin na metafísica e na filosofia.
O ápice da linguagem como vivência se dá, para Benjamin, na nomeação
humana que—ainda num âmbito paradisíaco e não decaído— participa com Deus
da Criação, e que portanto tem, como tem Deus, uma função nessa Criação. Essa
nomeação aponta para esse outro aspecto da linguagem, a intensividade, que—neste
pobre mundo pós-paradisíaco e decaído—normalmente passa despercebido, dada a
tirania do signo referente.
É essa “intensividade” que é vivência na língua, o que para Benjamin é preciso
fazer passar na tradução. E essa “vivência na língua” claramente tem—e aqui repetimos
Meschonnic para fazer ver o ponto—muito da

significância [que] é uma rítmica e uma prosódia [portanto, algo na língua] pelas
quais passa tudo o que faz sentido, e que transborda a circunscrição tradicional
do sentido, seus niveis lingüísticos [que são os da referência]. É o que mais está
em jogo numa crítica da tradução. [Meschonnic, 1999g, p. 319].

Como Buber-Rosenzweig no caso do ritmo, o Benjamin da intensividade (/modo


de designar/ intenção) tem, portanto, muito de Meschonnic avant la lettre.
E assim, Benjamin não opera só “de língua a língua” [Meschonnic, 1999d, p.
122] como pensa Meschonnic. Está também no discurso.
E talvez esteja até mais do que Meschonnic. O modo de designar, na medida
em que é vivência na língua pode abarcar mais do que as categorias rítmicas que
Meschonnic define. Tornemos, à guisa de exemplo, a uma situação já discutida no Cap.
5 (item 6.2.3, pp. 152-153). A tradução—de um modo de designar, de uma vivência
na língua—que Rosenzweig descreve no “Posfácio” ao Halevi [Rosenzweig, 1995, p.
178].

O tradutor] não pode suprimir os double entendres [dessa] linguagem [de Halevi,
que é coalhada de intertexto bíblico]. [...] Assim o tradutor tem a tarefa de
ajeitar [the task of working out] as citações que ele deseja ressaltar como tais
Capítulo 6 171

[i.e., como se tratando de uma citação explícita ou implícita], e possivelmente


[a tarefa] de substituir uma citação que é estranha a um [leitor] contemporâneo
por outra que lhe é mais familiar. [id., 178].

Em outras palavras, traduzir a intertextualidade (aqui de novo, avant la lettre


quarenta anos antes de Kristeva!). Traduzir para que uma vivência na linguagem
passe através da tradução. No caso, a vivência do reconhecimento de uma referência
intertextual não explícita. Assim, a “intensividade” de Benjamin parece transbordar
para além da “significância” (que “é [só] uma rítmica e uma prosódia”) de Meschonnic.
A vengeance?
Na realidade não. A “intensividade” de Benjamin transborda (talvez) a
“significância” de Meschonnic, mas não transborda Meschonnic como um todo. Todo
o esforço é sempre o de se traduzir a poética (a intensividade) de um texto, e esse
insight de Meschonnic permanece e auxilia a análise.
Quando se leva em conta essa noção de uma “poética do traduzir”, o pensamento
de Meschonnic revela-se elaborado e sofisticado o suficiente para dar conta do que
faz Rosenzweig e do que diz Benjamin. E, dessa forma, elucidá-los.

6. Leitwörter, poética, sistematicidade, traduzibilidade

Como vimos ao início, o texto literário é uma oralidade na escrita, uma oralidade
que só atinge sua plenitude na escrita. Essa oralidade, “primado do ritmo no modo de
significar” [Meschonnic, 1999a, p. 29]—primado do ritmo na significância, portanto—é
que dá unidade ao texto. E essa unidade vem da poética do texto. Uma poética que
é do autor, que é aquilo que o autor imprime ao texto e que faz do texto um uno.
É a poética de Dante que dá à Divina Comédia a unidade que é a Divina
Comédia, e que contrasta com, digamos, um texto que tenha sido artificialmente
arcaizado—qual o móvel artificialmente envelhecido da feira de artesanato6—e que
pode até impressionar pontualmente, mas no qual se sente que falta uma unidade,
um todo, isto é, uma poética.
No trecho de Meschonnic que citamos ao início do presente capítulo e que
é o celeiro dos conceitos que vimos procurando elucidar, aparece o “ritmo, que
é a organização do movimento da palavra no discurso” e que, assim sendo, “é a
especificidade, subjetividade, historicidade do discurso, e também a sistematicidade
[desse discurso].” [id.]. O ritmo como “especificidade, subjetividade e historicidade”
já foram considerados acima na sec. 4. Cabe agora que busquemos entender melhor

6
A imagem, o exemplo e a esclarecedora conceituação da poética do autor como unidade do texto são
do Prof. Alain Mouzat, dados em aula de sua disciplina (“Textualidade e Tradução”) de pós-graduação
na FFLCH-USP (2006). Se conceito, imagem e exemplo estão aqui corretamente apresentados ou não,
e se é cabível ou não o seu uso na presente argumentação, são aspectos cuja responsabilidade, no
caso de incorreção, cabe exclusivamente a quem redige estas linhas.
Capítulo 6 172

essa “sistematicidade” em Meschonnic, e que reconheçamos seus paralelos em


Rosenzweig e Benjamin.
Em um de seus artigos, Meschonnic menciona a sistematicidade justamente
no contexto da poética como unidade do texto, e com imagens que lembram muito
a argumentação do segundo parágrafo acima:

A coerência e a sistematicidade interna fazem com que a unidade poética do


texto seja, tão somente ela, o próprio texto [font que la seule unité poétique
d’un texte est ce texte lui-même]. Todas as outras unidades [...] são lingüísticas
ou retóricas. Paradoxalmente, o risco maior de uma tradução que deve deslocar
[faire bouger] ao mesmo tempo o texto e suas traduções anteriores, são os
sucessos pontuais. [Sucessos esses] [q]ue não são mais que uma forma do
heteróclito. Como o arcaísmo. [Meschonnic, 1999f, p. 178].

O que Meschonnic diz logo a seguir nesse texto pode ser tomado como uma
quase-definição da tradução dialógica de Rosenzweig—a tradução que busca desenvolver
na língua de chegada, e mesmo que ao custo de um grande estranhamento, uma
expressividade que o tradutor reconhece na língua de partida, mas que ainda inexiste
na língua de chegada. Dizemos uma quase-definição, na medida em que Meschonnic
não define, mas sim faz uma apresentação do problema tradutório que essa tradução
dialógica busca enfrentar. E o faz à luz de sua “poética do traduzir”, permitindo-nos com
isso constatar a proximidade que existe entre o seu pensamento e o de Rosenzweig.
Isso se dá quando, na continuação do trecho que vimos de citar, Meschonnic
volta a insistir na precedência do poético ante o retórico e o lingüístico e visa

mostrar, pela distância entre as poéticas e os meios lingüísticos, o efeito


das aclimatações costumeiras. E [mostrar, por outro lado] o contra-efeito de
uma possibilidade nova. [Aclimatação costumeira] como [a que se faz no caso
] [d]o pentâmetro iambo de Shakespeare, [onde] se vê surgir o papel infeliz do
alexandrino [que é a versificação padrão do francês] como molde poetizado por
antecipação pelo seu uso e sua usura, passe-partout convencional que se tornou
um dos maiores obstáculos da poesia, dada a maneira que dele [alexandrino] se
serve toda a gente [ao traduzir Shakespeare para o francês], de uma maneira
que multiplica as chevilles [ lit. “cavilhas”, i.e., palavras vazias que só servem
para completar a métrica ou a rima do verso alexandrino]. [id., pp. 178-179,
grifos meus].

Ao comparar-se o que vai nesses dois trechos de Meschonnic com a definição


padrão da tradução dialógica de Rosenzweig (dada logo acima do segundo trecho),
constata-se que, nesse caso, esses dois autores de fato se elucidam mutuamente, e
quase se equacionam7.

7
Ficamos aqui só no exemplo que Meschonnic dá para o “efeito das aclimatações costumeiras”,
ou seja, Shakespeare traduzido para o francês em alexandrinos. É o que nos basta para fazer ver a
proximidade entre Meschonnic e Rosenzweig neste caso. O “contra-exemplo” que traz “uma possibilidade
nova” está em Meschonnic, 1999f, pp. 179-181. Trata-se da tradução por Meschonnic de uma quadra
chinesa em versos de cinco caracteres, do poeta chinês contemporâneo François Cheng. A solução
Capítulo 6 173

Usando os termos que Meschonnic emprega nesses dois trechos, pode-se dizer
que uma “sistematicidade coerente” é o que constrói a “unidade poética” (vide o
primeiro dos dois trechos de Meschonnic logo acima). E é nessa dimensão do poético
que deve operar a tradução. Operar no além das “poéticas” (vide o segundo trecho)
mesmo que à custa de um estranhamento, e não no aquém da mesmice dos “meios
lingüísticos”.
Mas essa proximidade Meschonnic/Rosenzweig merece ser mais aprofundada,
agora do lado de Rosenzweig. Como veremos, para ele há também uma unidade do
texto que é fundamental. Uma poética, portanto, nos termos de Meschonnic, e será
interessante surpreendermos Rosenzweig constatando esse fato (mas sem usar o termo
“poética”).
Além disso, também no caso de Buber-Rosenzweig há a constatação de uma
coerência de natureza sistemática (e rítmica) que precisa ser fundamentalmente
respeitada na tradução. Essa coerência sistemática—ou sistematicidade—se configura
na técnica tradutória das Leitwörter [palavras-líder], a segunda das revolucionárias
técnicas de tradução introduzidas por Buber-Rosenzweig. Como veremos, é o arcabouço
de Meschonnic que nos permite constatar que, através das Leitwörter, Buber-Rosenzweig
estão na realidade detectando os building-blocks de uma poética do texto bíblico.
Vamos, pois, a Meschonnic ajudando-nos a vislumbrar a poética do traduzir
de Buber-Rosenzweig. E às Leitwörter de Buber-Rosenzweig constituindo um exemplo
prático do que seja o “ritmo, [a] organização do movimento da palavra, que é a
sistematicidade do discurso” em Meschonnic.

6.1 As Leitwörter e a poética do traduzir de Buber-Rosenzweig

“Traduzimos a Torah como um livro único”, diz Rosenzweig acerca do que


denomina a “unidade da Bíblia”,

[p]ara nós ela é o produto de uma mente única. Não sabemos a quem pertenceu
essa mente; não podemos crer que tenha sido Moisés. Designamos essa mente
entre nós [Rosenzweig e Buber], pela [mesma] abreviatura com que a Alta Crítica
da Bíblia indica o presumido redator final do texto: R. Para nós entretanto ela não
se refere a redator, mas a rabenu [nosso mestre]. Por que ele, quem quer que
tenha sido, e seja qual for o texto que tinha à sua frente, ele é o nosso mestre,
e sua teologia é o nosso ensinamento. (Rosenzweig, 1927, in Buber e Rosenzweig,
1994. pp.22-23, grifos meus, vide também Cap. 2, sec 7, pp. 54-55).

de Meschonnic é, definitivamente, a tradução dialógica de uma intensividade a la Rosenzweig, que


não teme o estranhamento: a cada ideograma corresponde uma única palavra em francês, compondo
assim uma quadra com versos de cinco palavras, versos esses que não formam frases coordenadas, no
máximo sugerem soluções de coordenação que o leitor mais vivencia do que busca estabilizar como
uma sentença com um sentido.
Capítulo 6 174

À luz da discussão no início da presente seção, fica claro que Rosenzweig,


teologia à parte, está aqui reconhecendo—ou reconhecendo a necessidade de—um autor
único e sua poética, de forma a que o todo da Bíblia hebraica constitua-se aos olhos de
Buber-Rosenzweig num texto único e uno, com uma poética que lhe dá essa unidade.
Assim, todo o esforço de tradução de Buber-Rosenzweig e as técnicas tradutórias que
aplicam, pode ser entendido como o esforço de tradução de uma poética.
Essas técnicas tradutórias podem, conseqüentemente, ser entendidas como os
building-blocks de uma (re-)construção da poética no texto traduzido. A colometria,
na medida em que, como já vimos, reconstrói na língua de chegada a oralidade de
um texto escrito, reconstrói de fato uma poética. Não é portanto mera coincidência
o fato de que tanto Buber-Rosenzweig quanto Meschonnic empregam a técnica da
colometria. Mas há também, como vimos, a segunda técnica que Buber e Rosenzweig
introduzem, a técnica das Leitwörter.
Lawrence Rosenwald, um dos editores da tradução para o inglês dos escritos
de Buber e Rosenzweig sobre tradução da Bíblia, nos esclarece que

uma Leitwort é para um texto o que um Leitmotif é para uma ópera de Wagner:
uma palavra temática ou complexo de palavras. [...] [E no que concerne o
trabalho de] tradução, uma Leitwort é simplesmente uma palavra ou complexo
de palavras que se deve traduzir consistentemente em todas as suas ocorrências,
i. e., deve-se traduzir de tal maneira que onde uma Leitwort recorre no original,
seu equivalente recorre na tradução. [ Rosenwald, 1994, p. xxxix].

Fazer isso não é tão simples quanto a formulação de Rosenwald (seu,


“simplesmente” acima) pode fazer parecer à primeira vista8. Quando mais não seja,
há que reconhecer se um termo é ou não uma Leitwort, e isso ao longo de todo o
texto da Bíblia, não apenas para um dado trecho ou só para um dado livro da Bíblia.
E há que, dada a polissemia dos termos e a pluralidade dos contextos, decidir qual
“equivalente” único adotar.

8
Cabe que fiquem aqui registrados dois exemplos dentre as Leitwörter que Buber e Rosenzweig
registram: as ocorrências do verbo “ver” nas narrativas de Abraão, que segundo Buber visam estabelecer
a condição de “visionário” de Abraão. Essas ocorrências são numerosas ao longo dos caps. 12, 13,
16 e 17 do Gênesis, atingem um clímax no “teste de Abraão” no cap. 22, e chegam até ao livro de
Samuel em Sam 9, 9 [Buber, apud Fox, 1997, pp. xv-xvi]. Outro exemplo é a consistência na tradução
de reiqam por “de mãos vazias” [empyt-handed], que Rosenzweig advoga para as ocorrências em Gen
32, 24; Ex 3, 21 e Dt 15, 13. “Só assim [com essa consistência na tradução] a notória passagem do Ex
pode ser corretamente entendida”, diz Rosenzweig [Rosenzweig, 1927, in Buber e Rosenzweig, 1994,
pp. 24-25]. Note-se a inversão que se dá neste segundo exemplo com relação à visão tradicional: a
tradução (a rigor a técnica de tradução) propicia a hermenêutica (vide Cap. 2, sec. 8, n. 10, p. 56). E
por falar em hermenêutica e avant la lettre, pode-se reconhecer na postura que Rosenzweig adota no
trecho citado pouco acima (no início desta sub-seção 6.1) de encarar a Bíblia como um texto unitário,
a mesma postura da celebrada “hermenêutica canônica” de Brevard Childs (p. ex. em Childs, 2001,
pp. 18, 21, 59), mais de cinqüenta anos avant la lettre.
Capítulo 6 175

Seja como for, está aí sem dúvida o reconhecimento prático, substanciado pela
adoção de uma técnica tradutória, de que existem uma “coerência e sistematicidade
interna que fazem com que a unidade poética do texto seja, ela tão somente, o
próprio texto” [Meschonnic, 1999, p. 178, grifos meus. Vide p. 172 acima.].
Fox, na Introdução de sua tradução—rosenzweigueana—do Pentatêuco, avança
um pouco mais que Rosenwald na direção da constatação de uma poética da Bíblia:

[à parte transmitirem um significado] as Leitwörter podem estar desempenhando


um papel estrutural. [...] Os antigos redatores da Bíblia aparentemente moldaram
[crafted] o material que receberam num todo orgânico. Usando meios tais
como as palavras-líderes eles, com efeito, criaram uma nova literatura na qual
profundas relações existem entre as partes e o todo. [Fox, 1997, p. xvii].

Mas é Buber quem, muito antes de Rosenwald ou Fox, coloca a questão em termos
bem mais próximos a uma poética do texto bíblico, similares aos de Meschonnic:

Seqüências de sons, de palavras, de grupos de palavras recorrem [reaparecem]


em específica relação com as diversas partes de uma passagem, com várias
passagens, com vários livros; reaparecem de forma a constituir uma unidade
discernível, [...]. O ensinamento bíblico menos apresenta suas maiores verdades
do que deixa que elas se revelem [lets them be opened up] por esses arcos de
repetição significante, ligando passagem a passagem de forma perceptível a
todo leitor atento e de mente aberta.” (Buber, 1926a in Buber e Rosenzweig,
1994, p. 14, negritos meus, itálicos de Buber, vide Cap. 2, sec. 7, p. 54).

Mais uma vez, o difícil aqui é saber-se o quão atento deve estar “todo leitor
[/tradutor] atento” para que venha a discernir tais “arcos de repetição”. Mas o
ponto principal a ressaltar são justamente “esses arcos de repetição significante” em
si, enquanto entidade textual que Buber constata. Eis aí, sem dúvida, uma poética
definição de “poética” e de “ritmo”, que Meschonnic com certeza aprovaria.
Num outro trecho, Buber é ainda mais explícito quanto a poética e ritmo.
Um trecho que traz o bônus adicional de alertar contra a ilusão da dicotomia forma
/ conteúdo:

Não existe um “conteúdo” a ser extraído a partir do minério bíblico [to be smelted
from the biblic ore]; cada conteúdo bíblico existe em seu unitário e indissolúvel
Gestalt, um Gestalt tão indissolúvel quanto o de um bom poema [...]. Tudo
na Escritura é fala genuína [genuine spokenness], em comparação com a qual
conteúdo e forma aparecem como o resultado de uma falsa análise.[...] A
Mensagem [...] entra na forma, ajuda a determinar a forma, transforma-a, e
se transforma por [for] ela—mas sem com isso afetar-nos, nem um mínimo que
seja, como algo que possa vir-nos distorcido, confundido, didatizado. [...].
O princípio através do qual isso é alcançado deve ser, justamente, um princípio
formal. Esse princípio formal é o ritmo—mas ritmo tanto num sentido amplo,
quanto num bastante específico.” (Buber, 1926b in Buber e Rosenzweig, 1994.
pp.28, grifos meus, vide Cap. 2, seção 7, pp. 54-55).
Capítulo 6 176

O primeiro parágrafo de Buber acima, descreve, poderíamos dizer, uma


poética. O segundo faz do ritmo o princípio dessa poética. Um ritmo que “num sentido
amplo” se desdobra com a sistematicidade dos “arcos de repetição significante” das
Leitwörter9.
Eis aí, portanto, na prática, na técnica tradutória das Leitwörter de Buber-
Rosenzweig, a poética de um texto, num ritmo que é a sistematicidade do discurso
desse texto. E tudo com vistas a preservar a “fala genuína”, ou seja, a oralidade do
texto.
Quomodo erat demonstrandum, diria Meschonnic.

6.2 A poética do traduzir vivências.

O ritmo lato senso de Meschonnic envolve, portanto, essa série de aspectos que
vimos discutindo (oralidade, historicidade, sistematicidade, significância, subjetividade),
todos compondo uma “poética” do texto. Para Meschonnic, essa poética, esse ritmo,
é o texto (vide p. 172 acima), e é isso, essa poética que é ritmo lato senso, o que
deve ser passado na tradução—pelo “passador” que é o tradutor—para que “o que
chega do outro lado, chegue vivo” [Meschonnic, 1999a, p. 17]. Assim, ao se traduzir
um texto literário, não se traduz um sentido do texto ou uma sua hermenêutica, mas
um texto tout-court, e portanto uma poética.
Essa idéia de que há uma poética a se traduzir pode ajudar no entendimento de
uma noção que, talvez por seu caráter “platônico”, não fica clara em “A Tarefa do Tradutor”
de Walter Benjamin. Trata-se do que Benjamin chama de “traduzibilidade”.
O caráter platônico que, nesse aspecto, a teoria de Benjamin toma é colocado
de forma clara pelo autor: “A tradução é uma forma. [...] e a traduzibilidade [é]
essencial a certas obras” [Benjamin 2001, p. 191]. Essas afirmações devem ser lidas
sob uma ótica em que, como vimos, o sentido é tido por absolutamente acessório
(vide Cap. 5, sec. 3, p. 121).
Mas o que seria exatamente essa “traduzibilidade essencial a certas obras”,
essencial a certos textos originais, e que instancia a forma-Tradução na “traduzibilidade
de suas construções de linguagem” [id.]?
Quem lê Benjamin com olhos de Meschonnic, ou com as lentes que Meschonnic
provê, responde: a traduzibilidade do texto é a sua poética. A poética-ritmo desse
texto, uma poética que abarca todos os aspectos que Meschonnic aponta.
Nem todos os textos têm poética. E muito poucos textos têm a poética de
um “Shakespeare, Isaías ou Dante” [Rosenzweig, 1995, p. 171]. E no caso desses
últimos, vale a substituição na frase de Benjamin, “a poética [/traduzibilidade]

9
E um ritmo, que “num sentido bastante específico” é a “ordem interna [de cada] discurso [específico]”,
o “movimento da fala” que no texto escrito se expressa pela colometria.
Capítulo 6 177

de suas construções de linguagem” com certeza “é levada em consideração” [vide


Benjamin, 2001, p. 191 e Apêndice, item A.2, p. 215]. E é “essencial a essas obras”.
A traduzibilidade benjaminiana de um texto é, portanto, a sua poética.
Note-se que ao equacionar traduzibilidade e poética, estamos também
equacionando essa poética, ou seja, o “ritmo” lato senso de Meschonnic, ao “modo
de designar” de Benjamin. À “intensividade” que, como vimos no Cap. 5, alcança toda
uma amplitude de vivências na língua. Na realidade já equacionáramos, anteriormente
neste capítulo, a poética de Meschonnic com a intensividade, quando notamos que
a intensividade de Benjamin transborda (talvez) a significância Meschonnic, mas não
transborda Meschonnic como um todo (vide p. 171 acima).
E, enfim, é isso—traduzir a poética, o ritmo e/ou a intensividade—o que fazem
Buber-Rosenzweig quando aplicam suas técnicas tradutórias da colometria e das
Leitwörter. Por outro lado, como visto anteriormente, ao assim traduzirem, usando
essas técnicas com vistas a preservarem no texto traduzido o “potencial de Revelação”
do texto original da Bíblia, Buber e Rosenzweig estão traduzindo a “enunciação” do
Bakhtin de “Os Gêneros do Discurso” (vide Cap. 3 sec. 8, pp. 83-84).
Traduzindo a enunciação, traduzindo a intensividade, traduzindo o ritmo. Plus
ça change, plus c’est la même chose:
Vivências na língua é o que há que traduzir.
178

CAPÍTULO 7

CORPO, TEXTO, VIDA, LÍNGUA

Le texte scriptible est un présent perpétuel, […] c’est nous en train d’écrire.
Roland Barthes, 1970

1. Introdução

Este último capítulo aprofunda-se no exame das vivências na língua que um


traduzir dialógico deve ter em conta, e trata das conexões texto-vida e vida-língua,
às quais a tradução dialógica está atenta.
A seção 2 faz ver os vários níveis experienciais em que essas vivências se
dão, dentre eles um nível mais corporal que autoriza, à luz de Buber-Rosenzweig,
um enfoque somático na teoria da tradução. A seção 3 examina um caso em que esse
ponto de vista foi adotado, o da “somática da tradução” de Douglas Robinson em The
Translator’s Turn, e considera seus méritos e fraquezas bem como suas semelhanças
e diferenças com relação ao enfoque do presente trabalho.
A seção 4 serve-se do escriptível de Barthes para examinar a conexão do
textual à vida e considera um caso em que essa conexão se dá na prática a partir de
uma Leitwort. Assim sendo, argumenta-se, a postura tradutória de Buber-Rosenzweig
deve ser reconhecida como um writerly turn in translation. Na seção 5 a conexão
(ou o mútuo imbuir-se) da língua à vida é examinada à luz do próprio Rosenzweig e
a partir do fenômeno da homofonia que é, igualmente, uma vivência na língua que
deve ser levada em conta na tradução dialógica.

2. Corpo e texto

Encerramos o capítulo anterior com a constatação de que, para uma tradução


dialógica tal como a que Rosenzweig pratica, vivências na língua são o que há que
traduzir. Mas não há “vivências na língua” em abstrato. O que há são as vivências
de alguém que fala aquela língua. Vivências que alguém as vivencia porque fala a
língua. Alguém que, é claro, tem um corpo, uma história e uma memória1. Alguém
que tem uma respiração, uma glote, um sistema límbico e (até) um córtex cerebral.
Alguém que tem olhos que vêem (ou não), que tem interlocutores, os escuta atento e
lhes responde. Alguém que se emociona. Alguém, enfim, que vivencia a intensividade
da língua da qual é um falante.

1
E tem também um inconsciente, é claro. Mas a psicanálise, especialmente sua vertente lacaniana,
tem sido um non dit no presente trabalho, e assim permanecerá. Ou melhor, on la dira encore, mas
apenas em notas de pé de página.
Capítulo 7 179

Rosenzweig já nos fez ver, na prática, algumas maneiras de como essa vivência
da intensividade da linguagem pode se dar. De que forma o que vai no texto pode
vincular-se ao corpo, e assim construir vivências, na linha do que Benjamin refere em
“Sobre a Linguagem em Geral e a Linguagem Humana”.
Isso—a apresentação por Rosenzweig de exemplos práticos dessa intensividade
da linguagem que é vivência—se dá, p. ex., nos trechos que incluímos na extensa
discussão que fizemos no Cap 5, sec. 6.2 (pp. 148-155), acerca das técnicas de tradução
empregadas no Halevi com vistas a uma reprodução, justamente, da intensividade ou
“modo de designar” benjaminiano, na língua de chegada.
Como lá foi visto, as técnicas empregadas para a tradução de rima, métrica,
escolha de palavras e estilo buscam propiciar, no leitor da língua de chegada, uma
vivência experiencial da palavra e na linguagem que provoque, desde os níveis mais
básicos da percepção e da emoção que ela suscita, algo similar ao que é experienciado
pelo leitor do original.
Rosenzweig fala, p. ex., em

forçar na língua alemã [que é normalmente] inclinada ao iambo e o trocaico,


versos com [uma] acumulação de tônicas”. [Isso no empenho de] “obter, na língua
para a qual se traduz, uma impressão a mais próxima possível da [impressão
da métrica] do original. (Rosenzweig, 1995, p. 178, grifos meus, vide também
Cap. 5, item 6.2.2, p. 151 acima).

E diz que

“o tradutor tem a tarefa de ajeitar [the task of working out] as citações que ele
deseja ressaltar como tais [i.e., como se tratando de uma citação explícita ou
implícita], e possivelmente [a tarefa] de substituir uma citação que é estranha
a um [leitor] contemporâneo por outra que lhe é mais familiar” [id., 178]

de forma a que o vivencial da percepção de um intertexto possa se dar no


leitor da língua de chegada (Cap. 5 item 6.2.3, pp. 151-152 acima).
Esses dois exemplos (métrica e intertexto) já indicam que essas vivências— ou
seja, que a intensividade ou os modos de designar a serem traduzidos—podem ocorrer
em níveis experienciais bem diferentes. Níveis que inclusive podem ser fisiologicamente
bem básicos, e, não obstante, situarem-se ainda na língua, darem-se a partir da
linguagem e exigirem técnicas de tradução que os alcancem.
Assim, como vimos no Cap. 6 (sec. 3, p. 161), Buber justifica a adoção de uma
apresentação colométrica do texto como algo que já era desejável “mesmo para os
antigos cujo ouvido era treinado para a leitura”, e que é muito mais necessário agora
para nós, “acostumados a ler só com os olhos”. Algo, portanto, que está no nível
corporal, na vivência da percepção visual e acústica da língua.
E o trecho clássico de Rosenzweig que justifica a colometria, vai num nível
fisiológico ainda mais básico, o da respiração, e coloca a “ordem interna do discurso”
Capítulo 7 180

como algo “construído no interior [de duas] fronteiras [consecutivas] de silêncios


para retomada do ar” (Cap. 6, seção 3.1, pp. 177-158). Esse espaço tão fisiológico
envelopa, não obstante, um outro nível vivencial bem mais elevado e que é preciso
traduzir, o da emoção ditada pelos “movimentos e os estímulos da alma” (id.), que a
técnica da colometria, indo contra a “lógica da pontuação” (id.) ou contra “o passo
de dança métrico da poesia” (Cap. 6, seção 4, p. 161), também alcança.
De que forma os “movimentos e estímulos da alma” podem estar em—ou podem
ser suscitados por—algo que está num texto impresso, será discutido logo adiante.
Seja como for, os níveis mais básicos—os “fisiológicos” ou “corporais”—que vimos de
apontar, indicam que a “tradução de vivências” que reconhecemos em Rosenzweig,
Benjamin e Bakhtin corresponde, ao menos em parte, a uma teoria da tradução que
toma a resposta somática como base.
Esse é um resultado importante, e é importante que ele tenha sido tirado a
partir da longa argumentação do presente trabalho, com base em três pensadores de
estatura, cujas respectivas filosofias buscam chamar a atenção para um aspecto da
linguagem que é o contraponto da referência, ou seja, a intensividade, que o falante
da língua vivencia. E a vivencia (em muitos casos) num nível corporal. Somático.
A importância está, enfim, em ter-se demonstrado que o peso do ferramental
de Bakhtin, da prática e reflexão tradutórias de Rosenzweig, e da filosofia que embasa
“A Tarefa do Tradutor” de Benjamin autorizam uma teoria somática da tradução.
Uma tal chancela seria, é claro, sempre bem-vinda. Mas ela é especialmente
bem-vinda para uma tal (somática) teoria.

