Você está na página 1de 9

PROPOSTA DE TRABALHO

FIQUE ATENTO: Este roteiro de elaboração de Proposta de Trabalho tem por objetivo subsidiar a
apresentação de propostas para desenvolvimento do Programa Segundo Tempo - Padrão, que devem
ser elaboradas conforme as suas Diretrizes.
Os textos indicados no presente roteiro, quando aparentes, são instruções/orientações para a elaboração
desse documento, ou seja, são comentários no intuito de subsidiar a elaboração. Após o preenchimento
adequado não se esqueça de excluir as instruções/orientações.

1. INFORMAÇÕES GERAIS DA PROPOSTA DE TRABALHO

IDENTIFICAÇÃO DO PROPONENTE E DA PROPOSTA DE TRABALHO


CNPJ da Instituição
Nome da Instituição
Número da Proposta - SICONV
Nome do Dirigente
Telefone de Contato com DDD
Possui Capacidade Técnica e Gerencial ( ) Sim( ) Não

COORDENADOR GERAL DO PROGRAMA (CONFORME TERMO DE


COMPROMISSO)
Nome
E-mail
Telefone de Contato com DDD

ENTIDADE DE CONTROLE SOCIAL


Nome
E-mail
Telefone de Contato com DDD
Endereço
Município/UF
CEP
Dirigente/Representante

INFORMAÇÃO GERAL DOS NÚCLEOS


Quantidade
Tipo Programa Segundo Tempo – Padrão

2. DADOS GERAIS DA PROPOSTA DE TRABALHO

Os dados gerais da proposta devem ser transcritos neste documento e, no Sistema de Convênios
do Governo Federal, na aba “Dados”.

OBJETO
Implantação de XX núcleos de esporte educacional para desenvolvimento do Programa Segundo
Tempo - Padrão, em atendimento a crianças e adolescentes no(s) município(s) de XX /no Estado de
XX ou Instituição de Ensino XX.
JUSTIFICATIVA DA PROPOSTA (Art. 16, II, da Portaria Interministerial n° 424/2016)
A justificativa deve também ser inserida no SICONV (aba: dados; campo: justificativa)

A justificativa deve conter os seguintes temas:


 Caracterização dos Interesses Recíprocos;

A implantação do Programa Segundo Tempo (PST - Padrão) no município de Araxá,


vem de encontro aos objetivos da Secretaria Municipal de Esporte, em dar continuidade
(estender) ao projeto, ora em curso, implantado nas escolas municipais de Araxá,
denominado: “Escola de Esportes Especializados. O projeto teve início em maio de 2015 e
atualmente atende cerca XXX crianças de 08 a 16 anos de idade, tendo como objetivo
principal democratizar o acesso à pratica e à cultura do esporte educacional e contribuir para
que o esporte e o lazer sejam tratados como políticas públicas e direito de todos (previsto em
lei).

Ao longo dos últimos anos, a Prefeitura Municipal de Araxá, através da extinta Assessoria
Municipal de Esportes Especializados e agora da Secretaria Municipal de Esporte, tem investido
muito em todos os níveis do esporte araxaense, principalmente no desporto educacional, contribuindo
para integração das crianças jovens e adolescentes através da realização dos Jogos Estudantis da
cidade e da participação de jovens e adolescentes nos chamados Jogos Escolares de Minas Gerais -
JEMG em suas diferentes fases.

Na área de inclusão Social, a PMA atuou como executor do Programa Esporte Solidário em
parceria com este Ministério e posteriormente, em 2007 reiniciou processo para aderir e acolher o
programa Segundo Tempo, sempre se integrando às melhores propostas pedagógicas ofertadas pelo
Ministério do Esporte. Este último foi desenvolvido com um saldo de muitos benefícios
proporcionados à seu público alvo ao longo de 2008 e 2009 através de convênio efetivado juntamente
com o ME, 2009 e 2010 através de convênio efetivado junto ao Governo de Estado / SEEJ-MG e
2013 a 2015 novamente com o programa Segundo Tempo, o que nos motiva a dar continuidade aos
trabalhos em uma perspectiva de melhorias e otimização dos resultados efetivos. Em 2015 a prefeitura
foi contemplada com o PELC, no entanto, só recebeu o recurso no final do ano de 2016, em 2017 já
em fase de estruturação, buscando a obtenção da Ordem de Início do referido programa.

