Você está na página 1de 12

ANEXO DE HOMILÉITCA

SERMÕES TEMÁTICOS
SERMÕES TEXTUAIS
SERMÕES EXPOSITIVOS
SERMÕES TEMÁTICOS

Tema : Cinco elementos do chamado de Deus.


Texto: João 15:16

Introdução:
A vida se tornará mais significativa e gratificante se entendermos que estamos aqui para uma missão.
Nossa existência não é um acidente. Na verdade, somos parte do plano mestre de Deus. Ser um agente
de Deus é a sua missão. A partir do texto acima, existem cinco elementos do chamado de Deus.

I. Capacitação - “Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei..." Quando
Deus escolheu os pássaros para voar, Ele os equipou com asas. Quando Deus nos chama para fazer
uma tarefa, Ele nos dará poder. A nossa capacitação e ordenação vem de Deus. Você não tem que
esperar algum rito de ordenação formal para iniciar o compartilhamento de Jesus para seus amigos e
vizinhos. Depois de se tornar um cristão, você se torna um missionário de Deus para compartilhar seu
amor para o seu círculo de influência.
II. Ganhar almas - “... para que vades...”. A missão: A batida do coração de Deus é ganhar almas. Deus
tem apenas um Filho. Mas ele enviou Jesus para ser o primeiro missionário para o mundo. Jesus disse:
Marcos 16:15 “E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a todas criatura” Esta é a
Grande missão de cada crente de Cristo. Você também pode encontrá-la em Mateus 28:19-20. Esta é a
nossa autoridade e missão, que devemos ir e ganhar almas para Deus. Se você não está ganhando
almas para Deus, então você está perdendo um dos propósitos de Deus para nossas vidas que é trazer
as pessoas para Jesus.
III. Frutíferos - “... e deis fruto...”. A frutificação: A alegria do chamado de Deus é ver alguém que
nasceu para a Família de Deus através do nosso testemunho. Em João capítulo 15, Jesus explica a
importância de estar ligado a Deus para que nos tornemos pessoas frutíferas. Ele explica que como os
ramos estão mortos se não estiverem ligados à videira, assim também estamos sem vida e inúteis, sem
Deus. Sem Deus, não somos nada. A frutificação é parte do plano de Deus para nós. Na verdade, a
primeira ordem de Deus para toda a criação foi que cada um produzisse segundo sua própria espécie.
Os cristãos devem reproduzir outros cristãos. Os crentes em Jesus devem reproduzir através da
partilha de Jesus ao mundo. Uma vez que obedecemos a esta ordem, a nossa vida se tornará cheia de
satisfação, alegria e emoção. João 15:11 “Tenho-vos dito isto, para que o meu gozo permaneça em
vós, e o vosso gozo seja completo” A oração é sempre parte de ganhar almas. E ao compartilhar o
evangelho com os outros em oração, nós certamente teremos boa colheita. Salmos 126:5 “Os que
semeiam com lágrimas segarão com alegria”
IV. Cultivo - “... e o vosso fruto permaneça...”. O cultivo: Deus quer que sejamos pais responsáveis no
Senhor. Nós devemos cuidar de nossos filhos espirituais na fé. Nós os geramos espiritualmente e não
devemos abandona-los depois do nascimento. Nós temos que discipliná-los e ensiná-los para que
possam crescer no conhecimento de Deus e se tornarem missionário também como nós.
V. Bênção - “... a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vo-lo conceda”. A bênção:
Sempre haverá bênçãos quando obedecemos ao chamado de Deus

Aplicação: Todos temos um chamado de Deus para irmos ao encontro de almas perdidas e Deus nos
capacitará e nos guiará ao fruto que ele almeja e nos abençoará no tempo certo. Deus sempre fará a
parte dele!

SERMÕES TEMÁTICOS

Tema: Os fundamentos da evangelização


Texto: Mateus 9:35;10.13

Introdução: A evangelização, dentro dos paradigmas do testemunho pessoal, está ultrapassada na


sociedade contemporânea. A igreja deve apresentar ao mundo mais do que o plano da salvação
resumido em algumas poucas leis espirituais. Jesus oferece uma perspectiva mais abrangente da ação
missionária ao demonstrar três fundamentos da evangelização. Vejamos:

1. O conteúdo da evangelização é o reino de Deus. V.35. Arrependimento e fé não são o fim da


evangelização. O fim da evangelização é a participação no reino Deus. O novo nascimento não é um
fim em si mesmo, mas apenas o meio de acesso ao reino de Deus. Nesse caso, o evangelho é a boa
notícia da chegada do reino de Deus (Marcos 1.14,15) a todos aqueles marginalizados (Mateus 5.1-12)
pelas sociedades e culturas dominadas pelo príncipe deste século (2 Coríntios 4.3,4; Efésios 2.1-3; 1
João 5.19). O conteúdo da evangelização é o anúncio de que Deus ressuscitou Jesus e o fez Senhor e
Cristo (Mateus 28.1-20; Atos 2.36), que dá liberdade a todos os que viviam opressos pelo Maligno
(João 8.32).
2. O contexto da evangelização é as cidades e povoados. V.35. Evangelizar é mais do que convidar à
aceitação de uma salvação individual em resposta a um plano pessoal de entrega da vida a Jesus.
Evangelizar é anunciar a chegada do reino de Deus, com todas as suas implicações para vida humana
em todas as suas dimensões. O Pacto de Lausanne, fruto do Congresso Mundial de Evangelização
(Suíça, 1974) afirmou que a missão da igreja é levar o evangelho todo para o homem todo. Jesus
percorria todas as cidades e povoados. O contexto da evangelização é a rua, a praça, os condomínios e
as favelas, as casas, os centros culturais e artísticos, os polos de poder econômico e político, a
academia, o campo e as fábricas, enfim, todo lugar além das paredes dos templos (sinagogas) e dos
cultos vespertinos evangelísticos.
3. A estratégia da evangelização é a proclamação, o ensino e a cura. V.36. Jesus pregava, ensinava e
curava. O anúncio da chegada do reino pressupõe um novo estilo de vida, o que justifica o ensino-
discipulado, mas também, e principalmente, uma nova dimensão de existência, onde a graça de Deus
começa a restaurar todas as coisas e dimensões da vida humana. Curar também é tarefa da igreja. Seja
a cura física, dos relacionamentos, da alma, das relações sociais, e de tudo quanto o ser humano faz e
sofre enquanto está longe de Deus e escravizado do mal, pois para isso o Filho do Homem se
manifestou, para desfazer as obras do Diabo (1João 3.8), trazendo salvação, libertação e restauração
(Lucas 4.18-21).

Aplicação: A expansão missionária evangelística da igreja deve multiplicar sinais do reino de Deus até
os confins da terra (Atos 1.8), gerando cidades edificadas sobre o monte, onde as obras deste reino são
vistas e resultam em glória ao nosso Pai que está nos céus (Mateus 5.14-16).

SERMÕES TEMÁTICOS

Tema: A obra missionária


Texto: Atos 1:8
Introdução: Nesta mensagem iremos tratar sobre nosso maior desafio nesta terra. A obra missionária
deve ser tratada como Jesus recomendou e viveu. Vejamos três fatos importantes sobre a obra
missionária:

1. A maior de todas as incumbências – “Sereis testemunhas”. Somos incumbidos por Deus de sermos
suas testemunhas. Conforme escreve o apostolo Pedro “coisas essas que anjos anelaram perscrutar.” I
Pedro 1:12. Deus confere a nós seus discípulos a honrosa tarefa de “sermos cooperadores”
“ministros” “embaixadores”, assim trabalhamos com Deus para implantação do seu reino. Não somos
apenas coadjuvantes desse grande plano de salvação da humanidade. Somos o único método de Deus.
Ele estabeleceu que “homens” levariam o evangelho a “homens.” Nesse sentido os discípulos de Jesus,
sua igreja, somos a esperança desse mundo perdido. Nada nessa vida pode ser comparado em honra e
privilegio quanto realizar a obra missionária.
2. O maior de todos os recursos - “O Espirito Santo”. a. Não podemos ignorar que tão honrosa tarefa é
também desafiadora. A Bíblia Sagrada ao falar da vida cristã nos descreve como uma batalha contra o
império das trevas que de forma organizada e persistente quer impedir o avanço da obra missionária.
O livro de Atos dos apóstolos descreve as lutas e perseguições da igreja primitiva a medida que crescia.
Em nossos dias não é diferente, certamente sofreremos oposição. No entanto temos que destacar que
muito maior é o poder que Deus confere aos seus discípulos para o enfrentamento desses desafios.
b. É exatamente por isso que Jesus disse: “...mas recebereis poder ao descer sobre o Espírito Santo e
sereis minhas testemunhas...” O Espírito Santo é o poder que precisamos para a realização da obra
missionária. O Espírito Santo é Espírito de coragem, ousadia, intrepidez, fé e amor. Ele é Deus vivendo
em nós. Todo aquele que já entregou sua vida a Jesus e vive em relacionamento com Ele tem poder.
Leia Atos 4:13 e medite. c. O Espírito Santo é a unção e autoridade que precisamos para ministrar a
esse mundo.
3. O maior de todos os resultados - “A salvação de vidas”. a. Somos testemunhas de Jesus para a
salvação de vidas. “De sorte que somos embaixadores em nome de Cristo, como se Deus exortasse por
nosso intermédio. Em nome de Cristo, pois, rogamos que vos reconcilieis com Deus.” II Cor. 5:20. “Eu
vos afirmo que, de igual modo, há jubilo diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.”
Lucas 15:10. b. Se a salvação de vidas não fosse a coisa mais importante a ser feita com certeza Jesus
não teria dado sua vida por isso. c. Pare um pouco e pense: Qual a importância de uma vida
transformada por Jesus em relação a outros resultados que buscamos?