3. Doug’s dream come true

Isso porque, diz-nos Douglas Robinson em The Translator’s Turn—um livro


admirável que mereceria uma atenção maior—, “parece haver, de fato, uma regra não
escrita [que vige] entre os teóricos da tradução, segundo a qual a resposta somática é,
para a teoria, o beijo da morte.” (Robinson, 1991, p.18). E, de fato, pode-se entender
o porquê de uma tal regra. Afinal, é de se esperar dos teóricos que tenham uma postura
mais “científica”, e a resposta somática é muito imprevisível e idiossincrática.
A ousadia de falar de equivalência “em termos de sentimento, intuição, resposta
corporal” (id.) só poderia vir de quem pratica a tradução, vir de um tradutor de ofício,
e dentre esses, “de um poeta maior com uma reputação de brilhantismo errático”
(id.). A menção meio implícita—Robinson a explicita em nota—é a Ezra Pound, e faz,
a nós, pensar nos irmãos Campos.
Um enfoque para a tradução que supere esse dualismo da “razão” versus o
“sentimento”, uma concepção que seja uma mistura harmoniosa desse viés da teoria
com o viés da prática e que enfatize a contribuição criativa do tradutor, eis o objetivo
Capítulo 7 181

de Robinson (id., p. 100). O primeiro passo nessa busca é uma “somática da tradução”
(id., pp. 3-64), o atentar para o que, no presente estudo, denominamos “vivência”,
no caso de Robinson uma vivência corporal mais básica, fisiológica.
Nesse sentido, The Translator’s Turn é muito relevante para o que nos concerne.
Robinson parte da resposta somática para construir uma teoria que esteja atenta à
“realidade” da prática. Por nosso lado, partimos da teoria—da filosofia de Rosenzweig
que é carregada de teologia—, buscando entender como o trabalho de tradução desse
autor pôde constituir-se em aplicação prática de uma (à primeira vista) tão “etérea”
filosofia. E chegamos na vivência corporal, que não deixa de ser uma “somática da
tradução”.
Caminhos semelhantes, portanto, trilhados em direções opostas. Guardadas
as proporções, o ponto de partida de um é, de certa forma, o ponto de chegada do
outro. De quebra, e para gáudio de Robinson, o “beijo da morte” é, no presente
trabalho, tornado em sopro de vida, e isso à luz de Rosenzweig, Benjamin e Bakhtin.
Doug’s dream come true, indeed. Et avant même qu’il le songea...
Robinson, ademais, também propõe uma “tradução dialógica” e quem a inspira,
ao menos em parte, também são Buber e Bakhtin2. Ela é colocada em termos de um
novo, terceiro paradigma, a ser introduzido após os dois paradigmas da tradução que
Robinson reconhece na tradição ocidental, o de Agostinho e o de Lutero.
Há que superar, diz Robinson, três barreiras à criatividade do tradutor herdadas
desses dois paradigmas. Um dualismo (o do “conteúdo” único e essencial a preservar
versus as transitórias “formas” com as quais o tradutor se vê às voltas nas diversas
línguas), um instrumentalismo (segundo o qual o tradutor deve ser um mero instrumento,
neutro e transparente, para a transmissão do pensamento do autor do original) e um
perfeccionismo (com tintas de um Espírito Santo a inspirar os tradutores da Septuaginta),
que em tese busca uma tradução que supere o original, mas que na realidade vive a
melancolia da impotência—entendida como incompetência—do tradutor (id., pp. 47,
52, 55, 57).
The Translator’s Turn é de 1991. Rosenzweig, que àquela altura era bem menos
conhecido no mundo anglófono, não é, nessa obra, mais do que o colaborador de
Buber3 numa tradução da Bíblia Hebraica que é “[intended] for the jaded and sated
2
A bem da precisão note-se que o presente trabalho, ao contrário de Robinson, não propõe uma
teoria dialógica da tradução (e nem de longe, é claro, tem o porte do de Robinson). O que se faz aqui
é constatar a existência de uma prática de tradução dialógica, a de Rosenzweig, e estudá-la à luz da
filosofia e da reflexão do próprio Rosenzweig e das de outros autores.
3
Galli, em sua penetrante análise do trabalho de tradução de Rosenzweig no Halevi (Galli, 1995),
dedica alguns parágrafos a The Translator’s Turn, que considera ser uma “interessante história da
tradução, escrita num modo explicitamente dialógico [...] [e] que soa muito como um livro que fosse
escrito segundo o método do speech thinking.” (Galli, 1995, p. 364). Por outro lado, lamenta o fato
de que Rosenzweig seja mencionado apenas de passagem e, mesmo assim, subordinado a Buber. E,
principalmente, o fato de que o esforço de Buber-Rosenzweig no sentido de “recuperar a expressão
oral do texto escrito da Bíblia” (id., p. 366) não tenha sido compreendido por Robinson, que o tomou
Capítulo 7 182

intelligentsia, no matter what Buber and Rosenzweig say” (id., p. 227). Já Bakhtin
é—de forma surpreendente—apresentado apenas como “Buber’s most illustrious
follower” (!)4 (id., p.66).
No que concerne a Buber, Robinson diz que é o seu (de Buber) “marginalizado”
dialogismo que pode vir a apontar para um novo paradigma para a tradução. Mesmo
sendo assim, para Robinson “Buber não nos levará longe na direção que quero tomar”
(p. 92). E, de fato, é no “dialogismo interno, ou heteroglossia, do discurso” de Bakhtin
que Robinson vai, de fato, buscar o antídoto para a barreira do dualismo (p. 100)5.
Buber, a rigor, serve mais para corroborar—e isso não é pouco—a “somática”
de Robinson, por sua (de Buber) insistência em que a Revelação, propiciada (ou não)
pela leitura de um texto, ocorre na vida de alguém, “acontece em mim” (vide a
citação de Buber no Cap. 2, sec. 6, p. 50), “é sempre carne humana e voz humana”
(Buber apud Robinson, p. 94).
Seja como for, se Robinson, dado o momento em que escreve, relega por
desconhecimento Rosenzweig a um segundo plano, quem lê Robinson hoje em dia clama
por aproximá-lo de Rosenzweig. É interessante constatar o quanto Robinson intuiu de
Rosenzweig, para além do que a proximidade deste último com Bakhtin e Buber—autores
nos quais, como vimos, Robinson se baseia em parte—poderia justificar.
O “turn” de Robinson é polissêmico. Na primeira de três acepções, “turn”
refere-se à vez do tradutor que é chegada, com o reconhecimento do papel criativo
por ele desempenhado no processo da tradução, do muito que há de seu na autoria
de um texto que, na língua de chegada, já não é mais tão “só do autor”. Na ética da
tradução que Robinson propõe, ao tradutor não cabe só “verter”, mas cabe também—a
esse tradutor não mais “introvertido”, mas saudavelmente “extrovertido”—“converter”.
E mais ainda—e sempre eticamente—, cabe a ele também “reverter”, “controverter”
e “subverter”, dentre outros tipos de ação que podem ser tomados (id., p. 203).
Robinson, p. ex., considera, corretamente, a tradução de Buber-Rosenzweig
como uma subversão, produzida na esperança de que venha a “chocar” o leitor,
levando-o a lançar um olhar novo e interessado para a Bíblia (id., p. 226).
Ainda nessa primeira acepção de “turn”, é chegada também a “vez” do tradutor
(Robinson) arvorar-se em teórico da tradução e teorizar a posição ateórica do tradutor
(Gentzler, 2001, pp. 188-189). Produzir a teoria (dialógica) que vem temperada com

por uma mera tradução elitizada. Em favor de Robinson pesa o fato acima mencionado de que, ao
escrever em 1991, o autor muito provavelmente nunca lera Rosenzweig.
4
Como se vê, e não obstante o inegável mérito de seu livro, o efusivo Robinson às vezes leva a
extremos de liberdade a criatividade do tradutor (e do teórico).
5
Já a barreira do instrumentalismo é superada principalmente com o auxílio dos seis estágios da
“primal scene of instruction” de Harold Bloom (Robinson, 1991, pp. 109-111), e para vencer a barreira
do perfeccionismo Robinson se utiliza de um tratamento dramatístico das motivações para a ação,
desenvolvido por Kenneth Burke (id. pp. 127 ss.). As heteroglossias e o discurso multivocal de Bakhtin,
são, entretanto, também convocados por Robinson para a superação dessas duas barreiras.
Capítulo 7 183

a prática, é o objetivo declarado de Robinson. Objetivo de Robinson, e feito (muito


mais bem feito) de Rosenzweig.
Numa segunda acepção, o “turn” é o volteio, é uma dentre as várias figuras de
linguagem ou tropos—ferramentas retóricas, portanto, e não as ferramentas racionais
que são as que se espera que figurem numa teoria (tradicional)—figuras ou tropos,
dizíamos, de que se servem, conscientemente ou não, os tradutores em seu ofício.
Metáfora, metonímia, sinédoque, metalepse, ironia, Robinson trata de demonstrar com
exemplos as soluções de tradução que correspondem a tais “volteios” do tradutor em
seu trabalho de trazer o original para a língua de chegada (Robinson, 1991, pp. 140,
ss.). Ao priorizar dessa forma a retórica frente à razão, o convencimento circunstancial
ante a demonstração definitiva, Robinson, é claro está na linha do linguistic turn em
que o pensamento de Rosenzweig se enquadra (vide Cap. 4, seção 3, p. 94).
Na terceira acepção, “turn” é o desvio que o tradutor toma da língua de
partida para a de chegada. Um desvio de estrada (id., p. xv) , ou de turnpike. Nisso,
Robinson, criado em Los Angeles, quer ver também—num gesto um pouco forçado em
prol da somaticidade—a simbiose californiana do indivíduo com seu veículo, o carro
que é uma extensão do corpo do indivíduo e de sua personalidade, de forma que no
chegar (pelo desvio) a um texto na língua da tradução, há mais do que só movimento
e translação: “not to build a stable bridge, but get somewhere in an interactive way”
(id, p. 261, n. 2, grifo de Robinson). Não a decisão racional que busca preservar o
sentido, mas a vivência de um traduzir, ou um traduzir vivências, diríamos.
Num outro ponto de The Translator’s Turn, Robinson retoma a figura do desvio
na estrada que empregara na introdução do livro, e o surpreendente é que o uso que
faz dessa imagem resulta no que, para todos os efeitos, pode ser tido como uma (muito
boa) definição figurada da tradução dialógica de Rosenzweig. Até o “esticamento da
língua”, e mesmo o estranhamento, que de um modo geral é pouco mencionado por
Robinson, aparecem aqui como motores da evolução da língua:

Para usar o tropo da estrada que mencionei na Introdução, o tradutor, ao desviar


da bem iluminada auto-estrada de quatro pistas da língua de partida para
adentrar o ermo tropical, não está dirigindo um veículo urbano, nem um carro
de rally, nem mesmo um 4x4, mas um bulldozer, progredindo lentamente e de
forma algo laboriosa para criar uma nova estrada—que é o texto de chegada.
Deixar a rodovia da língua de partida não corresponde a tomar-se um desvio
vicinal que dá na auto-estrada paralela da língua de chegada. Trata-se, isso
sim, de abrir um novo caminho, desbravar uma nova trilha. (Robinson, 1991,
p. 136, grifos meus, itálicos de Robinson).

Há ainda um momento em Robinson que merece ser aqui citado. Ele faz ver,
por um lado, o alcance da “tradução de vivências” que aqui estamos postulando,
em especial quando o tradutor dessas vivências tem o porte de um Rosenzweig. Por
Capítulo 7 184

outro, permite reconhecer uma somaticidade excessiva na postura e no vocabulário


de Robinson.
Robinson vai comentar um trecho de George Steiner acerca da fidelidade e
contra traduções “apropriadoras”. Diz Steiner (e o trecho precisa ser aqui transcrito no
inglês do original): “The translator, the exegetist, the reader is faithful to his text,
makes his reponse responsible, only when he endeavours to restore the balance
of forces, [...] which his appropriative comprehension has disrupted.” (Steiner,
After Babel, apud Robinson, 1991, p. 19, grifo de Steiner, negritos meus).
“Como pode uma tradução causar a disrupção de um texto da língua de partida?
Que efeito disruptivo pode a tradução ter sobre um texto?” (id, p. 20, grifo de Robinson),
pergunta-se Robinson, aparentemente minimizando na problemática corpo/texto/vida
a dimensão texto/vida que nos ocupará mais adiante neste capítulo.
A resposta que encontra centra-se no mais básico do somático. Na polissemia
de “responsible”, a “resposta responsável” de Steiner parece tornar-se para Robinson
uma tautológica “resposta responsível [e restrita a um nível fisiológico]”, e a solução
é que “[Steiner] deve estar falando não de textos mas de nossas respostas somáticas
a eles [...]: tendo lido uma tradução apropriadora o receptor [que aqui soa como
um leitor que é só (neuro)fisiologia] pode vir a sentir de uma forma diferente o
original” (id, grifo meu).
Desconte-se o fato de que um leitor da língua de chegada não pode “sentir”
o texto original escrito numa língua que desconhece, a não ser que estejamos numa
situação que transcende as “fronteiras do lingüístico” (e os objetivos do presente
estudo), como é o caso do “hebraico, a língua sagrada” que Rosenzweig prefere não
traduzir, e que foi discutido no Cap. 5 (sec. 4, esp. pp. 128-129). Robinson deve estar
falando de vivências do leitor da tradução que diferem muito das de um leitor do
original. Mas faz isso utilizando um vocabulário inapropriado (por ser excessivamente
“somático”).
Ademais a “apropriação” é visada sob uma ótica que é totalmente negativa:
não cabe apropriar-se do texto, um texto que aparentemente é visto por Steiner como
portador de um conteúdo que é só do autor.
Com isso Robinson—talvez levado por Steiner—está aqui divergindo da atitude,
mais positiva, da hermenêutica dialógica de Buber, o Buber que, diz ele, serve
de paradigma para sua (de Robinson) nova tradução. Segundo essa hermenêutica
eminentemente dialógica o primeiro passo a ser dado pelo leitor (/tradutor) deve ser
o de tomar o “texto como um Tu” (vide Cap. 1, sec. 7.1, p. 36).
Se tomarmos então a “apropriação” sob o aspecto positivo que lhe confere
essa hermenêutica (de acordo com o quarto passo da hermenêutica de Buber a
“apropriação” é “partilha da interpretação [que o diálogo Eu-hermeneuta/Tu-texto
Capítulo 7 185

propiciou] com a comunidade”), e se o somático puder ser menos fisiológico e mais


vivencial, a resposta encontrada por Robinson torna-se bem relevante.
Aplicada no caso específico em que o leitor é também o próprio tradutor do
texto , e o lê em original e tradução, ela serve para que se desfaça o paradoxo de
6

uma frase de Rosenzweig acerca da tradução do Halevi que julgamos significativa a


ponto de tomá-la como epígrafe do presente trabalho.
“Eu mesmo”, diz Rosenzweig, “compreendo um poema só depois de tê-lo
traduzido.” (Rosenzweig, carta a Margaret Sussmann de 22/8/1924, apud Glatzer,
1998, p. 134, grifo meu). “Tendo lido uma tradução”, repitamos Robinson, “o receptor
pode vir a sentir de uma forma diferente o original.” (Robinson, 1991, p. 19, grifo
meu).
Vivenciado o texto na língua do original, construído e vivenciado um texto
na língua da tradução, o tradutor decide por dar as duas vivências por equacionadas.
Mas há ainda a meta-vivência desse equacionamento. Uma terceira vivência dialógica
ocorre. Uma vivência que, no próprio tradutor, faz crescer a compreensão da tradução.
E do original.

4. Texto e vida

“Vivenciado o texto”, diz de início o parágrafo anterior. Vivenciado no corpo já


o sabemos, mas o quê do texto se faz vivência, se transporta para uma vida? Como um
textual se faz responsividade, ritmo, intensividade, acontecimento na vida de alguém?
Cabe agora que, a partir do textual, examinemos essa conexão do texto à vida.
Para tanto, as noções de texto “escriptível” (scriptible, writerly) e texto
“lisível” (lisible, readerly) que Roland Barthes propõe em S/Z (Barthes, 1970), são
especialmente úteis.
Essa partição escriptível/lisível constitui uma tipologia “primeira, fundadora”
(id., p. 9, grifo meu), que Barthes constata ser a aplicável para a avaliação—ou
valoração—de um texto. “Como postular o valor de um texto (literário)?”, ele se
pergunta de início. A resposta que dá é bem relevante para quem vê na tradução,
antes de tudo, uma prática:

Nossa avaliação não pode estar ligada a não ser a uma prática7, e essa prática
é a da escrita. [...] E o que a avaliação encontra é o seguinte valor: aquilo que
pode ser hoje escrito (reescrito): o [texto] escriptível [le scriptible]. Porque o

6
O que está bem de acordo com o espírito do que Robinson diz, como vimos pouco mais acima: “not
to build a stable bridge, but get somewhere in an interactive way.” (vide p. 183 acima). Sobre o que
se seguirá no texto acima, vide também Ozick (apud Oliveira, 2000, p.87, n. 33): “...the poem is not
‘translated’, but uncovered”.
7
E não a uma ciência “que não valora”, nem a uma ideologia, cujo valor “não produz”, apenas
“representa” (id.).
Capítulo 7 186

escriptível é o nosso valor? Porque o desafio do trabalho literário (da literatura


como trabalho) é fazer do leitor, não mais um consumidor, mas um produtor do
texto. (id., pp. 9-10, itálico de Barthes).

Desde logo é possível reconhecer, nesse valor primeiro e fundador da tipologia


de Barthes, a responsividade de Rosenzweig e Bakhtin, aqui posta em termos da
capacidade que o texto escriptível por definição há de ter, de suscitar no leitor uma
resposta produtiva. No caso, a produção de um novo texto—ou até do “mesmo”
texto—pelo leitor, que é assim tornado autor.
Barthes tem então uma frase que é bem importante para o que aqui nos
concerne, pois apresenta de maneira bastante clara a forma—ou pelo menos uma
forma—pela qual um texto pode vir a tornar-se vida para alguém: “O texto escriptível
é um perpétuo presente”, diz Barthes, “[...] somos nós em vias de escrever [c’est
nous en train d’écrire]” (id., p.10, negritos meus, itálicos de Barthes). É nesse ímpeto
de ação, ação que o texto escriptível suscita no leitor que está por se tornar autor,
que se dá a conexão do texto à vida. Tem essa natureza a conexão texto-vida8.
No que se segue, acompanharemos então brevemente a argumentação de
Barthes, na busca de entender exatamente o que, no nível textual ou sub-textual,
propicia que isso, essa conexão texto-vida, se dê. Constataremos, como se verá,
conceitos e preocupações que estão bem próximos daqueles que ditaram a Buber/
Rosenzweig a adoção, dentre outras, das técnicas mais inovadoras na tradução da
Bíblia (a da colometria e, especialmente, a das Leitwörter). Assim, pode-se dizer, a
prática tradutória de Rosenzweig constitui-se num writerly turn in translation.
Vejamos o que nos autoriza a essa afirmação.

4.1 Pluralidade, conotação, comentário

Ao tipo “escriptível”, quase ideal (e quase inencontrável9) de textos, Barthes


contrapõe o tipo usual de textos, os de “nossa literatura marcada pelo divórcio
imperdoável que a instituição literária mantém entre o fabricante e o usuário do texto”.
O “contravalor negativo e reativo” do texto escriptível, é o texto “que pode ser lido,
mas não escrito: o [texto] lisível [le lisible]”, aquele que condena o leitor ao ócio, ao
papel de mero referendador, de ter gostado ou não de ler o texto. E Barthes esclarece:
“chamamos de clássico todo texto lisível” (id., p. 10, itálico de Barthes).

8
Aqui fica evidente o paralelo com Meschonnic que, como visto no Cap. 6 (sec. 5, p. 168), ao valorizar
a tradução do ritmo e da oralidade do texto ante a do sentido, diz: “Eu me dirijo ao homem que, no
mundo real, está em vias de falar [est en train de parler]” (Meschonnic, 1999e, p. 143).
9
Tais textos, segundo Barthes, são encontráveis “apenas por acaso, furtiva e obliquamente em algumas
obras-limites” (id.). O estranhamento, como nos textos traduzidos de Rosenzweig, há de estar neles
presente.
Capítulo 7 187

É à análise de uma narrativa curta de Balzac (“Sarrasine”) que Barthes se


dedica em S/Z. Análise de um texto clássico, portanto, e assim sendo, um texto lisível
e não escriptível. Não obstante, essa análise de um texto lisível, mas de “qualidade
incomparável” (p. 19), é conduzida por Barthes sempre com um olho no escriptível. A
leitura escriptível, de um (incomparável) texto lisível de Balzac, é assim levada a cabo.
E com isso, note-se, o “escriptível”, revela-se uma valoração que pode ser aplicada
não somente a um texto, mas também a uma atitude, “produtiva”, de leitura (Ulmer,
1998, p. 117). E também, como já mencionado e como procuraremos demonstrar, a
uma atitude de tradução.
Entretanto, dessa análise do texto de Balzac, que Barthes realiza de forma
“disseminada” e “desnaturando o texto” (id.), não nos ocuparemos. O que nos
importa para a conexão texto-vida que buscamos entender são alguns dos conceitos
e operações que Barthes define e aplica, de forma a que possa garimpar o que há de
escriptível no lisível de Balzac.
São eles:
1) Interpretação: a interpretação do texto (tal como Barthes a define), é uma
“operação segunda” (id., p. 11, grifo meu) que a “tipologia primeira”, primordial,
de valoração de textos, requer para ser aplicada ao texto lisível. Trata-se de
uma interpretação sui generis que não busca dar um sentido ao texto, mas que
“ao contrário, [busca] apreciar de que plural ele é feito”;
2) Conotação: Barthes busca então um “instrumento [apenas] modesto” (id. p.
12, itálico de Barthes), terceiro diríamos, necessário para a aferição desse
plural “mais ou menos parcimonioso” que constitui um texto que, afinal, por
mais qualidade que tenha, é apenas lisível e não escriptível. Esse instrumento
modesto “que não pode aferir senão uma porção mediana” da pluralidade “é a
conotação” (id.).
3) Comentário: essa operação de apreciação de um plural (i.e., a interpretação),
levada a cabo mediante um tal instrumento de aferição (i.e., a conotação) é,
ainda que modestamente (por operar num lisível), produtiva. Dela emerge o
comentário (id., p. 19). As características desse comentário nos dizem muito por
se referirem—mesmo que de forma mais, digamos, bartheanamente radical—a
uma materialidade do texto que deve ser tratada à la Rosenzweig:

[no comentário] o texto tutor será sem cessar estilhaçado, interrompido sem
qualquer consideração por suas divisões naturais (sintáticas, retóricas,
anedóticas) [...] [podendo] mesmo separar o verbo e seu complemento, o
nome e seu atributo. [...] Entretanto, o que é [assim] negado, não é a qualidade
do texto (aqui [em Balzac] incomparável), é seu “natural” (id. p. 19, negritos
meus, itálico de Barthes).
Capítulo 7 188

Se no trecho acima substituirmos “divisões naturais” por “pontuação lógica”


(vide trecho de Rosenzweig citado acima no Cap. 6, sec. 3.1, p. 162), se o “natural
a ser negado” inclui (como de fato inclui, dada a atenção de Barthes à conotação),
a necessidade de que se reconheça que há ambigüidade mesmo nas “sentenças [que
parecem ser] de uma lógica sem qualquer ambigüidade” (vide, id.), e se, p. ex., as
“divisões sintáticas” estiverem indevidamente respeitando uma “métrica da poesia”
que há que desrespeitar ao ler-se/comentar-se o texto (vide trecho de Rosenzweig
citado no Cap. 6., sec 4, p. 166 acima), temos aí o escriptível de Barthes a justificar,
p. ex., a técnica da colometria de Buber-Rosenzweig.
Assim, o escriptível de Barthes pode—avant la lettre, et avant Barthes lui
même—ser reconhecido na atitude tradutória de Rosenzweig. Graças a ela o escriptível
do texto original fica preservado na tradução, o texto traduzido confronta o leitor,
exige resposta, pode conectar-se à sua vida, fazer dele um produtor do texto.
Dispomos inclusive do testemunho concreto de uma situação na qual essa
transição de um texto traduzido à vida de alguém se deu. Ele está numa carta que
Leo Baeck enviou a Rosenzweig em junho de 1924, após ter lido sua tradução dos
poemas de Jehuda Halevi:

Eu queria primeiro ler, e ler de novo, o seu Jehuda Halevi, antes de lhe escrever;
pois já no primeiro poema aconteceu comigo que o primeiro [poema] não me
largava, e eu só continuei [i.e., passei para o segundo poema] depois de um de
novo [ler o primeiro poema], e de um de novo [lê-lo] outra vez. [...] E então
o seu livro tem sido uma graça sempre renovada para mim, há já um mês
agora, na hora que me sobra.
Pode alguém ler o próprio Jehuda Halevi [em hebraico] de outra maneira? Não
sei se alguém nalgum lugar já resenhou seu livro e se alguma insatisfação foi
expressada [quanto ao estranhamento que a tradução causa][...] Eu indagaria
[a esse resenhador] se ele alguma vez já leu o próprio Jehuda [no original], e se
não o fez senão lendo três ou quatro vezes cada hino antes que a identidade de
linguagem e conteúdo, de ritmo, e de trem do pensamento ficasse clara.

Um Jehuda Halevi “legível” [em alemão]!


Muito obrigado! (Baeck, in Rosenzweig, 1995, p.1, grifos meus)

As aspas em “legível”, acima, querem com certeza fazer o termo significar


algo bem próximo daquilo que o neologismo “escriptível” de Barthes conceituou. Leo
Baeck, que lia o hebraico do original, fala de um texto traduzido que se faz vida,
torna-se “an ever-renewed gift for me”. Texto que, ademais, note-se, lhe propicia
a redação de um comentário—epistolar, breve, mas nem por isso menos profundo, e
longamente refletido—no qual a força do textual é ressaltada.
Capítulo 7 189

4.2 Mais conotação

Entretanto, no quadro conceitual de Barthes que estamos considerando,


devemos agora dar à conotação uma atenção mais detida. A conotação também está
presente no que determinou a Buber-Rosenzweig a adoção de suas técnicas tradutórias,
e, ademais, se revelará importante para que se entenda a conexão texto-vida que
ora nos ocupa.
Além disso a conotação é, é claro, um aspecto importante da intensividade, tal
como a definimos no Cap. 5, sec. 5.3, p. 14310. Já no quadro de Barthes a conotação
é, como vimos, o instrumento que mensura, modestamente diz ele de início, o plural
que constitui o texto. Um “modestamente” enganoso, a julgar por suas considerações
subseqüentes:

Negar universalmente a conotação é abolir o valor diferencial dos textos, [...]


é se privar de um instrumento tipológico. A conotação é a via de acesso à
polissemia do texto clássico, a esse plural limitado que fundamenta o texto
clássico (não é certo que haja conotações no texto moderno [!]). [...] O que é
uma conotação? Definicionalmente é [...] uma relação [...] que tem o poder de
se reportar a menções anteriores, ulteriores ou exteriores, a outros lugares do
texto (ou de um outro texto): não se deve restringir em nada essa relação [...],
salvo somente a não se deixar confundir conotação com associação de idéias:
esta última remete ao sistema de um sujeito; a primeira [i.e., a conotação] é
uma correlação imanente ao texto, aos textos; ou ainda se quisermos, é uma
associação operada pelo texto-sujeito no interior de seu próprio sistema.
(Barthes, 1970, grifos meus).

É, portanto, através da conotação que se acede ao valor de um texto, ao seu


plural. Além disso, as conotações são imanentes ao texto, é nelas que o texto assume
sua força. Nesse sentido, pode-se dizer que o texto é a tessitura de suas conotações.
E é justamente isso o que diz Buber, num trecho em que comenta a tessitura do texto
bíblico que traduziu com Rosenzweig.
Esse trecho, que já examinamos no Cap. 2 (sec. 7, p. 54), foi importante no
contexto daquele capítulo, pois nele Buber inicia a argumentação que justificará a
utilização da técnica tradutória das Leitwörter11.
Mas o trecho é também especialmente importante para a discussão ora em
pauta, a da conexão texto-vida. Nele, Buber deixa claro que é a conotação (embora

10
Entendemos, naquele capítulo, como “intensividade”, tudo aquilo que na linguagem e nas línguas
é experiência que se conota, exprime e inter-vivencia, e que se contrapõe à referência através da
qual essas mesmas linguagem e línguas denotam e informam acerca do referente.
11
Como visto no Cap. 2, sec. 8, p. 56, uma vez reconhecida uma Leitwort, i. e., uma palavra (ou um
complexo lexical) que, ao repetir-se, opera como que uma “condução” do texto, o tradutor deverá
traduzir consistentemente todas as suas ocorrências. Respeita-se assim a “repetição de palavras ou
seqüências de palavras homônimas ou quase-homônimas que numa passagem, num livro ou numa
seqüência de livros, exercem um poder silencioso que, não obstante, toma conta do leitor disposto a
ouvi-las” (Buber, 1935, p. 91).
Capítulo 7 190

não expressamente citada no trecho) que fundamenta a “mensagem” do texto bíblico,


uma mensagem que, Buber diz de forma explícita, transcende a dicotomia forma-
conteúdo (vide Cap. 2, id). Mais importante ainda, a conexão texto-vida é nesse trecho
uma clara premissa, sendo que, ademais, essa conexão se desenvolve a partir de um
textual “disseminado” como o de Barthes:

[...] como deve ser lida a Bíblia: em presença viva. Seqüências de sons,
de palavras, de grupos de palavras, recorrem [reaparecem, re-ocorrem]
em específica relação com as diversas partes de uma passagem, com várias
passagens, com vários livros; reaparecem de forma a constituir uma unidade
discernível, [uma ocorrência] significativamente desenvolvendo [um]a outra
[ocorrência], clarificando-se uma à outra, suplementando-se uma à outra.
Devemos aprender de cada recorrência [específica] a lição que ela ensina. O
ensinamento bíblico menos apresenta suas maiores verdades do que deixa que
elas se revelem [lets them be opened up]—que se revelem não pela quebra de
um código ou deciframento de uma alegoria, mas por esses arcos de repetição
significante, ligando passagem a passagem de forma perceptível a todo leitor
atento e de mente aberta. (Buber, 1926a in Buber e Rosenzweig, 1994, p. 14,
negritos meus, itálicos de Buber).