 Diagnóstico do Problema (causas, consequências, indicadores, estatísticas, dentre outros):


Detalhar as características dos locais de intervenção - fornecer breve descrição sobre a área
geográfica em que o programa estará inserido, como características demográficas,
socioeconômicas, ambientais e culturais (número de habitantes, IDH da cidade, censo
escolar, população escolar, dentre outros);

O crescimento da população foi alarmante ...

Material, meio ambiente, mão de obra, método, medida e máquina = produto

Um dos motivos para a criação


Indicadores (Fonte: IBGE, Censo demográfico 2010):

POPULAÇÃO
População estimada [2016] 103.287 pessoas
População no último censo [2010] 93.672 pessoas
Densidade demográfica [2010] 80,45 hab/km²

EDUCAÇÃO
Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade [2010] 97,1 %
IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental [2015] 6,6
IDEB – Anos finais do ensino fundamental [2015] 5,1
Matrículas no ensino fundamental [2015] 12.633 Matrículas

SITUAÇÃO DOMICILIAR
Urbana: 92.284 pessoas
Rural: 1.388 pessoas

GRUPO DE IDADE
0 a 4 anos (pessoas) 5.768 133.606 6,16%
5 a 9 anos (pessoas) 6.090 144.868 6,50%
10 a 14 anos (pessoas) 7.177 171.491 7,66%
15 a 19 anos (pessoas) 7.796 182.710 8,32%
20 a 24 anos (pessoas) 8.625 218.778 9,21%
25 a 29 anos (pessoas) 8.696 230.762 9,28%
30 a 39 anos (pessoas) 14.548 392.643 15,53%
40 a 49 anos (pessoas) 13.291 334.249 14,19%
50 a 59 anos (pessoas) 10.858 266.867 11,59%
60 a 69 anos (pessoas) 6.023 162.201 6,43%
70 anos ou mais (pessoas) 4.800 136.976 5,12%
 Relação da proposta com as Diretrizes do Programa Segundo Tempo - Padrão: É preciso que
fique claro que a concepção de esporte a ser desenvolvida é a educacional, trazendo seus
princípios norteadores. Por exemplo: o esporte educacional procura transcender a visão do
esporte como performance e como busca por resultado. Está fundamentado em valores como
totalidade, coeducação, emancipação, participação, cooperação e regionalismo.

É NECESSÁRIO INDICAR NESTE ITEM:

1. Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da localidade que será implantado os núcleos;


2. Característica demográfica da localidade (o número de habitantes);
3. Constituição da região no que diz respeito ao índice de criminalidade, saneamento básico,
família, postos de saúde, escolas, outros que possam contribuir com a visão geral das
localidades;
4. Práticas sociais comuns da localidade que será implantado os núcleos (festas, comemorações,
eventos);
5. Caracterização das crianças que participarão do PST - Padrão: idade, interesses, necessidades,
práticas habituais, envolvimento na escola e/ou comunidade e problemas sociais;
6. Infraesturutra esportiva disponível (espaços: sala, quadra, ginásio esportivo, piscina, pista de
atletismo, dentre outros) que será utilizada durante a execução do Programa.
7. Descrever os programas (sociais e/ou esportivos) que a entidade proponente já desenvolveu.
Pode ser em parceria com outro órgão ou com recursos próprios.

OBJETIVO GERAL

O objetivo geral deve ser descrito em uma única frase, apresentando claramente (O quê? Como? Para
quê?) as ações (verbo no infinitivo) a serem desenvolvidas durante todo período de vigência da
parceria, ou seja, o objetivo deve começar com um verbo no infinitivo, respondendo as três questões
citadas e apresentando o que se pretende alcançar.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Os objetivos específicos, em número de no máximo seis, devem contemplar claramente (O quê?


Como? Para quê?) as unidades temáticas, as atividades esportivas e complementares, de modo a
respeitar a gradualidade destes.