Aplicação: Tenho aproveitado ao máximo cada oportunidade de compartilhar o evangelho? Alguém vai
estar no céu por sua causa? Que decisões você se sente dirigido pelo Espírito Santo a tomar em relação
a esta mensagem?
SERMÕES TEXTUAIS

Tema: Quatro pilares para construir seu lar


Texto: Mateus 7:24-27

Introdução: Os pedreiros e carpinteiros constrói casas. Deus constrói lares.


O lar e a vida familiar começa no altar do casamento. É preciso construir continuamente para edificar
um lar como deve ser, no entanto, sua edificação é em vão se você não constrói sobre os fundamentos
certos. Os pilares seguintes darão a sua família o fundamento para construir um lar forte.
I. Primeiro pilar – Consagração. A. Dedicação ao Salvador, Mateus 6:33 “Mas buscai primeiro o reino de
Deus e sua justiça; e todas estas coisas vos serão acrescentadas”. B. Morte ao egoísmo, Efésios 5:25
“Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a Igreja e se entregou por ela;” C. A devoção
a seu cônjuge, Efésios 5:28 “Assim também os maridos devem amar suas esposas como seus próprios
corpos. Quem ama sua esposa ama a si mesmo”.
II. Segundo pilar – Convicções. Se você não estiver para algo, você vai se apaixonar por qualquer coisa.
A. Deve haver algo definitivo para fazer 1. No que diz respeito a sua família - Dedicação familiar,
Disciplina Familiar, Devoção familiar. 2. Quanto à fidelidade a. Cristo, à Igreja, e à chamada de Deus.
3. Em relação ao perdão, (Nenhum de vocês é perfeito). B. Deve haver algo definitivo para não fazer
1. A respeito do seu linguajar. 2. A respeito da sua maneira de vestir-se. 3. No que diz respeito as suas
atitudes. Votos são valiosos, não tenha receio de fazer alguns.
III. Terceiro pilar – Compromisso. A. Para com seus votos de casamento. B. Para com os valores que
valem a pena. C. Para caminhar vitoriosamente.
IV. Quarto pilar – Comunicação. A. Você deve aprender a discutir sem discutir, B. Você deve aprender a
discordar sem se zangar, C. Você deve aprender a falar "sem animosidade”. 1. Sobre o que precisamos
falar: a. O que ele gosta, b. O que ela gosta, c. O que Deus gosta.

Aplicação: O verdadeiro segredo para ter um bom lar e uma ótima vida familiar é fazer com que o
Senhor Jesus Cristo, seja a pedra angular. Se tudo está ligado a Ele corretamente, ele vai manter tudo
junto.
SERMÕES TEXTUAIS