É às diversas conotações dessas várias ocorrências de “sons, palavras, grupos


de palavras que recorrem” de forma disseminada no todo do texto bíblico, que cabe
dar atenção. São elas que compõem esses “arcos de repetição significante” que se
lançam para além do denotativo de “códigos a serem quebrados ou alegorias a serem
decifradas”.
A importância da conotação como veículo da transição de um texto para a vida
de alguém, como instrumento para que essa conexão se dê, já havia, de resto, sido
reconhecida muito antes. Na realidade, o respeito pelas conotações do texto está na
própria origem do movimento que Buber e Rosenzweig buscam recuperar através de
seu trabalho de tradução da Bíblia hebraica.
O objetivo desse trabalho de tradução foi, como se recorda (Cap. 2, sec. 6,
p. 49), o de que o texto bíblico voltasse a confrontar o leitor moderno, da mesma
forma que o texto hebraico confrontara (e significara para) tantas gerações passadas
de leitores do texto massorético.
Pois bem, já na origem da transição do Pentateuco de literatura a cânone
religioso, já “no processo através do qual o conteúdo dos clássicos [dessa] literatura
vieram a ser adotados como agenda para a vida de um judeu” (Davies, 2003, p. 46),
estava presente uma extrema valorização do aspecto conotativo do texto.
O Pentateuco, como visto no Cap. 5 (sec. 4.1, p. 124), foi composto e constituiu-
se inicialmente como literatura (a partir de textos e tradições orais que remontavam ao
séc. XII) no séc. VI a. C., logo após o retorno do exílio na Babilônia. Isso se deu quando
da re-instauração de um estado judaico em Jerusalém, como estado títere do novo
Capítulo 7 191

império persa que derrotara os babilônios promotores do exílio, e que chegava—esse


novo estado teocrático—com autorização para reconstrução de um novo Templo.
Esse Segundo Templo foi por sua vez destruído seiscentos anos mais tarde
(em 70 d.C) pelo império de então, o dos romanos, seguindo-se a isso uma diáspora
irreversível e a formação do judaísmo tal como o conhecemos: o judaísmo rabínico,
que na falta de um Templo, tomou o Texto (em especial o do Pentateuco, que no
ínterim adquirira relevância religiosa) e sua interpretação, como o aspecto central
da religião. Desse processo, David Aaron diz:

A empreitada rabínica, como um todo, funda-se numa espécie de meta-semântica


que mantém que o significado está enraizado nas palavras da Torah [Pentateuco],
mas não é idêntico às suas conotações comuns. (Aaron, 2003, p. 284).

A empreitada rabínica é, portanto, a de fazer ver as conotações que estão no


texto, mas que não são o óbvio do denotativo, ou das “conotações comuns”.
E, nesse sentido, Edith Wyschogrod tem uma observação na qual o fato de um
texto fazer-se vida é a um só tempo premissa e grand-final, e da qual o disseminado
e as categorias escriptíveis de Barthes, o plural, a conotação e o comentário, são um
pano de fundo não dito:

[A] exegese rabínica [...] é livre-forma, ricocheteando de um tema a outro,


envolvendo-se em torno de fragmentos de argumento que freqüentemente
se concatenam de forma mais metonímica que silogística. [...] No entanto, a
atividade de interpretação textual, de imersão nos escritos clássicos do Judaísmo
é que é redentora. [...] Não há epifania senão no desvendar do significado
textual. (Wyschogrod, 1998, pp. 128-129, grifos meus).

O contexto e os conceitos são aqui os da religião. E é revelador(!) o fato de


que Wyschogrod, que logo a seguir fala em “o prazer do texto” (id., p. 129), sente
a necessidade de esclarecer que essa frase é usada menos para significar “o prazer
não-conceitual e dionisíaco que não é pré-determinado por convenções de leitura,
ao qual Roland Barthes alude12”, e mais “o que Michel de Certeau pretende, quando
descreve Santa Teresa a vaguear por seu castelo interior experimentando a alegria
do divino encontro” (Wyschogrod, 1998, pp. 129-130)13.

12
A menção de Wyschogrod é a um texto de Barthes posterior a S/Z. Trata-se de O Prazer do Texto,
de 1973, em que Barthes praticamente repete a tipologia lisível/escriptível, só que agora usando as
denominações de “texto de prazer/texto de fruição” (texte de plaisir/texte de jouissance). Vide
Barthes, 1973, pp. 23-24, 30-31.
13
Entretanto, Wyschgorod—ao ressaltar Certeau ante Barthes—está incorretamente valorizando o
aspecto religioso num contexto em que o primordial é o textual. O judaísmo rabínico, cuja epifania
como a própria autora aponta só pode advir do texto e de sua interpretação (que se torna texto), está
na realidade muito mais próximo de Barthes do que de Santa Tereza. Também em Barthes, como no
judaísmo, um texto—no caso de Barthes o texto escriptível—é fonte de fruição (ainda que não religiosa)
e de produção de um novo texto. Assim, em ambos os casos, no de Barthes e no da exegese rabínica,
a conexão entre texto e vida se dá no sentido do texto à vida. Já para os místicos cristãos as fontes
da epifania são a contemplação, a oração e os exercícios espirituais. O texto sagrado não é para esses
Capítulo 7 192

Seja como for, divino ou dinosíaco, epifania ou (gozosa) fruição, eis aí—nessa
exegese rabínica—uma forma milenar de o textual (ou, mais bartheanamente, o
escriptível no textual) se fazer vida, acontecimento na vida de alguém. Ademais, é
de se notar que (epifania, fruição), estamos sempre num ápice de vivência, o que
não deixa de ser significativo ante uma tradução dialógica que, como constatamos,
traduz vivências.
E eis que assim, Barthes, ao ajudar-nos no processo de entender como a conexão
texto-vida se dá, acaba por resultar algo rabínico. Isso talvez não seja tão inesperado,
dada sua proximidade com (o quase indisfarçavelmente rabínico) Derrida, e tendo
em vista que, como aqui vimos, o que conceitua o seu escriptível está bem próximo
da materialidade textual que embasa as técnicas tradutórias dos (indiscutivelmente
rabínicos) Buber e Rosenzweig.
Aliás, nesse sentido do texto escriptível que se faz vida graças a uma ótica
textual bem próxima da que embasa as técnicas tradutórias de Buber-Rosenzweig,
há mais um exemplo prático a ser aqui considerado, um exemplo que Derrida nos
propicia.

4.3 Leitwörter e comentário: “En ce moment même”

O exemplo é retirado do livro Why ethics? Signs of responsibilities (Gibbs,


2000), ao qual já nos referimos no Cap. 1 (n.8, p. 26), onde ressaltamos que essa obra
de Robert Gibbs constitui-se num dos mais primorosos exemplos da aplicação do “novo
pensamento” de Rosenzweig. Cabe agora que nos detenhamos um pouco acerca do
conteúdo e, sobretudo, da forma de Why ethics?.
Baseando-se principalmente em Rosenzweig e Levinas, e dialogando com o
pragmaticismo de Peirce, Gibbs desenvolve em sua obra uma ética cujo tema central
é a responsabilidade para com o outro, e não a deliberação racional, os princípios de
autonomia, ou a otimização de benefícios (Gibbs, 2000, p. 3).
O livro de Gibbs é inovador sob vários aspectos. Desde logo, a teoria da ética
que Gibbs desenvolve é filosoficamente inovadora na medida em que posiciona a
ética—uma ética de responsabilidade—como primeira filosofia, no lugar da ontologia
que tradicionalmente ocupa essa posição.

místicos fonte de epifania, como o próprio Certeau indica em La fable mystique, a obra à qual Wyschogrod
certamente está se referindo. Pelo contrário, diz Certeau, “a ‘letra’ [sagrada], com efeito, não é a
palavra que eles [esses místicos] esperam, nenhum mensageiro [redator inspirado] saberia substituir o
Único, o Espírito, aquele que [lhes] fala [diretamente]”, como que num speech-act à la Searle ou numa
função ilocucionária à la Austin (Certeau, 2002, pp. 14, 217, itálico de Certeau). Os textos que esses
místicos produzem (como no caso de Santa Teresa de Ávila, que Wyschogrod menciona) seguem-se a
esse “conversar [direto] con Diós” (id., p. 217). Assim, a conexão nesse caso vai em sentido contrário,
da vida ao texto, e a partir de uma vida que se viu modificada pela vivência de um estado alternativo
de consciência. Sobre essa conexão vida-texto, de sentido inverso à conexão texto-vida que aqui nos
interessa, veja-se Tsur, 2003, esp. pp. 52, 90-91 e Spitzer, 2003, esp. pp. 40, 56-57.
Capítulo 7 193

Adicionalmente, e bem em linha com o linguistic turn em que Rosenzweig se


insere, o organon dessa ética não é mais o pensamento racional, mas (inovadoramente)
a semiótica, suas práticas que se fazem com signos (id., p. 6). Práticas tais como
falar, ouvir, ler, escrever, traduzir, julgar, perdoar, rememorar. E mais especificamente
dentro da semiótica, é a pragmática, “as relações dos signos e seus usuários”, que
é tomada como organon (id. p. 7). “A responsabilidade é chave para uma ética de
signos—porque um signo requer [a existência d]as outras pessoas e me implica na
resposta a elas” (id. p, 6). Aqui, como em Bakhtin e Rosenzweig, a responsividade é
o fundamental.
Ademais—e isso é importante para o que aqui nos interessa—, o gênero
empregado por Gibbs em sua obra, gênero inovador na medida em que pouco usual,
é o comentário, realizado através de leituras atentas de longos trechos de vários
autores.
Além disso, a própria composição gráfica do livro de Gibbs é inovadora. Na
página de texto, parágrafos de vários autores aparecem justapostos, sem qualquer
indicação de coordenação ou subordinação. São os comentários de Gibbs—que ele
diz serem nessa medida “pós-modernos” (id., p. 10)—que entretecem os textos, e
ao mesmo tempo constroem fluidamente a argumentação que justificará a inovadora
teoria ética.
A isso se somam muitas vezes, em notas de rodapé, passagens paralelas dos
autores comentados, ou de outros autores por eles citados nos trechos que Gibbs
comenta. Tudo acaba por compor um hipertexto, de uma intertextualidade como que
super-manifesta (pois certas palavras-chave dos autores citados, que co-ocorrem no
comentário de Gibbs, nele aparecem em caixa-alta). Essa intertextualidade, super-
manifesta, certamente reforça—com o peso dos autores citados—a argumentação de
Gibbs.
É também importante notar que é ao formato do Talmud, da página talmúdica
da edição de Vilna (onde o texto talmúdico propriamente dito vem rodeado por
comentários, comentários de comentários, e referências de mestres rabínicos), é a
esse Talmud, dizíamos, que remonta o hipertexto de Gibbs (id., p.11), e não a uma
tela da web, como o emprego usual do termo “hipertexto” pode fazer parecer.
Gibbs denomina “pretexts” os numerosos textos dos vários autores citados ao
longo da obra. Pretextos para que algo como Why ethics? viesse a ser escrito. Gibbs,
portanto, sem mencionar Barthes nem ao menos uma vez nas mais de quatrocentas
páginas de Why ethics?, está, não obstante, bem na linha de Barthes. Sua obra faz a
coleção explícita dos writerly texts que fizeram dele, Gibbs, o produtor de um texto.
Texto que se produz no comentar desses pretexts, num responder a eles.
Dessa obra que, em grande parte, se inspira em Rosenzweig, é que nos vem o
exemplo que nos fará ver que a tradução dialógica de Rosenzweig pode ser entendida
Capítulo 7 194

como um writerly turn in translation. O exemplo é tirado dos capítulos 3 (“Why


write?”) e 4 (“Why read?”), que contêm trechos não de Rosenzweig, mas de Levinas
(retirados de Autrement qu’être), e de Derrida comentando esses trechos de Levinas
(no ensaio “En ce moment même dans cet ouvrage me voici”, de 1980). Finalmente,
Gibbs comenta Derrida que comenta Levinas.
Estamos, portanto, num encadear de comentários, e, pelo menos nos dois
primeiros casos, na seara das obras-limite em que, conforme diz Barthes (vide n. 9,
p. 186 acima) um escriptível pleno pode ocorrer14.
Mas nisso tudo o mais importante para o que aqui nos concerne é que no texto
escriptível de Levinas o que suscita o comentário escriptível de Derrida é, muito
menos um aspecto do conteúdo, e muito mais um aspecto absolutamente textual. E
absolutamente rosenzweigueano. Derrida se dá conta de uma Leitwort (vide n.11,
p. 189 acima), uma frase que se repete. E a partir daí produz um de seus “escritos
mais ricos e mais obscuros” (Gibbs, 2000, p. 96, vide nota 14 abaixo nesta página).
Um escriptível.
Gibbs, de sua parte, ao constatar a força que a repetição de uma frase em
Levinas adquire como motor do comentário de Derrida, vai comentar Derrida a partir
de uma outra Leitwort, ou, no dizer de Gibbs, uma “re-citação” 15 (id., p. 95): o
aparecimento por duas vezes ao longo do comentário de Derrida, da citação de um
mesmo trecho de Levinas.
Para usar termos de Buber-Rosenzweig, é ao procurar entender o porquê
“desses arcos de repetição significante perceptíveis a todo leitor atento e de mente
aberta” (vide seção 4.2, p. 190 acima), que Derrida e Gibbs produzem seus textos,
seus comentários.
Além disso, como veremos para o caso da Leitwort que Derrida percebe
em Levinas—e usando agora os termos de Barthes—, é no reconhecer as diferentes
conotações de cada uma das ocorrências, é ao reconhecer através delas o plural
de que esses textos são feitos, que Derrida e Gibbs chegam às principais conclusões
dos respectivos comentários. Ademais, como nesse caso os textos a comentar são
escriptíveis plenos, a conotação não é aqui um instrumento apenas “modesto” (vide

14
Inclusive, diz-nos Gibbs, essa leitura que Derrida faz de Levinas em “En ce moment même...” é “um
dos escritos mais ricos e mais obscuros de Derrida” (Gibbs, 2000, p. 96) , e “o ponto alto da Parte I”
do livro (id., p. 16). Note-se, do livro de Gibbs (que parece nem se dar conta desse paradoxo)! Mas,
afinal, porque não? Já que estamos no escriptível, de quem é, a esta altura, a “autoria”?
15
Nem Gibbs, e é claro, nem Derrida e muito menos Levinas, mencionam nos textos em pauta o termo
Leitwort, embora com certeza todos os três tenham conhecido o conceito e sua aplicação como técnica
tradutória por Buber-Rosenzweig. O uso do termo no presente contexto é nosso, para demonstrar que
no caso desses dois textos eminentemente escriptíveis de Derrida e Levinas o embasamento está no
textual, e nele, numa Leitwort. Com isso queremos fazer ver que, de fato, a tradução dialógica de
Rosenzweig pode ser entendida, em termos de Barthes, como um writerly turn in translation.
Capítulo 7 195

acima seção 4.1, p. 186, item 2), mas revela-se ferramenta poderosa na avaliação
do plural dos textos.
Para que vejamos como tudo isso se dá, é preciso que deixemos por um momento
a discussão de até aqui, mais voltada aos aspectos da textualidade, e passemos um
pouco ao conteúdo do exemplo em tela.

4.3.1 Não por acaso esse exemplo

Agora que na análise do exemplo em pauta passaremos a nos fixar mais no


conteúdo do que nos aspectos textuais, cabe de início notar que não é fortuito o
fato de que, neste estudo de Rosenzweig, estejamos diante de um encadeamento
de comentários que se inicia com um texto de Levinas, passa por um comentário de
Derrida, para terminar num comentário de Gibbs. Na realidade tem-se aqui como que
um “produto” do que Gibbs—um pouco out of the blue e sem maiores justificativas—
chama de “quase uma tradição” Cohen-Rosenzweig-Levinas (Gibbs, 2000, p. 279).
Pode-se entretanto atinar com o que Gibbs tem em mente ao dizer isso, apontar
qual seria a linha-mestra que poderia estar ditando uma tal “quase-tradição”: trata-
se, com certeza, da preeminência que a figura do outro assume na ética filosófica
desses pensadores; do fato de que é a partir dessa preeminência que, cada um a seu
modo, busca solucionar a questão imanência versus transcendência; e de que com isso
buscam restabelecer o status epistemológico do transcendente, de um Absoluto.
Assim é que, já em Cohen, a dicotomia transcendência versus imanência se
resolve por uma precedência dada ao outro. Em A Religião da Razão a partir das
Fontes do Judaísmo, num capítulo intitulado “A descoberta do homem como outrem”,
Cohen expressa numa frase aquela que é a grande tese dessa sua última, e atualmente
mais reconhecida, obra: “a correlação [i.e., a “relação de reciprocidade interativa”]
entre Deus e o homem não pode se realizar sem que antes disso ela entre em jogo
na correlação entre homem e homem, que ela inclui” (Cohen, 1994, pp. 127, 165;
Bouretz, 2003, pp. 50, 53). Eis aí uma solução que não deixa de estar em linha com a
de Rosenzweig, embora se dê ainda, como o próprio título de Cohen indica, no âmbito
do velho pensamento racional, inclusive aplicando, como se vê, uma sólida lógica à
la teoria dos conjuntos. Em Rosenzweig como vimos acima (pp. 111-112), são a fala
e o gramático, e não mais a razão e a lógica, que ditam um novo pensamento da
linguagem, na qual (linguagem) a distinção transcendente/imanente se desfaz.
No que se refere a Levinas, Rosenzweig está na origem de um importante
movimento de seu pensamento. Foi em A Estrela da Redenção que esse autor pela
primeira vez se deparou, “surpreso”, diz ele, com a noção de “uma oposição à idéia
de totalidade que é freqüente demais nesse livro [de Rosenzweig], para [poder] ser
[aqui, em Totalité et infini] citada” (Levinas, 2006, p. 14). Foi, portanto, a partir do
Capítulo 7 196

exemplo de A Estrela que Levinas chegou à “crítica radical da totalidade” (Levinas,


1982, pp. 69-70) levada a cabo em seu trabalho filosófico mais brilhante, Totalidade
e Infinito.
Quanto a Derrida, o Derrida que em 1980 escreveu o comentário que aqui
examinaremos, pode-se claramente reconhecer já nele o pensador de quem se dirá,
um quarto de século mais tarde, que está “agora mais suave, grisalho, mais levinasiano
pródigo” e que é alguém que, tendo em vista o muito que ofereceu à religião, merece
que sua dádiva seja reconhecida (Sherwood e Hart, 2005, pp. 4-5). Vê-lo-emos, logo
mais, aplicando em 1980 uma “pragramatologia”— uma, digamos, gramatologia em
que a precedência é do “outro” que lerá a marca — sete anos antes que essa mesma
noção se cristalizasse em seu pensamento e ganhasse um nome. É esse um Derrida
cuja postura — ainda que não comporte (se é que não comporta) preocupações com a
transcendência divina — certamente justifica que a quase-tradição que Gibbs aponta
seja estendida para incluí-lo: Cohen-Rosenzweig-Levinas-Derrida.
Feito o registro de que há toda uma linha filosófica por trás do exemplo que
estamos examinando, passemos então ao conteúdo específico desse exemplo, à sua
temática. Como já foi dito, ela será aprofundada apenas para a Leitwort que ocorre
em Levinas, e que é o moto de uma parte do comentário de Derrida. Isso nos propiciará
constatar uma repetição, num textual, tornando-se vida para alguém.
Esse alguém é Derrida.

4.3.2 Uma nova forma de escrever

A temática desse exemplo se inscreve na temática mais abrangente de Why


ethics?, a qual, bem em linha com o que vimos de discutir, é a de uma ética de
responsabilidade para com o outro, uma ética que é tomada como primeira filosofia.
Ou seja, nessa filosofia o outro é a primeira constatação.
Para Levinas esse outro é o outro oprimido, excluído e sofredor. No texto
que estamos considerando, Levinas, bem à la Rosenzweig, faz uma crítica à filosofia
tradicional—e ao “livro [filosófico]” como obra acabada—, a qual, com suas pretensões
totalizadoras, “constitui a epítome da falta de responsividade [e] de atenção ao outro.
[...] [O] objetivo [dessa filosofia] é o de suprimir as descontinuidades, fazer com que
pareça que tudo se encaixa”. (Gibbs, 2000, pp. 92, 97).
Para tanto, Levinas contrapõe a essa tradição filosófica uma outra tradição, a
das fontes do judaísmo16, e alega que o discurso dessa totalizadora filosofia ocidental

16
Nesse sentido, Hayoun (2002, p. 19) nota que a filosofia de Levinas busca a transformação da religião
judaica em ética, na intenção de fazer do judaísmo uma categoria universal. Já no caso de Derrida, o
que é contraposto à filosofia tradicional é, o mais das vezes, a Literatura (vide p. ex., Rorty, 1992, p.
374).
Capítulo 7 197

não consegue evitar sua (do discurso) disrupção pelos que lhe são “outros” (i.e.
excluídos, loucos, radicais), mesmo quando os inunda com sua coerência lógica.
O termo que Levinas emprega para designar essa disrupção é “interrupção”,
algo que se aplica bem à ação de impingir uma pausa no monólogo dos textos filosóficos
tradicionais que buscam impor sua coerência temática ao leitor sem nunca dar-lhe a
palavra. Já a postura do texto interruptor (ou “interrompível”) que Levinas escreve é
bem outra. Trata-se nesse caso de um texto que, como se verá, chega a “se relaciona[r]
com o leitor [desde] sua própria tessitura”17 (id., p. 92).
É preciso, diz Levinas, ler o discurso monológico da filosofia tradicional em
busca de “tramas interrompidas”, e ficar alerta para que, a partir de uma tal prática
de leitura, se pratique a seguir, ao comentar, uma escrita não acabada, e feita para
que o outro leia. Um escrever de quem, em respeito ao outro e de forma totalmente
atenta e responsiva a ele, se anula, não se impõe como autor do texto, mas, ao
contrário, reduz-se a um mero “traço” ante a esse outro que lerá o texto. Alguém
que escreve como se nada tivesse para dizer.

17
E que é nessa medida, diz-nos Gibbs (id., 92), um texto “pragramatológico”. Um pouco antes em Why
ethics? Gibbs definira: “the pragmatics of writing is pragrammatology, and the texts most responsible
for our familiarity with the question of writing are Jacques Derrida’s” (id. p. 66).
O texto de Derrida que introduz essa idéia de uma “pragramatologia” (Mes chances, de 1987) tem
três trechos que merecem ficar registrados na presente nota, por serem bastante relevantes tanto
para o que se segue (vide adiante no início da sec. 5.1, pp. 203-204), quanto para algumas das noções
que aqui nos ocupam: para a noção rosenzweigueana de “Leitwort” (o primeiro e o segundo trechos
abaixo nesta nota), para a noção bartheana de “conotação” (idem), e para a supra citada “relação
com o leitor desde a própria tessitura do texto” que remete a esta nota (o terceiro trecho abaixo).
Os itálicos são de Derrida:
“a língua nada mais é do que um sistema de marcas que têm por propriedade essa estranha
tendência: acrescentar simultaneamente as reservas de indeterminação aleatória e poderes
de codificar e sobre-codificar, ou seja de controle e auto-regulação. Essa concorrência entre o
acaso e o código perturba a própria sistematicidade do sistema”. (Derrida, apud Beato, 2005,
p. 196).
“A iterabilidade ideal, que forma a estrutura de toda marca, é o que lhe permite se subtrair a
um contexto, se emancipar de todo o laço determinado com sua origem [...] Ela [a marca] é
mais de uma. Ela se multiplica e se divide interiormente. Isso imprime a seu próprio movimento
um poder de desvio”. (id, p. 197).
“dada a necessidade de constituir[-se num campo de saber] uma teoria e uma prática, a consignação
de limites se impõe. Mas ela se impõe a um tal [indivíduo], [...] [e] em tal momento, naquela
situação. [...] Os limites não podem ser reais e imóveis, sólidos, [mas devem ser] apenas efeitos
de um corte contextual. Nem lineares nem indivisíveis, eles decorreriam antes de uma análise
que eu chamaria, com alguma circunspecção, pragramatológica, na juntura de uma pragmática
e uma gramatologia. Aberta a uma idéia de envio, os envios, essa pragramatologia deveria, cada
vez levar em conta a situação das marcas, em particular dos enunciados, do lugar dos destinadores
e dos destinatários, do enquadramento e do corte sócio-político, etc.”. (id., pp. 198-199).
Como não poderia deixar de ser (e como veremos adiante), o comentário que Derrida faz do texto—
“pragramatológico”, no dizer de Gibbs—de Levinas, tem também esse caráter de uma análise
pragramatológica tal como definida no último trecho acima. Análise pragramatológica avant la lettre,
pois o comentário é de 1980 e essa definição do termo “pragramatologia” por Derrida em Mes Chances
é de 1987. Adicionalmente, e em linha com o segundo trecho acima, o comentário de Derrida é feito a
partir da “iterabilidade de uma marca” em Levinas, a partir de uma Leitwort, a frase “en ce moment
même”.
Capítulo 7 198

Não obstante, a Filosofia ocidental totalizadora e acabada é bem resiliente.


Consegue suportar e superar essas tentativas de “interrupção”. Isso porque a ela,
Filosofia, se aliam o Estado e a Medicina, a repressão e a medicação, a prisão e o
hospício.
Mas, diz-nos Levinas, esse discurso lógico e mais acabado, esse discurso que
consegue tematizar e envelopar até mesmo o enquadramento violento dos mais
excluídos—enquadramento que a Medicina ou o Estado lhe provêem—, vê-se (esse
discurso) afinal interrompido por uma escrita que faz referência ao interlocutor, uma
escrita que está totalmente voltada a ele (interlocutor). A responsabilidade para com o
outro excluído, e a responsividade a ele, conduzem assim Levinas a uma reconcepção
da tarefa da filosofia, que constitui, pode-se dizer, uma nova forma de escrever a
filosofia.
Vamos aos dois excertos que aqui nos interessam desse texto de Levinas
que vimos de descrever. No primeiro deles Levinas constata a resiliência do discurso
filosófico ocidental, e nele se dá a primeira ocorrência da Leitwort em pauta, “en ce
moment même”:

Toda contestação e interrupção desse poder do discurso é imediatamente


relatada [pelo próprio discurso] e invertida pelo discurso. O discurso reinicia
tão logo alguém o interrompa. [...] Esse discurso [da filosofia ocidental] vai
afirmar-se como coerente e uno. Ao relatar uma interrupção [desse] discurso,
eu [Levinas] estou [inevitavelmente] re-atando a trama [rompida]. O discurso
está [sempre] pronto a dizer, por si mesmo, toda ruptura [que possa vir a nele
ocorrer] [...]. Se o discurso filosófico se rompe, se se abstém da palavra ou se
[apenas] resmunga—ele não obstante fala, e fala a partir do discurso de onde
acabou de falar, e ao qual retorna para falar dessa sua provisória abstenção. E
acaso não estamos nós, aqui neste momento mesmo [en ce moment même],
no processo de barrar a saída que [este] nosso ensaio inteiro [vem] tent[ando
encontrar]? [...] As palavras excepcionais pelas quais o traço do passado e a
extravagância do enfoque foram ditos—[palavras como] Um, Deus—tornam-se
termos, reentram no vocabulário, colocam-se à disposição dos filologistas em
vez de confundir a linguagem filosófica. As próprias explosões são relatadas.
[Mas] por acaso o que num texto lógico se vê rompido, acaba sendo novamente
costurado pela lógica apenas? [Não], é na associação da filosofia com o estado e
[com a] medicina que a ruptura do discurso é superada. O interlocutor que não
se submete à lógica [p. ex., que não se submete à lógica de uma postura aética,
mas permanece, ao contrário, obsessivo em sua preocupação com o outro] é
ameaçado com a [violência] da prisão ou do hospício [...] (Levinas, Autrement
qu’être, pp. 215, 216-217, apud Gibbs, 2000, pp. 92-93, 96-97, grifo meu).

No segundo excerto, Levinas aponta de que forma essa intervenção do Estado


em favor do discurso da Filosofia acaba por propiciar-lhe (a Levinas) a oportunidade
de interromper de forma definitiva esse discurso totalizador. Nesse excerto, a segunda
instância da Leitwort “en ce moment même” ocorre. O excerto inclui também a segunda
Capítulo 7 199

Leitwort do exemplo que estamos examinando (e que não será aqui discutida mais a
fundo). Trata-se do trecho que aparece abaixo em itálico, que será citado por duas
vezes ao longo do comentário de Derrida, e cuja repetição é o moto do comentário
desse comentário por parte de Gibbs.