Exemplo:
a) Oportunizar ações multidisciplinares, permitindo que os participantes do PST – Padrão
desenvolvam competências pessoais, sociais, cognitivas, educativas e motoras;
b) Contribuir para diminuição da exposição dos beneficiados aos riscos sociais, oferecendo
subsídios para compreensão da interrelação do ser humano e sociedade;
c) Promover atividades que atendam aos anseios da escola, respeitando suas raízes culturais;
d) Conhecer, organizar e interferir no espaço de forma autônoma, bem como oferecer locais
adequados para promover atividades corporais de lazer, reconhecendo-as como importantes
para a melhoria da qualidade de vida;
e) Compreender o funcionamento do organismo humano, de forma a reconhecer e modificar as
atividades corporais, valorizando-as como recurso para melhoria de aptidão física;
f) Compreender as diferentes manifestações de cultura corporal, reconhecendo e valorizando as
diferenças no desempenho, linguagem e expressão.
RESULTADOS ESPERADOS

Detalhar os resultados esperados com a execução do programa e quais serão os instrumentos de


avaliação. Lembramos que os resultados esperados devem ser passíveis de mensuração.

METAS DE ATENDIMENTO – PÚBLICO-ALVO

O Programa Segundo Tempo – Padrão tem como público-alvo o atendimento de XX crianças e


adolescentes, a partir de 06 anos de idade, prioritariamente os que estão matriculados em escolas
públicas e os que estão expostos aos riscos sociais.

3. INFORMAÇÕES DOS NÚCLEOS

DADOS DOS NÚCLEOS

Nominar e descrever os dados de cada núcleo que será implantado. Esclarecemos que para cada
núcleo é possível utilizar mais de um espaço esportivo, conforme as Diretrizes do PST, nesse caso, é
preciso identificar o endereço principal do núcleo. É fundamental considerar as áreas menos
favorecidas pela política pública local de esporte educacional.
Constar:
 Modelo de Grade Horária – Anexo 1
 Modalidades a serem desenvolvidas
 Frequência de atendimento
 Elencar todos os núcleos (nome, endereço) - Anexo 2
 Atendimento diversificado: especificar se o(s) núcleo(s) for(em) indígena(s) ou de povos e
comunidades tradicionais
 Ação financiada: especificar o(s) núcleo(s) que desenvolverá(rão) as atividades em
infraestrutura que tiveram financiamento do Governo Federal

4. DIVULGAÇÃO E INSCRIÇÃO

DIVULGAÇÃO
A entidade proponente deverá detalhar como será realizada a divulgação do Programa: período
previsto, metodologia, instrumentos utilizados, dentre outros.
Ressalta-se a observância dos padrões estabelecidos no Manual de Marcas do Segundo Tempo,
disponível em: www.esporte.gov.br/segundotempo.
INSCRIÇÃO DOS PARTICIPANTES

A entidade proponente deverá detalhar como ocorrerá o processo de inscrição dos beneficiados
(critérios de seleção, profissionais envolvidos no processo e se serão estabelecidas parcerias).

5. FORMAÇÃO CONTINUADA

CAPACITAÇÃO DOS ACADÊMICOS DOS NÚCLEOS


O PST prevê a realização de módulos de formação (nas modalidades Presencial e Ead) que são
ministrados por profissionais credenciados pelo Ministério do Esporte (Capacitação Gerencial –
destinada aos Coordenadores Gerais, Coordenador Pedagógico e Interlocutores SICONV; e
Capacitação Pedagógica – destinada aos Coordenadores Pedagógicos e Professores de Educação
Física ou Esporte). Cumpre destacar que na etapa EaD todos os sujeitos envolvidos na execução da
parceria poderão participar.

Apesar disso, a entidade deverá promover a capacitação dos acadêmicos, sob sua responsabilidade,
por meio da formação continuada de forma planejada e relacionada com as ações que serão
desenvolvidas pelo convênio, para além das que já são oferecidas pela SNELIS/ME. Por exemplo:
reuniões semanais/quinzenais com professores e monitores, discussões acerca dos problemas da
prática pedagógica, entre outras ações relacionadas com a formação de RH, buscando a melhoria do
processo de ensino e aprendizagem.

(Considerando as Diretrizes do PST - Padrão, a entidade deve detalhar como irá desenvolver a
formação continuada dos monitores, contendo periodicidade, dia da semana, horário,
metodologia e temáticas a serem abordadas).