Tema: A Paz Que Excede Todo Entendimento


Texto: Filipenses 4: 4-8

Introdução: Para iniciarmos, gostaria de chamar a sua atenção para a palavra “excede” do verso acima.
Essa palavra literalmente significa algo que extrapola, vai além, ultrapassa, que é mais, que está acima,
que está em nível superior, que é maior, é mais alto e é sublime. O termo acima “que excede todo o
entendimento” nos dá a ideia de algo que foge a razão humana. Faz referência a uma paz que
transcende, vai além, supera e é maior que qualquer paz possível de ser encontrada pela busca
humana, por meio de seus recursos naturais. O que o texto quer nos dizer é que há todo tipo de paz
em que as pessoas podem buscar e encontrar em algum lugar, mas a paz de Deus excede e é superior
a tudo isso. Todos os esforços para trazer paz a minha vida trazem uma paz que é infinitamente
inferior a paz de Deus que excede todo o entendimento. O termo “todo o entendimento” diz sobre a
nossa capacidade máxima de pensar, compreender e argumentar. A paz de Deus é eficaz mesmo que
não se tenha razão alguma para se ter paz. Mesmo que não se saiba explicar o porquê da calmaria em
meio à tempestade. O texto diz que essa paz “guardará os vossos corações e os vossos pensamentos
em Cristo Jesus”. O sentido aqui é este: a paz de Deus vai guardar e proteger os nossos corações e
pensamentos por meio de Cristo Jesus. A expressão “em cristo Jesus” denota que o meu
relacionamento com Cristo me dará uma paz tão profunda que guardará e bloqueará a minha mente e
coração contra as investidas do mal, que tem por finalidade roubar a minha paz interior.

 Três Atitudes para Ter Essa Paz - Com base em Filipenses 4: 4-8, vamos falar sobre três passos
simples para você proteger a sua mente e guardar o coração. Veremos que somente
construindo muros de proteção podemos ter a paz que excede todo entendimento. Então
construa seus muros hoje!

1 – CONSTRUA O MURO DO LOUVOR - Paulo escreveu esta carta aos filipenses enquanto estava
confinado a uma prisão romana, amarrado a dois soldados. Esta carta faz parte das “epístolas da
prisão”. Mas, incrivelmente, um tom perpassa toda ela – o tom da alegria, mais precisamente, da
“alegria no Senhor”. O apostolo Paulo convoca os crentes a “alegrar-se”. O texto diz: “Regozijai-vos
sempre no Senhor” (v. 4). O verbo está no tempo presente, voz ativa e modo imperativo. O crente é
ordenado a “continuar a ser feliz no Senhor.” Para Paulo, independentemente das circunstâncias da
vida, o crente deve se alegrar. As circunstâncias mudam e a vida muda constantemente, mas o Senhor
nunca muda, sempre fiel! Podemos nos alegrar por quem Deus é, pelo que fez e está fazendo em
nossa vidas.
2 – CONSTRUA O MURO DA PACIÊNCIA - Para ter essa paz de Deus, o apostolo Paulo diz, no verso 6:
“Não estejais inquietos por coisa alguma“. A preocupação não só tira a energia física, mas também
rouba a paz da alma. A preocupação destrói a nossa vida física e espiritual. Ela é como uma cadeira de
balanço, que mantém você ocupado, em movimento, mas não o leva a lugar algum! A preocupação é
um ato de rebelião contra o governo de Deus na sua vida. É você querendo determinar coisas que
somente cabem a Deus. É como que se dissesse: “Deus não está agindo e é incapaz de fazer qualquer
coisa sobre a minha situação, então há algo que devo fazer que Deus não pode fazer. Jesus disse:
“Olhai para as aves dos céus”, e mais “ninguém acrescenta um côvado a sua estatura”. Para
terminamos de construir o nosso muro, Jesus também disse: “Não vos inquieteis, pois, pelo dia de
amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal”. (Mateus 6:25-34)

3 – CONSTRUA O MURO DA ORAÇÃO - O segredo para se ter a paz de Deus nos guardando está no
verso 6: “antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica“. É
isso mesmo… Sem oração e súplica não há paz de Deus na alma. É o relacionamento com o autor da
paz que gera essa paz em mim. Isso é obra do Espírito Santo na minha vida. É fruto do Espírito! Em vez
de se preocupar com as coisas que você não pode mudar, coloque-se diante de Deus, prostre-se diante
dele! Se substituirmos nossas preocupações pela oração, Deus substituirá nossas preocupações pela
sua Paz.