O estado, porém, dá pouca importância à [i.e., àquilo que o estado toma por]
loucura incurável e aos intervalos de loucura. [...] [E assim sendo, o estado
nesse caso] não [apenas] desfaz os nós [como meramente o faria um discurso
escrito no livro filosófico], mas os corta [sumariamente]. [...] [E assim sendo,
nesse caso] os intervalos não são recuperados. O Discurso [que decorre desse
sumário corte, um discurso] que [como todo discurso da filosofia ocidental]
suprime as interrupções do discurso ao relatá-las—não acaba ele [neste caso
específico, devido ao corte sumário e violento que o estado promovera,] mantendo
a descontinuidade [cujos vestígios neste caso são ainda perceptíveis] sob os
nós onde a trama é re-atada? As interrupções do discurso [...] [ficam assim]
preservadas como os nós de uma trama reatada, [tornam-se] o traço de uma
diacronia que não entra no presente, que foge da simultaneidade.
Mas eu interrompo novamente esse discurso último [ultimate discourse] onde
todo o discurso é anunciado, dizendo-o para alguém [excluído por ele discurso,
alguém] que está fora de tudo o que ele inclui. E isso se aplica ao discurso que
eu faço aqui neste momento mesmo [en ce moment même]. Essa referência ao
interlocutor trespassa de forma permanente o texto [supostamente ininterrupto]
que o discurso diz tecer ao tematizar e envelopar o Todo. (Levinas, Autrement
qu’être, pp. 217-218, apud, Gibbs, 2000, pp. 97-98, negritos e itálicos meus).

A menção ao outro excluído e violentado—a total atenção a esse outro—no


discurso de Levinas, consegue assim interromper de forma irreversível o discurso
totalizador da filosofia tradicional que o Estado e a Medicina garantem (garantem =
they enforce).
O objetivo de Derrida ao ler e comentar esse responsivo texto de Levinas é
o de entender como, exatamente, a responsividade ao outro pode se dar na prática
de uma escrita. Uma escrita que implique num abdicar-se de si como autor dessa
escrita, num abdicar de temas próprios e de qualquer direito ao outro. Derrida quer
também entender como se deve ler tal texto, de uma forma que esteja atenta à
responsabilidade/responsividade que existe nesse modo de escrever.
“Ler responsivamente é descobrir como o outro escreve responsivamente”,
resume Gibbs. “E, então, comentar responsivamente em resposta [a isso tudo]”
(Gibbs, 2000, p. 100). Estamos, definitivamente, na seara das filosofias de Bakhtin
e Rosenzweig, voltadas para a responsividade, e no escriptível de Barthes, que quer
fazer do leitor um produtor do texto.
Mais importante, porém, para o que nos concerne: estamos na reflexão
tradutória de Buber-Rosenzweig, que se ancora no “minimalismo” de técnicas
tradutórias como a das Leitwörter, e que mesmo assim atinge o “grandioso” dos
objetivos filosóficos. Numa frase que clama por incluir o termo “Leitwort” e a expressão
Capítulo 7 200

“arcos de repetição significante” de Buber-Rosenzweig, Gibbs diz do trecho de seu


livro que ora nos ocupa: trata-se de entender “como a repetição [de uma frase no
texto] pode romper o impulso de ter algo a dizer, um impulso [negativo] que frustra
a responsabilidade [para com o outro]” (id., p. 16).
Ou, em outras palavras, como o fato absolutamente textual da repetição
de um trecho em um texto pode levar a uma postura de vida, uma postura de
responsabilidade para com o outro na vida?
Derrida vai constatar uma repetição num texto de Levinas, a Leitwort apontada
nos excertos acima, e a partir disso—e de uma imensa confiança na linguagem (vide
Cap. 1, item 7.2)18, nessa linguagem que comporta uma tal escrita—vai comentá-
la, e assim explicitará e performará o novo modo de escrever filosofia que Levinas
descortina. Um escrever novo que—ao contrário de (quase) tudo o que se escrevera
na filosofia até então—é totalmente voltado para o outro, para o leitor que seja outro
e excluído.
Passemos então a alguns detalhes do comentário que Derrida faz a “esse texto
obsessionado pelas metáforas da sutura [seam] e do rasgo [tear]” de Levinas (Derrida,
apud Gibbs, 2000, p. 106).
Ao início do trecho que nos interessa, Derrida relata o envelopamento que,
conforme notara Levinas em seu texto, o discurso filosófico tradicional promove. “Mais
adiante vocês notarão”, começa Derrida num tom algo professoral que (intencionalmente?)
não condiz com a postura que Levinas recomenda,

vocês notarão a metáfora da trama reatada em torno do “aqui neste momento


mesmo”. Essa metáfora pertence a um tecido bem distinto [daquele que Derrida
vinha discutindo, trata-se agora do tecido] de uma relação (no sentido de
[relatar] uma história, uma relação do mesmo que recaptura as interrupções
da Relação com o Outro em seus nós) [uma relação] pela qual o logos filosófico
reapropria-se a si mesmo, recapturando em seu pano a história de todas as suas
rupturas: (id., p. 102).

Note-se que Derrida já aqui faz, sutilmente, notar a pluralidade do texto,


as duas acepções/conotações possíveis de “relação”: 1) a do ato de relatar, que é a
acepção no “imediatamente relatada” que aparece num parágrafo de Levinas que já
vimos acima e que Derrida está para citar, e; 2) a Relação com o Outro, que o discurso
filosófico tradicional suprime ao relatar suas interrupções.
Derrida cita então o primeiro parágrafo do primeiro excerto de Levinas
apresentado à p. 198 acima onde a primeira ocorrência do “en ce moment même” se

18
Aliás, aqui Derrida olha o texto de Levinas com os mesmos olhos “rabínicos” com que Buber-Rosenzweig
olham o texto Bíblico. Assim como a confiança de que existem “arcos de repetição significante” embute
uma hermenêutica rabínica cuja premissa é a de que o texto “perfeito” da Bíblia não há de repetir-se
em vão (vide Kugel, 2007, p. 15, item 3), também para Derrida um texto como o de Levinas merece
um escrutínio gramatológico que faça ver que nele certas repetições não são fortuitas, mas altamente
significativas (e, é claro, devem portanto ser mantidas na tradução).
201

dá, para constatá-la, a essa ocorrência de uma Leitwort, como o instrumento para
que o envelopamento da interrupção do discurso, pelo próprio discurso, se dê:

Na questão que acaba de ser colocada [por Levinas] (“E acaso não estamos
nós, aqui neste momento mesmo [en ce moment même], ...”) o “aqui neste
momento mesmo” seria uma forma de envelopamento, o pano de um texto que
incessantemente involucra todos os seus rasgos [tears].(id., p. 103).

Mas, logo a seguir, Derrida vai apontar a segunda ocorrência de “en ce moment
même”, para notar toda a força que tem essa “mera”repetição textual, o arco de
significação que a partir daí se abre para o plural das conotações (que aqui, neste
contexto do escriptível não são nada “modestas”):

Mas duas páginas adiante, o mesmo “aqui neste momento mesmo” é dito de
outra forma no texto, é pego num outro encadear-e-desencadear, vem dizer
algo totalmente outro, qual seja, que “aqui neste momento mesmo” a fisgada
[piercing] interruptora tem um lugar, um inelutável aqui neste momento mesmo,
onde a relação [aqui na acepção de fazer o relato] discursiva, a história filosófica,
afirma reapropriar o rasgo [tear] no contínuo de sua textura: [Derrida cita então o
segundo excerto de Levinas onde a segunda ocorrência de “en ce moment même,
que apresentamos à p. 199 acima, a partir do trecho em itálico até o seu final, e
prossegue:] Num intervalo de duas páginas [...] o “aqui neste momento mesmo”
parece repetir-se apenas para ser irreparavelmente deslocado. O “mesmo” de
“mesmo” em “aqui neste momento mesmo” fez ressaltar sua própria alteração,
aquela que desde sempre terá se aberto ao outro. O “primeiro” [i.e., a primeira
ocorrência da Leitwort] que formara o elemento de reapropriação no contínuo
estará desde sempre obrigado pelo [e também obrigado ao] “segundo”, o outro,
o interruptor, [obrigado] mesmo antes de ser produzido e [obrigado até mesmo]
para que pudesse ser produzido. [...] A singular textualidade dessa “série”
não abarca o Outro, ao contrário, abre-se a si própria desde uma irredutível
diferença, que é o passado [desde sempre] anterior a qualquer presente, [...]
anterior a tudo o que cremos e entendemos ao dizermos “aqui neste momento
mesmo”. (id., pp. 104, 105, 106, itálico de Derrida).

Eis aí um belo trecho de Derrida, em que a oportunidade de utilizar algumas


noções tão a seu gosto (interupção, deslocamento, fisgada, rasgo, diferença) é-lhe
proporcionada, sem dúvida, pelas “metáforas da sutura e do rasgo que obsessionam
o texto [de Levinas]” por ele comentado. Derrida inclusive chega ao ponto de usar
um termo que Levinas só usaria para descrever o relacionamento entre pessoas (o
“obrigado”, aliás tão cheio de conotações), para referir-se à relação entre os dois
usos de uma frase (Gibbs, 2000, p. 105).
Nesse sentido é importante registrar que mais adiante em seu comentário, no
momento em que re-cita o trecho de Levinas que aparece em itálico à p. 199 acima—e
com isso produz em seu texto a Leitwort que Gibbs comentará—, Derrida fará a
transição dessa “pragramática” de frases (ou “marcas”) no texto, para a pragmática
de uma ética de signos e de sua (dos signos) relação com seus usuários, que é ética de
Capítulo 7 202

responsabilidade com o outro (vide, sec. 4.3, pp. 192-193 acima). A ética de um autor
que se anula enquanto dono de um discurso, para abrir-se e obrigar-se ao outro que o
lerá. E assim obrigar esse leitor, mas sem compeli-lo, a uma postura de solidariedade
com o Outro sofredor (Derrida, apud Gibbs, 2000, p. 110).
Já no que concerne ao escriptível em Barthes, especificamente no que respeita
à conotação como instrumento para aferir a pluralidade do texto (vide, sec. 4.1, item
2, p. 187 acima), o presente exemplo de Derrida faz ver a sua (da conotação) força,
vis-à-vis a “modesta” efetividade que Barthes lhe atribui na seara do lisível. Aqui,
nesses textos escriptíveis, essa (super-)conotação “abre-se a si própria desde uma
irredutível diferença” é instrumento que consegue medir, até, um plural que se abre
para o incomensurável.
Mas, novamente, o mais importante a reter-se nisso tudo é o fato de que
uma rosenzweigueana Leitwort, uma frase que se repete num texto, foi o fator
desencadeante de todo um comentário chave de Derrida. Foi o que fez do Derrida
leitor de Levinas, o produtor de um texto. Fez dele o autor do texto escriptível que
comenta o escriptível texto de Levinas.
Assim, o comentário de Derrida—na mesma medida em que é inconfundivelmente
derrideano e “pragramatológico” (vide nota 17, p. 197 acima)—pode ser visto como
a explicitação da existência de um rosenzweigueano “arco de repetição significante”
(vide pp. 190 e 194 acima) no texto de Levinas, pois Derrida constata a existência
do que Buber-Rosenzweig chamam de uma Leitwort nesse texto, e a partir dessa
constatação desenvolve uma parte importante de seu comentário.
Para dizer o mesmo—mas agora usando os termos de Barthes—, Derrida dá-se
conta de que a repetição de um específico trecho do texto lança o arco de um plural
conotativo que faz a textura do texto significar, e assim exige, do “leitor atento” (vide
id.) que é Derrida, uma resposta produtiva, uma ação na vida.
Com isso Derrida nos provê uma demonstração, na prática, de que o traduzir
de Buber-Rosenzweig, ao conceituar a técnica das Leitwörter e valorizá-la como algo
chave na tradução dialógica, opera no escriptível de Barthes.
E assim, a atitude tradutória de Franz Rosenzweig se revela um writerly turn
in translation. Uma atitude que produz textos traduzidos que se conectam à vida,
que se tornam vida (e atitude) na vida de quem os lê.

5. Vida e língua

Como vimos no início deste capítulo, as vivências que há que traduzir, ou seja,
as formas pela quais a intensividade da língua é vivenciada por um seu falante, podem
ocorrer em níveis experienciais os mais diversos. Tentemos uma lista—não exaustiva
Capítulo 7 203

é claro, e nem mesmo muito extensa—dessas vivências, algumas delas já discutidas


anteriormente nos exemplos considerados até aqui:
A vivência da produção de um som pela glote. A vivência de uma métrica.
Ou a da percepção de uma homofonia. Ou a da oralidade de um texto escrito. Ou a
de um registro de fala. Ou a de uma conotação. Ou a de uma pluralidade simultânea
de conotações. Ou a de uma aliteração, assonância ou paronomásia. Ou a de uma
polissemia, ou a da percepção de uma intertextualidade, ou a de uma historicidade, ou
a de uma declamação, ou a de uma proclamação, ou a da localização de um termo ou
expressão na economia da língua, ou a de um “algo” que não se põe em palavras mas
que se dá na língua... Ou, como vimos agora por último, a vivência de uma Leitwort,
ou seja, a percepção da repetição de uma palavra ou complexo lexical num texto.
Todas elas são, é óbvio, vivências a partir de um corpo, e, ademais, vivências que
se atêm em maior ou menor grau a esse nível corporal—p. ex., a vivência (eminentemente
corporal) da emissão de um som pela glote versus a vivência de uma historicidade que
se dá na “quebra do passo de dança métrico da poesia” (a qual, ademais do corporal,
comporta uma importante carga existencial). No caso da Leitwort, é preciso que de
início se perceba na inspeção visual do texto uma repetição de marcas (vide n. 17,
p. 197 acima), para que posteriormente se atente a algo como, p. ex., um plural de
conotações.
Assim como há o visual, há, é claro, o auditivo. E assim como há no texto
repetição de marcas, há na língua repetição de sons, repetição essa que pode também
comportar um plural: o plural da vivência de uma homofonia, “o espantoso fenômeno
de que palavras que soam igual, podem ter os mais distintos e desconexos significados”
(Rosenzweig, 1995, p. 245).
As considerações que Rosenzweig faz a esse respeito são muito esclarecedoras
para que se entenda, já desde o plano sub-textual em que suas técnicas tradutórias
operam, uma importante conexão da vida à língua. Elas abrem também espaço para
que se examine alguns outros aspectos que lançam uma luz final sobre o que está
por trás da opção pela intensividade, por trás do fato de reconhecer-se que existem
vivências na língua, e que há que traduzi-las. Vamos a isso.

5.1 Sons e marcas

Vimos na seção anterior (n. 17, p. 197) o gramatológico Derrida tirando o


máximo (ou melhor, fazendo o máximo) das “marcas [...] cuja iterabilidade lhes
permite subtraírem-se a um contexto”. Entretanto, não obstante essa característica de
context-free, Derrida acaba concedendo—embora “com alguma circunspecção”—uma
“pragramatologia” em que o contexto (entendido como uma “situação das marcas”)
possa afinal ser levado em conta. Vimo-lo também aplicando essa pragramatologia
Capítulo 7 204

num comentário que, suscitado por uma Leitwort, exemplificou-nos a importância


que tem esse fenômeno textual—que Buber-Rosenzweig tratam de preservar em sua
tradução dialógica—inclusive como moto da conexão texto-vida à luz do escriptível
de Barthes.
Mas para o que aqui agora nos ocupará, é uma frase de Derrida, ao início de
sua discussão da pragramatologia, o que nos interessa. Diz ele: “A língua nada mais
é do que um sistema de marcas.” (Derrida, apud Beato, 2005, p. 196). Nada de sons,
só língua escrita.
Já Richard Rorty, adversário filosófico de Derrida, é mais pragmático (no sentido
usual, não técnico, do termo). “Uma diferença [entre Derrida e eu]”, diz ele, “é que
Derrida gosta de pôr tudo em questão, enquanto [eu] insisto em perguntar ‘qual é
o problema?’ [Minha] atitude é: se não está quebrado, não conserte.” (Rorty, 1996,
p. 44). Para Rorty a língua são sons e marcas. Mas para o Rorty que se desiludiu do
linguistic turn, a filosofia da linguagem já não é solução para a filosofia:

Uma vez que a filosofia da linguagem se viu livre […] [dos] ‘dogmas do empiricismo’
[…] as sentenças […] passaram a ser pensadas como seqüências de marcas e
ruídos usadas pelos seres humanos na busca de suas práticas sociais—práticas
que permitem à pessoas o atingimento de seus objetivos, objetivos esses que
não incluem ‘representar a realidade tal como ela é em si’. (Rorty, 1992, p.
373, grifos meus).

e
É importante para mim manter que, embora o naturalismo possa explicar como
uma certa espécie de animais pôde vir a desenvolver projetos de troca de marcas
e ruídos, e assim explicar as origens da linguagem, ele o faz precisamente
tratando de excluir qualquer referência a qualquer coisa que seja tanto
não-proposicional quanto filosoficamente interessante.” (Rorty, 1996, p.42,
grifos meus).

Note-se que Rorty está indo aqui frontalmente contra dois pontos chaves de
Rosenzweig. 1) o pensamento gramático: o real para Rorty não tem nada com o “real
da língua real”19 (vide Cap. 4, sec. 7, item 7.2 , pp 105 e 107, acima); 2) o que importa
para Rorty é o proposicional, a referência na linguagem, não há que ter em conta a
intensividade ou algo como “vivências na língua”20.
19
E, isso, muito embora os seres humanos utilizem a língua em suas práticas sociais. Rorty parece
sentir-se mais à vontade na realidade mecânica das ciências exatas do que numa realidade dialógica
voltada para as ciências humanas.
20
Nisso Rorty está bem em linha com a tradição analítica na qual se insere (vide Cap. 5, n. 16, p.143).
No que concerne ao que aqui chamamos de “vivências na língua”, elas podem ser enquadradas no que
essa tradição define como qualia (sensações qualitativas ou qualidades fenomenais, vide Chalmers,
1996, p. 4; Dennett, 1988, p. 42), no caso as qualia que um falante da língua as experimenta porque
fala a língua, por conta de sua competência de falante da língua. Rorty provavelmente trataria de
“quine these qualia” (Dennett, id) na linha do que Quine faz ao tentar “get rid of [intensional objects]
altogether” (Quine, 1960, p. 168) e assim se livrar de vocabulários como “acreditar que”, “deleitar-se
com”, “achar bela a”. Seja como for, é questionável se tais tentativas de um “mecanizar-se as ciências
Capítulo 7 205

Mas Rorty, ao menos, fala mais que Derrida quando fala de marcas e ruídos.
Com isso nos leva para além da escrita à qual Derrida—não obstante o seu alcance
nessa escrita—se limita. Dessa forma, queira ele ou não falar em vivências, Rorty
nos autoriza a discussão do corporal das vivências visuais e sonoras, na linha de
Buber-Rosenzweig (vide, p. ex., Cap. 6, sec. 3). E isso inclui também a discussão da
vivência de constatarem-se repetições visuais (de marcas num texto) ou sonoras (de
homofonias numa fala).
No caso da “repetição de marcas”, foi Derrida quem nos ajudou a entender o
que pode estar por trás da Leitwort de um texto e, com isso, a importância de levá-
la em conta na tradução.
No caso da repetição de sons é Rosenzweig quem nos indicará a importância
do que está por trás da vivência da percepção de uma homofonia.

5.2 O que não há em Okinawá

Antes porém, consideremos um texto que está muito mais voltado para o
que se vivencia na língua, do que para o que se pode comunicar através da língua.
Como seria de se esperar, trata-se de um texto poético. Pero no mucho. É uma letra
de canção, Aquidauana de Chico César, da qual transcrevemos alguns trechos abaixo
na esperança de que a leitora concorde que nesse texto a intensividade se sobrepõe
à referência:

O que há
E o que não há
Em Okayama e Okinawa
Pro povo de Aquidauana
Eu vou ter de perguntar

Se tem pé de juazeiro
Pra poder nascer juá
Se tem bode pai-de-chiqueiro
Que é pra cabra bodejar
Se a galinha no poleiro
À tardinha vai deitar
Pouco ou muito pé de cana
Pro povo de Aquidauana
Eu vou ter de perguntar
[…]
Se beijar é proibido
Ou se é dejá-vu beijar

humanas” poderão ter sucesso (MacIntire, 1984, pp. 83-84; McGinn, 1997, p. 538-539). Ademais, e
não obstante todo o acima, veja-se um Rorty aparentemente mais “intensivo” no Cap. 4 (sec. 4, p. 96
acima), falando do “poder que a linguagem tem de tornar possíveis coisas novas e diferentes”. (Rorty,
1994, p. 67).
Capítulo 7 206

Se o beiju é comprimido
Como pó de guaraná
Se a besteira do sabido
Tem poder de governar
Se eu não passo na aduana
Pro povo de Aquidauana
Eu vou ter de perguntar
[...] (Chico César, 2000, CD Mama Mundi)
“Okinawa” é aqui palavra oxítona (oquinauá). A primeira estrofe acima, de
cinco versos, é o refrão que se repete ao final de cada estrofe de nove versos da
canção, das quais estão aqui reproduzidas a primeira estrofe e uma das intermediárias.
E a questão que ora colocamos é a de qual poderia ser a tradução para o inglês dessa
estrofe de cinco versos, à luz das vivências na língua que esse refrão suscita neste
pobre tradutor.
Desde logo, há a homofonia de “Okinawá” com “o que não há”. E há também,
ao menos para o tradutor em pauta, a impressão que “eu vou ter de perguntar”
deixa de “um estribilho, conhecido por muita gente, por se repetir como verso final
de estrofe em vários desafios de cordel”. Uma vivência que fica, digamos, entre um
quê de alusivo, de “meta-intertextual” e um “sentimento” da localização de uma
expressão na economia da língua.
Isso posto, vamos à solução que demos e que não valerá pela qualidade (nem
poderia), mas apenas e tão somente como exemplo de (uma tentativa de) tradução
de vivências na língua:
To those who O que há
Walking now are E o que não há
In Okayama, Okinawa, Em Okayama e Okinawa
From afar Aquidauana Pro povo de Aquidauana
How I wonder what you are. Eu vou ter de perguntar.
Qualidade à parte, eis aí, no segundo verso, a tradução da vivência da percepção
de uma homofonia. E no quinto verso a tradução da segunda vivência mencionada
acima, que a leitura do original provocou no tradutor. Uma tradução que nesse segundo
caso logrou uma transposição apenas parcial da vivência original, para algo como:
“um verso de uma canção infantil muito conhecida (Twinkle, twinkle, little star),
que quase toda gente há de reconhecer”.
Enfim, um exemplo (qualidade à parte) de uma tradução da intensividade,
acerca da qual cabe ressaltar três pontos. Primeiro, um simples cotejo verso a verso
com o original já indica que a tradução do sentido de fato acaba sendo nesse exemplo
absolutamente acessória ou quase inexistente. O que não há em Okinawá é uma
tradução do sentido...
Capítulo 7 207

Segundo, na linha de Ricoeur, trata-se aqui da tradução enquanto “construção


de um comparável” (Cap. 1, sec. 7.3, p. 40), no caso um comparável de vivências
na língua, um comparável do qual o tradutor é o construtor e o árbitro: tudo é feito
sempre à luz do tradutor, que é aquele que decide que há uma vivência21 (i. e.,
uma intensividade) a traduzir e que, ao traduzi-la, pela primeira vez vive as duas
vivências e as compara. É ele que decide—exultante ou conformado—por dá-las como
equacionadas.
Terceiro, em todo esse exemplo, em toda essa canção, a vivência do—para
Rosenzweig— “espantoso fenômeno” da homofonia é a primeira que se dá, e é a que
permanece mais marcante22. Busquemos então Rosenzweig para entender o porquê
disso.

5.3 Nossa língua

Nas notas de sua tradução de Jehuda Halevi, Rosenzweig observa que o hino
“Ao Redentor” (trad., Rosenzweig, 1995, pp. 112-115) apresenta uma métrica livre,
à qual, não obstante, a tonicidade das palavras nos hemistíquios confere uma certa
amarração (métrica). A ela se agrega uma segunda amarração que através de “jogos
de palavras e remotas alusões à Bíblia, envelopa de dentro para fora a forma [que à
primeira vista parecia] mais solta” (id., p. 242).
Isso o leva a incluir, logo a seguir nessas notas, um excurso intitulado “Um
jogo de palavras artístico” (id. pp. 242-245) com a tradução e notas de um poema
que Rosenzweig, aparentemente, considerou não ter porte e/ou seriedade suficientes
para merecer constar do corpo principal de poemas traduzidos. O tema, entretanto,
é sério (uma prece pelo retorno a Jerusalém) e o poema parece estar-lhe à altura.
O problema é que há neste caso um certo exagero, um excesso de algo que é uma
marca dos poemas de Halevi:

O que aflora em muitos desses poemas—e de forma especialmente poderosa


no hino anterior, “Ao Redentor”—é o que rege de forma absoluta esta peça: a
alegria no jogo de palavras, mais precisamente, os sons similares em palavras
de significados distintos. É surpreendente que tal artistismo [artistry] não se
tenha revelado muito mais ofensivo [...]: em que relação com a língua este
poeta baseou o que para é nós uma conduta tão apoética? (id., 244).

Na busca da resposta Rosenzweig observa que essa nova poesia judaica que se
inicia na Espanha muçulmana do séc. 12 é uma poesia “clássica: no seu berço está—a

21
E que inclusive pode ser uma vivência só sua do tradutor, e não pretendida pelo autor do original.
Por exemplo, o Google não confirma que “eu vou ter de perguntar” é refrão usual nos desafios de
viola, e nem mesmo de algum desafio de viola. A tradução da intensividade pode, portanto, incluir
até a tradução de alucinações do tradutor. (Encore, Lacan non-dit).
22
Por exemplo, “beijar” e “beiju”, na última estrofe citada.
Capítulo 7 208

gramática. [...] Seu nascimento aguardou a origem de uma gramática científica da


língua hebraica.” (id.).
Aqui é preciso que lembremos que essa poesia foi escrita numa situação de
diglossia, por um autor que tinha no árabe sua língua nativa, mas que compôs poemas
em hebraico, a língua sagrada de sua religião. Mas então, justamente aquele que viria
a ser reconhecido como o vulto maior dessa poesia está a “brincar com as palavras”
sagradas? Realmente, o que se passa?
Rosenzweig ressalta que esse hebraico é uma língua cuja norma foi, pelo
menos até antes que sua “gramática científica” se firmasse, ditada pela escrita (que
aqui é Escritura). Não era uma língua correntemente falada. Se o fosse, isso com
certeza facilitaria os vôos livres da criatividade que transpõe sem cuidado ou culpa
as fronteiras do uso corrente.
Mas não. Nesse caso as fronteiras estão escritas, são ditadas pelos “vinte-e-
quatro livros remanescentes da Antiga Literatura Hebraica” (id., 245) e esses poetas,
respeitadores dessas fronteiras, perscrutam o seu interior com uma atitude semelhante
à do tradutor dialógico Rosenzweig no “Posfácio” ao Halevi. Esse tradutor que “semeia
um solo fértil e incultivado” (id., 171) na língua de chegada, para transplantar para
ela uma intensividade da língua de partida. De forma similar quem, como esses poetas
espanhóis,

for resoluto em sua persistência de manter-se no interior das fronteiras, irá


arar essa esfera limitada que ele chama de sua sem deixar de fora qualquer
pedaço de chão, [por mais] infrutífero [que pareça]. E o meio para isso é a
jovem ciência da gramática. [...] Ela serve [até] para sondar [...] o espantoso
fenômeno—espantoso tão somente para uma concepção racionalista da
linguagem, que vê na linguagem um método e conseqüentemente símbolos
nas palavras (mas toda ciência primitiva da linguagem é assim racionalista)—o
espantoso fenômeno, então, de que palavras que soam igual podem ter os mais
distintos e desconexos significados23, é ao menos em parte esclarecido através
da gramática. Assim, o vocabulário da Escritura se amplia e pela primeira vez se
expande a olhos vistos. Os poetas entretanto solenizam agora a aquisição dessa
fortuna reexaminando-a e passando [por exemplo] a empregar uma palavra que
na Escritura ocorre uma única vez, e que portanto dela mal se conhecia um uso
natural[...]. Toda a fortuna desse tesouro da língua tornou-se, através dessa
poesia espanhola, pela primeira vez para o povo uma propriedade [da qual]
ele [povo] está totalmente consciente. (id., 245).

Nisso tudo, o ponto não é meramente um maravilhar-se ante a sutileza das


homofonias, que a gramática descortina. Desde logo, é importante—em especial para
o presente estudo—o fato de que um significativo insight acerca daquilo que determina
o vínculo de uma língua à vida de um povo nos venha de Rosenzweig, e se dê a partir

23
Et encore...(Vide nota 21 acima).
Capítulo 7 209

de um fenômeno similar e de mesmo nível do das Leitwörter: uma repetição, que no


caso não é de expressões (ou marcas) no texto, mas de sons na fala.
Mas a grande mensagem é que uma língua é (ou se torna) minha língua na
medida em que, nela, eu consiga migrar da primitividade racionalista dos símbolos
que referem algo externo a ela, à riqueza (gramatical) de vivenciar algo que está
nela: a sua intensividade.
Isso se dá, dentre outros, no comprazer-me na polissemia das homofonias dessa
língua e no brincar com elas; no constatar a pluralidade das várias conotações de uma
mesma frase que reaparece em diferentes pontos de um texto; no surpreender-me
com um ritmo no qual numa alteração sutil faz com que uma frase, pela qual tantas
vezes eu passei indiferente, passe agora a tocar-me a alma, e com isso faça-me sentir,
e inter-vivenciar, esta minha língua como nossa língua. E assim por diante.
Em suma, uma língua só é de alguém, se esse alguém consegue operar no
plano da intensividade dessa língua.
E no que concerne a tradução, ninguém traduzirá da minha língua se não tomar
em conta os aspectos da intensividade, empregando para isso técnicas tradutórias
que a preservem como minha língua, traduzindo-a dialogicamente como o fizeram
Buber-Rosenzweig.
Só assim a nossa língua chegará viva—para além dos códigos referenciais—na
língua de outros.
Na língua de alguém.
210

CONCLUSÃO

...no patamar sempre instável do ensaio,...