6. ACOMPANHAMENTO DAS AÇÕES

ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA PELO PROPONENTE

A entidade proponente deve descrever as estratégias de monitoramento e avaliação das ações


previstas nesta proposta de trabalho.

7. AUTOGESTÃO

AUTOGESTÃO

Considerando que há um prazo de vigência da parceria (24 meses), a entidade proponente deve
descrever uma proposta de continuidade das atividades do programa (inserir o detalhamento de fonte
de recursos) para possível implementação dessa proposta após o encerramento da parceria entre
Ministério do Esporte e a entidade.

8. RECURSOS HUMANOS

RECURSOS HUMANOS
Descrever o vínculo dos recursos humanos com a entidade. Entende-se que o vínculo acadêmico
representa maior identidade do profissional com a instituição, além da formação em desenvolvimento
representar uma tentativa de desenvolvimento qualitativo do profissional, bem como, no caso de
bolsistas, representarem um menor ônus para o programa.

 Vínculo Acadêmico (pós-graduação lato sensu ou stricto sensu)


 Estágio
 Contratação Temporária
 Terceirização ou Regime CLT
 Outro

9. QUADRO RESUMO DO PLEITO/ MEMÓRIA DE CÁLCULO

QUADRO RESUMO
(Consulte a Matriz de valores no Documento de Orientações Estruturantes, disponível em
www.esporte.gov.br)
Nº de Núcleos

Valor solicitado R$

CRONOGRAMA DE DESENVOLVIMENTO
Número de meses para estruturação
Número de meses para o efetivo
Vigência necessária ao desenvolvimento da
atendimento (incluindo 1 mês de Recesso)
proposta de trabalho
24 meses 6 meses 18 meses

10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA

CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA


Consultar Documento de Orientações Estruturantes para correto preenchimento do quadro abaixo:

Valor do Concedente R$
Valor do Convenente (exceto para instituições
R$
federais)
Anexo 1- EXEMPLO DE GRADE HORÁRIA

Nome do Núcleo
MANHÃ
SEGUNDA TERÇA QUARTA QUINTA SEXTA
Espaço 1 Espaço 2 Espaço 2 Espaço 1 Espaço 2
8:00 – 9:00
6 a 11 anos 12 a 14 anos 6 a 11 anos 12 a 14 anos 6 a 11 anos
9:00 - 10:00
10:00 - 11:00 Planejamento
11:00 - 12:00 15 anos ou mais 15 anos ou mais 12 a 14 anos 15 anos ou mais coletivo

Nº de
Turma beneficiados
Amarela 35
Rosa 35
Azul 35

Espaço Físico - Elencar todos os locais de atividade. Ex: campo, pátio, quadras, salas, piscinas, ginásio.
Modalidades - Indicar as modalidades oferecidas no período. Ex: atletismo, handebol, vôlei, futsal.
Horário - Início e término das atividades ( inclusive intervalo e/ou lanche) .
Turmas - Cada turma terá, no máximo, 35 alunos. Diferenciar as turmas em atividades (nomear ou numerar turmas) Ex: T1, T2, T3.

OBSERVAÇÕES:
1. É importante observar o cumprimento da exigência da oferta de modalidades de acordo com a faixa etária dos
beneficiados;
2. A freqüência de 6h semanais deve ser cumprida, sendo 3 vezes por semana - 2 h/dia de atividades ou 2 vezes por semana -
3h/dia de atividades;
3. Incluir o planejamento coletivo ou reuniões pedagógicas;
Nome do núcleo
Endereço
Contato no Núcleo Nome: E-mail:
Quadra Poliesportiva (
Praça ( )
)
Espaços físicos Pátio ( ) Espaço Privado ( ) Qual?
disponíveis
Ginásio ( ) Clube ( )
Piscina ( ) Outro ( ) Qual?
Quantidade de
beneficiados
Freqüência semanal
Horários de atendimento
Modalidades
Especificidades do comunidade tradicional, povo indígena, infraestrutura
núcleo financiada pelo Governo Federal, dentre outros.
4. Esse modelo de grade horária é apenas uma sugestão, o importante é que cada turma tenha, no mínimo, 6h de atividades
por semana. Além disso, a grade horária deverá prever 2h de planejamento semanal.

Anexo 2 - Sugestão de descrição do núcleo