Você está na página 1de 2

20/07 - O que a Igreja diz sobre Signos?

FABIO

Se você não é fã dos cavaleiros do zodíaco ou familiarizado com a cultura chinesa talvez a
sua única experiência com os signos seja pelos horóscopos de jornais ou revistas. Quando
alguém te diz que você pode ter certeza sobre o futuro surge a percepção de que vale a pena
tentar, esta é umas das experiências mais comuns em um dia decisivo ou diante de opções
difíceis da nossa vida. Sempre recorremos àquela oração de súplica ao Senhor, mas parece-
nos pouco. Inclusive, em alguns casos, devido ao cansaço de esperar aquela pessoa amada,
podemos ceder à tentação de pedir uma ajudinha à “crença” do vizinho. E pensamos que não
faz mal nenhum ter mais uma dica. Só pra ver se ele ou ela é a pessoa certa. Mas talvez Santo
Antônio fique um pouco chateado com essa atitude. Para não citar o Senhor Jesus. Acho que
não é uma boa ideia. Vejamos o que diz a Igreja.

O Papa Francisco falando sobre a fé de Pedro quando estavam no mar da Galileia, nos ajuda a
entender algo importante; “Naquele momento a Pedro não foi suficiente a palavra segura de
Jesus, que era como uma corda estendida na qual segurar-se para enfrentar as águas hostis
e turbulentas. Isto pode acontecer também a nós. Quando não nos agarramos à palavra do
Senhor, para ter mais segurança consultamos horóscopos e cartomantes, começamos a
afundar”1 .Olha só, querendo mais seguranças terminamos rejeitando a nossa única certeza: a
de que Deus nos ama. Podemos até mesmo começar a afundar na nossa vida porque estamos
vivendo segundo outras crenças.

O nosso catecismo é bem claro ao dizer que: “Todas as formas de adivinhação devem ser
rejeitadas: recurso a Satanás ou aos demônios, evocação dos mortos ou outras práticas
supostamente «reveladoras» do futuro (45). A consulta dos horóscopos, a astrologia, a
quiromancia, a interpretação de presságios e de sortes, os fenômenos de vidência, o recurso
aos "médiuns", tudo isso encerra uma vontade de dominar o tempo, a história e, finalmente,
os homens, ao mesmo tempo que é um desejo de conluio com os poderes ocultos. Todas essas
práticas estão em contradição com a honra e o respeito, penetrados de temor amoroso, que
devemos a Deus e só a Ele”2.

Sendo assim acho que fica claro que não é uma boa ideia pedir que Deus nos ajude e ao
mesmo tempo rejeitar a fé que Ele mesmo nos deu. É como pedir dinheiro para os teus pais e
ao mesmo tempo desobedecê-los, ou sei lá, aparecer com uma nota baixa no boletim. Se
você quer uma ajuda divina para estas coisas difíceis ou inseguranças faça o seguinte: reze
com as palavras de São Tomé. "Meu Senhor e meu Deus!" (Jo 20, 28)3. A segurança que
buscamos, só poderemos alcançar através da oração e da vida de fé que com as boas obras
confia totalmente na bondade de Deus e na sua providência.

1https://w2.vatican.va/content/francesco/pt/angelus/2017/documents/papa-francesco_angelus_20170813.html

2http://www.vatican.va/archive/cathechism_po/index_new/p3s2cap1_2083-2195_po.html

3http://www.a12.com/redacaoa12/espiritualidade/o-que-sao-tome-nos-ensina-sobre-a-fe