Luís Augusto Fischer
(Folha de São Paulo,18/11/2007)

Rosenzweig denominou “Pórtico” a seção final de A Estrela da Redenção. Ela


funciona como um portal que o filósofo descortina para o vislumbre de quem acompanhou
até o fim a exposição de sua filosofia. “Para onde se abre este pórtico?” pergunta
Rosenzweig na última página da obra, um último parágrafo ao qual a colometria dá
a forma de um triângulo invertido, qual a ponta de uma flecha que se lançasse para
fora do texto. “Não vês [para onde]?”, insiste Rosenzweig. “Para a vida!” é a frase
final de A Estrela. A intenção maior é sacudir o leitor de seu marasmo, ejetá-lo da
filosófica poltrona para a ação na vida, para uma vida—tal como a de Rosenzweig—em
que se aplique na prática esse speech thinking dialógico e voltado ao outro.
“Para a vida” a filosofia, “na vida” a tradução. Ao tratarmos no presente
trabalho de preencher o gap da Revelação à respiração, retraçando o como das técnicas
de tradução de Rosenzweig e o seu porquê, que a reflexão tradutória explana, demos
com um traduzir na língua. Numa língua que está na vida, que é contínua a ela e que é
feita de tantas coisas da vida: sons, marcas, alusões, ritmos, conotações, repetições,
enunciações, ímpetos de resposta, respostas, entonações que uma condição existencial
exige, falas e textos (e, é claro, também denotações e referências).
Muitas dessas tantas coisas da vida, mais do que informarem, suscitam (muitas)
vivências no falante da língua. Vivências que devem, na medida do possível, ser
também suscitadas no falante da outra língua para a qual se traduz dialogicamente. E
tal tradução não é tarefa fácil, já que exige uma criatividade rara, na medida em que
ela é contida de forma a não ultrapassar as “fronteiras da lingüisticidade” da língua
de chegada. Sobretudo, nesse traduzir dá-se atenção ao que chamamos—até para
dar um nome àquilo que a argumentação exigia que nome tivesse—de intensividade
na(s) língua(s).
Seja como for, a noção de intensividade—o poder de a língua, intrinsecamente
na língua, suscitar vivências no falante—revelou-se bastante útil para o que aqui nos
ocupou. Assim sendo, o alcance e a produtividade desse conceito talvez mereçam
ser testados em contextos semelhantes, contextos nos quais a chamada “realidade”
se funde a um (primeiro) “imaginário” sem muitos mistérios (p. ex., no aquém da
propaganda, das ações de marketing, do ensino de línguas, da interpretação de textos,
da análise do discurso; mas não no além da psicanálise).
Conclusão 211

Por outro lado, pode surpreender que uma filosofia tão “teológica” quanto a
de Rosenzweig, na qual a linguagem é colocada (em princípio) como uma entidade
transcendental e “essencial”, tenha resultado numa prática de tradução que, embora
seja difícil de ser levada a cabo, dá-se, afinal, a partir de prosaicas “coisas da vida”
sem muito mistério.
É preciso então lembrar a estreita proximidade de Rosenzweig com Bakhtin
que este trabalho buscou demonstrar. O prosaico, como vimos, tem para Bakhtin uma
carga de grandioso. Ele é da natureza da própria realidade. Para Bakhtin os eventos,
muitos deles eventos enunciados, prosaicamente acontecem no dia a dia e exigem
de cada um respostas, respostas que se encadeiam para constituir aquilo que para
Bakhtin é “a vida de alguém”.
Do mesmo modo, vimos que o minimalismo (sub-textual e prosaico) de cada
(inovadora!) técnica de tradução que examinamos, constrói, p. ex., o grandioso todo
de uma poética, propicia a vivência de uma Revelação, carrega a rítmica de uma
historicidade, suscita um comentário, nous met en train d’écrire. Tudo isso na vida.
E a partir da língua. Na língua. Assim sendo, como sugerido em nota ao fim do Cap.
3, um confronto dessas técnicas de tradução com outras características do enunciado
bakhtiniano—além das da responsividade e da entonação que aqui estudamos—haverá
de aprofundar o lado vida-língua da conexão texto-vida-língua, que neste estudo se
ateve mais à responsividade (fundamental em Rosenzweig e Bakhtin), e à homofonia,
como visto ao final do último capítulo.
Pudemos também aquilatar aqui o valor do pensamento gramático que Rosenzweig
aplica em momentos chave de A Estrela. Seu alcance para abarcar um real que o
existencial permeia e no qual o “outro que exige resposta” é a constatação primeira,
recomendam um esforço no sentido de se adquirir algum hábito de aplicação desse
pensamento. Situações relacionais, típicas das ciências humanas, hão de se servir
melhor de categorias tais como tempos, modos, classes, número (singular/plural/
coletivo), transitividade, etc., do que das imutáveis implicações, ou da rígida causa-
e-efeito do pensamento lógico-racional.
Os diálogos de inter-iluminação que promovemos também revelaram-se
profícuos. Assim, ensaios como este, voltados, digamos, “mais para a convergência
do que para a diferença” parecem recomendáveis em certas situações. Afinal, some
great minds do think somewhat alike, at least some of the time. Em especial, esses
diálogos propiciaram que aqui o ferramental de Bakhtin se prestasse aos estudos da
tradução, que a noção de intensividade fosse reconhecida e explorada, que Meschonnic
esclarecesse Rosenzweig, e até mesmo que o que há de críptico em Meschonnic, uma
certa impressão de “so what?” que ele deixa, ao final, em quem lê sua magnífica
teoria crítica da tradução, se esclarecesse através de Rosenzweig.
Conclusão 212

Finalmente, algo que não foi explorado aqui. Ao propiciar um aumento da


expressividade da língua de chegada, a tradução dialógica de Rosenzweig parece bem
próxima da visada ética da tradução em Berman (2002) que se preocupa com uma
preservação da riqueza das línguas.
Nesse sentido é significativo o fato de que Berman vincula primordialmente
essa sua “eticidade do traduzir” à meditação de Levinas em Totalidade e Infinito
(Berman, 2007, p. 68), uma obra cujo mote é o de uma “crítica radical da totalidade”.
Levinas por seu lado aponta que foi em A Estrela da Redenção de Rosenzweig que se
deparou pela primeira vez com uma tal crítica, e tão bem desenvolvida a ponto de vir
a influenciá-lo definitivamente (Levinas, 1982, pp. 69-70). Está aí portanto um ponto
que, se ainda não foi estudado mais profundamente, merece consideração: a filosofia
fazendo-se prática tradutória, agora em Berman e à luz de Rosenzweig.
Mais que tudo, tudo o que aqui se viu indica que a filosofia de Rosenzweig e a
sua reflexão tradutória merecem entre nós maior atenção e aplicação, especialmente
no estudo das várias traduções de obras dos autores maiores de nossa literatura, e no
do traduzir de nossos maiores tradutores.
Esperemos que assim seja doravante.
213

APÊNDICE

“A Tarefa do Tradutor”: um guia dos perplexos


(with a little help from Franz Rosenzweig)

Oh, I get by with a little help from my friends.


John Lennon, 1967

Com o que se discutiu no Cap 5, seções 1 a 5, está dado o pano de fundo para
uma leitura detalhada de “A Tarefa”. Duas noções em especial devem ser retidas: a de
intensividade, o aspecto da linguagem que se contrapõe à referência e que na—e não
através da—linguagem expressa vivências experienciais; e a de uma pura linguagem,
ou seja, a Linguagem na plenitude de sua intensividade.
Deve-se notar ademais que essas duas noções são, como se vê, de ordem
eminentemente lingüística, e que, como a noção de tradução, permanecem no texto
de Benjamin sempre dentro do lingüístico. Isso não obstante o uso religioso-messiânico
que Benjamin, como veremos, faz dessas noções, ademais de apontar a tradução
como ferramenta para a construção (lingüística) da plenitude intensiva da linguagem.
Embora essa plenitude possa—a olhos mais seculares—parecer difícil de ser atingida,
para Benjamin, o homem religioso que redigiu “A Tarefa”, a (lingüística) plenitude
intensiva da linguagem será eventualmente alcançada e é o índice do advento de um
tempo messiânico, esse sim de cunho eminentemente religioso.
Em outras palavras, o traduzir pode, em Benjamin, ser visto como um dever
religioso—e nisso Benjamin se aproxima de Rosenzweig—, mas a tradução permanece
uma tarefa a ser desincumbida no âmbito lingüístico.
Mas sempre é uma tradução bem distinta da usual. Tornemos à breve definição-
resumo que demos da tradução em “A Tarefa” no Cap. 5 sec. 3, p. 121 acima, já
devidamente modificada e acrescida de algumas noções que a discussão, até aqui,
tornou familiares.
“A Tarefa do Tradutor” apresenta uma teoria platônica e messiânica da
tradução (das obras maiores da literatura), na qual a restituição do sentido é tida como
absolutamente acessória, e onde os conceitos de fidelidade e liberdade, usualmente
contrapostos nas teorias tradicionais da tradução, são harmonizados ao se libertarem
de sua submissão ao sentido: a fidelidade volta-se, sobretudo, a uma literalidade na
transposição da sintaxe, e a liberdade se expressa por meio da recriação, na língua
de chegada, do modo de designar (ou da intenção)1 do original. Com isso o fragmento

1
“Modo de designar” e “intenção” que devem, no texto de Benjamin ser considerados como sinônimos
de “intensividade”, tal como a definimos no Cap. 5 subseção 5.3, p. 143 acima.
Apêndice 214

de pura linguagem que graças à obra original se expressava na língua de partida, se


reintegra no movimento da língua de chegada em direção à pura linguagem.
O que vai acima é a esta altura menos críptico (espera-se) do que ao início
do Cap. 5, mas ainda intrigante. Munidos do que nesse ínterim pudemos amealhar de
conceitos nas seções 1 a 5 daquele capítulo, e tomando o que da teoria, da prática
e do viver tradutórios de Rosenzweig possa vir em nosso auxílio, vamos a “A Tarefa
do Tradutor”.
Consideraremos então de uma forma razoavelmente detalhada a linha da
argumentação de Benjamin (as págs. indicadas nas citações abaixo referem-se a
Benjamin, 2001, tradução de Susana Kampff Lages).

A.1
Benjamin inicia considerando ser “nefasta”, na produção de qualquer obra
de arte a atenção ao receptor: “a arte pressupõe a natureza corporal e espiritual
do homem; mas em nenhuma de suas obras pressupõe sua atenção”. E ao considerar
especificamente a obra literária, o sentido—na linha de “A Linguagem”’—toma já de
início um caráter acessório:

O que diz uma obra poética? O que comunica? Muito pouco para quem a compreende.
O que lhe é essencial não é a comunicação, o enunciado [i.e., o sentido] [...]
mas aquilo que está numa obra literária para além do que é comunicado [...]
(e mesmo o mau tradutor admite que isso é o essencial) [p. 189].

E assim como a obra literária, a tradução dessa obra não deve ter em conta o
seu leitor: “Se o original não existe em função do leitor, como poderíamos compreender
a tradução a partir de uma tradução dessa espécie?” [p. 191].
Desde logo alguns pontos ficam claros e o estranhamento que—
compreensivelmente—essas afirmações causam no leitor que, despreparado, se
defronta com esses primeiros parágrafos sem conhecer as premissas da filosofia da
linguagem de Benjamin, começam a se dirimir à luz do que discutimos anteriormente
no Cap. 5:
a) Estamos no âmbito das grandes obras de arte, e a discussão é acerca da tradução
de obras maiores da literatura, em especial a poesia, nas quais a linguagem e
as línguas atingem um ápice de expressão. Assim, a teoria de Benjamin não se
aplica, p. ex., a algo como a tradução de um manual de telefone celular, onde o
usuário deve, obviamente, ser levado em conta e onde a restituição do sentido
e sua comunicação são fundamentais.
b) Benjamin já nos prepara—a nós que lemos “A Linguagem”—para a intensividade
“aquilo que está numa obra literária para além do que é comunicado [através
dela]” [p.189].
Apêndice 215

c) Não levar em conta o leitor da tradução implica nada fazer para facilitar
a recepção ou facilitar-lhe a vida.
Virá daí, inevitavelmente, o estranhamento que assombrava o leitor de
Rosenzweig (vide Cap. 2, sec 4, p. 46). Está aí também, implícita, a crítica aos
tradutores germanizantes que Rosenzweig explicita no “Posfácio” da tradução do
Halevi (id.). Aliás, a forma que Rosenzweig dá a essa crítica é altamente indicativa
da proximidade Benjamin-Rosenzweig. Ela é, fundamentalmente, uma condenação
dos que dão prevalência ao sentido ante a intensividade:

Traduzem como quem não tem nada a dizer. Quem nada tem a dizer nada
exige da língua. E a língua, da qual quem a fala nada exige, entra em torpor,
torna-se tão somente um meio de comunicação do sentido [id., e Rosenzweig,
1995, p. 171].

Esses tradutores germanizantes nada sabem da pura linguagem e nada fazem


por ela. Aqui a proximidade entre os dois autores é patente.

A.2
Pois bem, o que é então essa tradução que não leva em conta o leitor e não se
interessa pela restituição do sentido? Aqui o caráter platônico que a teoria de Benjamin
toma é colocado de forma clara: “A tradução é uma forma. [...] e a traduzibilidade
[é] essencial a certas obras” [p. 191]. Novamente, essas afirmações devem ser lidas
sob uma nova ótica em que o sentido é tido por acessório. A traduzibilidade de um texto
não é ditada pelo fato de ele (texto) ser passível ou não de tradução, na medida em
que o sentido possa vir ou não a ser restituído com sucesso na língua de chegada. Não
estamos sob essa ótica usual, na qual o fato de que existe um texto traduzido que é,
reconhecidamente, a tradução de um dado texto original, implica, tautologicamente,
a traduzibilidade desse original (é traduzível já que foi traduzido).
Essa nova Tradução maiúscula de Benjamin que é uma forma platônica,
instancia-se no original como uma traduzibilidade que lhe é (ao original) inerente,
do mesmo modo que a beleza intrínseca a essa obra maior da literatura é o Belo que
nela se instancia. Nessa ótica platônica beauty is not in the eye of the beholder, uma
beleza que nunca foi contemplada não deixa por isso de ser bela, e a traduzibilidade
de um texto não é algo à espera da perícia do tradutor que esteja à altura desse
texto. Pelo contrário, há textos que nunca serão traduzidos e que não obstante
são inerentemente traduzíveis e que exigem tradução: “a traduzibilidade dessas
construções de linguagem deveria ser levada em consideração”, diz Benjamin, “ainda
que elas [essas construções de linguagem] fossem intraduzíveis para os homens.” [p.
191]. Ou seja, há lições a tirar da intensividade na linguagem.
E há, por outro lado, também (inúmeros) textos que foram traduzidos mas
que não têm—sob essa ótica—qualquer traduzibilidade. Neles há apenas sentidos
Apêndice 216

a serem restituídos e nenhuma intensividade, nenhum modo de designar, a ser


recriado.
Essa perspectiva de Benjamin ilumina—e é iluminada por—um trecho de
Rosenzweig que citamos no Cap. 2 (sec. 5, p. 48), onde a Bíblia surge como sendo o
texto traduzível por excelência:

A Bíblia deve certamente ser o primeiro livro a ser traduzido e [o texto traduzido]
deve ser considerado igual [em status] ao texto original. Por toda parte Deus
fala com as palavras do homem. E o Espírito faz ver que o tradutor, aquele que
ouve e que transmite, sabe-se igual ao que pela primeira vez falou e recebeu a
palavra (Rosenzweig, 1970 p. 366, vide Abdulkader, 2003, pp. 273-274).

O texto bíblico em que Deus fala “na totalidade intensiva da linguagem” (vide
p. 136 acima) usando as palavras do homem (homem decaído que através dessas suas
palavras humanas mormente refere) é—no sentido que Benjamin dá a “traduzível” e
“tradução”—o mais traduzível dos textos, ou seja, o que mais exige tradução. Nessa
palavra de revelação—“que toma o caráter intangível do verbo como [sendo] a única
e suficiente condição” para que se dê a revelação na vida [Benjamin, 2000b, p. 151
em “A Linguagem, vide p. 134 acima]— tudo é intensividade, vivência experiencial
imediata, e quase nada é referência.
E o tradutor dialógico que traduz essa intensividade benjaminiana—ou
essa enunciação bakhtiniana—cumpre a exigência de traduzibilidade desse texto
inerentemente traduzível, e sabe que preservou no processo o potencial de revelação
do texto original, “sabe-se igual ao [redator do original bíblico] que pela primeira vez
falou e recebeu a palavra”.

A.3
Benjamin inicia então uma linha de argumentação que visa demonstrar que
essa sua Tradução peculiar tem na realidade uma finalidade mais elevada do que
a mera transposição de uma língua a outra. Num primeiro passo, Benjamin trata de
demonstrar que a tradução guarda uma “relação de vida” [p. 193] com o original. E a
noção de “vida” em Benjamin é também peculiar e expandida, como o é a sua noção
de “tradução”. Peculiar, expandida e rica:

É somente quando se reconhece vida em tudo aquilo que possui história e que não
constitui apenas um cenário para ela [história], que o conceito de vida encontra
legitimação. Pois é a partir da história [...] que pode ser determinado, em última
instância, o domínio da vida. Daí deriva para o filósofo a tarefa: compreender
toda vida natural a partir dessa vida mais vasta que é a história [p. 193].

Essa “idéia da vida e da continuação da vida [que se aplica não só ao mundo


biológico mas também, inter alia, à vida] das obras de arte, deve ser entendida em
sentido inteiramente objetivo e não metafórico” [id.]. E numa tal vida
Apêndice 217

a tradução provém [da vida] do original. Na verdade, ela não deriva tanto de sua
vida quanto de sua sobrevida [termo nosso, Kampff-Lages diz “sobrevivência”].
Pois a tradução é posterior ao original e assinala, no caso de obras importantes
que não encontraram à época de sua criação seu tradutor de eleição, o estágio de
continuação de sua vida. [...] [Nas várias traduções que do original são produzidas
ao longo do tempo da história] o original alcança, de forma constantemente
renovada, seu mais tardio e vasto desdobramento. [pp. 193, 195].

É a partir desse “vasto desdobramento” que Benjamin dá então o segundo


passo, aquele em direção à almejada “finalidade mais elevada” da tradução. Trata-
se de um passo nada materialista-histórico, que desfaz as esperanças de algum leitor
que tivesse se animado com a vinculação inicial feita entre vida e história. Mas é o
passo esperado no Benjamin espiritualizado e pré-marxista de “A Tarefa”:

Enquanto desdobramento de uma peculiar vida elevada [a vida de uma determinada


obra maior da literatura], esse desdobramento [que é a tradução] é determinado
por uma finalidade peculiar e elevada, [pois o nexo entre vida e finalidade] [...]
que é [um nexo] aparentemente evidente e que no entanto quase [sempre]
escapa ao conhecimento, é descoberto apenas [...] quando deixa de ser buscado
na sua própria esfera, para ser buscado numa esfera mais elevada. Todas as
manifestações finalistas da vida, bem como sua finalidade em geral, não são
conformes, em última instância, às finalidades da [própria] vida, mas à expressão
de sua essência, à exposição de seu significado [p. 195].

Qual é então essa finalidade mais elevada da tradução, que transcende


ao mero desdobramento da vida específica do (específico) original, desdobramento
esse que a (específica) tradução instancia? Que finalidade da Tradução é essa que “é
conforme à expressão da essência da Vida”? Uma “essência da Vida” que, já se vê,
é essência espiritual.
E sendo espiritual, já se sabe de “A Linguagem”, é lingüística.

A.4
“A finalidade da tradução é, ao fim e ao cabo, a de expressar o mais íntimo
relacionamento das línguas entre si” [p.195]. Essa é, para Benjamin, a finalidade mais
elevada da Tradução que é uma forma. Ou seja, ao instanciar-se na traduzibilidade
das obras maiores da literatura—aquelas que, venham um dia a ser traduzidas ou não,
exigem tradução—a tradução expressa “uma convergência original, [...] [o] fato de
que as línguas não são estranhas umas à outras, sendo a priori—e abstraindo todas as
ligações históricas—afins naquilo que querem dizer” [id.].
Benjamin também nota—e isso é importante para o que aqui nos interessa—que
essa relação íntima entre as línguas que é anterior a todas as ligações históricas, a
tradução não a apresenta de maneira explícita ou extensiva, a tradução “não é capaz
de instituí[-la]”, até porque essa é uma “relação oculta” (e, de resto, é Benjamin
Apêndice 218

quem nos informa da existência dessa “relação íntima entre as línguas”, que até
então desconhecíamos).
Mas a tradução “pode, porém, apresentá-la [a essa relação], realizando-a em
germe ou [seja] de forma intensiva [...], um modo muito peculiar de apresentação,
o qual dificilmente pode ser encontrado no âmbito da vida não-lingüística”, vida
essa (não-lingüística) que está mais afeita, “ nas analogias e nos signos, a outros tipos
de referência, que não a realização intensiva ,[...] anunciadora” [id].
Em outras palavras, já aqui, nesta altura ainda quase inicial de “A Tarefa”, se
anuncia—para quem leu “A Linguagem”—que a boa tradução, aquela que realmente
interessa, deve concentrar-se no elevado âmbito da intensividade nas línguas e na
linguagem, e não no decaído âmbito da referência através das línguas.
Finalmente, apontemos uma proximidade em Rosenzweig com aquilo que foi
enfocado neste ítem A.4. Para tanto cabe excertar de um famoso trecho do “Posfácio”
ao Halevi:

Não existe traço lingüístico de uma língua que não se evidencie, ao menos
em germe, em todas as outras línguas. [...] Nessa essencial unidade de toda
linguagem [...] está baseada a possibilidade bem como a tarefa [“a tarefa”
tem aqui o sentido (sentido?!) de “o dever”] de traduzir [Rosenzweig, 1995, p.
171, grifo meu].

A.5
Benjamin dedica então um longo parágrafo para fazer ver o que, conforme
apontado num parágrafo pouco acima (o parágrafo anterior ao que introduz a citação
de Rosenzweig), já se anunciava: não é a referência “que é essencial em traduções”
[id.].
No entanto, Benjamin não cita expressamente a “referência” no texto. Mas
só não a cita expressamente, pois passa boa parte do parágrafo a desfazer do aspecto
“referência” da linguagem. E nem diz—ainda, di-lo-á no próximo parágrafo—o que é
o essencial ao qual se deve dar especial atenção no trabalho tradutório (qual seja, à
“intensividade”).
Convém que excertemos desse parágrafo que, à parte ressaltar o aspecto acessório
da referência, também aborda a permanência do original versus a transitoriedade de
uma sua dada tradução. E o que é mais importante, esse longo parágrafo se encerra
com uma frase, que abaixo vai grifada, e que pode ser tida como uma definição
implícita tanto da tradução dialógica quanto da tarefa do tradutor:

numa tradução, a afinidade entre as línguas demonstra-se muito mais profunda


e definida do que na semelhança superficial e vaga entre [i.e., na proximidade
ou identidade do que é referido em] duas obras poéticas [i.e., o original e a
tradução]. [...] em nosso caso, pode-se comprovar não ser possível existir uma
Apêndice 219

[boa] tradução, caso ela, em sua essência última, ambicione alcançar [apenas
e tão somente] alguma semelhança [de referência] com o original. Pois [...] o
original se modifica [com o decorrer do tempo]. Também existe uma maturação
póstuma das palavras que já se fixaram. [...] Procurar o essencial de tais
mudanças [...] na subjetividade dos pósteros, em vez de buscá-lo na vida mais
íntima da linguagem [...] seria [...] o mais tosco psicologismo, [seria] confundir
causa e essência de um objeto. [...]Pois da mesma forma com que o tom e o
significado das grandes obras poéticas se transformam completamente ao longo
dos séculos, também a língua materna do tradutor se transforma. E digamos
mais: enquanto a palavra do poeta perdura em sua língua materna, mesmo a
maior tradução está fadada a desaparecer dentro da evolução de sua língua e a
soçobrar em sua renovação. Tão longe está a tradução de ser a equação surda
entre duas línguas findas que, precisamente, dentre todas as formas [platônicas],
a ela [Tradução] mais propriamente compete atentar para aquela maturação
póstuma da palavra estrangeira, e para as dolorosas contrações da própria
[palavra na língua materna] [pp. 195, 197 com modificações sugeridas pela
trad. Francesa, Benjamin, 2000a, p. 250, grifos meus].

A última frase acima grifada tem grande proximidade com momentos em


que Rosenzweig busca descrever sua tarefa de tradutor, a sua tradução que estamos
denominando “dialógica”. Veja-se nesse sentido as duas primeiras citações abaixo.
A primeira delas é um trecho de Lutero na “Introdução” à tradução do Saltério, que
Rosenzweig cita em “Lutero e a Escritura” com vistas a definir sua (de Rosenzweig e
de Lutero) situação tradutória, e que contém o que no Cap. 2 consideramos uma ótima
formulação para a meso-definição da tradução dialógica (vide Cap. 2, sec. 6 p. 51
acima). O segundo trecho citado abaixo é do próprio Rosenzweig, no mesmo artigo.
E há, ainda, uma terceira citação abaixo, curta e veemente, de Bakhtin,
já bem conhecida a esta altura do presente trabalho (vide Cap. 3, sec 8, p. 82). As
três citações, assim alinhadas, visam fazer ver mais um aspecto—a valorização da
intensividade—que revela a proximidade Bakhtin-Rosenzweig-Benjamin. Com esse
objetivo, inclusive, inserimos nesses trechos específicos colchetes elucidativos que
a leitora reconhecerá:

é preciso que retenhamos essas palavras [“intensivas”, plenas de “intensividade”],


que as toleremos, dando dessa forma ao hebraico algum espaço, nas situações
em que ele se sai melhor do que o alemão [Lutero, apud Rosenzweig, 1926, in
Buber e Rosenzweig, 1994, p. 49]

o tradutor deve, tanto quanto a sua língua o permitir, buscar seguir os


peculiares volteios [de linguagem] daquele enunciado que está, potencialmente,
[“intensivamente”], prenhe de revelação [...] [Rosenzweig, 1926, in Buber e
Rosenzweig, 1994, p. 49].

Toda compreensão [que vai além do captar frio da informação que o referente
provê, que é ‘intensiva’] é prenhe de resposta [Bakhtin, 2003c, p. 271].
Apêndice 220

A.6
Tornemos ao argumento de “A Tarefa”. Se, como visto no item acima a
referência não é essencial à tradução e se mesmo assim,

na tradução a afinidade entre as línguas se anuncia [...] de uma forma diversa do


que pela vaga semelhança [de referência] entre original e tradução, [...] [fica]
evidente, em geral que afinidade não implica necessariamente semelhança [deste
tipo]. [...] Onde então deve se buscar a afinidade entre as línguas, abstraindo
de um parentesco histórico [e que] [c]ertamente não está na semelhança
entre obras poéticas [i.e, original e tradução], nem tão pouco na semelhança
[referencial] de suas palavras? [pp. 197, 199]

Onde buscar? Seja-nos permitido e perdoado—dada a obviedade—o anticlímax.


A resposta, é claro, será: na intensividade. Mas, como se verá, a formulação que
Benjamin dá a essa resposta nada tem de simples.
Note-se, aliás, que até aqui em “A Tarefa”, Benjamin mencionou apenas
uma vez, e de passagem, a “intensividade”, esse outro aspecto da linguagem que
não é a “referência das analogias e dos signos”, referência que—ao contrário da
intensividade—está presente também em outras searas que não a lingüística (vide item
A.4, p. 218 acima). Foi a leitura prévia de “A Linguagem”—fundamental para um bom
entendimento de “A Tarefa”, e este fato deveria ser mais propalado—que nos permitiu
valorizar essa menção quase indireta da intensividade, e utilizar já no item anterior
(A.5) essa noção (de intensividade) para clarificar as leituras que lá fizemos.
Mas, enfim, Benjamin é agora explícito em citar a intensividade. E trata-se,
é claro, de um momento fundamental no desenvolvimento de “A Tarefa”. Isso se dá,
infelizmente, num trecho em si difícil e, aparentemente, de difícil tradução. Convém
que realizemos em partes, passo a passo, a sua análise:

Toda afinidade meta-histórica entre as línguas repousa sobre o fato de que, em


cada uma delas, tomada como um todo, uma só e a mesma coisa é designada
[a trad. francesa diz “visada”]; algo que, no entanto, não pode ser alcançado
por nenhuma delas [línguas] isoladamente, mas somente [será alcançado] pela
totalidade de suas [das línguas] intenções [i.e., intensividades] complementares,
ou seja, a pura linguagem. [p.199, vide tb. trad. francesa, pp. 250-251].