Aplicação - Somente um relacionamento com o autor da paz, que é evidenciado por uma vida de
louvor, paciência e oração, é possível ter a paz que excede todo entendimento, que vai além da nossa
capacidade de pensar e raciocinar, argumentar e produzir com recursos humanos.
SERMÕES EXPOSITIVOS

Tema: Transformando meu lar num vale de bênçãos


Texto: II Crônicas 20:1-30

Introdução: O plano de Deus para as famílias é sempre de felicidade, paz e harmonia. Nascido no
coração de Deus para a felicidade do gênero humano e a gloria de Deus a família é alvo constante do
inesgotável amor de Deus. Mas infelizmente muitas vezes o lar ao invés de ser um lugar de paz
harmonia e felicidade é o lugar do medo, da discórdia e da tristeza. No texto que lemos temos as
famílias de Jerusalém que estão vivendo um tempo assim. Após receberem a noticia de que seus
inimigos marchavam contra eles para a guerra, são tomados pelo medo (v.3) e no v. 12 o rei Josafá ora
dizendo que não sabiam o que fazer. Diante desta crise que agora se instalara nas famílias de
Jerusalém, Josafá não se entrega, mas lidera seu povo a uma reação que os leva a experimentar um
verdadeiro milagre em suas famílias: o vale do medo transformado num vale de bênçãos. Assim como
foi nos dias de Josafá assim também pode ser com minha família e a sua. Vejamos o que fazer quando
no meio da crise não “sabemos o que fazer”:
I. Uniram-se para buscar ao Senhor com oração e jejum. (V. 3,4)
A palavra de Deus no ensina que devemos orar sempre, mas principalmente quando não sabemos o
que fazer. A oração e o Jejum é o meio estabelecido por Deus para desenvolvermos nosso
relacionamento com Ele. Através da oração conhecemos a Deus como fonte de poder e conhecemos a
nós mesmos como dependentes de Deus. Infelizmente nos tempos da pós-modernidade quando
temos inúmeros recursos feitos pelo homem, muitas famílias já não oram mais. Preferem resolver seus
problemas nos consultórios, nas terapias, nos conselhos de “auto-ajuda” nos escritórios e nos
gabinetes dos magistrados. A oração e o jejum é um meio de graça para a vida toda, mas
principalmente em tempos de crise é o primeiro recurso a ser usado para transformarmos nosso lar
num vale de bênçãos.
II. Deram ouvidos á palavra de Deus. (V. 14,15 )
Após um período de oração e jejum o Espírito do Senhor veio no meio da congregação e disse: “Daí
ouvidos.. .vós moradores de Jerusalém ...ao que vós diz o Senhor.” Um lar de bênçãos é edificado pela
Palavra de Deus. Jesus disse “todo aquele que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado
a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha.” Mateus 7:24. A palavra de Deus vivifica
(Salmo 119: 25) fortalece (Salmo 119: 28) guia (Salmo 119: 105) prazer (Salmo 119: 143) paz (Salmo
119: 165) tudo que um lar precisa para ser um lar abençoado. Uma vez que deram ouvidos a palavra
do Senhor agora sabiam o que fazer (Vs.15-17) A palavra de Deus uma vez recebida expulsa o medo
dos nossos corações “Não temais, nem vos assusteis por causa desta grande multidão, pois a peleja
não é vossa, mas de Deus”.
III. Dispuseram-se para adorarem e louvarem ao Senhor com todas as suas forças. (V. 18,19,21,22)
Agora as palavras que expressavam medo, lamento, queixume, revolta são substituídas por palavras de
louvor a Deus. O louvor que brota de corações sinceros tem o poder de transformar um ambiente de
medo num ambiente de segurança, de discórdia num ambiente de paz, de tristeza num ambiente de
verdadeira alegria e confiança. “enchei-vos do Espírito, falando entre vós com salmos, entoando e
louvando de coração ao Senhor com hinos e cânticos espirituais, dando sempre graças por tudo a
nosso Deus e Pai, em nome do nosso Senhor Jesus Cristo.” Efésios 5:18,19 “...a língua dos sábios é
medicina” Provérbios 12:19 “a língua serena é arvore da vida mas a perversa quebranta o espírito”
“palavras agradáveis são como favo de mel: doces para a alma e medicina para o corpo.” Provérbios
16:24
IV. Confiaram em Deus e nos seus profetas a despeito das circunstancias adversas.
“Crede no Senhor, vosso Deus e estarei seguros; crede nos seus profetas e prosperareis.” Ouviram a
palavra do Senhor e agora deveriam confiar e fazer tudo que o Senhor através de seus profetas haviam
dito. Os inimigos eram poderosos, cruéis e não tinham nenhum respeito para com as famílias, pois
queimavam seus próprios filhos em sacrifícios aos deuses, no entanto as famílias de Jerusalém
deveriam confiar no Senhor, que certamente lhes daria vitória.

