Você está na página 1de 3

Nrs

Prevenção de acidentes e administração de riscos ocupacionais


relacionam-se com segurança do trabalho, sua finalidade e antecipar os riscos
de acidentes e com isso minimizá-los. A prevenção de acidentes é a eliminação
das condições inseguras e isso se dá através do mapeamento de áreas de
riscos, uma análise profunda dos acidentes e apoio irrestrito da alta
administração. A informação, o treinamento e a capacitação de todos os
envolvidos no processo são elementos-chave para empreendimentos seguros
e saudáveis, com produtividade e qualidade. CHIAVENATO (2009).

NR9 - Programas de Prevenção de Riscos Ambientais: Estabelece a


obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte de todos os
empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados, do
Programa de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA, visando à preservação
da saúde e da integridade física dos trabalhadores, através da antecipação,
reconhecimento, avaliação e conseqüente controle da ocorrência de riscos
ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho, tendo
em consideração a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais. A
fundamentação legal, ordinária e específica, que dá embasamento jurídico à
existência desta NR, são os artigos 175 a 178 da Consolidação das Leis
Trabalhistas - CLT.
NR7 - Programas de Controle Médico de Saúde Ocupacional:
Estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte de
todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como
empregados, do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional -
PCMSO, com o objetivo de promoção e preservação da saúde do conjunto dos
seus trabalhadores. A fundamentação legal, ordinária e específica, que dá
embasamento jurídico à existência desta NR, são os artigos 168 e 169 da
Consolidação das Leis Trabalhistas - CLT.
As Normas Regulamentadoras tratam-se do conjunto de requisitos e
procedimentos relativos à segurança e saúde do trabalho, de caráter
obrigatório às empresas privadas, públicas e órgãos do governo que possuam
empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho – CLT.
Primeiramente, a lei nº 6.514 de 22 de dezembro de 1977, estabeleceu a
redação dos art. 154 a 201 da – CLT, relativas à segurança e medicina do
trabalho. Conforme, o art. 200 da – CLT cabe ao Ministério do Trabalho
estabelecer as disposições complementares às normas relativas à segurança e
medicina do trabalho, em 08 de junho de 1978, o Ministério do Trabalho
aprovou a Portaria nº 3.214, que regulamentou as normas regulamentadoras
pertinentes a Segurança e Medicina do Trabalho, e em 1978, através da
Portaria nº 3.214, foram aprovadas 28 (vinte e oito) normas regulamentadoras.
No entanto, atualmente, temos 36 (trinta e seis) normas regulamentadoras
aprovadas pelo o Ministério do Trabalho e Emprego.

A segurança e saúde no trabalho são regidas por a um conjunto de


normas regulamentadoras que tem a finalidade de prevenir acidentes
protegendo a saúde física e mental do trabalhador mantendo o ambiente de
trabalho livres de doenças ocupacionais, CHIAVENATO (2009).
As Normas Regulamentadoras fornecem orientações sobre
procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e saúde do trabalho, as
normas são citadas no Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do
Trabalho (CLT). Através Portaria N.º 3.214, 8 de junho de 1978, foram
aprovadas 28 (vinte e oito) normas regulamentadoras, atualmente temos 36
(trinta e seis) normas regulamentadoras que são de caráter obrigatório para
todas as empresas brasileiras regidas pela CLT.

Estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação, por parte


de todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como
empregados, do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA,
visando a preservação da saúde e integridade dos trabalhadores, através da
antecipação, reconhecimento, avaliação e consequente controle de riscos
ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho, tendo
em consideração a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais. Para o
desenvolvimento do programa deverá incluir as seguintes etapas:
Antecipação e reconhecimento dos riscos;
Estabelecimento de prioridades e metas de avaliação e controle;
Avaliação dos riscos e da exposição dos trabalhadores;
Implantação de medidas de controle e avaliação de sua eficácia;
Monitoramento da exposição aos riscos;
Registro e divulgação dos dados.