A afinidade então consiste em que a cada língua, tomada em seu todo,


corresponde uma intenção [intensividade]. E no fato de que essas intenções, dessas
várias línguas, são complementares, o que há numa(s) falta noutra(s). Intenções
(i.e., intensividades), já sabemos, expressam-se na língua e não através da língua.
Cabe então citar aqui novamente um trecho de “A Linguagem”: “o alemão não é de
forma alguma a expressão de tudo o que por ele cremos poder exprimir, mas é antes a
expressão imediata daquilo que nele se comunica. Este ‘se’ é uma essência espiritual”
[p. 143, grifos de Benjamin, vide Cap. 5, sec. 5.1, p. 131 acima].
Apêndice 221

Parece lícito supor que a este “se” que se comunica no alemão e não por ele,
algo que “é essência espiritual” (e portanto essência língüística), que é “essência da
vida mais íntima da linguagem” e não mera “causa” (vide item A.5, p. 219 acima),
corresponda à intenção (i.e., intensividade) da língua alemã “tomada como um
todo”.
Essa intenção, assim definida, da língua alemã, e as correspondentes intenções
de cada uma de todas as outras línguas—para as quais, e das quais, se traduzem obras
maiores da literatura—, cada uma dessas intenções totais (uma intenção total por
língua), visa, designa, ou se quisermos, corresponde a uma realização ainda em germe,
intensiva e anunciadora, da pura linguagem (vide item A.4, p. 218 acima).
Esse é, ademais um processo dinâmico

pois nas línguas tomadas isoladamente, incompletas, aquilo que nelas é designado
[...] encontra-se em constante transformação, até que da harmonia de todos
aqueles modos de designar ele [aquilo que nas intenções das línguas é visado,
designado, anunciado] consiga emergir como pura linguagem. Até então permanece
oculto nas línguas. [p. 199].

Antes, porém, dessa intensividade de cada língua tomada como um todo, que é
construtiva da pura linguagem e no qual “as línguas se complementam em suas intenções
mesmas” [id.], há o nível das palavras da língua. Uma dimensão de intensividade também
está presente em cada palavra que—neste mundo decaído— inescapavelmente refere.
Ocorre que nesse nível elementar de cada língua “os elementos isolados—as palavras,
frases, nexos sintáticos—das línguas estrangeiras [entre si] se excluem. Em ‘Brot’ e
‘pain’ o designado é o mesmo; mas o modo de designar, ao contrário, não o é”. Ou seja,
no nível dos elementos de cada língua as intensividades—p. ex. as intensividades de
um mesmo designado em duas línguas distintas—não se complementam, ao contrário
do que se dá com as intensividades de cada língua tomada como um todo.
Essa é uma discrepância que surge no argumento como um fact of life, algo
que Benjamin simplesmente aponta, sem dar uma razão que a explique. Mas na
realidade, o que ocorre é uma sutil confusão de categorias filosófico-teológicas versus
lingüísticas, similar à que se dá em Buber-Rosenzweig quando esses autores falam em
“preservar-se o potencial de Revelação no texto traduzido”.
A tradução que anuncia a afinidade das línguas entre si (tomadas cada uma
delas como um todo), línguas que se complementam em suas intensividades (totais)
é a Tradução “metaphor and category of thought” da epígrafe do Capítulo 5. Já no
“nível elementar dos elementos isolados de cada língua—palavras, frases, nexos
sintáticos —que entre duas línguas se excluem” estamos na “actual translation” que
é a que nos interessa neste trabalho, a “pale reflection” da Tradução.­
Apêndice 222

Mas o interessante nisso tudo é notar Benjamin se esforçando para apontar—no


texto de “A Tarefa” e para leitores que em tese nunca leriam “A Linguagem”2—a
existência de um aspecto de intensividade na palavra (elementar) que refere. Antes
de apontar que em ‘Brot’ e ‘pain’ o designado é o mesmo mas o modo de designar
não o é, Benjamin notara o quão fundamental é ter-se em conta essa diferenciação
entre o designado e o modo de designar3: o fato de que os modos de designar um
mesmo designado [pão], são diferentes nos idiomas francês e alemão, implica que
essas palavras têm diferentes significações para uma pessoa alemã e para uma pessoa
francesa. Trata-se, no caso, de uma significação que não é (só) a que vem da referência.
Estamos aqui na significação que vem do existencial, vivencial, experiencial, de ler,
ver, ouvir, fazer soar, perceber alusões lingüísticas e sensoriais em “Brot” ou “pain”,
e nas vivências, necessariamente diferentes, que isso implica para cada um dos dois
casos (a pessoa francesa ou a pessoa alemã).
Mas tornemos ao que—como vimos pouco mais acima—é o essencial para
Benjamin: são as intenções de cada língua tomada como um todo que, em sua
complementaridade, visam a pura linguagem e caminham em sua direção. Pura
linguagem que, recordemos de “A Linguagem”, é a “totalidade intensiva da linguagem”
[p. 148], a linguagem numa plenitude de intensividade, onde na palavra se conhece
plenamente (vide Cap. 5, seção 5.3, p. 142 acima).
Assim sendo, e “uma vez que elas [as línguas] estão evoluindo dessa forma até
o fim messiânico de sua história”, diz-nos Benjamin,

é à tradução [...] que cabe sempre questionar essa sacra evolução das línguas, de
forma a que se saiba a que distância aquilo que elas ocultam está da Revelação.
E em que medida se pode, uma vez que se conheça essa distância, [fazer] o
elemento oculto tornar-se presente. [pp. 199, 201, vide tb. trad. francesa p.
251].

Eis aí, portanto, a perspectiva messiânica da tradução, mencionada na


definição bem resumida, que de início fizemos do objeto de “A Tarefa” (vide acima
pp. 213-214).
E eis aí também uma interessante visão religiosa da tradução como uma métrica.
A métrica da distância—que ao longo do tempo se reduz—entre a palavra decaída do
homem e a palavra de revelação. Uma palavra de revelação que, para Benjamin, é só
intensividade, e nela se basta, pois é essa intensividade que propicia que a revelação

2
Recordemo-nos que “A Linguagem”, anterior a “A Tarefa”, é um texto originalmente enviado por
Benjamin sob forma de carta a Scholem, e que não foi publicado em vida do autor.
3
Benjamin fala em “diferenciar, na intenção, o designado do modo de designar”. Aqui—mas só aqui e
num outro ponto bem específico de “A Tarefa” (vide p. 229 adiante)— “intenção” é também referência,
“designado” e, portanto “intention”, “aboutness” e não só “intensividade”, i.e., “modo de designar”
(vide Cap. 5, n. 16, p.143).
Apêndice 223

da palavra bíblica se faça experiência de revelação na vida indivídual (vide Cap. 5,


item 5.2.1, pp. 134-135 acima)4.
Para finalizar, considere-se o seguinte excerto de Rosenzweig—tirado do
mesmo trecho do Posfácio de onde excertamos o que vai ao final do item A.4 acima
(p. 218)—que revela a mesma visão messiânica de uma linguagem de plenitude e
harmonia a ser construída a partir da diversidade das línguas, que tem a tradução por
ferramenta, e que propicia um tempo de entendimento universal:

Só existe uma língua. [...] Sobre essa essencial unidade da linguagem e sobre o
mandamento que dela advém, qual seja, o de um humano entendimento mútuo
e universal, está baseada a possibilidade, bem como a tarefa, de traduzir; [...]
deve-se traduzir para que o dia dessa harmonia das línguas, [harmonia] que
só pode crescer em cada língua individual e não no espaço vazio ‘entre’ elas,
possa [esse dia] chegar. [Rosenzweig, 1995, p.171, grifo meu].

A.7
No trecho que então se segue, Benjamin toma o vínculo entre linguagem e
religião que no trecho anterior se delineara a partir da perspectiva messiânica dada à
tradução, e aprofunda-o para dar uma visão sublimada do traduzir. A tradução, assim,
ainda que transitória, empresta (transitoriamente) mais sublimidade à permanência
do original.

a evolução das religiões é a responsável pelo amadurecimento do sêmen velado de


uma língua mais superior. Portanto, a tradução, embora não possa pretender que
suas obras perdurem—e nisso diferencia-se da arte—não nega seu direcionamento
a um estágio último, definitivo e decisivo de toda e estrutura da linguagem. Na
tradução o original evolui, cresce alçando-se a uma atmosfera por assim dizer
mais elevada e mais pura da linguagem [...] onde não poderá viver eternamente
[...] mas à qual alude de modo como que miraculosamente penetrante, indicando
o âmbito predestinado e interdito onde as línguas se reconciliarão e se realizarão
plenamente [s’accompliront]. [p. 201, vide tb. trad. fran. p. 252]

Também nesse ponto de “A Tarefa” duas noções importantes surgem. A primeira


é a de que é “impossível” a tradução de uma tradução. É aqui que Benjamin utiliza a
famosa imagem do “manto real”. A se notar, nessa argumentação da intraduzibilidade
da tradução, o aspecto secundário que Benjamin, mais uma vez, dá à referência, ante
a intensividade:

nele [nesse âmbito predestinado e interdito] está tudo aquilo que numa tradução
ultrapassa a mera comunicação. [...] Pode-se definir esse núcleo essencial como
aquilo que numa tradução não pode ser retraduzido. Subtraia-se da tradução o
que se puder em termos de informação [...], ainda assim, restará intocável no
4
Neste ponto é bom também retornar ao Cap. 5 (sec. 5.3, p. 143 acima) para que se recorde a
definição meta-lingüística de “intensividade”, despida das conotações “teológicas” da visão religiosa
de Benjamin.
Apêndice 224

texto aquilo a que se dirigia o trabalho do tradutor. Não é traduzível a [palavra


da tradução] como [o é] a palavra poética5 do original, pois a relação do conteúdo
com a linguagem é completamente diversa no original e na tradução. Pois, se no
original eles [conteúdo e linguagem] formam uma certa unidade, como a casca
com o fruto, na tradução a linguagem recobre o conteúdo em amplas pregas,
como um manto real. Pois ela [linguagem da tradução] remete a uma língua
mais elevada do que ela própria é, permanecendo com isso inadequada a seu
próprio conteúdo—grandiosa e estranha. [p. 201, vide tb. trad. fran. p. 252].

Na mesma linha da intraduzibilidade de uma tradução, Benjamin repetirá


bem mais adiante no texto:

Quanto mais elevada a qualidade de uma obra, tanto mais ela permanecerá—mesmo
no contacto mais fugidio com o seu sentido—traduzível. Isso vale, naturalmente,
apenas para os originais. Traduções, ao contrário, demonstram-se intraduzíveis.
[p. 213, vide adiante, item A 11, p. 237 ].

A segunda noção importante que Benjamin introduz no trecho que estamos


examinando neste ítem A.7 é a de que, assim como existe uma tarefa que é específica
do poeta—e que é clara e universalmente reconhecida—, também existe, e precisa
ser reconhecida, uma tarefa que é específica do tradutor:

Antes de outros, [os românticos] possuíram uma consciência da vida das obras
da qual a tradução é o mais alto testemunho. [...] [A] grande obra de tradutores
[dos românticos] implicava uma sensibilidade para com a essência e a dignidade
dessa forma [platônica, que é a tradução]. Ao que tudo indica, essa sensibilidade
não tem que ser mais forte no poeta; talvez nele, poeta, ela tenha justamente
menos espaço. [...] Pois assim como a tradução é uma forma própria, também
a tarefa do tradutor pode ser entendida como uma tarefa própria, podendo ser
diferenciada com precisão da do poeta. [p. 203].

Dos pontos considerados neste item, Rosenzweig se aproxima especialmente


do que se refere à retradução. Isso através de um testemunho que dá acerca da
impossibilidade de se traduzir a partir de uma tradução. No caso de Rosenzweig
tratava-se na realidade de adaptar uma tradução, aproveitar uma (magistral) tradução
já existente e revisá-la à luz do original. É interessante esse relato que mostra que
a consciência dessa impossibilidade foi obtida ao longo—e com o crescer—de sua
experiência como tradutor da Bíblia:

[Quando há muitos anos atrás] ouvi dizer que a comunidade judaica de Berlim
estava planejando uma nova tradução [da Bíblia], até pensei em escrever um
longo artigo contra esse projeto, e solicitar que em seu lugar se fizesse uma
revisão da Bíblia de Lutero [...] Agora me vejo culpado do que queria evitar. E
aconteceu exatamente do mesmo jeito com que as garotas se metem em enrascada.
Imperceptivelmente, passo a passo, até que está feito. E aí (a não ser pelo fato

5
Aqui, como já anteriormente (vide a citação no item A1, p. 214 acima), vê-se que Benjamin está
tratando da tradução não apenas da obras maiores da literatura, mas especialmente de obras maiores
que são poéticas.
Apêndice 225

de que no meu caso só foram necessários seis meses), as conseqüências vêm à


luz. Pois, acredite você ou não, esta tradução começou como uma tentativa de
revisar a Bíblia de Lutero. Distanciamo-nos do texto de Lutero passo a passo, a
princípio relutantemente (eu), e Buber de coração partido. [Rosenzweig, carta
de 30 de dezembro de 1925 a Eugen Mayer, apud Glatzer, 1998, p. 152].

A.8
Mas tornemos a “A Tarefa”. Estávamos no ponto em que Benjamin constata
que a tarefa do tradutor é uma tarefa própria e diferenciada da do poeta. Qual é
essa tarefa? A resposta de Benjamin é uma ode à intensividade e um libelo contra a
redução da tradução à referência, à mera restituição do sentido. É nesse ponto de
“A Tarefa” que Benjamin utiliza outra imagem que se tornou famosa, a da “mata [ou
floresta alpestre] da língua”:

Essa tarefa consiste em se encontrar na língua para a qual se traduz a intenção


a partir da qual o eco do original é nela [língua] despertado. Aqui está um
traço que distingue absolutamente a tradução da obra poética original, pois a
intenção desta última jamais se dirige à língua como tal, em sua totalidade,
mas somente, e de modo imediato, a determinados portadores de conteúdo
lingüístico [certains ensembles de teneurs langagières]. Mas a tradução não se
vê, como a obra literária, por assim dizer mergulhada no coração da mata
da língua [ trad. fran., au coeur de la forêt alpestre de la langue], mas vê-se
de fora dela, diante dela e, sem penetrá-la, faz com que o original ressoe
naquele único local no qual, a cada vez, ela [língua de chegada] consegue
fazer com que se escute o eco de uma obra escrita numa língua estrangeira.
[pp. 203, 205, trad. fran. P. 254, grifos meus].

E é importante notar que Benjamin, ao apresentar a diferença entre as


tarefas do poeta e do tradutor baseia-se na distinção que apontamos acima no item
A.6 (p. 221). Por um lado há uma intensividade/intenção local, das “palavras, frases
e nexos sintáticos” com que trabalhou o autor do original. Por outro, a da “língua
como um todo” e que é visada e reconstruída com sucesso pela Tradução “category
of thought” (vide p. 116, epígrafe do Cap. 5) a cada vez que o tradutor cumpre sua
tarefa, encontra “aquele único local na mata da língua”, aquela específica solução
de tradução, a “actual translation” da palavra, da frase ou do nexo sintático.

*
Antes que continuemos na leitura desse trecho, convém que nos detenhamos
aqui por um momento para registrar uma imagem muito semelhante utilizada por
Rosenzweig num trecho do “Posfácio ao Halevi, trecho esse que já foi excertado
anteriormente (vide pp. 218 e 223 acima). Por sua centralidade no demonstrar
várias proximidades com Benjamin, esse trecho surgirá de forma recorrente nesta
Apêndice 226

nossa análise, mas variadamente excertado de maneira a fazer ressaltar a específica


proximidade em cada caso:

Só existe uma língua. [...] Sobre essa essencial unidade da linguagem [...] está
baseada a tarefa [i.e., o dever] de traduzir. Pode-se traduzir por que em toda
língua está contida a possibilidade de qualquer outra língua; é factível que se
traduza se se consegue realizar essa possibilidade pelo cultivo [na língua de
chegada] de um determinado campo lingüístico fértil e até então incultivado
[...] [Rosenzweig, 1995, p.171].

A figura—já citada no Cap. 2, e certamente inspirada pelo trecho acima


grifado—que Galli emprega para descrever a atitude do tradutor à luz do speech
thinking de Rosenzweig, merece ser aqui também transcrita para que se sublinhe a
proximidade entre os dois enfoques:

The [...] translator who wishes to speak as the one to whom he listens, [...]
forsees, forhears, in his or her own language territory the possibilities for the
cultivation of verbal expression. He picks up from what is already realized
in the source language that which is about to be unearthed from the target
language’s soil. [Galli, 1995, p. 361, vide Cap. 2, sec. , p. 47].

Um, Rosenzweig, dialogicamente à busca da expressividade e da Revelação, o


outro, Benjamin, messianicamente à busca da plenitude da intenção (i.e., intensividade),
ambos cumprem, no (meta-) lingüístico, a mesma tarefa de tradução.

*
Tornemos agora ao trecho de “A Tarefa” que estávamos analisando neste item
A.8. Ele prossegue:

A intenção da tradução não só se dirige a algo diverso [do que aquilo a que se
dirige a intenção] da obra poética original, isto é, [dirige-se, a intenção da
tradução,] a uma língua como um todo; mas a própria intenção é outra: a intenção
do escritor é ingênua, primeira, intuitiva; a do tradutor derivada, última, ideal.
Pois o trabalho do tradutor é animado pelo grande tema de uma integração
das várias línguas para formar uma única linguagem verdadeira [...] aquela
na qual as línguas coincidem entre si, completadas e reconciliadas no seu modo
de designar. [pp. 203, 205, trad. fran. p. 254, grifos meus].

A menção a essa “linguagem verdadeira”, o outro nome que Benjamin dá aqui à


“pura linguagem”, leva-o a considerar uma “linguagem da verdade”—cujo atingimento
seria o alvo maior de toda a Filososfia—, para concluir que essa linguagem da verdade
deve ser equacionada à “linguagem verdadeira”, ou seja, à pura linguagem:

se de fato existir uma linguagem da verdade [da Filosofia] na qual estão guardados
sem tensão e mesmo silenciosamente os segredos últimos que o pensamento se
esforça por alcançar, então essa linguagem da verdade é a verdadeira linguagem
Apêndice 227

[visada pela Tradução]. [...] Pois há um engenho filosófico, cujo mais íntimo desejo
é [como o é o desejo da grande literatura poética] o de alcançar aquela língua
que se anuncia na tradução [p. 205, trad. fran. pp. 254-255, grifo meu].

O mais interessante é ver Benjamin recorrendo—para fazer ver esse ponto de


que essa língua da verdade filosófica é a pura linguagem visada pela tradução—a um
convoluto trecho de Mallarmé em que a linguagem ideal é descrita, de forma indireta,
em termos de uma linguagem na plenitude da intensividade, aquela que, nomeando,
conhece em plenitude (vide Cap. 5, sec. 5, pp. 129-130 acima). O trecho que se segue
é o de Mallarmé, que é citado em francês no original de “A Tarefa” e também na
tradução de Kampff Lages. Não fora a “chave da intensividade” que a leitura de “A
Linguagem” nos proveu, esse trecho, ademais de convoluto, soaria críptico:

Às línguas, imperfeitas na medida em que são várias [línguas], falta [a língua]


suprema: sendo o pensar um escrever sem acessórios, e sem balbucio [i.e.,
sem o balbucio que muitas vezes acompanha o ato de escrever], mas [sendo no
pensar] tácita ainda a imortal palavra, a diversidade de idiomas sobre a terra
[é o que] impede que se possa vir a proferir as palavras que, caso contrário
[i.e., não houvesse tal diversidade de línguas decaídas] seriam encontradas
[essas palavras hoje improferíveis] de uma só tacada, ela própria [a tacada de
palavras] constituindo materialmente a verdade. [Mallarmé6, apud Benjamin,
2001, p. 205, grifos meus].

Ou seja, na linguagem em seu estágio ideal o que ocorre é a plenitude da


intensividade. E isso é valido não só para a literatura e a poesia, mas também para a
filosofia. Também a verdade filosófica está (ou estará)—materialmente—nas palavras,
na linguagem, não é uma verdade externa que é meramente referida e descrita através
delas. A essência de toda linguagem é a intensividade, não a referência.
O comentário de Benjamin que se segue à sua citação de Mallarmé, revela um
certo mixed-feeling e soa um pouco depreciativo à tradução, mas, de resto, reflete
uma atitude que é usual em tradutores:

Se aquilo a que aludem essas palavras de Mallarmé puder ser rigorosamente


apreciado pelo filósofo, a tradução, com os germes que ela traz em si de uma
tal linguagem, encontra-se a meio caminho entre a poesia e a doutrina. A obra
da tradução tem um cunho inferior ao de ambas; entretanto, imprime marcas
não menos profundas na história [p. 205, trad. fran. p. 255, grifos meus].

À guisa de paralelo, há dois exemplos (vide Cap. 2, sec. 4, p. 45) de uma


similar—mas mais pessimista—atitude em Rosenzweig, que devem ser recordados aqui.
O primeiro é a epígrafe que Rosenzweig adota para o “Posfácio” do Halevi:

6
Trecho de “Crise de Vers” em Variations sur un sujet., apud Rochlitz, in Benjamin, 2000, p. 255.
Apêndice 228

Oh, caro leitor, aprende o grego,


e atira às chamas
esta minha tradução.
[L. von Stolberg, N.T. de sua trad. da Ilíada, apud Rosenzweig, 1995, p. 169].

O segundo exemplo de uma atitude depreciativa à tradução, em Rosenzweig,


é a inquietante carta de 1921 a Scholem acerca da tradução do Tischdank. Nesse
caso7, a angústia de Rosenzweig parece mais voltada a uma “língua sagrada” que
foi coisificada e ritualizada, e tornou-se nessa medida insubstituível, do que a uma
“língua única” de harmonia que ainda não foi alcançada. No entanto, e na linha dos
translator’s mixed-feelings, essa carta expressa também uma esperança de superação
da angústia. Nessa esperança, uma semente do que viria a ser no “Posfácio” o conceito
de “língua única”—tão próximo da “pura linguagem”—parece presente.

Se acontece de algum convidado judeu poder apenas ler o hebraico [sem


entender o que lê], [...] eu não menciono a existência da minha tradução. O
hebraico, mesmo sem ser entendido, lhe proporciona mais do que a melhor das
traduções. [...]Na medida em que falamos o alemão não podemos evitar esse
desvio [da tradução] que [...] nos faz, a duras penas, retornar do que nos é alheio
ao que nos é próprio. Nossa única certeza é de que acabaremos [por esse
desvio] chegando afinal até lá. [...] Caso contrário seria de fato insuportável
[Rosenzweig, apud Glatzer, 1998, p.102, grifo meu]

A.9
Um dos pontos mais importantes do longo trecho que consideraremos neste ítem
é o fato de nele ocorrer, ainda que de forma pouco explicitada, a única menção a uma
técnica de tradução que Benjamin faz em toda “A Tarefa”. Trata-se da “literalidade
na transposição da sintaxe”. Como veremos logo mais—e é Rosenzweig quem nos
esclarecerá—essa é uma técnica típica da tradução dialógica.
Ademais é nesse trecho que Benjamin introduz uma oposição que é clássica
nas teorias mais tradicionais da tradução, a oposição fidelidade/liberdade, que será
superada pela nova teoria.
O parágrafo entretanto se inicia com Benjamin julgando necessário, mais
uma vez—e mesmo depois de há pouco ter dito com todas as letras que “a tarefa [do
tradutor] consiste em encontrar na língua para a qual se traduz a intenção” (vide
item A.8 p. 225 acima)—, esclarecer o que a esta altura deveria ser óbvio: não é à
recuperação “sentido” que se dirige a tarefa do tradutor.
Aliás, tudo indica que Benjamin concordaria quanto ao fato de que logocentrism
dies hard. Aos olhos de Benjamin “a tarefa de fazer amadurecer na tradução o sêmen
da pura língua” [p. 205], pode ainda afigurar-se para seus leitores como “insolúvel
[...] quando a reprodução do sentido deixa de ser determinante” [id.]. Isso, mesmo
7
Sobre essa carta, vide Cap. 2 sec. 4, p. 45 e Cap. 5 sec. 4.1, pp. 128-129 acima.
Apêndice 229

depois de ter-lhes sido dito poucas páginas atrás que “realizar em germe” é sinônimo
de “realizar de forma intensiva” [p. 195, vide item A.4, p. 220 acima]. Realizar,
portanto, de forma não-expressa, não-dêitica, não-referencial.
Benjamin parece sentir que é preciso repetir: “[sim, é isso mesmo, o sentido
cessa de ser determinante], não é outro [...] o significado de tudo quanto foi exposto
precedentemente.” [p. 205]. E com isso inicia-se uma discussão sobre a oposição entre
fidelidade e liberdade, que sua teoria superará.
Trata-se de um longo e intrincado argumento. Dele emergirão, conciliadas,
a) uma fidelidade que advém de uma “literalidade na transposição da sintaxe”,
e que abdica de ser a restituição do sentido. Nessa perspectiva a tonalidade
afetiva da palavra, a sua como que “literalidade intensiva”, é valorizada.
b) uma liberdade para recriar na língua de chegada a intensividade do original.
Essa discussão liberdade versus fidelidade se inicia com algumas platitudes:

Fidelidade e liberdade—liberdade na reprodução do sentido e, a serviço dessa


liberdade, fidelidade à palavra—são os velhos e tradicionais conceitos presentes
em qualquer discussão sobre traduções. Eles parecem não mais servir para
uma [nova] teoria que procura na tradução mais do que a mera reprodução do
sentido. E, de fato, o emprego tradicional desses [dois] conceitos os considera
sempre dentro de uma antinomia insolúvel. [pp. 205-207]

Benjamin tratará então de redifinir (ou aclarar) esses dois conceitos, para
que eles possam vir a servir para essa nova teoria, e para que a “antinomia insolúvel”
se resolva em conciliação. Isso se dá em dois longos sub-trechos, um que redefine a
fidelidade na tradução, e outro, a liberdade.

A.9.1
Vejamos o sub-trecho da fidelidade. Em sua argumentação é que Benjamin
vai, pela segunda vez—como já fizera na discussão Brot/pain (vide p. 222)—, ressaltar
a diferença, na palavra, entre o designado (i.e, a referência) e o modo designar (i.e.,
a intensividade). Assim, novamente, e por um segundo fugaz momento em “A Tarefa”
(vide Cap. 5, n. 16, p. 143 e n. 3, p. 222 acima), Benjamin migrará—em termos das
definições que adotamos na presente discussão—da “intenção” que é “intensividade” para
a “intenção” que é “intencionalidade”, referência. Mas tudo sempre para finalmente
valorizar a intensividade, o modo de designar, e para desfazer da referência.
Isso suscita nesse sub-trecho uma bela e famosa imagem em Benjamin, a
dos “cacos do vaso”, vaso que a tradução, “amorosamente”, reconstrói. A imagem,
entretanto, não consta do longo excerto que apresentamos abaixo já que nossa
atenção se foca em buscar entender melhor o que seja a “literalidade na transposição
da sintaxe”. O trecho (e o excerto) se encerra com outra bela e famosa imagem a da
“arcada da literalidade” no “muro da frase”.
Apêndice 230

Benjamin inicia constatando que a “antinomia insolúvel” entre fidelidade e


liberdade se deve ao inegável fato de que

A fidelidade na tradução de palavras isoladas quase nunca é capaz de reproduzir


plenamente o sentido que elas possuem no original. Pois em sua significação
literária para o original esse sentido não se esgota no designado; ele adquire
esse valor precisamente pela maneira com que o designado se liga ao modo
de designar em cada palavra específica. Costuma-se expressar isso utilizando
a forma: as palavras carregam consigo uma tonalidade afetiva. Com mais
razão [ainda] a literalidade com relação à sintaxe [trad. fran. literalité
syntaxique] destrói toda e qualquer possibilidade de reprodução do sentido,
ameaçando conduzir imediatamente à ininteligibilidade. As traduções de
Sófocles por Hölderlin ofereceram ao século XIX exemplos monstruosos de
uma tal literalidade. [...]. Enfim, nem é preciso que se diga que a fidelidade
à restituição da forma torna extremamente difícil a restituição do sentido.
Conseqüentemente, não é em nome da conservação do sentido que se deve
exigir a literalidade. [...] essa exigência [de literalidade], cuja pertinência salta
aos olhos mas cuja motivação se deve a razões profundamente ocultas, deve ser
compreendida a partir de contextos mais pertinentes: [...] a tradução deve,
amorosamente e até os mínimos detalhes, [...] adotar em sua própria língua
o modo de designar do original, de forma a torná-los um e outro [modos de
designar (a rigor, o “mesmo” modo de designar, só que substanciado “um” na
lingua do original e “outro” na da tradução)], reconhecíveis como fragmentos de
uma mesma linguagem maior. E precisamente por isso ela [a tradução] deve
abstrair do propósito de comunicar, e, em larga medida, [deve abstrair] do
[próprio] sentido, sendo-lhe o original essencial apenas pelo fato de já ter
eliminado para o tradutor o esforço e a ordem próprios do comunicar[...] Diante
do sentido [a] língua [da tradução] tem o direito, aliás, o dever, de despreender-
se, de forma a fazer ecoar sua intenção [total, a intensividade total da língua
para a qual se traduz (vide pp. 220-221 acima)] enquanto harmonia, e não sua
intenção [/intentionality] enquanto reprodução do sentido. [...] Antes [do
sentido], o significado da fidelidade garantida pela literalidade é que se expresse
[...] o grande anelo por uma complementação entre as línguas. Esse efeito é
obtido sobretudo por uma literalidade na transposição da sintaxe, [...] que
justamente demonstra ser a palavra—e não a frase—o elemento originário
do tradutor. Pois a frase constitui o muro que se ergue diante do original, e a
literalidade a sua arcada. [p. 207, trad. fran., p. 256].