Aplicação: Tendo eles começado a cantar e a dar louvores, pôs o Senhor emboscadas contra os
inimigos e foram desbaratados e finalmente destruídos. Ao quarto dia, o vale do medo foi
transformado no Vale da bênção. Creia !!! Assim será também com o meu lar e o seu lar !!!
SERMÕES EXPOSITIVOS

Tema: Segredos para um casamento bem sucedido


Texto: João 2:1-11

Introdução: Jesus disse que os últimos dias seriam como nos dias de Noé: as pessoas estaria se
casando e dando se em casamento e, ainda assim, após todos estes anos de experiência, o casamento,
como instituição, está sob grande pressão. Ele é conveniente, portanto, que nós possamos aprender
alguns “segredos de um casamento bem-sucedido” com o primeiro milagre de Jesus nas Bodas de
Caná.
I. Convide Jesus. V 1-2
1. Início de milagres: Jesus foi convidado para o casamento. Mesmo sendo uma viagem de dois dias a
pé, ele foi. Jesus pagou o preço vindo do céu à terra e quer entrar em nossos corações mas nós
devemos convidá-lo pessoalmente. O milagre começa quando convidamos Jesus para entrar em nossas
vidas. 2. A experiência comum: Douglas e Ana Paula provenientes de diferentes origens qual é a cola
que irá mantê-los juntos? Jesus, a terceira vertente neste cordão de três dobras (Eclesiastes 4:12). Eles
têm um bom começo em seu caminho para a união bem sucedida.
II. Leve as necessidades a Jesus. V 3-4
1. Problemas: (v 3) Cedo ou tarde, todo casamento passará por dificuldades. Aqui a lua de mel parecia
ter acabado antes de começar. Os amantes são cegos. O casamento é os olhos abertos! O amor é um
sonho. O casamento é o despertador! 2. O exemplo de Maria: Levou o problema para Jesus. Não
tentar resolvê-lo do seu próprio jeito. Fez de Jesus o centro, neste momento de necessidade. 3. Deus é
movido pela fé. A fé implícita de Maria move Jesus. Deus não é movido pela nossa necessidade, mas
pela nossa fé. A fé pode alterar o calendário de Deus. A fé agrada a Deus (Hebreus 11:6)
III. Dar a Jesus o que você tem. V 6
1. Seis talhas de pedra: Vasilhas comuns usadas para a lavagem cerimonial. 6 é o número do homem,
vazio fala da nossa condição sem Cristo.
2. Água: Comum, insípida, inodora. Jesus perguntou pelo que estava disponível, o que tinham. Eles
tiveram que apresentar a Jesus o que eles tinham disponível. A água também fala do Espírito Santo.
Quando estamos cheios do Espírito Santo há uma oportunidade para milagres.
3. O que você tem? Trazê-lo para Jesus! Ele não está olhando para a capacidade mas por
disponibilidade. Abraão: um filho, Moisés: uma vara, Davi: uma funda e cinco pedras, Viúva de Sarepta:
um pouco de farinha e azeite, Discípulos: cinco pães e dois peixes.
IV. Fazei tudo quanto ele vos disser. V. 5,7-11
1. “Fazei o que Ele diz:" (v 5) últimas palavras de Maria. Excelente conselho. Às vezes é difícil, não faz
sentido, ainda que Deus quer obediência implícita. O milagre só aconteceu porque obedeceram e
encheram as talhas de água.
2. Ele guarda o melhor para o futuro: V (10) No mundo o melhor é servido primeiro, mas Jesus guarda
o melhor para o futuro. Não importa o que pode ter acontecido no passado, o melhor ainda está por
vir. Ele é um Deus redentor capaz de trabalhar todas as coisas para o bem daqueles que o amam e são
chamados segundo o seu propósito (Romanos 8:28).

Aplicação: Assim, Douglas e Ana Paula podemos aprender com esta passagem os segredos para um
casamento bem-sucedido:
1) Convide Jesus para o vosso casamento,
2) Leve as necessidades a Jesus,
3) Dê a ele o que vocês tem e
4) Fazei o que Ele vos disser.
Que o vosso casamento seja bem sucedido e vivam experiência de milagres como este em Caná.

Fontes: Esboços encontrados e adaptados dos seguintes sites:


http://sejapregador.com
https://www.opregadorfiel.com.br
http://www.materiasdeteologia.com
http://projeto-mobilizacao.blogspot.com/