Você está na página 1de 3

Quando falamos em valores e em Filosofia de Ministério, falamos da nossa maneira de ser igreja,

falamos de como a vida comunitária se desenvolve no cotidiano de cada participante.


Nossos VALORES são princípios que orientam nossas ações e esclarecem PORQUE fazemos, O QUE
fazemos, do JEITO que fazemos: alinham nossas ações com a nossa VISÃO.
Contato, convívio, cuidado, crescimento
...enfim, qualquer palavra que diga que funcionamos prioritariamente a partir de relacionamentos
pessoais.
Espontaneidade, informalidade, liberdade
...enfim, qualquer palavra que diga que não estamos presos aos estereótipos da religiosidade
institucionalizada.
Criatividade, inovação, experimentação
...enfim, qualquer palavra que diga que estamos dispostos a fazer quase tudo em busca de
relevância no mundo.
Flexibilidade, maleabilidade, contemporaneidade
...enfim, qualquer palavra que diga que não estamos prontos.

Quando nossa missão diz:


“Amar A Deus e ao próximo convidando a todos a se reconciliarem com Deus por meio de Jesus
Cristo”
Fica claro que nós não somos uma comunidade fechada, dentro de um universo restrito a quatro
paredes. Nossa vida comunitária vai além de programações, eventos e atividades. Não somos um
grupo de pessoas que se conhecem e se encontram para reuniões religiosas.
A Primeira Igreja Batista de Franco da Rocha entende que para vivermos um Cristianismo autêntico
precisamos viver de acordo com o que o Novo Testamento nos ensina. Por isso dizemos que
queremos ser uma comunidade de pecadores redimidos reunidos em torno da mesa do Senhor,
pois entendemos que isso só é possível quando temos plena comunhão com o Cordeiro de Deus e
com nossos irmãos.
Isto implica em relacionamentos honestos, transparentes e em cuidado mútuo. Ajudando um ao
outro a se fortalecer na fé. Com isso podemos sempre refletir sobre o Amor, a Graça e a
Misericórdia do Senhor Jesus Cristo. Por essa razão a PIB de Franco da Rocha é uma comunidade
onde a festa e o perdão tem destaque.

Queremos ressaltar 5 (cinco) pontos chaves da nossa filosofia de ministério:

1. Entendemos que todo ser humano, ao se converter a Jesus Cristo traz marcas e feridas em várias
dimensões de sua vida, feridas essas que precisam ser tratadas. (Mateus 11:28-30);
2. Por crermos que a igreja é a extensão do ministério terreno de Jesus, expressar os frutos do seu
ministério fazem parte não somente de nossa missão, mas de nossa filosofia de ministério. São
eles: salvação, cura, libertação e restauração. Sendo assim, na dinâmica diária da vida da
comunidade, estes frutos se manifestarão entre nós por meio da ação do Espírito Santo de Deus.
Tal dinâmica é realizada através dos dons espirituais para o crescimento da igreja e edificação das
vidas (I Coríntios 12, Efésios 4:1-16).

3. Muitas pessoas chegam à igreja de Jesus, feridas, abandonadas, rejeitadas, sofrendo toda sorte
de abusos. À medida que forem se integrando em nossa comunidade, entendemos que é
extremamente importante a formação espiritual. Essa formação tem como objetivo fundamental
mostrar que a Obra da Cruz é completa em nossas vidas, trazendo cura e libertação (física,
espiritual, emocional e psíquica), dando aos nossos corações a certeza da Salvação eterna de nossas
vidas, para que possamos desenvolver todas nossas potencialidades como indivíduo dentro e fora
da igreja. (Mateus 28:18-20); (Filipenses 1:6); (Colossenses 1:28); (Efésios 3:16-19).

4. Pessoas precisam de Deus; Pessoas precisam de pessoas. Relacionamento é a palavra chave da


vida da PIB DE FRANCO DA ROCHA.
Toda a escritura está alicerçada na afirmação de Deus: “Não é bom que o homem esteja só”
(Gênesis 2.18). Desde então, “melhor é serem dois do que um” (Eclesiastes 4.12). Cremos na Igreja
como corpo de Cristo, no sentido em que Cristo age no mundo através da Igreja (Atos 1.1); isto é,
Cristo age no mundo através de pessoas.
Discipulado se faz através de relacionamentos. É ensinar a guardar todas as coisas que o Senhor
Jesus mandou (Mateus 28.19,20). Paulo, apóstolo fez isso mostrando os bastidores de sua vida para
que seus discípulos pudessem ver o evangelho funcionando (2Timóteo 3.10-12).
O cuidado do rebanho se faz através de relacionamentos, pois “admoestar os insubordinados,
consolar os desanimados e amparar os fracos” é dever de todos os cristãos (1Tessalonicenses 5.14),
mesmo porque a dinâmica da igreja está alicerçada nos mandamentos recíprocos (uns aos outros),
abundantemente enfatizados no Novo Testamento.
Ministérios são desenvolvidos através de relacionamentos. Ministério, serviço, não é algo ligado a
estruturas e programas, mas sim a pessoas. Não importa qual seja a área de atuação da igreja, A
PIB DE FRANCO DA ROCHA se propõe a desenvolvê-la através de relacionamentos.
Não basta a oferta financeira mensal para missões, é necessário o contato com os missionários no
campo. Não enfatizamos a evangelização em massa, mas sim o evangelismo pessoal. Não nos
contentamos em distribuir cestas básicas aos necessitados, mas nos preocupamos em atender às
necessidades integrais daqueles que recebem nossa ajuda. Enfim, valorizamos sempre o contato
pessoa-pessoa.
Todo cristão é um ministro. Uma das mais extraordinárias verdades resgatadas pela Reforma
Protestante, que é um dos pilares do pensamento BATISTA foi a doutrina do sacerdócio universal
de todos os cristãos. Isto é, todos os cristãos têm livre acesso a Deus por meio de Jesus Cristo, e
todos os cristãos têm a autoridade e todos os recursos necessários para representar o Senhor Jesus
no mundo. Isto implica dizer que o ministério é tarefa de todo o povo de Deus, e não apenas dos
ministros ordenados. Ministério não é apenas o trabalho dos pastores da Igreja. Todo serviço
cristão realizado por amor a Cristo e ao próximo é ministério (gr. diakonia).
O Espírito Santo dá dons e ministérios a todos e cada um dos cristãos (1Coríntios 12.4-7, 11; 1Pedro
2.9,10), e justamente nesta compreensão é que afirmamos que todo cristão é um ministro, o que
justifica o fato de que PIB DE FRANCO DA ROCHA quer cumprir sua missão através de todos os seus
membros.

5.Entendemos que a igreja é o Corpo vivo de Cristo, e por ser vivo, não é estático e nem está preso
a definições que no momento, contemplam nossa realidade e objetivos, por isso declaramos que
estamos abertos a tudo o que o Senhor Jesus nos ensinar, sempre prontos a mudar e melhorar
nossas elaborações teóricas e nossa caminhada enquanto comunidade para a cada dia poder
refletir melhor a pessoa de Jesus Cristo num mundo em trevas.