Transparência de intensividade e não de referência é, pois, a mensagem já


a esta altura bem conhecida de Benjamin. Atenção—como esperado—à forma que se
expressa, e não ao conteúdo que se comunica, mesmo que ao custo de uma “monstruosa
ininteligibilidade”. Mas Benjamin nesse trecho põe as coisas de forma mais radical: o
que do sentido se transporta para a língua de chegada, vem quase que eventualmente,
é como que um epifenômeno dessa tradução da intensividade.
A novidade aqui é que uma determinada maneira de atenção à forma, a
literalidade na transposição da sintaxe, propicia especialmente essa transparência
da intensividade, e a propicia mais até do que a (também esperada) atenção à
Apêndice 231

intensividade da palavra, à sua “tonalidade afetiva”. Palavra, veja-se, que, em sua


intensividade, é o “elemento originário do tradutor”. Mesmo assim, quem “demonstra”
essa centralidade da palavra para o traduzir é, ainda, essa literalidade sintática que,
ao que parece, aplica-se também no nível da tradução da palavra individual.
Pode-se até entender—sem grandes dificuldades—o que seja a literalidade na
transposição da sintaxe da sentença. Mas da palavra? Como essa literalidade sintática
pode tanto? E como pode tudo isso se dar na prática tradutória?
Rosenzweig nos esclarecerá.

*
Como já foi visto anteriormente (pp. 218, 223 e 226 acima), Rosenzweig
também fala—no “Posfácio” ao Halevi—de uma “língua única”, de “uma unidade
essencial da linguagem e [d]o mandamento de entendimento universal que dela
advém” e também de “um dia de harmonia das línguas”, que são aquilo que embasa
a possibilidade e o dever de traduzir. Tudo em termos muito parecidos com a pura
linguagem de Benjamin, que é a “uma mesma linguagem maior” e o “grande anelo
de uma complementação entre as línguas”, mencionados no sub-trecho de “A Tarefa”
que vimos considerando.
Porém, imediatamente após o trecho do “Posfácio” em que, em nível de
abstração comparável ao de Benjamin, Rosenzweig trata de todos esses temas,
seguem-se considerações de ordem prática. Uma prática, justamente, de literalidade
na transposição da sintaxe que se aplica no nível da frase, mas também—e no mesmo
espírito de Benjamin—no nível da palavra. Uma prática que Rosenzweig reconhece
no mestre tradutor Lutero:

Um exemplo pode ilustrar isso. Lutero pôde traduzir a Bíblia porque é possível
se transpor para o alemão [certas] particularidades do hebraico, bem como
os hebraísmos do Novo Testamento Grego, tais como a junção coordenada,
e não subordinada, de sentenças. Se Lutero tivesse traduzido [o hebraico
da Bíblia] para a língua de suas próprias publicações, [publicações] que, de
fato, traem [i.e., fazem ver] um mestre totalmente escolado da língua, então
[algo como a tradução banal de] Kautzsch-Weizsäcker ou algo ainda pior teria
emergido, mas não a Bíblia Luterana. Mas ele teve a coragem de transportar
para o alemão a construção de sentenças do hebraico, [construção que era,]
mesmo então, ciclópica para a cultivada consciência alemã da língua. [...] Pois,
de fato, não é a literalidade indiscriminada que leva ao objetivo que aqui se
pretende, e que Lutero alcançou. A língua não é feita de um vocabulário, mas
de palavras. O escolar e o mestre-escola traduzem vocabulário. O vocabulário
fica no dicionário. Já as palavras ficam na sentença. “Ficam” na realidade dá
uma falsa idéia, que não faz justiça ao ondulado fluir das palavras no leito da
sentença. [...] Esses contornos [das palavras na sentença, e que não podem
ser encontrados no vocabulário dos dicionários] é o que quer ser, e precisa ser,
traduzido, e o exemplo acima das construções coordenadas e subordinadas da
Apêndice 232

sentença é um exemplo de tais contornos, mas só para a sentença, não para


a palavra. O quanto essa busca por contornos pode se forjar nos elementos
da estrutura gramatical, se chega tão somente nas sentenças, se até [o nível
das] palavras, ou, mesmo, se, chegando até à raiz, pode ser escavado sob
a palavra—isso só pode ser determinado para cada caso individual. Mas é
sempre uma questão de contornos; e quando Lutero recusa-se a traduzir a
palavra da saudação por “Ave, cheia de graça” [na trad. inglesa de Galli: “refuses
to translate the word of the English salutation with ‘You, full of grace’”] ele
consegue captar o contorno da palavra com a sua tradução “holdselig” ao não
descartar a raiz contida na palavra grega, que, justamente, “hold” [benquista]
traduz bem melhor do que a tradução por “Gnade” [graça], do dicionário da
escola, faria. [Rosenzweig, 1995, pp. 171-172].

Eis aí então the real thing: a literalidade na transposição da sintaxe, que é


um dos dois aspectos básicos—o aspecto da fidelidade—na tradução da intensividade
que Benjamin advoga em “A Tarefa”, é no texto acima reconhecida e descrita (essa
literalidade) pelo tradutor dialógico Franz Rosenzweig, como uma técnica de tradução
fundamental, dialógica, e que foi efetivamente levada a cabo, na prática, por ninguém
menos do que Lutero. E vêmo-la sendo aplicada não só no nível da frase—o que seria
de se esperar—mas também no nível da palavra que Benjamin menciona (e o leitor
estranha), e até no nível ainda mais básico da etimologia da palavra. Aqui Rosenzweig
esclarece a tarefa do tradutor que Benjamin advoga, e que Lutero já cumprira há mais
de trezentos anos antes, e avant la lettre da “literalidade sintática”.
A notar-se, ademais, que em “a língua não é feita de vocabulário [que registra
a referência], mas de palavras [cujos contornos, ‘no leito da sentença’ constituem a
intensividade]”, está a mensagem benjaminiana básica, pró-intensividade e anti- (ou
caveat) referência. E está também a meta-lingüística do enunciado de Bakhtin, desse
Bakhtin que é um non dit em tantos momentos do presente Apêndice.
Enough, para o que é a literalidade na transposição da sintaxe8 que instancia
o aspecto da fidelidade na teoria da tradução de Benjamin, e que é a única técnica
tradutória que o texto de “A Tarefa” menciona (ainda que mal descreva). Passemos
à liberdade na tradução, que em Benjamin não se contrapõe à fidelidade, mas se
harmoniza com ela.

8
Caberia mencionar aqui—mas já nos alongamos muito nesta discussão da fidelidade/literalidade—um
outro trecho de Rosenzweig, em “A Escritura e Lutero”, de 1926, em que o autor cita expressamente o
seu “Só existe uma língua” do “Posfácio” ao Halevi de três anos antes, e insiste em que o tradutor deve
ir mais fundo no diálogo tradutório (ou seja, na busca da literalidade sintática da palavra, na busca
da intensividade). Para isso é preciso que se “adote um enfoque mais geológico” de forma a enxergar
graças “à lâmpada de mineiro da etimologia científica” “aquela unidade de toda fala humana que a
superfície das palavras nos permite meramente intuir na penumbra”. [Rosenzweig, 1926, in Buber e
Rosenzweig, 1994, p. 67]. Não faltavam belas imagens a Rosenzweig (e nem a Benjamin ou Bakhtin).
Apêndice 233

A.9.2
O segundo e último sub-trecho do grande trecho “fidelidade/liberdade” em
“A Tarefa”, que estamos enfocando no presente item A.9, é o que redefine—vis à vis
as teorias tradicionais—o conceito de liberdade na tradução.
Este é talvez o trecho mais complexo de todo o texto, pois nele o que vem
a ser a pura linguagem em Benjamin é mais especificamente colocado, mas nem por
isso esse conceito (da pura linguagem) se torna mais claro ao leitor. Antes, e ao menos
ao primeiro embate, o aprofundamento do conceito aprofunda a perplexidade. Não
obstante, tratemos de tentar dirimir essa perplexidade acompanhando o argumento
de Benjamin.
Sabemos que tradicionalmente a liberdade na tradução se opõe à fidelidade à
palavra, à literalidade, e o faz para servir o sentido, como já nos colocara Benjamin
logo ao início da discussão em pauta (vide p. 205 , trad. fran. p. 256, e p. 229 acima).
Por exemplo, não traduzirei “gatos e cães” (ou mesmo “cães e gatos”) se o que chove é
“a cântaros”, ainda que o original diga “cats and dogs”. Mas como ficará essa liberdade
sob essa nova ótica em que “a restituição do sentido deixa de ser normativa”? [p.
209]. A resposta, para Benjamin, está em atentar-se para algo que está para além
daquilo que é o comunicável na linguagem.

Mas se é permitido que se equipare o sentido de uma obra da língua [trad.


fran., une oeuvre langagière] ao sentido daquilo que por ela se comunica, ainda
resta, próximo a esse sentido comunicado e no entanto infinitamente distante
dele, [...] um elemento último, decisivo. Resta em toda língua e em suas obras,
para além do que é comunicado, um incomunicável, um algo que, conforme o
contexto onde se encontra [i.e., o contexto onde está esse algo], é simbolizante
ou simbolizado. Simbolizante somente nas obras finalizadas das línguas; mas
simbolizado no devir mesmo [dessas] línguas” [p. 209, trad. fran. p. 258]. Ora,
o [algo] que busca se representar e mesmo se realizar no devir das línguas, é
o cerne mesmo da pura linguagem. Mas, se este [cerne da pura linguagem],
mesmo escondido ou fragmentado está presente na vida como simbolizado,
ele não habita as obras [da língua] senão como simbolizante. Se essa última
essência, que é a própria pura linguagem, nas línguas não se acha ligada senão
ao linguajar e a suas mutações, nas obras aflige-a o sentido que lhe pesa e lhe é
estranho. Liberá-la [a essa essência última] desse sentido [pesado e estranho,
que a aflige na obra], fazer do simbolizado o próprio simbolizante, reintegrar
ao movimento da língua [de chegada] a pura linguagem, tal é o prodigioso e
único poder da tradução [da obra]. [p. 209, trad. fran., p. 258].

O que está dito no trecho acima?


a) Além da referência, daquilo que se comunica numa obra original através de sua
língua, algo remanesce, algo que é “último e definitivo”.
b) Na medida em que está na língua do original esse algo é simbolizante. O racional
dessa afirmação pode-se entender pois: (1) esse algo não é mais referência, pois
Apêndice 234

remanesce dela. (2) está, porém, na língua, e nessa medida tem a natureza—
gerundial, digamos—de um significante, sem entretanto sê-lo. É, portanto, um
“simbolizante” (i.e., foi essa a opção terminológica de Benjamin. Digamos que
qualquer termo que tenha um similar campo semântico serviria, menos, é claro,
o termo “significante”).
c) A esse simbolizante na língua do original corresponde, é claro, um simbolizado.
E esse simbolizado, informa-nos Benjamin, está no devir das línguas, é (ou, na
medida em que está no devir, será) o “cerne da pura língua”.
d) Mas esse simbolizado não está só no devir. Ele está também na vida (de hoje). Para
aplicar o pensamento gramático de Rosenzweig, diríamos que ele (“simbolizado”)
é o particípio que necessariamente existe na vida, na medida em que na língua
existe o seu gerúndio correspondente (“simbolizante”). Apenas, na vida destes
tempos decaídos, esse simbolizado se encontra “fragmentado e escondido”.
e) O simbolizado pleno que esta(rá) no devir das línguas é hoje, repitamos, um
simbolizante que está nas línguas e “não se acha ligado senão ao linguajar e a
suas mutações”. Algo que, ademais, expressamente e por definição (vide item
a), não é referência e nem sentido.
f) Mas não só na língua, ligado em seu linguajar e em suas mutações, está, porém,
o simbolizante. Ele está também, a partir do “simbolizado fragmentado e
escondido” que está na vida (vide item d), nas obras (maiores) da língua. E nessas
obras da língua original, “o sentido pesado e estrangeiro” aflige o simbolizante,
qual uma enfermidade.
h) Liberar a pura linguagem dessa aflição, libertá-la de todo e qualquer sentido que
sempre lhe pesará e lhe estranhará, “tornar o simbolizante em simbolizado [i.e.,
o simbolizante torna-se o simbolizado em si] reintegrar ao movimento da língua
[de chegada] a pura linguagem, tal é o prodigioso e único poder da tradução.”
Dessa forma, pela tradução, o simbolizado se equaciona com o simbolizante.
E assim também o simbolizado permanece na linguagem, não sai mais para fora
dela sob a forma de referência ou sentido, como ocorria no original. Aquilo que da
linguagem pura se resgata na língua de chegada da tradução é só intensividade e
fica na linguagem.
Isso faz lembrar algo que Benjamin já colocara em “A Linguagem”, qual
seja, um “âmbito da linguagem que ignora o inexprimível”. Lá, no caso, tratava-se
do âmbito “do mais alto domínio espiritual da religião, a Revelação, que toma o
caráter intangível do verbo como [sendo] a única e suficiente condição, e [como
sendo a própria] característica, da [...] palavra de revelação” (vide Cap. 5, sec. 5 p.
134 acima). Uma palavra de revelação que (igualmente à palavra da pura linguagem
resgatada pela tradução), é tudo o que se tem, o simbolizado é o simbolzante, tudo
é só intensividade, sendo que essa mesma intensividade é o potencial de revelação
Apêndice 235

que poderá se expressar na vida do indivíduo. Uma revelação que é linguagem e fica
na linguagem.
Podemos então dizer—usando a terminologia que aqui adotamos, e deixando
de lado os aspectos teológico-messiânicos que importam a Benjamin—que a tarefa
do tradutor é um trabalho no sentido de um constante aumento da intensividade
na língua de chegada. E é em favor desse constante aumento de intensividade na
língua, que ele, tradutor, exerce sua liberdade, uma liberdade que dessa forma
se harmoniza com aquela fidelidade que, conforme vimos, é—enquanto técnica de
tradução—a busca de uma literalidade na transposição da sintaxe, e que, igualmente
(também essa fidelidade), visa prover um aumento de intensividade.
Assim, a fidelidade na tradução, é para o tradutor da intensividade uma forma
de exercer a sua liberdade de tradutor. Ademais, esse tradutor da intensividade é um
tradutor dialógico, na medida em que o aumento da intensividade da linguagem na
língua de chegada implica um aumento da expressividade da língua. É o que Benjamin,
em termos mais teológico-messiânicos, dirá logo em seguida:

por amor da pura linguagem, é vis-à-vis a sua própria língua que [o tradutor]
exerce sua liberdade. Redimir na sua própria língua a pura linguagem exilada
na língua estrangeira, liberar a pura linguagem cativa na obra por meio da
recriação, essa é a tarefa do tradutor. Por ela o tradutor rompe as barreiras
apodrecidas [trad. fran., vermoulues] da própria língua: Lutero, Voss, Hölderlin,
George ampliaram as fronteiras do alemão. [p. 211, trad. fran. p. 259].

Mas o que pode ser, na prática, uma tal “recriação” da intensividade da língua
de partida na língua de chegada, que não transborde para alguma “transcriação” ou
“variação sobre o tema” da obra original? (vide Cap. 2, sec. 5, p. 49). Aqui, novamente,
quem nos mostra a prática é Rosenzweig.
E com isso é chegada a ocasião para que examinemos as técnicas de tradução
do Halevi, um trabalho de tradução tão bem sucedido e que deixou tal impressão em
Buber, que fez com que este viesse a propor pouco tempo depois a Rosenzweig—não
obstante a muito difícil condição de saúde deste último—uma parceria para tradução
da Bíblia.
Para tanto, remetemos a leitora ao Cap. 5 do presente trabalho, sub-seção 6.2,
pp. 148-155 acima, onde o exame das técnicas de tradução do Halevi são apresentadas,
e as várias formas pelas quais a “tradução da intensividade” é através delas levada
a cabo é discutida. Encerrado esse exame, deve a leitora retornar a este Apêndice,
onde a leitura de “A Tarefa” à luz de Rosenzweig prossegue no próximo item A.10.
Apêndice 236

A.10
Encerrado assim o exame do longo trecho da fidelidade versus liberdade em “A
Tarefa”, exame que nos propiciou inclusive, no Cap. 5, sub-sec. 6.2, a apresentação
detalhada das quatro técnicas tradutórias de Rosenzweig no Halevi que nos esclarecem
o que seja a recriação/transposição do modo de intenção que Benjamin propugna,
prossigamos na leitura de “A Tarefa”.
O próximo trecho que chama a atenção é mais uma imagem famosa, agora a
da “tangente”, a qual busca ainda, uma derradeira vez, fazer ver a liberdade em sua
harmonia com a fidelidade nessa nova teoria da tradução. O interesse maior desse
trecho para o que aqui nos ocupa é, porém, o fato de que a partir dessa imagem
Benjamin cita Rudolf Pannwitz, para emprestar dele considerações que são, em “A
Tarefa”, aquelas que mais claramente fazem ver que as traduções de Benjamin e
Rosenzweig são uma e a mesma seara.
A imagem da “tangente” se inicia com uma menção implícita àquele “sentido”
que, na obra, “pesa e é estranho” a um simbolizante que, mesmo sendo ele “o
elemento último e decisivo” que resta quando “todo sentido a ser comunicado na obra”
é desconsiderado, ainda assim vem carregado (esse simbolizante), na obra original,
de um simbolizado com resquícios de referência (vide p. 233-234 acima).
A imagem quer fazer ver a forma com que a tradução desassombra esse
simbolizante de toda referência, e o lança na pura linguagem, ou seja, na linguagem
que é uma plenitude de intensividade:

da mesma forma com que a tangente toca a circunferência de maneira fugidia


e em um ponto apenas, sendo esse contato, e não o ponto, que determina a
lei segundo a qual ela continua sua linha reta para o infinito, a tradução toca
fugazmente e apenas no ponto infinitamente pequeno do sentido do original,
para perseguir, segundo a lei da fidelidade [ao modo de designar], sua própria via
no interior da liberdade do movimento da língua. O verdadeiro significado dessa
liberdade foi caracterizado por Rudolf Pannwitz [...]: [...] ‘O erro fundamental
de quem traduz [germanizando] é apegar-se ao estado fortuito da própria
língua ao invés de deixar-se abalar violentamente pela língua estrangeira. [...]
[o tradutor] deve remontar aos elementos últimos da própria língua, onde
palavra, imagem e som se tornam um só; ele tem de ampliar e aprofundar
sua língua por meio do elemento estrangeiro’ [p. 211].

Como se vê, a frase de Pannwitz que grifamos equaciona clara e explicitamente


a tradução da intensividade (“onde palavra, imagem e som se tornam um só”), com a
tradução dialógica (que “amplia e aprofunda [a expressividade de] sua língua por meio
do elemento estrangeiro”). E Benjamin, se cita a frase, é claro, é para corroborá-la.
E para corroborar-nos esse equacionamento.
Apêndice 237

A.11
Benjamin prossegue com a segunda menção que faz em “A Tarefa” acerca da
intraduzibilidade, um trecho cujo início já foi citado acima (item A.7, p. 224). Nosso
interesse aqui é no prosseguimento desse trecho, que vai mencionar Hölderlin pela
quarta vez no texto.
Benjamin, que, é óbvio, admirava profundamente Hölderlin, já o mencionara
antes em “A Tarefa” para citá-lo como um grande poeta que foi também um grande
tradutor [p. 203]; para falar que “as traduções de Sófocles por Hölderlin ofereceram
ao século XIX exemplos [saudavelmente] monstruosos de uma tal literalidade [na
transposição da sintaxe]” [p. 207, vide p. 230 acima]; de passagem, incluindo-o dentre
os maiores tradutores do alemão, para dizer que “Lutero, Voss, Hölderlin, George
ampliaram as fronteiras do alemão.” [p. 211, vide p. 235 acima].
No trecho que se segue, porém, Hölderlin vai surgir como o maior tradutor
do alemão:

Quanto mais elevada a qualidade de uma obra, tanto mais ela permanecerá—
mesmo no contacto mais fugidio com o seu sentido—traduzível. Isso vale,
naturalmente, apenas para os originais. Traduções, ao contrário, demonstram-
se intraduzíveis—não por sua gravidade, mas devido à excessiva fugacidade
com que o sentido adere a elas. [...] Disso, [...] são uma confirmação as
traduções de Hölderlin, especialmente as das duas tragédias de Sófocles.
Nelas a harmonia das línguas é tão profunda que o sentido só é tocado pela
língua como uma harpa eólia [é tocada] pelo vento. [...]As traduções de
Hölderlin são arquétipos de sua forma; [...] Precisamente por isso reside
nelas, mais do que em outras, o [não-saudável] monstruoso perigo originário
de toda tradução: que se fechem as portas de uma língua tão dominada e
expandida, encerrando o tradutor no silêncio. [p. 213].

Seria possível buscar um exemplo que desse, para quem desgraçadamente


nunca lerá Sófocles na tradução de Hölderlin, uma idéia dessa “excessiva fugacidade
de sentido”, dessa “monstruosa [mas bem-vinda] ininteligibilidade” que—não obstante
o ápice de gênio tradutório que a produz—traz o “perigo de encerrar o tradutor no
silêncio”?
Quem virá em nosso auxílio não é Rosenzweig, mas é um scholar em Rosenzweig.
Marc de Launay, nas considerações que faz acerca das reflexões de Paul Ricoeur sobre
a tradução [de Launay, 2004, vide Cap. 1 (seção 7.3, p. 39)] aponta, como vimos, as
duas tendências que estão permanentemente presentes em toda língua: a dinâmica
semântica e a dinâmica semiótica. É nessa dinâmica imbricada que, para Ricoeur,
trabalha a tradução, “traição criativa do original, apropriação igualmente criativa pela
língua de chegada: construção do comparável” (Ricoeur apud de Launay, p. 88).
De Launay nota então que o intraduzível de fato, é (nesse contexto) a rara
exceção. Pode-se dizer que ele ocorre apenas em raros casos específicos, nos quais o
Apêndice 238

original “é bem opaco mesmo para o olhar autóctone. O exame do que torna um original
‘intraduzível’, no sentido próprio do termo, permite, a contrario, compreender-se porque
quase todo original admite tradução, como uma das virtualidades consubstanciais à
sua produção” (de Launay, 89).
De Launay apresenta então um caso de “intraduzível de fato” que é famoso:
trata-se do último poema de Hölderlin, die Aussicht (A Vista) (e que, é claro, já foi
“traduzido” várias vezes para várias línguas).
Essa é uma “intraduzibilidade”, é claro, do ponto de vista de de Launay e
Ricoeur. Para Benjamin, die Aussicht é, por excelência, um exemplo do traduzível
tal como definido em “A Tarefa”. Parafraseando Benjamin, podemos dizer que “a
traduzibilidade [de die Ausicht] deveria ser levada em consideração, [ainda que esse
poema] fosse intraduzível para os homens [vide Benjamin, 2001 (“A Tarefa”), p. 191,
e item A.2 p. 215 acima].
Mas se pudermos aproximar a “dimensão semântica” de Ricoeur e de Launay
(Cap. 1, sec. 7.3, p. 39) à “referência” ou ao “sentido” em Benjamin, e a sua
“dimensão semiótica” ao “modo de designar” ou “intenção” (ou seja à intensividade)
benjaminianos, de Launay lança-nos uma luz.
Isso porque, feitas essas aproximações, podemos tomar a conclusão resumida
que de Launay dá (de Launay, 2004, pp. 89-90) da análise estrutural que Roman
Jakobson faz para demonstrar a intraduzibilidade de die Ausicht, e utilizá-la para que
se compreenda, em parte ao menos, a natureza da “monstruosa ininteligibilidade”
que Benjamin aponta nas traduções de Hölderlin.
Com isso se obtém a descrição do que possa ser um texto que—neste nosso
decaído mundo da referência—consegue ser pleno de intensividade, e no qual o sentido
não passa de um “fugaz suporte”. O que está em itálico no trecho abaixo corresponde
à substituição no texto original de de Launay, de “semântica” por “referência”, e
“semiótica” por “intensividade”, com as correspondentes adaptações necessárias à
fluidez do texto:

O que torna o texto intraduzível não é a sua incoerência semântica, provocada


pela ‘loucura’9—ao contrário, o texto tem a aparência de uma balada tingida de
nostalgia, cujo sentido superficial é trecho a trecho perfeitamente decifrável.
[O que torna o texto intraduzível] é seu arranjo, que só é revelado pela análise
[estrutual de Jakobson]: [em die Aussicht] a referência e a intensividade vêm
seus papéis se inverterem, sendo que o referencial e o intensivo no texto, em
lugar de tenderem um ao outro numa relação que, normalmente, permanece
dinâmica justamente porque referência e intensividade [num texto “normal”]
nunca chegam a coincidir ou a se recobrir ou saturar o texto, aqui [no caso de

9
É preciso que se recorde que Friedrich Hölderlin (1770-1843) passou os últimos 37 anos da vida num
estado de loucura benigna sob os cuidados de um carpinteiro seu admirador, produzindo uma obra
que é considerada de alta qualidade poética, com poemas que entretanto vão, ao longo do tempo, se
tornando cada vez mais incompreensíveis (ou, talvez, “limites”).
Apêndice 239

die Aussicht] a intensividade assume a função que [num texto “normal”] tem
a referência, e a referência, [que nesse poema de Hölderlin é fugaz qual um
ponto de tangência]10, só serve como suporte da intensividade (id. 89-90, grifo
meu).

Enfim, quem pode, leia Sófocles traduzido para o alemão por Hölderlin. Quem
não pode, fique, como este que aqui escreve, com o consolo dos conceitos acima.
E com o consolo de uma “tradução”. Afinal, cabe que ao fim deste item A.11
se transcreva o original alemão de Die Aussicht e uma tradução francesa (por J.-P.
Lefèvre)11. Note-se que o poema foi escrito por Hölderlin em 1843, poucos dias antes
de sua morte. Scardanelli é seu pseudônimo ou alter poético:

Die Aussicht
Wenn in die Ferne geht der Menschen wohnend Leben,
Wo in die Ferne sich erglänzt die Zeit der Reben,
Ist auch dabei des Sommers leer Gefilde,
Der Wald erscheint mit seinem dunklen Bilde.
Daß die Natur ergänzt das Bild der Zeiten,
Daß die verweilt, sie schnell vorübergleiten,
Ist aus Vollkommenheit, des Himmels Höhe glänzet
Den Menschen dann, wie Bäume Blüt umkränzet.
d. 24 Mai 1748
Mit Untertänigkeit,
SCARDANELLI

La vue
Lorsque au loin part des hommes l’habitante vie,
Loin où resplendit la saison des raisins,
Il y a là aussi les champs de l’été, vides,
La forêt qui paraît et son image sombre.
Si la nature achève l’image des temps,
Et s’attarde, tandis qu’eux rapidement passent,
C’est par perfection – la hauteur des cieux luit
Pour les hommes alors, comme des arbres en fleur.
Le 24 mai 1748
Votre très humble sujet
SCARDANELLI

A.12
O trecho final de “A Tarefa” discorre sobre “o texto sagrado, no qual o
sentido cessou de constituir o divisor de águas entre o fluxo da linguagem e o fluxo
10
O que vai entre estes específicos colchetes, é, é claro, um adendo meu para fazer paralelo com o
a figura da “tangente” no trecho de Benjamin que estamos considerando.
11
www.contrechamps.ch/conc06.html acessado em 10/10/2006
Apêndice 240

da revelação”. Esse texto “é, por definição, traduzível [...] e tem no entre linhas sua
tradução virtual. A versão interlinear do texto sagrado é o arquétipo ou ideal de toda
tradução.” [pp. 213, 215, trad. fran., 261-262].
O maior estranhamento que esse trecho causa é a menção a uma tradução
interlinear—que é a princípio tomada como literal, palavra a palavra—como sendo o
“arquétipo de toda tradução”. E isso como o grand final de um texto no qual fidelidade
e liberdade na tradução foram exaustivamente discutidas, e redefinidas de forma
a se harmonizarem: a liberdade voltando-se a uma criatividade na transposição da
intensividade, do modo de designar e—o que é importante para o ponto aqui em
discussão—a fidelidade passando a servir a uma “literalidade na transposição da
sintaxe” que não é mais uma literalidade só, e nem principalmente, da palavra. Mas
então, aplica-se realmente aqui a literalidade antiga da versão interlinear, palavra
a palavra?
Na realidade não. Para que se entenda o porquê disso, tratemos de examinar
cada uma das afirmações de Benjamin citadas no primeiro parágrafo deste item
A.12:

A.12.1
“[n]o texto sagrado, [...] o sentido cessou de constituir o divisor de águas
entre o fluxo da linguagem e o fluxo da revelação”.
Aqui basta lembrar um trecho, tirado de “A Linguagem”, que freqüentemente
nos valeu nesta análise de “A Tarefa” [Benjamin, 2000b, p. 151, vide Cap. 5, sec.
5.2.1 p. 134 acima]. No texto sagrado se está no âmbito da Revelação, “o mais alto
domínio espiritual”, aquele que, para Benjamin, é uma plenitude de intensividade
da linguagem e “ignora o inexprimível”, aquele onde a palavra é tudo o que se tem,
e onde (essa palavra, qua palavra) é “a única e suficiente condição, e característica,
da natureza divina que se exprime”.
O texto sagrado, portanto, é sempre revelação na linguagem e não através
dela. A Linguagem (na plenitude da intensividade) é a Revelação. Não há qualquer
“divisão entre o fluxo da linguagem e o fluxo da revelação”. Muito menos uma que
seja promovida pelo “sentido”, ou seja, pela referência.

A.12.2
“[o texto sagrado] é, por definição, traduzível”.
De fato, dada “a tradução [que] é uma forma. [...] e a traduzibilidade [que
é] essencial a certas obras” [p. 191, vide acima item A.2, p. 215], o texto sagrado há
de ser, para Benjamin, um ápice de traduzibilidade. E nisso Benjamin está repetindo
o que Rosenzweig disse em A Estrela:
Apêndice 241

O efeito primeiro do Espírito é traduzir, construir a ponte entre homem e


homem, entre língua e língua. A Bíblia deve certamente ser o primeiro livro
a ser traduzido [...]. Por toda parte Deus fala com as palavras do homem. E
o Espírito faz ver que o tradutor, aquele que ouve e que transmite, sabe-se
igual ao que pela primeira vez falou e recebeu a palavra (Rosenzweig, 1970,
p. 366, vide também item A.2, p. 216 acima).

A.12.3
“[o texto sagrado] tem no entre linhas sua tradução virtual. A versão interlinear
do texto sagrado é o arquétipo ou ideal de toda tradução.”
Do que foi visto nos dois sub-itens anteriores, estamos aqui na plenitude
de intensividade da linguagem em dois textos, um o original e o outro o traduzido
que deve “ser considerado igual [em status de intensividade] ao texto original”.
Estamos, portanto, numa condição em que uma tradução da intensividade foi levada
a cabo. Ou seja, estamos numa tradução dialógica tal como Benjamin a propugna
e Rosenzweig a descreve e pratica. Mas não necessariamente (e, diríamos nós, nem
mesmo provavelmente) numa tradução literal à antiga, como a expressão “versão
interlinear” de início sugere.
Colocando em termos da teologia de A Estrela e do que há de teológico em
“A Tarefa”: se tomarmos essa tradução que Rosenzweig descreve no trecho acima de
A Estrela—e que praticará em parceria com Buber—e a colocarmos no entrelinhas do
texto hebraico, teremos aí um texto de revelação que se entremeia de igual para
igual com o original, e que é “igual ao texto original” em termos de seu potencial vir
a propiciar a revelação na vida do indivíduo. O leitor igualmente fluente no alemão
e no hebraico desfrutará, em princípio, igualmente ambas as versões, e extrairá de
ambos esses textos a revelação em sua vida.
Colocando agora nos termos que nos interessam, os de uma teoria da tradução
desteologizada que fica só no lingüístico: esse mesmo leitor se comprazerá com a
apresentação sinóptica dos “modos de designar” nas duas línguas que domina, pois
essa apresentação interlinear se constrói como que em “frestas” que fazem ressaltar
de forma simultânea o fulgor da intensividade nas duas línguas.
E assim, nesse fulgor de intensividade, “a versão interlinear se faz arquétipo
ou ideal de toda tradução”.
242

Bibliografia

Aaron,D. H. The Doctrine of Hebrew Language Usage. In: NEUSNER,


J. and A. J. AVERY-PECK (eds.). The Blackwell Companion
to Judaism. Oxford: Blackwell, 2004. pp. 268-287

Abdulkader, I. Rosenzweig: a ética como primeira filosofia e o


dever de traduzir. Pandaemonium Germanicum: Revista de Estudos
Germanísticos, DLM-FFLCH/USP, no. 7, pp. 253-282, 2003.

Abdulkader, I.; CARUY, A.E.G.; NEIRA, F.G.; RIBEIRO, H.M.;


ZANETTI, L.H.; TAGNIN, S.E.O. My Fair Trade: a introdução e
algumas das notas de uma nova tradução do Pigmalião, de G. B.
Shaw. Tradterm, São Paulo, v. 12, pp. 205-227, 2006.

Abdulkader, I. Historiografia, Surrealismo e Paradoxo: colocar as questões


de uma maneira nova, e o que se passa nas Passagens. 2007. 34 f. Trabalho
(Avaliação da disciplina de pós-graduação “O estético e o político nas Passagens
de Walter Benjamin”, do Prof. Willi Bolle), DLM-FFLCH/USP. 2007.

Auletta, G. PROVIDENCE. (verbete) In J.-Y. Lacoste (dir.) Dictionnaire


Critique de Théologie. Paris: PUF, 1998. pp. 949-950.

Bakhtin, M. The Dialogic Imagination: Four Essays by M. M.


Bakhtin. Edição Michael Holquist. Tradução Caryl Emerson e
Michael Holquist. Austin: University of Texas Press, 1981.

_______. Epic and the Novel: Toward a Methodology for the Study of
the Novel. In: ______ The Dialogic Imagination: Four Essays by M. M.
Bakhtin. Edição Michael Holquist. Tradução Caryl Emerson e Michael
Holquist. Austin: University of Texas Press, 1981a. pp. 3-40.

_______. Forms of time and of the Chronotope in the Novel: Notes toward
a Historical Poetics. In: ______ The Dialogic Imagination: Four Essays
by M. M. Bakhtin. Edição Michael Holquist. Tradução Caryl Emerson e
Michael Holquist. Austin: University of Texas Press, 1981b. pp 85-258.

_______. Discourse in the Novel. In: ______ The Dialogic Imagination: Four
Essays by M. M. Bakhtin. Edição Michael Holquist. Tradução Caryl Emerson e
Michael Holquist. Austin: University of Texas Press, 1981c. pp. 259-422.

_______. Problemas da Poética de Dostoiévski. Tradução de Paulo


Bezerra. 3a edição. São Paulo: Forense Universitária, 2002.
Bibliografia 243

_______. Estética da Criação Verbal. Tradução do russo por Paulo


Bezerra. 4a edição. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

_______. Arte e Responsabilidade. In: _______. Estética


da Criação Verbal. Tradução do russo por Paulo Bezerra. 4a
edição. São Paulo: Martins Fontes, 2003a. pp. XIIII-XIV.

_______. O Autor e a Personagem na Atividade Estética. In: _______.


Estética da Criação Verbal. Tradução do russo por Paulo Bezerra.
4a edição. São Paulo: Martins Fontes, 2003b. pp. 3-192.

_______. Os Gêneros do Discurso. In: _______. Estética da


Criação Verbal. Tradução do russo por Paulo Bezerra. 4a edição.
São Paulo: Martins Fontes, 2003c. pp. 261-306.

_______. O problema do texto na lingüística, na filologia e em outras ciências


humanas. In: _______. Estética da Criação Verbal. Tradução do russo por
Paulo Bezerra. 4a edição. São Paulo: Martins Fontes, 2003d. pp. 305-357.

_______. Os estudos literários hoje. In: _______. Estética


da Criação Verbal. Tradução do russo por Paulo Bezerra. 4a
edição. São Paulo: Martins Fontes, 2003e. pp. 359-366.

_______. Metodologia das Ciências Humanas. In: _______. Estética


da Criação Verbal. Tradução do russo por Paulo Bezerra. 4a
edição. São Paulo: Martins Fontes, 2003f. pp. 393-410.

Balocco, Anna Elizabeth. A escrita e o escrito: produzindo


identidades, domesticando diferenças. In: BETHANIA, Mariani
(org.) A Escrita e os Escritos: reflexões em análise do discurso
e psicanálise. São Carlos: Claraluz, 2006. pp. 81-108.

Barthes, Roland. S/Z. Paris: Éditions du Seuil, 1970.

_______. Le plaisir du texte. Paris: Éditions du Seuil, 1973.

Beato, Zelina. Derrida e a cena da tradução na cena da escrita de


Freud. 2005. xv + 261 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) -
Instituto de Estudos da Linguagem, UNICAMP, Campinas, 2005.

Benjamin, Andrew. Walter Benjamin and the Translator’s


Task. In: _______. Translation and the Nature of Philosophy.
Londres e Nova York: Routledge, 1989. pp. 86-108.
Bibliografia 244

Benjamin, Walter. Œuvres. vols. I, II e III. Paris: Gallimard, 2000.

_______. La Tâche du Traducteur. In: _______.Œuvres.


vol. I. Paris: Gallimard, 2000a. pp. 245-273.

_______. Sur le Langage en General et le Langage Humain. In:


_______. Œuvres. vol. I. Paris: Gallimard 2000b. pp. 142-165.

_______. Le Conteur. In: _______. Œuvres. vol. III.


Paris: Gallimard, 2000c. pp. 114-151.

_______. Sur le programme de la philosophie qui vient. In: _______.


Œuvres. vol. I. Paris: Gallimard, 2000d. pp. 179-197.

_______. A Tarefa-Renúncia do Tradutor. In: HEIDERMANN, Werner (org.). Antologia


Bilíngüe: Clássicos da Teoria da Tradução. Tradução de Susana Kampff-Lages.
vol. I. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2001. pp 189-215.

Berman, A. A prova do estrangeiro. Tradução de Maria


Emília Ferreira Chanut. Bauru: EDUSC, 2002.

_______. A ética da tradução. In: _______. A tradução e a letra ou o


albergue do longínquo. Tradução de Marie-Helène Catherine Torres, Mauri
Furlan e Andréia Guerini. Rio de Janeiro: 7 letras, 2007. pp. 63-71.

Betz, A. Franz Rosenzweig essay. 2002. Disponível em: <http://divinity.library.


vanderbilt.edu/collections/rosenzweig/rosenart.html>. Acesso em: 16/07/2002.

Bezerra, P. Introdução. In: BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. Tradução


do russo por Paulo Bezerra. 4a edição. São Paulo: Martins Fontes, 2003. pp IX-XII.

Bíblia Sagrada. Tradução da CNBB com introdução e


notas. 1a edição. São Paulo: Paulus, 2001.

Bolle, W. Um Painel com Milhares de Lâmpadas: Metrópole &


Megacidade. In: Benjamin, W. Passagens. Willi Bolle (org.). Belo
Horizonte/São Paulo: UFMG/IOESP, 2006. pp. 1141-1167.

Bouretz, Pierre. Témoins du future: Philosophie


et messianisme. Paris: Gallimard, 2003.

Buber, M.; Rosenzweig, F. Scripture and Translation. Tradução de Lawrence


Rosenwald e Everett Fox. Bloomington: Indiana University Press, 1994.
Bibliografia 245

Buber, M. People today and the Jewish Bible: From a Lecture Series (1926 a). In:
Buber, M.; Rosenzweig, F. Scripture and Translation. Tradução de Lawrence
Rosenwald e Everett Fox. Bloomington: Indiana University Press, 1994. pp. 4-21.

_______. The Language of Botschaft (1926 b). In: Buber, M.; Rosenzweig,
F. Scripture and Translation. Tradução de Lawrence Rosenwald e Everett
Fox. Bloomington: Indiana University Press, 1994. pp. 27-39.

_______. I and Thou. Tradução de Ronald Gregor


Smith. Nova York: Scribners Classics, 2000.

Cadogan, L. Ayvu Rapyta: Textos míticos de los Mbyá-Guaraní del Guairá. Nota
preliminar de Egon Schaden. Revista de Antropologia, Faculdade de Filosofia
Letras e Ciências Humanas, USP, São Paulo, no 5, Boletim no 227, 1959.

CANTIQUE DES CANTIQUES. (verbete) In: Sandoz, J-P. Dictionnaire


du Judaïsme. Paris: Albin Michel, 1998. pp. 159-163.

Cavalcanti, Geraldo Holanda. O Cântico dos Cânticos: Um Ensaio de


Interpretação através de Suas Traduções. São Paulo: EDUSP, 2005.

Chalmers, D. J. The Conscious Mind: In Search of a Fundamental


Theory. Nova York: Oxford University Press, 1996.

Childs, B. Isaiah. Louisville: Westminster John Knox Press, 2001.

Churchill, W. The Best of Winston Churchill’s


Speeches. Nova York: Hyperion, 2003.

Clark, K.; Holquist, M. Michael Bakhtin. Tradução


J. Guinburg. São Paulo: Perspectiva, 1998.

Cohen, Hermann. Religion de la raison tirée des source du judaïsme.


Tradução de Marc B. de Launay e Anne Lagny. Paris: PUF, 1994.

d’Allones, M. R.; Azouvi, F. (dirs.). Ricoeur. Cahiers


de l’Herne, no 81. Paris: L’Herne, 2004.

Davies, P. R. Judaism and the Hebrew Scriptures Neusner.


In: NEUSNER, Jacob; AVERY-PECK, Alan (eds.). The Blackwell
Companion to Judaism. Oxford: Blackwell, 2004. pp. 37-57.

de Certeau, Michel. La fable mystique. 1. Paris: Gallimard, 2002.


Bibliografia 246

de Launnay, Marc. Réflexions sur la Traduction. In: d’Allones, M. R.; Azouvi,


F. (dirs.) Ricoeur. Cahiers de l’Herne, no 81. Paris: L’Herne, 2004. pp 85-95.

Dennett, Daniel C. Quining Qualia. In: MARCEL, A. J.;


BISIACH, E. (eds.). Consciousness in Contemporary Science.
Oxford: Clarendon Press, 1988. pp. 42-77.

Derrida, Jacques. Gramatologia. São Paulo: Editora Perspectiva, 1999.

_______. Les yeux de la langue: I-L’abîme et le volcan; II-Séculariser la


langue. In: MALLET, Marie Louise; MICHAUD, Ginette (dirs.). Derrida.
Cahiers de l’Herne, no 84. Paris: L’Herne, 2004. pp. 473-493.

_______. [Mes] Chances, no encontro de algumas estereofonias epicuristas.


Tradução inédita por Élida Ferreira de Mes chances (1987). trechos In:
BEATO, Zelina. Derrida e a cena da tradução na cena da escrita de Freud.
2005. xv + 261 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) - Instituto
de Estudos da Linguagem, UNICAMP, Campinas, 2005. pp. 195-199.

Elliott, M. Timothea. Song of Songs. In: FARMER, William R. (ed.). The


International Bible Commentary: A Catholic and Ecumenical Commentary for
the Twenty-First Century. Collegeville: The Liturgical Press, 1998. pp. 803-907.

Emerson, Caryl. Os cem primeiros anos de Mikhail


Bakhtin. Rio de Janeiro: Difel-Bertrand, 2003.

Ford, D. He is our peace: The Letter to the Ephesians and the Theology
of Fulfilment – A Dialogue with Peter Ochs. The Journal of Scriptural
Reasoning, Electronic Text Center, University of Virginia, Vol. 1, No. 1.
Aug. 2001. Disponível em: < http://etex.lib.virginia.edu/journal/ssr/
issues/volume1/number1/ssr01-01-a01.html >. Acesso em: 23/10/2008.

Fox, Everett (trad., intr., com., not.). The Five Books of


Moses: Genesis, Exodus, Leviticus, Numbers and Deuternomy.
The Schoken Bible, vol. 1. New York: Schoken, 1997.

FRANKS, P. W.; MORGAN, M. L. (eds.). From 1908 to 1914. In: Rosenzweig, F.


Philosophical and Theological Writings. Indianapolis: Hackett, 2000a. pp. 1-9.

FRANKS, P. W.; MORGAN, M. L. (eds.). From 1914 to 1917. In: Rosenzweig, F.


Philosophical and Theological Writings. Indianapolis: Hackett, 2000b. pp. 25-47.

Galli, B. E. Franz Rosenzweig and Jehuda Halevi: Translating,


Translations and Translators. Foreword by Paul Mendes-
Flohr. Montreal: McGill-Queens University Press, 1995.
Bibliografia 247

Gentzler, E. Contemporary Translation Theories. 2a edição


revista. Clevedon: Multilingual Matters Ltd, 2001.

Gibbs, R. Why ethics?: Signs of responsibilities.


Princeton: Princeton University Press, 2000.

Glatzer, N. N. Franz Rosenzweig: His Life and Thought. Foreword by


Paul Mendes-Flohr. Indianapolis: Hackett Publishing Company, 1998.

Glatzer, N. N. Foreword. In: Rosenzweig, Franz. The Star


of Redemption. Tradução de William H. Hallo. Notre Dame/
Indiana: University of Notre Dame Press, 1970. pp. ix-xviii.

Horwitz, R. Buber’s way to I and Thou: An Historical Analysis


and The First Publication of Martin Buber´s Lectures Religion als
Gegenwart. Heidelberg: Verlag Lambert Schneider, 1978.

Kampff-Lages, S. A Tarefa do Tradutor e o seu duplo: a Teoria da Linguagem de


Walter Benjamin como Teoria da Traduzibilidade. In: Cadernos de Tradução, no
III G.T. de Tradução, Universidade Federal de Santa Catarina, 1998. pp.63-88.

Kepnes, Steven. The Text as Thou: Martin Buber’s Dialogical Hermeneutics and
Narrative Theology. Bloomington and Indianapolis: Indiana University Press, 1992.

Kepnes, Steven; Ochs, Peter; Gibbs, Robert. Reasoning After Revelation.


With commentaries by Yudit Greenberg, Susan Shapiro, Elliot Wolfson,
Almut Bruckstein and Edith Wyschogrod. Boulder: Westview Press, 1998.

Krauss, Rosalind. O fotográfico. Tradução de Anne Marie


Davée. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 2002.

Kugel, James l. How to Read the Bible: A Guide to Scripture,


Then and Now. Nova York: Free Press, 2007.

Laclau, E. Identity and hegemony: the role of universality in the constitution of


political logics. In: BUTLER, J.; LACLAU, E.; ZIZEK, S. Contingency, Hegemony,
Universality: contemporary dialogues on the Left. Londres: Verso, 2000. pp. 44-89.

Lacoste, J.-Y. ÊTRE. (verbete) In: Lacoste, J.-Y. (dir.) Dieu et l’être.
Dictionnaire Critique de Théologie. Paris: PUF, 1998. pp. 420-422.

Lacoste, J.-Y. RELIGION (Philosophie de la). (verbete) In: LACOSTE, J.-Y.


(dir.) Dictionnaire Critique de Théologie. Paris: PUF, 1998. pp. 981-985.
Bibliografia 248

Lafont, C. The Linguistic Turn in Hermeneutic Philosophy.


Cambridge e Londres: MIT Press, 1999.

Lefevere, A. Translating Literature: The German Tradition from


Luther to Rosenzweig. Assen/Amsterdam: Van Gorcum, 1977.

Lévinas, E. Foreword. In: Mosès, S. System and Revelation: The


philosophy of Franz Rosenzweig. Translated by Catherine Tihanyi.
Detroit: Wayne State University Press, 1992. pp. 13-22.

_______. Éthique et Infini: Dialogues avec Philippe Nemo.


Paris: Librairie Athène Fayard et Radio France, 1982.

_______. Totalité et infini: Essai sur l’exteriorité. Paris: Kluwer, 2006.

Lux, R. Franz Rosenzweig. 1986. Disponível em: < http://www.jewishvirtuallibrary.


org/jsource/biography/Rosenzweig.html >. Acesso em: 16/07/2002.

MacIntire, A. After Virtue: a study in moral theory. 2nd edition.


Indiana: University of Notre Dame Press, 1984.

McGinn, C. Can we solve the mind-body problem? In: BLOCK, Ned; FLANAGAN,
Owen J.; GÜZELDERE, Güven (eds.). The Nature of Consciousness:
Philosophical Debates. Cambridge: MIT Press, 1997. pp. 529-542.

Medina Rodrigues, Antonio. A Eneida virgiliana entre a vivência e a narração. In:


Virgílio. Eneida. Apresentação de Antonio Medina Rodrigues. Tradução e notas
de Odorico Mendes. Estabelecimento do texto, notas e glossário de Luiz Alberto
Machado Cabral. São Paulo: Ateliê Editorial; Campinas: Editora da Unicamp, 2005.

MEIR, Ephraim. Letters of Love: Franz Rosenzweig’s Spiritual Biography


and Oeuvre in Light of the Grittli Letters. New York: Peter Lang, 2006.

Meschonnic, Henri. Poétique du traduire. Paris: Verdier, 1999.

_______. Introduction. 1. En començant par les principes. In:


_______. Poétique du traduire. Paris: Verdier, 1999a. pp. 9-31.

_______. Rythme et Traduction. In: _______. Poétique


du traduire. Paris: Verdier, 1999b. pp. 95-111.

_______. Penser le continu, traduire le continu. In: _______.


Poétique du traduire. Paris: Verdier, 1999c. pp. 112-137.
Bibliografia 249

_______. Traduire ce que les mots ne disent pas. In: _______.


Poétique du traduire. Paris: Verdier, 1999d. pp. 138-141.

_______. Alors la traduction chantera. In: _______. Poétique


du traduire. Paris: Verdier, 1999e. pp. 142-159.

_______. Le texte comme mouvement, et as traduction comme mouvement.


In _______. Poétique du traduire. Paris: Verdier, 1999f. pp. 168-184.

_______. La femme cachée dans letexte de Kafka. In: _______.


Poétique du traduire. Paris: Verdier, 1999g. pp. 319-342.

Milbank, John. Only Theology Overcomes Metaphysics. In: _______. The Word
Made Strange: Theology, Language, Culture. Oxford: Blackwell, 1997a. pp. 36-52.

_______. Pleonasm, Speech and Writing. In: _______. The Word Made
Strange: Theology, Language, Culture. Oxford: Blackwell, 1997b. pp. 56-83.

_______. The Linguistic Turn as a Theological Turn. In: _______. The Word Made
Strange: Theology, Language, Culture. Oxford: Blackwell, 1997c. pp. 84-120.

Mosès, S. System and Revelation. Translated by Catherine Tihanyi. Foreword


by Emanuel Lévinas. Detroit: Wayne State University Press, 1992.

Morson, G.S.; Emerson, Caryl. Mikhail Bakhtin: Creation of


a Prosaics. Stanford: Stanford University Press, 1997.

NARDI, H. C. ; SILVA, Rosane Neves da . Ética e Subjetivação: as técnicas de si


na atualidade. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL MICHEL FOUCAULT: PERSPECTIVAS,
2004, Florianópolis. Anais do Seminário Internacional Michel Foucault:
perspectivas. Florianópolis : Clicdata multimídia, 2004. v. 1. p. 371-374.

NarBonne, Jean-Marc. Lévinas et l’héritage grec.


Québec: Les Presses de l’Université Laval, 2004.

Nef, Frédéric. Qu’est-ce que la métaphysique? Paris: Gallimard, 2004.

Neusner, Jacob. Defining Judaism. In: NEUSNER, J.; AVERY-PECK, A. J. (eds.).


The Blackwell Companion to Judaism. Oxford: Blackwell, 2004. pp. 3-19.

Novalis, Friedrich Von Hardenberg. Monólogo. In: _______. Polen:


fragmentos, diálogos, monólogo. Tradução de Rubens Rodrigues
Torres Filho. São Paulo: Iluminuras, 1988. pp. 195-196.
Bibliografia 250

Ochs, P. Judaism and Christian Theology. In FORD, David F.; MUERS,


Rachel (eds.). The Modern Theologians: an introduction to Christian
theology since 1918. 3rd edition. Oxford:Blackwell, 2005. pp. 645-662.

Oliveira, M. C. Castellões de. O Pensamento Tradutório Judaico:


Franz Rosenzweig em diálogo com Benjamin, Derrida e Haroldo
de Campos. 2000. 213 f.. Tese (Doutoramento) Letras: Estudos
Literários, Universidade Federal de Minas Gerais, 2000.

Paty, Michel. Einstein philosophe. Paris: Presses Universitaires de France, 1993.

Pickstock, C. After Writing: On the Liturgical Consummation


of Philosophy. Oxford: Blackwell, 1998.

Platão. A República. Tradução de Anna Lia Amaral de Almeida Prado. Revisão


e introdução de Roberto Bolzani Filho. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

Poincaré, H. A decription of his own creativity. 1908.


Disponível em: < http://www.somatematica. com.br/forumsm/
viewtopic.php?t=2265 >. Acesso em 28/05/2008.

Quine, W. V. O. Word and Object. Cambridge: The MIT Press, 1960.

Ricoeur, P. Da Interpretação: Ensaio sobre Freud.


Rio de Janeiro: Editora Imago, 1977.

Ricoeur, P. O Conflito das Interpretações: Ensaios de


Hermenêutica. Rio de Janeiro: Editora Imago, 1978.

Robinson, D. The Translator’s Turn. Baltimore:


Johns Hopkins University Press, 1991.

Rochlitz, R. Présentation. In: Benjamin, W. Œuvres.


vol. I. Paris: Gallimard, 2000. pp. 7-50.

Rorty, Richard. Twenty-five years after. In: ________. (ed.). The Linguistic
Turn: essays in philosophical method with two retrospective essays. Chicago
and London: The University of Chicago Press, 1992. pp. 371-374.

_______. Contingência, ironia e solidariedade. Lisboa: Editorial Presença, 1994.

_______. Response to Simon Critchley. In: MOUFFE, Chantal (ed.) Deconstruction


and Pragmatism. London and New York: Routledge, 1996. pp. 13-18.
Bibliografia 251

Rosenwald, Lawrence. Buber and Rosenzweig’s challenge to translation theory.


In: Buber, M.; Rosenzweig, F. Scripture and Translation. Tradução de Lawrence
Rosenwald e Everett Fox. Bloomington: Indiana University Press, 1994. pp. xxix-liv.

Rosenzweig, Franz. The Star of Redemption. Translated by


William H. Hallo. Foreword by N. N. Glatzer. Notre Dame/
Indiana: University of Notre Dame Press, 1970.

_______. Scripture and Word: on the new Bible translation (1925). In: Buber, M.;
Rosenzweig, F. Scripture and Translation. Tradução de Lawrence Rosenwald
e Everett Fox. Bloomington: Indiana University Press, 1994. pp. 40-46.

_______. Scripture and Luther (1926). In: Buber, M.; Rosenzweig, F.


Scripture and Translation. Tradução de Lawrence Rosenwald e Everett
Fox. Bloomington: Indiana University Press, 1994. pp. 47-69.

_______. The Eternal (1927). In: Buber, M.; Rosenzweig, F. Scripture


and Translation. Tradução de Lawrence Rosenwald e Everett Fox.
Bloomington: Indiana University Press, 1994. pp. 99-113.

_______. A Letter to Martin Goldner (1929). In: Buber, M.; Rosenzweig,


F. Scripture and Translation. Tradução de Lawrence Rosenwald e Everett
Fox. Bloomington: Indiana University Press, 1994. pp. 198-192.

_______. Jehuda Halevi: Ninety-two Hymns and Poems. Tradução de


Barbara Ellen Galli. In: Galli, B. E. Franz Rosenzweig and Jehuda Halevi:
Translating, Translations and Translators. Foreword by Paul Mendes-
Flohr. Montreal: McGill-Queens University Press, 1995. pp. 1-286.

_______. Philosophical and Theological Writings. Translation,


introduction, notes and commentaries by Paul W. Franks and Michael
L. Morgan. Indianapolis: Hackett Publishing Company, 2000.

_______. The New Thinking. In: _______. Philosophical and Theological Writings.
Translation, introduction, notes and commentaries by Paul W. Franks and Michael
L. Morgan. Indianapolis: Hackett Publishing Company, 2000a. pp. 107-139.

_______. Foi et Savoir: Autour de L’Étoile de la Redemption. Introdução,


tradução e notas de G. Benssussan, M. Crépon e M. de Launay. Paris: Vrin, 2001.

_______. Noyau originaire de ‘L’ Étoile de la Redemption’. In: _______. Foi et


Savoir: Autour de L’Étoile de la Redemption. Introdução, tradução e notas de
G. Benssussan, M. Crépon e M. de Launay. Paris: Vrin, 2001a. pp. 129-143.
Bibliografia 252

_______. L’Étoile de la Redemption. Tradução de Alexandre Derczansky


e Jean-Louis Schlegel. Prefácio de S. Mosès. Paris: Seuil, 2003.

_______. Hegel e o Estado. Tradução de Ricardo Timm de


Souza. Coordenação de Jacó Guinsburg, Roberto Romano e
Ricardo Timm de Souza. São Paulo: Perspectiva, 2008.

Safranski, R. Martin Heidegger: Between Good and Evil. Transated


by Ewald Osers. Cambridge: Harvard University Press, 1998.

Schonfield, H. J. The Song of Songs: Translated from the Original Hebrew


with an Introduction and Explanations. Nova York: Mentor Books, 1959.

Sherwood, Y.; Hart, K. Other Testaments. In: _______. (eds.)


Derrida and Religion. NovaYork: Routledge, 2005. pp. 3-29.

Spitzer, Leo. Três poemas sobre o êxtase. Tradução de


Samuel Titan Jr. São Paulo: Cosasc&Naify, 2003.

Stahmer, Harold. Speak That I May See Thee!: The Religious


Significance of Language. Nova York: Macmillan, 1968.

Steiner, George. Zion’s shadows. Times Literary Review, Londres, 27/02/2004.


Disponível em: <http://www.timesonline.co.uk/tol/incomingFeeds/
article746384.ece?token=null&offset=0&page=1> Acesso em 27/08/2008.

Todorov, T. Prefácio à edição francesa. Tradução de Maria Ermantina de Almeida


Prado Galvão. In: BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. 4a edição.
Tradução do russo por Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003. pp. XIII-XXX.

Tsur, R. On the Shore of nothingness: a study in cognitive


poetics. Exeter: Imprint Academic, 2003.

Ulmer, Gregory L. The object of Post-Critiscism. In: FOSTER,


Hal (ed.) The anti-aesthetic: essays on postmodern culture.
New York: The New Press, 1998. pp. 93-125.

Witte, B. Walter Benjamin: an intelectual biography. Tradução


de James Rolleston. Detroit: Wayne University Press, 1991.

Wyschogrod, Edith. Trends in Post-Modern Jewish Philosophy: Contexts of a


Conversation. In: Kepnes, Steven; Ochs, Peter; Gibbs, Robert. Reasoning After
Revelation. With commentaries by Yudit Greenberg, Susan Shapiro, Elliot Wolfson,
Almut Bruckstein, Edith Wyschogrod. Boulder: Westview Press, 1998. pp.123-126.